Tag loja 4.0

Cresce o número de startups com soluções voltadas ao varejo

Um bom ponto comercial na rua ou no shopping, por si só, não é mais garantia de excelente resultado de venda. Além de uma mercadoria de qualidade, colaboradores bem treinados, preços atrativos e facilidades na negociação do pagamento, o consumidor busca algo a mais. É pensando nisso e na possibilidade de oportunizar a compra sem sair de casa, pesquisar fora de horário ou até mesmo adquirir numa determinada loja e retirar o produto noutra que centenas de startups brasileiras tem se dedicado a pensar melhorias tecnológicas para o varejo.

A inovação que antes parecia coisa de ficção científica ganhou a palma da mão. Nos últimos 10 meses, segundo uma pesquisa desenvolvida pelo OasisLab (primeiro centro de inovação especializado em varejo do Brasil), em conjunto com a Startse, maior hub de startups do Brasil, e a Neomode, o número de startups nacionais focadas em tecnologias voltadas para melhorar a forma de relacionamento com o consumidor subiu de 115 para 194. É o que mostra o estudo “Loja 4.0: Panorama das startups brasileiras do varejo – 2ª edição 2018”, recém lançado em São Paulo para mais de 200 empresários e profissionais das áreas de varejo e tecnologia de todo o país.

Segundo a especialista em varejo e responsável pelo laboratório de startups do OasisLab, Fabíola Paes, a integração entre os pontos de venda on-line e off-line possibilita a criação de novos mercados para as empresas e isso significa alternativas extras para quem está interessado em crescer, mesmo em meio à crise.

“A adição de 85 novas startups ao estudo mostra o aumento da tecnologia e novas macrotendências de inovação como logística, sustentabilidade e e-commerce, que traz muitas facilidades para o cliente e o varejista. Mais do que retratar profundas transformações na forma de comercialização de produtos no país, a pesquisa revela que embora a loja física ainda seja referência para o varejo, a cada dia aumenta a necessidade de interação com tecnologias digitais mais acessíveis e amigáveis para o consumidor, tais como smartphones, tablets, relógios conectados e óculos de realidade virtual”, conta a especialista.

Para Cláudia Backes, Gerente de Comunidade da Startse, a busca por um cliente satisfeito tanto com o produto, quanto com a experiência de compra, fez surgir um novo mercado. É aí que entram as startups que aparecem no estudo. “Estudos como este nos mostram que o Brasil tem potencial de se posicionar em um mercado global nesta vertical. Temos muitas startups desenvolvendo negócios inovadores, na maioria resistindo aos primeiros anos de atuação, que representam a maior taxa de mortalidade de startups. É muito bom perceber que o mercado parece estar se dando conta das suas fragilidades e apoiando as startups como parte fundamental da sua transformação para a Nova Economia”, completa.

Soluções e inovações

Para desenvolver o estudo a equipe do OasisLab contou com o banco de dados da Startse, além de acessar os dados da primeira pesquisa feita em 2017, que contava com a base da Associação Brasileira de Startups, o Ranking 100 Open Startup e do Laboratório de Varejo da Universidade Positivo. O objetivo foi apontar as novas empresas de tecnologia brasileiras que tem como força motriz a inovação e como elas estão dispostas a resolver “as dores do lojista”, que englobam todos os detalhes do processo de compra e entrega; situações que vão desde dificuldades de gerenciamento de estoque, atrasos de entrega, questões de relacionamento com o cliente, entre outros.

Assim, as startups foram dispostas num grande círculo que remete à figura de uma mandala, organizada em nove eixos que sintetizam soluções e inovações nas áreas de realidade virtual, inteligência artificial, e-commerce, engajamento do consumidor, internet das coisas, logística, operação, pagamentos e sustentabilidade.

“Reunir os fornecedores de tecnologia de forma tão didática para quem precisa da informação especializada, no caso o varejista, é algo sensacional. Sem falar na riqueza que é ver o Brasil produzindo soluções que também estão sendo colocadas em prática no comércio da Europa e da América do Norte”, explica um dos principais apoiadores do projeto e fundador do OasisLab, Hélio Biagi. Em janeiro, ele esteve na NRF Retail’s Big Show, nos Estados Unidos, e acompanhou o impacto que a tecnologia ofertada pelas startups traz ao comércio do mundo todo. “Temos uma nova realidade de mercado e de varejo e não podemos mais pensar isso tudo sem as startups”, completa.

Para visualizar o quadro com a mandala, seus nove eixos e os desenvolvedores de tecnologia basta acessar o link https://oasislab.com.br/ panorama-das-startups- brasileiras-que-estao- transformando-o-varejo-loja-4- 0-2a-edicao-2018/

Esse desenvolvimento teve o apoio acadêmico do Núcleo de Varejo Retail Lab da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e do CEPEV- USP Centro de Pesquisa de Varejo da USP.

Tags, , , , , , , , , , ,

Estudo mostra as startups brasileiras que estão mudando o varejo

O mercado brasileiro já conta com 216 startups focadas em trazer soluções para o setor do varejo e consumo no Brasil. É o que mostra o Liga Insights Retail, mapeamento inédito realizado pela Liga Ventures (http://liga.ventures/), aceleradora especializada em gerar negócios entre startups e grandes empresas, em parceria com o OasisLab (https://www.oasislab.com.br), primeiro espaço brasileiro de inovação especializado em varejo.

O levantamento foi realizado com base em diversas fontes, como inscrições para os programas de aceleração e eventos da Liga Ventures, informações do Laboratório de Varejo da Universidade Positivo, recomendações, notícias em portais de negócios e busca ativa de startups. Ao todo, foram avaliadas 4.163 startups em todo o país e as 216 enquadradas em varejo foram distribuídas em 11 categorias que cobrem toda a cadeia do setor, com soluções que trazem inovações para gestão de lojas (31 startups), pagamentos (26 startups), logística (18 startups), IoT, Big Data e novas tecnologias (21 startups), entre outros.

De acordo com Rogério Tamassia, sócio-diretor da Liga Ventures, há uma ebulição de novidades surgindo para o segmento do Varejo capitaneadas pelas startups e esse é o primeiro estudo completo feito sobre esse tema no Brasil. “O relatório permite que os varejistas tenham uma visão abrangente do panorama de inovação que impacta diretamente seus negócios, bem como nos ajuda a gerar inteligência e traçar tendências desse mercado”, explica Tamassia.

Loja 4.0

Das 216 startups mapeadas, 115 foram classificadas como soluções da chamada “Loja 4.0”, conceito cunhado por Fabíola Paes, fundadora da Neomode e head of retail lab no OasisLab, e aprofundado no estudo. Graças ao smartphone, o cliente do varejo acessa uma série de ferramentas que influenciam sua experiência. Essa mudança representa uma oportunidade para aplicar na loja tecnologias como internet das coisas, realidade virtual e realidade aumentada, robótica, inteligência artificial, aplicativos, entre outras. “Essa “inteligência digital” aprimora a experiência de compra e permite ao consumidor, por exemplo, realizar suas compras de casa e ir à loja só para retirar o produto, evitando filas, ou receber ofertas daquilo que realmente interessa à sua necessidade”, afirma Fabíola.

O relatório vem pouco depois de a Liga Ventures anunciar a Liga Retail (http://liga.ventures/retail), novo programa de aceleração focado em conectar startups com grandes empresas do setor de Varejo e que também conta com parceria do OasisLab, espaço de inovação do setor com inauguração prevista para julho, em São Paulo.

As empresas e startups interessadas podem ter acesso gratuito ao estudo completo com todas as startups e categorias no endereço: https://liga.ventures/insights-varejo/

Tags, , ,