Tag Jorge Santos Carneiro

Até o Carnaval, burocracia já custou R$10 bilhões para as empresas brasileiras

O Carnaval acabou, para algumas pessoas o ano está apenas começando, e as micro, pequenas e médias empresas brasileiras já gastaram cerca de 3 dias de trabalho dedicado com gestão burocrática, gerando um custo de aproximadamente R$ 10 bilhões em produtividade.

A informação é indicada pelo Termômetro de Produtividade para MPMEs da Sage, multinacional britânica de software de gestão.

No Brasil, as pequenas empresas gastam mais de 20% das horas de trabalho de seus funcionários ao longo do ano exclusivamente com atividades ligadas à área administrativa. O complexo cenário tributário brasileiro desafia empreendedores e profissionais ligados à área de contabilidade para manter a saúde financeira e as empresas em compliance.

De acordo com Jorge Santos Carneiro, presidente da Sage Brasil e América Latina, “esses profissionais precisam ser liberados de afazeres manuais, que podem ser feitos com maior rapidez e eficiência quando digitalizados. E é isso o que a Sage oferece ao mercado: tecnologia e sistemas de gestão que são verdadeiros aliados do dia a dia de trabalho desses profissionais”.

O Termômetro de Produtividade da Sage calcula o custo do tempo alocado pelos donos de pequenos negócios de 11 países, incluindo o Brasil, com afazeres como emissão de notas, pagamentos, recrutamento e RH e contabilidade ao longo do ano. As informações que alimentam o termômetro, disponível no site da Sage http://www.sage.com/company/business-builders/reduce-your-admin-burden, têm como base um estudo econômico global feito pela consultoria Plum para a empresa.

Tags, , , , , ,

Sage conquista 5 troféus no International Stevie Awards

A Sage, líder mundial em software de gestão para pequenas e médias empresas acaba de conquistar cinco troféus na 14ª edição da premiação International Stevie Awards, nas áreas de Relações Públicas e Comunicação Interna.

Com um troféu de ouro, um de prata e três de bronze, em cinco diferentes categorias, a empresa segue o caminho adotado por Jorge Santos Carneiro, presidente da empresa no Brasil desde 2014, de valorizar as práticas de comunicação a fim de engajar seus colaboradores e comunidades nas áreas onde a companhia atua.

“Receber cinco prêmios no Stevie Awards é muito gratificante e uma amostra de que estamos seguindo o caminho certo. O alto engajamento das nossas pessoas foi essencial para o sucesso das iniciativas. Agradeço imensamente cada um dos colegas da Sage Brasil pelo trabalho e dedicação. Esses prêmios são de todos vocês”, aponta Jorge Santos Carneiro, Presidente da Sage Brasil e América Latina.

A empresa recebeu o Stevie Awards de Ouro na categoria de Comunicação Interna por sua campanha inovadora para transformar o Sage One, emissor e armazenador de nota fiscal eletrônica na nuvem, em um case de sucesso no Brasil.

A Sage ainda ganhou o Stevie Awards de Prata com o case de sucesso da atuação da Sage Foundation no Brasil e 3 troféus Stevie Awards de Bronze com o case do Sage One para lançamento de novo produto, o Clube do Contador para Marketing B2B e Sage Foundation para a categoria Relações com a Comunidade.

O International Stevie Awards existe desde 2003 e, neste ano, teve mais de 3.900 inscrições de empresas e executivos de mais de 60 países. A cerimônia de premiação desta edição ocorrerá no dia 21 de outubro, em Barcelona, Espanha.

Para conferir a lista completa dos vencedores, acesse o site: http://stevieawards.com/iba/public-relations-awards-winners-0.

Tags, , , ,

Mais de 80% dos colaboradores da multinacional Sage praticam ações voluntárias

De cada dez brasileiros, três já realizaram alguma ação voluntária na vida, segundo pesquisa do Datafolha. Inseridos nessa estatística, estão os mais de mil funcionários da Sage Brasil, que, por meio de um modelo pioneiro de filantropia corporativa, adotaram o costume genuíno de ajudar o próximo.

Presente em 23 países e líder mundial em software de gestão para pequenas e médias empresas, a britânica Sage trouxe ao país desde outubro de 2015 a instituição Sage Foundation, com o modelo de filantropia “2 + 2 + 2”.

O modelo que vem transformando a vida dos funcionários da Sage no Brasil e das comunidades por onde a empresa atua, baseia-se em disponibilizar 5 dias úteis por ano para os funcionários praticarem o voluntariado, o que significa 2% do tempo de trabalho, além de disponibilizar 2% de seu caixa e conceder duas licenças de produtos às instituições beneficiadas, organizações não-governamentais e iniciativas sociais. Concluindo, portanto, o “2 + 2 + 2” – tempo, recursos e tecnologia por um futuro sustentável.

Desde doação coletiva de sangue até aulas de administração de empresas para entidades carentes, passando por reformas em comunidades e ações com jovens e idosos, a Sage Foundation já apoiou mais de 100 instituições e conquistou mais de 23 mil horas de voluntariado. “O trabalho voluntário que faço em um orfanato é gratificante! Tem um papel importante no resgate de uma forma de ajudar as pessoas. São cidadãos que, lá na frente, reconhecerão a ajuda recebida. Isso não tem preço, tanto para quem pratica quanto para quem recebe”, conta o funcionário Alex Cervino de 34 anos.

Os colaboradores da Sage engajam com uma programação frequente de ações nas regiões de Porto Alegre, Curitiba, Americana (SP), São Paulo, Rio de Janeiro e Recife, e sempre com histórias emocionantes a serem contadas. Nesta sexta-feira (14), por exemplo, em comemoração ao Dia da Caridade, alguns colaboradores, em parceria com a instituição Habitat for Humanity, reformarão casas na comunidade de Heliópolis, em São Paulo.

“No início, implantar o trabalho voluntário no Brasil foi um desafio. Grande parte dos nossos colaboradores não estava acostumada a realizar atividades de voluntariado e não se sentia confortável em sair do trabalho para realizar qualquer ação fora dali” conta Jorge Santos Carneiro, Presidente da Sage Brasil e América Latina, que afirma que hoje em dia a prática do voluntariado estendeu-se para além do ambiente corporativo. “Muitos colaboradores passaram a atuar nas entidades também durante fins de semana e envolveram suas famílias. Agora, posso afirmar que a prática de voluntariado se tornou um processo endêmico na Sage Brasil”, ressalta Jorge

Promover sustentabilidade social, econômica e oportunidades de empreendedorismo nas comunidades onde atua são princípios que norteiam a atuação da Sage, tanto em nível global quanto nacional.

Tags, , , , , , , ,

Novas regras do Supersimples exigem atenção de PMEs

Além das obrigações acessórias, empresas devem separar receitas de acordo com cada atividade e analisar se valerá a pena entrar no sistema simplificado de tributação

As alterações do Simples Nacional, em vigor a partir de 2015, devem fazer com que as micro e pequenas empresas realizem uma ampla análise ao entrar no sistema simplificado de tributação. Além de verificar se existe a necessidade de separar as receitas de acordo com as diferentes atividades da empresa, é essencial avaliar se vale a pena aderir ao regime.

As atividades intelectuais, que antes não estavam no Supersimples, foram classificadas no anexo 6 da tabela de alíquotas. Medicina, veterinária, odontologia, psicologia, fonoaudiologia, auditoria, jornalismo, publicidade, arquitetura, representação comercial, dentre outras novas atividades, estarão sujeitas a alíquota de 16,93% a 22,45%, consideradas pesadas. “É preciso analisar se será vantajoso ou não”, afirma Silas Santiago, executivo do Comitê Gestor do Simples Nacional, em evento realizado pelo Grupo Sage.

A estimativa é de que, com as mudanças trazidas pela Lei Complementar nº 147, mais de 450 mil empreendimentos entrem no sistema, que passará a contemplar mais de 140 atividades.

“As empresas classificadas no Anexo 6 devem buscar simuladores para saber se entram no Simples ou no Lucro presumido. É importante analisar a quantidade de mão de obra utilizada e quanto as empresas pagam de ISS fora do Simples”, afirma Santiago.

O executivo do Comitê Gestor afirma ainda que é importante separar as receitas em empresas que realizam atividades diferentes. “Em diversos casos a classificação precisa ser feita em anexos distintos”, diz.

Ao falar sobre as alterações que entraram em vigor em 1º de janeiro, Santiago destacou a importância do agendamento, disponível a partir de 3 de novembro, para empresas que desejem entrar no Simples. “As empresas que eventualmente tenham algum problema, como débito tributário ou erros cadastrais, terão a vantagem de resolver as questões agora”, diz. A estimativa é que cerca de 30 mil empresas façam o agendamento entre novembro e dezembro.

Dentre outras mudanças trazidas pela Lei estão a inclusão do comércio atacadista e indústria de refrigerantes, o estímulo às exportações, a facilidade de encerrar as atividades das empresas, a proibição de prestação de serviços de empregados como pessoa jurídica e as novas regras para valores fixos de ICMS ou ISS, que passam a valer para empresas que auferiram, no ano anterior, até R$ 360 mil de receita bruta.

Santiago destaca que hoje o Supersimples representa o maior programa de redução da informalidade do mundo. “As micro e pequenas empresas geram 60% dos novos empregos no País”, destaca. Daniel Berselli Marinho, consultor do Sebrae, acrescenta: “elas representam 27% do PIB e 40% dos salários pagos”, afirma.

Até o fim do próximo ano deverão ser criadas notas fiscais para o microempreendedor e notas fiscais eletrônicas de serviços para os municípios onde elas não existem.

O evento realizado pelo Grupo Sage marcou o lançamento do Sage One, software para emissão online de notas ficais. Voltado para PMEs e start ups, o novo software será gratuito até março de 2015 e permite emitir notas de maneira simples e segura, com armazenamento por tempo ilimitado em nuvem. “O software vem para facilitar a vida das empresas, para que elas tenham melhores condições e liberdade para desenvolver seus negócios”, afirma Jorge Santos Carneiro, CEO da Sage Brasil.

Obrigações acessórias

A análise para entrar no Simples deve considerar também as obrigações acessórias a que todas as micro e pequenas empresas estão sujeitas. “A quantidade de obrigações diminui, mas elas não se extinguem”, afirma Valdir Amorim, consultor do Grupo Sage.

Segundo ele, o Simples é mais uma alternativa de tributação e todas as variáveis operacionais, administrativas e societárias devem ser também consideradas no momento da opção pelo sistema. “Muitas empresas vão concluir que o sistema é mesmo mais simples”, analisa.

Dentre as principais obrigações acessórias, destacam-se a DIRF (Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte), o PGDAS-D (Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional), DES (Declaração Eletrônica de Serviços), além dos livros fiscais e outros livros específicos.

A importância de seguir as obrigações acessórias, segundo Amorim, ganha mais relevância ao analisar-se o resultado da fiscalização da Receita do ano passado. Em 2013, houve um recorde histórico de crédito tributário, no valor de R$ 190 bilhões, aumento de 63,5% em relação ao ano anterior.

Substituição tributária

A Lei Complementar nº 147 alterou os mecanismos de cobrança da substituição tributária para as empresas optantes do Simples Nacional, mudanças que entrarão em vigor a partir de 2016. Daniel Berselli Marinho, consultor do Sebrae, explica que as empresas do Simples sujeitas à substituição tributária acabam hoje sendo oneradas de forma excessiva, pelo pagamento cheio do ICMS nas duas formas — Simples Nacional e por Substituição Tributária —, com a mesma carga das grandes empresas. “As empresas também sofrem ao comprar produtos de empresas sujeitas à substituição e ter de repassar o custo no preço, pouco competitivo”, destaca.

Em 2012, o aumento do débito total do ICMS causado pela substituição tributária no comércio e serviços de alojamento e alimentação chegou a 44%. A substituição tributária representa aproximadamente 32% da carga das pequenas empresas.

Com a mudança, foram estabelecidas em quais operações os optantes do Simples Nacional estão sujeitos à cobrança do ICMS por substituição tributária. As que não estão previstas na lei, como o setor de vestuário, por exemplo, não se sujeitarão ao tributo por substituição. “Haverá um rol taxativo de setores sujeitos à substituição”, destaca Marinho. Hoje mais de 3 milhões de micro e pequenas empresas do Simples pagam ICMS por substituição e, com a alteração, o total deve cair para 400 mil.

O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) deve iniciar discussões com os Estados e demais envolvidos para disciplinar o rol taxativo e colocar a mudança em prática a partir de 2016, o que deve ocorrer no próximo ano.

Tags, , , , , , , , , , , ,