Tag Information Management

Gartner: mais da metade de grandes organizações utilizarão Analytics Avançado e Algoritmos Proprietários em 2018

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, estima que o Analytics Avançado continua sendo o segmento de crescimento mais rápido no mercado de Business Intelligence e Analytics, com previsão de aumento de 14% e atingindo US$ 1,5 bilhão em 2016. Essas e outras informações serão apresentadas durante a Conferência Business Intelligence, Analytics & Information Management 2016, que acontecerá nos dias 10 e 11 de maio (Terça e Quarta-feira), no Sheraton São Paulo WTC Hotel, em São Paulo.

O Gartner anuncia pesquisas e previsões para o segmento de Analytics:

Em 2018, mais da metade das grandes organizações globais utilizarão Analytics Avançado e Algoritmos Proprietários, causando a ruptura indústrias inteiras

“O Analytics Avançado já têm mudado indústrias inteiras há mais de uma década e é um fator crucial para como a maioria dos novos operadores interrompem os mercados estabelecidos e vencem a concorrência, seja vendendo livros, alugando filmes, emprestando dinheiro ou até mesmo criando um time de futebol profissional”, afirma Jim Hare, Diretor de Pesquisas do Gartner.
“Hoje, com menos monopólios regulamentados e com a Internet eliminando fronteiras geográficas, mais empresas estão começando a utilizar análises estatísticas, modelagem preditiva e otimização da decisão para competir, em vez de usarem abordagens tradicionais”, diz Jim Hare.

O analista do Gartner afirma que, para sobreviver na nova economia digital, organizações de usuários finais e fornecedores deverão acelerar a mudança de foco dos seus investimentos, de medição para Analytics Avançado, ou correm o risco de serem deixado para trás. As organizações líderes estão desenvolvendo algoritmos proprietários que podem levar a análises perspicazes mais rápidas e estão afastando-se da tomada de decisão “intuitiva”.

Até o final de 2018, uma minoria de organizações terá uma abordagem rigorosa para demonstrar a confiabilidade de seus algoritmos de Analytics

O Gartner acredita que os fatores de confiança que influenciam o uso ético da análise são identificáveis: transparência, responsabilidade, compreensibilidade, consciência, satisfação e benefícios mútuos. Infelizmente, esses fatores subjacentes que fomentam as relações comerciais de confiança baseadas em dados raramente fornecem muita consideração, caso haja alguma.

“Os negócios, os impactos sociais e a ética decorrentes da utilização de dados e Analytics são compreendidos por poucos, ignorados por muitos e controlados por praticamente ninguém. Os impactos resultantes são tangíveis – oportunidades não realizadas de negócios, ineficiências adicionais, aumento do risco de marca e até mesmo processo penal”, afirma Alan Duncan, Diretor de Pesquisa do Gartner.
O analista do Gartner afirma que as principais organizações orientadas por dados reconhecerão cada vez mais as relações causais entre dados, Analytics, confiança e resultados de negócios. As organizações que escolhem proativamente gerenciar esses impactos éticos serão capazes de promover relações mais produtivas e confiáveis com seus clientes, fornecedores e colaboradores, conduzindo a vantagem competitiva aumentada e a fidelidade à marca para maximizar a sua participação de mercado em comparação com os concorrentes que não abordam estas questões.

Em 2018, os mercados de algoritmos serão combinados com a Plataforma como Serviço (PaaS) para maximizar o Analytics Avançado e permitir o compartilhamento seguro e monetização de dados brutos

O Gartner acredita que o Analytics Avançado poderia fornecer benefícios de uma forma mais significativa se houvesse mais compartilhamento de dados detalhados de eventos. No entanto, esta medida é prejudicada por problemas de licenciamento, confiança e questões de integração de dados. A solução será a combinação de mercados de algoritmo e ambientes de tempo de execução PaaS, em que apenas funções especificamente certificadas estão autorizadas a processar os dados seguros.

“A situação atual de dados compartilhados é problemática. Os provedores normalmente não confiam em usuários finais com os dados detalhados de evento. Por outro lado, os consumidores de dados não gostam das complexidades envolvidas de licenciamento e integração de dados. Como resultado, existe um entrave significativo ao compartilhamento e monetização de dados”, afirma Alexander Linden, Diretor de Pesquisas do Gartner.

Em três anos, o Gartner espera que a tecnologia que estiver disponível possa simplificar radicalmente os desafios de confiança, licenciamento e integração de dados, colocando os controles sobre o processamento de dados algorítmicos. Somente os componentes certificados serão capazes de executar os dados sensíveis e transformá-los em modelos de pontuação e otimização. Em essência, o processamento de dados será limitado para assegurar que os dados detalhados subjacentes não possam ser copiados, salvos ou que seja utilizada engenharia inversa.

Análises detalhadas estão disponíveis para os clientes do Gartner no relatório “Predicts 2016: Advanced Analytics Are at the Beating Heart of Algorithmic Business”. Esta pesquisa é parte do Relatório Especial Gartner “Predicts 2016: Algorithms Take Digital Business to the Next Level”, um compilado de 85 relatórios focados nas principais previsões e ações que permitirão que as empresas deem forma a seu futuro digital.

Conferência Business Intelligence, Analytics & Information Management
Data: 10 e 11 de maio de 2016 (Terça e Quarta-feira)
Local: Sheraton São Paulo WTC Hotel – Av. das Nações Unidas, nº 12.559
Site do evento: www.gartner.com/br/bi

Tags, , , , ,

Gartner anuncia Conferência Business Intelligence, Analytics & Information Management 2016 no Brasil

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia, anuncia a realização da Conferência Business Intelligence, Analytics & Information Management 2016 no Brasil. O evento acontecerá nos dias 10 e 11 de Maio (Terça e Quarta-feira), no Sheraton São Paulo WTC Hotel, em São Paulo.

“A indústria está mudando. O que sua empresa fazia com Analytics sete anos atrás não chega nem de perto das possibilidades de hoje”, afirma Donald Feinberg, Chairman da Conferência e Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner, Analista Emérito. Segundo ele, para que uma organização seja bem-sucedida em análise de dados avançada é necessário ter visão de negócios e profissionais especializados. A análise de dados requer um conjunto de líderes distribuídos estrategicamente em toda a organização, trabalhando com o foco em aplicar a tecnologia correta e as habilidades necessárias para cada área de negócios.

De acordo com os resultados da pesquisa Gartner “Latin America CIO Agenda”, Business Intelligence & Analytics será uma das três principais prioridades de investimento dos CIOs e líderes de TI brasileiros em 2016, tendo sido citada por 30% dos executivos entrevistados.

O evento contará com analistas brasileiros e internacionais em sessões divididas em quatro vertentes do conhecimento: Lidere com Análise de Dados e Construa Valor; Conceda Poder e Controle o Caos; Evangelize o Novo e Modernize o seu Legado; Renove a Infraestrutura da Informação.
Para orientar as empresas nessas questões, a Conferência Business Intelligence, Analytics & Information Management terá apresentações, reuniões, sessões, mesas redondas e workshops sobre Big Data, BI Bimodal Moderna, Estratégia da Informação Digital, Análise de Dados Avançada, Decisões Automatizadas, Self-Service, Data Lakes e Chief Analytics/Data Officers.

A edição 2016 da Conferência oferecerá novidades aos participantes, como pesquisas em tempo real, consultas presenciais com analistas (para os dez primeiros grupos de mais de oito pessoas inscritas), workshops interativos, atualizações sobre quadrantes mágicos e sessões de respostas interativas ao final das palestras. A agenda do evento pode ser personalizada pelos participantes por meio de aplicativo.

Além de oferecer desconto para empresas que participam com grupos de funcionários, equipes de uma mesma companhia poderão agendar reuniões com analistas do Gartner para facilitar discussões de negócios em grupo e receber assessoramento para iniciativas e projetos estratégicos.
Para se inscrever, envie e-mail para brasil.inscricoes@gartner.com ou telefone para (11) 5632-3109. Para mais informações, acesse www.gartner.com/br/bi.

Conferência Business Intelligence, Analytics & Information Management

Data: 10 e 11 de maio de 2016 (Terça e Quarta-feira)
Local: Sheraton São Paulo WTC Hotel – Av. das Nações Unidas, nº 12.559
Site do evento: www.gartner.com/br/bi

Tags,

Gartner anuncia as 10 tendências tecnológicas mais estratégicas para o Governo

O Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia, anuncia que os novos modelos de serviços para o Governo digital devem estar no topo da lista das prioridades de organizações que priorizam investimentos em tecnologia. Essas e outras informações serão apresentadas durante a Conferência Gartner Business Intelligence, Analytics & Information Management, que acontecerá nos dias 23 e 24 de junho (terça e quarta-feira), no Sheraton São Paulo WTC Hotel.

As 10 tendências tecnológicas mais importantes para o governo em 2015 foram identificadas pelo Gartner com o objetivo de ajudar CIOs e líderes de TI a avaliar tecnologias estratégicas fundamentais para planejar os caminhos de TI de suas empresas.

“CIOs do setor público podem obter suporte para inovação digital de administradores ao explicar essa demanda em termos de prioridade comercial. Além disso, eles devem apresentar exemplos relevantes do que a indústria de atendimento ao cliente ou outras agências governamentais com capacidades digitais fizeram, como o fizeram e quais foram seus resultados”, afirma Rick Howard, Diretor de Pesquisas do Gartner.

1) Ambiente de trabalho digital

A força de trabalho governamental do futuro será permeada de funcionários digitalmente qualificados, dos trabalhadores da linha de frente aos executivos superiores. CIOs devem ter um papel de liderança ao construir um ambiente de trabalho mais social, móvel, acessível e conduzido por informações.

2) Relações com o cidadão em múltiplos canais

Jurisdições governamentais com canais múltiplos (escritórios municipais, correspondência de correio físico, centros de contato, sites governamentais e aplicativos móveis) estão se esforçando para fornecer aos cidadãos uma visão única sobre a organização.

3) Abrir quaisquer dados

O número e variedade de conjuntos de dados e APIs de web abertos ao público disponibilizados por todos os níveis governamentais no mundo continua a crescer. O Gartner prevê que até 2018 mais de 30% dos projetos digitais de governo tratarão quaisquer dados como abertos.

4) e-ID de cidadão

A identificação eletrônica do cidadão (e-ID) refere-se a um conjunto orquestrado de processos e tecnologias gerenciados por governos para fornecer um domínio confiável em relação a como os serviços públicos serão acessados por cidadãos em qualquer dispositivo ou por qualquer canal de internet.

5) Controle de acesso

Este controle está evoluindo rapidamente de uma função comercial separada e distinta para um aspecto fluido da operação do sistema e da experiência do usuário. As capacidades de controle de acesso são particularmente relevantes para líderes de programas governamentais que projetam novos serviços móveis.

6) Interoperabilidade escalável

As agências governamentais estão começando a depender cada vez mais da troca de dados com parceiros externos para otimizar suas redes de entrega de serviço e funções comerciais, como colaboração entre empresas e coordenação, monitoramento e relatório de resultado de serviços.

7) Plataformas digitais

Uma plataforma governamental digital incorpora padrões de design de arquitetura orientados para o fornecimento e o uso de serviços empresariais em diversos domínios, sistemas e processos.

8) Internet das Coisas

A Internet das Coisas (IoT) é uma rede de objetos físicos (fixos ou móveis) que contém tecnologia embutida para comunicar, monitorar, identificar ou interagir com múltiplos ambientes. Para o governo, a IoT permite a transformação digital de estratégias do serviço.

9) TI em escala web

TI em escala Web é um padrão de arquitetura orientado para sistemas de computação de classe global que fornecem as capacidades de fornecedores de grandes serviços de Nuvem para uma organização de TI empresarial. Para o governo, a transição para TI em escala Web é uma tendência de longo prazo com implicações culturais e tecnológicas significativas sobre o processo de TI.

10) Nuvem híbrida

A TI híbrida oferece aos CIOs governamentais um novo modelo de operação que fornece suporte à capacidade de seus departamentos de TI para combinar e gerenciar a infraestrutura local ou a Nuvem privada interna com ambientes baseados em Nuvem externos simultaneamente. No governo, um modelo de TI híbrido exige competências muito distintas para dar suporte a diversas implantações de Nuvem públicas.

A Conferência Gartner Business Intelligence, Analytics & Information Management oferece para as empresas um direcionamento estratégico associado com a implementação, a estruturação e o aperfeiçoamento de programas de BI – Business Intelligence e de Business Analytics, analisando tendências e práticas de mercado. Mais informações estão disponíveis no site: gartner.com/br/bi. Para se inscrever, contate o Gartner pelo e-mail brasil.inscricoes@gartner.com, pelos telefones (11) 5632-3109 e 0800-744-1440, ou pelo site: http://www.gartner.com/br/bi.

Tags, , , , , ,

Gartner: despesa mundial com serviços de infraestrutura na Nuvem crescerá 32,8% em 2015

O Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia, informa que o mercado de infraestrutura de serviços na Nuvem (IaaS – Infrastructure as a Service) crescerá 32,8% em comparação com 2014 e que deverá haver concentração de players, uma vez que muitos prestadores de serviços estão mudando suas estratégias por não conseguirem ganhar força suficiente no mercado. Esse e outros dados serão apresentados durante a Conferência Gartner Business Intelligence, Analytics & Information Management, que acontecerá nos dias 23 e 24 de junho (terça e quarta-feira), no Sheraton São Paulo WTC Hotel.

Os gastos globais com IaaS devem chegar a US$ 16,5 bilhões em 2015, um aumento de 32,8% em comparação com 2014, de acordo com a última previsão do Gartner. Segundo Lydia Leong, Vice-Presidente do Gartner, o ecossistema de soluções de IaaS está se consolidando rapidamente em torno de um pequeno número de líderes de mercado. “Os clientes estão obtendo um grande valor fora do IaaS, mas o cenário competitivo está mudando. Poucos provedores possuem recursos financeiros para investir em ser amplamente competitivos no mercado de serviços Cloud (na Nuvem)”, afirma a analista do Gartner.

Dinâmica de competitividade acirrada

Segundo o Gartner, 2014 foi um ano de ajuste de contas para provedores de IaaS, e muitos acreditam que a estratégia atual está fracassando. Alguns pretendem lançar uma plataforma completamente nova de Nuvem como serviço, realizar alterações substanciais na plataforma atual ou mudanças para fornecer serviços gerenciados nas principais plataformas de IaaS. Muitos fornecedores indicam que pretendem interromper ou reduzir de forma significativa o investimento em suas ofertas de Nuvem como serviço, e outros pretendem eliminá-las ou substituí-las.

“Aconselhamos que os compradores sejam extremamente cautelosos ao selecionar provedores, que façam perguntas específicas e detalhadas sobre o serviço e busquem compromissos contratuais que não permitam que o provedor modifique substancialmente ou modifique a oferta sem aviso prévio de pelo menos 12 meses”, afirma a analista.

A fatia de mercado continua a diminuir, mesmo com o crescimento substancial. Apesar de 15 prestadores terem sido destacados no novo “Quadrante Mágico para Infraestrutura em Nuvem como um Serviço” mundial do Gartner, o setor é dominado por apenas alguns provedores globais, sobretudo a Amazon Web Services, a Microsoft Azure e o Google Compute Engine, cada vez mais presentes. Estes três fornecedores respondem pela maior parte do trabalho em execução em Nuvem pública IaaS em 2015.

Expansão das cargas de trabalho de IaaS

Em 2014, o crescimento absoluto das cargas de trabalho em Nuvem pública IaaS superou, pela primeira vez, o crescimento de cargas de trabalho no local (de qualquer tipo). A pesquisa “2015 CIO Survey”, do Gartner, indica que 83% dos CIOs consideram a Nuvem IaaS como uma opção de infraestrutura, e 10% estão utilizando a Nuvem pela primeira vez tendo IaaS como preferência de infraestrutura padrão.
As soluções de IaaS vem sendo usada em praticamente todos os casos em que podem ser hospedados servidores virtualizados baseados em x86. Os usos mais comuns são: ambientes de desenvolvimento e teste; computação de alto desempenho e processamento em lote; sites voltados para a Internet e aplicativos baseados na Web; e aplicativos de negócios internos sem missão crítica. Um número crescente de organizações também passou a executar aplicativos de negócios de missão crítica em IaaS.

“A Nuvem como serviço pode ser usada para executar a maioria das cargas de trabalho, embora nem todos os provedores possam executar bem todo tipo de carga de trabalho. IaaS não é uma mercadoria. Os fornecedores variam significativamente suas funcionalidades, desempenho, custo e termos de negócios. Embora na teoria a Nuvem como serviço tenha muito pouco lock-in, na realidade ela não é meramente uma questão de aluguel de hardware, mas todo um ecossistema de Data Center como serviço. Quanto mais você usa seus recursos de gerenciamento, maior valor receberá a partir da oferta – e maior será o vínculo que criará com essa oferta especial de serviço”, afirma a vice-presidente do Gartner.

Adote uma estratégia bimodal para a nuvem IaaS

De acordo com o Gartner, as organizações devem aprender a operar em dois modos essenciais, conhecidos como TI bimodal, pois elas não podem perder de vista a necessidade de manter as operações de TI, ao mesmo tempo em que buscam inovação digital.
Inicialmente, a maioria das empresas adota a nuvem IaaS para o Modo 2, projetos de TI ágeis que podem ser periféricos para as necessidades de TI da organização, mas que têm grande impacto comercial. Isso afeta o abastecimento: a adoção no Modo 2 é, muitas vezes, conduzida pela empresa, por gerentes de negócios que detêm o orçamento, necessitam de mais agilidade e têm prazos mais curtos do que as operações de TI são capazes de oferecer.

Com o tempo, conforme a empresa se torna mais adaptada ao uso de Nuvem IaaS, esta também será usada no Modo 1, assim como nos projetos de TI tradicionais, geralmente se espelhando na adoção do padrão de virtualização no Data Center da última década. Muitas empresas, especialmente no mercado de médio porte, acabarão migrando da execução de seus próprios Data Centers, a fim de contar principalmente com a infraestrutura em Nuvem.

A Conferência Gartner Business Intelligence, Analytics & Information Management oferece para as empresas um direcionamento estratégico associado com a implementação, a estruturação e o aperfeiçoamento de programas de BI – Business Intelligence e de Business Analytics, analisando tendências e práticas de mercado. Mais informações estão disponíveis no site: gartner.com/br/bi. Para se inscrever, contate o Gartner pelo e-mail brasil.inscricoes@gartner.com, pelos telefones (11) 5632-3109 e 0800-744-1440, ou pelo site: http://www.gartner.com/br/bi.

Anote em sua agenda

Evento: Conferência Gartner Business Intelligence, Analytics & Information Management
Data: 23 e 24 de junho de 2015 (terça e quarta-feira)
Local: Sheraton São Paulo WTC Hotel – Av. das Nações Unidas, nº 12.559, São Paulo – SP

Tags, , , ,