Tag Hitachi Data Systems

Hitachi é nomeada líder no Quadrante Mágico para Solid-State Arrays, pelo Gartner

A Hitachi Data Systems (HDS), uma subsidiária da Hitachi, Ltd. (TSE: 6501), anunciou hoje que foi posicionada como um dos Líderes do Quadrante Mágico para Solid-State Arrays , de julho de 2017, pelo Gartner, Inc., uma companhia que é líder global no setor de pesquisas. A Hitachi acredita que seu importante crescimento e os aperfeiçoamentos implementados em sua linha de produtos all-flash Hitachi Virtual Storage Platform (VSP) F Series resultaram na melhoria da posição da companhia, que evoluiu do Quadrante de Desafiadores para o Quadrante de Líderes.

De acordo com o Gartner: “Os fornecedores no Quadrante dos Líderes têm maiores índices por sua capacidade de execução e conclusão de visão unificada. Um fornecedor no Quadrante Líder tem a participação de mercado, a credibilidade e a capacidade nas áreas de marketing e vendas que são necessárias para impulsionar a aceitação de novas tecnologias. Estes fornecedores demonstram um claro entendimento das necessidades de mercado; eles são líderes inovadores e conscientes; e têm planos bem articulados, que os clientes atuais e clientes em potencial podem utilizar para projetar suas infra-estruturas e estratégias de armazenamento. Além disso, eles têm presença nas quatro principais regiões geográficas, apresentam um desempenho financeiro consistente e oferecem um amplo suporte à plataforma”.

Os contínuos investimentos, por parte da Hitachi, no desenvolvimento de suas tecnologias flash de software e hardware têm resultado no fornecimento de um produto de armazenamento corporativo superior para seus clientes, com o respaldo das patentes na indústria que estão mais relacionadas à tecnologia flash. O Hitachi VSP F1500, lançado em outubro de 2016, foi criado para empresas que têm requisitos de gerenciamento de dados em larga escala — incluindo mainframes. Ele fornece hierarquia contínua em nuvem, software de análise integrada e uma garantia única de 100% de disponibilidade de dados. Todos os modelos da série VSP F têm a vantagem de um preço de serviços fixo, substituição contínua de mídia, e controles de qualidade de serviço (QoS) que proporcionam um consistente desempenho ao longo do tempo. Para clientes em indústrias altamente regulamentadas ou onde a segurança dos dados é uma missão fundamental, a série VSP F está em conformidade com os serviços seguros de erradicação de dados e atende aos padrões de controle de segurança de dados do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST).

“A Hitachi se orgulha de trazer ao mercado avanços contínuos que ajudam os clientes a serem tão competitivos quanto possível na era digital”, afirmou Ryuichi Otsuki, CEO na Hitachi Data Systems. “Estamos felizes por sermos reconhecidos como líderes na indústria de Solid-State Arrays, e continuaremos a desafiar os padrões da indústria, ao mesmo tempo em que posicionamos nossos clientes para que obtenham sucesso”.

Para fazer o download de uma cópia complementar do relatório Gartner Magic Quadrant for Solid State Arrays, de 2017, acesse o site: https://www.hds.com/ext/magic-quadrant-for-solid-state-arrays.html.

*Gartner não endossa nenhum fornecedor, produto ou serviço representado em suas publicações de pesquisa, e não aconselha usuários de tecnologia a selecionar somente esses fornecedores com as classificações mais altas. As publicações de pesquisa da Gartner consistem nas opiniões da organização de pesquisa da Gartner e não devem ser consideradas verdades incontestáveis. A Gartner isenta-se de todas as garantias, expressas ou implícitas, com relação a essa pesquisa, incluindo as garantias de comerciabilidade ou adequação para um propósito específico.

Tags, , , , ,

Hitachi Data Systems é a vencedora do Prêmio efinance 2017

A Hitachi Data Systems(HDS), uma subsidiária da Hitachi, Ltd. (TSE:6501) é eleita a vencedora do Prêmio efinance 2017, na categoria “Infra de Apoio ao Negócio” como resultado da parceria junto ao Banco de Brasília. O case “Alta Disponibilidade Ambiental Virtual com Storage Metro Cluster” foi contemplado como vencedor em meio a 300 projetos apresentados e reconhecido como responsável por efeitos positivos nos negócios da instituição financeira.

A ideia da premiação é destacar e contemplar os melhores projetos na área de TIC implantados em organizações financeiras do Brasil. A Comissão Julgadora reconheceu a concepção, construção e implementação do projeto da Hitachi Data Systems como um exemplo de tecnologia voltada para a área financeira que trouxe grandes impactos para a instituição no mercado brasileiro.

O Prêmio efinance já está em sua 17ª edição, e esta é a 4ª vez que a HDS é escolhida como vencedora, sendo outras 3 vezes com outros clientes. A premiação acontece no dia 7 de junho, a partir das 20h, no Espaço Villa Blue Tree, em São Paulo.

Tags, ,

Cristina Brisola é a nova country manager da HDS Brasil

imagem_release_926931

Cristina Brisola passa a partir deste mês a ser a nova country manager da Hitachi Data Systems do Brasil, com o desafio de triplicar as operações da empresa nos próximos três anos e alinhá-la ao novo posicionamento global da corporação.

Há mais de 23 anos na área de TI, sendo 15 na área comercial, Cristina possui uma ampla experiência no desenvolvimento de equipes de alta performance para o posicionamento de soluções integradas. A executiva possui vasto conhecimento em tecnologias convergentes, gestão de data center, cloud computing, aplicações SAP, BI, entre outros. Seus mais recentes projetos profissionais englobam a diretoria executiva no Brasil da empresa argentina Globant e a liderança comercial da integradora latino-americana Sonda, onde atuou como vice-presidente comercial. Todo esse expertise será essencial para liderar a empresa dentro deste novo contexto.

“Hoje a HDS é reconhecida mundialmente por suas inovações no segmento de storage, mas seu portfólio vai além, com ofertas para IoT, Cidades Inteligentes, Inovação Social e de Analytics. Para isso, um dos pilares da nossa estratégia de trabalho é antever as necessidades de negócios de nossos clientes através de soluções flexíveis e de alto valor agregado”, explica a executiva.

A empresa entra agora em um novo patamar e tem como objetivo maximizar sua atuação no mercado. “Com a experiência de 106 anos em Tecnologias Operacionais e 57 anos de atuação em TI (Tecnologia da Informação), o grupo Hitachi está preparado para oferecer soluções de IoT. Essa convergência será fundamental para conseguirmos cumprir nosso maior desafio de triplicar a operação no Brasil nos próximos três anos. Temos muito trabalho pela frente, mas possuímos toda a estrutura e know how necessários para vencermos este desafio”, comenta Cristina.

Tags, ,

Em visita ao Brasil, VP da Hitachi Data Systems aponta as principais tendências para o mercado em 2017

Shawn Rosemarin - Vice Presidente de Soluções e Produtos das Américas da Hitachi Data Systems (HDS)

Shawn Rosemarin – Vice Presidente de Soluções e Produtos das Américas da Hitachi Data Systems (HDS)

O Vice-Presidente de Soluções e Produtos das Américas da Hitachi Data Systems (HDS), Shawn Rosemarin, e o SVP e General Manager, Barry Morrison estão em uma rápida visita ao nosso país. Na oportunidade, eles apresentaram a visão da HDS para o futuro do mercado de tecnologia, como a estratégia de dados e o Big data como principais tendências de 2017.

Para a HDS, as empresas já possuem praticamente toda informação que necessitam. O próximo passo é colocar esses dados para trabalhar e, assim, criar estratégias eficazes para monetizar essas informações. O Big data continua em alta, principalmente com a economia gerada pela tecnologia Flash, mas a Transformação Digital depende do uso estratégico dos dados coletados e analisados. A Internet das Coisas (IoT) também terá um papel de destaque no ano, considerando principalmente que, em pouco tempo, os maiores geradores de informações não serão mais as pessoas, mas as máquinas.

“Olhando pela perspectiva da indústria, vemos que muitas coisas estão acontecendo ao mesmo tempo, mas é preciso focar no que é mais importante para garantir agilidade e economia”, explica o VP Shawn Rosemarin. “Ainda em 2017, nossa principal moeda serão os dados. Aqueles que conseguem monetizá-los com facilidade e rapidez com certeza terão uma importante vantagem competitiva.”

A questão agora não gira mais em torno da consolidação dos Data Centers, e sim sobre a consolidação de dados em múltiplos clouds (público e privado), além de aplicações como Enterprise e SaaS.

“A Hitachi não oferece apenas uma solução de armazenamento de dados para seus clientes. Nós apresentamos um caminho claro que passa pela gestão de dados, governança, mobilidade de acesso e data analytics. O sucesso de nossos clientes, nos mais diferentes setores, apenas ressalta o valor da nossa experiência e confirma que estamos trabalhando com a estratégia correta. Por isso, a Transformação Digital é uma de nossas apostas mais fortes para este ano”, comenta o VP da HDS.

Mais do que empresas usando seus dados de forma estratégica, teremos a aplicação desses dados em verdadeiras Cidades Digitais, que funcionarão de acordo com os principais insights conseguidos através de estratégia de dados e big data. Teremos cada vez mais um trabalho integrado entre tecnologia, finanças e o desenvolvimento das cidades.

Crescimento

Vale mencionar também que na última pesquisa sobre grandes empresas de armazenamento de dados, a Hitachi foi a única com resultado positivo no setor, com um crescimento de 9,2% em sua renda. As outras empresas tiveram, em média uma queda de 3,2%. O quadro é ainda mais alarmante quando consideramos que a quantidade de dados armazenados aumentou 33,2%. Armazenar dados ficou mais barato, mas essa não é uma boa notícia para o setor.

O bom resultado da empresa deve-se muito ao seu papel de destaque no setor, além da sua ampla segmentação do espectro de trabalho. “A HDS apresenta um trabalho muito diversificado e acredito que isso é fundamental para criar a transformação digital que as empresas precisam e que a nossa sociedade merece”, comenta Shawn Rosemarin.

O VP de Soluções e Produtos, Shawn Rosemarin e o SVP e General Manager, Barry Morrison, fazem parte da equipe de líderes da Hitachi responsável pelas estratégias de marketing, desenvolvimento de negócios e estabelecimento de vendas e suporte.

Mesmo com mercado em queda, HDS tem crescimento de 9,2%, segundo a IDC

Empresas do mercado mundial de armazenamento de dados tiveram queda de receita de 3,2%

Apesar do rápido crescimento das demandas de Big Data e estratégia de dados, o mercado de armazenamento e cloud computing passaram por um momento financeiro complicado. Segundo dados da IDC, as empresas da área tiveram uma queda de 3,2% no faturamento, mesmo com o crescimento em 33,2% do total de bits armazenados. A única grande empresa do setor que teve um bom desempenho no período foi a Hitachi Data Systems (HDS), com um crescimento de 9,2% na sua receita, no Q3 (terceiro quarter) de 2016.

“Muitas empresas estão movendo seus dados para nuvens públicas, não pelo preço ou por performance, mas porque algumas das grandes empresas não estão conseguindo manter-se relevantes diante das estratégias de data center na nuvem pública”, explica o Vice-Presidente de Soluções e Produtos das Américas, Shawn Rosemarin. “A questão agora não é mais saber coletar e armazenar esses dados, mas encontrar oportunidades para transformar esse material em algo estratégico, verdadeiramente tangível e lucrativo. Os dados precisam apresentar valor para o seu negócio.”

Para Rosemarin, o bom resultado da HDS deve-se principalmente a sua variedade de serviços e produtos, além da sua visão de futuro. Trabalhando sempre com o objetivo principal de levar a Transformação Digital para todos os seus clientes, se posicionando naturalmente como um dos principais players desse mercado.

“Nossos clientes já possuem as ferramentas para obter dados e para armazená-los em segurança. O trabalho agora é garantir que eles tenham ferramentas que permitam transformar esses dados em verdadeiros insights, em oportunidades para melhorar sua dinâmica de trabalho e garantir maior lucratividade.”, explica o VP.

O papel atual da HDS não é mais consolidar os dados dentro dos Data Centers, mas sim criar uma consolidação desses dados através de múltiplas nuvens – sejam elas públicas ou privadas – e aplicações, como Enterprise ou SaaS.

“Conseguimos um resultado tão diferente das outras empresas justamente por pensarmos diferente. Nós apresentamos um caminho claro para nossos clientes, que passa pela gestão de dados, governança, mobilidade de acesso e data analytics. O sucesso de nossos clientes, nos mais diferentes setores, apenas ressalta o valor da nossa experiência e confirma que estamos trabalhando com a estratégia correta”, afirma o VP.

A Hitachi vem apostando cada vez mais no uso da tecnologia Flash, em sistemas que sejam facilmente compatíveis com novas tecnologias e que ajudem a melhorar ainda mais o ROI das companhias. Vale destacar também o trabalho com dados não estruturados, realizado com o Hitachi Content Platform (HCP), que tem impulsionado um novo crescimento na capacidade de armazenamento de seus clientes.

O crescimento diferenciado da HDS está totalmente relacionado ao fato da empresa encorajar seus clientes a irem muito além do armazenamento, trabalhando com a monetização de dados por meio de analytics e IoT. “Nossa meta é de sempre continuar a ajudar nossos clientes a entenderem que a informação é o recurso mais valioso que eles possuem, sendo um material indispensável para a construção de sua estratégia dentro do mundo 4.0”, finaliza o VP da HDS, Shawn Rosemarin.

Tags, , , ,

Estratégia de Dados e Big Data são as principais tendências em TI para 2017 – Por Marcelo Sales

imagem_release_862833

Aproveitar dados, fazer uso deles e conseguir novas formas de aumentar receitas e reduzir custos. A Estratégia de Dados deve ser a principal tendência para os CIOs trabalharem em 2017. A consolidação do Cloud Computing e o trabalho integrado entre tecnologia e a área financeira, responsável por agregar mais valor ao negócio, também exigirão atenção em 2017.

2016 foi um ano de intensa aprendizagem em relação ao uso do Cloud Computing. Certamente teremos o controle de alguns dados dentro da empresa, enquanto outros estarão fora. É recomendável que, nos próximos anos, tenhamos como foco encontrar o equilíbrio entre as informações internas e os dados da nuvem. Com isso, vamos entender qual o nível de mobilidade que precisamos desses dados.

Outros temas muito fortes em 2016 foram: o armazenamento em flash, devido principalmente ao seu custo reduzido, e também a necessidade de adicionar valor ao negócio de TI. Graças à pressão das companhias para concretizar a Transformação Digital nas empresas, as áreas de negócios estão mais adiantadas que as de tecnologia. Isso exige que a TI tenha uma postura dedicada ao negócio tradicional, mas que também tenha foco em inovação.

Sabe-se que 82% de todos os recursos da TI são para manter os sistemas existentes. Precisamos pôr mais energia em inovar, por isso o papel do CIO deve mudar para que ele valorize ainda mais o negócio. Esse valor, muitas vezes, virá dos dados disponíveis, isto é, da capacidade das empresas de pegar dados estruturados e não estruturados, que venham de máquinas ou de pessoas, para integrá-los, analisá-los e, com isso, encontrar informação valiosa. Trata-se de uma análise que efetivamente permita gerar ações de negócios.

Hoje a maioria das empresas já possui os dados que necessitavam para trabalhar. O desafio agora é gerar real valor dessa informação. Temos estatísticas que apontam que só 3% dos dados de uma empresa são usados para análise, o que é muito pouco. Ainda temos muito a fazer.

Um dos principais desafios para os CIOs em 2017 será, certamente, implementar uma Estratégia de Dados efetiva, que vai do armazenamento, passa pelo gerenciamento de dados e garante a mobilidade e reuso dessas informações. No modelo tradicional, muitas vezes o CIO apenas armazena e cuida dos dados, mas não tira real proveito deles. A verdade é que a análise de dados vai muito além de gráficos e telas bonitas. É preciso coletar os dados, armazená-los, garantir sua segurança, dar acesso a eles, mobilidade e ainda promover o reuso. Poucas empresas são capazes de realizar todo este processo, e a Hitachi é uma delas.

Outro fator que merece destaque é que já a partir de 2017 a maior parte dos dados será gerada pelas máquinas, e não por pessoas. Serão os sensores, as câmeras de segurança, os aparelhos de saúde, entre outros, as principais fontes de informação. O verdadeiro Big Data vem das máquinas e o armazenamento dessas informações transforma a tecnologia da informação em verdadeiras empresas de inovação social, que busca soluções para beneficiar os negócios e fazer o melhor para a sociedade.

A TI deve ainda prestar atenção aos avanços do setor financeiro, que teve uma grande evolução tecnológica no último ano. Na América Latina, é preciso ficar atento também ao setor de agronegócio, pois ele está envolvido diretamente com os principais problemas que podemos ter no futuro: o fornecimento de água, alimentos e energia.

Ainda em 2017, os CIOs passarão a trabalhar com vários parceiros estratégicos, especialistas que irão assumir diferentes partes da operação. Essa é uma forma de delegar funções e, com isso, conseguir se concentrar na inovação.

Marcelo Sales, CTO Latam da Hitachi Data Systems.

Tags, ,