Tag Francisco Ferreira

Visões sobre o ecossistema de tecnologia em Israel – Por Francisco Ferreira

Recentemente, passei uma semana em Israel para conhecer um pouco sobre a veia empreendedora da região, que se tornou o terceiro maior ecossistema de tecnologia do mundo. A gênese deste fenômeno de empreendedorismo aconteceu no início dos anos 90, quando o governo resolveu fomentar a indústria de venture capital por meio dos fundos Yozma (Iniciativa em hebraico).

Por meio deste programa, o Estado passou a oferecer incentivos fiscais para investidores interessados na nascente indústria de tecnologia do país. Em alguns casos, o governo chegou a oferecer um retorno mínimo para os interessados ou o direito de recompra de sua participação a uma taxa pré-fixada. De lá para cá, os resultados foram formidáveis.

Hoje, existem mais de 6000 empresas de tecnologia ativas em Israel. Existem mais startups em Israel, um país com 8 milhões de habitantes do que no Brasil. O sucesso foi construído com ingredientes fundamentais: a tolerância ao erro e a contestação do status quo. Os israelenses fazem isso melhor do que ninguém.

Eles criaram a expressão “Chutzpah” (é a qualidade da audácia, para o bem ou para o mal), parte da cultura local. Dos funcionários das empresas aos recrutas da IDF 8200, unidade de elite do exército responsável por desenvolver tecnologia de ponta e maior celeiro de empreendedores do país, todos podem contestar os líderes e desafiar autoridades. Ou seja, os líderes precisam aprender a conviver em um ambiente onde a contestação faz parte da busca pelo sucesso e pelos melhores resultados, uma característica ainda difícil de encontrar nas startups brasileiras.

Outro ponto que atraiu bastante a minha atenção na viagem foi o aguçado senso de comunidade que os Israelenses possuem. Eles sentem um profundo orgulho do ecossistema que criaram e sempre procuram promovê-lo. Não é incomum ver fundadores citando outras empresas e outras pessoas, exaltando as características únicas que fazem o país se destacar.

Durante a semana que estive por lá, visitamos diversas empresas e conversamos com muitos fundadores. É impressionante como o discurso é alinhado. Quase todos repetem os mesmos princípios que guiam a indústria: “conteste tudo”; “pense como uma empresa global”; “trabalhe duro”; “encontre as melhores pessoas” e “não tenha medo de errar e falhar”. Mais do que frases, esses pensamentos estão cristalizados e refletem o senso comum do que é preciso para fazer uma empresa dar certo. São passados de geração a geração de empreendedores e aplicados diariamente.

Então, o que precisamos fazer para mudar a mentalidade no Brasil? Por que nós buscamos tanto a utopia da “estabilidade”? Creio que as respostas para essas perguntas estão na própria comunidade empreendedora do Brasil. Precisamos nos engajar mais, desenvolver um senso de coletivo e nossa própria maneira de construir empresas de sucesso. Esta receita precisa ser comprovada com casos reais de empresas brasileiras e divulgada amplamente com o intuito de influenciar novas gerações de empreendedores.

Esta mudança já está acontecendo, porém ainda não atingimos o tipping point. Ainda precisamos coordenar melhor os diferentes stakeholders: empreendedores, investidores, incubadores e aceleradoras, governo, universidade e grandes empresas. Só a combinação das capacidades de cada um desses grupos permitirá que o Brasil atinja um novo patamar de desenvolvimento da indústria de tecnologia.

Francisco Ferreira, Sócio-fundador da BizCapital, fintech que tem como principal objetivo desburocratizar e tornar mais eficiente o processo de concessão de crédito para o micro e pequeno empreendedor.

Tags, , , , , , , ,

Um novo mercado de computadores

98597db80c8204dfe82cb82fd8e808ed

Por Francisco Ferreira, Diretor de Varejo da DATEN

O mercado de desktops e notebooks vive nos últimos anos um período de poucos holofotes. A proliferação de smartphones, compactos e com múltiplas funções, fez com que os computadores dividissem o reinado absoluto que tinham no mercado de tecnologia em termos de novidade e inovação.

Isso significa que os smartphones estão mais avançados que desktops e notebooks atuais? De maneira alguma! Sabemos que a tecnologia vem se aprimorando a cada dia não só nos dispositivos móveis e que muitas das nossas tarefas atuais – em especial no segmento corporativo – não podem se limitar ao uso dos smartphones.

Nessa nova jornada dos PCs e notebooks no mercado atual, os fabricantes estão trazendo novidades que satisfazem e antecipam as demandas do mercado em termos de novas tecnologias de memória, velocidade e alcance do Bluetooth, design do teclado, assistentes virtuais e capacidade gráfica da tela, por exemplo, tornando os produtos ainda mais eficientes e competitivos.

Uma pesquisa recente prevê que o Brasil deva ter um computador para cada habitante entre 2020 e 2022, quando o número será de 210 milhões de computadores. Hoje, eles estão com 80% dos brasileiros. A utilização de computadores no País ainda fica muito abaixo do que ocorre nos Estados Unidos, que chega a 151% em relação ao número de habitantes.

Atualmente, temos 162,8 milhões de notebooks, tablets e desktops no Brasil, um crescimento de 5% na base instalada com relação ao levantamento de 2015. Até o final do ano, serão 166 milhões de computadores em uso – número que inclui cerca de 33 milhões de tablets.

Além disso, houve uma queda no dólar e, com isso, estima-se que o preço médio dos computadores registrado em 2016 teve diminuição de 22%. Como consequência, no primeiro semestre de 2017, esses pontos se refletiram nas vendas de PCs com uma recuperação de aproximadamente 5% em relação aos anos anteriores. A taxa é pequena, porém expressiva diante do mercado como um todo.

Há ainda quem diga que os PCs e notebooks vão sumir em breve. Eu não acredito nisso. Quando a TV foi lançada, na primeira metade do século passado, acharam que o rádio deixaria de existir. Hoje, vemos que ambos convivem bem. Há espaço para todos e o mercado de computadores mantém seu potencial.

A utilização de notebooks deve seguir forte. No mercado corporativo, muitos colaboradores já trabalham em modelo home office, que demanda dispositivos de alta capacidade. Em comparação com um smartphone de alta tecnologia, por exemplo, a compra de um notebook ou PC se mantém essencial.

A adoção dos computadores nas residências do Brasil também tem potencial de progresso com produtos que se encaixam com mais precisão às necessidades do consumidor final. Por exemplo, jogadores de games precisam de máquinas com memórias que suportem o peso dos jogos e que tenham telas com maior capacidade gráfica, entre outros diferenciais. O mercado de games segue em constante crescimento (aumentou 8,5% de 2015 para 2016, com faturamento global de US$ 99,6 bilhões) e os computadores representam a maior fatia (32%) desse setor.

Com tecnologias cada vez mais inovadoras e com potencial de crescimento nos segmentos pessoal e corporativo, enxergo um futuro promissor. Dispositivos móveis, desktops e notebooks continuarão a fazer parte do nosso dia a dia. A escolha de compra entre eles depende da necessidade e pretensão do usuário. O ponto crucial desse mercado é que fabricantes de notebooks e desktops mantenham seus papéis de protagonistas dos mercados de tecnologia de ponta e de inovação.

Tags, , ,

DATEN anuncia nova estratégia de vendas para o varejo

A DATEN, uma das principais fabricantes brasileiras de equipamentos de informática, anuncia sua nova estratégia de vendas para o setor varejista. A reestruturação de sua área de varejo tem como objetivo aumentar a capilaridade e a presença da empresa no mercado por meio da expansão no número de revendas, representantes e parceiros. A estratégia também inclui o lançamento de uma nova linha de computadores, que estará disponível até o final de 2016.

“Após 15 anos como referência nos mercados corporativo e governamental, queremos levar nossa expertise também para o varejo. Estamos investindo muito e montando uma equipe experiente com o objetivo de colocar os nossos produtos à venda para o consumidor final em todas as regiões do Brasil”, afirma Francisco Ferreira, Diretor Comercial de Varejo da DATEN. Segundo o executivo, a expectativa é que os computadores da fabricante estejam disponíveis em mais de 8.000 lojas pelo País.

Tags, , , ,