Tag finance

Fifty percent of mid-level executives in finance considering departure from current employer- Far fewer want to leave finance industry

Russell Reynolds Associates, a leading global search and leadership advisory firm, and the Toigo Foundation, an organization dedicated to growing the talent pool of diverse finance professionals across all sectors and levels of leadership, today announced the results of their study, Career Crossroads: The Talent Migration from Finance to Tech – Real or Overrated?

A perceived absence of a mission-driven ethos within the finance industry was identified as a tipping point to explore alternative career options. Within focus groups, respondents underscored how continuity between personal values and the mission and culture of the organization where they work is critical.

“A strong ‘work your values’ philosophy came through loud and clear from the survey participants,” said Nancy Sims, president, Toigo Foundation. “Professionals today, especially those in the millennial demographic, are seeking professional opportunities and career paths that align closely with what they value ‘after hours’ in their personal lives and in their communities. For many, mission-driven culture is one that values inclusion and promotes and celebrates individuality. If that feeling is missing, professionals will seek a work environment that offers it. Many perceive technology firms in that realm.”

Career Crossroads also found that the most significant difference between those who indicated they would consider leaving their employer and/or the industry and those who are committed to staying was a desire among leavers to find an employer with greater work/life balance and increased workforce diversity. Of the work/life balance factors, a flexible work schedule was cited as the most important (87% put it in the top three factors), followed by office location (71%) and vacation/sick/paid time off (54%).

According to the Career Crossroads survey of 300 finance professionals, 50% of finance employees surveyed indicated they are likely to leave their job within a year’s time frame. It is, however, tempered by a much lower percentage of those who desire or plan to leave the finance industry overall (20%).

“For many years, the finance sector outpaced the tech industry regarding compensation packages. With more equitable compensation packages today, talented executives are looking to culture to help determine where to work,” said Heather Hammond, global leader of the Global Banking Practice at Russell Reynolds Associates and Toigo board member. “We have seen employees look for a stronger sense of inclusion as part of their corporate culture, and the perception among many is that the technology industry is outpacing the finance sector regarding a focus on inclusion.”

Ideas and Actions to Consider

To counteract potential talent departures, Toigo and Russell Reynolds Associates recommend five key approaches that finance companies can use to reflect on their polices and tactics:

Reframe: Ask Different Questions – Ask early and often what makes individuals want to stay, what factors cement that loyalty and how that engagement can be leveraged.

Working Together – Broaden a rising professional’s scope of work and break down hierarchies and silos.

Make “Mission” an Every Day Meal – Make the mission more tangible and tethered to what talent does every day by boldly affirming what the company hopes to achieve.

Put FinTech in Perspective – While many perceive the transition from finance to technology as smooth, the two fields operate on separate plains.

Use Uncertainty To Your Advantage – Combine the perceived staid nature of finance and the unpredictable nature of technology into a mission statement that provides both a provocative and enticing scene for talent – an opportunity to contribute new ideas and have an impact.

Tags, , ,

IBM Names Five Essential Qualities For Banks in Today’s Digital and Cloud Environment

IBM (NYSE: IBM) today identified their five essential qualities for banks seeking to thrive in today’s increasingly digital and cloud-first environment. Like many other industries, the established players in banking are constantly facing changes and new competition. These challenges stem primarily from on-the-cloud start-ups and agile FinTechs, a group of businesses that Moody’s Investor Service estimates as high as 4,000-strong worldwide and on the receiving end of $19 billion in venture capital funding.

As banks face this environment, they must adopt a cloud-first disruptor mindset. Industry players must recognize that cloud technologies will help transform how they access and understand their customers. New entrants are causing a massive shift in client expectations, putting pressure on incumbent banks to innovate and deliver cost-savings at record speed while meeting each of their regulatory requirements.

Working with financial services industry clients worldwide to drive business transformation, cloud and AI strategies, IBM has detailed five key elements that banks must embrace as they move towards a cloud-first mentality:

1. Become more agile by delivering cloud-based capabilities. By migrating to a dynamic hybrid cloud, banks can achieve greater capacity, efficiency and integration than what is currently possible with legacy on premise infrastructures.

2. Deliver adaptive, personalized customer experiences. This is something that FinTechs are doing well and sets a bar for traditional banks. A recent IBM Institute for Business Value study shows only 30 percent of customers surveyed believe they’re getting a personalized customer experience, even though 45 percent of bankers surveyed believe they are delivering one. We believe that robust predictive analytics based on big data are a key technology enabler for banks to deliver personalized customer experiences.

3. Extract more insights by accessing data that is currently invisible. Financial institutions collect massive volumes of data, but much of it is unstructured, which makes it invisible to older systems. Cloud-based cognitive computing not only analyzes all this data, but understands, reasons and learns from it to continuously improve. For example, USAA has gained insight into their customers’ needs through predictive analytics that can recognize life events in time to provide services and offers, while a large Swiss bank has cut attrition by 66% on customers where analytics has identified their attrition behaviors in time for the bank to react.

4. Create a data savvy culture. Banks have a wealth of digital data that can provide unique insights into creating value for the individuals and businesses they serve. Establishing a culture where this digital data is combined with other sources via cloud based services can be used to better understand the challenges that clients face and help create the personalized experiences they expect. Advances in analytic and cognitive technologies also dramatically simplify and accelerate the discovery of actionable insights.

5. Embrace cognitive and AI. In addition to cloud, banks should also be prepared for changes as the use of cognitive computing and artificial intelligence continues to grow. Financial institutions have recently turned to these technologies as a platform for maintaining a competitive edge and the trend is just beginning. Banks such as Banco Bradesco are working with IBM to augment existing services by utilizing AI, with the goal of providing better and faster customer experiences.

Challenged to provide the new experiences clients expect, banks are competing for relevancy on their own turf. In a world comprised of FinTechs, the consequences have clearly had a direct impact on innovation. To thrive, we believe that banks must radically reduce costs to invest in the business and operating models that can unlock data and create powerful new experiences for their customers.

IBM recently announced its IBM Cloud for Financial Services, which is bringing together essential technologies such as cognitive and blockchain for developers to create and monetize apps for the financial services industry. Developers can access new tools to build in customer insights, security, privacy and support compliance readiness to help reduce the time needed for development and testing. APIs from both IBM and partner FinTechs are available on the platform.

Tags, , ,

Estudo da Capgemini revela que metade dos clientes bancários usam FinTechs no mundo

Metade dos clientes bancários em todo o mundo estão usando produtos ou serviços de pelo menos uma FinTech[1], é o que revela a primeira edição do World FinTech Report (WFTR), estudo conduzido pela Capgemini e pelo LinkedIn, em colaboração com a Efma. O relatório quantifica e acompanha a resposta dos clientes em relação à ascensão das startups de serviços financeiros, incluindo os pontos de vista dos executivos da indústria, tanto sobre as FinTechs quanto as instituições financeiras tradicionais[2]. E, ainda, resume como a inovação é fundamental no cenário emergente do setor.

O WFTR constatou que as FinTechs estão ganhando força e reconhecimento entre os mais jovens – os “tech-savvy” (grandes conhecedores de tecnologia moderna, especialmente computadores) – e entre clientes com maior poder aquisitivo. Os mercados emergentes lideraram a adoção, sendo que mais de 75% dos clientes na China e na Índia relataram usar serviços prestados por FinTechs, seguidos pelos Emirados Árabes Unidos e Hong Kong. As FinTechs fizeram os maiores avanços na gestão de investimentos, sendo contratadas exclusivamente por 17% dos clientes, além de outros 27% que as usam adicionalmente aos fornecedores tradicionais. Com tantas FinTechs especializadas em serviços de nicho, o WFTR também descobriu que muitos clientes (46%) estão usando serviços de mais de três FinTechs.

FinTechs continuam a ganhar impulso, mas a confiança e a experiência geral do cliente permanecem baixas

Enquanto FinTechs continuam apresentando uma presença de mercado disruptiva, o nível geral de confiança do cliente nesses provedores continua baixo. Apenas 24% dos clientes disseram confiar na FinTech que utiliza, em comparação com 37% que confiam nas empresas tradicionais. Os clientes notaram que instituições financeiras tradicionais ainda guardam alguma vantagem sobre as FinTechs quando se trata de proteção contra fraudes, qualidade de serviços e transparência.

“Aumentar as expectativas dos clientes para experiências digitais mais personalizadas, avanços na tecnologia, maior acesso ao capital de risco e menores barreiras para a entrada criaram um terreno fértil para o crescimento das FinTechs”, explica Penry Price, vice-presidente de soluções de marketing do LinkedIn. “As FinTechs estão ganhando força ao atender às demandas que os players tradicionais ainda precisam endereçar. Porém, muitas delas ainda não têm a transparência necessária para ganhar a confiança de seus clientes e capitalizar essas oportunidades”, completa.

O esforço para colaborar com as FinTechs é visto como fundamental para a inovação

Instituições financeiras tradicionais continuam a enfrentar desafios, com menos da metade (44%) dos executivos confiantes em sua estratégia de FinTech. Isso não é surpreendente, já que somente cerca de um terço (35%) afirmou ter uma estratégia de inovação bem estruturada ou proativa em andamento e que esteja incorporada culturalmente. A aversão natural aos riscos das empresas tradicionais também dificulta a criação de uma cultura que priorize a inovação e, assim, 40% dos executivos disseram que as corporações para as quais trabalham não estão propícias à inovação.

“Os executivos mais experientes de serviços financeiros estão vendo as FinTechs sob uma nova luz, à medida em que identificam maiores oportunidades de colaboração – mas também estão fazendo progressos significativos na construção de FinTechs internas mais ágeis”, afirma Thierry Delaporte, líder da Unidade Global de Negócios de Serviços Financeiros da Capgemini e Membro do Conselho Executivo do Grupo. “Mas com a exceção de uma parcela de líderes do setor, a maioria das empresas está lutando para alcançar resultados positivos em suas iniciativas de inovação, com apenas 10% dos executivos afirmando terem sido muito eficazes para alcançar os resultados de inovação desejados”.

O WFTR constatou que as empresas tradicionais estão, cada vez mais, buscando uma ampla gama de estratégias em resposta às FinTechs. A maioria das instituições financeiras (60%) agora as vê como parceiros potenciais, enquanto que quase o mesmo porcentual (59%) também está desenvolvendo ativamente suas próprias capacidades internas. Além de parcerias e desenvolvimento in-house, os executivos estão explorando uma gama completa de modelos, sejam investimentos em FinTechs (38%), parcerias com instituições educacionais (34%) ou definição de aceleradores (30%), enquanto um percentual muito menor (19%) está adquirindo FinTechs.

Empresas tradicionais investem ativamente em tecnologias emergentes para promover avanços tanto suas operações quanto a experiência do cliente

As empresas tradicionais estão, em grande parte, respondendo a esta mudança ao dar a mais alta prioridade ao investimento em tecnologias capazes de facilitar operações mais eficientes e ágeis. E, assim, proporcionam melhores experiências diárias ao cliente. Cerca de 90% dos executivos afirmam estar mais focados na implementação de big data e analytics, seguidos pela Internet das Coisas (56%), blockchain (55%), automação de processos robóticos (52%) e tecnologias API abertas (50%). A tecnologia blockchain, que forma a espinha dorsal da popular moeda virtual bitcoin, está cada vez mais presente na indústria de serviços financeiros. Ela tem inúmeras aplicações, incluindo transferênciasavançadas de ativos digitais, gerenciamento de identidade e melhor gestão de soluções de recompensa e fidelidade.

“Tanto as FinTechs como as empresas tradicionais ainda têm trabalho a ser feito para entregar uma melhor experiência ao cliente”, disse Vincent Bastid, secretário-geral da Efma. “A chegada das FinTechs acelerou a melhoria da experiência do cliente na indústria, mas ainda não está no nível desejado. É apenas questão de tempo, para que empresas BigTech³ e players de e-commerce e telecomunicações se unam para reivindicar sua parte e se beneficiar desta disrupção da indústria”.

Para ajudar as organizações tradicionais a superarem sua eventual resistência à inovação e a enfrentarem a potencial disrupção (atual e futura), o WFTR definiu um quadro de quatro etapas, essenciais frente a um número crescente de ameaças potenciais para o setor de serviços financeiros. De acordo com o relatório, as empresas tradicionais de serviços financeiros podem desbloquear a inovação: descobrindo novas tecnologias, idealizando novos modelos de negócios, contratando executivos alinhados para apoiar e sustentar a inovação, assim como melhorando a eficiência e adotando melhores práticas. Como a “plataformização4“ da indústria continua a ganhar força, será cada vez mais imperativo que as instituições financeiras tomem medidas agressivas para inovar.

Tags, , , , , , , ,

GFT registra aumento de 23% na receita no segundo trimestre de 2016

A GFT Technologies SE, companhia de Tecnologia da Informação referência em Digital para o setor financeiro, deu continuidade ao seu sólido crescimento no segundo trimestre. Esta tendência foi impulsionada sobretudo pela grande procura por soluções e projetos de Transformação Digital da indústria de serviços financeiros. Além disso, tal dinamismo de crescimento também é resultado de uma alta demanda por soluções digitais para atender as demandas regulatórias do setor.

Desenvolvimento dos negócios no segundo trimestre de 2016

A receita consolidada aumentou 23%, passando de 90,24 milhões de euros no segundo trimestre de 2015 para 110,64 milhões de euros no mesmo período de 2016. Ajustado à contribuição das receitas das empresas adquiridas: a Adesis Netlife S.L. em julho de 2015 e a Habber Tec Brasil em abril de 2016, o crescimento orgânico da GFT no segundo trimestre foi de 17%.

No segundo trimestre de 2016, os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) sofreram um aumento em 12% por causa de mudanças cambiais, passando de 10,19 milhões de euros no segundo trimestre de 2015 a 11,39 milhões de euros no mesmo período de 2016. Já os lucros antes de impostos (EBT) atingiram a ordem de 7,56 milhões de euros, ou seja, ligeiramente superiores ao do ano anterior, que registrou 7,35 milhões de euros. O lucro por ação chegou a 0,25 euros no segundo trimestre. No mesmo período do ano anterior o valor foi de 0,16.

Evolução das receitas e lucros no primeiro semestre de 2016

No primeiro semestre de 2016, a GFT elevou sua receita em 16% em relação ao primeiro semestre de 2015, passando de 178,76 milhões a 208,03 milhões de euros. Ajustado às contribuições de receitas das empresas Adesis e Habber Tec Brasil, adquiridas em 2015 e 2016, respectivamente, a GFT obteve um crescimento orgânico de 12% no primeiro semestre. O EBITDA, afetado pela taxa de câmbio num total de -2,43 milhões de euros durante os primeiros seis meses de 2016, teve um aumento de 9%, totalizando 21,54 milhões de euros. No primeiro semestre de 2015 foi de 19,80 milhões de euros. O EBT, lucro antes de impostos, de 14,60 milhões de euros foram ligeiramente superiores aos valores apresentados no ano anterior, que alcançou 14,23 milhões de euros. No primeiro semestre, o lucro por ação aumentou de 0,34 em 2015 para 0,46 milhões de euros em 2016.

Desenvolvimento por segmento no primeiro semestre de 2016

No primeiro semestre de 2016, o segmento Américas e Reino Unido registrou um crescimento de 7% em sua receita, passando de 103,80 milhões (2015) a 110,84 milhões de euros. Devido às mudanças cambiais negativas, o lucro do segmento caiu de 6,53 milhões de euros para 4,45 milhões de euros. O segmento Europa Continental alcançou um crescimento de receita de 29%, fechando em 74,96 milhões no primeiro semestre de 2015 e atingindo 96,71 milhões de euros atualmente. O resultado do segmento melhorou em 7%, de 10,06 milhões a 9,40 milhões de euros (2015).

Número de colaboradores cresce para cerca de 4.500

Até 31 de junho de 2016, o quadro de funcionários em tempo integral da GFT contava com 4.493 colaboradores, representando um crescimento de 31% em relação ao mesmo período do ano passado, no qual o número de colaboradores era de 3.421. Tal aumento se deve principalmente pela aquisição da Adesis, que somou 277 colaboradores na Espanha e no México, e da Habber Tec Brasil, que adicionou 102 colaboradores no Brasil, bem como pela contratação de novos funcionários, sobretudo em centros de desenvolvimento na Espanha, Polônia, Costa Rica e no Brasil.

Outlook para 2016

No final do primeiro semestre, a GFT ajustou suas projeções para o exercício de 2016. Devido ao desenvolvimento positivo apresentado, especialmente no que tange a soluções relacionadas à transformação digital, a previsão foi elevada em 10 milhões, totalizando 420 milhões de euros. Antes se projetava atingir 410 milhões de euros. Em termos de receitas, a GFT espera que o crescimento seja ligeiramente mais lento do que o previsto inicialmente. As causas dessa desaceleração se devem principalmente à desvalorização da libra esterlina com a decisão do referendo do Brexit. A empresa agora espera atingir um EBITDA de 46,5 milhões de euros e um EBT na ordem dos 33 milhões de euros. A previsão anterior era de 48,5 e 35 milhões de euros, respectivamente.

“Apesar dos desafios resultantes da saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, a GFT obteve um crescimento dinâmico no primeiro semestre do ano. Além disso, na segunda metade do ano, esperamos um crescimento advindo da resiliente transformação digital de processos de negócios na indústria de serviços financeiros. Além disso, os bancos terão de fazer novos investimentos em projetos de TI para implementar e se adequar às reformas e demandas regulatórias”, afirma Ulrich Dietz, CEO da GFT.

“O posicionamento da empresa como referência em Digital para o segmento financeiro tem alavancado projetos de Mobilidade, Analytics, BPM, BackOffice Digital, abertura de conta corrente e contratação de produtos financeiros 110% digitais, bem como outros projetos de Transformação Digital, que fomentaram o aumento da nossa receita em 107%, comparado ao mesmo período do ano passado”, explica o managing director Latam da GFT, Marcos Santos, acrescentando que para atender a demanda, somaram-se novos profissionais à operação brasileira nos últimos meses, totalizando 676 colaboradores até 30 de junho de 2016.

Dados financeiros detalhados estão disponíveis na seção Investor Relations do site da GFT: www.gft.com/int/en/index/company/investor-relations/

Tags, , ,

Capgemini faz parceria internacional para oferecer solução de blockchain para o setor de serviços financeiros

A Capgemini, um dos lideres globais de serviços de consultoria, tecnologia e terceirização, firmou aliança com a ascribe GmbH para solução de blockchain, baseada no BigchainDB, para um sistema de recompensa e fidelidade que monitora em tempo real as transações processadas. Com o banco de dados blockchain, as instituições financeiras poderão oferecer aos seus clientes a possibilidade de combinar os pontos de vários programas de fidelidade e resgatá-los em tempo real.

Como parte da parceria, a Capgemini unirá sua experiência em serviços financeiros, de consultoria e tecnologia digital, com o BigchainDB, para criar e desenvolver um sistema de fidelidade e recompensa. A solução ajudará os bancos a obterem flexibilidade para oferecer um sistema de recompensa robusto, econômico e seguro, possibilitando também o resgate dos pontos pelos clientes em vários estabelecimentos.

“O mundo deseja protótipos e casos de sucesso do uso das tecnologias blockchain”, diz o CEO da divisão de BigChainDB da ascribe, Bruce Pon. “Trabalhando com a Capgemini, desenvolveremos várias provas de conceito que poderão ser aplicadas imediatamente no mundo real”.

A aliança foi firmada depois da recente expansão da divisão de blockchain da Capgemini, cujo objetivo é desenvolver frameworks e protótipos digitais inovadores, além de criar um ecossistema de blockchain de classe mundial. A empresa está trabalhando em conjunto com algumas das maiores organizações do mundo para ajudá-las a adotar a tecnologia blockchain. Por meio da parceria com a ascribe, a Capgemini faz demonstrações aos seus clientes do setor bancário e coloca em prática este conceito.

“O potencial da tecnologia blockchain para melhorar a experiência do cliente é considerável. A Capgemini e a ascribe estão ansiosas para fazer parte dessa transformação”, afirma o vice-presidente da divisão de serviços financeiros da Capgemini, Sankar Krishnan. “A solução de blockchain aplicada em programas de fidelidade possibilita uma visão centralizada em tempo real tanto dos dados dos estabelecimentos como dos clientes, gerando oportunidades para a criação de novos programas de recompensa, além de melhorar a gestão dos ativos e recursos por parte dos estabelecimentos”.

Para saber mais sobre a divisão e competências de blockchain da Capgemini, acesse:
www.capgemini.com/blockchain.

Tags, , , , , , , ,

SAP apresenta no CIAB 2016 portfólio completo de soluções para apoiar a transformação digital

A presidente da empresa, Cristina Palmaka, fará a palestra
“The Boardroom of the future – Redefina a maneira de fazer negócios” durante o Congresso

Líder mundial de aplicações de software empresarial e maior empresa de soluções tecnológicas para o setor financeiro, a SAP participa, no Transamérica Expo Center, em São Paulo, de 21 a 23 de junho, do CIAB Febraban, o mais importante evento para o Mercado Financeiro da América Latina.

O estande da empresa terá uma “sala de comando do futuro” onde experts da SAP vão abordar temas relacionados à transformação digital. Clientes, parceiros e visitantes terão a oportunidade de conhecer o portfólio completo de soluções que apoiam a adaptação para a nova economia digital.

Pela primeira vez, a SAP, como patrocinadora ouro do Ciab, também participará com palestras no Congresso. A empresa destacou três de seus mais representativos executivos para levar temas relevantes para os que forem ao evento. Cristina Palmaka, presidente da empresa, vai abordar The Boardroom of the future – Redefina a maneira de fazer negócios” no dia 23, às 11h30, no Auditório Febraban, Hall B. No mesmo dia, às 14 horas, Eduardo Brunetti, especialista em Negócios Financeiros, fala sobre a “Transformação Digital no Canal de Vendas”, no Auditório C2, Hall C. Às 15h30, Tonatiuh Barradas, vice presidente de Indústrias Estratégicas, tem como tema “Descubra como as principais instituições financeiras abraçam a inovação”, no Auditório G1, Hall G.

No primeiro dia do evento, no tradicional happy hour, às 18 horas, a SAP vai promover uma Harmonização de Whisky e Chocolate em seu estande.

Tags, , ,

ATM reciclador da OKI Brasil opera câmbio com dólares, euros e até Bitcoins

view.aspx

A ATM do futuro chegou e vai muito além do convencional, com tecnologias como a reciclagem de dinheiro, biometria integrada, suporte a tecnologias sem fio, mobilidade, função de câmbio – euro e dólar – e expedição de cartões pré-pagos, sem contar a possibilidade de transacionar Bitcoins. Quer mais? Esta ATM traz o cofre bipartido para armazenamento dos cassetes de dinheiro, o que o torna resistente a ataques por explosão. E todo este leque está presente no Adattis Recycler com função câmbio – conceito desenvolvido e fabricado no Brasil e que traz tecnologias avançadas que estão prontas para chegar ao mercado.

“Este modelo incorpora um leque diversificado de funcionalidades, que vão trazer comodidade para correntistas e promover uma melhor prestação de serviços pelos bancos. Além da reciclagem de dinheiro, da função câmbio e emissão de cartões de múltiplas funções, ele permite a ponte entre o real e o virtual, ao fazer câmbio até de moedas digitais – como o Bitcoin – e mostra funcionalidades avançadas de segurança graças à biometria integrada e ao uso de módulos adicionais que estendem a capacidade do equipamento. Com essa oferta, a OKI Brasil mostra que pode produzir equipamentos versáteis, que integram e complementam os diversos canais transacionais dos Bancos, e que se adaptam às suas diferentes estratégias de oferta de produtos e serviços a seus clientes”, afirma o presidente e CEO da OKI Brasil, Wilton Ruas. Segundo o executivo, o equipamento traz o conjunto mais completo de funcionalidades para o CIAB 2016.

A Adattis Recycler realiza as funções de câmbio a partir de seu módulo reciclador, que aceita e dispensa notas em maços e checa se as cédulas são verdadeiras ou falsas. A ATM, que pode lidar com diversos outros tipos de moedas, permite que depósitos sejam creditados em tempo real. Veja abaixo outras funções do equipamento:

– Contactless – a ATM traz embutida a tecnologia sem fio NFC (Near Field Communication), presente em cartões e também em alguns modelos de celulares e que pode receber pagamentos ou fazer a carga em dispositivos sem necessitar de contato físico. Basta aproximar o dispositivo do sensor presente no caixa eletrônico para fazer saques (cargas) ou pagamentos;

– Câmbio – um visitante estrangeiro vem ao nosso país e quer fazer o câmbio de seus dólares ou euros para reais e pode receber os valores em espécie, em cartões pré-pagos com os valores embutidos ou em uma combinação destes dois meios. Os cartões, que podem ser personalizados em uma impressora embutida, são expedidos rapidamente pelo equipamento.

A função câmbio também pode ser feita com a conversão de Bitcoins para reais. No CIAB 2016, a OKI Brasil fará uma demonstração, concebida com o apoio da Microsoft e da corretora digital Foxbit, que integra tecnologias do tipo Blockchain ao mundo real. No exemplo exibido no CIAB, um usuário de Bitcoins pode fazer um saque em reais usando a solução da Foxbit, que fica hospedada no Microsoft Azure, a plataforma de nuvem da Microsoft.

– Biometria – as transações de câmbio feitas na ATM também podem ter sua segurança reforçada pela biometria. No conceito mostrado no evento, o usuário precisa apresentar seu passaporte para o equipamento, que consegue fazer uma leitura digital das informações presentes no documento. Em seguida, a ATM pode autenticar a identidade da pessoa por meio de reconhecimento facial e impressão digital.

– Agilidade – Outro recurso incorporado à Adattis Recycler é um dispositivo que recebe cheques diretamente no equipamento, tornando desnecessário o uso de envelopes para depósitos. Este componente faz a digitalização de sua imagem e valida sua autenticidade, o que pode agilizar os processos de compensação de cheques.

O Valor Agregado viu de perto como essa ATM funciona durante a CIAB FEBRABAN 2016. Acompanhe o vídeo:

Tags, , , , , , ,

Primeiro banco brasileiro totalmente digital, o Original escolhe Arbor Networks para assegurar ao cliente disponibilidade de acesso a seus serviços

A Arbor Networks, divisão de segurança da NETSCOUT (NASDAQ: NTCT), foi escolhida pelo Banco Original para fornecer os sistemas que protegem sua rede contra ataques DDoS (Distributed Denial of Service). Como primeiro banco brasileiro totalmente digital, Original tem na disponibilidade da rede um fator de crucial importância para seus clientes e para seus negócios.

Fundado há aproximadamente cinco anos como um banco voltado principalmente para o agronegócio e corporate, o Original lançou em março deste ano uma plataforma inovadora. Tornou-se também um banco de varejo capaz de prestar todos os serviços oferecidos por um banco tradicional – mas exclusivamente por meio de canais digitais.

A disponibilidade de serviços é assegurada por uma infraestrutura de rede redundante, com níveis de disponibilidade muito próximos a 100% assegurados por contratos com seus fornecedores. Para atender às normas da legislação brasileira, o Original desenvolveu sua própria plataforma – um projeto que durou três anos, com investimentos da ordem de 600 milhões de reais.

“Somos um banco totalmente digital, para dentro e para fora”, observa o CIO Wanderley Baccalá. “No relacionamento com o cliente – em que não exigimos sua presença física nem mesmo para a abertura de conta – o importante é que ele seja atendido a qualquer momento, onde estiver e da forma como quiser interagir, com a maior agilidade e transparência possíveis. E isso é que orienta as decisões do Banco Original”, define ele.

“O cliente hoje é conectado, é exigente, e busca uma maneira diferente de administrar seu dinheiro. No Original nós usamos a tecnologia para aproximar o cliente. Queremos que ele se sinta acolhido. E tenha a tranquilidade de saber que está trabalhando com um banco simples e confiável”, completa o CIO do Original.

Solução Arbor APS para proteção da rede nas instalações do cliente

A solução APS da Arbor é o primeiro produto de segurança para implementação nas instalações do cliente com foco em proteger o perímetro da rede de ameaças à disponibilidade – especialmente no que toca a ataques de negação de serviço (DDoS) dirigidos à camada de aplicações. Projetado especialmente para atender ao mercado de grandes empresas, o Arbor APS é comprovadamente capaz de identificar e mitigar esses ataques; conta com recursos inovadores e de fácil configuração, mesmo durante ataques.

A implementação da solução foi realizada pela Multirede Informática S/A., que acompanhou o projeto do Original desde o início e cumpriu fielmente um cronograma bastante agressivo. Para Jorge Moskovitz, diretor de negócios da empresa, “o sucesso dessa implementação se deveu ao trabalho conjunto de nosso time com as equipes do Original e da Arbor durante todas as fases do projeto. Para nós é motivo de satisfação e orgulho contribuirmos para o lançamento do primeiro banco digital brasileiro”.

Geraldo Guazzelli, diretor geral da Arbor no Brasil, destaca que “os ataques DDoS vêm crescendo em tamanho, frequência e complexidade, tendo como alvos preferenciais alguns setores como o de serviços financeiros, jogos e e-commerce. As soluções anti-DDoS da Arbor vêm sendo adotadas no Brasil e no mundo inteiro para proteger redes com as maiores exigências de segurança. A Arbor por sua capacidade de inovar, posiciona-se como líder de mercado em um cenário onde as ferramentas e técnicas de ataques DDoS evoluem continua e rapidamente”.

Tags, , , , ,

Stefanini lança assistente virtual durante CIAB 2016

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, apresentará no CIAB 2016 a revolucionária plataforma de inteligência artificial batizada de Sophie, capaz de interagir com usuários humanos e sistemas por meio de um conjunto crescente de interfaces de texto e voz.

“Sophie é composta por um conjunto de softwares, sistemas e processos que permitem acelerar e melhorar o desempenho de sistemas que interagem com o consumidor ou usuário, seja por meio de voz ou texto”, afirma Alexandre Winetzki, presidente da Woopi, empresa de pesquisa e desenvolvimento da Stefanini e responsável pela implementação da tecnologia no Brasil.

Ainda de acordo com o executivo, a assistente virtual carrega sete anos de trabalho de uma equipe altamente especializada de cientistas, programadores e designers. “Sophie é uma evolução da plataforma Parli, lançada inicialmente em 2014, e se tornou uma ferramenta voltada para operações globais da Stefanini, assim como uma personalização da tecnologia de forma a torná-la mais adequada para um número maior de processos de atendimento, independente de seu volume”, comenta Winetzki.

Os benefícios da plataforma inteligente podem ser obtidos por qualquer empresa ou corporação que deseje aumentar sua capacidade de interagir com seus usuários, por meio de um conjunto de canais mais amplo que um call center tradicional.

De acordo com estudo divulgado recentemente pela consultoria Research and Markets, o mercado mundial de produtos de inteligência artificial deve movimentar cerca de 23,4 bilhões de dólares até 2025.

O levantamento, que se baseou em tendências de mercado, dados das principais empresa do setor e estimativas, deu especial atenção a 23 países, incluindo EUA, Canadá, México, Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Itália, China, Brasil, Arábia Saudita e África do Sul.
“O mercado tem amadurecido para as possibilidades das ferramentas cognitivas, que estão apenas no início da sua evolução. Ao longo dos próximos anos, veremos mais e mais operações sendo realizadas por sistemas inteligentes. Nenhum sistema disponível no Brasil alcançou um grau tão alto de compreensão de contexto, isto é, entender o desejo do usuário e gerar uma ação a partir desse desejo”, finaliza Winetzki.

Diferenciais da plataforma inteligente Sophie:

• Maior número de integrações com plataformas de processamento de tickets e CRM, que permitem a Sophie abrir, processar e encerrar tickets da mesma maneira que um agente humano faria;

• Roll out da primeira versão em inglês da plataforma;

• Ampliação da capacidade cognitiva, isto é, a habilidade da plataforma de entender e processar requisições via texto e voz;

• Maior numero de interfaces, entre elas: Skype, Microsoft Link, Google Talk, Facebook, Web, Mobile, entre outras.

Sophie no Ciab Febraban 2016

A Stefanini participa do maior evento da América Latina para os setores financeiro e de tecnologia, o Ciab Febraban, que se realiza entre os dias 21 e 23 de junho, no Transamérica Expo Center, em São Paulo (SP). Além da Sophie, outras soluções oferecidas pela Stefanini serão apresentadas por parceiros e times de especialistas da multinacional.

Ciab Febraban 2016

Estande Stefanini: A 27 – Pavilhão A
Data: de 21 a 23 de junho
Horário: das 9h às 19h
Local: Transamérica Expo Center
Endereço: Av. Dr. Mário Villas Boas Rodrigues, 387 – Santo Amaro – São Paulo – SP
Telefone: (11) 5643-3000

Tags, , , , , , , ,

Grupo New Space apresenta novos Diretores Operacionais

O Grupo New Space, um dos líderes em soluções de prestação de serviços com tecnologia para empresas do segmento financeiro há 30 anos, anuncia a contratação de dois novos Diretores Operacionais. Vanderlei Chu e Nilton Pereira Filho, profissionais com mais de 25 anos de experiência nos mercados financeiro e de tecnologia, chegam com o desafio de apoiar a gestão da área operacional do Grupo, composta por cerca de 1.500 profissionais.

Cada um dos executivos será responsável por uma carteira de clientes dentro da organização. Eles têm o objetivo de ampliar ainda mais a produtividade e o portfólio de soluções e produtos ofertados pelo Grupo New Space, desenvolver uma plataforma de indicadores para nortear a qualidade dos serviços entregues e conquistar novos contratos.

“Vamos reforçar as ofertas ao mercado e as boas práticas de governança corporativa dentro do Grupo para garantir o melhor desempenho”, afirma o Diretor Operacional da New Space Nilton Pereira Filho. Formado em Administração de Empresas pela Universidade São Judas Tadeu, o executivo possui pós-graduação em Análise de Sistemas pela FECAP – Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado. O profissional trabalhou por nove anos no Banco Bradesco, onde foi Superintendente Operacional. Também atuou nos bancos Bandeirantes, Bank Boston e BMC.

Para o Diretor Operacional da New Space Vanderlei Chu, a experiência que traz será utilizada para atingir a meta de elevar os resultados positivos da organização. “O mercado atual exige uma série de práticas de segurança e mecanismos de controle corporativos que podem ser implementados com os serviços da New Space”, explica. O executivo é Bacharel em Economia pela USP (Universidade de São Paulo) e acumula passagens pelo Banco Safra, onde atuou como Superintendente Geral e Executivo, American Express e HSBC.

Tags, , , ,