Page

Tag empresas

Instituto Brasileiro de Vendas lança aplicativo para vendedores profissionais

Ferramenta tem o objetivo de facilitar o estudo e ampliar o networking entre alunos e professores; pessoas interessadas em vendas têm acesso a artigos, vídeos e dicas de leitura

Referência nacional em treinamento e capacitação de equipes de vendas atuantes nos mais diversos setores da economia, o Instituto Brasileiro de Vendas (IBVendas) lança o aplicativo “IBVendas”, que chega para facilitar o estudo dos alunos e ampliar o networking entre eles e com os professores. O app está disponível para os sistemas iOS e Android.

Ao realizar a matrícula em algum dos diversos cursos oferecidos pelo IBVendas, o vendedor deve baixar o aplicativo e, automaticamente, passa a ter acesso a todo o conteúdo, às apostilas utilizadas nas aulas e indicações de leituras complementares, desde as mais básicas até as teorias mais profundas. A ferramenta, no entanto, é útil para qualquer pessoa interessada em vendas e negociações, já que disponibiliza diversos artigos e vídeos.

“A nossa ideia é garantir o melhor caminho para o processo cognitivo no estudo dos nossos alunos, já que todo o conteúdo é atualizado constantemente”, afirma Mário Rodrigues, diretor do IBVendas. “Mesmo após concluir o curso, o vendedor continuará tendo acesso aos materiais e poderá utilizá-lo em inúmeras situações do dia a dia de trabalho”, complementa.

Outro benefício que a tecnologia proporciona está ligado à sustentabilidade. “Ao disponibilizar todo o conteúdo no aplicativo, deixamos de imprimir apostilas, o que, obviamente, é uma maneira bastante positiva de contribuir com o meio ambiente”, finaliza Mário.

Sobre o IBVendas: O Instituto Brasileiro de Vendas é referência nacional em treinamento e capacitação de equipes de vendas atuantes nos mais diversos setores da economia. Possui um método exclusivo que conta com as mais poderosas e eficazes ferramentas de vendas e negociação, com uma sólida fundamentação teórica, reconhecida internacionalmente e implementada com a dinâmica e flexibilidade do mercado brasileiro – www.ibvendas.com.br .

Tags, , , , , , , , , ,

GRU Airport amplia tempo de utilização de Wi-Fi gratuito

Usuários agora podem utilizar duas sessões de uma hora

O GRU Airport – Aeroporto Internacional de São Paulo – tem uma novidade para todos os usuários. Desde o início de março, ao acessar a rede sem fio do aeroporto (GRU WI FI), será possível utilizar duas sessões gratuitas de uma hora cada, com velocidade de cinco megabytes por segundo.

Com a ampliação do período, os usuários poderão aproveitar ao máximo suas redes sociais, navegar pelas páginas de internet e, também, usar os streamings de música e vídeo sem perder qualidade ou travamentos.

Além disso, as duas sessões de uma hora não são seguidas. Ou seja, o usuário pode usar uma hora em um período e a outra em um horário diferente no mesmo dia.

Para acessar é bem simples. Basta habilitar o Wi-Fi no celular, tablet ou notebook, escolher a rede GRU WIFI e, com apenas um click e sem necessidade de fazer cadastro, escolher a opção GRU Wi-Fi Grátis no site da Boingo – provedor líder mundial em aeroportos em serviços wireless. Após as duas horas, o usuário poderá optar por um dos pacotes disponíveis (Boingo Unlimited – R$ 12,45/mês e 20 megabytes por segundo, ou Boingo AsYouGo, R$ 19,90 por 24 horas e velocidade de 10 megabytes por segundo).

Tags, , , , , , , ,

CERT.br registra aumento de ataques de negação de serviço originados por dispositivos IoT

Em 2017, os incidentes de segurança reportados voluntariamente por usuários de Internet ao Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) somaram 833.775 (número 29% maior que o total de 2016), sendo 220.188 relacionados a dispositivos que participaram de ataques de negação de serviço (DoS – Denial of Service). Este número foi quase quatro vezes maior que as notificações de ataques DoS recebidas em 2016, que totalizaram 60.432.

Dispositivos IoT
Os ataques de negação de serviço (DoS ou DDoS) têm o objetivo de tirar de operação um serviço, um computador ou uma rede conectada à Internet. Em 2017, a maioria das notificações foi do tipo distribuído (DDoS – Distributed Denial of Service), quando um conjunto de equipamentos é utilizado no ataque. Em particular, muitos dos ataques reportados foram disparados a partir de dispositivos de Internet das Coisas (IoT na sigla em inglês) infectados e fazendo parte de botnets. Parte dos ataques DDoS também foi originada por roteadores e modems de banda larga no Brasil, seja porque estavam comprometidos ou porque possuíam serviços mal configurados, permitindo amplificação de tráfego.

O CERT.br também observou que ataques de força bruta a serviços como SSH (22/TCP) e TELNET (23/TCP) continuam muito frequentes e englobam tentativas de comprometer dispositivos IoT e equipamentos de rede alocados às residências, tais como modems ADSL e cabo, roteadores Wi-Fi, entre outros. Esse tipo de ataque visa adivinhar, por tentativa e erro, as suas senhas de administração e, assim, comprometer os dispositivos. “Essa atividade está fortemente relacionada com o aumento nos ataques DDoS a partir de dispositivos IoT, pois faz parte do processo de propagação dos códigos maliciosos que os infectam”, alerta Cristine Hoepers, gerente do CERT.br.

“Configurar os equipamentos corretamente, possuir boas políticas de senhas, mantê-los atualizados e tratar infecções são algumas dicas fundamentais para melhorar esse cenário. A cooperação dos diversos atores, incluindo desenvolvedores, fabricantes, profissionais de segurança, acadêmicos e os usuários é essencial para um ecossistema saudável”, complementa Hoepers. Frederico Neves, Diretor de Serviços e de Tecnologia do NIC.br, destaca que “todas essas ações fazem parte dos objetivos do programa ‘Para fazermos uma Internet mais segura’, uma iniciativa do NIC.br que agrega vários atores da cadeia de serviço de Internet em torno dos desafios para a promoção de uma Internet mais segura no País”. O programa foi lançado pelo CGI.br em dezembro de 2017, durante a VII Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil.

Para melhorar esse cenário, é essencial implementar as boas práticas presentes no Portal de boas práticas para a Internet no Brasil, principalmente as relativas à Implementação de Antispoofing para Redução de DDoS, e as Recomendações para Melhorar o Cenário de Ataques Distribuídos de Negação de Serviço (DDoS).

Varreduras e propagação de códigos maliciosos
As notificações sobre varreduras, técnica que tem o objetivo de identificar computadores ativos e coletar informações sobre eles, somaram 443.258 em 2017, correspondendo a um aumento de 15% com relação a 2016. Notificações sobre o serviço de SSH (22/TCP) equivale a 47% das notificações de varreduras, TELNET (23/TCP) com 9%, RDP (3389/TCP) com 2% e FTP (21/TCP) com 1% das notificações em 2017. O CERT.br também registrou um aumento de 60% em comparação a 2016 das notificações de atividades relacionadas à propagação de worms e bots (processo automatizado de propagação de códigos maliciosos na rede), que totalizaram 45.101 em 2017.

Ataques a servidores Web
Ataques a servidores Web reportados ao CERT.br em 2017 tiveram um aumento de 10% em relação a 2016, totalizando 60.766 notificações. Os atacantes exploram vulnerabilidades em aplicações Web para comprometer sistemas e realizar as mais diversas ações, como hospedar páginas falsas de instituições financeiras; armazenar ferramentas utilizadas em ataques; e propagar spam. Assim como nos anos anteriores, persistem as notificações de ataques de força bruta contra sistemas de gerenciamento de conteúdo (Content Management System – CMS), como WordPress e Joomla. Estes ataques foram, em sua maioria, tentativas de adivinhação das senhas das contas de administração destes sistemas.

Tentativas de Fraude
Já as notificações de tentativas de fraude diminuíram em 2017, somando 59.319 incidentes, uma queda de 42% em relação a 2016. Os casos de páginas falsas de bancos e sítios de comércio eletrônico (phishing) caíram 46% na comparação com o ano anterior. Já as notificações de casos de páginas falsas que não envolvem bancos e sites de comércio eletrônico, como serviços de webmail e redes sociais, por exemplo, tiveram um aumento de 6% em relação ao ano anterior.

Desde 1999, o CERT.br mantém estatísticas sobre notificações de incidentes a ele reportados. Para ter acesso aos gráficos e dados estatísticos completos das notificações de incidentes de segurança recebidas pelo CERT.br no ano de 2017 e períodos anteriores, visite: www.cert.br/stats/incidentes/. Conheça também a Cartilha de Segurança para Internet e o glossário.

Tags, , , , , , , , ,

Nuvem Shop é finalista do Prêmio Melhores do Ano AbComm

A Nuvem Shop, detentora de uma plataforma de serviços de e-commerce, está na fase final do Prêmio Melhores do Ano AbComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico). A empresa está na disputa como “Melhor Plataforma de E-commerce” e seu co-fundador, Alejandro Vázquez, foi selecionado na categoria “Empreendedor Digital”. Para confirmar a escolha, é necessário clicar no e-mail de confirmação após o voto.

O objetivo do prêmio da AbComm é evidenciar as melhores empresas e profissionais do mercado digital. Os vencedores das 11 categorias serão anunciados durante a cerimônia de premiação que acontece no dia 11 de abril, a partir das 9h no Teatro Gazeta em São Paulo, com transmissão ao vivo para todo Brasil.

O crescimento da Nuvem Shop no mercado brasileiro acompanha a evolução do setor de e-commerce no país. Com um serviço de alta qualidade, a empresa vem catalisando o empreendedorismo e geração de empregos, ajudando a estimular a economia local. Com apenas cinco anos de operação no Brasil, a Nuvem Shop já está entre as principais plataformas de comércio eletrônico do país. Somente em 2017, a plataforma da companhia movimentou cerca de R$ 380 milhões GMV (Transações Gross Merchandise Value). Atualmente o Brasil é o principal mercado de atuação da Nuvem Shop, com mais de 50% do faturamento.

Tags, , , , , , , ,

Laboratório de Inovação terá parceria PUCRS e Stefanini

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, participa nesta terça-feira, dia 20 de março, às 19h30, do lançamento oficial do Laboratório de Inovação, o iSeed, um espaço elaborado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e revitalizado com o apoio da Stefanini. Marco Stefanini, fundador e CEO global da companhia, estará presente à solenidade, juntamente com outros executivos com expertise em transformaç& atilde;o digital.

O iSeed foi criado para apresentação de tecnologias de ponta e demonstração do potencial de parceria entre a academia e o mercado. O espaço será utilizado no desenvolvimento de ideias inovadoras, que deverão aprimorar problemas do dia a dia, trazendo novas soluções para os mais diferenciados tipos de desafios. Este Laboratório de Inovação busca a sinergia pelo fomento à pesquisa e ao empreendedorismo, incentivando a participação da comunidade acadêmica (alunos, professores, pesquisadores da PUCRS e clientes Stefanini) na elaboração de soluções para o mercado.

Marco Stefanini comenta que espaços como este fazem parte de uma estratégia global da companhia para o desenvolvimento e demonstração de novas tecnologias, a partir do conceito de Design Thinking. “Temos uma cultura inovadora dentro da Stefanini, que será reforçada pelos laboratórios e centros de inovação. A Stefanini quer oferecer, cada vez mais, soluções que promovam a transformação digital dentro das empresas com ferramentas eficientes, leves, flexíveis, fáceis de operar e com rápida implementação”, explica.

Tags, , , , , , , , , , ,

Gerdau Challenge at FIEMG está com inscrições abertas

Estão abertas as inscrições para o programa de inovação Gerdau Challenge at FIEMG Lab. O intuito é encontrar startups e projetos com potencial para solucionar desafios nas áreas de aço e florestal, que impactam diretamente na operação da Empresa.

Na área de aço, o Desafio do Coque consiste no aumento do rendimento desse importante insumo do processo siderúrgico, com redução de perdas e desperdícios. O coque é formado a partir do carvão mineral e configura matéria-prima essencial na redução do minério, com alto impacto no custo deste tipo de operação.

Já o Desafio do Inventário Florestal busca ganhos de velocidade, precisão e redução de custos no processo de medição de florestas de eucalipto. O processo é essencial na previsibilidade e gestão da produção do carvão vegetal.

Podem se inscrever empreendedores que identifiquem potencial de ganhos entre suas ofertas e os desafios. A expectativa é contar com startups, pesquisadores da academia e empresas de base tecnológica.

O programa vai oferecer benefícios aos selecionados que vão além da possibilidade de desenvolver o seu negócio, podendo se tornar fornecedor da Gerdau. Inscrições devem ser realizadas a partir do dia 9 de março no site www.gerdauchallenge.com.br

Escopo do Gerdau Challenge

O Gerdau Challenge at FIEMG Lab é um programa que mitiga riscos no processo de inovação aberta com startups a partir de metodologia ponta-a-ponta e comunicação com mobilização efetiva junto ao ecossistema de startups. É dividido em 7 etapas que contemplam desde o entendimento dos desafios até a implantação das soluções escolhidas:

1. Início e submissão – 13 de março
2. Encerramento das inscrições – 11 de maio
3. Anúncio dos projetos selecionados – 18 de maio
4. Início da imersão – 28 de maio
5. Banca de avaliação dos projetos – 18 de julho
6. Anúncio dos projetos finalistas – 23 de julho
7. Início da prova de conceito da Gerdau

Tags, , , , , , , , , ,

Ética na era dos dados: um novo tipo de compliance?

Por Leonardo Dias

O uso de dados para o aumento da assertividade e do desenvolvimento de produtos cada vez mais precisos não é novidade, porém, a forma que grandes companhias encaram essas informações, sim. Ao mesmo tempo que se mostram mais preocupadas com a qualidade, a segurança e a governança, existe também a busca incessante de formas de extrair valor desses dados.

Muito desse investimento repousa sobre a suposta quebra de privacidade dos usuários, como no caso da geolocalização, que é passível de monetização, gerando receita, mas sem que exista a necessidade da exposição do indivíduo. É possível, por exemplo, contabilizar quantas pessoas passaram por determinado local sem precisar identificá-las. Ou seja, existem limites e isso não significa que as iniciativas serão menos rentáveis. É possível dar lucro sem abrir mão da ética e da privacidade dos clientes.

Para garantir a integridade das informações, as companhias atuam com diversas medidas, que vão desde a criação de modelos criptográficos de armazenamento até o completo sigilo para que não haja uma identificação do usuário. Há, sem dúvidas, maneiras de tornar esses dados anônimos, e muitas empresas buscam a adoção dessas práticas. Tudo vai depender de uma boa criptografia, já que a capacidade de processamento vem aumentando ao ponto de transformar antigas técnicas e soluções em tecnologias obsoletas.

O uso e a exploração dos dados devem ser analisados internamente para garantir a ética, que permite sua exploração até o ponto da privacidade. Além disso, também é possível aproveitar as informações para a implantação de serviços, entregando aos consumidores medidas capazes de transformar as operações em mais seguras e inteligentes por meio da análise de grandes volumes de dados, explorando mais padrões e não comportamentos individuais.

No Brasil, com o Marco Civil da Internet, que criou uma dificuldade maior e uma necessidade de manutenção dos dados, as empresas ainda estão em um processo de adaptação. Muitas delas ainda não possuem a devida governança, dificultando a localização e avaliação de variáveis específicas e limitando a qualidade das informações por trás de determinadas métricas, fazendo com que algumas práticas de análise não sejam mais adequadas.

No restante do mundo já existe uma maior utilização de sistemas de governança e uma constante busca para que os dados sejam atualizados e precisos. O conceito de análise de informações em tempo real (Real Time Analytics) cresce, se apresentando como tendência global para o futuro. A biometria e o reconhecimento facial serão métricas mais qualificadas e que poderão, por vezes, deixar de lado a questão da privacidade em troca da geração de valor.

Daqui para frente, os aspectos que não forem sanados por meio da legislação, deverão ser resolvidos por meio da ética dos indivíduos responsáveis por lidar com os dados. Apesar de o futuro ser incerto, para cada grande inovação, será preciso repensar, de maneira ética, quais serão suas aplicações e como essas informações poderão ser protegidas. Essa será, sem dúvida, uma necessidade crescente para o compliance na era dos dados.

Leonardo Dias é CDO da Semantix, empresa especializada em Big Data, Inteligência Artificial, Internet das Coisas e Análise de dados. http://semantix.com.br/

Tags, , , , , , , ,

Google e Facebook não conseguem vislumbrar potencial seguro das criptomoedas, aponta Dynasty

O Google anunciou a proibição de propagandas sobre criptomoedas e ICOs (Initial Coin Offer, em inglês), alegando que tais práticas são prejudiciais ou intrusivas. Para os especialistas da Dynasty, moeda digital criada por brasileiros com lastro no mercado imobiliário, a atitude da gigante de buscas é um mero ato de insegurança.

“Chega a ser contraditório que empresas vindas da computação, como o Facebook e o Google, se posicionem contra as criptomoedas”, explica Eduardo Carvalho, um dos fundadores da Dynasty. “Toda nova tecnologia passa por períodos de questionamentos. Será que na época em que essas companhias iniciaram atividades outros não falaram que buscas na internet e redes sociais eram questões perigosas à sociedade?”.

Para Fabio Asdurian, co-criador da moeda digital imobiliária, a questão não se resolve com proibições: “As criptomoedas surgiram em um movimento de incertezas, não é a toa que qualquer ação internacional afeta consideravelmente os índices da BitCoin, a primeira do setor. Mas assim como existem pessoas utilizando esta tecnologia em motivos ilícitos, existem organizações lutando por regularização e segurança. Nós mesmos estamos aguardando certificações suíças para iniciarmos as atividades”, conta, complementando: “Tanto o Facebook quanto o Google são as principais empresas tecnológicas do mundo. Ao invés de bloquearem as criptomoedas, elas não conseguiriam desenvolver mecanismos que filtrem o que é bom e o que é ruim neste cenário?”

Tags, , , , , , , , , ,

Brasileiro cria startup para interessados em investir no mercado imobiliário americano

Plataforma usa big data e machine learning para orientar, inclusive, brasileiros que desejam investir em imóveis nos Estados Unidos

Empresário também criou o primeiro fundo de investimento imobiliário do mundo alimentado por inteligência artificial

Profundos conhecedores do mercado imobiliário americano, o brasileiro Stefan Schimenes e o estoniano Gert Stahl sabem que são crescentes as possibilidades de ganhos com a valorização desses ativos — desde que sejam bem escolhidos. Pois foi com base nessa ideia de seleção que eles criaram a startup Investorise, plataforma que usa tecnologias como big data e machine learning para orientar investidores de todo o mundo, inclusive brasileiros interessados na compra de imóveis nos Estados Unidos.

Por meio de monitoramento e geração de relatórios, o sistema ajuda o usuário a identificar oportunidades e faz análises de riscos em tempo real. São numerosas as informações disponíveis na plataforma, e para acessá-las paga-se uma licença anual de uso cujo custo varia de US$ 40 mil a US$ 60 mil. A Investorise permite cálculos de valores de aluguel e venda, mensuração de riscos de depreciação de imóveis de determinada região, identificação dos melhores lugares com unidades disponíveis e o cap rate (taxa de capitalização).

Para Schimenes, o sistema inova principalmente por deixar aos computadores as tarefas de analisar e fazer previsões com base em informações — processo hoje feito por pessoas. “A Investorise criou uma plataforma analítica muito mais poderosa do que qualquer cérebro humano. Usamos a tecnologia para ajudar o investidor a tomar decisões. O mercado imobiliário americano é dos maiores do mundo, mas ainda usa pouca tecnologia no processo de tomada de decisão”, observa.

Mas por que o mercado imobiliário americano? Segundo o brasileiro, é um mercado muito desenvolvido em termos de dados (o que é necessário para treinar os algoritmos), além de oferecer oportunidades enormes para investidores. Depois da crise de 2008 e do estouro da bolha imobiliária, pode-se comprar imóveis a preços muito baixos e aluga-los para famílias que não conseguem comprar imóveis. Os aluguéis no modelo Single Family Residence (SFR) são um exemplo disso — representam atualmente o maior produtor de renda dessa classe de ativos nos Estados Unidos. A Investorise estima que existem 14 milhões de aluguéis SFR (no valor de US$ 2,8 trilhões), o correspondente a 35% do mercado americano de locação imobiliária.

Outro motivo da escolha é o fato de os Estados Unidos abrigarem as maiores empresas do mundo. Hoje a plataforma já conta com diversos investidores do mundo todo, como Alan Chang, que foi um dos responsáveis por expandir o Airbnb para a Ásia e Justin O’Connor, General Manager de uma das maiores indústrias químicas do mundo, Inneos. A sua equipe de advisors tem nomes como Riley Newman, que foi o chefe da área de Ciência dos Dados no Airbnb e um dos cinco primeiros funcionários da empresa, e Ricardo Franca, que foi analista da Gávea, do banco J.P.Morgan, e, agora, fundou a sua asset.

Aos interessados no mercado imobiliário americano, Schimenes faz um alerta: é necessário conhecimento. Há muitas regras do mercado e barreiras que não existem no Brasil. “Sazonalidade e período letivo são fatores que determinam, por exemplo, grande parte das vendas ao longo do ano”, exemplifica. E foi pensando nessas dificuldades que a empresa também criou um fundo de investimento.

Fundo de Investimentos

O Realty AlgoFUND I, lançado em julho do ano passado, é o primeiro fundo de investimento imobiliário do mundo alimentado por inteligência artificial. A tecnologia orienta gerenciadores de rendas de aluguéis do modelo SFR. Por meio da plataforma, a equipe da Investorise pode desenvolver uma estratégia de investimentos baseada em dados e também em experiências.

O investimento mínimo no fundo é de US$ 1 milhão, com perspectiva de retorno de 10% ao ano no período de sete anos. Pelo menos 90% dos recursos do AlgoFUND são investidos em imóveis residenciais, incluindo casas single families e condomínios, de várias regiões dos Estados Unidos. Schimenes destaca que a taxa de assertividade do Realty AlgoFUND é de 98%, em média, para previsão de um ano. “No final de 2016, nosso sistema previu que o mercado imobiliário da região de San Francisco valorizaria 9,82% em 2017. O índice oficial de apreciação foi de 9,85%, ou seja, muito próximo da nossa previsão”, explica o brasileiro. Desde a sua criação, o fundo de investimento imobiliário já adquiriu portfólio em quatro estados, de costa a costa (Oregon, Colorado, Geórgia e Flórida).

Tags, , , , , , , , ,

Cognizant oferece solução voltada à personalização do e-commerce

A Cognizant, uma das empresas líderes mundiais em tecnologia e negócios, oferece solução voltada à personalização do e-commerce. O objetivo da ferramenta EngagementOne, que incorpora inteligência artificial (AI) na estratégia de comércio eletrônico, é permitir que as empresas varejistas se antecipem às necessidades e aos comportamentos dos consumidores em tempo real, proporcionando experiências significativas ao cliente.

O EngagementONE possui três componentes: Hub 360 do Consumidor, fonte única de informação e histórico do cliente; Individualização, uso de analytics e modelagem de dados para prover insights permitindo individualização de ofertas, promoções e conteúdo; e Experiência Transformacional, onde é possível transformar a experiência do consumidor, operação e resultados em toda sua jornada.

Segundo Roberto Wik, diretor de Products & Resources da Cognizant no Brasil, os consumidores de hoje não querem ser tratados como números e sim como indivíduos. Eles esperam uma experiência de compra excepcional, no canal de sua preferência, em qualquer lugar e horário.

“Estudos mostram que é possível incrementar a receita de e-commerce em mais de 30% com a personalização, no entanto, poucos sites de e-commerce surpreendem o cliente e permitem que ele encontre a combinação certa entre conteúdo e oferta no tempo adequado, independentemente do canal, com características relevantes, que atenda ao desejo individual, mesmo que estes consumidores estejam dispostos a compartilhar suas preferências”, ressalta o executivo.

A Cognizant é líder da indústria no que diz respeito à prática de personalização do comércio eletrônico; 30% das vendas on-line dos Estados Unidos (EUA) são executadas em sites desenvolvidos ou suportados pela empresa. “Além do potencial incremento de receita com aumento no valor do pedido de compras, a personalização de e-commerce traz benefícios adicionais como uma maior fidelidade à marca, maior penetração no mercado, estreitamento de relacionamento com consumidor e maior efetividade das campanhas de marketing” conclui Wik.

Tags, , , , , , , , ,

Diebold Nixdorf traz inovação para jornada de compra conectada

A experiência de compra e atendimento personalizado nunca foram tão falados no varejo brasileiro. Imagine que você está em um Self-Checkout supermercado e recebe uma notificação em seu celular de que a loja oferece diversas ofertas e uma delas é de molhos de tomate. Não seria estranho, já que você está na sessão de macarrão. Mas, como a loja sabe que você está naquele local exato? As soluções de software da DN utilizam dispositivos de geolocalização, que mostram como é possível localizar o cliente dentro de determinada sessão e direcionar ofertas intuitivas e personalizadas. “Sabemos que dentro da jornada de compra o protagonista é o consumidor. Por isso, desenhamos produtos que ofereçam opções customizadas para cada perfil de consumo”, explica Miriane Paulino, líder de negócios de Varejo da DN no Brasil.

Seguindo a linha de soluções que promovem a experiência do cliente nas lojas, o Self-Checkout que já está disponível no mercado brasileiro e permite que o próprio consumidor pese os produtos, escaneie cada um dos códigos de barras e efetue o pagamento via cartão de crédito ou débito.

Albert AEVI 2

Já o dispositivo Albert AEVI possibilita que pagamentos sejam feitos em qualquer lugar do supermercado. A solução inédita no Brasil é um smartPOS móvel que se destaca por ter um marketplace único e definido a partir da linha do negócio do varejista. Com ele, é possível baixar apps e oferecer novas opções a um ponto de venda que vão além do pagamento de compras ou fechamento de comanda. Com ele é possível pedir táxi, adquirir ingressos, dentre outras conveniências para o cliente.

A plataforma de software DN Mobile faz parte do app de relacionamento que conecta a loja física à digital. Por meio de biometria facial, escaneamento no totem ou gôndola, os clientes podem efetuar pagamento em moeda digital ou checkout mobile. Para blindar todo o sistema das lojas, o DN Analytics Cloud é a solução de segurança e combate às fraudes para transações digitais. Ela é integrada ao DN Mobile e mapeia o perfil comportamental dos clientes com intuito de eliminar fraudes em transações eletrônicas e programas de fidelidade.

De acordo com Miriane, o mercado brasileiro oferece diversas oportunidades para implantação de tecnologias disruptivas que podem gerar valor para as experiências do novo perfil de consumo. “Vemos que o setor está se remodelando para conectar os mundos físico e digital. Por isso, nosso foco é na jornada de compras guiada por conexões e experiências do cliente. Com isso, podemos colaborar com o desenvolvimento do comércio conectado no país”, comenta a executiva.

Essas soluções estão expostas na Convenção da ABRAS 2018, que acontece de 19 a 21 de março, no Riocentro, no Rio de Janeiro.

Tags, , , , , , , , ,

Fórum LIDE do Varejo: tecnologia influencia mudanças no mercado

O primeiro dos três painéis do 6º Fórum LIDE do Varejo, realizado entre 16 e 18 de março no Hotel Sofitel Jequitimar, em Guarujá (SP), destacou a crescente influência da tecnologia tanto no desenvolvimento de processos e gestão de negócios como no atendimento a um consumidor cada vez mais atuante nas mídias sociais e no uso de tecnologia para realizar suas compras. O evento, promovido pelo LIDE – Grupo de Líderes Empresariais, com curadoria do LIDE COMÉRCIO, reuniu cerca de 350 empresários e líderes do setor varejista para três dias de palestras e networking e abordou como tema central “A expansão e democratização do consumo”. O encontro foi aberto pelo prefeito do Guarujá, Valter Suman e por Luiz Fernando Furlan, chairman do LIDE.

Marcos Gouvêa de Souza, fundador e diretor-geral da GS& e presidente do LIDE COMÉRCIO, abriu o painel, destacando a retomada do crescimento do mercado. “Estamos saindo de dois anos difíceis, em que tivemos uma redução de 7,1,% do PIB e queda nas vendas de 10,2%. O que temos hoje é muito melhor do que o passado recente, mas aquém do precisamos buscar no longo prazo”.

Este cenário de retomada de crescimento tem ainda o desafio de atrair consumidores cada vez mais conectados digitalmente. Segundo Frederico Trajano, CEO do Magazine Luiza, com 56% dos brasileiros conectados por celular, o importante é não ter medo de inovar. A tecnologia digital tem permitido que os funcionários das lojas físicas da rede acessem vários aplicativos para realizar vendas, acompanhar estoques, e verificar o atendimento das demandas do consumidor. Nas redes sociais, ele destacou a criação de fanpages das lojas, administradas por eles e que intensificam o relacionamento com os consumidores regionais. Por outro lado, ele ressaltou o potencial do e-commerce, motivado pelo crescimento de meios de pagamento.

A integração entre ambientes físico e digital foi apontada também por Mario Laffitte, vice-presidente da Samsung. Segundo ele, o próximo passo é melhorar a experiência do cliente, transformando as lojas físicas em centros de serviços ao consumidor”.

Ao lado de Luiz Fernando Furlan, chairman do LIDE, estiveram presentes no primeiro painel do 6º Fórum LIDE do Varejo: Frederico Trajano, CEO do Magazine Luiza; Junior Durski, sócio-fundador do Madero; Mario Laffitte, vice-presidente da Samsung; Marcilio Pousada, presidente da Raia Drogasil; Miguel Abuhab, CEO da Neogrid; Vander Giordano, vice-presidente da Multiplan; e Urubatan Helou, diretor-presidente da Braspress.

O 6º Fórum LIDE do Varejo conta com participação especial da BRAGA, NASCIMENTO & ZILIO, LINX, NEOGRID e SYNAPCOM. São colaboradores: 3 CORAÇÕES, ACCENTURE, ARIZONA, ARYZTA, ATHIE WOHNRATH, AUDI, BRASPRESS, GOCIL, MAGAZINE LUIZA, MARTINS, MULTIPLAN, POLISHOP, PROSEGUR, RIACHUELO, UOL e WAZE. Entre os fornecedores oficiais estão ONE MORE DRINK, 3 CORAÇÕES, 3 SEG, ANTILHAS, APIS HEALTH TECH, CACAU SHOW, CARUSO LOUNGE, COCA-COLA FEMSA, ECCAPLAN, ECOSIMPLES, F&Q BRASIL, FORMAG’S, FREDISSIMO, GRUPO CDI, JOHNNIE WALKER – DIAGEO, PROGRAMASOM, ROBERTO RISCALA PAISAGISMO, RODOBENS COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL, SUNGLASS HUT e UPS. O evento também conta com o apoio institucional do GRUPO GS&. Como mídia partners estão a rádio JOVEM PAN, o jornal O ESTADO DE S.PAULO, PROPAGANDA & MARKETING, PR NEWSWIRE, ATMO, LIDE PLAY e REVISTA LIDE

Tags, , , , , , ,

MEC e HUAWEI assinam acordo para capacitação profissional e tecnológica

O Ministério da Educação (MEC) e a Huawei anunciam a assinatura de um Memorando de Entendimento que promove a colaboração estratégica em programas de capacitação profissional, certificação técnica e recomendação de políticas públicas para dar apoio à expansão da infraestrutura tecnológica e à ampliação de oportunidades de emprego com a utilização das tecnologias da informação e comunicação (TICs).

À medida que as TICs ampliam sua participação no produto interno bruto (PIB) e empresas de todos os setores aceleram sua transição para a economia digital, o cultivo de talentos com conhecimento técnico é necessário para a construção de um ecossistema digital sólido e sustentável. De acordo com o Índice Global de Conectividade da Huawei, a formação de talentos é necessária para que as nações emergentes possam reduzir a distância que as separam das economias mais desenvolvidas. Além disso, as TICs são fundamentais para o atingimento da meta número 4 de desenvolvimento sustentável proposto pela Organização das Nações Unidas: educação de qualidade.

A cooperação descrita no Memorando, que possui validade de cinco anos, abrange programas de capacitação e certificação para estudantes e profissionais em TICs, treinamento de instrutores multiplicadores por meio de transferência tecnológica e de conhecimento, adoção de plataformas tecnológicas aplicado ao ensino e construção de ambientes virtuais de aprendizagem.

“O acesso à educação é um direito fundamental do cidadão e o ministério está empenhado em proporcionar e ampliar o acesso a conteúdo e políticas inovadores para que todos os brasileiros tenham acesso ao conhecimento. Agradeço a Huawei por ter proposto iniciativas que colaboram com a qualificação profissional, com ferramentas e recomendações que nos ajudarão a levar a educação de qualidade para mais brasileiros”, afirma o Secretário Executivo Adjunto do MEC, Felipe Sigollo.

Inaugurado em 2003, o Centro de Treinamento da Huawei no Brasil já capacitou mais de 25 mil talentos em TIC em diversas tecnologias como redes de acesso, core, datacenters e transmissão. No âmbito do Programa Seeds for the Future, a empresa realiza parcerias com universidades e instituições de ensino, incluindo o intercâmbio de universitários que recebem treinamento em tecnologias avançadas na sua sede em Shenzhen, na China. O Seeds for the Future já contemplou 40 jovens talentos brasileiros.

“A Huawei está muito feliz em reafirmar sua colaboração com o desenvolvimento social e econômico do Brasil ao compartilhar nosso conhecimento e ferramentas. A educação está no centro da nossa responsabilidade social corporativa e estamos totalmente comprometidos em ampliar investimentos e compartilhar nossa experiência global de liderança em TIC”, afirma Yao Wei, o CEO da Huawei do Brasil.

Tags, , , , , , , , ,

Optimus Data lança aplicativo exclusivo para gerenciamento de projetos

A Optimus Data, empresa especializada no desenvolvimento de soluções de tecnologia, como .NET Core, Ruby on Rails, Vue.js, Swift e Kotlin, acaba de lançar o aplicativo Arbo, uma ferramenta de gerenciamento de projetos que permite que os usuários acompanhem pelo celular o andamento das atividades em cada projeto realizado e se comuniquem com os clientes por meio de chat e envio de imagens.

Com uma mecânica fácil para utilização e diversas funcionalidades, o Arbo chega ao mercado de aplicativos para auxiliar empresas e escritórios a organizarem as tarefas e projetos internos, diminuindo o tempo gasto com cada atividade e permitindo que novos trabalhos sejam aceitos. Entre os destaques da ferramenta, está o dashboard de prazo de entrega com três opções de visualização: projetos, tarefas e colaboradores\fornecedores.

Além das facilidades de visualização, também é possível marcar uma tarefa como concluída deslizando a atividade para o lado e para agilizar o contato e manter organizado o andamento dos projetos, o aplicativo conta com um chat entre o usuário e o cliente, onde é possível se comunicar por mensagens e envio de fotos.

Claudinei Gonçalves, Diretor Comercial da Optimus Data, diz “estamos muito satisfeitos com o lançamento do Arbo, será uma ferramenta indispensável no gerenciamento dos projetos” e complementa “o valor investido pelas empresas em uma assinatura terá retorno rápido, fizemos um teste com uma oficina de móveis e tivemos resultados excelentes, conseguimos zerar os atrasos nas entregas”.

Tags, , , , , , , ,

Customer Experience: Inteligência Artificial, Realidade Aumentada e Data Science são destaques para o CX do futuro

A tecnologia não mudou somente a maneira como as empresas se organizam internamente, ela afetou diretamente a relação que elas têm com seus consumidores. Estima-se que 20% é a perda da receita anual para negócios que não oferecem uma experiência do cliente positiva, segundo dados da Oracle.

O Customer Experience (CX) é hoje um dos assuntos mais abordados e estudados no mundo dos negócios já que está diretamente relacionado à captação e retenção de clientes e no bom relacionamento entre os consumidores e uma marca.

Hoje no mercado existem ferramentas que auxiliam, monitoram, integram sistemas e se comunicam com o consumidor. Assim, como uma receita única, cada empresa desenvolve sua “fórmula secreta” com o objetivo de criar uma relação personalizada com seu consumidor.

“O Customer Experience consiste basicamente na percepção do cliente diante de um produto ou serviço após qualquer tipo de interação com uma marca. Com a tecnologia, essas soluções estão mais modernas, estratégicas e acessíveis para o empreendedor”, explica Fábio Camara, especialista em Transformação Digital e CEO da FCamara, empresa brasileira desenvolvedora de soluções e integrações digitais através de plataformas e aplicativos.

O especialista aponta as 3 principais inovações que se destacam hoje no mercado e como elas otimizam e automatizam a experiência do consumidor.

Inteligência Artificial

Conjunto de práticas e ferramentas que de forma programada respondem e auxiliam a empresa a atender de forma mais eficiente seus clientes. A Inteligência Artificial está a cada dia ganhando mais adeptos nos mais variados ramos de negócio. Estima-se que 45% das companhias varejistas pretendem utilizar IA dentro dos próximos três anos para reforçar o CX, segundo apontamento de estudo realizado pela consultoria BRP.

“São variados os benefícios da IA para o CX. Seja pela otimização de custos ou automação do relacionamento com o cliente, tornando o atendimento mais ágil ou o visual listening, que permite a monitoração da experiência e de menções à empresa que afetam diretamente a sua reputação”, afirma.

Realidade Aumentada

Ainda que o e-commerce esteja em franco crescimento, as lojas físicas são parte importante do business e para tornar a experiência de consumo nesses espaços comerciais tradicionais mais atrativa, as empresas estão investindo na realidade aumentada, tecnologia que permite a integração de informações virtuais a visualizações do mundo real.

Exemplos disso são as projeções de hologramas, anúncios digitais, simuladores, plataformas de marketing de interação com os clientes, entre muitos outros. “A Realidade Aumentada tem um impacto importante ao proporcionar aos consumidores novas experiências de compra. Além de melhorar o CX, este é um campo em que o marketing pode explorar todas as suas potencialidades”, diz.

Data Science

Diferente das análises estatísticas e da ciência da computação, o Data Science, ou ciência da análise de dados, tem atuação com princípios científicos, coletando informações que ajudam as empresas a criarem estratégias para o futuro de seus negócios.

Ela busca descobrir conhecimento a partir de uma quantidade de dados que podem ser usados na tomada de decisões, assim como fazer previsões de mercado, auxiliando na elaboração de estratégias para o futuro. “O Data Science não usa somente a leitura numérica de dados, ele permite uma análise mais profunda de todo o negócio e o CX, permitindo um aprofundamento para a elaboração de planos e ideias, como expansão, internacionalização e até mesmo amplitude de atuação no mercado”, conclui Camara.

Tags, , , , , , , , , ,

A sociologia pode ser ferramenta estratégica para as empresas

Apesar de ser uma especialidade bem desenvolvida em muitos países, entre eles Estados Unidos, França e Inglaterra, a sociologia das organizações ainda é pouco conhecida no Brasil. A área estuda os aspectos sociais que influenciam a dinâmica da organização, como também oferece maior entendimento sobre os desafios que se colocam à prática da gestão. Em um mundo cada vez mais globalizado e diverso, a especialidade pode ser ferramenta estratégica para a mediação de conflitos e, consequentemente, o estabelecimento de melhores relações sociais dentro das empresas. Pensando nisso, os professores Pedro Jaime, do Departamento de Administração do Centro Universitário FEI; e Fred Lúcio, da ESPM; escreveram juntos o livro Sociologia das Organizações: conceitos, relatos e casos, que será lançado em 20 de março, no campus da FEI, em São Paulo.

O livro estabelece a relação entre a teoria sociológica e o cotidiano organizacional, tornando-se um guia para executivos e gestores utilizarem no dia a dia das organizações. “De forma simples, a sociologia das organizações contribui para uma gestão humana, com mais empatia. O gestor será capaz de fazer a leitura do ambiente, tanto interno quanto externo à organização, e poderá intervir de forma mais qualificada para solucionar possíveis conflitos que estejam acontecendo entre a empresas e seus múltiplos públicos de interesse. Ele/a também entenderá melhor a dinâmica das relações entre os indivíduos e grupos que compõem a organização, sejam funcionários, gerentes, ou dirigentes”, explica o professor Pedro Jaime.

A obra é fruto da experiência docente de duas décadas dos professores em faculdades de administração e escolas de negócios. “Sentíamos falta de um material que trouxesse discussões desses temas com a complexidade que marca o pensamento nas Ciências Sociais, mas, ao mesmo tempo, numa linguagem acessível e atraente tanto para os alunos de Ensino Superior, como para profissionais que atuam no mundo empresarial”, destaca Jaime.

Sociologia das Organizações é dividida em oito capítulos que abordam as relações entre Sociologia, Administração e Ciências Sociais. São tratados ao longo dos capítulos, dentre tantas outras, questões como equidade de gênero, inclusão racial, homofobia e ligações perigosas entre esfera pública e esfera privada no Brasil, que ganharam o centro da cena midiática com a Lava Jato. Tudo isso com referências a situações práticas e vasto conteúdo complementar, que inclui indicações de filmes. O lançamento do livro é aberto ao público e contará com debate com os autores e com professores dos Departamentos de Administração e Ciências Sociais e Jurídicas da FEI.

Sobre os autores

Pedro Jaime

Doutor em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP), e em Sociologia e Antropologia pela Université Lumière Lyon 2 (França), mestre em Antropologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e graduado em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É professor do departamento de Administração do Centro Universitário FEI. Autor do livro Executivos Negros: racismo e diversidade no mundo empresarial, publicado pela Edusp em 2016 e contemplado com o Prêmio Jabuti 2017, na categoria Economia, Administração e Negócios e com o Prêmio da Ass. Brasileira das Editoras Universitárias na categoria Ciências Humanas.

Fred Lucio

Pós-doutorando do Programa de Mestrado e Doutorado em Gestão Internacional (PMDGI-ESPM). Doutor em Ciências Sociais pela Unicamp. Mestre em Antropologia Social pela Unicamp. Bacharel licenciado em Filosofia pela Pontifícia Universidade de Minas Gerais (PUC-MG). Professor do núcleo de Humanidades da ESPM-SP, onde coordena a Agência Experimental de Incentivo ao Voluntariado Estudantil (ESPM Social).

Sociologia das Organizações: conceitos, relatos e casos

Autores: Pedro Jaime e Fred Lúcio

Editora: Cengage

Número de páginas: 280

ISBN: 9788522127726

Lançamento do livro Sociologia das Organizações: conceitos, relatos e casos

Data: 20/03

Horário: 19h às 21h

Local: Centro Universitário FEI – campus São Paulo – Rua Tamandaré, 688, Sala 7 – Liberdade, São Paulo – SP

Tags, , , , , , , ,

Pesquisa global da Avast releva as condições dos PCs

A Avast, líder em produtos de segurança digital, anunciou dados do seu Relatório de Tendências para PC. O estudo apresenta uma visão real sobre os softwares e hardwares mais usados em computadores, a partir de dados anônimos de mais de 155 milhões de usuários do mundo todo. As informações foram reunidas pelo AVG PC TuneUp e Avast Software Updater, no terceiro trimestre do último ano. A seguir, estão os principais fatos apontados no relatório:

Em média, os computadores têm mais de 5 anos de idade

O relatório da Avast apontou que os usuários permanecem com seus computadores por um longo tempo. Surpreendentemente, quase 28% dos PCs têm mais de oito anos, o que significa que são da era do Core 2 Duo e, por isso, são mais lentos. Os resultados mostraram que 27,82% foram fabricados em 2009 ou antes; 12,03% em 2010; 10,67% em 2011; 14,09% em 2012; 10,51% em 2013; e 14,48% em 2014. Além disso, apenas 10% dos PCs e laptops foram adquiridos em 2015 ou após este ano. Portanto, a idade média dos PCs avaliados, conforme dados dos 155 milhões de usuários, possuem pouco mais de 5 anos.

Em média, o usuário tem 51 programas instalados

Dentre os milhões de usuários de PC no mundo, a quantidade média de programas instalados chegou a 51. Neste caso, não são apenas programas do dia a dia como Skype, Office ou iTunes, mas também ferramentas como Java e Flash necessárias para executar sites e outras plataformas. O usuário deve estar ciente de que quanto mais programas instala, mais lento e potencialmente não confiável o PC se tornará.

Os programas mais instalados

A grande maioria (79%) têm o Google Chrome instalado, seguido de Adobe Flash Player (77%), Java (59%), Mozila Firefox (44%) e Skipe (39%). Muitos usuários têm o Google e Firefox instalados no PC, para talvez alternar o uso dos navegadores.

Muitos programas estão desatualizados – Java, Adobe Air e Shockware

Com a telemetria, o Software Updater da Avast é capaz de identificar quais programas estão desatualizados. Alguns usuários (gratuitos) da Avast, que não possuem Atualizações Automáticas de Software ativadas, executam algum programa bastante antigo e potencialmente perigoso. No topo dessa lista está o Java, com 17% dos usuários executando as versões 6 e 7 desatualizadas. A Avast sugere que os usuários, mesmo aqueles que executam o Java 8, devem atualizar o software visitando o site oficial do Java ou usando o Avast Premier, que inclui o Automatic Software Updater.

Participação do Windows 10 no mercado de software cresceu e chegou a 35%

O Windows 10  da Microsoft foi introduzido há dois anos no mercado e teve várias versões desde então, diferentemente do Windows 7 que está começando a mostrar sua idade. Apesar disso, o sistema operacional mais antigo ainda está instalado em 45% dos PCs dos usuários. A lista com a participação de mercado dos programas avaliados traz o Windows 7 (45%), Windows 10 (35,1%), Windows 8.1 (10,7%), Windows XP (4,6%), Windows 8 (2.1%) e Windows Vista (2%).

HP lidera com 20% de participação do mercado de PC

Olhando para a distribuição global das marcas de computadores, a HP (Hewlett-Packard) lidera o ranking. Seu concorrente mais próximo possui apenas metade desse mercado. Assim, no topo está a HP (19,8%), seguida pelas marcas Acer, Asus, Dell e Lenovo (com cerca de 10%), logo após a Gibagyte e Toshiba (com cerca de 5%), Samsung (3,7%) e demais marcas avaliadas (24,8%).

SSD surpreendentemente pequeno: HDD ainda rege

Tendo em vista que os PCs têm em média 5 anos, não é surpreendente saber que a unidade de estado sólido (SSD) mais rápida não é tão comum quanto a unidade de disco rígido mecânica (HDD). Dentre os milhões de usuários da base Avast apenas 7,4% tinham um SSD, enquanto outros 6,7% tinham uma combinação híbrida de SSD + HDD em seus sistemas. O restante (85,9%) ainda tem que lidar com os atrasos e a lentidão dos discos rígidos tradicionais.

“Diante dos avanços tecnológicos, imaginamos que a maioria das pessoas utilizam PCs inteligentes, rápidos e atualizados, e que aqueles computadores com monitores antigos simplesmente desapareceram do mercado. Mas a realidade é outra”, disse André Munhoz, Country Manager da Avast no Brasil. “O número de PCs com anos de uso é grande e esses usuários precisam estar atentos para a necessidade de atualização constante dos programas, principalmente para reduzir vulnerabilidades que possam facilitar a ação de cibercriminosos e colocar em risco seus dados pessoais e sua privacidade”, completou.

Tags, , , , , , ,

World Economic Forum – O livro sobre a Quarta Revolução Industrial demanda atualização urgente de como governamos a tecnologia

O World Econoimc Forum lança hoje a versão em português do novo livro do seu fundador e presidente executivo, Klaus Schwab, intitulado Shaping the Fourth Industrial Revolution. O objetivo do livro é ajudar líderes a desenvolverem as técnicas necessárias para dominar os avanços tecnológicos a fim de resolver desafios globais críticos.

O livro é uma sequência do best-seller de 2015 escrito por Schwab, A Quarta Revolução Industrial. O novo livro é um guia prático para interpretar 12 conjuntos de tecnologias emergentes a partir de uma perspectiva de sistemas e entender melhor as regras, normas, instituições e valores que norteiam seu desenvolvimento e uso.

Esta abordagem é necessária, argumenta Schwab, devido à velocidade sem precedentes com que a tecnologia está se desenvolvendo, tornando as abordagens dos governos, agências reguladoras e empresas nas quais confiamos para gerenciar o impacto das tecnologias desatualizadas e redundantes.

A proposta de Schwab é que os líderes adotem uma abordagem de “liderança de sistemas” para garantir que a evolução da tecnologia não ocorra sem paralelamente levar em conta as regras, as normas, os valores e a infraestrutura. Se a tecnologia não for desenvolvida dentro de um sistema de governança inclusivo e sustentável, a Quarta Revolução Industrial poderia exacerbar a desigualdade de renda, excluindo bilhões de pessoas e, ao mesmo tempo, desperdiçar a oportunidade de utilizar a tecnologia para ajudar a enfrentar desafios globais.

“Levou mais de uma década para que o mundo desenvolvesse uma resposta coletiva às mudanças climáticas. Se levarmos o mesmo tempo para responder à Quarta Revolução Industrial, teremos perdido a oportunidade de influenciar o desenvolvimento das tecnologias que moldam a forma com que trabalhamos, vivemos e agimos. Se atuarmos agora, teremos a oportunidade de garantir que tecnologias, como a inteligência artificial, melhorem de forma sustentável e significativa as vidas e as perspectivas do maior número de pessoas possível”, afirmou Schwab.

O livro insiste que os líderes adotem rapidamente o conceito de governança ágil das tecnologias, combinando a destreza das tecnologias e os atores do setor privado que as criam para constantemente atualizar e repensar as regras em colaboração com outros setores. As empresas devem experimentar mais as novas tecnologias e investir mais em pessoas e habilidades para que sua capacidade empresas de desenvolver e levar ao mercado inovações exitosas seja maximizada.

Quanto ao público em geral, o livro incentiva que as pessoas se envolvam nas questões relacionadas à evolução da tecnologia e façam com que sua voz seja ouvida para garantir que a tecnologia desempenhe um papel positivo na construção de um futuro sustentável, inclusivo, impulsionado pela inovação.

O livro Shaping the Fourth Industrial Revolution baseia-se nas contribuições de mais de 200 especialistas mundiais em tecnologia, economia e sociologia, apresentando um guia prático para cidadãos, líderes empresariais, formadores de opinião e formuladores de políticas. Descreve a dinâmica mais importante da revolução tecnológica, destaca participantes importantes, que muitas vezes são ignorados na discussão dos avanços científicos mais recentes e explora 12 áreas tecnológicas fundamentais para o futuro da humanidade. O livro tem coautoria de Nicholas Davis, Diretor de Sociedade e Inovação do Fórum Econômico Mundial, e apresenta um prefácio de Satya Nadella, CEO da Microsoft Corporation.

A preparação deste livro também levou à criação do Centro para a Quarta Revolução Industrial em São Francisco, que será apoiado por uma rede de centros afiliados em todo o mundo, para estabelecer uma plataforma ágil de cooperação governamental para negócios e governo.

Tags, , , , , , , ,