Tag Emerson Granemann

DRONESHOW: veja as novidades da 4ª edição

Segundo a consultoria PwC, o mercado global de drones pode chegar a 127 bilhões de dólares. Para chegar a este valor, a PwC usou como base de cálculo o valor dos serviços demandados pelas empresas e órgãos públicos que poderão ser substituídos, em um futuro muito próximo, pela tecnologia dos drones. Fomentando ainda mais esse mercado no Brasil e apresentando grandes novidades do setor, acontece em São Paulo a quarta edição da DroneShow, de 15 a 17 de maio, no Centro de Convenções Frei Caneca (Rua Frei Caneca, 569 – Consolação). O evento, que contará em sua programação com seminários, cursos teóricos e práticos, painéis, além de exposição de produtos de última geração, já está com inscrições abertas e podem ser feitas no site www.droneshowla.com, pelo e-mail atendimento@mundogeo.com ou pelo WhatsApp (41) 99919-1357.

Os números de drones no Brasil são promissores. De acordo com mapeamento da DroneShow, existem mais de 700 empresas do setor espalhadas por todo o país. A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) já tem registrados, até o início de 2018, mais de 34 mil drones e 1,8 mil empresas. Estimativas é que existam mais de 100 mil drones voando no Brasil, entre usos recreativos e profissionais. Com números tão positivos, a DroneShow, trará grandes novidades e contará com 42 expositores, 70 palestrantes e 30 atividades que devem reunir cerca de 4 mil participantes.

Promovido pela MundoGEO, a DroneShow é um dos maiores eventos de drones do mundo e reúne expositores nacionais e internacionais do segmento, fabricantes, importadores e prestadores de serviço. Em paralelo à feira acontecem cursos, seminários e debates sobre legislação, empreendedorismo, uso de drones na agricultura, inspeção de obras, segurança, filmagens profissionais, topografia e mapeamento. “Os três pilares inseparáveis de conteúdo da DroneShow são qualidade, segurança e rentabilidade. Atendemos no evento toda a cadeia produtiva do setor e os diversos tipos de contratantes de serviços de filmagens, engenharia, meio ambiente, gestão territorial, agronegócios, entre outros. Trata-se de um momento muito rico para o setor”, afirma Emerson Granemann, diretor geral do evento.

Confira alguns destaques da programação deste ano:

– Seminário sobre regulamentação e novos mercados dos drones;

– Curso prático de montagem de drones;

– Curso de agricultura com drones nos níveis básico e avançado;

– Seminário sobre drones para cadastro, mapeamento e topografia;

– Entre muitas outras atividades, como delivery com drones, indústria 4.0, Inteligência Artificial e Smart Cities.

5º Fórum Empresarial de Drones

Em 14 de maio, um dia antes do início da DroneShow, acontece o 5º Fórum Empresarial de Drones. O evento tem por intuito reunir fabricantes, importadores, prestadores de serviços e entidades reguladoras, como a ANAC, DECEA, ANATAL e Ministério da Defesa. Neste ano, o evento girará em torno de discussões sobre formação de pilotos, formulação de preços de serviços e como está o mercado de drones, um ano após a regulamentação no setor.

Alguns temas que serão trabalhados no Fórum:

– Qual é o perfil atualizado da cadeia produtiva do setor de drones no Brasil?

– Avaliação e o que precisa mudar após um ano da regulamentação do setor

– Quais as novidades concretas relacionadas a liberação de missões e do registro de empresas no Ministério da Defesa?

– Validação de dados captados por drones para mapeamento e topografia de precisão

Veja a programação completa da DroneShow em http://www.droneshowla.com/programacao-droneshow-2018/.

Inscrições

As inscrições para o evento já estão abertas. Para participar da DroneShow, basta acessar www.droneshowla.com e escolher os cursos e seminários que deseja. É possível adquirir ingressos somente para os três dias de feira, ou apenas para participação em um seminário, curso ou o 5º Fórum Empresarial de Drones. A compra de qualquer ingresso dá acesso ao espaço da feira.

Mais informações sobre a DroneShow: www.droneshowla.com ou atendimento@mundogeo.com ou (41) 3338-7778

Tags, , , , , , , ,

Campanha Drone Consciente incentiva o voo seguro e seguindo as normas

Mais de 100 mil drones voam no Brasil. Já existem regras claras para uso profissional e recreacional. Entretanto, apenas um quarto destas aeronaves não tripuladas estão registrados na ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil – e um número ainda menor no DECEA – Departamento de Controle do Espaço Aéreo -, que autoriza cada missão.

Além disso já é comum o relato, nas redes sociais, de imagens e filmes produzidos por drones nitidamente fora das regras, colocando em risco o patrimônio e a integridade de pessoas. Culminando, recentemente, com o incidente amplamente divulgado pela grande mídia, de um drone voando na cabeceira da pista do aeroporto de Congonhas, em São Paulo (SP), Fato que gerou um caos no tráfego aéreo por algumas horas.

O grande desafio que se apresenta é popularizar as regras, ainda desconhecidas por toda a sociedade e particularmente por muitos pilotos de drones que chegam ao mercado aos milhares todos os anos. Para atender esta demanda foi criada a “Campanha Drone Consciente”, idealizada inicialmente pelo DECEA e utilizada em eventos promovidos em parceria com a ABM – Associação Brasileira de Multirrotores -, onde pilotos e autoridades se reúnem para difundir as normas em vigor.

Após o incidente de Congonhas, a Campanha está ganhando intensidade e participação, envolvendo Youtubers, blogueiros e formadores de opinião do setor, além de moderadores de grupos no WhatsApp, Facebook e LinkedIn, com objetivo de disseminar, de forma coordenada, conteúdos que divulguem a regulamentação e boas práticas da operação com Drones.

Fazem parte da Campanha os sites Dronegócios e Piloto Policial, além da feira DroneShow. A expectativa é reunir, na campanha, outros canais de conteúdo, associações setoriais, entidades reguladoras e outros eventos afins. Um importante aliado a esta campanha serão os órgãos de segurança, como as Polícias Militares estaduais, que já estão sendo preparadas para atuar primeiramente na orientação aos usuários de drones e depois na fiscalização mais ostensiva nas situações de risco iminente.

Dentre as atividades do grupo, estão reuniões para alinhar a estratégia de comunicação com a sociedade, realização de webinars e lives para divulgar as boas práticas, além da divulgação de conteúdos em forma de artigos, tutoriais e infográficos.

A ideia é que todos que estão ligados ao setor corporativo ou recreacional estejam unidos para ampliar as boas práticas de utilização dos drones no Brasil. Além disso, a própria sociedade, sendo melhor informada, será um grande aliado neste trabalho de fiscalização, podendo denunciar operações fora das normas de segurança.

Os drones estão proporcionando a criação de centenas de empresas e milhares de empregos no Brasil. Suas aplicações geram muitos benefícios no agronegócio, infraestrutura, mapeamento, filmagens profissionais e salvando vidas, além de gerarem imagens belíssimas. Enfim, todos ganham se este setor crescer com o máximo de segurança, gerando qualidade nos serviços prestados ou na pura diversão.

Para participar da Campanha ou obter mais informações, basta entrar em contato com Emerson Granemann, idealizador da feira DroneShow e um dos coordenadores da Campanha Drone Consciente, pelo email emerson@mundogeo.com. Para entrar em contato com a ABM, o email é abmultirrotores@gmail.com. E para tirar dúvidas com o, DECEA, o caminho é utilizar o SAC no www.decea.gov.br/drone.

Tags, , , , , , , , , , , ,

DroneShow apresenta Desafio de Drones com uso de inteligência artificial

A 3ª edição da DroneShow, que acontece de 09 a 11 de maio, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo, traz o “Desafio de Drones”, uma demonstração organizada pela equipe Black Bee que permite, à partir de uma programação, que o drone realize atividades e ações sem interferência do piloto. O desafio é uma prévia do que acontecerá na IMAV (International Micro Air Vehicles) Competion, competição internacional que acontecerá em setembro, na França.

“A proposta do desafio é destacar o desenvolvimento intelectual e tecnológico no segmento de drones que será utilizada no futuro para serviços de delivery. Nas demonstrações os drones decolarão e farão operações a partir de uma programação utilizando inteligência artificial para desviar de obstáculos, transportar cargas, tomar decisões e realizar missões específicas”, ressalta Emerson Granemann, idealizador do evento.

A gaiola de 150m² será palco deste desafio proposto à equipe Black Bee para realizar atividades como: pouso e decolagem de plataforma em movimento, voo com desvio de obstáculos, carregamento de carga por distância determinada e uma exibição de dança sincronizada de drones com pout-pourri musical.

À frente das demonstrações está a equipe Black Bee, da Universidade de Itajubá, que participa pelo terceiro ano consecutivo da IMAV Competition. Em 2015, na primeira participação na competição, a equipe conquistou o 3º lugar. Em 2016, a equipe viajou a Pequim e, este ano, em setembro, embarcam para França. Durante a DroneShow, será apresentada uma prévia do que foi desenvolvido para participar da IMAV este ano.

“Os drones autônomos recebem um computador de bolso, software com inteligência e câmera que auxilia na identificação do cenário ou do obstáculo e permite que a decisão seja tomada para realizar a atividade com segurança. O piloto mantém, por segurança, um controle em mãos para qualquer emergência, mas o desafio consiste em o drone desenvolver todas as atividades propostas demonstrando a habilidade programada e as diversas funções que podem ser realizadas com a inteligência embarcada no equipamento”, explica João Pedro Rufino Alves, capitão da equipe Black Bee.

Muito utilizados em missões militares, os drones hoje assumem papel estratégico para aumentar a produtividade e diminuir custos em diversos segmentos. O agronegócio é um dos setores que mais se beneficia desta tecnologia. Contudo, o segmento de obras e inspeções, segurança privada e telecomunicações vem ano a ano aderindo ao uso do equipamento. “O drone é capaz de se deslocar para lugares de difícil acesso em que o homem não consegue chegar, ou ainda, corre riscos para executar o serviço. Os drones autônomos trazem segurança e confiabilidade para alguns tipos de inspeções e em segurança privada para monitoramento permanente de grandes por exemplo. Vale destacar que as demonstrações a serem realizadas na feira, utilizam o conceito semi-autônomo. O uso de drone 100% autônomo é proibido no Brasil e no mundo,” finaliza Granemann.

Ainda durante a DroneShow, acontecerá um debate com empresários do segmento sobre expectativas futuras com os drones para fins comerciais usando soluções apresentadas por tecnologia autônoma e serviços que podem ser expandidos e explorados a partir desta realidade de inteligência artificial.

DroneShow Latin America

Data: 09 a 11 de maio
Horário: Das 10h às 20h
Local:Centro de Convenções Frei Caneca
Endereço: R. Frei Caneca, 569 – Consolação, São Paulo – SP
Valor: R$ 110*
*Ingresso válido para os três dias de evento
Mais informações: www.droneshowla.com.br

Tags, ,

ANAC regulamenta uso de drones no Brasil – Quanto cresce o mercado?

A ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) aprovou em 02 de maio, o texto que regulamenta a operação de drones para fins comerciais em todo o País. Muito aguardada por todo o mercado, a regulamentação traz normas e procedimentos que garantem segurança jurídica e operacional e terá grande impacto no crescimento sustentável deste jovem e promissor mercado. Com a regulamentação, estima-se que o mercado possa dobrar de tamanho nos próximos três anos e gerar milhares de empregos diretos e indiretos.

O tema inclusive, será destaque no painel de abertura da DroneShow Latin América, principal feira de drones do País, que acontece de 09 a 11 de maio, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. Representantes da ANAC e do DECEA (Departamento de Controle do Espaço Aéreo) estarão à disposição durante os três dias do evento para esclarecer dúvidas e, principalmente, explicar o passo a passo para que toda a cadeia produtiva (fabricantes, prestadores de serviço, pilotos, importadores e outros usuários de drones com fins profissionais) estejam a par dos trâmites necessários para legalizar 100% as operações.

“Hoje temos um divisor de águas no mercado de drones. A falta da regulamentação impedia grandes investimentos e muitos empreendedores ficavam receosos em relação ao futuro do mercado. Embora o DECEA já tivesse um conjunto de normas e procedimentos, a regulamentação da ANAC era necessária para tornar o mercado mais estável para as mais de 700 empresas brasileiras que já atuam no setor”, explica Emerson Granemann, idealizador da DroneShow e coordenador deste mapeamento de empresas inédito feito no Brasil.

“É uma decisão muito importante para o setor. Com a regulamentação será possível que empresas já estabelecidas no mercado agreguem novos serviços e expandam a atuação. Assim como o mercado absorverá novos entrantes. Contudo, como haverá parâmetros para operação acontecerá uma seleção natural de fornecedores priorizando a qualidade dos serviços e confiabilidade das operações”, destaca Luis Guimarães Neto, executivo proprietário da DroneStore.

O recente mapeamento das empresas do setor realizado pela MundoGeo, aponta que destas mais de 700 empresas presentes em todos os estados brasileiros, 60% ficam nas cidades do interior e 40% na capital. 80% delas foram criadas a dois anos e média de crescimento de 30% para 2017.

A feira tem várias atividades que comprovam que o mercado já está ativo mesmo não regulamentado plenamente. Cursos, workshops, debates e seminários mostrando várias soluções apresentadas a partir de informações coletadas por drones com sofisticados sensores e inteligência embarcada nas áreas de inspeção de obras, segurança pública, mapeamento, seguros, agricultura e entretenimento. Atividades paralelas completam a programação com um encontro de startups e investidores e demonstrações em uma imensa gaiola de drones semiautônomos utilizando inteligência artificial que será usada no futuro para entregas de produtos por drones.

DroneShow Latin America

Data: 09 a 11 de maio
Horário: Das 10h às 20h
Local: Centro de Convenções Frei Caneca
Endereço: R. Frei Caneca, 569 – Consolação, São Paulo – SP
Valor: R$ 110*
*Ingresso válido para os três dias de evento

Tags, , , , ,

Quanto perde o mercado de drones com a falta de regulamentação da ANAC?

No último dia 04, empresários do setor de drones acompanharam em tempo real a reunião de diretoria da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) onde um dos temas em pauta era a regulamentação de drones para fins comerciais. Para surpresa do mercado, mais uma vez, a decisão foi postergada. Um dos membros da reunião pediu vistas ao projeto frustrando toda a cadeia produtiva do setor. Diante disso, empresários do segmento estão se articulando via redes sociais a fim de promover ações que sensibilizem a agência. Todos são unânimes em afirmar as vantagens relacionadas aos aspectos econômicos gerados por mais contratos que produzam mais receitas, mas empregos e mais investimentos.

A regulamentação da ANAC para uso de drones com fins comerciais está em andamento desde 2014. Vale destacar o empenho da equipe técnica da ANAC para finalização desta regulamentação. Entretanto, o novo pedido de vista frustou a comunidade de empresários com a decisão da reunião de pedir mais prazo para análise.

De acordo com Emerson Granemann, um dos idealizadores da DroneShow Latin America, principal feira do setor de drones, é importante em curto prazo sensibilizar a ANAC a uma deliberação positiva, tendo em vista o longo período que a regulamentação está em espera na agência. O mercado como um todo só tem a ganhar com essa regulamentação. “A regulamentação da ANAC elevará o setor a um novo patamar, priorizando segurança jurídica e das operações e proporcionando demandas por projetos maiores. O mercado de trabalho é outro positivo, uma vez que a regulamentação permite a abertura de centenas de novas empresas e a geração de milhares de oportunidades de trabalho de alto valor agregado”, afirma o empresário.

A tecnologia embarcada nos drones é disruptiva. Ela permite uma infinidade de aplicações substituindo com vantagem processos existentes e também gerando demandas para atividades novas. Na inspeção de torres e linhas de transmissão, os dados visuais e digitais coletados pelos drones substituem os helicópteros, otimizam e trazem mais segurança as equipes de campo. No resgate de pessoas, os drones permitem uma rápida localização da vítima em terra ou no mar, permitindo que as equipes saibam a localização com mais precisão para o salvamento. Na área de seguros, os drones são usados tanto na vistoria da produção agrícola como na verificação de algum sinistro. Na agricultura, as aplicações são inúmeras desde a identificação digital das cabeças de gados dos grandes rebanhos, passando pela detecção de pragas, pulverização e geração de modelos digitais do terreno para planejamento da colheita e plantio.

“A demora na regulamentação, prejudica também os usuários que buscam mais produtividade, rapidez e segurança em seus projetos. Além disso um setor regulamentado permite valorizar as empresas e profissionais que atuam com seriedade frente iniciativas amadoras que geram produtos de baixa qualidade e que podem gerar riscos sérios de segurança”. É importante destacar que no Brasil a regulamentação do setor aéreo é dividida pela ANAC e pelo DECEA (Departamento de Controle do Espaço Aéreo). Por parte do DECEA, tudo que poderia ser feito dentro de suas atribuições constitucionais foi feito, todos aguardam agora a posição da ANAC”, finaliza Granemann.

Em maio, entre os dias 09 e 11 de maio, a ANAC e o DECEA participam da 3ª edição da DroneShow Latin América, maior feira do setor da América Latina, e o tema deverá será presente nos debates e nas diversas atividades previstas. ANAC e DECEA terão pontos de atendimento para esclarecer dúvidas da comunidade do setor.

Tags, , , , ,