Tag diabetes

Brasil é o segundo país a comercializar a insulina inalável para o tratamento de diabetes

Pacientes que convivem com o diabetes passam a contar com uma opção inovadora e segura para melhorar o controle glicêmico, já disponível no Brasil, que oferece menor risco de hipoglicemias aos usuários. A insulina inalável Afrezza® chega ao mercado pela Biomm, empresa brasileira de biotecnologia, em uma parceria com a MannKind Corporation, biofarmacêutica norte-americana.

O Brasil é o segundo país a disponibilizar a medicação, depois dos Estados Unidos. Aprovado pela Anvisa em 2019, o medicamento será comercializado em três dosagens (4, 8 e 12 unidades internacionais de insulina), em embalagens com 90 e 180 refis, e dois inaladores por caixa. A dosagem recomendada deve ser indicada pelo médico.

A insulina inalável tem ação ultrarrápida e é mais parecida com o hormônio produzido naturalmente pelo organismo em indivíduos saudáveis³. Afrezza® se dissolve pelo pulmão após a inalação e atinge imediatamente a corrente sanguínea ⁴, por isso os níveis máximos da medicação são alcançados entre 12 a 15 minutos após a administração, que deve ser realizada antes das refeições. A terapia é indicada para pacientes adultos.

O diabetes mellitus é caracterizado pela incapacidade do organismo de controlar adequadamente os níveis de glicose no sangue. A insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas, normalmente regula os níveis de glicose do corpo, mas em pessoas com a doença são produzidos níveis insuficientes de insulina. O organismo também não responde adequadamente à pouca insulina que produz.

Atualmente, a doença atinge 425 milhões de pessoas no mundo, segundo a Federação Internacional de Diabetes (2017), sendo o Brasil a quarta maior população afetada. São 16,8 milhões convivendo com o diabetes e cerca de 500 novos casos diagnosticados por dia.

Os números preocupam, uma vez que 40 milhões de brasileiros estão pré-diabéticos e 25% devem desenvolvê-lo, nos próximos cinco anos, como aponta a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). “Com Afrezza, buscamos trazer maior conveniência e qualidade de vida aos pacientes, por meio de um medicamento comprovadamente seguro e eficaz”, afirma Heraldo Marchezini, CEO da Biomm.

Para facilitar o início de tratamento e aumentar à adesão dos pacientes, a Biomm oferece o programa Mais Saúde BIOMM. Após se cadastrar (pelo site http://www.maissaudebiomm.com ou telefone 0800-057-2467), o paciente poderá adquirir o medicamento em redes de farmácia associadas com desconto de 20% a 35% (de acordo com a apresentação), além de contar com informações educacionais e orientações de uma equipe qualificada.

Por meio deste programa, a insulina inalável custará a partir de R﹩ 1.900,00 (caixa com 90 refis de 8 UI cada). O valor comercial de Afrezza® foi definido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), liberando-o para comercialização.

A aderência ao tratamento costuma ser uma barreira apontada pelos especialistas, uma vez que o portador de diabetes precisa controlar a glicemia com periodicidade e ter disciplina para melhorar o estilo de vida.

De acordo com o Dr. Márcio Krakauer, endocrinologista do núcleo de tecnologia da Sociedade Brasileira de Diabetes, existem hábitos e facilidades que podem ajudar no tratamento. “O monitoramento frequente da glicemia pode facilitar no controle do diabetes, assim como medicamentos cada vez mais adequados para atender as necessidades dos pacientes. Outras facilidades que ajudam na rotina dos portadores da doença são insulinas com menor risco de hipoglicemias e mais fáceis de administrar”, explica o médico.
Referências bibliográficas:

1- Bode BW et al. Diabetes Care. 2015;38;2274-2281 e Blonde L et al. Total and Severe Hyppoglycemia is Reduced Wityh Use of Inhaled Technosphere Insuin (TI, Afrezza)

2- Federação Internacional de Diabetes (2017)

3- Bula do produto

4- Heinemann L et al. J Diabetes Sci Technol 2017; 11:148-156

Tags, , , ,

Desafio busca startups com soluções para pacientes com diabetes; prêmios totalizam mais de R$ 2 mi

A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), em parceria com o Design Thinking Lab (DTlab) apresenta o Diabetes Innovation Challenge, programa que busca fomentar a inovação, o talento, a criatividade e o senso empreendedor no desenvolvimento de startups que tenham propostas para melhorar a qualidade de vida e gerar experiências memoráveis às pessoas com diabetes.

O desafio procura startups cuja solução, ou parte da solução esteja orientada para o diabetes. Poderão participar startups nacionais e internacionais, em qualquer estágio de desenvolvimento (validação, negócio ou escala) ou de modelo negócio. Serão selecionados cinco finalistas para apresentarem suas iniciativas durante o 3º Simpósio Internacional de Tecnologias em Diabetes (SITEC), que será realizado entre os dias 25 e 27 de abril, no Hotel Pullman Vila Olímpia, em São Paulo.

De acordo com Paulo Bettio, fundador do Design Thinking Lab, empresa idealizadora e promotora do Diabetes Innovation Challenge, startups nacionais e estrangeiras podem participar. Os finalistas e vencedores serão premiados com benefícios que totalizam aproximadamente R$ 2,5 milhões. “A comissão julgadorá contará com a participação de membros do DTLab, da SBD, de profissionais especialistas em diabetes e negócios e das empresas patrocinadoras do Desafio. Serão selecionadas cinco startups para a fase final”, afirma.

Os prêmios englobam acesso completo aos serviços e infraestrutura do IBM Cloud (como Analytics, IoT e Inteligência Artificial) por um ano, bolsas para investir nas soluções propostas, mentoria e consultoria de especialistas em diabetes e inovação, além de uma viagem ao Vale do Silício, com inscrição no programa Silicon Valley Learning Experience. “As startups também terão um estande exclusivo no SITEC, onde poderão apresentar suas propostas diretamente ao público mais interessado nelas: os médicos”, comenta Bettio.

Para participar, os interessados devem se inscrever pelo site até o dia 12 de abril. A startup deve criar um perfil, que resuma os aspectos gerais da empresa, e enviar um vídeo de até 10 minutos apresentando a solução. Os selecionados serão revelados no dia 15 de abril e participarão da final durante o 3º SITEC.

Para mais informações, acesse: https://sitec.med.br/challenge

DIABETES INNOVATION CHALLENGE

Inscrições até 12 de abril: https://sitec.med.br/challenge
Publicação dos cinco finalistas: 15 de abril de 2019
Exposição SITEC: 25 a 27 de abril de 2019
Demo Day SITEC: 26 de abril de 2019
Demo da startup vencedora: 27 de abril de 2019

3º Simpósio Internacional de Tecnologia em Diabetes

Data: 25 a 27 de abril de 2019
Local: Hotel Pullman São Paulo – Vila Olímpia
Endereço: R. Olimpíadas, 205 – Vila Olimpia, São Paulo – SP
http://stiec.med.br/

Tags, , , ,

Tecnologia possibilita diagnosticar e monitorar o diabetes no momento da consulta

A doença atinge atualmente mais de 16 milhões de brasileiros, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS)¹. O distúrbio, causado pelo mau funcionamento do pâncreas que não produz a insulina, hormônio que controla a glicose no sangue, mata cerca de 72 mil pessoas por ano no País. “O diabetes é uma doença de início e desenvolvimento silencioso, por isso cerca de 40% a 50% dos pacientes ignoram sua condição. Como consequência da falta de tratamento e monitoramento, a doença pode evoluir e causar complicações, como perda de visão, insuficiência renal, infarto do miocárdio e AVC”, lembra Dr. Fadlo Fraige Filho, médico endocrinologista e presidente da Associação Nacional de Atenção ao Diabetes (ANAD).

O especialista, que também é professor titular da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), ressalta que o diagnóstico precisa ser feito o mais breve possível. “Os testes de point of care utilizam tecnologias que fornecem resultados rápidos e precisos como, por exemplo, a glicemia capilar e a hemoglobina glicada a1 c, que determina a média das glicemias dos últimos 90 dias, recursos importantes inclusive para pacientes de risco para a doença. Além disso, é essencial que se realize o diagnóstico das complicações para o diabetes, como o teste de proteinúria relação albumina /creatinina – que mede se a urina tem quantidades elevadas de proteína – auxiliando no diagnóstico de hipertensão e doença renal”, afirma o Dr. Fraige Filho, que lembra que os testes rápidos são importantes principalmente em clínicas e ambulatórios da rede pública, onde o prazo para a realização de um exame, interpretação e prescrição médica pode levar até seis meses.

Para atender a esta demanda, a Siemens Healthineers possui em seu portfólio o analisador DCA Vantage, uma solução inovadora de Point of Care que realiza testes de hemoglobina glicada, fundamentais para o diagnóstico e acompanhamento do paciente diabético, proporcionando visão ampla da concentração de glicose no sangue, com rapidez e máxima exatidão. “O resultado do teste de hemoglobina glicada é realizado em amostra capilar e fica pronto em 7 minutos, podendo ser realizado no momento da consulta. Desta forma, o profissional de saúde poderá adequar a prescrição de medicamentos e orientações ao paciente imediatamente”, explica Débora Cabrini, Head de Point of Care da Siemens Healthineers no Brasil.

Outra preocupação dos profissionais de saúde é detectar doenças associadas ao diabetes. Entre elas, uma das mais alarmantes é a doença renal crônica. A chance de um portador de diabetes desenvolver a doença renal é de cerca de 30%, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes4. O teste da relação albumina/creatina (ACR) é indispensável para a determinação de doenças renais em pacientes de alto risco e também pode ser realizado no DCA Vantage, ajudando os médicos no diagnóstico precoce e na escolha pela terapia mais adequada. “O teste para ACR poupa o paciente de realizar o exame de coleta de diversas amostras de urina durante 24 horas, procedimento ainda adotado por muitos centros de saúde para verificar a função dos rins. Com uma única amostra, o resultado do teste de ACR é liberado quase instantaneamente”, comenta Debora.

Tags, , , , , ,

BD lança e-commerce de produtos para diabetes no Brasil

A empresa de tecnologia médica BD anuncia nesta segunda-feira (8) o lançamento de uma plataforma de e-commerce para venda online de agulhas e seringas para tratamento com insulina. Líder de mercado no segmento, a companhia inova ao oferecer a pacientes de todo o território brasileiro a conveniência da compra pela internet, trazendo mais comodidade e facilitando o acesso aos produtos, que são uma necessidade diária de quem convive com a doença.

A BD vem ampliando a sua presença digital desde o ano passado, quando inaugurou a página no Facebook Vivendo Bem com Diabetes, com o objetivo de trazer informações úteis sobre doença e abrir o diálogo para a troca de experiências entre pacientes, familiares e amigos. Com o e-commerce, a companhia soma mais um canal de comunicação direta com consumidores e sociedade para entender melhor a realidade do diabetes, um problema de saúde que afeta milhões de brasileiros.

“Ao disponibilizar de maneira mais fácil o material necessário para o tratamento correto, via internet e com entrega a domicílio, a BD ajuda o paciente a se preocupar menos com a rotina do diabetes, e contribui, no fim, para que as pessoas tenham vidas mais saudáveis”, disse Wellington Nazareth, Gerente de Produto de Diabetes Care na BD Brasil. “Também, ter um canal próprio de vendas permite intensificar o relacionamento da BD com os consumidores. Assim, podemos estar ainda mais próximos do dia a dia dos pacientes e conhecer suas necessidades mais a fundo, para atendê-los cada vez melhor”.

O serviço de e-commerce é resultado de um investimento realizado pela BD, que firmou parceria inédita com a Drogaria Nova Esperança para hospedar o portal e coordenar a parte logística da distribuição. Com oito anos de experiência em vendas online, a rede de farmácias conta com excelente reputação, em linha com a qualidade superior e confiabilidade características dos produtos da BD. A Drogaria Nova Esperança tem avaliação positiva dos consumidores no Reclame Aqui e é reconhecida com o selo Diamante da consultoria especializada e-bit, o maior nível de excelência em venda online, cedido para lojas com entregas dentro do prazo, alto índice de resolução de problemas, facilidade de comprar, entre outros requisitos de qualidade.

Segundo a e-bit, o setor de cosméticos e perfumaria, cuidados pessoais e saúde é o quarto maior em volume de pedidos no comércio eletrônico brasileiro, e o sétimo em volume financeiro. Em 2017, de acordo com a consultoria, o e-commerce deve crescer 12% no país.

Importância para a saúde do paciente

Além de conveniência e praticidade, o acesso fácil e rápido aos produtos da BD a um clique permite que o paciente com diabetes tenha disponíveis suprimentos suficientes para o tratamento insulínico, que consiste em uma rotina diária e regrada de injeções para manter o controle da glicemia, evitando complicações. Ter material suficiente à disposição para o tratamento também elimina um dos motivos para a reutilização da agulha e da seringa, um hábito comum, mas que traz riscos à saúde.

Embora a recomendação da Anvisa e dos fabricantes seja o uso único, o mesmo insumo chega a ser usado pelos pacientes em três a cinco aplicações, por conveniência, economia, falta de outra seringa ou agulha e falta de orientação apropriada por parte dos profissionais de saúde. A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) concluiu recentemente, após estudo, em posicionamento oficial inédito, que a reutilização de agulhas e seringas para insulina é prejudicial ao paciente e não é uma prática recomendada.

Tags, , ,

Projeto brasileiro de pulseira para detectar hipoglicemia pode chegar ao mercado por meio do financiamento coletivo

Uma pulseira capaz de detectar o estado hipoglicêmico de um paciente pode chegar no mercado brasileiro em breve. É a tecnologia que a EasyGlic, desenvolvida pela EasyMedical, pretende disponibilizar para toda a população. O produto, que já passou pelas fases de estudo, desenvolvimento, criação da tecnologia, app e protótipo, agora está com sua campanha de financiamento coletivo pela Kickante e pretende arrecadar a quantia necessária para iniciar a produção em massa.

O bracelete, hipoalérgico com bateria de alta duração, é indicado para pessoas com histórico de hipoglicemia como diabéticos e atletas. De fácil utilização, o dispositivo é capaz de detectar quando o estado hipoglicêmico está se aproximando e emite um alerta ao usuário que pode adotar atitudes de prevenção. Além da pulseira, a EasyMedical também desenvolveu um app para smartphone, disponível pra iOS e Android, onde o usuário pode armazenar todas as informações coletadas, além de emitir um aviso a todos números previamente cadastrados no aplicativo.

“Crianças e idosos, por exemplo, que têm um pouco mais de dificuldade ao detectar os sintomas da hipoglicemia, podem usar o bracelete como segurança, e caso aconteça alguma ocorrência, o aplicativo irá notificar os números dos responsáveis que poderão ajudar o usuário”, explica Egmar Rocha, da EasyMedical. A hipoglicemia é o estado onde há diminuição da quantidade normal de glicose no sangue, e pode atingir pessoas com diabetes e atletas, por exemplo. O baixo nível de glicose no sangue pode causar uma série de sintomas desagradáveis e, no caso de hipoglicemia, pode levar à inconsciência, coma ou até à morte.

A campanha, no ar pela Kickante, pretende arrecadar R$500 mil, e receberá contribuições até o dia 29 de agosto. Para estimular as colaborações, os criadores oferecem recompensas como calendário para controle da glicemia (R$ 25), caneca personalizada (R$ 50) e o próprio bracelete (R$ 500).

Para kickar, acesse: http://www.kickante.com.br/campanhas/easyglic-pulseira-de-estados-hipoglicemicos

Tags, , , , , , , , , ,

Diabetes: CNOGA recebe aprovação da ANVISA para comercializar no Brasil glucômetro não invasivo

CNOGA TensorTip

A CNOGA Medical Ltd. anunciou hoje que recebeu a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para venda no Brasil de seus dispositivos não invasivos CNOGA Tensortip™ Combo de Glicômetro (CoG). Este é o primeiro Glucômetro não-invasivo aprovado pela ANVISA. O dispositivo CoG usa um sensor de imagem de cor em tempo real e algoritmos únicos para medir com precisão os níveis de glicose a partir de capilares sanguíneos na ponta dos dedos dos pacientes sem picada da lanceta, retirada de sangue ou dor. A medição pode ser feita quantas vezes for necessário sem acréscimo de custo.

A CNOGA Medical Ltd. espera lançar os dispositivos TensorTip™ durante a exposição Hospitalar, em São Paulo, em maio de 2016.

Dr. Yosef Segman, fundador e CEO da CNOGA, afirma: “a aprovação pela ANVISA no Brasil é um marco significativo no sentido de atingir os nossos objetivos de expansão global a longo prazo.”

Dr. Segman acrescentou: “O Brasil é um mercado dinâmico, de rápido crescimento para dispositivos médicos não-invasivos inovadores na monitorização de saúde online. Este importante marco representa uma oportunidade de crescimento substancial para CNOGA e espera-se acordos comerciais de dezenas de milhões de dólares nos próximos anos no Brasil. Recentemente, a CNOGA estabeleceu uma presença física no Brasil com uma escritório da empresa em São Paulo,” concluiu o Dr. Segman.

O CoG é a mais recente adição ao portfólio de produtos CNOGA aprovads pela ANVISA, criando, assim, a linha de produtos mais abrangente disponível hoje no Brasil, permitindo o oferecimento ao público de serviços de saúde estado-da-arte e significativamente mudando a vida dos diabéticos, bem como de outros pacientes crônicos.

Produtos CNOGA

CNOGA Tensortip™ Combo de Glicômetro (CoG): proporciona uma abordagem revolucionária, indolor e não invasiva para a medição da glicose, permitindo que diabéticos monitorem os níveis de glicose em qualquer lugar, sem furos e sem sangue. Este dispositivo é calibrado individualmente para cada paciente e é concebido para uso diário.

Tags, , , , ,