Tag Deborah Vieitas

Presidente Michel Temer apresentará em NY programa de concessões para investidores

Para 64% dos empresários brasileiros, adesão dependerá da recuperação da credibilidade do País, aponta pesquisa Amcham

A Amcham Brasil, em colaboração com a Council of the Americas (COA), promove na próxima quarta-feira (21/9), em Nova York, almoço empresarial com o presidente do Brasil, Michel Temer.

O evento, fechado e voltado para empresários, investidores e executivos, discutirá a agenda de atração de investimentos do governo brasileiro, o novo programa de concessões de obras de infraestrutura e a agenda bilateral comercial Brasil-Estados Unidos.

A CEO da Amcham Brasil, Deborah Vieitas, e o presidente do Conselho de Administração da entidade, Hélio Magalhães, também CEO do Citi Brasil, acompanham a agenda nos Estados Unidos. O Almoço da Amcham & COA acontece das 11h45 às 14h15 , no Hotel St. Regis. O pronunciamento será transmitido ao vivo no amcham.com.br, a partir das 10h45 no horário de Brasília.

Atratividade exige credibilidade, segundo empresários

Na visão dos empresários brasileiros, o sucesso do Programa de Concessões do Governo Temer dependerá da velocidade na recuperação da imagem e credibilidade do País no cenário interno e externo.

A Amcham entrevistou 160 presidentes e diretores de empresas na última sexta-feira (16/9), em São Paulo, durante edição do Seminário Produtividade Brasileira. Para 64% deles, a boa aceitação do plano e dos 25 projetos está atrelada a agilidade do governo no restabelecimento da confiança dos investidores, inclusive no cenário externo.

O ritmo da aprovação de financiamento (13%), licenciamento ambiental (13%) e realização de ‘road show’ com investidores (9%) também são pontos cruciais da boa aceitação no mercado do principal programa do Governo Temer.

Para a realização de ‘road show’ com bancos, investidores e construtoras, os empresários apontaram prioridades da agenda internacional. Os mercados alvos devem ser: Estados Unidos (47%), China (28%), outros países asiáticos (12%), América Latina (7%), União Europeia (4%) e África (2%).

Sobre a agenda do programa de concessões, os executivos brasileiros enxergam quase todas obras de infraestrutura como prioritárias. Quando questionados sobre “qual deve a prioridade levando em conta o maior impacto na retomada na economia?”, os executivos listaram nesta ordem: Portos (27%), Ferrovias (24%), geração e transmissão de energia (24%), estradas (19%) e aeroportos (5%).

Tags, , , , , ,

Amcham: Empresariado ainda vê gargalos no registro de patentes no INPI

O Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) tornou os sistemas de registros e ferramentas de pesquisa online mais ágeis para consulta, mas o órgão precisa dar agilidade ao andamento dos processos de registro de propriedade intelectual (PI) e reforçar o seu corpo técnico. A conclusão é do relatório realizado pela Amcham e divulgado nesta terça-feira (31/5), em São Paulo. A entidade ouviu mais de 150 executivos e diretores de inovação e pesquisa em todo o País.

Os aspectos que o INPI ainda precisa melhorar são a agilidade no andamento dos processos de registro de propriedade intelectual (39%) e qualificação e expansão do corpo técnico (20%). De acordo com a pesquisa, a maioria afirma que o tempo médio para registro de uma concessão de patentes leva de 7 a 10 anos (63%). Outros 30% afirmam que o prazo é superior a 10 anos, e apenas 6% consideram que o prazo vai até 6 anos. Quando se trata de marcas, o tempo varia de 2 a 6 anos, na opinião de 90% dos entrevistados. Somente 4% afirmam que o prazo é superior a 7 anos, e 2% consideraram um tempo inferior a 2 anos.

Para a maioria das empresas, nenhuma das cinco diretorias do INPI – Marcas, Patentes, Contratos, Desenho Industrial e Software – consegue oferecer uma estimativa razoável sobre o prazo de finalização de análises de registro de PI. O pessimismo é maior na Diretoria de Patentes, com mais de dois terços de respondentes afirmando que ‘nunca’ (55%) ou ‘raramente’ (23%) há estimativa de prazos. Apenas 17% consideram que as estimativas são ‘sempre’ (3%) ou ‘frequentemente’ (14%) informadas, e 3% não responderam.

Questionados sobre quais as prioridades que o INPI deveria seguir para evolução tecnológica, 40% acham que seria a atualização constante do banco de dados e informações disponíveis online. O investimento em melhorias do sistema (estabilidade, layout e ferramentas de busca) foi citado por outros 14%, enquanto que 11% mencionam a disponibilização online de todo o andamento dos processos e serviços. A qualificação e expansão do corpo técnico também é uma das ações indicadas por 11% dos respondentes.

O relatório, segundo o presidente do INPI

O relatório Amcham de avaliação empresarial do INPI foi apresentado na manhã de hoje (31/5), em São Paulo, pela CEO da entidade, Deborah Vieitas, na presença de Luiz Otávio Pimentel, presidente do INPI. “O relatório Amcham aponta o problema que a demora nos exames de propriedade industrial representa a maior barreira pra inovação e empreendedorismo para o Brasil quando pensamos em cadeia de valor”, comentou Pimentel.

De acordo com estimativas do INPI, caso seja mantido o atual quadro de 263 examinadores, o tempo de espera deve subir para 19,2 anos. “Precisaríamos de um total 5.050 examinadoras para sanar o blacklog (estoque de marcas e patentes não analisados) em um ano”. Nos Estados Unidos, por exemplo, existem 60 registros de patentes por examinador, enquanto o número é de 1.096 pedidos para cada especialista do INPI.

Segundo o presidente do órgão, a demora em proteger os diretos de propriedade intelectual traz prejuízos para a competitividade e diminui o poder de defesa contra a pirataria. “O empresariado brasileiro, cada vez mais, tem entendido a propriedade intelectual como ferramenta pra sustentar a inovação. Há também o entendimento do governo brasileiro de que o custo da solução é o investimento público”.

Tags, , , , , , , ,

Amcham lança programa +Competitividade Brasil, focado na maior produtividade e inserção global

view.aspx

Como o setor privado pode contribuir e construir soluções para o aumento da competitividade brasileira? A Amcham lançou no último dia 15/4, em São Paulo, o programa + Competitividade Brasil, focado em capacitações, forças-tarefa e estudos técnicos visando estimular ganhos de produtividade e a maior inserção das empresas brasileiras na economia global. Mais de 51 eventos já estão previstas em 14 cidades brasileiras já neste ano. Calendário completo no www.amcham.com.br/acontece.

“Toda a atividade da Amcham este ano e no próximo terá o programa Mais Competitividade como guia e objetivo para, ao fim do trabalho, chegarmos a um conjunto de propostas e projetos”, detalhou Hélio Magalhães, CEO do Citi Brasil e presidente do Conselho da Amcham. Em 2015, a Amcham promoveu 2000 mil atividades envolvendo mais de 90 mil executivos.

O programa da Amcham é aberto a participação das cinco mil empresas associadas, sendo 85% delas brasileiras. Segundo Hélio Magalhães, o aumento da competitividade global é uma das questões cruciais que o Brasil não pode deixar de enfrentar. “Para alcançar sucesso no mundo cada vez mais globalizado, o Brasil ainda precisa aprender uma lição importante. Representamos 3% do PIB global, mas só 1,2% do comércio entre as nações. Ou seja, alguém está vendendo no nosso lugar. Hoje, 65% dos negócios globais são feitos sob acordos internacionais”, comentou Magalhães.

Dentro da iniciativa, grupos de trabalho vão elaborar propostas práticas empresariais. “Vamos atuar através de três grupos de trabalho: eficiência tributária, inserção do Brasil na cadeia global e modernização da legislação trabalhista”, detalhou Deborah Vieitas, CEO da AMCHAM BRASIL, no lançamento do encontro.

O lançamento contou com apresentações de time de palestrantes e autoridades no tema competitividade: o ex-ministro Pedro Parente, o sócio da AT&Kearney, Mark Essle, os presidentes do Citi Brasil, Hélio Magalhães, Stefanini IT Solutions, Marco Stefanini e da Cummins, Luis Pasquotto, o CEO da JSL, Fernando Simões, e o co-diretor do BRICLab da Columbia University, Marcos Troyjo.

Dentro do programa Mais Competitividade Brasil, a Amcham promove no próximo dia 9/5, em São Paulo, lançamento de estudo inédito “Impactos para o Brasil de acordos de livre comércio com EUA e União Europeia”, uma parceria Amcham-FGV.

O Lançamento

O presidente do Citi Brasil e do Conselho da Amcham, Hélio Magalhães, faz abertura do encontro apresentado o programa. A agenda do +Competitividade Brasil prevê um conjunto de ações visando à modernização da legislação trabalhista, simplificação tributária e processos de comércio exterior, acordos comerciais estratégicos, além de promoções da marca Brasil e cooperação.
Em seguida, o ex-ministro Pedro Parente abriu o painel de discussões com “Ações de Competitividade do Setor privado sem a dependência governamental”. Mark Essle, sócio da AT&Kearney, fala ainda sobre o cenário de competividade neste bloco do encontro. Já Fernanda De Negri, diretora de Políticas de Inovação, Regulação e Infra do IPEA, expõe sobre determinantes para a produtividade do país.

No painel empresarial, foi analisada “As Alavancas para a Produtividade na Crise”, com Fernando Simões, CEO da JSL, e os presidentes da Stefanini IT Solutions, Marco Stefanini, e da Cummins do Brasil, Luis Pasquotto. Ainda no encontro, pesquisa em tempo real sobre a agenda de competitividade ideal na visão dos cerca de 100 empresários presentes. O painel foi mediado por Deborah Vieitas, CEO da Amcham Brasil.

O encerramento do lançamento do +Competitividade Brasil trouxe uma visão sobre “Reindustrialização do Brasil”, com Marcos Troyjo, co-diretor do BRICLAB do Columbia University.

Tags, , , , , , , , , , , , , ,