Tag conversão de site

Startup lança ferramenta para aumentar conversão em sites

54ec7cd4-89c5-4ba5-ab9c-8594d9f1aeab

Quem nunca desistiu de uma compra online porque o site era difícil de usar? Nos meios digitais é muito fácil mudar de site ou desinstalar um aplicativo ao esbarrar em dificuldades. Mas porque as pessoas abandonam o fluxo de compra? O que acontece e como resolver? São essas questões que o TESTR – uma ferramenta de teste de usabilidade online – se propõe a responder.

Quem cuida de produtos digitais (sites, lojas virtuais, apps etc.) sabe que aumentar a conversão é essencial para obter bons resultados. As principais ferramentas disponíveis para isso são análise de métricas e testes A/B, mas elas só apontam onde estão os problemas e onde as pessoas abandonam a compra – não explicam o porquê.

Teste de usabilidade é uma técnica de pesquisa que mostra o que está por trás do problema e o que pode ser feito para resolvê-lo. Com ele é possível ver as pessoas usando um site ou aplicativo, realizando tarefas e comentando sobre a experiência – o que costuma revelar ótimos insights.

Segundo Elisa Volpato, especialista em pesquisa que trabalha há 11 anos com experiência do usuário (UX) e cofundadora do TESTR, é importante fazer testes de usabilidade porque “em geral a equipe que cria um produto digital não é a audiência desse produto, e isso faz uma grande diferença. O repertório de internet de um designer é diferente do repertório da Dona Maria, que vai interagir com o produto de outra forma. Testar com o público correto é essencial para obter bons resultados”.

O problema é que testes de usabilidade dependem de uma logística de organização, recrutamento e equipamentos, que deixam os projetos caros e demorados. É aí que entra o TESTR. A grande diferença é que agora é possível usar a tecnologia como aliada para eliminar a parte trabalhosa do processo, deixando o teste muito mais rápido e mais barato.

“Um teste de usabilidade convencional com 10 participantes custa a partir de R$ 25.000. Utilizando o TESTR, custa 14 vezes menos. Isso permite que empresas que não faziam testes antes passem a se beneficiar dos seus resultados, e empresas que já faziam aumentem a frequência”, explica Elisa.

Outra grande vantagem é a abrangência nacional. Testes de usabilidade normalmente são feitos em salas próprias para pesquisa e o time acaba conversando apenas com pessoas de uma só cidade. Com o TESTR é possível ter uma amostra muito mais diversa, com pessoas em várias cidades do país. E como os participantes fazem os testes em seu contexto natural de uso, elas ficam muito mais à vontade e os resultados são mais próximos de uma situação real.

COMO FUNCIONA

O TESTR é uma ferramenta self-service. No sistema, o cliente cria o roteiro de tarefas e perguntas e define o perfil dos participantes que devem ser chamados. O sistema encontra as pessoas ideais e envia um convite. Enquanto o participante faz as tarefas pedidas (como encontrar um produto ou simular uma compra), o TESTR grava a navegação na tela, a webcam e o áudio. O cliente recebe o vídeo e as respostas do participante por escrito, organizadas em gráficos e tabelas para facilitar a análise.

A ferramenta funciona na nuvem e não requer instalação nem compra de software. “A contratação é feita de forma avulsa por participante, sem necessidade de mensalidade. É possível também adquirir créditos de forma antecipada para ir utilizando conforme a necessidade”, explica Anderson Sales, cofundador da startup.

“Um dos nossos maiores desafios foi criar uma solução leve e fácil de utilizar para os participantes”, comenta Fabio Trentini, sócio responsável pela tecnologia.

INOVATIVA BRASIL E LANÇAMENTO

Foram 1.148 startups inscritas, 300 selecionas e 125 classificadas para a fase final do Inovativa Brasil, o maior e melhor programa de aceleração do Brasil. Após meses de aceleração, o TESTR participou do Demoday Inovativa e foi eleito entre as 12 melhores startups de todo o programa.

A plataforma será lançada para o mercado na versão desktop em 09 de janeiro de 2017, e os fundadores preveem uma versão para testes em celulares no primeiro trimestre de 2017.

Tags, , , , ,

O que mudar em seu planejamento de marketing em 2017 – Por Rafael Damasceno

Em 2016, passamos por um momento de extrema instabilidade política, que resultou em um impeachment presidencial, além de outros fatores que atingiram diretamente os rumos da economia brasileira. Investimentos em queda e incertezas no futuro, fizeram com que o PIB (Produto Interno Bruto) recuasse mais de 4% nos primeiros três trimestres desse ano, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no final de novembro. São sete trimestres seguidos de recuo!

Apesar dos economistas não estarem tão animados com a ano que chega, meu otimismo me faz considerar a velha lógica de “quanto pior a crise, melhores os anos seguintes”, 2017 poderá nos brindar com uma retomada no crescimento econômico, abrindo assim, novas oportunidades para voltar a investir. Esse cenário nos leva a uma simples pergunta – sua empresa e os projetos dos quais você faz parte estão preparados para explorar essa oportunidade? Creio que esse seja um momento para ajustar seus esforços de Marketing Digital e aproveitar ao máximo a evolução que está por vir.

Primeiramente, é preciso analisar o quanto você investe de seus recursos para levar visitantes para seu site. Certamente deve ser um número muito superior ao que é investido no que acontece após a chegada deles ao seu site. Lembre-se que é isso que transformará essas visitas em clientes ou leads e esse desequilíbrio provavelmente está impedindo seus projetos de crescerem em seu máximo potencial. O direcionamento de tráfego para uma página que não está otimizada para converter esses visitantes traz baixíssimo retorno.

Ao planejar as ações de marketing digital da sua empresa em 2017, busque um equilíbrio entre os investimentos em geração de tráfego e otimização de conversão (CRO). A principal vantagem disso é um exponencial aumento de faturamento, já que o aumento das suas conversões, sejam elas vendas diretas ou leads qualificados, naturalmente aumentará os seus recebimentos. Isso faz com que sua margem de lucro também suba. Temos exemplos de empresas que obtiveram 10% de aumento em seu faturamento, após investimentos na conversão de visitantes, e que tiveram 50% de aumento nos lucros, pois eles elevaram seus ganhos sem adicionar novos custos ao seu negócio.

Outro fator bastante relevante é o aumento do ROI (retorno sobre o investimento) em todas as fontes de tráfego de seu site, que otimizado traz mais eficiência na conversão. Com um retorno favorável, é possível investir de forma mais agressiva em mídia do que seus concorrentes, o que lhe dá uma vantagem competitiva gigantesca.

Após passarmos por um período tenebroso, acredito que 2017 será de fato um ano de novas oportunidades e precisamos aproveitá-las ao máximo de forma eficiente. Pense muito e reveja suas perspectivas para explorar os próximos 12 meses para que seu negócio cresça na velocidade mais alta possível, assim você colherá os frutos desse esforço por um bom tempo!

Rafael Damasceno, CEO da Supersonic, primeira empresa brasileira empresa 100% focada no aumento das taxas de conversões de sites

Tags, , , ,

Cinco erros mais comuns na hora de reformular um site

Por Rafael Damasceno

A decisão de uma empresa em reformular o seu site, seja ele um e-commerce, um guia de notícias ou apenas um portal para apresentar uma prestação de serviços, deve partir de um objetivo principal que é o de gerar vendas e contratações. Objetivo esse que muitas vezes se perde no caminho, seja por falta de atenção ao que realmente importa, por focar os esforços de equipe e verba em alterações que pouco afetarão a decisão de compra do cliente ou até mesmo de não testar as alterações que podem dar muito errado.

Diante disso, listei os cinco erros mais comuns que encontro na hora de reformular um site:

1 – Otimizar visando o aumento de tráfego e se esquecer da conversão: visita é custo. E um dos erros mais comuns são de empresas que utilizam todo o seu esforço, tanto de colaboradores, quanto de verba, apenas para conseguir mais tráfego. É preciso pensar no que vem depois que o cliente é atraído, pois se o possível cliente não tiver uma boa experiência, não há marketing que faça ele voltar. Neste caso, é essencial pensar e planejar todo o site e o caminho em que ele irá percorrer. Não caia na vaidade de focar apenas nas métricas de engajamento, nem sempre ter mais visitantes resulta em um maior faturamento;

2 – Publicar alterações sem testes: imagine uma empresa que anuncia a reestruturação do seu site e após alguns dias, descobre que o antigo gerava melhores taxas de conversão. Enquanto assiste as vendas caírem, essa empresa percebe que o novo site, mais bonito, não é funcional. Sim, isso existe e é muito comum. É importante fazer e rodar todos os testes possíveis. Testes A/B, em que o modelo atual e o alterado do site são exibidos cada um para uma parcela de quem o acessa, podem dar uma visão inteligente de todas as correções que devem ser feitas antes do lançamento;

3 – Copiar o concorrente sem saber se ele entende o que está fazendo: olhar e monitorar seus concorrentes pode te dar sinais de caminhos e movimentos de mercado. Porém, na hora de cuidar do seu site, saiba que cada um deles possui sua personalidade e, principalmente, seu contexto próprio. Evite copiar seus concorrentes, é como colar em uma prova sem saber se o seu colega estudou;

4 – Cuidado com o efeito do hall de cinema: pesquisadores descobriram que, independente das ações promocionais que os donos de cinema implementavam em seus halls para influenciar as pessoas a assistirem um determinado filme, nada disso conseguia influenciar seus frequentadores na escolha. A razão para isso é o fato de que a maioria das pessoas escolhe qual filme assistir antes mesmo de chegar ao cinema. Ou seja: decorar o hall do cinema é uma ação de marketing pouco útil. Algo semelhante acontece em vários sites quando os responsáveis por eles acreditam, sem embasamento confiável, que se uma determinada área for “melhorada”, suas conversões irão aumentar. Entretanto, é muito comum descobrir, tarde demais, que tal área exercia pouca ou nenhuma influência no processo de decisão do cliente. Consequentemente, independente da melhoria feita ali, praticamente nenhum resultado será notado nas conversões do site. Ou seja: perda de tempo e dinheiro;

5 – Quem acessa via mobile pode ter um objetivo diferente: muitos sites recebem a maior parte de seus acessos de usuários utilizando aparelhos celulares. Porém, o que mais vejo por aí, são sites que cometem o grave erro de apenas se adaptarem para navegação mobile através dos layouts chamados “responsivos”. Sites que conseguem ter uma alta performance em mobile, costumam ter um site próprio modelado exclusivamente para celulares, totalmente independente de sua versão “normal” para desktops. Portanto, entenda e ofereça a melhor experiência para aquilo que o seu usuário procura independente de qual plataforma ele utiliza.

Rafael Damasceno, CEO da Supersonic, empresa 100% focada no aumento das taxas de conversões de sites

Tags, , ,