Tag computação em nuvem. Salesforce

Sobre Unicórnios e Elefantes, ou: Como a Cloud Computing está Impulsionando a Revolução das Startups – Por Renato Morsch*

Estamos muito empolgados com o fato da Salesforce ter apoiado o CASE2015, a maior conferência de startups da América Latina. A Salesforce é uma eterna startup, começamos em um apartamento em San Francisco faz 16 anos, e acreditamos enfaticamente na importância de fomentar a inovação e o empreendedorismo em nossas comunidades locais. E um dos fenômenos mais interessantes da revolução das startups são os Unicórnios. Nos dois últimos anos este curioso animal emergiu como o símbolo de fantasias das startups, ele se tornou o mascote das mudanças disruptivas. Alguns temem que estas valorizações enormes de mais de US $ 1 bilhão, retiradas do escrutínio das ofertas de ações públicas, sejam sintomas de uma bolha econômica prestes a explodir. Outros enxergam isso como avanços na criação de emprego – não somente na altamente tecnológica San Francisco, a casa da Salesforce, e o portal de entrada do Vale do Silício, mas também em qualquer cidade com rápido crescimento, onde a tecnologia é dominante. Com iniciativas como o CASE e a primeira edição da São Paulo Tech Week, estamos tentando trazer este ambiente e esta cultura para São Paulo e para o Brasil.

Em ambos os casos, o glamour dessas feras elegantes está ofuscando o elefante em salas de diretoria dos capitalistas de risco: Ou seja, o grau em que “a nuvem” tem absolutamente e inerentemente ativado esse fenômeno.

É notável que a nuvem tenha se tornado tão rapidamente a principal corrente aceita da atividade empresarial ligada à TI. Há menos de uma década, a computação em nuvem foi recebida com hostilidade por muitas organizações e profissionais de TI –
Um serviço barato que ameaçava a governança, uma praga para os provedores de hardware, uma ameaça destruidora para os empregos de profissionais com alto nível de especialização e altos salários. Recentemente, por volta de 2011, a computação em nuvem era o mote da desconfiança entre os departamentos de TI, que foi retratado em manchetes como “A nuvem vs. TI: seu emprego está em risco?”.

Hoje em dia, a balança das opiniões distintas claramente pendeu para o lado da nuvem, como uma criadora de oportunidades. Como aconteceu com a impressora de tipos móveis (e o que acontece com os escribas da aldeia?), o motor de combustão (os noivos não serão mais conduzidos por charretes?) e até mesmo o computador (milhões de funcionários ficando sem trabalho?) a nuvem está agora mensuravelmente fazendo a economia crescer, ao invés de fazer com que ela diminua. De acordo com um novo estudo da empresa da empresa de análise IDC, que vem acompanhando as mudanças no setor de tecnologia por 50 anos, a nuvem tem um impacto econômico enormemente positivo hoje – e também nos próximos anos.

Como a nuvem cria crescimento econômico

Como a nuvem faz isso? Vamos começar com a microeconomia. De acordo com a IDC, a nuvem liberta departamentos de TI da manutenção de sistemas e das atualizações de rotina, que afligem 71% das empresas pesquisadas recentemente pela IDC. Estas são tarefas que não são diferenciadoras quando feitas perfeitamente, mas que podem ser devastadoras para um negócio quando feita mais ou menos bem. Delegar essas tarefas para a nuvem permite a um departamento de TI interno de uma empresa se concentrar em inovação de alto valor: criando aplicativos de contato direto com o consumidor, novos serviços baseados na nuvem ou mesmo linhas de negócios inteiramente novas construídas com o poder analítico alimentado pela Internet das Coisas.

Os entrevistados para a pesquisa da IDC relataram uma mistura saudável de novos projetos empresariais, impulsionado por um novo excedente de “capacidade de inovação ” emergindo da nuvem. Estes projetos variaram de trabalho voltados para o cliente (como CRM ou gestão de vendas), para melhorias operacionais (tais como gestão de cadeia de demanda ou de fornecimento), para melhorias de produtividade (tais como gestão de RH ou gerenciamento de desempenho corporativo). O valor desta inovação – frequentemente criada pela TI corporativa – não só é notável, mas também eleva a TI da sala do servidor para a sala da diretoria. Para os profissionais que se lembram de quando a ” informatização ” era um ato de inovação, em vez de administração, é bom estar de volta.

O efeito da computação de nuvem na macroeconomia é ainda mais surpreendente. Irradiando para fora da linha da presença alteradora de horizonte de alteração da Salesforce, a IDC prevê que clientes e o ecossistema de milhares de parceiros em torno da Salesforce irão criar mais de 1 milhão de empregos em todo o mundo até o final de 2018; mais 1,5 milhões de postos de trabalho indiretos, como os funcionários que investem dinheiro na economia mais ampla. Nesse mesmo período, a IDC estima que os benefícios de computação em nuvem resultantes para os clientes da Salesforce irão adicionar US$ 272 bilhões no PIB mercados locais, que é um monte de unicórnios – e a Salesforce é apenas uma da crescente gama de nuvens para fazer negócios.

A IDC prevê que os Estados Unidos verão a “parte do leão” desse impacto no PIB – mais de 50% – , devido à sua grande parcela de implementação de nuvem. Tomando uma visão mais ampla, no entanto, essa é uma história de sucesso macroeconômico global, uma vez que 60% da criação de empregos vão acontecer em mercados fora dos Estados Unidos , onde os custos laborais são frequentemente menores. É ainda mais importante reconhecer que enquanto os gastos nuvem pública superaram US$ 50 bilhões em todo o mundo no ano passado, isso ainda representava menos de 3% do total de gastos em TI. Há oportunidade econômica significativa ainda por vir.

Unicórnios chamam a atenção, mas os líderes de negócios inteligentes estão aproveitando o elefante para trazê-los para o futuro. Estamos somente no começo do potencial da nuvem para estimular o crescimento econômico. A inovação que isso vai trazer, para empresas de todos os tamanhos, é limitada apenas pela nossa capacidade de vislumbrar novas experiências para oferecer para o cliente.

*Renato Morsch é Head de Enterprise Sales LATAM na Salesforce

Tags,