Tag Columbia University

FGV usa Inteligência Artificial para criar sistema inédito de garimpo de texto

O Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) e a Escola de Matemática Aplicada (EMAp) da Fundação Getulio Vargas, em parceria com a Columbia University, criaram a ferramenta History Lab. A partir do uso da Inteligência Artificial, pesquisadores têm à sua disposição novas ferramentas de pesquisa e uma compilação de informações ligadas às relações internacionais e a diferentes Estados, como Brasil, Reino Unido e Estados Unidos, numa quantidade de dados sem precedentes.

“Os arquivos virtuais estão cada vez mais fragmentados, com dezenas de coleções espalhadas pela web, cada uma com diferentes metadados e recursos de pesquisa. Agrupamos coleções múltiplas e as unimos em um único banco de dados, o maior conjunto de documentos não classificados processados e disponíveis para qualquer pessoa fora do governo”, disse o professor e pesquisador da EMAp, Renato Rocha Souza.

Alexandre Moreli, professor do CPDOC, relata que o robô criado no projeto History Lab lê arquivos nascidos digitalmente ou que foram digitalizados e faz uma análise probabilística e estatística dos mesmos, sem que haja limitações quanto à quantidade deles. Segundo Moreli, a partir desse processo, o sistema identifica as palavras relacionadas entre si no universo de documentos e cria grupos temáticos coesos, o que um ser humano poderia levar meses, anos ou mesmo décadas para realizar.

“Através das linhas de programação e dos algoritmos desenvolvidos pelo grupo de pesquisadores da FGV, onde se encontram cientistas da informação e historiadores, a ferramenta foi dotada de inteligência artificial para identificar e agrupar documentos correlacionados. A frente brasileira da pesquisa lançou seus trabalhos em maio de 2016 utilizando mais de 10 mil documentos da coleção histórica mantida pelo CPDOC. Entre eles, documentos do ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antônio Azeredo da Silveira”. A ferramenta teve resultados tão surpreendentes que foi objeto de interesse do Departamento de Estado dos Estados Unidos (DoS) e de seus Serviços de Inteligência.

Renato Rocha Souza conta que, dentre as coleções processadas pelo History Lab encontra-se a primeira nascida digitalmente no DoS na década de 1970, com cerca de um milhão de documentos. Ele diz que boa parte dessas informações é sensível ou secreta e, portanto, tem sua disponibilização pública regulada pelas leis de acesso à informação do país. O problema, completa Renato, é que a determinação do momento da abertura pública de cada documento depende de seu grau de sigilo e de sensibilidade, em um processo a ser controlado minunciosamente e que, por ter sido feito manualmente até hoje, revela-se muito demorado e dispendioso. Um dos objetivos do History Lab é, também, facilitar esse trabalho através do exame automático do conteúdo de cada informação arquivada e da identificação de seu grau de sigilo, determinando se deve ou não ser divulgada ao público.

“Além dessa preocupação com documentos históricos, eles ficaram interessados em nossa tecnologia por causa dos recentes vazamentos de dados para o governo russo e para o WikiLeaks. Somente em 2015, o DoS gastou US$ 16 bilhões para proteger informações. Um exemplo é um documento sobre a sensibilidade do governo japonês em relação às inspeções dos EUA sobre suas instalações nucleares. Esse documento não estava classificado, mas deveria ter sido originalmente definido como confidencial”, relata Renato Rocha Souza.

Futuro – O professor do CPDOC Alexandre Moreli diz que, em breve, o History Lab vai expandir as coleções processadas agregando documentos de outros países, além de disponibilizar outras ferramentas aos pesquisadores. “A equipe da FGV continuará a aperfeiçoar os recursos existentes, perseguindo inovações como o reconhecimento automático de pessoas em fotografias históricas ou a sincronização áudio-texto de entrevistas de História Oral. Trata-se de uma expertise que poderá ser aproveitada tanto por instituições mantenedoras de arquivos e pela administração pública, como por empresas ou outros interessados que pretendam gerir e explorar conjuntos de informação em escalas cada vez maiores”, observa.

Tags, , , , , ,

Amcham lança programa +Competitividade Brasil, focado na maior produtividade e inserção global

view.aspx

Como o setor privado pode contribuir e construir soluções para o aumento da competitividade brasileira? A Amcham lançou no último dia 15/4, em São Paulo, o programa + Competitividade Brasil, focado em capacitações, forças-tarefa e estudos técnicos visando estimular ganhos de produtividade e a maior inserção das empresas brasileiras na economia global. Mais de 51 eventos já estão previstas em 14 cidades brasileiras já neste ano. Calendário completo no www.amcham.com.br/acontece.

“Toda a atividade da Amcham este ano e no próximo terá o programa Mais Competitividade como guia e objetivo para, ao fim do trabalho, chegarmos a um conjunto de propostas e projetos”, detalhou Hélio Magalhães, CEO do Citi Brasil e presidente do Conselho da Amcham. Em 2015, a Amcham promoveu 2000 mil atividades envolvendo mais de 90 mil executivos.

O programa da Amcham é aberto a participação das cinco mil empresas associadas, sendo 85% delas brasileiras. Segundo Hélio Magalhães, o aumento da competitividade global é uma das questões cruciais que o Brasil não pode deixar de enfrentar. “Para alcançar sucesso no mundo cada vez mais globalizado, o Brasil ainda precisa aprender uma lição importante. Representamos 3% do PIB global, mas só 1,2% do comércio entre as nações. Ou seja, alguém está vendendo no nosso lugar. Hoje, 65% dos negócios globais são feitos sob acordos internacionais”, comentou Magalhães.

Dentro da iniciativa, grupos de trabalho vão elaborar propostas práticas empresariais. “Vamos atuar através de três grupos de trabalho: eficiência tributária, inserção do Brasil na cadeia global e modernização da legislação trabalhista”, detalhou Deborah Vieitas, CEO da AMCHAM BRASIL, no lançamento do encontro.

O lançamento contou com apresentações de time de palestrantes e autoridades no tema competitividade: o ex-ministro Pedro Parente, o sócio da AT&Kearney, Mark Essle, os presidentes do Citi Brasil, Hélio Magalhães, Stefanini IT Solutions, Marco Stefanini e da Cummins, Luis Pasquotto, o CEO da JSL, Fernando Simões, e o co-diretor do BRICLab da Columbia University, Marcos Troyjo.

Dentro do programa Mais Competitividade Brasil, a Amcham promove no próximo dia 9/5, em São Paulo, lançamento de estudo inédito “Impactos para o Brasil de acordos de livre comércio com EUA e União Europeia”, uma parceria Amcham-FGV.

O Lançamento

O presidente do Citi Brasil e do Conselho da Amcham, Hélio Magalhães, faz abertura do encontro apresentado o programa. A agenda do +Competitividade Brasil prevê um conjunto de ações visando à modernização da legislação trabalhista, simplificação tributária e processos de comércio exterior, acordos comerciais estratégicos, além de promoções da marca Brasil e cooperação.
Em seguida, o ex-ministro Pedro Parente abriu o painel de discussões com “Ações de Competitividade do Setor privado sem a dependência governamental”. Mark Essle, sócio da AT&Kearney, fala ainda sobre o cenário de competividade neste bloco do encontro. Já Fernanda De Negri, diretora de Políticas de Inovação, Regulação e Infra do IPEA, expõe sobre determinantes para a produtividade do país.

No painel empresarial, foi analisada “As Alavancas para a Produtividade na Crise”, com Fernando Simões, CEO da JSL, e os presidentes da Stefanini IT Solutions, Marco Stefanini, e da Cummins do Brasil, Luis Pasquotto. Ainda no encontro, pesquisa em tempo real sobre a agenda de competitividade ideal na visão dos cerca de 100 empresários presentes. O painel foi mediado por Deborah Vieitas, CEO da Amcham Brasil.

O encerramento do lançamento do +Competitividade Brasil trouxe uma visão sobre “Reindustrialização do Brasil”, com Marcos Troyjo, co-diretor do BRICLAB do Columbia University.

Tags, , , , , , , , , , , , , ,