Tag Catho

79% dos profissionais aceitariam um emprego de nível hierárquico inferior ao último emprego

Se reinventar tem sido a escolha de muitos profissionais no mercado de trabalho, é o que aponta um levantamento realizado pela Catho. Segundo a Pesquisa dos Profissionais, 79% aceitariam um emprego de nível hierárquico inferior ao último emprego.

A pesquisa ainda aponta outras condições que os profissionais aceitariam apenas para conseguir um emprego: 86% trocariam de carreira e área de atuação, enquanto 73% aceitariam um salário inferior à sua última remuneração.

Se por uma lado encontrar o tão sonhado emprego parece a solução de muitos problemas, por outro, a depender do caso, aceitar as mudanças de área e até mesmo de salário podem resultar em outras questões dentro do trabalho, tais como desmotivação e frustração.

Para Bianca Machado, gerente sênior de Catho, ao longo do processo de encontrar um emprego, o profissional passa por alterações comportamentais. Para cada etapa o profissional reage de forma diferente, sendo guiado por emoções. A busca, a entrevista, o recebimento de proposta e após a contratação, o período de experiência. Durante esse momento ele não avalia criteriosamente as escolhas, pois está motivado a simplesmente estar empregado.

“Após esse período, ele começa a pensar sobre as antigas e atuais e expectativas e, logo, isso acaba pesando bastante na decisão, pois o profissional tem convicção que poderia estar melhor empregado. Nesse momento sentimentos como desmotivação e frustração começam a causar um impacto maior na carreira”, afirma Machado, que listou, ainda, quatro pontos que precisam ser bem avaliados antes do profissional aceitar um trabalho abaixo da expectativa.

Propósito

Você trabalharia em uma empresa do time de futebol adversário ao seu? Parece simples, mas na prática, abrir mão dos próprios valores e propósitos refletem diretamente na carreira profissional.

Localização do trabalho x moradia

Ter que se deslocar muitas horas preso ao trânsito, metrô, ônibus ou trem. Será que o desgaste físico vale realmente a pena? Às vezes, em um primeiro momento a escolha pode parecer propícia, mas é necessário avaliar em longo prazo quais os impactos que ela trará para a vida pessoal do profissional.

Cultura que viabiliza a motivação

Uma empresa com um ótimo clima, oferece férias coletivas, permite flexibilidade de horários e possui creche para os filhos? Seria um sonho! Por vezes, a empresa oferece menos salários e benefícios que o esperado, mas em contrapartida proporciona uma cultura de motivação que faz com que o profissional queira realmente estar ali.

Pacote de benefícios

Vale-transporte, vale-alimentação, plano de saúde, bônus, auxílio-creche, dentre outros. Muitos são os benefícios que as empresas podem oferecer aos funcionários, permitindo equilíbrio entre o salário (às vezes abaixo de expectativa) e o custo de vida. Na hora de se recolocar, esse é mais um ponto que deve ser avaliado e calculado com atenção.

Tags, , , ,

4 coisas que não devem ter no seu currículo de jeito nenhum

Falar sobre currículo é sempre um tema inesgotável e por vezes cercado por dúvidas: enviar foto? Exaltar características pessoais? Linguagem técnica ou informal? Segundo uma pesquisa realizada pela Catho com mais de 400 recrutadores, existem alguns itens que realmente não devem aparecer no documento de jeito nenhum.

“Por mais simples que pareça, é muito comum o recrutador receber currículos com número de telefone e e-mail desatualizados. Facilmente esse currículo é descartado, diminuindo as chances desse candidato de participar do processo seletivo e, consequentemente, de ser contratado”, afirma Bianca Machado, gerente Catho.

Com base no levantamento realizado, a Catho fez um ranking com 4 itens que não devem ser colocados no currículo de jeito nenhum:

Dados de contatos desatualizados (74%)

Ocupando a área mais nobre do currículo, o cabeçalho com os dados pessoais do candidato ocupa a base superior do documento e contém os principais meios de contato entre o recrutador e o profissional. Mesmo que pareça óbvio, é muito comum o entrevistador receber documentos com e-mail, endereço e número de telefone desatualizados. Não é à toa que o item ocupa o 1º lugar no ranking. Sem dados de contato, sem chances de contratação.

Fotos inadequadas (70%)

Uma grande dúvida na hora de enviar o currículo é: colocar ou não uma foto? Bem, a resposta é simples. Se a empresa não solicitou o envio, não colocar é a melhor opção, afinal de contas, o objetivo do documento é destacar as qualificações profissionais do candidato. Algumas áreas em específico veem como diferencial o uso da foto. Nesses casos, dê preferência a fotos sóbrias, em formato 3×4, com fundo neutro. E claro, em boa qualidade.

Número de documentos como CPF, RG e CNH (40%)

RG, CPF, CNH, título de eleitor, dentre outros documentos, não são necessários no preenchimento de um currículo. Normalmente só há necessidade desses dados no momento da contratação e não previamente. Logo, não se deve confundir a área de recrutamento de uma empresa com Departamento Pessoal. Além disso, vale ressaltar a importância de se manter em sigilo esses dados pessoais, que em currículo, pode cair em mãos de diversas pessoas.

Características pessoais (21%)

Ambicioso, perfeccionista, dinâmico, dedicado, essas e outras caraterísticas pessoais, muitas vezes, não convencem o recrutador. Busque sempre priorizar informações objetivas, tais como experiência, resultados alcançados e projetos liderados. E claro, aproveite o momento de contato da entrevista para potencializar as habilidades profissionais.

A soma dos itens não totalizam em 100% pois o recrutador, nesse campo da pesquisa, tinha a opção de marcar mais de uma alternativa.

Tags, , ,

43% dos recrutadores entrevistam até 10 candidatos para fechar uma vaga

Diante de um cenário competitivo em busca de oportunidades de emprego, fica cada vez mais difícil se destacar. Dados levantados pela Catho com mais de 400 recrutadores reforçam os desafios da área de recrutamento ao fazerem uma seleção. Segundo a pesquisa, 43% dos pesquisados entrevistam entre 6 a 10 candidatos para fechar uma vaga.

Esse número fica mais expressivo ao se observar quantos profissionais se candidatam por vaga e, consequentemente, quantos currículos os recrutadores recebem. Ainda segundo o levantamento, 44% dos entrevistados recebem até 30 currículos, 30% mais de 50 e 16% mais de 100.

Com o objetivo de ajudar recrutadores a encontrarem o “candidato perfeito” de forma mais rápida e assertiva, a Catho traz para o mercado o Busca Certa, disponibilizado inicialmente para candidatos e empresas da Grande São Paulo. O produto tem como diferencial apresentar profissionais testados e pré-avaliados de acordo com seu nível de conhecimento (básico, intermediário e avançado), além de verificar aptidões em excel, inglês, interpretação de texto e raciocínio lógico.

“Diante da tamanha oferta de profissionais no mercado de trabalho e o curto tempo para realizar a seleção, recrutadores possuem uma grande missão a ser cumprida na hora da filtragem pelo candidato ideal. Sendo assim, olham de cara as informações mais nobres do currículo em até 10 segundos para depois realizarem uma análise mais criteriosa dos documentos”, afirma Bianca Machado, gerente da Catho.

De acordo com a pesquisa, os entrevistados apontaram em média quantos currículos analisam antes de escolherem quais candidatos serão entrevistados, reforçando mais uma vez a importância de ferramentas que agilizem o processo seletivo. Segundos os dados: 31% afirmam que checam de 16 a 30 currículos, enquanto 30% de 6 a 15.

Após a análise mais aprofundada é dado o momento de abordar os candidatos e fazer o convite formal para o momento da entrevista. A pesquisa apresenta que nesse momento, 44% convocam de 6 a 10 candidatos, 39% de 11 a 20, enquanto 13% de 11 a 20.

Tags, , ,

Inglês pode elevar salário em até 70%

O que até um tempo atrás era visto como um diferencial no currículo, nos dias atuais, dominar o inglês é praticamente obrigatório. E, além da importância para o desenvolvimento da carreira profissional, o idioma é responsável também por aumentar o salário. É o que aponta a 57ª Pesquisa Salarial da Catho. Segundo o levantamento, a remuneração de um funcionário fluente em inglês, em cargo de gerência, é até 70% maior em relação a um profissional do mesmo nível hierárquico, mas sem a fluência na língua.

Nos outros níveis, as variações são em torno de 53% (supervisores/coordenadores), 33% (especialistas graduados) e 40% (analistas) entre os que dominam o inglês e os que têm apenas conhecimentos básicos do idioma.

Nível Hierárquico

Fluente

Avançado

Intermediário

Básico

Gerente / Diretor / Presidente

R$14.935,29

R$12.671,33

R$10.710,27

R$8.802,92

Supervisor / Coordenador /

Líder / Encarregado

R$7.378,07

R$7.340,71

R$6.678,68

R$4.820,88

Profissional especialista graduado

R$6.833,56

R$6.521,06

R$5.481,60

R$5.156,04

Analista

R$5.210,42

R$4.651,12

R$3.979,80

R$3.724,48

Salário médio por hierarquia, segundo a fluência na língua inglesa.

Nível Hierárquico

% de Ganho

Gerente /Diretor / Presidente

70%

Supervisor / Coordenador / Líder / Encarregado

53%

Profissional especialista graduado

33%

Analista

40%

Percentual salarial de quanto ganham a mais os profissionais que falam inglês fluentemente versus os que não falam.


Espanhol

Ainda segundo a pesquisa, falar fluentemente o espanhol é um diferencial e pode aumentar em até 40% a remuneração para o cargo de analista, por exemplo. A maior diferença salarial, no entanto, é no cargo de gerência: até R$ 5 mil se comparado os níveis básico e fluente. 

Nos outros níveis hierárquicos, as diferenças não ultrapassam 50%. Para gerente é de 44%, supervisor/coordenador é de 41%, analista chega a 40% e a menor desigualdade é entre os profissionais graduados, apenas 16%.

“Quando nos referimos aos idiomas que são importantes para os profissionais, fica claro que o inglês já é esperado e, portanto, considerado praticamente obrigatório, sobretudo em algumas áreas. Já o segundo idioma, esse sim passou a se tornar o diferencial no mercado de trabalho, tornando-se um dos responsáveis pela valorização salarial e para o atingimento dos objetivos profissionais”, afirma o gerente da Catho Educação, Fernando Gaiofatto.

 

Nível Hierárquico

Fluente

Avançado

Intermediário

Básico

Gerente / Diretor / Presidente

R$15.395,17

R$12.296,25

R$10.811,61

R$10.712,01R$10.712,01

Supervisor / Coordenador / Líder / Encarregado

R$8.052,91

R$7.758,93

R$6.213,07

R$5.725,45

Profissional especialista graduado

R$6.615,45

R$6.044,55

R$5.946,46

R$5.723,13

Analista

R$5.296,35

R$4.779,17

R$3.930,94

R$3.794,79

Salário médio por hierarquia, segundo a fluência na língua espanhola.

Nível Hierárquico

% de Ganho

Gerente / Diretor / Presidente

44%

Supervisor / Coordenador / Líder / Encarregado

41%

Profissional especialista graduado

16%

Analista

40%

Percentual salarial de quanto ganham a mais os profissionais que falam espanhol fluentemente versus os que não falam.

Tags, , , ,

78% dos candidatos com deficiência não necessitam de acessibilidade para trabalhar

Quando uma empresa busca um candidato com deficiência, uma de suas preocupações é com a acessibilidade, tanto arquitetônica (rampa de acesso, banheiros acessíveis, vagas reservadas, entre outros), quanto comunicacional (intérprete de libras, recursos que facilitem a comunicação etc) e tecnológica (softwares leitores de tela, lupas de aumento, impressora braile e outros). Porém, segundo pesquisa da Catho, em parceria com i.Social, ABRH-SP e ABRH Brasil, 78% dos entrevistados responderam não necessitar de acessibilidade no ambiente de trabalho, diferente do que pensam os recrutadores, que consideram a falta de acessibilidade o segundo item entre as principais dificuldades no recrutamento de pessoas com deficiência (PCD), com 15%.

Principais dificuldades no recrutamento e seleção de pessoas com deficiência :

Baixa qualificação dos profissionais com deficiência

19%

Falta de acessibilidade na empresa

15%

Resistência dos gestores

14%

Falta de banco de currículos confiáveis

14%

Dificuldade em estabelecer vagas exclusivas para pessoas com deficiência

11%

Baixa atratividade em função da qualidade ruim das vagas destinadas aos PCDs

7%

Dificuldade em lidar com pessoas com deficiência

6%

Os profissionais com deficiência faltam muito nas entrevistas

5%

Pouco apoio da liderança

6%

Falta verba para contratar uma consultoria

3%

Você necessita de acessibilidade no ambiente de trabalho?

Não necessito de acessibilidade

78%

Acessibilidade tecnológica

4%

Acessibilidade comunicacional

6%

Acessibilidade arquitetônica

14%

“Algumas vezes, as empresas podem deixar de contratar pessoas com deficiência apenas por desconhecimento. E pensar que é necessário grandes transformações na acessibilidade é uma delas. Na verdade, existem inúmeras classificações de deficiências e muitas delas não requerem adaptações no ambiente de trabalho para poder exercer sua função”, afirma Fernando Morette, diretor de Operações da Catho.

Tipos de deficiência

Física

61%

Auditiva

19%

Visual

15%

Intelectual

3%

Múltipla

2%

O levantamento também apontou que 92% dos entrevistados não precisam de nenhuma ajuda técnica para sua deficiência, chamado de “Tecnologia Assistiva” ou “Tecnologia de Apoio”. O termo é utilizado para identificar os recursos e serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com algum tipo de deficiência.

Você precisa de ajudas técnicas para trabalhar?

Sim

8%

Não

92%

Sobre a Pesquisa:

Foram entrevistadas 1.091, entre pessoas que possuem algum tipo de deficiência ou mobilidade reduzida, 117 executivos e 1.240 recrutadores. O levantamento foi realizado entre julho e setembro de 2017.

Tags, , , , , ,

Qualidade de vida é fundamental para 64% dos profissionais

Nos dias atuais as pessoas buscam aumentar a qualidade de vida e aproveitar os momentos de lazer, apesar da alta demanda de trabalho exigida E foi justamente isso que apontou a Pesquisa dos Profissionais 2018 da Catho: melhorar a qualidade de vida é um dos três “desejos” dos profissionais (64%), atrás somente do salário (77%) – como principal atrativo quando recebem uma oferta de emprego – e perspectivas de plano de carreira na empresa, segundo ítem mais importante para 70% dos profissionais entrevistados.

“Aquela máxima que dizia ser difícil conciliar felicidade e trabalho, a cada dia tem sido mais rebatida. Os profissionais perceberam que só ter um salário alto e um plano de carreira bem definido não os completarão se ele não tiver tempo para o lazer e a família, por exemplo”, afirma a assessora de carreira da Catho, Elen Souza.

A pesquisa também registrou que 60% das pessoas buscam trabalhar com que gostam e 47% delas tendem a aceitar uma oferta de emprego próximo ao local de residência, já que perder muito tempo diariamente no trânsito é uma das causas da queda na qualidade de vida, sobretudo nas metrópoles.

O que os candidatos mais valorizam quando avaliam uma oferta de emprego?

Salário/remuneração atrativo(a)

77%

Perspectivas de plano de carreira/crescimento dentro da empresa

70%

Possibilidade de melhorar a qualidade de vida

64%

Possibilidade de fazer o que gosta

60%

Pacote de benefícios atrativos

54%

Proximidade casa/trabalho

47%

Busca por novos desafios

47%

Possibilidade de subir de nível hierárquico

43%

Nome/reputação da empresa

34%

Possibilidade de mudar de área atuação

19%

“Essas informações coletadas pelas Pesquisa dos Profissionais servem de alerta às empresas, que podem melhorar seus processos e investir em mecanismos para reter seus colaboradores, tornando-os mais felizes e completos”, finaliza Elen.

Tags, , , , , ,

5 motivos que geram estresse nos profissionais e como gerenciar

Um ambiente de trabalho muito competitivo ou de muita pressão pode ocasionar situações que deixem os colaboradores estressados, prejudicando o rendimento e a motivação. “O nosso autoconhecimento é muito importante nesses casos, já que sabemos do nosso potencial, das habilidades e até que ponto podemos chegar e contribuir para a empresa”, afirma Elen Souza, assessora de carreira da Catho

Elen listou os cinco motivos mais comuns de estresse entre os profissionais e como gerenciá-lo.

1 – Acúmulo de funções

Algumas empresas têm o quadro de colaboradores reduzido, devido a crise que assolou o Brasil nos últimos anos, ou por sua estrutura mais enxuta, e com isso algumas pessoas acumulam mais funções dentro da organização.

Como lidar: Para a pessoa que está se sentindo sobrecarregada, a dica é fazer uma lista do que precisa, por ordem de relevância e prioridade. Outra alternativa é conversar com o líder direto, para organizar o dia a dia e discutir o melhor formato de trabalho. Paralelo a isso, no período da manhã e à tarde, é importante reservar um tempo entre 10 ou 15 minutos para tomar um café e descansar um pouco a mente.

2 – Resultados imediatos

Cada vez mais, as empresas buscam talentos que possam entregar resultados imediatos, o que acaba deixando o colaborador pressionado e, consequentemente, estressado.

Como lidar: Apesar da pressão, o profissional precisa entender qual seu papel na entrega dos resultados e tentar equilibrar a vida profissional com a pessoal, não deixando que essas cobranças prejudiquem sua saúde. Não levar trabalho para casa também é importante – é necessário descansar a mente e corpo.

3 – Aprender a lidar com frustrações

As frustrações dentro de uma empresa podem ser diárias: a meta não conquistada, a promoção que não veio, entre outras. Isso pode ser estressante e desgastante para o profissional.

Como lidar: O autogerenciamento é importante para aprender a lidar com as frustrações na vida pessoal e profissional, além disso, é essencial utilizar cada momento como aprendizado e criar planos de ação para situações futuras. E caso isso esteja atrapalhando o rendimento ou até mesmo influenciando de forma negativa fora do trabalho, é aconselhável conversar com familiares e amigos, ou até mesmo, procurar ajuda profissional.

4 – Falta de comunicação

Um grande problema das organizações é a falta de comunicação entre os gestores e os colaboradores, isso pode gerar uma insegurança sobre qual o melhor formato de trabalho, dúvidas sobre o que é esperado do profissional e seu futuro dentro da empresa.

Como lidar: Para vencer esse problema é necessário estabelecer uma relação de confiança dentro da empresa, além de conversar de forma transparente com superiores, pares e colegas de trabalho. Pedir um feedback periódico para o gestor, caso isso não ocorra, também é extremamente positivo.

5 – Relacionamento interpessoal

No ambiente corporativo, e fora dele, temos de lidar com diferentes opiniões, pontos de vista, e ideais, mesmo que, muitas vezes a diferença seja tão grande que acaba provocando situações desagradáveis.

Como lidar: É importante trabalhar a empatia, aprender a escutar, entender que cada pessoa é diferente e aproveitar isso de forma positiva.

Tags, , , , , ,

De acordo com profissionais, falta de oportunidades é o principal entrave para inclusão de deficientes no mercado de trabalho

A baixa oferta de oportunidades profissionais é a maior barreira enfrentada por pessoas com deficiência para inclusão no mercado de trabalho, segundo a pesquisa “Pessoas Com Deficiência – expectativas e percepções sobre o mercado de trabalho”, realizada pela Catho em parceria com a i.Social, a ABRH Brasil e a ABRH-SP.

Quais são as principais barreiras que você considera impeditivas para a inclusão das pessoas com deficiência no mercado formal de trabalho? Assinale as três principais alternativas

Poucas oportunidades

52%

Foco exclusivo no cumprimento de cota

41%

Oportunidades ruins

41%

Barreiras culturais (preconceito, falta de informação)

27%

Falta de preparo dos profissionais de RH

25%

Procedimentos para contratação (tempo do processo seletivo, laudo médico, documento

24%

Falta de preparo dos gestores

20%

Acessibilidade (barreiras físicas, tecnológicas e de comunicação

17%

O Brasil tem 45 milhões de pessoas com deficiência, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Destes, apenas 400 mil estão empregados, o que corresponde a menos de 1% do total. Para tentar promover a inclusão desses profissionais, nos anos 90, foi instituída a Lei Federal nº 8.213/91, conhecida como Lei de Cotas, que estipula que empresas com mais de 100 funcionários devem destinar de 2% a 5% de suas vagas para pessoas com deficiência.

“A Lei ajudou a promover a inclusão, porém, ela precisa ser aplicada com planejamento, de forma que a empresa considere, por exemplo, um plano de carreira para o profissional. A própria pesquisa mostra que 34% dos respondentes têm formação superior, incluindo mestrado; 23% estão cursando ou tem superior incompleto e 32% têm o ensino médio completo”, reforça Cavellucci.

Os gestores e líderes de empresas também foram ouvidos no levantamento: 66% deles concordam que as oportunidades de trabalho oferecidas às pessoas com deficiência poderiam ser mais adequadas aos perfis profissionais e 21% dizem que as vagas são ruins e inadequadas.

“Para contribuir não apenas com a inserção destes no mercado de trabalho, mas também fazer com que eles ocupem vagas mais adequadas a seus perfis e qualificações, a Catho oferece o cadastro gratuito para pessoas com deficiência em sua plataforma. Além disso, eles concorrem a todas as 221 mil vagas disponíveis no site, não apenas as sinalizadas como PCD”, ressalta o diretor de RH.

A falta de perspectiva em uma empresa também é um dos fatores que fazem com que eles desistam ou queiram mudar de emprego. Sentir-se como, apenas, um funcionário contratado para cumprir cotas também é um agravante.

Quais são os principais fatores que te levam a desistir de um trabalho (ou querer mudar de emprego)? Assinale as três principais alternativas:

Falta de perspectiva de carreira

58%

Me sentir apenas como um funcionário de cota

52%

Propostas de trabalho com melhores funções (desafios, cargo)

47%

Propostas de trabalho com salário melhor

46%

Falta de incentivos para aprimorar minha qualificação

40%

Preconceito com relação a minha deficiência

27%

Falta de acessibilidade

13%

Problemas de relacionamento com o gestor

10%

Problemas de relacionamento com meus colegas de trabalho

7%

Entre os principais itens que tornam a vaga de emprego atrativa para o profissional com deficiência estão o salário (48%) e o plano de carreira (44%).

Quais são os itens mais importantes que te atraem em uma oportunidade de emprego? Assinale as três principais alternativas:

Salário

48%

Plano de carreira

44%

Pacote de benefícios

36%

Equilíbrio entre vida pessoal e profissional

34%

Ambiente de trabalho (colaboradores sensibilizados/informados sobre pessoas com deficiência)

27%

Localização

26%

Plano de saúde

24%

Área de atuação

20%

A empresa possui um Programa de Inclusão estruturado

17%

Acessibilidade

10%

Nome/tamanho da empresa

8%

Sobre a Pesquisa:

Foram entrevistadas 1.091, entre pessoas que possuem algum tipo de deficiência ou mobilidade reduzida; 117 executivos e 1.240 recrutadores. O levantamento foi realizado entre julho e setembro de 2017.

Tags, , , ,

Catho tem novo executivo de desenvolvimento de software

A Catho, um dos maiores e mais completos sites de empregos do país, ganhou um nome de peso com a chegada do novo Head de Desenvolvimento de Sistemas, Leonardo Santos. Graduado pela Universidade Federal de Uberlândia, o executivo chega à Catho com uma trajetória de mais de 23 anos de experiência em tecnologia e assume a posição com o desafio de fortalecer e aumentar a área de desenvolvimento de sistemas da Catho.

“Além disso, um dos meus principais objetivos é o de fortalecer o posicionamento da Catho como uma empresa de tecnologia, com orientação ágil estabelecida por meio das tecnologias mais atuais e adequadas ao nosso negócio”, afirma Leonardo.

Leonardo Santos foi sócio fundador da Vale Presente e um dos responsáveis pela condução do processo de homologação da Vale Presente como empresa não financeira emissora Mastercard. Também foi Diretor de Tecnologia da Informação da Bebê Store, estando a frente das áreas de desenvolvimento de sistemas e de infraestrutura e Diretor de Tecnologia da Informação na Minuto Seguros.

Tags, , ,

Catho investe em Inteligência Artificial e maximiza oportunidade de contato entre recrutador e candidato

Cada vez mais pessoas vêm utilizando a Internet para procurar empregos. O desafio, neste caso, é encontrar vagas que melhor se adequem ao perfil e interesses de cada candidato, bem como os candidatos que melhor se adequem as expectativas dos recrutadores. Caso este casamento entre interesses e expectativas não ocorra, as chances de sucesso diminuem. Atenta às necessidades de seus usuários, a Catho tem investido cada vez mais em tecnologia e, recentemente, incrementou seu sistema de busca de vagas, utilizando Inteligência Artificial. O novo buscador aprende automaticamente o que é importante para cada usuário e interpreta as necessidades, comportamentos, ações e características das vagas e candidatos, maximizando as oportunidades de contato entre candidatos e recrutadores.

“A busca é uma das principais ferramentas que os candidatos dispõem para alcançar novas oportunidades de emprego. Aproximadamente 43% dos contatos da Catho são provenientes dela. Então, se essas pessoas se candidatarem para a vaga certa, aumentamos muito as chances de contato. Por isso, trabalhamos para aperfeiçoar cada vez mais nosso sistema”, diz Cesar S. Cesar, diretor de produtos da Catho.

O sistema entende que uma real oportunidade de emprego surge apenas quando ambos os lados possuem interesses em comum, cenário que chamamos de matching. Ou seja, é uma junção das qualificações e comportamento do candidato, em cruzamento com os requisitos das vagas anunciadas e preferências dos recrutadores. Alguns dados e comportamentos utilizados para realizar o matching perfeito são: dados do currículo de cada candidato; envios de currículo feitos pelo candidato; identificação automática dos termos digitados nos campos do formulário (cidade, conhecimentos, cargo, nome de empresa e área profissional), perfil das vagas procuradas e perfil de candidatos que os recrutadores usualmente contactam em cada tipo de vaga.

Além disso, o novo sistema também prioriza na página de resultados da busca vagas relacionadas à recrutadores que mais utilizam a plataforma em períodos próximos ao momento de cada busca. Vagas que atendam aos interesses do candidatos, mas que ainda não receberam muitos envios de currículos também são priorizadas, uma vez que o candidato passa a competir com menos pessoas pela vaga. O sistema também entende e corrige automaticamente alguns erros ortográficos nos termos digitados no campo de busca por “cargo ou palavra-chave”.

“Antes, os resultados eram gerados considerando-se a recência de publicação de cada vaga e a compatibilidade dos termos usados na busca com a descrição de cada vaga. Hoje, o sistema utiliza técnicas avançadas de inteligência artificial, sendo capaz de aprender dinamicamente os interesses de candidatos e recrutadores, a partir de suas ações, comportamentos e dados informados, para se obter um resultado final personalizado para cada usuário distinto da Catho”, explica Thyago Liberalli, diretor de inteligência artificial Global da Seek, controladora da Catho.

“Por exemplo, quando o usuário descarta ou se candidata a uma vaga, o novo buscador irá aprender que o usuário gostou ou não daquela vaga, melhorando, respectivamente, os resultados de buscas subsequentes. Dessa forma, quanto mais o usuário utilizar o sistema, mais aderentes ao seu perfil e interesses serão as as vagas retornadas”, conclui.

Dentre os resultados obtidos nos testes realizados, foram observados um crescimento significativo na quantidade total de envios de currículos feitos pelos candidato; e no total de contatos gerados pelos recrutadores. Ou seja, usuários passaram a enxergar um diversidade maior de vagas que lhes interessam, ao mesmo que um número maior de candidatos passou a ser contactado.

Agendamento de entrevistas

A caixa de mensagem e a agenda de entrevistas também ficaram mais modernas para candidatos e recrutadores. Agora, o envio de mensagem do recrutador para múltiplos candidatos ficou mais rápido e simples e o histórico de contatos está a apenas um clique de alcance.

Além disso, as mensagens recebidas podem ser respondidas diretamente via e-mail e o histórico aparece de forma centralizada na caixa de mensagens do site. Já os candidatos, quando receberem uma mensagem ou convite de entrevista, podem com apenas um clique informar sobre seu interesse e enviar possíveis dúvidas sobre o processo seletivo.

Tags, , , , , , , , , ,

Catho tem economia de custos de TI com gerenciamento de ativos e consultoria da Brasoftware

S2Publicom_strip_91284_1_full

Com a pluralidade da internet, plataformas tecnológicas voltadas ao mercado de empregos, carreira e empregabilidade têm ganhado cada vez mais destaque. A Catho, por exemplo, faz a intermediação do contato entre trabalhadores em busca de uma vaga e empresas à procura de profissionais, e oferece serviços e recursos que podem auxiliar o profissional em diversas fases de sua carreira. Além disso, o site permite que novos assinantes façam um teste gratuito por sete dias.

Com aproximadamente oito milhões de currículos cadastrados, o “classificado online de empregos”, como definiu Eber Duarte, Diretor de TI da Catho, tem no escritório de Barueri, na Grande São Paulo, cerca de 830 funcionários. A empresa buscou a Brasoftware, uma das maiores e mais tradicionais parceiras da Microsoft no Brasil, para ajudá-los em um projeto de gestão de seus ativos, uma vez que a Catho fazia aquisições individualizadas de licenças de softwares.

Após a execução do SAM, realizado no final de 2016, a Catho passou a ter um painel de controle, onde pode identificar oportunidades de otimização de hardware e licenciamento de software. “Com nosso projeto, o cliente tem uma fotografia dinâmica dos seus ativos, e através de metodologia de uso e instalação, conseguimos apresentar à Catho a otimização do licenciamento em servidores que estavam, por exemplo, duplicados. Isso trouxe uma nova gestão e ampliação das políticas internas com maior conformidade”, ressaltou Fernando Brito, Gerente de SAM na Brasoftware.

A Brasoftware também esteve envolvida na migração da versão do Microsoft System Center, solução destinada para a gestão de TI, infraestrutura de servidores, estações de trabalho e dispositivos móveis. “Com o System Center, você gerencia com flexibilidade seus datacenters tradicionais, nuvens privadas e públicas”, continuou Fernando.

Outro projeto em andamento é a consolidação de servidores através da virtualização, otimizando os investimentos da Catho em licenciamento, manutenção e energia através da consolidação do datacenter atrelados ao ganho em Flexibilidade, Disponibilidade e Segurança.

“Além de garantir a padronização com o gerenciamento de templates, instalação de máquinas e desktops, a virtualização traz recursos suficientes para condensar mais máquinas em um único hardware; com a sobra (economia em licenciamento), atendemos várias demandas sem prejuízos de consumo, ganhamos agilidade e economizamos com os servidores”, destaca Eber.

Hoje o resultado do projeto de SAM permite à Catho não só estar compliance com as leis, mas também validar anualmente se a gestão de ativos tem evoluído e se mantido eficiente para o controle do parque de software.

Tags, , , , ,

Catho cria plataforma para ajudar recrutadores na busca por profissionais com deficiência

Atenta aos desafios com os quais os profissionais de recrutamento se deparam para contratar Pessoas com Deficiência (PcD), a Catho lança hoje uma nova opção para auxiliar empresas na busca por trabalhadores com esse perfil.

A Catho Empresas, unidade de negócios voltada ao segmento corporativo, passa agora a contar com planos criados especialmente para apoiar o recrutamento de Pessoas com Deficiência. Além do cumprimento da Lei de Cotas, a Catho vem reforçando a importância da diversidade na composição de equipes e os ganhos que empresas podem ter a partir disso.

Os planos que fazem parte da iniciativa variam de acordo com o número de vagas que ele pode publicar e também pela quantidade de créditos mensais que podem ser usados para visualizar informações do candidato, imprimir CVs, enviar mensagens, fazer convites para entrevistas e encaminhar o CV de candidatos PcD a outros recrutadores. Também a possibilidade de contratar um pacote ilimitado.

Desde março deste ano, a Catho liberou o uso gratuito de sua plataforma para Pessoas com Deficiência, possibilitando dessa maneira um incremento importante no número de profissionais com esse perfil cadastrados no site.

“Sabemos do número cada vez maior de PcD que buscam uma oportunidade de trabalho e também da dificuldade de empresas em encontrar esses profissionais. O objetivo da Catho é facilitar esse encontro encurtando o caminho entre esses dois elos”, afirma Luis Testa, diretor da Catho Empresas.

As informações sobre os planos da Catho Empresas para apoiar recrutadores na contratação de PcD estão disponíveis no site http://www.catho.com.br/empresas/pcd/.

De acordo com dados da Relação Anual de Informações (Rais) de 2014, somente 0,77% das vagas de emprego do país eram ocupadas por Pessoas com Deficiência. Em 2012 e 2013, esse percentual era de 0,70% e 0,73%, respectivamente. Apesar do aumento, porém, o indicador permanece distante da faixa de 2% a 5% prevista na Lei de Cotas.

Tags, , , ,

Catho participa de movimento para identificar startups mais inovadoras

Com o objetivo de estar em contato com novas ideias do mercado, a Catho – site líder em empregos do país – decidiu apoiar pela primeira vez o movimento 100 Open Startups. A iniciativa aproxima empresas novatas e grandes companhias e reconhece as 100 startups mais inovadoras do mundo.

“A conexão com empresas que estão chegando ao mercado é algo extremamente positivo para qualquer companhia já estabelecida e tenho certeza que poderá contribuir para o aumento da velocidade de inovação da Catho”, afirma Eduardo Thuler, CEO da Catho e representante da empresa no movimento 100 Open Startups.

O executivo explica que, durante o processo de avaliação, pretende olhar para todas as startups em áreas de atuação que possam interessar a Catho. “Há uma infinidade de novos modelos de negócios e é preciso estar atento àqueles que tem potencial de agregar valor à oferta da Catho”, diz o executivo.

O Movimento 100 Open Startups

O 100 Open Startups está com inscrições abertas para qualquer startup do Brasil e do mundo que queira participar de uma rede de conexão que envolve 120 grandes empresas do Brasil – o triplo do número de empresas no lançamento da edição do ano passado. Neste ano, são 20 desafios temáticos propostos pela rede de grandes empresas das mais diversas áreas. Além disso, o movimento sai do Brasil e chega também a outros países na América Latina, EUA, Europa e Ásia.

Para entrar para o movimento, a startup deve se inscrever e escolher o desafio que tem mais sinergia com sua solução e em qual “Capital da Inovação” do programa pretende se apresentar. O processo acontece em cinco etapas. Inicialmente, as avaliações das startups são feitas online pela rede de especialistas e executivos das grandes empresas que participam do movimento.

As propostas com mais combinações com executivos de grandes empresas são convidadas a participar de um pitch pessoalmente na capital escolhida – são 12 no Brasil e 9 no exterior.

As inscrições das startups devem ser feitas pelo site: http://www.openstartups.org.br/

Tags, , , , ,

5 em cada 10 profissionais pensam em abrir o próprio negócio após se aposentar, revela pesquisa Catho

Abrir o próprio negócio é uma das opções mais cogitadas pelos profissionais sobre o que fazer após encerrar suas atividades no mercado de trabalho. O dado é parte da Pesquisa dos Profissionais Brasileiros da Catho – que traça um panorama sobre a contratação, demissão e carreira dos profissionais do país. Veja abaixo a tabela completa com as principais atividades:

Planos após encerrar a carreira

Captura de Tela 2016-08-09 às 11.13.54

De acordo com dados da última pesquisa, que foi realizada em 2015, há um aumento na preferência por atuar como consultor independente, se comparado com 2014 (de 18,4% para 20,2%).

Do total de pessoas que participaram dessa edição da pesquisa, 15% pensam em trabalhar como autônomos, o que mostra que a preferência pela modalidade permaneceu igual, se comparado com dados de 2014.

Houve um pequeno aumento, entretanto, no percentual de pessoas que pretendem se aposentar e não trabalhar mais (de 6,8% para 7%). Apenas 1,60% dos entrevistados disseram que não pretendem fazer nada após encerrar a carreira, o que permaneceu igual se comparado à pesquisa de 2014.

Idade em que os profissionais pretendem se aposentar

A pesquisa revelou também a idade em que os profissionais pretendem deixar o mercado de trabalho. De acordo com o estudo, a faixa etária média em que a maior parte das pessoas pensa em se aposentar é dos 60 aos 69 anos de idade.

Em contraponto, 20,2% dos entrevistados afirmaram que pretendem parar de trabalhar com 75 anos ou mais, o que mostra uma pequena diferença com relação à pesquisa de 2014 (18,6%). Já, uma pequena parcela dos respondentes ( 4,1%) pensa em encerrar suas atividades antes dos 50 anos, o que em 2014 representava um percentual de 5,2%.

Pesquisa dos Profissionais Catho

A Pesquisa dos Profissionais Brasileiros – Um Panorama sobre a Contratação, Demissão e Carreira dos Profissionais é uma publicação da Catho, site de empregos líder no Brasil, desde 1988. Originalmente lançada a cada dois anos, passou a ser anual em 2013.

O levantamento de 2015 contou com 23.011 respondentes de todo o Brasil. Do total de respondentes, 54,2% estão empregados; sendo que 29,7% são de grandes empresas (com mais de 500 funcionários). A pesquisa foi feita no período de 13 de junho a 29 de julho de2015.

Tags, , ,

Catho fecha parceria para ampliar oferta de vagas de estágio

A Catho, site líder de empregos do país, e a Across, especializada em atração, seleção e desenvolvimento de talentos, fecharam uma parceria para a criação de uma nova plataforma de atração e seleção de estagiários. Chamada “Estágio 3.0”, a ferramenta poderá ser acessada gratuitamente a partir do site da Catho.

As vagas disponíveis no Estágio 3.0 serão de Programas de Estágio, que, em geral, duram entre um e dois anos e incluem um plano de desenvolvimento que ajude a formar o profissional. Para os candidatos, a gratuidade do serviço e a possibilidade de participar de diversos processos por meio de um único cadastro são as principais vantagens oferecidas pela plataforma.

Com apenas um cadastro, os estudantes já estarão aptos a participar de processos seletivos de estágio de diversas empresas. Já do ponto de vista das companhias, a principal vantagem do Estágio 3.0 é o acesso a um grande banco de talentos que pode ser utilizado à medida que surjam novas oportunidades, diminuindo o investimento das empresas e o esforço de recrutadores na captação de candidatos.

O Estágio 3.0 também tem o objetivo de tornar mais rápidas as seletivas para Programas de Estágio, fazendo com o que o tempo médio dos processos caia de 90 para cerca de 30 dias por meio da eliminação de etapas presenciais. Para isso, a plataforma dará aos recrutadores ferramentas online que possam ser utilizadas nas fases iniciais do processo, como vídeo-entrevistas e provas via internet. O link para que empresas possam acessar o Estágio 3.0 é www.catho.com.br/empresas/estagio

“O atual momento econômico tem reavivado o interesse de diversas empresas pela contratação de estagiários e queremos apoiá-las do início ao fim da busca por talentos que possam contribuir para o desenvolvimento dos negócios”, afirma Caio Infante, diretor de expansão da Catho. “Com isso, também estaremos cada vez mais próximos do início da vida profissional do brasileiro, auxiliando-o em todos as etapas da carreira”.

“Para nós, é uma grande satisfação lançar um produto único no mercado de atração e seleção de jovens talentos. O Estágio 3.0 une a expertise e tradição da Across em selecionar os melhores talentos com a competência e grandeza de volume de banco de dados de um dos maiores sites de empregos do mundo, a Catho”, afirma Kiko Campos, CEO da Across.

A união de Catho e Across nesse projeto atende à crescente demanda por qualidade, excelência e agilidade na atração e seleção de jovens talentos. “A morosidade nos processos de seleção é algo que prejudica tanto empresas quanto candidatos e queremos acabar com esse problema”, afirma Infante.

O nome Estágio 3.0 foi escolhido em alusão tanto à tecnologia da terceira geração da internet – o processo da plataforma é altamente tecnológico e digital – quanto ao prazo médio de 30 dias para a seleção do melhor candidato para as organizações que contratam o serviço.

Como funciona

– O candidato acessa o site da Catho, cadastra seu currículo e faz uma entrevista online (por vídeo)

– O candidato é avaliado pela equipe de consultores estratégicos da Across, que o colocará em um determinado perfil.

– As empresas solicitam candidatos e Across e Catho avaliam os inscritos que possuem o perfil desejado.

– Identificado o candidato com o melhor perfil para a vaga, ele é convidado para participar da penúltima etapa do processo seletivo, que é uma segunda entrevista online (por vídeo).

– Na última etapa, o candidato é convidado para uma entrevista final presencial na empresa.

Tags, , , , , ,

Catho divulga idiomas mais exigidos no mercado de trabalho brasileiro

Em um mercado cada vez mais competitivo, é crescente a procura por profissionais com conhecimento em outros idiomas além do português. Um levantamento realizado pela Catho, site de empregos líder do país, mostrou quais os idiomas mais exigidos pelo mercado de trabalho brasileiro. Depois do inglês e do espanhol, o francês lidera a lista, com 1.074 vagas.

Influenciado pelo número de empresas japonesas com atuação no país, entre elas montadoras de veículos e companhias de tecnologia, o japonês vem na sequência, com 160 oportunidades. Os outros idiomas que compõem a lista dos mais requisitados por empresas são o alemão, o italiano e o chinês.

Captura de Tela 2016-03-22 às 11.43.31

“Com o atual cenário econômico, os trabalhadores precisam se destacar ainda mais no mercado e uma boa alternativa é buscar um curso diferente. Hoje em dia só saber o inglês não é mais um diferencial. O profissional precisa sempre se atualizar para realmente conseguir se sobressair, daí a procura pelo francês ou chinês, por exemplo” afirma João Gonçalves, diretor de marketing e comercial B2C da Catho.

O levantamento feito pela Catho também identificou os idiomas mais falados pelos brasileiros, de acordo com as informações incluídas em currículos. O francês lidera a lista, após o inglês e o espanhol.

Já o italiano aparece em terceiro lugar. Na sequência vem o alemão, o japonês e o chinês, nessa ordem.

Captura de Tela 2016-03-22 às 11.44.15

Tags, , , ,

Catho aponta áreas que pagam os melhores salários

Nesta semana em que é lembrado o Dia do Trabalho, 1 de maio, a Catho preparou pesquisa sobre cargos e salários do mercado de trabalho brasileiro. O levantamento aponta um TOP 5 das áreas que melhor remuneram seus profissionais. Engenharia está no topo, seguida por Administração.

A pesquisa também apresenta as maiores variações salariais do último ano. A área comercial e de TI estão no topo do TOP 10. Segundo o head de estratégia e pesquisa da Catho, Luís Testa, estas são áreas que têm apresentado grande demanda nos últimos anos. “A área Comercial, que ocupa as duas primeiras posições do ranking, teve um aquecimento especial em função dos eventos que o Brasil vai sediar neste e nos próximos anos. Já TI, que está em terceiro, tem muita relação com a alta demanda por profissionais qualificados”, observa.

Pesquisa Salarial

A Catho, site de empregos líder no país, divulga a cada três meses uma atualização da Pesquisa Salarial e de Benefícios da Catho. Este recorte faz parte da 46ª edição que contou com mais de 233 mil respondentes em 2.154 cidades brasileiras.

Tags, , , , , , ,

Catho apresenta novo posicionamento B2C em campanha em vídeo

A garra e a determinação das pessoas na busca por melhores oportunidades profissionais inspiram o novo posicionamento do site líder de empregos no país: “Catho. Para quem busca mais”. Com campanha criada pela Wunderman, o novo conceito será apresentado em filme com veiculação nacional.

“Para chegarmos nesse posicionamento, a Wunderman e a Touch Branding realizaram uma série de pesquisas entre nossos usuários e assinantes. Com esse novo movimento de comunicação, queremos reforçar aos nossos candidatos que, mais do que uma vaga, aqui eles encontram um suporte para toda a carreira”, afirma Claus Vieira, CEO da Catho. Atualmente, a Catho contabiliza 6,6 milhões de currículos e mais de 300 mil vagas disponíveis, além de 800 contratações diárias.

Segundo Luiz Telles, diretor de grupo de contas da Wunderman, a agência vem desenvolvendo uma visão mais estratégica para a Catho, que contempla consistência e alinhamento entre as mídias on e off-line. “Essa campanha representa uma evolução no trabalho elaborado para alcançar os objetivos da marca”, completa.

No filme “Dia de Glória”, embalado pela música “Eye of the Tiger” – sucesso da banda americana Survivor e trilha dos filmes sobre o boxeador Rocky Balboa –, o personagem principal das cenas é “Pedro, um lutador”. Por meio da Catho e com o apoio da família, conquista um emprego novo, depois de viver algumas experiências rumo à entrevista; no final, após alcançar a “vitória”, o personagem sobe no topo de uma escadaria para comemorar. Assista ao filme completo aqui: http://youtu.be/h5FeVHLgmqs .A campanha ganhará desdobramentos em digital e nas redes sociais da marca.

“Traçamos um paralelo entre o profissional e um lutador de sucesso porque é isso o que de fato ele é: alguém que batalha por uma oportunidade, encara esse desafio como forma de alcançar uma vida melhor e conquista”, completa Paulo Sanna, vice-presidente de Criação da Wunderman.

A criação do filme é de Paulo Sanna, Adriano Abdalla, João Paulo Martins e Paulo Vasconcellos. A produtora é a Academia de Filmes.

Tags, , , ,