Tag carros conectados

Concentrix lidera em tecnologia para carros conectados

A Concentrix, multinacional especializada em soluções de outsourcing, é líder mundial na indústria e em serviços para carros conectados, que são veículos com conexão à internet que permitem ao fabricante e motorista se comunicarem com o carro. A companhia desenvolveu uma solução completa (Turn-Key) que suporta hoje uma quantidade de veículos superior a qualquer outra empresa global e atende clientes na América do Norte, América do Sul, Europa e Ásia.

“No mercado norte-americano, atendemos 80% dos carros conectados e a maioria dos veículos no México e Europa. No Brasil, o serviço já está disponível e acreditamos que existe um grande potencial a ser explorado”, diz Daniel Moretto, country manager da Concentrix no Brasil.

Com essa tecnologia, é possível se comunicar com o veículo para acessar características ou serviços específicos. Por exemplo, um carro com essa ferramenta conta com aviso de acidente automático, assistência em rodovias, monitoramento de roubo, agendamento de manutenção e atualização remota, alerta de área restrita, alerta de Valet, envio de endereço para o veículo, opção de encontrar amigos e postos de combustível mais próximos, e outras funcionalidades como Opt-In Financiamento (localizar, destravar e ligar) e Opt-In Seguro (quilometragem e dados de uso). Adicionalmente, a solução também pode ser utilizada por concessionárias e empresas de aluguel de carros, com o recurso Manutenção de Frotas, trazendo melhor visibilidade de gestão e localização de veículos.

Muitos fabricantes também estão combinando seus esforços em carros conectados juntos aos principais grupos de tecnologia, como Google, Apple e Microsoft, para continuar inovando com o objetivo de implantar integrações envolvendo a vida dentro e fora dos veículos. Hoje, motoristas já podem ouvir ou ditar mensagens de SMS ou e-mail enquanto estão dirigindo por meio dos comandos de voz dos carros.

A comercialização dessa solução inovadora da Concentrix é feita diretamente para as montadoras, que realizam a instalação do dispositivo nos veículos, integrando-o às principais funcionalidades do próprio carro. A empresa também oferece tecnologia de captura e uso inteligente dos dados originados por meio do dispositivo instalado.

Além disso, a liderança da Concentrix nesse mercado também se dá pela sua ferramenta de Gestão de Assinantes, que gerencia todas as aplicações das concessionárias, desde a venda e cancelamento da assinatura até o processamento de pagamentos. Através dessa plataforma, a companhia ainda provê diversos recursos de marketing, que incorporam treinamento das concessionárias, e-mail marketing e relatórios de manutenção dos veículos.

Benefícios dos carros conectados

À medida que os carros conectados se tornarem mais integrados com a tecnologia de Internet das Coisas (IoT – Internet of Things), os motoristas terão a oportunidade de melhorar as experiências do seu dia a dia diretamente do veículo. Atualmente, um dos maiores impactos para os proprietários é o quesito segurança, além da conveniência de ter todos os serviços na palma da mão (ou por controle de voz). O Instituto Gartner, inclusive, reportou recentemente que 70% dos compradores estão considerando que os serviços de telemática são fatores decisivos para a aquisição de um veículo.

“A possibilidade de acionar serviços de emergência automaticamente é um suporte revolucionário. Em casos de acidentes mais graves, cada segundo conta para a vida dos passageiros, e a ligação automática junto com o sistema integrado de GPS já está salvando um incontável número de vidas”, comenta Moretto.

Os carros conectados também estão reduzindo os gastos com veículos para os proprietários, já que com os relatórios mensais de status do veículo, os serviços de manutenção podem ser executados antes mesmo de uma mudança de desempenho. Além disso, a contratação de seguro também sai mais em conta, uma vez que conhecendo melhor o perfil de uso do motorista, a seguradora pode apresentar propostas mais aderentes a cada cliente. Já do lado das concessionárias, a solução trouxe aumento de receita, pois agora os motoristas mantêm os carros atualizados, enquanto o fabricante reduz o número de recalls e agenda serviços de manutenção antes da falha de algum componente.

No médio prazo, motoristas com carros conectados terão veículos com maior e melhor ciclo de vida, além de potencializar a experiência de uso das interfaces homem/máquina, que sempre serão melhoradas e amplificadas. Já no longo prazo, a perspectiva é que essa experiência esteja presente em todos os tipos de transporte, bem como fora dos veículos, permitindo aplicações personalizadas em wearables e muitos outros dispositivos.

“Olhando para a frente, é uma aposta segura que quase todos os carros, independentemente do custo ou da marca, terão alguma forma de conectividade. Os benefícios para todas as partes são bons demais para essa solução não ser disponibilizada, e os consumidores vão demandar. Ou seja, o futuro realmente será sobre a criação de uma experiência humana conectada em todos os momentos”, finaliza Moretto.

Tags, ,

Vivo e Huawei inauguram laboratório de IoT para testar e desenvolver novas aplicações ao mercado

A Vivo amplia seu escopo de atuação no segmento de Internet das Coisas e inaugura um laboratório de inovação (Open IoT Lab) com foco no desenvolvimento de aplicações fim-a-fim com tecnologia de Internet das Coisas (NB-IoT). Com base em características de baixo consumo de energia, melhor cobertura e a possibilidade de conectar um grande número de objetos, a tecnologia NB-IoT é a próxima tendência importante para a indústria de comunicações e está no centro da estratégia de negócio da Vivo, especialmente no segmento B2B. A implementação do Open IoT Lab conta com a parceria e apoio da Huawei.

O Open IoT Lab, sediado na cidade do Rio de Janeiro, tem como principal objetivo impulsionar e garantir um ecossistema amplo de parceiros para oferecer ao mercado as melhores soluções comerciais em IoT e contribuir para a criação de um mercado local no País. Esses parceiros também terão acesso antecipado aos novos serviços e soluções combinando os recursos e capacidades da Huawei com os recursos e conhecimentos do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Vivo – onde será instalado o Open IoT Lab – e contará com diversos parceiros, como Ublox e Quectel – que desenvolvem módulos de conectividade – e a C.A.S Tecnologia – que desenvolve soluções no mercado energético, além de outros parceiros.

“A Internet das Coisas está no centro da estratégia de negócio da Vivo, que já tem a liderança no mercado M2M com quase 40% de market share. Nosso objetivo é complementar o portfólio B2B com soluções IoT com serviços de conectividade, Big Data e novas plataformas. A parceria com a Huawei acelerará o desenvolvimento dessas novas aplicações e estimulará sinergias industriais com outros parceiros, antecipando e acrescentando mais funcionalidade e inteligência na concepção de novas soluções e serviços”, explica o vice-presidente de B2B da Vivo, Alex Salgado.

“A cooperação estratégica com a Vivo na maturação de um ecossistema tecnológico com a utilização do NB-IoT é fundamental para o desenvolvimento de indústrias locais”, explica o CTO da Huawei do Brasil, Taoyuan Zhou.

O acordo representa um avanço para a evolução das redes móveis em direção ao IoT – um mercado em ascensão, que deverá atingir quase 15 bilhões de conexões em 2020, de acordo com projeções da Machina Research. A Vivo já atua em mercados tradicionais, como o de meios de pagamento, rastreamento e de segurança, e também em novas frentes, como utilities, cidades inteligentes, vending machines, carros conectados, medição de audiência de TV, painéis eletrônicos de publicidade e até de carro compartilhado.

Tags, , , , , , ,

BMW Group, Intel e Mobileye terão veículos autônomos em teste nas ruas no segundo semestre de 2017

BMW Group, Intel e Mobileye anunciaram hoje, durante a CES 2017, que uma frota de aproximadamente 40 veículos autônomos da BMW estará nas ruas até o segundo semestre de 2017, demonstrando os significativos avanços alcançados pelas três empresas rumo à condução totalmente autônoma. As empresas ainda explicaram que o BMW Série 7 empregará tecnologias de ponta de Intel e Mobileye durante os testes globais, começando nos EUA e Europa.

Este anúncio é continuidade da parceria que foi anunciada em julho do ano passado. As empresas desenvolveram uma arquitetura escalável que pode ser adotada por outros desenvolvedores automotivos e fabricantes de carros para realizar projetos em estado da arte e criar marcas diferenciadas. As ofertas variam dos principais módulos individuais integrados à uma completa solução fim a fim que fornece uma ampla gama de experiências diferenciadas para os consumidores.

“Transformar a condução autônoma em realidade é a ambição compartilhada por trás da nossa cooperação com Intel e Mobileye. Esta parceria conta com todas as habilidades e talentos necessários para superar os enormes desafios tecnológicos que teremos pela frente, bem como para a comercialização de veículos autoconduzidos. Por isso, já estamos pensando em termos de escalabilidade e em dar as boas-vindas para outras empresas – fabricantes, fornecedores ou empresas de tecnologia – para participar e contribuir para a nossa plataforma autônoma. Este ano, a nossa frota de veículos já testará esta tecnologia conjunta globalmente sob condições reais de trânsito. Este é um significativo passo adiante rumo ao lançamento do BMW iNEXT em 2021, que será o primeiro veículo totalmente autônomo do BMW Group”, declarou Klaus Fröhlich, Membro do Conselho Administrativo do BMW AG para Desenvolvimento.

“Do ponto de vista da indústria, já observamos economia, com o compartilhamento de custos, e produtividade com a aceleração do desenvolvimento de uma plataforma completamente autônoma. O sistema automotivo na nuvem terá um comportamento consistente e previsível e está validado para o mais alto nível de segurança”, disse o CEO da Intel, Brian Krzanich. “É por isso que esta parceria está inovando. Criamos uma equipe dedicada com objetivos claros e compartilhados, além de uma cultura de inovação, agilidade e responsabilidade”.

“Ao longo dos últimos seis meses, tivemos um ótimo progresso no projeto de uma solução em estado da arte para a condução autônoma tanto em estradas, quanto em áreas urbanas. A solução foi definida de uma maneira escalável para permitir que os fabricantes de carros afiliados atendam seus requisitos únicos”, disse o Cofundador, Chairman e CTO da Mobileye, o Professor Amnon Shashua.

Como parte dessa parceria, o BMW Group será responsável pelo controle e dinâmica da condução e avaliação da segurança funcional geral, incluindo a configuração de um mecanismo de simulação de alto desempenho, a integração geral de componentes, a produção de protótipos e, eventualmente, a ampliação da plataforma por meio dos parceiros de implantação.

A Intel traz para esta parceria elementos da computação de alto desempenho que abrangem do veículo ao data center. A recém lançada solução Intel® GO™ para a condução autônoma oferece processador e tecnologias FPGA de classe mundial para o equilíbrio mais eficiente de desempenho e poder, ao mesmo tempo em que atende os exigentes requisitos de temperatura e segurança da indústria automotiva. Dentro do carro, a solução Intel GO oferece uma plataforma computacional e de desenvolvimento escalável para funções críticas, incluindo união de sensores, política de condução, modelagem do ambiente, planejamento do caminho e tomada de decisões. No data center, a Intel GO oferece uma ampla gama de tecnologias que variam dos processadores de alto desempenho Intel® Xeon® aos FPGAs Intel® Arria® 10, aos Intel® Solid State Drives e à plataforma Intel® Nervana™ para inteligência artificial, que fornece um mecanismo poderoso, treinamento em aprendizagem profunda e a infraestrutura de simulação necessários para a indústria de condução autônoma.

A Mobileye contribui com o seu processador de visão computacional de alto desempenho EyeQ®5 proprietário, que oferece segurança funcional automotiva e desempenho com baixo consumo de energia. O EyeQ®5 é responsável pelo processamento e interpretação da entrada dos sensores de visão do entorno em 360 graus, bem como a localização. O EyeQ®5, em conjunto com as tecnologias de CPU e FPGA da Intel, forma a Plataforma Computacional Central que será integrada em cada veículo autônomo.

A Mobileye colaborará ainda mais com o BMW Group para desenvolver uma solução de união de sensores, criando um modelo completo do ambiente que cerca o veículo, usando dados de entrada dos sensores de visão, radar convencional e a laser. Além disso, estabelece uma política de condução, incluindo os algoritmos de reforço do aprendizado da Mobileye usados para dotar o sistema do veículo com a Inteligência artificial necessária para negociar com segurança situações complexas de condução.

Para fomentar ainda mais o desenvolvimento da plataforma autônoma, a parceria planeja lançar amostras de hardware e atualizações de software nos próximos anos. O modelo iNEXT da BMW, que será lançado em 2021, será a base da estratégia de condução autônoma do BMW Group. Depois deste veículo, uma gama de modelos altamente automatizados de todas as marcas do BMW Group será lançada.

Tags, , , , , ,

Tecnologia da Atos permite carros conectados 24 horas por dia

A Atos, líder internacional em serviços digitais, em parceria com pesquisadores da Universidade de Paris Marie Curie, apresenta uma tecnologia que pode revolucionar o mercado dos veículos conectados. O projeto, chamado “Car-Fi”, consiste em manter carros, ônibus e caminhões em movimento online o tempo todo, sem interrupções de sinal, nem a necessidade de uso de redes 3G ou 4G.

A tecnologia já está sendo testada nas ruas do Reino Unido e se baseia nos pontos de acesso Wi-Fi já existentes. A ideia é de que o veículo utilize duas redes Wi-Fi: uma conectada e outra pesquisando o próximo ponto de acesso livre antes de mudar de conexão. Esse serviço descarta a necessidade de usar redes 3G ou 4G.

A expectativa é que a novidade tenha os usos mais diversos, incluindo o suporte à atuação de policiais e militares, entretenimento para os passageiros no banco traseiro dos carros e até mesmo aos futuros carros autônomos.

Sucesso nos testes

Os testes estão em fase avançada e demonstrações reais do serviço já foram conduzidas. Clientes da Atos foram guiados pela cidade de Londres em um carro 100% conectado.

A equipe que conduziu os testes foi capaz de fornecer transmissão, sem falhas, nos aplicativos YouTube e Periscope e em outros serviços de Internet aos quais dificilmente seria possível se conectar dessa forma com o veículo em movimento.

“Os desafios atuais para a conectividade de veículos são o custo e a espera da conexão, tempo no qual você já saiu do lugar. Uma conexão Wi-Fi usual leva aproximadamente 14 segundos para se concretizar. Já o Car-Fi reduz esse prazo para cerca de 1 segundo”, explica Gerry Sheridan, vice-presidente de Managed Services da Atos no Reino Unido e na Irlanda.

O serviço é configurável para favorecer conexões de baixo custo ou de alta qualidade, conforme a preferência.

*A pesquisa com a Universidade de Paris Marie Curie é feita em conjunto com a Atos e a Renault.

Tags, , , ,

Carros ‘digitais’ podem salvar receitas da indústria automotiva

A indústria automotiva passa por um momento crucial em sua história, que não tem nenhuma relação com a crise do setor no Brasil. Assim como outros segmentos, as montadoras de veículos se encontram em meio a um processo de transformação que tem as tecnologias digitais como origem. Apenas aquelas que forem bem-sucedidas em se reinventar conseguirão se manter relevantes e sustentar suas receitas, diz a consultoria McKinsey & Company.

O principal desafio para as fabricantes de veículos nos próximos anos será criar produtos e serviços que sustentem suas receitas ao mesmo tempo que reduzem custos para si próprias e para o próprio consumidor. Só assim poderão navegar um mundo em que as prioridades das pessoas em relação a mobilidade estão rapidamente mudando e a competição aumentando.

Segundo a McKinsey, carros digitais abrem três novas avenidas de receita para as montadoras. A primeira é a venda de produtos e serviços diretamente para o dono do veículo, na forma de pacotes de atualização de mapas online, streaming de áudio e mesmo serviços de concierge. A segunda avenida é a venda de dados digitais em grandes volumes (big data) a outras companhias, como seguradoras e varejistas, que podem analisar essas informações para adequar seus produtos e serviços. Em terceiro lugar, há a possibilidade de usar os canais digitais integrados ao carro para viabilizar publicidade direcionada ao motorista – como promoções nas concessionárias locais e de empresas de produtos e serviços para o carro.

Os carros ‘digitais’ também apresentam enormes oportunidades de redução de custos tanto para a montadora quanto para o usuário, segundo a McKinsey. Para a indústria, a análise remota de dados capturados por sensores nos carros digitais permite reduzir gastos com pesquisa e desenvolvimento e com materiais, monitorando tanto o comportamento de diferentes partes do carro como o estilo de condução, que pode ajudar na criação de sistemas para gerenciamento de combustíveis. Para o motorista, os dados produzidos por seu carro podem ajudar a reduzir custos com seguro, dado seu perfil de uso, além de informar sobre a necessidade de manutenção antes de uma quebra e sugerir formas de otimizar os padrões de condução para reduzir o consumo de combustíveis.

Segundo a McKinsey, hoje 65% das vendas de carros começam no ambiente digital, com o consumidor pesquisando as características e funcionalidades de modelos diferentes e comparando preços. Esse percentual deve chegar a 80% em 2022.

Na próxima quarta-feira, 19 de outubro, ocorre em São Paulo a McKinsey Digital Conference, em que temas como esse e outros ligados à transformação digital serão discutidos por especialistas da consultoria e clientes.

Tags, , , ,

Audi connect conquista prêmio “Golden Computer 2016” na Alemanha

view.aspx

Pela segunda vez, leitores da revista Computer Bild honraram o Audi connect como o melhor pacote de conectividade na indústria automotiva. Na prestigiada competição “Golden Computer”, os votos colocaram o sistema da Audi em primeiro lugar na categoria “carro conectado”.

O cobiçado troféu “Golden Computer 2016” recebido pela Audi confirma a resposta bastante positiva dos leitores em relação às tecnologias de conectividade da marca. Marcus Keith, Chefe de Desenvolvimento de Sistemas Operacionais e Displays da AUDI AG, afirmou: “Esse prêmio dos leitores da Computer Bild é um reconhecimento dos muitos anos de comprometimento da marca na área de sistemas operacionais e conectividade veicular. Nossos clientes se impressionam pelo conforto e pela funcionalidade oferecidos pelo SIM card permanentemente integrado para o uso de serviços conectados e pelo Audi Virtual Cockpit no A4. O ‘Golden Computer’ nos impulsiona ainda mais na nossa busca por resultados melhores em desenvolvimento eletrônico”.

Audi connect foi mais uma vez o vencedor do “Golden Computer” na categoria carro conectado. A cerimônia de premiação foi realizada na editora Axel Springer SE em Berlim.

Com o Audi connect, a montadora premium baseada em Ingolstadt combina todas as tecnologias e aplicações que conectam seus modelos ao condutor, a outros motoristas nas ruas, a internet e a toda infraestrutura.

Neste ano a competição “Golden Computer” foi realizada pela 16ª vez. E as tecnologias na categoria carro conectado foram avaliadas pela segunda vez. Os leitores votaram em 13 categorias, não apenas para tecnologias de software e hardware, mas também para serviços.

Tags, , , , , , , ,

Indústria automotiva crescerá 2% ao ano com carros autônomos e elétricos, diz McKinsey

A inovação tecnológica, aliada à mudança no comportamento dos consumidores, levarão ao surgimento de novas fontes de receita para o setor automotivo nos próximos 15 anos. Estudo da McKinsey & Company mostra que as categorias de empresa que surgirão para suprir demandas em áreas praticamente inexistentes movimentarão US$ 1,5 trilhão até 2030 – o que elevará os ganhos de toda a cadeia automotiva em 30%.

O uso compartilhado de veículos sustentará o crescimento da indústria, a uma taxa de 2% até 2030, mais do que compensando as quedas esperadas nas vendas de automóveis. O estudo “Automotive revolution – Perspective towards 2030 – How the convergence of disruptive technology-driven trends could transform the auto industry” mostra que, até lá, um em cada 10 carros vendidos serão para uso compartilhado e 15% deles serão de condução autônoma.

Além da mobilidade compartilhada, a eletrificação, a conectividade, os serviços via aplicativos e o upgrade de sistemas originais dos veículos se tornarão fontes de receita em potencial para empresas que já integram a cadeia automotiva e novas entrantes.

Outro destaque será a mudança na relação entre empresas nativas do setor e recém-chegadas, passando de competidores para parceiros na oferta de soluções alternativas.

Empresas que encarem a mobilidade como serviço ampliarão a indústria voltada ao transporte individual e forçarão as mudanças de um setor há muito estagnado em termos de expansão. Nos últimos 15 anos, apenas duas novas fabricantes de carro entraram na lista das 15 maiores do mundo, enquanto, no mesmo período, 10 operadores de serviços eletrônicos chegaram ao topo de seu mercado.

As tradicionais montadoras serão obrigadas a dividir receitas com modelos completamente diferentes, como os de caronas e carros compartilhados e os de “acenos virtuais”, disputando espaço até com gigantes de tecnologia. O cenário, ainda que difícil, trará seus benefícios: o crescimento da receita com mobilidade individual vai acelerar a partir de 2030. O desafio será navegar num ambiente muito mais pulverizado.

Tags, , , , , ,

Ford investe em desenvolvimento de software baseado na nuvem

view.aspx

A Ford anunciou um investimento na Pivotal, empresa especializada em plataforma de software baseada na nuvem, com sede em San Francisco, EUA. O objetivo é aumentar a sua capacidade de desenvolvimento de programas e trazer inovações de forma mais rápida para os consumidores.

Com aplicação de US$182,2 milhões na Pivotal, a Ford quer acelerar sua transformação em uma empresa automotiva e de mobilidade, sem perder o foco no seu negócio principal: projetar, fabricar, vender, financiar e fornecer serviços para carros, utilitários, picapes, caminhões e veículos elétricos. Ao mesmo tempo, pretende buscar novas oportunidades com o Ford Smart Mobility – plano da empresa para ser líder em conectividade, mobilidade, veículos autônomos, experiência do consumidor e análise de dados.

“A expansão do nosso negócio para sermos uma empresa automotiva e de mobilidade requer experiência de ponta em software para oferecer experiências surpreendentes aos consumidores”, diz Mark Fields, presidente da Ford mundial. “O investimento na Pivotal vai fortalecer nossa capacidade de levar aos consumidores experiências na velocidade do Vale do Silício, incluindo a expansão contínua do FordPass – nossa plataforma digital, física e pessoal de experiência de mobilidade”.

FordPass

A Ford e a Pivotal atuaram juntas na criação do FordPass, lançada no mês passado nos EUA. A plataforma oferece novos serviços aos consumidores, como acesso remoto ao veículo por aplicativo de smartphones e soluções de mobilidade como estacionamento e carros compartilhados. Inovando e interagindo rapidamente, a Pivotal e os engenheiros da Ford trabalham para criar novas experiências para os membros do FordPass.

A partir desse relacionamento, a Ford quer acelerar a incorporação das metodologias avançadas de desenvolvimento de software da Pivotal nos seus times de tecnologia da informação, desenvolvimento do produto, pesquisa e engenharia avançada.

Softwares

As metodologias avançadas da Pivotal ampliam a capacidade de software da Ford, já muito robusta, aplicada nos motores EcoBoost, no sistema de conectividade SYNC 3 e nas tecnologias de assistência ao motorista, como o estacionamento automático.

O software desempenha um papel crescente nos novos veículos. A nova F-150, por exemplo, traz mais de 150 milhões de linhas de código, enquanto um smartphone tem em média 12 milhões. Cada vez mais, os engenheiros usam softwares para o controle preciso do desempenho do veículo, como a calibração do motor e da transmissão, e para melhorar a experiência de conectividade.

O software é, de fato, o segredo da economia de combustível do motor EcoBoost. Com ele, os engenheiros podem otimizar o uso de cada gota de combustível, em nível molecular. Grande parte das 275 patentes que a Ford gerou com a tecnologia EcoBoost – além de outras 200 pendentes – estão associadas a controle de software e calibração.

Tags, , , , , ,

Daimler Trucks avança na conectividade de caminhões via internet

view.aspx

120 anos depois da invenção do caminhão, a Daimler Trucks traz o veículo agora para a Internet. Ao destacar esse avanço na IAA (Feira Internacional de Veículos Comerciais) de 2016, a fabricante líder mundial de caminhões irá demonstrar sua vanguarda tecnológica no campo da conectividade. Ao mesmo tempo, sistematicamente vem consolidando sua liderança mundial quanto a veículos conectados – cerca de 365.000 caminhões Daimler no mundo todo já estão conectados por meio dos sistemas da FleetBoard e do Detroit Connect – mais do que qualquer outro fabricante pode oferecer.

A Daimler Trucks está impulsionando a conectividade sistemática de seus veículos frente a todas as partes envolvidas no processo de logística e transporte. O caminhão totalmente conectado inicia uma mudança radical no mercado, que tornará o transporte rodoviário de carga ainda mais eficaz e eficiente – não somente para os motoristas, transportadoras e fabricantes de veículos, mas para a sociedade como um todo.

Desde 2013, a conectividade é um ponto já estabelecido da estratégia corporativa da Daimler Trucks. Nesse sentido, nos próximos cinco anos, ela investirá cerca de meio bilhão de Euros na conexão de seus caminhões e na criação de novos serviços e soluções digitais. A partir da edição 2016 do IAA (Feira Internacional de Veículos Comerciais), o Grupo acrescentará continuamente novas opções aos seus já amplos serviços de telemática e tornará suas plataformas acessíveis a terceiros. Já estabeleceu também a estrutura para as transformações digitais dos negócios de caminhões, bem como, processos correspondentes em todas as suas unidades de negócios.

No dia 21 de março, na rodovia A52, nas proximidades de Düsseldorf, na Alemanha, a Daimler Trucks apresentou um exemplo impressionante das possibilidades abertas pela conexão digital de veículos comerciais. Três caminhões de condução autônoma, conectados por WiFi e com autorização para estradas públicas, circularam em comboio. Uma combinação como essa pode reduzir o consumo de combustível em até 7%, com a necessidade de espaço na rodovia caindo quase à metade – enquanto, ao mesmo tempo, melhora a segurança no trânsito. Com base no sistema Highway Pilot da Daimler Trucks para caminhões pesados de condução autônoma, os três caminhões se interligam, formando um comboio de aerodinâmica otimizada, totalmente automatizado. O Grupo chama esse desenvolvimento de sistema avançado de Highway Pilot Connect.

Dr. Wolfgang Bernhard: “Estamos criando uma nova rede de logística, altamente eficiente e aberta”
O Dr. Wolfgang Bernhard, membro do Board da Daimler AG e responsável pela Daimler Trucks & Buses, explica: “Estamos conectando o caminhão com a Internet – vamos torná-lo o principal elemento de dados da rede de logística. O veículo irá conectar todos os envolvidos com o transporte: motoristas, programadores, frotistas, oficinas, fabricantes e seguradoras ou autoridades. Eles recebem as informações em tempo real: condições do cavalo mecânico e do semirreboque, do trânsito e das condições do tempo, disponibilidade de vagas de estacionamento em postos de serviço das estradas, áreas de descanso e muito mais”.

De acordo com o executivo, os caminhões da Daimler Trucks se conectam totalmente com seu meio ambiente, via Internet, enviando e recebendo informações continuamente. “Todos os envolvidos no processo de logística podem utilizar os dados em tempo real, de acordo com suas necessidades. No futuro, será possível, por exemplo, reduzir os tempos de espera enquanto ocorrem as operações de carga e descarga do veículo, diminuir a burocracia e evitar os congestionamentos. Com atualizações por download, o tempo de entrada de caminhões que estão indo para a oficina pode ser significativamente reduzido. Desse modo, melhoramos consideravelmente o desempenho do transporte de carga como um todo. Esta é uma enorme oportunidade para enfrentar inteligentemente o volume crescente de tráfego de bens. Pretendemos aproveitá-la”, diz ele.

De acordo com Jeremy Rifkin, escritor, sociólogo e futurólogo, “hoje, a Daimler está fornecendo as bases da terceira revolução industrial. Na era da Internet of Things (Internet das Coisas), todas as ferramentas e maquinário serão equipados com sensores que constantemente fornecem um fluxo de informações em tempo real. Isso mudará fundamentalmente a maneira como fazemos negócios. A “Internet das Coisas” está oferecendo oportunidades completamente novas”, ressalta Jeremy Rifkin.

400 sensores do caminhão Daimler registram dados de todos os tipos

No mundo todo, o transporte de carga é pré-requisito para o crescimento econômico. Porém, para que isso continue a ser incrementado no futuro, soluções inovadoras são necessárias para que possamos evitar uma paralisação das redes de tráfego. Uma abordagem central é conectar totalmente em rede o veículo com a “Internet das Coisas”. Os caminhões inteligentes da Daimler têm potencial para mudar radicalmente o transporte rodoviário de carga nos próximos anos. Hoje, eles já geram valiosas informações em uma medida anteriormente inimaginável: são cerca de 400 sensores por veículo, totalmente conectados por um software que inclui 130 milhões de linhas de código – mais do que um avião a jato.

“Dados em tempo real são essenciais para a logística eficiente – e nossos caminhões fornecem esses dados”, diz o Dr. Wolfgang Bernhard. “Portanto, estamos investindo cerca de meio bilhão de Euros até 2020 para conectar nossos caminhões com seu ambiente e desenvolver aplicações novas e específicas. Isso melhorará o desempenho de nossos clientes para que eles executem seus negócios de maneira mais segura e ambientalmente mais amigável. Assim, o FleetBoard e o Detroit Connect irão contribuir consideravelmente para alavancar o potencial anteriormente não utilizado nos transportes rodoviários – tanto nos mercados altamente desenvolvidos da Tríade, quanto nas economias emergentes da África, Ásia e América Latina”.

365.000 veículos comerciais da Daimler já conectados

O grande volume de dados que um caminhão consegue enviar e receber cria possibilidades completamente novas para todo o setor de logística e para a sociedade. Anteriormente, áreas diferentes do sistema de logística eram conectadas de maneira inadequada. Algumas informações estavam sempre faltando ou não faziam parte da rede. Na Europa, por exemplo, cerca de 25% de toda a quilometragem dos caminhões ainda são feitas com veículos vazios. Com novas unidades centrais de liberação de carga, baseadas em dados obtidos de caminhões conectados, os negócios de logística conseguirão, no futuro, utilizar a capacidade dos veículos de uma forma muito melhor, reduzindo assim as viagens com carroçaria vazia.

Outro exemplo interessante: em 2015, os usuários das estradas alemãs enfrentaram cerca de 568.000 congestionamentos, o que se compara a um comprimento total de 1,1 milhão de quilômetros – com o consequente aumento no consumo de combustível e das emissões de CO2. No futuro, com a disponibilidade e intercâmbio de dados do trânsito em tempo real, os caminhões com sensores inteligentes evitarão colisões traseiras e poderão desviar de congestionamentos. Além disso, os tempos de paralisação dos veículos poderão ser reduzidos se o próprio caminhão reportar uma falha com suficiente antecedência e o pessoal de socorro puder agendar um serviço rapidamente.
O FleetBoard é líder em serviços de telemática de caminhões há 15 anos – no futuro, ele será o núcleo da nova unidade da Digital Solutions & Services

A conectividade não é um novo território para a Daimler Trucks. A sua subsidiária FleetBoard estabelece padrões de telemática para a Mercedes-Benz desde o ano 2000, posicionando-se entre as provedoras mais bem sucedidas e inovadoras do mundo.

A FleetBoard coleta ampla variedade de dados sobre situação, viagem e posição do veículo e os envia à matriz por meio de telefonia celular. O sistema oferece uma série de serviços para gerenciamento de frotas, dos pedidos e dos motoristas, que podem ser customizados e adequados às especificações de cada cliente. Atualmente, há cerca de 180.000 veículos com serviços da FleetBoard em operação em cerca de 6.000 clientes. E ele não conecta somente veículos da Mercedes-Benz – modelos de outras marcas também podem ser atendidos a qualquer tempo, sendo facilmente integrados ao sistema de gerenciamento da logística. Isso significa que mesmo empresas com frotas mistas podem rastrear qualquer um de seus veículos o tempo todo.

“Quando o primeiro iPhone foi introduzido, em novembro de 2007, nossos clientes já estavam utilizando o FleetBoard por sete anos. Por mais de 15 anos, eles já conseguiam controlar suas frotas e administrar com eficiência seus motoristas, tanto dos caminhões Mercedes-Benz, como os de outros fabricantes. Ninguém tem mais experiência nesse campo do que a nossa Empresa”, destaca Stefan Buchner, presidente mundial da Mercedes-Benz Trucks.

Para garantir que a Empresa continue à frente no desenvolvimento de soluções digitais relacionadas a caminhões conectados, em 1º de abril deste ano a Mercedes-Benz estabelecerá a nova unidade Digital Solutions & Services, chefiada pela Dr. Daniela Gerd Tom Markotten, que tem muitos anos de experiência no campo da TI de suporte à telemática de veículos. Esta unidade, que também tem a FleetBoard GmbH como núcleo, dirigirá todas as atividades relativas aos aplicativos digitais para os veículos comerciais Mercedes-Benz – em estreita colaboração com outras divisões da Empresa. A meta é também estabelecer as condições organizacionais para o desenvolvimento de inovações digitais nesse campo altamente dinâmico. Enquanto se leva, em média, cerca de nove anos para desenvolver um novo caminhão, são necessários alguns meses apenas para programar o software de uso dos dados em tempo real a partir de um caminhão.

185.000 veículos conectados na América do Norte via Detroit Connect

No importante mercado de veículos comerciais da América do Norte, a Daimler Trucks está impulsionando suas atividades no campo de serviços conectados, por meio da parceria estratégica com a Zonar Systems Inc. Já desde 2015, essa parceria foi fortalecida pela aquisição de participação acionária minoritária na Zonar pela subsidiária americana Daimler Trucks North America (DTNA).

A Zonar Systems é uma das provedoras líderes em soluções de logística, telemática e conectividade do mercado norte-americano. A DTNA e a Zonar já vêm operando em conjunto, na área de caminhões conectados, há um bom tempo. Em 2011, lançaram o sistema de diagnóstico remoto “Virtual Technician” (Técnico Virtual) e a solução global Detroit Connect.

O Detroit Connect é a primeira solução de telemática nos EUA e no Canadá capaz de determinar a causa de falhas relatadas por mensagens durante a viagem. Os clientes e motoristas de mais de 185.000 veículos já cobriram bilhões de quilômetros com essa solução da Daimler Trucks.

Quando uma mensagem surge no interior da cabina, o Técnico Virtual, que é componente do Detroit Connect, envia um relatório em tempo real sobre as condições técnicas do veículo para a Central de Atendimento ao Cliente da Detroit. Ali os dados são analisados dentro de um curto prazo. Assim, o operador do veículo recebe uma recomendação, por e-mail, de que medida deve tomar, ou seja, se o motorista deve parar em uma oficina de imediato ou se pode tomar providências quando o trabalho em execução tiver sido concluído.

Atuando em conjunto com o Técnico Virtual, a central terrestre de gerenciamento de frota da Zonar torna possível que o operador da frota monitore a localização exata, velocidade ou consumo de combustível de um caminhão ou de uma frota inteira, a qualquer tempo. O tablet de comunicação móvel da Zonar facilita o monitoramento das horas de serviço, mantém motoristas informados por meio de mensagens de texto ou de voz, otimiza a elaboração da documentação de inspeções pré e pós viagens e fornece navegação avançada.

Comboio de caminhões autônomos reduz o consumo de combustível e as emissões de CO2

Com a estreia mundial do sistema Highway Pilot Connect (piloto automático rodoviário conectado) – no dia 21 de março, na estrada A52, próxima de Düsseldorf – a Daimler Trucks fez uma apresentação para exemplificar as vantagens das redes de comunicações eletrônicas V2V. Também destacou o próximo marco de progresso da condução autônoma: esta avançada tecnologia permite a operação interligada de veículos de um comboio por rodovias e estradas de longo percurso.

Os veículos conectados num comboio requerem uma distância de somente 15 em vez de 50 metros entre si. Esta distância consideravelmente menor produz significativa redução no atrito aerodinâmico – comparável ao “coeficiente de arrasto” em competições de ciclismo. Desse modo, um comboio de três caminhões pode atingir uma economia de combustível de cerca de 7%, reduzindo as emissões de CO2 na mesma medida. Isso torna possível o consumo de combustível em cerca de 25 l/100 km para uma combinação de semirreboque carregado com peso bruto total de 40 toneladas. Ou seja, um consumo de somente 0,66 l/100 km por tonelada, ou emissões de CO2 de 13,3 g/quilômetro por tonelada. Números bem abaixo do que são registrados por automóveis com motor de combustão interna.

Paralelamente, os comboios permitem um uso muito mais eficiente do espaço da estrada. Graças à menor distância entre os veículos, um grupo de três caminhões interligados tem um comprimento de somente 80 metros. Diferentemente disso, três caminhões que não estejam eletronicamente ligados requerem um total de 150 metros de espaço na estrada.

Os comboios também tornam o trânsito na estrada muito mais seguro. Enquanto um motorista ao volante tem um tempo de reação de 1,4 segundo, o Highway Pilot Connect transmite sinais de frenagem aos veículos que vêm atrás em menos de 0,1 segundo. Esse tempo de reação consideravelmente menor pode dar uma contribuição importante para a redução de colisões traseiras, como as que ocorrem, por exemplo, quando se encontra um congestionamento na estrada.

“O caminhão inteligente, auto-otimizado, tem a mais alta prioridade para nós. Usando as comunicações conectadas com outros veículos e os seus arredores, podemos melhorar o fluxo de trânsito e reduzir o consumo de combustível e as emissões. Ao mesmo tempo, os caminhões inteligentes ajudam a diminuir o número de acidentes de trânsito. Esse é um passo à frente muito importante rumo à condução livre de acidentes”, diz Sven Ennerst, chefe da área de Engenharia de Produtos & Compras Globais – Caminhões.

O Highway Pilot Connect se baseia no já existente sistema da Daimler Trucks para a condução semi-antônoma

A base do Highway Pilot Connect é a rede entre veículos e a consciência exata sobre o ambiente que os circunda. Este sistema é mais um desenvolvimento do já comprovado Highway Pilot da Daimler Trucks, que permite que os caminhões sejam conduzidos de maneira semi-autônoma, tendo sido testado desde outubro de 2015 em um Mercedes-Benz Actros padrão, operando em estradas públicas da Alemanha. O Highway Pilot foi apresentado primeiramente em julho de 2014, no veículo de estudo Mercedes-Benz Future Truck 2025. A primeira autorização para circular em rodovias públicas para um caminhão de condução autônoma surgiu em maio de 2015, obtida para o Freightliner Inspiration Truck.

Comparado com o Highway Pilot, a versão Connect possui a função técnica adicional de comboio eletrônico. As comunicações entre os veículos são possibilitadas por uma plataforma de telemática de bordo. Um módulo V2V específico, usando um padrão especial de WiFi reservado exclusivamente para o setor automotivo, permite a transferência direta de dados entre os caminhões. O Highway Pilot Connect utiliza este recurso para o intercâmbio constante de informações com outros veículos e com o ambiente.

Principal vantagem: condução automática também quando não está conectado com o comboio

A grande vantagem do Highway Pilot Connect é esta: devido a sua avançada tecnologia, todos os membros do comboio continuam a ser caminhões de condução autônoma. Eles conseguem manter sua direção independentemente do veículo à frente e, graças à sua combinação de orientação linear e lateral, podem reagir a situações imprevistas a qualquer tempo. Isso também se aplica a outros veículos que cortam ou saem do espaço do comboio. Nesse caso, o veículo pode desacoplar do comboio sem problemas e continuar sozinho no modo autônomo. O motorista não precisa intervir.

Comboios de três ou mais veículos em conjunto são especialmente interessantes em países que possuem uma infraestrutura adequada. Nos EUA ou na Austrália, por exemplo, os caminhões cobrem longas distâncias, sem pontes e acessos de saída, em rodovias que cruzam praticamente o continente inteiro.

Um pré-requisito para transportes rodoviários eficientes do futuro é a harmonização das normas internacionais

Com seus três caminhões Mercedes-Benz Actros com Highway Pilot Connect, a Daimler trucks participa do Desafio de Comboios de Caminhões de 2016, uma iniciativa da Holanda durante sua atual presidência da União Europeia. Nesse evento, seis fabricantes europeus de caminhões trazem comboios de caminhões semi-autônomos às estradas públicas, cruzando fronteiras de várias cidades europeias a fim de atingir seu destino final no porto de Roterdam, em 6 de abril. O objetivo geral de todos os participantes e do governo holandês é acelerar, de forma conjunta, a introdução de regulamentação harmonizada intra-fronteiras para otimizar os transportes rodoviários eficientes dentro da União Europeia.

Foco na segurança de dados

O foco no cliente vem à frente para a Daimler no que se refere ao uso de serviços conectados. As empresas de transporte precisam decidir por si mesmas para quais finalidades seus dados poderão ser usados. Uma das pré-condições para a aceitação da condução conectada e autônoma é o tratamento responsável e seguro dos dados. Dessa maneira, a Daimler adota as mais altas normas de segurança e proteção de dados para os desenvolvimentos dessas novas tecnologias e áreas de inovação.

No caso do FleetBoard, computadores de alto desempenho na Central de Dados Europeia da Daimler AG, em Stuttgart, na Alemanha, garantem o processamento seguro de dados e sua transferência criptografada 24 horas por dia. Assim, a segurança dos dados do FleetBoard assemelha-se aos altos padrões adotados pelos bancos, por exemplo.

Especialistas estimam a triplicação do volume mundial de tráfego até 2050

Cerca de 75% do transporte de cargas na Europa continuam a ser feitos por rodovias. Os especialistas estão prevendo que o volume de transporte rodoviário mundial de carga triplique até 2050. Por meio dos caminhões interconectados em rede com outros veículos e seu entorno, todo o setor de transporte de carga poderá ser organizado de maneira a ficar mais seguro, mais rápido e ao mesmo tempo mais amigável ao meio ambiente. Em vista do aumento crescente do fluxo de produtos e da sobrecarregada infraestrutura, estas perspectivas são promissoras para a sociedade e para todos os envolvidos.

Tags, , , , ,

Ford investe na “gamificação” para criar novas soluções de transporte

view.aspx

A Ford está investindo na “gamificação” – o uso dos recursos visuais, de desafio e recompensa dos games – para melhorar a experiência do consumidor com seus veículos e incentivar o desenvolvimento de novas soluções de transporte. Um exemplo dessa estratégia é o painel do Fusion Hybrid, que mostra a economia de combustível obtida pelo motorista por meio do crescimento de folhas coloridas na tela.

O mesmo conceito está sendo aplicado no Ford Smart Mobility Game Challenge, competição promovida pela Ford na Europa. Seu objetivo é premiar os desenvolvedores de jogos on-line que integrem os diferentes meios de transporte de uma cidade de forma divertida e envolvente.

Os seis finalistas foram selecionados durante a Gamescom, maior evento de games da Europa, e uma maratona “Hackaton” de 30 horas promovida este mês na Alemanha. Na próxima fase, um júri de especialistas vai apontar os três finalistas, e também o vencedor, no Mobile World Congress, em 22 de fevereiro de 2016. Os games concorrentes são:

• deCommute – jogo de planejamento de rotas, em que as equipes somam pontos de acordo com a distância percorrida e economia de tempo e energia.

• ECO Saviour – os múltiplos jogadores ganham “pontos de poluição” ao reduzir os níveis de emissões em uma cidade virtual. A pontuação é baseada no modo como eles viajam no mundo real.

• Jaunt – ferramenta interativa que une usuários em trajetos compartilhados, regulares ou esporádicos. Além de economizar dinheiro, é um modo de fazer novos amigos.

• moopi – permite aos usuários criar um avatar “moopi”, adaptando suas viagens para encontrar as rotas mais eficientes.

• SelfieGo – o aplicativo mostra em um mapa com GPS as rotas e atrações mais famosas da cidade para se tirar selfies e permite o seu compartilhamento nas redes sociais.

• wave-calmer – transforma os congestionamentos em jogo e incentiva os motoristas a manter uma velocidade constante, por meio de gráficos projetados no para-brisa. Ajuda o trafego a fluir melhor e previne acidentes.

Segundo Will Farrelly, da área de Experiência de Inovação dos Usuários da Ford Europa, os games são um modo divertido, envolvente e gratificante de obter informações, além de proporcionar viagens mais tranquilas com o compartilhamento de dados.

“A gamificação já mostrou ser uma maneira eficiente de buscar soluções para problemas da vida real em diversas áreas, como a pesquisa da cura da AIDS. As suas descobertas também podem trazer propostas inovadoras para integrar o transporte urbano e mudar o comportamento dos usuários”, diz.

Tags, , , , , , , , , , , , ,

Indústria automobilística precisa estar preparada para era móvel e conectada, aponta KPMG

Depois de décadas de sucesso com um modelo de negócios que permaneceu praticamente inalterado, a indústria automotiva está encarando a era móvel e conectada. Como consequência disso, várias tendências importantes terão uma influência significativa sobre o futuro da mobilidade e o padrão atual do setor automotivo sofrerá pressão de todos os lados.
Segundo o estudo “Operárias ou donas do jogo: A indústria automotiva está na encruzilhada de uma era altamente digitalizada”, realizado pela KPMG, as montadoras ainda buscam suas melhores alternativas para tirar proveito do fato de que, no futuro, o carro não será o único foco do negócio e que crescerá a importância de os dados do consumidor estarem conectados de maneira inovadora para gerar novos fluxos de receita para a indústria.

“Empresas como a Apple e o Google já estão mostrando o que a tecnologia e a inteligente utilização de informações cotidianas podem oferecer com inovações no dia a dia das pessoas, incluindo aquelas relacionadas ao automóvel. Sendo assim, as montadoras tradicionais lidam com enorme pressão temporal para adequar seu modelo de negócios para os próximos anos o mais rápido possível, de modo a fazer frente a esses concorrentes”, afirma o diretor de relacionamento da KPMG no Brasil para a indústria automotiva, Ricardo Bacellar.

Segundo a publicação, essa nova tendência levanta a questão sobre qual será o posicionamento ideal das montadoras no novo ecossistema que se anuncia. “Chegou a hora das empresas decidirem se permanecerão apenas como fornecedoras de veículos, deixando o caminho livre para novos entrantes concorrerem entre si pelos dados do cliente, o verdadeiro tesouro, ou se serão capazes de permanecer como protagonistas do jogo e expandir seu modelo de negócios para além da produção de automóveis, acompanhando seus clientes durante todo seu ciclo de vida e oferecendo-lhes produtos e serviços customizados”, analisa Bacellar.

Diante disso, a publicação aponta pelo menos quatro temas fundamentais para um posicionamento estratégico bem sucedido nos próximos anos: mudanças profundas no modelo de relacionamento com os clientes; conectividade e data analitics como plataforma para novos modelos de negócio; ciclos de inovação mais curtos e customização como armas de fidelização; e a Internet of Behaviour se sobrepõe à Internet of Things.

Tags, , , ,