Tag carro autônomo

Siemens apresenta oferta de simulação para acelerar chegada de carros autônomos ao mercado

A Siemens está lançando hoje o sensor virtual PreScan da TASS com a plataforma Mentor DRS360, uma solução inovadora para o desenvolvimento de sistemas de condução autônomos. O lançamento integra tecnologias de condução autônomas Mentor Graphics e TASS International, duas das recentes aquisições da Siemens parte do portfólio Simcenter™, que minimiza drasticamente a necessidade de prototipação física, reduzindo o número de testes e de protótipos para validar a segurança dos veículos autônomos.

De acordo com as conclusões do relatório emitido pela Rand Corporation, os protótipos de veículos autônomos teriam que ser dirigidos centenas de milhões de quilômetros e, em alguns casos, centenas de bilhões de milhas ao longo de várias décadas para demonstrar sua confiabilidade em termos de fatalidades e de possíveis lesões – um resultado que os autores consideraram inconsistente com a viabilidade comercial a curto prazo de carros autônomos.

Aproveitando a avançada simulação em termos de física e de tecnologias inovadoras de processamento de dados e sensores, a nova solução da Siemens foi projetada para ajudar os fabricantes a enfrentar o desafio de reduzir anos de desenvolvimento, verificação e validação de carros autônomos.

O ambiente de simulação PreScan™ da TASS produz dados brutos de sensor simulados altamente realistas baseados em física para um número ilimitado de possíveis cenários de direção, situações de tráfego e outros parâmetros. Os dados dos sensores LiDAR, (da sigla inglesa Light Detection And Ranging – tecnologia ótica que mede a distância e/ou outra informação a respeito um determinado objeto), de radar e de câmera simulados da PreScan são então inseridos na plataforma DRS360™ da Mentor, onde são fundidos em tempo real para criar um modelo de alta resolução do ambiente e das condições de direção do veículo.

Os clientes podem, então, aproveitar a resolução de percepção e o processamento de alto desempenho da plataforma DRS360 para testar e refinar algoritmos proprietários para tarefas críticas, como reconhecimento de objetos, políticas de direção e muito mais.

“Os fabricantes de automóveis estão percebendo rapidamente que os protótipos físicos e os testes de estrada, por si só, não podem reproduzir a infinidade de complexos cenários de direção que os carros autônomos encontrarão. De fato, muitos dos cenários são impossíveis de reproduzir, enquanto outros são tão perigosos para reproduzir que a ética impede o pré-teste”, disse o Dr. Jan Leuridan, vice-presidente sênior de soluções de simulação e teste da Siemens PLM Software. “Está claro que a disponibilidade comercial de veículos totalmente autônomos no curto prazo é altamente dependente de tecnologias avançadas de simulação baseadas na física, onde a Siemens está estabelecendo o ritmo para a maior indústria automotiva mundial.”

Para fornecer a solução mais abrangente e precisa possível, a Siemens PLM Software está trabalhando com muitos dos principais fabricantes mundiais de LiDAR, radar e produtos de sensor de visão para desenvolver versões simuladas em 3D de módulos de sensores específicos com base em física. Compatíveis com o novo conjunto de ferramentas da Siemens, os sensores simulados são sintonizados usando informações de projeto detalhadas de fornecedores de sensores e validados usando dados de medição do mundo real para uma precisão ideal. Um dos mais importantes parceiros de sensores é a Cepton Technologies, uma empresa inovadora baseada no Vale do Silício, notável por seus sensores LiDAR de longo alcance e pequena dimensão. Outros parceiros de sensores serão anunciados ainda este ano.

“A tecnologia de simulação é cada vez mais valiosa para desenvolvedores de veículos automatizados, pois enfrentam pressões de montagem para acelerar o desenvolvimento, a validação e o desempenho de suas soluções de antivírus”, disse Phil Magney, fundador e diretor da VSI Labs. “A Siemens agora oferece soluções de simulação para cada estágio do processo de desenvolvimento, desde sensores até processadores, subsistemas e todo o veículo. Ter um escopo maior em soluções de simulação oferece à Siemens a capacidade de desempenhar um papel de liderança na validação e na verificação de soluções automatizadas para veículos”.

“Com o PreScan™ da TASS, podemos ajudar o setor automotivo a reduzir custos, tempo de mercado, problemas no futuro e a necessidade de um protótipo real para simular todos os possíveis cenários” diz Allyson Chiarini de Faria, diretor de marketing para América Latina. “Nosso foco é acelerar a entrega de veículos autônomos que, segundo o Gartner, representarão cerca de 25% dos veículos de passageiros em uso nos mercados desenvolvidos em 2030. Teremos que lidar com infinidades de circunstâncias complexas que só poderão ser validadas por meio da simulação”, esclarece.

Tags, , , , ,

Apertem os cintos, o piloto do Uber sumiu – Por Arie Halpern

Depois de sacudir o sistema de transporte urbano e tirar o sono dos taxistas em mais de 70 países com o aplicativo que permite contratar corridas de carros particulares, o Uber está apontando seu chifre de unicórnio para negócios mais ousados. Explique-se que “unicórnio”, no jargão da nova economia, não é um ser imaginário, mas uma empresa que se lançou no mercado como embrião de um grande negócio, cresceu e viu seu valor ultrapassar a barreira do bilhão de dólares. O Uber, avaliado em 63 bilhões de dólares, encabeça o ranking de unicórnios da revista Fortune. Pois bem, esse animal econômico adquiriu, em agosto, a Ottomotto, uma startup dedicada à tecnologia de veículos ditos autônomos, porque dispensam motoristas.

Desde o ano passado, no polo robótico de Pittsburgh, a empresa mantém uma equipe de pesquisadores – mais de quarenta foram “roubados” da Carnegie Mellon University, com quem a empresa tinha um acordo de cooperação – trabalhando sobre o mesmo objeto: carros autônomos. E a empresa já faz testes com a intenção de colocar, em breve, esses veículos acéfalos à disposição de clientes que se disponham a utilizá-los no transporte. Antes disso, ainda, o Uber havia comprado a deCarta, uma empresa de softwares de mapeamento. O que o seu fundador e comandante, Travis Kalanick, está mirando? Bem, ele realmente não economiza nos sonhos e na ambição: ele está de olho num mercado estimado em dez trilhões de dólares.

Dez trilhões?! Como assim?! Kalanick é uma versão excepcionalmente bem-sucedida do “homem da cobra”. Este era um tipo popular, misto de vendedor e artista de rua. Ele atraia a atenção do público com um saco vazio em que dizia haver uma cobra. Entretinha as pessoas com histórias e vendia remédios para picada de cobra e outros bichos. Kalanick, com seu aplicativo, realiza viagens para mais de 30 milhões de clientes por mês, em quase 500 cidades, sem que para isso tenha sido necessário imobilizar um único centavo em uma frota própria de carros e sem empregar nenhum motorista. Com essa prestidigitação, que recebeu o nome de UberX, ofereceu um solução prática e mais barata que o serviço de táxi. Depois disso, lançou o UberPool que permite ao usuário compartilhar o transporte com outros passageiros e reduz ainda mais os preços. Com esse passo, começou a competir não mais com os táxis, mas com o transporte público. Agora, com os carros autônomos, o objetivo é livrar-se também do motorista, para tornar o transporte ainda mais barato.

Aqui chegamos ao tal mercado de dez trilhões de dólares. Com o serviço atual, o Uber come uma fatia do mercado de táxis cuja receita global é estimada em cem bilhões de dólares. Com o veículo autônomo, segundo Kalanick confessou à The Economist, sua intenção é tornar o Uber tão barato e conveniente que ele se transforme em uma alternativa ao carro particular. Outras grandes corporações do mundo da tecnologia também estão nessa estrada, investindo em projetos de carros autônomos, e são competidores de peso como Google, Apple, Facebook, Tesla. O caminho para realizar esse sonho também é acidentado e bastante policiado pelo Estado regulador, pois o transporte autônomo envolve a segurança das pessoas. A primeira onda de disrupturas provocada pelo Uber mal começou e já estão assistindo à próxima onda se formar. Apertemos os cintos.

Arie Halpern, economista e empreendedor com foco em tecnologias disruptivas e diretor da empresa israelense Gauzy Technologies

Tags, , , , , , ,

A aliança Renault-Nissan irá lançar, nos próximos quatro anos, mais de 10 veículos com a tecnologia de condução autónoma

Aliança confirma o lançamento de uma gama de veículos com capacidades de condução autónoma que será comercializada, até 2020, nos Estados-Unidos, Europa, Japão e China. Esta tecnologia será instalada em modelos de grande volume e a preços acessíveis.

Para além disso, a Aliança Renault-Nissan irá lançar uma série de aplicações de conectividade que facilitarão o acesso dos passageiros às suas atividades profissionais, de lazer ou redes sociais.

“A Aliança Renault-Nissan está comprometida com o atingimento de um duplo objetivo “zero emissões e zero fatalidades””, declarou Carlos Ghosn Presidente-Diretor Geral da Aliança no Centro de Pesquisa da Renault-Nissan em Silicon Valley. “É por isto que estamos a desenvolver automóveis, destinados ao grande público de três continentes, equipados com sistemas de condução autónoma e com uma maior conectividade”.

Zero emissões e zero fatalidades

A Aliança Renault -Nissan é o líder incontestado nos veículos zero emissões, com cerca de 300,000 veículos elétricos vendidos desde a venda do primeiro Nissan LEAF, na região de San Francisco Bay, em Dezembro de 2010.

A segurança e a eficiência dos automóveis da Aliança Renault-Nissan aumentaram de forma radical. O número de acidentes graves ou mortais a bordo de um Nissan baixou, no Japão, 61% nos últimos 20 anos; do mesmo modo na Renault estes indicadores diminuíram 80%, em França, nos últimos 15 anos.

A condução autónoma deverá permitir reduzir o fator de erro humano que está na origem de cerca de 90% dos acidentes mortais.

Os primeiros modelos equipados com um sistema de delegação parcial da condução “manutenção na via” chegarão ao Mercado ainda em 2016. Com esta funcionalidade o automóvel controla automaticamente a sua posição numa via, em autoestrada ou numa fila de trânsito. Os primeiros modelos da Aliança equipados com um sistema de delegação parcial da condução “mudança de via”, que assegura a gestão automática dos perigos e permite a mudança de via em autoestrada, aparecerão em 2018. O ano de 2020 será o ano de lançamento do modo “Gestão autónoma das intersecções” através do qual o automóvel poderá andar em cidade sem qualquer intervenção do condutor.

A aliança irá lançar, no decorrer de 2016, uma nova aplicação para aparelhos móveis que permitirá a interação à distância com o automóvel. No próximo ano será lançado o “Sistema Multimédia da Aliança” que irá oferecer novas funcionalidades multimédia e de navegação, que otimizará a integração com os smartphones e permitirá a atualização, em tempo real, das cartografias. Em 2018 a plataforma da Aliança “Conectividade & Internet das Coisas”, irá acolher um “Assistente Pessoal Virtual” para os clientes particulares e profissionais.

Todas as tecnologias da Aliança relativas à condução autónoma estarão disponíveis como opção.

Convergir para ganhar

Em 2014 a Aliança Renault-Nissan fez convergir as divisões de engenharia das duas empresas. Os engenheiros da Renault e da Nissan trabalham em conjunto de forma a evitar a duplicação do desenvolvimento das novas tecnologias. As tecnologias desenvolvidas em comum são colocadas à disposição de cada uma das empresas que as utilizam em função das necessidades manifestadas pelos seus clientes.

Os engenheiros da Renault e da Nissan desenvolveram um “kit de tecnologias” que inclui aplicações de hardware e software. Os responsáveis de produto das várias marcas da Aliança têm à sua disposição e podem escolher integrar estas aplicações nos seus modelos. A parceria entre a Renault e a Nissan no desenvolvimento de tecnologias de ponta permite uma maior eficácia, reduzir os custos e oferecer aos seus clientes automóveis com um maior valor acrescentado.

A Aliança Renault-Nissan dispõe de um orçamento, para pesquisa e desenvolvimento, de cerca de 5 mil milhões de dólares (US). O quarto maior grupo automóvel mundial, que vende um em cada dez automóveis vendidos no mundo, tem centros de pesquisa em Atsugi, Japão; Guyancourt, França; Farmington Hills, Michigan; e Sunnyvale, Califórnia, ambos nos Estados-Unidos. A Renault-Nissan dispõe de centros de engenharia na Índia, Brasil, Roménia, Turquia e China, entre outros.

A Aliança anuncia também a nomeação de Ogi Redzic que será responsável pelas áreas de conectividade e serviços de mobilidade a bordo enquanto Alliance Senior Vice-President, Connected Vehicles and Mobility Services.

Ogi Redzic junta-se à Aliança depois de ter ocupado postos na Nokia, NAVTEQ, Motorola e na cyberPIXIE, uma startup do sector das comunicações wireless. Mais recentemente ocupava o posto de Senior Vice-President, Automotive na Nokia HERE. Ogi Redzic, que assume funções de imediato, ficará sedeado em Paris com a supervisão de equipas em França e no Japão.

Tags, , , ,

Kia Motors vai introduzir tecnologias de condução autônoma

view.aspx

A Kia Motors anunciou hoje um investimento significativo para o desenvolvimento de novas tecnologias de condução autônoma que serão introduzidas parcialmente pela marca em sua gama de modelos em 2020. O objetivo da Kia é colocar no mercado seu primeiro carro totalmente autônomo em 2030.

A fase inicial de investimento de Kia – totalizando US$ 2 bilhões em 2018 – prevê o desenvolvimento do novo Sistema Avançado de Assistência ao Motorista, além de empregar um maior número de engenheiros. Este processo vai introduzir a próxima geração de veículos inteligentes da Kia nos próximos anos.

De acordo com Tae-Won Lim, vice-presidente da Central de Pesquisa Avançada e do Instituto de Engenharia de Hyundai Motor Group, “os veículos totalmente autônomos ainda estão um pouco distante, portanto vamos iniciar uma grande quantidade de pesquisas e testes rigorosos de produtos para fazer desta tecnologia uma realidade. A Kia ainda está nos primeiros estágios de desenvolvimento de suas próprias tecnologias, mas estamos confiantes de que as últimas inovações – parcial e totalmente autônomas – tornarão a condução ainda mais segura para todos”, diz.

Sistema Avançado de Assistência ao Motorista

Com ADAS ainda em estágio inicial, a Kia – como parte da Hyundai Motor Group – prevê um trabalho bastante estreito com os fornecedores e empresas afiliadas para desenvolver uma gama de tecnologias em três categorias distintas para permitir que um veículo tenha condução autônoma:

– Reconhecimento: o desenvolvimento de novos sensores para detectar outros veículos e perigos, leitura da estrada a frente e identificação das más condições de condução

– Julgamento: sistemas de computação avançados que permitem o veículo tomar decisões com base na informação recolhida por sensores ADAS

– Controle: sistemas eletrônicos e mecânicos ativos, permitindo que o veículo execute as decisões tomadas pela tecnologia autônoma em qualquer situação

Introdução de tecnologias de condução parcialmente autônomas em 2020

Kia planeja introduzir uma gama de tecnologias parciais ADAS nos próximos anos, com uma variedade de novas funções previstas para 2020. Umas das novas tecnologias em desenvolvimento é a Highway Driving Assist (HDA), que controla a direção, travagem e aceleração em autoestrada, combinado com a Lane Guidance System (LGS) e o Advanced Smart Cruise Control (ASCC). O HDA é projetado para manter automaticamente uma distância segura dos carros na frente, mantendo veículo em sua faixa de rodagem na estrada e aderindo aos limites de velocidade locais usando informações do sistema de navegação. O sistema também irá ajudar na ultrapassagem com segurança de outros carros da estrada.

O Jam Traffic Jam Assist (TJA), atualmente em desenvolvimento pela Kia, realiza o rastreamento do veículo da frente durante as condições de tráfego por meio de uma variedade de sensores e vai manter uma distância segura do carro na frente, além do veículo na pista. Com o TJA, os motoristas terão mais facilidade – e mais conforto – para navegar em engarrafamentos nas estradas frequentemente congestionadas.

Para tornar os veículos Kia entre os carros mais fáceis de estacionar, a empresa está desenvolvendo novas tecnologias para facilitar as manobras em baixas velocidades, como o Smart Parking Assist System (SPAS) que permite o veículo estacionar de forma independente em espaços paralelos ou perpendiculares. A Kia também irá introduzir o Remote Advanced Parking Assist System (RAPAS), sistema que estaciona o veículo quando o condutor pressiona o botão de chave inteligente.

Todas essas novas tecnologias irão juntar-se ao conjunto de sistemas já oferecidos pela Kia em seus mais recentes veículos de produção no mercado global, incluindo o Sorento e os novos Optima e Sportage. Estas tecnologias serão principalmente concebidas para tornar a condução mais segura e mais fácil aos clienets da Kia, identificando perigos na primeira oportunidade e permitindo que o motorista – ou o carro – tenham a reação apropriada

Tags, , , , , ,