Tag Câmara Americana de Comércio

Credit Suisse, Pátria, Santander, Itaú e outras buscam talentos em conferência de carreira gratuita

A Fundação Estudar está com inscrições abertas para a Conferência Na Prática, evento gratuito destinado a universitários e recém-formados. Marcado para o dia 1º de agosto, o encontro será inteiramente focado na área de mercado financeiro, a fim de conectar os jovens com diferentes organizações e apresentá-los aos diferentes mercados e funções do setor.

A Conferência Na Prática contará com a presença de empresas dos mais variados segmentos, como bancos de atacado e varejo, bancos de investimentos, fundos de venture capital, fundos de private equity, seguradoras e gestoras de meios de pagamentos. Organizações como Credit Suisse, JP Morgan, Citibank, Pátria, Santander, Pragma, 3G Radar, Creditas, Brookfield, IGC e Itaú estão entre as confirmadas.

Serão selecionados 250 jovens de alto potencial, que poderão participar de sessões de speed coaching com especialistas, conferir painéis com profissionais sobre as diferentes áreas de atuação em mercado financeiro, ouvir bate-papos com líderes inspiradores e, principalmente, interagir face a face com recrutadores e executivos das empresas – que estarão na conferência para se conectar com jovens talentos. A Fundação Estudar também realiza um mapeamento das organizações e dos jovens, a fim de ajudá-los a encontrar aquelas que mais se encaixam com o seu perfil profissional.

Dentre os selecionados, cerca de 50 participarão ainda do pitch de talentos, um momento do evento no qual cada um ‘vende seu peixe’ durante dois minutos para as organizações, que avaliarão o potencial desses jovens e poderão convidar aqueles que mais se destacarem para eventuais conversas sobre oportunidades.

O evento também oferece a possibilidade de networking por meio do aplicativo de celular, garantindo que os participantes enviem suas próprias dúvidas sobre carreira durante os painéis. As empresas também utilizarão o app para localizar potenciais candidatos e marcar entrevistas.

A Conferência Na Prática Mercado Financeiro acontece na Câmara Americana de Comércio (AMCHAM), em São Paulo. As inscrições são gratuitas e vão até 11 de junho pelo site https://estudar.napratica.org.br/conferencia-na-pratica-mercado-financeiro.

Conferência Na Prática Mercado Financeiro

Data: 1º de agosto de 2017
Horário: das 7h30 às 18h
Local: Câmara Americana de Comércio (AMCHAM)
Endereço: Rua da Paz, 1431 – Chácara Santo Antônio – São Paulo
Inscrições: até 11 de junho
Site: https://estudar.napratica.org.br/conferencia-na-pratica-mercado-financeiro/

Tags, , , , , , , , ,

Pesquisa AMCHAM: 95% das empresas acreditam em resultados comerciais mais positivos em 2017

A Câmara Americana de Comércio entrevistou 326 empresários e executivos durante Seminário Perspectivas Comerciais, Econômicas e Políticas em fevereiro.

A grande maioria (95%) das empresas brasileiras acreditam em resultados comerciais mais positivos em 2017. É o que aponta pesquisa da Câmara Americana de Comércio (Amcham) com a participação de 326 lideranças de companhias de vários portes e setores da economia. A enquete foi aplicada em fevereiro, em São Paulo, durante o Seminário Perspectivas Comerciais, Econômicas e Políticas promovido pela Amcham. Desssa parcela otimista, 88% dos entrevistados consideram que o ano será de cenário de recuperação, e outros 7% apostam em novo contexto de crescimento expressivo em relação a 2016. Uma fatia de 5% acredita em números comerciais ainda negativos e sem sinais de recuperação.

A recuperação depende de três principais fatores, de acordo com os entrevistados pela Amcham. A maioria (54%) citou como aspecto prioritário o aumento da competitividade da economia, exigindo firmeza na condução das reformas estruturais. Os outros dois pontos citados foram: aumento do consumo, com estímulos ao crédito e retomada da confiança do consumido, sendo mencionado por 32%; e o crescimento das exportações, exigindo uma taxa de câmbio relativamente estável e competitiva para o setor industrial; sendo citado por 14%.

No varejo, 69% acreditam também em retomada ainda neste ano. Para 49%, a recuperação acontecerá no segundo semestre, e outros 20% apostam na concretização ainda no primeiro semestre. Outros 27% enxergam recuperação só em 2018. Levando em consideração o cenário de recuperação, três pontos serão prioritários quando se fala em investimentos comerciais da própria companhia: produtividade em processo, produção e equipe (54%); inovação do portfólio de produtos e serviços (26%); e treinamento e capacitação da força de vendas (11%).

Incertezas politicas e econômicas

Os empresários e executivos brasileiros também estão mais otimistas em relação ao cenário de instabilidade do país e mais confiantes com o novo ano. Para 84% deles, as incertezas políticas e econômicas estarão em quadro mais estável em 2017. Para os consultados, apesar da aposta em melhora em relação a 2016, duas grandes incertezas ainda devem ditar a velocidade da recuperação da economia brasileira: a operação Lava Jato e seus desdobramentos (33%) e o quadro fiscal preocupante e ainda dependente de reformas/medidas (28%). Outros fatores citados foram: a crise política e antecipações da corrida presidencial de 2018 (18%); a confiança do consumidor e investidor em níveis piores e crise de segurança mais acentuada em alguns estados (17%); e o cenário externo em virtude da troca de presidência nos EUA e tratativas do Brexit na União Europeia (4%).

Tags, ,

Pesquisa AMCHAM: 95% das empresas acreditam em melhora dos resultados comerciais já em 2017

A grande maioria (95%) dos executivos acreditam em resultados comerciais mais positivos já em 2017. É o que aponta pesquisa inédita da Câmara Americana de Comércio (Amcham) com a participação de 326 lideranças de companhias de vários portes e setores da economia. A enquete foi aplicada nesta quarta-feira (8/2), em São Paulo, durante o Seminário Perspectivas Comerciais, Econômicas e Políticas promovido pela Amcham.

Uma parcela 88% deles consideram que o ano será de cenário de recuperação, e outros 7% apostam em novo contexto de crescimento expressivo em relação a 2016. Já a fatia minoritária dos 5% restante acredita em números comerciais ainda negativos e sem sinais de recuperação neste ano.

Sobre a recente afirmação do Ministro Henrique Meirelles que “o país sairá da recessão ainda no primeiro trimestre do ano”, 64% dos executivos informaram já constatar algum nível de melhora no humor econômico do país. Sendo 53% com resultados comerciais levemente positivos nesses primeiros 40 dias do ano; e 11% já percebendo uma melhora significativa nos indicadores no comparativo com o mesmo trimestre do ano passado. Outros 36% ainda vivenciam resultados negativos.

A recuperação depende de três principais fatores, de acordo com os entrevistados pela Amcham. A maioria (54%) citou como aspecto prioritário o aumento da competitividade da economia, exigindo firmeza na condução das reformas estruturais. Os outros dois pontos citados foram: aumento do consumo, com estímulos ao crédito e retomada da confiança do consumido, sendo mencionado por 32%; e o crescimento das exportações, exigindo uma taxa de câmbio relativamente estável e competitiva para o setor industrial; sendo citado por 14%.

No varejo, 69% acreditam também em retomada ainda neste ano. Para 49%, a recuperação acontecerá no segundo semestre, e outros 20% apostam na concretização ainda no primeiro semestre. Outros 27% enxergam recuperação só em 2018.

Levando em consideração o cenário de recuperação, três pontos serão prioritários quando se fala em investimentos comerciais da própria companhia: produtividade em processo, produção e equipe (54%); inovação do portfólio de produtos e serviços (26%); e treinamento e capacitação da força de vendas (11%).

Incertezas políticas e econômicas devem cair

Os empresários e executivos brasileiros estão mais otimistas em relação ao cenário de instabilidade do país e mais confiantes com o novo ano. Para 84% deles, as incertezas políticas e econômicas estarão em quadro mais estável em 2017.

Para os consultados, apesar da aposta em melhora em relação a 2016, duas grandes incertezas ainda devem ditar a velocidade da recuperação da economia brasileira: a operação Lava Jato e seus desdobramentos (33%) e o quadro fiscal preocupante e ainda dependente de reformas/medidas (28%). Outros fatores citados foram: a crise política e antecipações da corrida presidencial de 2018 (18%); a confiança do consumidor e investidor em níveis piores e crise de segurança mais acentuada em alguns estados (17%); e o cenário externo em virtude da troca de presidência nos EUA e tratativas do Brexit na União Europeia (4%).

Indicadores mais positivos em 2017

Avaliação do Governo Temer e reforma trabalhista

Decorridos quase nove meses do Governo Temer, 51% dos empresários avaliam como “neutro”, ainda exigindo uma maior capacidade da condução das transformações e reformas. Outra parcela de 28% considerou “positivo” os três trimestres da nova presidência e 21% avaliam como “negativo”, considerando que a equipe não vem demostrando capacidade de liderar as reformas necessárias.

A reforma trabalhista é o aspecto que traz otimismo nos investimentos para 66% dos empresários. Segundo 49%, a modernização da legislação trará impacto em médio prazo, tanto em retomada dos investimentos como também no volume de postos de trabalho. E 17% deles enxergam impactos positivos já no curto prazo, enquanto 34% não enxergam aspectos positivos tanto no curto e médio prazo.

Tags,

Pokemon Go traz visibilidade com baixo retorno comercial para marcas, segundo 58% dos profissionais de marketing do País

A Câmara Americana de Comércio/Amcham entrevistou 275 profissionais durante o Fórum de Marketing promovido pela entidade, em São Paulo

Apesar da grande visibilidade, fenômenos digitais como “Pokemon Go” trazem baixo impacto comercial para marcas, segundo avaliação de 58% dos profissionais de marketing brasileiros. Esta é a conclusão de pesquisa realizada pela Câmara Americana de Comércio (Amcham) com 275 profissionais de comunicação e marketing de empresas e agências

A Amcham aplicou a sondagem durante Fórum de Marketing, em São Paulo, no último dia 16/8. Na enquete, a maioria (58%) dos profissionais avaliou como pontual o retorno de ações de marketing atreladas a fenômenos digitais, como o do jogo da Nintendo. Outros 31% dos entrevistados informaram acreditar em retorno significativo tanto comercialmente como de relevância de marca. Uma parcela de 10% avalia como insignificativo o retorno.

Impacto do digital

Os entrevistados avaliam que hoje o maior impacto do digital está no redesenho do perfil do profissional de marketing e na reestruturação das empresas para atender à mudança cultural do consumidor. Em 79% das empresas, a estrutura do departamento e núcleo de marketing ainda não acompanhou totalmente as transformações do mundo digital. No caso de 39% delas, a jornada digital da companhia ainda requer grandes ajustes de estrutura, recursos e colaboradores. Outros 15% não iniciaram a readequação, e 8% já se enxerga totalmente online.

Além disso, na avaliação de 76%, o atual modelo de formação brasileiro não está adequado à nova demanda de mercado. Como resultado do descompasso entre formação e mercado, segundo 91%, marcas e agências devem viver cenário de guerra por talentos e escassez de mão de obra. Para 61%, hoje a demanda ainda está controlada, mas a tendência no curto prazo é de falta de profissionais, em virtude também da retomada da economia. Outros 31% enxergam já no presente uma demanda aquecida e com escassez de pessoas.

Dentre as características dos profissionais de marketing mais procuradas pelo mercado, estão: inovação e criatividade na gestão de marcas, produtos e do próprio negócio (34%); habilidade para integração entre canais online e offline (21%); e gestão da interação marca/cliente (19%).

Luz em 2017

Sobre o cenário econômico brasileiro, os profissionais de marketing (70%) enxergam uma retomada comercial e produtiva até o final do ano. Para 64%, a intensificação dos investimentos em marketing virá em 2017.

Tags, , , ,

Lava Jato e Lei Anticorrupção impulsionaram programas de compliance em 60% das empresas, aponta pesquisa Amcham

A Câmara Americana de Comércio entrevistou cerca de 180 executivos ontem (27/7) , durante o III
Seminário de Compliance e Gestão de Risco em SP

A operação Lava Jato e a Lei Anticorrupção acelerou a implementação de programas de Compliance e gestão de risco nas empresas brasileiras, aponta pesquisa da Câmara Americana de Comércio/AMCHAM, realizada na manhã desta quarta-feira (27/7). A Amcham ouviu 180 gestores de companhias de todos os portes e segmentos durante o III Seminário de Compliance promovido pela entidade na manhã desta quarta-feira (27/7), em São Paulo.

Para 60% dos empresários, as ações anticorrupção em curso no País trouxeram impacto direto no investimento em programas integridade da organização. A mesma porcentagem de empresários (61%) avaliou que a entrada em vigor da Lei Anticorrupção mudou a conscientização sobre as questões referentes ao tema.

Na pesquisa realizada pela Amcham, 73% das empresas informaram já possuir um programa formal de Compliance. Apesar de já implementado, 69% deles enxergam ainda fragilidades internas, com necessidade de avanços no programa e maior pulverização de ações anticorrupção nos demais processos da organização. Uma parcela de menor de 31% dos empresários consideram maduros seus programas e culturalmente implementando em toda a organização.

Regulamentação do lobby e programa de integridade

Outro ponto com necessidade de avanço identificado pela pesquisa Amcham diz respeito ao programa de Integridade gerenciado pelo Ministério da Transparência. Um percentual de 50% dos empresários informou ainda conhecer pouco desta ação do Governo Federal.
A pesquisa da Amcham identificou também necessidades de avanços na regulamentação do Lobby no Brasil. A maioria dos empresários (61%) consideram como prioritário dentro da escalada do país prol anticorrupção.

A Amcham ouviu 180 empresários e executivos de empresas dos mais variados portes e segmentos durante o III Seminário de Compliance e Gestão de Risco promovido pela entidade, em São Paulo, com plateia de mais 330 empresários.

Missão Internacional de Compliance

Diante desta maior pressão empresarial, a AMCHAM, sai na frente, e promove de 10 a 16 de setembro, a 1ª missão empresarial brasileira de Compliance nos EUA. Com visitas programadas a importantes players de Washington D.C. e Nova York, a Câmara Americana comandará time de empresários brasileiros em intercâmbio exclusivo com grandes empresas, universidades e instituições referências globalmente no tema.

A programação da missão contará ainda com reuniões de levantamento de melhores práticas na AES Corporation, Siemens e Pfizer; encontros de tendências e inovação na Deloitte e LRN; e no instituto de capacitação Investment Adviser Association.

A delegação também passará pelo campus da New York University, onde será recebida por pesquisadores e professores da instituição que está entre as cinco universidades de direito mais renomadas do mundo, segundo a Revista Exame, e pelos escritórios multinacionais Debevoise & Plimpton e White & Case.

A Embaixada do Brasil em Washington é apoiadora institucional desta agenda empresarial liderada pela Amcham, junto aos Institutos ARC, ETCO e ETHOS. Ao todo, serão 5 dias com a previsão de envolver mais de 25 executivos, na sua maioria, executivos das áreas financeiras, RH e jurídica das organizações. Informações e inscrições no missoes@amchambrasil.com.br

Tags, , ,

Empresas brasileiras de tecnologia vão buscar parcerias e novos negócios nos EUA

Uma semana de imersão nos negócios de tecnologia mais promissores dos Estados Unidos é o foco da missão comercial de TI que a Amcham – Brasil fará, de 10 a 17 de maio.

A Câmara Americana de Comércio vai levar 12 empresas e entidades brasileiras desse setor para se encontrar com líderes, investidores e pesquisadores em cidades como São Francisco, Seattle e Washington, DC.

A delegação empresarial da missão é composta por empresas de grande e médio porte, além de algumas start ups. São elas: Stefanini, Autodoc, Algar Tech, 2gather, BVZ Digital, Conquest One, Incube, HTP Solution, Pinhão & Koiffman Advogados, Machado Meyer Advogados e representações de 2 estados brasileiros, a Investe São Paulo e Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento.

“O grande foco das empresas com a missão é buscar parcerias comerciais com aceleradoras, investidores e empresas americanas, além de entender como funciona o modelo de startup’s nos EUA. São parcerias tanto para entrar no mercado americano como também trazer inovação e novos produtos para o consumidor brasileiro”, explica Camila Moura, gerente de Comércio Exterior da Amcham.

A agenda contará com reuniões em instituições que se tornaram referência mundial em TI, como a aceleradora Acceleraprise, a Stanford University e empresas como Google, Amazon e Microsoft, entre outras.

“Estamos percebendo uma boa receptividade das empresas americanas para receber a delegação, tanto pelo interesse comercial como também pela disponibilidade em detalhar processos e seus modelos de sucesso”, detalha Camila Moura.

O embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Mauro Viera, participa da agenda da missão em Washington, que contará ainda com a realização de três seminários focados na atração de investimentos para o Brasil.

Outro destaque da missão é realização da agenda em Seattle. “A cidade é hoje um dos principais centros de tecnologia no mundo e com potenciais comerciais e de parcerias poucos exploradas por empresários brasileiros. Vamos visitar sedes mundiais de grandes corporações, como Amazon e Microsoft”, conta Moura. A cidade americana também concentra os escritórios mundiais do Starbucks e Boeing.

Em Washington, a agenda da missão envolve reuniões com lideranças da Acceleprise e SAIC INC. Já em São Francisco a delegação visita e realiza encontros com Google, Stanford University, Angel Pad, Sales Force e Mozilla.

Outras edições da missão
Esta é a quinta edição da missão de TI da Amcham. Já participaram da ação mais de 63 executivos de 55 empresas. Os participantes da missão há um ano voltaram ao Brasil com negociações iniciadas para parcerias. Os empresários relatam que estar em contato com um forte ambiente de inovação impacta o planejamento de suas empresas.

“Eles também afirmam que observar os negócios americanos os ajuda a fazer mudanças, em suas operações, para se tornarem mais atrativos para investidores e parceiros”, acrescenta a gerente de Comércio Exterior da Amcham, Camila Moura.

Tags, , , , , , , , , , ,