Tag ABVCAP

Scaleup inBrazil seleciona 10 empresas israelenses que prometem turbinar o ecossistema de startups brasileiro

O Brasil, país de dimensões continentais, tem sido visto por muitos mercados pequenos mas altamente inovadores como um lugar propício para a expansão de suas empresas de tecnologia. Com o objetivo de acelerar o ingresso de empresas de base tecnológica israelenses no Brasil, o Scaleup inBrazil – programa da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e da ABVCAP (Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital) -, em parceria com o Israel Trade & Investment, selecionou em sua segunda edição 10 empresas de Israel que contarão com o apoio dessas entidades para iniciar suas operações no País.

Após criteriosa seleção, dentre 62 inscritas, um aumento de 28% em relação ao ano passado, foram finalistas do processo as empresas DockTech, Facetrom, Elgressy Engineering Services, Inception, Medic Vision Imaging Solutions, Appnext PTE, Autofleet, AgroScout, Aleph Farms e Viridix, que atuam nos setores de transporte e mobilidade, foodtech, agritech, healthtech, edutech, adtech e fintech.

“O programa piloto realizado ano passado trouxe resultados sólidos que comprovaram nossa tese sobre a necessidade de um canal facilitador para a entrada de empresas de base tecnológica no Brasil. Por conta disso, este ano decidimos dobrar esse número de cinco para 10 finalistas aumentando a oportunidade para que mais empresas inovadoras internacionais possam escalar seus negócios no Brasil, explica Helena Brandão, Coordenadora de Investimentos Estrangeiros da Apex-Brasil. “Ficamos muito impressionados com a diversidade de segmentos das empresas”, comenta Helena.

Ano passado as cinco empresas aceleradas no programa realizaram mais de 120 reuniões com potenciais clientes facilitadas pelo programa, contrataram três funcionários locais, assinaram contratos com cinco novos clientes e desenvolveram mais de 30 POCs.

Das 62 empresas inscritas 16 foram aprovadas para o primeiro estágio do programa, que ocorreu entre 12 de agosto e 24 de setembro. Dessas 16, foram selecionadas as 10 anunciadas hoje. A escolha foi feita por meio de entrevistas com integrantes do comitê de seleção, formado por Institutional Venture Capitalists (IVCs) e Corporate Venture Capitalists (CVCs) do Brasil e de Israel.

Os empreendedores israelenses agora passarão por uma imersão virtual entre outubro e dezembro e uma imersão presencial em março, que será confirmada em dezembro de acordo com o controle da pandemia tanto no Brasil como em Israel.

“Esse ano todos tivemos que nos adaptar. Apesar de entender o quanto é importante a imersão presencial no Brasil para o entendimento do empreendedor internacional, a cultura local, os apertos de mão tão necessários no modo brasileiro de fazer negócio, foi necessário primeiro proteger participantes, parceiros e organizadores de potenciais riscos que a pandemia nos apresenta. Fizemos um trabalho interno intenso e concluímos que o programa, mesmo que virtualmente, ainda assim poderia adicionar um grande valor aos participantes. Ficamos muito felizes com os números de inscritos e entusiasmo dos participantes até aqui nesse novo formato”, comentou Ângela Ximenes, Superintendente Executiva da ABVCAP.

“Esse programa é altamente abrangente pois aborda de forma prática os aspectos essenciais para qualquer empresa israelense se estabelecer no Brasil. Apesar da atuação do Israel Trade & Investment nesse aspecto, o programa fortalece esse trabalho de apoio a empresas que enxergam a oportunidade no Brasil mas nem sempre estão devidamente preparados às diferenças culturais”, afirmou Itzhak Reich, Cônsul para Assuntos Econômicos do Israel Trade & Investment.

O programa conta com entidades públicas e privadas de Israel e do Brasil como parceiros. Entre elas estão gestores de venture capital e grandes corporações.

Durante o Scaleup inBrazil, as empresas participarão de workshops e encontros sobre assuntos jurídicos, tributários e bancários e também marketing, branding, adaptação de produtos e, mais importante, desenvolvimento de negócios. A ideia é que elas possam, durante esse tempo, conhecer fornecedores confiáveis e de qualidade que estejam aptos a ajudá-las a adaptar seus produtos aos consumidores locais e a garantir clientes potenciais, parceiros e até mesmo investidores no Brasil. Tudo está desenhado para garantir negócios e validação de clientes e produtos.

O programa conta com parceiros na área de inovação e tecnologia em Israel e no Brasil. A lista completa está no site scaleupinBrazil.com.

Sobre as empresas

AgroScout
Setor: Agritech
AgroScout desenvolve uma solução autônoma para a detecção de doenças e pragas nas culturas. AgroScout combina dados de imagens de campo recolhidos principalmente a partir de drones com dados externos, como informação meteorológica para detectar doenças nas culturas numa fase precoce.

Aleph Farms
Setor: Foodtech
A Aleph Farms cultiva bifes verdadeiros a partir de células isoladas de uma vaca. A carne de Aleph Farms cultivada em células é próxima da carne convencional graças a uma plataforma 3D proprietária que utiliza vários tipos de células para formar tecidos complexos, assegurando um produto final que se assemelha ao sabor, textura, e estrutura da carne de criação.

Appnext
Setor: adtech
Appnext é a maior plataforma de descoberta, oferecendo o único mecanismo de recomendação no mercado, que engloba tanto a descoberta em plataforma como a descoberta no dispositivo. As recomendações da Appnext auxiliam os profissionais de marketing de aplicativos a alcançar usuários mais envolvidos e a descobrir, utilizar e reutilizar os seus aplicativos.

Autofleet
Setor: Transporte
A AutoFleet permite aos gestores de frotas tornarem-se fornecedores de veículos como serviço. Utilizando a plataforma AutoFleet, os gestores de frotas podem maximizar as receitas e margens e aumentar a utilização da frota agregando a procura, controlando a oferta, e otimizando as viagens.

DockTech
Setor: Transporte
DockTech aumenta a eficiência da carga e a segurança da embarcação ao criar uma dupla digital do fundo do mar para compreender e prever as condições nos portos e rios.

Elgressy
Setor: Tratamento de água
Elgressy é uma líder de mercado israelita no desenvolvimento e fabricação de sistemas eletroquímicos para o tratamento de água e águas residuais. Os seus sistemas são ecológicos, econômicos e operacionalmente benéficos para torres de arrefecimento, prevenção da Legionella (bactéria causadora da pneumonia, entre outras infecções), e tratamento/pré-tratamento de águas residuais.

Facetrom
Setor: Fintech
A Facetrom oferece uma tecnologia proprietária que fornece uma pontuação de avaliação de risco de fraude personalizada e em tempo real com base em fotografias faciais. A tecnologia da Facetrom pode extrair mais de 200 indicadores de uma única fotografia facial e prever com 90,7% de precisão a probabilidade de um cliente estar envolvido numa atividade fraudulenta.

Inception XR
Setor: VR/AR, edtech
Inception XR é uma rede imersiva de conteúdos de realidade virtual e realidade aumentada que utiliza tecnologia exclusiva para desenvolver aplicações de destino em múltiplas plataformas. Inception trouxe diversos produtos de realidade estendida para o mercado, incluindo a aplicação de entretenimento Inception VR e Bookful AR. A mais recente oferta da empresa, Inception Bookful, cria um universo lúdico e mágico que dá vida aos livros para crianças através da utilização da realidade aumentada.

Medic Vision
Setor: Saúde
A Medic Vision é a líder de inovação em soluções de melhoramento de imagem e de produtividade para diagnóstico por imagem, independentes do fornecedor e rentáveis.

Viridix
Setor: Agritech
Viridix visa reinventar a detecção do solo através do desenvolvimento de uma solução escalável e acessível reconhecida pelos melhores cientistas agrícolas e entidades empresariais. Essa tecnologia permite saber o que cada planta sente, o tempo todo, para que possa melhorar o sistema de irrigação das plantações.

Para mais detalhes sobre o programa, acesse www.scaleupinbrazil.com

Tags, , , ,

Apex-Brasil realiza semana sobre Corporate Venture e investimentos em São Paulo

A cidade de São Paulo receberá, a partir do dia 24 de outubro, a Brasil Week: uma semana de atividades focadas no ecossistema de investimentos do país. A iniciativa da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), em parceria com a Associação Brasileira de Venture Capital e Private Equity (ABVCAP), é composta por diversos eventos idealizados para fornecer aos potenciais parceiros e investidores locais e estrangeiros informações estratégicas e atualizadas sobre o ambiente de investimentos em venture capital no Brasil. A intenção é alcançar diversos públicos, como gestores de fundos de venture capital, investidores anjo, aceleradoras, startups, investidores e corporações.

O carro-chefe da programação da Brasil Week São Paulo é o Corporate Venture In Brasil 2016: um fórum de dois dias que busca conectar corporações e investidores brasileiros e estrangeiros para compartilhar melhores práticas de empreendedorismo corporativo no contexto do ambiente de investimentos e inovação do Brasil. O evento é espelhado na experiência obtida na edição 2015 da iniciativa, quando o foco era mostrar aos investidores estrangeiros o ambiente nacional para o Corporate Venture. De lá para cá o cenário brasileiro evoluiu, mesmo em meio à crise: a Apex-Brasil manteve contato com cerca de 30 corporações estrangeiras de setores distintos, como indústria química, agronegócios, máquinas, automação, materiais avançados, TI, meditech e cleantech.

CENÁRIO

“Buscamos sempre identificar o grau de interesse dos programas de inovação externa e empreendedorismo corporativo com relação ao Brasil e a partir daí, facilitar contato com empresas, startups e fundos de venture capital brasileiros”, explica a Gerente de Investimentos da Apex-Brasil, Maria Luisa Cravo Wittenberg. A partir de reuniões privadas, rodadas de investimentos (tais como a primeira edição do Corporate Venture in Brasil 2015 e o encontro anual de Venture Capitalists no Vale do Silício em parceria com a ABVCAP), a Agência propiciou oportunidades diretas para pelo menos 20 empresas e startups.

“Observamos até agora que pelos menos três negociações seguem em andamento e dois investimentos ocorreram: tomada de decisão de uma corporação em investir em um fundo nacional de capital empreendedor com foco no agronegócio; e outro em uma startup de biotecnologia. Para 2017, já esperamos mais um anúncio de abertura de fundo de uma grande corporação no Brasil”, completa Maria Luisa. Na sequência do Corporate Venture in Brasil, acontece na quarta-feira, dia 26, o Corporate Venture in Brasil – Edição Automotiva, um evento que acontece durante o Congresso da Sociedade de Engenheiros Automotivos – SAE Brasil 2016 e tem foco em corporações e investidores interessados em inovações na indústria automotiva. A programação inclui apresentações de empresas, startups e especialistas sobre inovação, tendências, dados e soluções para esse setor. O Congresso SAE Brasil é o maior e mais completo evento de Mobilidade e Engenharia na América Latina.

O dia 26 de outubro reserva ainda espaço para outra atividade da Brasil Week: rodadas de negócios e reuniões privadas entre corporações internacionais e nacionais e gestores de fundos de investimentos e empresas brasileiras. O objetivo dessa ação é estimular oportunidades de parcerias e compartilhar mais sobre o ambiente de investimentos no Brasil. A ação é organizada pela Associação Brasileira de Venture Capital e Private Equity (ABVCAP) em parceria com a Apex-Brasil.

APOSTA

A Brasil Week termina no dia 27 de outubro com outras duas atividades vinculadas ao ambiente brasileiro de investimentos: a III Conferência Brasileira de Venture Capital e o V Fórum Export Venture. A III Conferência de Venture Capital reunirá os mais experientes e ativos executivos que atuam na indústria de venture capital no Brasil e na América Latina, além de contar com a presença de investidores internacionais, enriquecendo as discussões e apresentando as últimas novidades, tendências e desafios que a indústria deste segmento espera para o futuro próximo. Já o V Fórum Export busca apresentar empresas com alto grau de inovação em seus produtos e serviços e que desejam estabelecer potenciais parcerias com investidores estratégicos para alcançar mercados internacionais. Estas empresas atuam nos mais diferentes segmentos, como saúde, educação, agronegócios e varejo.

“Um resultado indireto de todo o debate e promoção do empreendedorismo corporativo que apoiamos até aqui tem sido auxiliar as corporações nacionais a acessarem melhores práticas, informações globais sobre o tema e abertura para parcerias que fortaleçam o desenvolvimento de seus projetos de inovação externa rumo a uma atuação de investimento em participações. Ainda em 2016 esperamos destacar, diretamente, pelos menos outras 20 empresas e fundos locais ao mercado e convidados internacionais durante a Brasil Week”, aposta a Gerente de Investimentos da Apex-Brasil, Maria Luisa Cravo Wittenberg.

SERVIÇO

Corporate Venture In Brasil 2016

DATA: 24 e 25 de outubro

HORA: 8h30 a 19h

LOCAL: Hotel Transamérica São Paulo (Av. Nações Unidas, 18591 – Várzea de Baixo)

Corporate Venture in Brasil – Edição Automotiva

DATA: 26 de outubro

HORA: 9h às 12h

LOCAL: Hub Tecnológico do Expo Center Norte, Pavilhão Vermelho (Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme)

Rodadas de Negócios e Reuniões Privadas

DATA: 26 de outubro

HORA: 10h a 18h

LOCAL: Tozzini Advogados (Rua Borges Lagoa 1328, Vila Mariana)

III Conferência Brasileira de Venture Capital

DATA: 27 de outubro

HORA: 8h30 a 19h

LOCAL: Hotel Transamérica São Paulo (Av. Nações Unidas, 18591 – Várzea de Baixo)

V Fórum Export Venture

DATA: 27 de outubro

HORA: 11h a 12h30

LOCAL: Hotel Transamérica São Paulo (Av. Nações Unidas, 18591 – Várzea de Baixo)

Tags, , , , , , , , , , ,

Venture Capital e empreendedorismo

Ao analisar o desenvolvimento da indústria de Venture Capital, os integrantes da sessão “Venture Capital: a ebulição na base do ecossistema” do Congresso ABVCAP, reconheceram os avanços da indústria, mas também o longo caminho que é preciso percorrer para ampliar a inovação no País.

Augusto Ferreira da Costa Neto, gerente do Departamento de Investimento em Participações da Finep – Inovação e Pesquisa, comentou que desde 2000 já investiu R$ 700 milhões em 34 fundos, sendo que 70% da carteira é dedicada a Venture e Seed Capital .
Marcos Vinícius de Souza, Secretário de Inovação do MDIC – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – também falou do projeto InovAtiva Brasil, programa de capacitação, mentoria e conexão para startups, que foi vencedor do Prêmio de Inovação em Gestão Pública do Ministério do Planejamento em 2014.

Mas ambos concordam com o despreparo dos empreendedores, lamentam a falta de bons projetos e ainda projetos bens escritos. Para eles, temos um ambiente de negócios pouco propício para o desenvolvimento de startupso que implica, inclusive, na queda de patentes brasileiras divulgada pelo INPI esta semana, mostrando que em 2013 retornamos ao mesmo patamar do início da década. “Caiu enormemente o número de empresas que inovam ou pretendem inovar. Precisamos trabalhar na busca de um ambiente de negócios melhor”, argumenta Rodrigo Menezes, Coordenador do Comitê de Empreendedorismo, Inovação, Capital Semente e Venture Capital da ABVCAP e sócio da Derraik&Menezes Advogados.

Menezes disse ainda que é preciso capacitar mais os executivos para startups e que a bagagem e o networking dos empreendedores nas mentorias melhoram muito o seu desempenho.

Já Anderson Thees, sócio da Redpoint eVentures, acredita que a média geral dos empreendedores melhorou nos últimos 3 anos. “Os aventureiros foram embora”, diz ele, mas faz a ressalva de que o setor que atua é naturalmente mais maduro para empreender. “Também temos um mercado muito promissor. A indústria digital cresceu mais de 20% no ano passado. Temos 100 milhões de pessoas online e mais 100 milhões querendo entrar”, pondera.

O secretário de inovação do MDIC terminou o debate falando da próxima edição do InovAtiva Brasil, que vai abrir vagas para mentores online, e terá cooperação internacional com alguns países como Reino Unido, França, Alemanha, Estados Unidos para capacitar o empreendedor a internacionalizar sua empresa. “Precisamos ainda melhorar algumas questões regulatórias para dar mais segurança jurídica aos investidores e melhorar o ambiente de negócios no Brasil. Com isso feito, não precisamos nos preocupar com o dólar”.

Sobre o Congresso ABVCAP

Organizado pela Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital, o evento aconteceu no Rio de Janeiro, nos dias 07 e 08 de abril, e é reconhecido como o maior encontro do setor de participações na América Latina. Reunindo players nacionais e internacionais da indústria de PE&VC e abrindo as comemorações dos 15 anos da entidade e a consolidação do setor, o evento trará discussões sobre o atual cenário desse setor, e vai mostrar que a indústria de participações está otimista em relação aos investimentos de longo prazo no Brasil devido a crescente ascensão da classe média e ao grande mercado consumidor.

O Congresso da ABVCAP contou com o patrocínio do BNDES, CVC, FINEP, KPMG, BM&FBOVESPA, Guernsey, EY, Merrill Data Site, Diligent, Bank of America Merrill Lynch, CAF, Deloitte, PWC, SEBRAE;Bradesco BBI, Mattos Filho Advogados, Pinheiro Neto Advogados e SP Capital IQalém da parceria institucional da ABDI, Apex-Brasil e BID/Fumin.

Tags, , , , , , ,

ABVCAP: Gestores buscam novos investimentos em empresas da região sul do Brasil

A Região Sul do Brasil está no radar dos gestores e investidores de fundos de private equity, venture e seed capital. Representando parcela significativa do PIB, 16.5% de acordo estatísticas do IBGE, os estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina tem um histórico de empreendedorismo nas áreas de agronegócios, indústrias e serviços que determinam a demanda crescente de investimentos para o seu crescimento na economia do país.

No dia 26 de junho, em Curitiba, investidores de olho no potencial, crescimento e inovação dos empreendedores da região poderão assistir de perto durante o II Venture Forum Sul-Brasileiro a apresentação dos planos de negócios de empresas previamente selecionadas e capacitadas pela Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP), juntamente à FIERGS, FIESC e Senai no Paraná. As inscrições para assistir ao evento podem ser feitas através do site da Associação www.abvcap.com.br.

Com faturamento anual entre cerca de 1 a 23 milhões de reais, as 10 empresas selecionadas são dos setores de TI, moda, tecnologias limpas, saúde, alimentação, agronegócios e construção civil. Para chegar à etapa final elas passaram por um processo de seleção em que foram avaliados critérios como inovação, produtos e processos de produção, perfil de equipe, alternativas de saída e retorno financeiro.

“A aproximação de investidores aos projetos de investimento da região facilitam a avaliação das potencialidades e da viabilidade dos negócios”, diz o Presidente da ABVCAP, Clovis Meurer.

Para o Gerente de Inovação do Senai no Paraná, Filipe Cassapo, a chave da competitividade industrial brasileira está na capacidade de acelerar o desenvolvimento dos empreendimentos intensos em tecnologia e inovação. “o Venture Forum Sul-Brasileiro dará uma contribuição fundamental, que consistirá em aproximar de forma sistêmica e planejada os empreendedores inovadores de alto impacto, com o capital à busca de bons projetos”.

O II Venture Forum Sul-Brasileiro conta com o patrocínio da KPMG, parceria institucional da ABDI, BM&FBOVESPA e FUMIN/BID, metodologia Inovar/Finep, apoio da AGDI, Badesul, Confrapar, CRP, Criatec, CVentures, Endeavor, Graycliff Partners, Inseed Investimentos, Sebrae/PR e SP Ventures, além da parceria de mídia do Portal Acionista.

Tags, , , , ,

Cresce o interesse das médias empresas em captar recursos de private equity

A KSI Brasil, auditoria e consultoria internacional focada no middle market, tem constatado o interesse crescente das pequenas e médias empresas pela captação de recursos de Private Equity, seja para investir na expansão do negócio ou para melhorar a governança, a gestão e a credibilidade, requisitos necessários para fazer o IPO no momento propício.

A opção pelos fundos de Private Equity tem prevalecido, em muitos casos, sobre a possibilidade de abrir o capital. Embora, este ano, as small caps venham apresentando um desempenho na bolsa de valores bem superior ao das grandes companhias, as empresas que ainda não fizeram seu IPO têm preferido buscar capital junto aos fundos de Private Equity, em função das incertezas que rondam as bolsas e da falta de regularidade na performance dos papéis das empresas menores. Além disso, os fundos de investimento podem contribuir também para a melhora da gestão do negócio e da governança.

“Tem surgido, por outro lado, um número maior de fundos interessados no segmento das médias empresas, o que ampliou as possibilidades de captação de recursos”, afirma Ismael Martinez, sócio-diretor da KSI Brasil, ao observar que há fundos especializados em empresas que estão sendo criadas (seed capital) e empresas já constituídas e em fase de crescimento (venture capital).

Ele observa que há também empresas que buscam recursos para pagamento de dívidas como condição para alavancar o seu crescimento, desde que o seu negócio seja sólido e tenha perspectivas de expansão consistentes, requisitos estes fundamentais para atrair o capital privado. No caso de empresas de menor porte que requerem recursos com foco no curto prazo, por exemplo, para pagamento de dívidas, o valor dos aportes propostos é equivalente ao percentual que a dívida representa no faturamento da empresa, em torno de 20% e 50% do faturamento anual.

Em 2011, os fundos de Private Equity brasileiros respondiam por 18% de todo o volume captado por fundos de Private Equity em países emergentes, segundo o Emerging Markets Private Equity Association (EMPEA). De acordo com a Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP), em função do aumento da procura por este tipo de financiamento de longo prazo por parte das pequenas e médias empresas, a entidade está promovendo eventos de treinamento e capacitação para os empreendedores.

Sobre a KSI Brasil
A KSI Brasil é uma das principais auditorias e consultorias do segmento do middlemarket no País. A empresa é resultado da associação da brasileira Imáteo – fundada em 1995 e com atuação destacada no segmento do middle market – com a auditoria britânica KS International – que está entre as 25 maiores auditorias do mundo, segundo a revista de contabilidade Accountancy Age.

Tags, , , ,