Category veículos elétricos

Alumínio de baixo carbono inspira triciclo elétrico sustentável

Um triciclo elétrico totalmente feito em alumínio promete reduzir a quantidade de pequenos caminhões e vans movidos a diesel circulando nas ruas e, consequentemente, as emissões de gases causadores do efeito estufa. O novo conceito, que será apresentado no Salone del Mobile, em Milão, em 2021, é fruto do trabalho do designer alemão Konstantin Grcic em colaboração com a Hydro, multinacional do setor de alumínio.

Trata-se de um conjunto de triciclo elétrico e trailer feitos com extrusões de alumínio reciclado de alta qualidade e baixo carbono, o Hydro CIRCAL, com design leve, simples, flexível e multifuncional. Por ser extremamente versátil, a ideia é que o “Hydro Trike” tenha as mais diversas aplicações, do transporte de carga à comercialização de alimentos ou o que mais a imaginação dos seus futuros consumidores demandar. O projeto 100% sustentável foi apresentado em uma edição especial da revista Wallpaper, considerada a mais importante publicação de design do mundo. Também participam da conceituação as empresas Polestar, do grupo Volvo, e Cake, especializada na fabricação de bicicletas e motos elétricas.

Veículos elétricos vão acelerar novas vendas de carros para 54% até 2040

907185_1 Os veículos elétricos serão responsáveis pela maioria das vendas de automóveis novos em todo o mundo até 2040 e vão representar 33% de todos os veículos leves de passeio, de acordo com uma nova pesquisa publicada hoje.

A previsão, preparada pela equipe de transportes da Bloomberg New Energy Finance, baseia-se em análises detalhadas das prováveis futuras reduções no preço das baterias de íon de lítio e em perspectivas para os outros componentes de custo em veículos elétricos e veículos com motores de combustão interna, ou ICE (sigla em inglês). Foram considerados também os crescentes compromissos com EV (sigla em inglês para veículos elétricos) das montadoras e ao número de novos modelos de EV que elas planejam lançar.

A principal descoberta da pesquisa é que a revolução dos EVs vai atingir o mercado de carros com mais força e rapidez do que a BNEF previu há um ano. A equipe agora estima que os veículos elétricos representarão 54% de todas as novas vendas de veículos leves de passeio em todo o mundo até 2040, e não os 35% de participação previstos anteriormente. Até 2040, os EVs vão remover 8 milhões de barris de combustível de transporte por dia e adicionar 5% ao consumo global de eletricidade.

Colin McKerracher, principal analista em transportes avançados da BNEF, disse: “Vemos um momento de inflexão importante para a indústria automotiva global na segunda metade da década de 2020. Os consumidores irão descobrir que os preços de venda antecipados para EVs são comparáveis ou inferiores aos dos veículos ICE comuns em quase todos os grandes mercados até 2029”.

A previsão mostra que as vendas de veículos elétricos em todo o mundo vão crescer de forma constante nos próximos anos, do recorde de 700 mil visto em 2016 para 3 milhões até 2021. Nesse momento, eles representarão quase 5% das vendas de veículos leves de passeio na Europa, um aumento de um pouco mais de 1% atulmente, e cerca de 4% nos EUA e na China.

No entanto, o impulso real para os EVs acontecerá a partir da segunda metade da década de 2020, quando, em primeiro lugar, os carros elétricos terão um custo de propriedade mais baixo ao longo da vida útil, do que os modelos de ICE; e, em segundo lugar, haverá um momento ainda mais importante psicologicamente para os compradores – quando seus custos iniciais ficarão abaixo dos custos dos veículos convencionais.

O componente-chave de um EV – a bateria – deverá ter uma queda significativa no preço, com base em reduções de custos recentes e marcantes. Desde 2010, os preços das baterias de íon de lítio caíram 73% por kWh. As melhorias de fabricação e a densidade de energia mais do que duplicada da bateria deverão provocar uma nova queda de mais de 70% até 2030.

O resultado será o aumento rápido das participações de mercado para veículos elétricos nos maiores mercados, mesmo com a queda dos preços do petróleo. A BNEF considera que eles vão representar quase 67% das vendas de carros novos na Europa até 2040 e 58% nas vendas nos EUA e 51% na China na mesma data. Os países que fizeram avanços iniciais na aceitação de EVs deverão estar entre os líderes em 2040, incluindo a Noruega, a França e o Reino Unido. Para as economias emergentes, países como a Índia, não terão vendas significativas de EVs até o final dos anos 2020.

Jon Moore, diretor executivo da BNEF, disse que esse crescimento na participação do mercado de EVs “ocorrerá em um momento que o sistema de energia também estará passando por uma revolução, para uma geração mais limpa e distribuída. Isso significa que não só os veículos elétricos vão crescer, mas seu perfil de emissões também vai melhorar ao longo do tempo”.

A previsão da BNEF baseia-se diretamente na economia relativa dos carros EVs e ICE. Ela assume que as políticas atuais para encorajar a aceitação de EVs vão continuar até a sua validade programada, mas não assume a introdução de novas medidas. A BNEF analisou o mercado automotivo não apenas por país, mas também por segmento, abrangendo tudo, desde veículos pequenos de passeio até SUVs e grandes carros familiares.

Salim Morsy, analista sênior da equipe de transportes avançados da BNEF e autor principal do relatório, comentou: “Há um caminho viável para um forte crescimento de EVs, mas ainda é necessário muito mais investimento em infraestrutura de carregamento em todo o mundo. A incapacidade para fazer o carregamento em casa, em muitos mercados locais e regionais, faz parte da razão pela qual prevemos que os EVs representem pouco mais de um terço da frota de carros globais em 2040 e não um número muito maior”.

A equipe também incorporou em sua previsão para EVs um trabalho em outros dois tópicos relevantes na revolução do transporte – veículos autônomos e viagens compartilhadas. Ela concluiu que o impacto da direção autônoma será limitado nos próximos 10 anos, mas que terá um papel crescente no mercado após 2030, sendo que 80% de todos os veículos autônomos em aplicações compartilhadas serão elétricos até 2040, devido a menores custos operacionais.

Um resumo executivo da previsão de veículos elétricos da BNEF de 2017 pode ser baixado no microsite neste link.

Tags,

Volvo Cars anuncia estratégia mundial para veículos elétricos

Still from animation - Mild hybrid, 48 volts

O anúncio representa um dos movimentos mais significativos de uma fabricante de automóveis ao apostar na eletrificação e destaca, mais de um século após a invenção do motor a combustão interna, que os motores elétricos estão preparando o caminho para um novo capítulo na história automotiva.

“Isso diz respeito ao cliente”, afirma Håkan Samuelsson, presidente e CEO da Volvo Cars. “As pessoas exigem cada vez mais carros eletrificados e queremos responder às necessidades atuais e futuras dos nossos consumidores, que poderão escolher qualquer modelo Volvo que desejar”.

A Volvo Cars apresentará um portfólio de carros eletrificados em toda sua gama de produtos, abrangendo carros totalmente elétricos e híbridos plug-in.

Serão lançados cinco carros totalmente elétricos entre 2019 e 2021, três dos quais modelos Volvo e dois veículos de alta performance da Polestar, a nova divisão de alto desempenho da Volvo Cars. Os detalhes dessa iniciativa serão anunciados posteriormente.

Esses cinco carros serão complementados por uma gama veículos híbridos plug-in a gasolina e diesel, além de modelos híbridos de 48 volts em toda a linha, representando uma das mais amplas ofertas de automóveis eletrificados de qualquer fabricante.

sso significa que, no futuro, não haverá carros Volvo sem motor elétrico, já que os modelos com propulsor a gasolina serão gradualmente eliminados e substituídos por veículos aprimorados com opções eletrificadas.

“Este anúncio marca o fim do carro equipado exclusivamente com motor a combustão”, conclui Samuelsson. “Dissemos que a Volvo Cars planejava vender 1 milhão de carros electrificados até 2025. Essa estratégia nos permitirá atingir esse objetivo”.

A iniciativa destaca o compromisso da Volvo Cars de minimizar seu impacto ambiental e, assim, tornar as cidades do futuro mais limpas. A fabricante sueca está focada em reduzir as emissões de carbono de seus produtos, assim como de suas operações, neutralizando a atividade de suas fábricas até 2025.

A decisão também acompanha o anúncio de que a Volvo Cars transformará a Polestar em uma empresa global independente para carros elétricos de alto desempenho. Thomas Ingenlath, então vice-presidente sênior de Design da Volvo Cars, vai liderar a Polestar como CEO da nova marca.

Para mais informações, acesse: www.volvocars.com/br

Tags, , ,

Alunos da UFSC conquistam terceiro lugar na 11ª edição da Shell Eco-marathon Americas

Estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) conquistaram a terceira colocação geral no ranking da 11ª edição da Shell Eco-marathon Americas, competição que estimula estudantes universitários das Américas a desenvolver protótipos de veículos ultra eficientes, em Detroit, nos Estados Unidos. A equipe EFICEM conseguiu percorrer 283km, o equivalente à distância aproximada entre o campus da UFSC em Joinville e a cidade de São Paulo, com apenas 1kWh de energia elétrica, que atualmente tem o custo aproximado de R$1,00.

A EFICEM se destacou entre as equipes brasileiras, atingindo o terceiro lugar na categoria Bateria Elétrica a bordo do protótipo Setta Energy. Este ano, o veículo, que já chegou a pesar 24kg em 2016 e 22kg em 2015, surpreendeu pela terceira vez consecutiva ao bater a marca de mais leve da competição, com 21,5kg.

“Participar da Shell Eco-Marathon em Detroit é uma experiência incrível. Você aprende a trabalhar em equipe e pode contar com toda uma estrutura organizacional por trás. A Shell Eco-Marathon vem para coroar o esforço dos alunos durante boa parte do ano. É uma via de mão dupla, a gente aprende, a gente ensina. A experiência é fantástica e, se eu pudesse, participaria todos os anos. Recomendo a todos os alunos que cursam engenharia a se engajar nesse projeto”, comenta Gustavo Marchiori, da equipe EFICEM.

A equipe da Universidade Presbiteriana Mackenzie ficou em sexto lugar também na categoria Bateria Elétrica. Alunos da Universidade Federal de Itajubá, Universidade Tecnológica Federal do Paraná e da PUC- RS também participaram da competição. A disputa deste ano teve a participação de mais de 1.200 estudantes de oito países: Brasil, Canadá, Colômbia, Guatemala, México, Peru, Porto Rico e Estados Unidos.

Tags, , , , , , ,

Embraer faz parceria para inovação com a Uber Elevate Network

A Embraer anunciou hoje um acordo com a Uber visando a explorar o conceito de um ecossistema – denominado Uber Elevate Network – que poderá permitir o desenvolvimento e implantação de pequenos veículos elétricos com decolagem e aterrissagem vertical (VTOLs, na sigla em inglês) para deslocamentos curtos no espaço urbano. O anúncio foi feito em Dallas, Texas, na sessão de abertura do Uber Elevate Summit.

Essa parceria preliminar é um projeto gerado pelo Centro de Inovação de Negócios da Embraer. Anunciado no mês passado, quando a empresa revelou sua intenção de promover inovações no transporte aéreo, o Centro tem sede em Melbourne, na Flórida, e equipes no Vale do Silício, Califórnia, e em Boston, Massachusetts.

“Acreditamos firmemente que é preciso explorar vários novos conceitos de negócios que podem afetar o transporte aéreo no futuro. Essa é uma oportunidade única para ajudarmos a complementar o conhecimento de transporte aéreo dessa que é uma empresa revolucionária e visionária no transporte terrestre. No exercício dessa parceria, vamos desenvolver novas tecnologias, novos produtos e novos modelos de negócios que podem gerar oportunidades para a Embraer no futuro”, disse Paulo Cesar de Souza e Silva, CEO da Embraer.

“Compartilhamos a visão de que a situação do transporte em regiões urbanas congestionadas está pronta para soluções inovadoras, como a aviação sob demanda. A liderança da Embraer na aviação comercial e executiva foi obtida por meio da introdução de aeronaves e serviços inovadores. Estamos confiantes de que esse nosso DNA também agregará valor a novos conceitos de transporte urbano”, disse Antonio Campello, diretor de Inovação Corporativa.

“A Embraer é a maior fabricante de jatos comerciais de até 130 assentos e um dos parceiros mais experientes da Uber neste segmento. Seu conhecimento de certificação de aeronaves com tecnologia fly-by-wire embarcadas e sua confiança de que eles podem igualmente tornar essa tecnologia acessível a aeronaves muito menores é um ingrediente essencial para o nosso sucesso”, disse Mark Moore, diretor de Engenharia de Aviação da Uber.

Fonte: Embraer

Tags, , , , , , ,

Mercedes-Benz irá fornecer 1.500 vans elétricas para entregas urbanas na Alemanha

view (7)

A Mercedes-Benz e a Hermes, uma das empresas líderes do setor de logística de distribuição urbana na Alemanha, firmaram acordo para substituir veículos da frota atual da transportadora por modelos elétricos. Os veículos equipados com bateria serão utilizados num projeto piloto, com início previsto para 2018, em operações reais da Hermes nas cidades alemãs de Hamburgo e Stuttgart.

Até 2020, esse cliente pretende contar com 1.500 comerciais leves elétricos da Mercedes-Benz, entre Vito e Sprinter, para utilização em áreas urbanas, visando aumentar a economia operacional, a sustentabilidade e mais praticidade da logística de entrega.

“A tecnologia de propulsão elétrica será decisiva para o transporte urbano, especialmente no uso comercial. Como exemplo, as entregas devem se tornar mais eficientes e sem emissões. No ano passado, anunciamos que colocaríamos uma van elétrica em série novamente. A primeira foi em 2011”, diz Volker Mornhinweg, chefe mundial da Mercedes-Benz Vans.

O executivo fala também sobre o primeiro cliente para essas vans elétricas. “Estamos orgulhosos por poder anunciar que a Hermes Alemanha será o nosso primeiro cliente com um número tão significativo de veículos. Essa Empresa necessita de vans elétricas de médio e de grande porte para suas operações de logística. Dessa forma, nós da Mercedes-Benz podemos oferecer produtos que atendam às necessidades dos clientes com alta qualidade, confiabilidade, conforto e segurança, no alto padrão da marca reconhecido pelo mercado mundial”.

Segundo Frank Rausch, CEO da Hermes Alemanha, a parceria com a Mercedes-Benz é um marco no progresso da proteção do clima e do meio ambiente com a mobilidade elétrica. “Com as vans elétricas da Mercedes-Benz, iniciamos o processo de renovação da frota de maneira sustentável, utilizando-a em operações de entregas urbanas”.

Eletricidade é uma energia sem impacto no clima

Devido ao crescimento das vendas de produtos pela internet, as empresas de logística estabeleceram como meta melhorar a eficiência, produtividade e sustentabilidade nas entregas das encomendas, além de incrementar a qualidade dos serviços junto aos clientes.
Até 2025, a Hermes planeja executar as entregas nos centros das principais cidades alemãs totalmente sem emissões. Somente eletricidade, a partir de fontes 100% regenerativas, será utilizada para a recarga das baterias de propulsão dos veículos. A energia será gerada sem impacto algum ao clima e em conformidade com o selo verde de eletricidade “Grüner Storm”, emitido por associações ambientais.

Novos conceitos sobre a entrega e a eficiência econômica dos veículos elétricos deverão ser adotados para a integração das vans elétricas nos processos operacionais já existentes, inclusive a infraestrutura necessária para recarregar as baterias. Com a utilização dos comerciais leves elétricos da Mercedes-Benz, silenciosos e livres de emissões, a parceria entre as duas empresas alemãs parceiras deseja influenciar o mercado, visando à otimização do transporte urbano de mercadorias.

Sistemas conectados e soluções inteligentes

Outro importante ponto para a melhoria da eficiência das entregas, refere-se ao desenvolvimento de sistemas inteligentes que equipam as vans. Com a parceria, a Mercedes-Benz Vans também implementará serviços conectados, como, por exemplo, que otimizem o planejamento das rotas de entrega com informações sobre a autonomia da bateria.

A Mercedes-Benz contribuirá também com soluções inteligentes de carga e espaço, além de inovadores serviços de mobilidade para a empresa, o que inclui novas modalidades de leasing e de locações de curto prazo.

Parceria de sucesso por mais de 40 anos

A Daimler e a Hermes possuem uma parceria de mais de 40 anos, baseada em veículos convencionais e na pesquisa e desenvolvimento de sistemas de propulsão alternativos, como na década de 90, com testes da primeira van do mercado movida a hidrogênio. Em 2001, a Hermes testou uma Sprinter com tecnologia de célula de hidrogênio em suas operações. Em 2011, a empresa de logística utilizou o Vito E-Cell, o primeiro modelo elétrico da Mercedes-Benz Vans produzido em série.

Com essa parceria, a Mercedes-Benz Vans está dando mais um importante passo rumo à implementação da iniciativa estratégica para o futuro, adVANce, apresentada no ano passado. Como decorrência, a marca passa de uma fabricante de veículos para uma fornecedora de soluções em sistemas totalmente customizados.

A Mercedes-Benz Vans está focada em quatro áreas nas quais investirá cerca de 500 milhões de euros até 2020. São elas: a integração de várias soluções de conectividade em comerciais leves (digital@vans), soluções inovadoras de hardware para o setor de vans (solutions@vans), novos conceitos de mobilidade do transporte atendendo às necessidades das pessoas e de bens (mobility@vans) e sistemas customizados de propulsão elétrica para aplicações específicas (eDriver@vans). De forma estratégica, está fornecendo para sua parceira Hermes Alemanha os conhecimentos especializados em todas as quatro áreas do adVANce.

Tags, , , , , , , , ,

Dubuc Motors promove financiamento coletivo de seus carros elétricos

A Dubuc Motors Inc. (Dubuc Motors), empresa responsável pelo Tomahawk, o primeiro carro esportivo elétrico 2+2 do mundo, anuncia a fase de oferta de sua campanha de financiamento coletivo de capital após a qualificação de sua solicitação perante a Securities and Exchange Commission (SEC). A empresa recebeu mais de US$ 6 milhões em indicações de interesse, e é agora a primeira a realizar conjuntamente uma oferta de Regulamento S com Regulamento A conforme o Título IV da Lei JOBS, Regulamento A+.

A Dubuc Motors agora pode vender ações a investidores credenciados e não credenciados por meio do seu site (www.dubucmotors.com), permitindo investimentos a partir da pequena quantia de US$ 200 nos Estados Unidos e internacionalmente.

“As pessoas abraçaram a ideia de que o Tomahawk, embora seja um carro esportivo exótico, pode ser tão prático quanto um sedã”, disse Mike Kakogiannakis, um dos fundadores da Dubuc Motors. “Estamos satisfeitos com a resposta do público. É emocionante ver uma comunidade de pessoas inovadoras e definidoras de tendências subir a bordo como acionistas da nossa empresa desde o início.”

Com autonomia de 370 milhas, o Tomahawk atende a um público único, acomodando os maiores e mais altos, com espaço confortável para motoristas de até 6’5″. Recursos adicionais, como bancos traseiros e espaço no porta-malas, agregam características de utilitário, tornando o Tomahawk um carro esportivo de luxo para o cotidiano. O Tomahawk está disponível para reservas mediante depósito de US$ 5.000 no site da empresa, com as primeiras entregas previstas para 2018.

Tags, , , ,

Veículos híbridos e elétricos buscam espaço nas metas de eficiência energética

Ricardo Guggisberg, presidente da ABVE

Ricardo Guggisberg, presidente da ABVE

A quatorze meses do início do prazo de submissão das metas de redução de emissões e de consumo por parte montadoras e importadoras que se habilitaram ao Inovar-Auto – Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotivos, em outubro de 2017, várias tecnologias de motores à combustão, de eletrônica embarcada, redução de coeficiente aerodinâmico, pneus verdes, entre outros, ganharam avanços significativos. Também lembrados no Inovar-Auto, instituído em outubro de 2012, os veículos híbridos e elétricos, no entanto, foram pouco considerados no cumprimento de metas de eficiência energética.

A opinião é de Ricardo Guggisberg, presidente da ABVE – Associação Brasileira do Veículo Elétrico, que reuniu hoje a imprensa automotiva em São Paulo para falar sobre o atual quadro de desenvolvimento do mercado brasileiro de veículos híbridos e elétricos, também sobre a 1ª edição do Movimento Paulistano do Veículo Híbrido e Elétrico (que acontece no dia 27 de agosto próximo – do Paraíso ao Estádio do Pacaembu) e sobre a 12ª edição do Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, Novas Tecnologias e Componentes, que será realizada entre os dias 1º e 3 de setembro, no Pavilhão Amarelo, do Expo Center Norte.

“Entendo que as montadoras que se habilitaram ao Inovar-Auto, em sua maioria, vão conseguir reduzir o consumo energético compulsório de seus produtos, de 12,08%, o que proporciona crédito presumido de até 30 pontos percentuais do IPI, por meio de introdução de novas tecnologias como downsizing de motores, turboalimentadores, redução de coeficientes aerodinâmicos, injeção direta, start-stop, cilinder desativation, redução de peso, pneus verdes, entre tantas outras. Mas também a indústria não deveria deixar de lado os veículos híbridos e elétricos”, analisa Guggisberg, para quem o Brasil está se distanciando da tendência dos principais polos produtivos e mercados automotivos internacionais.

O presidente da ABVE reconhece a atual predominância dos motores à combustão, hoje responsáveis – no mundo – por cerca de 95% dos veículos comercializados. Apenas 5% são híbridos ou elétricos. No Brasil, em 2015, foram emplacados 846 veículos híbridos e elétricos, o que significa 0,00042% dos 2.017.639 automóveis licenciados. “Esses dados mostram claramente como os híbridos e elétricos podem contribuir com as metas adicionais de 15,46% e 18,84% em eficiência energética do Inovar-Auto, que proporcionam créditos presumidos de mais 1 e 2 pontos percentuais no IPI, sem agredir a participação dos motores à combustão, mas de grande valia à sociedade e ao meio ambiente”, enfatiza Ricardo Guggisberg.

Entraves e avanços – Em 10 anos de atuação, os principais entraves enfrentados pela ABVE e os carros elétricos são a alta carga tributária, alto preço das baterias, dependência por infraestrutura de eletropostos, falta de padronização de plugs, falta de políticas públicas que estimulem a venda, regulação da cobrança de energia elétrica e redução de IPI para modelos localizados no País em regime de SKD (Semi Knock Down) e CKD (Completed Knock Down).

De outra parte, o setor de VHEs já conseguiu alguns avanços como o incentivo dos BNDES na redução de taxas de juros e ampliação do prazo de pagamento na compra de ônibus híbridos e elétricos, isenção do IPVA em sete estados (Ceará, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Sergipe), redução parcial no IPVA em três estados (Mato Grosso do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro), imposto de importação foi zerado ou reduzido de 35% para 0%-7%, dependendo da eficiência energética para veículos elétricos puros, híbridos plug-in e células de combustível, isenção do rodízio na cidade de São Paulo e instalação do primeiro eletroposto em rodovias, uma parceria da CPFL e a Rede Graal, intermediada pela ABVE.

Diante desses dois cenários – entraves e avanços –, a ABVE mantém seus pleitos de regulação da venda do combustível energia elétrica, redução do IPI, aprovação de infraestrutura para recarga de veículos elétricos, padronização de plugs e equiparação do imposto de importação concedido aos veículos elétricos para motocicletas, scooters, bicicletas e componentes.

Carreata – A ABVE – Associação Brasileira do Veículo Elétrico promove no próximo dia 27 de agosto, sábado, a carreata da 1ª edição do Movimento Paulistano do Veículo Híbrido e Elétrico, com o objetivo de levar informações do setor à população por uma mobilidade mais sustentável.

A concentração de proprietários de automóveis, motocicletas, skates, bicicletas e ônibus, com a devida autorização da CET – Companhia de Engenharia do Tráfego – acontece na Praça Amadeu Amaral, no Paraíso, às 9h, e às 10h,o comboio segue pela Avenida Paulista até alcançar a Praça Charles Miller, no Estádio do Pacaembu.

Durante o trajeto, a entidade vai mostrar a real situação do setor de veículos híbridos e elétricos no Brasil e os exemplos de sucesso de projetos de mobilidade verde ou sustentável na Alemanha, Canadá, Chile, China, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Holanda, Índia, Itália, Japão, Noruega, Portugal e Suécia.

“Há dez anos, participamos de audiências públicas e de diferentes fóruns do setor automotivo brasileiro. Mas como o Brasil é adepto aos motores à combustão, sempre enfrentamos dificuldades de, ao menos, mostrar as tecnologias limpas, configuradas nos veículos elétricos. Há uma predisposição dos brasileiros em relação aos híbridos. Mas tanto um como o outro encontram ausência de políticas públicas e de incentivos, como ocorrem em outros países. Por isso, decidimos fazer uma carreata. Tenho convicção de que a sociedade paulistana e, a brasileira, vai aprovar a ação da ABVE”, argumenta Guggisberg.

12º VE – A grande novidade do 12º Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias, de 1º a 3 de setembro, no Pavilhão Amarelo, do Expo Center Norte, será o lançamento oficial do Projeto MUV – Mobilidade Urbana Verde, cuja proposta e estudos preliminares nasceram na ABVE – Associação Brasileira do Veículo Elétrico.

Transporte sustentável, o Projeto Zona MUV – Mobilidade Urbana Verde significa incentivar todas as formas de mobilidade de baixo impacto ao meio ambiente – baixa emissão de poluentes e de ruído – o que inclui desde o ato de caminhar até todos os meios de transporte híbridos e elétricos, o que incluí desde caminhões, ônibus, veículos de transporte de carga e de pessoas, até bicicletas, scooters, motocicletas, triciclos e as suas modalidades de uso: táxi, carona, veículo compartilhado.

O projeto objetiva estimular a eletromobilidade como um todo, bem como a integração de modais; a melhoria na qualidade de vida, com significativa redução de emissão de gases de efeito estufa; além de auxiliar os governos na busca por soluções já atestadas para o transporte em diversas localidades pelo mundo; criar demanda e trabalhar a oferta de soluções em políticas públicas de mobilidade e, sobretudo, de estimular a indústria da mobilidade elétrica no Brasil, ao gerar emprego e renda.

As mais de trinta empresas que já aderiram ao Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos vão proporcionar também a experiência de pilotar carros, bicicletas, patinetes, skates, scooters, todos elétricos ou híbridos, durante a mostra que está em sua 12ª edição.

Ambas indoor, uma pista será destinada aos veículos híbridos e elétricos. Na outra, a pista Smart City, com bicicletas, patinetes, skates, scooters, entre outros equipamentos, todos elétricos. “Será uma maneira muito interessante de colocar o consumidor final em contato com as novas tecnologias de mobilidade. É certo que veículos elétricos e híbridos são uma minoria ainda, mas – de outra parte – é fundamental que os brasileiros conheçam os produtos de emissão zero ou de baixíssima emissão veicular. E que as cidades precisam ter alternativas de escolha, por reduções mais expressivas de gases de efeito estufa”, analisa Ricardo Guggisberg, presidente da ABVE.

“A Toyota do Brasil, por exemplo, vai mostrar o recém lançado Prius”, enfatiza Guggisberg. “Bosch, Mercedes-Benz, Eletrabus, Lexus, CPFL, Moura, Caixa Econômica Federal, Volvo, BYD, Compact Car, Club Car, Cooltra, Power Solutions, Schreder, Semikron, SI – Soluções Inovadoras, Tramontina, entre outras, também prometem levar novidade ao Salão”, complementa.

Tags, , , ,