Category universidades

Laboratório de tecnologia itinerante da IBM volta à estrada para capacitar estudantes em Internet das Coisas

A IBM Brasil anuncia o início de uma nova viagem do Hackatruck, projeto de educação da companhia, que conta com o apoio da Apple e Flex, e execução do Instituto Eldorado. Nessa segunda viagem, o caminhão itinerante passará por 11 universidades localizadas de ponta a ponta do Brasil e terá como objetivo capacitar estudantes de cursos relacionados à tecnologia da informação sobre IoT (Internet of Things). Desta vez, o caminhão funcionará como um “makerspace”, ou seja, um espaço onde os alunos poderão criar e desenvolver protótipos de projetos relacionados ao tema.

A Internet das Coisas vem se popularizando com rapidez no mercado brasileiro. Com grande potencial de crescimento, tem atraído cada vez mais profissionais e estudantes da área. De acordo com dados da consultoria IDC, IoT deve movimentar US$ 8 bilhões no Brasil neste ano. Os principais investimentos na tecnologia devem partir de setores como saúde, indústria, agricultura e infraestrutura urbana.

O curso oferecido pela IBM é gratuito e tem 6 semanas de duração, com carga horária de 120 horas. Durante este período, os alunos selecionados para as aulas serão capacitados na linguagem de programação Swift para iOS, utilizarão metodologias avançadas de desenvolvimento (DevOps, Agile, Scrum e Design Thinking) e tecnologias voltadas a Internet das Coisas. Além disso, todos os participantes poderão desenvolver protótipos de suas ideias. Neste ano, os alunos serão desafiados a criar projetos relacionados a sete temas de grande importância para a sociedade: Saúde, Educação, Indústria 4.0, Varejo, Segurança, Mobilidade Urbana e Sustentabilidade. Além da grade oficial, haverá palestras sobre novas tecnologias, como Inteligência Artificial, Computação Quântica e Blockchain, e carreiras em TI.

Na primeira fase do projeto, realizada entre setembro de 2014 e dezembro de 2017, o Hackatruck percorreu mais de 48.000 km e passou por 10 universidades em todas as regiões do País. Cerca de 4 mil alunos assistiram às aulas e workshops. “É nossa missão ajudar na capacitação de futuros profissionais em novas tecnologias, para que cheguem ao mercado bem preparados para inovar e atender às demandas das empresas. O Hackatruck é um projeto muito importante nesse sentido e os resultados da primeira fase nos deixam muito felizes e engajados para lançar uma nova edição”, afirma Carlos Hopf, Líder de Parcerias Educacionais e Pesquisa & Desenvolvimento da IBM Brasil.

Itinerário e inscrições

A segunda fase do Hackatruck Makerspace será realizada entre maio e dezembro deste ano e passará por seis universidades nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. As datas de chegada do caminhão nas outras cinco universidades serão divulgadas posteriormente.

PUC Campinas (SP): 2 de maio a 8 de junho;
Universidade Católica de Brasília (DF): 25 de junho a 3 de agosto;
PUC-PR (Curitiba/PR): 7 de agosto a 18 de setembro;
PUC-RS (Porto Alegre/RS): 24 de setembro a 7 de novembro;
Unichapeco (Chapecó/SC): 12 a 30 de novembro;
Unicesumar (Maringá/PR): 3 a 21 de dezembro.

Os interessados em participar do Hackatruck devem ser alunos das instituições parceiras e deverão completar um curso de ensino a distância disponível no site do projeto. Os participantes com a melhor pontuação serão selecionados para as aulas presenciais no caminhão-escola. Para mais informações, acesse www.hackatruck.com.br.

Tags, , , , , ,

Cinco razões para colégios e universidades adotarem cartões inteligentes

Por Fernando Giroto, Diretor de Vendas da HID Global para Brasil e Cone Sul da Divisão de Secure Issuance

Você sabia que 95% das Universidades e Faculdades ainda dependem de tecnologias antigas, como tarjas magnéticas ou cartões de proximidade simples para controle de acesso, ou seja, para gerenciar quem entra e quem sai de suas instalações? Infelizmente, tecnologias ultrapassadas deixam as instituições vulneráveis em relação à segurança e, por muitas vezes, resultam em fraudes ou duplicações de cartões.

No entanto, devido ao aumento das populações universitárias e dos avanços tecnológicos, muitas instituições passaram a buscar por soluções mais seguras, econômicas e ágeis para atender às necessidades de seu corpo docente e de estudantes, não só para proteger pessoas, bens e dados, mas para conectar alunos a uma infinidade de serviços e aplicações em todo o campus – desde instalações físicas, acesso às redes lógicas, pagamentos sem dinheiro, acompanhamento de serviço e atendimento.

Para proporcionar uma experiência de credencial mais segura, conveniente e flexível para seus alunos, professores e funcionários, as universidades que sabem como se antecipar ao futuro, estão agora deixando para trás as tecnologias tradicionais de cartão de tarja magnética, de baixa frequência e proximidade, para privilegiar tecnologias de alta frequência que utilizam um único cartão para seus programas de identificação de estudantes.

Existem cinco razões principais pelas quais essas instituições estão migrando para cartões inteligentes:

1. Maior segurança e proteção

A atualização da tecnologia para cartões inteligentes sem contato reforça o controle de acesso físico aos edifícios, enquanto fortalece o acesso à rede, computadores, documentos, registros médicos e financeiros dos estudantes. Além disso, as tecnologias incorporadas do cartão inteligente impedem a clonagem e o uso fraudulento de cartões, garantindo não só o acesso seguro ao prédio, mas a proteção para outras funcionalidades do cartão, como compras por débito ou outras transações bancárias. A migração para uma credencial segura “inteligente” também pode eliminar a necessidade de chaves físicas – que podem ser facilmente copiadas e são notoriamente vulneráveis à perda ou roubo.

2. Conveniência do titular do cartão

Documento com foto, ID para acesso em condomínios, cartão da biblioteca ou cafeteria, bilhete de ônibus, quantos cartões os estudantes universitários gerenciam hoje? Com Smart Cards sem contato, as instituições podem combinar todas essas funções em um único cartão, e não apenas para agilizar suas operações, mas melhorar a experiência de credencial no campus para estudantes e funcionários.

3. Maior flexibilidade

Além da conveniência no campus, os cartões inteligentes para múltiplas aplicações permitem a interoperabilidade segura com aplicativos fora da unidade, como transporte e bancário. Além disso, com a flexibilidade oferecida pela tecnologia de cartão inteligente, é permitido adicionar novas aplicações ou modificar configurações de aplicativos existentes, como de acesso à biblioteca ou planos de alimentação, em qualquer momento e sem ter que emitir novos cartões.

4. Ganhos de eficiência no longo prazo e economia de custos

Os cartões inteligentes multifunções melhoram a segurança das operações, permitem fluxos de trabalho mais eficientes e gerenciamento mais fácil dos programas de Identificação de estudantes, professores e funcionários. Ao melhorar o gerenciamento de riscos com o aumento da segurança dos cartões inteligentes, as universidades também podem se beneficiar de uma redução de seus prêmios de seguro.

5. Caminho para o futuro

A migração para uma plataforma de tecnologia de cartão inteligente unificada para cobrir todas as necessidades de aplicativos, oferece às instituições a capacidade de transição em seu próprio ritmo à medida que o orçamento e os recursos permitem, fornecendo uma base sólida para adicionar novas tecnologias e capacidades conforme elas se tornem disponíveis ou cada vez mais acessíveis. Leia o Resumo Executivo da HID Global e saiba mais sobre cada uma destas razões fundamentais pelas quais as universidades e faculdades estão migrando para cartões inteligentes multifuncionais.

Tags, , , ,

Estácio aposta em inteligência artificial para elevar qualidade no atendimento

Criada em 1970, a Estácio possui unidades em todos os estados do País, o que requer atendimento ainda mais ágil e eficiente para a alta demanda gerada por seus mais de 500 mil alunos e prospects.

No passado, a Estácio contava com um assistente virtual destinado ao atendimento de candidatos e alunos. Entretanto, o serviço atingia a uma taxa de automação de menos de 30%, gerando grandes demandas para a central de atendimento, trazendo deficiências na comunicação com seus usuários, o que difere de nossa premissa de atendimento ágil e linear.

Para sanar toda a situação, em janeiro de 2016, a Estácio contratou a Bluelab, empresa especializada em automação de atendimento com o uso de inteligência artificial. Após avaliar as necessidades da instituição de ensino, a Bluelab iniciou o processo de criação do avatar para o chatbot, que deveria transparecer jovialidade e seriedade, possuindo uma imagem robótica, mas amigável, além de apontar para um consciente coletivo de atendimento virtual, agregando os valores da Estácio.

“Optamos por deixar claro que o atendimento é realizado por chatbot para manter a transparência que aplicamos em nossos serviços educacionais e na relação com nossos alunos”, explica Bruno Pessanha, Gerente de Canais Digitais da Estácio. A universidade também possui chat humano, atendimento via formulário no portal e call center.

Batizado como Tácio, nome escolhido por votação dos funcionários da área de relacionamento, o robô teve sua base de conhecimento criada do zero. O ponto de partida foram as 20 dúvidas mais respondidas no atendimento telefônico, pois como disse Pessanha “Preferimos criar uma nova base a fim de atualizar e aperfeiçoar o atendimento, pautado na própria fraseologia de nosso candidato e aluno”. Com a implementação da base de conhecimento, o Tácio atingiu uma taxa de automação de 70% no primeiro mês.

linhadotempo_Tacio170821_154710

Como o acesso ao Tácio é realizado por candidatos e alunos, foi necessário enriquecer a base de perguntas com informações que atendessem aos dois grupos. Para isso, a Estácio criou um sistema de comunicação interna para coletar e manter as questões atualizadas, o que possibilitou a Bluelab atualizar constantemente a base de conhecimento do robô.

Com o chatbot consolidado, a Bluelab e a Estácio iniciaram o processo de melhorias no atendimento. A exclusão do cadastro prévio para acessar o chatbot elevou a adesão ao serviço, atingindo 90% de taxa de automação. A pesquisa de satisfação também foi otimizada com a inclusão de estrelas que aparecem logo no início da conversa. Atendimentos com uma ou duas estrelas contam com formulário para que o usuário descreva o motivo da sua insatisfação, a fim de atender suas necessidades e avaliar outras possibilidades de melhoria. Atualmente, a taxa de satisfação média é de 98%.

Além disso, foi implementada a co-navegação, que traz a página do site correspondente à dúvida do usuário como plano de fundo da tela do chat. Entre os conteúdos disponíveis estão: busca por tipo de curso e localização, contendo todas as informações dos mesmos, incluindo grade curricular, preços e muitas outras informações. “Esta melhoria ajuda muito os futuros alunos e reduz bastante o envio de formulários para a central de atendimento, pois até pouco tempo, esta era a única maneira de saber os detalhes dos cursos. Isso também elevou a busca pelos nossos serviços, possibilitando o aumento do número de alunos”, afirma Juliana Cunha, uma das idealizadoras do projeto.

Em março de 2017, o Tácio registrou atendimento em mais de 97 mil chats, chegando a atender 25 pessoas simultaneamente, com taxa de automação média de 95%. Com o sucesso da solução, a Estácio pretende implementar novos recursos a partir de outubro deste ano, como serviços integrados à área logada, além da publicação nas redes sociais.

“A nossa missão é oferecer um serviço ágil e eficiente, que atenda ao maior número possível de usuários e solicitações, sem impactar bruscamente as finanças de nossos clientes. A Estácio é mais uma prova de que estamos no caminho certo”, comemora Mateus Azevedo, sócio da Bluelab.

performance_Tacio170821_154719

unnamed

Tags, , , , , , ,

Mais segurança no campus sem comprometer a acessibilidade

Por Rogério Coradini, Diretor Comercial da HID Global no Brasil

Como garantir a segurança para estudantes, professores, funcionários e visitantes e ainda assim permitir que se movimentem livremente pelo campus? Como reforçar a segurança física sem sacrificar o fácil acesso às instalações da instituição, recursos e serviços? Estas são perguntas que faculdades e universidades rotineiramente se fazem sobre a questão da segurança no campus.

À medida que cresce o uso de cartões de identidade fraudulentos, inclusive em escolas e universidades, aumentando consequentemente o risco de violência, há uma necessidade indiscutível de melhorar a segurança sem impactar a experiência do usuário. Mas, por onde começar?

Se por um lado a segurança em um campus escolar é uma prioridade extremamente alta, por outro também é importante para estudantes (e professores) sentirem-se confortáveis e bem-vindos em sua escola. Esse espírito de “liberdade” não pode ser sufocado, certo?

A boa notícia é que a solução pode não ser tão desafiadora como antes. Hoje, a vasta maioria das carteiras estudantis tem códigos de barras ou tecnologia de tarja magnética para fornecer acesso a salas de aula, livrarias, laboratórios, restaurantes e demais dependências. Usar cartão inteligente sem contato com um smart chip embutido é mais seguro porque ele não pode ser clonado facilmente e, por consequência, é menor a probabilidade de que indivíduos não autorizados obtenham informações desses cartões. Um dos principais benefícios de alavancar o uso da tecnologia de cartões inteligentes sem contato é a facilidade de usá-lo para prover a estudantes e membros da faculdade o acesso a várias instalações e serviços do campus com um simples toque do cartão em um leitor. Como as informações são exclusivas ao usuário, os cartões podem ser configurados para permitir o acesso a prédios, aplicações ou serviços específicos.

Algumas escolas estão começando também a adicionar a opção de credenciais móveis. Esta tecnologia aproveita a proliferação de smartphones colocando a credencial dos estudantes em seus celulares e então usando-a para dar aos alunos ingresso a instalações e sistemas de pagamento no campus.

Se sua instituição não está pronta para fazer o upgrade da tecnologia de cartões devido ao orçamento ou restrições de recursos, há diversas opções disponíveis para universidades e faculdades que são relativamente acessíveis e fáceis de implementar. Uma opção simples desse tipo é a adição de um elemento de segurança visual (VSE, do inglês visual security element) para carteiras estudantis, o que torna as credenciais de alunos e funcionários mais fáceis de serem verificadas. De opções abertas a secretas, sobreposições holográficas, microtexto, imagens fluorescentes e outras ferramentas VSE proveem um método rápido para determinar se o cartão é autêntico.

Além de credenciais estudantis, a segurança do campus também pode ser bastante reforçada com um efetivo sistema de gerenciamento de visitantes. Um sistema como esse possibilita fazer check-in, check-out e monitoramento de todos os visitantes do campus, melhorando a segurança de estudantes e staff, sem impedir sua acessibilidade.

Muitas soluções de segurança podem ser usadas para proteger efetivamente o campus e seus ativos sem impedir estudantes e colaboradores de aproveitar tudo o que é oferecido.

Saiba como a Universidade George Mason utilizou cartões inteligentes sem contato para melhorar a experiência do estudante em seu campus.

Tags, , , , , , ,

Startup Quero Educação é selecionada pela Y Combinator

A Quero Educação, startup responsável pelo Quero Bolsa (querobolsa.com.br), site de comparação de faculdades que oferece bolsas de estudos para mais de 700 instituições de ensino superior em todo o Brasil, anuncia sua aprovação na Y Combinator, a mais renomada aceleradora do mundo. A Quero Educação é a primeira empresa brasileira de educação no portfólio da Y Combinator, que inclui empresas multibilionárias como Airbnb, Dropbox e Stripe.

Todo ano, dezenas de milhares de startups de todo o globo se candidatam para a aceleradora, que aprova cerca de 200 empresas para receber um aporte financeiro e participar de seu programa de aceleração de 3 meses, no Vale do Silício. Para Geoff Ralston, partner da Y Combinator, a Quero Educação foi aprovada devido aos excelentes resultados com o Quero Bolsa, que já beneficiou mais de 70 mil estudantes universitários e cresce mais de 5 vezes ano a ano. “O time Quero Educação é de nível mundial e seu entendimento do mercado e execução tem sido extraordinários ”, comenta Ralston.

O Brasil já é um dos maiores mercados de educação privada do mundo e a Quero Educação pode contribuir para seu crescimento conectando as duas pontas do setor – instituições de ensino superior e alunos. “Encontrar a escola ideal pelo preço certo é um problema universal. O mercado brasileiro é o lugar perfeito para começar o que acreditamos que será uma empresa multi-bilionária e global atendendo essa necessidade”, revela Ralston.

Os fundadores da Quero Educação passaram os meses de junho a agosto sendo aconselhados pelos sócios da Y Combinator, imergindo na rede de 2400 empreendedores e aprimorando o negócio com as melhores práticas aprendidas. Um dos primeiros frutos desse período foi a renovação da marca da empresa: antes chamada RedeAlumni, a empresa adotou o nome Quero Educação. A mudança foi feita para refletir o objetivo do grupo e de levar a marca para além das fronteiras brasileiras, como Quero Education. A marca do principal produto da empresa, Quero Bolsa, segue inalterada.

De acordo com Bernardo de Pádua, fundador e CEO da Quero Educação, o Quero Bolsa foi criado para atender à necessidade das instituições de preencher vagas ociosas e democratizar o acesso ao ensino superior no País. “O Brasil possui apenas 14% da população adulta com ensino superior, em contraste com os Estados Unidos, que têm 45%. Queremos mudar esse quadro.”, explica Pádua. “Com o apoio da Y Combinator e das nossas escolas parceiras, vamos ajudar cada vez mais alunos a realizarem seus sonhos através da educação”.

Tags, , , , , ,

Universidades brasileiras dominam ranking 2016 da América Latina

A Universidade de São Paulo (USP) manteve seu lugar como a melhor universidade da América Latina no ranking QS de regiões de 2016, sendo reconhecida também como a colaboradora internacional de maior sucesso da região. A também paulista Universidade Estadual de Campinas garantiu o segundo lugar novamente. Neste ano, o ranking da América Latina identificou as 300 melhores universidades da região, mais uma vez destacando a predominância brasileira.

O ranking 2016 aponta ainda que:

– Quatro universidades brasileiras estão dentre as 10 primeiras da região;

– Três outros países têm 2 universidades entre as 10: o Chile, Colômbia, e México;

– 76 universidades brasileiras encontram-se entre as 300 ranqueadas, mais do que qualquer outro país latino-americano

Captura de Tela 2016-06-13 às 21.40.14

O Ranking de Universidades QS América Latina utiliza uma metodologia própria. Esta metodologia única avalia as universidades de acordo com 8 critérios, pesando os desafios e oportunidades específicos que as universidades encontram em sua própria região para tornarem-se reconhecidas em escala regional e global.

Um destes desafios é a necessidade de estabelecer parcerias internacionais para garantir fundos de investimento e qualidade em pesquisa, além de atrair estudantes e professores de excelência internacional. Com este intuito, a QS introduziu um novo critério este ano: “a rede de pesquisas internacional”, que mede o número de parcerias em pesquisa que uma universidade tem.

Avaliadas sob este novo critério, as universidades brasileiras também apresentaram bom desempenho: cinco delas estão entre as 10 melhores da América Latina em parcerias de pesquisa internacional. São elas: a Universidade de São Paulo (1ª), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (4ª), a Unicamp (8ª), a Universidade Federal de Minas Gerais (9ª em tal critério e 14ª no geral) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (10ª pelo critério e 16ª no ranking geral). Os resultados concluem que as universidades brasileiras estão caminhando firmemente na direção de firmar programas de pesquisa de colaboração global, sendo das mais bem-sucedidas na região.

FONTE QS Quacquarelli Symonds

Tags, , , , ,