Page

Category startup

Startup Evnts recebe investimento e é acelerada na Oxigênio

Startup recebeu 230 mil reais para expandir suas operações

A Evnts, plataforma tecnológica de reservas de hotéis para
eventos, anuncia um importante momento em sua trajetória. A empresa
recebeu um aporte de R$ 230 mil de um investidor-anjo. Agora, a
startup planeja aumentar a equipe comercial, de tecnologia e
atendimento, além de modernizar as ferramentas e funcionalidades da
plataforma.

“A Evnts é a primeira tecnologia que assegura a melhor tarifa da
internet para a reserva de hotéis em eventos. Há um grande mercado
para ser explorado dentro desse nicho, já que temos inúmeros eventos
em todo país. Com a chegada desse investimento-anjo, teremos a
possibilidade de explorar amplamente esse segmento”, afirma
Alexandre Rodrigues, CEO e fundador da Evnts.

Além do investimento, a startup também foi aprovada no processo da
Oxigênio, aceleradora da Porto Seguro. Durante três meses, a empresa
contará com o apoio de mentores referências no mercado, terá a
possibilidade de fazer negócios e networking com a rede de contatos
da Porto Seguro e ainda receberá um investimento de U$50 mil para
aprimorar o serviço da startup. Por fim, a equipe da Evnts passará
mais três meses na Plug and Play Tech Center, uma das maiores
aceleradoras do Vale do Silício, que tem parceria com a Oxigênio.

“Participar desta aceleração será incrível para nós. Além de
todo aprendizado, ter a Porto Seguro como investidora e parceira é
uma grande oportunidade, já que poderemos trabalhar inclusive em
soluções integradas que sejam aproveitadas pela própria
seguradora”, explica Alexandre.

Atualmente, o mercado de reservas de grupos movimenta aproximadamente
U$137 bilhões no mundo todo. Por meio da Evnts, os organizadores de
eventos conseguem alcançar em média de 20% a 40% de descontos nos
hotéis parceiros. A empresa já ofereceu seus serviços para eventos
importantes, como a Campus Party, o Brasil Game Show e o CASE.

“Temos acordo com as 20 principais redes de hotéis do país. Além
disso, analisamos sempre as melhores opções de hotéis, visando
oferecer alternativas próximas aos locais de eventos, das mais
acessíveis às mais luxuosas, desde que com qualidade garantida. Já
temos mais de 2 mil hotéis em nossa base e há uma grande procura de
novos hotéis a cada evento”, finaliza Alexandre.

Tags, , ,

Startup brasileira de locação de malas mira os mercados do Mercosul e da Europa em 2017

7154be7f-e286-400d-9f96-e4138c3a0a0b

Guillermo Benzáquen, ex-diretor da Samsonite, chega para reforçar o time da GetMalas e coordenar o processo de internacionalização.

Mesmo em meio à crise, a GetMalas, empresa pioneira na locação de malas via internet, mantém seus planos de crescimento e planeja expandir suas franquias para o Mercosul e Europa no próximo ano. À frente desse movimento está o executivo Guillermo Benzáquen, ex-diretor geral da Samsonite para o Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, e com passagem pela Freddo e AB InBev Group. Benzáquen entra como sócio e assume o relacionamento com parceiros, investidores e a coordenação de expansão.

“A vinda de Guillermo é um reforço de peso para o nosso time. Sua experiência com os principais players e fornecedores do nosso mercado-alvo é exatamente o que estávamos buscando para o crescimento do negócio”, comemora Tiago Botelho, 33 anos, CEO e fundador da GetMalas.

A GetMalas nasceu a princípio como uma loja de aluguel de malas em Belo Horizonte. Mas a experiência levou Tiago a mudar o formato e aperfeiçoar o negócio. Ele fechou a loja física ainda no primeiro ano e só não abandonou o projeto porque colhia indicadores e viu que os clientes percebiam valor no serviço inovador. Hoje a GetMalas tem suas operações rodando 100% pela internet e, apenas três anos após sua criação, tornou-se uma franquia que se expande rapidamente pelo Brasil e já está presente em Brasília, João Pessoa, Natal, Nova Lima, Niterói, Porto Alegre e São Paulo, além da capital mineira. O objetivo é fechar o ano com 20 franqueados espalhadas pelo país.

A experiência em Belo Horizonte ajudou a desenhar um serviço bem mais redondo e enxuto. Tiago sabe onde falhou, fez as correções necessárias e, com isso, abriu os caminhos para quem deseja começar um negócio próprio. “A vivência dos três primeiros anos me ajudou a construir um negócio mais maduro. Quem vai começar agora com a franquia pode percorrer o mesmo caminho em bem menos tempo e evitar todos os erros que cometemos”, explica. Uma das mudanças que conferiu mais agilidade ao negócio foi eliminar alguns processos aparentemente intocáveis. “Antes o cliente tinha que assinar um contrato de locação e deixar um cheque caução como garantia, o que deixava a operação complexa, engessada e, no final das contas, encarecia o produto. Agora o processo é totalmente digital e com o mesmo amparo jurídico”, explica.

Um dos grandes atrativos da franquia GetMalas é que ela pode funcionar como uma segunda atividade do investidor. O franqueado precisa apenas de um espaço de 2 a 4 metros quadrados em casa para armazenar as malas. O investimento inicial é baixo, a partir de 15 mil reais, já com um estoque de 20 malas. E, diferente da maioria das franquias, não existem royalties fixos. Estes só são cobrados em cima de locações efetivadas. “A operação do negócio é simples, não requer dedicação integral e tem uma boa oportunidade de escalabilidade, já que as expectativas de crescimento são excelentes”, explica Tiago. A empresa recebe o cadastro de interessados pelo site www.getmalas.com.br

GetMalas, como tudo começou

Quando se mudou para um flat, em 2013, o empreendedor Tiago Santiago Botelho, 33 anos, de Belo Horizonte, descobriu que precisaria fazer um exercício de desapego por causa da falta de espaço. Um dos objetos dos quais ele precisou se despedir foi da sua mala. “Eu não tinha ideia de quando a usaria novamente e não tinha onde guardá-la porque era enorme”, relembra. Ele pensou em quantas pessoas deveriam passar pela mesma situação e decidiu resolver não só o seu problema, mas dos outros também. Foi aí que surgiu a ideia da GetMalas.

“O aluguel representa em média 15% do que a pessoa pagaria para comprar uma mala, além disso o consumidor não precisa se preocupar com estragos e espaço para armazenamento”, destaca Tiago. “Trata-se de uma forma de consumo muito mais consciente, inteligente e econômica”. É só fazer as contas: para adquirir uma mala de qualidade, o consumidor precisa desembolsar em torno de 750 reais. Na GetMalas, por 94 reais é possível alugar uma mala média por até 14 dias. A locação de objetos é um exemplo de economia compartilhada, um novo modelo de consumo que vem ganhando força em todo o mundo. O produto que atenderia apenas uma pessoa tem seu uso ampliado e o descarte reduzido.

Tags, , , ,

VanHack promove 2ª edição do VanHackathon e pretende receber mais de 10 mil profissionais

A VanHack, empresa canadense que ajuda brasileiros a trabalhar no mercado digital do país da América do Norte, promove nos dias 21, 22 e 23 de outubro, a 2ª edição do VanHackathon, de forma virtual.

Com o objetivo de promover a imigração de novos talentos interessados em trabalhar fora do Brasil e ter uma carreira promissora no país, o VanHackathon vai conectar profissionais de design e programadores de TI a empresas no Canadá que estão à procura de jovens com essas habilidades e funções para fazer parte da equipe.

“Devido à grande procura e o sucesso que tivemos durante o primeiro evento, decidimos promover a 2ª edição. Nosso objetivo é alcançar o maior número de especialistas no setor que não tiveram a oportunidade de se inscrever da última vez. Nós pretendemos receber mais de 10 mil profissionais e queremos ser o segundo maior hackathon do mundo”, afirma Ilya Brotzky, CEO da VanHack.

Na primeira edição, o VanHackathon reuniu aproximadamente 20 empresas, dentre elas Hootsuite e Shopify e contou com mais de 946 participantes distribuídos em 64 times, com a duração de 54 horas. Durante a ocasião, foram realizados mais de 267 projetos, 26 entrevistas de emprego e enviadas aproximadamente 36 mil mensagens aos representantes de cada área. Como resultado do evento, sete pessoas foram contratadas pelas empresas canadenses.

Devido a atual situação financeira e política do Brasil, nos últimos anos houve um aumento expressivo no número de pessoas interessadas em trabalhar fora do país. De acordo com a Receita Federal e o Fisco, o número de declarações de imigração qualificada aumentou em 67% de 2011 para 2015. Em 2011, a Receita Federal recebeu em torno de 8 mil declarações, em média 21 para cada dia do ano. Já em 2015, foram 13 mil, com uma média diária de 36.

O evento custará CAD$ 10/mês para os profissionais participarem dessa interação e ter acesso a cursos, consulta pelo Linkedin, Webinars e vídeos semanais que fazem parte dos conteúdos disponíveis no pacote Pro da VanHack. Quem optar por pagar CAD$ 65/mês pelo pacote Premium, contará com uma equipe de especialistas da empresa para auxiliar na capacitação e ingresso no mercado de trabalho canadense, suporte na criação do currículo, quatro horas de entrevistas por semana que será realizada em inglês, apresentações e vídeos exclusivos feitos pelo time da empresa.

“Queremos unir a demanda e a necessidade do Canadá em buscar profissionais qualificados para vagas em aberto nas empresas de tecnologia com a atual situação econômica do Brasil e o alto número de pessoas que estão a procura de novas oportunidades de trabalho. Nosso objetivo é proporcionar novas experiências e ajudar a aumentar o círculo de networking entre as duas partes”, finaliza Brotzky.

A segunda edição do VanHackathon será apresentada em inglês com o objetivo de mostrar as habilidades para as empresas canadenses participantes. As inscrições podem ser feitas aqui.

Tags, , , ,

Apex-Brasil organiza semana de eventos no Vale do Silício

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) organiza, de 12 a 16 de setembro, a Brasil Week Silicon Valley, em São Francisco, Estados Unidos, com o objetivo de oferecer aos parceiros e investidores internacionais informações qualificadas sobre o ecossistema de capital empreendedor no Brasil, com suas peculiaridades, tendências e oportunidades.

Durante uma semana serão realizados quatro eventos onde o setor brasileiro de tecnologia será o destaque. O principal deles será o 3º Demo Day Apex-Brasil & Start-Up Brasil, no dia 12 de setembro, onde 11 startups brasileiras vão apresentar seus projetos a investidores norte-americanos. O encontro será realizado dentro do Tech Crunch Disrupt, conferência anual onde as startups de tecnologia lançam seus produtos e serviços a um público formado principalmente por investidores e pela mídia especializada.

Na semana anterior, as startups brasileiras – selecionadas pela Apex-Brasil e pelos programas Start-Up Brasil, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) com gestão da Softex, e o Inovativa, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) – participam do Programa Catalyzer, uma missão de imersão no Vale do Silício. Na programação estão workshops com investidores, visitas a empresas da região, treinamento de apresentação de projetos e um curso de design thinking na Universidade da Califórnia em Berkeley.

A agenda da Brasil Week inclui ainda um evento de relacionamento com investidores em venture capital, aceleradoras, investidores-anjo e empresas brasileiras, realizado no dia 13 de setembro, em parceria com o fundo investidor RedPoint EVentures. No dia 14, a Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP) organiza reuniões privadas entre gestores de recursos brasileiros e investidores estrangeiros (fundos de pensão, seguradoras e family offices), e no dia 15, realiza o 4º Seminário Venture Capital in Brazil, com o objetivo de conectar fundos de investimentos brasileiros de venture capital e investidores estrangeiros.

Para encerrar a programação da Brasil Week, a Apex-Brasil participa de painel na conferência Brazil in the 21st Century, organizada pela Associação Bay Brazil, que nas últimas quatro edições reuniu empresários, investidores, representantes do governo e líderes do setor privado para discutir ciência, tecnologia, empreendedorismo e papel do Brasil na economia global.

“O Brasil é um celeiro de empresas nascentes inovadoras e vem atraindo a atenção dos investidores internacionais. Esse evento, realizado no Vale do Silício, um dos ecossistemas de TI mais vibrantes do mundo, nos permite apresentar o potencial de negócio de nossas startups. É também uma oportunidade para que elas possam compreender a importância de pensarem seus negócios de forma global para que possam ser bem-sucedidas em um mercado cada vez mais competitivo”, disse Maximiliano Martinhão, Secretário de Política de Informática (Sepin) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

“O Vale do Silício é o maior ecossistema de inovação do mundo e possui uma grande concentração de recursos em Venture Capital”, comenta o presidente da Apex-Brasil, Embaixador Roberto Jaguaribe. Segundo ele, o relacionamento com investidores estrangeiros requer tempo para ser construído e a Apex-Brasil tem trabalhado nisso. “Pela primeira vez, a Agência organiza eventos que eram realizados em datas distintas em uma semana chamada Brasil Week para mostrar positivamente, e de forma coordenada, o Brasil como um destino de recursos que oferece de oportunidades inovadoras e de qualidade”, completa.

A segunda edição da Brasil Week será realizada em São Paulo, em outubro, e o ponto alto será o Corporate Venture in Brasil, que vai reunir grandes corporações globais e nacionais interessadas em se relacionar com startups, fundos e aceleradoras envolvidos no ambiente de inovação e atração de investimentos.

Mais detalhes em http://brasilweeksv.apexbrasil.com.br/

Tags, , , ,

Banco do Brasil recebe evento de fintechs

Nos dias 16, 17 e 18 de setembro, o Banco do Brasil abre suas portas para receber o seu primeiro Startup Weekend Fintech, edição especial do maior evento de empreendedorismo do mundo. Pela primeira vez em Brasília e no BB, o evento promoverá um encontro de 54 horas, entre desenvolvedores, designers, profissionais do setor financeiro e empreendedores, para que sejam desenvolvidas ideias de negócios.

O Startup Weekend Fintech está em sua terceira edição no país (as edições anteriores ocorreram em São Paulo) e pretende reunir até 120 pessoas, para trocar ideias, contatos e, até mesmo, criar novas empresas que tragam inovação ao setor financeiro. O facilitador do evento será Tony Celestino, Diretor da Techstart Startup Programs, no Brasil. De acordo com informações da Techstart, aceleradora de startups internacionais e detentora do formato, mais de 13 mil startups já foram criadas nos eventos mundiais do Startup Weekend.

A programação do Startup Weekend Fintech contempla formação de equipes para criar modelos de negócios, desenvolver ideias escolhidas, envolvendo programação, design e validação de mercado; mentorias, para auxiliar as equipes na implementação e validação dos projetos; palestras; oficina de pitches (apresentações concisas, para expor ideias) e banca de jurados para selecionar as ideias com maior potencial de negócio. O BB, apoiador e cenário do evento, participa ainda com a presença do seu Diretor de Negócios Digitais, Marco Mastroeni.

“A decisão do BB de apoiar o evento parte de um princípio de cooperação com as fintechs. O Banco do Brasil não as vê como concorrentes e apoia ideias inovadoras, tanto dos nossos próprios funcionários, como de fintechs. Vale ressaltar que é preciso estar 100% do tempo antenado no que os clientes pedem e no que você pode surpreendê-los”, afirma Mastroeni.

O BB pretende, continuamente, melhorar a experiência dos usuários, sob todos os aspectos, e continuar fazendo frente aos novos entrantes digitais. “O nosso objetivo é que o BB esteja cada vez mais presente no dia a dia das pessoas, facilitando suas vidas com inovadoras soluções”, completa o diretor.

As inscrições para participar estão abertas, custam R$ 175 e podem ser feitas até a véspera do evento, ou término das vagas.

Startup Weekend Fintech Brasília

Quando: 16, 17 e 18 de setembro
Onde: Edifício Sede do Banco do Brasil (SAUN, quadra 5, Lote B, Brasília – DF).
Mais informações e inscrições: http://www.up.co/communities/brazil/brasilia/startup-weekend/9382

Tags, , , ,

Principais startups do ramo de saúde criam primeiro cluster de saúde digital do Brasil

Seis das startups mais reconhecidas do mercado acabam de criar o 1o Cluster de Saúde Digital do Brasil, que reúne seus serviços com o objetivo de atender e gerar mais valor aos grandes players do mercado, como Hospitais, Laboratórios, Operadoras e Seguradoras de Saúde e o setor Farmacêutico.

As startups que compõem o Cluster já auxiliam diretamente quase 1 milhão de usuários com seus produtos e serviços. São conhecidas no mercado e entre as startups de Saúde, e juntas conseguem atender várias linhas de negócios em pequenas, médias ou grandes instituições de saúde.

Sobre o Cluster de Saúde Digital

A ideia do “cluster” surgiu tendo em vista o atual cenário das startups e instituições de saúde. “De um lado temos as empresas de saúde consolidadas, sem tanto problemas financeiros, que desejam trabalhar com startups mas cujos processos internos acabam dificultando as implantações”, disse Immo Paul, fundador da Carenet, startup responsável pela análise de dados de saúde móvel. “Já do outro temos as startups, com propostas que ajudam de verdade as empresas e que matam um leão por dia pra encontrar seu nicho”, completou.

Fernando Nandico, do MovaMais, startup que recompensa atividades físicas, disse ter gostado da ideia desde o início. “A possibilidade de cross-selling é imensa e com este Cluster já estamos presentes em 4 estados do Brasil, que vai ajudar no crescimento dos membros (DF, SP, MG e SC)”.

Já para Lívia, fundadora do Dr. Cuco, startup responsável pela adesão de medicamentos, a união das startups criará um marco histórico no mercado de Saúde do Brasil. “Não encontramos nenhuma iniciativa parecida, com a proposta de realmente acompanhar a jornada do paciente com ferramentas digitais de engajamento”, completou.

“Apesar de já atendermos grandes clientes, acredito que o Cluster conseguirá dar musculatura para as startups e aumentar ainda mais o valor agregado para as empresas”, comentou a Dra. Cristiane Benvenuto, cofundadora do Medicinia, startup responsável pela comunicação entre médicos, profissionais de saúde e pacientes.

Para Ricardo Moraes, CEO da Memed, startup responsável pela solução de e-prescrição e consulta de medicamentos, o cluster proporciona uma abrangência de conhecimentos fazendo com que o mercado de saúde se fortaleça. “Essa troca de experiências e misturas faz surgir um mercado sólido que supre todas as áreas e necessidades dos nossos clientes”, acrescentou.

O fundador da Cybergia, Dr. André Queiroz, startup responsável pela gestão da saúde populacional, comentou que pelas startups serem totalmente complementares, não concorrentes, a união entre elas só vem agregar mais valor ao mercado em geral. “Somos todos guerreiros neste imenso mercado de Saúde do Brasil e juntos conseguiremos oferecer uma proposta de valor mais completa”, disse ele.

Ao invés de gerenciar cada um dos serviços, as empresas interessadas em fazer negócios com o Cluster poderão acessar um Painel único com todos os dados referentes às startups que contrataram. A integração entre as startups beneficiará também seus atuais clientes, que podem contratar serviços complementares de forma mais simples e integrada.

É sempre um desafio para as startups conseguirem atender as recomendações das empresas, pois elas (startups) geralmente resolvem um problema específico e são focadas em uma única solução. Os membros do Cluster estão convencidos que juntos, acumulando 50 anos de experiência profissional na saúde, poderão atender qualquer desafio dos seus clientes.

As startups do “cluster” já tem reuniões de vendas agendadas em conjunto, para apresentarem uma solução mais completa aos clientes e promoverem o próprio Cluster.

Startups participantes do Cluster

Foco em integração:
Carenet Longevity (www.carenet.com.br) acelerada pela Wayra / Telefônica Open Future
A Carenet foi fundada por sócios suíços e brasileiros, e desenvolveu a maior Plataforma de Integração de Dados de Saúde Digital da América Latina, ajudando empresas a aproveitar dos dados gerados por wearables, aplicativos de saúde, smartphones e dispositivos médicos, de forma rápida e sem grandes investimentos.

Foco em recompensas:
MovaMais (http://movamais.com)
Mova Mais é uma plataforma de motivação para a prática continuada de atividades físicas através da oferta de recompensas aos consumidores.

Foco em tratamento:
Dr. Cuco (http://www.drcuco.com.br)
Fundada em 2015, o Dr. CUCO oferece soluções para melhorar a experiência do tratamento médico dos pacientes.

Foco em comunicação:
Medicinia (https://medicinia.com.br)
Medicinia foi criado em 2012 para reinventar a comunicação em saúde, aproveitando tudo o que a tecnologia pode oferecer para aproximar de forma seguro, humana estruturada as equipes de saúde e seus pacientes.

Foco em prescrição:
Memed (https://memed.com.br)
A Memed é uma plataforma online, onde médicos podem consultar mais de 20.000 medicamentos e fazer prescrições eletrônicas, de maneira rápida e eficiente.

Foco em promoção:
Cybergia (http://cybergia.com.br)
A Cybergia é uma plataforma web para saúde populacional, que promove saúde, previne doenças e ajuda o gestor a diagnosticar e implementar estratégias populacionais.

Tags, , , , , , , ,

Startups focadas em soluções digitais para a área da saúde têm até domingo para se inscrever em prêmio

Descobrir jovens empresas de tecnologia e incentivar o desenvolvimento de soluções digitais inovadoras que contribuam para os cuidados com a saúde. Esse é o objetivo da 2ª edição do prêmio Desafio Pfizer, que selecionará três startups nacionais de Saúde Digital para um programa de mentoria com executivos da Pfizer no Brasil e nos Estados Unidos. Os interessados em participar da iniciativa, promovida em parceria com a Berrini Ventures, aceleradora de startups na área da saúde, podem se inscrever por meio do site www.desafiopfizer.com.br, até o dia 4 de setembro.

“O sucesso obtido no lançamento do prêmio em 2015 nos motivou a planejar uma nova edição. Para a Pfizer, que tem a inovação em seu próprio DNA e investe fortemente em pesquisa e desenvolvimento em busca de novos tratamentos, essa é uma grande oportunidade de impulsionar o desenvolvimento de produtos e soluções que ajudem a melhorar a prática médica e, consequentemente, a vida dos pacientes, criando valor para a sociedade como um todo”, afirma o diretor comercial da Pfizer, Vagner Pin, que também lidera na companhia a área de Multi-Channel Marketing, idealizadora do projeto.

Startups brasileiras podem participar em três etapas: early-stage (em fase inicial de desenvolvimento), commitment (empresas já constituídas, com solução em uso beta por usuários) e scalling (com produtos finalizados e em crescimento expressivo no número de clientes). Entre as empresas inscritas, 12 serão selecionadas para apresentar seus projetos a uma banca multidisciplinar formada por executivos da Pfizer, da Berrini Ventures e de hospitais e grandes empresas na área de saúde.

As três vencedoras serão anunciadas no dia 27 de setembro, durante o Hospital Innovation Show, em São Paulo. Entre os mentores do prêmio estão Maria Lanzarone (diretora de Produto para a América Latina da Pfizer Inc), Sílvio Ferrari (diretor de Marketing e Vendas da Área Hospitalar da Pfizer Brasil) e Fernando Cembranelli (CEO da Berrini Ventures). O grupo terá encontros presenciais e virtuais com as startups vencedoras.

Os três primeiros colocados participarão do ciclo de aceleração da Berrini Ventures. “Só nos Estados Unidos, o setor de Digital Health recebeu quase US$ 1 bilhão em investimento nos primeiros quatro meses do ano. No Brasil, o mercado ainda é incipiente, mas tem grande potencial de se desenvolver”, destaca Cembranelli.

Globalmente, desde 2004, a Pfizer investe em empresas inovadoras em todo o mundo por meio da Pfizer Venture Investments, seu braço em Venture Capital.

Vencedores da primeira edição

A primeira edição do Desafio Pfizer foi realizada no ano passado. Os quatro vencedores foram a LinCare (que desenvolveu uma pulseira inteligente para monitoramento de idosos), Epistemic (com um projeto de dispositivo para detecção antecipada de surtos epilépticos), DoctorID (tecnologia para gestão de escalas e plantões médicos) e Clever Care (solução para monitoramento de pacientes a distância).

Para a fundadora da LinCare, a empresária Ana da Mata, participar do Desafio Pfizer foi uma experiência rica, que ajudou a empresa a se desenvolver. “O contato com uma empresa de renome mundial nos fez amadurecer e enxergar possibilidades por meio da ajuda e da colaboração dos mentores da Pfizer. Ganhamos uma aprovação do negócio e a ajuda de experts que colaboraram com a startup”, afirma. Ela destaca também a importância do apoio da Berrini Ventures para as startups vencedoras no processo de aproximação do mercado de São Paulo. “Trocamos contatos, participamos de eventos e nos ajudamos. Foi incrível”, completa.

Um dos mentores da primeira edição do prêmio, o diretor da Unidade de Vacinas da Pfizer Brasil, Marco Ferrazoli, destaca que a parceria com as startups é um processo de aprendizagem mútuo, em que ambas as partes saem fortalecidas. “De um lado, provocamos os empreendedores para que pudessem desenvolver uma visão mais estratégica de planejamento e de gestão financeira, sempre pensando no longo prazo. Ao mesmo tempo, também aprendemos lições importantes que estão totalmente alinhadas com as premissas de uma organização global, como pensar grande, mas sem esquecer que muitas vezes é preciso começar de baixo, sempre validando as estratégias ao longo do percurso”, ressalta.

Desafio Pfizer 2016

Inscrições: até 4 de setembro, por meio do site www.desafiopfizer.com.br
Avaliação das 12 startups finalistas: 15 de setembro
Premiação das 3 startups vencedoras: 27 de setembro
HIS – Hospital Innovation Show – São Paulo Expo (Ex-Imigrantes)

Tags, ,

Evento que lançou o Easy Taxi agora pretende criar a fintech mais inovadora do Brasil

O maior evento de incentivo do empreendedorismo do mundo, o Startup Weekend, tem sua edição voltada para FinTechs no Rio

Após duas edições de sucesso em São Paulo, que contaram com mais de 200 participantes, o Startup Weekend Fintech chega ao Rio de Janeiro no dia 16 para reforçar o compromisso da Techstars em promover o empreendedorismo em todas as esferas – incluindo a financeira, que é a cada dia mais importante para a vida pessoal e profissional da população. O Fintech é um dos conceitos inovadores recentes, que mistura tecnologia com finanças, e soluções que descentralizam o poder de bancos sobre o dinheiro do usuário.

Com mais de 3 mil edições realizadas em 300 países, o evento é conhecido no Brasil por ter sido o responsável pelo nascimento do app Easy Taxy, hoje líder no segmento e presente em mais de 30 países.

Como funciona?

O Startup Weekend tem um formato inovador que dura o fim de semana inteiro. Na noite de sexta-feira (16) os participantes reúnem-se para elaborar ideias e formar grupos. As aprovadas passam para a próxima fase, que se inicia na própria sexta e vai até o final do domingo, onde os grupos irão desenvolver o plano de negócios e validar o problema a ser resolvido.

Com o apoio de mentores e organizadores, os grupos receberão dicas e serão avaliados ao longo de todo o processo. As ideias de startups serão trabalhadas e retrabalhadas, mudarão de formato e se adequarão de acordo com a necessidade do mercado.

Já no final de domingo, o grupo de jurados convidados e sem contato prévio com os grupos fará a avaliação final, onde apenas uma das ideias sairá vitoriosa. O evento conta com o apoio de empresas de peso do setor financeiro, como a Rico, Circles Group, Sicoob, InvesteApp e Stone.

Tags,

Salesforce é nova mantenedora da ABStartups

A Salesforce (NYSE: CRM), líder mundial em plataformas de gerenciamento de relacionamento de clientes (CRM), acaba de se tornar mantenedora da Associação Brasileira de Startups (ABStartups). Ao falar sobre a importância da parceria, o presidente da entidade, Amure Pinho, afirma que “mesmo sendo uma gigante, a Salesforce tem o DNA de startup e conseguiu revolucionar o mercado de tecnologia ajudando empresas no mundo inteiro”.

Considerada uma das empresas mais inovadoras do mundo, a Salesforce se juntou à ABStartups na missão de tornar o Brasil um país cada vez mais voltado para a inovação e o avanço tecnológico. A partir de agora, a empresa passará a oferecer atividades para os associados da entidade, como conteúdo educativo, participação em palestras, webinars e apoio nos projetos institucionais.

“Quando começam a construir seus produtos e aplicativos, muitas startups não sabem por onde começar. Além disso, nossa experiência mostra que a maior parte dessas empresas falham em conquistar e reter clientes. Nosso portfólio inclui soluções para startups que têm como foco apoiar a comunidade a construir seu negócio, crescer a base de clientes e retribuir esse sucesso à sociedade. Estamos muito empolgados em estender essas ferramentas ao ecossistema de startups brasileiras por meio da parceria com a ABStartups”, afirma Daniel Hoe, diretor de marketing da Salesforce para a América Latina.

Atualmente, a ABStartups possui mais de 4 mil startups em sua base de dados e fornece informações de mercado relevantes para aumentar a competitividade das startups brasileiras. Recentemente, a entidade anunciou o lançamento do CENSO para levantar mais informações sobre o amadurecimento do setor.

Tags, , , , , ,

Startup fatura R$ 20 mi com sistema que aumenta vendas no Mercado Livre

Aos 21 anos, os jovens Frederico Flores e Fernando Montera Filho tornaram-se um dos maiores vendedores do Mercado Livre. Com a chegada de muitos concorrentes, desistiram do negócio e se reinventaram. Em 2012, criaram uma empresa para ajudar a resolver os problemas que tinham quando eram vendedores. Assim, surgiu a Ecommet, uma startup que facilita a gestão e aumenta a conversão de vendas em shoppings virtuais, marketplaces como o Mercado Livre, cobrando centavos por venda.

Há quatro anos no mercado, a startup já conta com mais de 1.600 clientes, que transacionam juntos cerca de R$2 bilhões por ano. Em plena recessão no Brasil, a empresa dos jovens com menos de 30 anos dobra a cada ano e vai fechar 2016 com R$ 20 milhões de faturamento. O crescimento acelerado se deu, principalmente, pela invenção de um sistema que torna simples algo complicado: vender, anunciar e gerenciar produtos em vários canais na internet.

Chamado de Becommerce, o software integra vendas, marketing e logística, aumentando a produtividade dos lojistas e automatizando processos. Segundo levantamento feito este ano, em média, clientes que utilizam a ferramenta dobram o faturamento em 6 meses.
O sistema possui 14 módulos, que são acessíveis para qualquer porte de empresa: o mais caro custa R$0,59 centavos por transação, independentemente do valor do produto. Entre as soluções mais procuradas, estão o módulo que gerencia os pedidos – automatizando todo o relacionamento do cliente com a loja; o robô lojista – uma máquina que tira todas as dúvidas 24 horas por dia – e o módulo que monitora o preço da concorrência, abaixando automaticamente o valor caso o concorrente faça uma oferta.

“Muitos clientes começaram lá atrás conosco, pessoas que começaram do zero, ex-cobradores, ex-motoboys, que hoje faturam R$ 40 milhões ano com a ajuda de uma plataforma de gestão inovadora”, explica Frederico Flores, CEO da Ecommet.

Tags, , , ,

O impacto das Fintechs no setor de serviços – Por Ana Claudia S. Reis

Não é mais novidade nos depararmos com boas e consolidadas startups, que aliam conceitos inovadores a produtos brilhantes, os quais fazem toda a diferença no nosso dia a dia.

Se elas estão em serviços vitais, como transporte e alimentação, por que não entrariam em negócios ainda maiores, como o de transações bancárias? Este é o caso das Fintechs, já consideradas fenômenos mundiais. Obviamente, essa atmosfera de inovação muda drasticamente a forma como o mercado se comporta, ampliando as possibilidades de negócio e, fatalmente, as concorrências.

Para muitas pessoas, é difícil imaginar uma estrutura de livre mercado se os serviços financeiros de bancos e corretoras deixassem de ser exclusivos e essenciais, ainda mais no Brasil, culturamente dependente desse formato. Mas para as Fintechs, esse movimento já é uma realidade exequível e de sucesso, aproximando a tecnologia ainda mais do setor de serviços diretos.

A velocidade com que essas empresas estão se multiplicando é prova de que o modelo de negócio idealizado é eficiente. Segundo dados da consultoria Clay Innovation, mais de 150 startups já atuam nesse segmento no Brasil, divididas em setores de pagamentos, empréstimos, gestão financeira, seguros, entre outros.

Entre os diferenciais das Fintechs que merecem destaque e seduzem positivamente o mercado estão a possibilidade de antecipação de riscos e de trabalhar com tecnologia avançada, nova e hábil, além de reduzir a escala de processos que atrapalham o ganho de eficiência.
Tais conveniências são fundamentais para a renovação de um setor de serviços perdido em protocolos de atendimento ineficientes, que deixam qualquer tipo de relação com as instituições completamente distante. Com as novas gerações manipulando e detendo mais capital financeiro, é interessante e essencial falar a mesma língua desse público, por motivos de transparência, relacionamento e, claro, sobrevivência.

Não podemos tomar como uma verdade absoluta, mas a geração dos nossos filhos não possui o perfil para atuar horas em escritórios fechados, ou para recorrer a bancos tradicionais, em filas gigantes para negociar empréstimos, por exemplo. Sem contar que a possibilidade de resolver qualquer movimentação ou demanda, diretamente em seu aparelho de celular, em um único clique, é o futuro aguardado pelo público-alvo de diversos setores. Essa mudança precisa ser feita – e logo.

A transformação do mercado e o apelo para novos negócios são cíclicos e importantes para o desenvolvimento de estilos distintos e métodos originais de oferecer serviços fundamentais. Como profissional de tecnologia e especialista nessas áreas, enxergo que as Fintechs têm muito a nos ensinar, sobretudo por sua finalidade de atender da melhor maneira o consumidor e ofertar a ele um serviço integrado, útil e facilitador.

Ana Claudia S. Reis, sócia da The Caldwell Partners no Brasil

Tags, , ,

Startup Quero Educação é selecionada pela Y Combinator

A Quero Educação, startup responsável pelo Quero Bolsa (querobolsa.com.br), site de comparação de faculdades que oferece bolsas de estudos para mais de 700 instituições de ensino superior em todo o Brasil, anuncia sua aprovação na Y Combinator, a mais renomada aceleradora do mundo. A Quero Educação é a primeira empresa brasileira de educação no portfólio da Y Combinator, que inclui empresas multibilionárias como Airbnb, Dropbox e Stripe.

Todo ano, dezenas de milhares de startups de todo o globo se candidatam para a aceleradora, que aprova cerca de 200 empresas para receber um aporte financeiro e participar de seu programa de aceleração de 3 meses, no Vale do Silício. Para Geoff Ralston, partner da Y Combinator, a Quero Educação foi aprovada devido aos excelentes resultados com o Quero Bolsa, que já beneficiou mais de 70 mil estudantes universitários e cresce mais de 5 vezes ano a ano. “O time Quero Educação é de nível mundial e seu entendimento do mercado e execução tem sido extraordinários ”, comenta Ralston.

O Brasil já é um dos maiores mercados de educação privada do mundo e a Quero Educação pode contribuir para seu crescimento conectando as duas pontas do setor – instituições de ensino superior e alunos. “Encontrar a escola ideal pelo preço certo é um problema universal. O mercado brasileiro é o lugar perfeito para começar o que acreditamos que será uma empresa multi-bilionária e global atendendo essa necessidade”, revela Ralston.

Os fundadores da Quero Educação passaram os meses de junho a agosto sendo aconselhados pelos sócios da Y Combinator, imergindo na rede de 2400 empreendedores e aprimorando o negócio com as melhores práticas aprendidas. Um dos primeiros frutos desse período foi a renovação da marca da empresa: antes chamada RedeAlumni, a empresa adotou o nome Quero Educação. A mudança foi feita para refletir o objetivo do grupo e de levar a marca para além das fronteiras brasileiras, como Quero Education. A marca do principal produto da empresa, Quero Bolsa, segue inalterada.

De acordo com Bernardo de Pádua, fundador e CEO da Quero Educação, o Quero Bolsa foi criado para atender à necessidade das instituições de preencher vagas ociosas e democratizar o acesso ao ensino superior no País. “O Brasil possui apenas 14% da população adulta com ensino superior, em contraste com os Estados Unidos, que têm 45%. Queremos mudar esse quadro.”, explica Pádua. “Com o apoio da Y Combinator e das nossas escolas parceiras, vamos ajudar cada vez mais alunos a realizarem seus sonhos através da educação”.

Tags, , , , , ,

Catho participa de movimento para identificar startups mais inovadoras

Com o objetivo de estar em contato com novas ideias do mercado, a Catho – site líder em empregos do país – decidiu apoiar pela primeira vez o movimento 100 Open Startups. A iniciativa aproxima empresas novatas e grandes companhias e reconhece as 100 startups mais inovadoras do mundo.

“A conexão com empresas que estão chegando ao mercado é algo extremamente positivo para qualquer companhia já estabelecida e tenho certeza que poderá contribuir para o aumento da velocidade de inovação da Catho”, afirma Eduardo Thuler, CEO da Catho e representante da empresa no movimento 100 Open Startups.

O executivo explica que, durante o processo de avaliação, pretende olhar para todas as startups em áreas de atuação que possam interessar a Catho. “Há uma infinidade de novos modelos de negócios e é preciso estar atento àqueles que tem potencial de agregar valor à oferta da Catho”, diz o executivo.

O Movimento 100 Open Startups

O 100 Open Startups está com inscrições abertas para qualquer startup do Brasil e do mundo que queira participar de uma rede de conexão que envolve 120 grandes empresas do Brasil – o triplo do número de empresas no lançamento da edição do ano passado. Neste ano, são 20 desafios temáticos propostos pela rede de grandes empresas das mais diversas áreas. Além disso, o movimento sai do Brasil e chega também a outros países na América Latina, EUA, Europa e Ásia.

Para entrar para o movimento, a startup deve se inscrever e escolher o desafio que tem mais sinergia com sua solução e em qual “Capital da Inovação” do programa pretende se apresentar. O processo acontece em cinco etapas. Inicialmente, as avaliações das startups são feitas online pela rede de especialistas e executivos das grandes empresas que participam do movimento.

As propostas com mais combinações com executivos de grandes empresas são convidadas a participar de um pitch pessoalmente na capital escolhida – são 12 no Brasil e 9 no exterior.

As inscrições das startups devem ser feitas pelo site: http://www.openstartups.org.br/

Tags, , , , ,

Startup BeeCâmbio lança Remessa Online para facilitar o envio de valores para o exterior

A BeeCâmbio, primeira correspondente cambial brasileira a atuar em 40 cidades, acaba de lançar um novo produto, a Remessa Online. Com o objetivo de facilitar a dinâmica de envio de valores para o exterior, a Remessa Online tem como diferencial o processo de envio, tornando os procedimentos mais dinâmicos, taxas altamente competitivas com um dos melhores custo-benefício do mercado, além de executar esse procedimento em dois dias úteis sem abrir mão da segurança, enquanto o mercado “tradicional” costuma fazer entre quatro e sete dias úteis.

Uma das características do novo produto da BeeCâmbio é a transparência total em todas as taxas cobradas, que são discriminadas e permitem que o cliente tenha total segurança do procedimento realizado. Além disso, com um atendimento personalizado, a Remessa Online oferece suporte via chat, skype, whatsapp, Telegram, e-mail e telefone, facilitando o contato para finalizar o procedimento e/ou tirar dúvidas.

Com a Remessa é possível ser assessorado e realizar transações como envio de valores para contas correntes no exterior, envio de recursos para país de origem, para estrangeiros, compra de imóveis fora do país, investimentos internacionais, além de envios simples de valores para estudantes, viajantes, moradores, entre outros.

“A Remessa Online nasceu para as pessoas no Brasil acessarem produtos e serviços de fora do país, e vice-versa, sem precisar arcar com injustas cotações e taxas extras no momento do fechamento de envio ou recebimento de recursos do exterior. E como tudo necessita de fechamento do câmbio, devidamente registrado no Banco Central, a Remessa Online é mais uma prova de que a BeeCâmbio simplifica processos ao mesmo tempo em que mantém toda a transparência e seriedade que o mercado consumidor demanda”, destaca Fernando Pavani, fundador da BeeCâmbio.

Tags, , , , ,

Multinacional francesa e startup brasileira trabalham juntos

Singu, um aplicativo que leva profissionais de beleza até às pessoas, fecha parceria com a L’oreal, maior empresa no segmento de beleza do mundo

É cada vez mais comum a inserção da inovação em diferentes segmentos. Cada vez mais o “tradicional” tem se juntando a empresas de tecnologia e inovação, como as startups, e o principal motivo é busca pela inovação nos serviços prestados. Nesse sentido, a Singu, salão de beleza delivery, anuncia uma parceria com Colorama, marca de um dos maiores grupos ligados ao mundo da beleza, a L’Oréal.

Na parceria, a Singu, aplicativo que conecta usuários aos melhores profissionais de beleza e bem estar, terá esmaltes Colorama como um dos principais produtos utilizados para seu serviço-chefe – o de manicure e pedicure. Como resultado final, o cliente da Singu terá um dos melhores produtos do mercado junto à praticidade do serviço do aplicativo.

Para incentivar as clientes realizarem o serviço de manicure ou pedicure com a coleção de Colorama “Gio Antonelli Poder da Cor”, a parceria entre Singu e Colorama está garantindo 40% de desconto no serviço agendado utilizando o voucher (código promocional) COLORAMA40. A promoção é válida até 28 de setembro para os serviços prestados em São Paulo (SP) e no Rio de Janeiro (RJ).

“Temos em nosso DNA a busca por um serviço de excelência. Por isso, oferecemos treinamentos e somos muito exigentes com a escolha dos nossos artistas. Ter a marca L’Oreal como parceira apenas reforça esse posicionamento e quem sai ganhando é o nosso cliente, que além de profissionais de alto padrão, agora serão recebidos com produtos de ponta”, destaca Tallis Gomes, CEO da Singu.

A parceria entre a Singu e Colorama já está ativa e, para marcar o início da ação, foi gravado um vídeo com a atriz Giovanna Antonelli, porta-voz de Colorama desde 2015. A atriz se disfarçou de Manicure por Um Dia com Colorama e surpreendeu clientes que haviam solicitado os serviços de manicure e pedicure pelo aplicativo. Para ver o vídeo, clique aqui.

“Algumas consumidoras foram surpreendidas com a visita da Giovanna, mas muitas outras podem experimentar a nova coleção através da ação especial que a marca preparou via o aplicativo,” afirma Daniella Brilha, Diretora de Colorama, “fora a conveniência de ter o serviço na hora e no local que a consumidora quiser. Essa forma de agendamento e de comunicação faz todo sentido dentro de uma realidade cada vez mais digital”, completa.

Tags, , ,

O que ainda não contaram para sua empresa sobre fintechs

O termo é novo, mas conhecido por quem trabalha com tecnologia. Fintech são empresas que disponibilizam serviços financeiros digitais. Com eficiência e inovação, o nicho segue em crescimento: levantamento realizado pela MarketResearch.com indica que, até 2020, essas organizações devem ter um investimento de US$ 46 bilhões. Quatro empreendedores digitais que trabalham na área mostram o que ainda não foi comentado sobre o tema:

1 – Simplicidade é palavra de ordem no desenvolvimento de produtos

O sucesso de uma fintech decorre da facilidade que o usuário tem em utilizar o serviço. O Pagar.me, empresa de tecnologia vencedora do The Innovation Project, da Universidade de Harvard, oferece uma infraestrutura omnichannel de pagamento, desburocratizando o processo de recebimento dos pedidos. “Dessa forma, o empresário não precisa se preocupar em integrações entre os mais diferentes softwares e aplicações”, explica Henrique Dubugras, sócio-fundador do Pagar.me.

2 – Grandes instituições financeiras podem ser parceiras

Nem todas as empresas se posicionam como alternativas aos serviços bancários – algumas atuam como parceiros dessas instituições. É o caso da F(x), plataforma que conecta empresários que procuram financiamentos aos bancos e fontes alternativas, como fundos, dispostos a concederem crédito. “Queremos facilitar a busca das companhias por crédito e aproximá-los de melhores condições de financiamento. Conosco, isso acontece rapidamente para as duas partes envolvidas”, comenta Dan Cohen, financista e cofundador da F(x).

3 – Fintechs devem buscar certificações para aumentar a credibilidade

Foi o que aconteceu com a Equals, especializada em gestão e conciliação vendas com cartões de crédito e débito. Em 2016 a empresa recebeu a certificação SSAE/16, um conjunto de práticas de auditoria e controle para empresas de serviços. “Quando enviamos um relatório de recebíveis ao cliente e ele vem com a certificação, os dados ganham mais peso, o que nos torna cada vez mais reconhecidos”, comenta Fabrício Costa, CEO da Equals.

4 – Soluções idealizadas para os usuários

Os produtos sempre devem ser idealizados para o cliente final. A Mundipagg, empresa que processa transações para 40% do varejo online brasileiro, oferece recursos que auxiliam a compra do e-consumidor, como o checkout na nuvem, pagamento por um clique e até por Twitter. “Nossas soluções buscam melhorar a experiência de compra do consumidor virtual, até para que ele volte a comprar nos sites de nossos parceiros”, explica Guilherme Pizzini, CEO da Mundipagg.

Tags, , , , , , ,

Senior abre inscrições para programa voltado à aceleração de startups

Inscrições para o Inove Senior podem ser feitas pelo site do programa, que neste ano inclui empresas tanto de software quanto de hardware

A partir desta segunda-feira (8/8), a Senior – especializada na oferta de software para gestão empresarial – abre as inscrições para o Inove Senior, programa de aceleração de startups que acontece pelo segundo ano consecutivo, e que prevê investimento de até R$ 500 mil para as companhias finalistas.

As startups interessadas em participar do programa podem inscrever-se até 30/9, pelo site http://www.inovesenior.com.br/. A edição deste ano do Inove Senior está aberta para empresas de software e de hardware, assim como negócios que explorem novas demandas das organizações como IoT (Internet das coisas), Big Data, Inteligência Artificial, entre outros. Além disso, a iniciativa traz uma novidade em relação ao ano anterior: uma etapa de pré-aceleração.

“Um dos desafios da nova edição é inserir dentro do processo a participação de investidores-anjo atuantes no ecossistema do empreendedorismo”, explica o gerente de Inovação da Senior, Cacio Packer. “Dessa forma, cada ideia poderá ser validada por experts do mercado, que ainda têm condições de contribuir com seu conhecimento no apoio ao crescimento de cada startup”, finaliza.

Para participar do programa, as startups precisam preencher os seguintes requisitos: apresentar um MVP (Produto Mínimo Viável) validado; ter mais de um empreendedor dedicado à operação; disponibilidade para estar presente em Florianópolis durante as sessões de mentoria; e atuação no mercado corporativo, seja no modelo B2B (de negócios entre empresas) ou B2B2C (negócios entre empresas com foco no consumidor final). Outro ponto importante é que a startup não precisa, necessariamente, ser pessoa jurídica ou ter faturamento mínimo.

Fase de pré-aceleração

Uma novidade do Inove Senior é que, neste ano, o programa prevê uma etapa de pré-aceleração. Nesta fase, 10 das 20 startups pré-selecionadas, escolhidas por um comitê avaliador – composto por executivos da Senior e parceiros – participarão de atividades, durante um mês, que incluem entrevistas com empreendedores e uma avaliação detalhada do negócio.

Após essa fase, até 8 startups participarão do processo de aceleração, durante o qual serão divididas entre aceleração comercial ou aceleração de produto, de acordo com estágio e maturidade do negócio. Nesse momento, as empresas receberão orientações sobre modelos de negócios, validação de mercado, viabilidade do produto, força de vendas, acesso ao mercado e gestão.

A aceleração acontecerá durante o ano de 2017 e, ao final, até duas finalistas receberão o investimento de R$ 250 mil cada, além de tornarem-se uma Unidade de Negócios da Senior.

Primeiros resultados do Inove Senior

A primeira edição do Inove Senior selecionou três startups que receberam investimentos e se tornaram Unidades de Negócios da Senior.

Foram mais de 250 ideias inscritas e dez selecionados entraram na fase de aceleração, que contou com mais de 1.000 horas de mentoria, capacitação, consultoria, palestras, estudos de mercado, desenvolvimento de sistemas de informação, prototipação, aplicação de projetos-piloto, participação em eventos, brainstormings e muito aprendizado ao longo de nove meses.

Entre as empresas que participaram do Programa e hoje atuam como unidades de negócios da Senior estão:

CITRUM (citrum.com.br) – É uma plataforma de omini channel que une as necessidades do e-commerce com a loja física oferecendo soluções de e-commerce e automação de ponto de venda para permitir uma única experiência para o cliente.

CONTA MÍNIMA (contaminima.com.br) – Diminui os custos da gestão de telecomunicação; otimiza o uso dos recursos contratados junto às operadoras e realiza a auditoria das faturas – quase sempre gerando créditos junto às operadoras.

M2AGRO (m2agro.com.br) – Plataforma de planejamento agrícola que atua diretamente junto ao produtor rural organizando as atividades de campo, gerenciando seus custos e identificando oportunidades para expandir a produção.

Tags, , , , , , ,

Startup de alimentação lança linha de comida congelada com baixa caloria

b07444a6-7ec3-40dc-85db-91de0b211ddc

Além de contar com os já conhecidos diferenciais da marca (ultracongelamento de alimentos, ingredientes 100% naturais e majoritariamente orgânicos), a Liv Up decidiu lançar uma linha de refeições com baixo teor de carboidratos. O posicionamento da empresa continua sendo o de não apoiar dietas restritivas, mas, segundo seus fundadores, a procura por este tipo de produtos fez com que eles decidissem oferecer as novas opções de kits. Menos drásticos que pratos que cortam totalmente a presença dos carboidratos, as sugestões dos kits low carb (com menos carboidratos) são uma solução para atender as necessidades de um público preocupado com o controle desse tipo de alimento na sua rotina. As pessoas que buscam consumir pratos com menos carboidratos, no geral, o fazem de forma incorreta ou de maneira muito drástica. “Os nossos kits low carb são para pessoas que querem consumir menos calorias, mas que querem manter a qualidade das refeições e o sabor na hora de comer. ”, comenta a Nutricionista Viviane Kim.

A nutricionista, responsável pelas combinações presentes nos kits, afirma: “A Liv Up quer fazer com que as pessoas se alimentem de forma nutritiva acima de tudo. Não recomendamos a redução exagerada na ingestão de carboidratos sem um acompanhamento específico.”. Os menus dos kits contam com a presença de diversos legumes assados e grelhados, que, aliados às proteínas de diversas origens, prometem manter a saciedade e suprir as necessidades nutricionais de seus consumidores.

Os alimentos produzidos pela Liv Up passam por um processo de ultracongelamento que, diferentemente do congelamento em um freezer tradicional, utiliza temperaturas muito mais baixas no resfriamento dos seus produtos (-40 graus), não danificando as propriedades dos alimentos.

Além de toda essa tecnologia agregada ao processo produtivo, a empresa aposta em ingredientes naturais e porções balanceadas. O cardápio é extenso, cuidadosamente pensado por nutricionistas da Universidade de São Paulo e implementado por chefs com experiência internacional. Os clientes podem escolher entre kits, pratos sugeridos ou mesmo compor suas refeições através da escolha de porções individualizadas. Além dos supracitados kits low carb a empresa conta com outras opções de kits menos restritivos e para diferentes estilos de vida.

O time da Liv Up explica que, além da responsabilidade por um ótimo produto, está o desafio de criar uma ótima empresa. “Nosso objetivo é dar certo, fazendo a coisa certa do jeito certo – e sem perder o bom humor”, brinca Victor. A startup utiliza prioritariamente ingredientes orgânicos, e tem desenvolvido parcerias com famílias de agricultores no interior de São Paulo.

As refeições, todas preparadas sem conservantes, aditivos ou ingredientes transgênicos podem ser compradas por meio do site www.livup.com.br e recebidas em casa no dia e período agendados. O preço médio dos pratos sugeridos é de R$ 22. A Liv Up está localizada na Vila Madalena e inicialmente atende pedidos em São Paulo, Barueri, ABC, Osasco e Sorocaba. 

Tags, , , ,