Page

Category startup

Bossa Nova investe na Startup YetGo, líder do segmento de Mobilidade Urbana do Norte do Brasil

A famosa Startup de mobilidade urbana da região Norte do Brasil, a YetGo que foi lançada em 2016, acaba de receber uma rodada de investimento SEED da Bossa Nova Investimentos, a maior micro Venture Capital do Brasil em número de investimentos e empresa referência na América Latina.

Liderada pelos investidores Pierre Schurmann e João Kepler, a Bossa Nova investiu em uma participação proporcional a 15% da YetGo. “O aporte deste capital de uma Venture Capital como a Bossa Nova que é gerida por empreendedores que investem, é um grande marco na história de nossa empresa, pois valida nosso Product Market fit e nos abre portas para o mundo, nos colocando sobre os holofotes do mercado como um todo”, afirma Gervásio Moreno, CEO da YetGo.

A YetGo é lider de mercado no norte do Brasil: Pará, Amazonas e Amapá e no Nordeste opera no Ceará, Maranhão e Bahia. Com esse aporte, reforça sua participação regional e inicia seu plano de expansão com operações em alguns estados do sul e sudeste, dentre eles: Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais, Santa Catarina, Espírito Santo e São Paulo.

“2018 é um ano de crescimento, estamos ultrapassando as fronteiras nacionais e iniciando as operações também em Santiago no Chile e, no próximo mês já preparando nossa entrada na Europa por meio de Portugal” comemora Morgado

“Hoje a YetGo consegue brigar pelo segundo lugar no número de chamadas no Brasil, e com este aporte irá consolidar suas operações atraindo mais serviços e negócios para a startup”, explica João Kepler. “Um dos modelos que serão adotados é atender todas as startup da rede Bossa além de empresas parceiras das startups, ou seja, um grande mercado se encontra a vista através dessa rodada de investimentos”, diz kepler.

No final de 2017, a YetGo alterou seu modelo de negócio para uma cobrança mensal fixa ao motorista, o que de maneira disruptiva gerou um grande impacto positivo no negócio. “Tivemos excelente aceitação por parte de motoristas, devido aos altos valores pagos no modelo de cobrança percentual dos concorrentes, o que nos possibilitou gerar um fluxo financeiro saudável aos nossos parceiros e também a prática de um preço justo para nossos usuários”, comemora Morgado.

Pierre Schurmann, manager partner da Bossa Nova, comenta que a Bossa Nova já investe em startups de mobilidade urbana e no setor autotech em startups como a Vai.Car, a CarGuru, a AutoMobi , a Insta Carro, a Payparking e também a Credere e agora o investimento na YetGo vai ampliar e consolidar a entrada da Bossa Nova neste segmento.

Tags, , , , , , , , , , ,

Empresas aceleradas pela 500 Startups encontram soluções no Vale do Silício

Com mais de 2000 investimentos realizados em empreendimentos ao redor do globo, a 500 Startups é um dos fundos mais ativos do mundo. O portifólio inclui 42 empresas brasileiras. A maioria delas atua apenas no País, mas algumas descobriram na internacionalização uma estratégia de crescimento e novos negócios. São os casos da Contentools e a Worthix, que escolheram a região do Vale do Silício para desenvolver parcerias que dificilmente seriam formadas no Brasil. “Cerca de 28% do investimento mundial em startups sai do Vale do Silício. O empreendedor brasileiro que vai para lá consegue navegar nesse ecossistema e acessa, além do capital, conhecimento, melhores práticas e relacionamentos valiosos”, afirma o diretor de Operações da 500 Startups no Brasil, Rodolfo Pinotti.

A Contentools é uma plataforma de gestão de conteúdo em que times de marketing trabalham o planejamento, a produção, a distribuição e a análise dos conteúdos online (usados em blogs, redes sociais e outros canais de empresas). Dentro da plataforma, é possível criar e organizar uma estratégia, controlar o calendário editorial, organizar o fluxo de trabalho e ter a autonomia das entregas e datas de publicação.

A CEO da empresa, Emília Chagas, que é formada em jornalismo, teve a ideia de criar a Contentools depois de notar uma dificuldade comum na área de marketing das empresas. “O processo recorrente para criar conteúdo, tão fluído nas salas de redação, pode ser um verdadeiro desafio para equipes de marketing”, afirma Emília. A empresa tem o objetivo de desenvolver e trazer inteligência que permite às empresas planejar, criar e entregar conteúdo útil e personalizado em escala.

Durante o processo de aceleração na 500 Startups, no Vale do Silício, a Contentools lançou a versão global da ferramenta que funciona como um software as a service (SaaS). Desde então, a empresa cresce de forma contínua. “Nossa experiência no vale permitiu aprendermos sobre growth, funding e processos que nos permitem escalar a empresa com um time enxuto e internacional”, diz Emília.

A Contentools tem operação em Florianópolis (SC) e business development em San Francisco (CA). A cidade brasileira é um local diferenciado para o mercado de tecnologia, com vantagens para atração e desenvolvimento de talentos. No entanto, para desenvolvimento de parcerias nos Estados Unidos – que representa a maior parte do mercado da empresa – é imprescindível ter esforços de business development na região próxima do Vale do Silício.

Esta estratégia inovadora foi capaz de trazer inúmeros benefícios a empresa. Hoje, a Contentools tem usuários em cerca de 70 países, mais de mil usuários ativos, além de mais de mil times de marketing usando a ferramenta diretamente ou por meio de suas agências digitais. São mais de 70 mil conteúdos criados na plataforma e o objetivo é triplicar esses números nos próximos anos.

Já a Worthix é a primeira empresa voltada para desenvolver tecnologia de pesquisa de consumidores no mundo todo. Por meio de inteligência artificial, a startup consegue medir com precisão científica quais são as experiências que mais motivam a compra e a lealdade dos clientes.

A ferramenta é inovadora porque as empresas que usam a tecnologia não precisam mais se preocupar em decidir quantas ou quais serão as perguntas do questionário que será enviado aos clientes. “O Worthix decide quais perguntas serão aplicadas e assim consegue explorar com profundidade todas as percepções de custo, de benefícios (emocionais e racionais) e de concorrência que cercam as experiências dos clientes”, explica Guilherme Cerqueira, CEO da Worthix.

A área de relatórios do software também é inovadora. Na medida em que os clientes respondem os questionários, os analistas das empresas têm acesso a um dashboard com inteligência artificial e econometria que apresenta quais dentre todas as experiências percebidas pelos clientes tem a maior probabilidade de aumentar vendas e lealdade. Além disso, o Worthix é capaz de quantificar a experiência dos clientes em uma pontuação (score ou Worth Index) que tem alta correlação com as decisões de consumo dos clientes. Consequentemente, com as variações dos resultados financeiros das empresas, se torna possível incluir em seus modelos preditivos, informações analíticas das empresas.

Segundo Guilherme, os principais aprendizados de montar uma empresa nos EUA é “a obrigatoriedade que você tem de ter um mindset de atuação global, ao invés de local. Você passa a enxergar que o mundo é muito maior do que o eixo Rio-São Paulo e que é possível sim, mesmo sendo Brasileiro, criar um business disruptivo, inovador e capaz de concorrer e vencer gigantes globais”.

Para o CEo da Worthix, empreender nos EUA não é mais fácil do que empreender no Brasil. “São desafios diferentes. Se por um lado a escada rolante do empreendedorismo Brasileiro está contra você, a escada rolante americana é muito mais longa e a quantidade de concorrentes disputando para chegar lá em cima antes de você é muito maior”, pondera Guilherme.

A Worthix tem um escritório no Vale do Silício, porém hoje, a sede da empresa é em Atlanta, cidade que apresenta um PIB quase duas vezes maior do que o da cidade de São Paulo e é considerada o Tech Hub of the South dos EUA. Segundo Guilherme, o motivo da escolha por mudar a base para Atlanta foi a posição geográfica. “Na minha opinião, San Francisco ainda é a capital global da inovação e do empreendedorismo. Porém a Worthix é B2B e ficar em San Francisco significa gastar muito mais e ainda ficar em uma posição muito ruim em relação ao fuso dos clientes da Costa Leste dos EUA, da Europa e da América no Sul, que são as regiões onde concentramos a maior parte dos nossos clientes”, diz.

Os planos de crescimento da empresa ainda se concentram em expandir fortemente no mercado americano, apesar de também já estarem direcionando investimentos para o mercado da América Latina e Europa. Como destaque de alguns clientes entre brasileiros e internacionais, a Worthix tem: HP, Blizzard Entertainment, Loreal, FICO, Praxair, TechCrunch, Sura, Localiza-Hertz, Oi, TIM, Vivo, Nextel, Banco do Brasil entre outros.

Além da necessidade de investir em inovação disruptiva, a busca por soluções no exterior foi fundamental para alcançar um maior crescimento em ambas as empresas. É fato que, apesar da maior concorrência, a proximidade com o Vale do Silício permite muito mais contatos, parceiros, clientes e investidores globais do que no Brasil.

A 500 Startups

Reconhecida pela revista Forbes como uma das melhores aceleradoras do mundo em 2016, a 500 Startups possui dois programas de investimento e mentoria para startups: o Seed Program e o Series A Program.

Com a rápido crescimento da economia da informação, a 500 Startups também é pioneira no desenvolvimento de parcerias corporativas e iniciativas governamentais, visando disseminar a cultura empreendedora do vale do silício em todo mundo. Seguindo a mesma linha, a empresa realiza todos os anos eventos voltados para a comunidade empreendedora, como por exemplo o Geeks on a Plane, 500 Demo Day, entre outros.

Além de investir, a 500 Startups conta com programas de educação executiva voltados para profissionais que já atuam ou pretendem atuar no segmento de venture capital. Conhecidos como “VC Unlocked”, estes cursos, realizados em parceria com UC Berkeley e Stanford University, reúnem profissionais de todo mundo na California em torno dos mais recentes temas relacionados ao segmento, da estrutura jurídica às estratégias de investimento.

Tags, , , , ,

Por que trabalhar no mesmo coworking que concorrente pode ser boa opção

Há quem prefira manter distância da concorrência, acreditando que quanto menos o concorrente souber sobre o negócio melhor. Mas será que essa é a melhor estratégia para ter sucesso? Pequenas e médias empresas estão notando que estar por dentro do que o outro faz, ou até mesmo atuar em parceria, pode alavancar as duas empresas.

Um exemplo disso são os coworkings especializados em um único mercado. Hoje já é possível encontrar profissionais das mais variadas áreas- como advogados, arquitetos, cabeleireiros, entre outros- que trabalham de forma conjunta e que muitas vezes indicam o concorrente, quando não podem atender a demanda. “Sendo o coworking um espaço compartilhado e aberto ao colaborativismo, muitas empresas sentem-se apoiadas quando conseguem trocar experiências, aprendizado, ou até mesmo compartilhar alguns clientes”, explica a especialista em coworking e CEO da CWK Coworking, Bruna Lofego.

Os coworkings voltados para nichos específicos estão ganhando adeptos em várias cidades do Brasil. Segundo o Censo Coworking Brasil, a parcela desses profissionais chega a 50% dos publicitários e designers, 38% de advogados e 24% de vendedores que são adeptos de espaços de trabalho compartilhados.

Para eles, muitas vantagens podem ser observadas na convivência com profissionais do mesmo setor em um coworking. Conheça as principais:

Networking

Pesquisa realizada pelo Censo Coworking Brasil mostra que 82% dos coworkers acreditam que o ambiente oferece ótimas oportunidades de networking. Em um coworking, além das conexões que os clientes fazem entre si, existe também a oportunidade de conviver com as conexões que outro frequentador do mesmo espaço tem. “Independentemente da área de atuação, ter uma rede de contatos ampla é fundamental para o bom andamento dos negócios. Além das oportunidades abertas no dia a dia, existem ainda os dias mais propícios para um happy hour ou café de negócios”, explica Bruna.

Crescimento

Ainda segundo o Censo, 76% dos adeptos de coworking acreditam que local é o ideal para o crescimento da empresa. “No dia a dia, os clientes presenciam o tempo todo as experiências de outros clientes da mesma área, e com a convivência e o networking feito entre eles, é bastante viável aprender com os erros e acertos de outros do mesmo ramo e evoluir em sua atuação”, explica.

Parcerias

Em uma área profissional pode haver diversas frentes de atuação, por isso nem sempre profissionais de um mesmo setor oferecem exatamente os mesmos serviços. “Além disso, não é garantido que a empresa concorrente oferecerá igual desempenho em uma mesma função. É assim que as parcerias surgem nos ambientes de trabalho compartilhados”, explica a especialista.

“Alguns profissionais muitas vezes utilizam o serviço do concorrente para complementar outro seu que já vendeu, estratégia muito usada por advogados, por exemplo, em busca de agregar valor para todas as partes envolvidas.”

Compartilhamento

O compartilhamento faz parte da essência do coworking, seja em relação aos serviços disponibilizados ou ao espaço em si. Para usufruir ainda mais disso, empresas têm se interessado também por estratégias que tragam benefícios para ambas as partes envolvidas, como compartilhar fornecedores, por exemplo. “Nem sempre uma pequena empresa precisa de muito para funcionar, e, com essa estratégia, é possível conseguir descontos ou um upgrade nos serviços com fornecedores em comum”, finaliza.

Tags, , , , ,

DogHero está na lista das 100 startups mais atraentes do Brasil

A DogHero, plataforma que conecta mães e pais de cachorro a anfitriões que hospedam os pets em casa, é destaque na categoria serviços do ranking 100 Startups to Watch, que surge como um radar para orientar investidores, aceleradoras e programas de corporate venture. A análise, que durou mais de cinco meses, é resultado de uma parceria entre a revista “Pequenas Empresas & Grandes Negócios” e “Época Negócios”, da editora Globo, e a Corp.vc, braço de corporate venture da consultoria EloGroup.

Em três anos de história, a brasileira construiu uma base de 15.000 anfitriões em 650 cidades de todo o Brasil e mais de 1.100 em 20 cidades da Argentina. Até hoje, a startup levantou cerca de R$ 18 milhões em investimento com os fundos Monashees, com participação da Kaszek Ventures, Global Founders Capital (alemão) e IGNIA Partners (mexicano).

Com três etapas, 1,3 mil empresas foram analisadas por consultores e especialistas da Corp.vc/EloGroup e da Editora Globo. Um grupo de 150 finalistas foi apresentado ao conselho consultivo que, por fim, definiu a lista das 100 que integram o ranking, que conta com 13 categorias: Agronegócio, Educação, Finanças, Gestão, Impacto, Indústria, Lazer e Turismo, Logística, Marketing, Moda e Beleza, Saúde e bem-estar, Serviços, Tecnologia da Informação e Realidade virtual.

Tags, , , , , ,

GetNinjas está na lista das 100 startups mais atraentes do Brasil

O GetNinjas, maior plataforma de contratação de serviços do Brasil, foi destaque na categoria serviços do ranking 100 Startups to Watch, que surge como um radar para orientar investidores, aceleradoras e programas de corporate venture. A análise, que durou mais de cinco meses, é resultado de uma parceria entre as revistas “Pequenas Empresas & Grandes Negócios” e “Época Negócios”, da editora Globo, e a Corp.vc, braço de corporate venture da consultoria EloGroup.

Em quase sete anos de história, o GetNinjas recebeu R$ 47 milhões de aporte de fundos como Monashees, Kaszek e Tiger Group e já está presente em mais de 3 mil cidades do Brasil, registrando mais de 2,5 milhões de pedidos de serviços ao ano, para uma base de mais de 350 mil profissionais cadastrados.

Por meio de três etapas, 1,3 mil empresas foram analisadas por consultores e especialistas da Corp.vc/EloGroup e da Editora Globo. Um grupo de 150 finalistas foi apresentado ao conselho consultivo que, por fim, definiu a lista das 100 que integram o ranking, que conta com 13 categorias: Agronegócio, Educação, Finanças, Gestão, Impacto, Indústria, Lazer e Turismo, Logística, Marketing, Moda e Beleza, Saúde e Bem-Estar, Serviços, Tecnologia da Informação e Realidade virtual.

Tags, , , , , ,

Inovação e empreendedorismo no agronegócio: crescimento acelerado será refletido em novo censo de startups

O desempenho positivo do agronegócio brasileiro, mesmo durante o período de recessão econômica, está sendo acompanhado pela forte expansão no número e na qualidade de novas empresas de base tecnológica com foco na inovação para o agronegócio. Com a coleta de dados ainda em andamento para o 2o Censo AgTech Startups Brasil, é possível concluir que o crescimento do ecossistema de startups agro é significativo.

Já é possível afirmar que em sua segunda edição, o levantamento inédito no Brasil produzido em parceria pela AgTech Garage e a Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiróz, da Universidade de São Paulo, vai apresentar um aumento superior a 150% em menos de 2 anos no número de startups voltadas para o agronegócio. Enquanto o mapeamento de 2016 apontou a existência de 75 dessas empresas no Brasil, somente as startups que participam da rede da Agtech Garage já somam quase 200. Não há dúvidas entre os organizadores: o número final a ser anunciado em junho será ainda maior.

“Vamos mostrar para o mundo a maturidade e a relevância do ecossistema de startups do agro brasileiro,” afirma o diretor da AgTech Garage, José Tomé. Ele destaca que a segunda edição do Censo será mais completa e impactante, reunindo dados vitais para iniciativas de fomento às startups focadas no agronegócio.

A coleta de dados para a segunda edição do Censo começou em abril, por meio de questionários preenchidos online, que serão avaliados e tabulados em maio. Os números finais do mapeamento, que tem abrangência nacional, serão divulgados em junho e incluirão um quadro com o panorama brasileiro das startups distribuidas por área de atuação e um infográfico com base nas respostas obtidas de todos os empreendimentos.

A base já mapeada para a primeira edição do Censo será o ponto de partida, segundo o Professor do Departamento de Genética da ESALQ/USP e um dos coordenadores do levantamento, Mateus Mondin. “O primeiro Censo abriu os olhos de empreendedores, investidores, governo e agências para o mundo. Os dados foram apresentados em diversos eventos pelo Brasil e o mundo, o que fez com que muitas entidades se organizassem para desenvolver formas de incentivo ao empreendedor agtech.”

Para Mondin, o segundo Censo será mais impactante, ampliando a visibilidade internacional para o ecossistema agtech do Brasil e para as startups brasileiras. “O novo relatório terá distribuição global, o que vai atrair ainda mais os olhos do mundo. Não seremos mais vistos apenas como mercado consumidor e sim como protagonistas, dentro do seleto grupo de ofertadores de tecnologias agro,” concluiu.

O novo Censo segue uma tendência mundial de mapeamento da atuação de startups agro. Trata-se de um formato adotado por instituições de grande destaque, como a plataforma de análise de inteligência de mercado na tecnologia CB Insights, sediada em Nova York, a Startup Nation Central em Israel e, mais recentemente, a The Seed Projects, que mapeou startups na África. A expectativa dos organizadores para o Censo é clara: será o quadro mais detalhado e completo sobre o momento e a evolução das startups agro brasileiras.

Tags, , , , , , , , , , , ,

ABES apoia Pesquisa sobre o “Panorama Legal das Startups”

Abrir uma empresa não é fácil. É preciso lembrar, além dos aspectos físicos como uma boa estrutura, os aspectos envolvendo obrigações jurídicas, por exemplo, estas últimas sendo uma das maiores “dores de cabeça” em todo tipo de negócio, incluindo as startups. Por conta disso, a ABES – Associação das Empresas Brasileiras de Software – anuncia o apoio à pesquisa “Panorama Legal das Startups”, do escritório Nogueira, Elias, Laskowski e Matias Advogados (NELM), que deve ouvir empreendedores e investidores, durante todo o mês de abril, e visa mapear as principais preocupações e dificuldades jurídicas que o empreendedor de inovação encontra em seu negócio.

Muitas vezes, esses aspectos jurídicos são deixados de lado, o que pode provocar consequências negativas na hora de se conseguir mais capital de investidores ou mesmo nos casos de fusão ou aquisição, por exemplo. “A pesquisa levará a um levantamento abrangente que permitirá que os atores do ecossistema conheçam quais aspectos não podem ser ignorados se quiserem garantir o sucesso de seus empreendimentos e investimentos”, afirma Eduardo Felipe Matias, sócio da área empresarial do NELM e coordenador do guia Empreendendo Direito: Aspectos Legais das Startups, publicação que também foi apoiada pela ABES.

A pesquisa Panorama Legal das Startups tem o intuito de entender qual a dimensão e quais os efeitos dessa realidade. O estudo conta com um questionário voltado para empreendedores e outro para investidores, ambos com 10 questões de múltipla escolha práticas e objetivas, cujas respostas não devem levar mais do que 5 minutos.

Para participar, basta acessar a seção “Pesquisa PLS” da página NELM Startups: www.startups.nelmadvogados.com, durante o mês de abril.

Segundo o escritório NELM, as respostas são confidenciais e só os resultados agregados e anônimos serão divulgados publicamente. Quem participar estará ajudando a melhorar a compreensão sobre os riscos e benefícios das atuais práticas jurídicas, contribuindo para o setor de inovação do Brasil.

“86% dos associados ABES são micro e pequenas empresas. Em 2017, o mercado de TI cresceu 4,5% e as startups fazem parte dessa evolução. Ações como esta do escritório NELM ajudam a fortalecer o nosso setor, apoiando as empresas que estão nascendo e trazendo mais segurança jurídica ao mercado”, comenta Francisco Camargo, presidente da ABES.

Pesquisa Panorama Legal das Startups

Público: Empreendedores e Investidores de startups

Prazo para participar: 30 de abril de 2018

Acesso:www.startups.nelmadvogados.com, durante o mês de abril.

Tags, , , , , , , ,

Startup que combate drones criminosos é selecionada pelo BrinksUp!

A Drone Control, spin off brasileira que desenvolve sistemas de proteção contra drones não autorizados, é uma das quatro startups selecionadas para participar do programa de aceleração BrinksUp! Cada uma receberá R$ 160 mil e passará por uma etapa de coaching durante quatro meses, com mentoria de executivos da Brink’s, líder mundial em logística segura e segurança, e consultoria dos gestores da Liga Ventures, aceleradora focada em gerar negócios entre startups e grandes corporações.
A iniciativa da Brink’s tem como objetivo fomentar ideias inovadoras de produtos e serviços relacionados com as áreas de segurança, transporte e logística, varejo, meios de pagamento e moedas, produtividade e inteligência, além de se preparar para os novos desafios do mercado.

Hacker do espaço – O modelo de negócio inovador da Drone Control apresenta o conceito inédito de proteção do espaço aéreo como serviço (APaaS). Diversas técnicas de inteligência espectral são utilizadas para tal, desde a simples detecção até o spoofing – processo similar ao que hackers utilizam para “sequestrar” drones e assumir o controle da aeronave.

Ao detectar a aproximação de um drone, o sistema identifica os códigos de comunicação entre o controle remoto e a aeronave, e passa a utiliza-los de maneira mais eficiente, assumindo o controle do drone ou somente bloqueando sua trajetória para que este não entre na área protegida.

“São tecnologias que podem ser úteis para dar proteção de aeroportos, condomínios e plantas industriais, ou auxiliar na segurança de eventos, resorts e hotéis”, exemplifica Eduardo Neger, diretor de Engenharia da Neger Telecom, empresa de base tecnológica que deu origem a spin off Drone Control. “Nosso objetivo é aplicar essa tecnologia inovadora em um modelo de negócio diferenciado para o mercado de segurança privada”, destaca.

O sistema surgiu como evolução incremental das técnicas de bloqueio de sinais de radiocomunicações desenvolvidas pela empresa, que em janeiro de 2016 foi a primeira no Brasil a certificar junto à ANATEL um sistema de proteção contra veículos aéreos remotamente pilotados. Em busca de novas tecnologias disruptivas, realizou investimento em pesquisa por meio de parceria entre a Unicamp e a Neger Telecom, cooperação que já rendeu destaque em publicações científicas internacionais e até um pedido de patente conjunta. “Ao constatarmos que a tecnologia tinha potencial para abrir um novo mercado, decidimos criar a spin off”, conta Neger, acrescentado que a startup será operada e gerida como um negócio independente da empresa-mãe.

Tags, , , , , , , , ,

Site avisa por Whatsapp quando promoções de passagens aéreas são lançadas

É comum ficarmos sabendo de promoções de passagens aéreas e na hora em que vamos comprar um assento promocional, a decepção: já acabou. O empreendedor paulistano Gustavo de Bautzer Fusca percebeu essa frustração entre consumidores e empresas aéreas e criou o “Viagens na Web”. Trata-se do primeiro player no Brasil que realiza uma varredura nos preços de bilhetes aéreos e notifica sua base de usuários via Whatsapp e Facebook Messenger no exato momento em que a promoção surge. A startup foi criada em fevereiro de 2018 e logo no primeiro mês de operação já consegue mapear mais de 435 mil opções de viagens por dia.

Notificações – “Só avisamos que existe uma promoção se ela conceder um desconto superior a 20% sobre o preço médio que, na cabeça do cliente, é um valor que já vale a pena”, explica Bautzer. A notificação via Whatsapp é um dos grandes diferenciais do “Viagens na Web” tendo em vista que geralmente o cliente está com o telefone por perto quando o Whatsapp é acionado. O CEO da startup observou que os grandes players do mercado de turismo costumam notificar essas promoções via e-mail, que acabam sendo vistos pelos clientes somente quando a promoção já acabou ou nem sendo visualizados indo direto para a lixeira. “Via e-mail a taxa de abertura deste tipo de mensagem fica entre 0,5% e 3%. Por Whatsapp já posso afirmar de acordo com nossos dados que a taxa está girando em 25%, um número muito acima do normal no nosso ramo”.

Customização – As atividades via Whatsapp e Facebook Messenger não se limitam a notificações de descontos entre as 435 mil opções de voos que são analisados diariamente pelo sistema. Gustavo se preocupou em criar o primeiro chatbot no segmento brasileiro que presta atendimento 24 horas, e é capaz de interagir com as pessoas utilizando inteligência artificial. Você pode enviar um WhatsApp pedindo promoções para um destino específico e receberá automaticamente um link com a melhor oferta. Um dos recursos do Viagens da Web é reconhecer por meio do DDD do telefone cadastrado a localização do usuário e só notificar voos partindo daquela região. Dessa forma um paulista, por exemplo, somente receberá promoções que partam do Estado de São Paulo, e um Carioca somente do Rio de Janeiro e o baiano da Bahia, não frustrando com promoções que dificilmente seriam aproveitadas.

O empreendedor – Gustavo de Bautzer Fusca começou a desenvolver o “Viagens na Web” em dezembro do ano passado e o lançou no último mês de fevereiro, mas ele não é novato no ramo. Há uma década trabalhando com Novos Negócios na área de Tecnologia e Turismo, já passou por empresas como a B2W (Submarino Viagens) e iniciou com outros sócios a Brasil/CT (vendida ao Banco Santander para gerir seu programa de Fidelidade). Depois prestou consultorias para Gapnet, Flytour e Decolar. Teve a ideia de criar o sistema que implementou no “Viagens na Web” quando abriu um e-mail de promoção de passagem aérea algumas horas depois do envio e a promoção já tinha acabado. “Perder a oportunidade de fazer uma viagem é uma experiência péssima, e eu quero ajudar as pessoas a aproveitarem ao máximo as oportunidades que existem por aí”, relata Bautzer.

Para ter acesso às promoções de passagens aéreas mapeadas pelo Viagens na Web, é preciso acessar o site www.viagensnaweb.com e solicitar a inscrição pelo WhatsApp clicando no ícone do aplicativo, ou solicitar para receber os avisos via Messenger do Facebook.

Tags, , , , , , , , , ,

Ex-alunos de Wharton aproximam startups com rede mundial de investidores e as auxiliam a ter acesso ao Vale do Silício

No ano de 2017 foi noticiada uma grande quantidade de aportes milionários em startups brasileiras, o que prova que o nível dos investidores-anjo aumentou. Mas, afinal, como saber se uma startup tem potencial para receber investimentos? Para solucionar essa equação, dois ex-alunos da Wharton School da Universidade da Pensilvânia, nos EUA, fundaram a Wharton Alumni Angels, um grupo de investidores-anjo que tem como objetivo fomentar o empreendedorismo e a inovação aproximando as startups brasileiras de investidores e executivos de Wharton e do Vale do Silício.

Eduardo Küpper, Investidor anjo e Co-fundador de diversas empresas, entre elas a Vesta Partners, eGenius Founders, F(x) e Helpling, e Guilherme Freire, empreendedor serial e co-fundador da Livo Eyewear, se conheceram em Wharton, uma das mais renomadas intuições de ensino superior dos EUA e também uma das mais antigas do mundo, onde faziam mestrado e tiveram contato com diversos executivos e empreendedores do Vale do Silício.

A ideia começou a tomar forma quando a dupla decidiu alavancar a rede de ex-alunos, um grupo de profissionais qualificados e competentes para analisar empreendimentos com potencial para receber investimentos, feitos por esse mesmo grupo de ex-alunos. Em Janeiro de 2018, essa ideia se tornou realidade com o lançamento do Wharton Alumni Angels no Brasil.

O primeiro passo para uma startup solicitar o investimento para o grupo será o cadastro na plataforma, que deve ser lançada no final de março. Na sequência é feita uma análise para identificar o potencial dessas empresas. Após esse processo de triagem, a Wharton Alumni Angels indica as startups que atendem todos os critérios para receber um aporte para uma rede de investidores – que, em maioria, também são ex-estudantes de Wharton.

“Quando eu estava na Livo tive muita dificuldade para levantar fundos, pois era um projeto diferente do perfil dos VCs tradicionais do Brasil. Ao sair da operação da empresa, tive a ideia de apostar em um veículo de investimento e iniciei conversas com diversas instituições. O Eduardo Küpper, um cara muito engajado no ecossistema de startups, abraçou a ideia da Wharton Alumni Angels comigo. O objetivo é que nossa plataforma ajude outras startups em estágio inicial que necessitem de investimento e não tenham ninguém que acredite nelas. Queremos abraçar pessoas que enfrentam o mesmo desafio que nós tivemos”, explica Guilherme Freire, co-fundador da Wharton Alumni Angels Brasil.

Para 2018, a expectativa é de que a plataforma movimente em torno de R$ 9-12 milhões em investimentos em cerca de 7-10 novos negócios. “Aqui no Brasil, muitas vezes, o empreendedor abre seu próprio negócio sem ter acesso a uma rede de networking e com pouco conhecimento teórico. Queremos que esse pequeno empresário tenha contato com a cultura de empreendedorismo do Vale do Silício, local onde estão concentradas as maiores startups do mundo. Essa troca de experiências é tão fundamental quanto o aporte para o sucesso de um novo negócio”, finaliza Freire.

Tags, , , , , , , , ,

Empreendedores brasileiros multimilionários estão entre os que mais investem em startups no mundo

O setor de TI é o que mais trouxe resultados financeiros para os empreendedores de elite no Brasil, ou seja, multimilionários que são donos de 3 ou mais companhias no país. O resultado faz parte do relatório global de empreendedorismo de elite produzido pelo BNP Paribas.

Pelo segundo ano consecutivo, 29% dos empreendedores multimilionários locais acumularam a maior parte de suas fortunas neste setor. E muito por conta desta proximidade, os brasileiros estão entre os que mais investem em startups. Com porcentagem semelhante a China e Índia, 28% dos entrevistados brasileiros apontam as startups como uma das prioridades para investimento, atrás apenas dos fundos de investimento (55%) e financiamento de capital (38%).

Os investidores da geração millennial são os que mais acreditam que a revolução digital irá continuar aprimorando seus investimentos. No Brasil, Ásia e Oriente Médio, os empreendedores tendem a direcionar suas expectativas de avanços em Inteligência Artificial, Big Data, Fintechs e EdTech, que desenvolve ações digitais voltadas para a educação.

O relatório entrevistou 2706 empreendedores de elite no Brasil, Europa, Estados Unidos, Oriente Médio e Ásia.

Tags, , , , , ,

Rappi recebe investimento de US$185 mi e anuncia expansão no Brasil

Sete meses após chegar ao Brasil, depois ser investida pelos principais fundos do Vale do Silício, a Rappi, startup que disponibiliza assistentes pessoais para compras e entregas 24h por dia, anuncia o recebimento de um aporte de 185 milhões de dólares, que será usado para expandir a operação em quatro novas capitais brasileiras e para ampliar as categorias de serviços. Atualmente, a Rappi está presente em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte e Curitiba.

“Sabemos que o bem mais precioso das pessoas é o tempo e a Rappi tem a missão de facilitar o dia a dia de qualquer pessoa nas grandes cidades, onde o trânsito é ruim. Esse valor será usado para expandir nossa atuação e oferecer mais serviços de uma forma prática, segura e cômoda”, explica o Sócio Presidente da empresa, Bruno Nardon. Parte do investimento veio dos fundos Sequoia Capital e Andreessen Horowitz e cerca de $105 milhões vieram da Delivery Hero, empresa de delivery de alimentos. O valor será usado para abrir operações em Recife, Fortaleza, Salvador e Brasília.

Atualmente, a Rappi conta com as seguintes categorias: Supermercados, Farmácia, Restaurante – inclusive, aqueles que não oferecem entrega à domicílio -, Bebidas, Pets, Conveniência e Qualquer Coisa – esta última inclui a compra de qualquer produto, pela qual já receberam pedidos inusitados, como colchão de ioga, viagra, balões de gás hélio, camisinha e piscinas de plástico.

Além da operação brasileira, que deve ser abranger cerca de 15 cidades nos próximos meses, a Rappi está presente na Colômbia (Bogotá, Cartagena, Medellín, Barranquilla, Laureles, Cali e Bucaramanga) e no México (Guadalajara, Monterrey, Pedregal e Cidade do México). São cerca de 2 milhões de usuários em todo o mundo. O usuário pode optar por usar a plataforma via web ou por meio do aplicativo, que pode ser baixado gratuitamente nas lojas Google Play e App Store.

Tags, , , , , ,