Page

Category startup

500 Startups abre inscrições para Batch 24

A 500 Startups, um dos fundos de investimento em capital semente mais ativos do mundo, com mais de 2.000 investimentos realizados ao redor do globo, está com inscrições abertas do Batch 24 até o dia 17 de agosto. O programa tem início em 15 de outubro no campus São Francisco e duração de quatro meses.

As startups selecionadas receberão investimento de U$150 mil em troca de 6% do negócio, com uma taxa de participação de U$37,5 mil, além de terem a oportunidade de contato com fundadores, mentores, investidores e o time 500, apto a dar a assistência necessária durante o processo, trabalhando em conjunto a estratégia do produto e do negócio, crescimento, métrica e pitches para investidores.

O fundo ainda traz profissionais gabaritados, das mais diversas áreas, como Marketing, Cultura, Contabilidade de Inicialização, Design de Produtos, Dispositivos Móveis, Teste de Usuários e Vendas.

Fazer parte do portfólio 500 Startups vai validar o seu negócio e a rede de contatos disponível ajudará empresas e pessoas a se conectarem no tempo certo com seus serviços, além de expor o potencial da sua startup para grandes investidores no Demo Day.

Além disso, a 500 Startups pratica a diversidade no ecossistema de startups, 44,5% dos fundadores no portfólio são pertencentes a minorias raciais, em torno de 30% das startups aceleradas recentemente têm mulheres entre as fundadoras e o campus em São Francisco conta com sala para mães empreendedoras que estão em fase de amamentação.

As startups interessadas podem se inscrever no link http://bit.ly/2LHMkq5.

Tags, , ,

Pipefy contrata designer sênior para desenvolvimento da plataforma

A Pipefy, startup de gerenciamento de processos eficientes, acaba de divulgar a contratação do designer sênior Bradley Hamblin, profissional que já integrou os times da Figure Eight, da BandPage e da New Relic, atendendo contas de gigantes como Google, Samsung e Spotify.

Ele fará parte da equipe de desenvolvimento da plataforma Pipefy, atuando no escritório da empresa em São Francisco, no Vale do Silício.

Com 20 anos de experiência na área, o americano soma ao currículo competências em direção de arte e de criação e desenvolvimento de marca e conceito.

A plataforma

Projetada para facilitar o processo lento, caro e muitas vezes incômodo enfrentado por muitos gestores, a plataforma em nuvem da Pipefy permite a implementação de processos eficientes independentes do setor de TI, por meio de uma interface intuitiva, fácil de usar e com modelos específicos para cada departamento. A solução elimina uma batalha de longa data entre os gerentes de operações e os setores de TI, colocando o poder de gerenciar processos de negócios complexos, em que a velocidade da entrega de valor é fundamental, de volta nas mãos dos especialistas. Uma vez implementado em uma empresa, a ferramenta é rapidamente adotada a uma taxa de crescimento de 10% ao mês.

Tags, , , , ,

Startup Show recebe inscrições até 19 de agosto

Uma ideia inovadora, entusiasmo e determinação. São só estes os requisitos para participar da maior competição entre startups do país, o Startup Show. Uma ótima oportunidade para quem quer alavancar seu projeto. O jogo é simples: 27 startups serão escolhidas por um corpo de jurados, com a participação do público e do Watson, plataforma de inteligência artificial na nuvem da IBM (que usará uma base de dados para indicar quais projetos têm mais chance de sucesso). As etapas eliminatórias serão gravadas em um formato de websérie – os episódios até a grande final em novembro podem ser vistos no próprio portal do programa ou no YouTube.

Para participar da disputa é fácil e grátis. Basta preencher um formulário com informações básicas no site (https://startupshow.com.br/inscreva-se/) e publicar dois vídeos curtos, de até dois minutos cada. Um deles deve ser um minidoc sobre o participante. O outro, um pitch (apresentação oral) defendendo a ideia. No portal do Startup Show há um vídeo com exemplos na área de tutorial.

As vantagens para quem participa não se resumem ao prêmio final: uma viagem de uma semana para o Vale do Silício, nos Estados Unidos, com uma programação especial de visitas preparada pelos organizadores de acordo com o perfil da startup vencedora. Todos os participantes terão seus projetos avaliados pela ferramenta digital Free Valorize (a valoração do projeto é uma etapa importante de qualquer empreendimento digital e representa custos elevados para uma startup). A mentoria dos jurados também tem um grande valor. Entre eles há grandes investidores, diretores de inovação de multinacionais e CEOs de startups de sucesso. Confira no portal a relação completa dos jurados.

“Nossa intenção é incentivar o surgimento de novos projetos digitais e acompanhá-los desde o nascimento até que eles tomem corpo, unindo ferramentas avançadas de tecnologia e inteligência artificial à experiência dos jurados, que atuarão como mentores. Isso tudo em uma competição vibrante, com vídeos que vão ajudar os espectadores que também têm ideias de inovação a encontrar caminhos”, diz Leo Soltz, idealizador e apresentador do Startup Show.

A competição vem chamando a atenção também de setores ligados à inovação e de associações de startups. É o caso das chamadas lawtechs, que buscam novas soluções tecnológicas no ramo do direito. Segundo Daniel Marques, da AB2L (Associação Brasileira de Lawtechs), uma competição como o Startup Show é o grande momento para lawtechs se posicionarem com ideias e projetos que possam impactar positivamente a sociedade. “Os advogados são e sempre serão indispensáveis. As lawtechs geram eficiência e permitem que o advogado trabalhe focado naquilo para o qual foi formado, explorando ainda mais suas capacidades cognitivas. Queremos e vamos trabalhar para que o maior número delas possa se inscrever e, se possível, teremos uma lawtech na final”, diz Daniel Marques.

O Startup Show tem o patrocínio da IBM, da AeC, da Robbyson (plataforma de soluções tecnológicas que aplica a lógica dos games na gestão dos negócios), e da Eu Saúde (plataforma de promoção da saúde e do bem-estar). O apoio vem de Copa Airlines, Free Valorize, Endeavor, Startse, ABStartups, Startupi, Sucesu Nacional, Indrop, Orbi, Raja Ventures, Ideia Comunicação, JChebly, Atmosphera, 10K Startups, Fundep, FCJ Participações/Semear, Techmall, Pequenas Empresas Grandes Negõcios, Cityworking, Instituto SIM, ABRH MG, Sebrae, Ideia Comunicação e eMotion Studios. A realização é das sócias Fill the Blank e i-9.

Tags, , ,

Banco do Brasil irá selecionar fintechs durante o Fintouch 2018

O Banco do Brasil, em parceria com a ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs) e Startup Farm, irá selecionar fintechs para entrar na sua plataforma de Open Banking, lançada há um ano. A ideia é facilitar o processo de entrada e expandir as parcerias, dando mais um passo em relação ao movimento iniciado em 2017. Para isso, o Banco do Brasil estará presente no Fintouch 2018.

“Estaremos com um estande recheado de conteúdo e três sessões de Open Mic. É vai lá e faz. Serão três horários, com pitches de até cinco minutos, e mais cinco de perguntas da plateia”, explica Marco Mastroeni, diretor de negócios digitais do BB. A plateia será formada por mentores de aceleração da Startup Farm, executivos do BB e investidores convidados.

“Este programa de Open Banking é uma das provas de que os bancos podem e devem se aproximar das fintechs, gerando novos negócios. A ABFintechs reconhece o Banco do Brasil como um importante parceiro na expansão das inovações promovidas pelas fintechs no mercado financeiro brasileiro”, ressalta Stephanie Fleury, Diretora Executiva da ABFintechs.

Como participar do Open Mic

As fintechs interessadas em participar devem enviar um e-mail para contato@abfintechs.com.br com o título “Eu quero uma vaga no Open Mic do BB”. Serão 15 pitches, e apenas seis podem ser pré-reservados.

Sobre o Fintouch 2018

Organizado pela Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs), o Fintouch 2018, um dos maiores eventos de fintechs da América Latina, debaterá a importante transformação do mercado financeiro brasileiro graças à nova era de inovação promovida pelas startups financeiras conhecidas como fintechs. Além disso, contará com vasta programação e conectará os principais players do ecossistema ao mercado financeiro, investidores e clientes.

Fintouch 2018

Data: 8 de agosto de 2018, quarta-feira

Horário: Das 8h às 20h

Local: Transamerica Expo Center

Endereço: Av. Dr. Mário Vilas Boas Rodrigues, 387 – Santo Amaro, São Paulo – SP.

www.fintouch.com.br

Tags, , , , , , , ,

Conheça as 6 startups escolhidas para o terceiro ciclo da Liga AutoTech

A Liga Ventures – aceleradora especializada em gerar negócios entre startups e grandes corporações – acaba de anunciar as seis escolhidas para participar do terceiro ciclo de aceleração da Liga AutoTech – programa de aceleração que conecta grandes corporações das áreas automotiva, logística e mobilidade a startups que estão inovando no setor.

Com participação de empresas como Mercedes-Benz, Eaton, Cummins e Webmotors, o Liga AutoTech teve três etapas de seleção: triagem dos inscritos, entrevista e pitches. De acordo com Rogério Tamassia, co-fundador da Liga Ventures, o programa trará novas possibilidades de inovação e negócio para o setor automotivo.

“Percebemos que há um grande espaço entre as startups e as grandes empresas e é exatamente neste espaço que entram nossos programas de aceleração, como a Liga AutoTech, que busca unir grandes e pequenos permitindo que novos negócios sejam criados com mais agilidade, mas de maneira controlada – com o acompanhamento e apoio da equipe de gestores de aceleração e também da nossa rede de mentores”, explica Tamassia.

Conheça as startups que farão parte da Liga AutoTech
As startups escolhidas serão aceleradas durante quatro meses e terão orientações com executivos do setor e com a rede de mentores da Liga Ventures, além de terem a oportunidade de gerar novos negócios com parceiros e investidores. Nenhuma contrapartida em participação societária ou propriedade intelectual é exigida das startups aceleradas.

De todas as startups inscritas, foram selecionadas 6 que possuem maior sinergia com as empresas parceiras. Veja a lista:

DriveOn – http://www.driveonauto.com/

A DriveOn oferece para frotas de veículos (pesados e leves) uma plataforma que integra todos os dispositivos de rastreamento e telemetria disponíveis no mercado. A startup analisa, trata e organiza esses dados gerando um score do comportamento de direção do usuário e guardando as informações no blockchain.

MOB Innovation + Engineering – http://www.mob.eng.br

MOB Innovation + Engineering traz soluções de IoT para monitoramento de ativos e equipamentos em ambientes industriais. A startup cria aplicações nas áreas de bens de consumo, energias renováveis e manufatura, utilizando metodologias desenvolvidas em parceria com universidades que são capazes de trazer inovação e uma visão multidisciplinar para as iniciativas.

Mobi7 – http://mobi7.com.br/

A Mobi7 nasceu para inovar o mercado de inteligência e informação para gestão de frotas. A startup garante não apenas a localização de cada elemento da frota, mas também a segurança e controle – reduzindo gastos com combustível e o impacto ambiental.

PeerDustry – http://www.peerdustry.com/
A Peerdustry trouxe a economia compartilhada para o setor de Manufatura, gerando competitividade para as empresas que oferecem serviços e eficiência para as empresas que compram tais serviços de manufatura.

StopClub – http://app.stopclub.com.br

O StopClub transforma espaços ociosos em pontos de vendas únicos e acessíveis para pessoas que trabalham na rua, como motoristas sob demanda. O objetivo da startup é reunir a comunidade, oferecendo produtos e serviços que ajudem nossos clientes com suas necessidades diárias. É como um coworking para trabalhadores que não são de escritório.

Sua Oficina Online – http://suaoficinaonline.com.br/

Marketplace de serviços automotivos que ajuda donos de carros a compararem preços de oficinas. A startup permite que o motorista descubra qual é o provável problema do carro e indica as oficinas mecânicas mais bem avaliadas na sua região. Além disso, funciona como um canal digital de divulgação mensurável com foco em diferenciais para fornecedores de serviço auto.

Startup Weekend sobre AdTech chega ao Brasil

São Paulo receberá, nos dias 3, 4, e 5 de agosto, a primeira edição brasileira da Startup Weekend AdTech – ou Tecnologias de Publicidade. A iniciativa da Techstars convida empreendedores, administradores, desenvolvedores, designers, cientistas de dados e profissionais de publicidade e mídia para discutirem novas soluções e ideias para o setor, que é um dos mais promissores para a criação de startups.

A edição conta com a participação da agência de publicidade AlmapBBDO, da rede de televisão SBT e do canal Discovery. Os inscritos no evento terão 54 horas para lançar novas ideias, validar os melhores insights, construir um modelo de negócio voltado a tecnologias de propaganda e marketing e desenvolver um protótipo. Cada dia contará com uma programação específica para estimular a criatividade e a viabilização dessas novas ideias.

Os desafios propostos para a criação das startups também estarão relacionados aos modelos de negócios da AlmapBBDO e do SBT, que levarão especialistas renomados de seus quadros de profissionais para atuarem como mentores junto aos grupos participantes. Os resultados finais serão apresentados a uma banca avaliadora composta pela sócia e diretora geral de planejamento da AlmapBBDO, Cíntia Gonçalves, e pelo diretor de Assuntos Institucionais e Regulatórios do SBT, Roberto Franco. As melhores ideias se tornarão startups e serão reconhecidas e contempladas com prêmios oferecidos pelos patrocinadores.

A Startup Weekend AdTech dá foco a um mercado que está em expansão. A chegada de Ad Tech ao mercado é vista como uma possibilidade de trazer mais inteligência nas áreas de publicidade e propaganda tradicionais. Seja na internet ou na TV, tecnologias que acertem ainda mais nos modos como consumidores e marcas se relacionam.

Na última versão do Global Entertainment & Media Outlook 2018-2022 da PwC, a 19ª pesquisa aponta que o segmento crescerá 4,4% nos próximos 5 anos, apontando tendências em tecnologias como Realidade Virtual e Assistentes Pessoais, sem contar mercados promissores como e-Sports e games no geral.

A 1ª Startup Weekend AdTech acontece na Distrito, plataforma e espaço coworking voltado à inovação, localizada na região da Avenida Paulista.

Mais informações no site: go.startupweekend.org/adtech

Tags, , , , ,

iFood e Nubank são as startups brasileiras mais pesquisadas na internet

A SEMrush, líder global de marketing digital, realizou um levantamento neste mês, a fim de mapear as startups brasileiras mais buscadas em ferramentas de pesquisa como Google e Bing. A iFood, fundada em 2011, registrou o maior número de pesquisas, com média de 1,2 milhão nos últimos seis meses. Empresa investida pela gigante Movile, que recebeu recentemente um investimento de US$ 124 milhões, pode crescer muito ainda.

Em destaque por causa do ‘roxinho’, a Nubank, startup de serviços financeiros, teve o segundo maior número de pesquisas, cerca de 1,1 milhão. Na terceira posição, com cerca de 897 mil pesquisas, ficou a PSafe, focada em segurança digital, seguida pela MaxMilhas (414 mil) e VivaReal (283 mil), na quarta e quinta posição, respectivamente.

Confira a lista completa de startups mais pesquisadas na internet:

1°:iFood – 1.232.890
2°:Nubank – 1.191.630
3°:PSafe – 897.299
4°:MaxMilhas – 414.490
5°:VivaReal – 283.680
6°:Hotmart – 271.670
7°:ClickBus – 215.950
8°:Sympla – 150.770
9°:Gympass – 134.010
10°:Me Salva! – 89.970

Tags, , , , , ,

FGV realiza o workshop de lançamento oficial de seu “Núcleo de Estudos em Startups, Inovação, Venture Capital e Private Equity”

A Fundação Getulio Vargas promove no dia 9 de agosto, das 08h30 às 13h30, no Rio de Janeiro, o workshop de lançamento oficial do FGVnest – Núcleo de Estudos em Startups, Inovação, Venture Capital e Private Equity, com participação do presidente da FGV, Carlos Ivan Simonsen Leal, além de outras autoridades.

“A capacidade de empreender e inovar, associada à existência de investidores dispostos a tomar os riscos daí resultantes, como os fundos de venture capital e private equity, é fundamental para o aumento sustentável da produtividade, principal fonte de crescimento econômico no longo prazo. O Nest, como componente da FGV Crescimento e Desenvolvimento Econômico, tem como objetivo contribuir para difundir e fortalecer o empreendedorismo e a inovação”, aponta o diretor do FGV Crescimento & Desenvolvimento, Roberto Castello Branco.

Na ocasião, investidores, gestores de private equity e venture capital, empresas inovadoras, empreendedores e formuladores de políticas públicas debaterão o Impacto de Startups, Inovação, Venture Capital e Private Equity no Crescimento e Desenvolvimento do Brasil. A programação do workshop conta com três painéis que visam garantir um amplo espaço de reflexão sobre a possibilidade de construção de uma agenda positiva para o crescimento e desenvolvimento econômico do país por meio de negócios inovadores de alto impacto. O primeiro painel será “A Contribuição de Startups e Venture Capital no Desenvolvimento Econômico”; o segundo, “Inovação, Investimentos e Corporate Ventures”; e, por fim, o painel “Private Equity e Venture Capital: Presente e Futuro”.

Participarão dos painéis representantes da Anjos do Brasil, Antera Gestão de Recursos, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Bozano Investimentos, BTG Pactual, Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Gaia Silva Gaede Advogados, Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), TOTVS, Turim Family Office e Vinci Partners, entre outros convidados.

“Esta iniciativa pioneira do FGV Crescimento & Desenvolvimento contribuirá ativamente com o ecossistema empreendedor de alto impacto do país. O FGVnest será um hub de referência nos segmentos de Startups, Inovação, Venture Capital e Private Equity, agregando, promovendo e estimulando iniciativas da própria FGV, bem como de investidores, empreendedores, formuladores de políticas públicas, empresas inovadoras e outras instituições acadêmicas, por meio da geração e disseminação de conhecimento”, afirma Caio Ramalho, coordenador do FGVnest.

Workshop de lançamento oficial do FGVnest – Núcleo de Estudos em Startups, Inovação, Venture Capital e Private Equity da FGV
Dia: 9 de agosto
Local: Auditório Engº M F Thompson Motta – Praia de Botafogo, 190 – 12º andar
Horário: 08h30 às 13h30
Inscrições: http://www.fgv.br/eventos/?P_EVENTO=4016&P_IDIOMA=0
Programação:

08h30 às 08h50 – Credenciamento

08h50 às 09h55 – Boas-vindas e Lançamento Oficial do FGVnest
– Carlos Ivan Simonsen Leal (Presidente, FGV)
– João Victor Issler (Diretor de Pesquisa, FGV Crescimento & Desenvolvimento)
– Pedro Cavalcanti (Diretor Executivo, FGV Crescimento & Desenvolvimento)
– Roberto Castello Branco (Diretor Institucional, FGV Crescimento & Desenvolvimento)
– Caio Ramalho (Coordenador, FGVnest)

09h55 às 10h55 – A Contribuição de Startups e Venture Capital para o Desenvolvimento Econômico
– Eliane Lustosa (Diretora de Investimento, BNDES)
– Alessandro Dantas (Diretor de Inovação e Propriedade Intelectual, MDIC)
– Fernando Silva (Sócio, Bozano Investimentos)
Moderador: Paulo Queiroz (Líder do Núcleo RJ, Anjos do Brasil)

10h55 às 12h15 – Inovação, Investimentos e Corporate Ventures
– Marcos Cintra (Presidente, FINEP)
– Juliano Seabra (Head de Inovação, TOTVS)
– Frederico Pompeu (Sócio, BTG Pactual e Head BoostLab)
– Rodrigo Pereira (Superintendente de Negócios e Inovação, B3) – a confirmar
Moderador: Mauro Jacob (Sócio, Gaia Silva Gaede Advogados)

12h15 às 13h25 – Private Equity e Venture Capital: Presente e Futuro
– Antonio Carlos Berwanger (Superintendente de Desenvolvimento de Mercado, CVM)
– Bruno Zaremba (Sócio, Vinci Partners)
– Robert Binder (Sócio, Antera Gestão de Recursos)
– Rodrigo Louro (Sócio, Turim Family Office)
Moderador: Cláudio Furtado (Professor, FGV EAESP)

13h25 às 13h30 – Encerramento

Tags, , , , ,

Fundo do Vale do Silicio lança plataforma para democratizar acesso a investimentos

O fundo de venture capital Social Capital, do Vale do Silício, abre hoje, dia 1º de agosto, sua plataforma de Capital-as-a-Service (CaaS) para startups brasileiras do tipo early stage que buscam investimento e insights para seus negócios.

Fundado em 2011, o Social Capital lançou em 2017 a versão beta e fechada da primeira estratégia de investimentos baseada no uso de software do mundo – inaugurando assim uma categoria de serviços até então inexistente, a de investimentos de venture capital baseados em dados, com sua plataforma de CaaS. O fundo escolheu o Brasil para inaugurar a versão aberta ao público pela primeira vez desde que o produto foi criado e chega para selecionar empresas de forma escalável, transparente e baseada em dados. Os investimentos ficam entre US$ 50.000 e US$ 250.000 (que equivalem a uma faixa de aproximadamente R$ 186.000 a R$ 930.000). A empresa americana busca oportunidades para co-investir, mas também pode liderar rodadas de investimentos.

A inovação chegou para transformar o setor de venture capital que, apesar de se debruçar sobre empresas altamente tecnológicas e disruptivas, muitas vezes ainda segue práticas tradicionais e ultrapassadas para escolher onde alocar seus investimentos. Assim, iniciativas interessantes podem ser deixadas de lado já que muitos fundos escolhem empresas com base em indicadores superficiais como contatos pessoais ou o status de seus executivos. Além disso, são raros os fundos que explicam para os fundadores os motivos das rejeições.

A plataforma do Social Capital, por sua vez, utiliza análise de dados e machine learning para avaliar as startups e identificar, de forma semi-automatizada, aquelas com o melhor desempenho, as melhores soluções e mais potencial de crescimento. O Capital-as-a-Service foi projetado por profissionais vindos de empresas de tecnologia como Facebook, Dropbox e Survey Monkey, entre outros, que se inspiraram em suas experiências para descobrir como o uso de software poderia democratizar o acesso a investimentos.

Funciona assim: a inscrição pode ser feita no caas.socialcapital.com, onde deve ser preenchido um formulário com as principais informações sobre a empresa, seguido pelo upload de dados transacionais, que será a chave para a análise das métricas do negócio. Além disso, o candidato é convidado a escrever um texto com elementos qualitativos como a missão e os valores da empresa.

A resposta chega dentro de poucos dias e, mesmo no caso de a startup não ser selecionada, o Social Capital oferece recomendações e benchmarks para apoiar a empresa em seu processo de evolução e, se a startup quiser tentar novamente, o fundo volta a avaliar as métricas e continua oferecendo análises de seus negócios. Tanto as selecionadas quanto as não selecionadas recebem a análise quantitativa completa aplicada pelo fundo na hora de avaliar os negócios, mostrando o desempenho da empresa com relação a métricas fundamentais do setor. Além disso, o Social Capital pretende implementar serviços como uma comunidade online e webinars e conteúdos sobre retenção, aquisição, precificação e outros meios de suporte escaláveis.

Em sua atuação como um fundo de venture capital, o Social Capital leva em conta a contribuição social das iniciativas, como startups dos setores de saúde, educação, serviços financeiros, tecnologias B2B e tecnologias emergentes, mas sua modalidade CaaS abrange qualquer empresa que utilize tecnologia para resolver problemas reais em mercados onde o acesso a investimentos é mais restrito.

Por que o Brasil?

De acordo com Ashley Carroll, uma das sócias do Social Capital, o Brasil é o primeiro país do mundo a ter acesso à versão aberta ao público do produto de CaaS devido à quantidade de fundadores com boas ideias para solucionar problemas reais tanto local quanto globalmente e às lacunas identificadas pelo fundo quando se trata de startups early stage e na primeira rodada de investimentos.

O que é CaaS?

Capital-as-a-Service é a primeira abordagem de venture capital verdadeiramente baseada no uso de software do mundo, que vem democratizar o acesso a investimentos por meio de um produto escalável e transparente. A estratégia utiliza análise de dados e machine learning para alocar investimentos e foi criada pelo fundo californiano Social Capital em 2017. A abordagem realiza a diligência quantitativa semi-automatizada de negócios. eu nome é derivado do termo SaaS (Software-as-a-Service), que se refere a produtos que utilizam nuvens de armazenamento para oferecer serviços online que antes só eram realizados por softwares instalados no próprio computador.

O Social Capital lançou um modelo piloto de CaaS há um ano e, há nove meses, lançou sua versão beta e privada. Mais de 5.000 empresas provenientes de 25 países e 6 continentes foram avaliadas na versão beta e 70 delas receberam investimento. A empresa pretende continuar expandindo o CaaS globalmente depois que abrir seu produto para o público pela primeira vez no Brasil.

Tags, , , , , , ,

Dandelin participa do Health Innovation Summit

A Dandelin, startup que conecta pacientes a médicos, facilitando o agendamento de consultas e socializando os custos reais entre todos os membros de sua comunidade, estará presente no Health Innovation Summit. O evento reunirá profissionais de inovação e tecnologia focado no ecossistema de saúde do Brasil e do mundo no dia 8 de agosto, das 9h às 17h30, em São Paulo.

O CEO da Dandelin, Felipe Burattini, participará de painéis de discussão que incluem experiências de startups emergentes de saúde e modelos inovadores de gestão e operacionalização, sempre com o intuito de encontrar soluções úteis e sustentáveis que mudem o sistema de saúde e gerem um novo modo de se relacionar com clientes e pacientes.

“Precisamos pensar em novas propostas para o defasado sistema de saúde brasileiro, por isso é muito importante que eventos como esse aconteçam”, destaca o CEO e fundador da Dandelin, que explica a proposta da startup: “Criamos a Dandelin com a missão de oferecer acesso simples, justo e humano aos serviços médicos. Nós queremos democratizar a saúde no Brasil “.

Com o app Dandelin, os usuários não pagam o preço da consulta, mas uma mensalidade variável, que é dividida igualitariamente entre todos os membros da comunidade e nunca ultrapassará R$ 100. Os usuários ficam livres para marcarem suas consultas médicas com rapidez, sem vínculos com empresas ou custos fixos.

Como são realizadas nos consultórios dos profissionais cadastrados, o paciente pode procurá-los por localização, especialidade, disponibilidade de agenda, sintomas ou pelo nome do médico desejado.

O aplicativo opera de maneira completamente transparente, permitindo que os usuários vejam os demonstrativos financeiros para entender como é composto o custo mensal de cada membro da comunidade.

Health Innovation Summit

Dia 8 de Agosto de 2018, das 9h às 17h30.

Ahoy Berlin – Av. Prof. Manuel José Chaves, 291 – Alto de Pinheiros, São Paulo.

Inscrições pelo site: http://bit.ly/2NDP7Bm.

Tags, , , , ,

StartOut Brasil chega a sua quinta edição e abre inscrições para ciclo de Lisboa

Oferecer gratuitamente um programa completo e robusto que compreenda todas as fases da internacionalização de uma startup, promover conexões genuínas em ecossistemas de inovação com potencial para novos negócios e incentivar que startups brasileiras busquem, desde o início, o mercado global. Com esses objetivos o Programa StartOut Brasil anuncia a abertura das inscrições para o ciclo de Lisboa (Portugal).

Para participar desta edição, as startups devem estar faturando, preferencialmente, acima de R$ 500 mil ou já ter recebido investimentos. Além disso, precisam ter uma equipe que seja 100% dedicada ao negócio e comprovar sua capacidade de expansão internacional, sem que isso comprometa as operações no Brasil.

Já foram realizados ciclos em Buenos Aires, Paris, Berlim e Miami. Agora estão abertas as inscrições para o quinto ciclo, que será realizado em Lisboa, que foi selecionada por canalizar um ímpeto desbravador para se tornar uma das mais competitivas e inovadoras cidades da Europa. Além do baixo custo de moradia e alta qualidade de vida, Lisboa oferece condições incríveis para receber startups brasileiras, pois há ali uma juventude talentosa e uma vasta cultura de empreendedorismo criativo, sem falar da facilidade do idioma.

O programa já recebeu quase 50 startups e todos os ciclos consistem em quatro fases, sendo:

Seleção – startups se inscrevem e são avaliadas com base nos critérios de grau de inovação, maturidade para atuação internacional, experiência da equipe e mapeamento do mercado-alvo. Após a avalição de uma banca examinadora qualificada, 15 startups serão habilitadas para a próxima fase;

Capacitação – as startups aprovadas iniciam um processo de preparação para a missão, que dura de seis a oito semanas. Os empreendedores têm acesso a consultoria especializada em internacionalização, mentoria com especialistas no mercado de destino, treinamento de pitch internacional e workshop presencial (warm up);

Missão – as startups terão a oportunidade de conectar-se com alguns dos principais players locais e prospectar oportunidade de negócios. Nessa fase os empreendedores passam por treinamento de pitch internacional; workshops; visitas a players importantes do ecossistema; apoio de matchmaker para agendamento de reuniões com potenciais parceiros; e possibilidade de apresentação do negócio para investidores (demoday);

Reconhecimento e Landing – as startups recebem acompanhamento personalizado, com mais algumas sessões de consultoria, para aprimorar estratégias de expansão e maximizar as oportunidades identificadas no exterior.

O StartOut Brasil tem ganhado cada vez mais notoriedade justamente por atuar de ponta a ponta ao lado das startups participantes. Os realizadores do programa notaram que não adiantava só realizar a missão, era preciso ir além. Por isso, ao final do processo, ainda é oferecido apoio para que as startups possam instalar-se no país de destino ou promover a exportação de seu produto ou serviço, conforme a estratégia. Outro diferencial consiste na gama de parceiros do programa, como Apex-Brasil e Anprotec, que também oferecem seus escritórios no exterior, bem como sua rede internacional de parques tecnológicos, respectivamente.

Lisboa conta atualmente com cerca de 300 startups, 15 incubadoras, 20 programas de aceleração e uma grande comunidade de investidores anjos e de venture capital. As inscrições para o Ciclo de Imersão em Lisboa estarão abertas de 27 de julho de 2018 até às 23h59 (horário de Brasília) ao dia 20 de agosto de 2018. Para se inscrever basta acessar o site www.startoutbrasil.com.br/ciclo/lisboa/. Nessa edição, os formulários deverão ser preenchidos em português e a missão será realizada em Novembro de 2018.

Tags, , ,

Startup inicia internacionalização através do programa StartOut Brasil

O programa Startout Brasil, que dá apoio a inserção de stratups brasileiras nos mais promissores ecossistemas de inovação do mundo, anunciou a lista das 15 empresas que farão parte do próximo ciclo, marcado para acontecer de 09 a e14 de setembro em Miami, nos Estados Unidos. A Flex Interativa, especializada em digital experience, é uma das selecionadas, iniciando um importante processo de internacionalização dos negócios.

Em quase duas décadas, a empresa dos sócios Marcelo Rodiño e Fernando Godoy, vivenciou as principais transformações tecnológicas, crescendo com as necessidades de diferentes mercados. Foi software house, desenvolvedora de sites, consultora em TI, agência web, de criação e de estratégia em marketing até se transformar em startup especialista em soluções digitais imersivas com uso das realidades virtual, aumentada, mista e projeção mapeada. Participar do Startout Brasil é parte de um plano estruturado de expansão das atividades.

O posicionamento da Flex no mercado americano através do programa StartOut Brasil está diretamente relacionado à história da empresa, conforme o próprio fundador. “Há 20 anos comecei a trabalhar com tecnologia quando ainda morava nos Estados Unidos. Trouxe tecnologia americana para o Brasil e agora, novamente inseridos no mercado norte-americano, estamos levando tecnologia elaborada aqui no País. É um efeito inverso”, lembra Godoy.

“É um passo muito importante porque significa, na prática, conexão com um dos maiores ecossistemas de inovação do mundo. Uma oportunidade para visitar aceleradoras, incubadoras e empresas para observação de modelos essencialmente disruptivos, conhecer fornecedores e prestadores de serviços, prospectar clientes e investidores”, descreve o fundador da empresa sobre a participação no programa.

A relevância é ainda maior considerando a realização do programa, que é uma parceria do Ministério das Relações Exteriores, Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) e da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). “É a chancela do potencial internacional da Flex, que foi avaliada em um rigoroso processo de seleção. Ficamos em quarto lugar em pontuação entre 15 selecionados”, lembra Godoy.

Esta não é a primeira vez, inclusive, que a Flex Interativa é colocada à prova. Em 2017, Marcelo e Fernando participaram do programa Shark Tank Brasil – Negociando com Tubarões, do canal Sony. Demonstrando ao vivo o valor do da realidade virtual e da realidade aumentada para o mercado, chamaram a atenção dos quatro avaliadores e fecharam duas propostas de investimento. “Durante a nossa participação o Vale do Silício foi citado várias vezes em diferentes contextos. Um indicativo de que a nossa tecnologia tem reais condições de crescer em um cenário de inovação mundial”, finaliza o fundador da empresa.

Tags, , , , , ,