Page

Category startup

SEBRAE e Abstartups se unem para desenvolver startups paulistas

A Associação Brasileira de Startups (Abstartups) e o Sebrae-SP fecharam uma parceria inédita para fomentar ainda mais o ecossistema de inovação no Estado de São Paulo. A união das duas forças atuará no desenvolvimento de startups paulistas até julho de 2024, e a previsão é de que a parceria possa impactar mais de mil startups com programas diversos.

As startups participantes terão acesso a uma rede de mais de 200 mentores, além de conteúdo exclusivo e programas temáticos para acompanhar seu crescimento, com foco em gestão e acesso a mercado. O tradicional StartupON também trabalhará junto à parceria, com programas de ativação de comunidades em diversas cidades, começando por Barretos e São Carlos. Além disso, os empreendedores poderão participar de rodadas de aproximação com grandes empresas durante a 8ª edição da Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo (CASE 2021 ), que acontecerá entre os dias 17 e 19 de novembro de maneira 100% online e gratuita.

No evento de lançamento da parceria, realizado na quinta-feira (26), também foi revelado o Programa Start, iniciativa voltada para a formação de novas startups e promoção do empreendedorismo digital, especialmente no interior de São Paulo, além do Report Comunidade SP, que irá destacar as principais comunidades de startups do Estado. A iniciativa deve impactar mais de 250 startups ainda neste ano.

Um dos objetivos com a parceria é fazer com que o desenvolvimento de empresas inovadoras chegue às cidades do interior, possibilitando a criação de novos polos de startups e descentralizando o ecossistema da capital. Para que isso aconteça, será feito um mapeamento das startups e comunidades do Estado, possibilitando ações mais assertivas.

Danilo Picucci, diretor de Ecossistemas e Comunidades da Abstartups, aponta que a parceria com o Sebrae-SP é um passo importante para melhorar as ações de incentivo ao empreendedorismo local. “Isso é o início de algo muito maior e estamos muito animados em divulgar para nossa comunidade. Queremos que o interior do Estado de São Paulo continue crescendo e se destaque como polo de desenvolvimento das startups”, diz.

Essa parceria marca uma nova diretriz do Sebrae-SP, que aprovou um novo Plano de Apoio a Startups e Ambientes de inovação, voltado para implementação de programas de apoio a startups e promoção de ecossistemas nos próximos quatro anos.

Para o presidente do Conselho do Sebrae-SP, Tirso Meirelles, essa parceria reforça o novo momento do Sebrae-SP, com esforços integrados para impulsionar o empreendedorismo inovador. “Temos aqui em São Paulo um dos melhores ambientes de inovação do mundo e estamos animados em poder contribuir para conectar todo esse ecossistema, assim como levar, numa escala nunca antes obtida, aceleração e conteúdo de qualidade para startups, fortalecendo setores como agro, saúde e cidades inteligentes”, afirma.

As primeiras iniciativas da parceria já foram lançadas e devem impactar empreendedores de mais de 15 municípios de SP ainda em 2021. O mapeamento para elaboração do Report Raio X Startups SP já teve início e as inscrições para o Programa Start já foram lançadas e podem ser acessadas nos links abaixo, juntamente com as inscrições do CASE e os próximos StartupON.

Programa Start – bit.ly/StartSebrae
CASE 2021 – case.abstartups.com.br
StartupON SP – sympla.com.br/abstartups
Captação Mapeamento de Startups – bit.ly/mapastartups2021

Tags

Fintech Pluggy participa de Demo Day da Y Combinator, uma das maiores aceleradoras do Vale do Silício

A Pluggy, fintech que tem como objetivo democratizar o acesso aos dados financeiros, empoderando o usuário final e possibilitando que fintechs e corporações também participem do ecossistema Open Finance, é uma das participantes do Demo Day da aceleradora mais conceituada do mundo, a Y Combinator, que acontece no próximo dia 31/08.

Duas vezes por ano, o mais recente lote de startups da Y Combinator se apresenta a um público apenas para convidados de aproximadamente 1.500 investidores. O Demo Day é o nome do evento que acontece nos últimos dias do programa de aceleração e é o mais esperado pelas startups participantes do programa. É nesse dia que cada uma das startups apresenta sua empresa para uma audiência de algumas centenas de investidores, um pitch de alguns minutos do negócio que pode ser vital para o futuro sucesso da empresa.

“Estamos animados com a participação da Pluggy no Demo Day, onde apresentaremos nosso modelo de negócio, visão estratégica e tudo que construímos até o momento. O programa da Y Combinator tem o dom de sintetizar o aprendizado de milhares de startups em conselhos extremamente claros, objetivos e práticos. Com isso pudemos dar um importante salto no desenvolvimento da empresa. Estamos prontos para nos posicionarmos no mercado e temos certeza que essa oportunidade irá agregar muito em termos de visibilidade, já que abre portas para que as startups tenham contato com investidores globais, que costumam investir nas aceleradas logo após o fim do programa”, explica Victor Braga, cofundador da Pluggy.

Sediada no Vale do Silício, Califórnia, até o final do ano passado, a aceleradora contabilizou investimentos em mais de 2,4 mil startups, entre as quais estão marcas mundialmente conhecidas como Airbnb, Coinbase, Dropbox e Reddit. Porém, poucas startups brasileiras tiveram o privilégio de fazer parte do cobiçado programa de aceleração do grupo, desde a sua fundação em 2005. Ao entrar no Batch do Verão de 2021 (S21) em junho deste ano, a Pluggy passou a fazer parte do programa. Desde então, as empresas selecionadas, além do investimento em dinheiro, recebem um grande apoio na sua estruturação, melhoria operacional e, acima de tudo, direcionamento para o foco no produto e entendimento de seus clientes.

Da Europa para o nascimento da Pluggy no Brasil

Em 2020, Bruno Loiola e os amigos Rogério Correa e Victor Braga se juntaram aos argentinos Federico Mirás e Gabriel Pan Gantes para encarar a desafiadora empreitada de criar a Pluggy. A ideia surgiu na Europa, quando os brasileiros que já trabalhavam com o compartilhamento de dados financeiros na Espanha, decidiram trazer para o seu país de origem a tecnologia de integração entre as instituições antes mesmo de o Banco Central anunciar a chegada do Open Banking no Brasil. A aposta deu certo.

A Pluggy nasceu com o objetivo de democratizar o acesso aos dados financeiros, empoderando o usuário final e possibilitando que fintechs e corporações também participem do ecossistema Open Finance. Até o momento, a fintech possui mais de 18 conexões entre instituições financeiras, fintechs e startups do Brasil.

A startup permite que bancos, fintechs e empresas de outros segmentos agreguem contas de diferentes instituições financeiras por meio de uma única API, padronizando e classificando dados para viabilizar soluções financeiras personalizadas aos clientes. A fintech, por meio da resolução open banking, ou seja, do uso do histórico de dados e da análise de comportamento dos clientes, permite que as empresas façam uma oferta customizada de produtos e serviços de acordo com a necessidade de cada negócio e seu público-alvo, como:concessão de crédito com melhores condições, auxílio na gestão financeira pessoal, novos modelos de score de crédito, recomendações de investimento adaptadas ao perfil de cada cliente, entre milhares de outras aplicações.

Nos últimos anos, a Pluggy participou de importantes programas de aceleração, entre eles o LIFT LAB, do Banco Central, Liga Ventures e Oxigênio, da Porto Seguro. Recentemente, a fintech recebeu aporte de mais de R$3 milhões na rodada de Pré Seed liderada pela Gávea Angels. Também participaram do investimento Plug and Play e Urca Angels.

Tags,

Startup de drones Aeroscan capta R$1,3 milhão em apenas seis horas via EqSeed

Em apenas seis horas, a  Aeroscan, plataforma de gerenciamento de drones inteligentes focada em segurança patrimonial das empresas, captou o valor de R$1,3 milhão via EqSeed, principal plataforma de venture capital online do Brasil. Em fevereiro, a startup já havia captado R$850 mil também pela EqSeed, mas seu crescimento foi tão acelerado que a empresa decidiu se capitalizar para manter o ritmo de expansão. Entre outros indicadores, a startup de drones dobrou o faturamento se comparado a dezembro de 2020, registrou um crescimento de 460% no primeiro semestre de 2021 frente ao ano passado e passou a atender grandes players do mercado, entre eles empresas como Via Varejo, Brasil Terminal Portuário, Electrolux e Heineken, onde estas duas últimas através de seus parceiros e integradores.

Para o sócio-fundador da EqSeed, Brian Begnoche, o forte desempenho da Aeroscan logo após a sua primeira rodada, em fevereiro deste ano, chamou a atenção dos investidores. “A startup dobrou o faturamento mensal se comparado a dezembro de 2020, ampliou sua carteira de clientes e provou sua solução em outros setores. O investidor da nossa base vem acompanhando o mercado e identificou na Aeroscan uma empresa de grande potencial. Para nós, é uma satisfação muito grande poder ser o agente que conecta uma startup tão promissora a um grupo qualificado de investidores que não teriam essa oportunidade de acessar esse investimento por outro canal”. 

De acordo com Marcelo Musselli Filho, sócio e fundador da Aeroscan, a EqSeed preencheu um gap muito importante para empresas em franca expansão, que precisam acessar capital de forma descomplicada. “É a segunda vez que precisamos levantar aportes de forma rápida e sempre encontramos investidores engajados e qualificados na EqSeed”.  

Para Marco Forjaz, sócio e co-fundador da Aeroscan a EqSeed foi fundamental para o rápido crescimento da startup, onde encontrou todo o suporte necessário durante e após as duas captações. “A EqSeed nos deu todo o suporte antes e depois da primeira captação, com isso, estávamos muito conectados com eles para a entrega dos resultados no primeiro semestre, este trabalho nos permitiu entender ainda mais as nossas responsabilidades para o sucesso da segunda captação,  que foi a colheita de um trabalho conjunto”.

“Enxame de drones”

Além do mercado de segurança patrimonial, a Aeroscan prevê  aumentar o portfólio de produtos e atuar na utilização de drone indoor para grandes centros logísticos,  controle de inventário externo, além de  drone autônomo para monitoramento de áreas com grandes extensões ( indústrias, áreas de mata, etc).  “Em alguns mercados, especificamente grandes indústrias, o uso de drones tem diversas aplicações e algumas delas com difícil acesso pela sua extensão e mata intensa, mas com os drones autônomos pretendemos atender esta demanda do mercado”, explica Musselli, COO da empresa.

Para dar corpo a essa forte expansão, a startup deve investir pesado em tecnologia e estrutura. Entre os setores que devem gerar novos postos de trabalho vale destaque para equipe de vendas e atendimento ao cliente. “Há uma demanda crescente por drones em todo o território nacional e entendo que estamos entrando em uma fase de escalonar o nosso negócio. Estamos fazendo um estudo de expansão geográfica e quem sabe a abertura de novas unidades da Aeroscan nos principais estados do País, podendo até ser uma franquia”, finaliza Forjaz. 

Tags,

7Stars Ventures lança Rockets, um programa de recrutamento para quem sonha trabalhar no universo das startups

Serão mais de 100 vagas disponíveis para pessoas de espírito empreendedor, tanto na sede, como nas mais de dez startups que fazem parte do hub de inovação

Trabalhar em uma startup é o sonho de muitos profissionais e a 7Stars, holding de investimentos que fornece não só aportes financeiros, mas também o know how estratégico e necessário para torná-las as melhores em seus segmentos, pretende tornar isso possível. Isso porque a venture acaba de lançar o Rockets, um programa destinado a estudantes ou profissionais formados em qualquer área, que sejam ousados, inovadores e apaixonados por desafios.

“Amamos tecnologia e procuramos pessoas que não tenham medo de desafios para se juntar ao nosso talentoso time. O Rockets tem o objetivo de oferecer uma experiência única ao trabalhar em empresas que procuram estar ao lado de pessoas com mentalidade e cultura campeãs”, afirma Daniel Abbud, CEO da 7Stars Ventures. “O programa tem a capacidade de projetar os profissionais selecionados para o seu potencial máximo, já que vai dar acesso à experiências, estratégias e práticas com uma qualidade de excelência mundial. Os selecionados podem ter suas carreiras impulsionadas, já que poderão atuar em diversas áreas das mais de dez startups que possuímos em nosso portfólio”, completa. 

Ao todo são 100 vagas para atuar nas mais de 10 startups e na própria sede da empresa. As inscrições começam no dia 20 de agosto e podem ser feitas através do site http://programarockets.com.br. O processo será dividido em cinco etapas: análise de perfil comportamental e fit cultural, teste de raciocínio lógico e inglês, vídeo de apresentação pessoal, dinâmica em grupo e entrevista com os CEO’s. Os candidatos têm até o fim do mês para enviar a ficha de inscrição, quando, em setembro, serão realizadas todas as etapas do processo. No dia 30 de setembro serão anunciados os selecionados. 

Tags,

Hub de Fortaleza, NINNA é o novo parceiro do Distrito

O NINNA (Núcleo de Inovação em Novos Negócios Aplicados), um hub originado na capital cearense, acaba de se tornar o novo parceiro do Distrito, maior plataforma de inovação aberta do Brasil. Com a parceria, o Distrito espera fortalecer as ações do NINNA Hub com foco no desenvolvimento do ecossistema da inovação do Ceará e do Nordeste como um todo.

“Essa é uma grande oportunidade de fomentarmos a inovação na região, onde grandes iniciativas têm surgido. Mais do que uma experiência com startups, o NINNA se inspira na inovação e na mudança das empresas tradicionais, com grande potencial para impactar o ecossistema como um todo”, diz Gustavo Araujo, CEO do Distrito.

Entre as primeiras ações da parceria, estão previstos um roadshow no final de setembro. O Distrito ainda irá conduzir com o hub um plano de ação para as memberships e apoiar na estratégia de um programa de aceleração exclusivo para startups do Ceará.

O NINNA tem o propósito de resolver problemas de empresas mantenedoras, a partir do desenvolvimento de projetos inovadores, negócios e pessoas. Para isso, realiza e apoia projetos que unem startups, aceleradoras, venture builders e instituições de ensino. Entre as companhias por trás do hub hoje estão a Pague Menos, a L’auto Cargo, CPD Capital, a Unimed Fortaleza e o Grupo Edson Queiroz.

As startups residentes do NINNA são selecionadas levando em consideração o foco de atuação e o potencial de trazerem soluções para as dores das empresas. Lá, elas têm acesso a capacitações, mentorias e networking, entre outros benefícios. São hoje residentes do hub: a Intmed, que faz softwares para a área da saúde; a Bright Photomedicine, que desenvolveu um remédio digital para tratar dores; o Chatbot Maker, inteligência artificial de atendimento ao cliente; a TotalCross, ferramenta de desenvolvimento de apps; e a Monkey Exchange, marketplace de recebíveis.

O hub também possui um espaço aberto à sociedade, em que acontecem eventos, palestras e encontros que fomentem o empreendedorismo, a inovação e a geração de novos negócios, além de ter um programa exclusivo para universitários do Ceará.

“A ideia da parceria é potencializar nossas forças na área de inovação para ajudar grandes corporações a reimaginar e redesenhar modelos de negócios mais eficientes e adaptados à nova economia da era digital. Com a experiência e a capilaridade que tem, o Distrito é o parceiro ideal para nos apoiar nesse processo”, diz Delano Macêdo, Conselheiro e Fundador do NINNA Hub.

“Estamos muito felizes com a parceria firmada com o Distrito, pois reforça nosso propósito de mostrar para todo o ecossistema a contribuição valiosa que o Nordeste pode oferecer”, finaliza Humberto Lima, Gestor Executivo e Conselheiro do NINNA Hub.

Tags

Vittude é destaque no Programa Google for Startups

Tatiana Pimenta, CEO da Vittude

Relatório de Impacto destaca a evolução das startups que já levantaram cerca de 35 bilhões de reais em investimento ao longo dos últimos 5 anos

A Vittude, referência brasileira em psicologia online e educação emocional de alta qualidade, está no Relatório de Impacto do Google for Startups Brasil que apresenta a evolução, oportunidades, desafios e resultados das startups dos principais setores da economia do país. Ao longo dos últimos 5 anos, as startups da comunidade já geraram mais de 15 mil empregos e levantaram cerca de 35 bilhões de reais em investimentos.

A iniciativa, que chegou ao Brasil em 2016, apoia empresas em diferentes estágios de crescimento através de programas e acesso a produtos, tecnologias, boas práticas e especialistas do Google, além de parcerias com aceleradoras, incubadoras e outras organizações de suporte a startups. A Vittude, faz parte de um grupo de mais de 250 startups que participaram dos programas de longa duração do Google for Startups no país. A healthtech esteve no Programa de Residência em 2020, onde o grande desafio eram os processos de RH. “Quando olhamos para trás podemos perceber o crescimento que tivemos graças a todo acesso que o programa ofereceu ao nosso time”, afirma Tatiana Pimenta, CEO da Vittude.

Trajetórias como a da Vittude ressaltam o aquecimento do mercado de healthtechs e como esse GAP de atendimento no sistema de saúde pode ser um bom espaço para atuação das startups. Junto da Vittude, mais de 30 mil pessoas foram capacitadas pelo programa em temas ligados a empreendedorismo, tecnologia e inovação.

Desde então, além de ser referência brasileira em psicologia online e educação emocional de alta qualidade, a Vittude também se tornou líder na América Latina na produção de conteúdos especializados em saúde mental, psicologia e comportamento humano. “Desde o último programa do Google, crescemos 540% em faturamento. Além disso, fomos de dez clientes corporativos para 130, e chegamos a cobrir 450 mil vidas. A Vittude está cada dia maior e todo esse reconhecimento é muito importante para nós”, finaliza Tatiana.

Dr.Cash recebe aporte “pré série A” de Bossanova e do recém chegado ao Brasil, Incubate Fund

Rodada seed tem como objetivo expansão, contratações e novas soluções para o mercado

A Dr.Cash, startup que dá acesso às pessoas que precisam realizar procedimentos em dentistas, cirurgiões e médicos, sem comprometer o limite do cartão de crédito, é uma fintech e healthtech liderada pelos executivos Gabriel Meireles e Lucas Hamú. A empresa, que já recebeu em 2019 um aporte da Superjobs e FASP, acaba de receber um novo investimento da Bossanova e também é a primeira empresa brasileira a receber capital da japonesa Incubate Fund.

Segundo Gabriel Meireles, Cofundador da Dr.Cash, a rodada de investimentos que soma R﹩ 1.5 MM viabiliza a expansão, contratação e lançamento de novas soluções de mercado ainda para este ano na empresa, com maior foco na inteligência de dados para a área de saúde.

“Ter a Bossanova, que é uma referência nacional e também ser a primeira empresa brasileira investida pelo Incubate Fund, de grande expressão fora do país, é um grande marco que chancela todo nosso trabalho até aqui, agora conseguiremos viabilizar o desenvolvimento de novas soluções, além de potencial expansão internacional no futuro”, comenta o cofundador, Lucas Hamú.

Com atuação em smart money. conselho e networking, os fundos apostaram no modelo promissor de negócios da empresa. “Ao conhecermos a Dr. Cash e os sócios da empresa, reconhecemos o negócio promissor e a escalabilidade, por isso mergulhamos de cabeça para validar o investimento”, comenta João Kepler, CEO da Bossanova Investimentos.

Para Mauricio Oumura, General Partner da japonesa Incubate Fund, a Dr.Cash foi o melhor negócio à primeira vista. “Temos grandes negócios espalhados pelo mundo todo e nosso objetivo ao expandir em um novo país era justamente buscar um negócio inovador que tivesse sinergia com nosso portfólio”, explica o executivo.

CBMM investe em startup britânica para acelerar negócios em baterias elétricas

Companhia adquiriu 13% da Echion Technologies, uma spin-off da Universidade de Cambridge, no Reino Unido

A CBMM, líder global em produtos de Nióbio, liderou a primeira rodada de investimentos na Echion Technologies, empresa britânica que desenvolve materiais avançados para baterias de íons de lítio. O aporte, realizado em conjunto com o fundo de investimento BGF, somou R﹩ 72 milhões de reais, e é mais uma iniciativa da companhia para consolidar sua liderança no desenvolvimento de tecnologias para baterias com óxido de nióbio, o que deve revolucionar o setor de mobilidade elétrica em todo o mundo.

“Esta parceria faz parte da nossa estratégia de oferecer ao mercado uma tecnologia inovadora, que realmente transformará a forma como nos locomovemos. Pretendemos avançar ainda mais em direção à mobilidade sustentável, oferecendo baterias de carregamento ultrarrápido, que possuam maior estabilidade e vida útil. Estamos otimistas e acreditamos que esses novos produtos já estarão disponíveis no próximo ano”, explica Rodrigo Amado, Gerente de Estratégia e Novos Negócios da CBMM.

Juntas, CBMM e Echion pretendem desenvolver produtos com uma combinação única de capacidade de carregamento rápido, economia e alta densidade de energia, características essenciais para a transição energética mundial, ou seja, em sinergia com as tendências de descarbonização e de fomento à eletrificação.

Com esse investimento, a empresa britânica ampliará a produção desses novos materiais, que já foram avaliados e aprovados pelos principais fornecedores de células de baterias do mundo, aumentando sua capacidade de atendimento à crescente demanda para testes pré-produção. Os recursos também serão destinados ao fortalecimento do suporte ao cliente, para as operações comerciais e de P&D. “Estamos muito empolgados para iniciar a próxima etapa em nossa jornada e levar os produtos com óxido de nióbio ao mercado. Esperamos criar valor para nossos parceiros e contribuir para tornar as baterias de carregamento ultrarrápido uma realidade”, comenta Jean de La Verpilliere, CEO da Echion.

A CBMM acredita que o mercado de baterias elétricas se desenvolva significativamente nos próximos anos. Atualmente, a companhia conta com mais de 40 projetos com universidades, centros de pesquisa e empresas de todo o mundo, visando a aplicação de novas tecnologias com nióbio para este segmento. “Apenas este ano, vamos investir R﹩ 60 milhões em nosso Programa de Baterias, um aumento de cerca de 60% sobre os R﹩ 37 milhões aportados em 2020. Queremos elevar o protagonismo do nióbio neste setor”, destaca Amado.

Além disso, a CBMM investiu R﹩ 14 milhões em uma nova planta-piloto para o desenvolvimento de tecnologias de nióbio para baterias elétricas. O novo espaço será inaugurado ainda este ano e fará parte do complexo industrial da companhia, localizado no município de Araxá, em Minas Gerais.

Bravo GRC e Distrito fecham parceria para levar ESG e GRC para startups

A Bravo GRC, risktech em scale up com mais de quinze anos de atuação no mercado de Governança, Riscos e Compliance (GRC), cujo propósito é “Desenvolver a Governança hoje, para você revolucionar o amanhã”, e nada mais adequado do que  buscar ampliar e melhorar sua conexão com o mercado de inovação e startups. Assim, acaba de fechar parceria com o Distrito, maior plataforma de inovação independente do Brasil, o que a torna a primeira risktech no hub de negócios a fazer parte do hall do Distrito.

Com o ESG (Ecossistema Ambiental, Social e Governança) e o GRC (Governança, Riscos e Compliance) cada vez mais em evidência, é fundamental que uma startup já possa nascer sob essas regras fundamentais para estar dentro das novas premissas do mercado. Não é à toa que as startups com foco em ESG já receberam mais de US$ 1 bilhão em investimento na última década, segundo dados do relatório Inside ESG Tech Report #2, do Distrito. O setor que mais tem investido em ESG é o de água e energia, com 144 empresas (17,96%), sendo seguido por edtechs (10,22%), fintechs (8,73%), martechs (8,6%),  hrtechs (7,73%), greentechs (5,61%), negócios sociais (4,24%), indústria 4.0 (3,39%), agtechs (3,12%) e biotechs (2,99%).

A fim de se aproximar ainda mais desse tipo de empresas e em busca de salientar a importância das ações de Ecossistema Ambiental, Social e Governança (ESG) dentro do mercado de GRC, a Bravo GRC tem como Propósito “Desenvolver a Governança hoje para você revolucionar o amanhã”, atendendo clientes de grande porte e organizando as melhores soluções tecnológicas com metodologia e conhecimento para cocriar a governança das organizações. Sua presença no nicho reflete o próprio desenvolvimento do segmento, com uma história que acompanha a solidificação dos negócios como vemos hoje.

“Olhar para o ESG é olhar para Inovação. As oportunidades são múltiplas, necessárias e urgentes. Estar dentro de um hub da nova economia e poder contribuir, colaborar e cocriar é executar o nosso propósito. O Distrito traz muito dos valores colaborativos que levamos aos nossos clientes e a todos os nossos stakeholders, juntos poderemos transformar e levar a democratização da governança para o ecossistema de inovação”, ressalta Claudinei Elias.

Do outro lado desta parceria, temos o Distrito, uma empresa de inovação aberta baseada em dados, que tem construído uma conexão valiosa no mercado e trazido reports com insights que mudam a visão de todos os players. Além do acordo comercial, a Bravo GRC se une ao Distrito para auxiliar no desenvolvimento de pesquisas e estudos relevantes para o mercado de tech com foco em ESG e GRC. 

“Ter uma empresa como a Bravo GRC apoiando o nosso ecossistema é, sem dúvida alguma, um privilégio. O ESG é um caminho sem volta e a tecnologia é um veículo que nos possibilita não apenas identificar com maior precisão pontos de atenção, como também dar escala para soluções que se voltem para temas como governança, impacto e sustentabilidade”, afirma Gustavo Araujo, CEO do Distrito.  

O foco de ambas as empresas é colaborar e levar uma visão robusta sobre riscos, assim como um olhar crítico e profundo sobre os temas ESG, com o intenso uso de tecnologia e inovação que este tema pede. Serão fruto dessa parceria insights e dados para um mundo mais consciente, capaz de articular uma gestão de risco sólida, minimizando potenciais perdas e potencializando oportunidades, com olhar sensível a todos os stakeholders. Tornando os negócios mais antifrágeis, levarão impacto positivo à sociedade, às organizações e ao planeta. Esta é uma parceria de união de forças para um setor tão importante.

Startup brasileira é pioneira no uso de computação quântica no país

Iniciativa é uma das poucas existentes no país; Tecnologia quântica tem sido utilizada em grandes empresas

Já imaginou um computador radicalmente diferente dos tipos digitais que encontramos hoje em dia? Esta é a aposta da startup brasileira DOBSLIT, que utiliza elementos de computação quântica para analisar, através de computadores, situações reais e responder questões que podem surgir no cotidiano.

Para solucionar as questões que surgem no cotidiano, as máquinas precisam de alta potência e processadores poderosos, que não estão presentes na imensa maioria dos equipamentos presentes no Brasil.  A computação quântica atua nesse segmento e utiliza como fonte de informações os qubits, ou bits quânticos, unidades integradas que tratam a informação de forma global. Na informática tradicional, são usados os bits, que são unidades de informação fragmentadas, sendo que cada bit armazena informações de forma isolada.

Através da alocação de elétrons, um bit convencional, chamado binário, é capaz de assumir uma única informação como positiva ou negativa, ou ainda 0 ou 1. Já o bit quântico assume esses mesmos valores, mas suas informações podem ser sobrepostas umas às outras. Enquanto a base binária soma a informação de cada bit, uma sobreposição de qubits resulta na multiplicação de suas possibilidades. Por exemplo, 1 bit equivale a 1 qubit e armazena uma única informação. Mas enquanto 2 bits juntos armazenam apenas duas informações, 2 qubits armazenam 4 informações diferentes, do mesmo modo que 3 bits armazenam 3 informações contra 8 informações armazenadas por 3 qubits.

Assim, ao invés de tratar as informações de maneira isolada, o qubit integra as informações de todos os dados, criando novas dimensões para o processamento e tornando capaz a resolução de problemas que não foram programados. Os computadores quânticos, portanto, podem rodar vários cálculos ao mesmo tempo, com múltiplas fontes de dados, com uma escala enorme.

“Essas máquinas não possuem memória de trabalho para armazenar as inúmeras combinações de problemas do mundo real, pois estes precisam analisar cada combinação, uma após a outra, o que gera um grande uso de tempo. É justamente nesse ponto que utilizamos a computação quântica”, informa Rogerio Ruivo, da startup Dobslit.

A tecnologia é uma realidade já inserida em muitas startups do exterior, notadamente em países como Estados Unidos, Alemanha e França, e chega agora ao Brasil.

AÇÕES


As tecnologias quânticas estavam restritas apenas aos laboratórios de grandes empresas e universidades e ganharam espaço entre as startups no Brasil. Elas envolvem propriedades da física quântica aplicadas diretamente à solução de problemas.

A computação quântica comercial, é um tema recente no Brasil que vem ganhando cada vez mais espaço. A Fapesp, por exemplo, já estuda a criação de uma Iniciativa Quântica no país, aos moldes das já existentes em muitas partes do mundo.

São poucas startups brasileiras, entretanto, que atuam no setor, sendo uma dessas a Dobslit, que iniciou as atividades nesse ano. Formado por Carlos Speglich e por Rogerio Ruivo, conta ainda com a colaboração do Prof. Dr. Celso J. Villas-Boas, docente da Universidade Federal de São Carlos. Ela desenvolve serviços de Computação Quântica para empresas, nos quais indústrias do setor elétrico, segurança da informação, mercado financeiro, dentre outras, podem se beneficiar.

“Nosso trabalho é realizar um inventário em cada empresa, normalmente junto ao setor de P&D ou inovação, para descobrir processos e oportunidades de implementar os algoritmos que rodam nos computadores quânticos já existentes, criando aplicações criativas. Para as empresas, isso se traduz em posicionar-se privilegiadamente ao já fazer uso dessa tecnologia, que no Brasil ainda é pouco conhecida por gestores e até por quem lida diretamente com inovação corporativa.”, comenta Ruivo.

Para Eduardo Cicconi, gerente do Supera Parque, é uma iniciativa importante que dá seus primeiros passos com o apoio especializado do parque tecnológico. “Estamos orgulhosos por apoiar, com nosso programa de membership, o projeto que tem tecnologia com potencial de revolucionar processos nas empresas”, comenta.

“Já estamos em contato com vários clientes, dos variados segmentos pois são numerosos casos de uso/benefícios. Por exemplo, estamos iniciando um trabalho de simulação com a Embrapii. Simulação com computadores quânticos, é uma área que pode acelerar a descoberta de novos materiais e medicamentos, por exemplo. A Roche é uma empresa que já usa essa tecnologia”, finaliza Ruivo.

Participante do Programa de Membership do Supera Parque de Ribeirão Preto, a startup também está construindo uma parceria de cooperação em Computação Quântica com o Senai Cimatec. Eles inauguraram o primeiro simulador de Computador Quântico da América Latina em parceria com a francesa Atos.

Nova aceleradora de startups anuncia primeiros investimentos

Fullness selecionou duas startups que receberão investimentos para desenvolver seus negócios

Pernambuco ganhou mais uma aceleradora de startups. A Fullness lançou edital de seleção de projetos em junho e, agora, anunciou as duas empresas selecionadas para receber investimentos que resultarão no desenvolvimento dos seus negócios. As duas escolhidas foram a gaúcha N1Office e a pernambucana POWER Empreendedorismo Feminino.

O programa de aceleração da Fullness tem o objetivo de atrair startups de alto impacto em diversos setores da economia. Para participar, as startups precisaram ter produtos prontos e com base de clientes. Além do investimento em dinheiro para desenvolver o negócio de forma rápida, os projetos escolhidos receberão mentorias on-line, com foco no desenvolvimento de competências essenciais para o amadurecimento e escalabilidade do negócio, e ainda poderão utilizar o espaço físico do Coworking Fullness, localizado no Recife.

“Nosso objetivo é promover o empreendedorismo por meio de apoio a ideias inovadoras. Com uma combinação de metas, acompanhamento intenso, horas de conhecimento técnico compartilhado, acesso a um escritório aberto e equipado, investimento e conexões facilitadas com o mercado, o programa de aceleração Fullness é uma etapa estratégica na jornada das startups”, destaca o diretor Pitang Agile IT e um dos fundadores da aceleradora, Cláudio Castro.

Todos os projetos que foram classificados para a última fase de seleção foram avaliados por experts em desenvolvimento de negócios e inovação. Entre eles estiveram Milton Burgese, VP LatAM Public Sector Google Cloud; Pierre Lucena, presidente do Porto Digital; Mervyn Lowe, CIO da InovaBra; Tadeu Caravieri, diretor global na Grad Show; Janguiê Diniz, fundador do grupo Ser Educacional e sócio da Bossa Nova Investimentos; Paulo Magnus, Presidente da MV Sistemas; Alexandre da Fonte, sócio-fundador da Fonte Advogados; Roberto Borges, sócio-fundador da Pitang; e Claudio Castro, sócio da Pitang Agile IT e Fundador da Ensinar Tecnologia.

Esta foi a primeira chamada de seleção para aceleração de startups promovida pelo Coworking. Entre as participantes, estiveram empresas de todos os estados do Brasil. Agora, as selecionadas passarão por mentorias com nomes de destaques nas áreas de finanças, contabilidade empresarial, direito empresarial, gestão de talentos, gestão comercial e estratégia de negócios.

As aceleradas:

N1Office – Criada no Rio Grande do Sul, a empresa intermedia a relação de consultórios ociosos com profissionais de saúde buscando um espaço para trabalhar. A proposta da startup é tornar o processo simples, organizado e, principalmente, confiável e seguro, fazendo com que diversas pessoas possam compartilhar consultórios de forma otimizada, facilitando o acesso de clientes em várias cidades do Brasil.

Power Empreendedorismo Feminino – Fundada em Pernambuco, a Power nasceu do sonho de sua fundadora em ajudar a alavancar negócios de outras mulheres. A Escola de Negócios On-line acolhe mulheres que desejam empreender e empreendedoras na ativa que desejam injetar inovações em negócios, seja modelando o seu posicionamento nas mídias, ou estruturando os pilares financeiros, conectada com um time de especialistas de diferentes áreas de negócios.

Tags

InovAtiva vai capacitar quase 400 projetos inovadores em seus programas de aceleração no segundo semestre de 2021

No segundo semestre de 2021, o InovAtiva, hub que promove um conjunto de iniciativas de apoio ao desenvolvimento do ecossistema de empreendedorismo inovador no Brasil, vai atender 394 negócios inovadores em seus dois programas de aceleração. Participam do InovAtiva Brasil 314 projetos inovadores de todas as regiões do país. Para o InovAtiva de Impacto Socioambiental, foram selecionados 80 projetos focados em gerar impacto social ou ambiental positivo.

Os dois programas têm uma estrutura parecida e são divididos em duas etapas: Aceleração e Conexão. Na primeira, os empreendedores passam por uma série de atividades como mentorias coletivas e individuais, cursos de capacitação em empreendedorismo e treinamentos de pitch – como são chamadas as apresentações das startups. Também participam do InovAtiva Day, evento regional que reúne atores relevantes dos ecossistemas locais de inovação no Brasil, a ser realizado em 09 de outubro.

Depois de concluída a Etapa Aceleração, as 140 empresas que se destacarem serão convidadas a participar da segunda fase: Conexão. Nela, passam a receber mais uma rodada de conteúdos de capacitação, com mentorias coletivas e mentorias individuais especializadas para atender as especificidades de cada negócio.

Os ciclos são encerrados com o evento InovAtiva Experience, no qual os empreendedores têm a oportunidade de apresentar seus negócios para uma banca de investidores, grandes empresas e aceleradoras. Na ocasião, grandes nomes do ecossistema de empreendedorismo inovador brasileiro podem fazer perguntas às startups, estabelecer conexões futuras e, até mesmo, fazer propostas de investimentos.

“Além dessas 394 empresas que iniciam agora uma importante trajetória de aceleração, apoiamos no primeiro semestre, pelo programa InovAtiva Brasil, 340 startups. Startups representam muito do que acreditamos: empreendedorismo, inovação, pequenas empresas que sonham grande e que acreditam em um Brasil mais livre e convidativo para fazer negócios. Nossa meta é alcançar 15 mil atendimentos por meio das ações do hub InovAtiva. Isso terá um impacto significativo na jornada dessas empresas e, também, no ecossistema de empreendedorismo inovador brasileiro, que avança para ser um dos principais do mundo”, afirma Carlos Da Costa, Secretário Especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia.

Para ter a chance de participar do ciclo gratuito que oferece conhecimento, conexão e visibilidade no mercado, os negócios inovadores inscritos foram analisados em cinco dimensões: grau de maturidade do negócio, grau de inovação, potencial de mercado, composição da equipe e potencial de escala da solução.

Para o Sebrae, o principal diferencial está na oportunidade de acompanhar o desenvolvimento da empresa em todas as suas fases. “Estamos atentos as novas oportunidades de negócios que o cenário atual exige, por isso é essencial que o empresário seja capacitado com total apoio em todas as fases. Queremos em breve mostrar o desempenho e o resultado desses projetos inovadores”, explicou o diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick.

Perfil das selecionadas InovAtiva Brasil

As 314 selecionadas para o InovAtiva Brasil vêm de 25 estados do país: 49% somente da região Sudeste e 25% do Sul. 77% delas ainda não são patenteadas e 90% não atuam fora do país. Entretanto, 76% delas já têm clientes e, 20,7%, receita crescente.

Suas áreas de atuação são prioritariamente da Saúde (14%), Educação (12%) e Tecnologia da Informação e Comunicação (7%), concentradas nos segmentos B2B2C (35%), B2B (30%) e B2C (22%).

Em relação aos estágios de maturidade das soluções, 47% delas se encontram no estágio de validação e 36% em operação. Seus modelos de negócio são principalmente o Marketplace (24%), SAAS (21%) e Assinatura (19%).

Perfil das selecionadas InovAtiva de Impacto Socioambiental

Para o InovAtiva de Impacto Socioambiental, as 80 selecionadas vêm de 16 estados brasileiros, 54% são da região Sudeste – 36% somente do estado de São Paulo -, 24% da região Sul e 19% da região Nordeste. Desses empreendimentos, 61% já participaram de outro programa de atendimento de startups do SEBRAE.

Seus segmentos predominantes são de B2B2C (40%), B2B (35%) e B2C (20%), atuando principalmente nas áreas de Tecnologias Sustentáveis e Verdes (15%) e Saúde (15%).

Além disso, 60% delas já utilizam métricas de impacto social. Destas, 37% dispõem de controle formal do número de beneficiários diretos e indiretos, 33% fazem este controle informalmente e 25% produzem relatório de impacto socioambiental recorrentemente.

InovAtiva Brasil e InovAtiva de Impacto Socioambiental

O InovAtiva Brasil, maior programa de aceleração de startups da América Latina, abre suas chamadas a projetos inovadores nas fases de validação, operação ou tração de todo o país, de qualquer área de atuação.

O InovAtiva de Impacto Socioambiental, por outro lado, se concentra em negócios de impacto socioambiental. O desenvolvimento de negócios de impacto tem suas próprias oportunidades e desafios. Por isso, o ciclo é concebido com mentores que possam apoiar os empreendedores nestas especificidades e consigam encontrar os melhores caminhos para seu estabelecimento no mercado.

Abstartups e Bossanova lançam rodada de investimento para startups no norte

Com o propósito de ajudar na jornada de crescimento e desenvolvimento das startups, a Associação Brasileira de Startups , em parceria com a Bossanova Investimentos, micro venture capital que investe em startups em estágio pré-seed com atuação em todo o país, abrem as inscrições para o Batch Investimentos na região Norte do Brasil.

Para a startup ser avaliada, além de precisar ser inovadora, digital, escalável e com mais de um ano e meio, necessita ter faturamento mínimo de R﹩ 20K mensais. Além disso, as interessadas precisam já ter encontrado o PSF (problem-solution-fit), terem produtos ou serviços já validados e operacionais e que estejam próximas ao break-even ou com visão clara para alcançá-lo. O Batch Investimento é um projeto que acontecerá nas cinco regiões do país, começando na região Norte.

José Muritiba, diretor executivo da Abstartups, aponta que nos últimos anos o valor dos investimentos têm crescido significativamente a ponto de que é possível afirmar que este é o melhor momento para o ecossistema de inovação até agora, mas ainda assim não é o cenário ideal devido a concentração de recursos no eixo Sul-Sudeste, chegando a totalizar 50% de todos os investimentos do país. “Temos bem claro o objetivo de democratizar o acesso ao capital e o Batch, com a Bossanova, chega justamente para somar nesse processo”.

De acordo com João Kepler, CEO da Bossanova, o objetivo com essa rodada de investimentos é encurtar o caminho do empreendedor da região norte em busca de capital e investir em soluções fora do eixo Rio-São Paulo é uma das apostas da gestora. “O Brasil é um país pluralista e muito grande para nos restringirmos somente a algumas regiões. Passamos a enxergar o país como um só, entendendo que, com o nosso smartmoney, as startups espalhadas pelo país afora, inclusive nas pequenas cidades, têm o mesmo potencial daquelas localizadas nos grandes centros”, afirma.

As inscrições vão até o dia 29/08 (domingo) e podem ser realizadas pelo site. O resultado está previsto para o dia 10/09 e as informações completas para inscrições podem ser acessadas aqui https://www.abstartups.com.br/batchdeinvestimentos/.

KPMG seleciona 10 startups brasileiras para premiação internacional

A KPMG anuncia a lista das 10 startups brasileiras finalistas para a próxima etapa da premiação internacional “Global Tech Innovator 2021”. A iniciativa, liderada pela KPMG, tem o propósito de apoiar startups que atendam a determinados critérios e que tenham potencial de progredir nos negócios e ajudar os principais inovadores tecnológicos globais interessados em assumir a liderança do mercado no futuro. A relação das startups finalistas é a seguinte: Conta Black, Bornlogic, Intera, Ecotrace Solutions, Justa, Krilltech, Cycor Cibernética, JustForYou, Octa, Linker.

“A iniciativa é uma excelente oportunidade para os empreendedores brasileiros do ecossistema de startups fazerem a disrupção acontecer. Os vencedores poderão se conectar ainda mais a um ecossistema global focado em crescimento de negócios, com tecnologias inovadoras, modelos operacionais robustos, capacidade de demonstrar tração em suas atividades e potencial para atingir escala mundial. Todas as selecionadas nesta etapa são fortes concorrentes para ganhar a premiação final. Não foi fácil fazermos o filtro para chegarmos aos 10 finalistas. Recebemos inscrições de startups com propostas de valor muito legais, escaláveis, tech e que resolvem problemas reais da sociedade”, afirma Jubran Coelho, sócio-líder da área de Private Enterprise da KPMG no Brasil e na América do Sul.

As startups selecionadas deverão apresentar seus negócios na próxima etapa no dia 2 de setembro, quando um grupo de jurados especialistas do setor e convidados a dedo avaliarão os pitches e definirão o vencedor nacional. Cada apresentação será julgada com pontuação em seis categorias com o mesmo peso: disrupção e inovação; potencial de mercado; adoção do cliente; tração de mercado e marketing; potencial de longo prazo; e qualidade da apresentação (pitch).

Depois disso, a única startup brasileira selecionada concorrerá na etapa final do Prêmio no Web Summit 2021 em Lisboa, a ser realizado de 1 a 4 de novembro de 2021, onde outros representantes de mais de 15 países farão apresentações a especialistas do setor no palco, e um vencedor geral será selecionado como o KPMG Private Enterprise Global Tech Innovator 2021. Os finalistas receberão: instalações para sua exposição no Web Summit, incluindo um estande dedicado e em destaque, passagem aérea e hospedagem, plataforma de exposição e credencial para a conferência; apresentação do seu negócio para a mídia antes, durante e após o Web Summit; participação em eventos da KPMG com expoentes dos negócios e CEOs de empresas globais de capital fechado de rápido crescimento.

Informações complementares sobre a competição estão disponíveis no link- https://home.kpmg/br/pt/home/insights/2021/04/technology-innovator.html

Tags

Alper Digital seleciona 5 startups para a 3ª rodada do único programa de aceleração promovido por uma consultoria em seguros

Sempre na vanguarda de investimentos em tecnologia e inovação, a Alper Consultoria em Seguros, por meio do seu braço digital, acaba de selecionar cinco startups para a 3ª rodada do seu programa de aceleração, o Alper Digital.

O processo recebeu a inscrição de startups de todo o país e dos mais diversos segmentos e, após avaliação inicial, 12 foram selecionadas para o “Pich Day”, e cinco classificadas para participar do programa que tem duração de 12 meses e, como principal objetivo, gerar valor por meio de negócios, relacionamento e infraestrutura.

As escolhidas deste ano apresentaram diversificação nos segmentos, reafirmando o compromisso da Alper com a antecipação de serviços e tendências, assim como foi com o Dr. Alper, plataforma healthtech que foi lançada antes da pandemia, provendo acesso à telemedicina de forma rápida e eficiente, direto do app.

As startups aceleradas esse ano serão: Digifarm, Healward, Dr. Ocupacional, Linha Direta e a Docato.

Todo o processo demorou dois meses e contou com uma banca avaliadora composta por executivos da G2Capital, Base27, Invisto, Bossanova, Fischer, Zmatch, além de profissionais da Alper.

A Alper é referência em soluções de seguros, e está sempre buscando maneiras de inovar e trazer novas tecnologias com ganho de eficiência e escalabilidade no mercado. “Estamos em nossa 3ª edição do Alper Digital e essa é a primeira vez que conseguimos preencher todas as cinco vagas disponíveis para o programa de aceleração. Queremos ampliar as soluções digitais aos nossos clientes, além de incentivar a inovação no mercado. A tecnologia é um importante segmento da companhia, que vem investindo fortemente em serviços e soluções, para transformar o mercado de seguros”, explica o CEO da Alper, Marcos Couto.

Entre as selecionadas, a Digifarm é uma plataforma voltada para recomendações personalizadas para a melhor tomada de decisão no manejo agrícola. A Healward desenvolveu uma plataforma para melhorar o uso de medicações, que utiliza gamificação e cashback, premiando quem usa corretamente os remédios. A Dr. Ocupacional tem uma solução proprietária que permite a gestão integrada e, em tempo real, de toda a área de saúde e segurança do trabalho nas empresas. A Linha Direta é um aplicativo que permite que uma mensagem de socorro seja enviada e apagada na sequência, evitando que o autor da violência veja a mensagem. A Docato é uma plataforma de apoio jurídico que atende todo o fluxo de entrada e monitoramento de processos judiciais.

Desde que foi criado, em 2019, o Alper Digital já acelerou sete startups entre healthtechs, HR Techs e outros. “O nível de conhecimento e profissionalização das startups selecionadas surpreendeu nossa banca avaliadora que foi composta por grandes nomes do mercado. Essas empresas estão trazendo uma tecnologia disruptiva que vai provocar uma forte ruptura nos modelos usados até hoje. Queremos fazer parte desse processo e contribuir para que essas tecnologias cheguem rapidamente aos nossos clientes”,  avalia a superintendente de digital da Alper, Gabriela Rosati.

Tags

CapTable abre inscrições para startups captarem R$70mi até dezembro

Plataforma de investimentos em inovação da StartSe, que é conhecida pelo processo qualificado de seleção de startups e pelos recordes de velocidade nas captações, visa superar valor total captado em 2020

Após registrar o primeiro exit, onde a startup Alter foi adquirida pelo Méliuz por R$ 25,9 milhões e os investidores obtiveram um retorno de 73% em apenas 10 meses, a CapTable, maior plataforma de investimentos em startups no Brasil, está com inscrições abertas para startups nacionais que desejam buscar investidores ainda neste ano. A meta com essa chamada especial é selecionar empreendimentos digitais focados em inovação para captarem até R$70mi entre agosto e dezembro deste ano em rodadas de investimentos na plataforma que tem a StartSe como uma das sócias. As startups interessadas podem captar investimentos de até R$5 milhões, teto estabelecido pela atual regulação da CVM (Comissão de Valores Mobiliários). 

Ao acessar o site da CapTable e clicar em “Quero receber investimentos”, há um passo a passo detalhado para ser seguido e efetuar a candidatura. As informações fornecidas serão analisadas por um time de especialistas da CapTable que prosseguirão com a checagem e análise de todos os dados. Após esse processo, chega-se à conclusão se a startup cumpre os requisitos necessários para a abertura de captação. 

Após a aprovação da candidatura, a equipe da CapTable entrará em contato para realizar os acertos finais para lançar e divulgar na sua base de investidores que há uma nova rodada disponível para recebimento de aportes. 

Para o cofundador da plataforma, Paulo Deitos, a CapTable realiza um trabalho fundamental para o mercado de inovação no Brasil. “Queremos auxiliar startups inovadoras a terem recursos para realizarem suas operações e criar ambiente para que elas cresçam exponencialmente. Ao mesmo tempo, queremos oferecer aos nossos investidores as melhores ofertas de startups no mercado brasileiro, com alta probabilidade de trazer ganhos reais aos investidores”, destaca Deitos.

Investimentos em startups

Com o propósito de apoiar empreendedores que estejam construindo empresas inovadoras e relevantes para o mercado, a CapTable cria conexões entre investidores e todos os envolvidos no ecossistema de investimentos em tecnologia. Além de ofertas públicas de investimentos, há também a possibilidade de realização de captações privadas com o mesmo time de especialistas que tocam a operação do investimento coletivo .

Em atividade desde julho de 2019, a CapTable já conquistou a confiança de mais de 4.300 investidores ativos e é responsável por aportar mais de R$36 milhões para 31 startups, sendo 16 somente neste ano, se estabelecendo como um dos maiores hub de investimentos em startups no país.

Guilherme Enck, cofundador da CapTable junto com Paulo Deitos, explica que esse movimento acontece em decorrência da credibilidade que a plataforma conquistou em  dois anos de operação.

“O mercado de investimentos em startups continua crescendo de forma exponencial e estamos vivendo o seu auge. Desde que criamos a CapTable, nos preocupamos em desenvolver um trabalho que transmita credibilidade e confiança ao investidor”, explica Enck.

Para Diana Finkler, CEO da Serall, captar com a CapTable foi uma das decisões mais acertadas que ela tomou à frente da startup que oferece tecnologia proprietária para fabricação de polímeros que atendam às demandas de indústrias 4.0. A startup liderada pela empreendedora conseguiu captar R$1,32 mi de 227 investidores em apenas 11 horas. Esta rodada realizada em novembro de 2020 ficou marcada por ser a primeira captação de investimentos coletivos superior a R$1mi que foi encerrada em menos de um dia de campanha. 

“A minha impressão sobre fazer a nossa captação na plataforma foi muito positiva. Além de ser muito rápido, também foi muito preciso em todos os âmbitos, seja jurídico, comercial ou realização do marketing. Só posso deixar minhas recomendações e tenho certeza que esse programa é transformador para o Brasil e para o mundo, pois o empreendedorismo é a base para a transformação de uma sociedade”, destaca Finkler. 

Democratização dos investimentos

Em curva ascendente desde o início das operações, há dois anos, a CapTable busca a consolidação do seu ambicioso plano para 2021 de aportar R$100 milhões para 40 startups até o último dia de dezembro e, com isso, superar os R$84 mi, o valor total movimentado em todo o ano de 2020, de acordo com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM)

“Nossa meta é ambiciosa, viável e fundamentada. Prova disso é que desde o início deste ano nós registramos mais de 3.500 aportes. Este número já é superior ao total de aportes que realizamos em todo o ano de 2020 e tradicionalmente o segundo semestre é onde esse ritmo cresce de forma acelerada em relação aos seis primeiros meses do ano”, finaliza Guilherme.

Segundo o membro do conselho da CapTable Gustavo Piccinini, essa meta de captação se deve à confiança dos investidores na plataforma, e a democratização dos investimentos. 

“Os investidores estão cada vez mais adquirindo confiança para aportar seu dinheiro em startups. A democratização dos investimentos é extremamente importante para o sucesso de captações. Hoje a CapTable conta com uma base de investidores que estão localizados em todo o país, de diversas faixas etárias e que aportam valores muito variados, podendo ser de R$1 mil ou de R$400 mil”, explica Piccinini.

Rodadas relâmpago

Além do rígido processo de seleção de startups participantes das rodadas, o trabalho da CapTable se destaca de maneira única no ecossistema de investimentos em inovação pela velocidade em que suas captações são concluídas. Se em julho de 2019 elas levavam de dois a três meses para serem finalizadas, atualmente vem ocorrendo em horas.

Somente em 2021 a CapTable já encerrou cinco captações de aporte em menos de um dia. São elas: 

1º – Trashin (Cleantech B2B): Captou R$1 milhão em menos de 4h. Rodada encerrada no dia 18 de maio de 2021;

2º – Essent Agro (Fintech B2B): Captou R$700 mil em 7h. Rodada encerrada no dia 23 de junho de 2021;

 – Quadrados Express (Retailtech – B2C): Captou R$1,5 milhão em 11 horas. Rodada encerrada no dia 28 de julho de 2021.

4º – Lovin Wine (DNVB – B2C): Captou R$2 milhões em 19 horas. Rodada encerrada no dia 13 de abril de 2021;

5º – Veriza (Fintech – B2B) – Captou R$1,5 milhão em 19 horas. Rodada encerrada no dia 15 de junho de 2021;

A captação da Trashin, empresa de Porto Alegre (RS) especializada em logística reversa, gestão de resíduos 360° e ESG e que atende clientes como Havaianas e Parque Ibirapuera, não foi apenas a captação mais rápida na CapTable. A rodada, que durou apenas quatro horas ao reunir 206 investidores, foi também o recorde brasileiro de captação de investimentos coletivos por meio de plataforma no Brasil. 

“Essa experiência nos trouxe exposição e divulgação em outras regiões do país e investidores realmente interessados em apoiar o crescimento da empresa com conexões e troca de conhecimento. O mais importante, no entanto, tem sido o pós-captação. Encontramos na CapTable verdadeiros parceiros” comenta Sérgio Finger, CEO da Trashin.

Tags

União brasileira de educação católica vai acelerar startups inovadoras

A União Brasileira de Educação Católica – UBEC, em parceria com a empresa de gestão da inovação AEVO, está lançando o seu primeiro programa de pré-aceleração de startups. Por meio da Agência de Inovação e Novos Negócios – IDE, a instituição criou o “START Católica”, um projeto com objetivo de selecionar empresas inovadoras, em estágio inicial, para criação e desenvolvimento de novos negócios com impacto positivo na sociedade.

O START Católica foi idealizado com o propósito de auxiliar empreendedores que estão iniciando suas atividades, por meio da realização de um processo de apoio que será constituído de: ciclo de formação, imersões práticas e suporte na idealização de estratégias. As imersões ocorrerão em diversas áreas como Estruturação e Validação do Modelo de Negócios; MVP – Mínimo Produto Viável; Análise de Mercado; Validação de Soluções; Métodos Ágeis (ferramentas); Estratégias de Negócio, entre outras. Todo o processo será realizado de forma online, podendo participar pessoas de todo o país.

Para se inscrever, o interessado deve acessar o portal AEVO Connect (https://www.aevo.com.br/connect) e aplicar o seu negócio/ideia até o dia 12 de setembro. Ao final do período, um comitê especializado fará a seleção de 15 startups, que participarão do processo de pré-aceleração da UBEC. As mentorias serão realizadas por docentes do grupo UBEC e/ou convidados externos, com qualificação e experiência nos processos que fazem parte do programa.

O projeto é voltado para empresas em estágio inicial, e que estão buscando um impulso para seus negócios, com foco em tecnologia e inovação em prol do desenvolvimento social, tecnológico e econômico do país. As startups selecionadas passarão por um processo de imersão e, ao final, todas apresentarão um pitch, com especialistas do mercado, e os melhores negócios/ideias serão convidados para participar do programa de incubação não residente da IDE.

“As instituições de ensino católico possuem um papel primordial na promoção do desenvolvimento socioeconômico das regiões onde estão inseridas. Nós, dentro do programa START Católica, entendemos que podemos contribuir no processo de aprendizado empresarial, auxiliando pessoas que querem tirar ideias do papel e transformá-las em negócio. Com isso, acreditamos que podemos contribuir com a sustentabilidade a longo prazo desses negócios inovadores, que devem estar alinhados ao nosso propósito enquanto instituição de ensino. Queremos, por meio do aprendizado prático, ajudar essas pessoas a alcançarem a maturidade necessária para escalar suas ideias”, conta o Diretor de Inovação da Ubec, Maurício Beccker.

Alguns benefícios para quem participar do projeto de pré-aceleração de startups do STAR Católica são: imersão prática em conceitos de inovação e de empreendedorismo; refinamento e validação do seu modelo de negócios; mentoria remota e suporte para dúvidas; desenvolvimento de uma rede de networking. Além disso, as selecionadas para fazer parte do programa de incubação, após a pré-aceleração e apresentação do pitch, farão parte da base de mais de 14 mil startups da AEVO, acessada por grandes empresas como VALE, ArcelorMittal, 3M, WEG, Nestlé, entre outras.

Mercur abre inscrições para Programa de Conexão com Startup

Iniciativa que integra o Projeto de Inovação da empresa tem inscrições abertas até o dia 3 de setembro

Buscando tornar os processos internos mais ágeis e automatizados, estimular a cultura e contribuir com o desenvolvimento do ecossistema de inovação, a Mercur dá mais um passo no seu Projeto de Inovação.

A partir do mapeamento de dificuldades de backoffice em diversas áreas da empresa, foram selecionados seis desafios para a primeira rodada do Programa de Conexão com Startups da Mercur.

Os desafios contemplam as áreas de Aprendizagem, Contabilidade, Clientes, Logística e Processo Produtivo. São eles:

  • Ferramentas para jornada de desenvolvimento; 
  • Ferramentas para gestão de treinamentos; 
  • Ferramentas para otimização de cobranças via boleto; 
  • Ferramentas para gestão de reembolsos; 
  • Soluções tecnológicas para controle de qualidade na produção; 
  • Soluções tecnológicas para planejamento dinâmico de depósito.

As inscrições poderão ser feitas através do Portal da Inovação da Mercur até o dia 03 de setembro. Acesse e conheça mais detalhes sobre cada um deles: https://bit.ly/3xIuJ8M