Page

Category startup

Conheça as 6 scale-ups estrangeiras finalistas do Brazil Tech Award 2019

Seis scale-ups estrangeiras de 138 que se inscreveram na primeira edição da única competição brasileira para atrair empresas inovadoras do mundo inteiro para o Brasil acabam de ser escolhidas.

“Foram 29 países que inscreveram scale-ups nas áreas de Smart Cities, HealthTech, Fintech, Entertainment, Agtech, Manufacturing e MadTech.  Das 138, tivemos uma grande participação de empresas da área da Saúde, Agrobusiness e Fintech”, comentou Sandra Sinicco, Co-Fundadora da LatamTECH.UK, a empresa inglesa gestora do prêmio.

“Os países campeões em mandar inscritos foram o Reino Unido, a Índia e os Estados Unidos. Porém, é muito interessante ver que, nas finalistas, temos 1 empresa da Rússia e 2 de Portugal, além de uma de Israel. As outras 2 são inglesas”, completou.

A apresentação com o pitch final das empresas será no dia 4 de novembro, no Teatro Sesi, prédio da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), das 17h30 às 19h — a LatamTECH.UK  dará suporte às finalistas para que possam preparar a melhor apresentação para o público brasileiro.

Em paralelo, haverá uma EXPO para apresentação dos negócios inovadores das scale-ups semifinalistas e finalistas do Brazil Tech Award 2019, além da participação de câmaras de comércio de vários países e do governo britânico.

“A EXPO mostrará algumas das scale-ups mais criativas do mundo e a idéia é que ela fomente a abertura de relações entre empresas estrangeiras e as brasileiras”, disse Gustavo Sanchez Reulet, também Co-Fundador da LatamTECH.UK.

O Brazil Tech Award 2019, que tem a AstraZeneca como patrocinadora, oferece à scale-up vencedora o prêmio inédito de £ 70 mil em serviços, entre eles: escritório por um ano gratuito em São Paulo em edifício do WeWork; serviços de Business Development pela Deloitte; digital marketing da Eydos Digital; coaching pela Sterna; estratégia de marketing e comunicação pela New Option; serviço de envio de SMS, Web Push e emails via SMTP pela Send Pulse; serviço de consultoria técnica de desenvolvimento de software pela DevGrid, serviço de apoio jurídico pela BNZ Innovation e Relações Públicas pelo GrupoCASA Brasil.

No dia do evento, acontecerá também o Acelera Startup reunindo mais de 500 empresas de inovação baseadas em tecnologia que passarão por mentorias, terão encontros de negócios e, ao final do evento, poderão assistir ao Brazil Tech Award 2019.

AS 6 FINALISTAS

Infraspeak (Portugal): plataforma de operações técnicas que se adapta às necessidades de um gestor ou de um negócio, com um leque de serviços como Gestão de Custos, Gerador de Relatórios, Análise Econômica, Gestão de Edifícios ou Auditoria, entre outros. Os serviços são divididos para atender profissionais (gerentes gerais, gestores e técnicos) ou o negócio (gestão de facility, assistência técnica, hotéis, varejo e indústria).

Illumr (Reino Unido): ferramenta que possibilita um diálogo transparente entre analistas de dados especializados e executivos e gerentes não técnicos. A Augmented Cognition (cognição aumentada) capitaliza a capacidade inata humana de reconhecer padrões e a combina com A.I. para trabalhar com dados de grande escala que uma empresa captura e armazena. Cumulativamente, reúnem evidências firmes que podem melhorar a tomada de decisões e reduzir os riscos.

Intsite (Israel): combina as tecnologias de Computer Vision, Deep Learning e algoritmos aeroespaciais com hardware (câmeras e outros sensores), transformando qualquer máquina pesada da construção — como guindastes de torre e escavadoras — em máquinas inteligentes e autônomas mais seguras e eficientes, de maneira rápida e econômica. A segurança e o desempenho das máquinas são aprimoradas à medida que o maquinário se torna “mais inteligente”.

Promptly (Portugal): plataforma com 2 comunidades diferentes: para médicos e para pacientes. A primeira fornece aos médicos informações em tempo real sobre os pacientes em tratamento, que podem ser melhor atendidos; além disso, a plataforma disponibiliza dados validados e organizados para pesquisa clínica. Já a de pacientes fornece informações sobre doenças em geral, compara o progresso do tratamento com outros pacientes e ajuda outros pacientes com a mesma doença. Todos os dados compartilhados são confidenciais e anônimos.

Talkbank.io (Rússia): correntistas podem se comunicar com seu banco por chat em um sistema semelhante ao Messenger para fazer consultas de saldo, pagamentos e transferências, além de receber conselhos sobre aplicações financeiras, entre outros serviços, em qualquer hora do dia. A tecnologia, que reúne AI e BigData, dispensa, asseguram os empreendedores, os tradicionais aplicativos de bancos, escritórios e call-centers.

Voltaware (Reino Unido): serviço de gerenciamento em tempo real do consumo de energia elétrica em residências, escritórios ou prédios, o que possibilita a redução da conta mensal. Fornece uma análise detalhada do consumo no esquema 24/7, indica os aparelhos elétricos que consomem energia de forma ineficiente e sugere como economizar dinheiro com contas detalhadas de energia elétrica e comparação de tarifas.

Brazil Tech Award 2019 — Final

Data: 4 de novembro de 2019, das 17h30 às 19h

Local: Teatro Sesi, prédio da Fiesp (Av. Paulista, 1313, Cerqueira César, São Paulo)

Olist oferece mais de 100 vagas para profissionais de São Paulo, Curitiba e também para trabalho remoto

O Olist, startup que oferece soluções para a venda em marketplaces, anuncia recorde de vagas preenchidas durante o mês de setembro: mais de 32 posições em diferentes áreas, como marketing, logística, recursos humano e outras, foram ocupadas.

A empresa continua buscando profissionais que trabalhem com propósito, não tenham medo de pôr a mão na massa e queiram fazer parte da revolução do comércio mundial: são mais de 100 vagas abertas para Curitiba, São Paulo e também para trabalho remoto de qualquer lugar do Brasil. Confira no link.

A instituição, que começou suas atividades, em 2015, com 5 funcionários, atualmente conta com mais de 250 colaboradores. Apesar da rápida expansão, por meio de ações internas que possibilitam a manutenção de uma cultura organizacional forte, a marca segue prezando pela qualidade de vida, bem-estar, capacitação e engajamento de seus funcionários desde o início da atuação.

“Trabalhar no Olist é uma experiência incrível! A equipe é unida e inspiradora. É minha primeira experiência profissional e poder conviver com pessoas de várias idades, com conhecimentos e visões diferentes é um privilégio pois possibilita a troca de experiências. Por ser uma startup, a empresa cresce e se desenvolve mais a cada dia e consequentemente somos desafiados a crescer e nos desenvolver em conjunto com a marca”, diz Ana Luiza Marins Rolim, de 17 anos, jovem aprendiz no Olist.

Com o potencial de sua equipe e dos serviços oferecidos, o Olist tem, hoje, quase um milhão de produtos cadastrados em sua plataforma e atende mais de 7.000 lojistas e grandes marcas.

A startup, que já foi investida pela Redpoint eVentures, 500 Startups e Valor Capital Group, está sediada em Curitiba, no Paraná, e atende clientes de todo o Brasil.

ABES e BayBrazil selam parceria para promover a entrada de startups do Vale do Silício, EUA, para o mercado brasileiro

A ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) formalizou uma parceria com a BayBrazil, organização sem fins lucrativos localizada nos EUA, com o intuito de unir esforços para estimular o intercâmbio de negócios entre empresas de TI baseadas no Brasil e no Vale do Silício. Rodolfo Fücher, presidente da ABES, esteve presente no Brazil In The 21st Century, evento promovido pela BayBrazil na Califórnia, EUA, no dia 22 de agosto, onde alinhou os detalhes da parceria com Margarise Correa, CEO e fundadora da organização.

“Trabalhamos por muitos anos com o objetivo de solidificar a presença da ABES como referência do setor de TI brasileiro – agora, estamos expandindo os nossos esforços para o mercado internacional, colocando toda essa experiência à disposição das empresas estrangeiras interessadas em investir no mercado brasileiro. Nesse sentido, a parceria com a BayBrazil, cujo foco principal é aproximar o ecossistema de profissionais e empresas brasileiras e americanas, faz todo sentido. Acreditamos que essa parceria será de grande valor para estreitar as relações e criar novas oportunidades para os empreendedores e empresários de TI nos dois países, impactando positivamente diversos negócios e setores”, afirma Rodolfo Fücher, presidente da ABES.

Como resultado dessa parceria, a ABES oferecerá seis meses de acesso aos serviços oferecidos pela entidade sem custo às startups ligadas à BayBrazil, buscando oferecer uma referência do ambiente de negócios para aqueles interessados em compreender como operar no Brasil.

“A BayBrazil tem liderado diversas iniciativas com o objetivo de aproximar o Vale do Silício e o Brasil e promover diálogo e interação entre empresas e indivíduos que atuam no mercado digital nas duas regiões. Nossa missão é unir a comunidade formada por profissionais brasileiros e americanos do setor de tecnologia e estreitar laços entre o Vale e Brasil. Nesse sentido, o trabalho que a ABES vem executando, incentivando mais inovação e empreendedorismo no Brasil, vai diretamente de encontro à nossa missão. Vamos somar forças e trabalhar juntos no apoio às empresas de tecnologia das duas regiões”, completa Margarise Correa, CEO e fundadora do BayBrazil.

Como resultado da parceria firmada, a Margarise Correa virá ao Brasil no dia 14 de outubro para participar do evento ABES Software Conference 2019, cujo tema este ano é “Disrupção: Negócios Exponenciais”, onde abordará como empresários brasileiros poderão desenvolver negócios no Vale do Silício.

Colgate-Palmolive busca quatro startups para seu programa de aceleração em parceria com a Liga Ventures

A Colgate-Palmolive está com inscrições abertas para o seu programa de aceleração Co.lab, realizado em parceria com a Liga Ventures – aceleradora especializada em conectar startups a grandes corporações. O projeto tem como objetivo buscar startups que tenham sinergia com a Colgate-Palmolive, que é um dos maiores players do mercado de personal e home-care. Entre as áreas de interesse do Co.lab estão: DataDriven, Desenvolvimento de Produtos e Tecnologia, Vendas Inteligentes, Sustentabilidade e Processos Internos.

As inscrições para o programa de aceleração poderão ser feitas até dia 13 de outubro por meio do site https://colabcolgatepalmolive.liga.ventures/. Após esse período, a Liga Ventures fará a seleção de alguns empreendedores, que serão entrevistados e apresentarão seus negócios para uma banca formada por executivos da corporação e Liga.

O programa de aceleração

Durante quatro meses, as startups escolhidas passarão por um processo de aceleração e aprimoramento com acompanhamento de profissionais de diversas áreas e expertises da Colgate-Palmolive. Além disso, terão acesso à rede de mentores da Liga e aos tomadores de decisão da companhia – com suporte de um executivo da corporação parceira.

“A Colgate-Palmolive está sempre em busca de inovações que façam sentido para seus negócios e para seus clientes. Contar com a parceria das startups é fundamental para elevarmos ainda mais a qualidade dos produtos e experiências que proporcionamos aos nossos consumidores”, comenta Luciana Abe, diretora associada de marketing digital da Colgate-Palmolive.

Para Rogério Tamassia, co-fundador da Liga Ventures, o Co.Lab é uma grande oportunidade para as startups crescerem e para a corporação contar com a agilidade e DNA inovador dos empreendedores selecionados. “Verificar tendências, testar múltiplos mercados e modelos de negócio em conjunto com as startups é uma importante oportunidade para o desenvolvimento de grandes corporações, como a Colgate-Palmolive, que poderá contar com soluções inovadoras para seu negócio de forma mais ágil”, afirma.

Conheça startups que estão revolucionando o mercado financeiro no Brasil

Muito provavelmente você já ouviu falar em fintechs, termo utilizado para designar as startups com soluções tecnológicas desenvolvidas para melhorar a relação dos clientes com o setor financeiro. Somente no Brasil existem 496 empresas no setor, de acordo com a Associação Brasileira de Startups (Abstartups): São Paulo lidera o ranking, com 196 instituições.

A principal ideia das fintechs é deixar de lado alguns serviços burocráticos dos bancos tradicionais, permitindo, por exemplo, que as pessoas paguem compras online em dinheiro físico; parcelem boletos no cartão de crédito; façam empréstimos pessoais e até mesmo investimentos de forma segura, através de um smartphone ou tablet. E, também, ajudando micro e pequenos empreendedores a expandirem seus negócios por meio do empréstimo online.

Por conta da comodidade e da praticidade das soluções, as fintechs caíram no gosto dos brasileiros. Abaixo, listamos empresas que estão revolucionando o mercado financeiro do país, bem como os respectivos ramos de atuação:

Novas formas de pagamento:

Dedicada a inovar e democratizar a indústria de pagamentos no país, a PagBrasil – fintech brasileira líder no processamento de pagamentos para e-commerces ao redor do mundo – tem entre as suas soluções o PEC Flash®, método de pagamento alternativo voltado para as pessoas que não têm contas bancárias, cartões de crédito e débito ou que preferem realizar pagamentos em dinheiro. Através da tecnologia, os consumidores conseguem fazem compras pela internet e realizar o pagamento presencialmente em qualquer agência lotérica.

Parcelamento de boletos no cartão de crédito:

A Taki Pagamentos, startup com soluções para facilitar diversos tipos de pagamentos, permite que as pessoas parcelem seus boletos em até 12x no cartão de crédito. A iniciativa tem sido bastante procurada pelos motoristas donos de veículos com placa de São Paulo que precisam quitar débitos veiculares, como o licenciamento e o IPVA. Credenciada do Governo do Estado de São Paulo, todos os processos dos pagamentos de veículos são feitos por meio da sua plataforma online, sem precisar de órgãos intermediadores.

Empréstimo para MPME:

A BizCapital, fintech que proporciona aos MPMes um processo de crédito online, rápido e seguro, disponibiliza valores de R$ 5 mil a R$ 150 mil, com a possibilidade de entrega do valor no mesmo dia. Segundo Francisco Ferreira, sócio-fundador da BizCapital, a falta de recurso imediato acaba penalizando esses empreendedores, que perdem a chance de ampliarem sua competitividade no segmento em que atuam. “Hoje, 60% das pequenas e médias empresas que pediram empréstimo na plataforma cresceram e 50% dos pedidos de crédito foram tomados para Capital de Giro”, afirma o executivo.

Crédito pessoal:

Desde 2015 concedendo crédito pessoal, a Geru – primeira Fintech de empréstimo online do Brasil – realiza operações 100% online e sem garantia, com o objetivo de proporcionar praticidade, transparência e segurança aos clientes. A plataforma já recebeu mais de R$ 24 bilhões em pedidos de empréstimos e disponibiliza valores de R$ 2 mil a R$ 50 mil, por meio de serviços totalmente digitais, praticando taxas mais acessíveis, longe dos métodos tradicionais e da burocracia de grandes instituições bancárias. Os dados são avaliados por meio de algoritmos e a resposta é imediata.

Negociação de moedas estrangeiras:

A Meu Câmbio, startup acelerada pelo programa InovAtiva Brasil, é a primeira plataforma independente que permite a negociação de moedas estrangeiras. A ferramenta realiza pesquisa de preço, unificação de cadastro e encaminhamento de pedidos, levando às pessoas a comodidade de não precisarem fazer ligações nem sair de casa. Por meio de uma rigorosa seleção de parceiros e de um sistema capaz de identificar a melhor solução disponível para cada cliente, a empresa proporciona economia frente às taxas disponíveis no mercado.

Investimentos para pessoas físicas:

Criado em 2017, o TradersClub, ou TC, é um dos principais agentes de educação financeira do país, com a missão de ajudar o investidor pessoa física a tomar a melhor decisão sobre seus investimentos . Por meio de sua plataforma web e aplicativo, é possível acessar informações sobre o mercado financeiro, trocar ideias com outros investidores e ter acesso a um conteúdo exclusivo para assinantes. O TC foi fundado por Pedro Albuquerque, um dos principais gestores do Brasil, que gere o fundo multimercado Cosmos e é fundador da TEx Tecnologia, líder no segmento de insure tech.

Educação financeira para crianças:

A OinCoin é uma fintech acelerada pelo programa InovAtiva Brasil que auxilia na educação financeira de crianças de 8 a 14 anos e na preparação delas para a idade adulta. A empresa criou um aplicativo que permite a definição de objetivos e o acompanhamento das etapas para atingi-lo. Com isso, pais e filhos podem criar tarefas bônus para aumentar as receitas da criança, acelerar o objetivo ou guardar dinheiro para novas metas.

Fintech que automatiza pagamento a fornecedores movimenta R$ 40 milhões por mês

A Transfeera é uma fintech de Joinville que atua desde 2017 automatizando a rotina de pagamentos de empresas para diferentes fornecedores, gerando economia e desburocratizando as transações entre bancos. Desde a sua fundação a empresa já movimentou mais de R$ 1 bilhão, sendo mais de R$ 40 milhões por mês em novos pagamentos. A empresa possui mais de 150 clientes, que vão desde startups a grandes companhias, como Unilever, Kimberly-Clark, EBANX, iFood, Rappi e Vakinha.

A startup nasceu da vontade de simplificar transações de TED e DOC entre diferentes bancos e recebeu seu primeiro investimento em uma rodada do EBANX com o Curitiba Angels. Ao todo, foram R$ 570 mil em aportes. “Nós conseguimos identificar um problema entre as transações de pagamentos das grandes organizações. As empresas perdiam dinheiro com as taxas e o tempo entre transferências. Percebemos que era possível transformar essa rotina, deixando mais simples e tudo interconectado”, explica Guilherme Verdasca, CEO da Transfeera.

A partir do problema inicial a empresa percebeu a possibilidade de expandir sua atuação. Hoje a Transfeera também possui um serviço de validação bancária, que verifica a autenticidade dos dados de consumidores para proporcionar maior segurança para as transações financeiras. “Atuamos principalmente em duas frentes, a solução de payout e a validação bancária por meio de API. Continuamos em processo de inovação, queremos promover automação para diferentes etapas do processo financeiro”, compartilha Guilherme. No Brasil o mercado das fintechs está em ascensão. Ano passado, dos cinco unicórnios anunciados, três eram fintechs (Nubank, PagSeguro e Stone). O país conta com mais de 600 startups dedicadas ao mercado financeiro, segundo o último Radar Fintechs.

Atualmente a startup cresce 18% ao mês e sua projeção é crescer 150% até o fim do ano. Desde a fundação, os empreendedores passaram por diversos programas, como o de capacitação Startup SC, a aceleradora InovAtiva Brasil, pela incubadora Softville e, no momento, fazem parte da turma da segunda edição do programa de aceleração Visa 2019. A empresa está localizada no Centro de Desenvolvimento de Tecnologia de Joinville (CDTEC) e possui 13 colaboradores.

112 startups são selecionadas para aceleração do Governo Federal

O próximo ciclo do InovAtiva Brasil, maior programa de aceleração de startups da América Latina, teve início no dia 03 de setembro. Para esta edição, foram selecionadas 112 startups de todo o Brasil, no estágio de Operação e Tração, que desenvolvem soluções tecnológicas inovadoras.

Nos próximos três meses, essas empresas terão a oportunidade de realizar mentorias individuais, coletivas e especializadas; treinamento de pitch; e atividades online para se prepararem para o Bootcamp Nacional e Demoday InovAtiva Brasil, que ocorrem de 30 de novembro a 02 de dezembro.

Nessa ocasião, as startups participarão de um evento presencial em São Paulo no qual poderão fazer networking com outros empreendedores e terão a chance de gerar ainda mais visibilidade e conexão para o negócio. Ao final do ciclo, as startups se apresentarão para a maior banca de investidores e grandes empresas do Brasil.

“Entre 2013 e 2019, mais de 2000 startups de todas as regiões do Brasil participaram do programa e 926 delas chegaram à fase de apresentar seus negócios em bancas presenciais com investidores. Além disso, o programa, que conta com mais de 80 mil pessoas da comunidade de empreendedorismo sendo impactadas e 1145 mentores voluntários (executivos, investidores anjo, empreendedores de sucesso), já recebeu mais de 11 mil projetos de startups”, afirma Gustavo Ene, Secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia.

Ao término do ciclo, as startups que participarem de todas as etapas do programa receberão descontos e pacotes de serviços exclusivos de empresas e entidades parceiras, como Google, Amazon Web Services, Moskit CRM, Agendor, Pipefy e Contentools. Além disso, elas continuarão recebendo suporte do programa e de parceiros estratégicos e terão ainda uma pontuação extra no Edital de Inovação para a Indústria.

Para o Sebrae, o InovAtiva Brasil é uma excelente oportunidade de acesso a mercado. “A aceleração da startup pelo programa entrega aos empreendedores além da oportunidade de melhorar a sua empresa e o seu produto, a possibilidade real de inserção no ecossistema de inovação, conhecendo mentores, investidores, incubadoras e outros empreendedores. Isso viabiliza as conexões necessárias para que a empresa cresça e possa fechar negócio com potenciais parceiros”, explica o diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick.

A lista com todas as empresas selecionadas está disponível no site do programa:
www.inovativabrasil.com.br/aprovadas-ciclo-2019-2/

Tags, ,

Starter Acceleration Program anuncia finalistas do módulo América Latina

A EDP, empresa que atua em todos os segmentos do setor elétrico, anuncia as grandes finalistas do módulo América Latina do Starter Aceleration Program. As startups brasileiras ColabApp, Loud Voices Services e a mexicana Trato foram selecionadas para a etapa final da competição que vai acontecer em novembro, durante o Web Summit, um dos maiores eventos de empreendedorismo e inovação do mundo. A capital portuguesa sediará a final da primeira edição da competição global que uniu as três regiões de atuação da EDP no mundo (Europa, América Latina e América do Norte).

Em julho, os empreendedores selecionados passaram por uma imersão junto à EDP e um time de mentoria para gerar negócios. Na ocasião, tiveram acesso a uma completa estrutura para o desenvolvimento das suas iniciativas e, ao fim do processo, fizeram seus pitches em um Demoday promovido pela Companhia. As startups escolhidas propõem soluções e melhorias nas áreas de Inovação Digital, Soluções com Foco no Cliente e Inovação em Processos Internos.

“Estamos muito satisfeitos com a qualidade e maturidade das empresas selecionadas. Com a globalização do programa Starter, neste ano temos a oportunidade de levar à final, em Lisboa, os melhores empreendedores da América Latina promovendo atração e abertura de mercados internacionais às startups. Entendemos que o futuro do setor de energia pode vir de soluções geradas no ecossistema empreendedor, por isso, incentivamos a geração de novos negócios e crescimento destas empresas”, afirma Livia Brando, gestora executiva de Estratégia, Inovação e Ventures da EDP no Brasil.

O programa, que neste ano passou a ser global, com módulos em três regiões – Europa (em Madri, Espanha), América Latina (em São Paulo, Brasil) e América do Norte (em Houston, Estados Unidos) teve aproximadamente 500 inscrições. No total, foram escolhidas 10 startups para cada módulo. Em novembro, as três selecionadas da América Latina se juntarão com as outras seis finalistas oriundas dos módulos da Europa e América do Norte para apresentar suas soluções ao mercado, em Lisboa, durante o Web Summit. Além disto a startup vencedora será premiada com 50 mil euros.

Em linha com as áreas estratégicas da EDP, o Starter Acceleration Program busca projetos em seis categorias: Energias Limpas, Soluções com Foco no Cliente, Inovação Digital, Armazenamento de Energia, Redes Inteligentes e Inovação em Processos Internos.

Desde 2008, os veículos de Venture Capital do grupo EDP já aplicaram globalmente mais de 33 milhões de euros em 27 startups, que juntas empregam mais de 750 colaboradores e têm mais de 100 milhões de euros de receita por ano. No País, a EDP ventures Brasil é o primeiro instrumento de corporate venture capital voltado ao setor de energia. Lançado em 2018, já investiu em duas startups, também oriundas de programas de aceleração da EDP.

Final no Web Summit

O Web Summit é um dos maiores eventos de empreendedorismo e inovação do mundo, realizado em Portugal. No local, os empreendedores têm acesso a um “beta stand”, espaço onde demonstram suas soluções, garantindo assim uma maior visibilidade para suas inciativas e potencializando novos negócios. A conferência reúne cerca de 60 mil participantes, mais de 1.200 oradores e mais de 2.600 jornalistas internacionais.

Novos parceiros

Três parceiros internacionais se juntaram a esta primeira edição do Starter Acceleration Program: a American Eletric Power, utility que tem mais de cinco milhões de clientes em 11 estados norte-americanos; a Turning Tables, uma empresa de inovação do grupo espanhol Cuerva; e a Verbund, maior fornecedora de eletricidade da Áustria, com quase meio milhão de clientes. O programa conta também com a parceria junto à ACE e LMarks, duas especialistas em projetos de inovação e empreendedorismo e presença mundial.

Conheça o perfil das startups selecionadas:

ColabApp – São Paulo (Soluções com Foco no Cliente): plataforma digital que conecta cidadãos à administração pública e/ou empresas privadas promovendo a melhoria da qualidade dos serviços prestados. www.colab.re

Loud Voice – São Paulo (Inovação Digital): solução de comunicação de voz que permite uma conversa real entre bots e humanos gerando uma experiência humanizada e de qualidade. www.loudvoiceservices.com

Trato – México (Inovação em processos internos): LegalTech que oferece uma plataforma para gerenciamento e interface de contratos jurídicos utilizando tecnologia blockchain. www.trato.io

Fundador do Wikipedia é confirmado no CASE 2019

Jimmy Wales é o mais novo palestrante confirmado no palco da 6ª edição da Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo – Case 2019, maior evento latino-americano voltado para startups, a ser realizado em 28 e 29 de novembro, em São Paulo, pela Associação Brasileira de Startups.

Empresário americano da Internet, Wales é um dos fundadores da Wikipédia; também eleito, em 2009, pela revista Times como uma das pessoas mais influentes do mundo; ano em que também ficou em terceiro lugar na lista Agenda Setters 2009 como um dos 50 indivíduos mais influentes do mundo tecnológico.

Em um espaço maior, a edição deste ano do principal evento do cenário de inovação do Brasil e América Latina espera cerca de 10 mil participantes, que poderão encontrar quatro arenas de conteúdo voltadas para os principais áreas dentro de uma startup: hacker (desenvolvedores e tecnologia), hipster (design, UX e produto), hustler (vendas e customer success) e hyper (marketing e Growth Hacking).

CASE 2019
Data: 28 e 29 de novembro de 2019, das 10h às 20h
Local: Transamérica Expo Center
Endereço: Av Dr. Mário Vilas Boas Rodrigues, 387, Santo Amaro – São Paulo (SP)
Informações e ingressos: case.abstartups.com.br

Tags, , , ,

Inscrições abertas para o Prêmio EDF Pulse Brasil

Estão abertas as inscrições para a 1ª edição do Prêmio EDF Pulse Brasil, com foco em startups de inovação que desenvolvem soluções eficientes para os desafios das indústrias e das grandes cidades. Serão oferecidos até R$ 100 mil aos primeiros lugares, sendo R$ 40 mil para os vencedores de cada categoria – Smart City e Smart Factory – e uma premiação especial de R$ 20 mil para um terceiro Projeto de Destaque. Além disso, caso alguma inovação seja de interesse das empresas EDF no Brasil, há a possibilidade da realização de parceria para o seu desenvolvimento. Os projetos serão avaliados por um júri de especialistas e executivos do Grupo. As inscrições podem ser feitas até 1º de novembro pelo site www.edf.fr/pulse-brasil, e os vencedores serão anunciados em dezembro deste ano.

Líder global em energia de baixo carbono, o Grupo EDF promove o Prêmio Pulse desde 2014, com edições na França, Itália, Reino Unido e África. No Brasil, o prêmio é resultado da parceria entre as principais empresas do Grupo no país: EDF Norte Fluminense, EDF Renewables, Citelum e Framatome. Do exoesqueleto que permite a paraplégicos andar novamente à iluminação de fibra óptica natural, o prêmio dá visibilidade a projetos inovadores alinhados à alta tecnologia para o futuro, sendo uma das principais iniciativas mundiais da EDF. Já concorreram 1.800 startups, com 22 vencedores e mais de 50 projetos acompanhados pelo Grupo no mundo.

Dentre as categorias do prêmio, a Smart City julga inovações voltadas para infraestruturas e espaços habitacionais, individuais e coletivos, à métodos produtivos e organizacionais, buscando transformar nossas cidades e territórios para enfrentar os desafios demográficos e ambientais. A Smart Factory avalia os projetos de aceleração na convergência entre os meios e processos industriais e tecnologias digitais, para maior eficiência e otimização do consumo.

Estão habilitadas a concorrer pequenas empresas e startups criadas até julho de 2019, domiciliadas no Brasil e compostas por no máximo 30 pessoas, que podem ter sociedade com empresas de até 500 colaboradores. O júri vai considerar os seguintes critérios: qualidade e robustez da solução; impacto e progresso para a sociedade; sustentabilidade do modelo do negócio; e a equipe (visão, complementaridade, experiências, habilidades).

O Brasil é um país estratégico para o desenvolvimento global do Grupo EDF, com investimentos em geração, serviços e soluções inteligentes de energia. Por isso, busca startups nacionais que contribuam para questões energéticas e soluções inovadoras para enfrentar os desafios da atualidade. Dessa forma, as empresas do Grupo podem identificar possibilidades de novos projetos e parceiros de negócios e ampliar a interação com startups, para melhor compreensão de sua dinâmica de funcionamento. Até o momento, já foram investidos cerca de R$ 60 milhões na área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), no Brasil.

PRÊMIO EDF PULSE BRASIL

Inscrições: até 1º de novembro pelo site www.edf.fr/pulse-brasil.

Podem concorrer: pequenas empresas e startups criadas até julho de 2019, domiciliadas no Brasil e compostas por no máximo 30 pessoas, que podem ter sociedade com empresas de até 500 colaboradores.

Categorias: Smart City (R$ 40 mil), Smart Factory (R$ 40 mil) e Special (R$ 20 mil).

Tags, ,

Programa para startups da abeLLha agora é digital e gratuito

A falta de conhecimento e planejamento – estratégico ou financeiro – são as maiores travas para o desenvolvimento de novos negócios. Em geral, se uma ideia começa desestruturada, sem hipóteses claras a serem validadas, as chances de evolução são pequenas. Por isso, a abeLLha decidiu democratizar o conhecimento que acumulou durante mais de 4 anos de experiência em incubação e aceleração de startups e disponibilizou, gratuitamente, uma plataforma online com toda a metodologia e ferramentas de acompanhamento financeiro e de indicadores para startups em estágio inicial ou para quem está interessado em começar um empreendimento.

“A nossa missão é levar método, conteúdo e ferramentas que possam ajudar o maior número de empresas ou equipes a se desenvolverem de forma organizada, com agilidade e simplicidade. O mercado está muito veloz, as pessoas enxergam oportunidade de negócio para resolverem problemas e gerar valor, porém muitos tem dificuldade na gestão e organização da empresa. É aí que a gente entra: nosso método é simples e eficaz”, conta Ana Julia Ghirello, fundadora da abeLLha.
A plataforma abeLLha Digital é dividida em três pilares: educação (estágios), controle financeiro e acompanhamento de indicadores (KPIs).

O primeiro pilar, da educação, inclui 15 módulos divididos em dois estágios, com conteúdos que ajudam os empreendedores a tirar a ideia da cabeça e colocar em prática. No primeiro deles, os usuários aprenderão sobre os conceitos básicos do empreendedorismo e ferramentas úteis para estruturar um negócio. Por exemplo, como utilizar o modelo Canvas, criar estratégias de monetização, fazer um plano financeiro e como montar uma equipe coerente e eficiente.

No segundo estágio, os empreendedores aprendem a preparar o negócio para o lançamento e operar no dia-a-dia, sobretudo por meio de um produto mínimo viável (MVP, na sigla em inglês, minimum viable product), importante para testar e validar as hipóteses iniciais de viabilidade no mercado. Além disso, esse estágio ajuda a criar uma boa estratégia de marketing e comunicação, além de ensinar como organizar o financeiro da empresa.

O terceiro estágio, que será lançado em breve, é focado na operação do negócio, depois que o produto ou serviço já foi lançado no mercado e a empresa já está funcionando. Aqui, os usuários irão aprender a criar e manter a startup funcionando eficientemente, e entender a operacionalizar estratégias de branding, de produto, monetização e vendas. Nesse ponto, em alguns casos é importante pensar em captar investimentos, e para isso, incluímos módulos sobre pitch de investimento, vendas e patrocínio, além de conteúdo sobre relacionamento com investidores.

O material pedagógico está amparado por uma plataforma de acompanhamento financeiro, onde os usuários podem lançar receitas e despesas para controlarem o fluxo de caixa, as projeções do plano de negócio e ver os resultados de forma simples e prática. A plataforma transforma essa planilha em gráficos e indicadores (KPIs) que facilitam a leitura e deixa clara a evolução do negócio.

A abeLLha Digital terá o conteúdo atualizado sistematicamente e estará atenta aos feedbacks dos usuários. “Nesse início, vamos ficar de ouvidos abertos para os comentários dos usuários, entender o que falta e como podemos melhorar”, explica Ana Julia. “Essa não é uma plataforma estática. Estamos preocupados em aperfeiçoar e aumentar o conteúdo e as funcionalidades continuamente”, completa.

No futuro, quando o número de pessoas utilizando o sistema estiver maior, o plano da abeLLha é selecionar os melhores projetos e fazer um trabalho de aceleração com acompanhamento pessoal e captação de investimentos. “Como teremos as informações e os dados de evolução das startups, poderemos fazer a curadoria de forma muito assertiva. Com o consentimento dos empreendedores, vamos buscar criar as ligações com investidores, promovendo uma conexão muito mais relevante devido aos dados e histórico de cada empresa”, detalha.

Tags, ,

Governo Federal leva gratuitamente 17 startups para Boston

StartOut Brasil, programa de apoio à inserção de startups brasileiras nos mais promissores ecossistemas de inovação do mundo, escolheu 17 startups para participar do seu 8º ciclo de internacionalização. Ao todo, foram selecionados 15 negócios na categoria “ampla concorrência”, que são startups que nunca participaram ou participaram de apenas um Ciclo do StartOut Brasil; e duas startups na categoria “graduadas”, composta por empresas que já estiveram em dois ou mais ciclos de imersão oferecidos pelo programa.

Entre os dias 22 e 27 de setembro de 2019 essas empresas farão uma imersão no ecossistema de Boston, Estados Unidos, para visitar aceleradoras, incubadoras e empresas locais; participar de seminário de oportunidades, reuniões com prestadores de serviços e encontros de negócios organizados pelo programa; além de realizar uma apresentação para possíveis investidores e parceiros.

“As startups brasileiras tendem a olhar apenas para o mercado doméstico em função de seu tamanho. O programa busca justamente alterar essa mentalidade, mostrando as oportunidades de ganhar novos mercados e apoiar essas startups no processo de internacionalização. A participação do governo também ajuda a atrair a visibilidade necessária para a expansão desses negócios e a conectá-los com parceiros estratégicos”, afirma Gustavo Ene, Secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia.

Veja abaixo quais foram as startups escolhidas para participar na categoria “ampla concorrência”:

  1. Engage – solução para estruturar os principais processos de desenvolvimento de pessoas dentro de uma organização;
  2. APTAH – empresa de bioinformática especializada em desenvolver e validar novos medicamentos e métodos de diagnóstico;
  3. InEvent – especialista em soluções digitais para eventos e desenvolvedora de soluções para credenciamento, logística, aplicativos de engajamento, métricas em tempo real e coletores sociais de dados;
  4. Starline Tecnologia S/A – desenvolvedora de soluções que geram clareza e simplificam todas as etapas de um processo de avaliação;
  5. Eco Panplas – tecnologia produtiva limpa e sustentável, voltada para a reciclagem de embalagens plásticas de óleo lubrificante;
  6. Pix Force – empresa que utiliza tecnologias de visão computacional, inteligência artificial e machine learning para aquisição e interpretação automática de imagens e vídeos;
  7. SlicingDice – solução baseada em nuvem que fornece todas as ferramentas fundamentais usadas por técnicos e executivos para transformar os dados brutos das empresas em decisões orientadas para os negócios;
  8. PluriCell Biotech – empresa de Pesquisa e Desenvolvimento cujo principal foco é gerar células humanas especializadas a partir de células-tronco;
  9. Bright Cities – plataforma que executa um algoritmo complexo com toneladas de dados para criar um roteiro feito sob medida para que cidades possam se tornar mais inteligentes;
  10. Delfos Intelligent Maintenance – tecnologia que permite alcançar excelência operacional aproveitando todos os dados disponíveis dentro da organização;
  11. Cíngulo – aplicativo de terapia guiada que ajuda as pessoas a superarem os problemas emocionais e aumentarem o autoconhecimento;
  12. GYTH Desenvolvimento de Sistemas Ltda. – empresa de otimização de processos e gestão de logística;
  13. Aerothermal Solutions – desenvolvedora de projetos complexos para diversos segmentos da indústria, como aeroespacial, óleo e gás, pesada, transportes e máquinas e equipamentos;
  14. 3D Biotechnology Solutions – startup que possibilita a construção de tecidos humanos vivos que comprovadamente funcionem como tecidos nativos;
  15. Ubivis – solução completa para otimizar a operação industrial com a utilização de IoT;

E as selecionadas como “graduadas”:

  1. Portal Telemedicina LTDA – central médica online que une tecnologia e medicina para atender clientes em todas as etapas do negócio;
  2. RECICLAPAC – empresa especializada no desenvolvimento de tecnologias de embalagens para logística reversa otimizada.

Ciclo Boston

Durante a missão as startups farão conexão com importantes players do ecossistema para, quando voltarem, aprimorarem sua estratégia de expansão e maximizar as oportunidades identificadas no exterior. Para preparar essas empresas para a imersão em Boston, o StartOut Brasil oferece consultoria especializada em internacionalização; acesso à plataforma Passaporte para o Mundo da Apex-Brasil; conexão com mentores que conhecem o ecossistema de destino e sessões online de treinamento de pitch.

Além disso, nos dias 23 e 24 de agosto, os participantes tiveram a oportunidade de participar de um workshop presencial em São Paulo, no qual assistiram palestras do Centro de Inovação, Excelência e Liderança (IXL Center) e do SelectUSA, programa do governo dos EUA que facilita o processo de conquista de investimento.

Nestes dois dias, as startups também puderam conhecer um pouco melhor cada um dos organizadores do StartOut Brasil, realizar network, ter acesso a agenda da missão e passar por Elevator Pitch, treinamento de pitch e reuniões com o matchmaker.

Para Roberto Machado, Cofundador da MarketFit, plataforma americana de aceleração de startups focada em treinamento de pitch, o trabalho iniciado durante o workshop ainda não terminou. “Meu papel é de ajudar as startups na preparação do pitch, ou seja, capacitá-las para se apresentarem aos investidores e outros parceiros locais que elas vão encontrar em Boston. Esse é um trabalho que está sendo desenvolvido, mas que ainda não está pronto. Temos mais umas quatro semanas para deixar os empreendedores preparados para a missão”, comenta Machado.

De acordo com ele, o mercado de Boston é dinâmico e bem desenvolvido. É um dos hubs de inovação dos Estados Unidos, junto com o Vale do Silício, Nova York e Los Angeles, por exemplo. Por isso, a missão será, não apenas para a venda de soluções e tecnologias, mas também para que os empreendedores aprendam sobre um dos principais mercados americanos.

Tags, ,