Category open innovation

100 Open Startups recebe inscrições para ranking de open innovation

A 100 Open Startups, plataforma líder em open innovation no país, anuncia as inscrições para as edições 2021 do Ranking 100 Open Startups. A publicação é referência no ecossistema de inovação e reconhece as startups e empresas líderes na prática da inovação aberta. As corporações têm até abril para se inscrever, e as startups, até agosto.

“O número e intensidade de relacionamentos de open innovation entre empresas e startups aumentou 20 vezes nos últimos cinco anos, o que demonstra que cada vez mais empresas estão procurando startups para seus processos de inovação. Por isso, o Ranking tem como foco a evolução do ecossistema como um todo, por meio do mapeamento dos próximos movimentos em inovação”, comenta Bruno Rondani, fundador e CEO do 100 Open Startups.

Na edição 2020 do Ranking, a categoria TOP 100 Open Corps foi anunciada em agosto e reconheceu a Natura como primeira colocada, seguida por ArcelorMittal, BMG, EDP e Alelo. Segundo o levantamento, as 100 empresas líderes em open innovation com startups representaram 38% do total dos relacionamentos desse tipo registrados no país.

Já em novembro, foi divulgada a lista das TOP 100 Open Startups, com as startups mais atraentes para o mercado corporativo. A startup GESUAS conquistou o primeiro lugar, seguida da AEVO, Opinion Box, Rentbrella e VOLL. A publicação também destacou o TOP 10 de 25 categorias de startups, como MarTechs, HRTechs, AgriTechs, EdTechs e HealthTechs, e as TOP 5 de quatro categorias especiais: Acessibilidade e Inclusão, Inovação Social, Empreendedorismo Sênior e Empreendedorismo Feminino.

Das 13.177 startups participantes, 1.310 estabeleceram relacionamentos de open innovation com 1.968 empresas e foram aprovadas como candidatas ao Ranking 100 Open Startups 2020. Além disso, em 2020, 58% das empresas buscaram alguma startup para inovar e encontraram pelo menos uma para isso. Em 2016, essa porcentagem era de apenas 24%, reforçando que as conexões com grandes empresas estão crescendo e tendo mais importância a cada ano.

Chegando a sua 6ª edição, o Ranking 100 Open Startups é a única publicação totalmente baseada em dados do ecossistema de inovação, que contabiliza a pontuação a partir dos relacionamentos de open innovation firmados entre empresas e startups. Por isso, é utilizado como referência para empresas e investidores que buscam as startups mais atraentes no early stage. Para serem elegíveis, as startups devem ter faturamento inferior a R$ 10 milhões no exercício fiscal do ano anterior à publicação do Ranking, não ter recebido mais de R$ 10 milhões em investimento direto e não ser controlada por grupo econômico, mas sim por empreendedores à frente do negócio.

Para mais informações sobre o Ranking 100 Open Startups e como realizar as inscrições, acesse: 100os.net/ranking-participe

Oiweek digital conecta praticantes de open innovation

A 13ª Open Innovation Week (Oiweek), principal encontro de inovação aberta do Brasil, será realizada de 23 a 25 de fevereiro, em formato online. Promovido pela 100 Open Startups, principal plataforma de inovação aberta do país, o evento tem como objetivo realizar novas conexões do ecossistema de inovação, apresentar novas oportunidades de open innovation com startups e atualizar o público com as melhores práticas de open innovation do mercado. A primeira edição do ano contará com as hosts de open innovation VLI Logística Integrada, Everis Brasil, Sompo Seguros, Sojitz e Ambev, além de mais de 250 startups curadas, executivos e investidores.

Entre os destaques do evento deste mês, está a utilização da plataforma Clubhouse em uma das atividades da programação, que discute “Open innovation com startups: o que aprendemos na prática”. Completam a programação temas como Marco Legal das Startups, como montar um time de desenvolvedores em um mercado competitivo e como preparar os colaboradores para inovação aberta com startups, além de grandes empresas apresentando suas oportunidades de inovação aberta para startups.

“A Oiweek tem como proposta promover discussões sobre open innovation, destacando novas oportunidades, atualizações e os desafios do momento, bem como facilitar conexões de negócio para a nossa comunidade usando a plataforma de matchmaking do evento”, comenta Bruno Rondani, fundador e CEO do movimento 100 Open Startups.

A Oiweek reúne as corporações líderes, as startups mais atraentes, os cientistas das principais instituições de pesquisa, investidores qualificados e especialistas para compartilhar conhecimento e gerar novas oportunidades de negócios em inovação. Ao longo de 2021, o evento contará com dez edições, entre fevereiro e novembro, servindo como ponto de encontro mensal para o ecossistema de inovação e praticantes de open innovation.

Para mais informações e inscrições, acesse: oiweek.com/fevereiro

NTT DATA e everis abrem inscrições para o 11º Concurso de Inovação Aberta

A NTT DATA, empresa líder em serviços de TI, e a everis, sua consultoria multinacional de negócios e TI, anunciam o lançamento da 11ª edição do Concurso Internacional de Inovação Aberta. Este ano, com o apoio da Microsoft e da JETRO São Paulo, respectivamente, empresa líder em tecnologia global e órgão do governo japonês para promoção comercial Brasil – Japão, convidam startups de negócios de todo o Brasil a enviarem suas ideias de novas tecnologias que podem tornar o mundo um lugar melhor. Os interessados podem se inscrever até 16 de outubro.

“Nesses cinco anos recebemos mais de 150 projetos inovadores nas etapas brasileiras do Open Innovation Contest. Agora, abrimos as inscrições para uma nova edição, com a finalidade de promover o contato e a geração de negócios entre nossos clientes, startups e as capacidades do grupo NTT DATA. Estamos com ótimos apoiadores e jurados, executivos de empresas renomadas, que irão nos ajudar na colaboração com startups que tenham potencial para solucionar os desafios e tendências dos setores relacionados”, explica Roberto Pereira, Head de Inovação da everis Brasil. O vencedor do concurso de Inovação Aberta tem a oportunidade de ampliar seu networking com autoridades e formadores de opinião locais e mundiais nos mais diversos setores relacionados à tecnologia. 

Danni Mnitentag, Vice-Presidente de Canais e Parcerias da Microsoft Brasil, afirma que a decisão de se tornar parceiro desta iniciativa da NTT DATA e da everis se baseou no compromisso comum às três empresas de investir em empreendedorismo, inovação e em soluções capazes de melhorar o ecossistema econômico e político dos países nos quais atuam. “Ficamos honrados com o convite para apoiar o concurso que representa uma excelente chance para as startups nacionais mostrarem seu talento em inovar e ajudar a transformar os negócios de diversos setores em benefício do mercado e da sociedade”, reforça Mnitentag.

A NTT DATA lançou o Open Innovation Contest em 2014, com o objetivo de promover o desenvolvimento de novos negócios por meio da inovação aberta. Neste 11º concurso, a ideia é incentivar a criação de novos negócios globais, apresentando desafios para áreas que deverão crescer como negócios digitais, como Cidades Inteligentes, Saúde Digital e Tecnologia Exponencial. No Brasil, onde o concurso é realizado com o apoio da everis, as startups poderão inscrever seus projetos em diferentes categorias da competição com o intuito de contribuir para o desenvolvimento dos seguintes setores:

Financeiro – podem ser encaminhados projetos que visam inclusão e educação financeira, geração de novos serviços financeiros, segurança digital e prevenção de fraudes.

Telecomunicações – há interesse em soluções para inteligência de inventário, movimentação e rastreamento de itens relevantes em estoque, de conectividade, de IoT para agrobusiness, bem como projetos autônomos e inteligentes para diagnóstico e manutenção de redes (eficiência operacional de campo).

Utilities e Energia – podem ser inscritos projetos que potencializem o conhecimento sobre o perfil do consumidor final, quanto aos hábitos familiares quanto aos consumos, e que ajudem no engajamento destes clientes, além de mitigação de fraudes na rede elétrica, reduzindo perda energética.

Varejo e Bens de Consumo – são considerados interessantes projetos para realização de ações diretas ao consumidor, novas logísticas que auxiliem nas entregas de “última milha”, modelos de colaboração e novos serviços para todos os elos da cadeia Indústria.

Para evitar a disseminação do novo coronavírus, este ano os eventos para anunciar os finalistas nos 14 países participantes e o vencedor do 11º concurso serão realizados on-line. O evento de anúncio dos finalistas brasileiros será realizado no dia 24 de novembro, . Em todo o mundo serão feitas seleções regionais de qualificação, com os vencedores sendo apresentados no “Grand Finale”, que acontece em 29 janeiro de 2021.

“A NTT DATA utiliza a experiência adquirida por meio deste concurso, assim como as empresas do grupo, o ecossistema de inovação e outras redes para alcançar um “win-win-win” entre as startups, os clientes e nossa equipe. Por isso, nós continuaremos apoiando a criação de novas empresas com foco em infraestrutura social e faremos todas as análises e eventos por meio de ferramentas on-line a fim de garantir a continuidade da iniciativa e a participação de um maior número de interessados, respeitando o bem-estar e a saúde de todos os envolvidos”, diz Kaz Okada, Senior Expert Open Innovation and Business Incubation NTT DATA Corporation.

Em 2019, 40 startups se inscreveram no Open Innovation Contest e a expectativa para este ano é ainda maior. Na edição anterior, por exemplo, destacaram-se as vencedoras Looqbox e a Mindify. A Loogbox ganhou ao apresentar sua solução de visualização de dados, que permite maior clareza na hora da tomada de decisão, atuando de modo prático como um “Google para empresas”, que fornece uma ferramenta com layout simples no qual os usuários podem  pesquisar o que necessitam dentro da infraestrutura da empresa. A Mindify, por sua vez, se destacou com seu software para automação e gestão de protocolos de medicina, baseado em evidências e otimizado para reduzir a burocracia e estimular diagnósticos precoces.

Histórico

Os negócios digitais expandiram para todos os setores da economia e continuam avançando ao mesmo tempo em que incorporam uma gama de tecnologias inovadoras. Este concurso permitiu à NTT DATA analisar propostas de negócios de mais de 1.500 empresas líderes em empreendimentos, realizando mais de 20 casos de comercialização de negócios em diversas áreas. Neste concurso, a NTT DATA vai colaborar com as empresas do grupo em todo o mundo para analisar possíveis parcerias e estabelecer rapidamente negócios com as startups.

Avaliação da colaboração potencial após o concurso

As equipes globais da NTT DATA avaliarão uma possível colaboração com as startups que demonstrarem sinergia com a NTT DATA. Em seguida abordaremos o cliente com uma Prova de Conceito (PoC) e outras soluções. A NTT DATA fornecerá até US$ 100 mil como apoio à PoC para cobrir os custos associados às viagens, operações e hardware/software.

Para mais informações e como se inscrever, acesse http://oi.nttdata.com/en/contest ou envie uma mensagem para OfficeofCTO@nttdata.com.

Empresas parceiras do grupo e mercados para o 11º Concurso de Inovação Aberta
Início do período de inscriçãoSexta-feira, 04 de setembro de 2020
Término do período de aplicaçãoDe acordo com o país sede. No Brasil será no dia 16 de outubro
Evento on-line para anúncio dos finalistasTerça-feira, 24 de novembro de 2020
Temas do concursoCidade Inteligente, Saúde Digital, e Tecnologia Exponencial para os setores financeiro, de telecomunicações, utilities e energia, varejo e bens de consumo.
Evento de anúncio do vencedor do OICO vencedor será anunciado em um evento on-line no dia 24 de novembro. Após as seleções regionais, as empresas vencedoras de cada região serão convidadas para participar da “Grand Finale”, que será realizada em 29 de janeiro de 2021.
Informações e procedimento de inscrição no concursoAs inscrições somente serão aceitas se enviadas pelo website. As informações sobre o concurso estão sujeitas a alterações sem aviso prévio, portanto, consulte o site oficial. Site oficial do concurso (inglês):https://oi.nttdata.com/en/contest/

Tags,

Braskem lança desafio de Open Innovation

A Braskem, maior produtora de resinas termoplásticas das Américas e líder mundial na produção de biopolímeros, lançou no ano passado uma parceria com a InnoCentive, uma plataforma global que incentiva desenvolvimento de pesquisas, com o objetivo de retirar cheiro de resina reciclada. Foram 154 inscritos de todo o mundo, com 25 selecionados para a segunda fase e oito finalistas escolhidos para testes. Dois pesquisadores alemães apresentaram a melhor opção e receberam 30 mil dólares por seu desenvolvimento tecnológico.

A proposta do desafio vai ao encontro com o compromisso em Economia Circular da Braskem, divulgado em novembro de 2018, em que a empresa definiu oito iniciativas que contribuem com a cadeia do setor plástico para a indústria e sociedade, e que inclui no terceiro item: “Desenvolver ou apoiar o desenvolvimento de novas tecnologias, modelos de negócios e sistemas de coleta, triagem, reciclagem e recuperação de materiais, considerando o melhor equilíbrio dos impactos econômicos, sociais e ambientais”.

Dentro deste cenário, a petroquímica conduziu durante 2018 o desafio, visando desenvolver a cadeia de reciclagem do plástico. Foram realizados testes em laboratórios, tanto da Braskem como externos, em oito soluções apresentadas por pesquisadores inscritos no programa. A partir destas avalições, uma solução se destacou: trata-se de um processo que reduz o odor do resíduo sem diminuir as propriedades da poliolefina, ampliando o leque de possibilidades de aplicação do material.

“A parceria com a Innocentive foi um sucesso. Conseguimos atender a uma demanda interna e externa ao abrir para pesquisadores do mundo inteiro uma forma de colaborar com a reciclagem do plástico, permitindo identificar uma nova tecnologia, que desenvolvida em parceria com a Braskem, poderá impactar positivamente o mercado de reciclados. Estamos totalmente comprometidos em pesquisar e desenvolver soluções mais sustentáveis para a cadeia do plástico”, explica Fabiana Quiroga, diretora de Reciclagem e da Plataforma Wecycle.

Tags, ,

TechD possibilita que startups, empresas de TIC e grupos de pesquisa ofereçam suas tecnologias a grandes companhias

A inovação aberta (open innovation), processo de inovação compartilhado por diferentes instituições com foco no desenvolvimento de tecnologias, é uma prática adotada pelas empresas há muito tempo e, recentemente, as startups foram incorporadas a esses processos e passaram a integrar a rotina de diversas organizações dos mais diversos setores no Brasil.

Esse ecossistema ganhou um novo catalisador, o Programa TechD, lançado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) em parceria com a Softex. Com recursos de até R$ 18 milhões, sua missão é fazer a ponte entre o universo empreendedor e o de pesquisa por meio da integração e da maior convergência entre startups, centros de P&D, universidades e empresas do setor produtivo.

No início do mês de abril, a Softex anunciou a abertura da chamada pública de inscrições para startups, empresas de TIC, grupos de pesquisa e consórcios nacionais e internacionais interessados em fornecer tecnologia para empresas já inscritas no programa dentro de quatro áreas temáticas: IoT, Saúde, Energia e Mobilidade.

“O TechD reflete a prioridade conferida pelo Ministério ao fortalecimento das TICs nacionais e a nossa certeza de que o apoio à inovação é a estratégia correta para atingir o nosso objetivo”, destaca o secretário de Empreendedorismo e Inovação do MCTIC, Paulo Alvim, lembrando que as áreas temáticas contempladas pelo Programa apresentam uma intensa demanda tanto no Brasil como nos principais mercados mundiais.

Em sua primeira fase, o TechD firmou 22 acordos com Instituições de Pesquisa Científica e Tecnológica (ICTs), universidades e centros de P&D distribuídos por 13 estados, possibilitando o suporte em todas as regiões do país. Na segunda etapa foram confirmadas 36 médias e grandes companhias interessadas em testar tecnologias através de processos de inovação aberta – as chamadas empresas-âncora, entre as quais Braskem, Embraer, Furukawa, Klabin, Marcopolo, Positivo, Sercomtel e Votorantim.

O setor com maior participação é o da Indústria de Transformação, no qual 34% das empresas habilitadas atuam. Em seguida, vem o de Informação e Comunicação, que responde por 27%. Na área temática de IoT, o principal interesse de 54% das habilitadas envolve o emprego da tecnologia para monitoramento e rastreamento.

Outros focos giram em torno de tecnologias IoT voltadas para a indústria 4.0 (32%), automação (27%) e RFID (27%). Já na área temática de Mobilidade, os principais subtemas são controle e monitoramento de tráfego (23%), seguido por soluções de Analytics e Big Data (20%) e Smart Cities (18%).

E a Inteligência Artificial aplicada à saúde, com 25%, é o interesse principal da área temática de Saúde, seguida por Big Data (22%), Telemedicina (20%), Analytics (18%) e Machine Learning aplicadas à área de saúde (8%).

“Além de tornar a produção científica uma importante ferramenta no posicionamento mundial do setor de software, hardware e serviços de TIC, o TechD colaborará para o desenvolvimento de tecnologias com maior valor agregado, capazes de contribuir para melhorar o ranking do Brasil como nação inovadora”, destaca Diônes Lima, vice-presidente da Softex, acrescentando que hoje o país figura na 99ª posição no Global Innovation Index 2017.

Para a sua realização, o TechD conta com as parcerias estratégicas da Sociedade Brasileira de Computação (SBC), da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

As inscrições para as startups, consórcios, empresas de TIC e pesquisadores prossegue até o dia 13 de maio. A íntegra do edital e o calendário de roadshowx e webinars estão disponíveis para consulta no endereço https://techd.softex.br/.

Tags, ,

Conheça as startups selecionadas para o programa de inovação aberta da Algar Tech

A Algar Tech – multinacional brasileira especializada em gestão do relacionamento com o cliente, ambiente de tecnologia e serviços de telecom – anuncia o resultado do seu programa de inovação aberta. Rio Analytics, Mevio e Mais Soluções Inteligentes foram as startups selecionadas e que vão trabalhar, ao longo de seis meses, em colaboração para resolver desafios de negócio da Algar Tech, incluindo suporte na evolução do portfólio com novos produtos ou modelos de negócios. Outras duas startups serão incubadas junto com os programas de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), em parceria com universidades da região.

A companhia avaliou startups que atuam nas áreas de internet das coisas (IoT), blockchain, realidade aumentada e mista, inteligência artificial e automação. Os critérios utilizados foram estágio do projeto ou produto e disponibilidade para inovação aberta. As selecionadas receberão mentorias, acesso a toda infraestrutura dos quatro laboratórios de inovação da Algar Tech, trabalho em conjunto em projetos de inovação disruptiva, acesso direto aos desafios de negócio e conexão com todo o ecossistema de inovação da Algar Tech.

Segundo Bernardo Costa, head de Transformação Digital e Inovação, o objetivo era buscar empresas da região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, mas o programa acabou tomando proporções nacionais. “Ficamos muito felizes com essa repercussão. Em um mundo conectado como o de hoje, as barreiras geográficas desaparecem e temos a oportunidade de trabalhar em colaboração com empreendedores de qualquer lugar do mundo. Por isso, focamos na solução”, avaliou.

Saiba mais sobre as empresas selecionadas:

Rio Analytics: empresa do Rio de Janeiro (RJ) desenvolvedora de sistemas de monitoramento de condição, predição de falhas e otimização de processos industriais, por meio da inteligência artificial. Desenvolve softwares hospedados na nuvem ou localmente, sistema de instrumentação e de IoT e análise de dados em bancos de dados existentes.

Mevio: ferramenta de gerenciamento de projetos criada em São Paulo (SP) que alavanca a produtividade da sua empresa automatizando processos internos. Com uma interface simples e intuitiva de fluxogramas (BPM), é possível acompanhar e controlar qualquer tipo de operação por meio de fluxos de trabalho pré-definidos, discutidos e refinados pela sua equipe, diminuindo a incidência de erros humanos, aumentando a eficiência de suas operações e automatizando etapas até então conduzidas manualmente.

Mais Soluções Inteligentes: empresa de Lages (SC) desenvolvedora de tecnologia para a indústria 4.0, provedora de sistemas “Machine to Machine” com foco em rastreabilidade e gestão da cadeia de produção e de suprimentos. A solução utiliza tecnologia de rádio frequência, que possibilita equipamentos conversarem entre si, sem a intervenção humana, resolvendo problemas de rastreabilidade e coleta de informações.

Incubação

A CrudTec e a F7 Lab – Tecnologia Criativa, ambas de Uberlândia (MG), serão incubadas em um programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Algar Tech, já que ainda se encontram em uma fase de ideação e conceituação, diferentemente das demais concorrentes selecionadas, que já estão na fase de validação do produto e escala.

A CrudTec, que constrói plataformas para gerenciar bots cognitivos com automações de processos e tarefas comuns nas empresas, atuará no desenvolvimento de soluções em curadoria digital e outras plataformas de negócio. Já a F7 Lab – Tecnologia Criativa, que é focada no desenvolvimento de tecnologias que possam gerar impacto social, irá desenvolver soluções de realidade aumentada e mista.

“Optamos por incubar essas duas startups porque, embora ainda estejam em uma fase iniciação de desenvolvimento do produto, elas têm potencial de desenvolvimento de soluções que estão em linha com o nosso negócio e com o programa de P&D, que já estávamos estruturando, além de serem empreendedores com muito talento”, explicou Bernardo Costa. As incubadas também receberão mentorias e conexão com nosso ecossistema de inovação da Algar Tech, para que possam desenvolver seu modelo de negócio.

CI&T leva divulgação de plataforma global de inovação aberta da Nestlé para dentro do Cubo Itaú

Com um “Centro de Design Estratégico” no Cubo Itaú – onde oferece mentoria e ferramentas Lean, aliadas a metodologias em design thinking, design sprint, analytics e marketing digital – a CI&T, multinacional brasileira com presença global e especialista na transformação digital de grandes marcas, recentemente anunciou seus planos para identificar inovações das startups residentes e, com isso, promover a ponte entre os empreendedores e as necessidades de seus clientes.

Agora, dando continuidade a essas ações, a CI&T vai apoiar a Nestlé para engajar as mais de 200 startups que estão no Cubo Itaú – maior hub de fomento ao empreendedorismo tecnológico da América Latina, fundado em conjunto pelo Itaú Unibanco e a Redpoint eventures – para participação em sua plataforma global de inovação aberta, a HENRI@Nestlé. A apresentação foi feita pela equipe de Transformação Digital da Nestlé nesta quinta-feira (14/2), no Cubo Itaú (Alameda Vicente Pinzon, 54 – Vila Olímpia).

Com objetivo de reunir empreendedores dos mais diversos setores para buscar inovações capazes de solucionar desafios de negócios, a Nestlé lançou seu primeiro desafio brasileiro na plataforma: identificar uma solução para combater a degradação do meio ambiente decorrente do uso de canudos plásticos. O intuito é repensar a função dos canudos de plástico nas embalagens, sem prejudicar a experiência do consumidor. A intenção é mitigar, reduzir ou até mesmo eliminar o impacto ambiental dos canudos, que têm efeitos em toda a cadeia de valor. Por isso, a Nestlé está aberta a soluções que podem envolver novos tipos de embalagens, incentivo a mudanças de comportamento do brasileiro com relação ao uso dos canudos de plástico, ou até mudanças na cadeia de suprimentos.

“Esta é uma questão de grande importância para a Nestlé. Reconhecemos que os canudos de plástico se tornaram um desafio global e estamos preparados para tomar medidas decisivas para ajudar a resolvê-lo. Com a plataforma, conseguiremos fazer isso de uma forma muito mais ágil e aberta a muitas formas de repensar esta questão”, diz Carolina Sevciuc, diretora de Transformação Digital da Nestlé Brasil.

“É uma honra apoiar uma empresa global como a Nestlé em um projeto que vai trazer grandes benefícios para o meio ambiente. A iniciativa de promover um desafio que traga diferentes propostas e ideias tem total sinergia com o nosso objetivo no Cubo: apoiar as startups e empresas para que tenham sucesso em seus negócios e encontrarmos oportunidades para inseri-las nos projetos de transformação digital de grandes marcas, atendidas pela CI&T”, ressalta Marcelo Trevisani, CMO da CI&T.

HENRi@Nestlé, uma plataforma de inovação aberta

A Nestlé acabou de lançar no Brasil a plataforma de inovação aberta HENRi@Nestlé. Criada pela empresa em 2016, na Suíça, é um espaço aberto pela companhia para receber ideias que combinem o espírito inovador e a agilidade das startups à experiência da empresa em projetos altamente escalonáveis, e que ao final resultem em propostas que farão a diferença não somente para a Nestlé, mas também para centenas de milhões de pessoas em todo o mundo, a partir da busca por soluções para vários desafios de negócios, que passam por inovação de produtos, sustentabilidade, saúde, nutrição, entre outros temas.

Além das startups do Cubo Itaú, empreendedores de todo o país interessados em buscar uma iniciativa para a substituição do canudo de plástico também podem se inscrever. Para saber mais, basta acessar: https://br.ciandt.com/noticias/ciandt-leva-plataforma-global-de-inovacao-aberta-da-nestle-para-o-Cubo-Itau. As inscrições estão abertas até 7 de abril de 2019. Os projetos recebidos serão avaliados e a Nestlé selecionará cinco deles para passar para a próxima etapa e concorrer a um prêmio único de US$ 50 mil, para implementação do projeto-piloto. Por ser global, a plataforma está em inglês, mas a iniciativa para a substituição do canudo de plástico está descrita em português e os projetos também podem ser submetidos em português.

Tags, , ,

Open Innovation Week chega à 10ª edição e prevê realizar 10.000 reuniões de negócios

O maior evento internacional de open innovation chega à sua 10a edição com números recordes. Realizada de 18 a 20 de março, no Golden Hall WTC, em São Paulo, a Oiweek X reunirá startups, cientistas, investidores e executivos de grandes empresas com o objetivo de compartilhar conhecimento, gerar negócios entre os envolvidos e cocriar soluções para os mais importantes desafios do mercado e da sociedade.

Com a expectativa de receber um público diário de 3.000 pessoas, o ambiente projetado para o evento prevê um espaço de 4.000m2, organizado para facilitar novas conexões e suportado pelas tecnologias mais avançadas de matchmaking. “Nesta edição, aplicaremos soluções para que as conexões sejam pelo menos 10 vezes mais efetivas que em um evento convencional”, comenta Bruno Rondani, chairman da Oiweek X.

A Oiweek encerra um ciclo de atividades promovidas ao longo de um ano de atividades. Para chegar neste momento, foram realizados mais de 80 eventos preliminares, em 26 cidades do mundo, para identificar e avaliar os projetos de startups e cientistas mais atraentes e promissores para o mercado. Ao todo, cerca de 6.000 executivos e investidores da América Latina analisaram mais de 4.500 projetos vindo de todo o mundo.

Nesta décima edição, a expectativa é realizar 10 mil reuniões de negócios para discutir parcerias, investimentos, contratos e formas de implementar soluções inovadoras em conjunto. Em 2017, foram realizadas 2.400 reuniões, que geraram 693 negociações entre os participantes, o dobro do que foi registrado em 2016. Para que isso ocorra, foram selecionadas 300 startups e 100 projetos científicos oriundos da academia para se apresentarem para um público esperado de 2.000 executivos de grandes empresas e investidores. A expectativa é que pelo menos 1.000 negócios sejam efetivados como resultado dessas conexões.

As reuniões serão realizadas no estilo speed-dating e aquelas que obtiverem melhor performance concorrerão ao Ranking Top 100 Open Startups 2018, que classifica as mais atraentes na opinião do mercado brasileiro para fazer negócios. Das 4,5 mil startups ativas do programa 100 Open Startups, mais de 300 atingiram o Nível 5, ou seja, firmaram contratos com grandes empresas. No mesmo período foram gerados mais de 700 contratos entre as iniciantes e as grandes companhias.

Entre as organizações patrocinadoras do programa e que já confirmaram presença na Oiweek, estão: Johnson&Johnson, Cemig, Vale, Atlas-Schindler, Dow, Bosch, BRF, Votorantim, Algar, Air Liquide, Accenture, Roche, Whirlpool, Natura, Microsoft, Givaudan, Edenred, Smartfit, Eletropaulo, CSU, Solvay, Faber-Castell, Suzano, Oi, Furukawa, Novozymes, Softplan, Grupo Oncoclínicas, Matera, ilegra, Pieracciani, ABDI e Fibria. Muitas delas participarão dos Open Talks, abordando os desafios do mercado e apontando para as startups e comunidade científica onde estão as melhores oportunidades. A organização espera receber mais de 3 mil participantes do Brasil, América Latina e demais países.

A Oiweek é uma comunidade formada por executivos de mais de 500 companhias líderes, distribuídas em mais de 20 grandes desafios globais, como: Indústria do Futuro, Plataformas Científicas e Tecnológicas, Saúde & Bem-Estar, Serviços Financeiros, Varejo e Moda e Beleza. Desde 2008, executivos, investidores, startups e organizações se juntaram e criaram essa comunidade que já ultrapassa 30 mil pessoas.

Área de Conhecimento
Temas que envolvem o universo de todo o ecossistema de inovação terão destaque na Oiweek X. O objetivo é trazer uma ampla discussão sobre assuntos ligados a esse universo e o quanto esse movimento irá mudar o futuro das companhias e sociedade. As palestras serão conduzidas por empresas-referência nas áreas em discussão.

Encontro Acadêmico em Inovação Colaborativa
A 6ª edição do Encontro Acadêmico sobre Inovação Colaborativa reunirá pesquisadores, professores e estudantes de doutorado em pesquisas atuais sobre redes empresariais corporativas e de inovação. Os participantes terão acesso ao Observatório de Startups, iniciativa que compila e divulga dados sobre inovação e empreendedorismo para fins de pesquisa acadêmica.

Oiweek X (10ª Open Innovation Week)
Dias: 18/03, das 19h às 22h – 19/03, das 8h30 às 19h – 20/03, das 8h30 às 20h
Local: WTC Golden Hall – Avenida das Nações Unidas, 12.551 – Brooklin Paulista – São Paulo, SP

Tags, , , , , , , , , ,

Estão abertas as inscrições para o EDP Open Innovation 2017

Já estão abertas as inscrições para o EDP Open Innovation 2017. O concurso global, que no ano passado já teve como vencedora uma equipe brasileira, está em busca de projetos inovadores que possam transformar o mercado de energia elétrica e, novamente, vai premiar a melhor startup com um prêmio de 50 mil euros.

Os interessados de qualquer localidade podem se candidatar até o dia 23 de agosto, por meio do site edpopeninnovation.edp.pt. Em seguida, os grupos serão avaliados por um júri formado por representantes da EDP e do Grupo Impresa, empresa de comunicação parceira da companhia na edição deste ano. Os 15 melhores serão levados para um programa de aceleração em Portugal, no qual terão a chance de desenvolver e testar a solidez e a viabilidae dos seus negócios.

Esta segunda fase ocorre durante o mês de outubro e será decisiva para que sejam escolhidas as três startups finalistas. As equipes terão, então, que apresentar suas soluções diante de um novo juri em um evento que acontece em 26 de outubro, em Lisboa, na qual também será definida a Grande Vencedora. Além do prêmio em dinheiro, o EDP Open Innovation dará aos finalistas a oportunidade de apresentarem seus projetos no Web Summit, principal evento europeu de inovação.

“O Brasil já venceu a competição no ano passado e temos toda a confiança de que as equipes do País estão preparadas para propor excelentes projetos em 2017”, avalia a gestora da área de Inovação da EDP, Lívia Brando.

Brasileiros vencedores

Vencedora do EDP Open Innovation em 2016, a startup brasileira Delfos Predictive Maintenance, de Fortaleza, surpreendeu os juízes por ter apresentado uma solução que prometia responder ao grande problema da energia eólica: como aumentar a produtividade e o ciclo de vida das turbinas sem aumentar os custos de operação e manutenção. Para isso, criaram um sistema que monitora, analisa e antecipa possíveis problemas nos equipamentos em tempo real.

Atualmente, a equipe colabora com a EDP Inovação e com a EDP Renováveis no desenvolvimento de um projeto piloto para testar em ambiente real a aplicação.

“O EDP Open Innovation nos concedeu um selo de qualidade e credibilidade que abriram muitas portas”, afirma Guilherme Studart, um dos sócios da Delfos. “O aprendizado do processo de aceleração e a oportunidade de interagir com um grande player com certeza foi essencial para ajustar a nossa proposta com a realidade do mercado”, completa.

EDP e Inovação

O EDP Open Innovation é uma iniciativa que tem como objetivo impulsionar o desenvolvimento de startups que contribuam para a constante transformação e evolução do setor energético. Esta é a segunda edição do concurso, que no ano passado selecionou cinco brasileiros entre os quinze finalistas.

Recentemente, a EDP também se juntou a outras sete utilities mundiais para organizar um dos maiores programas de aceleração de startups mundial: o Free Electrons Global Accelerator. O concurso recrutou projetos ligados à energia que serão importantes para a próxima geração de ideias em energia limpa, eficiência energética, mobilidade elétrica, digitalização e serviços de apoio ao cliente.

Para saber mais, acesse: http://edpopeninnovation.edp.pt/wp-content/uploads/edp-open-innovation-regulation.pdf

Tags, , ,

Positivo Tecnologia lança Inove Positivo, programa de inovação aberta voltado a empresas

view

Unir o ecossistema de inovação e investir para fomentar o uso da tecnologia com foco em melhorar o presente e o futuro das pessoas. É com essa premissa que a Positivo Tecnologia lança o programa Inove Positivo e abre suas portas para empresas que tenham produtos ou serviços sinérgicos aos da companhia e estejam interessadas em acelerar o desenvolvimento e a difusão da tecnologia. Basicamente, o Inove Positivo serve para fazer, a partir de agora, prospecção e seleção para possíveis investimentos em empresas que atuem preferencialmente com negócios adjacentes ao portfólio atual da Positivo Tecnologia, como, por exemplo, nas áreas de Tecnologia Educacional ou em campos de aplicação da Internet das Coisas. A companhia, que nasceu no Paraná e hoje atua na América Latina e na África, pode agregar valor às empresas selecionadas no programa com suas competências e estrutura, além do vasto conhecimento e presença de mercado no Brasil e exterior.

O programa Inove Positivo vai buscar empresas já constituídas, que estejam em fase de crescimento ou que tenham tecnologia inovadora, selecionadas a partir de inscrições efetivas pelo site www.inovepositivo.com.br. O processo prevê uma etapa de pré-seleção de oportunidades, seguida de entrevista para avaliação detalhada do projeto e que, sucessivamente, deve passar pelo crivo da Positivo Tecnologia. Caso aprovado, seguirá para negociação dos termos e condições. Para realizar os contatos e intermediação com as empresas, a Positivo Tecnologia conta com o apoio da Altivia Ventures, empresa de consultoria e investimentos focada em startups.

A busca por inovação é constante na companhia. O lançamento do programa Inove Positivo, o primeiro neste formato, reflete a sintonia com a transformação do mercado de tecnologia e o perfil da própria Positivo, criada a partir da visão pioneira de Hélio Bruck Rotemberg, que, em 1989, percebeu a janela de oportunidades representada pela demanda por computadores pessoais no Brasil. Do desenvolvimento de um software e da montagem de PCs para escolas, a companhia se transformou na maior fabricante brasileira de computadores e uma das grandes fomentadoras do processo de inclusão digital no Brasil, antes de iniciar o processo de internacionalização. “A Positivo Tecnologia é hoje uma companhia multimarca, que trabalha com a complementaridade de portfólio para atender a todos os perfis de públicos, e que acredita que apoiar novos empreendedores é uma oportunidade para ambos poderem crescer de forma acelerada e sustentável. Com o Inove Positivo, nossa proposta é ir muito além de apenas aportar capital, disponibilizando nossa experiência, estrutura e canais de venda para acelerar o crescimento das empresas e das marcas que passarão a integrar o nosso portfólio por meio deste programa”, diz Hélio, presidente da Positivo Tecnologia.

Antes do lançamento do Inove, a Positivo Tecnologia realizou investimentos em startups, como no caso da Hi Technologies, que deu seus primeiros passos em 2004, ao desenvolver um sistema de telemedicina, e hoje leva ao mercado produtos inovadores como oxímetros de pulso capazes de monitorar partos e detectar apneia do sono. Em busca de investidores, os sócios da HiT procuraram a Positivo, no fim de 2014, para apresentar a empresa e seus produtos. Com a proposta de valor de reinventar e humanizar a tecnologia médica compreendida e a sinergia na visão sobre inovação, a negociação evoluiu rapidamente e, em janeiro de 2016, a Positivo concluiu a compra de 50% da HiT. Em março deste ano, a Hi Technologies passou a integrar o time de Empreendedores Endeavor, lista restrita a empresas com alto potencial de impacto ao redor do globo.

Tags, , , ,

Programa Impulsiona busca soluções em inovação aberta para grandes empresas do país

Lançamento do Impulsiona, fotos:Gelson Bampi

A partir deste mês, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação lança o Impulsiona programa setorial que visa o fortalecimento da cadeia produtiva e tem o objetivo de desafiar empresas e empreendedores para solucionar questões da indústria. O projeto é uma realização do Senai PR que incentiva a inovação aberta como metodologia de engajamento e geração de novos negócios.

“Quando pessoas talentosas compartilham suas ideias criativas surgem contribuições significativas para o desenvolvimento de novos produtos. Esse programa traz uma possibilidade real de aplicação de ideias inovadoras provocando melhorias na indústria brasileira.” afirma Filipe Miguel Cassapo, Gerente de Inovação do Centro Internacional de Inovação Senai PR.

Podem participar organizações de todos os portes e diferentes áreas de atuação seja um grupo de pesquisa universitário, um empreendedor independente, uma startup ou empresas capazes de propor soluções por meio da co-criação de ideias. Basta acessar a plataforma http://www.inovemaispr.com.br/impulsiona para entender o escopo de cada desafio e enviar o projeto até o dia 31 de julho de 2015.

Nesta edição, os desafios serão lançados pelas empresas Renault, Grupo Enel, Belgo Bekaert e Label Group AM que irão avaliar a relevância mercadológica, o grau de inovação, a viabilidade técnica e econômica e a referência prévia de uso de cada projeto.

“Ações como essa contribuem para criar um ambiente de colaboração e parceria e ajudam a concretização de negócios e projetos, o que é importante para o desenvolvimento do país”, afirma o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTI, Armando Milioni.

O programa tem o apoio do Sistema FIRJAN, IEL-MG e Senai-AM que já atuam como parceiros da indústria em todo o país.

Desafio Impulsiona Renault

A Renault promove continuamente programas internos e externos que buscam aliar a inovação em seus processos auxiliando a empresa a alcançar novos patamares.

Atualmente, enfrenta um desafio de diminuição da perda de potencial produtivo e buscando solucionar esse problema lança o seguinte desafio: Como podemos otimizar por meio de um sistema Hardware + Software, a detecção de portas switchs inativas e que realize a troca para outra em funcionamento de maneira automática, sem comprometer o processo de produção?

São alguns dos requisitos técnicos: desenvolvimento de um sistema que se comunique com qualquer equipamento, tenha interface de rede, seja robusto para trabalhar em ambiente industrial com dimensões máximas de 15X15cm. As ideias aprovadas deverão apresentar um projeto, com a possibilidade de compra da tecnologia pela montadora.

Desafio Impulsiona Belgo Bekaert

No anseio em desenvolver novos mercados para as plataformas de aços de protensão e fibras Dramix®, buscar diferenciação e cooperar com a Indústria da Construção Civil, a Belgo Bekaert procura parcerias comerciais e de pesquisa e desenvolvimento.

Por isso, lança o seguinte desafio: Como podemos utilizar a solução combinada de concreto protendido e fibra de aço para a criação e/ou melhoria de performance de estruturas pré-fabricadas?

As ideias podem abranger torres eólicas, dormentes, peças delgadas como painéis e telhas, vigas especiais, postes e estacas, barreiras rodoviárias e outras aplicações. O foco é na melhoria de resistência à impacto e a fadiga, controle de fissuração, assegurando performance de utilização, mantendo ou reduzindo o custo da solução reforçada convencionalmente.

Desafio Impulsiona Grupo Enel

A Enel Brasil, empresa de energia que atua no país nos segmentos de distribuição, geração, transmissão e serviços, visa o desenvolvimento tecnológico por meio da inovação, agregando valor e gerando soluções que beneficiem a população. Neste sentido, propõe o seguinte desafio: Como podemos melhorar os nossos métodos de instalação de sistemas solares no Brasil, otimizando o tempo de instalação em 50% e reduzindo aproximadamente em 15% o custo praticado no mercado de varejo, de forma que não comprometa as construções nas quais o serviço está sendo realizado e levando em consideração que temos uma grande diversidade de telhados?

Os projetos devem abranger produto e serviço e podem ser baseadas em KIT’s existentes no mercado internacional com modelo de instalação. As ideias aprovadas deverão ser apresentadas em protótipos, com a possibilidade de compra, parceria ou incubação de startups.

Desafio Impulsiona Label Group AM

Formado por empresas especializadas em serviços de impressão, o Label Group tem em seu portfólio a confecção de adesivos à base de petróleo. No entanto, produtos desta natureza apresentam alto custo de fabricação tornando o processo de produção pouco sustentável.

Nesse contexto, o Grupo vem lançar o seguinte desafio: Como podemos substituir os adesivos à base de petróleo, através de um processo sustentável, utilizando resinas naturais encontradas na flora regional da Amazônia?

Para tanto, apontam alguns os requisitos técnicos: aderência com papel offset/couche, BOPP, PET, PE, vinil; espessura de 0,05mm e 0,10mm; temperatura mínima de aplicação -20°C; coloração transparente ou verde e fixação permanente. As ideias aprovadas deverão apresentar um projeto ou protótipo, possibilitando novas parcerias ou a compra de tecnologia.

Senai PR

Há mais de 70 anos, o Senai PR (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) atua no Paraná acompanhando as necessidades de modernização e inovação da indústria. Situado no Campus da Indústria, o Centro Internacional de Inovação articula produtos e serviços buscando o aumento da competividade de maneira estratégica, criativa, incentiva o empreendedorismo, a inovação em negócios, a gestão do conhecimento e de capital, o design, a tecnologia e a sustentabilidade.

Serviço:

Programa Impulsiona Senai PR
Centro Internacional de Inovação Senai PR
Inscrições: até 31 de julho de 2015
Informações: laura.padilha@fiepr.org.br ou (41) 3271-7563

Tags, , , , , , , , ,