Page

Author admin

Empresas brasileiras lideram a adoção de IA na América Latina

Uma nova pesquisa de mercado encomendada pela IBM (NYSE: IBM) revelou que 21% dos profissionais de TI entrevistados na América Latina afirmam usar inteligência artificial (IA) em suas organizações, enquanto no Brasil, 40% deles relatam ter implantado IA em seus negócios. Avanços recentes na tecnologia estão tornando a IA mais acessível do que nunca. A pesquisa anual conduzida pela Morning Consult também descobriu que a falta de habilidades em IA e o aumento da complexidade dos dados são os principais desafios.

Mesmo que a América Latina tenha um grande desafio em relação à adoção de IA, o ritmo está aumentando à medida que as mudanças nos imperativos de negócios, como resultado da pandemia, trouxeram maior aceleração das necessidades de IA. Nesse sentido, 37% das empresas brasileiras afirmam que, devido à pandemia, intensificaram o foco no atendimento ao cliente, seguido pela automação de processos (35%) e a segurança (28%). A IA já está mudando a forma como as empresas operam hoje, desde como se comunicam com seus clientes, por meio de assistentes virtuais, até a automação de fluxos de trabalho importantes e gerenciamento da segurança da rede. Outra pesquisa recente da IBM revelou que mais da metade dos CEOs em todo o mundo espera que a IA forneça benefícios de negócio tangíveis nos próximos anos.

Os destaques do “Global AI Adoption Index 2021” da IBM incluem:

• Mais investimentos significativos em IA estão planejados: 30% dos profissionais de TI brasileiros relatam que sua empresa está na fase de implantação da IA em toda a organização, enquanto os profissionais de TI em todos os outros países latino-americanos estão mais propensos a estar na fase exploratória. A adoção está sendo impulsionada por múltiplas pressões e oportunidades que as empresas enfrentam, desde a pandemia da COVID-19 até os avanços na tecnologia que a tornam mais acessível. Quase metade dos profissionais de TI no Brasil (49%) relatam que suas organizações planejam investir em aplicativos de IA prontos para uso nos próximos 12 meses.

• COVID-19 acelerou a forma como as empresas estão usando automação hoje: seis em dez (68%) profissionais de TI brasileiros relatam que sua empresa está usando software ou ferramentas de automação, e 18% relatam que planejam adotar o uso de software ou ferramentas de automação nos próximos 12 meses. Além disso, dois terços (66%) dos profissionais de TI brasileiros, de empresas que exploram e implantam IA, afirmam que a grande eficiência em processos e tarefas é o motivo de estarem usando ou considerando a automação e reconhecem que devolver um tempo valioso aos funcionários é um grande motivador nas empresas que estão implantando AI.

• IA confiável e explicável é crítica para os negócios: mais de nove em cada dez profissionais de TI no Brasil (94%) relatam que é importante para seus negócios ser capaz de explicar como a IA chegou a uma determinada decisão. Embora em todos os mercados latino-americanos sete em cada dez profissionais dizem que a confiança de que a produção de IA é justa, segura e confiável é algo importante, 60% dos profissionais de TI no Brasil dizem que é extremamente importante. Os profissionais de TI no Brasil (68%), Colômbia (65%) e Peru (65%) também tendem a concordar fortemente que os consumidores são mais propensos a escolher os serviços de uma empresa que oferece transparência e uma estrutura ética sobre como seus dados e modelos de IA são construídos, gerenciados e usados.

• A capacidade de acessar dados em qualquer lugar é fundamental para aumentar a adoção de IA: a proliferação de dados em toda a organização resultou em mais da metade dos profissionais de TI da América Latina utilizando mais de 20 fontes de dados diferentes para informar sua IA. Três em cada quatro (74%) dos profissionais de TI no Brasil acham que é muito importante que sua empresa possa construir e executar projetos de IA onde quer que seus dados residam.

• O processamento de linguagem natural está na vanguarda da adoção recente: os profissionais de TI no Brasil são mais propensos a usar aplicativos de processamento de linguagem natural (PLN): 46% deles estão atualmente usando aplicativos de PLN. No Brasil, os agentes virtuais para atendimento ao cliente são os casos de uso mais comuns de tecnologias de processamento de linguagem natural (42%), seguido de automação de call center e análise de pesquisas.

“Os resultados desse estudo demonstram como a pandemia mudou a forma como as empresas interagem com seus consumidores e funcionários e como diferentes setores da economia identificaram uma grande vantagem competitiva do uso de IA”, diz Marcela Vairo, Líder de Cloud, Data Platform & AI Platforms da IBM Brasil. “À medida que as empresas continuam suas transformações digitais, os investimentos serão focados nos três principais recursos que definem a IA para negócios – automatização de TI e processos, construção de confiança nos resultados de IA e compreensão da linguagem de negócios. Acreditamos que esses investimentos continuarão a acelerar rapidamente, à medida que os clientes procuram maneiras novas e inovadoras de impulsionar suas transformações digitais, aproveitando a nuvem híbrida e a IA”.

Embora a adoção esteja prestes a crescer, as empresas brasileiras ainda enfrentam uma série de desafios quando se trata de adotar a IA. Barreiras persistentes em todos os mercados e setores destacam a necessidade de foco contínuo na abordagem das lacunas de habilidades e soluções.

• As três principais barreiras para a adoção de IA são: O aumento da complexidade e dos silos de dados (25%), experiência ou conhecimento limitado de IA (24%) e dependência de fornecedor, ou seja, IA e nuvem vinculadas a um único fornecedor (21%).

• A falta de habilidades/treinamento para desenvolver e gerenciar IA confiável e explicável é a principal barreira para profissionais de TI no Brasil (79%).

A IBM está trabalhando para acelerar a adoção oferecendo uma IA projetada às necessidades das empresas. Para dar a companhias, cientistas de dados e desenvolvedores os recursos de que precisam para escalar IA, a IBM está continuamente trazendo inovações para o IBM Watson a partir do trabalho de IBM Research, o que ajuda as organizações a compreender melhor a linguagem dos negócios, automatizar processos e TI e gerar confiança em seus resultados de IA. Além disso, o IBM Global Business Services traz profundo conhecimento em tecnologia, indústria e design de processos para cocriar soluções com os clientes que incorporam IA aos principais processos de negócios e criam fluxos de trabalho inteligentes em escala.

Baixe o relatório completo aqui.

Metodologia

Os dados lançam uma nova luz sobre a implantação de IA em 5.501 empresas na China (500), França (500), Alemanha (500), Índia (500), Itália (500), América Latina (1000 no Brasil, México, Colômbia, Argentina, Chile, Peru), Cingapura (500), Espanha (500), Reino Unido (500) e Estados Unidos (501). A pesquisa foi conduzida online por meio da rede proprietária de fornecedores online da Morning Consult em abril de 2021. Era um requisito que todos os entrevistados tivessem uma visão significativa ou opinião sobre a tomada de decisões de TI de sua empresa. Veja todos os detalhes da metodologia no final do resumo.

Startup B4A anuncia investimento de R$10 milhões

B4A, a maior beauty-tech do Brasil, anuncia aporte de R$10 milhões em uma rodada de investimentos liderada pela AcNext Capital e com a participação de Eduardo Chalita, fundador da Nova.com e CEO da Amercianas.com; Donato Ramos, Diretor Executivo da Imaginarium; Stephano Gabriel, fund manager da XP; Olivier Grinda, fundador do Brandsclub e Shoes4You e outros. A plataforma da B4A traz conteúdos relevantes, e-commerce, e clubes de assinatura. Assim, a empresa foi capaz de desenvolver uma relação com três públicos – marcas, clientes e influenciadores – criando um ecossistema de interação entre eles. A empresa conta com 150 funcionários e vem crescendo 8% ao mês de maneira orgânica, desde 2019.

Com o valor recebido, a B4A planeja investir na tecnologia de sua plataforma B4A Connect e, com isso, acelerar a expansão nacional, aprimorar o programa de influenciadores, ampliar o e-commerce para proporcionar melhor experiência para o cliente e aumentar a oferta de serviços para as marcas de beleza. “O Brasil é o 4º no ranking mundial de consumidores de beleza e ainda temos um grande mercado a ser explorado no mundo digital”, explica Jan Riehle, CEO da B4A.

Otimizar o processo de digitalização do mercado de beleza vai significar uma inovação do setor dentro do país, já que isso ainda é pouco difundido por aqui. “Um dos desafios é viabilizar a operação das marcas de beleza e a B4A se apresenta como uma das grandes soluções. Com nossa plataforma queremos otimizar o acesso dos brasileiros a produtos de qualidade e nos tornarmos a plataforma digital líder no mercado, conectando consumidores, influenciadores e marcas mundiais”, completa.

Atualmente no setor B2C, a B4A possui o maior clube de beleza feminina da América Latina (Glambox) que, em conjunto com a Glamshop, forma o Universo Glam com a marca própria GlamGirl – que tem produtos para limpeza, hidratação e tonificação da pele. Ao mesmo tempo, a empresa também opera o maior clube de assinatura de produtos masculinos do Brasil (Clube da Men’s) e conta ainda com a loja da Men’s Market, além das suas marcas próprias Malmo – de acessórios masculinos – e Men’s – marca própria de cosméticos – que constitui o Universo Men’s com vantagens equivalentes ao que são oferecidas na parte feminina e com as mesmas funcionalidades da B4A Connect. Juntos, esses canais somam mais de 70 mil assinantes por todo o país e a estimativa é que esse número chegue a 100 mil até o final de 2021.

Para o mercado B2B, além de uma tecnologia que providencia soluções de inteligência, como pesquisas, tendências e hábitos de consumo, a empresa conta com vários canais de e-commerce próprio, todos baseados na B4A Connect, que os ligam aos demais módulos da plataforma e ajudam marcas a se tornarem direct-to-consumer. Em suas redes sociais, a beauty-tech age como replicadora da comunicação dos seus parceiros, já que com seu grande engajamento oferece visibilidade relevante ao mercado B2C.

Para dar respaldo aos influenciadores, que também são empreendedores, a startup age como agência de marketing digital, uma vez que a plataforma automatizou o contato com influenciadores digitais através do Influencer Connect, dando a marcas de beleza acesso aos módulos da B4A Connect, resultando na criação de uma área B2B. “Além dos clubes de assinatura, que criam forte conexão com o consumidor, temos novas tendências a serem exploradas, como o crescimento de influenciadores digitais que reestruturaram a forma como as empresas de beleza fazem marketing”, conta o CEO.

“Vimos o caso da THG, na Europa, que cresceu muito rápido e com várias verticais no mercado digital de beleza e bem-estar. Percebemos muitos pontos semelhantes no trabalho que a B4A está fazendo na América Latina e decidimos investir na oportunidade de ser o primeiro player por aqui.” declarou André Cruz, da AcNext Capital.

Amazon anuncia novo Centro de Distribuição na Grande São Paulo

A Amazon anuncia hoje outro importante passo de sua expansão no Brasil com a abertura de um novo Centro de Distribuição (CD) em Cajamar, localizada na Grande São Paulo. Esse novo CD irá gerar 450 novos empregos diretos na região e irá aumentar a possibilidade de centenas de empregos indiretos a partir do programa global Fulfilment By Amazon (FBA – Logística da Amazon).

“A expansão da Amazon reflete nosso comprometimento com nossos consumidores no Brasil, focando sempre em oferecer uma experiência do cliente em constante evolução. Estamos extremamente comprometidos com o País e com as comunidades em que operamos, orgulhosos de conseguir gerar mais de 450 novas oportunidades de emprego”, diz Ricardo Pagani, Diretor de Operações da Amazon no Brasil. “Reconhecemos o constante esforço do governo em modernizar o ambiente de negócios e agradecemos todos os membros engajados em apoiar esse projeto de expansão, o que irá nos permitir continuar servindo nossos consumidores com os produtos que precisam”, ressalta.

“O novo centro de distribuição da Amazon em Cajamar reforça nossa referência como um polo de logística e, sobretudo, o nosso potencial para atrair investimentos privados. Essa parceria é de extrema relevância econômica para a cidade de Cajamar, visto que com a chegada novos centros logísticos conseguimos gerar mais empregos para nossos munícipes”, disse o prefeito de Cajamar, Danilo Joan.

“O novo CD, com foco no modelo FBA – Logística da Amazon, reforça os serviços da Amazon no Brasil, com entregas ainda mais rápidas e frete grátis para cliente Prime. Essa expansão permite entregas a partir de dois dias a mais de 600 cidades para produtos com selo Prime”, completa Rafael Ferreira, líder do programa FBA – Logística da Amazon.

Com o novo centro de distribuição em Cajamar, a Amazon está criando mais de 450 empregos diretamente e centenas indiretamente. Os associados irão selecionar, embalar e enviar os pedidos dos clientes, ajudando a garantir que as pessoas recebam seus itens de maneira rápida e confiável. Esse novo complexo representa cerca de 57 mil metros quadrados de área, o que equivale a uma área de cinco campos de futebol.

Criando empregos indiretos com os parceiros do programa FBA – Entenda o programa

O programa FBA é um programa de logística que cria oportunidades para toda uma rede de parceiros de negócios que podem contar com a experiência da Amazon para armazenar e intermediar a entrega de seus produtos. Além dos empregos diretos, os Centros de Atendimento também criam empregos indiretos por meio do programa FBA. Os parceiros de negócios do FBA recebem o selo Prime em seus produtos, agilizando o envio para clientes em todo o País e, no caso de clientes Prime, com entregas gratuitas.

O FBA está à disposição dos parceiros de negócio localizados no Estado de São Paulo que operam sob o regime do Simples Nacional. O programa atende ao parceiro de negócios, que envia seus produtos para um centro de distribuição da Amazon. Ao se inscrever, a logística, empacotamento e entrega ao cliente final ficam sob os cuidados da Amazon e da transportadora parceira da Amazon.

No FBA, o serviço pós-venda também será fornecido pela Amazon, 24 horas por dia, sete dias por semana.

Na capital paulista, em seu centro expandido, os produtos estarão disponíveis para entrega no dia seguinte. O benefício é aplicável em itens selecionados nas mais de 30 categorias de produtos comercializados pela Amazon, com frete a partir de R﹩ 12,90 para o cliente.

Para parceiros de negócio localizados no Estado São Paulo e que não estejam sujeitos ao regime tributário do Simples Nacional ou, ainda, parceiros de negócios em qualquer regime tributário localizados nos estados do Sul e Sudeste, além de Pernambuco, Bahia e Distrito Federal, a Amazon oferece o programa FBA Onsite, que também permite o selo Prime e opções de frete rápido e gratuito.

Nesta versão, o parceiro de negócios mantém os produtos em seu próprio armazém, manuseia e empacota os produtos, usando as ferramentas da Amazon para gerenciamento de estoque. A transportadora parceira da Amazon é responsável por recolher os produtos vendidos no armazém do parceiro de negócio e entregá-los em todo o Brasil. A logística de devolução também é feita pela transportadora parceira da Amazon.

Protocolos diante da pandemia

Desde os primeiros dias da pandemia COVID-19, a saúde e o bem-estar dos funcionários da Amazon têm sido uma prioridade. Em todo o mundo, a empresa já implantou mais de 150 mudanças de processos para apoiar suas equipes, como distanciamento social, fornecimento de máscaras e luvas, além de revisão de procedimentos de limpeza e higienização. Desde o início da pandemia, a Amazon Brasil encomendou 1,5 milhão de máscaras faciais, mais de 220.000 lenços higiênicos para as mãos e mais de 50.000 luvas para manter os funcionários seguros. Todos os novos locais incluirão protocolos de segurança contra COVID-19, incluindo soluções permanentes de saúde e segurança. Além disso, recentemente doamos U﹩S 1 milhão para a Comunitas, entidade que coordena uma campanha de arrecadação de fundos em conjunto com o Governo do Estado de São Paulo para viabilizar a fábrica de vacinas do Instituto Butantã. Na Amazon, pretendemos ajudar o Instituto Butantã a arrecadar o valor necessário para viabilizar a fábrica que vai produzir, por ano, 100 milhões de doses de vacinas contra COVID-19 para atender a população.

Indigosoft recebe aporte de dois fundos de investimento

A Indigosoft, fabricante e integradora de plataformas tecnológicas de alta performance focadas em robotização e Inteligência Artificial, anuncia aporte de dois importantes fundos, Bertha Capital e SCALEXOPEN. Os investimentos realizados são do tipo ‘capital semente’ – também chamado de seed money ou seed capital.

O processo de captação foi rápido, tendo iniciado o roadshow em setembro de 2020 e finalizado em março deste ano. A empresa recebeu diversas propostas, porém acabou selecionando a Bertha Capital e SCALEXOPEN pela familiaridade com o mercado de tecnologia.

“Nosso investimento na Indigosoft foi motivado pelo seu modelo de negócios inovador, capacidade de execução, escalabilidade e sua tecnologia proprietária de automação de processos via robotização, que tem enorme capacidade de contribuição na transformação digital de grandes empresas – é um mercado bilionário e em plena expansão no Brasil e no mundo”, conta Arnaldo Faissol, diretor e COO da Bertha Capital.

“Nossa motivação para o investimento deve-se à grande transformação digital que estamos vivendo no mercado atual, em que a maioria dos negócios precisa de automação, inteligência artificial e robotização de processos manuais, para ganhar eficiência e aumento de produtividade”, conta João Alfredo Pimentel, investidordo Fundo SCALEXOPEN.

Segundo a Bertha Capital, que recomendou a Indigosoft, a empresa conta uma equipe empreendedora, que quer mudar o status quo e ajudar as empresas na transformação digital, por meio dos seus propósitos, equipes e esforços.

Este é o início de uma nova era para a Indigosoft. “Estamos muito felizes pelos investimentos captados. A Bertha Capital já é uma Gestora de Fundos experiente, que já ajudou diversas empresas de tecnologia e entende muito do segmento, ao lado da SCALEXOPEN, que faz seu primeiro investimento”, explica Fabrício Martins, que é o sócio fundador e CEO da Indigosoft.

Fundada por Martins em 2015, a Indigosoft cria soluções proprietárias tão disruptivas que acabam se revelando verdadeiras alquimias digitais. O diferencial da organização, que não tem concorrentes, é oferecer processos de automatização fim a fim, que é chamado de BPO Digital, executando a implantação desde o levantamento e redesenho dos processos, passando pelo desenvolvimento da solução e fazendo a sustentação operacional da operação digitalizada.

A empresa apostou em um modelo comercial arrojado, que destaca a remuneração variável do sucesso da implantação do projeto, ao invés das clássicas cobranças do setor por licença, integração, infraestrutura e suporte. “Só podemos fazer isso porque somos fabricantes e integradores de nossas próprias soluções, que nos permitem não ter GAPs tecnológicos, além de termos toda parte de processos (BPM) dentro de casa”, descreve Martins.

A partir dos aportes realizados pela Bertha Capital e SCALEXOPEN, a Indigosoft será capaz de colocar em prática três estratégias distintas. A primeira delas é ampliar o seu portfólio de produtos massificados, focados principalmente no mercado de pequenos estabelecimentos. “Nosso objetivo é desenvolver ofertas exclusivas para pequenas empresas, como chatbots, biometria digital com inteligência artificial, automação de processos fiscais e jurídicos, RPA para a área de boletos e inteligência artificial, a fim de apoiarmos as soluções anti-fraude”, planeja Martins.

Além disso, na segunda estratégia será possível convergir esforços para chegar às venture buildings e criar soluções para startups, que precisam de inteligência artificial e de outras soluções focadas em automação e autosserviço. Já a terceira será reforçar o core business atual, intensificando a presença da Indigosoft em grandes empresas B2B, como corporações financeiras, de saúde e grandes varejistas.

A expectativa da empresa é incrementar ao faturamento, nos próximos dois anos, no mínimo, R$50 milhões por ano. O CEO da Indigosoft acredita que, em no máximo dois anos, será realizada uma nova rodada na startup, dessa vez de Série A, para alcançar novos recursos que promoverão a ampliação do mercado. “Nesta próxima etapa, o objetivo será captar mais de R$100 milhões de recursos para crescimento e aquisições”, finaliza o empreendedor.

Além dos sócios Originais, Fabricio Martins, Daniele Giangiardi e Flaviana Sallowicz, a Bertha Capital e SCALEXOPENsão os únicos acionistas da empresa.

EVINO lança loja online para compras ao vivo com sommelier

Depois de começar a vender vinhos em vending machines em uma parceria com a WeWork e a Adega Compartilhada, a Evino aposta em mais um novo formato de vendas: uma loja online com atendimento ao vivo do sommelier José Augusto Inácio, certificado pela ABS (Associação Brasileira de Sommeliers) e reconhecido pela revista Prazeres da Mesa com o prêmio de excelência em Carta de Vinhos. A loja pode ser acessada por meio de um banner no site da Evino.

O sommelier está disponível para atendimentos de segunda a sexta, das 11h30 às 19h30, e aos sábados, das 9h30 às 12h30. Inácio ajuda os consumidores a encontrarem o vinho ideal, montando seus carrinhos com as indicações de rótulos que combinam com as preferências indicadas, e também responde possíveis dúvidas que os clientes tenham sobre determinado produto ou características. Acessar a loja online é bem simples. Ao abrir o site da Evino, basta o cliente clicar no banner que será automaticamente direcionado para um chat com Inácio – o consumidor poderá se comunicar via texto e o sommelier poderá responder também por texto ou por voz.

“Na Evino, temos dois principais objetivos: democratizar o acesso ao vinho e oferecer sempre a melhor experiência possível aos nossos clientes. Estamos sempre buscando formas de inovar e aproximar o brasileiro desse universo, e a loja online é mais um passo que damos nessa direção”, afirma Ari Gorenstein, co-CEO da Evino.

Ambev abre mais de 300 vagas para trabalhar com Tecnologia e Inovação

O excelente resultado financeiro que a Ambev reportou no primeiro trimestre do ano deixou claro que a tecnologia será a mola propulsora da estratégia de crescimento da companhia. A maior cervejaria do Brasil acelerou o desenvolvimento de novos serviços digitais e se aproximou ainda mais de seus clientes e consumidores. Os aplicativos Zé Delivery, que entrega cerveja gelada em até 30 minutos, e o BEES, um marketplace lançado para facilitar e desenvolver o micro, pequeno e médio varejista do Brasil, são apenas dois exemplos dessa trajetória de sucesso.

Para continuar impulsionando a sua transformação tecnológica, a Ambev abriu mais de 300 vagas para profissionais de tecnologia, que irão compor a Ambev Tech, hub de tecnologia criado pela empresa para criar e desenvolver soluções tecnológicas inovadoras para todo o processo produtivo da companhia. O processo seletivo é 100% online e os interessados devem se inscrever no site da empresa (http://ambevtech.gupy.io/). Vagas e áreas disponíveis:

Desenvolvimento de software: 130
Arquitetura de software: 24
Dados & Analytics: 25
Produto / Negócio: 27
Infraestrutura: 30
Design: 17
QA: 15
Agilidade: 10
DevOps: 9
Gestão: 21

A Ambev Tech possui escritórios em Blumenau-SC, Maringá-PR, Jaguariúna-SP, Campinas-SP e na cidade de São Paulo, porém, profissionais de todo o Brasil podem concorrer às vagas, dado que o trabalho poderá ser realizado de maneira remota, presencial ou híbrido. Essa definição será feita ao longo do processo seletivo e nas entrevistas, mas no momento todos os profissionais estão trabalhando de maneira remota.

“Já temos mais de 1600 talentos em nosso time de tecnologia, sendo pelo menos 1200 profissionais ligados ao desenvolvimento de plataformas e soluções para toda a Ambev, de fábricas a escritórios”, conta Eduardo Horai, CTO da Ambev. “Estamos passando por um momento de transformação profunda e abrangente na Ambev, que passa pela nossa estrutura, portfólio, comportamentos, forma como nos relacionamos com a sociedade e, também, a maneira de fazer negócios. E a tecnologia é uma peça fundamental nessa transformação”, ressalta.

Grupo Movile tem vagas de nível sênior abertas para trabalho remoto

O Grupo Movile, ecossistema de tecnologia líder na América Latina, passou por uma expansão das posições em nível sênior em suas empresas investidas. O ecossistema contratou cerca de 100 profissionais para vagas seniores (Gerência, Head, Diretoria e C-level) desde janeiro de 2020, e reforça que isso seguirá acontecendo para que consigam seniorizar seus times e seguir crescendo exponencialmente. Com as novas 27 vagas abertas para posições de gerência e alta liderança, há oportunidades nas empresas Movile, MovilePay, Sympla, Zoop, PlayKids, Afterverse, iFood, e Mensajeros Urbanos, e profissionais de todas as regiões do Brasil e também em países da América Latina podem se candidatar.

Dentre as vagas oferecidas, há posições para gerentes, coordenadores(as) e também algumas em nível de Diretoria e para C-Level. Além de posições em tecnologia, que é um grande foco de atuação das empresas do Grupo, há também oportunidades para profissionais que atuam em áreas como vendas, marketing, recursos humanos, estratégia, finanças e outras. Todas elas são para home office por tempo indeterminado e grande parte das vagas terá a possibilidade de trabalho remoto definitivo.

“Por muito tempo concentramos nossos esforços em recrutar e encantar profissionais que estão no começo da carreira, com iniciativas como o Mobile Dream, nosso processo seletivo para jovens talentos. Isso continuará acontecendo pois acreditamos muito em formar talentos dentro de casa. Mas em um movimento paralelo estamos expandindo nossos times e trazendo pessoas cada vez mais seniores, buscando novos profissionais com competência e paixão pelo que fazem para liderar equipes e projetos. Aqui em nosso ambiente essas pessoas terão muito espaço e autonomia, lidarão com desafios extremamente complexos e com empresas que crescem de maneira exponencial”, destaca Luciana Carvalho, VP de Gente e Gestão da Movile.

Silvia Motta, Diretora de Estratégia e M&A da Movile, é uma das 20 profissionais contratadas nos últimos três meses. Ela tem ampla experiência em finanças corporativas e estratégia e, antes de entrar na companhia, esteve na The Coca-Cola Company, onde foi responsável pela estratégia da empresa no Brasil. “A possibilidade de desenvolver meu conhecimento em investimentos e de aprender mais sobre o mercado de tecnologia, que muda tão rapidamente, foram os principais motivos que me levaram a entrar na Movile. Além disso, me identifiquei muito com a cultura da empresa, que valoriza as pessoas, e também nos oferece grandes desafios para chegarmos nos melhores resultados”, comenta.

Os benefícios de um ecossistema para alavancar a carreira

O ambiente de inovação do Grupo, proporcionado pelas nove empresas em diferentes níveis de maturidade e com atuação em variados segmentos, contribui para uma visão de ecossistema, em que os profissionais são incentivados a manter a troca de experiências e o aprendizado constante. O Grupo Movile tem trabalhado para que, mesmo em meio à pandemia, todas as pessoas continuem vivenciando a cultura diariamente.

É essa cultura que permite que o ecossistema ofereça, além da contratação convencional de profissionais em nível sênior, um modelo de contratação também voltado para inovação: o “executive in residence”. Essa forma de contratação, bastante popular nas empresas do Vale do Silício, permite que a pessoa entre no Grupo sem um cargo vinculado a uma empresa específica do ecossistema, mas para liderar projetos de grande potencial voltados para inovação e crescimento, que são definidos de acordo com a área de interesse de atuação e desenvolvimento do profissional após a entrada no Grupo. Assim, o(a) profissional consegue desenvolver sua carreira e tem maior autonomia para ocupar posições em diferentes empresas do Grupo Movile ao longo do tempo de trabalho.

No ecossistema, as licenças também são um diferencial. A licença maternidade conta com um período pré-licença de 2 semanas e retorno gradativo ao trabalho. A licença paternidade é estendida, com um retorno que também respeita o tempo de cada pai. O benefício se estende igualmente para casos de adoção e a casais homoafetivos.

Cada vaga tem seus requisitos específicos, de acordo com a posição, que podem ser consultados no site. Não há uma data limite para a candidatura. Além da remuneração compatível com o mercado e de todos os benefícios do Grupo Movile, a empresa oferece apoio no desenvolvimento de carreira. Todos os profissionais em cargos seniores têm a possibilidade de fazer cursos e viagens internacionais (quando acabarem as restrições da pandemia) de aprofundamento em temas importantes para a atuação de líderes e gestores(as).

Desde janeiro de 2020, o Grupo Movile contratou cerca de 100 pessoas para cargos de nível sênior, como gerente, head, diretor(a) e C-Level. A seniorização de posições no Grupo é uma tendência que se mantém em 2021 e acompanha o crescimento acelerado do ecossistema, que continua investindo em negócios de tecnologia na América Latina e no Brasil. “Apenas nos últimos três meses, fizemos a contratação de mais de 20 executivos(as), de diretoria à C-Level, para empresas do Grupo. Com o crescimento, já atingimos mais de 5 mil colaboradores, mas seguimos em busca de líderes que não tenham medo de desafios”, completa Luciana. As vagas podem ser encontradas no site: http://www.movile.com.br/carreiras .

Inteligência Artificial terá impacto positivo na competitividade da indústria, aponta pesquisa

Uma pesquisa realizada pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) revelou que 76% das empresas brasileiras, participantes do levantamento, acreditam que a Inteligência Artificial terá alto impacto na competitividade de seus negócios. Este dado integra a Pesquisa de Percepções do Empresariado sobre a Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Inteligência Artificial, realizada com 164 empresas de diferentes portes e segmentos.

O estudo faz parte das ações da Rede MCTI/EMBRAPII de Inovação em Inteligência Artificial (IA), lançada no final do ano passado, com o objetivo de difundir a tecnologia ampliando o apoio financeiro com recursos não reembolsáveis da EMBRAPII, bem como colocando à disposição do setor empresarial pesquisadores e centros de pesquisas que integram as chamadas Unidades EMBRAPII. Atualmente, a rede tem disponível R$ 70 milhões não reembolsáveis disponíveis à indústria para inovar.

A maior parte das empresas que responderam ao questionamento faz parte da indústria de transformação – entregam novos produtos ao consumidor – e de Tecnologia da Informação e Comunicação. O estudo, coletado em fevereiro, traça as necessidades das empresas para que possam ser entregues soluções para tornar o setor industrial mais inovador.

Quando perguntado se a empresa já utiliza algum sistema ou ferramenta com IA, 24,7% responderam que não. Entretanto, 94,5% consideram a possibilidade de fazer projetos de P&D, em parceria com centros de pesquisa da Rede MCTI-EMBRAPII de Inovação em IA. Ou seja, gostariam de ter acesso a infraestrutura e aos recursos financeiros não reembolsáveis, que podem chegar a até 50%.

As áreas de aplicação que as empresas desejam atuar para aumentar a competitividade são diversas e muitas estão, tecnicamente, empatadas: manufatura preditiva, que faz diagnóstico, monitoramento e detecção falhas no processo produtivo (13,4%); soluções de análises de imagens (13,2%) e sistema em tempo real (12,5%), sistemas de manufatura (12,3%) e Internet de Tudo (10,2%).

Projetos de inovações nessas principais áreas citadas serviriam para ajudar a suprir as grandes necessidades para melhoria de processos, como indicado na pesquisa: apoio à tomada de decisão com base em histórico e bases de dados (19,9%), Automação personalizada de produtos, processos ou serviços (19,2%) e Reconhecimento de padrões a partir de dados (17,9%).

“Com a pesquisa, ficou claro o quão importante será a Rede MCTI/EMBRAPII de Inovação em Inteligência Artificial às empresas, para que elas possam aumentar a competitividade no mercado nacional e internacional a partir das tecnologias de IA”, afirma Jorge Almeida Guimarães, diretor-presidente da EMBRAPII. “A Rede vai atrair muito mais interesse daquelas empresas que ainda não perceberam as perspectivas enormes desta fantástica tecnologia que é a Inteligência Artificial”, reforça.

Capacitação para crescer a inovação

Todas as empresas acreditam ser importante o desenvolvimento de ações de capacitação em IA para os colaboradores da empresa, 26% das empresas indicaram dar prioridade à formação da área técnica, voltada para trabalhadores da empresa com foco na resolução de problemas e 23% focam a capacitação dos profissionais da área negocial, que atuam em questões estratégicas e práticas de IA

A proposta é criar consórcios de empresas e diversas Unidades EMBRAPII em projetos em uma fase de amadurecimento ainda embrionário, cobrindo esforços de P&D que vão da pesquisa básica até apenas no início da prototipagem. O conhecimento gerado em cooperação pode ser aplicado nas empresas de acordo com sua estratégia empresarial. Exemplo de um potencial projeto seria o desenvolvimento de chatbot em português, programas de interação com usuário. Hoje, a tecnologia é prioritariamente e em inglês, o que diminui sua ação na ação nacional.

A EMBRAPII já apoiou mais de 174 empresas com o desenvolvimento de projetos que superam a marca de 193 novas ideias que utilizam a Inteligência Artificial, que somam R$ 213 milhões em investimento e renderam 87 pedidos de Propriedade Intelectual. São soluções para agro, saúde, manufatura 4.0, entre outros setores, que somam quase R$ 200 milhões em investimentos.

Fundo Abaporu investe em escola de tecnologia

Em 2017, nascia a Hospital Care, encabeçada por Rogério Melzi com aportes de Elie Horn, da Cyrela, por meio de seu fundo Abaporu. Agora, quatro anos depois, o fundo anuncia nova atuação: o ingresso no ramo da educação. Com objetivo de capacitar profissionais de tecnologia, a edutech leva o nome de ITuring, uma homenagem a Alan Turing, considerado o pai da computação.

“Vamos formar 1 milhão de pessoas em tecnologia em 10 anos”, conta Carlos Souza, CEO do ITuring.

Souza foi eleito pelos gestores do fundo para dar sequência à missão de transformar o Brasil em um polo mundial de talentos em tecnologia. A intenção é ser referência em Instituição de Ensino, tornando-se um dos principais ativos educacionais brasileiros.

O profissional já tem expertise na área, em 2012 fundou o Veduca, e, mais recentemente, entre os anos de 2016 e 2019, encabeçou no país a operação da americana Udacity (Universidade do Vale do Silício), fundada por Sebastian Thrun, considerado o “pai” dos carros autônomos.

“A saída da Udacity do Brasil deixou um espaço grande no mercado. Vamos dar sequência num projeto de capacitação na área de tecnologia junto à indústria com intenção de oferecer os melhores cursos do mercado”, analisa Souza.

O lançamento da edutech acontece ainda no primeiro semestre deste ano, com dois cursos que estão sendo formatados e serão anunciados em breve. Serão destinados às pessoas que queiram avançar na carreira, aperfeiçoando seus conhecimentos na tecnologia de ponta. Em 2022, a edutech lançará uma Faculdade de Tecnologia, com reconhecimento do MEC.

A área está aquecida, já que o setor de tecnologia foi um dos grandes destaques de contratações ao longo de 2020, também por conta da pandemia. Segundo a GeekHunter, empresa de recrutamento especializada na contratação de profissionais de tecnologia, no ano passado, o número de vagas abertas nesta área cresceu 310%.

Além da família Horn, com Elie e Efraim, o board conta com pessoas ligadas à área da educação como Rogério Melzi (ex-Estácio) e o Professor Ronaldo Mota, membro da Academia Brasileira de Educação com forte atuação nas áreas de Novas Tecnologias e Metodologias Inovadoras no segmento. Além deles, completa o quadro Youssef Mourad, CEO da Digital Pages.

CNI e associações setoriais da indústria lançam manifesto em favor de uma reforma tributária ampla

Em manifesto divulgado nesta quinta-feira (13/05), a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e 35 associações setoriais defendem a realização de uma reforma tributária ampla, que inclua tributos dos três entes da Federação: União, Estados e Municípios. Para as entidades, só assim será possível que o Brasil tenha um crescimento maior e alcance maior nível de desenvolvimento econômico e social.

“A avaliação da Reforma Tributária deve ser feita com base nos ganhos a serem obtidos pelo país como um todo, sem se limitar a uma visão parcial dos efeitos sobre determinados setores ou entes da federação. O foco sempre deve ser o melhor para o Brasil”, afirma o Manifesto.

O Manifesto cita estudos de profissionais renomados, que fazem parte de instituições como o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a LCA Consultores e a Fundação Getúlio Vargas (FGV), os quais indicam que a reforma tributária ampla tem capacidade de aumentar em até 20% o ritmo de crescimento do PIB brasileiro nos próximos 15 anos. “Essa aceleração do crescimento ocorrerá como resultado dos ganhos de competividade da produção nacional em relação aos competidores externos e da melhor alocação dos recursos produtivos”, explica o texto.

Foco na competitividade das empresas e do país
Para as entidades signatárias do Manifesto, a Reforma Tributária deve colocar foco na competitividade das empresas e do país. Por isso, elas defendem a aprovação de uma Reforma Tributária na linha do relatório apresentado na Comissão Mista do Congresso Nacional, com a criação de um Imposto sobre Valor Adicionado (IVA), de alcance nacional, em substituição ao ICMS, ISS, IPI e PIS/Cofins. Ou seja, uma Reforma que contemple tributos federais, estaduais e municipais.

“Com a adoção de um IVA moderno, o Brasil se aproximará das melhores práticas internacionais de tributação, tornando o nosso sistema mais simples e eficiente, com foco na promoção da competitividade da economia brasileira”, justificam as entidades.

Transparência e menos tributos para os mais pobres
O documento cita também estudo do IPEA, segundo o qual, no novo sistema de cobrança de impostos, a pressão dos tributos ficará menor para o cidadão de menor renda, contribuindo para a diminuição das desigualdades sociais. Além disso, a garantia de transparência permitirá a cada cidadão saber exatamente quanto está pagando de tributos sobre o que consome.
“Se a economia do Brasil ganha, ganham todos: população e empresas de todos os setores, com mais demanda, mais produção, mais empregos e mais renda para a população”, afirma o presidente da Confederação Nacional da Indústria, Robson Braga de Andrade. “Com isso, também ganham todos os entes federativos (União, Estados e Municípios), com arrecadação maior”, acrescente.

O peso do “Custo Brasil”
Segundo Robson Andrade, a indústria defende uma reforma tributária ampla, nos moldes da proposta apresentada no âmbito da Comissão Mista do Congresso Nacional, para que o Brasil tenha uma tributação eficiente, transparente e simples. “A aguda crise econômica e social decorrente da pandemia evidenciou as deficiências que já existiam no Brasil e mostrou a necessidade da realização de reformas estruturantes. É fundamental melhorar o ambiente de negócios do país e isso só será possível com a realização de uma reforma tributária ampla”, afirma.
Ele cita estudo realizado pelo Ministério da Economia, em parceria com o Movimento Brasil Competitivo (MBC), com apoio da CNI e de associações setoriais da Indústria, segundo o qual o chamado “Custo Brasil” consome R$ 1,5 trilhão das empresas brasileiras anualmente, em sua maior parte devido ao cipoal tributário. “Isso reduz a produtividade e a competitividade do setor produtivo”, afirma o presidente da CNI, lembrando que a indústria brasileira representa 20,4% do PIB, paga 33% dos impostos federais e 41% dos impostos estaduais.
Ainda de acordo com Robson Andrade, se não for realizada uma reforma tributária ampla, os investimentos não virão e o Brasil vai continuar com o índice de crescimento pífio ocorrido na última década. “Precisamos ter o sentido da urgência e atacar de frente esse problema. Só assim será possível aumentar investimentos, elevar o crescimento da economia, reduzir o desemprego e atingir um patamar de desenvolvimento econômico e social consistente e sustentado”, conclui.

O manifesto – intitulado “Pela Reforma Tributária Ampla, por mais crescimento econômico e melhor qualidade de vida para os brasileiros” – é assinado pela CNI e pelas seguintes associações setoriais da Indústria: ABAL, ABCP, ABFA, ABICALÇADOS, ABIFA, ABIFINA, ABIGRAF, ABIHPEC, ABIMAPI, ABIMAQ, ABIMETAL, ABIMO, ABINEE, ABIÓPTICA, ABIPLAST, ABIQUIM, ABIROCHAS, ABIT, ABRAMAT, ABREGEL, ABRINQ, AÇOBRASIL, AEB, ANFACER, ANICER, ANUT, ASSINTECAL, CBIC, CERVBRASIL, CICB, GRUPO FARMABRASIL, INSTITUTO AÇO BRASIL, IBÁ, INTERFARMA, PRÓGENÉRICOS e SNIC.
 Acesse aqui a íntegra do manifesto “Pela Reforma Tributária Ampla, por mais crescimento econômico e melhor qualidade de vida para os brasileiros”

Grendene avança em comércio eletrônico e passa a operar o e-commerce de todas as suas marcas

Em continuidadeao processo de transformação digital iniciado em 2019, a Grendene concluiu, este ano, a migração do e-commerce de todas as suas marcas para plataformas proprietárias. Em função da pandemia, a estratégia adotada pela empresa foi acelerar esse movimento para se tornar mais competitiva e atender as mudanças de comportamento dos consumidores.

Com o aumento da demanda em ambiente on-line, a Grendene também ampliou a sua equipe dedicada ao digital commerce , que hoje conta com 70 colaboradores. Segundo o diretor de Relações com Investidores da companhia, Alceu Demartini de Albuquerque, a ideia é que esse time cresça ainda mais nos próximos meses. “Estamos em um processo contínuo de investimentos em recursos digitais e da disseminação dessa cultura na Grendene. Já observamos uma mudança na mentalidade das nossas equipes e buscaremos esse perfil em nossos futuros funcionários”, sinaliza.

Com o objetivo de proporcionar uma experiência única aos seus clientes, a empresa inaugurou, em Fortaleza (CE), um segundo centro de distribuição exclusivo para as vendas on-line, complementar ao primeiro localizado em Sobral (CE). Juntos, os dois centros ocupam uma área de mais de 1,8 mil m² e possuem uma capacidade de armazenamento de 175 mil pares de calçados.

Todos esses investimentos em novos canais já vêm contribuindo para os resultados positivos da companhia. Mesmo em um período desafiador por conta da pandemia, no balanço financeiro do primeiro trimestre deste ano, a Grendene registrou lucro líquido de R$ 129,2 milhões. “Ao considerar apenas o desempenho das lojas que já haviam migrado a sua operação de e-commerce para plataformas proprietárias no fechamento do quarto trimestre de 2020, o crescimento apresentado nas vendas on-line foi superior a 350% em 2021 comparado ao mesmo período do ano passado. A marca Ipanema, por exemplo, cresceu mais de 900%, considerando o primeiro trimestre de 2021 comparado ao primeiro trimestre de 2020”, analisa o diretor de RI.

Em suas cinco décadas de atuação no mercado, a Grendene se consolidou como uma empresa tradicional, mas que sempre foi inovadora e protagonista no setor calçadista. Seguindo essa linha, a próxima etapa na evolução da Grendene em ambiente digital será a inserção de seus produtos nos marketplaces existentes no mercado. “Com essas parcerias, buscamos incrementar nossas vendas, fortalecer nossas marcas e ampliar o fluxo de clientes para as nossas lojas on-line”, antecipa Albuquerque.

Veja como declarar movimentação de criptoativos no Imposto de Renda

Com as altas dos valores dos criptoativos em 2020 (que tem como principal nome as Bitcoins) muitos brasileiros passaram a aplicar seu dinheiro nesse produto financeiro. Agora, com a chegada do período da entrega Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2021 é fundamental declarar os valores investidos nessa linha.

“Um dos principais cruzamentos que a Receita Federal faz em relação ao imposto de renda é com a Declaração de Criptoativos. Neste ano foi criado um novo campo para declaração desses valores na declaração, mostrando que terá uma maior atenção sobre esse ponto”, explica o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos.

Richard se referem ao estabelecido de um código específico sobre o tema na Ficha de Bens e Direitos para declarar os valores movimentados nesse modelo de produto financeiro, sendo eles:

• 81 – Criptoativo Bitcoin – BTC

• 82 – Outros criptoativos, do tipo moeda digital (conhecido como altcoins entre elas Ether (ETH), XRP (Ripple), Bitcoin Cash (BCH), Tether (USDT), Chainlink (LINK), Litecoin (LTC)

• 89- Demais criptoativos = Criptoativos não considerados criptomoedas (payment tokens), mas classificados como security tokens ou utillity tokens;

Mas, o diretor executivo da Confirp alerta que por mais que deva constar na Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física, o contribuinte já deveria ter feito uma ação anterior, com envio da Declaração de Criptoativos. “A movimentação de criptoativos devem ser declarados mensalmente quando ultrapassar o montante das operações de R﹩ 30 mil mensais”, alerta.

Dentre as informações de interesse, serão informadas: data da operação, tipo de operação, titulares da operação, criptoativos usados na operação, quantidade de criptoativos negociados, valor da operação em reais e valor das taxas de serviços cobradas para a execução da operação, em reais, quando houver.

As informações deverão ser transmitidas à RFB mensalmente (desde a competência agosto de 2019) até último dia útil do mês-calendário subsequente àquele em que ocorreu o conjunto de operações realizadas com criptoativos (informações contendo detalhes das operações) acima do limite estabelecido, ou do mês de janeiro do ano-calendário subsequente (saldos anuais) pela Exchange quando situada no Brasil;

Ponto importante segundo Richard Domingos é que “haverá aplicação de multas mínimas por mês deixado de entregar a referida declaração pela pessoa físicas será de R﹩ 100,00 ou 1,5% dos valores inexatos, incorretos ou omitidos deixados de ser informados à RFB”.

Estarão sujeitos às regras de ganho de capital os ganhos mensais auferidos nas vendas de criptomoedas, cabendo inclusive o limite de isenção para vendas de bens de pequeno valor assim considerada pela Receita Federal para alienações de até R﹩ 35.000,00.

Locaweb fecha o melhor trimestre da história da companhia

A Locaweb (LWSA3), uma das empresas pioneiras em soluções B2B para transformação digital de negócios no Brasil, comunicou hoje à CVM – Comissão de Valores Mobiliários – os resultados financeiros para o 1º trimestre de 2021, demonstrando o melhor desempenho de toda a história da companhia.

A empresa acredita que tal fato ocorreu graças ao intenso trabalho que vem realizando, que a torna o maior ecossistema do Brasil de soluções digitais e de e-commerce, especialmente para PME’s. Além disso, o mercado reconheceu que os consistentes resultados e os diversos recordes que a empresa vem quebrando desde a abertura do capital, independente do contexto econômico, são fatores fundamentais para o bom desempenho. A maior prova disso está na valorização das ações, que já ultrapassa 448% desde fevereiro de 2020, quando entrou na B3.

“A Locaweb se planejou para suportar a transformação digital das empresas e hoje o mercado reconhece que somos a melhor opção para isso. Continuamos empenhados em lançar produtos e fazer aquisições extremamente transformacionais e todos esses esforços refletiram no melhor resultado de trimestre da história da companhia.” afirma Fernando Cirne, CEO da Locaweb.

E os bons resultados não param por aqui:

– No Commerce, a Receita com Assinaturas cresceu 154,9% em relação ao 1T20. Já a receita proveniente do Ecossistema cresceu 209,7% em relação ao 1T20;

– No 1T21, o EBITDA Ajustado de Commerce cresceu 85,6% vs 1T20, totalizando R$17,5 milhões, o que já representa aproximadamente 50% do EBITDA consolidado do grupo;

– O TPV do Commerce cresceu 129,9% no 1T21 vs 1T20, atingindo R$565,3 milhões;

– O EBITDA Ajustado foi de R$36,6 milhões no 1T21, que representa um crescimento de 44,8% vs 1T20;
– As empresas adquiridas já representam um ARR (Faturamento Recorrente Anual) contratado de R$172 milhões, sendo R$112 milhões até março e R$60 milhões da provenientes da Bling;

– Posição de Caixa Líquido² de R$2.292,0 milhões. Ex IFRS 16, a Posição de Caixa Líquido é de R$2.366,5 milhões;

– Organicamente, o segmento de Commerce apresentou expansão de rentabilidade na comparação com o 1T20, atingindo 42,5% de margem EBITDA Ajustada. Já a margem EBITDA Ajustada orgânica do grupo foi de 28% (expansão na comparação com o 1T20);

– Intensificação dos esforços de Marketing no segmento de Commerce com manutenção da rentabilidade da operação (base orgânica);

– Construção de completa oferta de Serviços Financeiros (sub-adquirência, recorrência, sistema de gestão e crédito).

A empresa continua avançando de forma consistente e com um processo consolidado de aquisições. Só no primeiro trimestre foram quatro movimentos de M&A incluindo o da Bling, que aguarda aprovação do Cade e que será a maior aquisição da história da Locaweb. Além dessas, conta com um pipeline constantemente renovado com novas oportunidades

“Em abril, tivemos um importante movimento de M&A, envolvendo a assinatura do Contrato de Compra e Venda do Bling, uma plataforma de ERP que reforça nosso ecossistema de soluções com forte sinergia com os clientes de todos os segmentos do grupo, BeOnline, SaaS e Commerce. Com essa aquisição a Locaweb, que já tem o mais completo ecossistema de soluções tecnológicas para micro e pequenas empresas e forte atuação no mercado de e-commerce, deixa o seu portfólio ainda mais robusto e entra no importante e sinérgico mercado de sistemas de gestão”, comenta Rafael Chamas, CFO da Locaweb.

Graças ao bem estruturado processo de integração, as novas adquiridas já vem apresentando excelentes resultados. Para destacar alguns exemplos, o Melhor Envio que cresceu mais de 400% no número de etiquetas emitidas, já está integrado com a Yapay como meio de pagamento de envios. Com isso, os lojistas podem usar não só o cartão de crédito para pagamentos, como também o próprio saldo em carteira de suas vendas na Yapay, para gerar seus fretes. Também temos a Etus, já totalmente integrada nos fluxos de vendas e painéis de controle do BeOnline e SaaS. Além desses dois, vários outros exemplos estão mais detalhados no material disponível em ri.locaweb.com.br

Seguindo a tendência de aceleração da transformação digital e crescimento do e-commerce, e como antecipado nos resultados do 4T20, a companhia teve forte movimentação em adição de novas lojas, com expansão de 44,4% em comparação com o 4T20. Apenas em março, a média diária histórica de adição de novas lojas foi de +67,8% comparado à mesma métrica do 4T20.

Ao longo dos últimos anos, e especialmente a partir da metade final de 2020, a Tray vem apresentando crescimento consolidado em sua base de clientes, tornando-se mais escalável e previsível, por meio de uma estratégia que acompanha o cliente em toda sua jornada de compra – desde o início, quando ainda está na etapa de aprendizado e descoberta, até o momento da decisão.

“Nas etapas iniciais, conseguimos acompanhar o cliente por meio da Escola de E-commerce, nosso portal de conteúdos para PMEs. Conforme o cliente evolui em sua jornada de descoberta e aprendizado, começamos a apresentar a Tray e todo o seu ecossistema, fazendo com que tenhamos um custo de aquisição de clientes mais baixo, deixando nossa inteligência de vendas previsível e escalável”, explica Willians Marques, diretor geral de Commerce. “Além disso, seguimos ampliando nosso ecossistema de Commerce, que já conta com mais de 427 integrações, bem como a qualidade da nossa plataforma, que contribuiu para o consistente aumento de vendas dos nossos clientes”, completa ele.

Além disso, observando o segmento de BeOnline e SaaS, o volume de vendas para PMEs também permanece acelerado. No 1T21, as vendas apresentaram crescimento de 23,1% vs 1T20. Delivery Direto, por exemplo, continua apresentando crescimento na entrada de novos clientes e a base já é 150% maior do que em 2019, quando foi adquirida pela Locaweb.

Por fim, em maio a Companhia passou a compor o Índice Bovespa, principal índice na B3, composto pelas ações com o maior volume negociado nos últimos 12 meses. As ações da Locaweb ingressaram na posição 49 dentre 84 ações listadas, integrando o índice com participação de 0,557%, à frente de empresas tradicionais que também estão no índice.

Conexo, Semente Negócios e Sebrae RS buscam startups do Rio Grande do Sul para acelerar

Com o objetivo de acelerar o desenvolvimento e go-to-market de soluções inovadoras criadas por startups e pequenas empresas do Rio Grande do Sul, a Conexo, hub de inovação das Empresas Randon, e a Semente Negócios, empresa de aprendizagem empreendedora, irão promover um programa de aceleração focado em startups em estágio inicial. O Startup Creator selecionará 15 projetos, que terão parte do valor investido para a participação subsidiado pelo Sebrae RS, e acontecerá de junho a dezembro.

O programa espera capacitar empreendedores por meio de workshops, consultorias, mentorias técnicas com especialistas e executivos da Randon e participação em eventos de pitch para investidores em busca de viabilizar o desenvolvimento de startups para o mercado. Durante o Startup Creator, o negócio passará por dois ciclos, composto por seis etapas, onde será possível realizar o planejamento de MVP, desenvolver a solução, elaborar a estratégia de lançamento, executar a prova de conceito e elaborar a estratégia de go-to-marketing.

Além disso, as Startups trabalharão junto com equipes selecionadas no intraempreendedorismo da Randon, fomentando a troca de experiências e acelerando o aprendizado, e também outras 14 horas consultorias com especialistas da Semente. Ao final, um pitch será apresentado para uma banca de investidores.

“Esta iniciativa será uma oportunidade ímpar para empresas com soluções tecnológicas, que poderão transformar diversos setores. Estamos muito otimistas com esse projeto e temos a certeza que essa trilha implicará em um desenvolvimento muito positivo aos negócios participantes”, comenta Fernanda Cardoso Setti, da Semente Negócios.

Para participar, os projetos, que podem ser de qualquer segmento, devem estar em estágio inicial (ou seja, ter um público-alvo bem definido, conhecimento sobre o mercado, um modelo de negócio aparentemente viável com hipóteses claras para testar e um canal aberto com um número significativo de pessoas que se importam com o problema e buscam por uma solução) e possuir CNPJ registrado no Rio Grande do Sul. As inscrições devem ser realizadas até dia 15 de maio, no link.

Programa de aceleração Startup Creator:
– 16 horas de treinamentos
– 6 horas de Peer Group Meetings
– 14 horas de consultoria individual Semente
– 7 horas de mentoria técnica individual da Randon
– 2 horas de mentoria técnica coletiva da Randon
– Pitchday final com banca de investidores, inclusive Randon Ventures
Data para inscrição: até 15/05/2021
Período do programa: junho a dezembro
Público-alvo: Startups do Rio Grande do Sul em fase de validação do modelo de negócio
Link de inscrição: http://digital.randon.com.br/startup_creator

Divibank anuncia aporte de R﹩ 20 milhões liderado pela Better Tomorrow Ventures

 A Divibank , fintech que está democratizando o acesso a capital para PMEs e startups que anunciam no mundo online, por meio do financiamento de campanhas de marketing digital, no Google, Facebook, TikTok, etc, anuncia aporte de US﹩3,6 milhões (R﹩20 milhões), liderado pelo fundo Better Tomorrow Ventures (BTV). O investimento contou ainda com a participação da Village Global, fundo que conta com investidores como Bill Gates, Jeff Bezos e Mark Zuckerberg, e teve a participação da MAYA Capital, Clocktower Ventures, Magma Partners, Gilgamesh Ventures, Rally Cap Ventures, Alumni Ventures Group, Sebastian Mejia (fundador e presidente da Rappi), Tayo Oviosu (fundador e CEO da Paga, que participou via Kairos Angels), Karim Atiyeh (fundador e CTO da Ramp), e Josh Abramowitz e Daniel Simon (fundadores da Bread).

A injeção de recursos irá acelerar a criação de novos produtos pela Divibank e aumentar a contratação de talentos para a equipe, além de propiciar o desenvolvimento de um software que agregará valor para seus clientes, pois irá ajudá-los a gerenciar melhor suas campanhas de anúncios digitais e otimizar os retornos de investimento. A empresa também está trabalhando em produtos financeiros adicionais, visando o e-commerce e mercados de SaaS na América Latina, com ofertas de financiamento de estoque e securitização de receita recorrente.

“Estamos entusiasmados por ter parceiros tão excelentes se juntando a nós nesta jornada. Nossos novos parceiros vêm com muita experiência e já agregaram muito valor. Usaremos os recursos dessa rodada para dimensionar nossa estratégia de go-to-market, continuar aprimorando nosso modelo de crédito e facilitar a vida de nossos clientes com investimentos em tecnologia”, afirma Jaime Taboada, cofundador da Divibank, ao lado de Rebecca Fischer. A fintech trabalha com um modelo de revenue sharing, em que recebe uma porcentagem da receita futura como forma de pagamento. Assim, um número crescente de empreendedores não precisam penhorar bens, se afogar em dívidas em cartões de crédito ou ainda abrir mão do seu equity para investir no seu marketing e crescimento das suas empresas e startups.

Lançada no começo da pandemia, a Divibank vem crescendo de forma acelerada. Já foram solicitados mais de R﹩ 83 milhões e, apenas nos últimos 3 meses, a empresa cresceu 221% no volume financiado. “Nosso objetivo é ajudar os empreendedores na América Latina, dando-lhes os recursos necessários para o crescimento de seus negócios. Temos planos ambiciosos e estamos ansiosos para expandir nossas ofertas de produtos e serviços. Este investimento mostra que estamos no caminho certo e é um voto de confiança na nossa missão de ajudar as PMEs e startups da região”, ressalta Rebecca Fischer, cofundadora e CPO da Divibank.

“A Better Tomorrow Ventures percebeu que a Divibank era uma empresa verdadeiramente inovadora, além de estar no lugar certo na hora certa, pronta para aproveitar as vantagens do crescimento do e-commerce e dos anúncios digitais. A pandemia apenas acelerou as coisas. Muitas empresas estão começando online, muitas estão migrando do offline para o online, e as startups reconheceram que o venture capital não é a única alternativa que têm para expandir seus negócios. A Divibank atende as necessidades de todos esses clientes”, disse Jake Gibson, sócio-fundador da Better Tomorrow Ventures.

“Estamos construindo a plataforma ideal para empreendedores que buscam expandir seus negócios. A Divibank está mudando a forma como os empreendedores escalam seus empreendimentos online, fornecendo capital rápido, acessível e não dilutivo para startups e PMEs na América Latina. E como parte de nossa proposta de dinheiro inteligente, também estamos oferecendo software de análise de marketing para nossos clientes obterem mais valor do capital que recebem”, explica Taboada. “Sabemos que manter um negócio propõe desafios e esse momento não pode ser mais um deles, por isso, queremos ser vistos como um parceiro, que entende suas necessidades e dores, oferecendo condições facilitadas de parcelamento e taxas competitivas”, completa Rebecca.

Colombiano, Jaime é formado pela Columbia University. Trabalhou na Goldman Sachs, em Nova York, durante cinco anos antes de se mudar para o Brasil. Por aqui, conheceu a brasileira Rebecca Fischer, formada pela Georgetown University, que foi diretora na Kenshoo onde atendeu empresas como Nubank, iFood e Mercado Livre. Juntos, eles criaram a Divibank para democratizar o acesso a capital para startups e PMEs na América Latina. Atualmente, a fintech já atende empresas de e-commerce, educação, SaaS, além de fintechs, insurtechs e agências. “Tivemos o bom problema de escolher os investidores porque a rodada estava oversubscribed e isso também nos mostra que estamos no caminho certo para não só ajudar as startups que estão crescendo, mas também auxiliar na retomada econômica daquelas PMEs que foram afetadas pela pandemia”, afirma Jaime.

O aporte reforça a confiança de investidores internacionais na capacidade de inovação e crescimento da empresa no mercado brasileiro e latino-americano. “Jaime e Rebecca continuam a executar em um ritmo incrivelmente rápido. Estamos próximos da Divibank desde o início, pois o Jaime era um EiR (Empreendedor Residente) na MAYA. Nós vimos os dois navegarem pelo início das operações, em março de 2020, logo no início da pandemia. Eles são uma dupla formidável, construindo uma equipe e organização de classe mundial em um mercado em rápida expansão”, comentou Lara Lemann, cofundadora e sócia da MAYA Capital, que liderou o investimento do fundo na rodada de Seed.

“A Divibank foi nosso primeiro investimento seed na América Latina feito com nosso primeiro fundo focado na região. Ficamos impressionados com o que eles realizaram em apenas 12 meses. Eles conseguiram desenvolver um negócio de empréstimo com uma estrutura enxuta enquanto testavam várias estratégias de crescimento ao longo do caminho”, conta Adriana Saman, da Clocktower Ventures.

As empresas interessadas fazem um cadastro no site da Divibank que analisa entre outros pontos a performance histórica das campanhas de marketing e entende melhor a necessidade do crédito. Tendo a aprovação, o depósito é feito diretamente nas contas de ads do cliente. Como a contratação do crédito é mensal (normalmente), no final do mês a empresa pode enviar o plano de mídia do mês seguinte para a Divibank realizar uma nova operação de crédito. Além disso, a Divibank oferece ainda uma proposta de smart money. A fintech está desenvolvendo software para oferecer insights acionáveis e ajuda no amadurecimento e eficiência das campanhas de marketing digital, mas não atua como agência, nem opera campanhas.

Metade do investimento em mídia online da América Latina se concentrou no Brasil em 2019. Representando mais da metade do faturamento de Google e Facebook no País, as startups e PMEs têm livre acesso a essas plataformas e muitas delas têm forte dependência desse investimento para sobreviver. Nos EUA, por exemplo, já foi reportado que cerca de 40% do capital proveniente de VCs vai diretamente para Google e Facebook.

Oracle anuncia segunda região de nuvem em São Paulo

Para apoiar a crescente demanda das empresas por serviços em nuvem no Brasil, a Oracle anuncia hoje a segunda região de nuvem, em Vinhedo (São Paulo). Essa iniciativa segue a abertura de São Paulo, em 2019, fazendo com que o Brasil seja o mais novo país a oferecer duas regiões. A abertura marca a 30ª região de nuvem da Oracle no mundo e é parte do plano global da empresa de operar 38 regiões até o final de 2021. Os esforços de transformação digital no país foram acelerados pela pandemia global e a Oracle está trabalhando com organizações para ajudá-las a migrarem para a nuvem com segurança e em conformidade com os regulamentos de soberania de dados.

“Temos a certeza de que, com o nosso plano de expansão de infraestrutura na nuvem, continuamos a apoiar o crescimento das empresas, bem como democratizar o uso da tecnologia em todo o País. Incentivar os negócios dos diversos setores com inovação e, por consequência, gerar impacto positivo na sociedade. Isso faz parte da nossa visão”, afirma Rodrigo Galvão, presidente da Oracle Brasil.

A Oracle continua fazendo investimentos significativos no Brasil a fim de apoiar o rápido crescimento dos clientes e parceiros. O anúncio de hoje vem na sequência da recente expansão da parceria de interoperabilidade de nuvem entre Oracle e Microsoft para ajudar os clientes em comum mundialmente, como a TIM Brasil, que está migrando seus dados de missão crítica para Oracle Cloud e Microsoft Azure. Essa interconectividade significa que as empresas podem agora levar suas cargas de trabalho para as regiões de nuvem da Oracle e Microsoft no país.

A Oracle tem uma estratégia exclusiva de duas regiões de nuvem que permite aos clientes implantarem aplicativos resilientes em diversos locais separados geograficamente para recuperação de desastres e com requisitos de conformidade – sem que dados confidenciais saiam do país. A Oracle é o único grande provedor de nuvem com regiões de nuvem dupla no Brasil, permitindo que as empresas executem suas cargas de trabalho de missão crítica na Oracle Cloud.

A nova região de nuvem fornecerá serviços Oracle Cloud Infrastructure, incluindo Oracle Autonomous Database, Kubernetes, solução Oracle Cloud VMware, Oracle Cloud Infrastructure e Oracle Cloud Applications. Também proporcionará diversos benefícios aos clientes, especialmente os de setores altamente regulamentados com restrições de acesso a servidores fora do território nacional.

A Oracle tem trabalhado para promover a adoção de energia renovável, melhorar a eficiência hídrica e obter certificações ambientais. A Oracle Cloud leva aos clientes a oportunidade de agregar valor aos negócios e reduzir seu impacto ambiental, desde o fornecimento de materiais e energia renovável até recursos de nuvem, como computação flexível, que combina com precisão esses recursos às necessidades de carga de trabalho de forma granular, o que reduz o consumo e os custos.

Benefícios da região de nuvem de Vinhedo para os clientes e parceiros

A Oracle está ajudando empresas de todos os tamanhos e setores a acelerarem a jornada para a nuvem, como TIM Brasil, SKY, Rumo e Sky.One, proporcionando máximo controle e alto nível de segurança de dados. A região de nuvem de Vinhedo terá disponibilidade contínua de até 99,995%, garantindo que não haja interrupções. Além disso, a migração para a região da nuvem de Vinhedo levará às empresas segurança e nos exigentes requisitos de residência de dados, bem como na redução de custos operacionais e modernização de aplicações legadas.

Líder na cobertura 4G e uma das maiores operadoras do País, a TIM Brasil decidiu recentemente fazer a migração de 100% dos seus datacenters em linha com plano estratégico da empresa, que envolve digitalizar todos os processos, inclusive nas plataformas de atendimento e relacionamento.

A empresa firmou contrato com Oracle e Microsoft, que permitirá à empresa aprimorar processos de atendimento ao cliente, operações internas, faturamento, arrecadação e gestão de plataformas digitais com rapidez, escalabilidade e segurança, em um projeto que combina inovação, sustentabilidade e eficiência.

“Nossa proposta é levar a experiência do cliente a um novo patamar, com mais eficiência e agilidade, sempre com os mais altos níveis de segurança. Somos a primeira operadora a promover uma mudança com essa dimensão, antecipando também iniciativas ligadas a governança e sustentabilidade, dentro de um projeto maior, relacionadas a uma agenda ESG que permeia toda a atuação da TIM. Estamos acompanhando o movimento de mercado e investindo em áreas como Analytics e Digital, fundamentais para a expansão dos negócios da empresa, e contamos com parceiros que atendem aos mais altos níveis de qualidade para destacar nosso pioneirismo e referência para o setor de Telecomunicações”, declara Pietro Labriola, CEO da TIM Brasil.

A SKY iniciou seu plano para jornada de transformação digital em 2018, quando a operadora de TV por satélite optou por usar Oracle Autonomous Database para executar análises automatizadas em tempo real com agilidade e segurança, levando mais valor aos seus clientes. O sistema opera na infraestrutura Oracle Cloud Infrastructure (OCI). A experiência gerou resultados importantes e, por isso, a SKY decidiu migrar, ainda este ano, 80% de seus datacenters para a infraestrutura na nuvem da Oracle.

Segundo André Nazaré, diretor de Infraestrutura e TI da SKY, o momento do mercado demanda agilidade da empresa que encontrou na OCI uma forma de atingir um time to market melhor. “Precisamos ter uma praticidade de fazer experimentações de produtos para desenvolver novas soluções. Com a OCI teremos oportunidade de inovar, testar e criar novas ofertas”, destacou.

Rumo é uma empresa do Grupo Cosan e maior operadora de logística ferroviária do Brasil, inova em suas operações para garantir que suas soluções logísticas sejam entregues da melhor forma. Responsável pelo transporte de 26% do volume de grãos exportados pelo Brasil e 30% do transporte de açúcar no mundo.

A solução escolhida foi a Oracle Cloud Infrastructure (OCI) que, ao longo de três meses e no meio da pandemia, recebeu todas as áreas da Rumo, tais como sistemas administrativos, suprimentos, faturamento e sistemas do centro de controle de operação ferroviária, o equivalente a 150 terabytes de informações.

De acordo com Yugo Nomura, líder de Tecnologia da Informação da Rumo, a migração para nuvem foi um sucesso. “Anteriormente, tentamos migrar nossos sistemas de Centro de Controle para outras soluções on-premises e não deu certo. Essa foi a primeira vez que conseguimos fazer a migração e rodar todas as operações normalmente em nuvem, sem gerar qualquer indisponibilidade”, conta.

Sky.One surgiu em um pequeno espaço de co-working e hoje consolidou-se como uma das principais companhias especializadas no desenvolvimento de plataformas que transformam a maneira como as empresas consomem tecnologia, agregando inteligência e agilidade, permitindo a reinvenção dos modelos de negócios de seus clientes e parceiros. Em 2020, a Sky.One cresceu 80% e iniciou 2021 com a expansão acelerada dos novos produtos e mais fortemente no mercado internacional, o qual já alcançou uma maturidade suficiente para oferecer também os outros produtos já testados no Brasil.

De acordo com o CEO da Sky.One, Ricardo Brandão, a empresa atende clientes que utilizam a modalidade on premise e há um longo caminho a percorrer no que diz respeito à transformação digital. “Muitas empresas ainda não conhecem o potencial da nuvem, como segurança, custo reduzido e agilidade e a companhia entende esse cenário como uma oportunidade e, por isso, optou por contar com a Oracle como mais uma provedora de nuvem usufruindo das vantagens da Oracle Cloud Infrastructure”, afirma Brandão.

Oracle Cloud Infrastructure FastConnect oferece conectividade para as regiões de Oracle Cloud Infrastructure e outros serviços da Oracle Cloud. O FastConnect conta com uma maneira fácil, flexível, elástica e econômica de criar uma conexão dedicada e privada com opções de largura de banda mais alta e uma experiência de rede mais confiável e consistente em comparação com conexões públicas baseadas na Internet. O FastConnect está disponível via parceiros FastConnect ou conexão direta. Está disponível por meio dos parceiros Ascenty e Lumen Technologies.

Compromisso com o Brasil

A Oracle está presente no Brasil há 33 anos com compromisso de longo prazo para apoiar o desenvolvimento local, empoderando as pessoas e organizações por meio da inovação, bem como ajudando as empresas de todos os tamanhos dos setores público e privado, a crescerem de forma sustentável na nova economia digital.

A inovação está no DNA da empresa. A Oracle inaugurou a Casa Oracle, em São Paulo, em 2019. Para promover a transformação digital, inovação, conhecimento e experiências, atualmente o espaço é virtual devido a pandemia e continua estreitando as conexões com clientes, parceiros, estudantes, educadores, startups, desenvolvedores e comunidade. O principal propósito é incentivar a inovação em todos os níveis da sociedade, incluindo a co-criação de soluções baseadas nas últimas tecnologias, como Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Blockchain, entre outros.

O tema Educação é um dos pilares da empresa e, com o programa filantrópico Oracle Academy, promove a capacitação de professores em tecnologia com acesso ao conteúdo e conhcimento, além de disponibilizar infraestrutura de software e nuvem Oracle. Com isso, os estudantes passam a aprimorar suas habilidades e podem se preparar para as profissões do futuro, gerando oportunidades de empregabilidade em TI. Atualmente, o programa atua em em todos os estados brasileiros com a participação de mais de 1.000 instituições de ensino, treinando mais de 5.000 professores e impactando milhares de alunos em todo o País.

Expansão Global das regiões de Oracle Cloud

A Oracle abriu 12 regiões de nuvem, em 2020, e atualmente opera 30 regiões globalmente – 23 comerciais e sete governamentais e diversas regiões dedicadas aos serviços de inteligência dos Estados Unidos – a expansão mais rápida feita por qualquer grande provedor de nuvem. Para ajudar os clientes a manterem a continuidade dos negócios e proteção contra desastres, atendendo aos requisitos de residência de dados de seu país, a Oracle planeja estabelecer pelo menos duas regiões em quase todos os países onde atua. Os Estados Unidos, Canadá, União Européia, Reino Unido, Coreia do Sul, Japão, Brasil, Índia e Austrália já têm duas regiões de nuvem. As próximas regiões que incluem segundas regiões nos Estados Unidos, Arábia Saudita e União Europeia são Itália, Suécia e França; bem como novas regiões em Cingapura, África do Sul e Israel.

As regiões de Oracle Cloud atualmente disponíveis incluem:

• Ásia Pacifico: Toquio, Osaka, Seoul, Chuncheon, Mumbai, Hyderabad, Sydney, Melbourne;

• Américas: San Jose, Phoenix, Ashburn, Toronto, Montreal, São Paulo, Vinhedo, Chile;

• Europa: Frankfurt, Londres, Zurique, Amsterdam, Wales;

• Oriente Médio: Jeddah, Dubai;

• Governo: duas regiões para governo dos Estados Unidos e para US National Security; três para Departamento de Defesa dos Estados Unidos e duas no Reino Unido.

Startup brasileira Quicko anuncia rodada Series B de R$ 100 milhões

A Startup brasileira de mobilidade Quicko anuncia uma rodada Series B de R$ 100 milhões. O novo investimento foi aprovado pelo Grupo CCR e J2L Partners, que já haviam aportado R$ 37 milhões em 2018, na mesma proporção do anúncio atual, de 80% e 20%, respectivamente. A Quicko é uma plataforma que usa tecnologia para oferecer às pessoas deslocamentos urbanos mais inteligentes. A plataforma funciona como um Marketplace de mobilidade e conveniência, oferecendo sugestões de rotas combinando os diversos modais públicos e privados disponíveis, como ônibus, metrô, trens, táxis, carros de aplicativo e bicicletas compartilhadas, além de serviços como aluguéis de guarda-chuva e baterias externas para a recarga de celulares e outros dispositivos.

“O Quicko App é a primeira e única plataforma brasileira de Mobility as a Service (MaaS), ou Mobilidade como Serviço. Nossa ideia é reunir tudo o que o cliente precisa para suas jornadas diárias, desde a sugestão de rotas de transporte até a compra de passagens, desbloqueio e uso dos serviços de mobilidade”, explica o CEO da Quicko, Pedro Somma. “Trata-se de colocar a mobilidade a serviço das pessoas, transformando os dados de todos os modais disponíveis em informações e ferramentas que facilitam e melhoram os trajetos urbanos.”

O Quicko App também permite a recarga de bilhete único e mostra a localização dos ônibus em tempo real, evitando que as pessoas precisem pegar filas ou fiquem expostas a riscos desnecessários de contaminação pelo coronavírus esperando nos pontos. Ele conta também com uma Central de Notificações, com notícias importantes sobre a operação do transporte público, enviando alertas para usuários em caso de problemas que afetem os deslocamentos. A plataforma tem ainda uma ferramenta colaborativa para que os usuários compartilhem entre si informações sobre a lotação, atrasos ou má conservação dos ônibus, entre outras.

Lançado em novembro de 2019, em São Paulo, o Quicko App chegou no ano passado ao Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador. No primeiro trimestre de 2021, o aplicativo também começou a operar em mais quatro cidades: Porto Alegre, Curitiba, Fortaleza e Campinas.  Com o novo investimento, será possível acelerar a expansão para todas as principais regiões metropolitanas do Brasil até o fim do ano, além de desenvolver novas ferramentas para facilitar ainda mais os deslocamentos urbanos.

Mesmo em um cenário desafiador de redução dos deslocamentos provocada pela pandemia, o aplicativo vem apresentando crescimento expressivo. Enquanto o número de usuários do transporte público chegou a cair para 20% do registrado na pré-pandemia, o Quicko App teve mais de 3,2 milhões de downloads e cresceu mais de 11 vezes em número de usuários em 2020. Isso se deve ao fato de que muita gente ainda precisa se deslocar para atividades consideradas essenciais e não tem como adotar o trabalho remoto. Para essas pessoas, o aplicativo é uma ferramenta fundamental para trajetos mais seguros.

Pensando em como apoiar o combate ao coronavírus, o Quicko App recentemente lançou uma nova ferramenta para auxiliar as pessoas no processo de vacinação contra a Covid-19. O Mapa de Vacinação mostra a unidade de vacinação mais próxima, com a indicação dos melhores trajetos para chegar lá. A plataforma reúne ainda informações sobre pré-cadastro, endereços e horários dos postos de vacinação e o calendário por faixa etária, ajudando o usuário a chegar no local de forma mais rápida e segura, usando transporte público, bicicletas, a pé ou por carros de aplicativo.

Para Somma, este segundo aporte recebido demonstra a satisfação dos investidores com os resultados e a confiança no potencial de expansão para os próximos anos. “Ter esse reconhecimento e esse voto de confiança da J2L e da CCR nos coloca em posição de brigar com as plataformas estrangeiras. Nenhuma delas tem o conhecimento da realidade brasileira e a agilidade que nós temos para desenvolver soluções relevantes para os clientes, os operadores e o poder público locais.”

“A CCR é uma empresa que busca oferecer soluções de infraestrutura em mobilidade humana, de forma conectada com os preceitos ESG”, diz o CEO do Grupo CCR, Marco Cauduro. “Além de concessões nos modais rodoviários e de aeroportos, o Grupo conta com uma Unidade de Negócios de Mobilidade, que já atua no Metrô de São Paulo, por meio das concessionárias ViaQuatro e ViaMobilidade, responsáveis pelas Linhas 4, 5 e 17 do Metrô de SP; no metrô de Salvador/BA, no VLT Carioca e em Barcas/RJ. Recentemente, o Grupo venceu o leilão das Linhas 8 e 9 da CPTM e passará a transportar mais de 3 milhões de passageiros, diariamente. Por isso, o crescimento da Quicko é importante para a CCR: ela nos permite conhecer melhor e estar mais próximos de nossos clientes, aplicando os conceitos de Mobility as a Service que se conectam com o nosso propósito ‘Viva Seu Caminho’. Assim as pessoas podem apreciar a jornada com segurança, além de conquistar mais qualidade de vida, pela economia de tempo e de recursos”, completou Cauduro. 

“A oportunidade de participar do mercado digital é ir além de simplesmente digitalizar um core business. Neste sentido, entendemos que a Quicko é um negócio inovador com um conceito disruptivo na relação com o usuário de transporte público no Brasil”, diz Lúcio Otávio, sócio da J2L Partners. “Construindo realmente a primeira plataforma de MaaS brasileira, a Quicko leva conveniência, informação e comodidade ao usuário de transporte público, estabelecendo uma relação diária e de confiança. Com tudo isso temos a convicção de que cresceremos de forma acelerada, tanto geograficamente quanto no número de usuários, pois estamos preenchendo a lacuna existente hoje no mercado de mobilidade brasileiro.”   

Após um ano de fundação, Randon Ventures apresenta novo foco de atuação

A Randon Ventures, unidade de investimento em startups das Empresas Randon, apresenta seu novo foco de atuação no mercado. A empresa, que foi constituída fevereiro de 2020, passará a investir e coinvestir em startups que já estejam em um estágio mais avançado, isto é, que tenham um produto pronto e que possuam sinergia com os negócios das Empresas Randon.

Entram no leque de interesse da companhia as fintechs – ligadas ao acesso ao crédito -, insurtechsautotechs – relacionada à mobilidade elétrica e tecnologia automotivas -, indústria 4.0 – smart manufacturing – e logtechs.

“O objetivo é estimular ainda mais oportunidades de novos negócios para as Empresas Randon, aproximar a organização de ecossistemas de inovação consistentes e ampliar a possibilidade de projetos de pesquisa envolvendo novas tecnologias disponíveis no mercado”, explica o gerente de Negócios e Estratégias Digitais das Empresas Randon e head officer da Randon Ventures, Mateus de Abreu.

Nesse primeiro ano de atuação, a Randon Ventures investiu aproximadamente R﹩ 18 milhões em quatro startups. Além do capital, a Ventures atua com capacitações, mentorias, cocriação de produtos e serviços e acesso a parceiros. A empresa segue, também, reforçando as parcerias para coinvestir com outros fundos de Venture Capital (VC) e Corporate Venture Capital (CVC) e trabalha para ampliar sua atuação internacional.

Entre as investidas estão Abbiamo, Grupo Delta, TruckHelp e Soon (conhecida anteriormente como Reboque.me). Em recente parceria com a 4all, também foi anunciada a criação de uma nova companhia para oferecer serviços financeiros digitais, por meio do projeto R4.

A Randon Ventures conta com a parceria da ACE, Ventiur, Distrito e a Baita Aceleradora. As startups que tiverem interesse em contatar a companhia, podem acessar o site http://randon.ventures/