Page

Author admin

6 dicas simples para montar uma estratégia de vídeos no seu e-commerce

O e-commerce está na sua melhor fase. É fato que já é um negócio multidispositivo e que milhões de transações são concretizadas por meio de smartphones.

Mesmo assim, as conquistas não passam por aí: websites, redes sociais e aplicativos fazem parte do cenário atual e o novo potencial está no vídeo. O auge mundial do formato do Snapchat, YouTube, Instagram, entre outras plataformas, é apenas um indício disso.

Os vídeos em páginas de e-commerce aumentam significativamente as chances de vendas. Segundo um estudo recente realizado pelo Liveclicker, as lojas online que contam com vídeos vendem cerca de 80% a mais e têm a oportunidade de aumentar o valor do produto em até 50%.

Agora, como começar a usar o vídeo em um e-commerce?

A plataforma Nuvem Shop recomenda 6 usos básicos do vídeo para que pequenas e grandes lojas virtuais possam utilizar este recurso e aumentar sua visibilidade e vendas.

Fazer vídeos de produto: é fundamental que os clientes possam conhecer os produtos e suas características. Uma boa maneira de chamar a atenção é incluir humor e diversão no roteiro. Com este formato bem implementado, é possível atrair mais atenção.

Criar vídeos tutoriais: os tutoriais em vídeo ajudarão os clientes a tirar maior proveito do produto. Além disso, permitem que eles sanem suas duvidas e tenham suas expectativas correspondidas. Esse tipo de vídeo acaba sendo uma ótima ferramenta de atenção ao cliente.

Implementar vídeos promocionais: está chegando alguma data especial? Essa categoria de vídeo permite atingir o emocional dos clientes e motivar sua intenção de compra.

Contar histórias em vídeo: o vídeo tem potencial de viralizar e aumentar a credibilidade de uma loja. Então, que tal contar a história dos criadores de uma marca por meio deste recurso audiovisual? Aqui um exemplo de uma página com vídeos dedicados a contar as histórias de sucesso dos clientes. Você pode usá-los como referência.

Educar em vídeo: dependendo do seu negócio, vídeos que eduquem sobre o mercado podem criar um maior vínculo com o cliente. O formato de vídeo é utilizado frequentemente para transmitir dicas, novidades e tendências do e-commerce, por meio de entrevistas com profissionais, aulas ou vídeos com dicas rápidas.

Agregar qualidade e efeitos: vídeos com apresentador, narrações em off e imagens profissionais garantem ainda mais confiança ao produto. Uma boa câmera HD (presente na maioria dos smartphones), luz – indispensável para destacar os pontos fortes do produto – , tripé – para demonstrar diferentes perspectivas – e som – pode ser necessário um microfone -,cuidando para que o espaço onde se filma seja silencioso e se possa registrar e ouvir com clareza as informações.

Essas foram 6 dicas simples da para montar uma estratégia de #VideoRevolution. Agora, mãos à obra!

Tags, ,

Novo app concede prêmios aos usuários em troca de visualização de publicidade

Com a finalidade de auxiliar usuários de planos pré-pago e controle na economia de gastos, acaba de chegar ao mercado o Mobonus. Disponível para o sistema Android, o aplicativo concede bônus de celular para dados de internet, ligações e envio de SMS, para a mesma operadora, em troca de visualização de anúncios publicitários, ofertas, lançamento de produtos, downloads de jogos e aplicativos, entre outras ações.

Zhen Zhang, idealizador do Mobonus, explica que assim que instalado, o app ficará em execução no smartphone. Dessa forma, toda vez que o dono desbloquear a tela, ele visualizará um novo anúncio. Quando o usuário clica na publicidade ou realiza a ação solicitada ganha uma pontuação, que varia entre 2 e 100. “Com o acúmulo de 210 pontos já é possível fazer a troca por bônus de internet, SMS e ligações para a mesma operadora. Ou seja, as pessoas assíduas conseguirão resgatar o prêmio mais acessível em apenas dois dias”, complementa.

Estimativas de mercado apontam que clientes pré-pagos costumam inserir em média R$ 7 de crédito por semana, totalizando R$ 28 no mês. Ao utilizar o Mobonus, o usuário tem a possibilidade de reduzir em até 50% o gasto mensal na compra de créditos, uma vez que o bônus pode auxiliar no gastos com ligações e envio de SMS para a mesma operadora. “O grande diferencial é que concedemos os prêmios sem mudar a rotina das pessoas. Além disso, possibilitamos que o bônus seja transferido para terceiros, caso seja a vontade do usuário. Futuramente, a ideia é inserir no pacote de prêmios assinaturas de sites e outros produtos do gênero”, informa Zhang.

O executivo ressalta ainda a necessidade de o usuário criar um login no momento em que realizar a instalação do Mobonus, uma vez que se não estiver logado, os pontos automaticamente serão zerados ao final do dia. “Estamos muito entusiasmados com a iniciativa e esperamos alcançar mais de 2 milhões de downloads até o final do ano”, finaliza.

Tags, , , , ,

Buscas no Google: veja o que os brasileiros mais procuram

A SEMrush, líder mundial em marketing digital, elaborou um infográfico sobre os elementos mais populares que aparecem na página de buscas do Google brasileiro. Veja os resultados:

info_semrush_v3

Tags, , ,

FAPESP e IBM financiam pesquisa em computação cognitiva no Brasil

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e a IBM Brasil firmaram um Acordo de Cooperação para compartilhar investimentos de até US$ 500 mil, ao longo de 10 anos, a serem utilizados em projetos de pesquisa científica e tecnológica na área de computação cognitiva em universidades e institutos de pesquisa. Um comitê conjunto formado po r representantes da FAPESP e da IBM conduzirá a avaliação e seleção de projetos apresentados em resposta a Chamadas de Propostas a serem lançadas periodicamente.

Cada Chamada terá foco em temas específicos da área de computação cognitiva, como teoria e aplicações de inteligência artificial, processamento de linguagem natural, planejamento e raciocínio de bom senso e análise de big data, entre outros. Poderão participar das Chamadas pesquisadores de instituições de ensino superior e pesquisa no Estado de São Paulo. Mais detalhes sobre a apresentação de projetos serão divulgados em edital a ser publicado proximamente.

A computação cognitiva é considerada a Terceira Era Computacional, pois seus sistemas se aproximam da forma humana de pensar, interagir e aprender, extraindo conhecimento de dados não-estruturados com origem em fontes distintas em formato de texto, imagem e vídeos. Com a computação cognitiva é possível extrair conhecimento de um vasto volume de dados que pode contribuir para a solução de problemas complexos da humanidade, como o esgotamento de recursos ambientais, a prevenção e o controle de doenças, além da pobreza. A plataforma de computação cognitiva da IBM, o Watson, tem liderado as experiênci as em escala comercial desta tecnologia com diversas companhias no mundo.

“A parceria para selecionarmos propostas de pesquisa a serem cofinanciadas pela IBM e FAPESP abre grandes possibilidades para a comunidade científica de São Paulo interagir com pesquisadores de uma das empresas mais avançadas em ciência e tecnologia na área de sistemas cognitivos. O Laboratório de Pesquisa da IBM em São Paulo vai contribuir para o aumento da abrangência em pesquisa desta tecnologia no Estado”, diz Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP.

Para Ulisses Mello, diretor do Laboratório de Pesquisa da IBM Brasil, o acordo com a FAPESP consolida a missão da multinacional de incentivo e fomento para desenvolvimento da ciência e tecnologia no País, onde há cinco anos a empresa instalou seu centro local de pesquisa. “Queremos desenvolver um ecossistema de inovação em computação cognitiva no Brasil pela relevância e impacto do assunto na sociedade, tanto que os projetos selecionados estarão desprendidos de qualquer compromisso com propriedade intelectual com a IBM”, afirma.

Tags, , , , ,

Conquistando clientes e vendas com SMS Marketing – Por Rafael Barin

Rafael Barin Gerente de negocios PMEO celular faz parte da comunicação cotidiana de expressiva parcela da população mundial, mas ainda é um canal distante do Plano de Marketing de muitas marcas brasileiras. Uma pesquisa da União Internacional de Telecomunicações revela que o total de celulares em uso no mundo já passou dos sete bilhões de unidades. Nesse cenário, cada vez mais as empresas podem utilizar a tecnologia a seu favor, com estratégias para criar conteúdo que gere engajamento e, consequentemente, amplie vendas.

O SMS (Short Message Service) é um aliado fundamental para ampliar a visibilidade das marcas. Além de seu alcance, essa ferramenta enquadra-se em um novo contexto de comunicação com os consumidores: as pessoas estão, cada vez mais, habituadas a receber informações em tempo real. Essa é uma das vantagens do SMS, que possui uma taxa de abertura de 98% (em comparação com 22% dos e-mails) e índice de respostas de 26% (contra 5% dos e-mails), segundo levantamento da Frost & Sullivan.

Mensagens de texto bem elaboradas demonstram que a empresa se importa com as necessidades do seu público e podem garantir a preferência do consumidor no momento da compra. Além disso, são um excelente recurso para encorajar os consumidores na contratação de novos serviços ou produtos. As pessoas que recebem promoções ou descontos se sentem privilegiadas, percebem vantagens em manter um vínculo com a marca e indicam a empresa para sua rede de contatos.

Ressalto que é importante que as organizações criem planejamentos para as campanhas de SMS Marketing. Para vender mais, é necessário focar em promoções, descontos ou divulgação de novos serviços. Já para manter uma boa relação com o público, vale enviar mensagens de agradecimento pela fidelidade dele com sua marca. Definir uma estratégia e selecionar quando encaminhar as mensagens e com que frequência é essencial para não importunar o cliente e conseguir fortalecer a imagem institucional.

Os resultados alcançados por meio do SMS Marketing podem ser ainda melhores com algumas dicas preciosas. Em primeiro lugar, identifique sua empresa nas mensagens para reforçar a marca e o vínculo com o usuário, usando linguagem simples, clara e direta. Além disso, é válido desenvolver o hábito de enviar mensagens em datas comemorativas, como aniversários e feriados, para criar um relacionamento mais próximo com seu público.

Abrir espaço para feedbacks também fortalece a relação com o cliente, uma vez que o envolve em processos de mudança e aperfeiçoamento. Outra sugestão é lembrar as pessoas sobre novos eventos promovidos por sua empresa, estimulando a participação. Não se pode esquecer que todo canal de comunicação com o consumidor deve ter planejamento e comunicação direcionada, com conteúdo personalizado. As empresas brasileiras que ignorarem essas diretrizes e o uso do mobile em suas estratégias de marketing terão, nos próximos anos, que percorrer uma distância ainda maior para alcançar seus líderes de mercado e engajar seus consumidores.

Por Rafael Barin, Gerente de Negócios PME da Zenvia

Tags, , ,

Carlos Alberto Pádua assume a vice-presidência da Divisão de Serviços de TI da Sonda IT

A Divisão de Serviços de TI da Sonda IT, maior companhia latino-americana de soluções de Tecnologia da Informação, está sob nova liderança com a chegada de Carlos Alberto Pádua, que assume a vice-presidência da área. O cargo até então era ocupado por Alberto Aguilera, que retorna para a sede da empresa, no Chile.

A nomeação do novo executivo vem somada à novidade de integração do portfólio da CTIS Tecnologia, empresa adquirida pela chilena em 2014, com o leque de ofertas da Sonda IT. Pádua, que atuava como vice-presidente de operações da CTIS, chega com a missão de unir as áreas de Serviços de TI das duas companhias, aumentando a capilaridade de atendimento tanto para o setor privado, quanto para o governamental, carro-chefe da CTIS.

Com esta união, a Sonda IT cria uma das maiores organizações de serviços do mercado de tecnologia no Brasil, que reúne nove mil dos 14 mil colaboradores da companhia no território nacional. Esta integração promove, além da cobertura em todo o Brasil, um portfólio completo para todas as indústrias, incluindo governo, que atualmente consome 40% dos investimentos de TI.

“Estamos fortalecendo essa frente, que é a maior referência da Sonda na América Latina, para alavancarmos nossa oferta de terceirização dos processos de TI das empresas de modo que elas possam nos entregar gradativamente suas demandas para compor um full outsourcing”, explica Pádua.

As unidades de negócios comuns entre as duas companhias, que passam a atuar conjuntamente, compreendem as seguintes frentes: Serviços de Gerenciamento de Aplicações (AMS), End User Services, Data Center & Cloud Computing, Integração e Outsourcing, Consultoria de TI e MDS (Management Device Services). As novidades de ofertas ficam por conta da chegada das unidades de Print Center e Visual Solution, ambas vindas da CTIS.

Pádua tem experiência de 30 anos no mercado de Tecnologia de Informação. Engenheiro Eletrônico formado pela Poli – USP e MBA pela FIA, o executivo foi por dez anos vice-presidente de Tecnologia da Diebold / Procomp.

Tags, , , ,

Cresce a proporção de empresas brasileiras que utilizam conexões à Internet mais velozes, aponta Cetic.br

A décima primeira edição da pesquisa TIC Empresas, conduzida pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), indica mudança no perfil da infraestrutura de tecnologias de informação e comunicação (TIC) presente nas empresas brasileiras. O estudo identificou um aumento na contratação de conexão à Internet com faixas de velocidades mais altas: entre 2012 e 2015, a proporção de empresas brasileiras que afirmaram contratar planos com velocidades de até 1 Mbps passou de 19% para 8%, enquanto as que contrataram velocidades acima de 10 Mbps passou de 21% em 2012 para 40% em 2015. Esse movimento foi observado entre empresas de todos os portes.

O objetivo do estudo – que passará a ser realizado a cada dois anos – é trazer subsídios para compreender a adoção das TIC em empresas dos diferentes mercados de atuação investigados na pesquisa, e apoiar políticas públicas que incentivem o desenvolvimento das TIC nestes setores.

A pesquisa TIC Empresas 2015 também mostra que 70% das empresas têm conexão à Internet via linha telefônica – DSL e 64% via cabo, enquanto apenas 5% possuem conexão discada e 6% via satélite. A disponibilidade de computador e Internet nas empresas brasileiras de pequeno, médio e grade porte está universalizada há alguns anos, de acordo com a série histórica da pesquisa. Os dispositivos móveis, no entanto, ainda não estão amplamente disseminados: os notebooks e tablets estão presentes em 69% e 19% das empresas, respectivamente.

“A TIC Empresas identificou, nos últimos anos, avanços concretos na qualidade da infraestrutura TIC nas empresas. Porém, devemos chamar atenção de que não basta apenas ter boa velocidade de conexão à Internet, é necessário acompanhar as atividades que as empresas estão realizando na rede, sobretudo como o acesso à Internet está sendo utilizado para melhorar o desempenho e inovação, bem como entender as diferenças existentes entre as regiões do País e os mercados de atuação”, pontua Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.

Atividades na Internet

Enviar e-mails (99%), buscar informações sobre produtos ou serviços (94%), e fazer pagamentos, transferências e consultas bancárias via Internet banking (88%) seguem como as atividades mais frequentes para a maioria das empresas brasileiras. Tarefas que demandam habilidades específicas, por sua vez, são realizadas em menor proporção: 43% das empresas afirmaram que entregam produtos ou serviços em formato digital, 35% fazem treinamento de funcionários e 32% utilizam telefone via internet (VoIP).

Presença na Internet

A presença de websites pelas empresas não apresentou grande variação desde 2012, quando começou a ser medida pela pesquisa, permanecendo no patamar de 57% em 2015. Este indicador, no entanto, varia segundo o porte: entre as grandes e médias empresas, 87% e 75% respectivamente, possuem website. Entre as pequenas, essa proporção é menor (52%). A pesquisa revela crescimento no percentual de empresas que perfil ou conta próprios em alguma rede social: passou de 36%, em 2012, para 51%, em 2015. Entre as empresas de grande e médio porte, 60% e 56%, respectivamente, possuem perfil em redes sociais, enquanto entre as empresas de pequeno porte este número é de 50% “As redes sociais podem representar um obstáculo menor para as pequenas empresas, se comparada aos websites e outras ferramentas de comunicação on-line. Em 2014, por exemplo, 11% delas tinham perfil em rede social e não tinham e-mail, enquanto em 2015, essa proporção foi de 18%”, informa Barbosa.

Habilidades e apropriação das TIC

O principal tipo de software utilizado é o de licença de uso, que chega a 76% das empresas, frente a 52% das que utilizam software por licença livre e 22% das que usam software desenvolvido pela própria empresa. Em 2015, 70% das empresas brasileiras promoveram a atualização de seus softwares e uma parcela menor (31%) introduziu softwares novos. Na percepção das empresas, essa introdução ou atualização dos softwares melhorou principalmente a organização dos processos da empresa (80%), a produção de informações para tomada de decisões (74%) e a integração e comunicação entre as áreas da empresa (71%).

Para acessar a TIC Empresas 2015 na íntegra, assim como rever a série histórica, visite http://cetic.br/pesquisa/empresas/indicadores. Compare a evolução dos indicadores a partir da visualização de dados disponível em: http://data.cetic.br/cetic/explore?idPesquisa=TIC_EMP

Tags, , , , , ,

Capgemini anuncia nova diretora de vendas e alianças no Brasil

Com mais de 10 anos de experiência em vendas, Renata Sollero chega para liderar processos de vendas e coordenar alianças e parcerias

A Capgemini, um dos principais provedores globais de serviços de consultoria, tecnologia e terceirização, anuncia a chegada de Renata Sollero como diretora de vendas e alianças no Brasil.

Renata possui mais de 10 anos de experiência na área de TI, é formada em Marketing pela Universidade Mackenzie, possui especialização pela Rotmann School of Business (Universidade de Toronto) e passou com êxito por empresas como Oracle, Sonda-Procwork, Stratasys e Dassault Systèmes. A executiva chega para reforçar a estrutura de vendas e alianças da Capgemini com o desafio de liderar o processo de integração e controle de vendas e coordenar as alianças e parcerias da empresa.

Tags, , ,

E-BIT/Buscapé divulga melhores lojas do e-commerce brasileiro em 2015

Americanas.com é a grande vencedora do Oscar do setor, tanto por critérios técnicos quanto por votação popular

A E-bit (www.ebit.com.br), empresa especializada em informações do comércio eletrônico, anunciou durante o evento VTEX Day, realizado no dia 12 de maio em São Paulo, os vencedores do 13ª Prêmio E-bit Melhores Lojas do E-commerce. A grande vencedora foi a Americanas.com, eleita como “Melhor Loja Diamante” tanto por critérios técnicos como também pela votação popular dos e-consumidores brasileiros.

Também foram premiadas como “Melhores Lojas Diamante” Submarino, Walmart, Magazine Luiza e Extra. Outras lojas contempladas por critérios técnicos foram Nikkey Cosméticos, como “Melhor Loja Ouro”; Jóias Gold, “Melhor Loja Prata”; e BringIT, “Melhor Loja Bronze”.
Para a escolha das vencedoras em “Prêmios Especiais”, experts do mercado participaram do corpo de jurados. O “Melhor NPS” foi para O Boticário; em “Loja Especializada”, a Sephora venceu; e para “Mobile”, Privalia foi a escolhida.

O diretor executivo da E-bit/Buscapé, André Ricardo Dias, avalia como positiva a evolução do desempenho das lojas online num mercado cada vez mais competitivo. “Entendemos que o Prêmio E-bit é um dos grandes incentivadores para melhoria no nível de serviços do comércio eletrônico brasileiro, sendo a premiação mais valorizada no País. A disputa entre as lojas em 2015 foi muito concorrida tanto nos critérios técnicos quanto na votação popular, onde registramos um recorde no número de votos, o que mostrou o empenho dos sites na busca pelas primeiras posições”, comenta.

Veja a lista completa dos vencedores abaixo ou no link http://www.ebit.com.br/premio-ebit-2016.

LOJAS MAIS QUERIDAS

Loja Diamante: Americanas
Alimentos e Bebidas: Pão de Açúcar Delivery
Bebês: Klin
Casa e Decoração: Tok&Stok
Cosméticos e Perfumaria: Rede Natura
Livraria e Entretenimento: Saraiva
Moda e Acessórios: Dafiti
PetShop: PetLove
Saúde (Medicamentos): Ultrafarma

MELHORES LOJAS

Melhor Loja Diamante (1º lugar): Americanas
Top 5 Diamante: Americanas
Top 5 Diamante: Submarino
Top 5 Diamante: Walmart
Top 5 Diamante: Magazine Luiza
Top 5 Diamante: Extra

Melhor Loja Ouro: Nikkey Cosméticos
Melhor Loja Prata: Jóias Gold
Melhor Loja Bronze: BringIT

PRÊMIOS ESPECIAIS

NPS: O Boticário
Loja Especializada (Nicho): Sephora
Mobile: Privalia

Tags, , , ,

Home Broker: passo a passo para o seu primeiro investimento

view.aspx

O Home Broker é a interface que conecta os investidores à Bolsa de Valores. Ao contrário do que muita gente pensa, hoje em dia não existe mais aquela cena dos filmes onde corretores gritam com telefones na orelha disputando a compra e venda de ações. Atualmente é tudo digital e, saber como funciona o Home Broker tornou-se fundamental para qualquer pessoa que deseja lucrar no mercado financeiro.

Operar através de um Home Broker é extremamente simples, desde que o investidor entenda a lógica da Bolsa de Valores. Partindo do princípio de que o mercado funciona sob a lei da oferta e demanda, a variação no preço das ações acontece de acordo com as decisões de compradores e vendedores. Quanto mais pessoas querendo comprar, mais cara a ação. Quanto mais pessoas que desejam vender, mais barata.

Primeiros cliques

Os sistemas de investimento mais modernos do mercado não exigem sequer uma instalação. Basta entrar no site da empresa que fornece seu Home Broker utilizando seu navegador e fazer o seu login. Ao entrar, você terá acesso à cotação das ações negociadas no pregão eletrônico da Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo).

Começar a investir requer um conhecimento mínimo sobre o mercado. Existem diversas empresas, sites e blogs que oferecem conteúdos de qualidade para novos investidores. Além disso, empresas de análise e consultoria oferecem recomendações em tempo real sobre as melhores oportunidades no exato momento em que elas surgem.

Em seu Home Broker você verá, próximo à cotação de cada ação, os botões de compra e venda. Ao clicar em comprar você deverá preencher quanto deseja pagar por aquela ação, quantas ações deseja adquirir e, por fim, lançar a ordem. Quando o sistema encontrar um vendedor que aceite esse preço a operação será realizada e os papéis irão automaticamente para a sua carteira.

A hora de vender suas ações

Agora que você já possui ações em sua carteira, está habilitado a vendê-las quando bem entender. Para isso, basta lançar uma ordem de venda no mercado, definindo quantas ações deseja vender e qual o preço de cada uma. Assim como na compra, caso hajam compradores dispostos a pagar o preço que você enviou o sistema os encontrará automaticamente e o negócio será executado.

Mas, preste bastante atenção! De nada adianta querer vender uma ação que está cotada a R$13,00 por R$40,00. O sistema obviamente não encontrará nenhum comprador compatível e você perderá a oportunidade de vender o ativo. Justamente por isso é importante acompanhar o “book de ofertas” e as cotações para detectar boas oportunidades antes mesmo de comprar.

Nesse ponto vale ressaltar a importância do manejo de risco. Muitas vezes investidores iniciantes aplicam todo o seu capital em ações de uma mesma empresa, tornando os riscos dessa operação extremamente altos. Diversifique comprando ativos de mais de uma empresa, de preferência em segmentos diferentes, a fim de diminuir os riscos e aumentar as chances de lucro.

Detectando boas oportunidades

Agora que você já entendeu como comprar e vender ações através do seu Home Broker está na hora de aprender a detectar as melhores oportunidades do mercado. Existem diversas maneiras de detectá-las e cabe a você estudar para encontrar a que mais se ajusta ao seu perfil.

A Análise Gráfica (ou Análise Técnica) oferece uma série de índices capazes de nortear a tomada de decisão dos investidores baseando-se em dados referentes à movimentação de mercado. Ela leva em conta, por exemplo, o volume financeiro de uma ação (quanto dinheiro ela movimenta em um determinado período) e o histórico de preço desse ativo.

Já a Análise Fundamentalista considera diversas informações sobre as empresas, como por exemplo a saúde financeira da empresa, governança corporativa e potencial de crescimento, para identificar ações de empresas que podem ter valorização no longo prazo.

Conhecer as opções de análise é fundamental para o sucesso de qualquer estratégia de investimento, por isso invista tempo em conhecimento!

A corretora de valores mobiliários

Para seguir os passos acima é necessário que você tenha uma conta aberta em alguma corretora de valores mobiliários. É através dela que você receberá todos os lucros provenientes das suas movimentações e também é nela que serão debitados os possíveis prejuízos.

Saber que o mercado de ações oferece riscos, mas também grandes possibilidades de ganho é fundamental para quem está começando a entender como aplicar na Bolsa de Valores. Com uma estratégia bem feita, disciplina para seguí-la e busca constante pelo conhecimento é possível atingir excelentes resultados no mercado financeiro.

Tags, , , , ,

3 dicas para alavancar as vendas na web

Nos dias 17 e 18 de maio, acontece, em Porto Alegre (RS), a Conferência E-Commerce Brasil SUL. Na ocasião, especialistas de diversos segmentos estarão presentes para apresentar aos empreendedores soluções inovadoras para melhorar a conversão de venda, entre outros aspectos. Veja três dicas relacionadas a alguns dos temas que serão abordados no evento.

1) Invista no Selo de Segurança

Todos os sites que coletam dados dos visitantes devem ter um Certificado SSL que garante a segurança do tráfego das informações entre o servidor do internauta e da loja. O SSL pode ser identificado no site por meio da imagem do Selo de Segurança, do HTTPS, do cadeado no browser e, em alguns casos, da barra verde do navegador. Mas será que só isso basta para conquistar os internautas?

“As pessoas que fazem compras em e-commerces já sabem identificar se o SSL foi emitido por uma empresa com boa reputação, verificando as informações no cadeado ou visualizando o Selo de Segurança. Ou seja, não adianta adicionar qualquer SSL na página, é preciso ter critérios na hora de escolher a empresa fornecedora”, comenta Maurício Balassiano, diretor de Produtos e Tecnologia da Certisign.

2) Facilite o cadastro e livre-se do chargeback

Hoje, é possível facilitar o cadastro do cliente e, ainda, garantir a identidade dele com validade legal. Como? A solução é incluir a opção de autenticação com Certificado Digital, que garante a autoria da transação protegendo o lojista contra compras não reconhecidas, o famoso e temido chargeback. “Inserir a autenticação por Certificado Digital na loja virtual não tem custo e não exige alteração na infraestrutura do site. Com isso, tanto o cliente quanto o e-commerce ficam muito mais protegidos”, explica Balassiano.

3) Agilize a forma de pagamento

Muitos sites têm adotado soluções de Compra Expressa – também conhecida como “compra com um click” – para atrair os clientes que buscam segurança, comodidade e agilidade na hora de comprar. A solução da Onebuy, por exemplo, além de garantir uma boa experiência do usuário com a loja por conta da agilidade e segurança, também disponibiliza os dados aos lojistas para os casos de abandono de carrinho.

A Conferência E-Commerce Brasil SUL será realizada no Centro de Eventos do Barra Shopping Sul (Av. Diário de Notícias, 300, Cristal – Porto Alefre-RS). Mais informações em www.ecommercebrasil.com.br/conferencia-sul-2016/.

Tags, , , , , ,

Inovação é só para os criativos. Será? – Por Mariane Abrucez

Em momentos de crise como esse em que estamos vivendo, inovação parece ser a palavra de ordem para solucionar os problemas; A luz no fim do túnel para algumas empresas. “Precisamos inovar se quisermos nos manter vivos!”, profetiza seu chefe. E é nesse instante que você, assim como a maior parte da população, pensa “hmmm… esse negócio de inovação não é para mim… eu nem sou criativo!”. Mas será que a inovação se faz possível apenas por meio de pessoas criativas? Quero te mostrar que não!

Antes de mais nada, vamos dar o primeiro passo em direção à inovação e alinhar alguns conceitos. Uma nova ideia só é considerada inovação quando traz resultados, ou seja, gera valor para as empresas. Criar algo com alto índice de novidade, mas com baixos resultados não é inovação. Da mesma forma que criar uma solução altamente lucrativa mas com baixo apelo de novidade, também não é inovação. Associar o alto grau de novidade ao alto índice de resultado, isso é inovação.

Para chegar ao tão esperado resultado, a ideia precisa ser conduzida pelas quatro fases do processo de inovação que tem início na ideação. Aqui sim precisamos de pessoas criativas, motivadas pela mudança e pelo novo, aquelas que enxergam as oportunidades de uma forma diferente das demais. Em seguida, vamos para a fase de conceituação, a mais crítica para as empresas já que ter ideias não é o problema. O problema é colocá-las em prática quando a operação do dia a dia fala mais alto que a inovação, que sempre é algo incerto. Para que essas novas ideias tenham seus riscos mapeados e sejam conduzidas dentro das organizações, precisamos de pessoas orientadas a desafios e com tolerância a trabalhar com incertezas.

Passadas essas duas primeiras etapas, chegamos mais perto da experimentação. Para essa fase, precisamos de pessoas com alto grau de adaptação já que são elas que farão testes de conceito, ajustarão o que for necessário e darão às primeiras formas àquela ideia inicial transformando-a em algo mais concreto, como um protótipo, exemplo. A partir das alterações e dos testes realizados na ideia inicial, chegamos à última fase do processo de inovação, a implementação. Sem incertezas, aqui são necessárias pessoas com orientação a resultados, que trabalham com prazos e planejamento começo, meio e fim e escopos fechados. É nesse momento que aquela ideia embrionária toma corpo e escalabilidade.

É ilusão achar que todas essas competências e habilidades, muitas vezes opostas entre si, possam ser encontradas em uma única pessoa. O que seria da Apple, por exemplo, se Wozniak fosse como Jobs, ou vice versa? A solução para isso é a criação de times, que unam pessoas com os diversos perfis acima citados que, somadas, trabalharão em busca do tão almejado resultado. O primeiro passo é “olhar pra dentro de casa” para identificar esses talentos. E você, já sabe quem da sua equipe poderia ser parte integrante, e fundamental, do seu time de inovação?

*Por Mariane Abrucez, Supervisora de Recursos Humanos no Venturus Inovação & Tecnologia

Tags, ,