Page

Author admin

7 razões para gerir os contratos de uma empresa

á pensou o quanto você desperdiça de dinheiro com problemas nos contratos da sua empresa? E se uma ferramenta te ajudasse com essa situação? A Acttive, empresa especializada em tecnologia para a administração dos processos e de qualidade, desenvolveu um novo módulo do seu software DocNix. Criado pela junção dos módulos de gestão de documentos e de registros, o gestão de contratos oferece diversos recursos para que a sua empresa se organize e mantenha seus documentos em dia.

Para se ter uma ideia, segundo pesquisa feita pelo Portal do Servidor Público Estadual – SC, cerca de 43% das empresas apresentam falhas de contratos e, na maioria das vezes, o problema está na falta de um controle de gerenciamento.

“O novo módulo padroniza contratos, determina editores, arquiva registros e monitora o tempo de validade de cada documento, com os processos de seus serviços controlados de forma segura”, explica Cecília Queiroz.

Abaixo, Cecília lista as principais atividades que compõe o novo módulo de gestão de contratos da Acttive:

1. Padronização: Para manter a organização dos contratos referentes à sua empresa é preciso controlar a padronização de todos os acordos e suas cláusulas. A adoção do software te ajudará a abolir contratos com que tenham permissão de edição de cláusulas, garantindo a segurança de que ninguém irá fazer nenhum tipo de alteração até a data final.

2. Edição apenas do documento: A adoção de um software de gestão como o DocNix, por exemplo, possibilita que a edição seja feita apenas em campos permitidos dentro do documento, mantendo informações jurídicas relevantes, sem permissão de alteração, para que não haja diferença de negociação de um cliente/fornecedor para o outro.

3. Controle de impressão: Esse é um fator que sempre acaba ficando em segundo plano. O controle de impressão oferecido pelo módulo de gestão de contratos é feito por cópia controlada, disponibilizando rastreabilidade, em que nele mostra quem imprimiu, quando e o número de contratos, facilitando o controle operacional e organização da sua empresa.

4. Anexo de arquivos: Esse item permite que todos os documentos e informações gerais do seu cliente fiquem inseridos dentro da plataforma de gestão, evitando assim, que informações e dados importantes se percam.

5. Diminuição de controles paralelos: Geralmente, em uma empresa que não conta com a ajuda de um software de gestão, os controles de contratos são feitos por protocolos, em pastas ou em forma de planilha, de uma maneira nada organizada. O Docnix, por exemplo, consegue permitir que todos os controles permaneçam dentro da ferramenta, sendo mais um ponto positivo para garantir a segurança.

6. Menor risco: O módulo permite também que tenham menos riscos de extravios de documentos importantes, evitando problemas futuros. Além disso, é importante levar em consideração o tempo de renovação de contratos e perda de informações financeiras. Muitas vezes, os documentos apresentam um prazo para renovar, refazer e reenviar. O módulo permite informar quais as pendências desses registros, para que nenhuma informação fique atrasada.

7. Controle de registros: O controle de registros é feito de forma ágil, organizada e segura. Através da ferramenta, é possível gerir os contratos da organização, realizando um controle eficaz do seu ciclo de vida. Além disso, é feito um acompanhamento e comando de fluxo de transmissão entre departamentos e/ou clientes, sempre com a mensuração dos tempos de retorno e execução de tarefas.

Tags, , ,

Justiça Federal do Paraná conta com soluções do ICI

imagem.ashx

O Instituto das Cidades Inteligentes (ICI) entregou para a Justiça Federal do Paraná (JFPR) soluções de tecnologia da informação e comunicação que auxiliam a operacionalização de processos de trabalho dos núcleos de Apoio Administrativo, Planejamento, Orçamento e Finanças, Tecnologia da Informação e Gestão Funcional. A Seção Judiciária do Paraná integra o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4), que contempla ainda os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Entre as soluções entregues está o Controle de Assistência à Saúde (CAS), cuja finalidade é apoiar o gerenciamento das faturas de plano de saúde dos 4 mil servidores da JFPR. Mensalmente, o Núcleo de Gestão Funcional faz a importação das faturas que são enviadas pela Unimed, para que a Seção possa fazer os pagamentos relativos àquele mês.

Os processos dos núcleos administrativos e financeiros são operacionalizados pelo SIGNA – Sistema Integrado de Gestão de Núcleos Administrativos. Antes da solução do ICI, a Seção Judiciária utilizava-se de planilhas eletrônicas para executar e controlar seus processos. Agora, conta com módulos informatizados de solicitações, compras, contratos, bens móveis e imóveis, execução financeira e orçamentária, protocolo e segurança.

O SIGNA possui integração com os demais sistemas utilizados pelo TRF4 e o próprio Governo Federal, como o SIAFI (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal), SEI (Sistema Eletrônico de Informações) e GEAFIN (Gestão Administrativa e Financeira).

Ainda, a Justiça Federal do Paraná conta desde 2011 com ferramentas de Business Intelligence (BI) para análise de dados que auxiliam o processo de tomada de decisão. Foram desenvolvidos cases para acompanhamento financeiro, controle de despesas e processos judiciais, além de dados de recursos humanos.

Mais recentemente, foi elaborado um case de BI para o SIGNA, o qual apresenta um dashboard que permite acompanhar os indicadores relativos a cada módulo do sistema, como compras, por exemplo.

Com a entrega das soluções, o ICI disponibilizou uma consultoria local na JFPR para repasse tecnológico, o que inclui a entrega do código-fonte dos sistemas e apoio ao entendimento das regras de negócio para uma eventual mudança ou evolução das ferramentas.

Fonte: ICI

Tags, ,

Pesquisa com operadores de telecom aponta sistema adjunto como chave para criação de serviços digitais

Uma pesquisa feita pela companhia irlandesa Openet, líder global do mercado de BSS (Business Support System- sistema de suporte aos negócios, em português) com mais de 112 operadores de telecomunicação destaca uma mudança nas estratégias das companhias rumo à geração de novas formas de receita com oferta de novos serviços digitais. A pesquisa foi feita em maio deste ano e, dentre os entrevistados, 21,5% são da região APAC; 37,5% são de EMEA; 16% Norte América e 25% de CALA.

O estudo mostrou que há uma tendência clara em direção a projetos menores, com prazos mais curtos e também com risco reduzido. E, de acordo com os entrevistados pela pesquisa, o caminho que permitirá que esse movimento se torne realidade passa pela adoção de Sistemas Adjuntos e por soluções baseadas em casos de uso individuais como: cobrança VoLTE e qualidade de serviço, gestão, upsell inteligente, alertas de uso em tempo real, dados patrocinados e dados compartilhados.

O Sistema Adjunto pode ser entendido como um Sistema Conjunto ou que coexiste em paralelo ao Sistema legado, exercendo funções que o legado não é capaz de fazer. Seja porque é inadequado pela sua infraestrutura insuficiente ou porque é lento, inflexível e incapaz de implementar as novas tecnologias. Sistema adjunto se encarrega de realizar novas funções como shared data, VoLTE etc, necessárias para gerar novas receitas.

De acordo com os entrevistados, a visão de futuro está em colocar sistemas ágeis para realizar as novas funções, em projetos mais curtos e em tempo hábil para que novos negócios possam ser criados rapidamente. O estudo também revela que o principal motivo pelo qual as operadoras estão transformando o BSS é desenvolver, entregar e monetizar novos serviços digitais.

Os sistemas adjuntos são considerados na pesquisa a chave para a cobrança em tempo real – como um complemento aos sistemas de faturamento já existentes. Os sistemas adjuntos viabilizam novos projetos em período de tempo curto, em escalas de tempo significativamente menores do que em projetos de transformação tradicionais. Como resultado, 46% das operadoras pretendem adotar os sistemas adjuntos no prazo de 6 a 12 meses, com 42% estudando implementar dentro de 3 a 6 meses.

Esse movimento para projetos menores e mais ágeis foi demonstrado pelo fato de que as operadoras consideram soluções como casos de uso individuais estão sendo vistos como uma opção eficaz para obter a transformação de oferta de serviços digitais e geração de novas fontes de receita.

Historicamente, projetos de transformação para ofertas de novos serviços digitais têm sido demorados, caros e tiveram uma elevada taxa de insucesso. 68% das operadoras conhecem implementações BSS que falharam. O custo de projetos BSS que apresentaram falha varia entre as operadoras, mas 50% colocam o custo entre US$5 e US$20 milhões e 10% colocam o custo acima de US$ 100 milhões. Entretanto, o impacto de projetos BSS que falharam é sentido principalmente pela área de Marketing e no desenvolvimento de novos produtos. As operadoras acreditam que o principal impacto de falhas BSS está na prorrogação/prolongamento de lançamento de produtos (80%), na incapacidade para reagir a avanços competitivos (64%) e no aumento do custo global de OpEx despesas operacionais (62%).

“As operadoras estão sentindo as reverberações da transformação digital acontecendo ao seu redor e querem um pedaço desse mercado. Enquanto os negócios do Google, Netflix e Amazon avançam, as operadoras estão sobrecarregadas com sistemas legados”, disse Barry Marron, GVP de Marketing da Openet. “Agora é imperativo que as operadoras possam acessar e usar sistemas automatizados em tempo real. Os dias de projetos de transformação que levam anos estão fadados à morte. A próxima fase da transformação nas operadoras tem que ser viabilizada em poucos meses”.

Faça o download do relatório da pesquisa: BSS and Digital Transformation – Operator Views on the Role of BSS in Digital Transformation

Tags, , , ,

Consórcio Nacional Volkswagen lança plataforma de vendas 100% digital

O Consórcio Nacional Volkswagen, uma das maiores administradoras de consórcios do País e entre as principais administradoras ligadas a montadoras em número de clientes ativos, segundo o Banco Central do Brasil, lança uma plataforma inteiramente digital para venda de cotas de consórcio. A modalidade é uma das apostas da companhia em 2016.

O sistema está disponível em www.cnvw.com.br e é parte da estratégia da empresa para aprimorar e diversificar ainda mais os canais de comercialização e relacionamento com o cliente, seguindo a tendência do mercado de estar cada vez mais inserido no ambiente online.

“O consórcio é uma alternativa segura de investimento nesse período sensível, vem apresentando bons resultados e é atrativo para o consumidor. Por meio da plataforma, é possível adquirir cotas de consórcio, aliando economia à comodidade de compra em qualquer hora e lugar, com a tradição da marca Volkswagen”, afirma Alessandro Lora Ronco, superintendente de Marketing da Volkswagen Financial Services. Outro destaque é a possibilidade de realizar simulações por modelo de automóvel e por valor mensal da parcela.

Mesmo diante do momento de instabilidade econômica pelo qual o Brasil está passando, segundo dados da ABAC – Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios –, o setor registrou crescimento em relação ao ano passado, com volume de 2,99 milhões, em janeiro de 2015, para 3,25 milhões, em maio de 2016, um incremento de 8,7%.

“Recentemente, promovemos uma grande mudança em todo o nosso sistema, visando aprimorar a agilidade e a qualidade dos serviços oferecidos aos nossos clientes. A plataforma digital é uma forma de estarmos cada vez mais próximos, oferecendo mais opções de compra, rápida e descomplicada, e com planos adequados às diferentes necessidades dos consumidores”, finaliza o executivo.

Tags, , , ,

Como conduzir as mudanças nas empresas

Mudanças acontecem todos os dias, dentro e fora das organizações. Novos projetos para melhoria de desempenho, redução de custos, aumentar vantagem competitiva, e tantas outras. Um dia é a implantação de uma nova tecnologia para aumentar a mobilidade de empregados e contratados, outro é adaptação a novas regras, outro transformações profundas pois apareceu um novo concorrente, e no outro ainda, é o cliente que promove mudanças internas ou de negócio e você vai junto.

Para que a mudança tenha sucesso, dependemos do interesse e do compromisso das pessoas. As mudanças impactam as pessoas profundamente em vários sentidos – processos, comunicação, insegurança, comportamento e até mesmo status, posição, relações de confiança.

A abordagem que orienta e dirige as iniciativas que visam garantir que a mudança seja implantada, estabilizada e consolidada é chamada de ‘change management’, ou gestão de mudanças. Ela consiste na adoção de práticas que consideram o lado humano da mudança.

Para Ronaldo Ramos, fundador do CEOlab, ignorar o fator humano é tomar risco excessivo e sinal de negligência. O especialista explica que quando a apropriação do conjunto de medidas que significa a mudança e o uso das soluções propostas é ignorado, ou quando o foco está exclusivamente em atender requerimentos técnicos, o resultado é risco alto e custo excessivo. “A produção declina. Clientes sentem impacto negativo quando não deveriam. Empregados desengajam. Contratados e prestadores de serviço especulam e criam suas próprias rotinas”, explica.

Para ele, deixar de planejar e dirigir o lado humano da mudança é caro, e o ‘change management’ é a disciplina que ajuda a mitigar os riscos de uma missão crítica. São essas iniciativas que eliminam a possibilidade do acaso, proporcionando ao capital humano a preparação, apoio e habilidades necessários para alcançar sucesso na mudança. “Quantas vezes você já ouviu que seus empregados e seus vizinhos são seu ativo mais importante? Pois então, a gestão de mudança organizacional e a transformação tornaram-se características permanentes do cenário de negócios”, afirma.

A experiência com ‘change management’ sugere que existem três principais obstáculos a superar:

1. Mudar a fadiga: fadiga é o esgotamento que surge quando as pessoas se sentem pressionadas a fazer muitas transições de uma só vez.

2. Falta de habilidades para garantir que a mudança seja sustentada ao longo do tempo: Segundo Ronaldo, os líderes podem estabelecer transformações ansiosos por elevar a qualidade do produto, mas quando os cronogramas de produção atrasam e o “gás” começa a ficar escasso, perdem coração. Na falta de uma maneira eficaz de lidar com os problemas de linha de produção, geralmente, esses líderes decidem que seus alvos não eram realistas e culpam a tecnologia de produção, ou acusam as pessoas da linha de frente de não estarem à altura da tarefa. “Uma maneira muito melhor para resolver o problema é investir em melhorias operacionais, como o design e a formação do processo, para incutir novas abordagens práticas e dar às pessoas o conhecimento e apoio cultural de que necessitam”, sugere.

3. Pouco envolvimento de níveis baixos da hierarquia: o terceiro grande obstáculo é que os esforços de transformação são tipicamente decididos, planejados e implementados com pouca entrada de pessoas de níveis mais baixos na hierarquia. Isso filtra a informação que poderia ser útil na concepção da iniciativa e, ao mesmo tempo, limita as oportunidades para obter a linha de frente da mudança.

Finalmente, Ronaldo sugere que se deve esquecer de considerar, em cada processo de mudança, não apenas aquilo que deve ser alterado, transformado, repaginado, mas sobretudo as forças envolvidas em sua execução, e os interesses daqueles que serão atingidos por elas.

Tags, , , , ,

Startup cria plataforma que automatiza logística e reduz custo com frete

42fa7cc1-a80a-40ba-9cd5-e5a6c8e4bbe0

O atual momento econômico do Brasil cria uma tendência natural de redução de custos nas empresas, fazendo com que muitas troquem de fornecedores, apliquem férias coletivas, demissões e, em alguns casos, encerrem suas atividades.

Algumas destas práticas podem ser evitadas com pequenas mudanças na gestão da empresa, de modo que otimizem seus gastos e seu tempo. O grande vilão, algumas vezes, é o frete que em alguns produtos corresponde a até 80% do preço de venda. São muitos os fatores que contribuem para este elevado custo; destaque para três: contato com poucas transportadoras, falta de investimento em logística, e demora entre encontrar uma transportadora e solicitar a coleta da carga.

Estes problemas podem ser solucionados com ferramentas gratuitas disponíveis na internet que permitem realizar cotações de preços a qualquer momento, consultar várias transportadoras em tempo real, solicitar as coletas e acompanhar todas as cargas até a entrega.

No momento em que vender mais é essencial nas empresas, uma startup lança a plataforma Frete Rápido que conecta empresas e transportadoras de todo Brasil, automatizando o setor logístico das empresas de forma gratuita. A redução de custo obtida nestes casos pode ser repassada ao preço de venda, proporcionando um aumento significativo nos negócios e dando força para a empresa suportar este período de crise.

Tags, ,

Eli Lilly anuncia novo CEO para 2017

John Lechleiter se aposentará no final do ano e Dave Ricks assumirá a posição como 11º CEO da Lilly

A farmacêutica Eli Lilly anunciou nesta semana que Dave Ricks, 49 anos, presidente de Biomedicinas da empresa desde 2012, substituirá John Lechleiter como novo presidente e CEO global da companhia. Ricks assumirá o cargo em 1º de janeiro de 2017 e, em maio do ano que vem, também se tornará um membro do conselho de administração da Lilly.

John Lechleiter anunciou sua aposentadoria em Indianópolis, capital de Indiana nos Estados Unidos, sede da empresa, e deixou claro que seu sucessor está preparado para os desafios da liderança. “Tem sido uma grande honra e um privilégio servir esta grande empresa como CEO nestes últimos oito anos”, disse John Lechleiter. “Dave é um líder capaz, decisivo e entusiasmado que está muito bem preparado para me suceder”, confirmou John.

Dave Ricks, graduado em Gerenciamento Industrial pela Purdue University e com MBA pela Indiana University, está na Lilly desde 1996 e já passou por diversos cargos dentro da empresa, inclusive atuando como Gerente Geral no Canadá, na China e nos Estados Unidos. Refletindo sobre a notícia de que ele se tornará 11º CEO na história de 140 anos da empresa, Dave relata sua perspectiva de liderar a Lilly. “Estou incrivelmente orgulhoso da Lilly e das pessoas que trabalham aqui. Cada um desempenha um papel importante em melhorar a vida das pessoas ao redor do mundo por meio dos nossos medicamentos. Juntos, nos próximos anos, podemos atender e até superar as expectativas de todos os envolvidos: pacientes, médicos, pagadores e toda a sociedade”, explica Dave.

A prioridade até o final do ano será concentrar os esforços e dar continuidade às atividades em conjunto nos próximos meses. “Temos um grande negócio ainda à nossa frente em 2016, incluindo ações em torno dos resultados de nosso estudo clínico EXPEDITION-3 de solanezumabe, para tratamento do mal de Alzheimer, perto do final do ano e, obviamente, nós vamos passar muito tempo juntos para garantir uma transição suave”, explicou John Lechleiter. Dave desempenhará um papel significativo no planejamento de negócios para 2017, pois será responsável por dar continuidade nos objetivos já estabelecidos, por exemplo, os lançamentos previstos dos novos medicamentos da Lilly para os próximos anos. “Como uma das pessoas que ajudou a desenvolver e implementar a estratégia da Lilly, juntamente com John, eu estou totalmente comprometido com a jornada que temos como compromisso”, finaliza Dave.

Tags, ,

Acom Sistemas moderniza ERP EVEREST para garantir transformação digital vivida por clientes

bd0bbc42-38de-4458-8adc-7c600fb1443e

As mudanças impostas pela agilidade de um mundo cada vez mais móvel e conectado exigem uma grande adaptação, principalmente, no comportamento e no uso de tecnologias nas empresas. Não há mais espaço para projetos de custos exorbitantes, longos, que tomam muito tempo e que levam a uma utilização extensiva de recursos humanos e investimentos das corporações.

Alinhada às novas tendências e conceitos, a ACOM Sistemas apresenta o EVEREST Gestão Empresarial 3.0. “Hoje, os usuários têm uma forma diferente de se relacionar com o ERP. Não podemos mais pensar em sistemas monolíticos em que um usuário, para incluir uma nota fiscal, precisa entrar em 4 ou 5 telas e preencher uma enormidade de informações. É preciso que o sistema tenha uma interface amigável, que permita ao cliente operar sem grandes investimentos em treinamento e vastos manuais. A interação deve ser semelhante à que ele tem com o smartphone”, afirma Carlos R. Drechmer, diretor de tecnologia da empresa. “Realizamos uma série de mudanças na arquitetura do EVEREST, incluindo a integração com vários aplicativos para melhorar a experiência dos usuários e facilitar a migração de nossa base de mais de 800 clientes”, completa Drechmer.

As áreas de desenvolvimento, operacional e comercial foram ampliadas, criou-se uma equipe de testes específica para a nova plataforma, um novo software de testes foi adquirido, tudo para garantir a entrega da nova versão com a máxima documentação e menor impacto sobre suporte. Pensando também em melhorar o uso das soluções, serão disponibilizados vários treinamentos no modelo de educação a distância (EAD).

A nova plataforma vai operar no conceito de nuvem, que inclui uma ferramenta de Business Intelligence para análise em tempo real dos negócios, com indicadores de gestão para cada segmento. Além disso, o sistema terá suporte para ser operado por apps via smartphones.

Cada usuário poderá personalizar a tela que utiliza e a disposição de aplicativos. O layout do sistema também vai acompanhar o segmento que atende, seja da indústria, do comércio ou varejo de restaurantes, por exemplo.

O diretor operacional Eduardo Ferreira salienta que todos os esforços são no sentido de fazer, da nova versão do EVEREST, uma ferramenta ágil e com a mesma robustez e confiança do sistema que sempre garantiu uma experiência extremamente confiável aos clientes. “O fato de termos um sistema com mais de 15 anos, utilizado por um mercado tão exigente, nos deu ótimos parâmetros para responder quais melhorias são necessárias para ter um produto atualizado. Além da experiência “de campo”, as tecnologias mundiais lançadas ao longo destes anos geraram, para nós, uma lista de melhorias a serem incorporadas nesta nova versão. O EVEREST 3.0 estará mais preparado para gerar informações através de novas funcionalidades técnicas, que permitem, numa mesma tela, consultas rápidas com agrupamentos, ordenações e filtros configuráveis pelo usuário”, explica Ferreira.

O novo EVEREST 3.0 também segue padrões de governança corporativa e compliance fiscal. Para isso, foi contratada uma consultoria especializada nas áreas fiscal e contábil, garantindo o cumprimento de obrigações legais. Há, também, um cuidado especial com regras de segurança da informação.

Toda essa transformação foi viabilizada pelo constante crescimento da ACOM com atenção em seus clientes. “Tivemos ainda, um aporte da Finep, via BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, que, após análise do projeto, viabilizou o financiamento por meio da linha de crédito Inovacred. Este investimento deu a garantia para que pudéssemos adquirir as licenças de software, novas máquinas e contratação de profissionais”, comemora Carlos R Drechmer.

Para Marcelo Gallo diretor comercial e de alianças, “todo este movimento e investimento é reflexo do foco e da dedicação nas verticais onde a empresa atua. Definimos nossa estratégia de atuação há três anos e, de lá para cá, crescemos mais de 200%, conquistando mais de 25 grupos empresariais nos mais diversos segmentos. O novo EVEREST 3.0 vai nos possibilitar implantar mais rápido e com um custo ainda mais acessível, permitindo um crescimento maior da empresa”, comenta Marcelo Gallo.

Fonte: Curitiba IT

Tags, , , , ,

Philips anuncia novo diretor da área de Tecnologia da Informação em Saúde para a América Latina

A Philips, empresa líder em inovação para saúde e bem-estar, anuncia Evandro Garcia como novo diretor de Vendas, Marketing e Serviços da área de Tecnologia da Informação em Saúde para a América Latina. O executivo já liderava a área de Serviços da Philips e assume o desafio de liderar as estratégias de expansão das soluções em Healthcare IT, como o software de gestão em saúde Tasy, e de garantir a qualidade da oferta de serviços e soluções para a base de clientes da empresa na região.

Com 15 anos de experiência profissional, desenvolveu sua carreira em posições de liderança de hospitais e serviços na área de saúde, como Unimed Maringá, GP Investimentos, First Line e Grupo Sobam.

A missão da Philips é melhorar a vida das pessoas por meio de inovações relevantes, como os seus produtos ou a implementação do Workplace Innovation para seus funcionários, um conceito global aplicado em todos os escritórios da empresa e que cria o ambiente adequado para estimular a criatividade e a inovação.

Tags, , , ,

Pokémon GO: 4 riscos de baixar o jogo de fontes não oficiais

Nunca antes um jogo para smartphones provocou tanta expectativa e mexeu tanto com os usuários, que se movem pelas cidades para capturar monstrinhos de Pokémon GO. O aplicativo já está instalado em mais de 5% dos smartphones Android, número superior a programas famosos, como o Tinder, que possui 3% de adesão de usuários com dispositivos Android.

Há histórias de pessoas que fizeram o impossível para capturar os 151 Pokemons disponíveis. Na Flórida, Estados Unidos, por exemplo, dois adolescentes utilizavam o app quando um homem atirou neles por tê-los confundido com ladrões. Felizmente eles não foram feridos. Na Inglaterra, quatro adolescentes tiveram que ser resgatados pela polícia após se perderem em uma rede de cavernas subterrâneas enquanto jogavam.

Muito foi dito sobre as medidas que devem ser tomadas para que as pessoas não se percam ou coloquem suas vidas em risco enquanto jogam o Pokemon GO, mas o que fazer em relação à cibersegurança do celular?

O aplicativo foi lançado em diversos países, mas ainda não está disponível oficialmente para a América Latina (no Brasil, a previsão é de que chegue no dia 31 de julho). Por conta disso, muitos gamers estão fazendo o download do aplicativo em vários sites, por meio de um arquivo estendido APK. O APK é uma variante do formato Java (JAR) e é utilizado da mesma maneira que o arquivo comprimido ZIP, só que no Android. Entretanto, isto representa um risco porque não se sabe se o APK é de uma fonte confiável.

Utilizando ferramentas de integração de malware, como o DroidJack, um cibercriminoso pode “adicionar” funções extras em qualquer aplicativo, como o Pokémon GO, neste caso. Ao utilizar estas fontes não certificadas, o usuário não tem como saber que o aplicativo pode fornecer ferramentas que possibilitam acessar o telefone e roubar informações de mensagens de texto, fotos e vídeos, entre outras. Frederico Tostes, country manager da Fortinet no Brasil, cita alguns riscos em utilizar uma fonte como essa:

1- Os arquivos podem roubar suas informações: Caso um cibercriminoso tenha acesso ao seu dispositivo móvel, ele pode:

a. Visualizar suas mensagens de texto

b. Fazer o download de suas fotos e vídeos

c. Ter acesso ao seu histórico de acesso à internet

d. Ligar sua câmera e microfone

2- Riscos de segurança financeiros: instalar aplicativos sem controles de segurança permite que o cibercriminoso instale o que quiser utilizando as informações financeiras do proprietário do celular.

3- Vírus de computador: o aplicativo pode ter um software malicioso, como por exemplo um Ransomware, que assume o controle de todos os arquivos e impossibilita o usuário de acessar suas fotos e documentos.

4- Ataques a redes utilizando seu dispositivo: Criminosos podem instalar um malware que adiciona uma botnet no dispositivo móvel, isto é, seu celular se tornará um “zumbi” que permitirá que criminosos organizem ataques a redes maiores.

A diversão e a cibersegurança devem andar de mãos dadas, sem colocar em risco informações importantes de nossos dispositivos móveis. Para que isso aconteça, é sempre importante adotar medidas de segurança como:

1) Instalar softwares de proteção no seu computador e smartphone

2) Utilizar apenas fontes confiáveis para baixar aplicativos, dando preferência às lojas oficiais de softwares

3) Atualizar seus softwares com frequência (novas versões costumam trazer correções para vulnerabilidades identificadas)

4) Fazer backup periódico de seus dados

Tags, , , , ,

América Latina e China se complementam quando o assunto é desenvolvimento de aplicativos

Por Rafael Lauand

Recentemente, tive a oportunidade de conhecer melhor o mercado de internet chinês, durante o evento World O2O Expo, em Pequim, na China. O que mais ouvi por lá foram questionamentos sobre as diferenças dos aplicativos chineses em relação aos latinos.

Do meu ponto de vista, a diferença entre os dois mercados é relativamente simples: os apps latinos são mais focados na usabilidade e na interface, enquanto os chineses se concentram em funcionalidades. O que isso significa? Significa que por aqui criamos aplicativos específicos para cada tipo de serviço: um para chamar táxi, outro para pedir comida, outro para mapas e geolocalização, para jogos, e assim por diante. Também temos muita preocupação com a interface. Ela deve ser simples e objetiva. Quanto mais fácil de usar, melhor. Já os chineses se preocupam mais com inovação e, como já dito, as funcionalidades dos apps. É comum eles terem uma espécie de marketplace de serviços dentro do aplicativo. Para ilustrar essas diferenças, vou usar os exemplos de dois apps de mensagens: o americano WhatsApp e o chinês WeChat.

Atualmente com 1 bilhão de usuários, o WhatsApp é um aplicativo que permite enviar e receber mensagens de texto, imagens, vídeos, documentos em PDF, Word, Excel e PowerPoint, além de fazer ligações grátis por meio de uma conexão com a internet. E segue a característica latina de possuir uma interface simples.

O WeChat, com aproximadamente 800 milhões de usuários, vai mais longe. Além de integrar diferentes meios de comunicação, como seu concorrente WhatsApp, ele possui dois diferenciais bem relevantes. Um é o sistema de localização junto ao recurso que deixa o usuário descobrir e conversar com quem está por perto, na mesma rua, quadra ou a poucos metros, o que pode aproximar as pessoas, em vez de enquadrá-las apenas no universo da amizade virtual. Podemos dizer que o WeChat é uma combinação de WhatsApp, Tinder, PayPal e diversos outros.

E, acredite, essas diferenças estão atreladas ao perfil daqueles que colocam dinheiro para o negócio funcionar. Os investidores de venture capital latinos frequentemente pressionam as startups para terem um fluxo de caixa positivo o mais rápido possível, por isso, elas são focadas em melhorar constantemente a interface e a usabilidade para conseguir se estabelecer em um mercado específico e alcançar esse tão almejado fluxo de caixa positivo. Por outro lado, os investidores chineses são bastante centrados no crescimento da base de usuários, pois acreditam que é ela que dará o retorno financeiro desejado ao negócio, o que faz muito sentido no gigante mercado chinês. Outra vantagem do mercado chinês em detrimento ao latino é que o país tem dinheiro e o acesso ao capital para empreender é muito mais fácil e menos burocrático.

Com tudo isso, eu diria que as oportunidades no mercado de internet latino são imensas, principalmente se considerarmos que, no primeiro trimestre de 2016, contamos com apenas 1% (algo em torno de US$ 300M) do investimento de venture capital global, contra 25% na Ásia, sendo sua maioria na China. Fazemos muito com pouco. Também somos criativos e isso atrai a atenção dos chineses para as nossas ideias. Da nossa parte, podemos importar deles a possibilidade de incorporar mais funcionalidades aos apps e aproveitar melhor o investimento de risco que envolve as startups. Sem dúvida, são mercados que se complementam no que diz respeito ao desenvolvimento de aplicativos e merece atenção a troca dessas expertises. Se temos muito a aprender com os chineses, também temos muito a ensinar.

Rafael Lauand é CEO da Vá de Táxi, empresa de chamada de táxi da Porto Seguro.

Tags, , ,

Verint lança solução “Robotic Process Automation” para impulsionar produtividade, reduzir custos e auxiliar no cumprimento de regulamentações

A Verint® Systems Inc. (Nasdaq: VRNT), uma das mais importantes empresas de software do mundo, anuncia sua nova solução Verint Robotic Process Automation™, um conjunto de recursos avançados de software robotizado para automatizar, administrar e executar altos volumes de processos trabalhosos do cotidiano das empresas. Ao potencializar o uso do software, as companhias podem reduzir de forma significativa a necessidade de processamento manual de tarefas diárias ou de processos com múltiplas etapas para melhorar a qualidade e a consistência das operações. As corporações também ganham em eficiência operacional, produtividade e qualidade, além da redução de custos, enquanto mantêm a segurança de informações confidenciais e garantem o cumprimento das regulamentações de compliance.

Atualmente, as empresas precisam realizar milhares de processos longos e cansativos todos os dias. Ao utilizar a solução Verint Robotic Process Automation, elas podem automatizar funções como alteração de endereço de clientes, processamento de reclamações, inscrições, gerenciamento de políticas, assim como outras operações e tarefas de alto volume. Isso ajuda a eliminar os erros que geralmente ocorrem em caso de inserção manual de dados. Ao automatizar essa rotina, também é possível que os funcionários tenham mais tempo para focar em funções de maior valor agregado e com foco no cliente, o que influencia positivamente no engajamento e tem um maior impacto no negócio.

Utilizando a Verint Robotic Process Automation, as empresas podem:

• Aumentar a produtividade ao automatizar altos volumes de processos de call center e back-office durante os períodos de pico e concluir mais atividades em menos tempo.

• Elevar o nível de qualidade e eliminar erros humanos ao descartar trabalhos entediantes e suscetíveis a erros quando os dados são inseridos manualmente em diversos sistemas.

• Tratar as necessidades de compliance para auxiliar a automação de processos em conformidade com regulamentações ou outros requisitos, ajudando na gestão de riscos.

• Adaptar à demanda ao responder rapidamente em períodos de pico ou de aumento inesperado de volume de trabalho ao utilizar robôs on-line para agilizar a entrega.

• Diminuir os custos operacionais ao fazer com que os funcionários gastem menos tempo ocupados com tarefas repetitivas e banais, além de reduzir as despesas relacionadas à mão de obra interna ou terceirizada.

• Maximizar o tempo e os recursos ao utilizar as capacidades robóticas para gerir processos sem valor agregado.

• Manter um ambiente seguro ao utilizar robôs em vez de funcionários para processar tarefas delicadas ou lidar com informações confidenciais.

Utilizando tecnologias patenteadas de reconhecimento visual que não exigem integração ou programação para que operem com outras aplicações, a solução Verint Robotic Process Automation pode fazer os processos comerciais funcionarem por múltiplas aplicações e é capaz de registrar cada etapa com alguns cliques por meio da navegação dentro das interfaces de usuário existentes. Como resultado, as empresas podem facilmente gravar scripts para que os robôs executem-os no front-end. O administrador de usuários ou o administrador central também pode gerenciar e monitorar a produtividade dos robôs utilizando o dashboard baseado na web da solução.

Além disso, a mesma tecnologia pode ser implementada para operar em lado a lado com os funcionários, oferecendo a função “mostre-me” para orientá-los em procedimentos novos ou raramente utilizados, ou para auxiliar no treinamento de novos funcionários durante a integração. Ao adotar a nova solução Verint Process Assistant™, o mesmo web studio e dashboard para registro de tarefas e monitoramento de uso podem ser implementados ao utilizar scripts criados para automatizar parte das tarefas do desktop que os funcionários selecionam e concluem.

“Para acompanhar as demandas de um mercado global tão competitivo como o atual, é necessário que as empresas façam mais em menos tempo. É nessa hora que programas como os nossos Robotic Process Automation e Process Assistant podem ajudar”, afirma Kristyn Emenecker, Vice-Presidente Global do Grupo de Estratégias de Produtos da Verint Enterprise Intelligence Solutions™. “Essas soluções são desenvolvidas para auxiliar as companhias na simplificação de processos e tarefas de rotina, com o objetivo de aumentar a produtividade e reduzir erros, para elevar a qualidade e diminuir os impactos aos clientes, além de garantir a segurança de dados confidenciais e auxiliar no cumprimento de conformidades regulatórias.”

“Ao automatizar e executar essas tarefas, os robôs permitem que os funcionários foquem em processos com maior valor agregado e em tarefas com foco no cliente. Isso significa maior habilidade para aperfeiçoar a eficiência e a automação de atividades, bem como o compromisso dos funcionários ao criar tarefas mais interessantes e menos repetitivas”, diz Emenecker.

Tags, , ,