Page

Author admin

Bayer e Monsanto criarão líder global na agricultura

A Bayer e a Monsanto anunciaram hoje que assinaram um contrato de fusão definitiva sob o qual a Bayer vai adquirir a Monsanto por US$ 128 por ação em uma operação à vista. O Conselho de Administração da Monsanto, o Conselho de Administração da Bayer e o Conselho Fiscal da Bayer aprovaram o contrato por unanimidade. Com base no preço de fechamento das ações da Monsanto em 9 de maio de 2016, dia anterior à primeira proposta feita por escrito pela Bayer à Monsanto, a oferta representa um prêmio de 44% sobre tal preço.

“Temos o prazer de anunciar a combinação de nossas duas grandes organizações. Isso representa um grande passo para nosso negócio Crop Science e reforça a posição de liderança global da Bayer como empresa de Ciências da Vida, impulsionada pela inovação e que ocupa posições de liderança em seus principais segmentos, entregando valor substancial aos acionistas, clientes, funcionários e à sociedade em geral”, disse Werner Baumann, CEO da Bayer AG.

“O anúncio de hoje é prova de tudo que conseguimos realizar e do valor que criamos para os nossos stakeholders na Monsanto. Acreditamos que a fusão com a Bayer traz muito valor aos nossos acionistas, principalmente por conta da contraprestação à vista”, disse Hugh Grant, presidente e CEO da Monsanto.

Soluções melhoradas para produtores

A operação une duas empresas diferentes, mas altamente complementares. Os negócios combinados se beneficiarão da liderança da Monsanto em Sementes & Traits e de sua plataforma The Climate Corporation, bem como da ampla linha de produtos de Proteção de Cultivos da Bayer em uma abrangente gama de indicações e culturas em todas as principais regiões. Como resultado, os produtores serão beneficiados por um amplo conjunto de soluções que atenderão às suas necessidades atuais e futuras, dentre as quais soluções avançadas em sementes e traits, em agricultura digital e em proteção de cultivos.

A combinação também reúne as capacidades líderes em inovação e as plataformas de tecnologias de P&D das duas empresas, com um orçamento anual proforma de aproximadamente EUR 2,5 bilhões em P&D. Em médio e longo prazo, a empresa combinada poderá acelerar a inovação e levar aos clientes soluções melhoradas e um conjunto de produtos otimizado baseado em insights agronômicos analíticos e apoiado por aplicações no campo da Agricultura Digital. Isso deve resultar em benefícios significativos e duradouros para os agricultores: de melhor abastecimento e mais comodidade a rendimentos mais altos, mais proteção para o meio ambiente e mais sustentabilidade.

“O setor agrícola está no centro de um dos maiores desafios dos nossos tempos, que é alimentar, de forma ambientalmente sustentável, três bilhões de pessoas a mais no planeta em 2050. Ambas as empresas acreditam que esse desafio requer uma nova abordagem que integre, de forma mais sistemática, o conhecimento em Sementes, Traits e Proteção de Cultivos, incluindo Biológicos, com um profundo compromisso com a inovação e práticas de agricultura sustentável”, disse Liam Condon, membro do Conselho de Administração da Bayer AG e Head da Divisão Crop Science.

“Estamos entrando em uma nova era na agricultura, uma em que existem grandes desafios que exigem soluções sustentáveis e tecnologias novas para permitir que os agricultores produzam mais com menos. Esta combinação com a Bayer entregará exatamente isso – um motor de inovação que une o portfólio de proteção de cultivos da Bayer às nossas sementes e traits de classe mundial e ferramentas agrícolas digitais para ajudar os produtores a superarem os obstáculos do amanhã. Juntas, a Monsanto e a Bayer darão continuidade às nossas tradições e aos respectivos históricos de inovação no setor agrícola, oferecendo um conjunto mais completo e mais amplo de soluções para os produtores”, disse Grant.

Criação de valor

O faturamento proforma dos negócios agrícolas combinados foi EUR 23 bilhões no ano civil de 2015. A nova empresa estará bem posicionada para participar do setor agrícola com grande potencial de crescimento em longo prazo. Além do atraente potencial de criação de valor trazido pela fusão, a Bayer acredita que a operação trará aos seus acionistas um acréscimo de LPA (lucro por ação) básico no primeiro ano completo após o fechamento e um percentual de dois dígitos de acréscimo no terceiro ano completo. A Bayer confirmou os pressupostos das sinergias de faturamento e custos por meio de um procedimento de due diligence e acredita que haverá contribuições totais anuais ao EBITDA de cerca de US$ 1,5 bilhão após três anos, além de outras sinergias advindas de soluções integradas em anos futuros.

Condições de financiamento e fechamento

A Bayer pretende financiar a operação por meio de uma combinação de dívida e capital. O componente de capital de cerca de US$ 19 bilhões deve ser captado por meio de uma emissão de obrigações conversíveis em ações e através de uma emissão de direitos com direito de subscrição. Um empréstimo-ponte no valor de US$ 57 bilhões está empenhado pela BofA Merrill Lynch, Credit Suisse, Goldman Sachs, HSBC e pela JP Morgan.

A Bayer tem um histórico comprovado de desalavancagem disciplinada após grandes aquisições, e acredita que os fortes fluxos de caixa da empresa combinados ajudarão a melhorar seu perfil financeiro. A Bayer tem como meta uma classificação de grau de investimento após o fechamento, e seu compromisso é com uma classificação de categoria “A” em longo prazo.

A aquisição está sujeita às condições habituais de fechamento, incluindo a aprovação dos acionistas da Monsanto em relação ao acordo de fusão e o recebimento das aprovações regulatórias necessárias. O fechamento deve ocorrer até o final de 2017. As empresas trabalharão de forma intensa com os reguladores visando garantir um fechamento bem-sucedido. Além disso, a Bayer está comprometida com uma taxa de ruptura reversa antitruste no valor de US$ 2 bilhões, reafirmando sua confiança de que ela obterá as aprovações regulamentares necessárias.

Sede e funcionários

A empresa agrícola combinada terá a sede global de Sementes & Traits e comercial em St. Louis, Missouri, Estados Unidos, enquanto sua sede global de Crop Protection e de Crop Science ficará em Monheim, Alemanha. Além disso, ela terá importante presença em Durham, Carolina do Norte, bem como em muitas outras localidades em todos os EUA e ao redor do mundo. As atividades de Agricultura Digital da nova empresa serão sediadas em São Francisco, Califórnia.

“Esta combinação representa uma grande oportunidade para os funcionários, que estarão na vanguarda da inovação em nosso setor. Essa operação também aumenta o forte compromisso da Bayer com os EUA, tirando proveito de nossa história de 150 anos com operações em 25 estados e empregando mais de 12 mil pessoas no país. Estou convencido de que a Monsanto florescerá como parte de uma das empresas mais respeitadas e confiáveis do mundo”, disse Baumann.

A Bayer tem uma vasta e bem-sucedida experiência em integrar aquisições a partir de uma perspectiva comercial, geográfica e cultural, e permanece comprometida com sua forte cultura de inovação, sustentabilidade e responsabilidade social.

Assessores da operação

O BofA Merrill Lynch e o Credit Suisse estão atuando como os principais consultores financeiros e bancos estruturantes para a Bayer, além de fornecerem o financiamento comprometido para a operação; a Rothschild foi contratada para atuar como consultor financeiro adicional para a Bayer. Os assessores jurídicos da Bayer são a Sullivan & Cromwell LLP (F&A) e a Allen & Overy LLP (Financiamento).

A Morgan Stanley & Co. e a Ducera Partners estão atuando como consultores financeiros e a Wachtell, Lipton, Rosen & Katz como assessores jurídicos para a Monsanto.

Tags, ,

Dataprev promove maratona de programação com foco em aplicações mobile para cidadão

A Dataprev realiza desde terça-feira (13) seu primeiro Hackathon, uma maratona de programação com duração de 43 horas e a participação de 20 analistas de TI da empresa. O objetivo é criar aplicações mobile — para uso em smartphones, tablets e outros dispositivos móveis — que atendam às necessidades da empresa e de seus clientes no apoio a políticas públicas e sociais.

Cinco equipes estão imersas desde a tarde de ontem numa casa no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro, trabalhando na criação das aplicações finalistas do Hackathon. A solução vencedora, que será anunciada ao fim desta quinta-feira (15), será produzida pela Dataprev e oferecida como mais um produto para seus clientes governamentais.

Os empregados e o público poderão acompanhar o Hackathon por meio de transmissões de vídeo ao vivo, que serão feitas pela página da Dataprev na rede social Facebook, no endereço www.facebook.com/dataprevtecnologia. Haverá transmissões na tarde desta quarta-feira (14) e também durante a cerimônia de encerramento, que acontecerá amanhã, a partir das 17h.

Os participantes das cinco equipes trabalharam por toda a madrugada para elaborar os aplicativos propostos. Todos os projetos compreendem aplicações móveis para serem utilizadas pelo cidadão:

• Atendimento Cognitivo na Dataprev, de Luciano da Silva Figueiredo, do Departamento de Gestão do Planejamento e Suporte do Atendimento – Um aplicativo multiuso que utiliza o reconhecimento de voz, para ser usado no atendimento de serviços públicos em geral.

• e-CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social Digital, de Wallace Roque de Figueiredo, da Divisão de Arquitetura de Software (RJ) – Permitirá ao trabalhador a consulta de informações sobre todo o seu histórico trabalhista e outras informações do Ministério do Trabalho.

• Emprego Aqui, de Carlos David Ribeiro Pasco, da Divisão de Arquitetura de Software (RJ) – Permite a busca por vagas de emprego de acordo com a região (usando a localização do usuário através do GPS do celular) e acesso a várias outras informações sobre o mercado de trabalho, como, por exemplo, a remuneração média regional de determinada ocupação.

• Expectativa de Direito aos Benefícios Previdenciários, de Fabricio Gustavo de Paiva Vicente, da Unidade de Desenvolvimento de Software Paraíba – Aplicativo de consulta aos serviços da Previdência, no formato de uma conta-corrente atualizada em tempo real, incluindo ainda consulta ao direito de aposentadoria.

• Perícia Fácil, de José Felipe Ribeiro Araújo, da Unidade de Desenvolvimento de Software Ceará – Aplicativo para orientar o segurado do INSS sobre elegibilidade e como proceder para obter a perícia médica, além de permitir o agendamento de consulta e a visualização de todo o histórico do processo pericial.

Uma Comissão Julgadora multidisciplinar escolherá o vencedor com base em cinco critérios: Ideia inédita; Inovação; Relevância da solução; Viabilidade comercial; e Público-alvo. A comissão é composta por cinco jurados, sendo apenas um da Dataprev:

• Secretário de Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Marcelo Daniel Pagotti.

• Vice-Presidente do Gartner Research, Luis Claudio Mangi.

• Senior Manager da Accenture Digital, Vinicius Fontes.

• Nazareth Lopes Bretas, Doutoranda em Ciência Política pela UFRGS e servidora pública com atuação na Dataprev, no Ministério do Planejamento e na Prodabel.

• Superintendente de Desenvolvimento de Software na Dataprev, Diogo Costa Martins Pizaneschi.

Sobre o Hackaton – O Hackathon é uma maratona de programação que reúne programadores, analistas de sistemas e outros profissionais de TI para desenvolver, num trabalho intensivo em curto espaço de tempo, uma ideia ou projeto de software inovador e que tenha viabilidade e utilidade comprovadas. O termo Hackathon resulta da combinação das palavras em inglês “hack” (que significa programar de forma excepcional) e “marathon” (maratona).

Todos os empregados da Dataprev foram convidados a concorrer e o resultado foi expressivo: 35 projetos apresentados, oriundos de técnicos de vários estados, especialmente das cidades aonde a empresa mantém Unidades de Desenvolvimento de Software (Rio de Janeiro/RJ, Florianópolis/SC, João Pessoa/PB, Natal/RN e Fortaleza/CE).

Em seguida, foram feitas apresentações de cada projeto para que todos empregados da Dataprev pudessem escolher, por votação, os 20 melhores. Na etapa seguinte, uma comissão de técnicos da empresa selecionou os cinco finalistas. Cada autor de projeto formou então uma equipe de quatro programadores para desenvolver sua ideia no prazo de apenas 43 horas ininterruptas. Toda a produção necessária foi providenciada para apoiar as equipes nesse período: alimentação, áreas de descanso, laptops etc. O desenvolvimento dos projetos começou às 17h da terça-feira e terminará ao meio dia de desta quinta-feira (15).

Tags,

Twitter transmite jogos da NFL ao vivo

A partir desta quinta-feira (15), às 21h25, o Twitter inicia a transmissão ao vivo e gratuita de 10 partidas da NFL (Liga Nacional de Futebol Americano) com o jogo entre New York Jets (@nyjets) e Buffalo Bills (@buffalobills). Os internautas poderão assistir aos jogos no Twitter pelo perfil oficial da NFL (@NFL) e por meio do link TNF.Twitter.com no computador. As partidas estarão disponíveis para usuários e não usuários da plataforma. O Moments, ferramenta de curadoria do Twitter, também fará a cobertura dos jogos e incluirá um aviso de quando a transmissão estará ao vivo.

Além disso, será possível acompanhar a NFL e outros conteúdos de streaming ao vivo no Twitter, como os gerados pela @NBA, @Bloomberg e @Cheddar, por meio de um novo aplicativo do Twitter voltado aos aparelhos conectados da Apple TV (disponível globalmente), Microsoft Xbox One (disponível na Austrália, Brasil, Canadá, Estados Unidos, México e Reino Unido) e Amazon Fire TV (acessível apenas nos Estados Unidos e Reino Unido). O aplicativo permitirá que qualquer pessoa com esses dispositivos consiga acessar o conteúdo do Twitter, incluindo vídeos do Vine e Periscope e as transmissões ao vivo, sem precisar de uma conta no Twitter ou serviço de TV por assinatura. Para acessar o conteúdo, basta visitar a respectiva loja de aplicativos de cada plataforma.

“Esses dispositivos trarão a experiência de transmissão de vídeos em tempo real no Twitter para a tela da TV”, diz Anthony Noto, CFO do Twitter. “O Twitter tem sido um ótimo complemento para TV, e agora os fãs poderão desfrutar, direto de suas TVs, de mais vídeos premium a partir de conteúdos gerados ao vivo no Twitter. Estamos animados em proporcionar essa nova experiência, que não requer um acesso pago ou login no Twitter.”

Será possível, ainda, optar por receber notificações no celular sempre que alguma das contas seguidas iniciar uma transmissão ao vivo. Para isso, basta o usuário acessar pelo Twitter a conta que deseja acompanhar, como a da NFL (@NFL) por exemplo, selecionar o botão que tem a forma de um sino e ativar a opção para receber notificações. Depois disso, sempre que uma transmissão ao vivo for iniciada, o seguidor receberá uma notificação.

Emojis

Além de assistir às transmissões de jogos aos vivo e acessar o conteúdo do Moments, os fãs também poderão incluir emojis das 32 equipes da Liga Nacional de Futebol Americano em seus Tweets, usando a hashtag correspondente. As hashtags dos times e seus respectivos emojis podem ser encontrados neste link.

Tags, , ,

A inovação deve começar com o consumidor – Por Simone de Camargo

98189c87-a531-4fba-b0a3-06ac63910dc2

A indústria de tecnologia está sempre em busca da próxima ideia que vai transformar o mercado, que vai atrair mais consumidores. Por isso inovação é a palavra-chave no nosso meio. Sempre há uma oportunidade para a inovação, e precisamos apenas estar atentos como os nossos consumidores se comportam. Quantas vezes não vimos um produto usado para um fim diferente daquele que foi criado ou um uso adaptado em que ele atende ainda melhor às necessidades do consumidor?

O brasileiro tem uma palavra própria que pode traduzir uma oportunidade de inovação: a gambiarra.

Nos últimos anos, as impressoras ganharam uma série de novas funcionalidades que vão desde conexão Wireless até telas sensíveis ao toque. Mas a constante troca de cartuchos de tinta e o alto custo de impressão sempre foram os pontos críticos. O mercado, em especial o brasileiro, sempre tão criativo, buscou técnicas diferenciadas e econômicas para imprimir.

Para evitar a troca constante de cartuchos e baratear os custos, muitos consumidores passaram a adaptar tanques de tinta externos as impressoras. A gambiarra, neste caso chamada de bulk ink, passou a ganhar bastante mercado. Vimos multiplicar o número de prestadores de serviços adaptando equipamentos, fornecedores de tintas; um mercado alternativo ao cartucho.

Em pouco tempo, as impressoras da Epson eram as mais utilizadas no bulk ink, pois tanto os técnicos quanto os usuários perceberam que eram mais duráveis, devido à cabeça de impressão permanente, com a exclusiva tecnologia MicroPiezo. Mas a qualidade controversa das tintas danificava os produtos, que perdiam as garantias de assistência técnica devido à gambiarra.

Foi observando esse comportamento e mercado potencial que a Epson começou a desenvolver sua própria solução com tanque de tinta, a família Ecotank. A demanda do consumidor era clara: equipamento mais produtivo, insumo mais barato, e mais autonomia. Mas a Epson foi além: reduziu o custo por impressão aos mínimos centavos, mesmo utilizando tinta original de qualidade, especial para a alta tecnologia de suas cabeças de impressão, e estendeu a economia também ao nível do consumo de energia.

A gambiarra deu o insight, mas Ecotank nada tem de improviso. Todo o sistema atende às demandas do consumidor, porém com tecnologia confiável e garantia da indústria. Desde 2013, a Epson produz no Brasil uma solução cujo custo-benefício conquistou o consumidor que antes buscava adaptações precárias, sem qualidade de cor e vazamentos, que danificavam as cabeças de impressão.

É claro que Ecotank acabou caindo no gosto do consumidor e virou caso de sucesso. Hoje, alcançamos a marca de 1 milhão de impressoras da família fabricadas no Brasil.

A linha EcoTank permite que o usuário imprima milhares de páginas com o mesmo kit de tintas. A vantagem salta aos olhos. Uma garrafa de tinta substitui mais de 30 cartuchos. O kit de 4 garrafas imprime até 7500 páginas coloridas, o que equivale a 15 resmas de papel. A troca de insumo é totalmente autônoma, o consumidor compra sua garrafa e troca a tinta em casa.

Sensível à gambiarra, a Epson reinventou o mercado de tinta no Brasil. E esse caso tem a ver com os mais de 30 anos que trabalhamos para imprimir uma história bem-sucedida no país. E porque Ecotank retribui com mais economia e produtividade ao consumidor, a Epson vai celebrar a marca de 1 milhão de impressoras brasileiras com a campanha “Impressora Dourada”.

A inovação não necessita ser disruptiva! Quando ela nasce de uma necessidade prática na nossa vida, então o benefício gerado é uma garantia de sucesso.

Simone de Camargo, Diretora de Marketing da Epson do Brasil

Tags, , , , , , , , , , ,

Parceria entre ICI e P&D Brasil fortalece relacionamento

imagem.ashx

O Instituto das Cidades Inteligentes (ICI) se associou à P&D
Brasil – Associação de Empresas do Setor
Eletroeletrônico de Base Tecnológica Nacional. O objetivo
é contribuir com o fomento de políticas públicas
para o desenvolvimento tecnológico e a integração
da indústria nacional de tecnologias da
informação e comunicação (TIC),
fortalecendo o relacionamento cooperativo das empresas nacionais.

Para o assessor de Mercado do ICI, Amilto Francisquevis, “a P&D
Brasil tem aderência aos conceitos do Instituto, pois objetiva
alavancar o desenvolvimento tecnológico da indústria,
com alto valor agregado, nos mercados internos e externos”.

A diretora executiva da P&D Brasil, Rosilda Prates, comenta que as 42
indústrias que fazem parte da associação é
composto por produtos e serviços que se complementam.
“Essas soluções se aplicam também para
atendimento às demandas dos municípios brasileiros,
principalmente ao encontro dos projetos de Cidades
Inteligentes”, destaca. “O ingresso do ICI como associado
à P&D Brasil abre oportunidade de expansão de
negócios no mercado para as outras associadas e para o
próprio Instituto”, finaliza a diretora.

Tags, , ,

Plusoft vence em quatro categorias do Prêmio CONAREC 2016

11874918-787f-4d9d-9f4a-355b1e8c63d9

A Plusoft, empresa brasileira pioneira e líder no desenvolvimento de soluções multicanais para o relacionamento com clientes, foi eleita a melhor fornecedora de Tecnologia em quatro categorias do Prêmio CONAREC 2016: Software de Atendimento, Solução CRM, Solução de Atendimento Web e Melhor Parceira de Negócios. A premiação ocorreu na cerimônia de abertura do Congresso Nacional das Relações Empresa-Cliente realizada no Hotel Transamérica, em São Paulo.

A premiação é baseada na avaliação de usuários, empresas e profissionais que atuam no setor de Relacionamento com o Cliente, incluindo companhias de contact center e fornecedores de tecnologia, o que garante um completo panorama do segmento. “Estamos muito satisfeitos com esse reconhecimento. A conquista, em grande parte, é resultado dos quase trinta anos em que atuamos na área, sempre apostando em inovação. Esses prêmios mostram que estamos seguindo na direção certa, de acordo com o que o mercado precisa”, comenta Guilherme Porto, CEO da Plusoft.

Esse é o terceiro ano consecutivo em que a Plusoft é premiada pelo CONAREC. Em 2014, a empresa foi reconhecida nas categorias Software de Atendimento e Solução CRM. Já em 2015, venceu em Solução CRM novamente e em Solução de Atendimento Web. Ao todo, a organização já acumula mais de 50 prêmios do setor pela qualidade de suas soluções de CRM Multicanal, sucesso em grande parte atribuído à sua capacidade de inovar e ao trabalho em parceria com os clientes. Os produtos da Plusoft asseguram a otimização de processos nas áreas de atendimento, vendas e marketing, acelerando a resolução de demandas de usuários, reduzindo custos operacionais e melhorando a percepção de consumidores com relação à marca.

Tags, , , , , , ,

Migrar do produto à solução apenas não basta! – Por Eduardo Borba

Consultores de negócios identificaram, há mais de uma década, que a oferta de soluções completas, nas quais múltiplos componentes, entre eles equipamentos e serviços intangíveis, pode ser o melhor caminho para ampliar a rentabilidade da venda e a fidelização de clientes.

Obviamente há um preço a pagar quando se pratica o “solution selling”. O desafio claramente reside em superar a complexidade em somar os componentes – produtos e serviços próprios e eventualmente de terceiros – e orquestrar sua precificação, atentando para ganhos de sinergia em custos e em benefícios ao comprador.

Neste ponto, muitas empresas decidem pelo caminho mais curto e, ao invés de investirem em marketing e capacitação de sua força de vendas, optam pela venda de produtos. Essa escolha pode simplificar sobremaneira todo o processo, requer menos investimento e acelera o go to market. Mas, esse método, de fato, traz maiores benefícios para sua empresa? Analisemos a consequência mais provável: ao focar em produtos, sua empresa será reconhecida como provedora do produto A ou B. O diferencial de escolha do comprador será orientado a preços. Seus concorrentes se empenharão em ofertar produtos similares com preços mais baixos. Você se concentrará em otimizar seu processo de fabricação para diminuir o custo unitário e ganhar com vendas em maior escala. Seus concorrentes fazem o mesmo. E todos estarão fadados à espiral decrescente de rentabilidade do um mercado regido por commodities.

O caminho das empresas que optam pela venda de soluções é mais trabalhoso e requer maior investimento inicial, porém propicia posicionamento diferenciado e focado na agregação de valor, distanciando sua oferta dos demais concorrentes e da guerra de preços. Parece uma alternativa mais inteligente ao gestor de negócios que busca maiores margens de contribuição e longevidade de seus negócios.

Aí vem a pergunta mais importante: para obter sucesso no mercado atual, basta então escolher o modelo de venda de solução? Obviamente a resposta é não! O mercado se adapta de acordo com as inovações tecnológicas, novas tendências e demandas dos negócios. Acompanhar esse dinamismo é fundamental para se manter competitivo. O que é relevante hoje pode se tornar obsoleto amanhã (alguém se lembra do VCR ou Fax?). A seguir menciono alguns fatores a considerar ao revisar seu modelo de negócios.

Acesso X aquisição

Em um passado recente, nossa sociedade era regida pelo ter. As pessoas mais bem-sucedidas, por exemplo, possuíam as melhores residências, os melhores veículos, casas de praia e de campo – mesmo que fosse apenas pelo status de possuir. Atualmente o foco maior está no acesso ao benefício que o bem ou produto oferece. Por exemplo: não é necessário comprar um carro, você pode alugá-lo e usufruir do benefício sem possuí-lo de fato. As pessoas e empresas podem adquirir uma infinidade de benefícios através de ofertas as-a-service, sem precisar de fato adquirir o bem. Essa é uma tendência em franca expansão e que deve tornar, cada vez mais. os benefícios acessíveis.

Economia compartilhada

Cada vez mais as pessoas e empresas compartilham alguma infraestrutura para evitar as perdas com tempo obsoleto. Essa é uma novidade que ganhou a atenção das pessoas muito rapidamente e complementa a tendência anterior – acesso ao benefício sem ter que adquirir. Como exemplos, podemos citar o Uber e o Airbnb, modelos de negócio nos quais o proprietário pode monetizar o uso de seu patrimônio durante o tempo no qual não o está utilizando para fins próprios.

Experiência do usuário

Fidelização por marcas ou fabricantes é um tema cada vez mais decadente. O mais importante para o consumidor é a experiência que ele terá durante seu relacionamento com o vendedor e com o uso dos produtos e soluções ofertados. Portanto, oferecer a melhor experiência ao cliente deve figurar como uma das principais prioridades de sua empresa. Aqui, o conhecimento das necessidades e desejos do cliente tem influência fundamental na experiência do usuário.

Empoderamento do cliente

Foi-se o tempo em que consumidores insatisfeitos com um produto ou serviço adquirido permaneciam calados, sem a possibilidade de fazer algo a respeito. Com o surgimento dos mais variados canais de expressão, além dos órgãos de defesa do consumidor, os clientes passaram a ter o poder de reverter uma situação de insatisfação e, mais, podem também disseminar entres outros compradores uma imagem negativa ou positiva sobre sua experiência de compra.

As redes sociais, por exemplo, permitem que um usuário descontente com sua compra compartilhe, em poucos segundos e com quase nenhum esforço, sua experiência ruim com milhares de pessoas. Sites como o Reclame Aqui se tornaram referência de fontes de informação a respeito de empresas das quais não se devem comprar. O cenário atual de mercado dá, literalmente, poder ao consumidor.

O fenômeno é conhecido como empowerment, termo em inglês que significa o “empoderamento” dos clientes, agora com mais voz e poder de barganha perante o mercado. As organizações, muitas vezes habituadas a terem o controle total de suas ações, têm dificuldade em lidar com essa transferência de poder para quem compra.

Especialização

O sucesso do cliente deve ser seu foco principal. Para isso, é necessário conhecer melhor os desafios, fatores críticos de sucesso e acima de tudo poder posicionar sua contribuição para que seu cliente obtenha os melhores resultados. O aprofundamento em determinados segmentos de mercado e tipos de indústria pode ser o melhor caminho para a especialização. Se você não se tornar um especialista nos desafios de seu cliente, dificilmente conseguira conectar os benefícios que sua oferta pode trazer para o comprador.

Adaptação

Como na teoria de Darwin, quem vence não é o mais forte ou o mais rápido, mas sim aquele que melhor se adapta à nova realidade. O mundo dos negócios está em plena transformação. Digitalização, inteligência artificial, IoT, mobilidade, omnichannel, entre outras tendências, que não são estáticas. A cada dia novas ofertas surgem com base nas novas megatendências.

A conclusão é que o modelo de venda de soluções é aquele que proporciona o melhor retorno de capital investido ao acionista e do empreendedor. As megatendências são importantes direcionadores de posicionamento de ofertas e devem sempre ser dominadas para que sua oferta esteja bem alinhada com as iniciativas globais. Acima de tudo, o toque final de diferenciação vem com a especialização e foco no sucesso de seus clientes, que dá o contexto da solução.

Eduardo Borba, presidente da Sonda IT, maior integradora latino-americana de Tecnologia da Informação

Tags, , , , , , , , ,

Algar Tech recebe prêmio Conarec 2016

A Algar Tech, multinacional brasileira que integra soluções de TIC e BPO, recebeu na noite de ontem (12/09), em São Paulo, o Prêmio CONAREC 2016, na categoria Contact Centers – por operação – como melhor operação de atendimento via mídias sociais e melhor operação de atendimento web. A premiação é resultado do estudo “Panorama Brasileiro do Setor de Relacionamento com Clientes”, que avaliou empresas do setor de relacionamento com clientes a partir da percepção dos próprios usuários/ contratantes.

Esses reconhecimentos reforçam a estratégia traçada pela Algar Tech para o seu portfólio de serviços. “A empresa priorizou movimentos para garantir que seu portfólio acompanhasse a transformação digital dos consumidores e do atendimento em plataformas digitais. Esses prêmios mostram que estamos no caminho certo e sempre preocupados na inovação e no melhor atendimento aos nossos clientes”, afirmou COO da Algar Tech, Silvio Passos.

O estudo tem o objetivo de entender a evolução dos contact centers no Brasil, com uma abordagem inédita de avaliação das empresas do setor feita pelos próprios usuários dos serviços e soluções. O processo de coleta de dados é realizado por meio da aplicação de questionários on-line com os principais contact centers e com os responsáveis pela área de relacionamento com clientes dos maiores setores contratantes do Brasil. O campo do estudo de 2016 foi realizado entre os meses de maio e julho.

As categorias avaliadas e premiadas foram Contact Centers, Fornecedores de Tecnologia e Contratantes e Profissionais do Setor.

Tags, , , , ,

IoT é um dos temas centrais do congresso do Futurecom 2016

A Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) ainda parece ser um tema nebuloso para muitas pessoas. Porém, segundo estudos de consultorias como McKinsey, Frost & Sullivan e Lux Research, publicados recentemente, uma verdadeira revolução disruptiva vai alterar o futuro de indústrias e o comportamento da população de uma forma geral. Isso já está acontecendo? Os principais representantes das empresas que fomentam essa mudança discutirão IoT e seus impactos na sociedade durante o Congresso Internacional do Futurecom 2016.

A considerar conclusão de estudo publicado pela Frost & Sullivan, IoT representa grande impacto positivo na economia mundial daqui para frente. A América Latina não tem um alto índice de adoção da tecnologia – apenas 7% das empresas usam IoT –, de acordo com o estudo, e talvez essa seja a grande oportunidade de a região ter casos de sucesso pioneiros. O conceito smart city pode ilustrar essas mudanças, pois promete transformar para melhor as cidades e a rotina dos cidadãos.

Do ponto de vista industrial, tornou-se pública também a análise da consultoria Lux Research de que, em 2020, o mercado global de Internet das Coisas Industrial (IIoT) deve movimentar US$ 151 bilhões. Nesse contexto, a infraestrutura de redes de dados e de telecomunicações, a evolução dos dispositivos móveis e a capacidade de suportar todas as aplicações na nuvem terão papel vital. “A rentabilidade das empresas, sua sobrevivência e capacidade de inovar dependerão de um novo modelo de gestão; diretrizes como essas são o objetivo de nosso evento”, afirma, Laudálio Veiga Filho, presidente do Futurecom. A certeza do executivo se baseia nos números apontados pelas consultorias, como a previsão da McKinsey & Company, de que os dados de dispositivos conectados produzirão um montante de informações at é 2025 que conduzirão a um potencial econômico de mais de US$11 trilhões globalmente, desde que analisados e trabalhados.

“A tecnologia está pronta para ser usada e as possibilidades são tão infinitas quanto a capacidade criativa do homem. Investimento em pesquisa e desenvolvimento é o começo”, conclui Veiga.

Futurecom 2016

Quando: de 17 a 20 de outubro de 2016, das 9h às 20h
Este ano o evento começa na 2ª-feira de manhã | Congresso 9:30 / Exposição 12:00
Onde: Transamérica Expo Center – Avenida Doutor Mário Vilas Boas Rodrigues, 387
Informações: www.futurecom.com.br
Programação: http://agenda.futurecom.com.br/pt/2016/17

Tags, ,

Para ir da teoria à prática, omnichannel exige solução inédita de pagamento

Com parceria da CloudWalk, Pagar.me leva infraestrutura de pagamento online para as máquinas de cartões em pontos de vendas

A expressão omnichannel é cada vez mais comum entre os varejistas brasileiros, mas a teoria não acompanha a prática: os principais players do país enfrentam dificuldades para implementar o conceito de integrar todos os canais, sobretudo na área de pagamentos. A tecnologia é o principal entrave para a união entre os mundos offline e online.

Ao todo, 67% das pessoas iniciam a compra em um canal e finalizam o pedido em outro, segundo o levantamento da WorldPay. Dessa forma, é essencial contar com uma infraestrutura de pagamentos totalmente integrada para atender essa demanda crescente e rentável: um consumidor omnichannel tende a gastar até 300% a mais do que um cliente tradicional.

“Apesar de ser amplamente discutido, o mercado brasileiro ainda não consegue aplicar o conceito por conta da limitação tecnológica. Quando vislumbramos a oportunidade de encarar esse desafio, não pensamos duas vezes. Queremos mostrar a todos que omnichannel não é um projeto para o futuro, mas algo que pode ser aplicado agora”, explica Henrique Dubugras, sócio-fundador do Pagar.me.

A empresa, fundada em 2014 para oferecer soluções de pagamento online, desenvolveu uma ferramenta que oferece a mesma infraestrutura disponibilizada para e-commerces dentro de um POS (a famosa maquininha de cartão). Assim, funcionalidades como split de pagamento ou assinatura recorrente também pode ser feitas por varejistas offline.

O recurso é inédito no mercado brasileiro e só foi possível graças à parceria com a CloudWalk, empresa responsável pelo software que permite criar aplicações em um POS. Com isso, o Pagar.me pôde migrar seus serviços para a maquininha do cartão e permite que o próprio cliente crie novas funções no modelo white label (parcerias em que uma companhia fornece tecnologia e know-how para outras poderem oferecer o mesmo serviço) e integradas com o mundo online.

“O mundo físico ainda é mais de dez vezes maior do que o mundo online e pede por uma solução que permita uma integração com os negócios digitais. Há uma parcelamuito grande de empresas que necessitam dessa solução para resolverem seus problemas mais complexos”, conclui Dubugras.

Confira os principais usos para a solução omnichannel de pagamentos do Pagar.me:

– Cardápio e pagamento: restaurantes podem utilizar o POS para exibir cardápios, registrar pedidos individualizados e efetuar a transação dos clientes.

– Split de pagamento no mundo físico: um local que abriga diferentes PJs, como um salão de cabeleireiros, consegue na mesma hora transferir o valor para o profissional no momento do pagamento por cartão.

– Emissão de ingressos: empresas que trabalham com ingressos e entradas para shows podem utilizar vendedores com POS para imprimir os ingressos e aumentar as vendas.

– E-commerce com maquininha: players que possuem loja e site disponibilizam a opção de pagamento em seu ponto de venda.

Tags, , , , ,

Maurício Ruiz é novo diretor geral da Intel no Brasil

A Intel conta no Brasil com um novo diretor geral, Maurício Ruiz. O executivo sucede David González no comando das operações no País. David, que permaneceu na função por dois anos, segue para uma nova posição na Intel nos Estados Unidos.

A mudança faz parte de um processo de reorganização da corporação e segue a política da empresa de estímulo a que executivos gerenciem áreas distintas dentro de seu campo de atuação.

González comandou transições tecnológicas fundamentais na operação da Intel no Brasil, tanto nos segmentos de consumo quanto no corporativo, além de ter trabalhado no fomento do ecossistema com foco em inovação. Durante sua carreira na Intel, González atuou como Chief of Staff de Sean Maloney, vice-presidente global de vendas e marketing da, gerenciou grupos de contas corporativas, ocupou posições estratégicas nas áreas de canais, direcionados especificamente para os mercados do Brasil e México, atuou diretamente na área de marketing para a América Latina, e liderou equipes globais de vendas e Marketing, na Califórnia, EUA.

Mauricio Ruiz conta com 17 anos de experiência na Intel, tendo atuado em diversas áreas, desde engenharia e arquitetura de soluções até o comando do segmento corporativo da empresa no País. Mais recentemente, Ruiz ocupava o posto de diretor de vendas da Intel Brasil. Antes de se juntar à Intel Ruiz atuou no mercado de software trabalhando com desenvolvimento, bancos de dados, consultoria e tecnologias para a Internet em empresas como a Sybase*, Informix* e Netscape*. Maurício Ruiz é formado em Ciências da Computação pela Universidade de São Paulo (USP), pós-graduado em Administração de Empresas e MBA em Gerenciamento de Negócios Estratégicos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Ruiz segue com o compromisso de reforçar o novo posicionamento da Intel, de uma empresa que expande as fronteiras da tecnologia para tornar possíveis as experiências computacionais do futuro. “Prosseguiremos focados em estimular o ecossistema local, seus fabricantes, canais e parceiros, e em fazer com que as tecnologias de ponta cheguem ao mercado brasileiro o mais rápido possível”, explica Ruiz. “O mercado brasileiro segue sendo um dos mais importantes do mundo para a Intel. Mesmo vivenciando um cenário um pouco mais desafiador, as organizações locais seguem demandando tecnologia, os consumidores locais têm um apetite já comprovado por inovação e disrupção, e não podemos esquecer nosso papel na discussão sobre como tecnologia pode ajudar a solucionar problemas de infraestrutura locais”.

Tags,

Startup Dinneer é selecionada por aceleradora no Canadá e visa mercado global

unnamed-55

O Dinneer.com, plataforma brasileira de jantares compartilhados foi selecionado pela Launch Academy, aceleradora canadense para fazer parte de um projeto voltado exclusivamente para oito startups brasileiras. A canadense já foi responsável pela aceleração de mais de 400 startups, levantando mais de US$80 milhões e criando mais de 800 empregos em todo o mundo.

O projeto, chamado “LEAP International”, selecionou dentre o mercado de startups brasileiras oito com potencial para desenvolvimento de seus negócios: a aceleração, como define Flavio Estevam, CEO do Dinneer, “é uma forma de impulsionar a startup em curto prazo, através de mentorias de especialistas em diversas áreas do negócio”. A aceleração consiste em um programa de dois meses, e o Dinneer receberá aporte de investidores privados durante o período.

O CEO da Launching Academy, Walia, avisa aos novos empreendedores que “conquistar recursos quando a empresa ainda é um embrião está ficando cada vez mais difícil. Os investidores estão buscando cada vez mais startups já com um mercado consolidado para expandir os negócios”.

É aí que entra o Dinneer: Flavio afirma que um dos resultados previstos é quadruplicar a presença da empresa no mercado internacional, passando a atuar, até dezembro em 100 países. “Esta seleção é um reconhecimento do trabalho que temos feito” continua o empreendedor “já provamos que a economia compartilhada é o futuro e que há um mercado promissor em jantares compartilhados”, referindo-se ao 1º Festival de Gastronomia Digital no mundo, organizado pela start-up em julho deste ano.

Tags, , , , , ,