Page

Author admin

Atos cria laboratório digital para varejistas

A Atos, líder internacional em serviços digitais, abriu seu Laboratório de Transformação do Varejo, um ambiente digital de compras em que o varejista pode aprimorar a experiência de seus clientes e personalizar o modelo conforme suas possibilidades e necessidades. Esse conceito revolucionário leva a uma melhor experiência do cliente e oferece aos varejistas ferramentas para usar digitalização em todos os canais. O Laboratório pode ser personalizado e a previsão de funcionamento é nos próximos dois meses.

A Atos oferece uma ampla gama de soluções, como compras via listas dinâmicas, pesquisa e aquisição remota de produtos alimentícios ou pagamento por tecnologia de reconhecimento facial. Na demonstração, essas soluções se tornam acessíveis e visíveis por meio de apps e aplicativos comerciais para dispositivos móveis que estão integrados entre si. O varejista escolhe as funcionalidades que mais se adequam ao seu perfil. O Laboratório é uma área de testes em que as possibilidades de digitalização para os varejistas se tornam tangíveis e onde a combinação de compras online e offline se torna realidade.

Transformação digital

“O mercado varejista é muito dinâmico e os avanços tecnológicos são acelerados. Os profissionais que atuam no setor precisam reagir às tendências das compras se quiserem conquistar o direito de existir no futuro. Isso resulta em mais canais híbridos que se entrelaçam. Podemos observar esses canais por meio de sua mútua integração. Isso possibilita ajudar o cliente durante a compra, influenciando de modo completo e positivo a experiência”, afirma Danny Groenenboom, líder de Transformação Digital do Varejo da Atos.

“A digitalização tem um papel importante nesse suporte aos varejistas. No Laboratório de Transformação do Varejo visualizamos o grande potencial que esse conceito de loja oferece aos varejistas. Cada momento de interação com os clientes é personalizado. Usamos o ambiente físico como ponto de partida e adicionamos todos os canais de vendas possíveis. Os varejistas acreditam que isso pode levar a vendas adicionais”, diz Tim Smeets, consultor comercial executivo de Transformação Digital da Atos.

A jornada do consumidor

O Laboratório de Transformação do Varejo possui um personagem virtual que possibilita ao consumidor compilar uma lista de compras, por exemplo, na mesa de sua cozinha usando um smartphone que digitaliza e reconhece os produtos.

Usando realidade aumentada, é possível obter ofertas personalizadas com base no perfil do cliente e em seus hábitos de compras. O consumidor também pode usar vários aplicativos inteligentes na loja física. Um exemplo são as listas dinâmicas de compras que mudam conforme sua localização, de modo que você possa selecionar mais rapidamente os itens em sua lista. Além disso, o comprador pode ser alertado sobre promoções por meio das etiquetas eletrônicas nas prateleiras.

Tags, , , ,

Como acelerar a transformação digital no setor público

Por Delfino Natal de Souza

Assim como na iniciativa privada, os líderes governamentais precisam “vender” seus projetos para as autoridades, fazendo-as enxergar seus benefícios e sua urgência. Além das autoridades, os governos possuem um cliente muito mais exigente: o cidadão. Mas como os líderes responsáveis pela Tecnologia da Informação podem promover a transformação digital no setor público, enfatizando sua devida importância?

Um exemplo típico é a adoção da computação em nuvem, a primeira ruptura a ser quebrada dentro das organizações. Os argumentos para que o projeto se torne realidade devem ir além da redução de custos e da eficiência operacional. A realidade é que há uma grande mudança em curso na sociedade e na vida digital dos cidadãos – e os governos que não acompanharem esta evolução serão impactados negativamente pela falta de maturidade tecnológica, o que pode, inclusive, colocar em risco a sobrevivência de alguns órgãos públicos. Ao considerarmos a inovação, o cenário – seja no setor privado ou na administração pública – é igual, já que ambos estão defasados em relação à oferta de serviços para o consumidor final.

O principal ponto de vista a ser considerado ao estabelecer uma estratégia de cloud computing é enxergá-la como facilitadora de negócios – um meio da organização ser reconhecida como inovadora e ágil, gerando mais serviços para a sociedade e criando novos modelos de atendimento ao cidadão. Afinal, um modelo de gestão eficiente atrai instantaneamente a aprovação da população. Na era digital isso é imprescindível – com as redes sociais, a sobrevivência de uma marca pode ser definida em segundos. No caso de uma avaliação positiva, é possível aumentar exponencialmente o número de clientes. Do contrário, pode-se arruinar em segundos uma reputação que levou anos para ser construída.

Para atender às expectativas do cidadão, que já está conectado e vive na era digital, o Estado precisa buscar agilidade e flexibilidade, rever seus modelos de negócios e melhorar sua eficiência operacional. E, para que isso seja possível, é fundamental desenvolver projetos abrangentes que busquem a adoção de cloud computing e de processos que permitam uma rápida adaptação às mudanças externas.

Alguns desafios para a implementação de uma estratégia digital no setor público é a forma de contratação de serviços prevista na Lei de Licitações – são necessários novos modelos e indicadores que abordem a prática de contratação de tecnologias que surgiram nos últimos anos. Seja através da divulgação de melhores práticas entre as instituições públicas ou na elaboração de novos normativos é necessário que a contratação de serviços em nuvem ganhe o dia a dia destas instituições e somente com esta prática é que será possível atingir a oferta de serviços públicos com as plataformas digitais.

Para alcançar o sucesso nesta jornada, também é preciso perceber o real valor de negócio das novas tecnologias – além da vantagem competitiva que podem promover. A chave para a adoção bem sucedida está na mudança cultural que deve ser conduzida pela alta administração para construir uma nova mentalidade em torno da experiência e da jornada do usuário final.

As pessoas já vivem na era digital. E a sua organização? Está pronta para atender todas as demandas – e exigências – do cidadão conectado?

Delfino Natal de Souza, vice-presidente de setor público da Capgemini no Brasil

Tags, ,

AWS anuncia três novos serviços Amazon de inteligência artificial

A Amazon Web Services Inc. (AWS), uma empresa da Amazon.com (NASDAQ: AMZN), acaba de anunciar três serviços de inteligência artificial (IA) que permitem que qualquer desenvolvedor crie apps que entendam linguagens naturais, transformam textos escritos em fala realista, conversam usando voz ou texto, analisam imagens e reconhecem rostos, objetos e cenas. O Amazon Lex, Amazon Polly e Amazon Rekognition são baseados na mesma tecnologia comprovada, altamente escalável e desenvolvida por milhares de especialistas em aprendizagem profunda e automática da Amazon. Todos os serviços de IA da empresa oferecem recursos de alta qualidade, precisão, escalabilidade e economia. Eles são totalmente gerenciados, ou seja, não há necessidade de desenvolver algoritmos de aprendizagem profunda, treinar modelos de aprendizagem automática nem se comprometer com investimentos antecipados em infraestrutura. Assim, os desenvolvedores concentram-se na definição e criação de uma geração completamente nova de aplicativos, que podem ver, ouvir, falar, compreender e interagir com o mundo ao redor. Para saber mais sobre o Amazon Lex, Amazon Polly e Amazon Rekognition, acesse: https://aws.amazon.com/amazon-ai.

Até hoje, pouquíssimos desenvolvedores conseguiram desenvolver, implementar e escalar aplicativos com recursos de IA, visto que, para tanto, precisavam de enormes volumes de dados e especialistas em aprendizagem automática e redes neurais. A aplicação eficiente da IA envolve muito esforço manual para desenvolver e ajustar diversos tipos de aprendizagem automática e algoritmos de aprendizagem profunda (por exemplo, reconhecimento automático de fala, compreensão de linguagens naturais, classificação de imagem), assim como para reunir e excluir dados de treinamento e treinar e ajustar os modelos de aprendizagem automática. E esse processo deve ser repetido para cada recurso de objeto, rosto, voz e linguagem, para cada aplicativo. Os serviços Amazon de IA eliminam todo esse trabalho manual e tornam a IA amplamente acessível para todos os desenvolvedores de aplicativos, oferecendo algoritmos e tecnologias de aprendizagem automática profunda, comprovados e avançados, em forma de serviços totalmente gerenciados que qualquer desenvolvedor pode acessar com uma chamada de API ou alguns cliques no AWS Management Console. Os serviços Amazon de IA disponibilizam todo o poder das tecnologias Amazon de compreensão de linguagens naturais, reconhecimento de voz, texto para voz e análise de imagem, para qualquer aplicativo e em qualquer escala, dispositivo e lugar.

“A combinação de algoritmos melhores com acesso amplo a volumes enormes de dados e a capacidade computacional econômica fornecida pela nuvem está tornando a IA uma realidade para desenvolvedores de aplicativos. A AWS conta com alguns dos aplicativos de IA mais inovadores e criativos utilizados hoje”, diz Raju Gulabani, vice-presidente de banco de dados e IA da AWS. “Em toda a Amazon, milhares de especialistas em aprendizagem automática e profunda vêm há anos desenvolvendo tecnologias de IA a fim de prever o que os clientes gostariam de ler, acrescentar eficiências aos nossos centros de satisfação com o uso de tecnologias robóticas e de visão computadorizada, bem como apresentar aos nossos clientes o Alexa, nosso assistente virtual movido a IA. Agora, estamos disponibilizando a tecnologia por trás dessas inovações para todos os desenvolvedores na forma de três serviços completamente gerenciados que são fáceis de usar, avançados e econômicos. Estamos ansiosos para ver como nossos clientes utilizarão o Amazon Lex, Amazon Polly e Amazon Rekognition para desenvolver uma nova geração de aplicativos que têm inteligência quase humana e que podem ver, ouvir, falar e interagir com as pessoas e seus ambientes”.

Conversas inteligentes com o Amazon Lex

O Amazon Lex é um novo serviço para a criação de interfaces conversacionais que utiliza voz e texto desenvolvidos com as mesmas tecnologias de reconhecimento automático de voz (ASR, automatic speech recognition) e compreensão de linguagem natural (NLU, natural language understanding) utilizados no Amazon Alexa. Com o Amazon Lex, é fácil implementar recursos sofisticados de linguagem natural em praticamente qualquer aplicativo. Os desenvolvedores podem criar e testar bots (aplicativos conversacionais que realizam tarefas automatizadas, como verificar o clima ou agendar voos) diretamente do AWS Management Console, digitando algumas frases simples (“encontre um voo” ou “reserve um voo”, por exemplo), além das instruções de como obter os parâmetros necessários para completar a tarefa (data e destino da viagem, por exemplo) e perguntas de esclarecimento a serem feitas ao usuário (“quando você deseja viajar?” e “aonde você deseja ir?”, por exemplo). O Amazon Lex cuida do resto, criando um modelo de linguagem e fazendo as perguntas necessárias para completar a tarefa. Como ele está integrado ao AWS Lambda, ele pode ser configurado para solicitar o serviço de back-end apropriado (o serviço de reserva de voos, por exemplo) por meio de uma função do AWS Lambda. Os desenvolvedores podem também usar conectores corporativos pré-desenvolvidos para executar funções do AWS Lambda a fim de responder a perguntas como “quais são minhas 10 maiores contas no Salesforce.com” por meio da obtenção de dados dos sistemas corporativos como Salesforce, Microsfot Dynamics, Marketo, Zendesk QuickBooks e HubSpot.

Os bots desenvolvidos pelo Amazon Lex podem ser utilizados em qualquer lugar: de aplicativos da Web aos de mensagem e bate-papo, como o Slack e Facebook Messenger, ou por meio da voz em aplicativos de dispositivos móveis ou conectados. O Amazon Lex lida com a autenticação exigida por várias plataformas e simplifica o design da interface de usuário, já que não é necessário que os desenvolvedores escrevam códigos personalizados para cada plataforma. Além disso, os desenvolvedores não precisam se preocupar em escalar sua infraestrutura, uma vez que o Amazon Lex escala automaticamente de acordo com o aumento do tráfego direcionado a um bot e os desenvolvedores pagam apenas pelas chamadas realizadas ao API do Amazon Lex.

A Capital One oferece uma grande variedade de serviços e produtos financeiros a consumidores, pequenos negócios e clientes comerciais em diferentes canais. “Para empresas que utilizam muito a AWS, a integração perfeita do Amazon Lex a outros serviços da empresa, como o Lambda e Amazon DynamoDB, é muito atrativa”, diz Firoze Lafeer, CTO da Capital One Labs, da Capital One. “Por ser altamente escalável, o Amazon Lex também possibilita acelerar o tempo de comercialização para uma nova geração de interações de voz e texto, tais como o recurso da Capital One lançado recentemente para o Alexa”.

A OhioHealth é uma organização de saúde reconhecida nacionalmente nos EUA, com uma rede de mais de 11 hospitais em 47 cidades. “Estamos empolgados com a utilização de tecnologia evolutiva de reconhecimento de voz e processamento de linguagem natural para melhorar as vidas de nossos clientes. O Amazon Lex representa uma ótima oportunidade de entregarmos uma experiência nova aos nossos pacientes”, diz Michael Krouse, vice-presidente sênior de suporte operacional e diretor de TI da OhioHealth. “Tudo que fazemos na OhioHealth é voltado ao fornecimento da assistência adequada aos nossos clientes, na hora certa e no lugar certo. A nova geração da tecnologia do Amazon Lex, bem como os aplicativos inovadores que estamos desenvolvendo com ele, ajudarão a proporcionar uma experiência aprimorada a eles. E esse é apenas o começo “.

A HubSpot é uma das líderes em entrega de software de publicidade e vendas. “O GrowthBot da HubSpot é um bot conversacional completo que ajuda a aumentar a produtividade de publicitários e vendedores oferecendo acesso a dados e serviços relevantes por meio de uma interface conversacional. Com o GrowthBot, os publicitários podem obter ajuda na criação de conteúdo, na pesquisa de concorrência e no monitoramento de sua lógica analítica. Com o Amazon Lex, acrescentamos recursos sofisticados de processamento de linguagem natural para que o GrowthBot possa fornecer uma interface mais intuitiva”, diz Dharmesh Shah, CTO e fundador da HubSpot. “O Amazon Lex nos permite usar IA avançada e aprendizagem automática sem precisarmos codificar nós mesmos os algoritmos”.

A Twilio ajuda empresas a oferecer comunicações relevantes e contextuais por meio da integração simplificada de recursos de autenticação e comunicação em tempo real diretamente nos aplicativos de software. “Desenvolvedores e empresas utilizam a Twilio para criar aplicativos que possam se comunicar com os clientes em praticamente qualquer lugar do mundo”, diz Benjamin Stein, diretor de produtos de mensagens da Twilio. “O Amazon Lex fornecerá aos desenvolvedores uma arquitetura modular intuitiva e APIs abrangentes que permitam a criação e implementação de bots conversacionais em plataformas móveis. Estamos ansiosos para ver o que nossos clientes serão capazes de criar com a Twilio e o Amazon Lex”.

Fala inteligente com o Amazon Polly

O Amazon Polly possibilita a adição de recursos de fala realista a aplicativos já existentes, como leitores de notícias e plataformas de e-learning e a criação de categorias totalmente novas de produtos que tenham recursos de voz, de aplicativos móveis a eletrônicos e aparelhos domésticos. Ele é fácil de usar: os desenvolvedores enviam textos ao Amazon Polly usando SDK ou a partir do AWS Management Console, e o Polly responde imediatamente com um streaming de áudio que pode ser reproduzido diretamente ou armazenado em um formato de áudio padrão. Com 47 vozes realistas e suporte a 24 idiomas, os desenvolvedores podem escolher vozes masculinas ou femininas com diversos sotaques e desenvolver aplicativos para usuários em todo o mundo. E, como o Amazon Polly tem uma pronúncia fluída dos conteúdos de texto, os aplicativos oferecem output de voz de alta qualidade em diversos formatos de texto. O Amazon Polly é escalável e responde rapidamente com falas de alta qualidade, mesmo ao lidar com grandes volumes de conversão de texto em voz. Os desenvolvedores pagam apenas pelo texto convertido e podem converter as falas geradas em cache, a fim de reproduzi-las quantas vezes quiserem, sem restrições.

O The Washington Post é uma empresa de tecnologia e mídia vencedora do prêmio Pulitzer que publica mais de 1.200 histórias diariamente. “Alimentamos há tempos o interesse de fornecer versões em formato de áudio das nossas histórias, mas o custo-benefício oferecido pelas soluções de texto-para-voz existentes não era satisfatório em relação à qualidade que entregavam”, diz Joseph Price, gerente sênior de produtos do The Washington Post. “Com o lançamento do Amazon Polly e suas vozes de alta qualidade, ofereceremos aos nossos leitores formas mais ricas e versáteis de conferir nosso conteúdo”.

A GoAnimate é uma plataforma de criação de vídeos animados baseada na nuvem que possibilita a criação rápida e simples de vídeos animados para executivos sem experiência em animação. “O Amazon Polly permite que os usuários da GoAnimate deem voz instantaneamente aos personagens que criam com a nossa plataforma. Isso é muito útil, principalmente em situações onde a locução ao vivo é problemática em termos de tempo ou recursos; por exemplo, quando o vídeo é desenvolvido em vários idiomas, ou na pré-produção, quando há interesse de acelerar o processo de aprovação “, diz Alvin Hung, CEO e fundador da GoAnimate. “O recurso de fala do Amazon Polly é integrado perfeitamente ao nosso rico conjunto de ativos pré-animados, o que reforça a simplicidade da GoAnimate e proporciona eficiência e tempo de comercialização mais rápido aos nossos consumidores”.

Análise inteligente de imagem com o Amazon Rekognition

O Amazon Rekogntion permite a criação rápida e fácil de aplicativos de análise de imagens e de reconhecimento de rostos, objetos e cenas. Ele utiliza tecnologias de aprendizagem profunda para identificar automaticamente objetos e cenas, tais como veículos, animais de estimação ou móveis, e oferece uma pontuação de confiança que permite aos desenvolvedores inserir imagens que podem ser utilizadas na pesquisa de imagens específicas com palavras-chave. O Amazon Rekognition consegue localizar rostos dentro de imagens e detectar atributos, tais como o clima e se a pessoa está sorrindo ou está de olhos abertos. Ele também tem suporte para funcionalidades avançadas de análise facial, tais como pesquisa e comparação de rostos. Utilizando o Rekognition, os desenvolvedores podem criar um aplicativo que analisa a probabilidade de correspondência entre os rostos de duas imagens diferentes a fim de verificar um usuário mediante uma foto de referência quase que instantaneamente. De forma semelhante, os usuários podem criar coleções de milhões de rostos (detectados em imagens) e podem pesquisar correspondências para sua imagem de referência na coleção. O Amazon Rekognition remove a complexidade e a necessidade de uma equipe numerosa para que se crie e desenvolva linhas caras de processamento de imagem, disponibilizando recursos de classificação, detecção e gerenciamento em um só serviço AWS simples, econômico e confiável. Não há custos iniciais com o Amazon Rekognition; os desenvolvedores pagam apenas por imagem analisada e por vetor de feições faciais armazenado.

A Redfin é uma empresa de corretagem especializada que utiliza a tecnologia moderna para ajudar as pessoas a comprar e vender imóveis. “Nossos clientes adoram navegar pelas imagens de imóveis em nosso site e em nossos aplicativos móveis, e queremos que eles possam filtrar o que desejam entre centenas de milhões de catálogos e imagens facilmente”, diz Yong Huang, diretor de Big Data e lógica analítica da Redfin. “O Amazon Rekognition gera um rico conjunto de marcadores diretamente das imagens dos imóveis. Isso simplifica a criação de um recurso de busca que ajude os clientes a encontrar casas com base em suas necessidades específicas, como uma lareira, um quintal ou uma piscina. E como o Rekognition é compatível com URLs do Amazon S3, ele poupa muito tempo ao detectar objetos, cenas e rostos sem a necessidade de mover imagens”.

A SmugMug é um ambiente seguro que armazena diariamente bilhões de belas fotos para milhões de clientes incríveis. “Nossos clientes querem passar seu tempo criando mais memórias e não gerenciando sua coleção de fotos manualmente”, diz Don MacAskill, cofundador, CEO e chief geek da SmugMug. “O Amazon Rekognition permitirá que identifiquemos automaticamente o conteúdo nas fotos dos clientes, apresentando uma variedade de recursos que permitirá que os cientes, bem como seus visitantes, tenham mais tempo para focar em curtir a vida e celebrar suas fotos”.

Aprendizagem profunda e IA na AWS

No momento, o Amazon Polly e o Amazon Rekognition estão disponíveis nas regiões leste (Ohio e norte de Virginia) e oeste (Oregon) dos EUA e na Europa (Dublin) e chegarão a outras regiões nos próximos meses. Os clientes podem se inscrever para a versão de pré-lançamento do Amazon Lex.
Além desses serviços, a AWS anunciou recentemente que está investindo substancialmente, com a contribuição de códigos e melhorias na experiência dos desenvolvedores, no MXNet, um framework de aprendizagem profunda distribuído em código aberto, desenvolvido incialmente pela Canergie Mellon University e outras grandes universidades. O MXNet permitirá que especialistas em aprendizagem automática criem modelos escaláveis de aprendizagem profunda que podem reduzir significativamente o tempo necessário parar treinar seus aplicativos. Para mais informações sobre o suporte da AWS ao MXNet, acesse: http://www.allthingsdistributed.com/2016/11/mxnet-default-framework-deep-learning-aws.html.

A AWS também auxilia os desenvolvedores na execução de seus próprios fluxos de trabalho de aprendizagem profunda e aprendizagem automática para facilitar a criação de plataformas próprias de IA baseadas na AWS. O Amazon EC2 (Amazon Elastic Compute Cloud), com seu grupo abrangente de instâncias e placas gráficas com grandes volumes de memória, é ideal para treinamento de aprendizagem profunda. As instâncias P2, lançadas em setembro de 2016, foram projetadas para aprendizagem automática e profunda em larga escala, com até 8 aceleradores NVIDIA Tesla K80, cada um rodando duas placas gráficas NVIDIA GK210 com 12 GiB de memória e 2.496 núcleos de processamento paralelos. Os clientes também podem utilizar o AMI de aprendizagem profunda da AWS, que contém seis frameworks pré-configurados e pré-testados, incluindo todas as dependências, drivers Nvidia e ferramentas de ciência de dados, como o Jupyter e Anaconda. Além disso, os modelos da AWS CloudFormation estão disponíveis para treinar redes neurais profundas em escala em apenas alguns cliques.

Tags, , , ,

Saúde e mHealth: uma parceria cheia de benefícios para pacientes e profissionais da saúde

O Brasil já é o quinto maior país do mundo em quantidade de linhas telefônicas móveis – são mais de 250 milhões em todo território, utilizadas por pouco mais de 200 milhões de pessoas. Dispositivos móveis, como smartphones e tablets, já são uma realidade e uma “necessidade” na vida de grande parte da população, que vê em aplicativos como WhatsApp e Facebook Messenger seus grandes parceiros do dia a dia.

Esse tipo de comunicação também tem ganhado cada vez mais adeptos em áreas específicas da sociedade, como o segmento da saúde. Segundo dados da Cello Health Insight – agência inglesa especializada neste mercado -, nove entre dez médicos já utilizam dispositivos móveis e aplicativos de conversa para dialogar com os pacientes. “Isso ocorre porque estes profissionais, assim como outros cidadãos, já estão habituados ao uso de celulares para fins pessoais em sua rotina diária. Incorporar essa prática profissionalmente garante comodidade e agilidade na relação com pacientes, além de facilitar a troca de informações entre seus colegas de trabalho”, destaca José Antônio Gasque Júnior, gerente de Marketing – Novos Produtos da Pixeon

Não é apenas o uso de aplicativos de mensagens instantâneas que ganha destaque em instituições de saúde, o uso da tecnologia na área, que recebe o nome de mobile health, ou mHealth, está cada dia mais presente em hospitais, laboratórios e clínicas de diagnóstico. “As aplicações mobile aliadas às tendências tecnológicas melhoram o setor da saúde, pois trazem mais facilidade de acesso às informações do paciente e asseguram maior eficiência no trabalho dos profissionais da saúde, pois o processo se torna mais ágil, sem desprezar a segurança das informações”, explica Rogério Pires, diretor de Tecnologia e Serviços da Pixeon.

Com a crescente utilização de dispositivos móveis, diversas soluções estão sendo apresentadas ao mercado da saúde, um bom exemplo é o beira-leito. A ferramenta permite ao profissional acessar, enquanto está com o paciente, as informações mais importantes de seu histórico em um smartphone ou tablete, seja na emergência ou UTI. Também permite que estes profissionais efetivem a ronda de pacientes acamados de forma mais segura, realizando os procedimentos prescritos no prontuário eletrônico do paciente – PEP. Além disso, a solução garante tratamento mais seguro, principalmente na aplicação de medicamentos pelos profissionais de enfermagem.

A mobilidade no mundo

No cenário internacional também é crescente a demanda e a utilização de dispositivos móveis no mercado da saúde. Atualmente, existem grandes aportes em todo o mundo para o desenvolvimento de soluções que envolvem a mobilidade para atendimento a pacientes. A organização Startup Health estima que os investimentos globais cheguem a US$ 5 bilhões.

Já a consultoria PricewaterhouseCoopers, em estudo realizado para mapear os principais benefícios da mobilidade aplicada à saúde, destacou três pontos principais: (1) aproximação entre médico e paciente, uma vez que melhora o fluxo de comunicação entre eles e possibilita um tratamento mais ágil; (2) maior facilidade no processo de consulta remota do médico ao prontuário, garantindo acesso global de todas as informações relevantes de seu estado de saúde; (3) ganhos econômicos e de eficiência às instituições, uma vez que o médico pode utilizar soluções para tomada rápida de decisões clínicas ou troca de informações entre outros médicos de forma muito mais ágil.

A mobilidade é um grande salto para a melhoria operacional de instituições de saúde. “Saber o que conseguimos fazer com o mobile health é gratificante. O paciente faz o agendamento e acessa seus exames on-line, e os profissionais de saúde também podem acompanhar os indicadores dos pacientes. Assim, é mais eficiência às instituições e qualidade de vida aos pacientes e profissionais da saúde”, finaliza Pires.

Tags, , , , ,

Digital Business Day SP reúne especialistas para debater o tema “Como vender mais pela internet em 2017”

b34ea287-0e76-4bdc-9a45-84a01a81edff

Grandes especialistas do mercado digital reunidos para uma série de palestras, debates e apresentações de casos de sucesso voltados ao tema “Como vender mais pela internet, em 2017”. Esse é o Digital Business Day SP que acontece no próximo dia 16 de dezembro (sexta-feira), das 8h às 14h, no Hotel Meliá Paulista (Av. Paulista 2181, em frente ao metrô Consolação), em São Paulo. As inscrições estão abertas pelo www.digitalbusinessday.com.br e as vagas são limitadas.

Já estão confirmadas para o DBD SP as palestras de Pedro Eugenio, fundador e CEO da Black Friday no Brasil; Roberto Cury, diretor de marketing da OLX; Maurício Vargas, presidente do ReclameAqui; Tiago Bueno, marketing da IBM; Diego Dourado, marketing do UOL Host; Moyses Simantob, coordenador e docente do FGV CEO Inovação; Alexandre Gibotti, diretor executivo da ABRADi; e Vinícius Melo, diretor da Rebellion Digital.

“O principal objetivo do Digital Business Day SP é destacar o caminho para onde vai o E-commerce em 2017 e as melhores estratégias para a geração de bons resultados. São informações estratégicas e inspiradoras para quem deseja estar à frente num mercado que, na contramão da crise, deve registrar crescimento de 8% em 2017, no Brasil, com um faturamento de R$ 44,6 bilhões”, afirma Vinícius Melo, diretor da Rebellion Digital.

O Digital Business Day SP é realizado por Rebellion Digital, Núcleo da Notícia Comunicação Corporativa e Jardim Comunicação, com apoio da ABRADi (Associação Brasileira de Agentes Digitais), ABCOMM (Associação Brasileira de E-commerce), Buscapé Company, ComSchool, Digitalks, Dinamize, Goobec, IBM, Jet E-business, KPL, Locaweb,MultVídeo,Seekr, UOL Host e Xtech.

Digital Business Day SP

Data: 16 de dezembro de 2016 (sexta-feira)
Horário: das 8h às 14h
Local: Hotel Meliá Paulista (Av. Paulista 2181, em frente ao metrô Consolação).
Informações e inscrições pelo www.digitalbusinessday.com.br

Tags, , , , , , ,

Ferramenta ajuda colaboradores a gerir melhor seu tempo de trabalho

A Digisystem, empresa de tecnologia da informação 100% brasileira e com 25 anos de mercado, anuncia o lançamento de uma ferramenta que vai possibilitar uma administração melhor do tempo nas empresas. A plataforma Prodigi é um sistema de gerenciamento de produtividade que permite aos gestores o acompanhamento em tempo real de tarefas diárias de suas equipes. A solução reduz desperdícios e procrastinações no ambiente de trabalho e aumenta em até 20% a produtividade da empesa.

Os benefícios da ferramenta vão desde o acompanhamento de picos de improdutividade para remarcar horários de reuniões, reconhecimento dos profissionais mais produtivos, pontualidade e se as horas extras são realmente necessárias. Todas essas ações do sistema servem para entender se o potencial do time está sendo bem aplicado e, como consequência, o resultado é um ganho considerável em produção e competividade saudável entre os colaboradores.

Mas para alcançar esse objetivo, as empresas precisam de um plano de ação para eliminar a ociosidade no trabalho. Os setores da indústria, bancos, comércio são algumas das áreas que sofrem com a ineficiência de execução de serviços prioritários. O desperdício de tempo é um dos vilões nesses ambientes corporativos e o grande problema é identificar de que forma e quando ele acontece.

A ferramenta fornece uma visualização de sites e aplicativos ofensivos à produtividade do seu time. Mas para garantir a privacidade das pessoas, o Prodigi não captura informações sigilosas ou pessoais. Outro diferencial do sistema é que o funcionário pode escolher um horário durante seu expediente que não será monitorado, isso deixa o colaborador livre para realizar uma pausa.

Com o Prodigi, vai ser possível acompanhar de perto a rotina das equipes e trazer melhoras significativas para o negócio, sempre orientadas pelo conceito de qualidade e aumento da produtividade.

Tags, ,

Inovação no varejo: como usar a tecnologia móvel para fidelizar consumidores e impulsionar as vendas

*Por Hilmar Becker, Country Manager da Aruba no Brasil

Para enfrentar o crescimento do e-commerce, que tem apresentado números positivos mesmo em cenários de crise, as lojas físicas contam com tecnologias de mobilidade (como aplicativos para smartphones) que permitem inovar no engajamento de clientes. Com elas é possível tornar a experiência de compra mais cativante e personalizada, aumentar o faturamento, impulsionar as vendas cruzadas e intensificar a fidelidade do cliente.

Porém, não basta adotar as tecnologias como rede sem fio, beacons (sensores que identificam na localização dos usuários) e aplicativos móveis para garantir o sucesso. Isso exige também uma estratégia desenvolvida e executada com muita atenção. Veja abaixo os principais passos para fornecer experiências personalizadas aos consumidores e mantê-los conectados, informados e fascinados.

Reunir as pessoas certas

Por ser um esforço unificado e presente em todos os canais, o engajamento móvel eficaz deve reunir pessoas de toda a sua organização para planejar, implementar e modernizar a sua plataforma. É importante envolver os tomadores de decisão das linhas de negócio e de experiência do cliente, além de representantes de marketing, TI, e-commerce e outros departamentos da organização.

Sem uma equipe de representantes de vários setores, pode acontecer um problema que é muito comum: o desenvolvimento de um aplicativo sem integração, não conectado aos estoques da loja, sistemas de fidelidade e negócios de e-commerce. Consequentemente, o aplicativo agrega pouco valor para o usuário final e acaba descartado pelo consumidor.

Definir metas

Depois de agrupar a equipe adequada, é hora de decidir o que é necessário na sua plataforma de engajamento móvel. É claro que isso depende do segmento de mercado da sua organização. Por exemplo, centros comerciais precisam de uma plataforma que colete dados sobre tráfego e os combine com análises sofisticadas para ajudar a elaborar de forma competitiva preços de aluguéis em áreas de alto padrão ou oferecer aluguéis atraentes a marcas que possam revitalizar uma região em baixa.

As lojas podem contar, nos aplicativos, com recursos como traçar rotas para guiar seus consumidores até determinados produtos, além de coletar dados sobre a localização deles para verificar padrões de tráfego. Outras capacidades incluem notificação de funcionários da loja sobre a presença de um cliente do programa de fidelidade ou alteração de banners digitais para atrair consumidores locais, como aumentar a frequência de um anúncio de comparação de preços quando um cliente começa a comparar preços online. De qualquer modo, é fundamental ir além das funções básicas (como o simples envio de notificações para o smartphone), e determinar os verdadeiros objetivos da sua iniciativa de engajamento móvel.

Análise dos sistemas a serem integrados

Para fornecer as capacidades desejadas, vários sistemas tecnológicos devem interagir em tempo real. Isso inclui: sistemas de estoque, do ponto de venda, análise de dados e inteligência de negócios, além de localização e indicação de proximidade. A integração dos sistemas apropriados de gestão da loja com capacidades de navegação conforme a localidade, por exemplo, é fundamental para agradar os consumidores. Com uma opção “clique e colete”, abordagens sofisticadas incluem recompensas do programa de fidelidade, como descontos em vendas cruzadas ou a oferta de um café.

Consultoria estratégica

Em todo tipo de projeto tecnológico, consultores bem informados ajudam a sua organização a analisar melhor os vários aspectos envolvidos e avaliar o que é necessário, quais soluções se encaixam melhor e o custo envolvido. Esses parceiros também podem ajudar a identificar as demandas futuras. Isso inclui garantir que a sua plataforma de engajamento móvel seja expansível e que possa ser modificada para incorporar inovações tecnológicas do setor.

Soluções e suporte

Recursos e funcionalidades robustas são fundamentais para qualquer solução tecnológica, mas, ao avaliar as opções de engajamento móvel, um aspecto muitas vezes esquecido é como ela será gerenciada depois de instalada. Embora seja fácil de instalar beacons em uma loja, o suporte posterior é muitas vezes a razão de as iniciativas de engajamento móvel não passarem do estágio de validação do conceito.

Os benefícios do gerenciamento centralizado ficam evidentes quando você tem centenas ou milhares de beacons instalados em áreas amplamente dispersas. No gerenciamento local, é necessário visitar fisicamente cada um desses sensores para realizar tarefas como identificação de falhas e verificação do nível de bateria, o que aumenta consideravelmente os custos gerais.

Evolução da plataforma

Por definição, o engajamento móvel é uma disciplina dinâmica, o que significa que as estratégias de sucesso incluem atribuir a evolução da plataforma a uma equipe multidisciplinar responsável pela pós-instalação. Com relação à TI, selecione pessoas que avaliam além dos atrativos de cada fornecedor, porque uma perspectiva holística reduz a adoção de componentes que criam gargalos ou obstáculos. E lembre-se: mais importante que as tecnologias utilizadas é criar uma estratégia abrangente, que ajude a garantir as inovações certas e os resultados esperados.

Tags, , , , , ,

Kantar Media mapeia as 10 tendências das mídias sociais para 2017

Para oferecer ao mercado as mais abrangentes e precisas informações sobre consumo, desempenho e planejamento de mídia, a Kantar IBOPE Media compartilha um estudo global da Kantar Media, com as 10 tendências das mídias sociais para o próximo ano. Confira as análises completas no site da empresa. Abaixo, uma breve introdução do estudo:

1. Snap e Facebook: muito além do social – Diversificação como chave para o sucesso

Conquistar uma grande base de usuários de redes sociais já não é mais suficiente para as companhias que surgiram com foco neste segmento. A Kantar Media detalha como Snapchat e Facebook estão inovando na busca por novos usuários ativos.

2. Surfando a onda da “Realidade Aumentada” – O auge do ambiente web

Bastante popularizada a partir do fenômeno Pokemon Go, a chamada Realidade Virtual já chama atenção de diversos players do mercado de tecnologia — como Google, Apple, Facebook, Snap, Twitter e Amazon — e de veículos de mídia como o The New York Times.

3. A revolução da distribuição de conteúdo – A era das experiências

A distribuição de conteúdo costumava ser bem simples. Mídias e marcas publicavam nos seus sites/blogs e compartilhavam estes conteúdos nas redes sociais. Este processo evoluiu intensamente e a proliferação de canais de comunicação exigiu das marcas o desenvolvimento de conteúdos específicos e abordagens customizadas para cada um deles.

4. Os chatbots chegaram… mas não estão sozinhos – Iluminando o “dark social”

O movimento dos consumidores em direção ao uso massivo dos apps de mensagens já provoca, desde 2014, uma movimentação das marcas no mesmo caminho. Em 2016, os chatbots de atendimento – aplicativos que reproduzem códigos de conversas para gerar uma comunicação automatizada com os usuários – surgiram como outra grande tendência a se observar.

5. O crescimento das redes de pergunta e resposta – Celebridades e influenciadores ao seu dispor

Começou na China e agora está se espalhando por outros mercados ao redor do mundo, a adoção em massa de serviços de Q&A que permitem o envio de perguntas para celebridades e influenciadores. A Kantar Media analisa o lançamento do “Record” – app independente do LinkedIn.

6. Programas de influenciadores: aposta da moda ou sábio investimento? – A economia da confiança é mais que uma tendência

Em um cenário em que a identidade da marca não é mais restrita à sua própria mensagem, mas sim um reflexo das experiências coletivas de seus consumidores e fãs que seguem a companhia, a confiança é um atributo de suma importância. Neste contexto, o marketing de influenciadores se destaca. A linguagem moderna da confiança é engenhosa e, acima de tudo, alimentada por ótimas influências, classificações e críticas.

7. Redes sociais e TV: o casal do futuro – Ponto de partida para uma nova geração de telespectadores

As redes sociais sempre tiveram um vínculo com o conteúdo de TV/vídeo. Agora, o fenômeno “Social TV” marca a união da televisão com essas mídias, por meio das milhões de pessoas que compartilham as suas experiências com outros telespectadores nas redes sociais. O Kantar Twitter TV Ratings monitora as conversas sobre TV no Twitter. Em todos os mercados onde o serviço está disponível (Reino Unido, Espanha, Filipinas, Turquia e Brasil), descobrimos que as conversas fora da janela de transmissão tornaram-se maiores do que aquelas que acontecem durante a transmissão. Com as audiências discutindo os programas fora do horário de transmissão, vídeo e TV continuam se estendendo por meio das redes sociais.

8. Fale! – Os assistentes virtuais querem antecipar os seus desejos

Nas pesquisas feitas na internet, as perguntas realizadas com recursos de voz dobraram de 2014 para 2015. A ferramenta é mais uma evolução nos mecanismos de busca na web, que hoje já permitem a personalização de resultados por geolocalização e até uma compreensão melhor da intenção dos usuários. A ideia é que as ferramentas de pesquisa de fato tragam respostas às perguntas dos usuários, e não apenas resultados de uma busca.

9. Social commerce: quem será a galinha dos ovos de ouro? – Pinterest reivindica o trono

Ainda que as redes sociais tenham lançado recursos e ferramentas para facilitar a compra de produtos e serviços a partir de seus canais, a conversão ainda é complexa e apresenta resultados aquém das expectativas. Uma exceção parece ser o Pinterest. Uma pesquisa da Kantar Millward Brown relatou que 96% dos visitantes da rede social de compartilhamento de fotos usam o site para planejar uma compra, e 87% realmente fizeram uma compra depois de ver algo que apreciaram. Por isso, a capacidade do Pinterest gerar vendas é um importante diferencial da plataforma.

10. Office War! – Tormenta para Slack e outros players

O mercado de ferramentas digitais para comunicação dentro das empresas ainda é muito fragmentado. Este é um setor que enfrenta desafios como a falta de compatibilidade entre diferentes recursos e a resistência de algumas companhias em adotar ferramentas sociais por considerarem que elas desviariam a atenção dos funcionários. No entanto, a crescente presença de Millennials na força de trabalho tende a mudar esse quadro — muitos deles veem as mídias sociais como a melhor maneira para romper as barreiras de comunicação, especialmente em grandes empresas.

Tags, ,

“A loja é a rede social” será tema do evento The Everywhere Store

Conferência internacional promovida pela Tlantic acontecerá no dia 18 de janeiro de 2017, logo após o Retail’s BIG Show (NRF), em Nova Iorque

O varejo estará em destaque no mês de janeiro de 2017, em Nova Iorque, com dois importantes eventos voltados para o setor. De 15 a 17, com o Retail’s BIG Show (NRF) onde a Tlantic marcará presença e, no dia 18, com a 3ª edição de The Everywhere Store, conferência internacional organizada pela Tlantic, empresa especializada em soluções para o varejo.

“A Tlantic, tal como a maioria de seus clientes, participa assiduamente da NRF e, ao levarmos nosso evento para Nova Iorque, tornamos ainda mais relevante e inspiradora a presença na cidade”, afirma Paulo Magalhães, CEO da Tlantic.

The Everywhere Store é uma conferência think tank que envolve temas e intervenientes empenhados na transformação do varejo e, em particular, do conceito de loja.

Sob o mote A Loja é a Rede Social, a conferência cruzará tecnologia, varejo internacional e academia contando, como habitualmente, com a participação de profissionais de todo o mundo, como a FNAC, Sonae MC, Lojas Marisa, Procter&Gamble, IE Business School e Wharton University, que irão compartilhar suas histórias de sucesso, mostrando como têm conseguido incríveis economias e lucros através da readaptação das suas operações de loja por meio de soluções desenhadas para o seu negócio.

“Nesta edição, o evento explorará os desafios colocados ao varejo sobre a emergência da onipresença e a forma como a necessidade de participar nesta transformação permite às lojas tornarem-se os verdadeiros agentes de conexão entre pessoas, artigos e serviços”, comenta o CEO da Tlantic.

Ainda segundo Paulo Magalhães, outro ponto em destaque será a demonstração de casos de sucesso de lojas bem operadas, que interagem com o cliente garantindo uma boa experiência de compra e atendimento pós-venda qualificado.

“Queremos falar sobre produtividade, eficiência e excelência operacional, e responder a questões urgentes para o varejo tais como “A forma de se manter atual e interessante aos olhos de seu cliente, envolvendo-os em todos os canais de compra”, ou mesmo “Como um computador em cada bolso está mudando a forma como as operações de loja são gerenciadas”, complementa.

O evento contará também com um momento dedicado à apresentação de ideias por jovens empreendedores e startups, dando espaço a negócios inovadores e promovendo a irreverência de ideias para a inovação do varejo.

O evento tem lugares limitados e as inscrições podem ser realizadas diretamente no website: http://retailconf.tlantic.com/en/book-your-seat-now/

Tags, , , , ,

HE:labs desenvolve solução voltada para o setor financeiro

A procura pela facilidade e comodidade em usufruir de serviços financeiros pelo celular ou via web tem impulsionado o crescimento de soluções voltadas para clientes conectados, que cada vez mais preferem o uso da tecnologia à burocracia de enfrentar as filas de banco para resolver problemas. Aproveitando esse bom momento, a HE:labs, empresa consolidada como referência em concepção, design e desenvolvimento de produtos digitais, tem ampliado seu portfólio de projetos em soluções tecnológicas para o setor financeiro.

Um exemplo é a Go Pague, solução digital criada para a PagNet, administradora de meios de pagamento autorizada a credenciar lojistas e processar transações de cartão de crédito. A ferramenta desenvolvida pela HE:labs permite que o cliente faça a gestão de suas máquinas de cartão na web e credite seus pagamentos da forma que achar melhor, antecipando assim os recebíveis. “O principal objetivo da ferramenta é gerenciar os valores recebidos, podendo usar o saldo para pagamentos e transferência. O foco é sempre na melhor experiência do usuário na utilização da plataforma”, explica Gabriel Gorski, Designer de Produto da HE:labs.

Segundo Gorski, após a implementação da plataforma PagNet, também desenvolvida pela HE:labs, em 2014, foi identificado uma oportunidade de diminuir o número de chamadas ao suporte, facilitando a vida do usuário. “Identificamos que os usuários têm muita dificuldade de entender no extrato os status das transações financeiras e os valores cobrados por elas e frequentemente utilizam a área de suporte da PagNet. Por isso, a Go Pague foi desenvolvida para simplificar a vida dos clientes, mostrando em detalhes todas as vendas que foram realizadas via web, diminuindo assim o número de ligações ao SAC”, explica.

Outro objetivo do sistema é aumentar as adesões ao parcelamento. Com isso, os clientes da PagNet poderão pagar contas e realizar transferências sem precisar antecipar o valor total do seu saldo futuro, reduzindo a taxa de antecipação e gerando economia para os varejistas.

Tags, , , , ,

Transferências por comando de voz viram realidade para clientes do Banco NEON

view.aspx

Depois de inovar com o acesso via selfie, o Banco Neon inova mais uma vez e oferece a transferência via Siri, por comando de voz, para usuários iOS.

Em uma época em que séries como Black Mirror e Mr. Robot mostram uma nova relação da tecnologia, inovações chegam ao dia-a-dia e começam a fazer parte da rotina de todos. Cada vez mais nos aproximamos do futuro visto apenas no entretenimento. O Neon, na busca constante por facilitar a vida financeira e a relação de seus clientes com o dinheiro, inova em parceria com a Apple.

A partir desta semana, o banco NEON passa a autorizar transações financeiras por comando de voz, via Siri. Para usar é muito simples e nem precisa abrir o app. Basta ativar a Siri, enviar o comando de transferência via Neon com nome do destinatário, e valor, e confirmar a transação usando biometria digital. Por enquanto, a função está disponível para transferências entre contas Neon e com o valor máximo de R$ 200,00 por transação. O recurso já está disponível para clientes NEON usuários do sistema iOS.

Segundo Pedro Conrade, CEO do NEON “Os clientes buscam mais conforto e segurança com o dinheiro. É a primeira vez que um banco brasileiro cria um recurso por comando de voz utilizando a Siri. A missão do NEON é deixar a vida do usuário cada vez mais fácil e descomplicada, e nesse aspecto, o fato de sermos um banco digital traz o dinamismo necessário para a implementação dessas novas tecnologias”, ressalta.

Tags, , , , ,

Amador Nogueira de Carvalho Junior é novo CEO da Brinox

unnamed-80

O Grupo Brinox, um dos maiores fabricantes de utilidades domésticas do Brasil, detentor das marcas Brinox, Coza e Haus Concept, anuncia seu novo CEO, Amador Nogueira de Carvalho Junior (na foto, à esquerda). Christian Hartenstein (na foto, à direita), que liderou a empresa durante cinco anos, integra agora o Conselho de Administração do Grupo.

O novo presidente é formado em Administração de Empresas na Universidade de Long Island, em New York, e construiu uma incrível carreira profissional, liderando empresas de grande porte no Brasil e na América Latina. Com mais de 30 anos de experiência, dispõe de relevante conhecimento na área comercial, marketing e operações. Algumas das principais posições que desempenhou na sua trajetória foram: CEO da Brown Forman Brasil, Diretor Geral divisão de consumo na Bunge Alimentos, CEO para América Latina na Allied Domecq e CEO Global Tequila Jose Cuervo.

Tags, ,