Page

Author admin

Óculos de realidade virtual da Nasa garante sensações de exploração espacial no Kennedy Space Center ou qualquer lugar da Terra

18ac76e7311b2855420318e77f862066

Quem estiver passeando no Kennedy Space Center (Complexo de Visitantes do Centro Espacial Kennedy) e quiser se sentir um verdadeiro astronauta pode “viajar” com as sensações de exploração espacial que o novo Visor Espacial da Nasa proporciona.

O artefato é um conjunto de óculos de realidade virtual e fone de ouvido, que permite experimentar o espaço como só os astronautas da Nasa o fazem, e sem deixar o conforto de sua sala de estar.

Disponível para compra no Complexo de Visitantes do Centro Espacial Kennedy, ou na página TheSpaceShop.com, os óculos da Nasa imergem os usuários em uma caminhada pela Estação Espacial Internacional, onde eles podem explorar e aprender sobre cada módulo dessa grande “cidade” que orbita em torno da Terra.

Outras expedições virtuais incluem um tour de carro lunar pela superfície do satélite, uma espiada nas áreas de acesso restrito de naves como as cápsulas do Gemini 9 e Apollo 14 e muitas histórias sobre nosso sistema solar.

Os óculos podem ser adquiridos no KSCVC por US$ 59,99, e são a companhia ideal para tornar a experiência do Centro de Visitantes do complexo ainda mais impactante. De posse dos óculos, o usuário pode baixar os aplicativos gratuitos KSC 360 Expedition, Space Dreams e Edge of Home, na Apple Store ou no Google Play.

Tags, , , , ,

Nova plataforma de investimentos segue conceito one stop shop e revoluciona B2B em fintech

A Órama Investimentos lança seu novo portal, com navegação mais leve, intuitiva, ferramentas exclusivas e acesso simplificado aos melhores fundos e títulos de renda fixa do mercado. A plataforma, que pode ser totalmente customizada pelos parceiros do B2B (consultores, gestores e agentes autônomos de investimento), revoluciona o modo de investir no segmento de fintech. Já premiada pela Amazon Web Services, em 2012, como uma das empresas mais inovadoras em serviços financeiros, a Órama segue investindo pesado em serviços e tecnologia para que os clientes tomem decisões financeiras alinhadas a seus objetivos e obtenham os melhores retornos.

Desenvolvida com base em criterioso estudo de usabilidade, a nova plataforma de investimentos é alinhada ao conceito one stop shop. Em uma só tela, o cliente tem acesso à sua posição consolidada e consegue realizar facilmente todas as operações referentes às suas aplicações na Órama. Ele tem ainda sugestões de investimento, elaboradas de acordo com o seu perfil e as suas prioridades, e visualiza o conteúdo educacional e informativo mais recente do portal.

“Estamos sempre buscando as melhores tecnologias, investindo em um time super qualificado para oferecer aos nossos clientes a melhor experiência. Apresentamos agora um novo portal, intuitivo, inovador, com ferramentas e robôs para auxiliar a tomada de decisão, tudo pensado com o foco na necessidade do investidor, para realmente facilitar sua vida financeira”, diz Habib Nascif, CEO da Órama.

Uma das novas ferramentas, o Top FGC, sugere para cada cliente os melhores investimentos em títulos de renda fixa disponíveis na Órama e o valor para que suas aplicações não ultrapassem a garantia de R$ 250 mil do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), por emissor e por CPF. O Top FGC já faz o cálculo considerando a rentabilidade projetada no vencimento dos papéis e a posição do cliente na plataforma.

Se o portal é inovador para o cliente final, é ainda mais revolucionário no B2B. Além de ter acesso a todos os benefícios do B2C (cliente final), os parceiros do B2B encontram algo exclusivo e inédito no segmento de fintech. Cada parceiro pode montar seu próprio espaço dentro do ambiente eletrônico da Órama, com sua marca fortalecida e a seleção de produtos que deseja oferecer. Com essa possibilidade de total customização, a plataforma valoriza a identidade do parceiro e privilegia seu relacionamento direto com os clientes. Todos ganham juntos.

“Para nossos parceiros, apresentamos uma plataforma ainda mais revolucionária, cada um tem seu próprio espaço, personalizável, com sua marca fortalecida e liberdade para oferecer aos clientes os produtos do portfólio Órama que julgar mais convenientes, mais adequados às necessidades do investidor. Exercemos na essência o significado da palavra parceria, vamos colher juntos o fruto desse grande investimento que fizemos”, diz Nascif, ressaltando que a empresa espera, com os lançamentos B2C e B2B, dobrar o tráfego no curto prazo.

Acesso personalizado
O cliente preenche o cadastro totalmente online e já pode começar a investir. Em seguida, passa a navegar por uma interface personalizada, com gráficos, tabelas e dados sobre suas aplicações financeiras. Tudo com acesso a partir de uma só tela, que inclui ainda os próximos eventos agendados e conteúdo educacional.

Top FGC
O Top FGC é uma ferramenta única, que seleciona automaticamente as melhores opções de títulos de renda fixa sem ultrapassar a garantia de R$ 250 mil do FGC (Fundo Garantidor de Créditos), calculando o valor aplicado acrescido da rentabilidade projetada no vencimento de cada papel. As indicações da ferramenta consideram a carteira de títulos que o cliente já tem na Órama. Assim, o investidor fica sabendo exatamente o quanto pode aplicar por título, entre os cinco mais rentáveis ofertados naquele dia, levando-se sempre em conta a garantia de até R$ 250 mil do FGC, por emissor e por CPF. É a certeza de rentabilidade com segurança.

Top Fundos
O ranking Top Fundos lista os cinco fundos de melhor desempenho nos últimos 12 meses, adequados ao perfil de investidor do cliente.

Parceiros/B2B (consultores, gestores e agentes autônomos de investimento)
No espaço dedicado à navegação dos parceiros, eles podem usufruir de todos os novos recursos do site, como os rankings de investimento, filtros para facilitar buscas e layout organizado dos títulos de renda fixa disponíveis. E tudo isso de um modo personalizável.

A plataforma online disponibiliza para cada tipo de parceiro um espaço único, onde ele pode se relacionar com seus clientes com absoluta liberdade, oferecendo os produtos que julgar mais convenientes (mesmo que não estejam disponíveis para o B2C da Órama), mais adequados ao perfil de seu público. Além disso, ele pode montar seu próprio portfólio.

Educação financeira
O novo portal também permite maior facilidade para acessar o conteúdo de educação financeira da Órama: e-Books, vídeos com especialistas, artigos, consultoria online e um canal no YouTube, o Órama Educação, todos disponíveis gratuitamente na plataforma.

Segurança total
A segurança nos investimentos e a privacidade dos dados do cliente continuam sendo pilares da plataforma.

Tags, , , ,

Mais de um terço dos brasileiros não querem compartilhar seus dados pessoais, diz GfK

Mais de um terço (34%) dos internautas brasileiros não estão dispostos a compartilhar suas informações pessoais em troca de benefícios como descontos, bônus ou serviços diferenciados. A informação é de uma recente pesquisa global da GfK realizada em 17 países. Os mais de 22 mil entrevistados indicaram, numa escala de 1 a 7 o quanto concordam ou discordam da afirmação: “estou disposto a compartilhar meus dados pessoais (saúde, finanças, trajetos, uso de energia, etc) para obter vantagens como descontos ou serviços personalizados”.

Terceiro lugar

Na média global, 27% dos consumidores concordam, enquanto 19% discordam da afirmação apresentada pela GfK. Na comparação entre os países, atrás da Alemanha (40%) e da França (37%) o Brasil é o terceiro país em que as pessoas se dizem menos dispostas a compartilhar suas informações pessoais para obter benefícios ou vantagens, sendo que entre as mulheres brasileiras os índices de discordância são ainda mais altos, chegando aos 37%. Na outra ponta da escala, os consumidores chineses (38%), mexicanos (30%), russos (29%) e italianos (28%), são que mais se dizem dispostos a compartilhar seus dados pessoais.

Ao usar as informações da GfK, as empresas podem otimizar tempo e recursos ao reconhecer antecipadamente quais públicos-alvo responderão a ofertas de compartilhamento de dados e targets exigirão ofertas mais alinhadas com suas características específicas.

Para baixar os resultados completos para cada um dos 17 países, visite www.gfk.com/global-studies/global-study-overview/

Tags, ,

Pequena cidade mineira se torna um dos principais hubs de startups na América Latina

d39be159-6032-4a2d-b291-896b12d2b5f5

Localizada aos pés da Serra da Mantiqueira, no sul de Minas Gerais, a pequena Santa Rita do Sapucaí é uma cidade singular. Com apenas 40 mil habitantes, é também conhecida como Vale da Eletrônica, polo empreendedor em tecnologia com uma concentração de empresas do ramo que supera qualquer outra cidade da América Latina: quatro empreendimentos para cada mil habitantes. O vale mineiro coleciona casos de sucesso, como o desenvolvimento da urna eletrônica usada nas eleições brasileiras, do chip do passaporte eletrônico, do sistema brasileiro de TV Digital, além de potências que nasceram e cresceram ali, como a DL, que hoje lidera o mercado de tablets no Brasil, na frente de Apple e Samsung, com um produto frugal para a classe C e D. No total, são 160 empresas de tecnologia, entre startups e indústrias, com um faturamento de mais de 3 bilhões de Reais no último ano, segundo dados do Sindicato das Indústrias do Vale da Eletrônica (Sindvel). A força é tamanha, que o montante é o dobro do que faturou no mesmo ano o Porto Digital, de Recife, um dos hubs mais conceituados do país. O histórico de desenvolvimento e produção de hardware, entretanto, definiu um rumo distinto para as startups do Vale da Eletrônica.

A cena de Santa Rita contempla projetos de serviços digitais, mas em sua maioria está ligada a negócios que se baseiam em hardware. “É um polo de alta tecnologia”, afirma o dinamarquês Jesper Rhode, coordenador da escola de inovação Hyper Island no Brasil. “Historicamente o país tem um viés muito forte para software e programação. Com a Internet das Coisas e a impressora 3D, entretanto, a prototipagem rápida para desenvolver hardware e dispositivos está ganhando importância na economia digital. Santa Rita está no miolo desta revolução no Brasil”, conta Rhodes. “Várias startups estão abordando inteligência artificial, inclusive deep learning para análise de imagens, colocando o Brasil no mapa global do desenvolvimento de soluções para o futuro digital”, destaca. Para Fábio Veras, da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), o desenvolvimento de hardware é habilidade singular. “Startups e indústrias farão de Santa Rita a região com maior valor agregado de inovação e valor financeiro por metro quadrado de produção do Brasil nos próximos cinco anos”, complementa.

Empresas com potencial não faltam para exemplificar tais afirmações. O empreendedor Marcos David, da startup Dágora, cita nomes. Uma delas é a Das Coisas, que criou uma plataforma inovadora para IoT (Internet das Coisas) e vem trabalhando em projetos escaláveis com grandes multinacionais para levar conectividade a qualquer objeto. Outra é a Spark Telecom, que desenvolveu um sistema de conectividade para organizar o estacionamento de carros em espaços públicos e privados, já em teste em algumas cidades, além da BitVale, responsável por um caixa eletrônico de Bitcoin com enfoque na usabilidade para democratizar a moeda virtual no Brasil. David também ressalta a Photon Tic, que utiliza de IoT e deep learning para ajudar a monitorar e economizar no uso de energia elétrica, além da Inova GS, startup que oferece um sistema para que estudantes possam fazer estágio à distância. Também se destacam a 4intelligence, plataforma de Big Data para tomada de decisões empresariais, e a própria Dágora, que oferece uma plataforma de aprendizado coletivo.

“Esse movimento não começou de uma hora para outra”, conta João Rubens Costa, do Inatel. “A história peculiar do polo teve início com uma senhora muito rica que apostou em uma ideia futurística para a época e deu origem à primeira escola de eletrônica da América Latina. Foi o ponto inicial disso tudo, em meados do século passado. Nos anos 60, foram criados o Inatel, uma potência em engenharia, e a FAI, com ensino de qualidade em gestão e computação. Isso sem contar as cidades vizinhas, como Pouso Alegre e Itajubá, que formam programadores, publicitários e designers, e tem em Santa Rita seu principal mercado de trabalho. Em seguida, vieram as incubadoras e a consolidação do polo de industrias de alta tecnologia. Foi quando o Vale da Eletrônica ganhou notoriedade internacional”, ressalta.

“Todos esses programas pioneiros se mantêm em constante reinvenção, e hoje se misturam a eventos e programas disruptivos em empreendedorismo e inovação”, completa Costa. O Startup Hub Vale da Eletrônica é um deles. A comunidade é inspirada no grupo de desenvolvedores do Google e no do Facebook, ambos presentes em Santa Rita. O Hub vem unindo não somente as próprias startups, mas todos os demais protagonistas do polo, como a academia, a indústria e o poder público, para trocar conhecimento, realizar eventos e mentorias, formar parcerias estratégicas e, principalmente, atrair investidores. Carlos Henrique Vilela, executivo da Leucotron, empresa pioneira no Vale, destaca outros movimentos de alto impacto, como o Cidade Criativa, Cidade Feliz, plataforma colaborativa de lançamento para novos projetos criativos, a Inatel Business School, que segue uma linha global de núcleos de gestão, e o Hack Town, festival de inovação e empreendedorismo reconhecido com um dos mais inovadores do país.

Outro destaque é o projeto de geração de startups do Inatel, que envolve feiras de projetos estudantis, oficinas de Design Thinking, estudos dos Global Goals da Organização das Nações Unidas (ONU) para identificar problemas relevantes que possam ser solucionados por meio da tecnologia, hackathons, o Crowdworking criado em parceria com a Wayra e a Ericsson, além de constantes edições do Startup Weekend. João Rubens Costa ressalta que outro ponto que vem ajudando a impulsionar o ecossistema empreendedor do Vale da Eletrônica é a relação próxima com ex-alunos do Inatel que hoje ocupam cargos estratégicos nas principais empresas de tecnologia do mundo. “Estamos falando do CEO do AirBnB Brasil, CEO da Ericsson LatAm, de altos executivos do Facebook, do Google e da Qualcomm, entre vários outros, que reconhecem o Inatel e estão sempre de olho no que rola em Santa Rita”, lembra Costa.

“Com a proximidade que temos da capital paulista (cerca de 200 km), talentos de sobra, custo de vida baixo em relação aos grandes centros, qualidade de vida de interior, belezas naturais, e todos esses programas de alto nível”, destaca, “fica difícil segurar o Vale da Eletrônica. É por isso que nossa cena de startups vem não só crescendo, mas ganhando mais relevância e atenção a cada dia que passa”, finaliza Costa.

Tags, , , ,

NIX, nova plataforma do Grupo Nexxera, possibilita as transações financeiras do app do Show do Milhão

O famoso programa comandado pelo apresentador brasileiro Silvio Santos, o Show do Milhão, está acessível para qualquer pessoa que tenha um smartphone. Já disponível para Android no Google Play e AppStore para iOS, o aplicativo permite que o usuário tenha uma experiência similar ao programa de maior sucesso na TV brasileira.

O Grupo Nexxera, sendo o principal gateway, de serviços e soluções para gestão e execução de transações financeiras do mercado nacional, participa deste projeto do SBT por meio da plataforma de soluções NIX. A tecnologia oferece meios de pagamentos com cartões de crédito e débito dentro do aplicativo, além de proporcionar integração ERP e uma solução para emissão de nota fiscal. Por meio da NIX, as transações financeiras no aplicativo do Show do Milhão acontecerão de forma segura, ágil e inovadora.

Recentemente lançada, a NIX é a mais nova aposta do Grupo Nexxera para atuar no cenário financeiro-digital brasileiro. Um de seus principais diferenciais é o fator de segurança em transações de dados financeiros eletrônicos, além de experiência do usuário, facilidade de cobrança por parte do vendedor e propiciar novas formas de cobrança no mercado. “A percepção da mudança no hábito de consumo foi o que nos motivou a criar plataformas tecnológicas seguras que facilitassem transações financeiras, tanto para o vendedor quanto para o comprador”, explica o presidente do Grupo Nexxera, Edson Silva.

Sobre o a parceria entre as companhias, o Diretor de Multiplataforma do SBT, Rodrigo Navarro Marti, afirma que foi importante contar com o Grupo Nexxera na empreitada. “Neste negócio estratégico e inovador da Emissora, é muito importante poder contar com uma empresa que alia confiabilidade com flexibilidade em soluções em processos críticos que envolvem o Contábil, Financeiro e o Tributário”, explica Marti.

O app Show do Milhão

Os usuários do Show do Milhão podem se divertir com o aplicativo de duas maneiras: gratuitamente, que proporciona ao usuário participar de 10 rodadas por dia, com presença de publicidade; e a versão PRO, que oferece o dobro de partidas sem publicidade. Ademais, na versão PRO e dependendo do desempenho na rodada, o usuário ganhará cupons para concorrer a prêmios que podem chegar até R$ 1 milhão. A versão PRO custa R$9,90 reais por 30 dias de acesso, permitindo 20 partidas por dia.

Por meio das máquinas de redes de captura parceiras, os usuários poderão comprar em dinheiro e ativar a versão PRO do aplicativo através da compra de códigos de ativação (cartão presente) no mesmo modelo de recarga de celular pré-pago. O objetivo é permitir que o usuário possa ter acesso a esta modalidade de compra em cada padaria, farmácia ou comercio mais próximo da sua residência ou local de trabalho.

Além dos atuais estabelecimentos credenciados, novos pontos de vendas serão ativados ao longo de 2017.

Tags, , , , , ,

EDP é pioneira em robotização de processos

A EDP Brasil, empresa que atua nas áreas de geração, distribuição, comercialização e soluções em energia elétrica, é a primeira Companhia brasileira do setor a implementar um robô para agilizar e aperfeiçoar suas atividades internas de processos. Com o R1SP (Robô 1 Serviços Partilhados), o Grupo inicia o programa de robotização de seus procedimentos internos, absorvendo os ganhos de eficiência e de qualidade gerados pela inovação e tecnologia.

O sistema será utilizado inicialmente pelo Centro de Serviços Partilhados (CSP) da Empresa, no preenchimento de guias tributárias, conciliação bancária e recebimento de notas fiscais. O projeto, lançado neste mês, terá sua primeira etapa de robotização concluída no primeiro semestre deste ano.

O plano é expandir a aplicação para atuar em processos corporativos e também das unidades de negócio, em atividades de rotina e que tenham como base regras pré-definidas. A implementação do R1SP contou com um investimento inicial de R$ 1 milhão, com retorno previsto em menos de um ano, principalmente em gastos com hora extra.

“A EDP Brasil demonstra seu caráter inovador, desta vez sendo pioneira na agenda digital. Este é o início de uma nova abordagem com uma eficiência reforçada” afirma o diretor presidente da EDP Brasil, Miguel Setas.

Os colaboradores da Empresa terão papel crucial na implementação e supervisão do R1SP, auxiliando na correta configuração e operação do sistema. O objetivo é que, a partir da robotização, eles possam concentrar suas atividades em tarefas de análise crítica, de forma a ampliar a produtividade das áreas e a excelência da operação.

Atualmente, 70% do trabalho das equipes está voltado para a execução de processos repetitivos, e apenas 30% do tempo dos colaboradores está direcionado a tarefas analíticas. Com a Robotização, a Companhia pretende reequilibrar esse porcentual, para ter 80% de seus esforços concentrados em atividades de análise crítica, consideradas de alto valor agregado.

O projeto será implementado na EDP Brasil em parceria com a EY.

Tags, , , ,

IDC Brasil prevê retomada de projetos em 2017 e crescimento de cerca de 2,5% para o mercado de TIC

Apesar do cenário ainda recessivo, necessidade de transformação digital deve impulsionar investimentos das empresas neste ano, com destaques para o amadurecimento do mercado de Cloud, ampliação dos orçamentos de segurança, experimentação de aplicações de realidade aumentada e virtual, e ganho de escala em Analytics/Cognitve, além do início do crescimento de IoT

São Paulo, 26 de janeiro de 2017 – A IDC Brasil, líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações, divulga suas previsões para o setor em 2017. No Brasil, a perspectiva para o ano é de um crescimento de cerca de 2,5% em relação a 2016, puxado pelo segmento de TI, que deve crescer 5,7%, enquanto telecom deve permanecer estável, com aumento de 0,4% no período. Para Denis Arcieri, diretor geral da IDC Brasil, agora é o momento de retomar projetos, com um cenário mais previsível no âmbito político, e principalmente, no contexto econômico. “Não há mais espaço para postergar projetos de transformação e inovação e mais de 6% dos CIOs pretendem investir para melhorar a estratégia de entrega multicanais em 2017”, diz ele.

A IDC aponta o processo de transformação digital (DX) como um caminho sem volta para as empresas em busca de eficiência e competitividade. Segundo recente pesquisa, no Brasil pouco mais de 10% das empresas já investem cerca de 5% de seu faturamento em tecnologias inovadoras. A transformação digital se baseia em cinco pilares – liderança, omni-experience, informação, modelo de negócio e fonte de trabalho, que permeiam diferentes tecnologias e segmentos do mercado de TIC que se destacam nas previsões da IDC para este ano.

“A transformação digital interfere em diversos aspectos, na medida em que novas competências tecnológicas alavancam mudanças e impulsionam novos modelos de negócios, integração de produtos e serviços físicos e digitais, melhores experiências dos clientes, e mais
eficiência operacional e organizacional”, diz Luciano Ramos, gerente de Pesquisa e Consultoria de Software e Serviços da IDC Brasil.

De acordo com as previsões da IDC, o segmento de Telecom se manterá estável em 2017 e coerente com a tendência dos últimos anos, continuando a se digitalizar, com aumento no consumo de dados e redução na base de voz. O mercado corporativo segue em declínio, compensado pelo crescimento do mercado residencial. O número de conexões 4G vai passar de 108 milhões no Brasil, representando 40% da base total.

Segundo André Loureiro, gerente de Pesquisa e Consultoria de TIC da IDC Brasil, é necessário aumentar a cobertura e melhorar a qualidade de serviços para atender à demanda fora das capitais, onde atualmente está concentrado o consumo. A utilização de serviços OTT (Over the Top) deve continuar crescendo e gerando mais tráfego, principalmente de vídeo, assim como modelos “0800 de dados” e “zero-rating”, que permitem o acesso gratuito a determinados serviços, sem cobrança de dados. “Atualmente há também grandes oportunidades para as operadoras em TI e segurança, por conta de serviços baseados na nuvem, datacenter e software como serviço”, comenta Loureiro.

Depois de um ano conturbado, os investimentos em segurança devem ser retomados e ampliados já no primeiro semestre e ultrapassar US$ 360 milhões até o final de 2017. As principais áreas de interesse dos gestores de segurança para novos projetos são Gestão de Identidades (IAM), com 58% de intenções de investimento, e Correlação de Eventos (SIEM), com 57% de intenções. Um desafio para esses executivos será endereçar cenários de IoT (Internet das Coisas) complexos, por meio do endurecimento e da padronização de práticas de segurança para dispositivos conectados. De acordo com Ramos, hoje cerca de 79% dos executivos de segurança não consideram que as práticas para lidar com Segurança da Informação em IoT estejam bem definidas no mercado.

A Internet das Coisas (IoT – Internet of Things), por sinal, deve pegar embalo no segundo semestre, com a definição de uma política pública e de incentivos pelo BNDES, comenta Pietro Delai, gerente de Consultoria e Pesquisa de Infraestrutura e Telecom da IDC Brasil. A previsão é de que o ecossistema de IoT no Brasil dobre de tamanho até o final da década, superando US$ 13 bilhões. O avanço do IoT estará conectado com o uso de Analytics, fundamental para transformar dados em valor para os negócios, e com computação em nuvem, que será a plataforma para processamento desses dados – até 2019, cerca de 43% dos dados de IoT serão tratados na nuvem.

Delai também destaca o Blockchain (banco de dados distribuído que guarda um registro de transações permanente e à prova de violação) como um elemento importante de transformação digital que continuará em ritmo lento. Alguns projetos foram desenvolvidos em 2016 e outros virão ao longo de 2017. “É uma tecnologia disruptiva, mas sua adoção é gradual. Os desafios regulatórios e de compliance são imensos no Brasil”, explica Delai.

Já o mercado de Business Analytics Software crescerá 4,8% em 2017, movimentando US$ 848 milhões no Brasil. Em busca de decisões mais rápidas e assertivas, as organizações vão investir em capacidades analíticas para trazer cada vez mais inteligência e insight a cada processo em seus negócios. O reconhecimento da importância de informações não estruturadas, especialmente daquelas vindas de redes sociais e de interações diretas com clientes, vai dar força às iniciativas de Big Data.

A tecnologia Cognitive/AI também merece destaque, assumindo uma posição importante à frente da mudança das fontes de trabalho nas organizações para suportar com muito mais força os processos de relacionamento com o cliente e de tomada de decisão. Segundo Luciano Ramos, a expectativa é que nos próximos três anos o mercado quintuplique os investimentos nesta tecnologia, ainda em fase inicial, para atendimento inteligente ao cliente, respostas automatizadas, e chatbots.

O mercado de Smartphones, que apresentou queda nas vendas em 2016, voltará a ganhar fôlego em 2017, com previsão de crescimento de 3,5% em unidades em comparação ao volume do ano passado. A troca média dos aparelhos ocorre a cada dois anos e pelo menos 37% da base instalada ativa foi adquirida antes de 2015.

A tecnologia AR/VR (Realidade Aumentada/Realidade Virtual) aparece com boas perspectivas em 2017. A previsão da IDC é que o mercado brasileiro dobre em unidades, ultrapassando a barreira dos 100 mil produtos. Segundo Reinaldo Sakis, gerente de Pesquisa e Consultoria de Consumer Devices da IDC Brasil, estima-se que uma em cada 10 das maiores empresas voltadas para o consumidor experimentará AR/VR como parte de seus esforços de marketing neste ano. Há aplicações em fase de teste no país nas áreas de arquitetura (construção de modelos VR), serviços (manutenção automobilística com AR), varejo (loja virtual com AR e VR) e indústria (aplicações de modelos de alta complexidade).

Até pouco tempo vista como tendência, a computação em nuvem chega em 2017 como mainstream. De acordo com a IDC Brasil, o mercado de Cloud pública deve crescer 20% neste ano, atingindo US$ 890 milhões. “Há muitos casos de sucesso, e as empresas já conhecem os benefícios da nuvem e estão superando seus receios ao perceber que provedores estão aumentando a segurança”, diz Pietro Delai. Apesar do cenário ainda recessivo, as empresas devem investir em Cloud por conta de vantagens como redução de custos e mais agilidade a entrega de soluções.

Na migração das empresas para a nuvem, um papel que ganha importância é o dos Cloud Brokers. “Até 2018, 85% dos ambientes serão multicloud, conjugando serviços de mais de uma nuvem pública para atender suas necessidades de negócios, não só por uma questão de custos, mas também das capacidades de cada provedor. Os brokers vão se tornar grandes intermediadores, ajudando as empresas na tomada de decisões e no gerenciamento desses ambientes”, comenta Luciano Ramos. A previsão é de que eles terão uma fatia significativa nas receitas dos provedores, chegando a 50% dessas receitas até 2020.

Tags, , , , , ,

Teste drive do Fusion Hybrid em realidade virtual e quiz interativo: as atrações da Ford na Campus Party 2017

Única marca automotiva presente, a Ford aproveitará a 10ª edição da Campus Party Brasil para compartilhar com a comunidade geek seus conhecimentos em conectividade e mobilidade por meio de interações lúdicas. Para falar a língua dos mais de oito mil campuseiros, desenvolveu para o evento o quiz Unlock, que vai testar os conhecimentos em tecnologias automotivas e de conectividade dos participantes. A CPBr, como também é conhecido o maior evento de tecnologia do país, acontece de 31 de janeiro a 5 de fevereiro no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo.

“A Ford tem participado dos principais eventos de tecnologia do mundo e no Brasil não é diferente. Estar na Campus Party faz parte da nossa estratégia de estreitar o relacionamento com a comunidade que está à frente das inovações tecnológicas”, diz Adriane Rocha, gerente de Relações Corporativas da Ford Brasil. “E, se queremos nos aproximar dessa comunidade, precisamos estar na mesma frequênca. Por isso, criamos ações interativas exclusivas para a Campus Party”, complementa Adriane.

Um estande de 150 m2 na Arena da Campus Party concentrará todas as ativações da empresa, que inclui a exposição do Fusion Hybrid e a realização de workshops. “Quando o assunto é carro, nada melhor do que testar na prática. Como não é possível dirigir dentro do Pavilhão de Exposição, criamos um test drive do Fusion Hybrid em realidade virtual, no qual será possível experimentar todas as tecnologias embarcadas no primeiro carro híbrido do Brasil”, conta Adriane.

Já o Unlock será uma oportunidade para os campuseiros conhecerem melhor e testarem seus conhecimentos não só nas tecnologias da Ford, mas também sobre conectividade, aplicativos e sobre a participação da empresa no evento por meio de um app de perguntas e respostas. Todos os participantes que atingirem pelo menos 1.000 pontos no quiz, ao acertar as alternativas de múltipla escolha, levarão para casa brindes da marca. Várias sessões do Unlock serão realizadas durante o evento.

Realidade virtual

A bordo do Fusion Hybrid, com óculos de realidade virtual, os participantes da Campus Party poderão conhecer a tecnologia de propulsão “verde” e os recursos semiautônomos e de conectividade do sedã de luxo. Equipado com motores elétrico e à gasolina, o carro é um dos mais econômicos do País e um ícone de sustentabilidade.

Suas tecnologias inteligentes incluem piloto automático adaptativo com “stop and go”, alerta de colisão com assistente autônomo de frenagem, assistente autônomo de detecção de pedestres e estacionamento automático de segunda geração para vagas paralelas e perpendiculares. Com o sistema chamado EV+ o carro reconhece os destinos mais frequentes por meio do GPS e prioriza o uso do motor elétrico para economizar combustível. Outro recurso interativo é uma tela no painel que mostra por meio de desenhos de folhas quando o motorista está dirigindo de modo mais sustentável.

Também é o único do segmento equipado com sistemas de alerta de ponto cego e permanência em faixa, sensor de fadiga (que avisa para o motorista quando está na hora de parar para tomar aquele cafezinho), sensores de monitoramento 360 graus e cintos traseiros infláveis.

A conectividade é outro ponto forte do Fusion Hybrid, com o sistema de nova geração da Ford, o SYNC 3, capaz de operar também com os sistemas Apple CarPlay e Android Auto. Além de tela capacitiva de 8 polegadas, dispõe de comandos de voz para as funções de telefone, navegação, música, climatização, mensagens de voz e aplicativos de smartphones, através do sistema AppLink.

Já existem vários apps compatíveis com o equipamento e outros estão sendo desenvolvidos, abrindo várias possibilidades de entretenimento e serviços que podem ser acessados pelo motorista de forma conveniente e segura.

Tags, , , , ,

Quatro dicas fundamentais para se tornar um líder de sucesso

Por Marcela Claro

Liderar pessoas é um comportamento extremamente complexo e vai além das técnicas, conhecimentos e experiências. Talvez, nos acostumamos a ver a função de liderança como algo comum, como uma promoção natural do profissional.

Quando alguém é colocado no cargo de liderança por ser um excelente técnico, sem nenhuma preparação anterior nem posterior a assumir o cargo, temos como resultado um líder comum. Muitas vezes, tão vítima quanto seus liderados.

O mundo precisa de líderes que obtenham resultados com as pessoas. Mas, essa solução depende do tipo de líder que você é ou que sua empresa tem.

Neste mundo extraordinário e cheio de possibilidades precisamos com urgência outro tipo de líder: um Líder Coach.

Um líder Coach é alguém que ousa ser e fazer diferente, que se importa verdadeiramente com os seus liderados e que entende a importância de buscar no seu interior o melhor de si mesmo para extrair dos outros o melhor de cada um.

Ele traz sua criança interior para tornar sua vida mais criativa, para ser espontâneo e autêntico, para brincar e não se levar tão a sério e principalmente para ser feliz.

Para isso, ele coloca em prática quatro chaves fundamentais que possibilitam liderar pessoas de forma surpreendente e alcançar resultados extraordinários, essas são:

1 – CONSTRUA AMBIENTES SEGUROS

Segurança é uma das necessidades básicas do ser humano.

De todas as necessidades do ser humano a segurança é uma das mais importantes, pois, diz respeito ao alimento emocional sem o qual a pessoa se torna enfraquecida, vulnerável, desesperançada e desmotivada.

Portanto, motivação tem uma estreita ligação com o sentimento de segurança que uma pessoa possui. Há necessidades que o ser humano tem e que precisam ser satisfeitas para aumentar a motivação.

O líder Coach sabe que para obter a adesão verdadeira da sua equipe e alcançar os resultados desejados ele precisa do comprometimento e engajamento de cada um. E que isso só acontecerá quando as pessoas estiverem abertas e receptivas, se sentirem seguras para poder agir. Por isso:

– Coloque em prática princípios fundamentais do ser humano.

– Gere confiança entre todos os membros e da equipe.

– Consiga o comprometimento e engajamento de todos

2 – SEJA UM COMUNICADOR COMPETENTE

Construa uma comunicação que lhe dê força e gere uma diferença em sua equipe.

As palavras são poderosas. Palavras mudam o mundo. Sobretudo, se são utilizadas palavras que toquem e ecoem no coração das pessoas.

Por isso a forma de comunicação de um líder é essencial. Para o Líder Coach a comunicação é uma das suas forças e suas diferenças.

Para liderar pessoas, o líder Coach desenvolve a habilidade de se comunicar com maestria e isso significa conseguir se conectar com sua equipe verdadeiramente. Para isso:

– Aprenda a ouvir a essência do que dizem os seus liderados

– Compreenda o modelo de mundo do seu liderado.

– Construa uma linguagem com sentido, positiva e afirmativa

3 – RESPEITE CÓDIGOS DE HONRA

Construa um forte compromisso ético que se reflita em cada palavra e em cada ação sua.

Um líder Coach possui um forte compromisso ético que se reflete em cada palavra e em cada ação. Ele adota uma forma e uma filosofia de vida, baseada em códigos de honra, que faz dele alguém especial. Alguém que consegue:

– Ir aonde os outros não vão;
– Ver o que os outros não veem;
– Esforçar-se além dos seus limites;
– Superar todos seus medos.

Códigos de honra são todos os princípios básicos e sólidos que orientam consistentemente e oferecem valor e sabedoria às pessoas que os possuem. Elas fazem parte do mais íntimo do ser, lhe confere temperança que é a virtude que equilibra e regula a atração pelos prazeres e facilidades e assegura o domínio da vontade sobre o desejo.

São os códigos de honra que definem os limites das estratégias que vão ser seguidas para alcançar objetivos. Eles contribuem para a formação da personalidade e identidade de uma pessoa. Por isso:

– Trabalhe para ser virtuoso e se tornar um exemplo de comportamentos e atitudes.

– Baseie seu modo de ser e agir em códigos de honra.

4 – AJA NO PRESENTE COM FOCO NO FUTURO

Aprenda a viver o presente intensamente.

A verdadeira arte da liderança está em saber viver no presente com foco no futuro.

É impressionante perceber o quanto a vida é simples e o quanto o ser humano a complica. Quando ouço líderes, profissionais e empresários falar de seus problemas a maioria das vezes, eles estão preocupados com algo que já passou ou algo que pode vir a acontecer.

É preciso aprender a viver no presente, no aqui e agora. Muitas mágoas e angústias desaparecerão. A vida ganhará outra cor, ficará mais leve, tudo passará a ser até mais colorido e você se tornará mais positivo.

Viver no presente significa que você existe e está vivo aqui e agora, afinal. Você apenas pode lembrar-se do passado e imaginar o futuro, mas, é somente no presente que pode agir.

O que define a vida é o movimento, é a ação transformadora acontecendo em todo lugar agora, neste instante. Pare um minuto e se perceba, sinta seu corpo, as batidas do seu coração, o ritmo da sua respiração, seu corpo está vivo porque está em movimento constante. Por tudo isso:

– Mantenha a visão estratégica que o levará ao sucesso.

– Tenha prazer com a sua atividade e a sua forma de trabalhar.

– Acostume-se a inspirar e influenciar toda sua equipe, a partir do seu próprio comportamento e atitude.

– Pés no presente, mas com foco no futuro.

Afinal, o que realmente importa é você saber que sua vida valeu a pena.

Nossa vida é cheia de altos e baixos, de obstáculos e dificuldades, mas, ela também é repleta de possibilidades, de descobertas, de surpresas e de resultados.

Somos o que queremos ser, por isso, desenvolva a melhor pessoa que há em você. Busque a virtude como filosofia de vida e viva de acordo com seus códigos de honra, tudo mais será consequência. Mantenha-se firme e determinado a contribuir com o mundo de um jeito que faça sua vida valer a pena.

Olhe-se no espelho todo dia de manhã e agradeça a Deus por estar vivo, por ser uma possibilidade e ter a oportunidade de melhorar hoje mais do que ontem. Agradeça a você mesmo pelo esforço, ousadia, coragem e determinação para encarar o dia como mais uma aventura extraordinária que contém o sucesso em si mesmo.

Lembre-se do seu passado com orgulho, viva o presente com alegria, paixão e excelência e mantenha o seu olhar no futuro com a certeza de resultados extraordinários, é assim que um líder Coach se prepara para liderar outras pessoas e deixar um legado.

Faça sua vida valer a pena! Só assim você poderá ajudar os outros e poderá contribuir para deixar o mundo um pouco melhor do que você encontrou quando chegou.

Marcela Claro é palestrante internacional, consultora e Master Coach Senior. Desenvolve programas de treinamento e preparo de líderes para a nova realidade e mudanças radicais e aceleradas que o mundo empresarial vem sofrendo atualmente. Doutora em Psicologia (Processos Organizacionais, Trabalho e Aprendizagem) pela UFSC, mestre em Psicologia (UFSC) e graduada em Psicologia pela Univali.

Tags, ,

Inteligência Artificial para todos – Por Maurício Prado

Pense em um aplicativo que você utiliza diariamente. Seria o Waze, que calcula o melhor caminho para o seu trabalho? Ou o Spotify, que sugere playlists personalizadas? A Siri, que responde suas perguntas no iPhone? O Netflix, que indica filmes e séries com a sua cara? Ou o Google, que traduz textos para qualquer língua em segundos? Independente das suas preferências, sabe o que esses aplicativos têm em comum? Todos funcionam com recursos de Inteligência Artificial (IA). Se para você IA significa o Exterminador do Futuro ou robôs e sabres de luz, saiba que ela já está transformando nossas vidas.

Albert Einstein nos ensinou que a genialidade consiste em tirar a complexidade e tornar as coisas simples. É isso o que está acontecendo com IA. Você não precisa ser um especialista em Machine Learning, a ciência que dá a máquinas a possibilidade de aprender algo sem ter sido programadas. Pode-se pular este requisito para apreciar a eficácia e a melhoria dos aplicativos de reconhecimento de imagens, busca na Internet e compras online entre outros para perceber que a inteligência artificial pouco a pouco se tornou algo normal e imprescindível em nossa rotina. E isso é apenas o começo. Segundo o Gartner, os algoritmos mudarão o comportamento no ambiente de trabalho de mais de 1 bilhão de pessoas no mundo até 2020.

De olho nesse mercado, as maiores empresas do mundo já estão investindo também em produtos conectados (“Internet das Coisas”) para melhorar seus serviços, produtos e o relacionamento com clientes. No futuro próximo, cada produto (“coisa”) será um canal de atendimento e relacionamento entre empresa e cliente. De acordo com o relatório MarketsandMarkets, a indústria de IA deve ultrapassar os US$ 5 bilhões até 2020, com um crescimento anual (CAGR) de 53,65%.

Mas há ainda outra explicação para essa corrida das empresas pela adoção da tecnologia: algoritmos e inteligência nas máquinas farão com que a Internet das Coisas reduza erros e US$ 1 trilhão por ano em custos com manutenção, serviços e consumíveis em 2022, diz o Gartner. Além das companhias já citadas, outras de diferentes segmentos também estão utilizando IA, como Sony, Hyundai, Kawasaki, Amazon e Air France-KLM.

As pequenas e médias empresas, no entanto, ainda estão em desvantagem, devido aos altos custos referentes a infraestrutura, expertise técnica e recursos computacionais necessários para a implementação da novidade. Isso porque, para funcionar, IA precisa ter acesso a grandes bancos de dados com informações sobre os usuários, indicadores de mercado, características e estudos, para que especialistas criem algoritmos avançados para “ensinar” os computadores a reconhecer padrões nesses dados e apresentar as melhores soluções para cada tipo de problema.

Para facilitar o acesso à Inteligência Artificial, gigantes da tecnologia estão investindo em formas de democratizar seu uso, como a Salesforce – que lançou sua plataforma de IA baseada na nuvem (Salesforce Einstein) em um evento com mais de 170 mil participantes no último mês de outubro.

Com a “Inteligência Artificial para todos”, as empresas poderão entregar aos clientes experiências muito mais inteligentes, personalizadas e preditivas. Ou seja: ao que tudo indica, o que vimos até agora em IA foi só o começo de uma verdadeira revolução.

Nos próximos anos, segundo um estudo da Universidade de Stanford, veremos a popularização de carros e caminhões autônomos; drones fazendo entregas; robôs para serviços domésticos; massificação dos dispositivos para monitorar a saúde pessoal e cirurgias feitas por robôs; realidade aumentada utilizada para educação; convergência de ferramentas para entretenimento; modelos preditivos para evitar a poluição ou melhorar a distribuição de alimentos para a população carente; câmeras, drones e programas para analisar padrões criminais e aumentar a segurança. Bem-vindos ao futuro onde IA é para todos.

Maurício Prado, gerente geral da Salesforce Brasil.

Tags, ,

Parceria entre Algar Telecom e Grupo JCHEBLY é tema de case da IDC Brasil

As soluções oferecidas pela Algar Telecom, empresa de telecomunicações do grupo Algar, ao Grupo JCHEBLY, empresa de marketing digital, se tornaram tema de um case da IDC Brasil sobre os bastidores do setor de digital signage – mídia digital de painéis e telões espalhados por todo o país. Para melhorar a qualidade dos seus serviços, o Grupo JCHEBLY selou uma parceria com a Algar Telecom, que se tornou responsável pelo armazenamento dos dados, o licenciamento e a administração do ambiente de virtualização utilizados pela empresa, que possui mais de 5 mil telas instaladas em mais de 500 locais em todos os estados do Brasil. A migração proporcionou ganhos de performance e estrutura estável para atender novas demandas e clientes.

O novo serviço está hospedado em um ambiente dedicado em nuvem privada, dentro do datacenter da Algar Telecom. É composto de 25 a 40 VMs em servers físicos, com 256GB de memória e um serviço de monitoramento que verifica em tempo real se esses servidores — bem como os processos que nele são executados — estão ativos. O sistema de monitoramento abre automaticamente os tickets, além de notificar por e-mail ou SMS os administradores dos sistemas sobre ocorrências para tomada das devidas ações corretivas.

O armazenamento de alta performance e disponibilidade, com volume de dados superior a 10TB, foi contratado na modalidade on-demand, ou seja, com agilidade e flexibilidade para acompanhar o crescimento do negócio. O acesso à internet permite suportar um alto fluxo de dados (com picos perto de 1TB/hora) até cerca de 500 destinos, sem restrição no volume de dados trafegado. O licenciamento e a administração do ambiente de virtualização garantem os acordos de nível de serviço estabelecidos.

Migração

A Algar Telecom já era provedora de telecomunicações de dados e voz ao Grupo JCHEBLY, cujas demandas eram armazenadas e executadas conforme necessidade em dois ambientes: um provedor local de hosting e um provedor internacional de cloud pública. Essa estrutura não estava atendendo às expectativas.

A relação de mais de sete anos entre as duas empresas foi determinante para que fosse firmada mais essa parceria, além do atendimento humanizado da Algar Telecom, o entendimento e aceitação da dificuldade de armazenamento em cloud.

Em função da instabilidade do ambiente anterior, a migração foi lenta e complicada. Além dos dados “quentes” de produção, havia todo o “archiving” a ser transferido, que por conta do volume requereu compactação. Por ter equipe disponível e conhecer melhor as aplicações, a movimentação dos dados foi executada pelo Grupo JCHEBLY, com o suporte da Algar Telecom.

Acesse o case completo do IDC: http://sforce.co/2jojPAx

Tags, , ,

Australian Open and IBM Analytics bring insights to the tennis court

IBM (NYSE: IBM) and Tennis Australia today announced new digital capabilities that are further enhancing the fan experience at the Australian Open 2017. This includes IBM serving new richer real-time player insights via IBM SlamTracker analytics, now available within the tournament’s mobile app.

For the first time at the tournament, SlamTracker is available through the Australian Open mobile app, allowing fans to stay close to the action, no matter where they are. Also new this year, SlamTracker is offering real-time analytics on players and how they are likely to perform under “pressure situations” within a match, such as a tie break, based on their playing style and historical data. This insight will be available to fans from week two of the tournament, when the intensity of competition and pressure on players really kicks in. The new capability is underpinned by IBM’s BlueMix cloud technology, to facilitate faster delivery of insights and greater scalability.

“We take a fan-first approach to every Australian Open, and this year we have taken a step further to provide a full end-to-end digital experience to spectators in Australia and around the world,” said Primoz Trcek, CIO, Tennis Australia. “In 2016 more than 2 million unique visitors accessed the mobile Australian Open site, indicating an increasing appetite to access match stats on the go. By offering SlamTracker analytics in the app, specially designed for mobile consumption, we’re ensuring that all fans, whether in the stadium, travelling on the Melbourne tram or watching from the other side of the world, are able to receive up-to-date information in real time.”

“Similar to other fans increasingly choosing mobile to consume and engage with their favorite sports, the Australian Open mobile experience is all about connecting the consumer to the action on the court. Moving to a cloud platform gives Tennis Australia the agility it needs to react quickly in order to provide faster and more in-depth insights to fans,” said Ian Wong, IBM Interactive Experience.

IBM’s decades of experience transforming the fan experience at all four tennis Grand Slams, Melbourne Spring Fashion Week, and other global sports and entertainment events is helping Tennis Australia to create unique and engaging experiences for its fans.

Tags, , , , , ,