Page

Author admin

Ambiente de trabalho: como agir profissionalmente?

Psicólogo e Escritor Alexandre Bez fala sobre alguns aspectos profissionais fundamentais em quem quer ser reconhecido.

Todos os campos de nossas vidas necessitam de dedicação. O aspecto profissional é o estágio inicial, que delimita uma longa escala de preparação e luta, esse percurso significa o fim de uma preparação, que começa em nossa infância na manutenção e cuidados pessoais em pequenas responsabilidades, como por exemplo, nossa mesada.

È importante destacar que quanto mais cedo aprendermos a administrar nossos gastos, maior será a nossa probabilidade de obtermos sucesso profissional, independentemente da profissão escolhida.

Outros fatores como responsabilidade, profissionalismo e competência são fundamentais em nossa vida profissional, porém se você une esses três itens, mas ainda sim só trabalha para lucrar economicamente, sem prazer algum pelas tarefas estabelecidas, provavelmente seu futuro será limitado, pois não há progresso profissional devidamente efetivado sem a presença de motivação e autenticidade do mais puro desejo, sentimento esse que origina em nosso inconsciente a vontade de fazer tudo com entrega e disposição.

O respeito na hierarquia da empresa também é fundamental, deveres e funções devem ser cumpridos, pois esse é um protocolo que muitos líderes consideram antes de promover outros profissionais.

Após a compreensão desses fatores, listo algumas dicas que serão uteis para um bom desempenho, garantindo um ótimo futuro profissional.

Dicas:

1- Mantenha a compostura, lembre-se que você está em um ambiente profissional e não em sua sala de estar.

2- Jamais entre em atrito com algum colega, subordinado ou cliente.

3- Evite demonstrar vontade de terminar o seu turno de trabalho mais cedo, pois isso pode ser interpretado de maneira errada.

4- Evite executar, qualquer outra tarefa além da sua profissional, em seu turno de trabalho. Organize-se em outros horários.

5- Jamais alegue tédio, pois essa atitude pode acarretar muitos pontos negativos em seu currículo.

6- Não pegue nenhum material emprestado sem avisar para terminar alguma tarefa em casa, procure chegar mais cedo ou dobrar seu turno.

7- Não fale da sua vida pessoal, não traga os problemas de casa para o seu ambiente de trabalho.

8- Jamais faça fofoca ou reclame de colegas do trabalho, isso indica insegurança e falta de companheirismo.

9- Abstenha-se durante o horário comercial da troca de e-mails, redes e aplicativos sociais em uso pessoal.

10- Em situações de eventos sociais com os colegas de trabalho não dê vexames, beba socialmente, pois por mais que seja algo fora da empresa seus chefes ainda sim estarão de olho em você.

Tags, , , ,

Aeroportos recebem quase 4 milhões de passageiros na primeira semana da Copa

A pontualidade média dos aeroportos brasileiros no final da primeira semana de Copa do Mundo foi melhor que o padrão internacional: o índice médio de atraso de voos foi de 8,36%, quase idêntico ao observado nos países da União Europeia no ano de 2013, de 8,4%*. O padrão internacional considera satisfatórios índices de até 15% de atrasos de até meia hora.

Segundo balanço consolidado pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), do dia da abertura do evento, 12 de junho, até essa quinta-feira (19), 3,7 milhões de pessoas passaram pelos 20 aeroportos que atendem 90% do movimento no país. Apesar da demanda bastante concentrada, em especial nas chegadas internacionais na primeira semana de Copa, os aeroportos operaram dentro da normalidade.

O ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, comemorou o resultado. “Até agora tudo saiu como havíamos programado. Fizemos um planejamento minucioso testado em cada aeroporto, com participação de todos os agentes, e conseguimos atender de forma tranquila e segura os brasileiros e os estrangeiros que nos visitaram nessa primeira semana de evento”, afirmou. O planejamento para o evento foi detalhado no Manual de Operações da Copa do Mundo, coordenado pela Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (Conaero).
O fluxo de passageiros bateu recorde da Copa na última segunda-feira (16), véspera do jogo do Brasil contra o México, quando 501,2 mil pessoas passaram pelos aeroportos brasileiros – a média diária tem sido de 471 mil. O pico de movimentação ocorreu às 10h, com 31.073 pessoas. O Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, é o mais procurado. Às 8h do último dia 13, 7.396 passageiros chegaram e saíram de lá.

Nessa primeira semana, 31.120 aeronaves da aviação comercial e geral pousaram e decolaram dos 20 aeroportos brasileiros, que representa uma média de 3.890 aviões por dia. Segundo dados divulgados diariamente pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a média de cancelamentos na semana foi de 11,6%.

Punições – A Agência Nacional de Aviação Civil aplicou, de 5 a 15 de junho, 36 autos de infração às companhias aéreas sobre falhas na prestação de assistência aos passageiros e sobre aspectos operacionais à aviação geral (por problemas de documentação, por exemplo). A punição pela infração só é definida após o período de defesa dos autuados. A operação da Anac segue até 25 de julho.

Quem descumprir as normas pode receber uma multa que varia de R$ 12 mil a R$ 90 mil ou ainda pode chegar à suspensão da habilitação do piloto e perda da permissão de pousos e partidas nos aeroportos do país.

Fun Zones – As Fun Zones foram um dos principais atrativos aos turistas na primeira semana de Copa do Mundo. Desde o dia em que foram abertas ao público (10/6) até a última terça-feira (17), passaram pelas 12 áreas de entretenimento da Infraero, em 10 capitais brasileiras, 77.504 pessoas. E o movimento não para de crescer.

O aeroporto de Confins foi o mais procurado: recebeu 18 mil pessoas nesse período. Em segundo lugar ficou Porto Alegre, com 10,1 mil. As áreas contam com vídeo game, jogos, espaços para descanso e música ambiente. A ideia é garantir ao passageiro conforto na permanência naquele aeroporto.

* O índice de pontualidade da UE foi calculado a partir de informações do relatório Delays in Air Transport in Europe, do Eurocontrol, disponíveis em www.eurocontrol.int/coda

Tags, , , , , , , , ,

Estudo da E.life: imagens publicadas no Instagram identificam looks da Copa do Mundo

Das unhas aos animais de estimação, Buzzmonitor, ferramenta de monitoramento exclusiva da E.Life, compilou os principais assuntos e temas das fotos dos usuários da plataforma associados às hashtags look, dodia, lookdodia, unha, make e cabelo

Em tempos de Copa do Mundo de Futebol no Brasil, as cores da seleção canarinho estão nas vitrines, nas ruas, nos bares, nas escolas e também dominam o Instagram. É o que mostra o mais novo estudo da E.life, realizado com sua ferramenta de monitoramento das redes sociais, Buzzmonitor, para identificar os principais assuntos e temas das imagens publicadas pelos usuários do Instagram em relação ao visual para acompanhar as partidas – roupas, acessórios, penteados, unha e maquiagem.

O Buzzmonitor permite a indexação de dados com maior facilidade e análises mais aprofundadas e complexas que envolvam estudos de imagem e semiótica. “De acordo com um estudo recente da Forrest Research, foi constatado que o engajamento na plataforma de fotos é cerca de 60 vezes superior a do Facebook”, comenta Stefany Oliveira, executiva de desenvolvimento de negócios da E.life Intelligence. A E.Life é líder na América Latina em serviços e software para inteligência estratégica e gestão da comunicação on-line.

Para o estudo Looks da Copa do Mundo 2014 – Análise de Instagram, a E.life coletou depoimentos com as hashtags #worldcup2014, #worldcup, #copa, #copadomundo, #copadascopas, #fifaworldcup, #fifaworldcup2014, #copa2014, #brasil2014 e #brazil2014 associadas à “look”, “dodia”, “lookdodia”, “unha”, “make” e “cabelo”. Foram analisadas 958 publicações no período de 13 a 17 de junho, utilizando um filtro de língua em português – e os principais destaques foram:

Looks envolvendo roupas, unhas e maquiagens foram, nessa ordem, os 3 tipos mais publicados no Instagram.
• Nail Art: as mulheres estão caprichando nos desenhos de suas unhas, feitos pela manicure ou por elas próprias (358 posts).
• As mulheres também estão elaborando maquiagens especiais para os jogos, com sombra para olhos nas cores verde e amarela em degradê (150 posts).
• Perucas e penteados inusitados também foram usados para compor o look da torcida (49 posts). Entre os acessórios, as pulseiras apareceram com maior frequência, em variados modelos, mas também se contam colares, brincos, cachecóis e até uma mochila estampada com a bandeira do Brasil.
• O look de Claudia Leitte na abertura da Copa rendeu elogios, piadas e brincadeiras como a comparação com a Galinha Pintadinha, e também posts de lojas que comercializam produtos similares ao usado pela cantora – como brincos e anéis.

O estudo ainda destaca as três publicações que receberam mais curtidas – um post do estudante ‘luis_h’, com quase 1100 “likes”, uma publicação da ‘lorealparisbrasil’ destacando os cabelos de Jennifer Lopez, com 974 curtidas, e uma de ‘vestidosc’ com sugestões de looks para torcer pela Alemanha com estilo, com 729 likes -, e os usuários que publicaram sobre o tema com mais frequência no período.
Mais informações sobre o Buzzmonitor estão no site www.buzzmonitor.com.br, onde também é possível conhecer e usar uma versão freemium do software, primeiro web-based low cost para coletar e classificar dados em mídias sociais e interagir com utilizadores. A busca no Instagram está disponível apenas na versão paga do Buzzmonitor
Mais informações sobre a E.life: www.elife.com.br

Tags, , , , ,

Vendas de imóveis residenciais novos melhoram em abril

A comercialização de imóveis novos na cidade de São Paulo melhorou pelo segundo mês consecutivo. De acordo com a Pesquisa do Mercado Imobiliário, realizada pelo Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP, as vendas em abril totalizaram 2.147 unidades, um crescimento de 23,1% em relação a março, quando foram vendidos 1.744 imóveis. Em valores, a movimentação no quarto mês do ano foi de R$ 1,32 bilhão, o que representa uma ampliação de 34,9% em comparação aos R$ 976,5 milhões de março.

Considerando-se que, historicamente, o mercado vende menos no primeiro semestre, as vendas registradas em abril estão dentro da normalidade. Porém, se compararmos os resultados do mês em 2014 com a média dos meses de abril dos últimos cinco anos, 2.601 unidades comercializadas, houve um recuo de 17,4%.

Principais resultados:

– As vendas de abril concentraram-se em imóveis lançados nos últimos meses, o que significa que aproximadamente 86,4% das unidades comercializadas tinham seis meses de lançamento, ou seja, foram ofertadas a partir de novembro de 2013;

– Com 762 unidades escoadas em abril, o segmento de 2 dormitórios representou 35,5% do total vendido no mês. Unidades de 1 dormitório participaram com 1/3 da comercialização do mês.

Lançamentos – De acordo com relatório da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio), foram lançadas 2.358 unidades residenciais na cidade de São Paulo, com variação de -7,7% comparado às 2.555 ofertadas em março e de 19,1% em relação à média de 1.980 imóveis lançados somente nos meses de abril dos últimos cinco anos (2009 a 2013).

Praticamente metade dos lançamentos foi de apartamentos de 2 dormitórios (1.142 unidades ou 48,4% do total).

Considerações – Na Região Metropolitana de São Paulo, incluindo a Capital, foram vendidas 10.203 unidades de janeiro a abril. “Ainda é cedo para se traçar alguma tendência, mas o comportamento registrado até agora aponta para um ano de interferência negativa da percepção dos rumos da macroeconomia na decisão da compra. Afinal, os índices de confiança dos consumidores vêm caindo e a inflação persiste em permanecer próxima do teto da meta do governo”, analisa Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP.

Motivos para a queda de desempenho é que não faltam, conforme Emilio Kallas, vice-presidente de Incorporação e Terrenos Urbanos do Sindicato. “Os debates em relação ao novo Plano Diretor Estratégico de São Paulo geram apreensão nos empresários. Os novos projetos poderão ser ainda mais afetados pelas contrapartidas, que incidem no produto imobiliário e fazem disparar os custos dos terrenos”, alerta.

A questão que se levanta é se os preços dos imóveis novos continuarão a subir mais do que a inflação. “Pelo menos nesses quatro meses, percebe-se que o valor das unidades novas lançadas está alinhado com o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Isso significa um aumento aproximado de 3% no preço médio do metro quadrado”, explica Petrucci.

“Se não temos motivos para comemorar, em função de um ano atípico, notamos que nos últimos dois meses o mercado sinalizou uma leve recuperação. Em função do crescimento das vendas em março e abril, não há lógica alguma para comentários extremamente pessimistas de analistas que insistem em afirmar que, depois da Copa, os preços dos imóveis vão despencar. Isso não vai acontecer, apesar do clima de apreensão e pessimismo”, ressalta o presidente do Secovi-SP, Claudio Bernardes.

Tags, , , ,

Harley-Davidson revela Projeto LiveWireT com a primeira motocicleta elétrica da marca

Inovação e tradição se encontram. A Harley-Davidson revela o Projeto LiveWire, a primeira motocicleta elétrica da marca. De acordo com a estratégia de desenvolvimento do produto que a empresa está trabalhando junto aos clientes, a partir da próxima semana consumidores selecionados nos Estados Unidos poderão pilotar e dar suas impressões sobre o modelo, com o objetivo de ajudar a moldar o futuro da primeira motocicleta elétrica da Harley-Davidson.

Sem planos de comercialização até o momento, o Projeto LiveWire foi desenvolvido especificamente com o propósito de coletar sugestões sobre como deve ser uma motocicleta elétrica da Harley-Davidson sob a perspectiva dos motociclistas.

“O melhor da América é a forma como ela sempre se reinventou. Assim como os Estados Unidos, a Harley-Davidson também se reinventou muitas vezes em sua história, com os clientes nos conduzindo em cada passo dessa trajetória. O Projeto LiveWire é outro momento emocionante em nossa história, liderado por nossos clientes”, disse Matt Levatich, presidente e chefe de Operações da Harley-Davidson Motor Company.

Estimulado por essa tradição, o Projeto LiveWire Experience convida clientes a testarem o modelo, darem sua opinião e aprenderem mais sobre a história dessa motocicleta. Mesmo os que ainda não pilotam terão a oportunidade de conhecer o Projeto LiveWire por meio do Jumpstart, uma ferramenta de demonstração inovadora que proporciona ao piloto experimentar as motocicletas Harley-Davidson, tenha ele pouca ou absolutamente nenhuma experiência anterior com pilotagem. Nele, a motocicleta é fixada firmemente no Jumpstart e as rodas giram sobre a esteira do equipamento, uma oportunidade segura para aprender a operar seus controles.

Uma turnê pelos Estados Unidos visitará mais de 30 concessionárias Harley-Davidson neste ano, começando com uma viagem pela Rota 66. Em 2015, o Projeto LiveWire Experience continuará por terras norte-americanas, se expandindo também para o Canadá e Europa.
“Esse processo baseia-se em muitas experiências recentes de renovação bem-sucedida da Harley-Davidson.”, continua Levatich. “Só nos últimos anos, temos ampliado nosso alcance para servir a uma sociedade cada vez mais diversificada, bem como reinventamos nossa estratégia para desenvolver e fabricar novos produtos. Isso resultou em motocicletas fantásticas, como as recém-lançadas motos Touring do Projeto RUSHMORE, a linha Harley-Davidson Street™ 500 e 750 e o anúncio do Projeto LiveWire”.

Uma abordagem inovadora para aumentar as possibilidades de liberdade pessoal

Esta estrada que a empresa começa a percorrer mistura o estlo tradicional da marca com tecnologia de última geração para oferecer uma nova expressão em termos de som, design e pilotagem característicos da Harley-Davidson.

“O Projeto LiveWire é mais parecido com a primeira guitarra elétrica, do que um carro elétrico,” afirma Mark-Hans Richer, vice-presidente sênior de Marketing da Harley-Davidson Motor Company. “É uma expressão de individualidade e com o icônico estilo de nossa marca. O Projeto LiveWire é uma afirmação ousada para nós, como empresa e como marca.”

A moto oferece uma experiência de pilotagem visceral, com uma potente aceleração e um som novo inconfundível. “Ele é uma parte distinta da emoção,” continua Richer. “O som único do Projeto LiveWire foi desenvolvido para se diferenciar das motocicletas de motor a combustão e de outras motos elétricas do mercado.”

Os planos de longo prazo de venda do Projeto LiveWire serão influenciados pelas impressões que os motociclistas darão com a turnê Projeto LiveWire Experience. “Tudo o que fazemos é baseado em oferecer uma experiência única de pilotagem. Além disso, somos guiados por aquilo que nossos clientes nos dizem que é o mais importante para eles,” afirma Richer. “Estamos motivados para aprender mais com os motociclistas por meio do Projeto LiveWire Experience, pois sabemos que a tecnologia de véiculos elétricos vem evoluindo rapidamente e queremos entender completamente a definição de sucesso neste nicho de mercado.”

Tags, ,

Profissionais mais experientes trocam de emprego a cada dois anos, revela pesquisa

Até mesmo os profissionais com mais de dez anos de experiência no mercado de trabalho manifestam vontade de trocar de emprego a cada dois anos. É o que revela pesquisa do PageGroup, grupo líder mundial em recrutamento executivo especializado, detentor das marcas Michael Page, Page Personnel e Page Executive.

O levantamento, realizado com 800 profissionais de diferentes níveis hierárquicos em maio deste ano, indica que 92% dos executivos que atuam em cargos de média e alta gerência têm a intenção de se movimentar no mercado de trabalho nos próximos dois anos.

De acordo com Sérgio Sabino, diretor de marketing do PageGroup para a América Latina, a vontade de trocar de emprego em um período de até dois anos não é mais exclusividade dos profissionais mais novos. “Mesmo os mais experientes buscam aprendizado contínuo e desafios em suas cadeiras. A busca é mais estudada já que normalmente este profissional já tem uma série de obrigações e responsabilidades familiares. Apesar disso, a busca por melhores oportunidades continua forte neste nível profissional”, explica Sabino.
Ainda de acordo com a pesquisa, a rotatividade no mercado se justifica principalmente por três fatores: pela falta de oportunidade de crescimento (27%); a vontade de trabalhar em uma empresa maior (14%); ou atuar em outra área (13%).

Confira abaixo o gráfico com mais detalhes:

Já os profissionais que ocupam posições técnicas e de suporte à gestão (Page Personnel), também estão dispostos a se movimentar em um curto período de tempo: 94% dos entrevistados nesse nível hierárquico manifestaram interesse. A movimentação desses profissionais tem a mesma razão de executivos mais sêniores, principalmente pela falta de oportunidade de crescimento que encontram nas atuais empresas (22%).

Desejo de ir para uma empresa maior (18%), descontentamento com seus salários atuais (17%) e receber mais benefícios (12%) são outros motivos para se trocar de emprego.

Tags,

Golfe: Itu recebe Mundial de Golfe Corporativo

O Terras de São José Golfe Clube, em Itu, recebe nesta quarta-feira dia 18 a etapa brasileira do Mundial de Golfe Corporativo, o World Corporate Golf Challenge (WCGC), o maior torneio do mundo voltado a empresários golfistas. É a primeira vez que o País sedia uma seletiva da competição. O Terras de São José Golfe Clube, em Itu (SP), um dos dez melhores campos de golfe do Brasil segundo a revista americana Golf Digest, a mais importante do segmento.

O torneio, que se inicia às 10h no sistema shot gun (saídas simultâneas), selecionará duas duplas para disputar a final mundial do WCGC, que acontecerá de 1º a 6 de julho no campo La Reserva, em Sotogrande, na Espanha. Criado em 1993 em parceria com o jornal britânico The Times, o evento é considerado o maior torneio de golfe corporativo do mundo. Até hoje, o WCGC já envolveu mais de um milhão de empresários golfistas em disputas regionais para classificar os representantes de cada país para a final mundial.

Em 2013, o Brasil participou da final mundial do WCGC pela primeira vez, com duas duplas convidadas. Um dos integrantes da delegação brasileira foi o bicampeão olímpico de vôlei Giovane Gávio. O torneio aconteceu na Escócia e o Brasil, representado pela Embrase, terminou em 15º lugar entre 33 países participantes.

A seletiva nacional do WCGC tem o patrocínio da Dagoberto Advogados, Embrase, TNT, Terras de São José Golfe Clube, Forbes Brasil, Golf & Turismo e Blogolfe.com. A companhia aérea oficial do evento é a Air Europa. A competição é promovida no Brasil pela IMX, que também é responsável pelas mais importantes competições de golfe do País, como o Brasil Champions (etapa brasileira do Web.com Tour, a divisão de acesso ao PGA Tour), o Aberto do Brasil e o Circuito Brasileiro de Golfe – CBG Pro Tour. A organização é da Golfe & Cia, empresa de marketing esportivo especializada na promoção e realização de torneios de golfe.

Tags, , , ,

Estrangeiros demandam 10% dos veículos locados na Copa, diz ABLA

Conforme avaliação preliminar da Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (ABLA), a demanda pelo aluguel diário de veículos durante a primeira fase da Copa do Mundo FIFA 2014 tem sido estimulada, predominantemente, por turistas brasileiros. A demanda de estrangeiros atingiu somente 10% do total de automóveis alugados entre os dias 12 e 15 de junho, os primeiros quatro dias de disputa da competição.

Segundo Paulo Nemer, presidente do Conselho Nacional da ABLA, a maior parte da demanda tem sido de brasileiros que vivem no Exterior e, em função da Copa, anteciparam suas viagens anuais ao Brasil. “Viagens normalmente feitas na época de final de ano, Natal, Ano Novo, foram feitas já para aproveitar o período de Copa”, explica Nemer. “O setor também tem sentido procura por parte de turistas brasileiros que vivem nas cidades do interior, para se locomoverem até as Capitais em que estão ocorrendo os jogos”.

No caso do setor de locação, as empresas locadoras que trabalham nas cidades-sede têm verificado “picos” de demanda, que elevam as locações pontualmente, em média, para 70% a 90% da ocupação da frota total disponível para o aluguel diário. “Esperamos que picos de mais 90% de ocupação da frota ocorram a partir das oitavas de final, especificamente nas cidades em que haverá jogos”, completa Paulo Nemer.

A elevação de demanda por automóveis alugados por dia, nas cidades-sede dos jogos em função da Copa, cresceu em média entre 15% e 20%. “Insuficiente para compensar a retração dessa mesma demanda, que nos anos anteriores, nesse mês de junho, normalmente ocorre em função do chamado turismo de negócios”, diz Nemer.

As feiras de negócios, os eventos, as convenções e grandes reuniões corporativas que normalmente ocorrem nessa época do ano, não estão ocorrendo. “Somadas a isso, as próprias viagens de férias dentro do Brasil, normalmente feitas por brasileiros em família durante o mês de julho, também deverão ocorrer em menor número por causa da Copa”, acrescenta o presidente do Conselho Nacional da ABLA.

Paulo Nemer explica que o setor não esperava decréscimo, e sim acréscimo, no volume de negócios do setor como um todo, assim como um aquecimento da economia durante a Copa. “Porém, não é isso que está ocorrendo na prática, não apenas com consequências para o nosso setor, mas cremos que com consequências semelhantes para a maior parte da cadeia produtiva”, completa ele.

Tags, , , , , ,

Adobe e IDG Connect se unem para divulgar estudo sobre o cenário do marketing digital no Brasil

A Adobe, junto com a IDG Connect, traçaram um retrato do marketing digital brasileiro baseado nos depoimentos de alguns profissionais que atuam na área. Esses profissionais estão divididos entre empresas especializadas em mídia de entretenimento ou comunicação, varejo e atacado e, por fim, empresas de serviços financeiros, bancários ou contábeis. Todas acima de 250 funcionários.

Entre dezembro de 2013 e início de 2014, cem dos principais profissionais de marketing digital do Brasil foram consultados para saber como suas organizações estão capitalizando a partir do surgimento da análise, que é considerada um fator essencial para a excelência operacional de dados.

É notável o rápido avanço do marketing digital no Brasil. Com isso, são implantados, cada vez mais, os orçamentos e adesões entre as empresas. O principal objetivo da pesquisa foi delinear todos os recursos que os profissionais de marketing aplicam em suas companhias e descobrir se as mesmas estão usufruindo ao máximo as ferramentas, orçamentos e equipes necessárias para gerar e explorar dados.

A pesquisa mostra que as empresas de mídia priorizam testes e otimização. A automação do marketing é o principal ponto para o investimento a curto prazo. Segundo o estudo, as soluções digitais cotadas para investimento das organizações são: Otimização de taxas de conversação e mídias multicanais; Testes A/B; Automação de marketing; Dispositivos móveis; Gerenciamento de recursos e conteúdo web; Integração de dados on e offline e segmentação de conteúdos.

De acordo com a pesquisa, uma barreira que precisa ser superada por muitas organizações é a identificação de uma solução para dar apoio às instalações multiplataformas. Outro ponto destacado é a necessidade de melhorar a conexão direta entre os gastos de marketing digital e mostrar como aperfeiçoar as conversões e o valor para o cliente a longo prazo.

Até o final de 2014, o aumento esperados no orçamento é de: 18% para empresas de mídia, 14% nas de varejo e 20% às de serviços financeiros.

Para conferir a pesquisa na íntegra, acesse: http://adobe.ly/1nSLkhw

Tags, ,

Aplicativo de celular avisa quando há vaga ideal de emprego

Bloqueio a sites de empregos perde efeito nas empresas

Muitas empresas bloqueiam o acesso a sites de empregos acreditando que, com isso, conseguirão impedir que seus empregados se sintam seduzidos por oportunidades em outras empresas. Mas com o advento dos aplicativos de vagas em celulares, esse bloqueio se tornou ineficiente. Agora, uma nova geração de aplicativos móveis não apenas permite acesso a vagas por meio do celular ou tablet, como avisam quando a vaga tem tudo a ver com o candidato que a recebe. Um exemplo é o aplicativo lançado pela Elancers, empresa líder em desenvolvimento de sistemas de recrutamento e seleção, que divulga mais de 40 mil vagas todos os dias, vindas de mais de 9 mil empresas como Grupo Algar, Toyota, Volkswagen, Gol, TAM, Comgás, Caixa Seguros e OI, entre outras:

“Na maioria dos aplicativos de vagas para celular, o candidato precisa buscar as oportunidades de seu interesse, o que é algo não muito eficaz e que demanda tempo e se torna cansativo após algum tempo. Por isso, lançamos o Elancers App, um aplicativo que avisa o candidato quando há uma vaga que atende seu perfil e suas necessidades de emprego”, assinala Cezar Tegon, presidente Elancers.
Dança das vagas – Segundo estimativas da Elancers, entre os 12 milhões de usuários do site, nada menos do que 60% estão trabalhando, ou seja, podem vir a trocar de emprego caso surja uma oportunidade mais interessante. Considerando a elevada taxa de turnover brasileira, que tem média de 37% ao ano segundo o IBGE, é mais comum do que se imagina o fato de que pessoas bem empregadas estão sempre atentas ao que acontece no mercado de trabalho:

“Somos o único site de empregos do Brasil que tem um aplicativo que permite ao candidato receber oportunidades de acordo com seu interesse, aviso de entrevistas, buscar vagas e, mais importante, se cadastrar a essas vagas com apenas um clique. Além de ser bom para o candidato que tem o emprego dos sonhos em suas mãos, as empresas têm suas vagas preenchidas mais rapidamente”, explica Tegon.

Entre as funções do aplicativo de empregos da Elancers estão busca de oportunidades por palavras-chave, alertas para vagas, testes de perfil e alerta de provas online, agendamento de compromissos e a função de candidatar-se a uma vaga com apenas um toque.
Desenvolvido pela Intuitiveappz.com, o aplicativo concentra todas as funções necessárias para a busca de emprego em um só lugar, tornando a inscrição para processos de seleção fácil e rápida.

Na aba “mensagens”, por exemplo, é possível receber confirmação de inscrições, confirmação de recebimento de mensagens, agradecimento pela participação no processo seletivo e avisos sobre o fechamento de vagas. O aplicativo Elancers é gratuito e só necessita de um cadastro rápido no site da empresa para ser utilizado.

Links para download:

iPhone: https://itunes.apple.com/us/app/elancers/id699636510?mt=8

Android: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.intuitiveappz.elancer

Tags, , , , ,

Passos importantes na hora de comprar a casa própria

De acordo com a pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), divulgada em maio deste ano, a alta do preço dos imóveis – 2,98% – está abaixo da inflação no acumulado de 2014 – 3,32% –, segundo o índice FipeZap. Mas, antes de sair correndo para fechar negócio, é preciso ter cautela e avaliar bem a situação financeira em que se encontra.

Se a realização do sonho da casa própria já estava nos planos, é preciso pensar em qual a melhor forma de comprar um imóvel. Comprar à vista, sem dúvida nenhuma, é um ótimo negócio, pois não paga juros e também tem a vantagem de conseguir um bom desconto na maioria das vezes.

Mas, ainda assim, é preciso estar ciente de que há gastos extras que representam uma alta quantia, com taxas cartoriais e bancárias, além de itens como mudança, condomínio e mobília, por exemplo. As famílias não pensam nesses aspectos e acabam se endividando.

Entretanto, sabemos bem que pagar à vista é a realidade de uma minoria. Então, uma boa alternativa para quem não tem urgência em mudar e tem disponibilidade de uma verba de investimento mensal é o consórcio. Neste caso, se pagará menos e, se tiver sorte, poderá ser sorteado e ganhar a casa rapidamente, além de também poder economizar para dar um lance.

Depois dessas opções, vem o financiamento, que também é uma opção de compra interessante, mas faço um adendo: ao comprar uma casa financiada, é preciso ter ciência de que se estará firmando um compromisso mensal. A orientação que sempre dou para poupar é fazer uma estimativa dos gastos totais, avaliar quanto falta para atingir o montante e diagnosticar quanto pode ser guardado por mês para dar conta das despesas.

Também é fundamental ter em mente que, escolhendo essa modalidade, se estará contraindo uma dívida de valor, que deverá ser honrada mensalmente. Além disso, é importante saber que existem os juros que, somados ao longo do contrato, podem significar o pagamento de até duas ou três casas.

No caso de pagar aluguel, o financiamento pode ser uma ótima alternativa, deixando de pagar esse valor sem retorno futuro para pagar a prestação de algo que será seu. Se a pessoa não pagar aluguel, uma ótima alternativa é guardar o valor da prestação do financiamento, em qualquer tipo de investimento conservador, assim, em sete ou oito anos poderá comprar a casa à vista e não pagar juros. É preciso entender que, com o dinheiro aplicado, os juros trabalham a seu favor, enquanto que, no financiamento, se paga juros.

Um grande problema enfrentado para a realização do sonho de uma casa própria, são as dívidas sem valor, aquelas contraídas nas compras de produtos e serviços que muitas vezes não agregam valor. Estas acabam desequilibrando o orçamento financeiro mensal e com isso perde o foco no bem de valor que é a casa.

Veja alguns passos para se adquirir uma casa própria:

1. Reúna a família e converse sobre este tema, definindo o lugar, valor e as reais condições que se encontram.

2. O melhor caminho para adquirir é poupar parte do dinheiro que se ganha, faça uma simulação em qualquer banco de quanto custaria a prestação deste imóvel e comece a guardar um investimento conservador como poupança, CDB ou tesouro direto.

3. Analise o valor do aluguel que está pagando e se for o mesmo valor da prestação de um financiamento, poderá ser uma opção financiar o imóvel.

4. Lembre-se que o financiamento de um imóvel é considerada dívida de valor, por isso deve ser protegida e garantida antes de sair pagando as despesas mensais.

5. Cuidado com o valor do imóvel que comprará e veja se o seu valor se encaixa no seu verdadeiro padrão de vida, muitas vezes não respeitamos nosso padrão.

6. Tenha sempre uma reserva estratégica. Em caso de qualquer eventualidade, não deixará de honrar este importante compromisso.

7. Caso não esteja conseguindo pagar a prestação da casa própria é preciso rever imediatamente os gastos, em especial as pequenas despesas que somadas podem levar uma família ao desequilíbrio financeiro.

8. Nunca se esqueça que um novo imóvel demanda novos custos, como mobiliário novo, condomínio, taxas de transferência, etc.

9. Outro ponto a ser levando em conta é o custo de vida da região em que irá mudar, que pode se elevar. Também se preocupe com gastos com transporte.

Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor dos livros Terapia Financeira, Eu mereço ter dinheiro, Livre-se das Dívidas, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, das coleções infantis O Menino do Dinheiro e O Menino e o Dinheiro, além da coleção didática de educação financeira para o Ensino Básico, adotada em diversas escolas do país.

Tags, , ,

A síndrome do CEO centralizador

Por Américo Pedrebon

Não é incomum vermos CEOs das empresas estressados, com elevada carga de trabalho, mas com gestão pouco efetiva em termos de resultados. Essa síndrome, que denominamos aqui de “síndrome do CEO centralizador” é extremamente prejudicial para qualquer tipo de empresa. Primeiro porque é praticamente impossível que qualquer executivo consiga gerenciar com cuidado todos os indicadores da empresa, que podem superar a casa de centenas. Nem um polvo consegue!

Dessa forma, o estresse ocorre não pelo excesso de produtividade, mas porque, ao concentrar todas as tarefas em si mesmo, o papel principal do presidente da corporação, passa a ser de bombeiro, somente apagando incêndios. Dessa forma, a essência da função do CEO, que é pensar quais as estratégias a serem adotadas para o alcance das metas, perde-se no tempo. O CEO centralizador tranca o processo de decisões da empresa. As iniciativas simplesmente não fluem! Além disso, os colaboradores não se sentem parte do processo e tornam-se cumpridores de tarefa, sem buscar entender seu papel dentro da organização.

Isso ocorre não apenas em empresas familiares, onde geralmente o gestor é o próprio criador da companhia. Pelo contrário, acontece em qualquer tipo de empresa, atingindo até mesmo as grandes companhias abertas. O motivo? Tais empresas não possuem um processo estruturado de gestão. Quando há a estruturação da gestão, é possível delegar funções e monitorar os indicadores de resultados sem perda de controle.

O CEO pode e deve estar atento às metas da empresa, visando cumprir com o planejamento estratégico. O acompanhamento de cinco a dez indicadores é suficiente para o cumprimento de seu papel. Parece estranho pensar assim, quando sabemos que existem inúmeros indicadores, que vão desde o turn over do RH ao Market Share. No entanto, o ideal é que o gestor atribua responsabilidades para cada nível hierárquico dentro da empresa, de forma a estar atento apenas àqueles indicadores que envolvem as diretrizes orientadas para o planejamento estratégico.

Para que isso ocorra de forma saudável, é preciso definir com clareza a “responsabilidade e autoridade” de cada funcionário da organização, em todos os níveis. Tais desdobramentos passam por todas as áreas da empresa e levam a um processo estruturado de gestão, em que cada colaborador se sente parte do processo e sabe que sua participação faz a diferença. Ao mesmo tempo, reduz o número de atribuições do CEO, o qual passa a desempenhar seu real papel: pensar na estratégia que gera valor à empresa.

* Américo Predebon
Engenheiro Mecânico pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS) com pós-graduação em Engenharia de Segurança no Trabalho, na PUC/RS, (1989) e em “Administração de Marketing” (FGV/SP), é diretor Comercial na Qualitin desde 2011. Atuou na criação do modelo de gestão da AmBev e no projeto de fusão entre Brahma e Antarctica como líder da área de Gestão.

Tags, , ,

Oito características de um gestor de sucesso

Por Ricardo M. Barbosa

Não existe uma fórmula pronta para se tornar um bom gestor, cada situação pede características diferentes e próprias do negócio que dificilmente poderão ser utilizadas em outros ramos. Mas, existem dois pontos imprescindíveis para uma gestão adequada: paixão por aquilo que se faz e capacidade de resiliência.

Ter paixão pelo negócio é imprescindível para vencer as barreiras diárias e principalmente para motivar a equipe. Uma pessoa que não acredita e não defende o projeto no qual faz parte não consegue enfrentar todas as barreiras, o que reflete diretamente na produtividade.

Outro ponto importante, a resiliência, é a capacidade de se adaptar a diversas situações mesmo que adversas. Em cada situação e até mesmo nas mudanças de equipe, deverá ocorrer adaptação na postura do profissional, de forma que não haja prejuízo nos processos de trabalho.

Outras características que devem ser priorizadas pelos bons gestores são:

1. Capacidade de mediar e resolver conflitos – é saber ouvir e mediar os conflitos logo que surgem, mas não se deve tomar partido e buscar que as respostas para os conflitos ocorram naturalmente, trazendo ganhos para corporação. Tenha uma postura racional evitando reações que prejudiquem o clima. Discussões ríspidas e muito emocionais devem ser controladas.

2. Iniciativa e proatividade – Em qualquer empresa, ter iniciativa e pró-atividade proporciona destaque, mostra o quanto você é engajado e quer crescer. O gestor, por sua vez, não se preocupará apenas com os demais funcionários, mas com todos os concorrentes que existem no setor de atuação. Agir é imprescindível para fazer os resultados aparecerem.

3. Autoconfiança – O profissional que quer tomar a frente de uma equipe precisa confiar em si mesmo para tomar decisões, arriscar e buscar novas formas de solucionar um problema que envolve vários setores.

4. Capacidade de reter talentos – Mais do que se esforçar para manter talentos na sua empresa, é imprescindível cativá-los e dar aos mesmos ambições e segurança para que eles queiram continuar no projeto e, principalmente, almejem crescer, para isso incentive a aprender e estar perto do núcleo de decisões do negócio.

5. É importante delegar o operacional – Um gestor tem como função gerenciar as ações, e se ficar se dedicando às questões operacionais perderá tempo e principalmente não estará preparado para sua real função. Delegue tarefas operacionais.

6. Conexões e criatividade – O gestor deve estar atento às inovações e mudanças do mundo, e saber aplicar essas inovações ao cotidiano da empresa e ao seu campo de atuação levando a um retorno imediato.

7. Controle – O gestor não pode esquecer que ele está no comando, e que é possível e aceitável delegar as funções, mas não é adequado entregar todo o processo nas mãos da equipe, por mais competente e confiável que ela seja. Portanto, esteja na frente, crie métodos que possibilite a visibilidade de todos os projetos em andamento, com o bom e velho relatório.

8. Aprendizagem Contínua – O bom profissional busca se capacitar, mas se não possuir algumas das características citadas, aprenda e se especialize para então desenvolvê-las e aprimorá-las com o conhecimento adquirido.

*Ricardo M. Barbosa – é diretor executivo da Innovia Training & Consulting. Consultor em Gestão de Projetos há 15 anos e já atuou como executivo em grandes empresas como Ernst & Young Consulting; Wurth do Brasil; Unibanco; Daimler Chrysler.

Tags, , ,

Capgemini lança aplicativo para análise de demandas de clientes bancários por serviços digitais

A Capgemini, um dos principais provedores globais de serviços de consultoria, tecnologia e terceirização, lança o Financial Services Insights App, aplicativo que reúne informações sobre bancos de varejo e os segmentos de seguros e investimentos, a partir de três websites interativos. Esses novos canais digitais foram desenvolvidos como resposta direta à demanda de bancos e seguradoras por dados, motivados pela preferência de seus clientes em relação a produtos, canais, transações e serviços digitais.

Com o objetivo de permitir uma análise personalizada, essas ferramentas têm a finalidade de atender às necessidades específicas de segmentação do mercado, com base em estudos de tendências e às comparações globais, regionais e locais. Os serviços são voltados para bancos, seguradoras e empresas de gestão do patrimônio.

Além de possibilitar o acesso aos dados mais recentes do mercado sobre preferências e comportamentos dos clientes, esses canais fornecem informações valiosas que ajudam a moldar as estratégias de desenvolvimento, transformação dos processos de negócio, lançamento de novos serviços e atendimento ao consumidor.

“Essas soluções digitais representam a última geração de liderança intelectual em serviços financeiros, por meio da qual levamos às companhias mais do que um simples relatório para que conheçam a fundo as preferências de seus clientes e o mercado. Sempre com base em dados que permitam a exploração e a interação detalhadas, e que norteiem a forma como suprem as necessidades do mercado”, explica o diretor de vendas e marketing da Divisão Global de Serviços Financeiros da Capgemini, Jean Lassignardie.

O Financial Services Insights App facilita o acesso à liderança intelectual da empresa em diversos setores, cobrindo áreas como bancos de varejo, mercado de capitais, cartões e pagamentos, riscos e conformidade, gestão patrimonial, seguros de vida, planos de pensão, seguro patrimonial e de acidentes.

Com o uso de referências das pesquisas realizadas pela Capgemini com quase 37 mil consumidores para a elaboração dos relatórios mundiais sobre Bancos de Varejo (WRBR, na sigla em inglês), Seguros (WIR) e Riqueza (WWR), os websites desenvolvidos pela companhia oferecem informações exclusivas sobre as preferências dos clientes em relação a Internet, tecnologias móveis, telefones e uso de outros canais.

Esses portais trazem dados visuais e interativos, bem como infográficos e vídeos, para que os usuários conheçam as últimas tendências relacionadas aos consumidores e criem gráficos dinâmicos, que podem ser customizados para possibilitar a análise de informações de vários países e regiões.

Os dados de pesquisa fornecidos pela Capgemini cobrem as seguintes áreas:

• O website com o conteúdo do World Retail Banking Report (Relatório Mundial Sobre Bancos de Varejo) – www.worldretailbankingreport.com – apresenta os mais recentes dados de 2014 sobre preferências e comportamentos dos clientes de bancos de varejo, explorando o uso da Internet, dispositivos móveis, agências, caixas eletrônicos ou telefone e suas experiências com cartões de crédito, contas, empréstimos e hipotecas.

• O portal do World Insurance Report (Relatório Mundial sobre Seguros) – www.worldinsurancereport.com – analisa a experiência dos usuários de seguradoras de vida e não vida em 30 países, inclusive suas impressões sobre a qualidade dos serviços, trazendo taxas semestrais de eficiência nas áreas de sinistros, subscrição, operações e aquisições, incluindo referências de 2014.

• Já o website do World Wealth Report (Relatório Mundial sobre Riqueza) da Capgemini e da RBC – www.worldwealthreport.com – fornece informações sobre o tamanho do mercado, alocação de investimentos, comportamentos e preferências de pessoas com maior patrimônio, além de dados sobre população e riqueza de 71 países.

Juntos, o Financial Services Insights App e os novos websites fornecem informações completas sobre cada setor e seus usuários para os segmentos bancário, de seguros e gestão patrimonial, bem como analistas financeiros e pesquisadores.

Tags, , , , , , ,

Seis dicas para evitar fraudes online

Com a febre da Copa do Mundo se espalhando, torcedores podem passar a acessar uma infinidade de sites para obter informações sobre os jogos, inscrever-se em sorteios, jogar, reproduzir vídeos por streaming e talvez até fazer algumas apostas. No entanto, os profissionais de TI precisam estar atentos para o fato de que hackers exploram esse entusiasmo e essa impulsividade pela Copa do Mundo. Há centenas de sites perigosos disfarçados de legítimos que podem invadir seu sistema, levá-lo a revelar as credenciais da sua conta, fazê-lo instalar malwares no sistema e até mesmo retirar dinheiro de contas on-line. Essa semana, inúmeras denúncias de brasileiros enganados por esses sites ao pagar por ingressos da Copa que nunca receberam foram divulgadas.

Veja a seguir algumas dicas para identificar sites potencialmente perigosos e não deixar que sua empresa – ou você mesmo – se exponha a hackers e a fraudes.

1) Alguma coisa parece suspeita?

Não se deixe envolver por aquilo que deseja fazer em um site desconhecido. Assim que acessar um site novo – seja um site de rede social, de informações financeiras ou de apostas – dê uma olhada geral e verifique se lhe parece suspeito de alguma maneira. Verifique o seguinte:

• Posicionamento irregular do conteúdo do site
• Anúncios aleatórios que não fazem sentido
• Pop-ups, complementos ou downloads de programas desnecessários
• Textos com erros gramaticais ou com gramática inadequada ou estranha

Não caia em golpes que dizem que você ganhou uma incrível soma de dinheiro em um site que não tem nada a ver com você. Você pode acabar se envolvendo em uma bela pegadinha. Nem tudo o que reluz é ouro!

2) Confirme que o site é seguro

Verifique se o site é seguro, especialmente se compartilhar informações como dados pessoais e dados de contas. Verifique se os certificados SSL são válidos e se o protocolo de Internet é HTTPS. Você pode usar utilitários online de verificação SSL gratuitos para verificar se há certificados de segurança e examinar a autenticidade do certificado, a validade, a resolução de DNS e outros detalhes.

3) Fique atento para downloads não iniciados ou automáticos

Às vezes, basta fazer login em um site para iniciar um download. Isso pode ser um malware disfarçado de um .exe legítimo, mas, ao executá-lo, o sistema poderá ser comprometido. Se isso acontecer, cancele imediatamente o download, faça uma varredura com um antivírus conhecido ou simplesmente pesquise o nome do arquivo no Google para ver se é um ataque de malware ou golpe conhecido. Só o execute se tiver certeza de que é seguro.

Às vezes, os malwares podem ser baixados automaticamente para o seu sistema de forma invisível, o que obviamente é ainda mais difícil de detectar sem monitoramento do sistema. Mesmo um clique inocente em uma área sombreada do site pode iniciar a transferência de um processo duvidoso. Fique de olho na barra de status ao clicar em qualquer parte estranha de um site. Ela vai mostrar o URL de destino se houver um hiperlink.

4) Não siga links aninhados

Tenha cuidado redobrado com links aninhados. Se todos os direcionamentos de URL do site o levarem a domínios diferentes, ligados uns nos outros, é possível que o site não seja legítimo. Por isso, tenha cuidado com suas transações.

5) Faça seu próprio diagnóstico em domínios suspeitos

Não importa se você encontrou o URL em um e-mail ou em um bate-papo: se não souber que é confiável, tome precauções e faça seus próprios testes on-line se não quiser acabar vítima de phishing.

• Faça uma pesquisa online para ver se o nome do site está associado a fraudes.
• Faça o diagnóstico de Navegação Segura do Google para verificar a autenticidade do site e se o site hospedou qualquer conteúdo perigoso no passado. Digite http://www.google.com/safebrowsing/diagnostic?site=www.seusite.com e verifique os resultados.
• Você pode verificar o domínio do site em http://www.malwaredomainlist.com/mdl.php. Se o domínio que você está verificando aparecer aqui, evite-o.
• Serviços como http://www.urlvoid.com/ e http://scanurl.net/ analisam sites por meio de vários mecanismos de lista negra e ferramentas de reputação online para detectar sites que hospedam conteúdo perigoso e gerar relatórios de phishing.
• Use http://www.dnsstuff.com/ da SolarWinds para obter mais detalhes sobre o IP e a propriedade de domínio de um site.

6) Analise logs para encontrar sinais e pistas
Especialmente em redes organizacionais, onde é difícil controlar as atividades de navegação na Web dos funcionários, a melhor abordagem para os profissionais de segurança é monitorar os logs de várias partes da infraestrutura de TI, como estações de trabalho dos usuários finais, softwares antivírus, IDS/IPS, servidor da Web, proxy da Web, servidor de DNS etc. Correlacionar esses logs em tempo real fornecerá uma consciência situacional para detectar padrões incomuns na rede, processos e serviços indesejados, sites de downloads, consumo de largura de banda etc. Assim, você pode identificar anomalias que podem ser ocasionadas por práticas inseguras de navegação na Web.
Nesta era digital de crimes cibernéticos, segurança não é um privilégio, mas uma necessidade. Mantenha-se seguro!

Dados do autor: Vinod Mohan é gerente da equipe especializada em marketing de produtos da SolarWinds.

Tags, , , , , ,

Metade dos brasileiros é favorável à realização da Copa do Mundo no Brasil

Metade da população brasileira é a favor da realização da maior competição do futebol mundial no Brasil: 51% versus 42% que são contra, mostra pesquisa do IBOPE Inteligência sobre a Copa do Mundo de 2014. Em fevereiro, data da última pesquisa sobre o assunto, 58% eram a favor e 38% contra.

No entanto, a população fica dividida quando avalia as chances de sucesso do evento no país. Os que acreditam que a realização da Copa tem grandes chances de ser bem-sucedida somam 36%, enquanto os que acham que as chances são pequenas totalizam 31%. Outros 28% declaram que há médias chances de sucesso.

O levantamento também investigou se, na percepção dos entrevistados, as pessoas em geral estão torcendo mais para que o evento dê certo ou se estão torcendo mais para que o evento dê errado. Assim, 59% dizem que os brasileiros estão torcendo mais para que dê tudo certo, ao passo que 22% acreditam que a população quer que dê tudo errado. Outros 12% têm a percepção de que as pessoas estão indiferentes nesse aspecto. Os que não sabem ou preferem não responder somam 7%.

E ao serem perguntados sobre o que eles próprios desejam, 71% dos entrevistados dizem querer que dê tudo certo e 11%, para que tudo dê errado. Os que não torcem por nenhuma dessas situações totalizam 14% e 4% preferem responder ou não sabem.
Em relação aos sentimentos para o torneio, os negativos prevalecem sobre os positivos. A soma dos sentimentos negativos superam os negativos em 23 pontos percentuais, quando somadas as três principais menções dos entrevistados. Em fevereiro, os aspectos positivos superavam os negativos em nove pontos percentuais.

Em maio, os sentimentos mais citados, pelo lado negativo, são preocupação (30% x 27% em fevereiro) e desperdício (29% x 28% na pesquisa anterior), percentuais que sobem para 39% e 37%, respectivamente, entre os que possuem ensino superior completo. Pelo lado positivo, as principais menções são para alegria (26% x 29% em fevereiro) e esperança (18% x 20% no estudo passado), que sobem para 43% e 23%, respectivamente, entre aqueles que possuem renda familiar de até um salário mínimo.

Termômetro
Para medir o interesse dos brasileiros em relação à Copa, o IBOPE Inteligência solicitou que os entrevistados indicassem em um termômetro o seu grau de envolvimento com o torneio. Os resultados foram bem divididos: 39% declaram que o seu envolvimento com o evento está ‘frio’ (eram 24% em janeiro de 2011, quando essa pergunta foi feita pela primeira vez), sendo que 18% dizem que em seu termômetro a temperatura está ‘gelada’ (o nível mais baixo de envolvimento com o evento). Outros 30% indicam que estão bastante envolvidos e apontam as temperaturas mais ‘quentes’ no termômetro (somavam 37% em janeiro de 2011), mas somente 7% e 5%, respectivamente, mencionam as temperaturas ‘fervendo’ e ‘muito quente’. Outros 28% (37% no levantamento anterior) apontam a temperatura morna como a mais adequada para medir seu envolvimento com a competição.

Tags, ,

Smartphones e tablets revolucionam o consumo de mídia, levanta estudo da Bain & Company

Pesquisa sobre mídias digitais com mais de seis mil consumidores da Alemanha, Brasil, China, Estados Unidos, França, Índia, Reino Unido e Rússia revela diferenças de comportamento entre consumo de conteúdo digital em países avançados e emergentes

Impulsionados pela rápida adoção de smartphones e tablets, os consumidores de mídia digital (vídeo, videogames, música e livros) estão deixando de comprar aparelhos domésticos fixos para consumirem plataformas on-line, aumentando a pressão em cima de editores de conteúdo para aumentar o investimento e focar na inovação. Esse foi o resultado do estudo “A Era da Curadoria: da abundância à descoberta” da Bain & Company, consultoria global de negócios. A pesquisa foi feita em oito países (Alemanha, Brasil, China, Estados Unidos, França, Índia, Reino Unido e Rússia) e contou com seis mil respondentes. Os principais resultados incluem:

• O número de indivíduos que possuem smartphones nos mercados avançados (Alemanha, Estados Unidos, França e Reino Unido) saltou de uma média de 49% em 2012 para 64% em 2013. Já nos países em desenvolvimento (Brasil, Rússia, Índia e China) o número passou de 24% para 37%;

• O número de indivíduos que possuem tablets subiu de 18% em 2012 para 39% em 2013 nos mercados desenvolvidos. Nos países em desenvolvimento, o número subiu de 13% em 2012 para 21% em 2013;

• Quase 70% dos assinantes de serviços de streaming de vídeo on-line nos mercados desenvolvidos relatou assistir a mais conteúdo de vídeo hoje do que há três anos. Quase 60% dos assinantes de serviços de streaming de música passam mais tempo ouvindo música atualmente do que há três anos;

• Usuários multiplataformas (pessoas que possuem smartphone, tablet e televisão conectada à Internet) consomem mais vídeos que os usuários médios:

o Aproximadamente 70% dos usuários multiplataformas em mercados desenvolvidos relataram assistir a mais vídeos do que há três anos, enquanto esse número cai para 45% quando se fala de usuários médios;
o 83% dos usuários multiplataformas em mercados em desenvolvimento disseram que assistem a mais vídeos do que há três anos, enquanto somente dois terços dos usuários médios disseram assistir mais vídeos que há três anos.

“Tablets e smartphones estão aumentando a disponibilidade de conteúdos móveis que podem ser acessados de qualquer local e em qualquer horário”, diz Alfredo Pinto, sócio da Bain & Company. “Esses equipamentos estão – ainda que de maneira moderada – mudando os hábitos dos usuários que ouvem, assistem e consomem conteúdo nas diversas plataformas disponíveis”.

O relatório também encontrou diferenças importantes entre mercados e os formatos:

• No Reino Unido e nos Estados Unidos, mais de 40% dos consumidores leram pelo menos um e-book no último ano. Na Alemanha, a taxa cai para 25%. Na França o número é inferior a 20%;

• Vídeos on-line, incluindo conteúdos de longa e curta duração, atingem aproximadamente 75% dos usuários (versus 60% registrados em 2012);

• O uso de serviços de músicas por streaming como Spotify, Google Music e Pandora praticamente dobrou em comparação com 2012. As maiores taxas podem ser observadas nos Estados Unidos e França (mais de 40%), enquanto a adoção no Reino Unido e Alemanha ficou em 30%.

Com essas mudanças no consumo de conteúdo, o relatório também identificou a maneira pela qual os consumidores descobrem novos conteúdos: mais de 85% dos entrevistados em mercados avançados e cerca de 70% nos emergentes utilizam pelo menos uma das maiores plataformas (Amazon, Apple, Google e Sony) para comprar ou ver conteúdo digital em todos os formatos. Adicionalmente, usuários em mercados desenvolvidos disseram não estar mais baseando seu consumo em críticas ou avaliações feitas por profissionais, mas sim em recomendações e comentários que eles descobrem por meio das redes sociais.

Além disso, aproximadamente dois terços dos entrevistados na China e Índia disseram que concordam em fornecer dados pessoais em troca de recomendações personalizadas sobre vídeo e música. O número cai para cerca de 50% nos Estados Unidos e Reino Unido e para menos de um terço na França e Alemanha.

O estudo também propõe que os publishers foquem em três áreas principais para que suas mídias continuem relevantes enquanto as plataformas on-line estão no caminho de ganhar a maior parte do relacionamento direto com os usuários:

• Investir em conteúdo original e ganhar forte presença em produções: publishers de todos os formatos de conteúdo ainda podem desenvolver sua área de P&D, produção de conteúdo, desenvolvimento de audiência e monetarização, ainda que plataformas como o Netflix estejam investindo em produções originais próprias;

• Criar escala para manter acesso diferenciado a talentos e financiamento: somente os publishers que conseguirem criar um grande portfólio de projetos conseguirão ter destaque ao disponibilizá-los nas plataformas digitais enquanto absorvem todos os riscos envolvidos no processo de criação de novas produções. Escala acaba, por consequência, atraindo financiamento e talentos e pode ser obtida a partir de uma integração vertical ou expansão geográfica.

• Embarcar na análise de dados para complementar o conteúdo editorial: os publishers devem investir na obtenção de expertise para a coleta de dados de consumidores e de mercado, o que inclui programação e processos criativos para competir com as plataformas que têm acesso mais direto aos dados e comportamento de usuários.

“Mais do que nunca, as melhores estratégias devem estar baseadas em conteúdo original de qualidade de destaque, já que o mercado está saturado. Mas elas devem conter, também, ideias profundas e analíticas sobre o comportamento do usuário. Na visão da Bain, juntar esses dois mundos representa o maior desafio e a oportunidade de mídia mais promissora que as empresas de mídias têm atualmente”, conclui Alfredo Pinto.

Tags, , ,

Carlos Canto, da Imóvel Magazine, garante que não há motivo para se falar sobre bolha no mercado imobiliário

O diretor da revista Imóvel Magazine é categórico ao afirmar que não há número da economia ou risco próximo para que se fale em bolha imobiliária no Brasil. No Paraná, especialmente em Curitiba, a atividade econômica em melhor condição que a média do Brasil ajuda a segurar preços e manter uma boa perspectiva para o futuro.
Carlos Canto também fala que construtoras e imobiliárias precisam se especializar nos projetos e no atendimento para poderem crescer.
Veja a entrevista ao programa de tv Valor Agregado:

Tags, , , , , ,