Page admin, Autor em Valor Agregado - Notícias sobre o mundo corporativo - Página 7607 de 15688

Author admin

Trabalhar soft skills aumenta as chances de jovens conseguirem emprego

As chamadas soft skills, competências comportamentais, são cada dia mais valorizadas pelo mercado de trabalho. Neste contexto, além das habilidades técnicas, inerentes a cada área de atuação, as capacidades socioemocionais ganham destaque tanto na contratação, quanto na permanência do colaborador na empresa. O Relatório de Tendências Globais de Talento 2019, realizada pelo LinkedIn, rede de contatos profissionais, aponta que 92% dos profissionais de Recursos Humanos, nos 35 países ouvidos, entendem que as habilidades socioemocionais são cada dia mais importantes para o mercado corporativo. Para 89% dos entrevistados, profissionais com baixo desenvolvimento de soft skills geram contratações insatisfatórias. Outro levantamento, realizado pela Capgemini Digital TransformationsInstitute, em 2017, demonstra que 60% das empresas têm problemas comportamentais com seus colaboradores.

Sabendo da necessidade crescente do mercado de trabalho por profissionais com soft skills desenvolvidas, instituições que preparam jovens e adolescentes para o primeiro emprego têm buscado desenvolver habilidades socioemocionais durante a capacitação profissional. Entre as habilidades valorizadas pelas empresas, estão boa capacidade de comunicação, trabalho em equipe, resiliência, flexibilidade, entre outras. “Ao desenvolver o autoconhecimento, o jovem melhora sua autoestima e identifica suas principais habilidades, passando a utilizá-las a seu favor. Em geral, os profissionais desenvolvem as habilidades comportamentais ao longo dos anos e, por isso, ao trabalhar estas competências com os jovens, nós colaboramos para que eles apresentem um diferencial ao ingressar no mercado de trabalho, tendo em vista que não dominarão somente a parte técnica, mas, também, o lado comportamental que é indispensável no ambiente corporativo”, analisa Wandreza Ferreira, Diretora Executiva do Instituto Ser+.

A inteligência emocional, quando bem desenvolvida, gera mudança de comportamento, estabilidade emocional, resiliência e capacidade de traçar objetivos claros. Ou seja, contribui para gerar benefícios para o jovem tanto em sua vida pessoal quanto profissional. Wandreza lembra, ainda, que jovens em situação de vulnerabilidade social têm menos espaços e oportunidades para desenvolver essas habilidades, por isso as Instituições com viés social se tornam tão relevantes em todo o processo rumo ao primeiro emprego.