Page

Author admin

Nestlé lança plataforma de inovação aberta

A Nestlé vai ampliar ainda mais o ritmo de inovações abertas e concentrar todas as iniciativas em uma única plataforma. O Panela, que já nasce com 43 parcerias de startups em andamento, entre pilotos e aceleração, chega para consolidar a presença da Nestlé no ecossistema de inovação e ser o canal de conexão para parceiros internos e externos se relacionarem com a empresa que conta com mais de 50 marcas. Através da plataforma, o contato com a companhia será mais fácil, o que contribuirá para o aumento das possibilidades e oportunidades de negócios, bem como para o incremento do volume de desenvolvimento de projetos e soluções inovadoras que vêm sendo conduzidos ultimamente.

Só nos últimos 3 anos, a companhia analisou mais de 1400 startups, das quais se conectou com quase 400. Como resultado, realizou 100 testes pilotos e implementou mais de 30 projetos em escala, sendo reconhecida por 2 vezes seguidas pelo 100 Open Startups (2019 e 2020) como a empresa no setor de alimentos e bebidas que mais atua com inovação aberta no Brasil.

“A partir desses números, é possível ter uma ideia do potencial do Panela”, aponta Carolina Sevciuc, diretora de Transformação Digital da Nestlé. “Com a plataforma, a maior empresa de alimentos e bebidas do mundo contribui para desenvolver a inovação na cadeia de alimentos do Brasil e de forma colaborativa. Estamos muito felizes com esse lançamento que representa um passo significativo de nossa jornada de inovação”, comemora Carolina.

O Panela Nestlé já nasce com grandes parceiros, que colaboram com estruturação e metodologias, dentre eles destacamos 7: Innoscience, Distrito, Aevo, Techstart, Nexus, Endeavor e All 4 Food.

Para marcar o lançamento da plataforma, Panela acaba de lançar 10 desafios de negócios para as startups. Eles envolvem demandas de diversas áreas da companhia, como marketing, trade, supply chain, vendas, jurídico, com destaque para inovação, transformação digital e sustentabilidade.

As startups selecionadas irão trabalhar de forma conjunta com a Nestlé no desenvolvimento de um piloto ou prova de conceito remunerados que serão aplicados em ambiente comercial para verificação da aderência das soluções no mercado. No final do programa, caso o projeto seja validado, as startups selecionadas poderão ser contratadas como parceiras ou fornecedoras da Nestlé.

O Panela também está lançando mais 3 desafios para universidades. O objetivo é impulsionar projetos de pesquisa e desenvolvimento de cunho tecnológico e acadêmico na divisão técnica da Nestlé e acelerar a transformação de conhecimentos científicos em inovação nos processos e produtos.

Abaixo, seguem os desafios:

Tecnologia para redução da pegada de carbono no cultivo de cacau/café;

Tecnologia para aproveitamento do lodo das estações de tratamento das fábricas;

Tecnologia para otimização das análises do leite por espectroscopia de infravermelho.ServiçoInscrições e detalhes dos desafios: https://panelanestle.com.br/

Indtechs: programa de aceleração da Bluefields incentiva startups voltadas para a indústria

Tendo a inovação aberta como foco, o programa gratuito está com inscrições abertas para startups de todo o Brasil

A troca de informação entre uma grande empresa e uma startup pode trazer novas ideias e ser um solo fértil para as Indtechs, nome referente às startups que inovam na indústria. O setor ainda é tímido no país, que, atualmente possui mais de 13 mil startups de diversos setores, dados da ABStartup (Associação Brasileira de Startups). Para incentivar os empreendedores que sonham em revolucionar a indústria através de soluções digitais, a Bluefields, aceleradora de negócios, criou um programa de aceleração com foco nas indtechs, foodtechs, heathtechs e agrotechs, o Biodigital Startups. O programa oferece: intercâmbio cultural entre startups e empresas, inovação aberta com possibilidade de POCs (Proof of Concept – é a evidência documentada de que um software pode ser bem-sucedido), negócios entre startups e corporações, e inovação cruzada, onde as companhias colaboram com a sua expertise para a startup iniciante.    

“As indtechs precisam da expertise das grandes empresas da indústria para crescerem, assim como as grandes empresas precisam da agilidade e inovação das startups para prosperarem e atraírem novos talentos e futuras parcerias. Um programa como o Biodigital Startups, com a participação de uma grande indústria, aproxima os empreendedores dos desafios reais da categoria e soluções são criadas. Nosso objetivo com o programa não é apenas inovar, mas revolucionar com ciência e tecnologia,” conclui Paulo Humaitá, CEO e fundador da Bluefields.

O programa Biodigital Startups consiste em 12 encontros onde serão aplicadas metodologias de desenvolvimento de negócio focadas na estruturação da startup, cujo conteúdo será disponibilizado 100% online, assim como todas as interações. Cada grupo de 10 startups selecionadas terão um Startup Partner, para acompanhar a evolução da startup, além de conectar com mentores e investidores.

Serão analisadas startups em estágio inicial de comercialização ou fase de tração. Os itens avaliados são: time e perfil dos sócios, aderência e potencial de negócio entre startups e empresas participantes, prontidão tecnológica e outros critérios técnicos.

A convergência Biodigital é um termo que tem sido usado recentemente no mercado e se refere a novos hábitos ligados à saúde, que geram desdobramentos no setor alimentício, e consequentemente, no agronegócio.

Biodigital Startups

Inscrições abertas e gratuitas até 31 de julho de 2021

Link para inscrição do empreendedor: https://www.bluefieldsdev.com/programas/biodigital/

Você está valorizando ou desperdiçando o tempo do seu cliente?

Por Maíra Gracini, diretora sênior de Marketing da Zendesk para a América Latina

O isolamento social afetou o mundo todo no decorrer do último ano e trouxe à tona a importância de nos mantermos em contato com as pessoas, seja via videoconferência, conversas de WhatsApp ou pelas mídias sociais. Mais do que interagir, a velocidade dessa troca se tornou essencial para trazer a proximidade que tínhamos frente a frente.

Se no ano de 1.500 foram necessários 40 dias para que a carta de Pero Vaz de Caminha, chegasse ao rei de Portugal, anunciando a descoberta de novas terras, hoje levaria poucos segundos para receber uma mensagem. E com isso ficamos mais impacientes, seja com aplicativos de caronas que demoram 5 minutos para chegar ou uma mensagem de e-mail sem resposta por algumas horas. A evolução da tecnologia desde então foi um agente de transformação para sermos ágeis em todos os aspectos, e a necessidade das pessoas acompanhou essa jornada.

Não foi uma surpresa que o uso de WhatsApp para falar com as marcas cresceu 327% na América Latina desde o início da pandemia, ou que a velocidade e a simplicidade de uma experiência online com um serviço fosse determinante para 82% dos clientes gastarem mais com uma marca no ano passado, como apontou o estudo CX Trends 2021.

Afinal, se um cliente que perdeu sua conexão à internet busca a operadora para resolver seu problema, a última coisa que ele deseja é esperar na linha, ser passado de atendente em atendente ou precisar repetir informações mais de uma vez. O que ele quer é ser ouvido na hora que ele busca o contato e saber que o problema será resolvido. E mais, que seja no canal que ele mais costuma usar para tornar mais fácil e rápido esse contato, por telefone, WhatsApp ou mídias sociais. É a conveniência ligada à agilidade.

A brasileira Loft, por exemplo, se tornou uma das startups do ramo imobiliário mais valiosas no mundo e um dos grande diferenciais deles foi na agilidade. E não apenas na transformação do modelo de negócios, mas também no atendimento e proximidade com os clientes. Ao adotar recursos que possibilitaram unificar os dados e canais de contato dos clientes em uma única tela e novas estratégias de priorização de chamados, a empresa reduziu o tempo de resposta via e-mail para apenas 15 minutos e de telefone para 10 segundos. E os clientes percebem essa diferença.

Adotando uma operação ágil

Recentemente, o tema de agilidade e experiências foi debatido por especialistas durante o evento Zendesk On Air, e trouxe à tona alguns elementos importantes para ser ágil na relação com clientes.

Se olharmos para empresas que se adaptaram com agilidade à pandemia e se tornaram exemplos de uma boa experiência, encontramos o cliente e a agilidade no centro da cultura de gestão. E quando se tem isso dentro de casa, estender boas experiências ao cliente se torna um passo natural. Não adianta implementar novas ferramentas e deixá-las abandonadas. É preciso investir continuamente para escalar e adaptar a tecnologia conforme o negócio se transforma, além de treinar as equipes para tirar o melhor proveito das ferramentas, e isto é definido por uma liderança que prioriza a agilidade e o cliente. 

Alinhando sua empresa com as tendências de consumo

A pesquisa CX Trends 2021 mostrou que 68% dos agentes de atendimento ao cliente nas empresas latinoamericanas estão sobrecarregados e 48% sentindo falta dos recursos certos para serem eficientes no trabalho à distância. E queira ou não, isso vai impactar diretamente na velocidade com que atendem e resolvem os problemas dos clientes. São tecnologias que entregam vantagens como automação, visão da jornada e dos dados do cliente e recursos de comunicação com outras áreas.

Automação e personalização

A automação e a inteligência artificial, por exemplo, estarão cada vez mais presentes para dar agilidade no contato com clientes, possibilitando direcionar chamados comuns para canais de autoatendimento e chatbots, onde conseguem acessar informações, emitir vias, realizar pagamentos e resolver uma série de questões menos complexas de forma rápida e fácil. E para os times de atendimento, significa mais tempo para dedicar a casos prioritários. 

Tenha em conta que o aumento do uso da inteligência artificial deve pavimentar o caminho para que nós, humanos, utilizemos nosso tempo cada vez mais para o que nos faz ser únicos: nossa criatividade e as conexões sociais que criamos.

A personalização também se tornou outra estratégia para aliar agilidade a uma boa experiência. Ao adotar tecnologias que capturam e centralizam dados dos clientes e de toda a jornada deles com a marca, é possível identificá-los dentro dos canais de contato e tratá-los de uma forma muito mais pessoal, muitas vezes identificando o problema a ser resolvido antes do próprio cliente se manifestar. 

Portanto, ser ágil e adotar tecnologias que suportem isso significa criar caminhos para se aproximar cada vez mais dos clientes e entregar as experiências que esperam ter de uma marca hoje em dia. Chegou a hora em que as empresas já possuem propriedade para se questionarem se estão valorizando o tempo do cliente ou desperdiçando. E isso fará toda a diferença quando ele se lembrar da marca.

Wayra e Vivo lançam desafio focado em soluções antifraude e cibersegurança

A digitalização impactou os negócios em várias frentes e redobrou a atenção com questões relacionadas à segurança. De acordo com o Gartner, em 2021, os gastos mundiais com tecnologia, segurança da informação e serviços de gerenciamento de risco devem crescer 12,4%, movimentando cerca de US ﹩150,4 bilhões. Com o objetivo de acelerar a conexão entre as soluções antifraudes e as grandes organizações, a Wayra , hub de inovação aberta da Vivo, acaba de anunciar um desafio para as startups do setor.

“A Wayra vem apoiando a Vivo na colaboração com o ecossistema empreendedor visando trazer novas soluções em tecnologia capazes de aprimorar os processos e eficiência da companhia. Neste desafio, estamos focando em soluções em cibersegurança, um tema cada vez mais relevante e presente no dia-a-dia das pessoas e dos negócios, impulsionados pela transformação digital”, destaca Livia Brando, Country Manager da Wayra Brasil.

A iniciativa busca por startups que possam apoiar desafios específicos nas áreas de: autenticação de imagens e documentos; autenticação para atendimento seguro via WhatsApp; reconhecimento de voz para atendimento em televendas; gestão de plataforma anti-fraude para revendedores parceiros, gestão em rede e compliance de scripts; além de solução para detectar configurações maliciosas realizadas nos dispositivos como modems e roteadores.

“Como um dos maiores players de soluções em tecnologia e conectividade no país, a Vivo investe continuamente em segurança digital, tanto na formação de times altamente especializados como em processos e sistemas. Para evoluir ainda mais nos modelos de prevenção à fraude e garantir o maior nível de segurança aos clientes, queremos nos conectar com negócios que possam colaborar com a Vivo em uma das áreas prioritárias da empresa no momento”, comenta Rodrigo Gruner, diretor de Inovação e Serviços Digitais da Vivo.

As inscrições para o desafio vão até dia 11 de julho e é focado na geração de negócios. Para inscrever sua startup basta acessar o link: https://br-pt.wayra.com/desafios

BNDES Garagem abre inscrições para programa gratuito de aceleração de startups de impacto socioambiental

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está lançando a edição 2021 do BNDES Garagem – Negócios de Impacto, um programa de aceleração para startups de impacto. A iniciativa será conduzida pelo Consórcio AWL (composto por Artemisia, Wayra e Liga Ventures). Com o objetivo de selecionar e acelerar, neste ciclo, 45 negócios de diversos setores – com prioridade às soluções voltadas à Educação, Saúde, Sustentabilidade, Govtech e às Cidades Sustentáveis –, a ação espera estimular o campo do empreendedorismo de impacto, atuando no desenvolvimento de empresas para que elas alcancem resultados financeiros consistentes e impacto socioambiental positivo. As inscrições estarão abertas para empreendedores de todo o Brasil até 5 de agosto de 2021 e podem ser feitas pelo site garagem.bndes.gov.br

O programa será gratuito e irá selecionar empreendedores com negócios em dois estágios: Criação, para quem está começando a empreender com impacto e precisa de apoio nos primeiros passos, e Tração, para quem já tem um negócio de impacto e quer apoio para crescer e ganhar escala. Os selecionados serão potencializados por meio de metodologias de aceleração aplicadas pela Artemisia, Wayra e Liga Ventures – referências no ecossistema de empreendedorismo – e receberão apoio individual de especialistas; acesso a mentores para aconselhamento e resolução de desafios; conteúdos sobre inovação, empreendedorismo e impacto; serviços gratuitos e subsidiados;além de conexão com potenciais investidores e parceiros de empresas públicas e privadas.

De acordo com Bruno Laskowsky, diretor de Participações, Mercado de Capitais, Reestruturações e Crédito Indireto do BNDES, a segunda edição do BNDES Garagem vem para mostrar que o banco deseja, cada vez mais, gerar impacto na última milha, fomentar a cultura do empreendedorismo e contribuir para termos um planeta mais sustentável. “É por isso que, na edição 2021, vamos apoiar empreendedores que tragam soluções para os desafios sociais e ambientais do nosso país. Queremos transformar positivamente a vida dos brasileiros e o empreendedorismo com impacto é um ótimo caminho para atingirmos essa transformação de forma sustentável no tempo”, afirma Laskowsky.

Para Maure Pessanha, diretora-executiva da Artemisia, as organizações que compõem o consórcio acreditam na força do empreendedorismo para transformar o Brasil em uma potência de inovação e impacto socioambiental positivo. “Compartilhamos o objetivo de apoiar – em parceria com o BNDES – um conjunto relevante de soluções para os mais graves problemas globais associados à desigualdade social e a questões ambientais tais como a mudança climática. Podemos antecipar que os selecionados terão acesso às mais inovadoras metodologias de aceleração e gestão de impacto socioambiental”, afirma Maure, acrescentando que a parceria está apoiada em princípios como confiança; valorização da diversidade; transparência e integridade; busca por parcerias positivas; excelência para levar o país à fronteira da inovação com impacto social e ambiental; e gerar valor para os empreendedores e seus negócios.

Rogerio Tamassia, cofundador da Liga Ventures, salienta que a organização tem atuado fortemente no desenvolvimento do ecossistema empreendedor brasileiro ao longo dos anos e fazer parte da segunda edição do programa BNDES Garagem – desta vez, com foco em negócios de impacto – é motivo de muito orgulho. “Vimos o potencial de transformação do primeiro ciclo e, com os aprendizados gerados a partir dessa primeira fase, temos certeza de que esta edição será ainda mais significativa para o fomento do empreendedorismo no país. Além da parceira da primeira edição, a Wayra, temos agora também a Artemisia ao nosso lado. Ambas as organizações com expertises em campos fundamentais para a composição de um time de sucesso”, afirma Tamassia.

Para Livia Brando, Country Manager da Wayra no Brasil, a união entre as organizações do consórcio traz complementariedades capazes de alavancar o potencial de transformação do ecossistema empreendedor. “Nosso objetivo sempre foi impulsionar a geração de negócios e a escalabilidade das startups. Agora, com o programa BNDES Garagem – Negócios de Impacto, conseguiremos criar ações conjuntas que agregam um olhar focado também aos negócios de impacto. Queremos apoiar o desenvolvimento dos ecossistemas das cinco regiões do país, selecionando empreendedores e empreendedoras cujas soluções possam gerar mudanças efetivas para a sociedade como um todo”, ressalta Livia.

Critérios de seleção do BNDES Garagem – Negócios de Impacto

O programa BNDES Garagem – Negócios de Impacto vai apoiar empreendedores com negócios em dois estágios da jornada empreendedora: Criação (para os que estão começando a empreender e precisam de suporte para dar os primeiros passos) e Tração (para os que já têm negócios criados e demandam apoio para crescer ou escalar). Em Criação, o empreendedor receberá suporte para desenvolver o Produto Mínimo Viável (MVP, sigla do inglês Minimum Viable Product), validar a solução no mercado, lançar a startup e conquistar os primeiros clientes. A metodologia aplicada é composta por uma trilha de conteúdos, mentorias e workshops para apoiar o empreendedor a desenvolver o negócio de impacto; a duração da aceleração será de três meses. A startup que se destacar receberá uma premiação no valor de R$ 20 mil.

Em Tração, o empreendedor receberá suporte personalizado para acelerar o crescimento da própria startup, refinar o impacto da solução, além de ter acesso à rede de empresas parceiras – públicas e privadas – e de investidores. A metodologia é composta por trilhas de conteúdo alinhadas ao momento e à necessidade de cada negócio em um processo de aceleração flexível e personalizado, que conta também com conexões com mentores, empresas parceiras e investidores. Na prática, uma metodologia aplicada ao longo de quatro meses, pensada para empreendedores que desejam acelerar o desenvolvimento do negócio de impacto social ou ambiental para chegar rapidamente a outro patamar. Nesse estágio, a startup que se destacar receberá uma premiação no valor de R$ 30 mil.

Para ambos os estágios, estão credenciados a participar empreendedores de todo o país, que tenham intenção genuína de gerar impacto positivo; que sejam engajados com o negócio; e estejam abertos a repensar pontos fundamentais da solução dentro do programa.

Cisco e SENAI-SP anunciam parceria para promover e acelerar a digitalização da indústria

A Cisco e o SENAI-SP anunciam parceria e iniciativas para o desenvolvimento, modernização e transformação digital da indústria brasileira. O acordo inclui o desenvolvimento de projetos com foco em áreas como automação industrial, Indústria 4.0, telecomunicações, 5G e segurança cibernética.

A Cisco acredita no potencial da indústria nacional para o Brasil avançar ainda mais em sua digitalização, por isso um dos pilares do programa Cisco Brasil Digital e Inclusivo é apoiar o desenvolvimento do setor no país. O acordo com o SENAI-SP reforça o compromisso da Cisco em promover a formação e capacitação profissional,  incentivar a inovação e promover a adoção de tecnologias habilitadoras para a quarta revolução industrial.

Uma das iniciativas da parceria é a implantação de soluções de comunicação, conectividade e ciberseguranca no SENAI Indústria 4.0 OpenLab, laboratório desenvolvido para auxiliar e acelerar a capacitação de profissionais nas metodologias e tecnologias de suporte à Industria 4.0. Com isso, estudantes e empresas podem ver na prática a integração de tecnologias de informação e automação em uma planta industrial real e viva. O OpenLab está localizado em São Caetano, e a iniciativa também permite o acesso remoto ao laboratório por outras unidades do SENAI-SP ou mesmo da casa de alunos e professores, através do uso de ferramentas de colaboração e acesso remoto com segurança. A implantação das soluções foi realizada em conjunto com a Nexa, parceria de negócios da Cisco e integradora de soluções de TI e automação.

Outra iniciativa da Cisco e SENAI-SP é a realização de estudos de maturidade em Indústria 4.0, baseados na metodologia desenvolvida pela VDMA (Mechanical Engineering Industry Association), que serão conduzidos em um conjunto de empresas brasileiras, permitindo não apenas identificar o estágio atual da adoção das práticas e tecnologias da Indústria 4.0, mas desenhar um plano de ação para a transformação digital destas companhias.

A Cisco e o SENAI-SP já estão trabalhando para fortalecer o ecossistema de inovação e desenvolver o empreendedorismo brasileiro com o Programa de Inovação Aberta em Indústria 4.0. Lançado em janeiro deste ano como parte do Cisco Brasil Digital e Inclusivo, o Programa selecionou cinco startups com projetos de tecnologias para indústria 4.0, que atualmente estão em processo de aceleração e mentoria, nas área de otimização do processo produtivo, manutenção prescritiva e redução de riscos.

Com a educação profissional em seu DNA, o SENAI-SP também é um grande parceiro do programa de educação e empregabilidade, Cisco Networking Academy, beneficiando mais de 3.800 alunos em todo Estado desde 2017.  O SENAI-SP tem trabalhado ainda com a Cisco para capacitar profissionais em ciberseguranca, sendo um dos parceiros do Programa CiberEducação da Cisco do Brasil.

“A transformação digital da indústria vai além da adoção de tecnologias habilitadoras para o que chamamos de indústria 4.0. Ela inclui também investimentos em inovação, a transformação de processos e, principalmente, a transformação de pessoas”, afirma Ricardo Mucci, country manager da Cisco do Brasil. Estamos muito animados com a parceria com o SENAI-SP para apoiar o desenvolvimento, modernização e transformação da indústria brasileira”, completa.

“Esta parceria é a oportunidade de aproximar ainda mais os universos de tecnologia de automação da indústria com tecnologia de informação, além de amplificar a discussão sobre temas como segurança cibernética, 5G e Wi-Fi6 nos ambientes industriais como plataforma para a digitalização. É preciso democratizar o acesso e acelerar a adoção destas tecnologias em toda indústria, avançando assim na transformação digital do setor”, afirma Rodrigo Uchoa, diretor de Transformação Digital da Cisco do Brasil. 

Ricardo Terra, diretor regional do SENAI-SP, afirma que a parceria com a Cisco, uma empresa de classe mundial, abre oportunidades para as indústrias de São Paulo e do Brasil trabalharem na vanguarda da inovação, conectividade e cibersegurança, “as ações com a CISCO trazem força, velocidade e segurança para atuarmos em nossa principal missão: desenvolver capital humano e apoiar de maneira inovadora a transformação digital da indústria”, completa.

Josué Gomes da Silva é eleito novo presidente da Fiesp

Paulo Skaf, Josué Gomes da Silva, Rafael Cervone

Com 97% dos votos, Josué foi eleito para mandato de 2022 a 2025


Concorrendo em chapa única, o mandato de Josué Gomes da Silva se iniciará em 1 de janeiro de 2022 e irá até 31 de dezembro de 2025. A nova diretoria da Fiesp é composta pelos empresários Rafael Cervone, 1º vice-presidente, Dan Ioschpe, 2º vice-presidente e Marcelo Campos Ometto, 3º vice-presidente.

O presidente das entidades, Paulo Skaf, parabenizou o vencedor, destacou sua capacidade de liderança e reiterou o apoio a Josué. “Ele está eleito e terá apoio expressivo dos industriais, o que se verificou na apuração. E as entidades estarão em boas mãos, de um empresário que tem seriedade, competência e força”, ressaltou.

Em relação ao momento atual, Skaf lembrou que seu trabalho continua até o dia 31 de dezembro e que trabalhará até o último dia e afirmou que está mobilizando outros setores produtivos para impedir que a Reforma Tributária que está em discussão traga aumento de impostos. “Quando há dinheiro sobrando, se faz reforma. Quando falta dinheiro, a melhor reforma é o corte de gastos”.

O presidente eleito, Josué, disse estar honrado por haver recebido tantos votos e a confiança do empresariado industrial. “Isso aumenta a responsabilidade, pois suceder Paulo Skaf é um desafio enorme, especialmente neste momento em que, pela primeira vez em décadas, a indústria de transformação apresentou participação no PIB um pouco inferior a do setor agropecuário”, observou o empresário, que também defendeu a retomada do crescimento do setor e o não aumento de impostos.

As eleições da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) ocorreram nesta segunda-feira (5/7), na sede do prédio, na Avenida Paulista.

Todo o processo eleitoral foi acompanhado pela Comissão Eleitoral composta por: Sydney Sanches (ex-ministro do Supremo Tribunal Federal), Ellen Gracie (ex-ministra do STF), Almir Pazzianotto (ex-ministro do Tribunal do Trabalho), Ives Gandra Martins (jurista), Maria Cristina Mattioli (desembargadora aposentada do Tribunal Regional do Trabalho).

Como a biometria comportamental reduz os gastos com sistemas antifraude?

Por Rodrigo Castro


A biometria comportamental é um modelo altamente disruptivo para a detecção e o rompimento de fraudes em plataformas digitais. Essa tecnologia é capaz de detectar ações maliciosas em tempo real, milissegundos após o login do usuário, permitindo a tomada de decisão imediata para o bloqueio de transações e dos usuários. Esta característica, além de melhorar sensivelmente os modelos antifraude das organizações, também tem o potencial de reduzir os gastos totais com mecanismos de proteção.

Grande parte das empresas utiliza padrões transacionais para a detecção de fraude, ou seja, modelos que coletam dados de uma transação que são avaliados em bureaus, somados às regras de decisão ou de aprendizado de máquina, e retornam uma pontuação de risco. Geralmente essas soluções são cobradas por transação e os valores não são baixos. Há empresas que gastam dezenas de milhões de reais por ano para garantir a segurança dos seus processos, enviando todas as operações para avaliação. E é neste momento que a biometria comportamental pode fazer a diferença na redução dos custos.

Por ser uma solução de assinatura anual e fixa, atuando durante a navegação do usuário, ou seja, antes da transação ser realizada, a pontuação de riscos em tempo real permite que, ao chegar na transação, aquela sessão já tenha sido identificada em seu grau de risco de fraude. Logo, sessões com baixo ou alto risco podem ser tratadas sem necessidade de envio para modelos transacionais, deixando apenas as sessões com pontuação pouco firmes para a identificação da fraude.

Para exemplificar o funcionamento desse sistema, vamos supor que a biometria comportamental identifique claramente que há uma apropriação de cadastro, o qual o fraudador conseguiu acesso a uma sessão de usuário e rapidamente altera dados de endereço, e-mail e executa uma transação de compra com o uso de robôs. Este comportamento será certamente detectado como alto risco de fraude e, por isso, a transação sequer precisaria ser endereçada para modelos transacionais, reduzindo gastos com essas plataformas.

Um outro exemplo seria o onboarding de novos clientes. Se o fraudador está usando um dispositivo com sistema de automação para cadastros em massa, acessando dezenas ou centenas de sessões nele, realizando os cadastros com uma fluência anormal na digitação das informações, a biometria comportamental irá provavelmente tratá-la como alto risco, não sendo necessário enviar os dados do cadastro para validação de veracidade. Além disso, por conta dos recentes vazamentos de dados, é bem provável que os modelos transacionais aprovem o cadastro, pois o fraudador estaria usando informações roubadas.

Sendo assim, os modelos de biometria comportamental para detecção de fraudes, além de terem a capacidade de detectar fraudes em tempo real e com maior assertividade, também podem ser usados para redução dos gastos gerais das estruturas de antifraude das organizações.

Rodrigo Castro, diretor de Business Performance & Innovation (BPI) na ICTS Protiviti

Nuvemshop investe R$ 55 milhões para expandir operações na América Latina

A Nuvemshop, plataforma de e-commerce líder na América Latina, irá investir R$ 55 milhões para expandir os seus negócios na região. Com o montante, a empresa irá consolidar e ampliar a sua operação no México – iniciada este ano – e abrir novos escritórios na Colômbia, ainda este ano, e no Chile e no Peru em 2022. A iniciativa faz parte do plano de crescimento da companhia após receber o aporte de R$ 500 milhões em março deste ano. 

 A expansão consiste não apenas em lançar a plataforma e inaugurar escritórios nesses países, mas em estudar cada mercado para criar uma operação 100% local, contratando profissionais nativos de todas as áreas (como tecnologia, produto, vendas e marketing). O objetivo é entender a fundo o contexto e a necessidade de cada um deles, construindo uma conexão e uma proposta de valor para a empresa de acordo com cada localidade, mas sempre destacando a missão da Nuvemshop de reduzir as barreiras do empreendedorismo. Isso passa por compreender profundamente questões sociais e macroeconômicas, entender o perfil dos lojistas e fazer conexões com parceiros locais para ampliar o ecossistema (desde empresas de logística a meios de pagamento e agências especializadas em e-commerce).

“Por meio da nossa rede com mais de 85 mil lojistas, nós impactamos milhões de empregos diretos e indiretos no Brasil e na Argentina. Agora, com esse investimento de R$ 55 milhões, queremos incentivar ainda mais o empreendedorismo nesses outros países, conectando os comércios diretamente com os seus consumidores e aquecendo a economia num momento de grande necessidade”, comenta Luiz Piovesana, CMO da Nuvemshop. “Assim, seguimos com o propósito de transformar sonhos em histórias que transcendem.”

A expansão na América Latina acontecerá em etapas. Hoje, no México, a Nuvemshop tem 20 profissionais locais. O objetivo é mais do que dobrar a operação até o fim deste ano e contratar 100 novos funcionários até dezembro de 2022. “O México tem um potencial de crescimento para o e-commerce muito próximo ao Brasil, por ter a segunda maior economia da região e ser considerado o segundo país mais populoso”, diz Piovesana.

O investimento de R$ 55 milhões também fará a empresa chegar na Colômbia durante o segundo semestre de 2021 e contratar profissionais locais. O país tem uma economia forte e é considerado o quarto mais populoso da região com características semelhantes à Argentina, como amplo potencial de penetração do e-commerce e perfil de lojistas. Em 2022, a empresa chegará ao Chile e ao Peru.

“Em mercados onde o e-commerce ainda se desenvolve, o nosso papel é garantir que os empreendedores tenham acesso à tecnologia de ponta e custos reduzidos por meio de economia de escala que, até então, estavam disponíveis apenas para os gigantes do varejo. Além disso, vamos entregar uma solução desenvolvida para cada país, onde os custos serão na moeda local e os lojistas poderão usufruir das vantagens de ter um negócio online próprio: conexão direta com o consumidor e menor custo operacional em comparação aos marketplaces”, completa Piovesana.

Embraer abre vagas para o Programa de Especialização em Engenharia

A Embraer vai iniciar a seleção de engenheiros para o Programa de Especialização em Engenharia (PEE), realizado anualmente pela empresa em parceria com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Para esta nova turma serão disponibilizadas 30 vagas para profissionais formados a partir de 2019 e as inscrições ocorrem até o dia 31 de agosto por meio do link https://embraer.com/pee.    

Um dos mais longevos modelos corporativos de desenvolvimento intelectual e tecnológico do Brasil, o PEE completou 20 anos em 2021. Mais de 1.600 profissionais de 100 universidades do Brasil já passaram pelo programa de mestrado, que se tornou a principal porta de entrada de profissionais de engenharia que queiram trabalhar na Embraer. “A engenharia de excelência da Embraer é a espinha dorsal que faz a companhia ser uma referência global em tecnologia e inovação.

Com o PEE, em parceria com o ITA, promovemos continuamente a aceleração do aprendizado de profissionais de engenharia recém-formados para que estejam sempre aptos a desafiar e encontrar soluções para os mais diversos desafios da indústria aeroespacial”, disse Luís Carlos Affonso, Vice-Presidente de Engenharia, Tecnologia e Estratégia Corporativa da Embraer. 

Os candidatos selecionados participarão de curso e atividades de capacitação nas áreas de Engenharia de Desenvolvimento do Produto e Processos da companhia, em São José dos Campos (SP), além de se especializarem em fundamentos e projetos aeronáuticos, com atividades e temas sobre Indústria 4.0, Inteligência Artificial, Robótica e Prototipação de Projetos. “A Embraer acredita na educação como um diferencial competitivo, e por isso valoriza e estimula continuamente a formação integral de suas pessoas”, disse Carlos Alberto Griner, Vice-Presidente de Pessoas, Sustentabilidade e Comunicação Corporativa da Embraer. “O PEE é nosso principal programa de geração e disseminação de conhecimento em engenharia e como os outros programas de qualificação da empresa se destaca por associar aspectos técnicos e teóricos com o aprendizado na prática, habilidades socioemocionais e promoção da diversidade”. 

O início das aulas da nova turma está previsto para fevereiro de 2022, com duração de um ano e meio e dividido em quatro fases. Toda a formação é ministrada por profissionais da Embraer, professores do ITA e consultores, e o programa dá direito a título de mestrado profissional em Engenharia Aeronáutica, reconhecido pela CAPES/MEC. Entre os pré-requisitos do processo seletivo estão inglês avançado e graduação entre 2019 e 2021 nas modalidades aeronáutica ou aeroespacial, ambiental, automobilística, civil, computação, controle e automação, elétrica, eletrônica, energia, física, manufatura, manutenção, materiais, mecânica, mecatrônica, metalúrgica, naval, produção, química, robótica, sistemas, softwares e telecomunicações.


Conforme os protocolos de combate à Covid-19, todas as etapas do processo seletivo serão realizadas de forma remota, sendo necessário o uso de computador ou notebook com câmera, microfone e conexão com internet. Os engenheiros aprovados terão bolsa-auxílio (compatível com bolsas de mestrado do mercado), convênio médico e odontológico, seguro de vida e vale-alimentação.  

O Programa – PEE 

O Programa de Especialização em Engenharia (PEE) combina a carga de especialização técnica com o desenvolvimento de conhecimento multidisciplinar. A visão sistêmica é estimulada no profissional com ações de aprimoramento das habilidades em comunicação, valorização do relacionamento interpessoal, da ética profissional e conhecimento da cultura, das pessoas e da estrutura da Embraer. Os cursos são complementados com visitas técnicas às áreas da empresa, feiras de aviação, laboratórios, museus e participação em congressos e seminários.  

O programa está estruturado em três fases distintas com duração de até seis meses cada: fundamentos de aeronáutica, especialização e projeto do avião, processos e serviços relacionados. Além disso, também é desenvolvida a tese de mestrado. As aulas são ministradas de segunda a sexta, em período integral, por professores do ITA, especialistas da Embraer e consultores. Para atividades de projeto em equipe, o PEE conta ainda com um seleto time de mentores – profissionais da Embraer tidos como referência técnica em suas áreas de atuação. A primeira edição foi realizada em 2001 e, até hoje, o programa já formou 1,6 mil engenheiros em 28 turmas, com histórico de engenheiros provenientes de 105 universidades de 20 Estados do Brasil. Atualmente, a Embraer conta com mais de 700 funcionários que ingressaram na companhia pelo PEE e a média de contratação dos participantes é de 96%.

Atos implementa o mais potente supercomputador da Petrobras

A Petrobras já colocou em produção mais um supercomputador que consta entre os mais potentes do planeta (High Performance Computing, HPC, em inglês). O Dragão, que ocupa a posição 46º, foi implementado pela Atos, líder global em transformação digital e referência em computação de alto desempenho, tem performance próxima ao dobro da do Atlas (94º), seu predecessor como líder na Petrobras, e também implementado pela Atos. 

Programados com algoritmos que envolvem equações matemáticas complexas e um volume gigantesco de dados, os supercomputadores projetados pela empresa geram imagens representativas da geologia abaixo do fundo do mar, onde ficam as camadas de pré-sal. São analisadas centenas de quilômetros quadrados, a milhares de metros de profundidade, e isso é fundamental para as descobertas de novas jazidas de óleo e gás. Enquanto essa é uma tarefa impossível para um computador convencional, o Dragão poderá realizá-la com agilidade e precisão.

“Realizar a fabricação e a entrega do maior supercomputador da América Latina em tempos de pandemia, foi um desafio logístico imenso somente possível superar graças a incrível equipe da Atos, a parceria da Petrobras e de nossos parceiros tecnológicos. O ‘Dragão’ é o maior supercomputador brasileiro e um dos 50 maiores do mundo. Junto com ele, teremos atingido o marco histórico e inédito de colocar cinco supercomputadores da Atos no Brasil, entre os 500 maiores do mundo”, diz Luis Casuscelli, Diretor de Big Data & Security da Atos para América do Sul.

Para nós, da Atos, é motivo de orgulho e fonte de motivação fornecer mais um supercomputador para a Petrobras. É uma prova irrefutável do nosso esforço e desenvolvimento constante, reforçando a posição da nossa empresa como referência mundial em supercomputação”, diz Nelson Campelo, CEO da Atos para América do Sul.

Os supercomputadores são máquinas com velocidade de processamento e capacidade de memória milhares de vezes superiores aos computadores comerciais. Eles são usados para processamento paralelo, cálculos complexos e tarefas extensas e intensivas, que exigem cálculos da ordem de quatrilhões por segundo. Geralmente, são empregados para pesquisas científicas em múltiplas áreas e com grandes volumes de dados, como medicina, meteorologia, geologia, geofísica, física e óleo e gás. 

Cortex, empresa de inteligência de dados, tem 50 vagas abertas para diversas áreas

A Cortex, startup líder em Growth Intelligence na América Latina está recrutando profissionais para diversas áreas. Ao todo são mais de 50 vagas para trabalhar remota ou presencialmente nos escritórios de São Paulo e Rio de Janeiro. Os interessados podem se inscrever pelo link https://cortex.gupy.io/. O processo seletivo é totalmente digital.

Além dos benefícios tradicionais, a Cortex oferece incentivos extras aos profissionais, como licença maternidade, paternidade e adotante estendida, ajuda de custo para pagamento das contas de luz, internet e auxílio home office, para o profissional remoto estruturar sua estação de trabalho.

ACSP e Sebrae fecham parceria para dar consultoria gratuita a 700 empresários da capital

Setecentos microempresários ou proprietários de empresas de pequeno porte da capital terão acesso a um consultor de negócios totalmente gratuito com o objetivo de alavancar o faturamento de seu empreendimento. O Conselho do Varejo, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) uniram-se para oferecer esta oportunidade a quem quer aumentar o faturamento das vendas dos produtos, elevar os ganhos financeiros aos prestadores de serviços e deixar as empresas mais saudáveis para que possam competir no mercado.

Tudo isso só é possível por conta do Programa Brasil Mais criado pelo Sebrae para disponibilizar mentoria presencial especializada para Empresários de Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP) por quatro meses. Quem quiser contar com esta consultoria, no entanto, tem somente até o dia 15 para se inscrever e ter a possibilidade de obter este apoio personalizado.

Ao ser aceito no programa, o empresário recebe a visita de um Agente Local de Inovação na empresa. A partir daí, ele acompanha o empreendedor no processo de conhecimento de práticas de baixo custo e alto impacto que vão dinamizar os negócios.

“Eles vão fazer um diagnóstico da empresa e mostrar o que deve e como deve ser feito para que o empresário atinja os resultados esperados”, explicou Roseli Garcia, vice-presidente da ACSP e coordenadora geral do Conselho do Varejo. No total, serão seis encontros individuais na empresa. “Ao final do processo, ainda tem um relatório que vai apontar os resultados positivos da consultoria”, emendou Roseli.

O Brasil Mais ainda possibilita que alguns empresários sejam contemplados com um subsídio de 100% para acesso a Consultorias Tecnológicas Senai/Senac, por meio de outro programa chamado de Sebraetec.

Somente neste ano, até o fim de junho, quase 20 mil empresas encerraram suas atividades oficialmente na cidade de São Paulo. “Nós somos a casa do empreendedorismo e o Sebrae tem a técnica necessária para fomentar negócios e gerar renda para as empresas”, afirmou Roseli. “Se depender da gente, ninguém mais fecha as portas.”

A parceria entre a ACSP e o Sebrae surgiu para ajudar empresários de todos os setores – inclusive do varejo – que não conseguem driblar os obstáculos impostos por um mercado competitivo de negócios. “É pegar na mão mesmo de 700 pessoas e ensinar como se faz para que tudo prospere”, ressaltou Roseli.

Para participar do Brasil Mais, o empreendedor deve ter empresa formalizada, com CNPJ, nos portes ME (Microempresa) ou EPP (Empresa de Pequeno Porte), disponibilidade semanal de três horas para realizar as atividades do programa e não ter participado dos ciclos anteriores realizados em novembro de 2020 e março 2021.

As inscrições gratuitas podem ser feitas por meio deste link até 15 de julho.

Cresce em 30% o número de brasileiros que preferem canais de compras digitais

 O ecossistema de comércio digital no Brasil avançou notavelmente no último ano e muito dessa evolução está refletida nos interesses dos estabelecimentos comerciais entrevistados pelo Índice Global de Compras Digitais – Edição Brasil. Elaborado pela Cybersource, solução da Visa especializada em gerenciamento de pagamentos digitais, junto à PYMNTS.com, o relatório indica que o percentual de consumidores brasileiros que preferem canais de compras digitais cresceu 33% desde o início da pandemia, de março a dezembro de 2020. A adoção digital também é liderada por consumidores mais jovens e de alta renda. Isso traz implicações significativas para os estabelecimentos comerciais, cada vez mais focados em oferecer melhores experiências de compra.

Investimentos em recursos digitais estavam previstos na agenda de inovação desses estabelecimentos comerciais para melhor atender aos seus clientes, acompanhando a rápida necessidade de atualização de seus negócios. Mais de 72% dos estabelecimentos comerciais (quase o dobro da porcentagem dos outros mercados analisados, como Reino Unido, Estados Unidos e Austrália) consideraram importante o uso de soluções como Inteligência Artificial (IA) para apoiá-los nesta jornada.

Ao considerar e implementar novos recursos digitais e integração de canais, os estabelecimentos comerciais tornam-se capazes de promover experiências e jornadas de compras mais completas e eficientes. Para 62% dos estabelecimentos comerciais pesquisados entre novembro e dezembro de 2020, a prioridade estava em melhorar os serviços de retirada de produtos nas lojas – dentro delas ou na porta. A opção de compras via mobile também foi bastante citada por 49% dos lojistas, que desejavam implementar essas mudanças em seus estabelecimentos comerciais. Isso é reflexo do aumento da adoção de dispositivos móveis por parte do consumidor brasileiro – 20% deles relataram que usaram dispositivos móveis para fazer suas compras mais recentes, o dobro do número de pessoas que disse ter usado computadores.

“A análise indica forte interesse dos estabelecimentos comerciais em implementar soluções como Inteligência Artificial como meio de acelerar o processamento de informações e proporcionar melhores entregas de serviços e produtos. Eles já entendem que essas soluções trazem benefícios aos negócios, uma vez que possibilita melhor compreensão dos hábitos e interesses de seus clientes. Passariam a ter acesso a análises mais consistentes sobre jornadas de compras, aprimorando seus sistemas. A baixa satisfação dos consumidores com as opções atuais de comércio entre canais, apontada no relatório, também acendeu um alerta para que inovações estejam em suas agendas, investindo no atendimento de pedidos via mobile e nas retiradas de pedidos nas lojas, canais considerados prioritários”, afirma Fernando Pantaleão, vice-presidente de Vendas e Soluções da Visa do Brasil.

Apesar da atenção para essas atualizações, quando questionados sobre os recursos mais importantes para os seus negócios, a maioria dos estabelecimentos comerciais indicou priorizar o armazenamento de informações sobre os perfis dos seus consumidores, sobre suas preferências de produto e meios de pagamentos, por exemplo. Enquanto os consumidores ouvidos pela mesma pesquisa, mostraram-se mais propensos a valorizar atributos relacionados a facilidades de compra. Eles indicaram, quase duas vezes mais que os comerciantes, preferências por acesso à benefícios como frete grátis (13% dos consumidores versus 7% dos estabelecimentos comerciais), códigos promocionais (11% versus 5%) e recompensas (10% versus 5%), elementos menos priorizados pelos estabelecimentos.

Essa desconexão entre o que é mais relevante para cada um deles, reforça a necessidade dos comerciantes em aproveitar recursos digitais e inovações, tanto para melhorar seus negócios, como para obter dados em tempo real e melhor atendê-los. “O relatório destaca que os consumidores têm optado por funcionalidades de compras em seus smartphones, querendo ter acesso direto a informações sobre os produtos, escolhendo como e quando querem suas entregas – daí a importância de fornecer serviços da maneira mais eficiente, tirar vantagens de tecnologias sofisticadas como a IA”, explica Pantaleão.

Quando analisamos os meios de pagamentos preferenciais dos consumidores, vemos que o cartão de crédito é líder absoluto na preferência em compras digitais, com mais de 62% dos consumidores brasileiros relatando usar esse meio de pagamento para pagar online. No varejo físico, vemos que a preferência por meios eletrônicos de pagamento (cartões de crédito e débito), somam quase 55% da preferência dos consumidores, versus pouco mais de 31% de preferência por dinheiro em espécie.

É visível que os hábitos e preferências de compra dos consumidores estão mudando em meio a mudanças sociais e econômicas. Com isso, os estabelecimentos comerciais precisam estar conectados às circunstâncias financeiras únicas do Brasil, sendo capazes de desenvolver estratégias digitais para navegar neste cenário em constante evolução e oferecer melhores experiências, cada vez mais digitais. “Vale ressaltar que o uso de sistemas de pagamentos em tempo real deverá ser acelerado neste ano, expandindo os métodos de pagamentos alternativos ou por aplicativos de mensagem”, conclui Pantaleão.

A pesquisa, conduzida no final do ano passado, reflete opiniões de estabelecimentos comerciais e consumidores sobre soluções importantes e adequações que deveriam ser feitas no início de 2021, que não necessariamente foram concretizadas, uma vez que a pandemia voltou a crescer no país, mas seus interesses por inovações continuam legítimos e deverão ser concretizados o quanto antes.

Metodologia


O Índice Global de Compras Digitais foi baseado em pesquisas com 2.105 consumidores no Brasil e 502 estabelecimentos comerciais locais. As amostras da pesquisa foram balanceadas para corresponder aproximadamente aos dados demográficos do Brasil. A pesquisa do consumidor consistia em 38 perguntas, e a pesquisa dos estabelecimentos comerciais era composta por 30 perguntas. Eles foram conduzidos online entre 25 de novembro de 2020 e 16 de dezembro de 2020 e 4 de novembro de 2020 e 18 de novembro de 2020, respectivamente.

Mais de metade dos brasileiros utiliza biometria para proteger suas informações, indica Mastercard

Um estudo realizado pela Mastercard, em parceria com o Instituto de Pesquisa Datafolha, apontou as principais preocupações dos brasileiros com relação a segurança nos ambientes digitais. Mais da metade dos entrevistados (56%) afirma utilizar alguma forma de biometria como proteção no seu cotidiano, enquanto 32% apontam o costume de salvar suas senhas em computadores pessoais ou smartphones. Enquanto isso, 24% dizem compartilhar suas senhas com pessoas próximas e familiares. Perguntados sobre quais informações seriam mais prejudiciais em vazamentos, o número de CPF foi o item mais lembrado, seguido pelo número de celular e o endereço de e-mail.

Sobre o uso de biometria, solução de proteção em constante crescimento entre os brasileiros, 32% dos entrevistados consideram de grande relevância para o ecossistema digital, enquanto 30% afirmam ter média relevância e 19% dizem ter pequena relevância para a sua segurança atualmente. Entretanto, 49% dos brasileiros apontam que a biometria será de grande importância para a segurança das contas digitais daqui a dois anos.

Tecnologia do futuro, no presente

Atualmente, é comum que muitos consumidores utilizem a biometria física, que utiliza a digital ou a face para reconhecer o usuário. Contudo, a Mastercard acredita que o futuro da autenticação está na biometria comportamental, uma das mais poderosas tecnologias de segurança de dados existentes. Esse tipo de solução utiliza uma gigantesca base de dados armazenados previamente com hábitos dos consumidores, como a velocidade em que digitam no teclado do computador e do celular, os horários em que acessam seus aplicativos dos bancos ou lojas online, e o nome de suas redes wi-fi. Esses dados são armazenados pelo NuDetect, sistema de Inteligência Artificial produzido pela NuData Security, uma empresa da Mastercard, que cria um perfil base do titular da conta para validar suas informações e garantir que a operação se encaixe no padrão esperado.

Além de proporcionar maior segurança, o NuDetect aprimora a experiência do consumidor, sem que haja a necessidade de realizar um processo longo e demorado para validar ou recuperar as senhas. A confiança do sistema traz tranquilidade aos clientes Mastercard sem gerar fricção, e atua na detecção de malwares, para que toda a experiência seja segura, prática e rápida.

Sobre a pesquisa:
O estudo foi realizado pelo Instituto de Pesquisa DataFolha, por solicitação da Mastercard, entre os dias 05 e 08 de janeiro de 2021. Por meio de entrevistas telefônicas, o estudo nacional conversou com 1.517 pessoas com idade entre 16 anos ou mais.

OLX Brasil lança o primeiro programa de estágio em tecnologia exclusivo para mulheres

A presença de mulheres dentro do mercado de tecnologia vem ganhando força nos últimos anos, mas ainda existe um longo caminho para a inclusão e aumento da participação delas no segmento, ainda mais para aquelas que estão no início de carreira. Nesse cenário, a OLX Brasil, uma das maiores plataformas de compra e venda online do país, lança o programa de estágio Geração Elas em Tech, exclusivo para mulheres, cis e trans, na área de tecnologia, com duração de até dois anos. As vagas são para os escritórios de São Paulo e Rio de Janeiro da empresa. Os profissionais admitidos começam seu trabalho em formato 100% remoto e recebem todos os equipamentos necessários para a função em casa, além de suporte técnico online.

O Geração Elas em Tech é o primeiro projeto de estágio da OLX Brasil focado no desenvolvimento profissional de mulheres em tecnologia. As candidatas selecionadas serão alocadas dentro da área de Engenharia da empresa, sendo 50% das vagas destinadas para estudantes de baixa renda ou em vulnerabilidade social.

“Somos uma empresa digital com tecnologia 100% brasileira. Cerca de 25% de nossos profissionais da área de Tecnologia são mulheres, e mesmo estando acima da média nacional que é de 20%, apostamos no aumento das oportunidades para as profissionais nesse setor”, avalia Sérgio Povoa, CHRO da OLX Brasil. “O Geração Elas em Tech tem como objetivo atrair, desenvolver e empoderar mulheres para revolucionar o mercado de tech e suportar a estratégia de sucessão de longo prazo na OLX Brasil”, destaca.

As candidatas selecionadas serão acompanhadas por mentores especialistas em suas áreas de atuação, com quem poderão contar tanto para o desenvolvimento técnico, como de soft skills, auxiliando em seu crescimento profissional. Neste formato, o programa visa acelerar a profissionalização e desenvolvimento das estagiárias, com possibilidade de contratação após os seis primeiros meses de estágio.

O processo seletivo, que será realizado em parceria com a Companhia de Estágios, HR Tech que oferece soluções de recrutamento e seleção de estagiários, trainees e aprendizes para algumas das maiores organizações do país, acontecerá remotamente, com entrevistas e testes online.

De acordo com Tiago Mavichian, CEO e fundador da Companhia de Estágios, de 2017 até 2020, houve um aumento de 57% nas contratações de estagiárias de engenharia e tecnologia, segmentos tradicionalmente “dominados” pelo sexo masculino. Os dados são de um levantamento realizado pela empresa no início deste ano e refletem os movimentos de equidade de gênero que vêm tornando o ambiente corporativo mais igualitário. “A equidade de gênero é um valor inegociável, que traz inovação e prosperidade aos negócios. Ter um quadro de funcionários que reflita efetivamente a sociedade brasileira deve se tornar meta para todas as empresas”, afirma Mavichian.

Para participar, as estudantes precisam estar cursando, em qualquer ano, ciências da computação, engenharia da computação, matemática e áreas correlacionadas. As inscrições já estão abertas e encerram no dia 9 de julho, através do link https://www.ciadeestagios.com.br/vagas/olxbrasil/

O estágio terá início em 19 de agosto com bolsa compatível com o mercado, além de vale refeição, auxílio home office e assistência médica.

QMC anuncia financiamento de R$500 milhões para crescer no Brasil

Líder em infraestrutura wireless, sistemas indoors e projetos especiais de rede celular, a QMC Telecom International (“QMC”) expandiu sua linha de crédito para novos investimentos em infraestrutura no Brasil. Em 2018, a QMC fechou seu primeiro financiamento de R$ 150 milhões com o ING e agora, em 2021 fechou mais um aporte no valor total de R$500 milhões, captados através da emissão de Debêntures com o Itaú BBA atuando como Coordenador Líder da Oferta, se solidificando como uma empresa de longo prazo para seus clientes e parceiros de negócio.

“A QMC vem crescendo no mercado e se destacando pela qualidade de serviços e soluções ao longo de seus anos de atuação no Brasil. O valor adquirido é o reflexo de um grande trabalho feito por todo o nosso time e equipe de gestão desde o início, sempre focados em melhorar a conectividade dos nossos clientes”, afirma Jose Stella QMC, Co-CEO e fundador. “Acompanhando nosso crescimento e solidez no mercado de telecom, conseguimos mais que triplicar a magnitude de nosso financiamento, provando a confiança perante nossa empresa e mantendo nosso crescimento acelerado”, acrescenta Rafael Somoza, também co-CEO e fundador da QMC.

André Machado, Presidente Latam da QMC, está otimista com o futuro da empresa: “Os clientes da QMC podem seguir contando com nosso senso de urgência, com a qualidade de nossas soluções, bem como nossa expertise em levar redes de telecom aos locais mais complexos e importantes do Brasil, assim como temos feito desde os nossos primeiros dias”.
A companhia segue se destacando pela sua qualidade e projetos cada vez mais personalizados e os R$500 milhões serão muito importantes para que a QMC fortaleça ainda mais a conexão de rede das operadoras brasileiras, por meio de investimento em infraestrutura focada em soluções wireless. As soluções da QMC incluem torres build-to-suit, DAS (Distributed Antenna System) e small cells. Além de diversos projetos especiais de infraestrutura neutra, que vem mais e mais ganhando destaque no cenário das telecomunicações.

Ricardo Zubieta, CFO da QMC Telecom, celebra o anúncio e diz: “Estamos muito felizes com esse relacionamento sólido com o Itaú BBA, além da constante parceria com o ING. Mantemos o compromisso da QMC em investir cada vez mais na América Latina, especialmente o Brasil, onde encontramos um mercado com enorme potencial e no qual já trabalhamos todas as nossas soluções, que já estão preparadas para o 5G”.

“Em um momento em que a conectividade se tornou imprescindível, especialmente nas relações de trabalho, essa operação é mais uma demonstração do nosso compromisso em prover as melhores soluções aos nossos clientes”, afirma Caio Viggiano, Managing Director de Renda Fixa Itaú BBA.

Mulheres em cibersegurança: María Pilar Torres Bruna, eleita uma das mulheres mais influentes da América Latina

Por seu trabalho como responsável pela área de cibersegurança na everis América Latina, María Pilar Torres Bruna foi eleita como uma das 50 mulheres mais influentes em cibersegurança na região, de acordo com a iniciativa “Top Women in Cybersecurity, Latin America 2021”.

O evento é organizado pela WOMCY, uma organização sem fins lucrativos formada por mulheres com foco no desenvolvimento da cibersegurança na América Latina, e pela WISECRA, Women in Security & Resilience Alliance. Ao premiar lideranças femininas na área de cibersegurança, a eleição tem como objetivo diminuir a desigualdade de gênero no setor, promovendo maior diversidade na indústria de tecnologia – além de destacar os melhores trabalhos das premiadas.

A pandemia de COVID-19 aumentou muito a necessidade de melhorar a cibersegurança, fruto do processo de digitalização que se tornou cada vez mais urgente. Como resultado, as organizações estão buscando ampliar o número de especialistas em cibersegurança no curto prazo, enquanto as desigualdades de gênero ainda prevalecem neste ambiente.

Por isso, a nomeação de María Pilar, da equipe everis América Latina, é celebrada pela consultoria por contar com uma das especialistas que mais evoluiu no setor, liderando o caminho para as futuras gerações de profissionais e iniciando importantes desenvolvimentos que beneficiam a cibernética como um todo.

O júri, composto por dez executivos da América Latina e dos Estados Unidos, escolheu as 50 candidatas mais destacadas pelo impacto social e profissional de suas contribuições para a melhoria da cibersegurança, entre as indicadas para o “Top Women in Cybersecurity, Latin America 2021”.

“Sinto-me muito honrada com este reconhecimento, não apenas por mim, mas por significar que a carreira em cibersegurança está ficando mais acessível para mais mulheres. A crescente entrada de profissionais neste setor contribui para reduzir a carência de talentos para esta prática e reduzir a desigualdade de gênero”, comemora María Pilar, diretora de Cibersegurança da everis Peru e responsável pela área em toda a América Latina.