Page

Author admin

A tributação do software no STF

Por Saul Tourinho Leal, assessor jurídico da ABES

O Supremo Tribunal Federal encerrou o histórico julgamento que reputou inconstitucional a incidência do ICMS sobre os serviços de software. O tributo devido é o ISS e a história que ilustra essa decisão precisa ser contada.

O Século XIX foi o século dos impérios. O XX, o das nações. Estamos no século das cidades. O advento da Indústria 4.0, somado à grande urbanização e à consolidação de um robusto setor de serviços fizeram com que o ISS deixasse de ser uma utopia e passasse a significar emancipação financeira dos municípios. É a realização da antevisão da Constituição de 1988, no art. 156, III, segundo o qual compete aos Municípios instituir impostos sobre “serviços de qualquer natureza, não compreendidos no art. 155, II, definidos em lei complementar”.

O setor de tecnologia é feito por uma lógica global: hardware e software. O primeiro, físico, tangível, corpóreo, que muda de titularidade, mercadoria propriamente dita. Já o software, esse constitui a formatação das ideias, a força dos dados impulsionada pela inventividade humana, a parcela fluida, intangível, incorpórea, que não muda de titularidade, mas propicia experiências que ganham novas utilidades, um serviço, de fato.

O constitucionalismo brasileiro entrega a competência tributária do hardware para os Estados, com o ICMS, e, do software, aos municípios, pelo ISS. Este, expressamente regido pela Lei Complementar n. 116/2003, que tem itens próprios (1.04 e 1.05) destinados aos programas de computadores, qualquer que seja a modalidade. Com o iminente leilão do 5G e a chegada da Internet das Coisas (IoT), tudo terá potencial de se transformar num hardware. Uma geladeira, um fogão, um carro, um relógio…, todos poderão integrar essa vasta economia digital. Não faltará base tributária ao ICMS.

Quando as águas sobem, todos os barcos se elevam. Por que constituir, em desafio à Constituição, um conceito artificial que arremessaraia esse setor tão dinâmico no terreno pantanoso da guerra fiscal do ICMS, com todas as suas disputas paroquiais profundamente hostis à inovação? Por isso, é justo compreender a decisão do STF como sendo uma das mais importantes já tomadas em matéria tributária nos últimos tempos.

A Suprema Corte, depois de quase duas décadas, concluiu o julgamento da ação direta de inconstitucionalidade n. 1945 (Rel. Min. Cármen Lúcia) e da ação direta de inconstitucionalidade n. 5659 (Rel. Min. Dias Toffoli).

Na ADI 1945, pediu-se a declaração de inconstitucionalidade da Lei nº 7.098/1998, em especial, do inciso VI do art. 2º, que faz incidir o ICMS sobre “as operações com programa de computador – software -, ainda que realizadas por transferência eletrônica de dados” e também do § 6º do art. 6º, que aponta como base de cálculo “qualquer outra parcela debitada ao destinatário, inclusive o suporte informático, independentemente de sua denominação.

Similarmente, a ADI 5659, ajuizada pela Confederação Nacional de Serviços, alegou a inconstitucionalidade do Decreto estadual n° 46.877/2015-MG, e interpretação conforme do art. 5° da Lei n° 6.763/75; do art. 1°, I e II, do Decreto nº 43.080/2002, ambos de Minas Gerais; bem como do art. 2° da LC 87/96, a fim de excluir das hipóteses de incidência do ICMS as operações com software .

Segundo a maioria de 7 votos a 4, o tributo devido é o ISS. Há, contudo, proposta de adoção da modulação de efeitos da decisão, para “(…) dotá-la de eficácia a partir da data da publicação da ata de julgamento”.

O fracasso ou sucesso das nações se define pela capacidade que têm de construir um ambiente que anime nas pessoas a certeza do Direito, Direito esse que não precisa ser imutável, mas há de ser, no mínimo, previsível. É para isso que ele existe.

Na contemporaneidade, a Constituição de 1988 exorta o compromisso indeclinável com a segurança jurídica em matéria tributária, a ponto de a Seção II, do Capítulo I (Do Sistema Tributário Nacional) do Título VI (Da Tributação e do Orçamento) se dedicar exclusivamente às “Limitações do Poder de Tributar”. Limitar esse poder é a forma que do Constituinte de dizer: o poder de tributar não significa nem envolve o poder de destruir, como anotou, nos EUA, o Justice Oliver Wendell Holmes, Jr, sempre citado pelo ministro Celso de Mello.

O inciso I do art. 150, por exemplo, veda à União, aos Estados, ao DF e aos Municípios “exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça”. E não é só.

As alíneas “a”, “b” e “c” do inciso III do art. 150 replicam tais vedações “a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência da lei que os houver instituído ou aumentado”; “no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou”; e “antes de decorridos noventa dias da data em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou, observado o disposto na alínea b”.

São comandos reputados, pelo STF, cláusulas pétreas implícitas, e cuja finalidade é afastar quaisquer incursões estatais sobre o patrimônio dos contribuintes quando guiadas pelo norte da surpresa. A sabedoria da previsibilidade é insumo vital no Direito Tributário.

O que os dados podem nos revelar sobre tendências no futuro?

Por Oscar Pettezzoni, diretor da Visa Consulting & Analytics

Começo este artigo com uma reflexão simples sobre o poder dos dados. Imagine que você esteja planejando uma viagem para a praia com a sua família no fim de semana. É bem possível que sua primeira providência seja entrar em um site especializado na previsão do tempo para ver se há chances de chover ou de o tempo estar nublado. Depois, consultar um app para saber se o trânsito está bom no dia da viagem. Não há dúvidas de que tudo isso influenciará a sua decisão de pegar ou não a estrada.

Hoje em dia, temos à disposição uma infinidade de informações que nos ajudam a decifrar cenários e dar mais clareza sobre o que pode vir adiante. Claro que não temos, com isso, o dom de prever o futuro, mas os dados misturados à capacidade humana de interpretá-los compõem um bem valioso na hora de entender mudanças de comportamento, avaliar riscos e visualizar tendências.

Quando transferimos essa lógica para as relações comerciais, o grande desafio – tanto do lado de quem compra quanto de quem vende – é tratá-los de forma ágil, personalizada e segura. Em interações digitais e físicas, trocamos informações o tempo todo em atendimentos, preenchendo formulários, no processo de compra. O resultado é a multiplicação dos dados e das interações em uma velocidade cada vez mais acelerada.

A questão é que essas amostras que temos em mãos envelhecem muito rápido também. Ou seja, no fim das contas trabalhamos com dados do passado. Na área de investimento, onde atuei por muito tempo, a gente costumava dizer que rentabilidade passada não significa garantia de retorno futuro. A mesma coisa vale para os dados: com acesso mais democrático a informações em tempo real, o comportamento do consumidor também se torna mais dinâmico, volúvel e sua tomada de decisão mais imediata.

Aí vem uma pergunta crucial: como acompanhar esse movimento frenético e resolver essa equação?

Como disse, é fundamental ser ágil, preciso e garantir a segurança da interação. Sem dúvida, dados e informações são importantes como base de apoio para modelar o futuro, dando maior previsibilidade em relação aos fatos. Mas eles sozinhos não fazem mágica! E é aí que entra em ação a inteligência artificial no esforço de identificar o momento certo em que o consumidor muda de vida, de interesses, de status financeiro. Quando ele, por exemplo, tem um filho e passa a ficar mais em casa, deixa de viajar, ir a bares e restaurantes. É como se a IA fosse capaz de detectar tendências de comportamento e apontar para o futuro. E podemos fazer bom proveito disso em nossos negócios no dia a dia.

Além disso, tem um fator indispensável: o ser humano. Nada substitui a interação humana. Por mais que a gente aplique modelagens automatizadas, as conversas com clientes, a experiência de mercado, a sensibilidade e intuição fazem a diferença. E ter acesso a esses dados pode nos ajudar nesse feeling diário.

Assim, conseguimos dar mais previsibilidade de cenário aos nossos clientes (Comercios, empreendedores, emissores, adquirentes) e apoiar na elaboração de suas estratégias. Conseguimos minimizar ao máximo uma tomada de decisão equivocada. Há um movimento interessante na indústria de pagamentos no sentido de tornar cada vez mais acessível um conjunto de dados e informações, sobretudo para pequenas e médias empresas. Ter acesso a essa riqueza de dados faz grande diferença.

Pensando nisso, vejo ao longo de 2021 alguns caminhos que parecem pavimentados e valem estar em nosso radar:

• Jornada de decisão de consumo mais digital. Mesmo sem efetivar a compra no e-commerce, você se informa, com1para e vê avaliações no ambiente on-line.

• Múltiplos pontos de contato. O consumidor está mais exigente e busca um atendimento consistente em todos os canais.

• Encurtar o processo de compra. Aqui entra a relevância dos dados para otimizar o checkout, mantendo agilidade e segurança na checagem das informações.

• Mensagem certa na hora certa. Com a análise dos dados, é possível fazer a oferta personalizada no momento que o consumidor mais precisa.

Com o acesso mais democrático a informações, os consumidores mudam suas decisões e escolhas cada vez mais rápido e as empresas devem se adaptar para acompanhar esse movimento. Nos projetos que desenvolvemos na Visa sem dizemos que nunca foi tão bom ser um consumidor e nunca foi tão difícil e complexo ser um comerciante. O cliente deseja tudo, em todo lugar e a qualquer hora. Num mundo saturado de dados, ler as entrelinhas da informação se tornou um desafio enorme.

Neogrid adota definitivamente o teletrabalho para toda sua equipe de 750 pessoas

A Neogrid, empresa do segmento de software para a gestão de cadeias de suprimentos, anuncia a adoção do teletrabalho. Os 750 colaboradores poderão escolher entre os modelos híbrido, que permite trabalhar de casa ou ir à empresa quando desejar, ou home office fixo, opção para quem reside em estados onde não há escritório da companhia.

“A flexibilidade se tornou peça-chave para alcançar o melhor de cada pessoa. Adotamos o trabalho remoto desde o início da pandemia e isso não interferiu em nada na excelência de nossas entregas. Pesquisas internas mostraram que 90% dos colaboradores preferem o home office. Por isso, resolvemos implementar o teletrabalho, deixando à disposição deles escritórios rotativos com ambientes colaborativos e mais espaços de convivência”, comenta Ariane Espindola, Head de Gente & Gestão na Neogrid.

O conceito de Employee Life Experience (EX), que coloca o colaborador como protagonista nas decisões do RH, é presente na Neogrid. A empresa promoverá iniciativas focadas em saúde, bem-estar, ergonomia e desenvolvimento do seu time, além de disponibilizar um auxílio para ajudar nos custos inerentes ao teletrabalho.

“O time é o nosso principal ativo. Não mediremos esforços para prover mais segurança e qualidade de vida para o nosso time e todos que os cercam. Temos certeza de que isso é um grande diferencial para nós na hora de manter e de contratar novos talentos, dentro e fora do Brasil”, complementa Espindola.

Atualmente, a Neogrid conta com mais de 30 vagas abertas nas mais diferentes áreas, que vão desde produtos a tecnologia.

Para mais informações, acesse a página de carreiras da Neogrid.

Ozires Silva é o primeiro brasileiro a receber uma das maiores condecorações aeronáuticas do mundo

O engenheiro Ozires Silva, um dos fundadores da Embraer, se tornou o primeiro brasileiro a receber a medalha Guggenheim, uma das mais significativas condecorações internacionais de engenharia aeronáutica do mundo. A revelação ocorreu ontem em um comunicado do Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica (AIAA, na sigla em inglês), responsável pela comenda. “Este distinto reconhecimento ao engenheiro Ozires Silva reflete suas excepcionais e inovadoras contribuições para a aviação. Sua paixão, coragem e liderança abriram caminho para que a Embraer se expandir de forma que poucos imaginavam, transformando a aviação regional e levando a nossa empresa a ser admirada globalmente. É uma honra e um grande privilégio para mim e para todos os meus colegas da Embraer sermos inspirados diariamente por sua visão pioneira e espírito inovador”, disse Francisco Gomes Neto, Presidente e CEO da Embraer. 

A medalha Daniel Guggenheim foi criada em 1929 como uma premiação internacional com o propósito de reconhecer pessoas que tiveram conquistas notáveis no campo aeronáutico. A nomeação é realizada por um conselho de especialistas do American Institute of Aeronautics and Astronautics (AIAA), American Society of Mechanical Engineers (ASME), SAE International e Vertical Flight Society, dos Estados Unidos.   

Na lista de personalidades reconhecidas anualmente estão pioneiros da aviação e profissionais que dedicaram suas vidas ao desenvolvimento aeronáutico ao longo da história. Entre alguns destaques da indústria estão William E. Boeing, Lawrence D. Bell, Leroy R. Grumman, Igor Sikorsky, Charles Lindbergh, James S. McDonnell, Marcel Dassault, entre outros. Ozires Silva nasceu em 8 de janeiro de 1931, em Bauru – SP.

Em 1948 entrou para a escola da Força Aérea Brasileira (FAB), no Rio de Janeiro, onde recebeu sua licença de piloto militar quatro anos depois. Mudou-se para São José dos Campos – SP para ingressar no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) em 1959, graduando-se em Engenharia Aeronáutica em 1962. Após a graduação, passou a liderar o Departamento de Aeronaves do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento. Em 1965 iniciou o projeto IPD-6504, que se tornaria depois o avião Bandeirante. Ozires Silva liderou a Embraer entre os anos de 1970 até 1986 e retornou em 1992, para presidir a companhia durante o processo de reestruturação até sua privatização em dezembro de 1994.

A logística da vacina: sensores controlam a temperatura das doses no caminho do laboratório até o paciente

Com campanhas de vacinação em andamento ou começando ao redor do mundo, a logística do transporte das doses se tornou um desafio para os governos, já que algumas vacinas requerem ultracongelamento (temperaturas abaixo de -70 ° C), outras congelamento (menos de -20 ° C) e outras necessitam de refrigeração.

“Como a vacina pode sofrer alterações ao ser exposta ao calor, é fundamental controlar sua temperatura constantemente, se assegurando de que ela mantenha sua integridade. Caso contrário, ela deve ser descartada”, analisa o gerente de suprimentos da Zebra Technologies para América Latina, Daniel Vargas.

Os impactos da cadeia de frio no processo de vacinação podem ser imensos. Cerca de três bilhões de pessoas ao redor do mundo não têm acesso aos recursos necessários da cadeia do frio para o suprimento da vacina, indica a empresa alemã DHL, especializada em logística[1]. Já a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima em 50% o volume de vacinas que chegam comprometidas ao seu destino, principalmente por falhas no controle de temperatura[2].

As vacinas autorizadas pela Anvisa a serem administradas no Brasil, até agora, precisam ser guardadas entre 2°C e 8°C — a temperatura de geladeiras comuns. Apesar dos desafios logísticos neste caso serem menores do que para as vacinas que demandam temperaturas mais baixas, o monitoramento da refrigeração das doses deve ser feito ao longo de toda a sua cadeia fria, desde sua saída do laboratório até o paciente.  

Sensores

Para evitar desperdício, os frascos de vacinas devem ser identificados individualmente com sensores de controle de temperatura, a fim de monitorar se cada uma das amostras foi corretamente manipulada ou se foi comprometida e deve ser descartada. Além disso, também é necessário monitorar os lotes como um todo, permitindo identificar se o carregamento manteve as condições necessárias para a eficácia da vacina.

Tecnologia já é utilizada há anos pelos setor

“Os identificadores que monitoram as cadeias de frio não são uma novidade causada pelas vacinas de COVID-19. A tecnologia tem sido utilizada pelo setor de saúde há muitos anos, para monitorar não apenas vacinas, mas também medicamentos e outros insumos hospitalares”, reflete Vargas. A empresa americana oferece essa tecnologia e está apoiando países como Estados Unidos, Canadá e México na vacinação contra a COVID-19.

Uma das tecnologias mais eficazes, conhecida como data loggers, é baseada em sensores eletrônicos que enviam informações de temperatura para uma plataforma de coleta e análise de dados. Caso a vacina não tenha sido mantida na temperatura adequada ou tenha sido violada, o identificador gera um alerta.

“Para maior segurança, é importante identificar vacinas com sensores bluetooth, que permitem o acesso às informações sem a necessidade de abrir os recipientes. Da mesma forma, para maior eficiência, a plataforma de gerenciamento de dados deve ser capaz de fornecer informações em tempo real e na nuvem, sem que o usuário tenha que baixar relatórios em Excel ou PDF. Por fim, a aplicação de dados poder ser customizada de acordo com a necessidade do produto transportado”, comenta Vargas.

EMS apoia programa de intercâmbio internacional focado em pesquisa científica

Até o final deste mês, todos os 12 alunos de graduação em Medicina, participantes do FMUSP – Harvard Research Program 2020, estarão de volta ao Brasil após um ano de intercâmbio em pesquisa científica. A EMS, maior laboratório farmacêutico no Brasil, é um dos apoiadores financeiros da iniciativa, criada em 2006 por meio de uma parceria entre a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e a Harvard University, duas instituições de ensino de excelência e reconhecidas mundialmente. Ao promover a troca de experiências dos estudantes no campo científico e profissional, o FMUSP – Harvard Research Program influencia diretamente na formação médica dos profissionais brasileiros, transformando-os em verdadeiros multiplicadores da metodologia científica e da educação de qualidade na saúde – uma área dotada de inesgotável potencial de mudança para melhoria das condições de vida da população brasileira.

Os alunos, rigorosamente selecionados pela FMUSP, fazem um ano de estágio em laboratórios de pesquisa científica da Harvard University (Harvard Medical School) e, cientes do compromisso e da responsabilidade social, ao retornarem, participam de elaboração de artigos publicados em revistas médicas renomadas. Dentre as diversas áreas contempladas pelo programa estão Cardiologia, Neurologia, Radiologia Pediátrica, Cirurgia e Anestesiologia.

Em 2020, o processo seletivo escolheu 14 alunos para o intercâmbio, sendo que dois adiaram o programa para 2021 devido à pandemia.

O que impulsiona as compras no TikTok

Por Ruth Temianka, da VidMob

Os TikTokers no Reino Unido estão menos envolvidos com as marcas do que em outros aplicativos sociais, especialmente quando se trata de clicar em anúncios para comprar coisas. Nossas descobertas mostram que 92% dos usuários do TikTok no Reino Unido nunca clicaram em um anúncio para fazer uma compra.

Esse é especialmente o caso entre a Geração Z e mulheres da geração Y, das quais apenas 4% se envolveram com mídia paga no aplicativo até agora. Os homens, por outro lado, especialmente aqueles com 25 anos ou mais, apontam para uma tendência mais promissora para os comerciantes do Reino Unido. Os usuários do sexo masculino são mais propensos a fazer compras no aplicativo depois de clicar em anúncios, comprar coisas depois de ver um anúncio e também se envolver com marcas em geral no TikTok.

Embora os anúncios do TikTok no Reino Unido ainda estejam começando, o forte desempenho em mercados mais estabelecidos, junto com padrões semelhantes de uso no Reino Unido e nos EUA, sugere que o aplicativo provará ser um terreno fértil para o comércio social em ambos os lados do Atlântico no ano que vem.

Vídeos geram engajamento e conversões de marca

Na verdade, o aplicativo já gerou US﹩ 456,7 milhões para marcas em todo o mundo, US﹩ 86,5 milhões dos quais foram nos EUA em abril de 2020 – tornando-se o segundo maior mercado do aplicativo. Um em cada três usuários no Reino Unido afirma que provavelmente faria uma compra depois de ver um vídeo sobre o produto ou serviço. Além do formato do anúncio, algo está motivando os 800 milhões de usuários ativos globais da TikTok a fazer uma compra?

Este “algo” é o que você coloca em seus vídeos. Metade dos entrevistados no Reino Unido afirmam que o conteúdo que uma marca publica influencia a probabilidade de comprar seus produtos ou serviços.

Para os profissionais de marketing, isso deve ser uma notícia empolgante. Como mostraram redes como o YouTube – onde 70% das pessoas dizem que compram coisas ao ver um vídeo – as visualizações podem ser um grande negócio.

Como o algoritmo da TikTok calcula classificações de vídeo e alcance subsequente, com base no envolvimento geral e não apenas nas visualizações, apenas o conteúdo mais envolvente pode atingir o público mais amplo e gerar conversões para as marcas. Isso começa com a criação de TikToks que incentivam os espectadores a ficarem de olho nas postagens, salvá-las ou compartilhá-las, sejam eles fãs da marca ou não.

Enquanto isso, como mostra nossa análise nos EUA, focar no engajamento dos TikTokers em primeiro lugar, independentemente do objetivo da campanha de marketing, significa aprimorar ativos criativos que apelam para o demográfico central do aplicativo.

As preferências do público geram consideração criativa

Não é surpresa que, dado o público principal do aplicativo, descobrimos que os resultados criativos e o engajamento são amplamente baseados no que os usuários mais jovens gostam de assistir.

Por exemplo, uma narração de áudio mais rápida no criativo de vídeo, com quatro ou mais palavras por segundo, leva a melhores conversões para mídia paga. Enquanto isso, dada a popularidade dos vídeos de música no aplicativo, altamente avaliados por um terço de todos os usuários do TikTok pesquisados ​​- e por quase metade das mulheres da geração Y – os espectadores respondem bem à música na mídia paga também.

A velocidade da locução é importante. Peças com narração mais rápida, com mais de quatro palavras por segundo, gera mais de 40% de conversões em comparação com faixas de áudio mais lentas com apenas duas ou três palavras por segundo .

Na verdade, nossa análise mostra vídeos com trilhas de áudio, ou onde os vocais foram aprimorados com efeitos de áudio, geram quase o dobro da taxa de cliques em comparação com aqueles que apresentam apenas os vocais.

Por fim, apresentar uma variedade de emoções humanas no criativo do vídeo leva a melhores conversões para as marcas do que os vídeos mais passivos. Na mesma linha, quebrar um olhar direto em um vídeo quase duplica a consideração da marca do espectador, implicando que um sentimento criativo mais natural é mais eficaz em gerar engajamento do que um monólogo direto para a câmera.

Mostrar uma gama de pelo menos quatro emoções humanas diferentes em um vídeo resultou em três vezes mais conversões para marcas do que vídeos com três ou menos emoções.

Seja a sua melhor marca

Para marcas, também vale a pena notar uma nuance extra para TikToks. Fora do gênero, ou dos efeitos criativos, nossos resultados mostram que compartilhar o propósito da sua marca e o alinhamento com causas, como ativismo social ou questões ambientais, pode mudar positivamente o controle dos consumidores em vídeo.

Dois terços dos usuários no Reino Unido dizem que o propósito de uma marca e a conexão com causas sociais ou sem fins lucrativos influenciam suas decisões de compra.

Descobrimos que isso é verdadeiro para a maioria dos usuários pesquisados, mas especialmente para os usuários mais jovens do TikTok. As mulheres da Geração Z, em particular, são atraídas por marcas que se alinham com causas sociais ou parecem mais voltadas para a missão. Quase 80% dos entrevistados neste grupo são mais propensos a considerar a compra de produtos ou serviços de uma marca como resultado.

Embora a missão de uma marca possa assumir muitas formas, essa é uma oportunidade criativa por si só, independentemente do KPI de marketing. No Reino Unido, por exemplo, a varejista de moda Asos reconheceu a importância de permanecer fiel às suas raízes “sem julgamento” na campanha de conscientização imersiva deste verão no TikTok, que pediu aos fãs que mostrassem suas próprias combinações de roupas inspiradoras, em vez de deixar a marca ditar a moda.

Nos Estados Unidos, a NBA usou conteúdo local para cultivar uma grande base de fãs no TikTok, apresentando uma mistura de clipes de esportes e conteúdo de vídeo inspirador dos jogadores, uma estratégia inspirada por seu público mais jovem no TikTok, e que difere da presença da marca em outras redes sociais.

Principais vantagens para marcas

Então, o que tudo isso significa para as marcas que buscam impulsionar as compras (ou outras metas de marketing) no TikTok?

Primeiro, embora os usuários britânicos atualmente tendam a se envolver com marcas de forma diferente no aplicativo em comparação com outros aplicativos mais estabelecidos, a oportunidade de desenvolver relacionamentos valiosos com eles por meio de mídia paga no TikTok é enorme.

Em seguida, conteúdo envolvente e autêntico e vídeos sobre tópicos da vida real, como política, raça e questões de gênero, funcionam melhor quando se trata de envolver o mais amplo grupo de usuários do TikTok. Também influencia seu comportamento de compra. Mais do que apenas o assunto, porém, permanecer fiel ao propósito da sua marca não é importante apenas para os usuários, mas também aumenta a probabilidade de assistir ou postar conteúdo novamente e comprar coisas.

Por fim, apresentar a combinação certa de música, voz e emoções humanas em seu criativo (nos Estados Unidos, no Reino Unido e em outros lugares) pode ajudar a apoiar uma série de objetivos de marketing, desde o reconhecimento da marca e consideração até a conversão.

No entanto, como acontece com todos os conselhos analíticos, é importante notar que o público da sua marca e sua reação ao que você faz no TikTok, tanto quanto em qualquer outra rede e plataforma, são provavelmente únicos.

Com isso em mente, trate isso como uma oportunidade criativa para testar uma variedade de ideias e use as lições aprendidas em um nível criativo para implementar suas campanhas de marketing mais impactantes até agora no TikTok e além.

Preço do diesel avança em todas as Regiões do Brasil e ultrapassa R$ 4,00, aponta Ticket Log

Combustível nas duas primeiras semanas de fevereiro aumentou 2,09% em relação ao fechamento de janeiro e o valor médio do litro é de R$ 4,012

O mais recente levantamento do Índice de Preços Ticket Log (IPTL) registrou aumento de 2,09% no preço do diesel, o que levou o litro médio do combustível a R$ 4,012 nas primeiras duas semanas de fevereiro. Em janeiro, o combustível já havia registrado a terceira alta consecutiva na comparação mês a mês. O novo aumento fez o valor do litro ficar acima de R$ 4,00, superando todos os meses de 2020.

Já o diesel S-10, que também ficou acima dos valores registrados no passado, avançou 2,02% em relação ao fechamento de janeiro, e foi comercializado a R$ 4,068 no País.

“No final de janeiro, falávamos que o combustível se aproximava dos R$ 4,00 – agora, é uma realidade. Essa média é influenciada, especialmente, pelos valores registrados nas Regiões Norte e Centro-Oeste. No Nordeste e no Sudeste, o mesmo deve ocorrer em breve se os preços continuarem aumentado”, destaca Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil.

Em todos os estados e regiões, houve aumento. A Região Norte, por exemplo, lidera mais uma vez com as maiores médias, tanto para o tipo comum quanto para o S-10, comercializados a R$ 4,226 e R$ 4,283, respectivamente. Quando esses preços são comparados com os valores da Região Sul, a diferença segue de 13%.

Embora os dois tipos de combustíveis sejam mais baratos no Sul, comercializados a R$ 3,683 e R$ 3,741, respectivamente, os maiores aumentos de preço aconteceram na região. O diesel avançou 2,65%, e o diesel S-10, 2,55%.

No recorte entre os estados, o Paraná registrou os menores valores do País, de R$ 3,634 para o diesel, e R$ 3,677 para o diesel S-10. No Acre, estão os combustíveis mais caros: o litro médio do tipo comum foi de R$ 4,821, e do S-10, R$ 4,770.

Em 13 estados e no Distrito Federal, o preço médio do diesel registrado foi acima de R$ 4,00. O mesmo aconteceu em 14 unidades federativas e na capital federal para o diesel S-10.

As maiores altas entre os estados foram registradas no Ceará. O preço do diesel avançou 3,08% nos postos cearenses e o combustível foi comercializado a R$ 4,014. Já o diesel S-10 teve aumento de 2,83%, e o valor médio do litro foi de R$ 4,064.

O IPTL é um índice de preços de combustíveis levantado com base nos abastecimentos realizados nos 18 mil postos credenciados da Ticket Log, que tem grande confiabilidade, por causa da quantidade de veículos administrados pela marca: 1 milhão ao todo, com uma média de oito transações por segundo. A Ticket Log, marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil, conta com mais de 25 anos de experiência e se adapta às necessidades dos clientes, oferecendo soluções modernas e inovadoras, a fim de simplificar os processos diários.

StartSe reestrutura seu negócio e se apresenta como plataforma de conhecimento em negócios para nova economia

A StartSe vive e acompanha de perto as constantes e rápidas evoluções do mercado e, justamente por isso, decidiu inovar e se relançar como uma Plataforma de Conhecimento em negócios da nova economia. Neste novo formato, a empresa reunirá em um ambiente virtual único todos os seus artigos, lives, podcasts, aulas e eventos virtuais — um ecossistema multiplataforma baseado em inteligência artificial, que será gratuito e atualizado diariamente com conteúdo analítico e inspirador, em diversos formatos e estilos.

A empresa tem como objetivo fornecer o aprendizado do agora, de forma rápida e personalizada, a líderes e corporações que desejam se manter competitivos em um cenário que exige atualizações constantes. Para a sua data de estreia, a plataforma StartSe promove o StartSe Summit 2021, evento online e gratuito que ocorre nos dias 23, 24 e 25 de fevereiro. A iniciativa promete atrair mais de 50 mil executivos, com palestras de alto nível sobre gestão, negócios e tecnologia.

“Sempre tivemos presença no mundo digital, mas até o início do ano passado, as experiências offline tinham um peso grande em nosso negócio. Durante a pandemia percebemos nossa relevância na produção de conteúdo sobre negócios. Essa experiência, definitivamente, acelerou a migração para essa nossa nova fase, a partir da qual queremos promover conhecimento rápido e de impacto sob diversas formas”, afirma Junior Borneli, fundador CEO da StartSe.

Em 2020, o forte investimento da StartSe no universo digital foi responsável pela atração de um público gigantesco. A companhia lançou o Re.StartSe, um programa online e gratuito de capacitação em negócios e, poucos meses depois, criou o StartSe Prime, uma plataforma de streaming de educação. Juntos, os programas atraíram mais de 250 mil pessoas. Em outubro, a empresa promoveu ainda o Silicon Valley Web Conference (SVWC), seu maior evento 100% online, acompanhado por mais de 300 mil pessoas ao longo de todo o mês.

“Hoje o nosso negócio é, sobretudo, digital e guiado pela tecnologia. Queremos ser a empresa que vai conduzir líderes em suas respectivas transformações. Com o apoio da tecnologia de nossa plataforma, conseguiremos acompanhar de perto a jornada de cada usuário por conhecimento e indicar a ele os melhores conteúdos de acordo com sua necessidade”, afirma Borneli. Para a construção da plataforma, a empresa investiu cerca de R$ 2 milhões.

Com a reestruturação e o novo posicionamento da StartSe, todos os programas executivos produzidos pela companhia serão criados exclusivamente sob o guarda-chuva da StartSe University, sua escola de negócios internacional com sede no Vale do Silício e apoio de outros quatro hubs, hoje instalados em São Paulo e, ainda, na China, Israel e Portugal.

A instituição que já capacitou mais de 100 mil pessoas, será o ponto de partida para o desenvolvimento de todas as metodologias, ferramentas e soluções próprias da empresa, uma vez que suas unidades e a rede de relacionamentos de seus professores colocam a StartSe diretamente onde a inovação acontece primeiro, permitindo uma conexão direta com os principais polos de inovação deste segmento no mundo.

StartSe Summit 2021

StartSe Summit 2021 vai reunir diversos nomes que estão transformando o mundo dos negócios, com o objetivo de inspirar os participantes com o que há de mais atual sobre gestão, negócios e tecnologia. Ao decorrer dos três dias de evento, os executivos irão conhecer novas ideias e ferramentas para que possam construir um ponto de partida para o seu negócio em um cenário de pós-pandemia.

A programação vai contar com palestrantes de diferentes áreas e com vasta experiência no mercado. Além dos profissionais da StartSe, já confirmaram presença: Agenor Leão, vice-presidente responsável pela evolução e inovação dos modelos comerciais das marcas Natura & Co na América Latina; Mariana Holanda, que está há 10 anos na AMBEV e lidera a área de diversidade e inclusão da América do Sul; Guilherme Kolberg, sócio e head de Customer Experience e Marketing Research do Grupo XP; Matheus Carneiro, responsável pelo RH Global do BTG Pactual; Stella Brant , CMO da Liv Up , entre outros nomes de peso.

As inscrições podem ser realizadas pelo site: https://bit.ly/startse-summit-2021

B2W Digital está com mais de 400 vagas de emprego

A B2W Digital – dona das marcas Americanas, Submarino, Shoptime e Sou Barato – está com mais de 400 vagas abertas. As oportunidades são para cargos variados em áreas como Tecnologia, Comercial, Marketing, Gente & Gestão, Logística, Financeiro, Contábil e Fiscal entre outras. A companhia busca pessoas apaixonadas por inovação e tecnologia, movidas por resultados e que tenham perfis diversos, para contribuírem com diferentes visões de mundo. Todas as vagas estão abertas para pessoas com deficiência (PcD).

Os contratados poderão trabalhar de forma presencial ou remota, dependendo da área. As vagas de logística, para atuação na LETS – plataforma de gestão compartilhada dos ativos de logística e distribuição da Americanas e da B2W – por exemplo, são presenciais, com oportunidades para as cidades de Osasco (SP), Itapevi (SP), Barueri (SP), Ribeirão Preto (SP), Seropédica (RJ), Queimados (RJ), Uberlândia (MG), Betim (MG), Gravataí (RS), Curitiba (PR) e São José dos Pinhais (PR).

Os pré-requisitos variam de acordo com cada oportunidade. Durante o processo seletivo, os candidatos farão entrevistas com a área de Gente & Gestão e líderes da companhia. Após a contratação, receberão salário e benefícios compatíveis com o mercado, além de descontos em universidades, escolas de idiomas, academias e em compras nos sites das marcas da B2W e lojas físicas Americanas.

Oportunidades para PcD

A B2W busca ter um time cada vez mais diverso, que gere ainda mais inovação. “Uma das nossas iniciativas de diversidade é o Programa Somar, que tem como objetivo contribuir para a igualdade de oportunidades no mercado de trabalho e promover a inclusão de pessoas com deficiência”, conta José Mauro Barros, diretor de Gente da B2W Digital. “Todas as nossas vagas são abertas para PcD e nos preocupamos não só em inseri-las no mercado de trabalho, mas também em garantir que se sintam incluídas no dia a dia”, afirma.

Desde o seu lançamento, em 2014, o programa já promoveu mais de 6 mil horas de treinamentos e workshops em libras, além de diversas campanhas e palestras para sensibilização dos funcionários. A companhia também adotou o uso de intérpretes de Libras para promover a acessibilidade nas reuniões corporativas.

Os interessados podem conferir as vagas abertas e se candidatar na página de carreiras da companhia ou na página da B2W no Linkedin . Já as vagas de logística, especificamente, podem ser acessadas neste link .

Yaman abre 110 vagas para profissionais de tecnologia atuarem em projetos dedicados à experiência digital

Yaman, consultoria ágil em engenharia e qualidade de software e segurança cibernética, anuncia a abertura de 110 vagas para trabalho remoto. Com salários competitivos, os contratados vão atuar de acordo com o conceito Work from Anywhere, tendência que vem revolucionando o mercado de trabalho ao permitir que os colaboradores de uma organização exerçam suas atividades de qualquer lugar.

Comum a todos os cargos, os benefícios são Vale Alimentação e Refeição, Participação nos Lucros e Resultados (PLR), Assistência Odontológica, Assistência Médica (estendida a familiares, sem limite de quantidade de pessoas), Seguro de Vida e Auxílio Creche. Além disso, a Yaman possui também um avançado sistema de Carreira de Aprendizado, que consiste em programas recorrentes de treinamento e capacitação.

Confira a lista com as 110 vagas disponíveis:

– 50 vagas para a carreira de Engenharia em Qualidade de Software para profissionais que tenham conhecimentos em testes funcionais, automação de testes e testes de acessibilidade.

– 20 vagas para a carreira de Engenharia em Performance de Software. Os profissionais devem ter conhecimento ou estarem dispostos a aprender sobre testes de performance e otimização de sistemas.

– 10 vagas para profissionais de Segurança Cibernética, que tenham conhecimento em segurança de aplicação, pentesting, identificação e gestão de vulnerabilidades, governança e threat hunting.

– 30 vagas para Desenvolvedores (front-end, back-end e full-stack), que desenvolvam para mobile e web, e arquitetos de software com conhecimentos em Java, .NET, Python, Angular, Nodejs, React. Assim como profissionais com especialidade em cloud, blockchain, Inteligência Artificial e machine learning.

Entrega com qualidade

Fundada em 2011, a Yaman conta atualmente com mais de 350 especialistas com ampla experiência e certificações. A empresa, que tem como propósito entregar experiências diferenciadas aos seus clientes, adota um modelo de entrega contínuo com processos de garantia de qualidade, performance e segurança do começo ao fim do processo de desenvolvimento.

“Um diferencial da Yaman é a entrega com qualidade, agilidade e eficiência, além dos frameworks proprietários para cada tipo de desafio, que também nos possibilitam atingir excelência nas entregas. Buscamos por profissionais que sejam como nós: apaixonados por tecnologia e que amem aprender constantemente. Pessoas, que assim como nós, se preocupam em entregar as melhores experiências digitais para o mundo todos os dias. Para nós, o que importa é que o Yamano esteja trabalhando de um lugar que o faça feliz, seja do nosso escritório, seja em outro local”, explica o CEO da Yaman, Andrey Coelho.

Entre os clientes da Yaman estão marcas reconhecidas como Bradesco, Itaú, B3, Rede, Cielo, Santander, Porto Seguro, Sulamérica, Alelo, Livelo, Elo, Gerdau, Votorantim Cimentos, Banco Votorantim, entre outras empresas líderes nos seus segmentos.

Os interessados podem acessar outras informações sobre as vagas no https://yaman.com.br/vagas .

KPMG compartilha prioridades para os Conselhos de Administração em 2021

Covid-19, recessão econômica, eventos climáticos extremos, inquietações e movimentos sociais e um cenário de crescente incerteza criam um horizonte intimidador e de alto risco para os negócios em 2021. A volatilidade global aumentará o desafio, impulsionada por tensões comerciais e geopolíticas, bem como fontes de financiamento e administração das dívidas, disrupção tecnológica e dos modelos de negócios, ascensão do risco cibernético e escrutínio regulatório. A pressão será significativa sobre o conselho de administração, a gestão, os funcionários e a governança em geral. Essas são algumas das conclusões mais relevantes da publicação “Conselho de Administração: Prioridades para a agenda de 2021”, conduzida pela KPMG.

O conteúdo revelou ainda que, assim como os negócios, os conselhos de administração continuarão a atuar em um cenário de grande incerteza, recuperação econômica desigual e grande expectativa de todos os stakeholders, entre investidores, funcionários, clientes, fornecedores e as comunidades.

“De fato, 2020-2021 tende a ser um ponto de inflexão para a governança corporativa, com demandas por maior atenção ao propósito corporativo e aos interesses dos stakeholders, de forma equilibrada com as dos acionistas; cultura corporativa e a política de remuneração; diversidade e inclusão; a importância dos diálogos e debates dentro dos conselhos e a capacidade das empresas e do próprio conselho de administração de estarem preparados para riscos e oportunidades emergentes”, afirma Sidney Ito, CEO do ACI Institute e do Board Leadership Center do Brasil e sócio de Consultoria em Riscos e Governança Corporativa da KPMG no Brasil.

Com base em diversos debates, discussões e interações com membros de conselhos de administração e líderes executivos, a publicação da KPMG destacou nove temas prioritários para a agenda do Conselho de Administração em 2021. “Esses temas devem ganhar ainda mais força nas discussões e votações nas assembleias gerais de acionistas desse ano, bem como nas manifestações dos demais stakeholders, principalmente por meio das mídias e redes sócias e pelas próprias manifestações dos funcionários, clientes e fornecedores das empresas”, afirma Fernanda Allegretti, sócia-diretora do ACI Institute e do Board Leadership Center do Brasil e de Markets da KPMG no Brasil.

Os seguintes assuntos foram relacionados:

– Manter o foco na resposta da administração à Covid-19, sem perder de vista o cenário geral dos negócios: a pandemia continuará a redefinir os modelos de negócios para praticamente todas as empresas e seus conselhos, independentemente de indústria, tamanho ou localidade. Navegar pelo desconhecido exigirá um foco maior nas pessoas, na liquidez financeira, nos riscos operacionais e nas contingências, ao mesmo tempo em que se deverá manter a visão do quadro geral de estratégia, risco e resiliência.

– Fazer da gestão do capital humano e da sucessão do CEO prioridades: os conselhos precisarão discutir com a gestão a respeito da forma de divulgações sobre recursos de capital humano, incluindo os processos existentes para desenvolver quaisquer métricas relacionadas e garantir que as informações demonstrem o compromisso da empresa com essas questões críticas.

– Questionar se a empresa está fazendo o suficiente para promover mudanças reais e duradouras no combate ao preconceito sistêmico (bias) e ao racismo: ouvir as críticas e reconhecer as injustiças sociais e preconceitos raciais é imperativo, e demonstrar empatia e apoio é fundamental.

– Reavaliar o foco da empresa em ESG e seu propósito corporativo: desafios contínuos relacionados à remuneração dos executivos, desigualdade de renda, questões ambientais e climáticas, saúde, segurança e inclusão impulsionam o papel social das empresas.

– Reavaliar se os planos de resposta e resiliência a crises estão alinhados à estrutura de gerenciamento de riscos (ERM) da empresa: a pandemia serviu para demonstrar a necessidade de se ter uma estrutura robusta de gerenciamento de riscos corporativos, alinhado com um plano de gerenciamento de crises.

– Abordar a segurança cibernética e a privacidade de dados de forma holística, com governança da informação: diante da sofisticação crescente dos ataques cibernéticos, o trabalho remoto e a maior experiência online, a segurança cibernética continuará sendo um tema relevante, junto com o desafio da governança de dados, abrangendo compliance com leis e regulamentos da indústria onde a empresa atua.

– Atuar na definição do tone-at-the-top e monitorar a cultura corporativa: entender a cultura real da empresa, como as coisas acontecem e não somente as regras formalizadas ou divulgadas, é importante – e inclui a utilização de todos os recursos disponíveis para monitorar a cultura corporativa e vê-la em ação.

– Construa um Conselho que represente a estratégia da empresa e suas futuras necessidades: lidar com ameaças competitivas, disrupção no modelo de negócios, tecnologia e inovação digital, risco cibernético, as questões do ESG e a volatilidade global requer uma abordagem proativa na composição e na diversidade do conselho, integrando conhecimento, experiência, gênero e raça/etnia.

– Ser proativo no engajamento com acionistas e ativistas: engajar acionistas continua sendo prioritário para as empresas. Investidores institucionais exigem cada vez mais prestação de contas e transparência por parte dos conselhos e vêm se conectando com os membros independentes. Também esperam poder se envolver mais com as empresas, especialmente quando há preocupações sobre as práticas de governança, ou quando um maior entendimento sobre um assunto é necessário para embasar melhor uma decisão de voto.

SoftBank promove iniciativa para formar talentos com mais equidade em ciência de dados

O SoftBank Group Corp. International (SoftBank) anunciou hoje seu apoio ao programa Data Science for All / Empowerment (DS4A / Empowerment), em português “Ciência de Dados para Todos / Empoderamento”, uma nova iniciativa destinada a aprimorar e preparar trabalhadores provenientes de comunidades carentes para carreiras em Ciência de Dados. Desenvolvido pela Correlation One, o DS4A / Empowerment visa treinar pelo menos 10.000 pessoas de comunidades sub-representadas – priorizando negros, latinos, LGBTQ+, e veteranos militares dos EUA – durante os próximos três anos, proporcionando novos caminhos para oportunidades econômicas nas indústrias que crescem mais rapidamente no mundo.

“Precisamos de talentos com profundo entendimento em ciência de dados para construir as empresas do futuro”, disse Marcelo Claure, CEO do SoftBank Group International. “Estamos orgulhosos de apoiar este programa, continuar aprimorando os talentos das empresas do nosso portfólio e treinar mais de 10.000 pessoas de comunidades sub-representadas com habilidades técnicas fundamentais”.

A Academia de inteligência artificial (IA) do SoftBank apoia programas que complementam o treinamento teórico de cursos tradicionais com aulas práticas, incluindo IA e habilidades de dados que podem ser imediatamente aplicadas às necessidades comerciais do dia a dia.

O DS4A / Empowerment proporcionará treinamento aos funcionários das empresas investidas do SoftBank Group International, incluindo o Opportunity Fund e o Latin America Fund, bem como a candidatos externos dos EUA e da América Latina. O programa foi projetado especificamente para abordar as lacunas de talento e equidade em um campo que historicamente tem sido inacessível para muitos trabalhadores, levando a uma significativa sub representação de mulheres e indivíduos que não sejam brancos. Os participantes do programa trabalham em estudos de casos reais que devem ter um impacto mensurável no desempenho operacional das empresas envolvidas.

O IDB Lab se unirá ao SoftBank nesta iniciativa, fornecendo mais de 10 bolsas de estudo integrais para candidatos sub-representados na América Latina, enquanto o Beacon Council fornecerá 4 bolsas de estudo completas para candidatos sub-representados baseados em Miami.

“As inequidades existentes no cenário da educação e do mercado de trabalho têm, por muito tempo, dificultado as oportunidades nos campos de maior crescimento econômico”, disse Rasheed Sabar, CEO e Co-Fundador da Correlation One. “Trata-se de construir novos caminhos para o emprego – e, consequentemente, para a mobilidade econômica – ao mesmo tempo em que permite que os líderes empresariais tratem das lacunas de talentos”.

Os participantes do programa receberão 13 semanas de treinamento em análise de dados (mais o treinamento opcional Python) enquanto trabalham em estudos de casos e projetos, incluindo alguns apresentados por empresas do portfólio do SoftBank. A iniciativa também conectará os participantes com mentores que oferecerão desenvolvimento profissional e coaching de carreira. Ao final do programa, os participantes externos estarão em contato com oportunidades de emprego no SoftBank e em empresas líderes nos setores de negócios, serviços financeiros, tecnologia, saúde, consultoria e consumo.

“A pandemia do COVID-19 acelerou a demanda por talentos em ciência dos dados e exacerbou as lacunas que mantiveram tantas pessoas sem acesso a oportunidades”, disse Sham Mustafa, CEO e Co-Fundador da Correlation One. “Somos gratos por trabalhar com organizações inovadoras como o SoftBank, que vêm desempenhando um papel mais direto em ajudar a força de trabalho a se preparar para os empregos do futuro”.

Detalhes sobre o Programa e Inscrições

O DS4A / Empowerment é um programa online conduzido em inglês durante um período de 13 semanas. As aulas serão realizadas aos sábados, das 12:00 às 22:00, a partir de 17 de abril de 2021.

As inscrições para o programa terminam em 7 de março de 2021. Podem se inscrever funcionários de empresas do portifólio do SoftBank na região, bem como engenheiros de software, gerentes técnicos de produto, técnicos de marketing e qualquer pessoa com formação em cursos ligados a Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática que esteja interessada em aprender análise de dados. Para se inscrever e obter mais informações sobre o programa, os candidatos interessados podem visitar o site oficial do DS4A Empowerment: https://www.correlation-one.com/ds4a-empowerment

IDC MarketScape posiciona VMware como líder de End-User Computing

 A VMware, Inc. (NYSE: VMW), líder inovadora em software corporativo, foi posicionada como líder em três avaliações recentes do IDC MarketScape relacionadas a End-User Computing (EUC):

  • IDC MarketScape: Avaliação global de fornecedores de software de Gerenciamento Unificado de Endpoint 2021 (doc #US46957820, Janeiro de 2021)
  • IDC MarketScape: Avaliação global de fornecedores de software de Gerenciamento Unificado de Endpoint para dispositivos Apple 2021 (doc #US46965620, Janeiro de 2021)
  • IDC MarketScape: Avaliação global de fornecedores de software de Gerenciamento Unificado de Endpoint para Implantações Robustas/Internet das Coisas 2021 (doc #US46957920, Janeiro de 2021)

A solução avaliada, VMware Workspace ONE, permite que os clientes gerenciem e protejam melhor todos os seus endpoints – incluindo desktops executados em qualquer sistema operacional (Windows 10, macOS e Chrome OS) e qualquer aplicação, em diversos casos de uso. Tudo a partir de uma plataforma integrada de espaço de trabalho digital.

O relatório de avaliação de fornecedores de UEM afirma: “Como uma plataforma UEM, o Workspace ONE cobre uma ampla variedade de dispositivos – desde as principais plataformas de usuário final até terminais mais robustos, especializados e de IoT. A VMware também fez um esforço para expandir sua base instalada de dispositivos móveis e alcançar mais dispositivos Windows e Mac, com foco específico em ajudar os dispositivos legados Windows 10 a migrarem para um estado moderno ou de co-gerenciamento”.

Ainda sobre seus recursos de segurança zero-trust, o relatório continua: “Em 2020, o Workspace ONE ampliou seu escopo de segurança. Com a tecnologia Carbon Black, a VMware integrou alertas de detecção de anomalias na plataforma, onde os comportamentos do usuário que se desviam das medições normais podem ser sinalizados (por meio da tecnologia Carbon Black AI) para uma inspeção mais profunda por equipes de TI ou de segurança. A funcionalidade de segurança também foi estendida para oferecer suporte a mais casos de uso doméstico/remoto com o Workspace ONE Tunnel, que transforma os recursos de detecção de anomalias em uma função de autenticação/verificação contínua, colocando em quarentena ou bloqueando usuários com base em irregularidades detectadas ou condições do dispositivo do usuário final que não foram consideradas seguras o suficiente.”

Por fim, em relação ao suporte do Workspace ONE para macOS e implementações robustas/IoT, o IDC MarketScape afirma: “A VMware expandiu seus recursos em torno do suporte de gerenciamento para macOS, com amplo suporte para recursos de gerenciamento do Mac baseado em agente, funções de script avançadas, patches de sistemas operacionais, aplicações de terceiros e inventário de dispositivos e softwares de Macs. A VMware continua oferecendo um forte suporte a casos de uso para a linha de frente, IoT e dispositivos robustos com o Workspace ONE, incluindo dispositivos Apple.”

Shankar Iyer, vice-presidente sênior e gerente geral de End-User Computing da VMware, comenta: “estamos orgulhosos do que construímos em nossa plataforma Workspace ONE. À medida que os funcionários passaram a trabalhar exclusivamente fora de uma rede corporativa no ano passado, nossos clientes dependiam da plataforma para melhor gerenciar, proteger e oferecer suporte remoto a uma variedade de dispositivos em diversos sistemas operacionais. O Workspace ONE está posicionado de forma única para ajudar o time de TI a apoiar uma força de trabalho totalmente distribuída, como foi reconhecido pelos principais analistas de hoje. ”

BTG Pactual digital anuncia abertura de vagas em Curitiba, Brasília e Goiânia

O BTG Pactual digital acaba de lançar o projeto BTG Perto de Você, iniciativa que que vai contratar Assessores de Investimento em diferentes estados do País. A ideia é contar com profissionais que estarão disponíveis para atender os clientes localmente, e assim, personalizar ainda mais o relacionamento. No momento, estão abertas 20 posições em três capitais: Curitiba, Brasília e Goiânia. Ao longo de 2021, o BTG Pactual digital contratará mais de 80 profissionais em diferentes localidades. A expectativa é ter presença em todas as regiões do Brasil até o final do ano. As vagas são no formato home-office.

Além de ampliar o time de Assessoria de Investimentos do canal B2C, representado pela plataforma aberta 100% digital, o objetivo do BTG Perto de Você é estreitar o relacionamento com clientes dessas localidades e, ao mesmo tempo, atrair talentos que residem fora do eixo Rio-São Paulo. Como parte do projeto, já foram contratadas 20 pessoas. Em cada uma das cidades onde abrir vagas, o BTG Pactual digital buscará inicialmente por um líder, que ficará responsável por montar o time local de Assessoria de Investimento.

“Sabemos que cada região do Brasil tem sua própria cultura e particularidades. Por isso, estamos ampliando o nosso time para estarmos mais próximos dos clientes de diferentes localidades. Em um cenário de juros baixos e tempos de grande volatilidade, o papel do assessor de investimentos é ainda mais importante, sendo peça chave para que os assessorados possam fazer as melhores escolhas. Para isso, nada melhor do que um relacionamento de longo prazo, baseado na confiança”, afirma Rogério Karp, Head de B2C do BTG Pactual digital.

Ele explica ainda que o fato de as vagas serem no formato home-office traz um ganho de escala, já que o número total de profissionais da área não fica limitado aos limites do espaço físico dos escritórios do BTG Pactual.

Para participar do processo seletivo, é necessário possuir conhecimento de produtos financeiros; a certificação CPA-20; e experiência na área de assessoria de investimentos. Em sua função, o(a) Assessor(a) deverá buscar as melhores estratégias para cada cliente do BTG Pactual digital com excelência, permitindo tomadas de decisões de forma autônoma e personalizada de acordo com cada perfil. Para as vagas, também é desejável experiência prévia em instituição financeira na gerência ou assessoria de clientes pessoa física ou jurídica.

As inscrições podem ser feitas por meio deste link.

STF conclui julgamento sobre disputa tributária em software

O Plenário decidiu que o ISS é tributável no licenciamento de software e excluiu a incidência de ICMS nessas operações.

Nesta quinta-feira (18), o Supremo Tribunal Federal (STF) excluiu a incidência do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) sobre o licenciamento ou a cessão de direito de uso de programas de computador (software). A Corte, no entanto, decidiu que, nessas operações, incide o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). A modulação dos efeitos da decisão será analisada na próxima semana.

A questão foi discutida no julgamento conjunto de duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs 5659 e 1945). A primeira, relatada pelo ministro Dias Toffoli, foi proposta pela Confederação Nacional de Serviços (CNS) contra o Decreto estadual 46.877/2015 de Minas Gerais e outros diplomas legais. A confederação alega que essas operações não poderiam ser tributadas pelo ICMS, pois sobre elas já incide o ISS. Na ADI 1945, da relatoria da ministra Cármen Lúcia, o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) argumentava a inconstitucionalidade de dispositivos da Lei estadual 7.098/1998 de Mato Grosso, que consolidam normas referentes ao ICMS, por bitributação e invasão da competência municipal, já que o estado fez incidir o tributo sobre operações com programas de computador.

Voto-vista

A análise da questão foi retomada com o voto-vista do ministro Nunes Marques, que entendeu que o mero licenciamento ou a cessão de software por meio digital, sem que o produto esteja acompanhado de suporte físico, não faz surgir, por si só, a incidência de ISS. Por outro lado, considerou possível a incidência de ICMS sobre a circulação de mercadoria virtual, uma vez que, atualmente, são realizados negócios, operações bancárias, compra de mercadorias, músicas e vídeos, entre outros, em ambiente digital. Marques aderiu ao entendimento da corrente minoritária, iniciada pela ministra Cármen Lúcia. Também votaram nesse sentido os ministros Edson Fachin e Gilmar Mendes.

Entendimento majoritário

Porém, a maioria dos ministros (Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Luiz Fux) acompanhou a conclusão do ministro Dias Toffoli, para quem a elaboração de softwares é um serviço que resulta do esforço humano. No voto apresentado em novembro de 2020, Toffoli entendeu que tanto no fornecimento personalizado por meio do comércio eletrônico direto quanto no licenciamento ou na cessão de direito de uso está clara a obrigação de fazer na confecção do programa de computador, no esforço intelectual e, ainda, nos demais serviços prestados ao usuário.

Fonte: Supremo Tribunal Federal

E-commerce brasileiro registrou 75% de expansão em 2020, indica Mastercard SpendingPulse

Após um ano de intensa digitalização e mudanças nos hábitos dos consumidores em relação às compras online, o levantamento Mastercard, SpendingPulse™, que mede os gastos dos consumidores em todos os tipos de pagamento, incluindo dinheiro e cheque, revelou que as vendas do e-commerce* brasileiro durante o ano de 2020 – de janeiro a dezembro, cresceram 75% em comparação com o mesmo período de 2019.

Impulsionado pelo distanciamento social – que teve início no Brasil em março de 2020, e os novos protocolos de saúde da OMS, os setores que mais se destacaram no comparativo ano a ano, foram: hobby & livrarias com um crescimento de (+110%)e o de drogaria com (+88,7%) .


“Sabemos que esse crescimento exponencial do e-commerce foi intensamente acelerado pelo distanciamento social que vivemos em 2020 e a contínua necessidade do consumidor em comprar mesmo sem sair de casa.”, afirma João Pedro Paro Neto, Presidente da Mastercard no Brasil e ConeSul. “À medida que a realidade da pandemia e as novas preocupações com higiene entraram na vida do consumidor, as compras online se tornaram um modo de vida para quase tudo.”


Já o varejo físico brasileiro registrou expansão de 0,2% no ano de 2020 em comparação com 2019 – um número pequeno, mas positivo e que demonstra um crescimento importante para setor.

Locaweb anuncia duas importantes aquisições de Fintech e Plataforma de E-commerce logo após o Follow On

A Locaweb anuncia duas importantes aquisições logo após um bem-sucedido Follow On. A companhia que fez IPO há um ano e boa parte dos recursos foram utilizados em importantes aquisições, acaba de avançar na estratégia de M&A com as seguintes compras:

– Credisfera, Fintech que oferece soluções de crédito para PME’s, e permitirá que a Locaweb passe a oferecer mais esse serviço para os seus clientes de forma simples e integrada.

– Dooca , plataforma de e-commerce de fácil uso, moderna, com design avançado e que cresceu mais de 650% em 2020.

Com mais essas aquisições, a companhia segue consolidada como o mais completo ecossistema de soluções tecnológicas para e-commerces e PME’s.

“Há um ano fizemos o IPO, realizamos 6 importantes aquisições e construímos o mais completo ecossistema de soluções de e-commerce para PME’s do Brasil. Estamos animados em anunciar mais duas importantes aquisições, logo após o Follow On, fortalecendo a nossa estratégia de M&A.” afirma Fernando Cirne, CEO da Locaweb.

“Criamos uma metodologia muito acertada para fazer aquisições e integrá-las, o que foi reconhecido pelo mercado dado o sucesso do nosso Follow On.” completa Cirne.

A história da Credisfera começou em 2015, na cidade de São Paulo, quando os sócios enxergaram uma enorme oportunidade de mercado ao unir empresas que precisam de crédito com quem pode oferecer esses recursos. A ideia era relativamente simples, uma vez que quem precisava de dinheiro recorria somente as instituições financeiras tradicionais e quem tinha recursos para serem aplicados, também procuravam as mesmas instituições, que funcionavam como intermediários. Foi daí que surgiu a ideia de facilitar essa conexão entre as pontas, de forma simples, descomplicada e fazendo muito uso da tecnologia para gerar as melhores negociações.

Desde então, a companhia se especializou em atender PME’s e já fez importantes parcerias nesse sentido, oferecendo crédito para consultores de Venda Direta de renomadas companhias e vendedores de marketplaces.

Outro grande diferencial da Credisfera é a vasta experiência que os sócios fundadores têm no mercado de crédito. Eles tiveram importantes passagens por empresas como Itaú, Unicard, Banco Real, Unibanco AIG Seguros, entre outras.

“A Credisfera é uma plataforma extremamente sofisticada de oferta de crédito para PMEs. A estratégia da Locaweb ao adquirir essa Fintech é oferecer uma solução integrada unindo a capacidade tecnológica e inteligência de crédito da Credisfera ao ecossistema de e-commerce da Locaweb.” afirma Rafael Chamas, CFO e Diretor de Relações com Investidores da Locaweb.

“A Locaweb possui uma base de mais de 400 mil empresas, muitas que já vendem online e precisam de crédito para evoluírem os seus negócios. Como temos bastante conhecimento e previsibilidade dessa base, teremos condições de oferecer empréstimos com taxas extremamente competitivas, de forma simples e integrada” completa Chamas.

Falando sobre a Dooca, a história também começou em 2015, na cidade de Novo Hamburgo no Rio Grande do Sul, quando os fundadores decidiram montar uma agência para criação sites e e-commerces. Percebendo uma latente demanda das pequenas empresas por lojas virtuais, decidiram criar uma plataforma que fosse fácil de usar, com boa experiência do usuário e descomplicada, para facilitar a entrada dessas no mundo digital.

Desde 2019, a Dooca vem consolidando um programa de parceria com agências de publicidade, que junto com outros canais de aquisição, teve um crescimento exponencial de mais 650% em números de clientes e um ARR (Receita Anual Recorrente) de R﹩ 5 milhões.

“A Dooca construiu uma plataforma extremamente fácil de usar e que permite que pequenas empresas se digitalizem e comecem a vender online rapidamente. Vamos aproveitar todo o potencial do atual ecossistema de e-commerce da Locaweb e agregaremos mais essa solução, oferecendo ao mercado o que há de melhor para quem pensa em vender online.” afirma Willians Marques, Diretor Geral da Locaweb Commerce, responsável por todas as unidades de soluções para e-commerce da companhia.

“As sinergias incluem a entrada da Dooca no robusto ecossistema de Commerce da Companhia, passando a oferecer para toda a sua base de clientes a solução de pagamentos Yapay, as integrações com mais de 30 marketplaces e Store-in-Store do Ideris, soluções de logística com o Melhor Envio, as APIs de pagamentos recorrentes da Vindi e todo o portfólio de marketing digital com a Social Miner e All In.” completa Marques.

Os fatores que motivaram os fundadores dessas duas empresas a venderem as suas operações foram muito parecidos. Ambos enxergam o enorme potencial de sinergia com a base de clientes da Locaweb, um forte alinhamento de cultura e principalmente, a autonomia para seguirem os seus planos e contarem com mais recursos para isso, sejam financeiros ou intelectuais.

“O incentivo a inovação, o cuidado com as empresas adquiridas e o foco no cliente foram fatores fundamentais na hora de escolhermos a Locaweb. A ideia começou como uma possibilidade de parceria estratégica e o match foi tão grande que evoluiu para uma aquisição.” Afirma Eduardo Peixoto, cofundador da Credisfera.

“Sabemos que o mercado de e-commerce ainda vai crescer muito nos próximos anos, mas precisávamos do suporte de um grande grupo para continuarmos a nossa jornada. Algumas empresas nos procuraram no último ano, mas escolhemos a Locaweb, que nos deixou extremamente tranquilos e com as expectativas alinhadas para mantermos o desenvolvimento do produto com toda a autonomia. Essa proposta de continuidade e evolução fez toda a diferença na hora de tomarmos a decisão.” afirma Dieter Fritsch, cofundador e CEO da Dooca.

Nas transações, a Locaweb adquire 100% das duas companhias, sendo R﹩ 26.6 milhões pela Credisfera e R﹩ 26.5 milhões pela Dooca. Os empreendedores ainda poderão ter direito a receber earnouts, que estarão vinculados ao atingimento de metas estipuladas pelo grupo.

Seguindo o modelo de atuação da Companhia em outras aquisições, os sócios fundadores das duas empresas permanecerão nas operações e manterão os times de colaboradores.

Uma das pioneiras em soluções Business to Business (B2B) para transformação digital de negócios no Brasil, a Locaweb nasceu para ajudar empreendedores e negócios a desenvolverem sua presença online e prosperarem na web. Ao longo dos últimos anos, a empresa realizou importantes aquisições, fortalecendo a atuação em diversos mercados como o de e-commerce, redes sociais, recorrência, marketing cloud, hospedagem, cloud computing, pagamentos e aplicativos mobile. A Locaweb possui cerca de 2 mil funcionários, quase 400 mil clientes e 20 mil desenvolvedores e agências parceiras. Com 23 anos de atuação, a empresa segue crescendo e inovando por meio de desenvolvimento e aprimoramento interno de produtos bem como de aquisições.