Page

Author admin

Como a Internet das Coisas está revolucionando o consumo – Por Fábio Iunis de Paula

Já há alguns anos se fala sobre o poder transformador da Internet das Coisas (IoT na sigla em inglês) na sociedade. A ideia é simples – adicionar inteligência e sensores a objetos do dia-a-dia para que eles possam se comunicar entre si e também com os seres humanos, trazendo enormes avanços potenciais para a nossa vida e para diversas áreas da economia como a manufatura, saúde, varejo, cidades inteligentes entre outras. O que até pouco tempo atrás era considerado apenas ficção científica, hoje, é um mercado que cresce de forma exponencial. A consultoria IDC estima que em 2020 serão 50 bilhões de dispositivos conectados em todo o mundo, o que irá movimentar cerca de US$ 1,7 trilhão.

Todo esse potencial de mercado impactará na forma de comprar e consumir as coisas. Por exemplo, quando você faz compras online, provavelmente, não leva em consideração a quantidade de dados que gera. Atualmente, os dados podem ser considerados o centro do relacionamento entre você e as lojas: são ativos valiosíssimos que podem transformar e otimizar a experiência de compra. A partir disso, o varejista terá condições de oferecer produtos e serviços mais assertivos aos diferentes perfis de clientes. Na outra ponta, você, como consumidor, só tem a ganhar com a disseminação da internet das coisas, recebendo ofertas mais alinhadas aos seus anseios.

De modo geral, as tecnologias de IoT e de nuvem impactam a todos. Os sensores IoT coletam dados que podem ser analisados. As ferramentas centradas em dados são apenas o começo de onde a tecnologia levará a um outro patamar a experiência de consumir. Hoje, comércios inovadores estão incentivando os clientes a usarem a realidade virtual para comprar em qualquer lugar do mundo sem sair de casa. O que gera engajamento em experiências de compras personalizadas em realidade virtual, enquanto a tecnologia imersiva está abrindo portas para que os varejistas alcancem novos mercados de forma criativa.

A expectativa é que os sistemas de rede evoluam mais rapidamente nos próximos anos, assim como novas tecnologias de transmissão de dados sejam aperfeiçoadas. Não estamos falando apenas de notebooks, smartphones ou tablets. Mas também de dispositivos vestíveis, automóveis autônomos, equipamentos agrícolas, soluções voltadas para saúde e muito mais. A forma como nos relacionamos com a tecnologia se modificará completamente. Avanços como a interação da inteligência artificial e a integração da realidade virtual com a realidade aumentada, permitirão uma variedade inimaginável de facilidades e serviços, que estarão à disposição de forma rápida e simplificada visando melhorar de forma contínua a vida das pessoas.

Mas antes que você possa experimentar esse novo conceito, existem alguns pontos de atenção que a indústria está aperfeiçoando: a segurança, para que os sistema estejam devidamente blindados contra ataques e as informações estejam sempre protegidas; a interoperabilidade, pois sem ela a promessa da IoT, que é justamente de fazer com que diferentes dispositivos e sistemas conversem entre si, simplesmente não vai se materializar; a escalabilidade, para que o projeto possa crescer junto com os negócios e as suas necessidades como cliente; e a capacidade de gerenciamento, para que os dados gerados pelos dispositivos e sensores ligados em rede possam se transformar em informações relevantes para você, com o uso de big data e analytics.

Como se trata de um mercado novo e de alto potencial, há um enorme espaço para a inovação. Quando a IoT estiver devidamente incorporada nos mais diversos segmentos do mercado, mais rica e satisfatória será a experiência de compra, sem contar, é claro, no aumento da comodidade. A demanda continuará a crescer ao longo dos próximos anos, e em pouco tempo, a IoT estará totalmente integrado no seu dia-a-dia.

Fábio Iunis de Paula, Diretor da Intel Brasil para o mercado corporativo

Tags, ,

Riverbed anuncia aquisição da Xirrus

A Riverbed Technology anuncia aquisição da Xirrus, fornecedora de soluções para redes sem fio de alto desempenho. A compra visa integrar um pacote de soluções Wi-Fi robustas, de alta densidade e gerenciadas na nuvem da Xirrus ao portfólio Riverbed, principalmente junto às ofertas de redes SD-WAN (rede de longa distância definida por software). Com a Xirrus, o poder da orquestração de rede baseada em políticas dos produtos Riverbed, será estendido às redes sem fio.

Dessa forma, a Riverbed oferecerá aos clientes conectividade unificada e orquestração baseada em políticas – com cobertura a todos os ambientes distribuídos, desde redes WAN, LAN/WLAN, até datacenter e nuvem. A Riverbed também continuará a comercializar Xirrus como uma solução empresarial individualizada.

O SteelConnect da Riverbed é uma solução SD-WAN diferenciada que entrega simplicidade e agilidade com gestão centralizada e unificada, abrangendo toda a Network Fabric com orquestração baseada em políticas e conectividade com um clique para Amazon Web Services (AWS) e Microsoft Azure. Esta solução traz performance superior, visibilidade e recursos inteligentes de redes e aplicações, melhorando muito a experiência do usuário final em relação à performance de acesso à rede e às aplicações.

A performance comprovada da tecnologia Xirrus atende às mais variadas demandas de mercado com desempenho consistente, como no modelo com fio, com cobertura e segurança superior. O pacote de soluções Wi-Fi da Xirrus – serviços de ponto de acesso, na nuvem e de alta densidade – entrega conectividade e gerenciamento unificados através da rede.

“Uma das principais transformações do gerenciamento de rede é a convergência das filiais e a unificação das operações das redes LANs e WANs, com ou sem fio, sendo todas orientadas para uma arquitetura baseada na nuvem”, afirma Rohit Mehra, vice-presidente de Pesquisas de Infraestrutura de Rede do IDC. “Com essa aquisição, a Riverbed está bem posicionada para enfrentar essa mudança, acrescentando WLAN em sua tecnologia SD-WAN para oferecer solução mais ampla a filiais corporativas integrando otimização e visibilidade da WAN.”

Essa aquisição é parte do movimento de expansão da Riverbed que desde o ano passado vem acrescentando tecnologias de próxima geração às suas soluções, com a aquisição de empresas como a Ocedo Networks, um dos principais fornecedores de SD-WAN, entre outras medidas. Atualmente, a Riverbed tem mais de 300 clientes SD-WAN de diversas indústrias, como varejo, manufatura, saúde, serviços, finanças, tecnologia etc.

“A aquisição da Xirrus é muito estratégica para a Riverbed, fornecendo para nós uma solução Wi-Fi corporativa líder de mercado e habilitando o produto da Rivebed (SteelConnect) a entregar uma oferta SD-WAN incomparável que apoiará o crescimento desse mercado aquecido”, afirma Jerry M. Kennelly, Chairman e CEO da Riverbed.

A Riverbed planeja oferecer a solução Xirrus por meio de parceiros. A aquisição da empresa baseada na Califórnia irá encerrar em abril de 2017. Os termos financeiros desse acordo não foram divulgados. Para mais informações sobre as soluções do SteelConnect e Xirrus, visite: http://www.riverbed.com/sdwan

Tags, ,

Ascenty apresenta case de terceirização do data center da Unisys na Conferência Gartner Infraestrutura de TI, Operações e Data Center 2017

Nos próximos dias 25 e 26 de abril, a Ascenty, empresa líder no mercado de data center brasileiro, participa do evento “Conferência Infraestrutura, Operações de TI e Data Center”, promovido pelo Gartner, com um stand e com a apresentação da palestra “Unisys migra seu data center para a Ascenty, reduz custos e aumenta capacidade” ministrada por Marcos Siqueira, Diretor de Serviços Gerenciados da Ascenty e Fábio Abatepaulo, Diretor de Serviços de Consultoria para América Latina da Unisys.

O projeto da Unisys é um case que resultou no aumento da capacidade na oferta de soluções em data center e Cloud Computing para o cliente e ainda, gerou uma redução de 40% nos custos totais e 30% nos custos de manutenção do data center da companhia. O modelo de parceria preservou também o controle operacional e a independência da Unisys na infraestrutura dedicada pela Ascenty.

“Desde o início da migração, todos os processos aconteceram de forma segura e eficaz, com um atendimento sempre focado e disponível 24×7. Estamos satisfeitos com a parceria e com o serviço oferecido, o que é confirmado pela satisfação de nossos clientes”, explica Fábio Abatepaulo, Diretor de Serviços de Consultoria para América Latina da Unisys. “A infraestrutura fornecida pela Ascenty nos permite oferecer soluções de alto desempenho, disponibilidade e segurança total aos nossos clientes”, afirma.

A terceirização de infraestrutura de data center é uma tendência global, que recentemente está ganhando mais força no Brasil. Segundo o Gartner, as estratégias para adoção de Cloud influenciarão mais de 50% dos negócios de terceirização de TI até 2020*.

“Temos uma forte política de excelência em atendimento na Ascenty e demos todo o suporte necessário para que a migração da Unisys acontecesse de forma eficiente, com total disponibilidade e segurança”, explica Marcos Siqueira, Diretor de Serviços Gerenciados da Ascenty. “A Unisys optou pela migração de toda a sua infraestrutura para o data center da Ascenty e teve como resultado a redução de custos e aumento da capacidade, com uma solução de alto desempenho e segurança”, completa.

O evento “Conferência Infraestrutura, Operações de TI e Data Center” tem como objetivo fomentar discussões sobre o mercado de TI, com ênfase nos processos de cloud computing, infraestrutura e data center. Este ano, a iniciativa será focada em transformação, uma nova exigência para as infraestruturas de TI, operações e data centers, que estimula o desenho de novas estratégias e investimentos, orientados aos resultados de negócios.

O Gartner é líder mundial em pesquisa e consultoria em TI, e trabalha com clientes para analisar e interpretar os negócios relacionados a este mercado. O instituto conta com quase 9 mil associados, incluindo 1.900 analistas de pesquisas e consultores operando em mais de 90 países**.

Conferência Gartner Infraestrutura de TI, Operações e Data Center

Dias 25 e 26 de abril de 2017

Local: Sheraton São Paulo WTC Hotel – Avenida das Nações Unidas, nº 12559

Palestra Marcos Siqueira e Fábio Abatepaulo

Data: 26 de abril

Horário: 10h30 às 11h15

Tema: Unisys migra seu datacenter para a Ascenty, reduz custos e aumenta a capacidade

A terceirização de data center é uma tendência no mercado global, e no Brasil vem ganhando mais força. Isso porque, além de toda a garantia de segurança e redundância, o data center terceirizado pode apresentar uma redução expressiva nos custos operacionais da sua empresa. Venha conhecer um caso real da migração de toda a infraestrutura da Unisys para o data center da Ascenty, e entenda como a empresa conseguiu reduzir 30% dos custos e melhorar a satisfação dos seus clientes.

Tags, , , , ,

ABB and IBM Partner in Industrial Artificial Intelligence Solutions

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=kZ0OELI_r8M[/embedyt]

ABB and IBM (NYSE: IBM) today announced a strategic collaboration that brings together ABB’s industry leading digital offering, ABB Ability?, with IBM Watson Internet of Things cognitive capabilities to unlock new value for customers in utilities, industry, transport and infrastructure.

Customers will benefit from ABB’s deep domain knowledge and extensive portfolio of digital solutions combined with IBM’s expertise in artificial intelligence and machine learning as well as different industry verticals. The first two joint industry solutions powered by ABB Ability and Watson will bring real-time cognitive insights to the factory floor and smart grids.

“This powerful combination marks truly the next level of industrial technology, moving beyond current connected systems that simply gather data, to industrial operations and machines that use data to sense, analyze, optimize and take actions that drive greater uptime, speed and yield for industrial customers,” said ABB CEO Ulrich Spiesshofer. “With an installed base of 70 million connected devices, 70,000 digital control systems and 6,000 enterprise software solutions, ABB is a trusted leader in the industrial space, and has a four decade long history of creating digital solutions for customers. IBM is a leader in artificial intelligence and cognitive computing. Together, IBM and ABB will create powerful solutions for customers to benefit from the Fourth Industrial Revolution.”

New suite of breakthrough solutions

The new suite of breakthrough solutions developed by ABB and IBM will help companies address in a completely new way some of their biggest industrial challenges, such as improving quality control, reducing downtime and increasing speed and yield of industrial processes. These solutions will move beyond current connected systems that simply gather data, to cognitive industrial machines that use data to understand, sense, reason and take actions supporting industrial workers to help eliminate inefficient processes and redundant tasks.

“This important collaboration with ABB will take Watson even deeper into industrial applications — from manufacturing, to utilities, to transportation and more,” said Ginni Rometty, IBM Chairman, president and CEO. “The data generated from industrial companies’ products, facilities and systems holds the promise of exponential advances in innovation, efficiency and safety. Only with Watson’s broad cognitive capabilities and our platform’s unique support for industries can this vast new resource be turned into value, with trust. We are eager to work in partnership with ABB on this new industrial era.”

Bringing real-time cognitive insights to the factory floor

For example, ABB and IBM will leverage Watson’s artificial intelligence to help find defects via real-time production images that are captured through an ABB system, and then analyzed using IBM Watson IoT for Manufacturing. Previously these inspections were done manually, which was often a slow and error-prone process. By bringing the power of Watson’s real time cognitive insights directly to the shop floor in combination with ABB’s industrial automation technology, companies will be better equipped to increase the volume flowing through their production lines while improving accuracy and consistency. As parts flow through the manufacturing process, the solution will alert the manufacturer to critical faults – not visible to the human eye – in the quality of assembly. This enables fast intervention from quality control experts. Easier identification of defects impacts all goods on the producti on line, and helps improve a company’s competitiveness while helping avoid costly recalls and reputational damage.

Bringing real-time cognitive insights to smart grids

In another example. ABB and IBM will apply Watson’s capabilities to predict supply patterns in electricity generation and demand from historical and weather data, to help utilities optimize the operation and maintenance of today’s smart grids, which are facing the increased complexity created by the new balance of conventional as well as renewable power sources. Forecasts of temperature, sunshine and wind speed will be used to predict consumption demand, which will help utilities determine optimal load management as well as real-time pricing.

unnamed (52)

Tags, , , , , , ,

Drones auxiliam Guarda Civil Metropolitana no monitoramento de São Paulo

Crédto: Leon Rodrigues/ Secom

Crédto: Leon Rodrigues/ Secom

O prefeito João Doria e os secretários municipais José Roberto Rodrigues de Oliveira (Segurança Urbana) e Daniel Annenberg (Inovação e Tecnologia) apresentam nesta segunda-feira (24) os modelos de drone de última geração que serão utilizados pela Guarda Civil Metropolitana (GCM) em operações específicas de vigilância na cidade. Serão cinco drones e 15 kits com câmeras doados pela iniciativa privada, sem custos para o município.

A doação em equipamentos ao município, estimada em cerca de R$ 650 mil, foi feita pela fabricante chinesa Dahua Technology, em parceria com a empresa PGIDB. A companhia Airobotics doará R$ 150 mil em serviços de suporte e consultoria, que compreendem atividades de capacitação operacional e apoio estratégico.

Os equipamentos serão customizados para integrar o programa “Dronepol”, criado para monitorar locais que apresentam dificuldades de acesso, casos de ocupações em áreas ambientais ou de risco, além de eventos com alta concentração de participantes.

“Os drones serão fundamentais em diversas atuações, tanto da Defesa Civil quanto da GCM. A ideia é capturar imagens difíceis de obter para avaliar áreas de risco, em especial, durante os períodos de chuva e possibilidade de escorregamento. Outras partes importantes do monitoramento serão analisar áreas de proteção ambiental e contribuir para ações dos guardas em parques municipais”, diz José Roberto Rodrigues de Oliveira.

O drone da chinesa Dahua Technology é fabricado em fibra de carbono ultraleve, pesa cerca de 3 quilos e tem capacidade de voar sob temperaturas extremas (de -20ºC a 60ºC) e a uma velocidade de até 54 km/h. Possui alto-falantes para a transmissão de avisos e instruções, além de câmeras de altíssima definição, que geram imagens com riqueza de detalhes, inclusive térmicas. O equipamento tem autonomia de voo de 35 minutos e é programado para retornar à base com segurança, em casos de bateria fraca ou de perda de sinal.

Os outros quatro drones da marca chinesa DJI pesam 1.3 kg cada e têm capacidade de voar até 30 minutos por meio de bateria. Equipados com estabilizadores acoplados a câmeras de altíssima definição de 20 megapixels, gravam vídeos em resolução 4K (Ultra High Definition – UHD). Atingem velocidade máxima de 72 km/h e voam até 7km desde o transmissor (controle remoto). Oferecem máxima segurança de operação e uso através de cinco sensores infravermelhos de obstáculos, capazes de pará-los ou desviá-los automaticamente de qualquer obstáculo natural ou artificial.

Os kits com câmeras também da Dahua Technology podem ser instalados nas viaturas e nas fardas dos guardas-civis. Além de gravar, armazenam vídeos e áudios junto com as coordenadas geográficas dos agentes durante o patrulhamento e pode transmitir as informações pela internet. “O Dronepol representa mais um passo da atual gestão em seu esforço de melhorar a gestão da cidade e seu monitoramento, trazendo ganhos representativos para a segurança”, afirma Daniel Annenberg.

Tags, , , , , ,

Medo de concorrência atinge 78% dos executivos de tecnologia, aponta KPMG

De acordo com o estudo As empresas disruptivas do setor de tecnologia estão sofrendo disrupções (Disruptive technologies barometer. The disruptors are the disrupted), realizado pela KPMG Internacional, a maior preocupação para os líderes das empresas de tecnologia é a concorrência decorrente de outros setores. No caso, 78% dos empresários entrevistados afirmam tal preocupação.
“As inovações surgem em ritmo acelerado. Algo novo hoje pode não ser tão eficaz amanhã. As empresas precisam se adequar e evoluir visando o que o mercado tem de melhor a oferecer. A concorrência é inerente a qualquer mercado, basta saber utilizá-la a seu favor”, conclui o sócio da KPMG, Frank Meylan.

Por outro lado, a pesquisa apontou também que a maioria dos executivos considera tecnologias disruptivas um fator positivo e as utilizam para reformular os modelos de negócio da própria empresa. O uso da inteligência artificial, por exemplo, promove em 44% a melhoria da qualidade dos produtos oferecidos no mercado.

Para 49% dos empresários, a Internet das Coisas (IoT, sigla em inglês) é o principal fator influenciador da produtividade empresarial. Seguido de Análise de dados e robótica (48%), plataformas on-demand e de pagamentos digitais (47%), realidade virtual e impressoras 3D (45%).

“O setor está sendo altamente modificado, desde a cadeia de produção até a oferta do produto. É importante ressaltar como as tecnologias disruptivas podem ajudar na melhoria dos produtos, na forma como são disponibilizados, no atendimento ao consumidor”, comenta o sócio da KPMG.

Sobre a pesquisa

O relatório tem como base uma pesquisa global realizada pela Forrester Consulting em nome da prática global de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da KPMG Internacional. Ao todo, foram entrevistados 580 executivos de empresas de tecnologia de 16 países: Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Israel, Japão, Portugal, Coreia do Sul, África do Sul, Espanha, Taiwan, Reino Unido e Estados Unidos.

Tags, , , ,

E-commerce fechará 2017 com crescimento de dois dígitos mesmo com PIB abaixo de 1%, diz especialista

A recuperação da economia vai ser mais lenta do que o esperado, segundo especialistas. Em 2016, o PIB teve retração de 3,6%, e a previsão para 2017 é de menos de 1%. Mas há um setor que, apesar desse cenário pouco animador, continua dando mostras de que tem fôlego de maratonista. O comércio eletrônico registrou crescimento nominal de 7,4% em 2016, mas quando se leva em conta o PIB desse ano, o percentual sobe para 11%. No acumulado dos últimos cinco anos, o setor cresceu 156%. A expectativa para 2017 é ainda melhor. De acordo com Gerson Rolim, diretor de comunicação da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) e consultor do comitê de varejo online da entidade, o setor deve fechar o ano com alta de 12% a 13%, mesmo diante da perspectiva de PIB negativo. E isso é muito.

Para se ter uma ideia do dinamismo do e-commerce, a melhor base de avaliação não é o comparativo do desempenho com os macrossetores da economia, mas sim com os setores de atividades afins. A indústria recuou 6,6% no ano passado. E só a indústria eletroeletrônica, da qual depende muito o comércio eletrônico, registrou queda de 11%, muito em função da retração nas vendas de celulares e tablets (-10%), de desktops e notebooks (-23%) e de infraestrutura de telecomunicações (-15%). No mesmo período, o varejo registrou baixa de 6,2%.

“Diante desse cenário de recessão e elevadíssimas taxas de desemprego, que incapacitam para o consumo quase 13 milhões de brasileiros, o desempenho do e-commerce tem que ser festejado”, avalia Rolim. O motivo para tal desempenho, segundo ele, é um só: o e-commerce possibilita ao consumidor economizar numa época em que cada centavo vale muito dinheiro.

Rolim cita como aliadas dessa economia as novas tecnologias que permitem o acesso a lojas virtuais e a compra de produtos por dispositivos móveis, as ferramentas que permitem a comparação de preços em várias lojas simultaneamente e a popularização da internet móvel de alta velocidade.

Esse desempenho positivo está atraindo para o setor cada vez mais novos empreendedores. Por dia, são criadas 500 lojas virtuais no país, segundo as empresas de plataformas de e-commerce. A maioria dessas lojas é comandada por micro e pequenos empresários que buscam uma alternativa de renda diante da dificuldade em se recolocarem no mercado de trabalho formal. “Se apenas 25% desses novos empreendimentos forem bem-sucedidos, ainda assim será benéfico para o setor e para a economia como um todo”, conclui Rolim.

Tags, , , ,

iFood busca talentos em várias cidades do Brasil

d960ec2aa2bd525f76a576dd364608f8

O iFood – plataforma de delivery de comida on-line – está em busca de talentos para mais de 60 oportunidades na empresa. As posições abertas são para diversos níveis, desde jovens talentos até líderes nas áreas de RH, tecnologia e produto, comercial, finanças, jurídica e operações. A empresa tem mais de 400 colaboradores e não para de crescer, registrando mais de 3 milhões de pedidos por mês. Além do Brasil, o iFood atua no México, na Colômbia e na Argentina.

As oportunidades são para São Paulo, Campinas e Jundiai, além de vagas para área comercial em todo Brasil, incluindo Brasília, São José dos Campos, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Para conhecer as oportunidades basta acessar a aba de Carreiras no site oficial iFood e na página do Linkedin.

“O ambiente de trabalho do iFood é altamente colaborativo e desafiador, o que possibilita alto crescimento individual. Os profissionais do iFood têm foco no resultado e são estimulados a criar e recriar o que for necessário. Eles são motivados constantemente a enfrentar novos desafios. Ao mesmo tempo que todos trabalham bastante, também comemoram cada conquista juntos. Para compor nosso time, procuramos pessoas engajadas que façam acontecer”, explica a Diretora de RH, Carla Blanquier.

Tags, , ,

Programa Bayer Grants4Apps 2017 abre inscrições para aceleração de startups

O programa Bayer Grants4Apps 2017 já está no ar. Em sua 5ª Edição, a iniciativa da Bayer selecionará, globalmente, até cinco startups para acelerar o desenvolvimento de soluções inovadoras, com subsídio de 50 mil euros, coaching e estada no escritório da empresa em Berlim. O programa de aceleração busca soluções digitais na área de saúde direcionadas a auxiliar profissionais ou pacientes, assim como produtos dedicados à prevenção ou diagnóstico de doenças ou que ajudem a melhorar processos em toda a cadeia de valor farmacêutica.

“A Bayer acredita na força e importância da colaboração para fomentar e acelerar o processo de inovação. Por meio do programa buscamos soluções que proporcionem melhorias na área de saúde e essa pode ser, novamente, uma ótima chance para muitos empreendedores digitais brasileiros”, afirma Camila Navarro, IT Digital and Innovation Manager da Bayer Brasil.

Os interessados podem submeter seus projetos até o dia 31 de maio. Os principais desafios dessa edição estão relacionados a áreas como clinical trials, análise de dados, nefrologia, saúde feminina e pneumologia. O programa, no entanto, está aberto também à outras iniciativas relacionadas ao universo da saúde. Os autores das ideias selecionadas receberão a mentoria nas instalações da Bayer em Berlim, no período de setembro a novembro de 2017.

Para as startups ou empresas maduras, com soluções já estabelecidas, a novidade da Bayer neste ano é o programa Dealmaker. Por meio dele buscamos soluções já prontas para o mercado, focadas na resolução de desafios de negócios específicos da companhia. Nesta categoria, as inscrições podem ser feitas até 30 de junho. Os selecionados viajam a Berlim, com todas as despesas pagas, para apresentar os detalhes de suas soluções e trabalhar na assinatura de uma carta de intenção para um possível acordo de colaboração, em meados de setembro ou outubro de 2017.

Hub de sucesso

Desde o lançamento, o Bayer Grants4Apps já recebeu mais de mil inscrições. Neste período, aproximadamente 50 startups receberam subsídios e 14 já participaram do programa de aceleração, sendo mais de 70 países envolvidos e que apresentaram soluções inovadoras para o setor.

Na Bayer, mais de 100 especialistas, de diversos países, participam do processo de seleção das empresas. Os critérios incluem a maturidade da startup e a existência de protótipos dos produtos, além das características das equipes e a adequação às áreas de especialização da companhia.

Para inscrição e mais informações sobre o programa e os desafios, acesse o site https://www.grants4apps.com/berlin. Siga também o Twitter @grants4apps. O programa, assim como todo diálogo relacionado à inovação, também está em pauta no meetup STEM 4 Health & AgTech – São Paulo, no grupo www.meetup.com/pro/stem4health/.

Tags, ,

Fintech View reúne 51 palestrantes para debater sobre o crescimento e oportunidades geradas pelas startups

Evento integra o Fintech Show, que também contará com a solenidade de premiação, nesta terça-feira à noite, do Fintech Awards Latam 2017

Começa nesta terça-feira o maior evento de fintechs da América Latina. O Fintech View, que será realizado nos dias 25 e 26 de abril pela Cantarino Brasileiro, no Hotel Intercontinental, em São Paulo, dentro da programação do Fintech Show, contará com 51 nomes de peso entre os palestrantes. A ideia é proporcionar ao público a interação com esses especialistas que representam pensamentos disruptivos, especialmente no momento em que várias instituições buscam a transformação digital.

Vários profissionais e empreendedores já confirmaram presença ao evento, como Guga Stocco, Head de Estratégia e Inovação do Banco Original; Lineu Andrade, Diretor de Tecnologia do Itaú; Leo Cherman, Head do Sofisa Direto; Viviane Sedola, co-founder da Kickante; Luciano Tavares, fundador e CEO da Magnetis; Bruno Diniz, Country Head da Next Money no Brasil; Gustavo Paro, FSI Industry Solution Executive da Microsoft; Marcelo Ciampolini, CEO da Lendico Brasil; Adriana Barbosa, CEO e fundadora da Uhmane; Rosine Kadamani, co-founder da Blockchain Academy; Marcelo Bradaschia, co-founder do FintechLab; José Prado, da Conexão Fintech; João Paulo Oliveira, sócio e co-founder da Fox Bi t, Oliver Cunningham, sócio da KPMG Strategy & Operation Financial Services, entre outros. A lista completa de confirmados até o momento pode ser conferida aqui.

“Queremos proporcionar aos participantes um Raio X da evolução do movimento Fintech no Brasil e no mundo, trazendo cases e experiências de startups brasileiras e latino-americanas que concorreram ao Fintech Awards Latam 2017, maior competição do setor na América Latina”, destaca Marcos Cantarino, organizador do Fintech View e do Fintech Awards Latam.

A primeira edição do prêmio recebeu mais de 140 projetos, que foram avaliados por um júri altamente qualificado, formado pelos principais especialistas, mentores e investidores em fintechs no mundo. Ao final, 80 projetos permaneceram na competição, cujos vencedores serão anunciados durante cerimônia, que será realizada na noite do dia 25, no Hotel Intercontinental.

Confira alguns cases de sucesso que serão apresentados durante o Fintech View:

CryptoMarket garante transferência de dinheiro digital a baixo custo

A startup chilena CryptoMarket, especializada em Blockchain Ethrereum, traz para concorrer ao Fintech Awards 2017, plataforma de negociação eletrônica, que permite, de forma inclusiva, receber e enviar valores (ethereum ETH) digitalmente, em segundos e em qualquer lugar do mundo. Fundada em 2016, a empresa que integra 600 milhões de pessoas na América do Sul oferece um novo modo de fazer pagamentos internacionais, com taxas menores que 1%. E provê aos usuários registrados o uso da tecnologia Blockchain com contratos inteligentes, as “carteiras”, para a transferência de dinheiro digital.

A plataforma conecta e fornece a base para a integração com os sistemas de pagamento existentes, o gera um novo meio de pagamento inclusivo aos usuários. A tecnologia CryptoMarket também melhora a cadeia e gera mudança disruptiva na sociedade, assegurando que participantes do mercado de diferentes países ou culturas troquem valores na web. A empresa avalia que, atualmente, os intermediários são altamente ineficientes e deixam de fora 60% da população da América Latina que não podem ter serviços bancários. Ainda segundo a empresa, na área financeira, a confiança é o ponto chave para a troca de valores entre os participantes do mercado e os intermediários dão a confiança necessária entre as partes para o intercâmbio ocorrer.

A tecnologia também gera automaticamente ordens de compra e venda por meio da funcionalidade Instant Exchange, segundo as condições de mercado. Além disso, a plataforma CryptoMKT permite escolher, adquirir ou vender valores digitais via ordens de mercado (formato de comércio avançado) e conhecer os detalhes da cada operação no registro histórico. O sistema autenticação 2 passos (Two factor Authentication), o que dá mais segurança com o uso de apps de verificação do usuário Authy (idêntico ao sistema de digipass bancário).

Plataforma chilena une PMEs e investidores

A Facturedo, startup de financiamento com seguro de crédito, é mais uma chilena que disputa o Fintech Awards Latam 2017. Sua plataforma une, de um lado, as PMEs com necessidades de financiamento de capital de giro e, do outro, investidores privados e institucionais. O objetivo é criar um marketplace em que os diferentes atores interajam em um espaço controlado que cria uma relação ganha-ganha para todos. A fintech ajuda a financiar empresas de pequeno e médio porte que não teriam acesso ao financiamento de outra forma, seja por seu tamanho ou história.

A democratização do investimento deste tipo de ativo também está na pauta da empresa, que permite a investidores de varejo invistir em contas a receber de maneira automizada e diversificada. Os preços são determinados com base em modelo de risco interno, mais os leilões dos investidores. Esse modelo in house define uma faixa de preço a partir da qual se investe e melhoram a taxa. Toda a interação do usuário da Facturedo é via plataforma, 100% online. Além disso, a chilena trabalha com a companhia de seguros COFACE, que cobre o risco de crédito.

Investimentos em criptomoedas aposta em big data e inteligência computacional

A Alpha Ledger é uma fintech com fundo de investimentos que opera criptomoedas e utiliza estratégias “Deep Learning” com “High Frequency Trading”, um modelo inovador de comprar e vender ativos, que usa o Big Data do mercado e a inteligência computacional. De acordo com a Alpha Ledger, hoje as estruturas de trading, quando existentes, são fragmentadas e não confiáveis. Para suportar suas operações, a startup carioca, que concorre ao Fintech Awards Latam 2017, está construindo toda uma base tecnológica proprietária, robusta, segura, transparente e confiável. O objetivo é conectar a empresa com as top Bitcoin exchanges e prover aos investidores sistema para checar suas contas de investimento em segurança e em tempo real.

Todas as operações rodam 24/7 e não dependem de um gestor e seu emocional para as estruturas de compra e venda de criptomoedas. Deste modo, a Alpha Ledger ganha em escala no número de transações diárias feitas e elimina o fator emocional como uma variável que pode interferir nas operações. A empresa avalia que ao buscar diversos pequenos ganhos com baixa volatilidade, que somados ao longo do dia, trazem um retorno sobre o investimento sem correlação nenhuma com qualquer outro produto financeiro existente.

EasyCrédito antecipa análise de crédito para não bancarizados

A goiana EasyCrédito, conecta pessoas com pouco ou nenhum acesso a serviços financeiros a empresas que oferecem soluções em crédito na internet como cartões, empréstimos e financiamentos. Uma das inovações da startup, que está na disputa pelo Fintech Awards Latam 2017, é a antecipação da análise de crédito. O consumidor sabe quais empresas estão dispostas a conceder crédito, o que evita o constrangimento de ter sua solicitação reprovada. O modelo beneficia idosos, estrangeiros, jovens e demais pessoas sem score de mercado ou que ainda não tiveram oportunidade de formar um histórico de crédito.

A solução funciona como um “Buscapé do Crédito”, o consumidor cadastra seus dados no aplicativo e seleciona o local em que deseja crédito. Em poucos minutos tem a resposta. Mesmo que não seja aprovado, o EasyCrédito mostra outros lugares onde a pessoa tem crédito pré-aprovado. Além disso, a centralização das consultas no aplicativo dá mais poder de negociação com bureaus fornecedores de informações, que é repassado ao fornecedor a um custo menor.

De acordo com a empresa, a plataforma é a primeira no Brasil a utilizar dados de redes sociais, geolocalização, dados do dispositivo, integração com bureaus de crédito e mais de 450 informações externas de fontes públicas e privadas. Por meio da análise preditiva de dados e redes neurais, a EasyCrédito monitora oportunidades que escapam da regra de crédito tradicional. Para tanto, a fintech goiana cruza informações de perfis dos usuários com as regras de crédito das empresas, o que gera (BI) Business Inteligence e Big Data para o negócio e permite monitorar e atualizar os dados do cliente em tempo real. A integração com diversas fontes de informações ainda propicia mais assertividade no processo de decisão e ajuda evitar a inadimplência.

IOUU. conecta empréstimos mais baratos a PMEs e diversidade de investimentos

A IOUU., marketplace de empréstimo Peer-to-peer, leva crédito mais barato e com menos burocracia para para micro e pequenos empreendedores brasileiros com necessidade de
financiarem suas empresas. Além de investimentos com alta rentabilidade a partir de R$ 100,00. A startup paulistana, que concorre ao Fintech Awards Latam 2017, viabiliza empréstimos em menos de 15 dias e os investidores têm milhares de empréstimos na ponta dos dedos e podem rapidamente diversificar, emprestando pequenas quantias a cada um. Segundo a IOUU., este tipo de investimento, até agora, não estava disponível.
O funcionamento é simples. A fintech paulistana atua como correspondente bancário, conecta empresas que querem crescer a investidores que querem emprestar. E também faz a aquisição de clientes e análise de crédito com base em tecnologia. Uma vez que um empreendedor solicita um empréstimo e este é financiado pelos investidores da IOUU., é a instituição financeira parceira que origina a operação, lastreada por títulos, tanto de crédito (CCB – Cédula de Crédito Bancário), quanto de renda fixa (RDB – Recibo de Depósito Bancário). Assim, a IOUU. consegue aliar taxas mais baratas tanto para empréstimos quanto para investimentos, mais facilidade com menos burocracia, rentabilidades superiores do que as oferecidas pelas aplicações tradicionais e a segurança de se estar dentro dos pa râmetros da regulamentação do Sistema Financeiro Nacional.

Marketplace de pagamentos foca nos novos negócios digitais

A iugu, especializada em personalização e automatização dos fluxos de recebimentos e pagamentos, é mais uma startup que concorre ao Fintech Awards Latam 2017. A empresa paulistana criou uma infraestrutura que permite automatizar toda operação financeira via API; entrega um sistema de gestão 100% whitelabel e facilmente integrável. Comercializado como SaaS – Software as a Service – a iugu criou planos de mensalidades, limitados por funcionalidades, que pagam pela licença de uso mais tarifas conforme utilização de serviços.

O foco da fintech paulistana é atender demandas dos novos negócios digitais que oferecem serviços online, baseados em modelos de cobrança recorrente. Segundo a iugu, a maioria das soluções de pagamentos online existentes foi criada para atender o mercado do varejo online, que é baseado na venda direta. Essas soluções possuem sua proposta de valor fundamentada no processamento de transações, inclusive no modelo de receita, que cobra tarifa por transação. A startup inovou ao prover toda infraestrutura financeira, desde recebimentos – gestão de cobranças online – até pagamentos de terceiros – Split de pagamento e automação de transferências bancárias, para que o negócio opere de forma transparente e foque na entrega do serviço.

Outra novidade é o ambiente de teste e produção, que melhora a experiência de integração. A iugu também mantém bibliotecas de desenvolvimento nas principais linguagens e realiza o atendimento e suporte técnico com programadores.

Fintech Show – Fintech View + Anúncio dos vencedores do Fintech Awards Latam

Dias: 25 e 26 de abril
Local: Hotel Intercontinental – Alameda Santos, 1123, Jardim Paulista
Horário: 9h às 17h (dia 25/4) e 9 às 18h (dia 26/4)

Tags, ,

Como fazer o seu consumidor feliz? – Por Monise Tonoli

unnamed (16)

Já ouviu falar de customer happiness? O conceito vem crescendo e chamando bastante atenção internacionalmente e consiste basicamente em gerar a melhor experiência para o usuário, em todas as etapas da compra, para que ele saia feliz e satisfeito.

As estatísticas recentes sugerem que consumidores que têm uma jornada com poucos atritos em todos os processos da compra e da experiência são muito mais propensos a ser leais ao produto e à marca. Por exemplo, um estudo da Foresee no ano passado identificou que compradores que tiveram uma boa experiência mobile têm 64% mais chance de fechar a transação nesse canal. Outro estudo, da MaritzCX, mostra que as empresas americanas que já estão maduras no quesito Experiência do Usuário têm, em média, 3 vezes mais chances de incrementar o resultado financeiro e reter o consumidor quando comparadas às empresas que não se preocupam com isso.

As empresas precisam começar a olhar este conceito não apenas como um benefício para o cliente. Preocupar-se com a experiência do usuário não deve ser encarado como mais uma área de custos, mas uma área com benefícios reais para os negócios. Um cliente satisfeito irá falar bem de seu produto ou de sua empresa para o círculo de contatos dele, virando, assim, um advogado da marca.

Para as empresas começarem a investir no conceito de customer happiness, a dica é:

Ter clara qual é a promessa da empresa para o consumidor e cumpri-la;

Ouvir, ouvir e ouvir o consumidor. Em todos os canais que ele quiser falar. Entender, por meio dele se a empresa está cumprindo a sua promessa e onde estão os atritos. Constantemente;

Fazer com que toda a equipe conheça e esteja engajada com esta promessa e com a felicidade do usuário.

A partir dessa ótica, a empresa vai conhecer melhor o seu usuário, saber suas necessidades e o que precisa ser feito para ele ser feliz em todas as etapas da compra, engaja-lo e fidelizá-lo, gerando assim uma recorrência de sua procura pelo seu produto ou serviço.

Monise Tonoli, customer experience do Peixe Urbano

Segue foto caso precise:

Tags, , ,

Delta moderniza a experiência com rede Wi-Fi e completa 100 aeronaves com o sistema 2Ku

unnamed (45)

Para verificar e-mails ou assistir aos seus programas favoritos, nunca foi tão fácil ficar conectado desde a decolagem até o pouso, graças à expansão da rede Wi-Fi da Delta, que utiliza o modelo 2Ku da Gogo, a tecnologia líder da indústria de redes sem fio para voos. A companhia aérea recentemente atualizou sua centésima aeronave com essa tecnologia aperfeiçoada.

A rede Wi-Fi da Delta opera com a tecnologia de última geração, que fornece cobertura consistente e ininterrupta em qualquer lugar do mundo, inclusive sobre oceanos. A rede de alta velocidade da companhia aérea faz com que os clientes se sintam em casa, incluindo a transmissão de vídeo e uso de redes corporativas (como VPN) globalmente. Ao contrário das versões anteriores da tecnologia em voo da Delta, agora os clientes podem usar a rede Wi-Fi por toda viagem em aeronaves com o modelo 2Ku.

A Delta tem atualmente a maior frota de aeronaves com a tecnologia 2kU da Gogo e o maior acordo de uso do modelo de tecnologia do que qualquer outra companhia aérea do mundo, que deve garantir a instalação de rede Wi-Fi de alta velocidade em mais de 600 aeronaves para voos domésticos e internacionais nos próximos dois anos. O modelo 2Ku está sendo instalado em frotas nacionais de aeronaves de fuselagem estreita já existentes da Delta, enquanto as novas aeronaves Airbus A350 e Bombardier C-Series serão entregues já equipadas com o sistema. O 2Ku também será oferecido nas aeronaves Airbus A330-900Neo quando entrarem na frota da Delta em 2019.

Usando antenas de satélite duplas de banda KU – uma para recepção do sinal ascendente até a aeronave e a outra para o retorno do sinal ao solo – o modelo 2Ku oferece aos clientes velocidade e largura de banda 20 vezes mais rápidas que a tecnologia original ATG (ar-solo) da Gogo.

“Temos o compromisso de oferecer uma rede Wi-Fi com velocidade e acessibilidade semelhantes à rede que nossos clientes têm em casa”, disse Joe Kiely, diretor-geral de Produto e Experiência ao Cliente da Delta. “As atualizações do Wi-Fi estão oferecendo aos clientes conectividade significativamente mais rápida, permitindo que os passageiros em viagens de negócios enviem arquivos pesados e realizem multifunções com facilidade, enquanto aqueles com mais tempo podem assistir seus programas favoritos”.

Hoje, uma aeronave da Delta equipada com o modelo 2Ku oferece qualidade na performance de vídeo com 15 Mbps por assento. Com a instalação do modem de próxima geração da Gogo, o desempenho vai aumentar ainda mais. As aeronaves da Delta com o 2Ku instalado começarão a receber o novo modem no segundo semestre de 2017. Com o lançamento de satélites de alta taxa de transferência e o novo modem instalado, os clientes terão velocidades acima de 20 Mbps por assento no fim de 2017 e início de 2018.

A Delta opera a maior frota equipada com Wi-Fi do mundo, incluindo toda as 660 aeronaves de linha principal doméstica. Mais de 1.000 aeronaves da Delta, incluindo quase todos os jatos regionais de duas classes Delta Connection e 100% da sua frota internacional de longo percurso, estão equipadas com rede Wi-Fi durante o voo, oferecendo acesso a mais de 370 mil clientes por dia.

A Delta já completou a instalação da tecnologia Wi-Fi por satélite de primeira geração da Gogo, equipada com satélite de banda KU, em toda a sua frota internacional de aeronaves de fuselagem larga, incluindo Boeing 747, 767, 777 e Airbus A330, além do Boeing 757, que opera em rotas de longa distância.

Tags, , , ,