Page

Author admin

NIC.br recebe sugestões de nomes para novos domínios de cidades

A comunidade de usuários de Internet no Brasil pode, a partir de hoje (15/05), ajudar a escolher os nomes dos novos Domínios de Primeiro Nível (DPNs) sob o “.br”, a nova categoria de “cidades”. É uma oportunidade, por exemplo, para que expressem apoio por “sampa.br” para São Paulo, “poa.br” para Porto Alegre, “rio.br” para o Rio de Janeiro, entre outras opções de nomes. Para enviar a sua sugestão, basta preencher o formulário disponível no sítio da iniciativa do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), entidade responsável pelo registro de domínios sob o .br.

A proposta é criar uma nova categoria de DPN, que englobe inicialmente todas as capitais das Unidades Federativas do Brasil, mais municípios com mais de 500 mil habitantes segundo o IBGE/2016. Nesta leva o total será de 46 localidades (veja a relação das cidades e o regulamento). Ao enviar as sugestões, os usuários informarão sua preferência de “nome popular” ou apelido pelo qual a cidade é tratada e reconhecida.

“A nossa finalidade com esta chamada de sugestões é proporcionar um número maior de opções para o registro do ‘.br’, levando em conta a vontade de identificação do usuário com a sua cidade natal ou adotiva”, ressalta Demi Getschko, diretor presidente do NIC.br. Hoje, são 3,9 milhões de domínios “.br” registrados e, por enquanto, quase 60 DNPs disponíveis para registro, sendo o “com.br” o mais popular.

A chamada de sugestões segue no ar por tempo indeterminado. Brasileiros com mais de 12 anos de idade poderão enviar quantas sugestões desejarem. Não há premiação, remuneração ou reconhecimento por parte do NIC.br – o objetivo é receber contribuições espontâneas de nomes para novos DPNs de cidades. Os resultados e os novos DPNs de cidades que forem sendo criados serão divulgados ao longo de 2017 no sítio do NIC.br.

Acesse o regulamento na íntegra e participe enviando sugestões de nomes: http://cidades.registro.nic.br/.

Tags,

Solução avalia a probabilidade de uma empresa sofrer ataques cibernéticos

A FICO (NYSE:FICO), empresa provedora de soluções analíticas para a tomada de decisões, anuncia sua solução FICO® Enterprise Security Score (ESS), que quantifica e avalia, de forma preditiva, a vulnerabilidade das empresas aos ataques cibernéticos nos próximos 12 meses. Levando em consideração os ativos de rede e dados de diversas fontes externas, aos quais são aplicados algoritmos preditivos avançados para, em seguida, condensar os resultados obtidos em uma métrica de fácil interpretação, a solução quantifica a exposição ao risco de ciberataques de uma forma direta e eficaz.

“A quantificação da vulnerabilidade é o primeiro passo na luta eficaz contra crimes cibernéticos. Com análises quantitativas e empiricamente derivadas, o ESS conduz à mensuração do risco digital de forma objetiva e transparente. Este score de risco corporativo dá às empresas a condição de avaliar sua postura em relação aos seus riscos cibernéticos, para que possa suprir as lacunas de suas defesas. Conseguimos avaliar, com precisão, o risco de um ciberataque à própria organização, bem como a qualquer empresa com a qual o cliente já faça ou deseje fazer negócios“, explica Fábio Cegali, especialista em prevenção a fraudes da FICO para América Latina e Caribe.

A solução, oferecida como um serviço na nuvem, é apoiada por uma plataforma altamente escalável que avalia a segurança de qualquer rede, representada por um score preditivo que dimensiona o risco de futuros ataques, sem a necessidade de instalação de nenhum software ou hardware. O FICO Enterprise Security Score pode ser usado por uma organização para medir seu grau de segurança cibernética e os riscos oferecidos por canais estabelecidos com seus parceiros. A pontuação é gerada empiricamente, com base em técnicas analíticas patenteadas, que trazem consigo mais de 60 anos de experiência da FICO.

As análises são baseadas em informações de instituições que foram vítimas de ataques cibernéticos, combinadas com dezenas de fontes internas ou externas de dados, (públicas e privadas, como por exemplo, listas de ameaças geradas por empresas especializadas em segurança cibernética), para entregar com precisão uma visão de longo prazo em relação à exposição a uma eventual violação de dados.

O produto está disponível em duas modalidades: o FICO® ESS Portrait, projetado para ajudar executivos e gestores de Segurança da Informação a entender em detalhe a exposição da organização aos riscos cibernéticos e avaliar as práticas de gestão de redes para uma rápida tomada de decisão, e o FICO® ESS Profile, que permite monitorar a segurança de dados da empresa junto a parceiros em toda a cadeia de valor, de modo a avaliar os riscos externos que estão além do controle direto da organização.

Tags,

7 lições do WannaCry – Por Leonardo Carissimi

6d4efd25eb7570a9b56b85b4208b0018

Nestes últimos dias, uma nova ameaça cibernética ganhou notoriedade, o WannaCry. Trata-se de um tipo de código malicioso classificado como ransomware, daqueles que “sequestram” dados de computadores para exigir um dinheiro em troca de devolver o acesso ao seu dono. Ou seja, uma vez infectada a máquina, ele encripta os arquivos e mostra uma tela na qual exige um resgate em dinheiro, tipicamente na moeda eletrônica bitcoins que, assim como o dinheiro vivo, não deixa rastros quando se movimenta e permite circulação de valores entre criminosos.

Interessante é que o WannaCry explora uma vulnerabilidade do sistema operacional Windows conhecida há pelo menos dois meses e que permite execução remota de um código através de uma vulnerabilidade no serviço SMB (Service Message Block).

O que o episódio nos traz de lições?

Crescimento das ameaças cibernéticas: as ameaças crescem em termos de magnitude e agressividade. Com a crescente conectividade, cada nova ameaça tem o potencial de infectar mais equipamentos.

O cibercrime está crescendo: essa nova ameaça também nos recorda que o cibercrime está crescendo, pois cada vez mais as ameaças tem motivação financeira. Elas se tornam mais perigosas, porque as organizações criminosas que as orquestram têm cada vez mais recursos. Podem desenvolver “armas” sofisticadas e agir globalmente com elas.

Impacto real nos negócios: tornaram-se comuns nos últimos dias notícias de empresas que foram contaminadas e tiveram que sujeitar-se a pagar pelo resgate. Outras decidiram por desligar computadores. Nos dois casos, torna-se claro o impacto em termos de custo (seja pelo pagamento pelo resgate ou, pior, pela perda de produtividade).

Prevenção é fundamental e começa com pequenas coisas: a vulnerabilidade é conhecida há pelo menos dois meses, quando a Microsoft publicou um boletim recomendando atualização dos sistemas Windows para corrigi-las. Um trabalho de Gerenciamento de Patchs, complementado de Gerenciamento de Vulnerabilidades, teria evitado a dor de cabeça. Realizar cópias de segurança frequentemente é outra prática bastante corriqueira que ajuda em situações de ransomware. São conceitos simples, mas que precisam ser realizados de forma consistente, com processo, ferramentas e pessoal treinado.

Microssegmentar a rede: a utilização de ferramentas para microssegmentação reduz o estrago. Ao isolar sistemas por microssegmentos, a movimentação lateral realizada pelo malware é contida e ele não contamina uma grande quantidade de equipamentos na rede. Opte pela microssegmentação por software, focando inicialmente em sistemas mais críticos. Isso vai permitir adoção rápida, sem impacto na arquitetura da rede e com custo reduzido. Em médio e longo prazo a técnica vai aumentar a segurança e permitir a simplificação da rede ao reduzir complexidade de firewalls internos e segmentação via VLANs.

Monitoração de Comportamento de Malware: a cada momento surgirão novas ameaças, as quais serão desconhecidas por ferramentas tradicionais de segurança que trabalham com assinaturas e padrões de malware conhecidos. A utilização de ferramentas de correção de eventos é controle necessário, mas não suficiente. Preparar-se para o malware novo requer um SOC (Centro de Operações de Segurança) mais inteligente, que identifique comportamentos anômalos mesmo quando for um ataque novo com assinatura desconhecida. No caso do WannaCry, a comunicação pela porta do SMB, o comportamento de movimentar-se lateralmente dentro da rede, e o endereço de seu “mestre” que tenta contatar, são indícios típicos de algo estranho está acontecendo e que permitiram um SOC inteligente detectar a nova ameaça a tempo.

Resposta a incidentes: Uma vez detectada a nova ameaça, requer-se pronta resposta. Respostas automáticas ou manuais poderiam bloquear tráfego suspeito e eliminar da rede equipamentos contaminados. A utilização de uma Arquitetura de Segurança Adaptativa é recomendada para responder de modo dinâmico, mudando a arquitetura de subredes à medida que contaminações são identificadas. Um exemplo é colocar em quarentena os equipamentos contaminados e evitar que os mesmos contaminem outros.

Leonardo Carissimi, Diretor de Soluções de Segurança da Unisys na América Latina.

Tags, , , ,

Transformação digital deve começar pelo básico – Por Edivaldo Rocha

Nasci em Japurá, no noroeste do Paraná, uma cidade que tem 9 mil habitantes e foi ali, no meio de uma fazenda de gado, e um ambiente simples, que comecei a compreender sobre o que realmente faz diferença no sucesso de qualquer empreendimento: o gerenciamento do capital humano. Desde cedo notei que todos gostam de ser bem tratado e ter o seu trabalho reconhecido e é essa a política que busco implementar. Sabemos que as pessoas são o nosso ativo mais importante.

Uma boa gestão de pessoas entende a necessidade do outro, sabe atrair, conquistar, reter, sabe o que cada um precisa para viver bem. Eu tenho prazer em poder contribuir com a evolução dos empregados da empresa, tenho conversas diárias, com muitos colaboradores para ensinar coisas simples como, por exemplo, a fazer um fluxo de caixa, sobre os objetivos de sua vida pessoal e profissional, como estão se preparando e o que os motiva a evoluir.

Como líder e gestor eu sei que é preciso que meus colaboradores tenham a vida pessoal e financeira bem resolvida, uma pessoa cheia de dívidas não vai conseguir produzir de forma adequada, vai estar sempre com a cabeça em outro lugar, e quero ajuda-los para não ter este tipo de preocupação, pois preciso deles 101% focados em nossos clientes. Decidi ajudar estas pessoas a olhar para o básico, fazer o simples, de maneira eficiente, que gere resultados reais para suas vidas e para a empresa, sendo assim, busco o melhor que cada colaborador pode entregar.

Cada gestor sabe que precisa manter os colaboradores engajados, fazer com que todas as tarefas e metas sejam cumpridas de acordo com o planejado. E cabe aos líderes encontrar formas de adaptar a empresa e todos que dela fazem parte às mudanças do mercado.

Sei que os funcionários também podem ter este crescimento como meta. Eu incentivo para que cada líder pense como dono e encontrem os caminhos da mudança, temos sempre que nos reinventar, criar coisas novas. Toda empresa de tecnologia precisa respirar a mudança.

Além de identificarmos os líderes, programamos investir na formação da equipe. Isso garante com que os funcionários reciclem seus conhecimentos e consequentemente, passem a oferecer um melhor serviço e um melhor atendimento aos nossos clientes porque somos preocupados com a qualidade da prestação de nossos serviços.

E não há nada de espetacular nisso, é algo bem simples, mas que muitas vezes é esquecido pelas grandes corporações, pelos CEOs das maiores empresas. E voltando ao básico da boa administração estamos transformando a empresa, sendo mais produtivos e com uma equipe mais feliz.

Edivaldo Rocha, CEO da CorpFlex.

Tags,

HID Global apresenta novidades na Cards Payment

unnamed (70)

Com foco na experiência do usuário, a 22º edição da Cards Payment & Identification 2017, que acontece de 23 a 25 de maio, em São Paulo, trará as mais recentes inovações para meios de pagamentos, cartões, e-commerce, identificação e certificação digital. Com o objetivo de oferecer uma solução eficiente e segura para os setores bancário e Governo, a HID Global, líder mundial em soluções confiáveis de identidade, apresenta soluções de emissão instantânea de cartões e credenciais mais duráveis.

A entrega imediata de cartões de crédito é uma solução completa para as instituições financeiras, pois além de atrair mais clientes, reduzem custos operacionais, evitam extravios e fraudes, além de proporcionar uma nova experiência para o consumidor, que poderá usufruir de um serviço personalizado.

Essa experiência de emissão instantânea será apresentada no estande da HID, que levará para a feira as impressoras da linha FARGO®. Entre elas a DTC5500LMX, que recebeu recentemente a certificação ambiental Green Circle. O selo internacional garante as atuais reinvindicações por uma produção sustentável de cartões e coloca a empresa na posição de líder em serviços de credenciais mais duráveis.

A solução de emissão segura da HID Global traz um projeto de laminado inovador que visa redução de custos, de energia e desperdício. A nova versão da FARGO® DTC5500LMX permite uma redução de 92% nos resíduos, após o consumo dos usuários e 66% de consumo de energia. Além disso, a capacidade de duração do produto é 4 vezes maior que a geração anterior.

“Com esse novo projeto, a estimativa de uso das impressoras é de mais 5 anos. E quando pensamos em descarte de dispositivos de impressão em aterros, com esse novo produto a evasão seria de 50 toneladas”, afirma o Diretor de Secure Issuance da HID Global no Brasil e Cone Sul, Fernando Giroto. O executivo ressalta ainda que essa solução representa uma redução significativa em custos operacionais para a empresa e permite avançar em competitividade no mercado.

Mercado de Adquirências de cartões

A inclusão do brasileiro no mundo das finanças está ligada diretamente ao crescimento do mercado de cartões. As modalidades de débito e crédito representam 30% dos gastos dos consumidores. Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), o volume de transação efetiva com cartões deve movimentar R$ 1,22 trilhão até o final do ano. Em dez anos, a entidade aponta que esse montante cresceu 265% e o resultado são as mudanças significativas no cenário de pagamentos eletrônicos.

Tags, , ,

Como aplicar a Lei da Terceirização: aspectos trabalhista, econômico e jurídico

A nova Lei de Terceirização (Lei nº 13.429/2017), sancionada pelo presidente Miguel Temer, no dia 31 de março, trouxe uma nova realidade para as relações de trabalho no País, o que está mexendo com a vida de empresários, trabalhadores, contadores, equipes de Recursos Humanos e de todos aqueles que estão envolvidos com a contratação de mão de obra.

Assim é preciso entender os impactos imediatos da nova lei; os riscos da terceirização da atividade fim; a possibilidade de perda de direitos trabalhistas e outros aspectos como as características do contrato terceirizado e do contrato com a pessoa jurídica, entre outros aspectos.

Para estabelecer essa relação com maior segurança econômica e jurídica, os especialistas em Direito Empresarial, Direito Tributário e do Trabalho, Alessandra Farias que é professora e mestre no assunto e Ricardo Glasenapp professor e doutor, diretores da Digitalis Direito e Tecnologia, realizarão o curso A Lei da Terceirização e seus reflexos trabalhistas e econômicos, no qual, além de alertar para os principais riscos aos quais todos estão sujeitos, farão uma análise da legislação trabalhista vigente apontando a tendência dos juízes e Tribunais do Trabalho ao analisar as novas relações.

Outro aspecto importante da nova lei é o reconhecimento da “pejotização”, ou seja, nesta relação a empresa contrata o trabalhador como pessoa jurídica, sem quaisquer direitos trabalhistas já que o contrato é regulado pelo Código Civil. “Cumpre lembrar que ainda que haja uma relação jurídica entre pessoas jurídicas, caso a Justiça do Trabalho venha a reconhecer no futuro vínculo de emprego entre as partes, diante das características de empregado, estará presente o vinculo trabalhista”, assegura Alessandra Farias .

O curso, com sete horas de duração, será ministrado no dia 17 de maio, das 9 às 16:30, na Avenida Paulista, 1776, 1.andar – próximo ao Metrô Trianon Masp. O investimento é de R$ 240,00, e as inscrições podem ser feitas no site: www.digitalis.net.br

Tags, , , , ,

BC Partners e Medina Capital concluem aquisição da Easy Solutions

As empresas de private equity BC Partners e Medina Capital anunciaram hoje a conclusão da aquisição da Easy Solutions, bem como do portfólio de centros de dados da Centurylink e de centros de dados e análises de dados da Medina Capital. As transações avaliadas em aproximadamente 2,8 bilhões de dólares culminaram na formação de uma empresa chamada Cyxtera Technologies, que iniciou suas operações imediatamente. Fundada originalmente na Colômbia, a Easy Solutions tem sua sede em Miami – Flórida, com escritórios em Atlanta, São Paulo, Londres, Dubai e Tóquio.

A Cyxtera reúne um centro de dados global e um portfólio de segurança diversificado, moderno e baseado na nuvem, composto por quatro empresas inovadoras: Cryptzone, Catbird, Easy Solutions e Brainspace. O portfólio do grupo oferece uma plataforma de infraestrutura poderosa, segura e resistente, desenvolvida para as complexas e híbridas arquiteturas de TI de hoje, e capaz de proteger e suportar infraestruturas dedicadas e provedores de serviços na nuvem públicos e privados, com recursos de software e serviços que estendem a proteção a ambientes locais. A Cyxtera atende a mais de 3.500 clientes em todo o mundo.

“A Easy Solutions está bem posicionada para atender à crescente demanda por proteção antifraude decorrente da transformação digital experimentada pelas empresas. Ao nos tornarmos uma empresa Cyxtera, nós teremos mais recursos, maior capacidade e um alcance global que nos possibilitarão inovar mais rápido, expandir as nossas soluções e atender melhor aos nossos clientes e parceiros em todo mundo”, afirmou Ricardo Villadiego, CEO da Easy Solutions. “A possibilidade de trabalhar com um portfólio completo de recursos de segurança complementares, que inclui detecção e prevenção de fraude, machine learning e perímetro definido por software, nos permitirá desenvolver e oferecer as mais avançadas soluções de proteção contra fraude que o mundo já viu.”

Manuel D. Medina, fundador e sócio-gerente da Medina Capital e fundador e ex-CEO da Terremark Worldwide, comanda a Cyxtera. A equipe executiva da Cyxtera também conta com líderes das cinco empresas adquiridas, como o próprio Villadiego, representando a Easy Solutions, e uma lista de veteranos dos setores de infraestrutura empresarial e segurança cibernética.

“As últimas duas décadas trouxeram mudanças significativas na disponibilidade, agilidade e escalabilidade das empresas de TI, e a próxima era deve ser marcada por uma revolução semelhante na infraestrutura de segurança”, afirmou Medina. “Estou orgulhoso e empolgado por ter a oportunidade de trabalhar com uma equipe de profissionais experientes, com excelência comprovada nas áreas de infraestrutura de TI e segurança cibernética, no lançamento de uma nova plataforma global para ajudar os nossos clientes a operar e proteger seus sistemas empresariais e aplicações críticas. Estou muito feliz por dar as boas-vindas para a nossa equipe, nossos clientes e nossos parceiros à Cyxtera.”

Tags, , , , , , , ,

Startup mobLee recebe investimento da Bzplan

457791d6-5ba6-49a9-b368-25abd45fad43

A gestora de fundos de investimento Bzplan anuncia aporte de R$ 3 milhões na mobLee, desenvolvedora de uma plataforma de software as a service (software como serviço) que tem como objetivo diminuir a lacuna existente entre o marketing digital e o mercado de eventos corporativos.

A plataforma da mobLee permite que organizadores de eventos se comuniquem com os participantes, entreguem mais valor aos patrocinadores e potencializem as oportunidades de networking. A empresa, fundada em 2011 e com sede em Florianópolis (SC), tem como premissa centralizar todas as informações de eventos que antes eram distribuídas de maneira manual, como por meio de flyers e catálogos, em aplicativos para dispositivos móveis. A startup tem na carteira clientes como a Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP), Endeavor Brasil, BM&FBovespa e Sebrae.

Com 16 funcionários, a mobLee registrou um crescimento de 121% no número de eventos que utilizou sua plataforma em 2016. Para o CEO, André Rodrigues, o aporte permitirá que a empresa invista no crescimento do time, na área de Customer Success e em processos de marketing e vendas. “O aporte vem no momento ideal de maturidade da empresa e do produto, já estávamos sentindo há algum tempo que estava na hora de acelerar. Só chegamos até aqui graças ao foco em produto, pesquisa e desenvolvimento. Então, não poderíamos deixar de fortalecer também as áreas de design e engenharia, para agregar mais valor aos clientes atuais e potenciais negócios”, explica Rodrigues.

De acordo com Marcelo Wolowski, sócio da Bzplan, um dos motivos que levou a gestora a investir na mobLee é o fato de a startup estar caminhando para tornar-se também uma geradora de oportunidades no marketing offline. “Nós enxergamos que o mercado dos investimentos no marketing offline vem decrescendo porque não é possível saber qual é o seu retorno real. A mobLee pretende mensurar esses investimentos e o retorno de cada um deles”.

Ser uma gestora de empreendedores para empreendedores é um dos grandes diferenciais da Bzplan em relação aos demais fundos de venture capital do Brasil. Sua equipe de sócios e profissionais conta experiência comprovada em criar, crescer e vender negócios de tecnologia. Para ela, além do potencial do negócio, o que garantiu o aporte na mobLee foi a sinergia entre os empreendedores e os investidores.

A Bzplan tem sede em Florianópolis (SC) e foi criada em 2002 a partir da experiência de seus sócios na gestão de pequenos empreendimentos inovadores e na captação de recursos financeiros – ao todo, já avaliou mais de mil projetos. No ano passado, ganhou destaque com a operação de saída de uma das empresas em que investiu: a Axado, startup líder nacional em gestão de fretes, foi vendida ao Mercado Livre por R$ 26 milhões, o que rendeu um retorno de 426% ao fundo.

Tags, , , , ,

Hospitalar 2017: 2iM S/A apresenta tecnologia inovadora para gestão da performance na área da saúde

A 2iM Inteligência Médica disponibilizou ao mercado uma inovadora solução de Business Analytics em Saúde, capaz de gerar níveis diferenciados de avaliação de desempenho a partir da consolidação de dados gerados pelos sistemas de gestão dos hospitais, operadoras de planos de saúde e SUS. Os recursos do software GPS.2iM© serão apresentados durante a Hospitalar 2017, evento que acontece de 16 a 19 de maio, em São Paulo (Expo Center Norte).

Além disso, a empresa realiza pela primeira vez o FÓRUM 2iM EXPERIENCE, no qual instituições renomadas como os Hospitais Sírio Libanês, Samaritano e Marcelino Champagnat apresentarão casos de sucesso relevantes onde foi utilizada a solução na área hospitalar. Com foco em hospitais, o fórum contará com o apoio da Organização Nacional de Acreditação – ONA e terá a participação no temário da Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS.

De acordo com Dr. César Abicalaffe, CEO da 2iM Inteligência Médica, a companhia tem boas expectativas em torno desta edição da Hospitalar. “Nossa participação está alinhada à estratégia de fortalecimento da marca 2iM como referência em avaliação de desempenho de corpo clínico no mercado hospitalar. Atualmente cerca de 25% dos hospitais filiados à ANAHP empregam nossa tecnologia e estamos trabalhando fortemente para aumentar este market share”, ressalta o executivo.

O portfólio da 2iM Inteligência Médica abrange toda a cadeia do mercado de saúde, uma vez que suas soluções foram desenvolvidas para avaliar o desempenho e a qualidade dos prestadores de serviços de saúde, desta forma contempla desde o profissional até os hospitais.

Gestão da Performance da Saúde

image007

Com foco em inovação, a solução GPS.2iM© emprega avançados sistemas para avaliar o desempenho de profissionais e serviços de saúde, como hospitais, unidades hospitalares, médicos, entre outros. A ferramenta integra diferentes sistemas e planilhas para geração e composição de indicadores que são agrupados nas principais dimensões da qualidade: estrutura, eficiência, efetividade e experiência do paciente.

Cada indicador é ponderado dentro destas dimensões e quando comparado a um parâmetro específico permite calcular um escore. A soma das pontuações de cada indicador aponta um índice de performance de quem está sendo avaliado. A partir deste monitoramento mensal, cada profissional avaliado tem acesso, via internet, ao seu desempenho possibilitando comparações com seus pares, assim como os gestores do programa podem realizar análises e comparações entre indicadores, profissionais, especialidades, entre outros.

A medição e divulgação dos indicadores, por si só, já traz uma melhoria na qualidade da prestação dos serviços e no controle de custos, no entanto, outras estratégias podem ser adotadas a partir do conhecimento destes dados e de seus respectivos agrupamentos.

O GPS.2iM© atende às exigências das acreditadoras para os hospitais no que tange ao monitoramento e avaliação de desempenho de corpo clínico e possibilita a revisão do modelo de remuneração em saúde, saindo de modelos simples para pagamentos por performance ou pagamentos baseados em valor. Além disso, o software favorece os programas de relacionamento com a rede credenciada ou médicos do corpo clínico e apoia a auditoria médica na avaliação e no controle de custos e utilização do sistema.

I Fórum 2iM Experience

Além de conhecer os mais recentes incrementos da ferramenta da 2iM, os visitantes da Hospitalar terão a oportunidade de inteirar-se a respeito das inovadoras experiências que estão em curso hoje na gestão da de hospitais, narradas diretamente pelos clientes da 2iM.

O CEO da companhia, Dr. César Abicalaffe abrirá o evento explicando a importância do uso de tecnologias avançadas para que as instituições de saúde enfrentem com sucesso os enormes desafios de produtividade, desperdício e qualidade. O consultor do Hospital Sírio Libanês para o DRG, Dr. André Osmo, apresentará um caso prático da integração do DRG da 3M com o GPS.2iM© na instituição. Na sequência, Dr. Fernando Leal, Gerente de Relacionamento com o Corpo Clínico do Hospital Samaritano falará sobre Programa de Relacionamento com o corpo clínico, abordando o uso do GPS.2iM© como ferramenta de fidelização. Já o Dr. José Octávio Leme, Superintendente do Hospital Marcelino Champagnat, ministrará palestra sobre a utilização da metodologia GPS.2iM© em conformidade com a Acreditação pela JCI. Para encerrar o evento, a Diretora da ANS, Dra. Martha Regina de Oliveira dará a visão da instituição sobre a avaliação de qualidade em saúde e o impacto em modelos de remuneração. Por fim, o Diretor de Operações da 2iM, Jovaldo Savian, abordará as evoluções dos projetos da companhia e as inovações para 2017/18.
As vagas serão limitadas a 150 pessoas, por isso, o visitante interessado deve realizar sua inscrição com antecedência aqui: http://www.2im.com.br/hospitalar/.

Tags, , , , , ,

Facilitadora de negócios movimenta mais de R$2 milhões trabalhando o networking coorporativo

Nascida da percepção de que o networking no Brasil ainda é bastante deficiente, a República de Negócios se posiciona no mercado como uma empresa que se propõe a fazer a ponte entre quem tem o problema e quem tem a solução.

A ideia é ir além do que os clubes de networking geralmente fazem quando apenas apresentam empresários uns aos outros. A facilitadora de negócios idealizada por Glauco Vega e Guilherme Galletti, se propõe antes de tudo, entender as necessidades dos empresários, “as suas dores”, como costumam dizer os sócios.

A República de Negócios foi criada como um ecossistema fechado de empresas que tem um alto nível de relacionamento no mercado e estão desenvolvendo projetos de grande impacto e muito consistentes. “Unimos todas estas empresas para poder gerar o maior valor possível para o mercado e assim dispondo de uma vasta proposta de valor para seus parceiros e clientes”, explica Vega.

A metodologia da empresa está baseada em quarto pilares básicos que são a proximidade (trata da relação de confiança), a intenção (onde são expostos os porquês de aproximar aquelas duas empresas), a intensidade (fazer a comunicação entre as empresas frequentemente, mas sem pressão desnecessária) e o acompanhamento (onde se monitora o andamento do negócio com objetivo de ganho de eficiência).

Há cerca de dois anos no mercado, a facilitadora já colaborou com a geração de negócios e oportunidades na faixa dos R$ 300 milhões de reais (pipeline e negócios fechados). Já geraram valor para empresas como Sky, Magazine Luiza, Gocil, Lojas Marisa, Banco Carrefour, Intelserv, Tivit, Via Varejo, KPMG, entre outras.

“Queremos mudar essa visão extrativa do mercado e apresentá-los a nova era de negócios, o modelo colaborativo de fazer negócios, com real interesse em ajudar e assim, estamos desenvolvendo diversas formas de abordar o tema do crossnetwork. Nossa crença é que podemos de fato ajudar e gerar valor e riqueza para o mercado”, encerra Vega.

Tags, , , ,

Riachuelo coloca e-commerce no ar e aposta em modelo integrado para expandir

unnamed (69)

A Riachuelo, maior empresa de moda do país, acaba de estrear sua plataforma de e-commerce (www.riachuelo.com.br) que já nasce com 15 mil itens à venda, o mesmo volume disponibilizado nas lojas físicas da companhia. A nova operação demandou investimento de R$ 28 milhões e marca os 70 anos da Riachuelo no varejo brasileiro.

O projeto foi planejado em linha com o conceito da omnicanalidade, o que significa que os universos on e off-line estarão totalmente integrados. “É uma tarefa complexa, que exige mudanças culturais, processuais, além de impactar diretamente a rotina dos colaboradores”, explica Jonas Ferreira, head do e-commerce da Riachuelo. Segundo o executivo, o maior desafio foi implantar toda a plataforma em sinergia com a operação física e com o Centro de Distribuição da companhia, que atenderá às demandas das duas operações.

Em 2015, a Riachuelo investiu R$ R$ 250 milhões na modernização de um novo CD, localizado em Guarulhos, para ampliar a capacidade de expedição da companhia e apoiar a nova plataforma de vendas pela internet.

Na prática, o maior beneficiado com a integração dos canais é o consumidor, que poderá realizar trocas e cancelamentos, além de tirar dúvidas sobre compras realizadas no e-commerce no ambiente físico, tudo isso com o auxílio dos colaboradores das lojas. Futuramente, também será possível realizar compras pelo site nos próprios pontos de venda da Riachuelo. “Chegamos nesse mercado depois dos maiores players, o que nos permitiu analisar o que deu certo ou não. Percebemos que a maioria das companhias tratava o e-commerce como outra empresa, sem nenhuma sinergia com a operação física, o que gera diversos problemas”, avalia.

Além da integração on e off-line, a interface do e-commerce da Riachuelo traz diversas funcionalidades, como propostas de soluções para combinar looks, sistema de busca personalizada, possibilidade de verificar medidas do corpo e navegação dividida por categoria, produto e estilo. O site também disponibilizará informações e referências de moda para auxiliar os consumidores no momento da compra.

Apesar do impacto da nova operação em toda a companhia, somente duas novas áreas foram criadas na Riachuelo: a do e-commerce, que fará toda a gestão do negócio e a interface com as demais áreas, e um estúdio próprio de fotografia implantado na sede da companhia, que facilitará o processo de fotografar os produtos em linha com o conceito da companhia. “Isso significa que todas as demais áreas foram sinergizadas à realidade do e-commerce, justamente para que a proposta da de omnicalidade e de integração de processos acontecesse de forma orgânica”, diz Jonas.

Tags, ,

Mobile Banking é o preferido dos brasileiros para transações bancárias, revela pesquisa da Febraban

Canal ultrapassa internet banking e representa 34% do total das operações em 2016; movimentações financeiras pelo canal aumentam 140%

O mobile banking é o canal preferido dos brasileiros para operações bancárias e já representa um terço das transações feitas no país, de acordo com a Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2017, divulgada hoje pela Federação, com dados de 2016. Segundo o estudo realizado pela Deloitte, com 17 bancos que resentam 91% dos ativos da indústria bancária brasileira, o canal superou, pela primeira vez, o internet banking na preferência do cliente e respondeu por 34% do total das transações realizadas no país no ano passado, um aumento de 14 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior.

O levantamento revelou que o uso do mobile banking quase dobrou em 2016, passando de 11,2 bilhões de transações para 21,9 bilhões. Considerando-se apenas as transações com movimentação financeira, o crescimento foi ainda maior: saltou de 500 milhões para 1,2 bilhão, alta de 140%. No ano passado, foram feitas pelo canal 505 milhões de transferências por TED/DOC ante 60 milhões em 2015, um incremento significativo de 741%. Além disso, os brasileiros pagaram 468 milhões de contas pelo mobile banking, 37% a mais do que o registrado no levantamento anterior.

O número de contas que usam o recurso também apresentou alta: saltou de 33 milhões para 42 milhões. A pesquisa identificou também que 9,5 milhões de clientes do mobile banking são heavy users – utilizam mais de 80% de suas transações bancárias neste canal.

“A possibilidade de fazer transações bancárias usando apenas um dispositivo à mão, o smartphone, trouxe comodidade, funcionalidade, rapidez e a presença do banco na vida do cliente em qualquer lugar, 24 horas por dia, sete dias por semana”, afirma Gustavo Fosse. O diretor da FEBRABAN também destaca que o consumidor demonstra mais confiança nos canais digitais, e o setor vem investindo para oferecer cada vez mais funcionalidades e segurança para as transações bancárias.

Segundo o executivo, a pesquisa revelou que o crescimento do mobile também se deve, em boa parte, à migração de operações feitas pelo internet banking e ATMs. O levantamento mostrou que o internet banking é o responsável por 23% do total das transações ante 32% registrados no levantamento anterior. Em 2016, o número de operações bancárias feitas por este canal totalizou 14,8 bilhões, queda de 16% em relação à pesquisa de 2015.

Na análise do diretor da FEBRABAN, o uso do mobile banking deve crescer ainda mais com o avanço das contas totalmente digitais no País, abertas por meio totalmente eletrônico, sem contato presencial entre clientes e instituições bancárias, e viabilizadas a partir de regras estabelecidas na resolução 4.480 do Banco Central. Atualmente há quase um milhão de contas totalmente digitais no país e a expectativa é que esse número chegue a 3,3 milhões até o final do ano.

Para Paschoal Pipolo Baptista, sócio da Deloitte e especialista na indústria de serviços financeiros, a opção dos brasileiros pelo mobile banking reforça a necessidade de investimentos para ampliar e facilitar o uso deste canal e permitir a personalização de serviços pelo próprio cliente. “Os resultados da pesquisa da Deloitte evidenciam que os bancos brasileiros estão respondendo a esse movimento, mantendo-se na vanguarda tecnológica global.”

Antes do lançamento das principais plataformas de internet banking na segunda metade da década de 1990, os principais canais de relacionamento entre bancos e clientes eram as agências, caixas eletrônicos (ATMs) e telefone. Nos últimos cinco anos, o uso crescente dos canais digitais mostrou um sólido crescimento: a pesquisa mostra que agora internet e mobile banking, juntos, respondem por 57% das transações, ante 52% em 2015. Em 2011, os canais digitais eram responsáveis por 38% das operações bancárias. Ao todo, o sistema bancário registrou no ano passado 65 bilhões de operações, alta de 17% ante 2015.

Os pontos físicos e outros canais de atendimento ainda desempenham um papel relevante no atendimento aos clientes. Segundo o estudo divulgado hoje, o total de transações realizadas em agências bancárias, ATMs, correspondentes e contact centers foi de 33% do total. Transações pelo POS (pontos de venda no comércio) totalizaram 10%.

De acordo com o levantamento, no final de 2016, havia em todo o país 23,4 mil agências físicas, praticamente o mesmo nível do ano anterior – os dados foram obtidos no Banco Central e ainda não refletem reduções do número de agências anunciadas por grandes bancos no ano passado.

Fosse explica que o canal passa por um momento importante de readequação e redefinição de papel, adotando cada vez mais um modelo consultivo. “Essa mudança exige, também, um novo perfil e habilidades de seus funcionários, que precisam estar preparados para atender as novas necessidades e questionamentos trazidos pelos clientes”, diz.
Outros pontos físicos, como PABs (postos de atendimento bancário) e PAEs (postos de atendimento eletrônico) registraram alta de 6% e atingiram um total de 48,5 mil.

Investimentos

Mesmo em um cenário econômico desafiador, os bancos brasileiros preservaram os investimentos em tecnologia. A pesquisa revelou que as despesas e investimentos somaram R$ 18,6 bilhões em 2016, no mesmo patamar dos últimos anos. Desse total, 45% foram destinados a software, 35% a hardware, e 19% a telecom, mesma tendência apontada nos estudos anteriores.

No Brasil, o setor bancário é responsável por 14% dos investimentos e despesas feitas em tecnologia da informação, mesmo porcentual gasto pelo governo, e um ponto percentual acima da estatística mundial.

A pesquisa avaliou, pela primeira vez, o nível de desenvolvimento e implantação de tecnologias disruptivas feitos pelas instituições financeiras. Segundo o estudo, 47% dos bancos investem em analytics, 24% em computação cognitiva, e 65% estudam a implantação do blockchain em suas transações.

Segundo Fosse, os resultados demonstram o comprometimento dos bancos para oferecer uma experiência diferenciada para os clientes, processo que demanda novas tecnologias, soluções e produtos inovadores, e equipes especializadas, capazes de entender as necessidades de uma nova geração que pensa e age digitalmente. “Os investimentos feitos pelos bancos na adoção de novas tecnologias reafirmam a posição de vanguarda da indústria bancária nacional em relação ao cenário mundial”, conclui.

A apresentação da Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária está disponível neste link.

Fonte: Febraban

Tags, , , ,