Page

Author admin

Começa amanhã o maior evento de empreendedorismo do Brasil

De 22 a 25 de fevereiro, a cidade de São Paulo recebe o maior evento do empreendedorismo do País, a Feira do Empreendedor 2014, realizada pelo Sebrae-SP. O público que for ao Expo Center Norte poderá fazer negócios, passar por consultorias individuais e coletivas, assistir a palestras, ver novidades, tendências e encontrar todo o tipo de informação sobre como abrir e manter um negócio próprio. Uma das grandes novidades para este ano é o espaço especial para quem pensa em aproveitar oportunidades que surgem com a Copa do Mundo FIFA 2014.
Este ano os visitantes terão a oportunidade de percorrer os 21 mil metros quadrados da Feira onde serão montados os estandes temáticos do Sebrae-SP. Nesses espaços, a equipe do Sebrae-SP estará a postos para levar ao empresário ou futuro empresário orientação de qualidade, seja ele do setor de comércio, serviços, indústria ou agronegócios. Este último ganhou atenção especial nesta edição, com um estande que permitirá às empresas apresentarem seus produtos, possibilitando a realização de negócios. “A Feira do Empreendedor é uma verdadeira vitrine das soluções que o Sebrae-SP e parceiros oferecem aos pequenos empresários que querem se tornar mais competitivos e aos futuros empreendedores que estão iniciando sua trilha por este mundo. São quatro dias intensos de atividades de orientação, capacitação e oportunidades de negócios”, destaca Alencar Burti, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-SP.
Para dar todo o suporte ao empreendedor durante o evento, o Sebrae-SP vai oferecer 78 pontos de atendimento. “Na Feira, o visitante poderá conversar individualmente com um consultor do Sebrae-SP, tirar suas dúvidas e receber a assessoria que precisar”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano. “Além disso, ele poderá acompanhar palestras com especialistas em vários assuntos que ocorrerão em seis salas com capacidade para até 300 pessoas.” Nessas palestras serão abordados temas como gestão, mercado, inovação e tendências, entre outros, formando um vasto leque de opções para levar conteúdo de alto nível ao público.
Cerca de 350 expositores também estarão presentes na Feira abrangendo os segmentos de franquias, negócios online, máquinas e equipamentos e representação comercial.
A feira terá ainda um espaço de atendimento do Sebrae-SP dedicado à formalização do Microempreendedor Individual (MEI). No local, o MEI terá a oportunidade de regularizar seu negócio na hora, resultado da parceria do Sebrae-SP com a Secretaria do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo, da Prefeitura de São Paulo.

Espaço Copa FIFA 2014 traz dicas para aquecer ou ampliar negócios

Sebrae-SP espera atender 500 pessoas/dia na Feira do Empreendedor, orientando sobre oportunidades em comércio, serviços e turismo.

O Sebrae-SP preparou para a Feira do Empreendedor, que vai de 22 a 25 de fevereiro, no Expo Center Norte, um espaço especial para quem pensa em aproveitar oportunidades que surgem com a Copa do Mundo FIFA 2014, principalmente em comércio, serviços e atividades ligadas ao turismo. No estande da Copa, consultores atenderão o público com a realização de palestras e consultorias, realizadas individualmente ou em grupo.
“Nosso objetivo é estimular não apenas o ganho momentâneo, potencializado durante os 30 dias dos jogos, mas melhorias de organização e de gestão, fundamentais para que as empresas conquistem competitividade e longevidade no mercado”, explica o diretor superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano.
A ideia é levar informações e envolver os empresários no clima do mundial, que deve trazer para o Brasil perto de 600 mil turistas estrangeiros e 3 milhões de turistas brasileiros, vindos de várias regiões do País.
“Vamos reunir num mesmo espaço da feira, que espera perto de 60 mil visitantes, um conjunto de produtos e serviços do Sebrae-SP destinados a melhorar a competitividade das empresas e inseri-las nas oportunidades de negócios geradas pela realização do mundial de futebol. Palestras e consultorias terão foco nos segmentos que, daqui até a realização do jogos, terão maiores chances de vender mais ou de crescer”, diz o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-SP, Alencar Burti.
Serão apresentados aos empreendedores um mapa de oportunidades, que listou mais de 900 possibilidades de negócios com o torneio em vários setores; informações sobre como funciona o licenciamento de produtos ou de como trabalhar ideias de novas frentes de atividade em empreendimentos já em andamento.
Cassio dos Santos, consultor do Sebrae e coordenador da ação, cita como exemplo uma agência de viagens, que pode agregar serviços de turismo receptivo, ou um restaurante que, com a criação de novos pratos, cardápios e serviços destinados aos turistas e às seleções hospedadas em várias cidades, também estará testando caminhos que poderão depois ser adaptados e incorporados ao atendimento da clientela local.
Locais para atendimento online foram montados para que os visitantes conheçam e utilizem os serviços Matriz de Competitividade e Central de Oportunidades – canais criados no programa Sebrae 2014, com foco nos megaeventos, para auxiliar as pequenas empresas e empreendedores individuais a fazerem um diagnóstico do negócio e se tornarem mais competitivos, além de aproximar potenciais compradores e vendedores.
Será disponibilizado ainda para os visitantes o Guia de Orientação Local (GOL), elaborado pelo Comitê Paulista da Copa em parceria com o Sebrae. Voltado para os municípios paulistas, o material esclarece dúvidas de empresários, comerciantes, turistas e do público local, mostrando, por exemplo, como aproveitar o momento de maior visibilidade e a grande circulação de turistas, promovendo festas e eventos, sem infringir regras e direitos comerciais da FIFA e seus patrocinadores.
Olímpiadas 2016 – A feira contará ainda com um estande que dará orientações a empreendedores paulistas e de outros estados interessados em saber mais sobre chances de negócios geradas pelas Olímpiadas 2016. Em 2013, o Sebrae nacional firmou convênio de cooperação técnica com o Comitê Organizador Rio 2016™, entidade privada responsável pela contratação das fornecedoras de produtos e serviços para os jogos Olímpicos e Paralímpicos. A partir daí foi desenvolvido o Projeto Sebrae no Pódio.
Na feira, será apresentado o projeto, pelo qual empresas de todo País poderão integrar a rede de potenciais fornecedores de bens e serviços das Olimpíadas, destacando que 10% do orçamento total das compras será direcionado a pequenas empresas. Para participar, as empresas devem passar por processo de diagnóstico, palestras e capacitações, que permitirão a inclusão no cadastro de fornecedores dos jogos, num universo de mais de 550 itens de compra.

SERVIÇO
Feira do Empreendedor
Local: Expo Center Norte – Pavilhão Verde, São Paulo
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme
Data: de 22 a 25 de fevereiro
Sábado e domingo: 10h às 21h
Segunda e terça-feira: 13h às 21h
Entrada franca

Fonte: Sebrae-SP

Tags, ,

Gestão de risco não faz parte das estratégias das empresas de energia e recursos naturais, aponta KPMG

As empresas de energia e recursos naturais (ERN) podem estar despreparadas para enfrentar o conjunto de riscos cada vez mais presente no mercado, de acordo com o relatório intitulado “Sem burocracia: transformando a gestão de risco nas empresas de energia e recursos naturais” (do original, em inglês, No paper chase: transforming risk management at energy and natural resources companies). O levantamento foi feito pela KPMG em parceria com a Economist Intelligence Unit, com mais de 1.100 entrevistados de todo o mundo das áreas de risco, compliance, administração geral e financeira.

“Os dados da pesquisa mostram claramente que as empresas de ERN precisam, em caráter de urgência, voltar a focar os pontos fundamentais e repensar o que elas esperam alcançar por meio de seus programas de risco caso pretendam acompanhar a rápida transformação do ambiente em que operam hoje. A gestão desses riscos não está progredindo na mesma velocidade em que as ameaças enfrentadas pelas empresas, e estas, por sua vez, correm o risco de ficar abaixo das expectativas em áreas importantes”, afirma o sócio da KPMG no Brasil, Martiniano Lopes.

A pesquisa apontou que as empresas de ERN já estão começando a ficar para trás. Menos de dois terços dos respondentes disseram que “geralmente” ou “constantemente” incorporam a gestão de risco em suas decisões de planejamento estratégico; somente 14% deles afirmaram que possuíam uma declaração de risco formal; quase metade admitiu não estar realizando anualmente uma avaliação de risco; e mais de um terço disse que sua área de gestão de risco se baseia em uma autoavaliação realizada pelas unidades de negócio, e não por uma área de risco centralizada.

“As empresas de petróleo e gás sempre investiram em atividades de gestão de risco para abordar as ameaças específicas à área, tais como riscos de exploração, de produção e financeiros. O desafio consiste em como integrar todas essas iniciativas a uma estrutura comum para ter certeza de que o conselho de administração e a alta administração sejam informados sobre os principais riscos e os planos de mitigação, visando reforçar a tomada de decisão”, afirma Lopes.

Instabilidade política é o maior desafio

De acordo com o relatório, mais de dois terços (69%) das empresas de ERN que responderam à pesquisa veem a instabilidade geopolítica como a maior ameaça ao setor. O segundo item mais citado (53%) foi a pressão regulatória. A incerteza regulatória é particularmente desfavorável para aquelas empresas de ERN que estão aventurando-se em novos países ou em regiões instáveis.

Um dos maiores obstáculos pela desaceleração das áreas e dos recursos de gestão de risco dentro do setor de ERN se reduz à falta do consenso entre o conselho de administração e os executivos em relação aos objetivos de seu programa e ao retorno sobre seus investimentos. De acordo com os dados, quase um quarto das empresas do setor não possui nenhum recurso para mensurar o retorno sobre o seu investimento em gestão de risco.

“O cerne do problema é que até mesmo as grandes empresas abordam e avaliam riscos de maneira muito simples. A maneira pela qual elas abordam e avaliam os riscos não é conectada às finanças e às metas operacionais da realidade do grupo”, finaliza.

A pesquisa pode ser acessada através do link: “No paper chase: Transforming risk management at energy and natural resources companies (Sem burocracia: Transformando a gestão de risco em empresas de energia e recursos naturais)” .

Tags, , , ,

Empresa lança aplicativo que concentra tudo para quem precisa realizar um evento

Recentemente o grupo EventoFacil, em parceria com a empresa Digital Result criou um aplicativo para quem planeja, organiza e promove eventos corporativos (APP EventoFacil).

Disponível para smartphone e tablet, com download gratuito na APP Store e Google Play, com este aplicativo, o usuário tem acesso à uma agenda com as principais feiras de negócios e eventos que acontecem no Brasil, um guia completo de destinos, espaços para a realização de eventos e os principais fornecedores de produtos e serviços para eventos.

Outra ferramenta do app é a seção de notícias do mercado que é atualizada diariamente.

Sobre o Grupo Eventofacil

O Grupo EventoFacil organiza a Feira de Destinos, Espaços e Fornecedores para Eventos Corporativos, Esportivos, Shows e Gastronomia, que tem como principal objetivo gerar relacionamentos e promover negócios entre os profissionais do mercado de eventos, o EventoFacil Meeting, o Eventofacil Guia e o EventoFacil Café.

Tags,

Museu Paranaense tem novo software de gestão de acervos

O Museu Paranaense já está com parte do seu acervo catalogado e disponível para consulta na plataforma tecnológica Pergamum Museus. Desenvolvido pela Secretaria de Estado da Cultura, em parceria com a Pontifícia Universidade Católica (PUC-PR), o software permite que os acervos sejam organizados e disponibilizados para o público, que tem acesso a imagens, especificações técnicas e outras informações.

No caso do Museu Paranaense já estão disponíveis para consulta cerca de 18 mil exemplares, entre o acervo museológico e da biblioteca. “O objetivo é que até o fim de 2014 tenhamos 90% do acervo catalogado e disponível para consulta”, explica Renato Carneiro, diretor do Museu.

A implantação do software traz outros benefícios. “O Pergamum Museus é uma ferramenta importante que possibilita uma série de melhorias aos espaços, além do acesso à informação. No Museu Paranaense, por exemplo, todo o acervo está sendo inventariado e organizado de acordo com padrões internacionais de conservação preventiva”, conta a gestora museológica Karina Muniz Viana.

Para acessar as informações é necessário entrar no Portal de Informações da Cultura (www.sic.cultura.pr.gov.br) e clicar na aba “Museus”.

O PROJETO – O Pergamum é um software criado há mais de 15 anos. O sistema possui as principais funções de atendimento de uma biblioteca, facilita a gestão dos centros de informação e é usado por diversas instituições nacionais e internacionais. Em uma parceira entre o governo do Paraná, por meio da Secretaria de Estado da Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, há dois anos vem sendo desenvolvido o software para a gestão dos acervos museológicos. Alguns espaços já contam com o software, que ainda está em desenvolvimento.

O Paraná é o primeiro Estado a ter esse sistema implantado. “A ideia é fazer com que os museus tenham um software que possibilite gerenciar seus acervos. O Paraná será modelo para o país”, afirma o coordenador do Sistema Pergamum, Marcos Rogério de Souza.

Fonte: Governo do Paraná

Tags, ,

Sebrae-SP lança programa para empresas de TIC

No dia 27 de fevereiro, às 19h30, o Sebrae-SP apresenta o seu programa para empresas de Tecnologia de Informação e Comunicação, o “SPTIC”, cujo objetivo é capacitar as micro e pequenas empresas (MPES) do setor para estarem aptas a prestar serviços para grandes companhias dos setores de bancos, saúde, educação, setor público, e-commerce, entre outros.

As capacitações são gratuitas e visam desenvolver a gestão de negócios em aspectos como gestão administrativa, financeira, inovação e diversificação da carteira de clientes. O objetivo é aumentar a competividade das MPEs e, com isso, fazer com que aumentem mercado e faturamento. Poderão se inscrever empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de todo o Estado de São Paulo. Mais informações sobre a participação no programa podem ser obtidas pelo telefone (11) 3832-5210.

Nos últimos 10 anos, o mercado brasileiro para empresas de tecnologia da informação se encontra em plena expansão, o número de consumidores que compram pela internet, por exemplo, passou de um milhão em 2001 para mais de 40 milhões em 2012. Além disso, são mais de 80 milhões de internautas. Para o empresário tirar proveito dessa tendência, não basta simplesmente criar um site ou uma página nas redes sociais, é sobremaneira importante que ele tenha toda a qualificação necessária para gerir de maneira sustentável e lucrativa a sua empresa.

Para o nosso primeiro evento, teremos referências na área, que atuam junto ao setor público e representam grandes empresas do segmento. Os assuntos discutidos passam desde o cenário atual do mercado de tecnologia no Brasil, com a apresentação do censo TIC 2013 realizado pela ASSESPRO até as dificuldades em contratar micro e pequenas empresas do setor, certificações exigidas e problemas e soluções na qualidade dos serviços.

A apresentação do SPTIC acontece às 19h30, na sede do Sebrae-SP, localizada na Rua Vergueiro, nº 1117, Paraíso, São Paulo, capital.

O evento tem apoio da Softex (Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro), Assespro (Associação das Empresas de Tecnologia da Informação), Brasscom (Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), ITS (Instituto de Tecnologia de Software), Cietec (Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia) e Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), Instituto Vanzolini e Stefanini.

Tags, ,

Deseja criar uma startup? Confira as dicas do Angels Club

Startup já virou sinônimo de negócio lucrativo. Entretanto, ingressar neste modelo de empreendimento requer mais do que ter uma ideia brilhante na cabeça. Para levar o projeto adiante é importante ter afinidade com a inovação, persistência e muito conhecimento técnico acerca da atividade que se pretende desenvolver e do setor em que se deseja atuar. Além disso, fazer contato com investidores também é outro passo fundamental. Afinal, acreditar na própria ideia é fácil, o desafio é convencer outra pessoa de que seu negócio é algo realmente significativo, com poder de transformar a vida das pessoas.

Para quem deseja criar uma startup de sucesso, o vice-presidente de Negócios e Relacionamento do Angels Club, Junior Borneli, reúne 10 dicas fundamentais. Confira abaixo:

• Antes de tirar o negócio do papel verifique se a ideia original se encaixa nas premissas de uma startup. Esteja aberto a ouvir opiniões, pesquisar o mercado e suas necessidades, identificar o público em potencial e a concorrência. Conversar com quem conhece o mercado e extrair o máximo de informações é fundamental para identificar a oportunidade real do seu negócio;

• Estude, pesquise, investigue. Adquirir conhecimento sobre administração, finanças, marketing e demais assuntos pertinentes ao mundo do empreendedorismo é essencial para a abertura e gestão do negócio. Além disso, trocar vivência com outros empreendedores, fazer cursos ou buscar informações nas redes sociais é mais uma forma de ganhar conhecimento e ampliar o seu negócio;

• Invista em networking. Se você está seguro que sua rede de contatos criará ambientes de geração de negócios e ajudará a ativar sua startup, vá em frente e aposte no negócio;

• Fique atento aos principais cuidados jurídicos básicos, entre eles, a abertura formal da empresa, o registro da marca, dos produtos e dos serviços que serão oferecidos pela startup. É importante ressaltar que qualquer alteração contratual na empresa deve ser informada e atualizada junto às autoridades competentes;

• Mantenha-se antenado e com foco na inovação. Em um ambiente tão competitivo como o mundo dos negócios, ter diferencial e criatividade são fatores que podem definir quão longe sua empresa pode chegar;

• Gere conteúdo para sua startup. Faça-a aparecer. Crie um blog, compartilhe o conteúdo gerado no blog em sua fan page, faça parceria com sites e demais redes sociais;

• Pense globalmente. Ideias globais são sempre mais interessantes. Se a startup criada tem uma solução universal, isso atrai a atenção de investidores, sempre em busca de novas oportunidades;

• Nem sempre os empreendedores dispõem de recurso financeiro próprio, suficiente para investir no negócio. Nesses casos, contar com a ajuda de um ou mais investidores é a melhor alternativa para fazer a empresa crescer. Eles são profissionais experientes, capitalizados e dispostos a participar da criação da startup. Nesse sentido, o Angels Club pode ajudar. Com a missão de democratizar o empreendedorismo no Brasil, o Angels Club é uma plataforma que conecta investidores dispostos a movimentar a economia de forma proativa e multiplicadora a empreendedores de diversos perfis e segmentos de atuação. De tecnologia ao setor imobiliário. De agronegócios a projetos sociais. De automação a biotecnologia. Estes empreendedores podem ainda estar com as suas ideias em fase embrionária ou iniciada (startups), mas precisando de capital e expertise para se consolidarem. Além de poder divulgar o seu projeto por um ano, com o Angels Club o empreendedor terá a chance de participar de eventos com executivos ligados ao universo das startups, o que ampliará consideravelmente o seu networking, terá acesso a cursos e treinamentos e, ainda, receberá clipping e material de apoio, tudo isso gratuitamente;

• Determine regras claras de organização, sobretudo, quando se tratar de funcionários. A contratação informal, por exemplo, pode acarretar em sérios problemas trabalhistas futuros;

• Nunca desista. Não ache que sua ideia não possui concorrentes e que existe uma fórmula mágica para que seu negócio dê certo. A concorrência fortalece e estimula a evolução e qualificação constantes. Saiba lidar com críticas negativas e até possíveis mudanças no projeto sem se deixar abater. Os segredos do jogo são perseverança e resiliência.

Tags

Intel lança plataforma ‘Diálogo TI’ voltada para profissionais em busca de novidades na área

Com o objetivo de divulgar as melhores práticas do segmento, treinamentos sobre as mais recentes tendências de uma maneira intuitiva e simples, além de conteúdo relevante para profissionais de TI, a Intel lança para toda a América Latina a plataforma Diálogo TI (http://DialogoTI.intel.com), um site com novos materiais que respondem às necessidades do setor.

Diálogo TI, que já estava disponível para países de língua espanhola há sete anos, junto com o site brasileiro Next Generation Center, forneceram mais de 41 mil cursos para os interessados no uso da tecnologia nos negócios em 2013. Os temas abordados foram desde Segurança da Informação, Gestão de TI, Empresas Digitais, Virtualização, Computação em Nuvem até ERP.

Como uma das mais completas fontes de capacitação relacionadas à tecnologia, a plataforma continua avançando regionalmente e dando suporte aos departamentos de TI das pequenas e médias empresas. De acordo com dados do programa regional IBERPYME para 2013, 11% das PMEs de todo o mundo se encontram na América Latina, das quais 716 mil são pequenas empresas e 145 mil são de médio porte. Estas empresas mantêm uma busca constante para melhorar as condições de suas estruturas de TI com soluções que aumentem a produtividade de forma estratégica.

“Para o modelo de negócio da Intel, é fundamental manter contato constante com os tomadores de decisões de TI. Continuar trocando ideias e conhecimento contribui para que os profissionais das áreas tecnológicas escolham os melhores produtos do mercado e economizem graças aos bons serviços e produtos”, explicou Bárbara Toledo, Gerente de Marketing de Negócios da Intel para o Brasil.

Atualmente as empresas precisam de um especialista em TI com um perfil de eficiência que integre todas as atividades das empresas. Para o desenvolvimento de um mercado mais dinâmico a cada dia, a Intel oferece, por meio da atualização da plataforma, um suporte de 360o que também abrange capacitação de Marketing, Liderança, Gestão de Equipes e Desenvolvimento.

“Por meio do ‘Diálogo TI’, a Intel consegue uma comunicação de mão dupla com um grande número de profissionais da região. Esta é uma oportunidade para que a Intel compartilhe seus conhecimentos sobre as soluções tecnológicas disponíveis no mercado e para que os usuários da plataforma continuem se atualizando sobre as melhores práticas e processos para suas equipes”, comentou Bárbara.

Com um sistema inteligente e intuitivo, a plataforma trará informações técnicas, ou recomendará treinamentos de acordo com o perfil do usuário cadastrado e os temas de seu interesse. Desta forma, a Intel poderá sugerir a cada um o melhor conteúdo, baseando-se no perfil profissional. Por exemplo, se o profissional demonstra interesse por novidades relacionadas às pequenas empresas, a plataforma o reconhecerá e enviará conteúdos sobre o tema de uma maneira mais personalizada. Para que isso seja realmente eficiente, é muito importante que o usuário faça sua inscrição completa no site, preenchendo todos os campos de seu perfil profissional e os temas de TI que mais lhe interessam, e faça seu login no site quando o visitar.

Diálogo TI oferece agora uma navegação mais amigável, com uma proposta interativa entre os próprios usuários e os especialistas da Intel, ampliando espaços para consultas, assim como a possibilidade de compartilhamento nas redes sociais (Facebook, Twitter ou LinkedIn). Desta maneira, os usuários poderão classificar, recomendar e compartilhar os conteúdos relevantes com seus contatos.

Diálogo TI: http://DialogoTI.intel.com.

Tags,

Cupom Fiscal Eletrônico: a importância do uso de sistemas de tecnologia eficientes

Carlos Drechmer da Acom Sistemas e Reinaldo Pires de Oliveira da Inventti falam sobre a importância do uso de sistemas de tecnologia eficientes para emissão do cupom fiscal eletrônico. Acompanhe a reportagem em v’ideo produzida para o programa de tv Valor Agregado.

Tags, ,

Inscrições abertas para a rodada de negócios internacional da BITS 2014 para empresas de TIC

A quarta edição da BITS – Business IT South America, versão Sul-Americana da CeBIT, que ocorre de 13 a 15 de maio, contará, novamente, com o BITS Business Matchmaking, rodada de negócios que promove o encontro entre empresas nacionais e internacionais trazendo novas oportunidades e estimulando parcerias na área de Tecnologia da Informação e da Comunicação. A Rodada acontece das 14h às 19h, no pavilhão de exposições.

O evento é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria – CNI, da FIERGS, através do seu Centro Internacional de Negócios – CIN-RS, em parceria com a Apex-Brasil e Sebrae-RS. Pela primeira vez, também conta com a parceria do Enterprise Europe Network – EEN, maior rede de empresas da União Europeia. “Esta aliança será um grande meio de divulgação de oportunidades de negócios, para captar empresas internacionais e promover as empresas brasileiras inscritas no evento”, destaca Kurt Ziegler, Coordenador do CIN-RS.

Este ano, o Business Matchmaking também vai contar com maior espaço e comodidade no ambiente físico e forte interação com entidades e parceiros do mundo inteiro. A expectativa é contar com mais de 70 empresas de dez estados brasileiros e mais de 30 internacionais.

Em 2013, as rodadas de negócios internacionais da BITS reuniram 15 países e cerca de 100 empresas nacionais e internacionais. Ocorreram 323 reuniões, o que gerou uma expectativa de negócios de US$ 13 milhões de dólares.

As inscrições para as rodadas 2014 são gratuitas e podem ser feitas até 30 de abril no endereço: www.b2match.eu/bits2014

A BITS – Business IT South America é promovida e organizada pela Hannover Fairs Sulamérica, empresa do grupo Deutsche Messe AG, em parceria com a FIERGS – Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul.

Informações: www.bitsouthamerica.com.br

Tags, ,

Profissionais latino-americanos buscam domínio de um novo idioma e pós-graduação em 2014

Estudar um novo idioma, fazer uma pós-graduação e promover uma viagem de intercâmbio são alguns dos planos que os profissionais da América Latina pretendem colocar em prática neste ano. É o que revela pesquisa realizada pela Page Personnel, uma das maiores empresas globais de recrutamento especializado de profissionais técnicos e de suporte à gestão, parte do PageGroup. De acordo com o levantamento, que procurou identicar quais eram os planos de desenvovilmento de carreira para este ano, metade dos profissionais latino-americanos pretendem aprender outra língua em 2014.

“Com a falta de profissionais qualificados no mercado de trabalho, buscar mais qualificação é uma iniciativa mais que necessária para quem pretende conquistar novos objetivos na carreira. Esses dados mostram que as pessoas estão preocupadas com seu desenvolvimento e dispostas e mudra esse quadro”, explica Roberto Picino, director da Page Personnel.
Para elaborar o estudo, a Page Personnel consultou, em dezembro e janeiro, 800 profissionais que atuam no Brasil, Chile e México e ocupam cargos de analista, assistente, técnico, gerente e coordenador.

Aprender um novo idioma é o desejo de metade dos profissionais da América Latina. No Brasil, 53% informaram que pretendem adquirir novos conhecimentos de outra língua, percentual um pouco superior ao verificado no Chile (49%) e México (48%).
A pós-graduação foi o segundo item mais mencionado para evolução profisisonal, com 34% de menções. Os brasileiros também são os que mais desejam participar de um curso de extensão universitária (42%). Na sequência aparecem os mexicanos, com 32%, e chilenos, com 29%.

Melhorar o relacionamento e ampliar a rede de contatos é um tema importante nos planos dos três países pesquisados. Há 28% que planejam reforçar, melhorar e intensificar suas relações com colegas de trabalho e profissionais de suas áreas de atuação. Os mexicanos são os mais entusiasmados com esse quesito, com 34% de aceitação. Os brasileiros vêm logo atrás, com 30%, seguidos pelos chilenos, com 20%.

Investir mais em coaching está nos planos de 15% dos latino-americanos. Os mexicanos estão acima da média da região, com 20% de citação. Com 18% aparecem os brasileiros e, com 7%, os chilenos.
Quando a questão aponta sobre não ter nenhum plano para este ano, quem mais indicou não ter nada programado para 2014 foi o profissional chileno (4%). Brasileiros e mexicanos apresentaram o mesmo percentual: 2%.

Tags, , , , ,

Sistema Fiep e CNI lançam pedra fundamental das novas instalações do Instituto Senai de Inovação do Paraná

Os presidentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, e do Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, lançaram, em Curitiba, a pedra fundamental das novas instalações do Instituto Senai de Inovação (ISI). Inaugurado oficialmente em setembro, quando entraram em operação os primeiros laboratórios, o ISI do Paraná é voltado para a área de Eletroquímica e faz parte de uma rede de 25 institutos que serão instalados pelo Senai em todo o país para alavancar a competitividade da indústria brasileira. No total, serão investidos R$ 50 milhões para a construção e aquisição de equipamentos da nova sede.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, destacou a agilidade com que o Sistema Fiep implantou o ISI em Curitiba, o primeiro inaugurado no país. “Fico feliz em ver a forma competente e ágil com que o Paraná está conduzindo estes investimentos”, declarou. “Um dos obstáculos para a competitividade da indústria brasileira é a questão da tecnologia e inovação. Percebemos que esta era uma área na qual poderíamos agir sem a dependência do poder público”, afirmou Andrade, justificando o motivo que levou a CNI a lançar o projeto.

Ele destacou ainda que o Senai vem investindo fortemente na qualificação dos profissionais que vão atuar nos institutos. “Não basta apenas colocar recursos, construir prédios e comprar máquinas. Precisamos de pessoas, por isso buscamos no mercado profissionais da melhor qualidade para conduzir esses investimentos”, disse.

Integração

Robson Braga de Andrade ressaltou também que a intenção é que os 25 ISIs que serão implantados atuem em rede, atendendo indústrias de todo o país, independente da localização geográfica da empresa. Na região Sul, a busca por uma efetiva integração entre os ISIs já acontece. Tanto que a solenidade desta quarta-feira contou com a presença do presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Glauco José Côrte. Na terça-feira (4), também com participação dos presidentes da CNI e da Fiep, foi inaugurado em Joinville o primeiro ISI em território catarinense, que se dedicará a pesquisas na área de Sistemas de Manufaturas. A aproximação vai facilitar o acesso de indústrias do Paraná e Santa Catarina a esses institutos.

A integração pode ocorrer também com outros setores da sociedade. O secretário municipal de Meio Ambiente de Curitiba, Renato Lima, que na solenidade representou o prefeito em exercício da capital, Paulo Salamuni, afirmou que o ISI instalado na cidade pode contribuir para o desenvolvimento do município. “Curitiba tem o desafio de ser modelo de desenvolvimento sustentável. E não há como ser modelo de desenvolvimento sustentável sem aplicar da melhor maneira o conhecimento. Quem quer estar na ponta, tem que ser inovador, e aqui (no ISI) está por excelência o desafio da inovação. Vejo toda a possibilidade de cooperação e coordenação entre essas iniciativas”, declarou.

Também participaram do lançamento da pedra fundamental das novas instalações do ISI do Paraná empresários de vários setores da indústria paranaense e diretores da Fiep.

Sobre o ISI do Paraná

O ISI do Paraná foi o primeiro a ser inaugurado no Brasil, em setembro de 2013. Nos primeiros laboratórios, já em funcionamento no Campus da Indústria, em Curitiba, foram investidos R$ 15 milhões, principalmente para aquisição de equipamentos de última geração. A pedra fundamental lançada nesta quarta-feira é da nova sede, que deverá ser entregue até 2015. Com investimento previsto de R$ 50 milhões – cujas obras devem ser iniciadas nas próximas semanas –, o novo prédio terá 10 mil metros quadrados, sendo que 2 mil metros quadrados serão destinados aos laboratórios do Instituto.
Com foco em Eletroquímica, o ISI tem como objetivo desenvolver soluções que fortaleçam a competitividade e a produtividade, principalmente nos segmentos de energia, construção civil, petroquímico, mineral e metalmecânico. Para 2014, a intenção é que o instituto realize ao menos cinco projetos de alto impacto, além de outras pesquisas, sempre em parceria com indústrias. Após a inauguração da nova sede, esse número deve dobrar para ao menos dez projetos de alto impacto ao ano.
Inéditos no Brasil e na pesquisa aplicada à indústria, os primeiros equipamentos para o ISI do Paraná já foram adquiridos. Ao todo, serão 36 aparelhos, escolhidos com a consultoria do Instituto Fraunhofer IPK, da Alemanha, que atenderão às áreas de nanotecnologia, energia, petróleo e gás, baterias e acumuladores de energia, corrosão, biocorrosão, sensores, tintas industriais e novos materiais.

Fonte: Sistema Fiep

Tags, , , , , ,

A viabilidade do Instituto Curitiba de Informática

Por Luís Mário Luchetta
publicado no portal Baguete

Indo direto ao ponto, a inovação concretizada por Curitiba com a criação do Instituto Curitiba de Informática – ICI, faz parte das mudanças que ocorrem no plano mundial neste início de século e do milênio, dentre as quais, talvez a mais significativa, a aliança estratégica entre Estado e Sociedade.

Isto porque, cada vez mais, nota-se a incapacidade do Estado em executar, por meios próprios, todas as políticas públicas demandadas pela sociedade. Cada vez mais a sociedade civil organizada é chamada a participar ativa e organizadamente da execução de serviços para viabilizar a máquina administrativa e a consecução das necessidades públicas.

Nesta seara, as instituições sem fins lucrativos sempre estiveram ao lado do Poder Público, numa espécie de “braço do governo”, desempenhando funções não exclusivas do Estado e absorvendo suas carências e incapacidades.
Ao final da década de 90, o terceiro setor adquire enorme relevância em razão da participação da sociedade civil na gestão pública, pois sob o manto legal, admite-se a capacidade destas de influirem concretamente nas decisões e nas atuações públicas, numa manifestação de “democracia participativa”, uma vez ultrapassada a fase da democracia meramente representativa.

Percebe-se, portanto, que não há impedimento constitucional algum à assunção a instituições sem fins lucrativos da tarefa e missão de interesse social em colaboração com a Administração Pública. Desde que cumpridos os requisitos de salvaguarda do interesse público. A cooperação é lícita e até mesmo estimulada pela Constituição da República.

Falando agora especificamente do “desenvolvimento científico, pesquisa e capacitação tecnológica nacional”, não restam dúvidas de que a tecnologia da informação representa um elemento transformador das relações entre governo e sociedade.

A Constituição Federal, no artigo 218, determina que o Estado deverá promover e incentivar a pesquisa e a capacitação tecnológicas para a solução dos problemas brasileiros e para o desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional.
Em seu artigo 219, reforçando o desenvolvimento de empresas nacionais na área de tecnologia, a CF disciplina que o mercado interno integra o patrimônio nacional e será incentivado a viabilizar a autonomia tecnológica do País.

O reflexo da norma acima almeja fomentar as empresas nacionais a buscar a independência em relação aos recursos tecnológicos estrangeiros, bem como a gerar capital intelectual de alto nível nas mais diversas áreas de produção industrial e comercial de tecnologia da informação e comunicação, a fim de proporcionar crescimento de toda a cadeia produtiva local, regional e nacional.
Projetos informatizados, soluções integradas de sistemas aplicativos específicos, ferramentas tecnológicas para aprimorar a gestão, etc. são assuntos estratégicos dentro de qualquer organização, seja pública ou privada, a ponto de não imaginarmos nossas vidas sem os recursos da tecnologia da informação.

Na seara do Poder Público, parece inconcebível imaginar como seria o atendimento do Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS, por exemplo, sem a existência de um sistema informatizado de dados. E as informações relativas ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço? Como seriam armazenadas sem os recursos da tecnologia da informação?
Estes são apenas dois dos milhares de exemplos que nos levam a concluir que todos nós, pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas, estabelecemos uma relação umbilical de dependência com os bens e serviços de TI.

Não é por outra razão que se tem dito que a TI é o “coração” das organizações. Quando mal gerenciada, a TI pode causar a paralisia da instituição ou, de modo contrário, impulsioná-la.
Sob o ponto de vista econômico-financeiro, a área de TI também releva importância em termos de contratações de soluções. Para se ter uma ideia, o orçamento total previsto para a contratação de soluções de TI para a Administração Pública Federal para o ano de 2011 foi de aproximadamente 18 bilhões de reais!

Tudo isto porque os recursos e soluções de tecnologia da Informação permitem a obtenção de ganhos de produtividade, tempo, qualidade e segurança para agregar valor aos processos de trabalho da Administração e aos serviços prestados aos cidadãos.

Sendo assim, resta evidente que a Administração está cada vez mais dependente do bom e regular funcionamento dos serviços de Tecnologia da Informação. E a tendência é de aumento dessa dependência por razões lógicas: a cada ano são disponibilizados mais serviços aos cidadãos por meio de sistemas de informática, por isto, o “e-Gov” (Governo Eletrônico) tende a se ampliar.
Lembremo-nos que, há anos, por meio da Lei nº. 7.232, de 1984, o Congresso Nacional já declarava que a Política Nacional de Informática deveria se orientar pela “natureza estratégica da informação e a influência desta no esforço desenvolvido pela Nação para alcançar melhores estágios de bem estar social”.

Além disto, releva anotar que há, no país, cerca de 1.600 organizações desse tipo em funcionamento. Elas estão em 14 estados e em cerca de 160 municípios.

No nível federal, têm destaque instituições de pesquisa incluídas no Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia, como o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), o Laboratório Nacional de Luz Síncroton, o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e o Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (no Amazonas), além da Associação das Pioneiras Sociais, gestora da Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação e Hospital Sírio Libanês.
Observa-se, pelos exemplos acima, que as organizações sociais estão disseminadas em vários setores da sociedade, realizando relevantes e imprescindíveis serviços públicos, frise-se, serviços públicos, e não uma atividade econômica qualquer.

Por outro lado, apesar de prestarem efetivos serviços públicos, as organizações não titularizam qualquer espécie de prerrogativa de direito público. Não gozam de prerrogativas processuais ou prerrogativas de autoridade, respondendo apenas pela execução e regular aplicação dos recursos e bens públicos vinculados ao contrato de gestão que firma com o Poder Público.

E Curitiba inovou ao criar o Instituto Curitiba de Informática – ICI, ainda em 1998, e essa inovação permitiu estar sediado aqui o melhor modelo de implementação de sistemas e serviços de informática pública no Brasil, que levou Curitiba a ser a cidade mais digital do Brasil e terceira cidade mais inteligente do planeta.

*Luís Mário Luchetta é presidente do ICI e da Federação Assespro

Tags, , , , ,

Celepar nega invasão a e-mails

Fonte: Gazeta do Povo

A Companhia de Tecno­logia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar) negou, ontem, que tenha invadido os e-mails das forças de segurança do estado. No domingo, a Gazeta do Povo mostrou que documentos sigilosos revelam que um “usuário secreto” teve acesso a várias contas de e-mail das polícias Científica, Militar e Civil, contrariando os argumentos da Companhia.

A Celepar alega que há uma análise técnica no histórico de acesso às contas, realizada no mesmo dia em que a reportagem saiu, que comprovaria que não houve invasão. A Companhia afirma que “um representante da área de Segurança Pública do Estado” acompanhou a análise. A nota ainda afirma que não há reclamação de usuários sobre tal violação. “Não existe ‘usuário secreto’. A conta de e-mail mencionada pela imprensa é de Administração do Sistema de e-mails Expresso e está em uso desde 2004. Sua finalidade é de gestão do serviço”, diz a nota da Companhia. Leia a reportagem completa em http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=1444706&tit=Celepar-nega-invasao-a-e-mails

Tags,

Consulado Britânico seleciona empresas de TI para visita ao Reino Unido. Veja como participar em Curitiba.

O Consulado Britânico de São Paulo está selecionando 10 empresas brasileiras para participar da segunda edição da Competição de Tecnologia da Informação e Inovação do UK Trade & Investment. As empresas selecionadas vã o ganhar uma viagem de uma semana para conhecer os principais centros tecnológicos do Reino Unido, entre os quais o Tech City, o polo tecnológico de Londres que atualmente hospeda 1400 empresas, desde startups até gigantes do setor, como Google, Facebook, Intel e Twitter.

Das 10 empresas que irão para o Reino Unido, 3 já foram selecionadas: Meu Peludo, Crowdmobi e System Haus. Elas foram vencedoras do Salão de Inovação que ocorreu no Rio de Janeiro no ano passado. Agora serão realizadas sete etapas regionais em Campinas, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre, Curitiba, Campo Grande e Belo Horizonte. As empresas interessadas poderão efetuar suas inscrições por meio da rede de agências de inovação, incubadoras e parques tecnológicos parceiros do Consulado Britânico nesta iniciativa. Para participar, as emp resas devem realizar suas inscrições pelo site do instituto parceiro do UKTI mais próximo a sua região.

Um representante de cada empresa selecionada vai receber passagens aéreas e hospedagem patrocinadas pela Campanha GREAT Britain, a mais ambiciosa iniciativa mundial de marketing do governo britânico. Os empresários brasileiros terão a oportunidade de participar do Rio Info Europa, um encontro entre clientes e investidores da área de TI com o objetivo de fortalecer a atuação de empresas brasileiras de tecnologia no cenário internacional. O evento é liderado pela empresa RioSoft, parceira do UKTI nesta iniciativa, e ocorrerá no mês de maio nas cidades de Londres e Manchester.

A competição está aberta para empresas de TI de qualquer tamanho, desde startups a grandes empresas. Em Curitiba, o evento é apoiado pelo Parque de Software de Curitiba, Assespro-PR e IBQP – Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade. As inscrições vão até dia 12 de fevereiro pelo link http://parquedesoftwaredecuritiba.jimdo.com/ukti/

Em 2013, a equipe do UKTI visitou várias capitais brasileiras. O vídeo a seguir mostra como foi o encontro no Parque de Software de Curitiba.

Tags, , , , ,

Brasileiros insatisfeitos reclamam mais na internet

As reclamações nas redes sociais sobre experiências insatisfatórias por parte dos consumidores continuam muito elevadas em todo o mundo. É o que releva a pesquisa Accenture Global Consumer Survey, realizada há nove anos pela empresa de consultoria, tecnologia e outsourcing, e que em 2013 entrevistou 12 mil consumidores em 32 países (500 deles no Brasil, equivalentes a 4% da pesquisa global) – a maior amostragem de todas as edições desde que este estudo começou a ser realizado, em 2005.

De acordo com os dados da edição 2013 da pesquisa, 39% dos consumidores de países emergentes que responderam a consulta escreveram posts negativos em alguma rede social, sobre a experiência que tiveram com as empresas, 1% a menos do que em 2012. E exatos 88% contaram aos familiares e amigos sobre a experiência ruim que tiveram como clientes, 3% a menos do que na edição anterior.

Já entre os consumidores brasileiros a insatisfação é ainda mais elevada. Os dados da pesquisa da Accenture relativos ao nosso país estão acima da média, com 42% dos entrevistados postando reclamações sobre alguma experiência ruim em suas relações de consumo nas redes sociais. A média global para esse item é de 29%. O meio on-line também foi o mais utilizado pelos entrevistados, em 2013, para buscar informações. Mais de um terço dos consumidores em todo mundo também informa utilizar uma ou mais fontes on-line para aprender sobre os produtos e serviços das empresas e acessar os sites por meio do telefone celular ou tablet. Isso acontece com mais frequência nos mercados emergentes do que nos mercados maduros.

Um dado importante trazido pelo levantamento e que pode interessar muito às organizações, é sobre a percepção dos consumidores em relação às atitudes das empresas em função do uso crescente da tecnologia no seu relacionamento com os clientes. Mais da metade dos consumidores em mercados emergentes (54%) diz acreditar que as empresas estão efetivamente usando interações em dispositivos móveis para fornecer aos clientes experiências aprimoradas e adaptadas, contra 32% dos consumidores dos mercados maduros com a mesma percepção. E exatos 70% dos entrevistados em todo o mundo fizeram uso de (pelo menos) um canal on-line para obter um serviço ou fazer contato com o “suporte ao cliente” de determinada empresa.

Quando os consumidores desistem da marca

No Brasil, 62% dos entrevistados disseram que o preço é o principal motivo para escolherem uma nova empresa – 4% menos do que em 2012 – mas ainda é o motivo mais forte para migrar de fornecedor. Mas entrevistas com todos os consumidores (dos 32 países) trouxeram um dado alarmante para as organizações: o processo de mudança motivado por experiências negativas acontece em todos os setores e é percebido com maior preocupação nos mercados emergentes, onde quatro em cada cinco consumidores (81% do público entrevistado) revelaram ter optado pela mudança em função de uma experiência negativa de compra.

Os dados globais da pesquisa também mostram que os consumidores estão cada vez mais desmotivados com o nível de serviços oferecidos. Em uma escala de zero até cinco – onde cinco significa extremamente frustrante – 96% dos entrevistados revelaram frustração acentuada, com respostas entre os níveis três e cinco, por terem de contatar uma empresa diversas vezes pelo mesmo motivo. Destes, 65% disseram estar extremamente frustrados. 96% também se dizem igualmente frustrados (respostas entre os índices três e cinco) por serem colocados em espera por um longo período.

Para 60% da amostragem total é “extremamente frustante” ter uma promessa não cumprida pela empresa. Perceber que não pode confiar em como a empresa irá usar os seus dados pessoais é o segundo item considerado “extremamente frustante” por 54% dos entrevistados.

Bancos, varejo e provedores de serviço de internet são os segmentos com maior rejeição – tornando as empresas destes setores mais vulneráveis.

Sobre a pesquisa
A Accenture Global Consumer Survey é uma pesquisa anual que avalia as atitudes dos clientes para marketing, vendas, práticas de serviço ao cliente e comportamentos dos consumidores em resposta às práticas das empresas. A pesquisa de 2013 inclui respostas on-line de mais de 12.000 clientes em 32 países: Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, China, República Checa, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Irlanda, Itália, Japão, Malásia, México, Holanda, Noruega, Filipinas, Rússia, Cingapura, África do Sul, Coreia do Sul, Espanha, Suécia, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e os Estados Unidos. Os entrevistados foram solicitados a avaliar as suas experiências com até quatro empresas em 10 setores: hotéis e hospedagem, prestadores de seguro geral e contra acidentes e danos à propriedade, produtos de consumo ao varejo, fabricantes de produtos eletrônicos, bancos, prestadores de serviços de internet, fornecedores de cabo e serviços via satélite, empresas de telefonia fixa, telefone móvel e gás e utilidades elétricas.

Tags, , ,

Empresas brasileiras ampliam investimento em segurança da informação

No ano de 2013, os riscos de ataques cibernéticos aumentaram. Essa é a percepção de 54,2% dos empresários brasileiros que participaram da 16ª Pesquisa Anual Global sobre Segurança Cibernética da EY (antiga Ernst & Young), que tem como objetivo identificar o nível de conscientização das empresas e as ações adotadas por elas em resposta a ameaças cibernéticas.

Para se proteger 62,2% das companhias ouvidas afirmam que vão aumentar o investimento em segurança da informação em 2014, enquanto 30,4% irão mantê-lo.

O mesmo levantamento, que ouviu 1000 executivos em 64 países, mostra que 90,2% das empresas brasileiras respondentes aumentaram ou mantiveram o investimento em segurança da informação no ano passado, sendo que 33,7% das brasileiras responderam que o investimento médio em segurança da informação na sua empresa é de US$ 500 mil até US$ 2 milhões.

Resultados globais

Para 83% dos participantes ouvidos, a área de segurança da de suas organizações é ineficaz, por isso 93% das empresas estão mantendo ou aumentando seus investimentos em segurança. Além disso, 31% deles relatam que a quantidade de incidentes relacionados à segurança aumentou pelo menos 5% nos últimos 12 meses em suas empresas.

Sergio Kogan, Líder de Segurança da Informação da EY no Brasil, afirma: “O crime cibernético é a maior ameaça à sobrevivência das organizações hoje. Embora uma parcela cada vez maior do orçamento venha sendo destinada à inovação em segurança, muitos profissionais da área ainda acreditam que seu orçamento não seja suficiente para lidar com riscos cibernéticos, que crescem cada vez mais tornando o cenário da resposta muito mais desafiador”.

Dos orçamentos planejados para os próximos 12 meses, 14% estão destinados a inovação em segurança e tecnologias emergentes. À medida que as tecnologias atuais se tornam ainda mais arraigadas à rede e à cultura das organizações, estas precisam ficar atentas ao modo como seus empregados utilizam os dispositivos, tanto no local de trabalho quanto em suas vidas pessoais. Isso se aplica principalmente às mídias sociais, uma área identificada pelos entrevistados como a que os deixa mais inseguros quanto à sua capacidade de enfrentar riscos.

Tags, ,

A hotelaria e o turismo no Brasil

O mercado hoteleiro no Brasil cresce todos os anos e depois de ser escolhido como a sede dos maiores eventos esportivos da atualidade, a Copa do Mundo de futebol, em 2014, e as Olimpíadas, em 2016, o pais acelera ainda mais a expansão nessa área.

O problema é se a demanda será atendida de forma adequada aos padrões internacionais e se teremos a chance de mostrar aos turistas uma boa imagem ou não. É aí que esbarramos na necessidade de melhorias, não apenas na hotelaria nacional, mas também em todo o setor do turismo.

Para começar, o Brasil não possui quase nada de hotelaria de luxo. O que temos, atualmente, são muitos hotéis que cobram alto e que não entregam os mesmos serviços de um hotel de luxo no exterior, e que geralmente cobram bem menos.

Hotéis considerados de luxo, nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, são apenas upscal nos EUA e em países da Europa. Se avaliarmos o tamanho do Brasil há poucas bandeiras “de luxo” para atender uma demanda grande e atual. As principais bandeiras que atendem esses clientes não estão no país por conta do chamado “custo Brasil”.

Além disso, faltou planejamento e investimento por parte do governo para que o setor estivesse mais a frente, contando com serviços modernos e soluções inovadoras. O setor hoteleiro no Brasil anda estagnado há muito tempo, sem inovação ou novidades. Ha quatro anos, quando foi anunciado que o país sediaria os jogos olímpicos e a Copa, foi quando os profissionais hoteleiros e os investidores viram a necessidade de melhorias nessa área. Infelizmente, muito tarde para se equiparar aos padrões internacionais e por essa razão os preços também dispararam e são cobrados valores muito acima do real.

Ainda que faltem hotéis de luxo e investimento nessa área, o que vemos é a falta de escolas e base de conhecimento para muitos profissionais do setor. Atualmente, a infraestrutura hoteleira é reduzida, não há inovação e o que surpreenda os hóspedes. Um clássico exemplo é o wi-fi, cobrado na maioria dos hotéis brasileiros e disponível gratuitamente na maioria das ruas e dos hotéis de cidades como Nova York. É claro que ainda nem todos os lugares disponibilizam o serviço gratuitamente, mas poderíamos sair na frente e já disponibilizar este serviço sem custo algum aos hóspedes.

Outro problema e a língua. Muitos brasileiros não falam inglês, na verdade apenas 5% dominam o idioma, de acordo com levantamento feito pelo British Council. Isso faz com que seja difícil a comunicação dos turistas nos hotéis e nas cidades, que também não contam com placas informativas em inglês.

Ainda há a falta de moeda nacional disponível para saque nos bancos, falta de guias turísticos, entre outros. Ou seja, falta estrutura para o turismo nacional, não apenas novidades na hotelaria, mas também novidades em todas as áreas que envolvem o turismo.

O necessário é estudar diferentes perfis de turistas, para conhecer melhor as culturas e saber como recebe-los de forma adequada, sempre surpreendendo positivamente. Ainda é preciso investir em educação hoteleira, formação de profissionais e seguir novas escolas do conhecimento, modernizar e se inspirar em modelos internacionais de sucesso. Só assim, poderemos nos equiparar aos padrões internacionais de hotelaria.

Fonte: Vaysse Consultoria

Com mais de duas décadas de experiência no setor, Patrick Vaysse lança a Vaysse Consultoria com o objetivo de revolucionar o segmento hoteleiro nacional. A empresa possui clientes e parceiros importantes no setor em que atua, além de manter contato direto com diversos investidores e empresários hoteleiros. Levando as novidades impactantes do setor e mostrando aos clientes como lidar com todas as situações que envolvem o cotidiano de um empreendimento hoteleiro, com mais de um ano de atuação no mercado brasileiro, a Vaysse apresenta as belezas inspiradas nos melhores empreendimentos do mundo afora, com um toque do que há de mais especial aqui no país. A Vayse Consultoria presta ainda serviços para bandeiras internacionais e empresas como o Grupo Accor e tem como objetivo dar todo o suporte necessário para diversos projetos hoteleiros, proprietários de hotéis e potenciais donos, a consultoria acompanha de perto o mercado mundial para sempre desenvolver novidades e soluções ideais para os seus clientes, por meio dos seus profissionais experientes, que possuem grande bagagem cultural e profissional. A empresa é a responsável por criar novos conceitos de hospedagem, restaurantes, alimentos e bebidas, hospitalidade, entre outros. Para lançar um novo empreendimento hoteleiro no mercado, revitalizar ou investir em um determinado público são necessários diversos estudos que identifiquem a melhor forma de atender a esses hóspedes. Por isso a Vaysse Consultoria traz ao mercado o foco nos investidores hoteleiros, bandeiras em funcionamento e todos os empresários da em seu empreendimento.

Tags, , ,

Perspectivas em 2014 para a terceirização no Brasil

Há tempos há uma discussão a respeito da regulamentação, por meio de Lei, da terceirização de serviços no Brasil. Atualmente, ela é regida somente pela Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), o que é muito pouco para um assunto de tamanho impacto nas relações de trabalho. Diante desse cenário, o Projeto de Lei 4.330/04 está em tramitação na Câmara dos Deputados e deveria ter sido votado em julho de 2013, o que não ocorreu.

Rita de Cássia Rangel Simões, Consultora Trabalhista e Previdenciária da De Biasi Auditores Independentes, explica que a maioria dos ministros do TST é a favor dos empregados e contra o Projeto, porque acredita que sua aprovação gerará diversos danos aos trabalhadores. Isso porque, para o Tribunal, o mesmo se destina a reduzir o custo do trabalho, além de gerar a precarização das condições de trabalho, pois permitirá a terceirização da atividade fim da empresa, o que atualmente é proibido.

Em contrapartida, a Confederação Nacional das Indústrias entende que para as empresas terem melhorias em sua gestão e obterem avanços tecnológicos, a alternativa mais viável é a terceirização. Assim, os bens produzidos e os serviços prestados teriam mais qualidade, pois contratariam mão de obra qualificada e ofereceriam preços mais competitivos.

“Destacamos como um ponto positivo do Projeto a previsão de que a empresa contratante que fiscalizar o recolhimento ou pagamento dos direitos trabalhistas pela contratada será responsável subsidiária. Em contrapartida, nos casos em que a contratante não fiscalizar as obrigações, será responsável solidária”, aponta a especialista. E conclui: “há uma urgência em se regulamentar a terceirização, mas como ainda há conflitos entre os representantes de empresas e de empregados, pode ser que isso não ocorra tão logo.”

Para o sócio do escritório Baraldi Mélega Advogados, Danilo Pieri Pereira, a atual diversidade de entendimentos a respeito do assunto gera instabilidade econômica e insegurança jurídica. “É um bom momento para se tentar adequar o modelo econômico adotado no país à realidade. As normas trabalhistas vigentes foram importantes em determinado momento, mas hoje se mostram insuficientes dada a multiplicidade de relações sociais e econômicas do mundo moderno”, afirma.

Danilo Pereira acredita que, com a aprovação do projeto, o Judiciário passa a ter menos espaço para a criatividade jurídica, enquanto empresas e trabalhadores tendem a ganhar no quesito segurança das relações. “Esse pode ser o primeiro passo rumo a um desenvolvimento econômico há muitos anos ansiado pela comunidade jurídica. A terceirização é uma realidade mundial, capaz inclusive de gerar muitos empregos, desde que seus mecanismos e limitações sejam apresentados em regras claras”, diz o advogado, que também é membro do Comitê de Direito Processual do Trabalho da OAB-SP.

Neste ponto ainda não houve avanço, mas já estão em vigor algumas mudanças no campo trabalhista. A partir deste ano, as empresas estarão obrigadas a enviar suas informações trabalhistas, previdenciárias, tributárias e fiscais relativas à contratação e utilização de mão de obra onerosa, com ou sem vínculo empregatício, e padronizadas as obrigações acessórias para os empregadores, por meio do Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial), novo módulo do Projeto SPED.

De acordo com Karin Friese Soliva Soria, Supervisora na Consultoria Previdenciária e Trabalhista da De Biasi Auditores Independentes, a expectativa é de que, com o advento do eSocial, haja um aumento relevante no número de autuações trabalhistas e previdenciárias, em decorrência da transparência das informações prestadas. “Muitas irregularidades poderão ser detectadas automaticamente pelos órgãos envolvidos, por meio de fiscalização eletrônica, sem que seja necessária a visita de um Auditor-Fiscal da Receita Federal ou do Ministério do Trabalho e Emprego nas empresas. Inclusive um dos objetivos descritos no Manual 1.1, do eSocial, é o de viabilizar a garantia de direitos previdenciários e trabalhistas dos trabalhadores”, explica.

Como exemplos de irregularidades trabalhistas que poderão ser identificadas pelo envio das informações, a consultora cita: jornada contratual irregular, sem pagamento de horas extras; ausência de pagamento do adicional de insalubridade e/ou de periculosidade; pagamento de salário por valores inferiores ao piso da categoria ou piso estabelecido em Lei; e ausência de integração dos adicionais no cálculo do descanso semanal remunerado, das férias e do 13º salário.

Mas embora tenha sido divulgada a Minuta do Manual de Orientação do eSocial, o citado documento ainda não tem efeito normativo, pois depende de edição de Portaria Interministerial. A expectativa é de que a obrigatoriedade do envio das informações ao eSocial se inicie a partir de abril, nos seguintes calendários: abril de 2014, para produtores rurais pessoas físicas e segurados especiais; julho de 2014, para empresas tributadas pelo Lucro Real; novembro de 2014, para empresas tributadas pelo Lucro Presumido, Entidades Imunes e Isentas e optantes pelo Simples Nacional, Micro Empreendedor Individual (MEI), contribuinte individual equiparado à empresa e outros equiparados a empresa ou a empregador; e janeiro de 2015, para os órgãos da administração direta da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, bem como suas autarquias e fundações.

“Após a implantação integral do eSocial, prevê-se que os trabalhadores também tenham acesso aos seus dados contratuais, remuneratórios e de segurança e medicina do trabalho informados no eSocial. Acreditamos que, com isso, os trabalhadores também irão fiscalizar os seus patrões”, finaliza Karin.

Tags, , , , , , , , ,