Page

Author admin

Aloo Telecom lança solução de nuvem em parceria com Oracle

Uma novidade promete agitar o mercado de nuvens no Brasil. Em parceria com a Oracle, multinacional de tecnologia e informática, a Aloo Telecom, uma das maiores empresas de telecomunicações do Nordeste, apresenta o Aloo Cloud Powered By Oracle, produto que entra em operação este mês pretende levar a união dos serviços em nuvem para todo o país.

A solução Aloo Cloud Powered By Oracle alia o uso de tecnologia de ponta e o Backbone de Fibra Optica de alta transmissão de dados e tem capacidade de até 4Tbps. “Como diferencial, apostamos na entrega da solução completa para o cliente. Esse produto une o melhor dos dois mundos: alta qualidade de conexão da Aloo com a expertise da Oracle em nuvem,” afirma Felipe Cansanção, CEO da Aloo Telecom.

A solução Aloo Cloud Powered By Oracle une todo portfólio de Oracle Cloud com link de dados dedicados a nuvem , garantindo melhor latência e alta velocidade na transmissão dos dados. Por meio deste novo recurso, o consumidor terá acesso ao uso de links e serviços confiáveis, com melhores preços, velocidade de conexão e flexibilidade de armazenando, além de poder adquirir soluções de TI completas de um único fornecedor. “Com isso, a médio prazo, o cliente terá também uma nova percepção sobre o potencial de ser Cloud”, acrescenta o executivo.

Conhecida pela alta qualidade de sua conexão que sagrou a companhia como uma das mais importantes do setor na região NE, a Aloo Telecom nasceu em Maceió, em Alagoas, e hoje possui operação em quase todos Estados da região Nordeste, tendo ponto de presença, além de seu estado de origem, na Bahia, Sergipe, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. Para Cansanção, a estratégia da companhia acompanha a projeção de aumento do consumo de internet no país e da própria região Nordeste que deverá quadruplicar até 2020. “Hoje no Brasil se consome em média 5 Tbps. Nossa expectativa é que a utilização deverá chegar a 20 Tbps nos próximos três anos”, conta o executivo que destaca, também, a melhoria de qualidade do serviço de telefonia e internet que será proporcionada com a infraestrutura.

Em processo de expansão nacional, Aloo Telecom estima levar seus serviços para outras regiões do país em no máximo dois anos. “Essa solução amplia o nosso portfólio. Agora, estamos focando na área de atendimento da Aloo Telecom em todo o Brasil”, completa. A empresa prevê novos pontos de atendimento em São Paulo, Brasília, Mato Grosso, Rondônia, Minas Gerais e Espírito Santo.

“Escolhemos a Aloo Telecom pelo diferencial em rede de comunicações e oferta de soluções full cloud baseada em tecnologia Oracle. A parceria une duas empresas muito fortes em seus segmentos de atuação”, ressalta Fernando Lemos, vice-presidente de Inovação da Oracle para a América Latina.

Tags, , ,

Ascenty oferece Microsoft Azure ExpressRoute no Brasil

A Ascenty, empresa líder no mercado de data centers do Brasil, anuncia a disponibilidade do serviço Microsoft Azure ExpressRoute em seu portfólio de soluções. A plataforma permite interconectar as redes locais com a nuvem da Microsoft através de uma conexão dedicada privada, por meio da rede própria da Ascenty. O objetivo é oferecer ainda mais confiabilidade, velocidade e diminuir a latência nas conexões entre os serviços.

O ExpressRoute fornece redes privadas, com recurso de banda dinâmica, para ampliar as funções de armazenamento do data center local. A conexão realizada na rede própria de fibra óptica da Ascenty reduz os problemas de instabilidade recorrentes nas redes públicas e permite que a carga produtiva e o desenvolvimento dos sistemas sejam distribuídos entre a Ascenty e a Azure por meio de uma rede confiável, que oferece maior disponibilidade no serviço de conectividade, além de integração entre múltiplos ambientes.

A plataforma disponibiliza ainda acesso ao armazenamento em nuvem de alto desempenho, com segurança e baixa latência. Em uma operação de migração de dados, por exemplo, o tempo de resposta varia de 40 a 50 milissegundos, enquanto com o ExpressRoute a mesma operação é executada em menos de 10 milissegundos.

O ExpressRoute oferece benefícios em cenários como interconexão de ambientes com baixa latência, replicação para continuidade dos negócios, recuperação de desastre e outras estratégias que exigem alta disponibilidade.

“Com o Microsoft Azure ExpressRoute os clientes têm acesso a uma conexão direta, estável, com baixa latência e menor tempo de resposta. Assim, é possível utilizar private cloud e Azure simultaneamente para os serviços, com conexão direta através de nossa rede própria de fibra óptica. Desta forma, fornecemos sempre aos nossos clientes um serviço de qualidade, alta disponibilidade e segurança, para que possam enfrentar de maneira eficaz os desafios do mundo digital”, afirma Marcos Siqueira, Diretor de Serviços.

Tags, ,

Automóveis autônomos: a chave está no data center – Por Simon Blake

unnamed A disputa pelo mercado dos veículos autônomos envolve gigantes como Apple, Google e Tesla, além de todas as grandes montadoras de automóveis. A razão pela demanda é óbvia. A automação irá aumentar significativamente a segurança nas ruas e estradas – a tecnologia dos freios autônomos de emergência, por exemplo, contribui para reduzir acidentes. Outra vantagem é que o consumo de combustível será reduzido drasticamente. Sistemas autônomos são programados para frear e acelerar com o nível máximo de eficiência, uma inovação que, segundo a consultoria McKinsey, poderá reduzir as emissões de dióxido de carbono dos carros em até 300 milhões de toneladas por ano. Esta empresa aponta, também, os benefícios em produtividade que podem ser gerados por liberar os humanos da responsabilidade de dirigir. Com a adoção em massa dos carros autônomos, 1 bilhão de horas do dia serão economizadas pelas pessoas em todo o mundo. Somente no Reino Unido, a consultoria KPMG prevê que, em 2030, carros autônomos e conectados irão beneficiar a economia em até 51 bilhões de libras por ano.

Hoje os motoristas já conhecem os carros conectados. São os veículos que têm acesso à Internet e possuem uma variedade de sensores, sendo capazes de enviar e receber sinais, perceber o ambiente físico do seu entorno e interagir com outros veículos ou entidades. Segundo a consultoria PWC, prevê-se que as receitas de carros conectados disparem e atinjam mais de 155 bilhões de dólares até 2022.

Entretanto, quando falamos sobre carros autônomos, estamos falando sobre algo muito mais impactante.

O foco é em veículos que operam sem motorista humano – um conceito que, provocará uma revolução no volume gerado por dados automotivos. Se um único carro conectado gera hoje 25 GB de dados por hora, no futuro um carro autônomo tem a probabilidade de gerar uma quantidade dez vezes maior. Essas informações são importantes porque, na era dos veículos autônomos, é o binômio dado/conectividade que irá manter o mundo girando.

Vale a pena, portanto, investigar o impacto dos carros autônomos nos ambientes digitais. Tudo começa na miríade de sensores altamente sensíveis espalhados pelo veículo, dispositivos capazes de detectar perturbações tão leves quanto um cigarro caindo no chão. Esses sensores estarão a todo momento analisando os seus entornos em busca de sinais que acusem que os freios precisam ser acionados ou que é necessário acelerar o carro.

Veículos como esses têm embutidos computadores, receptores de GPS, dispositivos de rede wireless com acesso a sensores localizados no próprio carro e também acesso à Internet. Além disso, os carros autônomos interagem todo o tempo com redes wireless de sensores fora do carro: dispositivos implementados no entorno físico do automóvel.

Ou seja: os veículos autônomos estarão sincronizados com uma grande rede municipal, estadual ou federal que gerará dados sobre o ambiente e as vias locais (ruas, avenidas, estradas, pontes) do seu entorno. Essas redes instaladas fora dos carros monitoram congestionamentos na via, acidentes e potenciais perigos, etc.

O BigData do veículo autônomo vai além dos dados gerados pelo carro: o entorno também cria dados sobre os ambientes físicos por onde o carro trafega.

O veículo autônomo típico, dirigido cerca de 90 minutos por dia, gerará cerca de 4 terabytes de dados por dia. Alguns fabricantes de carros ainda em testes já estão gerando mais de um petabyte de dados por mês. Nesse contexto, data centers são essenciais para consolidar, gerenciar e analisar o imenso BigData gerado pelos veículos autônomos e por seu entorno. Essa realidade é um desafio para todos que pensam em transformação digital e na infraestrutura necessária para que esse avanço aconteça.

Para lidar com esta crescente demanda, a resiliência e disponibilidade da infraestrutura do data center serão cruciais. Os veículos autônomos precisam se manter conectados ao computador que gerencia seus dados. O mesmo vale para as ruas, avenidas e estradas por onde esse veículo trafegará.

Veja abaixo alguns vetores de transformação do data center na era do carro autônomo:

a) Colocation e Edge Computing serão essenciais. No mundo dos carros autônomos, a latência de dados é um grande perigo. No conceito de Edge Computing, os data centers deverão ser menores e mais espalhados, de maneira a estarem mais próximos dos locais onde os carros autônomos estarão trafegando. Uma outra forma de resolver esse desafio é investir em Colocation em data centers já existentes, de modo a montar uma infraestrutura distribuída de data centers, algo fundamental para garantir a conexão e a operação dos veículos autônomos.

b) O gerenciamento da infraestrutura do data center será crítico para o sucesso dos automóveis autônomos. A falha de um elemento do data center poderá provocar, em instantes, um engarrafamento de 10 carros. Isso torna a operação do data center mais crítica do que nunca. Neste contexto, é recomendável contar com soluções de gerenciamento de infraestrutura DCIM (Data center infrastructure management). Essas sofisticadas plataformas serão capazes, por exemplo, de equacionar as demandas de energia do data center que atua como retaguarda do carro autônomo. Além de trabalhar pela continuidade do processamento, as soluções DCIM buscam formas de otimizar e economizar no consumo de energia, demanda que aumentará de forma exponencial com a disseminação dos carros autônomos.

O mundo vive um momento de grande transformação. O potencial do automóvel autônomo é algo que chama a atenção de mercados, e vai definir o futuro. É bom lembrar, no entanto, que a chave para o automóvel autônomo está no data center.

Para saber mais sobre as mudanças que o carro autônomo trará ao mundo digital, por favor, acesse o link: https://www.vertivco.com/globalassets/documents/white-papers/vertiv_ebook_1_vr___autonomous___critical_pt_141545_0.pdf

Simon Blake é diretor de Marketing da Vertiv para a região que engloba Europa, Oriente Médio e África (EMEA).

Tags, , ,

Startups de Canadá, França, Reino Unido e Suécia vencem a competição InnovatorsRace50, da Capgemini

A Capgemini, um dos líderes globais em serviços de consultoria, tecnologia e terceirização, anunciou os vencedores da InnovatorsRace50, competição mundial de startups criada pela companhia para reconhecer o potencial de projetos ou usos inovadores da tecnologia. Durante o concurso, que marcou a comemoração dos 50 anos do Grupo Capgemini, os vencedores superaram uma dura concorrência com cerca de mil participantes, provenientes de 37 países, inclusive do Brasil.

Ao longo dos últimos dois meses, dez finalistas se conectaram pessoalmente com mais de 200 especialistas da Capgemini em diferentes tecnologias e indústrias, aprofundando seus conhecimentos práticos e usufruindo dos ambientes de imersão de cinco dos Centros de Inovação (Applied Innovation Exchanges – AIEs) do Grupo (localizados em Londres, Mumbai, Munique, Paris e São Francisco), bem como do campus da Universidade Capgemini (sediada em Chantilly, na França), para refinar diferentes elementos de seus projetos. Após uma exclusiva interação com o fundador da Blablacar, Frederic Mazzella, todas as startups participantes da competição tiveram a oportunidade de apresentarem seus discursos ao vivo, num palco, frente a uma grande audiência pública e a um júri, durante a última edição da conferência VivaTech, em Paris.

As startups vencedoras da competição e do Prêmio Serge Kampf de Empreendedorismo e Inovação, por categoria, foram:

• GovTech & Social Enterprises: Lili smart, de Lyon (França)

• FinTech & Mobility: Finn.ai, de Vancouver (Canadá)

• Consumers & Well-Being: Hippogriff, de Sundbyberg (Suécia)

• Digital Processes & Transformation: Cupris, de Londres (Reino Unido)

• Data & Security: Foxintelligence, de Paris (França)

Além de cada startup ter recebido um investimento equity free de 50 mil dólares, ter tido acesso a grandes oportunidades de networking, participado de eventos de tecnologia internacionais, acessado especialistas da indústria e se qualificado para se juntar ao ecossistema de parceiros da Capgemini, os vencedores ainda foram agraciados com o Prêmio Serge Kampf de Empreendedorismo e Inovação, entregue pelo neto do fundador do Grupo Capgemini e membro do júri da competição, Jean-Bastien Dussart.

“A qualidade dos competidores da InnovatorsRace50 foi excepcional e, em especial, entre os finalistas. O júri estava a procura de uma verdadeira engenhosidade e de evidências de uma oferta tangível, com potencial para renovar um setor; todas as startups finalistas demonstraram isso durante a jornada na InnovatorsRace50”, comenta Paul Hermelin, presidente e CEO do Grupo Capgemini. “Nosso Prêmio Serge Kampf de Empreendedorismo e Inovação foi criado para identificar empreendedores que podem não só agora, mas também ao longo dos anos, demonstrar sua paixão, motivação e excelência em inovação. É, portanto, com grande prazer e orgulho, que também vejo as startups vencedoras da competição recebendo o Prêmio, em nosso evento final da InnovatorsRace50”, complementa.

O júri foi composto por empresários, analistas de mercado, executivos de negócios, empresas de venture capital e jornalistas de todo o mundo. Entre eles: Paul Hermelin, presidente e CEO da Capgemini; Lanny Cohen, CTO Global da Capgemini; e Virginie Régis, diretora de Marketing e Comunicação do Grupo Capgemini; que foram acompanhados por Samuel Burke, correspondente de negócios e tecnologia da CNN; Jean-David Chamboredon, CEO e cofundador da ISAI; Jean-Bastien Dussart, neto do falecido Serge Kampf e fundador de uma startup de logística e transporte; além de Ryan Holmes, fundador e CEO da Hootsuite; e de Ray Wang, fundador e CEO da Constellation Research. A final foi organizada pela jornalista Nadia Charbit e por Emmanuel Lochon, da Capgemini. O evento foi transmitido ao vivo pelo Facebook.

Os espectadores ainda poderão assistir a competição completa por meio da web série completa, a partir de 11 de setembro, pelo site www.innovatorsrace50.com. O InnovatorsRace50 foi desenvolvido em parceria com a série ‘Unicorns’, da CNN, que inclui uma classificação única das startups mais ativas e promissoras em 2017, avaliadas em mais de 1 bilhão de dólares: a Unicorns List.

Declarações dos vencedores da competição InnovatorsRace50

Vincent Thery, cofundador da Lili Smart:
“A jornada de um empreendedor é difícil e agradeço por ter encontrado a Capgemini ao longo desse caminho. O prêmio está nos permitindo, hoje, lançar nossa solução no mercado. Não tenho palavras para explicar o quanto isso significa para nós. Fico feliz em pensar que Serge Kampf teria gostado de ver inovações disruptivas resolvendo problemas sociais globais e ainda ter a Capgemini envolvida nisso”.

Jake Tyler, cofundador e CEO da Finn.ai:
“A jornada inteira foi uma grande experiência para nós e estar em Paris com essas outras startups incríveis que fizeram parte da Inovadores Race foi uma maneira de reforçar esse aprendizado. A Inteligência Artificial trará um impacto transformador em como e onde as pessoas se relacionam com bancos; e estamos ansiosos para trabalhar com a incrível equipe da Capgemini, para ajudar instituições financeiras de todo o mundo a entregarem a próxima geração da experiência do cliente”.

Ali Mohammadi, cofundador e CEO da Hippogriff:
“Estamos extasiados e gratos pela Hippogriff AB ter sido reconhecida como uma das startups mais inovadoras do mundo! Este prêmio certamente contribuirá para a realização de nossa visão de salvar pelo menos um milhão de vidas por ano. Obrigado à Capgemini pelo voto de confiança”.

Helen Viatge, desenvolvedora de negócios e gerente de projetos da Cupris:
“Um enorme obrigado à Capgemini pelo significativo suporte, não apenas financeiro, mas também pelo apoio com as mentorias tão assertivas e profissionais. A Cupris se orgulha por ter vencido o desafio dos Processos Digitais e de Transformação e está, mais do que nunca, comprometida em tornar as comunicações de serviços de saúde mais simples e melhores em todo o mundo!”

Edouard Nattée, fundador e CEO da Foxintelligence:
“Muito obrigado à Capgemini por esta incrível jornada e pelas múltiplas oportunidades de engajamento interno e externo que experienciamos e pelas que ainda estão por vir. A Foxintelligence está absolutamente orgulhosa por ter participado da edição de aniversário desta competição”.

Tags,

Intel colabora com universidades no desenvolvimento de três centros de machine learning no Brasil

A Intel trabalha em parceria com universidades e empresas para desenvolver três centros de excelência em Aprendizagem de Máquinas no Brasil. Serão dois centros em São Paulo juntamente com a Unesp (Universidade Estadual Paulista) e a Universidade Presbiteriana Mackenzie, além de um no Rio de Janeiro com a empresa AI2Biz. Os projetos têm o objetivo de colaborar com a indústria e comunidade científica na solução de problemas complexos através do uso de Inteligência Artificial.

A Intel também oferece, por meio desta iniciativa, workshops, ministrados pelas universidades, a toda comunidade científica e de desenvolvedores de software com a finalidade de ressaltar todo o potencial da inteligência artificial no aprendizado de máquinas. Os centros também vão colaborar com clientes da Intel em realizações de provas de conceito, projetos piloto e soluções para diferentes verticais da indústria. Atualmente, há projetos em andamento na área financeira e no setor de petróleo e gás.

“A aplicação de inteligência artificial nos negócios tem um enorme potencial no Brasil. Com esses projetos, estamos acelerando o poder e a velocidade de análise de dados por meio de uma contínua evolução da computação de alta performance, big data e inteligência artificial. A aprendizagem de máquinas cria um mundo mais inteligente e conectado para todos nós”, avalia Mauricio Ruiz, diretor geral da Intel Brasil.

A Intel fornecerá aos projetos de machine learning ferramentas completas para trazer performance às aplicações de Big Data, como Intel Python Distribution, Intel Math Kernel Library e Intel Data Analytics Acceleration Library, que são fundamentais para extrair todo paralelismo dos processadores Xeon e Xeon Phi. Os Centros terão contato com engenheiros de software da Intel de diversos países e contarão com suporte técnico personalizado.

Os centros de machine learning fazem parte de uma iniciativa global da companhia, chamada Intel AI Academy, que visa prover capacitação em Inteligência Artificial para estudantes de Cursos de Computação (Ciência, Engenharia e correlatos) e desenvolvimento de aplicações de inteligência artificial. As tecnologias de Big Data que fazem uso de algoritmos de Inteligência artificial geralmente demandam grande poder computacional e máquinas de alto desempenho. Os centros de excelência também contarão com ferramentas como o Intel Deep Learning SDK, que facilita o processo de desenvolvimento de aplicações, aumentam a produtividade e aceleram o time-to-market em aplicações de redes neurais profundas (ou Deep Learning).

“As maiores empresas de software do mundo estão desenvolvendo ferramentas de inteligência artificial e disponibilizando essa tecnologia para toda a comunidade. A proposta da Intel de otimizar essas ferramentas para sua arquitetura e estabelecer parcerias com universidades para a validação e difusão desse conhecimento é estratégica para sua liderança no desenvolvimento e produção de processadores”, explica o Prof. Dr. Leandro de Castro, Coordenador do Laboratório de Computação Natural e Aprendizagem de Máquina (LCoN) da Universidade Mackenzie.

“Esta iniciativa conjunta da Intel e AI2Biz Lab (www.ai2bizlab.com.br) disponibilizará recursos técnicos orientados a projetos de Inteligência Artificial, cada vez mais exigidos nos ambientes corporativos, além de criar vínculos com os meios acadêmicos de pesquisa. Nossa missão é tornar as tecnologias de IA não só acessíveis, como aplicáveis aos objetivos de negócios nas mais variadas industrias, observando suas peculiaridades, e promovendo de forma customizada melhorias na eficiência operacional dos clientes, e ganhos reais pelo uso otimizado de recursos.”, reitera Francisco Dutra, CEO da AI2Biz Lab.

“Além de problemas de ciência básica deveremos atacar algumas áreas com forte impacto socioeconômico, como diagnósticos através da análise de imagens médicas e melhoria dos agronegócios com imagens de satélites” disse Sérgio Novaes, diretor científico do Núcleo de Computação Científica (NCC) da Unesp.

Referência à arquitetura da Intel em Inteligência Artificial.
https://software.intel.com/pt-br/ai

Tags, , , , , , , , ,

Fintech F(x) lança desconto de duplicatas

 Dan Cohen, CEO da F(x)

Dan Cohen, CEO da F(x)

Visando melhorar o acesso a crédito para as corporações, a F(x) – leia-se FdeX, fintech que conecta empresas que buscam crédito à fontes de financiamento, agora também trabalha com desconto de duplicatas. Trata-se de transformar duplicatas de vendas parceladas no cartão de crédito, vendas a prazo ou até mesmo cheques pré-datados em capital, ou seja, o dinheiro a ser recebido no futuro é antecipado para agora.

Com a plataforma oferecendo mais esse recurso, as opções para as empresas buscarem créditos vão aumentar. Uma das maiores vantagens da novidade é que, atualmente, com o cenário econômico instável do País, muitos bancos pararam de oferecer esse tipo de serviço. Além disso, as companhias terão mais capilaridade no acesso ao crédito, já que, com o desconto de duplicatas, a F(x) espera que os fundos de direitos creditórios, os FIDCs, aumentem sua participação na plataforma. Hoje, a empresa conta com mais de 90 instituições financeiras listadas, sendo que 20 são FIDCs, e já movimentou 500 milhões de reais em créditos.

Diferente do que ocorre em outras plataformas, na F(x) as empresas têm um limite para desconto de recebíveis através de um Compromisso de Recorrência. Esta recorrência, garantida por contrato, traz mais segurança para as empresas ao certificar que haverá limite prolongado para operação junto ao financiador e, com isso, é possível conseguir melhores taxas, de forma mais simples e rápida.

“A recorrência faz com que o cliente acabe construindo um relacionamento com o financiador e, desta forma, as taxas de financiamento também ficam mais competitivas”, explica Dan Cohen, CEO da F(x).

As companhias que utilizarem o serviço terão prazos mais curtos, uma demanda que os clientes da F(x) já buscavam. Assim, a ferramenta garante volume para os fundos e as empresas conseguem prefixar uma parte dos recebíveis. A princípio, a funcionalidade vai limitar as negociações a até 30% das duplicatas para que não haja o risco de oscilação nos volumes.

O processo todo é bastante simples, basta cadastrar a empresa na plataforma da F(x), cadastrar os recebíveis e participar do pregão, que os algoritmos de “matching” da plataforma identificam as melhores combinações. A partir daí, a empresa escolhe a melhor oferta e negocia diretamente e com exclusividade com o financiador. Para intermediar o processo, a F(x) cobra de 1% a 2% de taxa sob o valor dos empréstimos contratados.

Tags, , ,

ESPM aproxima estudantes do mercado de Big Data

Inovação é a palavra-chave do século XXI. Com tantas opções de serviços, criação de startups e avanço tecnológico nos mais variados setores, o Brasil busca opções para surfar essa onda mundial. De olho nessa tendência, a ESPM, referência no setor de educação, inovou ao promover o encontro “Transformação digital e as Revoluções por meio dos dados’’, evento de fechamento do semestre letivo que contou com a presença dos estudantes do curso TECH e três especialistas de negócios da Teradata América Latina: Fausto Novaes, consultor especializado no mercado financeiro; Mauricio Andrade de Paula, consultor responsável pelas indústrias de varejo e manufatura; e Wenceslao Gorchs, consultor à frente dos projetos de Telecomunicações.

Segundo Mauricio Pimentel, coordenador de parcerias do curso TECH da ESPM, “esse tipo de evento é capaz de trazer uma proximidade com o mercado, agregando visão de negócio e casos de uso que normalmente o professor não tem condições de apresentar na sala de aula, mostrando aos estudantes a realidade que é vivida na indústria por quem está ao lado de um grande banco, um varejista com milhares de lojas ou uma gigante da Telecom, por exemplo”.

Para os especialistas da Teradata, essa é uma oportunidade de ajudar na preparação desses novos profissionais para os desafios reais do Big Data e Análise de Dados, acelerando o aumento do grau de maturidade do mercado nacional nestes temas. De acordo com o time da Teradata, “esse tipo de prática é muito comum nos EUA e em outras regiões de atuação da Teradata no mundo e pode ajudar os estudantes brasileiros a chegarem mais preparados para encarar as chamadas ‘dores de mercado’ que o atual cenário nacional e internacional apresenta, gerando muito mais inovação do que vemos hoje”.

Para os especialistas da empresa americana, o principal ponto é que os estudantes ingressem no mercado de trabalho com uma visão analítica de negócios já bem treinada, levando ao aumento da maturidade analítica do mercado brasileiro, independentemente da vertical de atuação.

Pimentel também ressalta que “apesar da distância de maturidade entre o mercado brasileiro e o americano, hoje algumas instituições de ensino buscam deixar para trás o estilo de formação tradicional, investindo em práticas reais de mercado”. De acordo com o coordenador, “esse tipo de evento nos ajuda a entregar ao mercado de trabalho profissionais que ainda são júniores, porém, com uma visão e entendimento de que, no setor de Tecnologia da Informação atual, as empresas compram soluções de negócios e não mais o tradicional ‘bits e bytes’”.

Tags,

Fim do E-sedex: especialista dá dicas para frete não pesar no bolso do lojista e dos clientes

Depois do anúncio dos Correios sobre o fim do e-Sedex, lojistas virtuais sofrerão um grande impacto na hora de enviar seus produtos para os clientes. Mas o que realmente muda para o pequeno e médio lojista? E para o consumidor? O envio ficará mais caro?

O e-Sedex era um serviço dos Correios para remessa expressa de mercadorias de até 15 kg adquiridas por meio do comércio eletrônico, com preços diferenciados para as lojas online que contratavam este serviço. Com a descontinuidade do serviço, lojistas e clientes perderam a forma mais econômica de envio e estão preocupados com o impacto nos valores dos produtos.
Pensando nisso, Filipe Belmont, especialista em comércio eletrônico da Loja Integrada – plataforma mais popular de lojas virtuais do país- destacou as principais mudanças e deu dicas para os lojistas e consumidores virtuais:

Invista em parcerias e novas formas de envio

Os lojistas que usarem os Correios, a partir de agora, devem escolher outros serviços como PAC – mais barato e com prazo maior de entrega – ou Sedex – mais caro e prazo bem mais rápido de entrega.

Também é possível fazer parcerias com transportadoras e plataformas de logística para e-commerce que otimizam o envio. Como por exemplo, a Mandaê, que oferece serviço para que pequenos e médios e commerces enviem seus produtos por uma rede de entregas eficiente e simples.

Já para o consumidor das lojas virtuais, a dica é ficar de olho nas alterações de preços – tanto nas formas de envio, como no produto. Se a opção for Sedex, o cliente receberá o produto mais rápido, mas o valor pode chegar a ser 30% maior que o extinto e-Sedex. Quem optar pelo PAC – que funciona somente de segunda a sexta-feira – pagará menos, mas deve esperar mais pela entrega.

Busque promoções e encha seu carrinho

Uma dica para os lojistas é tentar vender produtos que estão encalhados no estoque e que possam ser vendidos com preço mais barato. Fazer combos com valores acessíveis também incentiva o consumidor a comprar.

Já para quem vai comprar pelos sites, a dica é pesquisar promoções e aproveitar a oportunidade para obter mais de um produto na loja, assim é possível diminuir o valor do frete.

Uma outra opção para o lojista, que tiver suas vendas concentradas nos grandes centros urbanos, é oferecer a entrega via motoboy, dependendo do ticket médio e também da demanda do seu público-alvo.

O lojista que tiver loja física poderá disponibilizar a opção de retirada no local. Isso pode até mesmo estimular a compra de mais produtos.

Tags, , , , , ,

Atos: jornada em direção à sustentabilidade

A Atos, líder global em transformação digital, acaba de publicar, pelo terceiro ano consecutivo, seu Relatório Integrado de Responsabilidade Corporativa, em conformidade com as recomendações da Global Reporting Initiative (GRI) e da International Integrated Reporting Framework (IR), entidades de referência para relatórios de sustentabilidade de empresas em todo o mundo.

Desde 2014, a Atos vem cumprindo com sucesso o Serviço de Indexação de Conteúdo da GRI, na abrangente categoria G4. Esse compromisso contínuo demonstra o desempenho de nível internacional da Atos em responsabilidade corporativa e confirma a Atos como uma parceira de negócios confiável e um empregador responsável.

Nesse relatório integrado, a Atos descreve como sua Fábrica de Transformação Digital impulsiona a digitalização de seus clientes e é um modelo de criação de valor para todas as partes envolvidas.

Esta é a essência do novo plano estratégico da Atos, o Ambition 2019: ajudar todos os clientes a se orientarem em direção à transformação digital, proporcionando, ao mesmo tempo, segurança aprimorada, maior poder computacional, transformação das aplicações e colaboração mais eficaz, mantendo, ainda, a disciplina financeira e o desempenho sustentável.

“A sustentabilidade é parte integrante de uma jornada de transformação digital bem-sucedida que crie valor constante para nossos clientes e partes envolvidas e garanta um crescimento sustentável. Tenho orgulho do grande progresso que fizemos na Responsabilidade Corporativa”, comentou Thierry Breton, presidente e CEO da Atos.

“Em 2016, o Índice Dow Jones de Sustentabilidade colocou a Atos no nível Ouro, como empresa mais sustentável do segmento de serviços de TI, tanto no Índice Mundial quanto no Europeu. Nós reduzimos em 50% nossa intensidade de carbono desde 2012, o que levou o CDP a nos classificar como os melhores da categoria em redução de emissões de carbono. Todos esses resultados foram apresentados em nosso Relatório Integrado de Responsabilidade Corporativa 2016, que foi mais uma vez classificado no nível mais alto da opção abrangente G4 pela GRI”, acrescentou Breton.

Compromissos

O Relatório de Responsabilidade Corporativa 2016 e o Documento de Registro estão disponíveis para download em um microssite especial.

A Atos aborda quatro desafios como prioridade:

– Pessoas: Ser um empregador responsável;

– Negócios e Inovação: Gerar valor para os clientes por meio de soluções sustentáveis e inovadoras;

– Ética e Cadeia de Suprimentos: Ser um ator ético e honesto dentro do campo de influência da Atos;

– Meio Ambiente: Administrar sua pegada ecológica corporativa.

Principais destaques de 2016:

– Março: A Atos recebeu, da Crowe Horwath Global Risk Consulting, do IFACI e do escritório de advocacia Dechert, o Prêmio de melhor Monitoramento de Riscos em 2016;

– Abril: O Relatório Integrado de Responsabilidade Corporativa 2015 da Atos recebeu o mais alto nível de reconhecimento de transparência e exaustividade (Categoria Abrangente G4 da GRI);

– Maio: A Atos recebeu status Ouro da EcoVadis por seu desempenho no desenvolvimento sustentável;

– Setembro: A Atos foi reconhecida como tendo o melhor desempenho no segmento de serviços de TI pelo Índice Dow Jones de Sustentabilidade no Mundo (2016 DJSI World) e na Europa (2016 DJSI Europe) (No. 1 em nível Ouro);

– Outubro: A Atos realizou sua reunião anual de Stakeholders Globais em Paris, com uma sessão especial sobre TI Cognitiva na qual foram exploradas suas aplicações e questões éticas;

– Outubro: O Carbon Disclosure Project classificou a Atos como líder mundial, incluindo-a em sua lista “A” do Clima em 2016;

– Outubro: A Atos concordou, em 2016, em constituir uma parceria com a ENS (Ecole Normale Supérieure) Paris-Saclay e a CEA (Comissão de Energias Alternativas e Energia Atômica da França) para criar uma cátedra digital;

– Novembro: A Atos apresentou seu plano Ambition 2019 à comunidade financeira em seu Dia do Investidor, incluindo componentes de responsabilidade corporativa;

– Dezembro: A publicação Journey 2020 explora as tecnologias emergentes e em evolução que moldarão o setor até 2020

Tags, ,

Telit IoT University é lançada oficialmente no mundo

A Telit, líder global em Internet das Coisas, anuncia hoje o lançamento oficial da Telit IoT University. Projetada para desenvolvedores e integradores, a solução faz parte do know-how ligado à Internet das Coisas da companhia, em conjunto com uma série de serviços consultivos, que ensina clientes e parceiros a obter sucesso no desenvolvimento de soluções IoT, com a entrega de resultados comerciais mensuráveis.

Localizada na Telit IoT Platforms em Boca Raton, na Flórida, a Telit IoT University inclui um grande currículo como cursos e laboratórios hands-on co-desenvolvidos pela Telit e pela Florida Atlantic University Institute for Sensing and Embedded Network Systems Engineering (I-SENSE), unidade que promove atividades universitárias com foco em sistemas inteligentes. A nova solução é uma expansão originária do deviceWISE University Program. Inclui inovação e mostra a Telit deviceWISE Ready Partner Applications, dando aos estudantes experiência para um desenvolvimento de soluções IoT.

“A Telit IoT University auxilia companhias a acelerar seus projetos de IoT, fornecendo as ferramentas necessárias para facilitar o acesso ao ecossistema e desenvolvedor recursos dentro de nosso conceito IoT”, afirma Fred Yentz, CEO da Telit IoT Platforms. “Lideramos companhias e aplicamos imediatamente o que eles aprendem na Telit IoT University para lançar inovação de produtos e serviços e melhorar as eficiências operacionais. A itenção é capitalizar o potencial total da transformação digital dos dias de hoje”.

Os cursos mensalmente aplicados provêm experiência hands-on para auxiliar estudantes a iniciarem o protótipo com uma solução IoT. Consumidores também podem requisitar treinamentos no local. Conheça:

– IoT for Developers: ensina estudantes a conectar “coisas” em aplicativos, explorando múltiplos tipos de transporte e métodos enquanto aprendem como usar o portal de gerenciamento;

– IoT for Integrators: introduz e reforça as tarefas críticas, envolvendo design, lançamento, integração e manutenção de uma solução empresarial IoT;

– IoT Immersion: a combinação de IoT for Developers e IoT for Integrators. Esse curso ensina estudantes a integrar serviços com aplicações back-end e compreende, no projeto final, a solução de um caso real;

– Industrial IoT for Integrators: Desenvolvido para fabricantes, esse curso ensina participantes a adquirir, enviar e transferir informação bidirecional entre PLCs e aplicações ERP;

– IoT Sales & Marketing Essentials: Fornece uma visão geral em alto nível dos conceitos IoT, usando cases e soluções IoT;

– IoT Operations & Administration: Oferece ao técnico ou engenheiro encarregado da administração de uma solução IoT soluções e habilidades para manter o sistema.

Tags, , ,

App reduz em 88% tempo com reembolso de despesas corporativas

Um dos grandes problemas que as empresas enfrentam – sejam elas pequenas, médias ou grandes – é a organização de reembolso de despesas e de quilometragem. E isso vai desde um almoço com cliente, gastos com taxi e viagens. Grande parte das companhias ainda faz o processo manual, reúne recibos e coloca um a um no sistema ou em uma planilha– processo demorado e suscetível a falhas.

Um aplicativo brasileiro lançado recentemente no mercado facilita a gestão das despesas de viagens corporativas. Chamado VExpenses (www.vexpenses.com), o app tem mais de 6 mil usuários e resolve o problema da prestação de contas – economizando o tempo de gestores, funcionários e evitando fraudes.

Em um clique

Funciona assim: após uma despesa, o funcionário tira foto do recibo com a câmera do celular e o sistema identifica automaticamente os dados, atualizando o responsável da área com relatórios para o monitoramento e aprovação das despesas.

Com a tecnologia, é possível fazer análises, limitar despesas, visualizar de forma rápida o gasto médio dos funcionários e controlar o cartão corporativo. Outra vantagem é aumentar a produtividade. Pesquisa mostrou que – com uso do app – é possível reduzir em 88% o tempo gasto pela empresa com estas tarefas.

Com o app, ainda, a empresa pode reembolsar a quilometragem percorrida pelos seus funcionários, mensurada através de um GPS que informa a quilometragem exata e o trajeto percorrido através de um mapa.

Tempo é dinheiro

“O funcionário consegue dedicar este tempo a outras tarefas da empresa, gerando novos negócios e organizando os processos. Percebemos também que – em grande parte dos nossos clientes – usar um sistema inteligente de gestão ajuda a diminuir as despesas como um todo, ao identificar gargalos, desperdícios e fraudes”, explica o diretor do VExpenses, Bruno Pain. Para empresas que cobram do cliente final, como escritórios de advocacia e consultorias, o aplicativo também ajuda a comprovar e controlar as despesas através de relatórios prontos por cliente.

Fraudes comprometem 8% do faturamento

Outra grande aplicação do app é no controle de fraudes. Segundo a consultoria de gestão Hands on Solution, as empresa perdem cerca de 8% de seu faturamento em roubos dos funcionários e o reembolso é uma das maneiras mais fáceis de furtar uma empresa. Com o uso do app, é possível fazer comparativos, tendências e fiscalizar os gastos.

Tags, , ,

Mozilla debate o poder da Internet em São Francisco

Em junho, a Mozilla executou várias ações de alto nível para chamar a atenção do público para os problemas que a Internet enfrenta, quando se trata de uma ameaça existencial: ataques da FCC à Neutralidade da Rede.

Na última semana do mês, a Mozilla apresentou o debate Noite para a Saúde na Internet – uma noite especial para celebrar as pessoas e ideias que fazem nosso maior recurso global, a Internet, uma força tão transformadora para o mundo.

O evento aconteceu no Centro SFJazz e contou com música, filmes e histórias de um grupo diversificado. Os palestrantes e artistas foram: Sens. Franken e Wyden, DeRay McKesson, Lauren Duca, Moshe Kasher, Neko Case e muito mais.

A Mozilla também está lançando o IRL, um podcast que descompactará a dinâmica complicada entre nossas vidas on-line e off-line. Comando pela personalidade Veronica Belmont, influenciadora do meio online, o programa abordará vários problemas que afetam a web – desde a alfabetização na web até a privacidade e a descentralização.

No setor de tecnologias emergentes, os dispositivos habilitados para voz representam o futuro da Internet, mas muitas pessoas ao redor do mundo não podem acessá-las porque não reconhecem muitos idiomas. Uma Internet saudável depende de todos ter acesso, por isso é fundamental que criemos uma ferramenta que permita a todos contribuir com isso. É por isso que a organização criou a Common Voice, uma ferramenta revolucionária que as pessoas podem usar para integrar a voz nas aplicações diárias. Este é o primeiro aplicativo crowdsourcing como esse.

Do lado do navegador, o Firefox não é apenas novo e melhorado; É também um dos melhores exemplos do que as comunidades de código aberto podem criar para a web. O Firefox representa Internet Health, oferecendo ferramentas de usuários como Do not Track e outras proteções de privacidade avançadas. Ao contrário de outros navegadores, o Firefox apenas rastreia informações mínimas do usuário, colocando sua privacidade com lucro.

Tags, ,