Page

Author admin

Principais pilares de um programa de compliance

Uma empresa que possui um programa de compliance bem estabelecido tem atribuições que lhe garantem maior credibilidade, conferindo à empresa transparência, ética, segurança e estabilidade jurídica. O compliance auxilia na garantia de que as conformidades estão sendo seguidas dentro da instituição.

Para um programa de compliance ser efetivo, existem alguns pilares que tangem esse núcleo. Fábio Moreno, CEO da IComply, lista quais são os principais tópicos mais relevantes no que se trata de conformidade.

– Suporte da alta administração: Buscar interação e comunicação constante com os colaboradores auxilia os altos cargos a ficarem mais atentos com a conduta e também com os treinamentos de compliance. Além disso, o bom comportamento deve servir como exemplo para os funcionários.

– Treinamentos: Utilizar vários métodos pode fazer a diferença, como aplicativos que proporcionem vídeos criados especificamente para o treinamento, games, estudos de caso e encenação de casos concretos. É importante que seja algo tranquilo e interativo. Ademais, uma vez que os treinamentos demandem menos tempo útil do seu funcionário, é mais provável que haja interesse e que ele se disponha a realizá-los.

– Gestão de terceiros: Basicamente deve-se realizar o mesmo que é feito com seus funcionários: treinar e dar, constantemente, uma série de modelos de comportamentos que você deseja ver repetido. Além de tudo, no momento da escolha por um terceiro, procure algum que já possua uma cultura empresarial de ética e moral e que tenha um programa de compliance efetivo.

– Canal de denúncias: É importante que esse canal seja anônimo, para que os funcionários se sintam mais à vontade para fazer suas denúncias sobre casos de corrupção ou sobre funcionários que por ventura estejam com má conduta.

Tags, , , , , , , ,

Como a tecnologia pode auxiliar no combate ao crime organizado

Por Mauricio Cataneo

Durante 2017, mais de 3 toneladas de drogas foram apreendidas nas fronteiras de Mato Grosso com a Bolívia, segundo balanço divulgado pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp). Além disso, no início do ano, tivemos uma grave crise no sistema prisional brasileiro, com diversas rebeliões em diversos Estados do país. As graves consequências deste cenário e a perplexidade com que fomos impactados nos fazem questionar o que poderia mitigar a situação de risco das prisões.

A crise no sistema penitenciário se dá por um conjunto de fatores e, dentre eles, o tráfico de drogas e de armas surge como um aspecto preocupante que motiva a guerra entre as facções e, por isso, merece especial atenção. De acordo com o Departamento Penitenciário do Ministério da Justiça (DEPEN), este primeiro foi o crime que mais levou indivíduos à prisão em 2014, 28% respondiam ou foram condenados por crime de tráfico de drogas, 25% por roubo, 13% por furto e 10% por homicídio.

A situação nos presídios reflete, entre muitos outros aspectos, a batalha de facções criminosas por rotas do mais lucrativo tráfico internacional. Existe uma luta pelo poder e pela atuação em regiões fronteiriças do Brasil para comandar o tráfico de drogas, armas e outros produtos de procedência ilegal, nos quais o Brasil é rota, seja de origem ou destino. Mesmo reclusos em penitenciárias, esses indivíduos agem neste comércio paralelo e a briga pelo controle é o estopim para o que temos visto atualmente nas cadeias de todo o país.

Conter o tráfico de armas e drogas via fronteiras com países como Colômbia, Bolívia e Peru é um desafio imenso para o Brasil, visto que temos nada menos que 16.8 mil quilômetros de fronteiras terrestres e 7.4 mil quilômetros de costa marítima para serem vigiados. Em termos comparativos, a fronteira que os Estados Unidos fazem com o México apresenta 3.1 mil quilômetros, ou seja, menos da metade da nossa.

Diante do desequilíbrio entre a vastidão do território, somado ao volume de pessoas e cargas que entram e saem diariamente do país, e frente aos recursos insuficientes de controle e segurança em fronteiras, a tecnologia surge como uma poderosa aliada para auxiliar no combate aos desafios do crime organizado. Investir em sistemas de segurança por vídeo-vigilância automatizada (conceito de Centros de Comando e Controle), biometria, análise avançada de dados (data analytics), inteligência artificial e outras tecnologias que permitem o cruzamento de informações de milhares de fontes em tempo real potencializa o processo de análise nas investigações e, sobretudo, em medidas de prevenção.

Seja nos aeroportos e nas fronteiras terrestres, a ágil verificação de identidades se torna um requerimento essencial para a segurança. A implementação de soluções de identificação por reconhecimento facial, de íris, padrões de veias das mãos e outros sinais biométricos, bem como de scanners para grandes cargas transportadas, por exemplo, agiliza o fluxo de pessoas, ao mesmo tempo em que monitora mercadorias suspeitas.

Temos participado de projetos em diversos países nos quais esse tipo de inteligência composta essencialmente por soluções de software, em geral hospedadas em nuvem e com baixo custo de implementação, permite o cruzamento de dados advindos de agências do governo, forças policiais, redes sociais e até de colaborações vindas da própria população. Por meio de um portal público, os cidadãos fornecem informações para autoridades, agências de aplicação da lei e segurança pública, com o acompanhamento das solicitações por meio de smartphones e outros dispositivos móveis. Os dados cruzados identificam vínculos que até então não eram visíveis, permitindo que as autoridades reajam antecipadamente e possam atuar de forma preventiva, impedindo assim a ocorrência de crimes e outras ameaças.

Observamos que os avanços tecnológicos estão moldando novas relações entre os órgãos de segurança e a sociedade como um todo para uma gestão mais eficiente das cidades, um conceito que chamamos de “Cidades Seguras” (Safe Cities). Novos modelos de gerenciamento e controle podem ocorrer de maneira colaborativa entre entidades de segurança, empresas e cidadãos, revolucionando a forma que conhecemos a segurança pública hoje.

Com tanta informação disponível, não podemos esquecer da segurança cibernética. Para proteger dados sensíveis trafegados na rede, a utilização de tecnologias baseadas em microssegmentação se apresenta como uma alternativa importante. Elas permitem a criação de pequenos segmentos dentro do ambiente operacional, nos quais apenas usuários autorizados têm acesso. Ou seja, é possível criar grupos de trabalho formado por membros de diferentes entidades que atuam no âmbito da segurança federal, estadual e municipal (Polícias Civil, Militar e Rodoviária, Polícia Federal, Receita Federal, Ministério Público, Secretarias de Segurança e Administração Penitenciária etc.) para que possam conduzir investigações com total sigilo das informações que trafegam na infraestrutura tecnológica.

Analisando o contexto da segurança pública no Brasil, sabemos que não existe uma fórmula pronta e imediata para a resolução das questões que foram evidenciadas na mais recente crise no sistema prisional brasileiro. O mais importante é mudar a abordagem, passando de uma postura de remediação para de prevenção. É evidente que um plano de longo prazo deve contemplar investimentos em várias frentes, mas sem dúvida a priorização de tecnologias de ponta é aquela que pode trazer benefícios já no curto prazo, com a melhor gestão do fluxo de detentos, controle sobre produtos ilegais que entram e saem do país via fronteiras e aplicação de inteligência em investigações policiais.

Mauricio Cataneo é CFO da Unisys para a América Latina

Tags, , , , , , ,

SulAmérica oferece kit de boas-vindas 100% digital a clientes

Como parte das ações de inovação tecnológica em seus produtos e processos, a SulAmérica, maior seguradora independente do País, oferece aos seus clientes dos seguros auto, residencial, empresarial e condomínio, o kit de boas-vindas de forma 100% digital.

“A SulAmérica investe constantemente para que o contato com o cliente seja cada vez mais ágil e amigável. Com o kit de boas-vindas por meio eletrônico, o segurado tem todas as informações do seguro e o cartão com seus dados na palma da mão, podendo acessá-los quando quiser e de qualquer lugar. A iniciativa ainda estimula uma menor utilização de papel, gerando menor impacto ao meio ambiente”, afirma o vice-presidente de Auto e Massificados, Eduardo Dal Ri.

O kit de boas vindas é enviado por e-mail e SMS com todas as informações sobre o produto, juntamente com as versões digitais da apólice e do cartão do segurado. Com isso, o cliente tem facilidade para encontrar tudo o que precisa saber sobre o produto que adquiriu e o cartão pode ser compartilhado facilmente, por exemplo, com outros motoristas que utilizam o veículo. O mesmo cartão também está disponível de forma eletrônica no aplicativo SulAmérica Auto. No app, o motorista conta ainda com uma série de serviços, tais como acionar reboque ou auxílio mecânico, acompanhamento de processos de sinistro e ainda agendar pequenos reparos e serviços de estética automotiva, entre outras comodidades.

Uma das novidades oferecidas ao mercado segurador pela SulAmérica ao lançar o kit 100% digital para Auto e Massificados é a possibilidade do cliente solicitar o material impresso em apenas um clique, no próprio e-mail de boas vindas que recebeu. Nele, basta acessar um site e solicitar todos os materiais de forma convencional, em papel. Com isso, a companhia busca atender a todos os seus perfis de clientes, inclusive os que preferem a versão física.

Projeto foi lançado após boa receptividade do piloto
A proposta da SulAmérica em enviar o kit 100% digital para clientes de todo o País foi adotada após o resultado positivo de um projeto piloto realizado entre maio e novembro deste ano junto aos clientes do seguro Auto do Estado do Paraná. No período, foram feitas pesquisas presenciais com corretores de seguros para avaliar a receptividade da medida e discutir propostas de melhorias e ajustes no projeto. Também foram enviadas pesquisas on-line de satisfação para clientes e corretores, que obtiveram boa aceitação. Durante o piloto, apenas 10% dos clientes solicitaram o kit por meio físico, em papel.

Tags, , , , , ,

Gartner prevê que Inteligência Artificial criará mais empregos do que eliminará a partir de 2020

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, prevê que 2020 será um ano crucial na dinâmica de emprego, uma vez que a Inteligência Artificial (AI) se tornará um positivo motivador. O número de postos de trabalho afetados pela AI irá variar de acordo com a indústria. Até 2019, setores da saúde, do governo e da educação terão uma crescente demanda de empregos, enquanto a manufatura será atingida fortemente. A partir de 2020, a criação de empregos relacionados à Inteligência Artificial (AI) passará por uma transformação positiva, chegando a 2 milhões de novos postos de trabalho em 2025.

“Muitas inovações significativas no passado foram associadas a um período de transição de perda de emprego temporário, seguido de recuperação. Então, a transformação de negócios e a AI provavelmente seguirão essa rota. A Inteligência Artificial melhorará a produtividade de muitos empregos, eliminando milhões de posições de nível médio e baixo, mas também criará milhões de novas posições de habilidades altamente qualificadas, gerenciamento e até mesmo a variedade de nível de entrada e baixa qualificação”, afirma Svetlana Sicular, Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner.

“Infelizmente, as previsões mais pessimistas de perdas de emprego confundem a AI com a automação – que ofusca o maior benefício de AI – uma combinação de Inteligência Humana e Artificial, em que ambos se complementam”, diz Svetlana.

Os líderes de TI não devem apenas se concentrar no aumento líquido projetado de empregos. Com cada investimento em tecnologias habilitadas para AI, devem-se levar em consideração quais empregos serão perdidos, quais empregos serão criados e como irá transformar a forma como os trabalhadores colaboram com os outros, como tomarão decisões e como terão os seus trabalhos concluídos.

“Agora é a hora de realmente impactar a sua direção em longo prazo de AI”, afirma Svetlana. “Para o maior valor, concentre-se em aumentar as pessoas com AI. Enriquecer o emprego das pessoas, reimaginar tarefas antigas e criar novas indústrias. Transforme sua cultura para torná-la rapidamente adaptável a oportunidades ou ameaças relacionadas a AI”.

O Gartner identificou previsões adicionais relacionadas ao impacto da AI no local de trabalho:

Em 2022, um em cada cinco trabalhadores envolvidos na maioria das tarefas não rotineiras dependerá da AI para fazer um trabalho. A inovação foi aplicada em tarefas altamente repetitivas em que grandes quantidades de observações e decisões podem ser analisadas para padrões. No entanto, a aplicação de AI para um trabalho de menor rotina que é mais variável e, devido à menor repetitividade, começará a render benefícios superiores. É mais provável que a AI aplicada ao trabalho sirva para ajudar os seres humanos, ao invés de substituí-los, uma vez que as combinações de seres humanos e máquinas funcionarão de forma mais eficaz do que os especialistas humanos ou as máquinas orientadas por AI que trabalhem sozinhas.

“Usar a AI para gerar automaticamente um relatório de status semanal ou escolher os cinco principais e-mails em sua caixa de entrada não tem o mesmo fator surpreendente que, digamos, curar uma doença séria, e é por isso que esses usos práticos e de curto prazo passam despercebidos. As empresas estão apenas começando a aproveitar a oportunidade para melhorar o trabalho não rotineiro através por meio da Inteligência Artificial, aplicando-a a ferramentas de propósito geral. Uma vez que os trabalhadores do conhecimento incorporem a inovação em seus processos de trabalho como uma secretária virtual ou interna, os empregados robôs se tornarão uma necessidade competitiva”, afirma Craig Roth, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner.

Até 2022, os esforços do varejista multicanal para substituir os associados de vendas através por meio da AI não terão êxito, embora o caixa e os empregos operacionais sejam interrompidos. Alavancar tecnologias como AI e robótica, os varejistas usarão automatização de processos inteligentes para identificar, otimizar e automatizar atividades intensivas em mão-de-obra e repetitivas que são atualmente realizadas por seres humanos, reduzindo os custos trabalhistas através mediante da eficiência da sede para centros de distribuição e lojas. Muitos varejistas já estão expandindo o uso da tecnologia para melhorar o processo de pagamento nas lojas. No entanto, a pesquisa sugere que muitos consumidores ainda preferem interagir com um associado experiente de vendas ao visitar uma loja, particularmente em áreas especializadas como material de construção, farmácias e cosméticos, onde os associados informados podem causar um impacto significativo na satisfação do cliente. Embora reduza o trabalho utilizado para o check-out e outras atividades operacionais, os varejistas terão dificuldade em eliminar os conselheiros de vendas tradicionais.

“Os varejistas serão capazes de fazer economias trabalhistas, eliminando empregos altamente repetitivos e transacionais, mas precisarão reinvestir algumas dessas economias em treinamentos que possam melhorar a experiência do cliente”, afirma Robert Hetu, diretor de pesquisa do Gartner. “Como tal, a maioria dos varejistas poderá ver a AI como uma forma de aumentar as experiências dos clientes em vez de simplesmente remover humanos de todos os processos”.

Em 2021, o aumento de AI gerará US$ 2,9 trilhões em valor comercial e recuperará 6,2 bilhões de horas de produtividade do trabalhador. Embora muitas indústrias recebam o crescente valor comercial da AI, a fabricação é uma que receberá uma grande parte da oportunidade de valor do negócio. A automação levará as economias de custos, enquanto a remoção de fricção nas cadeias de valor aumentará ainda mais as receitas, por exemplo, na otimização de cadeias de suprimentos e atividades do mercado.

No entanto, algumas indústrias, como a terceirização, estão vendo uma mudança fundamental em seus modelos de negócios, pelo que a redução de custos de AI e a melhoria da produtividade resultante devem ser reinvestidas para permitir a reinvenção e a leitura de novas oportunidades de modelos de negócios.

“A AI pode assumir tarefas repetitivas e mundanas, liberando humanos para outras atividades, mas a simbiose de humanos com AI será mais matizada diversificada e exigirá reinvestimento e reinvenção em vez de simplesmente automatizar as práticas existentes”, afirma Mike Rollings, vice-presidente de pesquisa do Gartner. “Ao invés de ter uma máquina replicando as etapas que um ser humano executa para alcançar um julgamento particular, todo o processo de decisão pode ser revisto para usar as forças e fraquezas relativas da máquina e do humano para maximizar a geração de valor e redistribuir a tomada de decisão para aumentar a agilidade.”

Tags, , , , , ,

UOLDIVEO apresenta nova área de Inovação, focada em Big Data, IOT, AI e Digital Transformation

O UOLDIVEO, empresa do Grupo UOL que oferece serviços de tecnologia para apoiar as companhias em sua jornada para o digital, anuncia a criação da área de Inovação, que será comandada por Alexis Rockenbach. O novo setor começa as atividades no final de 2017, com trabalhos em projetos-piloto a partir de necessidades apresentadas por clientes.

“A nossa atuação está focada em quatro pilares principais: Big Data & Analytics, Internet of Things, Machine Learning/Artificial Intelligence e Jornada de Nuvem/transformação Digital. A célula de Inovação tem por missão colaborar com todas as áreas do UOLDIVEO, disseminando a cultura “ágil” e facilitando a adoção de ferramentas e processos estado-da-arte. Dessa forma, queremos liderar a modernização da forma que trabalhamos, simplificando entregas e focando na transformação de nossos clientes”, explica Alexis Rockenbach, Head de Inovação do UOLDIVEO e também co-fundador e CEO da Compasso, companhia especializada em tecnologias Oracle

Ao todo, 40 profissionais já estão engajados na área, oriundos de diversos setores do UOLDIVEO. “Essa equipe está trabalhando em nosso núcleo, mas todos os membros seguirão integrados e atuando também em suas funções de origem. O conceito é que a inovação não é uma ação apenas de um grupo específico, e sim uma responsabilidade de todos na organização”, destaca o executivo.

A expectativa é que a empresa, após a criação da nova área, consiga ampliar em 5 vezes o número de profissionais altamente especializados nas plataformas estado-da-arte selecionadas. Investindo em novos talentos, automatização e inteligência, o UOLDIVEO tem o objetivo de acelerar a criação de um novo portfólio de serviços especializados, ampliando o leque de soluções de transformações dos negócios de todos os clientes.

“Inovação é a nossa grande prioridade em 2018. A evolução constante sempre marcou o portfólio do UOLDIVEO e estou certo de que esse processo será ainda mais rápido a partir de agora, com a criação de uma área específica para Inovação, conduzida por profissionais comprometidos e amplamente capacitados”, finaliza Rockenbach.

Tags, , , , , , , , ,

Festival internacional de jantares compartilhados em São Paulo gera negócios através de bitcoin

Se o avanço da tecnologia foi o responsável pelo nascimento de ferramentas de economia compartilhada que movimentam bilhões em todo o mundo, a penetração delas nos mais cotidianos dos atos tornaram possível a contratação de serviços de hospedagem, transporte e refeições compartilhadas em apenas alguns cliques.

Como se já não fosse disruptivo o bastante, a empresa brasileira Dinneer realizadora do festival internacional de jantares compartilhados, edição São Paulo www.globalfoodweek.com passou a aceitar dos apaixonados por experiências gastronómicas, a moeda virtual Bitcoin, fechando um ciclo digno de distopia futurista que está revolucionando os meios de pagamentos e recebimentos em todo o mundo.

“A implementação do meio de pagamento foi um pedido dos próprios participantes, afirma, Flavio Estevam, responsável pela empresa Dinneer que realiza o Global Food Week em 46 países.”

Eram pelo menos dez e-mails por semana, contabiliza. “No último festival realizado em Toronto, tivemos dezenas de pedidos de participantes mas na época não aceitávamos a moeda. Em São Paulo não estão sendo diferente, já temos alguns jantares confirmados e pagos com Bitcoin. Além de nãopagarmos nada de tarifa, a transação é muito eficiente.”, conta Estevam. Tiro certo. Até 22/12, onze jantares tinham sido pagos com bitcoins.

Entre as experiências que você encontra no Global Food Week, chefs profissionais e cozinheiros amadores de outras nacionalidades servem em suas próprias casas, pratos típicos de seus países como Portugal, Argentina, Itália, Haiti, China, Peru e México.

O Global Food Week que vai de 19 a 29 de janeiro, já está aceitando inscrições de Anfitriões que desejam cozinhar em suas próprias casas e também daqueles que desejam reservar uma experiência diferente – Inscreva-se e saiba mais: www.globalfoodweek.com

Muito além da comida, a proposta é uma verdadeira imersão cultural possibilitando experimentar pratos típicos preparados por expatriados de todos os cantos do mundo sem sair de São Paulo.

Tags, , , , , , , , , , ,

Algar Telecom lança serviço unificado de voz, dados e vídeo baseado em nuvem para empresas

Incrementando seu portfólio de soluções em nuvem para pequenas, médias e grandes empresas, a Algar Telecom lança o produto Cloud Phone, solução de Unified Communications as a Service (UCaaS) que unifica serviços de áudio, videoconferência, mensagens de texto, compartilhamento de dados e telefonia fixa e móvel.

O Cloud Phone funciona por meio de um aplicativo instalado em desktops e smartphones que permitem que a rotina da empresa seja levada para qualquer lugar, facilidade cada vez mais necessária em ambientes corporativos. Com essa convergência da telefonia fixa para móvel, os usuários otimizam tempo e ainda ganham agilidade para realizar reuniões e atender seus próprios clientes, o que ajuda a melhorar os resultados.

Por ser operado em ambiente cloud digital, seus clientes ainda possuem a vantagem de sempre manter a solução atualizada sem ter que investir nada a mais por isso. A segurança também é um aspecto importante dentro do Cloud Phone, uma vez que os dados dos usuários são criptografados.

Ainda no ponto de vista financeiro, o produto cloud da Algar gera também economia para as empresas, já que a sua manutenção e estrutura são bem menos onerosas que as formas convencionais de comunicação das empresas, como PABX físico. O Cloud Phone ainda possui flexibilidade e permite customização conforme a demanda do usuário. Assim fica fácil aumentar ou diminuir a quantidade de ramais sem a necessidade de um novo investimento, por exemplo.

Para o desenvolvimento do produto, a Algar contou com a parceria das empresas Olitel e BroadSoft. A Olitel é uma integradora de soluções em TI e Telecom que atua no mercado brasileiro há 34 anos. A BroadSoft, líder global em soluções de Comunicações Unificadas na nuvem, também é pioneira no que se refere à tecnologia de integração nativa entre as telefonias fixa e móvel, o que garante ao usuário uma experiência de uso descomplicada e integrada, permitindo maior produtividade.

Tags, , , , , , , , ,

Finep prorroga até 26 de janeiro inscrições para programa de apoio a startups

Investimento de até R$ 1 milhão da financiadora vai ajudar empresas nascentes a inserir novas tecnologias no mercado ou ganhar escala de produção

A Finep prorrogou até 26 de janeiro o prazo de inscrições para a segunda rodada do Finep Startup, programa que pretende aportar recursos e conhecimento em empresas nascentes de base tecnológica. As startups interessadas em concorrer ao edital poderão enviar suas propostas pelo site da financiadora. No processo, serão selecionadas mais 25 empresas a serem investidas pela Finep, em operação que pode chegar a R$ 25 milhões (até R$ 1 milhão por startup).

Após a alta demanda na primeira rodada (mais de 500 inscrições), a Finep ampliou os temas do programa, com a inclusão de Healthtech, além da categoria Tecnologias Habilitadoras, composta por: Blockchain; Inteligência Artificial; Microeletrônica; Nanotecnologia; e Realidade Aumentada, Realidade Virtual e Realidade Mista. O principal objetivo da mudança é atender a empresas nascentes intensivas em conhecimento que não se enquadraram nos pré-requisitos da primeira rodada.

Sobre o Finep Startup

Lançado em junho de 2017, o programa Finep Startup pretende alavancar empresas que estejam em fase final de desenvolvimento de produto, processo ou serviço, para colocar no mercado, ou que precisam ganhar escala de produção (não são apoiáveis tecnologias em fase de ideia ou pesquisa). Para isso, a financiadora vai aportar conhecimento e recursos financeiros via participação no capital das startups selecionadas. O investimento vai ser feito por meio de contrato de opção de compra de ações e pode chegar a R$ 1 milhão, baseado no plano de negócios.

O foco da Finep é cobrir o gap de apoio existente entre o investimento feito por programas de aceleração, investidores-anjo e ferramentas de financiamento coletivo (crowdfunding) e o aporte feito por Fundos de Seed Money e Venture Capital. Assim, a agência espera ajudar startups brasileiras a superar o chamado “vale da morte”, fase em que empresas promissoras se desmantelam por dificuldades de ganhar tração e cobrir fluxo de caixa negativo.

Outro ponto positivo do programa é que a Finep não pretende tornar as startups dependentes de recursos públicos. Para estimular o empreendedor a buscar capital privado, a financiadora vai dar até 5 pontos a empresas que forem aportadas por investidores-anjo. A quantidade de pontos dependerá do valor do investimento, cujo mínimo é R$ 50 mil. Ao todo, são 20 pontos possíveis: 15 da avaliação da proposta de valor da startup e 5 obtidos caso ela receba investimentos privados de R$ 250 mil ou mais.

Tags, , , , , ,

CGI.br divulga diretrizes para o aperfeiçoamento da estrutura de governança da Internet no Brasil

Levando em consideração as contribuições recebidas no processo de consulta pública, por meio da plataforma on-line e da audiência pública, o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) enviou na última sexta-feira (15) ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) as suas recomendações para o aperfeiçoamento da estrutura de governança da Internet no Brasil. O processo de obtenção de consenso multissetorial está consubstanciado nos documentos aprovados pelos setores empresarial, terceiro setor e comunidade científica e tecnológica, disponíveis para consulta no sítio (consulta.cgi.br), bem como o relatório do processo de consulta pública conduzido no âmbito do CGI.br.

Entre os consensos identificados estão a permanência do multissetorialismo, a ampliação dos espaços de participação nos processos de governança da Internet, o compromisso e fortalecimento dos processos de transparência e responsabilização, a construção de consenso como regra de operação em todas as instâncias decisórias, o total respeito aos mandatos atuais vigentes no CGI.br, assim como as competências do CGI.br e do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

Os setores também recomendam que a estrutura do CGI.br seja modificada para um modelo hierárquico em três camadas, em torno dos quatro setores (setor público, setor empresarial, terceiro setor, comunidade científica e tecnológica), que se organizarão ao redor de suas próprias comunidades de base, responsáveis por identificar assuntos de interesse setorial e pautar a atuação das respectivas instâncias superiores; e também em Conselhos Setoriais, responsáveis por coordenar o trabalho das respectivas comunidades constituintes. O pleno do CGI.br, deste modo, interagiria diretamente com suas comunidades constituintes e suas instâncias setoriais, possibilitando o debate e propostas de políticas que também poderão ser encaminhadas individual, setorial e/ou coletivamente.

“Com a participação expressiva da sociedade por meio da consulta pública, temos hoje um consenso amplo e significativo para aprimorar a estrutura da governança da Internet no Brasil, incluindo mais atores ao processo. Esse é um marco muito importante e é com satisfação que buscamos aprimorar o modelo vigente e contribuir para o futuro da Internet no País”, considera Hartmut Glaser, secretário executivo do CGI.br.

Ainda de acordo com a recomendação dos representantes da sociedade civil, o próprio CGI.br deverá ser encarregado de desenvolver, ao longo de doze meses, um processo amplo, multissetorial e participativo, por meio do qual será elaborada uma proposta de transição, com o detalhamento do funcionamento de cada setor, da organização e da composição das comunidades constituintes, bem como das regras de representação e elegibilidade para os diferentes componentes da nova estrutura.

Consulta pública

Realizada de 11 de setembro a 19 de novembro, a consulta pública do CGI.br recebeu mais de 790 contribuições, entre aquelas submetidas por meio de plataforma on-line e as apresentadas durante a audiência pública no VII Fórum da Internet no Brasil, que aconteceu no Rio de Janeiro no dia 17 de novembro. Os relatórios que sistematizam as contribuições recebidas estão disponíveis na íntegra, assim como os documentos de consenso dos setores da sociedade civil do CGI.br: consulta.cgi.br/docs/reports.

Tags, , , , , , , ,

Investida do Criatec é adquirida pela Koppert do Brasil

A INSEED Investimentos, co-gestora do Criatec, anuncia o fechamento do processo de aceleração da BUG Agentes Biológicos. A empresa que produz e comercializa agentes de controle biológico para pragas agrícolas, em sua maioria vespas que parasitam ovos das principais pragas das grandes culturas, foi comprada pela holandesa Koppert Biological Systems, presente em mais de 90 países. O setor cresce em média 20% ao ano no Brasil, sendo que a taxa individual de crescimento da Koppert e da BUG atingiu 30% a.a. nos últimos cinco anos.

Em 2009, a companhia foi investida pelo Fundo Criatec, criado pelo BNDES e co-gerido pela INSEED Investimentos, e, além do aporte de R$1,5 milhões, recebeu suporte em gestão e governança. Segundo Jairo Margatho, diretor de operações da INSEED, as principais ações do fundo na BUG foram “a formatação de uma estrutura de governança corporativa; a implementação da cultura de orçamento; a indicação de um executivo financeiro para auxiliar os empreendedores na gestão da companhia e, sobretudo, o auxílio na estratégia de crescimento aliado à participação ativa nas tomadas de decisão. Multiplicamos valor e por isso comemoramos o desinvestimento da BUG”. O Criatec foi responsável por trazer outros dois investidores para o desenvolvimento da empresa: Trigger e Rosag.

Gestor regional do Criatec, Eduardo Sperling, reforça que no momento que a Inseed decidiu investir na BUG foi identificado que a empresa tinha produtos e tecnologia de grande potencial. “Sua solução de controle macrobiológico é inédita no mundo em escala de aplicação, e tem o potencial para reduzir o uso de pesticidas químicos nas plantações a custos competitivos aos produtores rurais. Entre erros e acertos, o Criatec (e os sócios investidores que trouxemos para a empresa) contribuiu decisivamente para lapidar esse diamante bruto. A Bug absorveu as práticas de governança e gestão necessárias para seu desenvolvimento, sem perder de foco uma estratégia bem definida de diferenciação no mercado mundial. Durante o período que estivemos juntos, a empresa gerou empregos, conhecimento, patentes e novos produtos que trazem maior qualidade de vida à sociedade. No final, a Bug e sua tecnologia foi disputada por empresas de todo o mundo. O Criatec cumpriu o seu propósito ao ajudar os empreendedores a transformarem suas idéias em uma empresa, gerando valor a seus acionistas. E agora, nessa nova etapa, os produtos e ideias da Bug serão usados em plantações de todo o mundo”, reafirma.

Com amplo reconhecimento internacional, a empresa foi eleita pela revista Fast Company (EUA) como a mais inovadora do Brasil em 2012 e a 33ª no mundo. No mesmo ano recebeu o World Technology Award na área de sustentabilidade de veículos como CNN, Time, Science e Fortune . Em 2013, ela se tornou a primeira empresa da América Latina a integrar o grupo Pioneiros da Tecnologia do Fórum Econômico Mundial.

Tags, , , , , , , , ,

Santander e HDI se unem para criar seguradora de automóveis totalmente digital

O Santander Brasil, banco líder em financiamento de veículos no País, e a HDI Seguros, sexta maior seguradora de automóveis do mercado, assinaram hoje uma parceria para a emissão, oferta e comercialização de seguros de veículos. A operação prevê a criação de uma joint venture, que receberá o nome de Santander Auto. A nova empresa será detida 50% pela SANCAP Investimentos e Participações, sociedade controlada pelo Banco, e 50% pela HDI.

A Santander Auto irá funcionar de forma 100% digital e reforçará a posição líder do Banco no mercado de crédito para a compra e venda de veículos e na comercialização digital, com a Webmotors. O Santander detém 22,5% de market share no financiamento de veículos. E, até o fim de setembro, sua carteira de crédito de veículos para pessoa física registrou de crescimento de 16,3%, em 12 meses, e de 5,4% no trimestre, para R$ 34,4 bilhões. A HDI seguros, por sua vez, tem se destacado no mercado segurador como uma das mais inovadoras e digitais empresas do setor, registrando um crescimento médio anual de 13,8% nos últimos 5 anos.

“A parceria com a HDI nos permitirá lançar uma nova empresa, que oferecerá aos clientes produtos inovadores e utilizará a força dos canais de venda do Santander para comercializá-los, de forma a estimular ainda mais o segmento”, afirma Angel Santodomingo, vice-presidente executivo e CFO do Santander Brasil. “Queremos estabelecer novos patamares de serviços neste mercado e disponibilizar aos clientes uma forma mais simples de contratar e utilizar o seguro.”

Para Murilo Riedel, presidente da HDI Seguros, a joint venture representa o fortalecimento da companhia no ramo automotivo. “Somos especialistas em seguro para automóvel e um dos principais players do mercado. Nosso desafio para os próximos anos é elevar à máxima potência os negócios nesse ramo, com um olhar atento para o novo, e a parceria com o Santander é um importante passo nesta direção. As pessoas querem cada vez mais mobilidade e simplicidade. A nova seguradora traz esses atributos com muita força e de forma totalmente digital”, explica Riedel.

A conclusão da operação está sujeita ao cumprimento de determinadas condições, entre elas a obtenção das autorizações regulatórias pertinentes.

Tags, , , , , , , , , , , , ,

IBM ajuda a construir o futuro da América Latina com Inteligência Artificial, Cloud e Blockchain – Por Ana Paula Assis

Nos últimos anos, vimos empresas de todo o mundo se reinventando digitalmente, transformando seus modelos de negócio e criando novas experiências para seus clientes. As inovações que antes levavam meses para chegar ao mercado hoje ocorrem em apenas poucos dias.

A América Latina não está alheia a este movimento. Segundo o IDC, somente nos 2 últimos anos, o investimento em inteligência artificial triplicou na região e o investimento mundial em sistemas cognitivos e inteligencia artificial chegará a 42 bilhões de dólares em 2020.

O combustível deste fenômeno é o mar de dados. Atualmente são gerados mundialmente 2,5 bilhões de gigabytes por dia, o equivalente a 170.000 jornais distribuidos a cada uma das 7 bilhões de pessoas em todo mundo. Até 2020, este número aumentará exponencialmente.

Desta forma, os dados são o novo recurso natural do século XXI; mas também podem ser um problema. Isso porque 80% dos dados não são estruturados, ou seja, são invisíveis aos sistemas computacionais tradicionais e, por isso, não são explorados de maneira adequada.

Quem terá vantagem competitiva neste mundo onde praticamente todos são digitais? Aqueles que tenham capacidade de gerenciar esses dados de maneira inteligente para tomar decisões assertivas – que representam hoje somente um terço das decisões tomadas. A inteligência artificial pode gerar esta capacidade de encontrar informação útil dentro dos ‘dados obscuros’, ou seja, gerar valor nesses dados invisíveis.

Na América Latina, a IBM já está ajudando centenas de empresas de todos os tamanhos a tirar proveito das soluções de inteligência artificial empresarial, associadas ao expertise de indústria, para transformar seus própios negócios. De fato, 2017 foi O ano da adoção de IBM Watson na nossa região. Dezenas de casos reais em saúde, educação, varejo, bancos, assim como no turismo, cultura e outras áreas, evidenciam o poder da inteligência artificial para redefinir as indústrias e profissões, além de capturar oportunidades que eram impensadas até agora.

Essa tendência é apenas o começo. Um recente estudo da IBM mostrou que 50% dos CEOs planejam adotar computação cognitiva até 2019. Queremos que cada empresa e cada profissional possam aproveitar ao máximo todo conhecimeto gerado pela imensidade de dados produzidos todos os dias.

Por isso, a IBM está impulsionando a transformação das empresas na América Latina com a inteligência artificial, a computação em nuvem e blockchain, com convicção de que as organizações que coletam, armazenam, administram e processam dados têm a obrigação de tratá-los com responsabilidade.

A confiança e transparência são os ativos mais valiosos na operação de toda instituição. Na IBM, levamos essa confiança muito a sério, gerenciando os dados dos nossos clientes com base em práticas e princípios éticos.

Também estamos conscientes da necessidade de desenvolver novas capacidades e conhecimentos nos profissionais de hoje e de amanhã, para que possam capitalizar todos os benefícios que estas tecnologias trazem. Segundo dados do World Economic Forum, 65% das crianças que estão na escola primária hoje trabalharão em empregos que não existem atualmente.

A atuação conjunta das instituições públicas e privadas em educação na América Latina será de vital importância para aproveitar as oportunidades que surgirão em um futuro muito próximo. Para isso, já estamos trabalhando com instituições como Saint Paul, no Brasil, e Innova Schools, com a Cognitiva, no Peru, com objetivo de ajudar a redesenhar esses “skills”, utilizando capacidades de inteligência artificial.

Este ano celebramos nosso centenário na América Latina. En 1917 nos tornamos a primeira sede da IBM fora dos Estados Unidos. Durante esses 100 anos, contribuímos com as transformações e avanços da região, comprometidos com o progresso das organizações e da sociedade. Para nós, 2018 já começou e estamos preparados para acompanhar as empresas da região a construir uma nova era de conhecimento e crescimento exponencial: a era cognitiva.

Ana Paula Assis, Gerente Geral da IBM América Latina

Tags, , , , , , , , , , ,