Page

Author admin

Mindset Ventures bate a marca de R$ 100 milhões investidos em startups israelenses

Israel é um dos países mais inovadores do mundo. Constituído oficialmente há pouco mais de 70 anos e com uma área territorial equivalente ao estado de Sergipe, atualmente disputa com os Estados Unidos a primeira posição no ranking de países mais relevantes no mundo das startups. Atenta às oportunidades ímpares presentes neste país, a Mindset Ventures, gestora de venture capital que conecta investidores renomados a empresas de tecnologia em estágio inicial localizadas nos Estados Unidos e em Israel, já investiu aproximadamente R$ 100 milhões em 26 startups israelenses nos últimos cinco anos, mais da metade de todas as aplicações da gestora.

“Muitos dos recursos tecnológicos que temos no Brasil foram desenvolvidos em outros países e importados em algum momento. Absorver tecnologias de Israel, que tem se destacado no desenvolvimento da medicina e de segurança cibernética, significa absorver o que há de mais avançado no mercado.”, explica Boaz Albaranes, sócio e head das operações de Israel da Mindset Ventures.

Nos dois primeiros fundos da gestora, aproximadamente metade das companhias são israelenses. Essa é uma tendência que deve se repetir no terceiro fundo, que teve a captação encerrada no primeiro trimestre deste ano com mais de R$ 260 milhões levantados e que já conta com 60% do portfólio formado.

Criação de tecnologia e vinda ao Brasil
Diferentemente da reutilização de recursos tecnológicos para a criação de novas soluções, que se dá em praticamente todos os lugares do mundo, a criação da tecnologia a partir do zero está muito mais concentrada em algumas regiões. Hoje, Israel compete pela primeira posição quando se trata de pioneirismo, questão vista pelos executivos da Mindset Ventures como uma das principais vantagens em se investir em empresas deste país. Atualmente, nove empresas do portfólio da Mindset Ventures já atuam no mercado nacional. Apesar de se tratarem de empresas estrangeiras, a presença de startups tecnológicas de outros países no mercado local estimula a criação de competidores nacionais com soluções similares.

Mas trazer startups israelenses para o Brasil apresenta desafios próprios. O executivo destaca as barreiras linguísticas e culturais. Apesar de suas similaridades com os brasileiros, os israelenses são mais diretos e literais. “Algumas vezes, a diferença cultural dificulta o andamento de negociações, como nos casos em que uma das partes caminha de forma mais acelerada que a outra. Geralmente, as parcerias são feitas quando há sinergia também na velocidade com que a negociação se dá”, diz.

Boaz também explica que a expansão internacional geralmente ocorre em uma etapa mais avançada da operação, quando a startup já comprovou seu modelo de negócio e já possui certa tração e maturidade para expandir em nível global. “As empresas que trazemos para o Brasil já possuem produtos funcionais previamente testados, competitivos e comprovados por clientes. Além disso, se a solução é importada, significa que existe demanda no Brasil para isso”.

Com uma população extremamente digitalizada e empreendedora, Israel é o país com a maior concentração de startups por habitante. Entre os principais segmentos cujas tecnologias são importadas para o Brasil, se destacam o agronegócio, medicina e segurança cibernética. Nesses escopos de atuação, se sobressaem no portfólio da gestora a Taranis, empresa de agricultura de precisão que promove a proteção de plantações por meio de análise de imagens áreas com resolução submilimétrica nos estágios de desenvolvimento mais críticos ao longo da safra; a Emedgene, healthtech que utiliza inteligência artificial para agilizar o processo de decodificação genética e que recentemente fechou parceria com a Illumina, uma das maiores empresas do mundo dentro do campo; e a SAM, startup de segurança cibernética idealizadora de um sistema que permite que roteadores sirvam de ponto de proteção para todos os dispositivos conectados a ele.

O papel do data center na indústria de mineração

Por Gustavo Hilsenrad, Gerente de Vendas Empresariais da Vertiv para a região SSA

A digitalização mudou profundamente as estruturas do setor de mineração. As empresas usam dados para lidar com desafios em áreas como a competitividade, o desenvolvimento sustentável, a coesão entre processos, a continuidade operacional e a gestão de capital humano especializado. Trata-se de um avanço muito importante para um setor que faturou, no Brasil, em 2020, 209 bilhões de reais, o que representa uma participação de 2,5 no PIB (dados do Ministério de Minas e Energia ). Esse é um segmento fortemente exportador, que disputa mercados com gigantes globais e vê a tecnologia digital como um elemento essencial para o crescimento dos negócios.  Algumas das aplicações mais adotadas dizem respeito à Indústria 4.0, BigData, Business Intelligence, Inteligência Artificial e IoT. Todos esses user cases dependem do data center para se tornarem operacionais.

De acordo com o estudo “Impacto de las Nuevas Tecnologías en las Habilidades Requeridas en la Industria Minera” (Impacto das Novas Tecnologias nas Competências Requeridas na Indústria de Mineração), de 2018, realizado pelo Conselho Mineral e Fundação do Chile, essa indústria tem operado usando um modelo misto que inclui tanto controle remoto como automatização. O setor é caracterizado pela tomada de decisões com base em dados e a coleta de informações detalhadas, a serem processadas nos data centers. Em 2050, o setor deve alcançar um nível de otimização que lhe permitirá a maximização do seu potencial tecnológico ao longo da cadeia de valor e de todas as operações.

Na medida em que os processos industriais se tornam mais complexos, precisam estar disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano. Tudo se inicia em um data center corporativo (TI) que pode estar a diversos quilômetros de distância e culmina com a convergência de vários processos de Tecnologia Operacional (TO), onde o trabalho é realizado. Espera-se que a tecnologia dos data centers contribua para um setor mineral mais limpo e mais competitivo ao proporcionar o desenvolvimento sustentável, riscos reduzidos, economia de custos e otimização de recursos (eletricidade e combustível).

Essa perspectiva é compartilhada pelo estudo Big Data in Mining (Big Data na Mineração), de 2020, realizado pela Escola de Ciências, Física e Matemática da Universidade do Chile, o qual destaca a importância dos equipamentos interconectados como um fator fundamental no desenvolvimento e na transformação do processamento mineral. Além de lidar com grandes volumes de dados por longos períodos de tempo, os data centers das mineradoras precisam ser capazes de expandir a capacidade em intervalos muito curtos, já que várias fontes de dados podem produzir dados melhores e em maior quantidade por períodos de tempo curtos.

Data center implementado em ambientes industriais

O data center que atuará nos ambientes de produção do setor de mineração precisa ser projetado para aguentar as condições mais severas dos ambientes industriais, incluindo corrosão, umidade, ambientes com alta salinidade, altas temperaturas, poeira, grandes altitudes, terremotos e neve.

Uma resposta a esse desafio pode ser o uso de data centers modulares pré-fabricados. Trata-se de soluções que podem se adaptar às diferentes necessidades e realidades geográficas das empresas de mineração. Em termos de arquitetura digital da empresa de mineração, é comum que o data center modular implementado na área de produção atue como um data center de Edge Computing ou um nó do data center principal.

É fundamental garantir que todos os data centers da empresa de mineração otimizem ao máximo o consumo de energia. É recomendável, ainda, que sejam escaláveis e redundantes (para maior disponibilidade), com um Tempo Médio para Reparos (MTTR) satisfatório e sistemas de refrigeração que reduzem o consumo de energia em pelo menos 30% através do uso de economizadores de energia, baterias de íon-lítio e tecnologia de freecooling. Além disso, para os locais que demandam alimentação de energia constante, é importante incluir nesse projeto o uso de retificadores, inversores e unidades de UPS industriais. Desta forma, a continuidade de energia pode ser usada para dar suporte às redes LTE (Long Term Evolution) em sites e nos Sistemas para Execução na Manufatura (MES).

Monitoração e serviços especializados

Outro elemento crítico do data center utilizado no setor de mineração é o uso de sistemas de monitoramento dessa infraestrutura crítica. Há data centers que contam com câmeras para monitoramento visual, além de sensores automáticos de temperatura, umidade, fluxo de ar e vazão de líquidos (monitoramento físico). Estes sensores suportam a operação autônoma do data center, de forma a prever potenciais problemas antes que eles ocorram e gerando respostas ágeis.

Há casos de uso em que é fundamental contar com serviços especializados em gerenciamento, operação e manutenção dos data centers do setor de mineração. Isso permitirá diagnósticos preventivos e serviços de monitoramento, programas de manutenção, upgrades, trocas e retrofits.

Serviços especializados oferecem, também, avaliações e testes profissionais que identificam lacunas na infraestrutura de energia para que haja uma maior disponibilidade dos sistemas de TI/TO, bem como informações para planejar capacidade adicional.

A adoção de BigData proporcionou uma mudança positiva para a mineração, combinando excelência no gerenciamento de dados com monitoramento eficaz do processo e, também, economia de energia. Projetar, implementar e gerenciar de acordo com as melhores práticas o data center é essencial para garantir a continuidade operacional de um setor estratégico para o Brasil.

SoftExpert oferece mais de 65 vagas de emprego no Brasil e no exterior

A SoftExpert, fornecedora global de soluções para a gestão integrada da conformidade, inovação e Transformação Digital, está com mais de 65 vagas de emprego para atuação nas áreas de tecnologia, comercial e serviços.

Somente no setor de desenvolvimento são aproximadamente 20 vagas para profissionais com conhecimento em dados (engenheiro e arquiteto), devOps, desenvolvimento Java e PHP, entre outros.

Há ainda oportunidades para atuar como customer success, UX designer, designer instrucional e analista de processos de negócios. Além disso, a companhia oferece mais de 30 oportunidades para consultores de implantação (PJ), nas regiões Nordeste, Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. No exterior, há vagas nas unidades do México e Estados Unidos, algumas delas com possibilidade de trabalho remoto.

A companhia oferece salário compatível com o mercado, além de vantagens como: auxílio-mudança, bônus-anual, vale-refeição, auxílio-graduação, pós-graduação e curso de idiomas. Além disso, a empresa conta com programa de indicação de funcionários; cursos online 100% gratuitos e produzidos pela SoftExpert, plano de saúde, plano odontológico, seguro de vida e diversos convênios como farmácias e livrarias.

Os interessados podem conferir mais detalhes sobre as vagas aqui.

SoftExpert segue crescendo

Com sede em Joinville/SC e 10 filiais em todo o mundo, a SoftExpert aumentou em 30% o quadro de colaboradores nos últimos três anos, foram 147 contratações somente nos últimos 12 meses.

“A empresa vem aprimorando seus processos internos, investindo em práticas de gestão de liderança, e está preparada para sustentar esta operação em constante crescimento”, afirma a coordenadora de RH, Karine Ziemer.

Atualmente, a empresa conta com 436 profissionais e a expectativa é contratar pelo menos 100 pessoas até o fim deste ano.

Mercado Livre irá investir no Aleph Group como parte de um acordo de operação de publicidade digital

O Mercado Livre, empresa líder em tecnologia para e-commerce e serviços financeiros na América Latina, firmou acordo para ser acionista do Aleph Group, em resposta ao grande potencial de crescimento da indústria global de publicidade digital. A Aleph opera na América Latina por meio da empresa Internet Media Services (IMS).

O acordo prevê a aquisição, pelo Mercado Livre, de participação na Aleph no valor de US$ 25 milhões. Adicionalmente, o Mercado Livre vai colaborar com a IMS Internet Media Services na monetização do espaço publicitário, nos ativos digitais do Mercado Livre, em países onde não há operação local de vendas. Além disso, Mercado Livre e Aleph vão se associar para explorar e colaborar em novas oportunidades de desenvolvimento de negócios em publicidade digital.

Este é um período de crescimento e impulso significativos para Aleph, que recentemente anunciou que CVC Capital Partners Fund VIII adquiriu uma participação minoritária na Aleph por US$ 470 milhões, avaliando a empresa em US$ 2 bilhões.

“É uma honra para nós ter o Mercado Livre como acionista. Este é um endosso claro da oportunidade de crescimento que Aleph tem pela frente ao realizar nossa visão global: a mídia digital tem o poder de desbloquear o desenvolvimento econômico e deve ser experimentada igualmente em todo o mundo”, disse Gastón Taratuta, fundador e CEO da Aleph. “Conhecemos o Marcos [Galperin] e sua equipe há mais de duas décadas e esta é uma grande oportunidade de trabalharmos juntos”, conclui.

“Estamos entusiasmados em apoiar o crescimento de Aleph junto ao ecossistema global de publicidade. Sabemos do enorme potencial da publicidade online e estou confiante de que este investimento estratégico e a sinergia entre as duas empresas continuarão a impulsionar o desenvolvimento da publicidade digital na região”, disse Marcos Galperin, CEO e fundador do Mercado Livre. “Conheço Ignacio [Vidaguren] e Gastón há mais de 20 anos. Confio na sua execução e estou muito entusiasmado em trabalhar com eles. Esperamos contribuir para a expansão de Aleph e explorar novas oportunidades juntos”, completa Galperin.

“Estamos muito animados com a parceria com o Mercado Livre, uma empresa que admiramos e que está se tornando uma empresa-chave no cenário da publicidade digital. Com este acordo operacional, buscamos aprimorar a oferta e a posição da IMS Internet Media Services na América Latina, reforçando nosso papel como líderes na região”, disse Ignacio Vidaguren, COO da Aleph, CEO da IMS e ex-executivo sênior do Mercado Livre por mais de 10 anos.

A transação, que está sujeita à preparação da documentação final, deve ser concluída até o final de agosto.

O que as empresas de TI devem fazer para superar o déficit de profissionais

Mesmo com a alta de demandas por serviços de tecnologia, o déficit de profissionais do setor chama a atenção. Com mais de 100 mil vagas anuais disponíveis, os cursos superiores formam menos de 50 mil alunos de TI por ano, segundo estimativas da Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), que indica que até 2024 serão criados 421 mil postos de trabalho no segmento.

Em momento de incertezas econômicas, o setor de TI é essencial para a sobrevivência dos negócios de diversos mercados, entre eles, o financeiro, varejo, educacional, e-commerce e o da saúde, que buscam soluções para Transformação Digital, Inteligência Artificial, Segurança dos Dados, Desenvolvimento de Software, por exemplo, fazendo com que cresça a procura por profissionais de tecnologia.

Segundo o CEO da Lambda3, Victor Hugo Germano, além desses fatores as companhias têm se interessado em entender mais sobre como se reinventar. “A pandemia trouxe a abertura para que as empresas experimentassem o desenvolvimento ágil e a cultura de trabalho remoto, por exemplo”, pontua.

Para ele, o déficit de profissionais disponíveis traz preocupações que nem sempre foram prioridade das companhias. Uma delas é a construção da cultura organizacional. Outra é a criação de um ambiente que atraia pessoas e, também, estimule a manutenção daqueles que já fazem parte do quadro colaborativo.  

“É possível lidar com os desafios de oferta e manutenção de pessoas por meio do estímulo ao investimento em formação e capacitação, e da inclusão na tecnologia. Isso pode acontecer se houver apoio das iniciativas privada e pública, universidades e bootcamps de ensino, por exemplo, que podem ter papel significativo no aumento de profissionais no mercado. Além disso, é preciso agir ativamente treinando pessoas no ambiente de trabalho e apoiar comunidades que ajudem a atrair talentos para a tecnologia”, sugere Germano.

Ambiente e pautas benéficos para todos

Os profissionais têm priorizado tópicos que vão além das ofertas de trabalho, bons salários e benefícios já conhecidos como vale-refeição e alimentação. “Ao buscarem oportunidades, os talentos estão mais atentos a companhias engajadas em temas como sustentabilidade, ações sociais, além de saúde mental e emocional. É preciso criar um espaço onde as pessoas tenham suporte e rede de apoio quando passarem por dificuldades”, afirma Patrícia Kost, Head of People and Culture da Lambda3.

Outra temática valorizada pelos profissionais é a diversidade, que ajuda a contribuir com um ambiente mais democrático. “É necessário criar ações que amparem as pessoas, de modo a cooperar com um bom clima de trabalho. Não basta contratar. Talentos e gestões precisam estar engajados e dispostos a dialogar para criarem um local seguro e agradável para trabalhar, com autonomia e responsabilidade como aliados. Seja com ações de comunicação interna, uso de canais que ampliem conhecimentos sobre tópicos relacionados à diversidade ou campanhas contra todos os tipos de assédio e preconceito, é esse olhar integral sobre a pessoa e cuidado em todos os momentos que ajudará tanto no interesse de quem está fora, como na manutenção de quem atua na organização”, acrescenta Patrícia.  

Liderança humanizada é a nova perspectiva das empresas em período de pandemia

Por Luciano Farias, conselheiro da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná) e CEO da thyssenkrupp Brasil – Division Steering

A pandemia alterou radicalmente o cotidiano das empresas. A experiência do home office junto à digitalização, em meio à crise sanitária, mudou as culturas organizacionais e exigiu mais inteligência emocional na administração das equipes de trabalho. Liderar tornou-se um desafio ainda maior: nesse momento é preciso olhar de forma mais humanizada para os colaboradores e ter a capacidade para gerenciar a distância e conectar as pessoas.

Prestar atenção e orientar o time na fase de readequação da rotina, além de redefinir o formato de trabalho, são alguns dos desafios das lideranças na contemporaneidade. Compreender a heterogeneidade dos funcionários também – saber quais são as dificuldades individuais de cada um, a fim de estabelecer o diálogo transparente e aumentar o desempenho qualitativo da equipe.

Para manter as relações passíveis de troca de ideias e respeito, é preciso criar laços verdadeiros com as pessoas. Campanhas corporativas genéricas podem não refletir o sentimento de preocupação sincera. Manter-se atento à saúde integral do colaborador, em aspectos físicos, emocionais e psicológicos, ouvir suas necessidades e entender a velocidade de adaptação de cada um são imprescindíveis durante os momentos de crise.

Os processos mudaram e são novos para todos, portanto, gerenciar as organizações durante a pandemia exige ajustes, também, por parte das lideranças. Torna-se ainda mais necessário ser exemplo. Estar presente mesmo em home office, participar mais atentamente das reuniões on-line, incentivar e assumir as próprias ansiedades e expectativas fazem parte da dinâmica.

O fato é que a tecnologia foi acelerada com a pandemia. As agendas tornaram-se mais organizadas, as reuniões face a face ganharam agilidade e os encontros com clientes passaram a ser marcados de forma mais rápida, já que o deslocamento não é necessário.

É improvável que os planos de comunicação presenciais não façam falta na rotina de trabalho. Quando há um feedback subsequente de um comunicado feito de forma coletiva, por exemplo, é mais fácil estimular a retroalimentação da informação de forma assertiva. Mas a desburocratização de processos de comunicação e administrativos compensam as possíveis disparidades. 

A gestão humanizada já era bem-vinda em grande parte das empresas focadas em transformação por meio de pessoas, e tornou-se fundamental na era da indústria 4.0. Os ambientes automatizados da revolução industrial paradoxalmente abriram espaço para a tecnologia, mas também para as particularidades do colaborador. Não é possível gerenciar os processos digitais sem a atuação humana – estrategicamente é preciso cuidar das equipes para colher os benefícios da evolução de uma organização.   

Para a fase pós-pandemia, evidencia-se a continuidade do sistema híbrido. As empresas já notaram os benefícios e o esperado é que boa parte delas possibilitem que os colaboradores trabalhem de casa.

A thyssenkrupp apoia a liderança humanizada e percebe os resultados – colaboradores mais seguros, menos ansiosos e engajados nos ideais do grupo. Ter equipes em trabalho parcialmente remoto será uma opção, que segue com o foco em aprimorar as relações pessoais em período de ressignificação do desenvolvimento organizacional. 

Holistix recebe o maior Investimento Anjo brasileiro da história

A HOLISTIX, criada em 2019 pelas sócias Nathalia Simões e Nicole Vendramini, com o apoio da Anjos do Brasil levantou R$ 8 milhões e se tornou a startup a receber o maior aporte vindo de investidores anjo no Brasil até o momento.  A startup é uma plataforma de saúde e bem estar que promove a adoção de mini hábitos possíveis para criação de rotinas mais saudáveis através de diferentes ferramentas como conteúdo, produtos físicos e digitais.  

“Os investidores se interessaram pelas empreendedoras terem demonstrado uma grande capacidade de execução, conseguindo sustentar um crescimento médio acima de 20% ao mês, mesmo no meio da pandemia, com todos os colaboradores trabalhando em home-office, o que é um desafio para uma DNVB que desenvolve produtos físicos”, explica Cássio Spina, presidente da Anjos do Brasil e investidor líder da Holistix 

As fundadoras sempre se empenharam em trazer investidores que pudessem aportar mais do que simplesmente capital, queriam know-how e um bom network. Como consequência, atraíram nomes de peso como Lodovico Brioschi, Cofundador da Amaro, Carlos de Barros, CEO DASA Diagnósticos, André Barrence, Head do Google for Start-ups e Ben Bommert, ex Chief Business Development da Dafiti. A Holistix estima multiplicar o faturamento em 10x em comparação a 2020. Com esta rodada a Holistix poderia chegar até o break-even, assim, uma nova captação seria dedicada para acelerar ainda mais o crescimento. Além disso, em julho de 2021 passaram a fazer parte do seleto grupo de start-ups do programa Scale Up da Endeavor.  

Através de uma comunicação direta e descomplicada, a Holistix construiu uma comunidade engajada que hoje soma mais de 160 mil seguidores no Instagram. A start up combina ciência moderna com hábitos milenares, muitas vezes inspirados pela Ayurveda. Nesse sentido, seu primeiro lançamento foi o raspador de língua, seguido de outros produtos como as chamadas superfoods – alimentos caracterizados pela forte presença de vitaminas e minerais que proporcionam ganhos importantes ao organismo – e produtos de autocuidado como escova para esfoliação e almofada térmica. 

Além disso, a marca acabou de lançar um novo Portal que tem como objetivo fornecer informação de qualidade de um jeito fácil de entender e de ser aplicado no dia-a-dia. Serão conteúdos diários que permitirão estender a conversa em torno de assuntos importantes tanto para a saúde física quanto mental. Dividido em 7 pilares, o portal vai tratar sobre: saúde, corpo, rotinas, alimentação, relacionamentos, autoconhecimento e produtos. A ideia é seguir inspirando e melhorando hábitos, sejam eles nos ambientes online ou físico. 

A Holistix está criando o ambiente de referência em assuntos relacionados a bem-estar para o público D2C no Brasil. Seu grande diferencial é que une conteúdo, produto e dados de uma forma muito dinâmica e ágil para estar sempre trazendo soluções e assuntos relevantes para seu público-alvo. Dessa forma, criou um método para conseguir inserir pequenos hábitos saudáveis no dia a dia do consumidor.  

As fundadoras 

Depois de mais de 10 anos atuando no marketing de grandes empresas de saúde e alimentos, Nicole mudou completamente a sua relação com o corpo, mente e trabalho e iniciou estudos relacionados à saúde holística (IIN, NYC), nutrição ayurvédica e fitoterapia (Madri). Na Holistix, transita pelas áreas de negócio, comunicação e produtos, além de fazer o papel de tradutora do “tecniquês” da saúde para a comunidade digital da plataforma. 

Já Nathalia vem de anos de trabalho intenso no mercado financeiro passando por private equity, venture capital e M&A no Brasil e na Europa. Com o objetivo de um dia empreender, fez MBA no IESE de Barcelona e decidiu trabalhar para criar um exemplo de start-up que pudesse ser ao mesmo tempo feminina, sustentável e muito rentável. Nathalia é quem está por trás da relação com investidores e quem dá aquele gás para escalar todos os planos da Holistix.  

Natura e Avon iniciam testes para fazer entregas com o uso de drones

Natura e Avon, parte do grupo Natura &Co, iniciam etapa de testes técnicos para a realização de entregas dos produtos das marcas por meio de drones. Com a nova tecnologia, as empresas buscam melhorar a experiência de entrega para as consultoras e representantes. Além disso, dado que a tecnologia de drone não gera emissões de gases de efeito estufa, o projeto contribuirá para alcançar a meta do grupo de atingir zero emissões líquidas de carbono até 2030 para suas quatro marcas: Avon, Natura, The Body Shop e Aesop.

Para o projeto, Natura &Co firmou parceria com a startup brasileira Speedbird Aero, primeira empresa a receber o CAVE (Certificado de Autorização de Voo Experimental) pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), no ano passado. Natura &Co e Speedbird já começaram os testes técnicos e deram encaminhamento ao processo de autorização da ANAC para a execução do projeto piloto de entrega em condições reais, que será feito em um raio de até 200km já no primeiro trimestre de 2022. A operação buscará realizar as entregas de forma ágil e segura em locais mais afastados ou de difícil acesso. A iniciativa está sendo implementada por Natura &Co por meio do Natura Startups, programa que reforça a atuação da companhia no ecossistema de inovação e empreendedorismo para o desenvolvimento de soluções e serviços disruptivos.

A tecnologia de drone para fazer entregas de produtos de primeira necessidade e de bens de consumo já é uma realidade em diversas partes do mundo, como Ruanda e Gana, onde os drones permitem distribuir doações de sangue. Em países como Finlândia, Islândia, Suíça, China, Japão e Estados Unidos, drones estão sendo utilizados para entregas de varejo, alimentos e medicamentos. Além da redução significativa no tempo de entrega, outra vantagem dessa modalidade é o baixo impacto ambiental, uma das grandes prioridades no modelo de negócio das marcas do grupo Natura &Co.

“Nossa Visão de Sustentabilidade, o Compromisso com a Vida 2030, tem a ambição de tornar Natura &Co um grupo zero emissões líquidas de carbono vinte anos antes do que a meta estabelecida pela ONU. Por isso, é fundamental investirmos em soluções de entrega que não gerem emissões na nossa cadeia logística, como os drones, em linha com a nossa aspiração de sermos o melhor grupo de beleza PARA o mundo”, afirma Leonardo Romano, diretor de Supply Chain e Inovação Logística de Natura &Co. “Buscamos constantemente soluções de vanguarda que aprimorem as experiências das nossas consultoras, representantes e clientes com os produtos das nossas marcas. A logística através dos drones irá habilitar rotas de entrega em tempos muito curtos, com baixo custo e baixo impacto ambiental”, agrega o executivo.

Para Manoel Coelho, CEO e fundador da Speedbird, o projeto com Natura e Avon permitirá testar o modelo de entrega em uma escala mais ampla de operação. “Somos pioneiros no Brasil em obter a certificação da ANAC para testar o modelo em condições reais de operação e na parceria com a Natura &Co será interessante observar que, ainda que feito em maior escala, o drone delivery seguirá sendo uma opção segura e viável”, assegura Coelho.

Programa Scale-Up Varejo da Endeavor seleciona a Foodtech Papila Deli, destaque no setor gastronômico

No primeiro semestre, a startup inaugurou sua segunda loja e, ainda este ano, prepara mais duas unidades, o lançamento de uma nova marca e a construção de uma nova cozinha central em um espaço de 1.200 m2

A foodtech Papila Deli foi uma das empresas selecionadas para fazer parte do programa Scale-Up Varejo da Endeavor – programa de aceleração das empresas que mais crescem no Brasil, que conta com patrocínio gold da Arezzo&Co – através do ZZ Ventures, sua frente de corporate venture capital. A novidade chega logo após a inauguração da segunda loja, com pouco mais de um ano de fundação, e o anúncio de uma forte expansão. Ainda em 2021, a startup pretende abrir mais duas unidades, lançar uma quarta marca gastronômica e finalizar a construção da nova cozinha central em um espaço de 1.200 mlocalizado no Itaim, em São Paulo.

O Scale-Up é um programa de aceleração da Endeavor – rede global formada pelos empreendedores e empreendedoras à frente das empresas que mais crescem no mundo. No Brasil desde 2000, promove um ecossistema que estimula o crescimento e impacto dos empreendedores e empreendedoras que lideram scale-ups. A Papila Deli foi uma das 11 selecionadas dentre as mais de 300 candidatas e, nos próximos 5 meses, contará com o apoio de uma mentora madrinha ou mentor padrinho para direcionar os principais desafios de crescimento do negócio, além de meetups com as maiores referências em negócios do varejo e conexões com as corporações parceiras e executivos e executivas da Arezzo&Co para oportunidades de geração de negócios.

“A aceitação e o crescimento rápido da Papila Deli mostra que o formato dark kitchen é uma tendência da gastronomia brasileira e não apenas uma solução temporária para o isolamento social durante a pandemia. Prova disso é o nosso crescimento contínuo, mesmo com a reabertura dos restaurantes tradicionais e a ampliação da capacidade e horário de funcionamento, e a seleção para o Scale-Up Varejo da Endeavor”, comenta Bruno Kormes, sócio-fundador da foodtech.

Forte crescimento no 1o semestre de  2021

Durante o primeiro semestre de 2021, com suas 3 marcas (Papila Poke, Papila Wok e Papila Fresh), a Papila Deli quadruplicou o número de caixinhas vendidas, atingindo o patamar de 173 mil unidades, quando ainda contava com apenas uma unidade na região do Itaim Bibi, zona sul de São Paulo.

Esse resultado é reflexo da alta fidelidade do consumidor, que aproveita as diversas marcas para variar sua experiência gastronômica ao longo da semana, mas sem abrir mão da qualidade dos produtos, da entrega rápida e do preço justo. A receita rende impressionantes 85% de taxa de recompra todos os meses.

“Para darmos conta dessa demanda crescente, passamos de trinta funcionários, tamanho da nossa equipe no ano passado, para mais de cem colaboradores diretos, atualmente. Isso sem contar com os trabalhadores indiretos que fazem as entregas”, destaca Alex Lewkowicz, outro dos três sócios-fundadores e idealizadores do negócio.

Os resultados devem triplicar até o fim de 2021, considerando o funcionamento da segunda loja, localizada no Tatuapé, zona leste de São Paulo, e os planos de inaugurar outras duas lojas e lançar uma nova marca até dezembro.

Três culinárias, três diferentes experiências e uma novidade a caminho

Antônio Mendes, chef responsável por assinar os menus de todas as marcas Papila Deli e o terceiro do grupo de sócios-fundadores, explica o que diferenciou a foodtech desde o início. “Nós três concordamos que um dos propósitos da Papila Deli é oferecer uma gastronomia diversa, atendendo diferentes paladares e diferentes ocasiões sem abrir mão da qualidade em um lugar confiável”.

A Papila Poke introduziu a culinária havaiana de uma forma que o paulistano ainda não conhecia. A Papila Fresh conta com um menu de saladas e sopas com temperos especiais do chef. A Papila Wok oferece pratos quentes inspirados no leste asiático e sandubas de sabores inéditos no mercado brasileiro.

Nos próximos meses, a rede se prepara para ganhar uma quarta marca, uma quarta culinária que ainda é guardada em segredo pelos sócios e que faz parte do projeto de aceleração da empresa como uma foodtech de diversas linhas gastronômicas.

Village Capital anuncia startups selecionadas para seu programa Finance Forward América Latina 2021

A Village Capital, empresa de capital de risco que encontra, treina e investe em startups, anunciou as 12 empresas selecionadas para participar do Finance Forward América Latina 2021 . O programa, que conta com o apoio da MetLife Foundation e da Moody’s, terá duas fintechs brasileiras entre as finalistas pelas soluções tecnológicas apresentadas em torno de questões de saúde financeira e futuro do trabalho para pequenos e médios negócios, fortemente afetados pela pandemia do novo coronavírus.

A partir de agosto e até novembro, os representantes das fintechs Firgun e HiSofi participarão de oficinas virtuais com conteúdo voltado para auxiliá-las a identificarem marcos iniciais e se prepararem para sua próxima rodada de capital, se relevante, ou grande expansão. Faz parte do projeto o encontro com analistas de investimentos, investidores da América Latina e dos Estados Unidos e parceiros do ecossistema, com o principal objetivo de desenvolver networking e receber orientações de potenciais para escalonar os negócios.

Este é o terceiro ano consecutivo em que a MetLife Foundation é parceira da Village Capital e, desde então, já apoiou os programas de aceleração em saúde financeira de fintechs brasileiras como: Akredito, Monetus, Movva, DinDin e CloQ. Em 2020, se estabeleceu um novo recorde para o financiamento de fintechs na América Latina, com US ﹩ 2,9 bilhões investidos, além de 198 acordos, segundo dados da pesquisa “Review of Tech Investment in Latin America”, da LAVCA, Association for Private Capital Investment in Latin America.

Para a MetLife, esta é uma grande oportunidade de contribuir para a educação financeira no Brasil e incentivar os negócios. “Acreditamos muito neste tipo de projeto, pois eles oferecem mentoria e aporte financeiro a startups e auxiliam no desenvolvimento do País. Isso cabe especialmente para pequenos e médios negócios, que foram os que mais sofreram com a pandemia do novo coronavírus”, comentou o CEO da MetLife Brasil, Raphael de Carvalho.

Mais sobre as 12 startups selecionadas:

• AgroInvesting (Magdalena del Mar, Peru) opera uma plataforma de financiamento digital que torna o crédito mais acessível para os agricultores.

• Akiba (Mexico City, Mexico) oferece empréstimo consignado, salário sob demanda e fundos de poupança para funcionários de baixa renda na América Latina.

• Aptoclick (Mexico City, Mexico) oferece empréstimos com taxas de juros mais baixas para facilitar os pagamentos iniciais e aumentar o acesso à moradia para funcionários de baixa e média renda.

• ContaAyuda (Queretaro, Mexico) usa machine learning para automatizar contabilidade, impostos e finanças para pequenas empresas.

• Creizer (Mexico City, Mexico) fornece financiamento para vendedores regionais on-line por meio de pagamentos personalizáveis ​​com base em suas vendas.

• Ecomm -App (Buenos Aires, Argentina) ajuda os comerciantes online na América Latina a gerenciar seu estoque em tempo real e faturar em segundos.

• FINLOOP (Puebla, Mexico) opera uma plataforma de empréstimo alternativa que aumenta a oferta de concessores de crédito para pessoas físicas e pequenas e médias empresas.

• Firgun (São Paulo, Brasil) opera uma plataforma de microcrédito ponto a ponto para brasileiros de baixa renda, independentemente de sua formação e histórico de crédito.

• Flexio (Mexico City, Mexico) ajuda as pequenas empresas a otimizar a forma como cobram seus clientes por meio de um processo automatizado de ponta a ponta.

• HiSofi (São Paulo, Brasil) permite que os consumidores de crédito decidam como desejam saldar suas dívidas.

• KredFeed (Guadalajara, Mexico) adianta os pagamentos para pequenas empresas que normalmente receberiam pagamentos atrasados.

• VitaWallet (Viña del Mar, Chile) reduz o custo de pagamentos internacionais para latino-americanos, oferecendo preços transparentes e taxas baixas.

BR Angels e Simpress Lab firmam parceria para buscar startups disruptivas em tecnologia

O BR Angels, associação de investimento-anjo composta por empreendedores e executivos de grandes companhias, acaba de fechar uma parceria com o Simpress Lab, programa de inovação e aceleração digital da Simpress, empresa especializada em terceirização de equipamentos de TI. O objetivo da colaboração é viabilizar a indicação de startups da rede do BR Angels ao programa Simpress Lab. Ao mesmo tempo, empresas que não fazem parte do ecossistema do grupo, mas participam do Simpress Lab, poderão ser recomendadas ao BR Angels, que vem buscando negócios promissores para a realização de investimentos, tanto financeiros quanto intelectuais, por meio de Smart Money.

Para participar do Simpress Lab, as startups precisam apresentar soluções com foco em eficiência operacional, field services, eficiência logística, geração de leads, experiência do cliente ou recursos humanos. Como pré-requisitos para a inscrição, os negócios precisam estar no estágio mínimo de Evolução e Operação, ou seja, aptos para comercializarem suas soluções, além de atuarem no modelo Software as a Service (SaaS) e estarem localizados no Brasil. 

O Simpress Lab está com inscrições abertas, até o dia 30/10, para dois novos desafios, voltados para o segmento de marketing. O primeiro visa a apresentação de uma solução para nutrição on-line de dados cadastrais dos leads gerados. O propósito é complementar em tempo real os dados solicitados no formulário do site com informações-chaves que são públicas, como CNPJ, média de faturamento, quantidade de colaboradores, dentre outras, para gerar mais automação na base de dados. O segundo desafio é criar inteligência para otimização de anúncios digitais a partir de uma solução com machine learning integrada às principais plataformas de mídia, como Google, Facebook e Linkedin Ads. O objetivo é qualificar em massa os anúncios e agregar valor na geração de leads.

As startups que apresentarem as soluções mais inovadoras para o Simpress Lab poderão ser contratadas para o crescimento do negócio ou melhorias de processos, apoiando as 12 filiais, mais de 1.900 colaboradores ou até mesmo a gestão de cerca de 400 mil equipamentos instalados em mais de  1.600 clientes atendidos pela Simpress no país.

O fundador e CEO do BR Angels, Orlando Cintra, ressalta a parceria como a entrada de uma empresa consolidada como a Simpress no ecossistema de inovação. “As grandes empresas estão percebendo que precisam se aliar às startups, com seus processos ágeis e ideias disruptivas, para se reinventarem e acompanharem o ritmo atual dos mundo dos negócios. Nós acreditamos que as startups que passarem pelo programa Simpress Lab terão um grande impacto no serviço prestado aos clientes da Simpress e isso beneficiará todo o ambiente corporativo e ainda apoiará o empreendedorismo brasileiro”, declara. 

Segundo Vittorio Danesi, CEO da Simpress, a parceria com o BR Angels vai acelerar ainda mais o processo da empresa de conexão com startups e novas ideias. “Trazer para o Simpress Lab toda a comunidade de startups do BR Angels vai nos ajudar no desenvolvimento de soluções inovadoras. Queremos nos conectar ainda mais a iniciativas disruptivas que atendam às atuais necessidades do nosso negócio e de como tornar a vida dos nossos clientes mais fácil. Com a parceria, teremos o contato com centenas de startups atingidas mensalmente pelo BR Angels e a um hub do ecossistema, com mais de 50 parceiros estratégicos, como corporate ventures, fundos, associações, entidades do ecossistema de inovação, entre outros”, comenta.

PagBank PagSeguro anuncia a aquisição da Concil, a plataforma de conciliação e inteligência em transações

O PagBank PagSeguro, que promove soluções inovadoras em serviços financeiros e meios de pagamento e empresa líder em quantidade de clientes no segmento de maquininhas de cartão, anuncia a aquisição integral da Concil. A transação reforça a estratégia de crescimento da companhia através de aquisições que buscam complementar seu ecossistema, reforçando seu posicionamento tecnológico e criando soluções integradas para que os empreendedores brasileiros, de todos os tamanhos, tenham mais sucesso em seus negócios.

A Concil, que é a empresa líder no segmento de conciliação, possui uma plataforma completa e escalável, com produtos que vão desde a conciliação de folhas de pagamento, passando por auditoria de taxas, conciliação bancária, além de possuir plug-ins com os principais sistemas de ERP do mercado. A empresa também possui mais de 35 integrações com empresas de adquirência, vouchers e bandeiras regionais. Além disso, através do produto Concil Recon, o PagBank PagSeguro ampliará sua exposição aos serviços de pré-pagamento de maneira cada vez mais eficiente e estruturada.

Fundada em 1993, a Concil possui mais de 6.000 clientes, processa mais de 50 milhões de transações que somam mais de 3 bilhões de reais por mês. Em março de 2021, a Concil foi considerada uma das 100 fintechs mais inovadoras do Brasil, de acordo com a revista britânica Daily Finance.

O PagBank PagSeguro planeja utilizar sua capacidade de distribuição única para oferecer de maneira gratuita o aplicativo completo da melhor plataforma de conciliação, antes disponível apenas para clientes maiores, aos seus mais de 7,5 milhões de clientes, já a partir de 01 setembro de 2021. Os clientes do PagBank PagSeguro que já contam com a solução de conciliação da Auditek terão acesso à nova plataforma da Concil com as mesmas condições já contratadas e os clientes da Concil terão os seus contratos com outros adquirentes respeitados.

Empresa mineira de telecomunicações é selecionada para programada de aceleração da Enddeavor

A Nvoip, startup de telecomunicação que possui a maior cobertura de telefonia em nuvem do Brasil, foi uma das empresas selecionadas para fazer parte do programa Scale-Up, programa de aceleração da Endeavor, destinado às empresas que mais crescem no Brasil. A empresa participará do ciclo do segundo semestre de 2021.

Desenvolvido pela Endeavor, o programa selecionou 74 empresas de 15 estados e o Distrito Federal, e a Nvoip está entre as 10 mineiras escolhidas. Todas as escolhidas, faturaram, juntas, em 2020, 550 milhões de reais e cresceram cerca de 130%.

Durante a jornada, as empresas selecionadas identificarão seus maiores desafios de crescimento por meio de mentorias com especialistas em estratégia de crescimento, acesso a capital e liderança de talentos. Além de potencializar a capacidade de inovação das empresas selecionadas, o programa proporciona uma oportunidade de se conectar com grandes líderes do mercado.

“A participação da Nvoip no programa será crucial para continuarmos em ritmo de crescimento acelerado depois dos excelentes resultados que tivemos em 2020. Como nosso foco agora é alcançar patamares ainda maiores, estar em um programa da Endeavor, organização respeitadíssima no mercado e com um poder de transformação indiscutível, é sinal de que estamos no caminho certo”, afirma Leandro Campos, CEO da Nvoip.

O crescimento acelerado da Nvoip, mesmo em um momento de crise que afetou o mundo inteiro, é um resultado da necessidade de adequação das empresas ao trabalho remoto, juntamente com a inovação da telefonia em nuvem de qualidade. “A tecnologia VoIP possibilita mais versatilidade de comunicação nos negócios, mesmo em períodos de lockdown. Agora, com apoio do programa, a ideia é que possamos expandir ainda mais nossos serviços e garantir que este crescimento seja perene, seguro e sustentável”, conclui Leandro.

Icatu abre aproximadamente 80 vagas de emprego para profissionais de TI

Candidatos de qualquer estado do Brasil podem concorrer às vagas oferecidas pela companhia

A Icatu busca profissionais no mercado para atuar na área de Tecnologia da Informação (TI) da companhia. São cerca de 80 vagas disponíveis para contratação imediata, em cargos como Desenvolvedor; Analista de Sistemas; Analista de Segurança da Informação; Arquiteto de Software, entre outras funções em diversos níveis de experiência para atuação em todo o Brasil – inclusive com vagas em home office. As inscrições já estão abertas.

As novas contratações dão suporte ao processo de transformação digital que vem sendo estruturado na companhia, que conta hoje com 1,9 mil profissionais. Nos últimos cinco anos, a Icatu fez investimentos de aproximadamente R﹩ 400 milhões nesta pasta. E, para 2021, além das novas vagas, a previsão de investimento gira em torno de R﹩190 milhões, contemplando 16 novos projetos. “A Icatu está ainda mais focada em desenvolver soluções mais simples e intuitivas – a partir da inovação e da tecnologia. Para isso, além das competências técnicas, buscamos profissionais versáteis, com atitude proativa e colaborativa, com paixão por inovação”, afirma a executiva.

Em ritmo acelerado de contratação, a empresa digitalizou as etapas da admissão: os novos funcionários só precisam estar presentes fisicamente no exame médico, última etapa do processo seletivo. “Percebemos que este novo modelo é bastante positivo para a experiência do candidato e agiliza o processo de seleção e contratação sem deixar de lado a confiabilidade”, destaca Camila Asenjo, diretora de Pessoas da Icatu.

A Icatu foi eleita por seis vezes consecutivas pela consultoria GPTW como uma das melhores empresas para se trabalhar no Brasil. Entre os benefícios, a companhia oferece assistência médica e odontológica; vale alimentação, refeição e transporte; previdência complementar; seguro de vida e de acidentes pessoais; auxílio creche ou babá; bônus de curto prazo (PLRL) e programas de treinamento.

As vagas e perfis, assim como a lista completa dos benefícios, estão disponíveis no site https://site.vagas.com.br/icatuseguros .

AliExpress abre as portas para vendedores brasileiros

Lojistas brasileiros já podem aproveitar o tráfego e o público do maior marketplace do mundo para vender seus produtos; frete grátis para todo o Brasil, menores comissões e repasse diário de pagamentos são vantagens para os lojistas

O AliExpress – serviço de vendas internacionais do grupo Alibaba – anuncia a abertura de seu marketplace para todos os vendedores brasileiros. Agora, lojistas nacionais poderão se beneficiar, sem nenhum custo mensal, do tráfego e dos milhões de usuários que o AliExpress acumula no Brasil há 11 anos, quando estreou no país.

Ao abrir sua plataforma para os lojistas brasileiros, o AliExpress decidiu oferecer, no Brasil, comissões mais baixas e mais competitivas que a média do mercado nacional. Lojistas pagarão valores entre 5% e 8% (os percentuais variam conforme a categoria dos produtos vendidos) de seu faturamento à plataforma, que irá assegurar, além de sua tecnologia e base de usuários, um serviço integrado de logística. O serviço de entregas do AliExpress permitirá frete gratuito para todo o território nacional nas vendas de lojistas brasileiros para consumidores localizados no Brasil. O frete não terá custo sempre que o valor da compra for de pelo menos R﹩ 50 e caso o produto enviado não tenha peso excessivo.

O envio de produtos dentro do território nacional será coordenado pela Cainiao, empresa de logística do grupo Alibaba, que já possui operação no Brasil. Os técnicos da Cainiao serão responsáveis por adicionar tecnologias avançadas do grupo Alibaba no Brasil e coordenar os serviços prestados por diversos parceiros locais.

Além da excelência logística, frete grátis e menores comissões, o serviço de vendas locais do AliExpress assegurará aos lojistas brasileiros em sua plataforma um fluxo de repasses financeiros mais rápido que a média do mercado e a possibilidade de realizarem saques, sem custos, diariamente.

Vendedores que abrirem sua loja no AliExpress poderão se beneficiar, ainda, de ferramentas de marketing inovadoras criadas pelo grupo Alibaba para melhorar a conversão e performance de suas vendas. Canais como a Universidade AliExpress, por exemplo, já oferecem, em português, cursos técnicos de marketing digital e um serviço de suporte via call center disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana, para tirar dúvidas dos novos vendedores que ingressam na plataforma.


Conferência dia 1º de setembro

Um evento online, totalmente em português, ocorrerá no dia 1º de setembro, a partir das 9 horas da manhã e permitirá que vendedores brasileiros conversem diretamente com executivos e técnicos do AliExpress no Brasil e no exterior. Chamada de “Sellers Conference”, o evento é aberto a qualquer pessoa que considere explorar mais este canal de venda para seus produtos e serviços. As inscrições para a “Sellers Conference” devem ser feitas no endereço sell.AliExpress.com.

“A missão do Alibaba é tornar mais simples e fácil o jeito de fazer negócios em qualquer parte do mundo. Agora, poderemos não apenas atender os consumidores brasileiros, mas também colaborar com nossa tecnologia para o crescimento de pequenos e médios negócios no Brasil, contribuindo para o desenvolvimento e a digitalização da economia brasileira”, afirma Yaman , porta-voz do AliExpress.

Para melhor controlar a qualidade dos serviços oferecidos na plataforma AliExpress, inicialmente, só serão autorizadas as entradas de vendedores que possuam um cadastro CNPJ. O ingresso de lojistas na plataforma é sujeito à aprovação do AliExpress e tão logo seu cadastro seja liberado, o vendedor pode registrar produtos em sua loja e iniciar as vendas online imediatamente.

Sellers Conference AliExpress

Data: 01/09 – Horário: da 9h30 às10h30

Inscrições: AliExpress Seller Day Registro (onlinexperiences.com)

Programação:

9:00 – 9:10
Yaman – Head Sellers Locais – AliExpress Brasil – Abertura
9:10 – 9:30
Viviane Gomes Almeida – Gestão de Sellers – AliExpress Brasil – Estratégia AliExpress Brasil
9:30 – 9:50
Painel de Negócios com Parceiros AliExpress – Desafios da Logística no Brasil
9:50 – 10:10
Mesa Redonda com Parceiros AliExpress – Gestão de Marketplace
10:10 – 10:30
Painel de Sellers AliExpress – Boas práticas

Reskilling e Upskilling: conheça as competências e habilidades para o futuro do trabalho

A transformação digital e tecnológica das empresas tem demandado novas habilidades dos colaboradores como também repaginar sua carreira e contribuir com diferentes perspectivas em outras áreas ou em novas funções. Essas mudanças no desenvolvimento dos profissionais, conhecidas como Reskilling Upskilling, podem contribuir para o avanço na carreira ao longo dos anos.

“Ambos os conceitos ajudam no desenvolvimento profissional, seja para crescer em sua área de atuação ou até mesmo buscar uma nova carreira. Também são estratégias para líderes ajudarem suas equipes a crescer e para RHs, que querem contratar melhor e reter seus talentos”, afirma Lucas Toledo, diretor executivo do PageGroup.

Mas você sabe o que estas expressões querem dizer? Confira abaixo a aplicação de cada uma delas:

Reskilling: em um mundo em constante mudança, onde novas ferramentas, tecnologias, conceitos e até mesmo profissões surgem frequentemente para acompanhar as necessidades do mercado, é necessário que os profissionais busquem aprender novas habilidades para se requalificar no mercado de trabalho e se adaptar ao contexto atual. Isso é chamado de Reskilling.

Upskilling: ao longo da carreira é preciso dar continuidade aos estudos para alcançar um novo patamar, seja para evolução de nível de cargo (pleno, sênior, especialista) ou assumir uma função de liderança na organização. A aquisição de novas habilidades que ajudam os funcionários a melhorar seu desempenho em seu papel atual é chamada de Upskilling.

“Nunca foi tão importante entender todos os diferentes aspectos que compõem o conceito de habilidades pois, nos próximos anos, a corrida para recrutar, atrair e desenvolver profissionais híbridos (com fortes habilidades técnicas e comportamentais) será exclusiva para aqueles que entendem a importância deste tipo de colaborador para consolidar equipes de trabalho altamente eficientes e preparadas para superar a volatilidade do mundo do trabalho”, analisa Ricardo Basaglia, diretor geral da Michael Page.

VCOM Tecnologia anuncia seu novo Diretor Comercial e de Marketing

A VCOM Tecnologia, empresa referência no segmento de sistemas para cobrança, recuperação de crédito e gestão de recebíveis, anuncia a contratação de Fábio Salgado para o cargo de Diretor Comercial e de Marketing. O profissional chega para fortalecer as estratégias de vendas, de gestão da marca e de produtos da empresa no país e os planos de expansão internacional. Fábio tem mais de 20 anos de experiência em grandes empresas de BPO e IT, como Tivit, Stefanini, Konecta e Neobpo, nas quais ocupou cargos estratégicos e de liderança.

O executivo destaca que a VCOM, ao longo da trajetória de 20 anos, construiu o seu reconhecimento por meio de sua expertise e confiabilidade no desenvolvimento de plataformas tecnológicas aderentes às necessidades de diferentes perfis de clientes, como bancos de montadoras, fintechs e assessorias de cobrança. “Chego em um momento de forte expansão da empresa, com o lançamento do UpTurn, a primeira solução do mercado brasileiro que automatiza o processo de pré-jurídico para o segmento de recuperação de veículos inadimplentes”, destaca Fábio.

“Vivemos uma fase de renovação na gestão de produtos e com importantes projetos de inovação. Fábio traz seu profundo conhecimento estratégico, experiência comercial e competências na área de relacionamento com os clientes, agregando seu talento à nossa equipe”, ressalta Almir Lima, sócio e Diretor de Operações da VCOM.

Lançamento de solução de cobrança para PMEs

A VCOM informa que, no 2º semestre de 2021, promoverá o lançamento de uma solução totalmente digital, exclusiva para o processo de recuperação de crédito para Pequenas e Médias Empresas (PMEs). “Uma das grandes vantagens desta solução é a sua facilidade de contratação e utilização, pois foi idealizada para que um usuário leigo em cobrança possa gerenciar a relação de clientes inadimplentes na plataforma. De uma forma simples e intuitiva, um credor poderá construir estratégias e condições totalmente automatizadas e direcionadas, contando com diferentes meios de pagamento, relatórios e indicadores, além de diversos serviços de acionamento, tais como SMS, e-mail, chatbot, entre outros canais, para dinamizar o processo de recuperação de crédito, é realmente algo diferenciado no mercado”, explica Fábio.

Com matriz em Presidente Prudente (SP) e escritório na capital paulista, a VCOM comemora 20 anos de existência em 2021, uma data que é um marco relevante em um mercado cada vez mais competitivo.  O portfólio de soluções da empresa é formado, atualmente, pelo VCOM Cob Gestor, sistema para gestão dos recebíveis para credores, que permite a distribuição e a gestão da régua de cobrança; Zaap, plataforma que otimiza o trabalho nos contact centers das assessorias de cobranças, proporcionando alta performance em atendimento e negociação; a NoAzul, o primeiro portal de autonegociação do mercado brasileiro, preparado para as principais carteiras do mercado; e o UpTurn, plataforma que automatiza e gerencia os processos pré-jurídicos  envolvidos na recuperação judicial de veículos inadimplentes.

Matera promove o primeiro Bootcamp exclusivo para mulheres

Com a aceleração da transformação digital no Brasil, a área de Tecnologia da Informação (TI) cresce cada vez mais. Em 2019, a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brasscom), apontou um déficit potencial, anual, de 24 mil profissionais em TI. Segundo o estudo, o número de formados chegava a 46 mil alunos por ano, enquanto a demanda estimada, entre 2019 e 2024, alcançaria aproximadamente 70 mil.

Como forma de contribuir para a mudança dessa realidade, a Matera, empresa de tecnologia voltada ao mercado financeiro, fintechs e gestão de riscos, realiza o II Bootcamp Matera, evolução do Curso de Férias, que aconteceu por 5 anos consecutivos. Na última edição do curso, realizada em janeiro deste ano, foram mais de 330 inscritos.

Desta vez, a empresa inovou e realizará o primeiro Bootcamp For Girls, cursos intensivos, gratuitos e 100% online, para capacitar mulheres universitárias ou que já estão no mercado de trabalho e que se interessam sobre os assuntos de Customer Care, Arquitetura de Software e Desenvolvimento Java.

“Nosso legado é transformar a vida das pessoas através da educação. Sabemos o quanto a representatividade feminina é importante em todos os setores da sociedade, inclusive no mercado de tecnologia. Pensando nisso, criamos este projeto, que além de abrir portas para muitas mulheres, também transformará toda uma cadeia de profissionais de TI”, afirma Denise Castilho, Gerente de Sustentabilidade Corporativa na Matera.

As inscrições iniciam no dia 11/08 e serão destinadas 30 vagas para cada curso. Podem se inscrever mulheres que estão na faculdade, ensino técnico e/ou já atuam ou tenham interesse em aprofundar conhecimento nas áreas em questão.

Para mais informações e detalhes sobre o Bootcamp e próximas edições, acompanhe a Matera nas redes sociais ou acesse o link: https://conteudo.matera.com/bootcamp-for-girls-matera