Page

Author admin

A transformação digital está disponível para todas as empresas

Por Luciano Fernandes

O que tem em comum uma usina sucroalcooleira no Nordeste, um estaleiro do Rio de Janeiro e uma indústria siderúrgica? A moldagem de chapas e bobinas de aço, a relação climática envolvida em cada etapa do plantio e da colheita da cana de açúcar, a montagem de megablocos que compõem as estruturas onde serão incorporadas as tubulações, acessórios e equipamentos de grandes embarcações marítimas. Com processos produtivos de natureza totalmente diversa, cada um desses ramos de negócios, à sua maneira, maneja as peculiaridades e complexidades envolvidas em aspectos referentes à produção e aos seus mercados. Enfim, essas organizações, por maiores que sejam as diferenças de suas atividades, todas, sem exceção precisam superar os seus desafios mais específicos, incorporar inovações em seus processos e produtos para aumentar a produtividade e a competitividade. O que existe em comum a todos os players dos mercados e o que será determinante para o sucesso pode ser resumido a uma única palavra: gestão.

E gestão hoje requer tecnologia. Não há como aumentar a eficiência e a competividade neste mercado global sem incorporar ferramentas empresariais, algo que hoje já está além do conceito de ERP, como é conhecido o software de gestão. Os recursos de tecnologia hoje estão aptos a conectarem as organizações a um mundo avançado e são capazes de trazer ao ambiente das organizações o poder de tecnologias como Big data, analytics, IoT, machine learnig, a inteligência artificial e a mobilidade com sua profusão de aplicativos. Para ter acesso a este universo de tecnologias que pode proporcionar o grande salto no patamar de gestão e eficiência, as empresas precisam contar com parceiros que além de entender as suas singularidades de negócios, façam a ponte com as tecnologias mais avançadas do mercado mundial.

Existem muitas consultorias no mercado dispostas a fazer este trabalho de transformação digital, mas é preciso mais do que nunca saber escolher aquela que de fato poderá trazer resultados efetivos para os negócios. Há quem se impressione com as marcas famosas e queira escolher grandes companhias internacionais, mas este caminho pode determinar o insucesso de um projeto que requeira, por exemplo, maior personalização, flexibilidade, rapidez e viabilidade orçamentária. Se o projeto for internacional, as consultorias globais podem fazer a diferença, mas nos locais, as brasileiras conhecem com maior profundidade as questões e regulamentações do nosso país.

É fundamental que seja considerado na escolha do parceiro, empresas que tenham conhecimento técnico reconhecido pelos fornecedores de tecnologia. Existem consultorias brasileiras com certificações elevadas, garantia de domínio tecnológico e competência para levar a diante projetos bem complexos. No ecossistema de atuação das plataformas tecnológicas líderes mundiais, figuram algumas empresas brasileiras, instaladas até mesmo fora dos grandes centros, com expertise muito elevada. Consultorias nacionais com acesso aos conteúdos técnicos mais atualizados e às recentes evoluções tecnológicas. Estas empresas contam até mesmo com seus próprios laboratórios de testes que aplicam e testam as ferramentas internacionais de TI ao ambiente de negócios brasileiro. Tudo isso pode representar hoje um atalho muito seguro para que os clientes atinjam a almejada inovação.

Portanto, a TI está muito mais acessível a todo tipo de organização que deseje ser moderna e competitiva. Não tem porque não lançar mão da transformação digital que está afetando drasticamente e impactando a gestão de todos os setores empresariais. São estas tecnologias inovadoras que estão moldando e aparelhando as empresas para vencerem a competição acirrada dos mercados no novo modelo econômico.

Luciano Fernandes é Diretor de Negócios da AdopTI, consultoria com portfolio exclusivo e especializado na plataforma de gestão empresarial SAP.

Tags, , , , ,

Você sabe a diferença entre Machine Learning e Deep Learning?

Considerada uma das grandes revoluções do mundo moderno, a Inteligência Artificial tem provocado verdadeiras transformações nos negócios e possibilitado aos empresários vantagens competitivas nunca antes vistas. Porém, ainda que essa seja uma tecnologia que não soe estranha aos ouvidos, você realmente sabe o que ela significa?

Inteligência Artificial é tudo o que permite à máquina apresentar características semelhantes ao que identificamos como inteligência no ser humano. Nos seus primórdios, a Inteligência Artificial operava – e, em muitos casos, ainda opera – com sistemas especialistas, formados por imensos conjuntos de regras. Essas regras, elaboradas por seres humanos, buscam descrever situações em que, se houver um padrão de atendimento a elas, um problema pode ser resolvido.

Por exemplo: se eu estiver programando um sistema especialista de detecção de fraude em uma determinada transação comercial, posso determinar que se a pessoa fizer uma ligação de madrugada ou de um local distante da sua residência, dentre outras condições, aumentam as chances dessa transação ser fraudulenta.

De acordo com Roberto Lotufo, que é professor titular aposentado da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e fundador da NeuralMind, startup especializada nessa área, o grande problema é que esses sistemas de Inteligência Artificial vão se tornando extremamente complexos, chegando até as dezenas de milhares de regras, com novas regras interferindo nas anteriores. “O trabalho de manutenção dessas regras se torna hercúleo”, avalia o docente.

Como toda inovação, essas aplicações iniciais geraram entusiasmo com a tecnologia. E a necessidade de aperfeiçoamentos culminou no avanço para uma nova técnica: o Machine Learning.

O Machine Learning, por sua vez, não é baseado em regras. E sim, no que os especialistas chamam de “características do objeto”. Voltando ao exemplo anterior, na programação do sistema de detecção de fraudes, os dados a serem inseridos no sistema poderiam ser a hora em que o pedido é feito, a localização do solicitante, sua idade, o valor do pedido, dentre outros que possam ter relação com a fraude. Esses dados são inseridos em um classificador estatístico. O problema, muitas vezes, é escolher as características a serem selecionadas.

“Na maioria das técnicas de Machine Learning existe a fase chamada de ‘feature engineering’, que é a escolha das características que irão melhor discriminar os objetos a serem classificados. Novamente, temos um esforço humano nesta escolha. Além disso, é uma tecnologia apropriada para o tratamento de dados estruturados, ou seja, aqueles que você consegue colocar em um banco de dados. Mas não para outros tipos de dados. Exemplos disso são as imagens ou sons”, explica Lotufo.

É nesse ponto que surge uma terceira técnica, ainda pertencente ao Machine Learning: o Deep Learning. Essa nova tecnologia dispensa a etapa de “feature engineering”, com a possibilidade de entrada no sistema dos dados originais, brutos. Além disso, explica o fundador da NeuralMind, o Deep Learning mostra resultados promissores justamente com os dados em relação aos quais outras técnicas de Machine Learning têm limitações: os dados não estruturados.

“Trabalhamos com o conceito de vizinhança. Em uma imagem, por exemplo, você sempre tem um pixel ao lado, acima ou abaixo de outro pixel; em um texto, as palavras se sucedem e, na fala, sempre temos um sinal que é antecedido e sucedido por outros”, explica Lotufo. “Em todas essas aplicações, o Deep Learning vem se mostrando extremamente bem-sucedido. Antes, para fazer um sistema de reconhecimento de fala, por exemplo, você tinha de especificar as características dessa fala. Cada língua tem fonemas diferentes, e era preciso, antes de mais nada, inventariar esses fonemas. No Deep Learning, o dado que entra é o sinal de voz, diretamente, a pessoa falando e a saída é o texto que ela falou. É com isso que você treina o sistema”, exemplifica.

Assim, considerando essas diferenças e o potencial do Deep Learning, a principal dica do pesquisador aos empresários brasileiros é que busquem conhecimento sobre a nova tecnologia. “É fundamental compreender a diferença e, com isso, a relevância do Deep Learning. Há muitas empresas vendendo soluções que usam outras técnicas de Machine Learning no mercado. São soluções úteis, sem dúvida, mas não foram elas que causaram a revolução que temos observado nos últimos seis anos. Por isso, minha dica é que busquem saber responder qual é a diferença entre Machine Learning e Deep Learning, pois é isto que permitirá o passo necessário ao desenvolvimento desses empreendimentos”, conclui.

A NeuralMind é uma startup sediada em Campinas, que busca transformar negócios com o uso de Inteligência Artificial. Entre as soluções oferecidas pela startup estão: sistemas de recomendação, detecção de anomalias, análise automática de imagens, reconhecimento inteligente de documentos e segurança cibernética. A empresa também oferece treinamento na área, com cursos in company e online. Para mais informações, acesse: http://neuralmind.ai/

Tags, , , , ,

Fintech brasileira de câmbio entra no mercado de criptomoedas com comparativo de preços

Um marketplace multimoedas, que permite comparar preços e comprar de dólares a coroas dinamarquesas e até bitcoins. Essa é a nova plataforma da Câmbio Store, fintech de câmbio on-line criada em 2015, que também tornou possível fazer troca direta entre moedas estrangeiras. As novidades têm por objetivo facilitar a experiência dos usuários e devem resultar em uma movimentação de R$ 1,2 bilhão em 2018.

Para implementar as mudanças, a Câmbio Store desenvolveu uma nova tecnologia de integração com as corretoras parceiras de câmbio e criptomoedas. Essa teia permite fazer qualquer comparação de moedas físicas ou virtuais. No caso de movimentações que não envolvem o real, o cliente tem a opção de levar o valor até um parceiro da fintech.

O plano é tornar factível a troca de criptomoeda por moeda em espécie e vice-versa. Caso deseje adquirir bitcoins com euros, por exemplo, a Câmbio Store se encarregará da tarefa. Quando registrar o depósito, a empresa repassará, por meio de outra corretora, o valor equivalente para a carteira virtual dele. “Assim, nos tornarmos a primeira plataforma de câmbio on-line a oferecer tanto moedas físicas quanto virtuais com o mínimo de fricção possível para nossos clientes e com uma usabilidade mais acessível”, explica José Marques da Costa, COO da Câmbio Store.

Além disso, a partir de agora as corretoras responsáveis por cada transação de câmbio serão identificadas para o cliente final, que poderá avaliá-las. “Dessa forma, além do preço em si da moeda, fazemos com que as corretoras também comecem a investir em atendimento, de maneira a se destacar”, afirma José Marques. Não que a comparação entre preços tenha saído de foco: no caso do bitcoin, por exemplo, a fintech estima que seja possível encontrar variações de até 10% no valor de compra.

Por enquanto, a Câmbio Store suporta apenas o bitcoin, além de 22 moedas utilizadas ao redor do mundo. Aos poucos, a plataforma deve integrar Ethereum, Litecoin e outras criptomoedas. Com isso, a expectativa da empresa é atingir 500 mil clientes até meados de 2018 e chagar a um faturamento de R$ 15 milhões no próximo ano.

Tags, , , , , , , ,

Emissão de Certificado Digital cresce 11,52% em 2017

O volume de emissão de certificados digitais no ano passado apresentou recuperação em relação a períodos anteriores. De acordo com o Instituto Nacional de Tecnologia (ITI), o ano de 2017 foi de crescimento para a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil. Foram emitidos 3,598 milhões contra 3,226 milhões do ano anterior. Esse número representa aumento de 11,52%. Para o diretor executivo da Associação Nacional de Certificação Digital (ANCD), Antonio Sérgio Cangiano, o dado representa o sólido crescimento da adoção do certificado digital pelo governo e pela economia no Brasil, o que reflete a tomada do conhecimento dos benefícios e da segurança jurídica do uso do certificado digital padrão ICP Brasil.

Segundo ele, o surgimento de novas aplicações para o certificado digital, como a carteira nacional de habilitação, a e-CNH, entre muitos novos benefícios, vai alavancar ainda mais a evolução desses dados e crescimento acelerado do setor. “Também colabora nesse sentido a divulgação constante e didática sobre as vantagens que o certificado digital padrão ICP-Brasil proporciona para empresas e pessoas físicas e as facilidades de acesso que as certificadoras têm proporcionado”, comentou.

Em 2017 também caiu de forma significativa o número de fraudes com certificados digitais. O ITI registrou queda comparativa a 2016 de 29,60%. Foram 138 no total, o que representa somente 0,0038% em relação ao total de certificados emitidos.

Tags, , , , , , , , ,

E-commerce B2B: oito motivos para investir

O foco no consumidor final foi a essência do e-commerce por anos, mas a Infracommerce, empresa líder em full service para e-commerce na América Latina, inovou o setor criando o primeiro e-commerce B2B brasileiro para a Unilever. Atendendo majoritariamente a indústria, a solução é uma grande aposta do setor, pois permite que o fornecedor tenha uma nova forma de fazer negócios, complementar à sua força de vendas e com total eficiência e potencial de crescimento.

Para esclarecer os benefícios que um e-commerce B2B pode trazer para as empresas, Luiz Pavão, diretor geral da Infracommerce, levantou os principais motivos para investir na plataforma.

1) Relacionamento mais próximo com os lojistas

Com um e-commerce focado para lojistas é possível criar um novo canal de comunicação, fornecendo mais informações para os clientes e possibilitando a aproximação.

2) Aumento na oferta de produtos

Um catálogo online não tem limites: em um e-commerce é possível disponibilizar toda a cartela de produtos e especificações a um clique. Com mais produtos e acesso rápido a lançamentos, é possível vender mais e melhor.

3) Ser opção ao Cash Carrier e Atacado

Existem clientes que não têm acesso a outras maneiras de atendimento. Como o e-commerce não tem barreira física, é possível chegar até aqueles que não conseguem ser atendidos pelos distribuidores.

4) Aumentar a base de clientes no long tail

Além de atender melhor os atuais clientes, um e-commerce focado possibilita a criação de base de clientes que ainda não têm interação com a marca.

5) Diversificação dos meios de pagamento

As vendas online e a diversificação das ferramentas financeiras possibilitam oferecer mais opções de pagamento para os varejistas, facilitando a negociação.

6) Acompanhamento da performance do cliente

A ferramenta de e-commerce permite a análise de dados e comportamento da performance de cada cliente, o que pode ajudar a atuar proativamente no cliente e criar condições comerciais apropriadas.

7) Mais controle sobre o nível de serviço do distribuidor

Para um cliente ficar satisfeito, é necessário oferecer não só facilidade na compra e boa cartela de produtos. Também é importante analisar os serviços prestados pelos distribuidores e checar se estão de acordo com a exigência de qualidade da empresa.

8) Criar conhecimento para o lojista incrementar suas vendas

Uma plataforma de e-commerce pode ir muito além das vendas: é possível oferecer conteúdo exclusivo para os lojistas através de um portal. Com informações em mãos, lojistas conseguem se planejar e vender melhor.

Tags, , , , , , , ,

Serviço de robô advisor é aposta de corretora de valores mais antiga do mercado

Fundada em São Paulo (SP), em 1927, a Magliano desafia os estereótipos de uma corretora independente com 90 anos de história e aposta nos serviços de robô advisor para ganhar eficiência.

Para trazer a novidade, a corretora fechou uma parceria com a Allgoo, fintech especializada em inteligência artificial para o setor financeiro. A startup foi responsável por desenvolver o novo site e a plataforma de investimentos digital, na qual o cliente poderá ter acesso a diversos produtos, como estrutura de fundos e simulador de carteiras.

“Utilizando uma definição rápida, os robôs advisors são sistemas capazes de fazer planejamento financeiro de uma maneira automatizada. Isso tudo sem intervenção humana e baseado em algoritmos”, conta Luiz Claudio Macedo, CEO da Allgoo.

A partir de um questionário, os robôs automatizados traçam o perfil, os objetivos de curto, médio e longo prazo e a disposição ao risco dos investidores. Além disso, os sistemas são atualizados periodicamente para se adequar aos cenários econômicos, considerando diferentes riscos e prazos de acordo com o objetivo do usuário.

“Utilizando inputs do usuário, esses robôs se tornam capazes de gerar recomendações, balanceamento de portfólio de investimentos e até um planejamento financeiro completo, onde é possível incluir despesas, crédito, poupança, entre outros”, explica.

Tecnologia promissora

Segundo o CEO da Allgoo, os investimentos em tecnologia por parte das corretoras têm sido realmente consideráveis. “As facilidades implementadas pela Magliano Invest são uma forte evidência do quão importante é o uso de canais eficientes de monitoramento de dados, atendimento mais intuitivo, rápido e personalizado, que ofereça mais segurança e confiabilidade para os clientes em um mundo cada vez mais globalizado”.

A partir de 2006 e, desde então, os robôs de investimento vêm ganhando cada vez mais relevância, por ser tratar de um serviço independente. Raymundo Magliano Neto, presidente da Magliano Invest, afirma que a adoção da tecnologia propiciou um grande diferencial para corretora.

“Nosso principal objetivo é transformar a complexa linguagem do mercado financeiro em algo simples, que qualquer potencial investidor que acesse o site consiga entender”. Tendo em vista esse movimento, outro importante passo dado pela corretora foi o novo posicionamento de marca, que passou a receber o nome de Magliano Invest.

O valor inicial de aplicação é de 15 mil reais. Além disso, os investidores da corretora já podem acessar as áreas de cadastro, sugestões de fundos, análises, entre outros.

Se você ficou interessado em conhecer a nova plataforma digital da Magliano Invest, clique aqui.

Tags, , , , , , , , , , , ,

Capgemini é reconhecida como líder em CRM e Customer Experience pelo Gartner

A Capgemini está posicionada como líder do Quadrante Mágico do Gartner para Customer Experience (CX) e Customer Relationship Management (CRM), em ambos devido ao seu crescimento acima da média do mercado e ao foco em soluções para projetos complexos ou de grande porte.

O Quadrante Mágico do Gartner avaliou 21 prestadores full-service com oferta de uma ampla gama de serviços, capazes de cobrir diferentes alcances de projetos em CRM e CX. Entre os seus pontos fortes, a Capgemini traz uma grande amplitude de competências integradas: desde o expertise na indústria até a oferta de consultoria em CX e a capacidade de análise na tecnologia de CRM, além da proximidade e parceria com os principais provedores de soluções de CRM. O relatório também destacou que “a Capgemini é a melhor em situações que requerem adaptação específica ao cliente, com soluções que necessitam de uma combinação de competências comerciais e tecnológicas”.

Pierre-Yves Glever, Líder Global em Digital Customer Experience da Capgemini, comemorou: “Estamos orgulhosos por termos sido reconhecidos como líderes em Customer Experience e em CRM pelo Gartner. Acreditamos que é um reconhecimento de nossos esforços contínuos para atender, cada vez melhor, os nossos clientes, ajudando-os a entregar valor e velocidade, tanto para os seus consumidores finais quanto para os negócios. Nesta missão, desenvolvemos globalmente nossas capacidades e aceleradores.

Estamos encantados, novamente, com esse reconhecimento do Gartner”.

Clique aqui para acessar o relatório completo: https://www.capgemini.com/resources/capgemini-named-a-leader-inmagic-quadrant-for-customer-experience-crm-implementation-services/

Tags, , , ,

Fintech leva modelo eletrônico de gerenciamento do consignado brasileiro para Índia

Liderada por um brasileiro e há dois anos no mercado indiano, a SalaryFits, fintech focada em saúde financeira e sustentabilidade, é uma das empresas convidadas para apresentar ao mercado internacional sua plataforma, durante a MISSÃO StartSe na Índia, que acontece em Nova Déli.

Com um cenário econômico de intensa desigualdade social, elevado índice de “desbancarização”, isto é: um ambiente em que as pessoas não mantêm relações ou mesmo não possuem um histórico de crédito com instituições financeiras, alinhado a um ambiente favorável à inovação e empreendedorismo e avançado crescimento econômico, o país que é o terceiro maior mercado de startups do mundo, atrás apenas do Reino Unido e Estados Unidos, demonstra ser o ambiente ideal para uso e aplicação dos conceitos trazidos pela plataforma SalaryFits.

A SalaryFits é uma spin off que leva o conceito da plataforma eConsig ao mercado internacional. “Iniciamos um estudo avançado do mercado em 2015 e dedicamos esforços para fechar parcerias e executar o nosso projeto durante o biênio 2016 e 2017 e iniciaremos em breve pilotos que já estão em status avançados para execução. Esses dois anos de imersão foram primordiais para conhecermos os pontos não apenas financeiros, mas todo o mindset estrutural do mercado. A oferta de benefícios em prol da saúde financeira do indivíduo por meio de dedução salarial não é um formato comum no país, e é essa a novidade desenhada em uma plataforma digital que estamos levando de forma inédita aos indianos”, comenta Renato Araujo ,fundador da Zetra e chairman da SalaryFits.

A proposta da SalaryFits é ampla, providenciando uma gama de benefícios através de empresas privadas e públicas aos seus colaboradores. Produtos ou serviços oferecidos por provedores, tais como bancos, empresas de seguros, planos de saúde, entre outras mais, desde que estejam vinculados ao desconto no salário do empregado, podem ser contemplados pela plataforma. O produto tem sido bem aceito pelo mercado financeiro indiano, que o enxerga também como um indicador de acompanhamento do aquecimento econômico do país. Uma vez que poderá ser um injetor de crédito ao consumo de forma consciente e sustentável no mercado.

A condição desempenhada pelos canais da plataforma ao indivíduo, que tenha ou não lastro financeiro, para providenciar uma contratação de empréstimos ou qualquer outro produto financeiro são únicas naquele mercado. O empregado de determinada empresa parceira da SalaryFits pode, de forma não burocrática e transparente, ter acesso às melhores e mais justas ofertas de juros e valores, dando como garantia de pagamento uma determinada porcentagem de seu salário mensal. Todo o processo arquitetado pela SalaryFits ocorre de forma fácil e rápida e digital.

“Atualmente, uma oferta de crédito na Índia varia entre 15% a 18% de juros, já com todas as taxas inclusas. Por toda eficiência e segurança já comprovada da plataforma da empresa, a SalaryFits acredita que estes números poderão reduzir consideravelmente”, garante o executivo.

Tags, , , , , , , , ,

A Inteligência Artificial é crucial para a transformação da força de trabalho

Por Raj Mukherjee, Vice-Presidente de Produto no Indeed

A força de trabalho atual está passando por um período de mudanças que traz ambientes mais produtivos e eficientes. Mas também está fazendo com que modelos de profissões e carreiras se transformem e as lacunas de talento se ampliem se tornando mais desafiador encontrar e reter os funcionários certos. Assim como os avanços em inteligência artificial (AI), automação e a mobilidade evoluem o local de trabalho, a aquisição e a retenção de talentos – que já representam um dos maiores desafios enfrentados pelas empresas – se tornarão mais importante do que nunca.

A boa notícia é que muitas dessas tecnologias, especialmente a AI, também estão transformando a maneira com a qual identificamos e contratamos talentos, tornando o processo mais produtivo, eficiente e diverso. Ainda que esteja em um de seus estados iniciais, a AI já é capaz de conectar os candidatos aos empregos e, em um futuro próximo, ela será fundamental para ajudar as empresas a reterem funcionários e ajudarem os indivíduos a crescerem e alcançarem suas aspirações de carreira.

O Impacto da AI no processo de contratação

Descrições de emprego

As futuras descrições de emprego serão diferentes. O Processamento de Linguagem Natural (NLP, na sigla e inglês) já está melhorando a categorização da descrição de emprego ao encontrar e extrair critérios cruciais nas postagens e incluí-los nos algoritmos de AI a fim de identificar os empregos mais relevantes para os candidatos. Quando a pontuação do algoritmo demonstra que as qualificações do candidato se enquadram em uma descrição de emprego, ele é encorajado a se candidatar para o cargo.

No futuro, as descrições de emprego e os currículos se tornarão mais personalizados e com recursos que economizam tempo de forma a ajudar a atrair os talentos. Os “agentes” conversacionais – provavelmente robôs ou sistemas automatizados que usam informações humanas ou de máquinas – permitirão que os candidatos e empregadores se engajem uns com os outros e compreendam suas necessidades.

Pense sobre a oportunidade oferecida por um botão de chat em uma descrição de emprego que permita a um candidato fazer perguntas imediatamente sobre um emprego. Ou um que permita que um empregador faça perguntas detalhadas sobre a experiência do candidato. Não só muitas perguntas serão respondidas nesse estágio, mas as que não forem serão encaminhadas para que os gerentes de contratação respondam e, ainda mais importante, serão usadas para treinar o sistema para o futuro.

Agilizando a avaliação dos candidatos

É difícil avaliar milhares de candidatos de forma justa e eficiente. Atualmente, recrutadores avaliam em um currículo a instituição de ensino e os empregos anteriores e isso certamente faz sentido. Mas a melhor maneira de verificar as competências é a aplicação real para a vaga disputada. Isso permite que empregadores em potencial vejam se um candidato pode realizar as funções inerentes ao cargo em uma avaliação simulada do trabalho. Alguns exemplos:

• Um desenvolvedor de software realiza um exercício de codificação enquanto interage com futuros colegas de trabalho (ou virtuais).

• Um analista financeiro desenvolve um modelo financeiro e é classificado em uma conversa sobre regulações financeiras e de melhores práticas.

• Um analista de suporte técnico bilíngue é avaliado pela fluência oral, por lidar com clientes chateados e pela habilidade de aprender sistemas desconhecidos.

Essas são as situações críticas nos atuais processos de entrevistas, mas elas atualmente usam muitos recursos e dependem da habilidade do entrevistador. A AI pode aumentar currículos ao automatizar esses tipos de avaliações. Nesse sentido ela pode dar aos gerentes de contratações um ranking imparcial das qualificações dos candidatos em potencial. Imagine uma biblioteca com milhares de avaliações onde um gerente de contratação pode escolher um conjunto personalizado de simulações de competências para a posição necessária. Essas avaliações personalizadas podem fornecer a ambas as partes a transparência necessária para encontrar o casamento ideal, ao mesmo tempo em que economizam tempo para um grau mais elevado de conexões humanas que possam criar confiança entre as partes e resultar em uma maior confiança na contratação.

Planejamento para a carreira após a contratação

O papel da AI não termina quando um candidato aceita um emprego. Os trabalhadores de hoje esperam trocar de emprego pelo menos algumas vezes ao longo da carreira. Estudos demonstram que a mais nova geração da força de trabalho, conhecida como Millennials, troca de emprego mais frequentemente do que as gerações anteriores. A AI pode ajudar os empregadores a mapearem o caminho da carreira de um indivíduo para garantir que os funcionários fiquem na empresa. Os algoritmos AI, quando se trata de conjunto de habilidades, desempenho e desejos, podem até ajudar os empregadores a saberem o que fazer para manter os funcionários crescendo dentro das suas organizações.

Da mesma forma, a AI pode ajudar um funcionário a compreender o que fazer agora para garantir o sucesso na futura carreira. Imagine uma AI que notifique você quando chegar a hora de pedir um aumento, fazer um treinamento ou conectar você com a pessoa certa para transformar as suas aspirações de carreira em realidade.

O futuro da tecnologia para encontrar o emprego ideal

A tecnologia para encontrar emprego continua evoluindo – tornando-se mais personalizada, perfeita e automatizada. A previsão é de um mundo onde existam dados suficientes para que as pessoas possam virtualmente só apertar um botão e receber uma oferta de trabalho.

Ao mesmo tempo em que a tecnologia AI pode tornar o processo muito mais eficiente, aceitar um emprego ainda requer a decisão do candidato ao emprego.

Uma decisão que é influenciada por relacionamentos, objetivos e a definição individual de um emprego significativo. A tecnologia AI pode dar aos recrutadores, empresas e candidatos mais tempo para focar nas conexões humanas que criem confiança e inspirem o desenvolvimento na carreira. Dessa forma, a AI está transformando rapidamente a maneira como identificamos e contratamos talentos e está no caminho para se tornar a sua companheira de carreira.

Tags, , , , , , ,

IBM e Salesforce intensificam parceria estratégica

A IBM e a Salesforce, líder global em CRM, acabam de anunciar a expansão de sua parceria estratégica. Os serviços do IBM Cloud e Watson serão integrados ao Salesforce Quip e Service Cloud Einstein para que as empresas se conectem aos clientes, colaborem mais e obtenham melhores insights.

A expansão abriu caminho para a Salesforce selecionar a IBM como principal provedora de serviços de nuvem, e à IBM, por sua vez, escolher a Salesforce como principal plataforma de engajamento com clientes para vendas e atendimento.

“O sucesso dos nossos clientes é o principal objetivo da Salesforce e estimula medidas como a aliança estratégica com a IBM”, diz Marc Benioff, presidente e CEO da Salesforce. “A combinação do IBM Cloud e do Watson com o Salesforce Einstein e Quip vai entregar ainda mais inovação para conectar empresas a seus clientes de novas maneiras, com suporte das tecnologias de nuvem e de inteligência artificial”.

Como parte da expansão da parceria, a IBM vai desenvolver os novos aplicativos IBM Watson Quip Live para integrar as duas soluções. Os apps serão interativos e personalizados e estarão ligados a todos os documentos do Quip, para aumentar a eficiência das equipes de vendas ao longo de todo o ciclo de oportunidades. Com a plataforma de criação e edição de documentos do Quip, é possível compilar todo o conteúdo relevante de um projeto em um único documento, eliminando a necessidade de trabalhar em várias janelas e aplicativos ao mesmo tempo.

“A escolha da IBM para fornecer serviços de nuvem à Salesforce demonstra a capacidade do IBM Cloud de ajudar as empresas a transformarem seus modelos de negócios”, diz Ginni Rometty, presidente e CEO da IBM. “A expansão da parceria pretende combinar as forças do Watson e do Einstein para ajudar empresas a tomarem decisões mais inteligentes”.

Com a primeira integração entre IBM e Service Cloud, as empresas vão contar com os recursos do IBM Watson e do Service Cloud Einstein, que vão entregar recomendações orientadas por Inteligência Artificial (IA) para determinar as próximas ações. Com a análise preditiva orientada por IA, é possível criar interações personalizadas e acionadas por clientes com base na última ligação ou mensagem, ajudando a construir conexões mais sólidas.

O anúncio fortalece a parceria divulgada anteriormente pela IBM e pela Salesforce, com o objetivo de oferecer soluções integradas e IA para dar suporte a decisões mais rápidas e inteligentes. Com mais de quatro mil clientes em comum, a parceria já ajudou muitas empresas a implementar as novas soluções do Watson para intensificar a conexão com seus clientes. A Autodesk é um exemplo delas.

“A aliança entre a Salesforce e a IBM não podia ser melhor”, diz Rachael Cotton, gerente sênior de engajamento de serviços automatizados da Autodesk. “A Salesforce armazena enormes volumes de dados de clientes de empresas como a Autodesk, e muitos deles não são usados para nada. Ao combinar a IA do IBM Watson e IBM Cloud com os insights da Salesforce, a Autodesk pôde compreender melhor seus clientes e transformar a experiência entregue a eles”

Tags, , , , , , ,

CargoX é primeira transportadora do Brasil a aceitar pagamento em bitcoins

A CargoX – empresa brasileira que oferece serviços de transporte de carga baseados em tecnologia e big data – anuncia sua nova forma de pagamento. A partir de agora, os clientes que contratarem os serviços da startup poderão fazer o pagamento em bitcoins.

Estas criptomoedas surgiram há nove anos, mas ganharam destaque especial nos últimos meses. Em 2017, a cotação das bitcoins valorizou cerca de 1.400% chamando a atenção da mídia e do grande público e levando mais pessoas a investirem nesse tipo de moeda. Com essa popularização, houve um aumento do número de produtos e serviços que podem ser pagos com a moeda virtual.

De olho nessa tendência, a CargoX está se estruturando para receber o pagamento dos seus serviços de transporte em bitcoins a partir do mês de abril. “Observamos o movimento do mercado em torno das criptomoedas e decidimos nos preparar para aceitar pagamentos nesse tipo de moeda”, conta Federico Vega, CEO da CargoX.

Conhecida pelo seu caráter inovador, a startup foi eleita pela CB Insights, empresa americana de inteligência de dados para investidores, como uma das 30 empresas mais disruptivas do mundo em 2018, sendo a única representante da América Latina. “Estamos em constante movimento de inovação, investindo em big data e no desenvolvimento constante de tecnologia, então faz todo sentido adotarmos também o pagamento em bitcoins”, explica o CEO.

Tags, , , , , ,

Digital workspace e colaboração: a evolução do home office

Por Rodrigo Coppola

A forma como nos comunicamos acompanha a transformação tecnológica. O número cada vez maior de dispositivos e ferramentas à disposição contribui para a composição de novas formas de trabalho e comunicação das empresas, que aos poucos aderem a modelos culturais mais colaborativos. Nesse contexto, entram em jogo dois termos que são frequentemente confundidos como sinônimos, mas são conceitualmente diferentes: home office e digital workspace.

Ambos modelos de trabalhos se diferenciam do tradicional, já que não demandam a presença física do colaborador na empresa diariamente. Mas, na prática, enquanto o trabalho remoto é explicado basicamente pela ausência no escritório, a criação de um ambiente digital incita uma mudança mais profunda nas organizações, baseada na quebra de paradigmas e na utilização de ferramentas que promovam a aproximação, não apenas entre colaboradores, mas também com os clientes.

Esse novo modelo mais flexível pode aumentar desde a qualidade de vida, até a produtividade das pessoas, que deixam de gastar horas no trânsito para chegar ao escritório, mas se comunicam com colegas constantemente de onde quer que estejam. Como exemplo, a pesquisa “The digital workplace: Think, share, do: transform your employee experience” (O ambiente de trabalho digital: pense, compartilhe, faça: transforme a experiência do seu colaborador, em tradução livre), da Deloitte, constatou que organizações com redes sociais internas são 7% mais produtivas do que aquelas que não as possuem.

A necessidade de unir pessoas alocadas em regiões diferentes e formar grupos de trabalho compostos por profissionais de diversas áreas impulsionaram o desenvolvimento de ferramentas que possibilitam a colaboração remota. Plataformas para conversas corporativas em grupo e telas interativas, que permitem debates sobre projetos, compartilhamento de ideias, sugestões de melhorias e envolvimento do cliente ainda nos estágios iniciais do desenho, compõem os chamados digital workspaces e criam dinâmicas flexíveis de comunicação unificada – por áudio, vídeo e texto -, de maneira instantânea e à distância.

Para alcançar essa evolução do home office, no entanto, é preciso romper com a visão de liderança matricial, ainda presente nas empresas. Modelos com um único gestor à frente de projetos e áreas de atuação que não conversam entre si podem impedir o desenvolvimento da colaboração horizontal, desvalorizando os benefícios do ambiente de trabalho digital.

O progresso tecnológico permite que pessoas criem e compartilhem experiências enquanto trabalham de casa, de um restaurante, da praia ou de qualquer outro local que estejam. Resta a cada um de nós sermos, efetivamente, colaboradores dessa nova realidade.

Rodrigo Coppola é gerente de desenvolvimento de negócios de colaboração para América Latina na Orange Business Services

Tags, , , , , , ,

DogHero levanta R$ 8 milhões para impulsionar o crescimento na América Latina

A DogHero, aplicativo que conecta pais de cachorro a anfitriões que hospedam pets em casa, acaba de levantar R$ 8 milhões em investimento. Liderada pelos fundos Global Founders Capital (alemão) e IGNIA Partners (mexicano), a nova rodada teve a participação dos investidores anteriores Monashees e Kaszek Ventures. O investimento vai permitir que a empresa acelere o crescimento e se consolide como um hub de serviços para animais de estimação na América Latina — onde vivem mais de 100 milhões de cães.

Em três anos de história, a brasileira DogHero construiu uma base de 15.000 anfitriões em 650 cidades de todo o Brasil e mais de 1.100 em 20 cidades da Argentina (país em que opera desde junho de 2017). “A receita cresceu três vezes no ano passado, fortalecendo nossa posição como maior player de hospedagem para animais no Brasil e na Argentina”, diz Fernando Gadotti, cofundador da empresa. Em julho de 2016, a startup já havia levantado R$ 8 milhões (liderada por Monashees, com participação da Kaszek Ventures). Até hoje, a empresa recebeu cerca de R$ 18 milhões em investimento.

O serviço de hospedagem traz conforto e segurança aos tutores de cães que precisam viajar. “O que temos no mercado hoje são hotéis que oferecem serviços com preço elevado e impessoais onde, na maioria das vezes, o cãozinho dorme em gaiolas ou canis”, acrescenta Eduardo Baer, cofundador da DogHero. “Nossos anfitriões estão preparados para cuidar dos cachorrinhos com cuidado e carinho — com eles está liberado subir no sofá e na cama, como em casa”. É um negócio que cresceu em boa parte graças ao boca a boca: 98% dos clientes recomendam DogHero para amigos e familiares.

O objetivo da empresa em 2018 é lançar serviços complementares, como dog walking (passeios de cães); duplicar o número de funcionários; e continuar a expansão em toda a América Latina. “Estamos empolgados em ajudar a levar a DogHero ao México e suprir uma enorme necessidade dos 20 milhões de tutores de cães do país”, afirma Alvaro Rodríguez Arregui, cofundador e sócio-gerente da IGNIA. “A DogHero é o nosso primeiro investimento no Brasil e não vejo uma melhor forma de fazê-lo do que em conjunto com o time de alto nível que a empresa tem. Nós também estamos felizes em ter como parceiros Monashees, Kaszek e Global Founders Capital.”

“Estamos muito satisfeitos em apoiar a DogHero, uma das protagonistas da economia de compartilhamento da América Latina com uma equipe excepcional”, diz Fabricio Pettená, diretor da Global Founders Capital na América Latina. “Os países latinos, particularmente o Brasil, são mercados fantásticos para serviços e produtos para pets”.

“Nosso objetivo é fornecer soluções cada vez mais surpreendentes para pais de cachorro. Isso é o que nos motiva”, afirma Gadotti.

Tags, , , , , ,

Curitiba tem primeiro marketplace físico com soluções digitais

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=nUrH0Zq3lSM[/embedyt]

A DigitalWeb, startup que desenvolve soluções para descomplicar o atendimento ao cliente, e a Minestore, uma plataforma de e-commerce que já conta com mais de 60 mil lojistas online, se uniram em uma sociedade e criaram o primeiro Marketplace físico do Brasil.

O Mercado Gastronômico no Shopping Pátio Batel, em Curitiba, possui uma solução inédita de tecnologia. Inaugurado em novembro de 2017, o projeto recebeu mais de 10 mil pessoas nos primeiros três dias após inauguração. A ideia é que até março de 2018 seja inaugurada uma loja conceito, seguindo os mesmos padrões, em São Paulo.

Como funciona o Marketplace físico

As compras podem ser feitas em diferentes lojas (com CNPJ´s distintos) e o pagamento feito em um caixa único, possibilitando a divisão de pagamentos e emissão de NFC-e para cada uma das empresas, sem gerar bi-tributação ao processo.

O conceito é muito parecido com um marketplace, só que físico. “O sistema garante aos lojistas participantes uma otimização na operação, uma vez que só farão o atendimento aos clientes, sem se preocuparem com a cobrança”, comenta Leandro Johann CEO do Grupo.

O caixa único facilita as compras de clientes e a rotina dos estabelecimentos. “No momento da venda podemos ficar concentrados em explicar sobre o produto, sem ficar preocupado com a dinâmica do pagamento”, comenta Diogo Dreyer, sócio-fundador da Angus Young, clube de assinatura de carnes,que está no Mercado Gastronômico.

Caroline Costa, fundadora da O Famoso Brigadeiro, que também participa do projeto, concorda que o caixa único facilita o processo. “Muitas vezes o pagamento no caixa comum pode demorar, o que acaba atrapalhando a performance da equipe”, comenta Caroline.

A ferramenta é comandada por meio de um aplicativo que contempla: terminal de pedidos, controle de estoque, integração de cartão débito e crédito, emissão de nota fiscal, envio automático de informações para a contabilidade e indicadores gerenciais mobile. O aplicativo pode ser acessado mesmo sem internet ou energia. Todas as informações são armazenadas na nuvem e podem ser acessadas a qualquer momento.

Qual a diferença do Marketplace Físico para um shopping center?

No Marketplace físico você compra em vários lojas e paga uma única vez no final da compra. Em um shopping center você paga individualmente em cada loja que compra.

O Marketplace físico permite acesso às informações de faturamento do lojista, e por este motivo, consegue calcular o percentual sobre os resultados das vendas. Além de possibilitar o teste de novas operações em tamanhos menores para validar o mercado.

Tags, , , , , , , ,

2018: é hora de mudar e consumir infraestrutura de TI como serviço – Por Silnei Kravaski

A forma de consumir TI está mudando e isso é fato. Flexibilidade é a palavra da vez e na medida em que as áreas de tecnologia ganham espaço e importância dentro das organizações, surge também uma série de questionamentos a respeito da melhor forma de maximizar os recursos, não só financeiros como também humanos, investidos na gestão da infraestrutura de TI. Com um novo ano começando, talvez seja o momento de refletir se não é a hora também ser disruptivo e mudar a formar como sua empresa tem consumido TI.

Segundo o IDC, 80% do tempo das equipes de TI é despendido erroneamente com atividades operacionais e rotineiras, como, por exemplo, reuniões e na gestão da infraestrutura propriamente dita (provisionamento de armazenamento, servidor e rede, monitoramento e soluções de problemas, entre outros). Por outro lado, apenas 14,5% do tempo disponível relacionam-se à inovação e aos novos projetos. Essa conta é no mínimo contraditória e é nesse sentido que emergem os conceitos de TI Flexível e de utilização de infraestrutura de TI como serviço, que se configuram como protagonistas nessa mudança de como se consome TI. Mas, o que é isso? Quais as vantagens?

Vamos às respostas: TI Flexível é um serviço de infraestrutura escalável no qual o cliente paga apenas pelo o que usar (Opex). O modelo oferece uma plataforma expansível de TI e instalações para dimensionamento eficiente, de forma modular, o que deixa o cliente pronto para crescer conforme as necessidades de seu negócio. O ponto chave é que a empresa já consegue obter um ganho tecnológico e financeiro logo de cara, afinal não é preciso esperar meses para a expansão da infraestrutura de TI, uma vez que, o pagamento baseia-se no consumo e alinha o fluxo de caixa ao uso da capacidade real.

Enquanto a aquisição no modelo tradicional proporciona uma capacidade de provisionamento incerta (muito alta ou muito baixa para as necessidades daquela organização), a TI Flexível atende à demanda real utilizada. Além disso, o tempo de resposta e integridade dos dados são maiores, assim como o controle, uma vez que as informações estão mais próximas e a velocidade de acesso a elas é enorme.

Em suma, essa flexibilidade da infraestrutura de TI como serviço permite manter as operações impecáveis e liberar recursos e tempo para inovações. Isso faz total diferença em um cenário no qual as empresas mais bem sucedidas serão aquelas que aderirem à transformação digital e usarem todo o potencial de TI em conjunto com as inovações organizacionais, já que velocidade tornou-se uma das palavras-chaves nessa economia digital. É preciso agir e inovar com rapidez para manter-se à frente da concorrência e destacar-se em seu mercado.

Silnei Kravaski é Diretor Executivo da Planus Cloud, Networking & Services, a unidade especializada em serviços e soluções da Planus Tecnologia

Tags, , , , , , , , ,

Florianópolis lança Programa de Incentivo Fiscal à Inovação

Os empreendedores residentes de Florianópolis já podem inscrever seus projetos no Programa de Incentivo Fiscal à Inovação da Prefeitura de Florianópolis, que é similar à Lei Municipal de Incentivo à Cultura, mas voltado exclusivamente para inovação. São aceitos projetos que proponham empreendimentos inovadores na capital catarinense, vinculados a um Arranjo Promotor de Inovação (API); e também projetos que desenvolvam ou aprimorem um serviço, sistema, ou produto inovador, propostos por MEI ou MPE com sede em Florianópolis, também vinculados a um API.

“Essa é a nossa Rouanet manezinha de inovação. Foi um dos principais pedidos do setor que conseguimos atender e agora aguardamos a participação dos empreendedores. Temos certeza que esses projetos farão a diferença para a nossa cidade”, afirma o prefeito Gean Loureiro.

Os APIs reúnem empresas e instituições com o objetivo de desenvolver os segmentos. São oito APIs em Florianópolis: Turismo, Economia Criativa, Cultura e Entretenimento; Saúde, Equipamentos médicos e Insumos; Educação; Comércio e Serviços; Pesca, Maricultura e Agronegócios; Transportes e Mobilidade; Tecnologias de Informação, Comunicação, Microeletrônica e Nanotecnologia e em Energia.

O valor máximo por projeto é até 50% do limite de faturamento anual de microempresa. O prazo máximo de execução é de dois anos. Os projetos aprovados recebem uma “Carta de Autorização” e assinam contrato com a Prefeitura. Com isso, podem obter até 20% do ISS devido e até 20% do IPTU devido de contribuintes incentivadores estabelecidos no município em uma conta bancária aberta especificamente para receber os recursos do projeto. Os contribuintes incentivadores recebem um ”Certificado de Incentivo Fiscal” para obterem o respectivo desconto do valor junto à Prefeitura quando for pagar o ISS ou o IPTU. Para participar, basta acessar: http://spii.pmf.sc.gov.br/.

Fonte: Prefeitura de Florianópolis

Tags, , , , , , ,

Física quântica x coaching de vida – Por Marco Tulio da Costa

A física quântica é uma ciência de possibilidades, maior estudiosa das relações entre partículas atômicas, demonstra que cada estado dos corpos se dá de acordo com a velocidade da agitação dessas partes. Entendemos como formas de energia, além dos corpos, o som, a luz, o pensamento e a energia espiritual. Todos esses em uma crescente de velocidade energética, respectivamente. Tudo é energia.

Sabendo que tudo é energia, inclusive nosso corpo, delimitamos então que somos manifestação dela. Nós vibramos em certa velocidade: o corpo em uma, o pensamento em outra… E é nessa vibração do pensamento em alta velocidade que podemos influenciar pessoas e o mundo, atraindo exatamente o que estamos conectados, gerando realizações condizentes com tal emissão.

Essa ciência estuda e comprova fenômenos que oferecem caminhos e soluções para que o indivíduo viva em equilíbrio, com saúde física e mental, em várias dimensões. Ela interage com o mundo e, apesar de pouco compreendida, revoluciona conceitos e traz recursos para que tenhamos mais qualidade de vida.

Com caminhos nada óbvios ou de difícil percepção, a física quântica trata do poder energético que emitimos ao universo e como o universo nos devolve essa comunicação. Para os estudiosos dessa área, nós influenciamos o mundo através do que emitimos, seja através de palavras, atitudes ou até mesmo pensamentos. Eis que as respostas são estimuladas por nós mesmos.

Ou seja, de uma forma mais sucinta e objetiva, somos fruto do que pensamos. Quando temos pensamentos e atitudes negativas, nossa vida será cercada de reflexos desse padrão vital emitido. Em contrapartida, se emanamos positividade, vitalidade, alegria, prazer e bem-estar, grandes realizações serão alcançadas, reflexo da energia que emitimos. É assim com fatos e pessoas: atraímos o que propagamos.

O coaching, conforme seu posicionamento, quer tornar o coachee leve, feliz e realizado. Para isso pode-se utilizar dos conhecimentos da física quântica no intuito de energizar e potencializar as atitudes e pensamentos do cliente, em busca da excelência de seus resultados, conforme a meta estabelecida.

No processo de coaching, sabemos da grande responsabilidade que temos de construir nosso próprio resultado. Temos a consciência de que nossos comportamentos refletem no alcance das metas. A questão do empenho, da disciplina, de querer superar obstáculos, crenças limitantes… aqui não seria diferente. Positividade e boas energias concorrem para o nosso sucesso. E é nesse ponto que a física quântica entra com força total.

Se pensamento se transforma em resultado, se somos ímãs do que emitimos, o coaching vai auxiliar nesse fluxo energético do pensamento. É importante demonstrar ao cliente a importância do seu posicionamento de vida. Dessa vez com o apoio de uma ciência tão minuciosa e respeitada: a física quântica, que trata das frequências constatáveis no encefalograma, a partir de sinais magnéticos.

Pensamento poderoso: Você é o arquiteto da sua vida. Você é seu próprio escultor.

Vale ressaltar que ser omisso, ficar “em cima do muro”, também te trará respostas no automático. Está tudo interligado. Eis a hora de praticá-la! A mente não distingue o que é imaginação ou realidade. Visualizar é um forte caminho para materializar, então pense positivo, pense na abundância.

Além desses argumentos sobre a física quântica, vale trazer exemplos de algumas leis que têm total compatibilidade e usabilidade no coaching:

A lei da causação dependente nos diz que muitas coisas são apenas sintomas, como visto anteriormente. Observar superficialmente não é tratar. Os problemas normalmente não são tratados ou resolvidos nos níveis em que foram criados. Já a lei da descontinuidade trata da movimentação dos elétrons, que nem sempre se dá de forma contínua. Eles podem desaparecer de uma órbita, surgindo em outra diversa. Na rotina prática podemos observar curas que não se dão por tratamentos convencionais, ou mudanças inesperadas de algumas situações de nossas vidas. A lei da não-localidade, introduzida por Einstein, demonstra que podem acontecer coisas entre dois seres, ou duas coisas, em locais diversos. Percebe isso quando pensa em alguém que não vê há tempos e essa pessoa te liga? Ou quando alguém sente uma dor e descobre que um ente querido teve um problema naquela região dolorida?

O que queremos dizer, por fim, é que todos nós devemos considerar a importância do conhecimento dos diferentes níveis da consciência do ser humano, promovendo a compreensão e a aplicação dessas possibilidades tão ricas de pensar e viver a vida de maneira saudável, positiva e realizadora. Vamos utilizar nossos recursos internos em busca do sucesso de nossos objetivos. Somos sim, responsáveis por nossos resultados.

Marco Tulio é professor da Fundação Getúlio Vargas nas áreas de Empreendedorismo, Programação Neurolinguística, Gestão de pessoas, Liderança, Comunicação, Negociação e Estratégia de Empresas. Atualmente, também é coach, professor e palestrante, prestando serviços de consultoria e treinamentos em todo o território nacional nas áreas de liderança, comunicação, negociação, gestão e vendas.

Tags, , , ,

Resource lança solução de IoT com foco no agronegócio

A Resource, uma das principais e mais bem-sucedidas multinacionais brasileiras de serviços de TI e Integração Digital, lança esta semana a oferta de Internet das Coisas (IoT) para business com foco em agronegócios. Elaborado em parceria com a Tago, empresa provedora de soluções Cloud para o mercado IOT, o objetivo é utilizar a plataforma integrada a sensores e soluções de automação para prevenção de pragas, indicando com antecedência os defensivos necessários para proteção, podendo, inclusive, programar automaticamente até pedidos de novas remessas de mercadorias.

A adoção da nova oferta de IoT deve ser representativa, uma vez que o agronegócio é um dos segmentos mais tecnológicos do Brasil, além de representar 23% do PIB – Produto Interno Bruto – e ser um dos responsáveis pela queda da inflação no País, gerando de janeiro a outubro de 2017 mais de 19 mil postos de trabalho, 84% a mais que o mesmo período de 2016.

“Estamos utilizando tecnologia de ponta para automatizar um dos principais setores da economia brasileira. Controlando a compra de defensivos agrícolas, os dispositivos liberam os produtores para se preocuparem com outros temas mais importantes para suas atividades, uma vez que o sistema pode automatizar o processo de compra do produto correto de forma planejada, sem comprometer a entrega e sem desperdiçar dinheiro”, informa Roberto Aran, Diretor de Digital Solutions da Resource.

“Com a nova oferta de IoT, utilizamos dados de sensores nas propriedades rurais e, por meio deles, identificamos de maneira rápida e proativa as condições ambientais e a possibilidade de possíveis pragas. Com esse monitoramento é possível chegar a um denominador sobre os fungos que podem surgir”, explica Fábio Rosa, CEO e Co-fundador da Tago.

O objetivo da solução é monitorar e alertar sobre as condições para surgimento de pragas na cultura de acordo com um banco de dados alimentado com informações coletadas com especialistas e variáveis climáticas, como períodos de chuva, de seca e incidência de pragas sobre cada lavoura.

A Resource entrega a solução de ponta a ponta, implementando a plataforma e mantendo o sistema funcionando corretamente durante todo o processo, No mercado brasileiro, as soluções de IoT para agronegócios ainda estão em fase embrionária. A Resource está lançando no mercado uma oferta que irá facilitar o dia a dia dos produtores e gerar mais eficiência e produtividade para os negócios. A solução de IoT com foco em agronegócios vai integrar todos os serviços com as necessidades do campo.

“A nossa plataforma tem implementação simplificada e sua utilização pode ir além deste segmento, se aplicando a outros setores como o de seguros”, diz Aran.

Tags, , , , , , , , , , ,