Page

Author admin

Brasileiros usam cada vez mais o celular para transações bancárias. Ida às agências perde espaço

post_varejo (1)

O canal preferido pelos brasileiros para realizar transações bancárias em 2016 foi o computador pessoal, responsável por 33% das operações. Mas as 16,7 bilhões de transações feitas em 2016 por equipamentos móveis, como celulares, mostram que esse canal tem ganhado cada vez mais a preferência dos brasileiros e já responde por 28% das operações. Em 2015, essa participação era de 19%.

“Até o internet banking, que há algum tempo crescia 20% ao ano, tem perdido espaço. Em 2016, cresceu apenas 3%, enquanto a taxa de uso de celulares vem crescendo de 40% a 50% ao ano”, comenta Flávio Tulio Vilela, chefe do Departamento de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos, do BC. Segundo ele, a justificativa está na facilidade, na comodidade e na praticidade oferecidas pelos aplicativos desenvolvidos para dispositivos móveis. Os números fazem parte das Estatísticas de Pagamentos de Varejo e de Cartões no Brasil referentes a 2016, publicadas na segunda-feira (10) pelo BC.

De acordo com o levantamento, agências e postos de atendimento continuam perdendo espaço. Em 2016, foram realizados 8,1 bilhões de transações bancárias nesses locais, 8% a menos que em 2015.

Também está em queda o uso de cheques no país. Em 2016, 879 milhões de operações foram realizadas por esse meio de pagamento, 14% a menos que em 2015. O valor envolvido nessas transações foi de R$ 2,259 trilhões, queda de 12% em relação ao ano anterior. Ainda assim, o montante transacionado com cheques ainda é bastante alto em relação aos demais meios de pagamento, como os cartões de crédito, cujas transações somaram R$ 674 bilhões.

post_varejo (2)

Segundo Flávio Túlio, o cheque ainda continua sendo mais utilizado quando a negociação envolve grandes valores, como a compra de um imóvel ou de um carro. “Na aquisição de um imóvel, por exemplo, o comprador ainda considera mais seguro pagar com cheque, tendo em conta que é possível associar a concretização da compra à liquidação do cheque”.

As operações com cartões de débito somaram R$ 430 bilhões, alta de 10%. Já em número de operações, as transações subiram 5% de 2015 para 2016 e atingiram 6,8 bilhões no total. No caso do cartão de crédito, foram 5,9 bilhões de operações, alta de 6%.

Ainda segundo o relatório, a quantidade de ATMs por região permanece praticamente estável desde 2010. Essa era uma tendência esperada, já que o compartilhamento de máquinas pelos bancos é uma política que vem sendo estimulada pelo BC. “Não é eficiente que cada banco gerencie e mantenha uma máquina própria, uma vez que é possível a concentração de vários bancos em um único ATM. Isso acaba por reduzir custos e beneficiar o cliente”, defende.

Divulgadas anualmente, as Estatísticas de Pagamentos de Varejo e de Cartões no Brasil compilam informações enviadas pelos diversos participantes do mercado e incluem números referentes ao uso dos instrumentos de pagamento no país, ao mercado de cartões de pagamento e aos canais de acesso a transações bancárias.

Fonte: Banco Central

Tags, , , ,

RH estratégico é fundamental para tornar uma empresa competitiva – Por Cláudia Santos

Durante muito tempo, acreditou-se que o papel do profissional de recursos humanos estava ligado apenas a assuntos burocráticos, como administração de pessoal, recrutamento e seleção. Era o chamado RH operacional, visto por muitas empresas como uma área de apoio ou um gerador de despesas. Esse antigo departamento pessoal tem sofrido diversas mudanças ao longo do tempo e, com o avanço da tecnologia, o velho papel operacional está cada vez mais sujeito à automatização.

O atual cenário exige um novo posicionamento das organizações, que precisam atuar de uma forma mais ágil, inovadora e competitiva. Com as transformações das últimas décadas, o RH estratégico tem ganhado força como uma área fundamental para o crescimento das empresas. Esse novo profissional fala a língua dos negócios, conhece os objetivos e metas da empresa, participa das reuniões executivas e toma decisões em parceria com as outras áreas da companhia, como marketing, vendas, finanças e operações. Com foco em resultados, ele alia a estratégia organizacional à gestão de pessoas para, assim, promover a eficiência operacional.

Segundo David Ulrich, referência mundial em liderança e gestão de pessoas, o profissional de RH deve ser estrategista por excelência, capaz de engajar os funcionários, promover os valores da empresa, diagnosticar oportunidades e traçar metas e objetivos. Ele sabe recrutar as pessoas certas para os lugares certos e, se não for a campo entender os problemas, seja dos negócios ou das pessoas, não conseguirá gerar valor para a companhia.

O problema é que existe um gap entre o que as organizações precisam versus o que os RHs oferecem, já que eles ainda não se interessam pelos negócios e atuam de forma operacional, olhando apenas para o cenário interno. Por isso, muitas companhias têm contratado gestores com diferentes formações, principalmente devido à insuficiência de profissionais qualificados para trabalhar em conjunto com as áreas financeiras e comerciais.

Para transformar essa cultura, ainda predominante, o primeiro passo a ser tomado pelo profissional da área investir em uma formação ampla em escolas de negócio que contemple a gestão estratégica de pessoas. Entender sobre finanças, administração e análise de dados pode trazer novas oportunidades de crescimento na carreira, sobretudo em um momento de transformação digital que vem impactando o mercado.

Ao mesmo tempo, é preciso mudar a cultura organizacional, e a própria organização precisa dar espaço para que ele possa se envolver nas decisões e no planejamento. Hoje, uma empresa competitiva reconhece a importância do setor de recursos humanos e o CEO trabalha em conjunto com a área, aumentando o engajamento e a produtividade das equipes e, consequentemente, os resultados financeiros. É preciso superar a ideia de que o RH é um setor de apoio e passar a incluí-lo, de fato, nas decisões e nas estratégias de negócio.

Claudia Santos, especialista em gestão estratégica de pessoas, coach executiva e diretora da Emovere You

Tags, ,

Fluxo de dados terá grande impacto na economia mundial – Por Francisco Camargo

Na era digital, dados, metadados, sejam eles pessoais ou não, são as novas matérias-primas da economia. Coletá-los, minerá-los, transformá-los em informações úteis, nos vários campos da ciência, da economia, da vida quotidiana, gerarão as cadeias de valor do futuro.

Os exemplos são muitos e já onipresentes na nossa vida. Metadados oriundos de milhares de carros, por exemplo, como localização e velocidade permitem aos motoristas aperfeiçoarem seus trajetos e melhoram o fluxo do tráfego nas grandes cidades.

O livre fluxo de dados permite e permitirá ao Brasil acessar e continuar acessando, desenvolvendo e exportando tecnologias e serviços de ponta, colocando o país nas novas cadeias de valor mundiais, não só no mercado global de Tecnologia da Informação e Comunicação, mas em todas as atividades econômicas.

A inovação e a competitividade das empresas brasileiras dependem cada vez mais do livre fluxo de dados, que tem o processo construído em cima de uma ampla e complexa arquitetura global que coleta, armazena, trata e transfere dados globalmente.

Discute-se no Brasil o sério problema da Privacidade dos Dados Pessoais, e o Brasil tem que fazer algumas escolhas.

As mesmas pessoas que pedem mais privacidade divulgam toda a sua vida pessoal nas redes sociais, não querem que seu smartphone colete dados da sua localização geográfica, mas, em seguida, quando estão no trânsito, pedem a ajuda de aplicativos que dependem justamente dessas informações.

Privacidade depende de vários fatores, o primeiro é a transparência de quem está coletando os dados: precisa estar claro no “contrato” entre o usuário e as empresas quais dados estão sendo coletados e com quem serão compartilhados.

O segundo é a segurança dos dados, que vai desde a coleta, armazenamento e compartilhamento. A empresa que coleta os dados precisa estar em conformidade com regulações nacionais, mundiais e mesmo privadas, como o PCI, que é a Norma Mundial Privada para a coleta e armazenamento de dados de Cartões de Crédito.

A privacidade, antes de tudo, visa limitar a possibilidade do roubo de identidade, depois proteger a intimidade das pessoas.

A maior parte dos casos que aconteceram no Brasil tem origem nas próprias “vítimas”, que se deixaram flagrar em momentos de intimidade ou descortinaram sua localização e atividade presente e futura em sites de mídia social.

No Brasil, o número de identificação mais importante para o cidadão, o CPF, está exposto, não criptografado, não mascarado, na internet. A falta de norma brasileira sobre a proteção de dados prejudica o cumprimento de qualquer outra norma de privacidade que venha a ser adotada.

Dito isto, voltamos à inserção do Brasil no fluxo mundial de dados, cuja restrição sem critérios objetivos enfraquecerá o setor produtivo no que diz respeito à inovação e competividade.

Restrições brasileiras ao fluxo de dados, pelo princípio da reciprocidade, gerarão restrições de outros países ao mesmo fluxo.

Um exemplo disso é como será afetada a “computação em nuvem”, serviço de processamento e armazenamento de dados oferecido por acesso remoto, que se passa em escala global. Só a nuvem consegue escalar muito rapidamente as necessidades de armazenagem e potência de computação a preço baixo.

Um exemplo é o processamento de notas fiscais, em que um dos associados ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software), que processa 500 mil notas por dia, teve a grata surpresa de, no Black Friday, ver sua demanda atingir 2 milhões de notas fiscais no dia, e a infraestrutura de computação em nuvem acompanhar instantaneamente esse aumento de demanda.

Os serviços públicos também terão interferência direta, pois a limitação do fluxo de dados também pode prejudicar a inovação e a melhoria de oferta. Nessa categoria podemos encaixar aplicativos como Uber, Waze, Google, que dependem do compartilhamento e tratamento de dados.

Estudo feito pelo European Centre For International Political Economy (ECIPE) estima que essa alteração na dinâmica do fluxo de dados poderia reduzir o crescimento do PIB global em até 2%. Já no plano local, tem potencial de diminuir o PIB do Brasil em cerca de 1%, surtindo efeito direto nos setores que dependem desse livre fluxo.

No que diz respeito ao desempenho econômico nacional, outro impacto ocorrerá na exportação de serviços de TIC, que gerou cerca de US$ 2 bilhões em 2016, de acordo com dados do Banco Central.

Uma das discussões atuais no Brasil é se a nossa legislação deve se aproximar da adotada pela União Europeia, que limita o livre fluxo de dados pessoais a países que adotam a norma europeia ou da americana, com muito menos regulações e entraves.

A escolha da estratégia correta é fundamental para o Brasil.

Os EUA são hoje o maior parceiro comercial do Brasil, responsáveis por 46,8% da compra de serviços e aplicações tecnológicas. Uma possível solução seria as adoções de cláusulas padrão mínimas, que nos permitam continuar operando com os EUA e, ao mesmo tempo, abrir as portas do mercado europeu.

Defender a manutenção do livre fluxo de dados significa seguir no caminho do desenvolvimento sustentável global, baseado na economia de serviços, geradora de riqueza e prosperidade para os povos. Nesse contexto, o estímulo de boas práticas para a proteção de dados pessoais, transparência e segurança, deve ser objeto de esforços multilaterais ou pluriregionais.

A ABES começou a iniciativa Brasil Pais Digital justamente para discutir esse e outros assuntos de interesse da economia digital, à qual aderiram muitas entidades da sociedade civil e que explica, em termos não técnicos, para a população em geral, os grandes dilemas tecnológicos pelo qual passamos: www.BrasilPaisDigital.com.br

Francisco Camargo, Presidente da ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software. Engenheiro de Produção pela Escola Politécnica da USP, especialização pela Harvard University. Fundador do Grupo CLM, Distribuidor latino-americano focado em Segurança da Informação, Infraestrutura Avançada e Analytics.

Tags, , , ,

Senior Solution levanta R$ 23,4 milhões em financiamento do BNDES

A Senior Solution (B3: SNSL3), líder em desenvolvimento de softwares para o setor financeiro no Brasil, anuncia que o Conselho de Administração aprovou a obtenção de um novo financiamento perante o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, no valor de R$ 23,4 milhões. O banco é um importante parceiro financeiro há 15 anos, e apoiou diversos projetos estratégicos nesse período.

Segundo Thiago Rocha, Diretor de Relações com Investidores, os recursos serão utilizados para acelerar o crescimento orgânico da empresa. A maioria dos dispêndios serão voltados à linha de pesquisa e desenvolvimento. “Desde o IPO realizamos quatro aquisições. Vamos acelerar a evolução de alguns produtos e integrar as soluções que adicionamos com essas aquisições. Estamos construindo uma suite imbatível para o setor financeiro brasileiro”, afirma o executivo.

Além disso, uma parcela dos dispêndios será destinada à comercialização das soluções. Para Rocha, a aquisição da attps abriu inúmeras oportunidades de cross sell nos segmentos de bancos e fundações, algumas das quais já se concretizaram. “Acreditamos nesse modelo de crescimento, porque nossos clientes preferem as soluções one-stop-shop. Os dispêndios também nos ajudarão a intensificar a abordagem comercial”, complementa.

O financiamento possui carência de 30 meses, prazo de amortização de 48 meses e custo correspondente à TJLP + 2,0% a.a, condições atrativas em comparação com as linhas bancárias comerciais. “A futura liberação dos recursos nos ajudará a recompor o saldo de caixa, reduzido em novembro de 2016 com a aquisição da attps. Indiretamente, isso amplia a folga financeira necessária para retomarmos as aquisições”, conclui.

Tags, ,

Canon lança impressora na Escolar Office Brasil 2017

ea30d81d-90a9-4c30-bcd6-17f736a897f9

A Canon do Brasil, líder mundial em soluções de imagem digital, prepara diversas novidades para mostrar na feira Escolar Office Brasil 2017, que acontece de 23 a 26 de julho, no Expo Center Norte.

A maior delas é o lançamento da impressora imagePRESS C850/ 750, ideal para impressão de apostilas e provas, devido à alta velocidade de funcionamento e a possibilidade de realização de cópias sob demanda, sejam coloridas ou em preto e branco. A nova iPR C850/ 750 oferece sistema de impressão seguro com senha de acesso, restrição de impressão, possibilidade de edição em arquivos antes de serem impressos, gerenciamento remoto, tudo isso visando a segurança dos documentos e rapidez na operação.

A imagePRESS C850/ 750 também possui toner superfino ideal para acabamento com laminação, tem capacidade para imprimir folhas até 33x76cm e com 300g/m², além de possuir vários tipos de calibração e densitômetro interno para garantir estabilidade de cor da primeira até a última impressão.

A gigante em fotografia ainda apresentará a imageRUNNER ADVANCE 500iF, indicada para escritórios. Essa é uma multifuncional A4 monocromática que oferece digitalização e impressão rápidas, fax e cópia padrão. Por possuir estrutura compacta e ser compatível com diversas soluções de gestão e controle, a iR ADV 500iF se torna o equipamento ideal para pequenos escritórios ou ambiente escolar.

A Canon também mostrará o seu portfólio de soluções tecnológicas que incluem softwares de contabilização e controle de custos, impressão móvel, gerenciamento e controle eletrônico de documentos, correção de provas, além de segurança da informação. Estas soluções serão demonstradas em conjunto com os equipamentos multifuncionais e scanners, que farão parte dos produtos expostos na feira. Ainda haverá a demonstração do Projetor Interativo Canon LV-WX300USTi. A Canon também levará o scanner imageFORMULA DR-C225 e as impressoras Canon MAXIFY MB5110, que é indicada para pequenos escritórios e a Maxx Tinta G3100, compacta e com os tanques de tintas recarregáveis acoplados à frente do equipamento. Outras vantagens das impressoras Maxx Tinta são: impressões sem borda, necessidade mínima de manutenção, maior produtividade e sistema hibrido de impressão.

As câmeras da linha EOS, a Rebel T6i e T6 também estarão à disposição do público.

De acordo com a supervisora de Marketing da Canon do Brasil, Grace Kelly, o setor está em constante crescimento e a Canon pode contribuir oferecendo o que há de melhor no mercado. “Nosso leque de soluções contemplam desde equipamentos de hardware como produtos com software de ponta, desenvolvidos especialmente para atender as diversas necessidades das instituições de ensino ou gráficas especializadas no segmento”, explica.

“Vamos mostrar nossos investimentos feitos para melhorar o dia a dia desses profissionais que contribuem com a educação em nosso país”, termina Grace Kelly.

O estande da Canon ficará na rua: A/B/7

Escolar Office Brasil 2017

Quando: 23 a 26 de julho
Onde: Expo Center Norte
Estande da Canon: A/B/7
Mais informações: http://www.escolarofficebrasil.com.br

Tags, , , ,

Simpress: Mercado de impressão a laser no Brasil é liderado pela Samsung

unnamed (96)

De acordo com o Brazil Quarterly Hardcopy Peripherals Tracker 1Q 2017, estudo publicado pela IDC (International Data Corporation) no primeiro trimestre de 2017, a Samsung é líder nesse período, representando 41,2% do mercado laser. A Samsung também foi líder representando 35,7% do mercado com equipamentos laser de até 30 páginas por minuto, os quais a Simpress classifica como segmento SOHO (B2C) e no segmento Corporativo com impressoras e multifuncionais que operam em velocidade de 31 a 69 páginas por minuto, representando 45,4% do mercado. Além disso 4 modelos Samsung estiveram entre os 10 mais vendidos no ano de 2016.

Ainda segundo a IDC, o mercado é analisado e dividido em categorias tais como: velocidade, formato de papel, impressão colorida ou preto e branco e; a partir dessa base são inclusas outras subcategorias. Porém, o que define a liderança nesse estudo é o número de equipamentos expedidos por cada quartil do ano por categoria principal. A Samsung em 2017 está na posição #1 durante o primeiro quartis do ano segundo a IDC.

De acordo com Vittorio Danesi, CEO da Simpress – subsidiaria da Samsung, a companhia mantem seu compromisso com o mercado Brasileiro, clientes e parceiros de fornecer informações corretas e amparadas aos dados oficiais do IDC. “Lembro que a missão da Simpress é tornar a vida do cliente mais fácil, respeitando seus princípios e valores organizacionais”, conclui Vittorio Danesi.

Tags, , , ,

Silicone com chip é revolução na cirurgia de prótese de mama

Há 55 anos foi realizada a primeira cirurgia mamária de aumento relacionada à estética, nos Estados Unidos. Desde então, o número de cirurgias para colocar silicone só cresceu. Segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps), divulgados no segundo semestre de 2016, no ano de 2015 foram realizadas mais de 2.577.810 cirurgias no mundo. Já no Brasil foram cerca de 358.655 mil intervenções cirúrgicas relacionadas à estética com objetivo de aumentar, suspender, corrigir a flacidez ou diminuir os seios.

“O Brasil avançou bastante em relação aos outros países, não apenas no aprimoramento técnico por parte dos cirurgiões mais na assimilação de tecnologias de ponta. Atualmente, contamos com duas grandes novidades no setor de cirurgia plástica, são elas: o Silicone com microchip e o Scanner 3D. Ambas têm finalidades diferentes, mas estão inseridas no contexto da plástica mamária”, explica o cirurgião plástico responsável pelo Centro de Referência em Cirurgia Mamária do Hospital Moriah, Dr. Alexandre Mendonça Munhoz (CRM 81.555).

O Silicone com chip é um implante inteligente, o microchip armazena informações como número de série da prótese, tamanho, volume e data de colocação na paciente. Esta inserido no conceito de segurança presente na maioria dos hospitais acreditados que é a segurança, identificação e rastreabilidade dos implantes/órteses. Isso evita problemas futuros como, por exemplo, a troca da prótese.

“As mulheres ficam anos com uma prótese, e os modelos mais modernos pode chegar a quase duas décadas. No momento da troca ela não se lembra de informações básicas para o cirurgião fazer o correto planejamento, ou as mesmas foram extraviadas, como volume, marca, tamanho. O microchip serve para esses casos que se perdem em nossa memória com o tempo, pois o chip agrupa e guarda esses dados, dentro da prótese, e acessíveis por meio de um leito externo a qualquer momento.”, completa Prof. Munhoz.

O Chip, com 4 mm, conta com um armazenamento com longa duração, fica localizado dentro da prótese e permite a rastreabilidade de muitas referências. Após a cirurgia, esses dados são acessados por meio de radiofrequência, com um leitor externo. “Essa prótese é a primeira do mundo com revestimento construído por meio da nanotecnologia. Estudos relacionados a ela demonstram maior durabilidade, resultados melhores a longo prazo, redução nos níveis de contratura muscular, entre outros benefícios”, detalha o cirurgião.

O Dr. Alexandre Munhoz também adianta que há pesquisas em andamento com microchips que fornecem informações como temperatura, pressão interna do implante e alterações químicas referentes ao silicone.

Tags, , , , ,

Ciberataque extremo pode custar USD 53 bilhões, aponta pesquisa Lloyd’s

Um ciberataque de grandes proporções pode causar perdas financeiras de até USD 53 bilhões, de acordo com o cenário descrito em pesquisa recente do Lloyd’s, mercado mundial de seguros e resseguros especializado, e a Cyence, empresa líder em modelagem analítica de riscos cibernéticos.

A pesquisa revela o potencial impacto econômico de dois cenários: um hack malicioso que derruba um provedor de serviços de nuvem com perdas estimadas em até USD 53 bilhões, e uma falha de um sistema operacional crítico administrado por empresas em todo o mundo, podendo gerar perdas de USD 28,7 bilhões.

Os resultados também revelam que, apesar da demanda por seguros contra riscos cibernéticos seguir em crescimento, a maioria dessas perdas não está segurada, o que deixa um déficit de bilhões de dólares em seguros.

Inga Beale, CEO do Lloyd’s, afirma: “Esse relatório nos dá uma noção real do tamanho do estrago que um ataque cibernético poderia causar à economia global”. Assim como alguns dos piores desastres naturais, esses eventos podem causar um impacto grave em empresas e economias, desencadeando inúmeras solicitações de acionamento do seguro e aumentando drasticamente os custos do serviço. As seguradoras precisam considerar essa forma de cobertura contra riscos cibernéticos e assegurar que os cálculos dos prêmios estejam em sintonia com a realidade da ameaça no ambiente digital.

“Incluímos esses cenários para ajudar as seguradoras a obterem um melhor entendimento sobre a sua exposição ao risco cibernético, para que possam melhorar a gestão da exposição de seu portfólio e a precificação do risco, estabelecer limites adequados e expandir seus serviços, com confiança, para essa que é uma classe inovadora e de rápido crescimento”, completa a executiva.

No cenário de interrupção dos serviços de nuvem considerados no relatório, a média das perdas econômicas varia de USD 4,6 bilhões, para um evento grande, até USD 53 bilhões, para um evento de proporções extremas. Essa é a média do cenário, uma vez que devido à incerteza com relação às perdas cibernéticas agregadas, esse valor pode subir até USD 121 bilhões, ou cair para USD 15 bilhões. Enquanto isso, as perdas médias seguradas variam de USD 620 milhões, para uma perda grande, até USD 8,1 bilhões, para perda extrema.

No cenário de vulnerabilidade dos softwares de massa, as perdas médias variam de USD 9,7 bilhões, para um grande evento, até USD 28,7 bilhões, para um evento extremo. As perdas médias seguradas variam de USD 762 milhões até USD 2,1 bilhões.

Já o gap sem cobertura dos serviços de nuvem pode chegar a USD 45 bilhões – ou seja, menos de um quinto (17%) das perdas econômicas realmente possuem cobertura. A defasagem segurada por um valor inferior pode chegar a USD 26 bilhões para o cenário de vulnerabilidade em massa – o que significa que apenas 7% das perdas econômicas estão cobertas.

Trevor Maynard, responsável pela área de Inovação do Lloyd’s, disse que “as conclusões desse relatório sugerem que perdas econômicas relacionadas a ataques cibernéticos podem ser, potencialmente, tão grandes quanto aquelas causadas por grandes furacões. As seguradoras podem beneficiar-se ao pensar sobre cobertura para ataques cibernéticos nesses termos, e adquirir subsídios específicos para considerar catástrofes cibernéticas Para isso, a coleta e a qualidade dos dados são muito importantes, principalmente quando o risco cibernético está em constante mudança”.

O Lloyd’s trabalhou com a Cyence, coletando dados em nível de internet para fazer a modelagem do risco cibernético e avaliar o impacto financeiro, econômico e no setor de seguros desses cenários.

Para Arvind Parthasarathi, CEO da Cyence, “a Cyence está muito feliz de trabalhar com o Lloyd’s na capacitação do setor de seguros para entender e modelar o risco cibernético. Aproveitando a exclusiva plataforma de risco cibernético da Cyence, estamos animados para ver as seguradoras oferecendo mais capacidade, trazendo produtos inovadores, com maior confiança e criando um mercado de seguros mais sólido e sustentável.”

Nota aos editores:

O relatório está disponível aqui.

Aumentam as consequências econômicas e aquelas relacionadas ao seguro para crimes cibernéticos. Em 2016, estimou-se que os ciberataques possuíam um custo estimado para as empresas de até USD 450 bilhões por ano (Graham, 2017).

Hoje, a equipe do Lloyd’s Class of Business estima que o mercado cibernético global vale algo entre USD 3 bilhões e USD 3,5 bilhões (Stanley, 2017); até 2020, alguns analistas estimam que esse valor pode chegar a USD 7,5 bilhões (PwC, 2015).

O relatório descreveu dois cenários:

· Cenário 1: “Hack malicioso” de um provedor de serviços de nuvem. Um grupo sofisticado de “hackers” prepara-se para interromper provedores de serviços de nuvem e seus clientes, para chamar atenção para os impactos ambientais do negócio e da economia moderna. O grupo faz uma modificação maliciosa num “hipervisor”, que controla a infraestrutura da nuvem. Isso provoca falha em muitos servidores de clientes com base em nuvens, levando a uma interrupção generalizada do negócio e dos serviços;

· Cenário 2: Ataque de vulnerabilidade em massa. Um analista virtual esquece a bolsa acidentalmente no trem, com a cópia de um relatório sobre vulnerabilidade, que afeta todas as versões de um sistema operacional executado por 45% do mercado global. Esse relatório é negociado no mercado negro virtual e comprado por um número indeterminado de criminosos virtuais, que desenvolvem exploits de sistemas e começam a atacar empresas vulneráveis para obter ganho financeiro.

Estes números representam os valores médios de um ano de perdas para eventos graves simulados, de proporções grandes e extremas, e consideram todas as expectativas de despesas diretas relacionadas com os eventos. Impactos como danos materiais, lesões corporais, assim como perdas indiretas – como a perda de clientes e o dano à reputação – não são considerados.

Perdas econômicas podem ser muito maiores ou menores que a média indicada nos cenários, devido à incerteza com relação à concentração de riscos cibernéticos. Por exemplo, enquanto perdas médias no cenário de interrupção dos serviços de nuvem são de USD 53 bilhões para um evento de proporções extremas, esse valor pode subir até USD 121 bilhões ou cair para USD 15 bilhões, dependendo de fatores como: as diferentes organizações envolvidas e a duração da interrupção dos serviços.

O desafio da personalização e capitalização do risco cibernético é a falta de dados de fontes de informação oficial. Informações de anos anteriores sobre seguros acionados e dados de sinistros normalmente não são confiáveis, devido à natureza volátil e variável do risco. E ao contrário de perigos físicos, o risco cibernético possui concentração de acúmulos, com o uso crescente de redes e tecnologia.

Tags

SPC Brasil lança plataforma gratuita de emissão de nota fiscal eletrônica

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) acaba de lançar no mercado uma plataforma tecnológica que ajuda os empresários a evitar problemas com o fisco. Trata-se do SPC NFe, uma rede social corporativa desenvolvida em parceria com a empresa Gosocket, que otimiza, de forma gratuita, os processos de controle de notas fiscais eletrônicas, como emissão e manifesto do destinatário (MDe). Outra funcionalidade da plataforma é o armazenamento dos arquivos das NFe em um sistema seguro e disponível 24 horas por dia para consultas, inclusive com a possibilidade de importação do histórico de dados. Neste último caso, a funcionalidade é gratuita nos seis primeiros meses de uso.

Embora a emissão de notas fiscais eletrônicas seja uma realidade para grande parte do empresariado – segundo a consultoria Billentis neste ano serão mais de 15 bilhões de NFe emitidas apenas na América Latina, região em que o Brasil assume a liderança – muitos empresários não sabem que é obrigatório por lei armazenar esses documentos em formato XML por pelo menos cinco anos, contando ainda o ano corrente da transação. “É imprescindível manter os arquivos organizados para que sejam facilmente encontrados, caso a Secretaria da Fazenda ou os fiscais da Receita Federal queiram fazer uma vistoria no estabelecimento”, afirma o superintendente de Novos Negócios do SPC Brasil, Magno Lima.

Se o arquivo requerido pela Receita Federal – tanto de compra, venda ou serviços não estiver devidamente armazenado no formato XML, o fisco pode aplicar multas. Some-se a esse problema o cruzamento de dados que a Receita Federal costuma fazer nas transações entre empresas. Ou seja, se surgir alguma disparidade nas informações declaradas, é provável que ele procure tanto o fornecedor como o cliente e quem não tiver essas notas armazenadas, provavelmente sofrerá sanções financeiras.

“Alguns empresários acreditam que é papel do contador fazer o armazenamento desses documentos, mas não há obrigação legal alguma do contador para esse tipo de tarefa, recaindo qualquer responsabilidade pela não disponibilidade dos documentos ao empresário”, alerta Magno Lima.

Para Mario Fernández, sócio-diretor da Gosocket, a plataforma trará benefícios operacionais em serviços financeiros para os associados da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), principalmente após a decisão da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo em descontinuar com a plataforma gratuita SEFAZ. “O mercado brasileiro de Nota Fiscal Eletrônica é muito maduro, uma vez que é um sistema obrigatório há vários anos no país, mas muitas empresas têm dificuldades no processo de emissão e armazenamento. A parceria entre a Gosocket e o SPC Brasil atingirá um número significativo de lojistas com serviços facilitadores como emissão de NFe gratuita para pequenas empresas e recepção das NFe”, explica.

Além de otimizar os processos de controle das notas fiscais, no futuro, o SPC NFe também disponibilizará outros recursos como integração eletrônica de Dados (EDI), ordem de pagamento eletrônica (EPO), antecipação de recebíveis soluções de pagamentos eletrônicos e marketplace. Para adquirir a nova solução o empresário interessado deve associar-se ao SPC Brasil.

Tags, , ,

Vale da Eletrônica recebe empresas mais inovadoras do mundo para festival de inovação

178a590d-7600-43a5-bf68-1f0b5ade55b2

IBM e Google, We Work e Uber, Tomorrowland e NellyRodi. Apesar da atuação em diferentes áreas, todas as empresas citadas estão entre as mais inovadoras do mundo em seus segmentos. São exemplos a serem seguidos. Por isso mesmo, todas elas terão representantes na programação do Hack Town 2017 (www.hacktown.com.br), um dos eventos mais disruptivos do país. O Hack Town acontece no feriado prolongado de 07 a 10 de setembro em Santa Rita do Sapucaí (MG), cidade de 40 mil habitantes próxima à capital paulista, também conhecida como Vale da Eletrônica pela quantidade de escolas e startups de tecnologia.

Em sua terceira edição, o Hack Town reúne o que há de mais inovador no campo da tecnologia, do empreendedorismo e das artes. Além de empresas altamente reconhecidas pela sua capacidade de inovação, outro atrativo do evento é a presença de projetos independentes, ainda desconhecidos pela maioria, mas altamente disruptivos. A programação inclui palestras e workshops de protagonistas em temas como empreendedorismo, tecnologia, sustentabilidade, mercado musical, inovação, marketing, educação, games, cidades, entre outros.

Entre os mais de 100 palestrantes já anunciados, de um total de mais de 200, estão nomes como Henrique von Atzingen, líder do Thinklab, área de inovação e pesquisa da IBM; Sérgio Gama, especialista em desenvolvimento, computação cognitiva e internet das coisas também na IBM; Bruno Delfino, gerente de marketing no Google; Nataly Bonato, community manager na WeWork; Luciano Freitas, gerente de marketing na Uber, Mauricio Soares, diretor de marketing da Plusnetwork, produtora responsável pelo Tomorrowland Brasil; e Evilásio Miranda, diretor para América Latina do bureau de tendências francês NellyRodi. Profissionais de empresas e projetos nacionais inspiradores e independentes, como We Fab, Hybrid Colab, INATEL, Around The World in 80 Music Videos, Handmade, Mutato, Blockchain Academy, Foxbit, C.E.S.A.R., AI News e Balaclava Records também fazem parte da longa lista de palestrantes.

O formato do Hack Town, inspirado pelo SXSW, evento de inovação que ocorre em Austin, nos Estados Unidos, também chama a atenção. As palestras e workshops acontecem simultaneamente em locais intimistas como bares, restaurantes e salas de aula, e os participantes montam sua grade com aquilo que querer ver. “Entre uma palestra e outra, conhecidos e desconhecidos caminham juntos para o local da próxima atividade escolhida, percorrendo distâncias curtas a pé, e o networking flui naturalmente”, conta João Rubens Costa, um dos organizadores do Hack Town. “A inovação em contraste ao charme da cidade pequena, com elementos típicos do interior de Minas Gerais, fazem do Hack Town uma experiência única”, completa.

Para Ralph Peticov, também organizador do Hack Town, o público, que vem de todo Brasil, principalmente pela proximidade com São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, aproveita as palestras ao máximo, mas também acaba optando por alugar um sítio ou uma casa para se hospedar, fazer churrasco e até mesmo festas com velhos e novos conhecidos. “A busca de quem vem ao Hack Town é por unir uma imersão na vida de cidade pequena, fora das capitais, enquanto tem contato com assuntos altamente inovadores e com as principais mentes criativas do país”, conclui.

O Hack Town acontece de 07 a 10 de setembro de 2017 em Santa Rita do Sapucaí (MG). Os ingressos promocionais e a programação parcial estão disponíveis no site oficial (www.hacktown.com.br).

Tags, , , , ,

Unify lança o OpenScape Cloud para fortalecer o Digital Workplace

A Unify, empresa de software e serviços de comunicação do Grupo Atos, apresentou hoje o OpenScape Cloud, uma nova oferta de comunicação e colaboração baseada em nuvem para os ambientes de trabalho digitais. O OpenScape Cloud é uma solução altamente flexível e personalizada que possibilita colaborações mais efetivas e maior produtividade.

O OpenScape Cloud chega para responder às necessidades crescentes das empresas por comunicação de voz de nível profissional, combinada a ferramentas de colaboração inovadoras, tudo disponível em nuvem pública ou privada, como requerido pelo cliente.

Nos últimos anos, a maneira como trabalhamos mudou profundamente ao incorporar plataformas de colaboração imersivas que possibilitam interações mais abertas e produtivas, facilitam uma maior mobilidade e melhoram o acesso a dados críticos. Ao mesmo tempo, as empresas estão buscando cada vez mais soluções baseadas em nuvem que oferecem maior flexibilidade, soluções personalizadas e economia de custos.

“O mercado está se movendo rapidamente para a nuvem e exigindo ferramentas de comunicação personalizáveis e inovadoras que vão além da voz tradicional ou UC, para oferecer uma colaboração verdadeira para a força de trabalho móvel e distribuída de hoje”, comenta Elka Popova, vice-presidente de Transformação Digital da consultoria Frost & Sullivan. “A oferta do OpenScape Cloud da Unify oferece a combinação certa de recursos de voz e colaboração de que os usuários precisam, juntamente com as opções de implantação flexíveis que os CIOs exigem”, acrescenta.

Circuit e OpenScape Voice

O OpenScape Cloud da Unify reúne suas duas soluções líderes do setor: o Circuit, plataforma da Unify para colaboração em equipe, e o OpenScape Voice, para comunicação de voz de nível empresarial.

As soluções estão bem integradas e disponíveis por meio da nuvem, capacitando empresas de todos os tamanhos a darem o próximo passo em sua jornada digital. O OpenScape Cloud proporciona uma experiência de usuário de alta qualidade com voz e colaboração imersiva em um único aplicativo, em qualquer dispositivo, bem como uma solução escalável que oferece opções flexíveis de implantação.

“A mudança para a nuvem é uma grande tendência de mercado e nossos clientes e parceiros estão à procura de mais opções e de ofertas mais fortes do que as disponíveis hoje”, observa Luiz Domingos, head da Product House da Unify. “O OpenScape Cloud da Unify oferece funcionalidades superiores e a flexibilidade de implementação em nuvem pública ou privada, de modo que a Unify e nossos parceiros podem oferecer aos clientes opções de implantação e flexibilidade para migrar de acordo com o seu ritmo.”

Tags,

Ultrassom portátil sem fio chega ao mercado brasileiro

16b3a4b5-9d6d-4526-a750-63a1de96160f Você já imaginou poder carregar um ultrassom no bolso? Graças a uma nova tecnologia, isso não só é possível como já existe no mercado brasileiro. O Mobissom é um transdutor portátil cuja bateria possui duração de até três horas em uso constante. O dispositivo possui conexão sem fio própria, não precisa de rede Wi-fi e funciona com o sistema operacional iOS em smartphones e tablets.

A principal facilidade do aparelho é poder realizar exames em qualquer lugar, sem a necessidade de um equipamento grande que precise estar conectado a alguma tomada. “Por ser o primeiro ultrassom portátil do mercado, o Mobissom tem como objetivo a agilidade e o fácil manuseio no cuidado aos pacientes”, ressalta Guto Lopes, gerente operacional e comercial da Mobissom.

Os transdutores conectam-se em smartphones e tablets através de uma conexão interna para o WiFi, então não requer nenhum tipo de conexão com internet. O produto vem acompanhado de um software com download e atualizações disponíveis gratuitamente na App Store e Play Store.

O M1 é um transdutor convexo com frequência de 3.5 MHZ que atinge uma profundidade de 90 – 200 mm, ideal para exame abdominal completo, exame obstétrico básico, punções, entre outras aplicações. Já o M2 é um transdutor linear com frequência de 7.5 MHZ que atinge uma profundidade de 40 – 100 mm, indicado para acessos e bloqueios guiados, tireoide, músculo esquelético, entre outros exames.

O ultrassom portátil possui registro da Anvisa e certificações do Inmetro e Anatel, além de fornecer um ano de garantia e assistência técnica no Brasil. “Acreditamos que esses dispositivos trarão inovação no atendimento aos pacientes”, finaliza Lopes.

Tags, , , , ,

Mais de 80% dos colaboradores da multinacional Sage praticam ações voluntárias

De cada dez brasileiros, três já realizaram alguma ação voluntária na vida, segundo pesquisa do Datafolha. Inseridos nessa estatística, estão os mais de mil funcionários da Sage Brasil, que, por meio de um modelo pioneiro de filantropia corporativa, adotaram o costume genuíno de ajudar o próximo.

Presente em 23 países e líder mundial em software de gestão para pequenas e médias empresas, a britânica Sage trouxe ao país desde outubro de 2015 a instituição Sage Foundation, com o modelo de filantropia “2 + 2 + 2”.

O modelo que vem transformando a vida dos funcionários da Sage no Brasil e das comunidades por onde a empresa atua, baseia-se em disponibilizar 5 dias úteis por ano para os funcionários praticarem o voluntariado, o que significa 2% do tempo de trabalho, além de disponibilizar 2% de seu caixa e conceder duas licenças de produtos às instituições beneficiadas, organizações não-governamentais e iniciativas sociais. Concluindo, portanto, o “2 + 2 + 2” – tempo, recursos e tecnologia por um futuro sustentável.

Desde doação coletiva de sangue até aulas de administração de empresas para entidades carentes, passando por reformas em comunidades e ações com jovens e idosos, a Sage Foundation já apoiou mais de 100 instituições e conquistou mais de 23 mil horas de voluntariado. “O trabalho voluntário que faço em um orfanato é gratificante! Tem um papel importante no resgate de uma forma de ajudar as pessoas. São cidadãos que, lá na frente, reconhecerão a ajuda recebida. Isso não tem preço, tanto para quem pratica quanto para quem recebe”, conta o funcionário Alex Cervino de 34 anos.

Os colaboradores da Sage engajam com uma programação frequente de ações nas regiões de Porto Alegre, Curitiba, Americana (SP), São Paulo, Rio de Janeiro e Recife, e sempre com histórias emocionantes a serem contadas. Nesta sexta-feira (14), por exemplo, em comemoração ao Dia da Caridade, alguns colaboradores, em parceria com a instituição Habitat for Humanity, reformarão casas na comunidade de Heliópolis, em São Paulo.

“No início, implantar o trabalho voluntário no Brasil foi um desafio. Grande parte dos nossos colaboradores não estava acostumada a realizar atividades de voluntariado e não se sentia confortável em sair do trabalho para realizar qualquer ação fora dali” conta Jorge Santos Carneiro, Presidente da Sage Brasil e América Latina, que afirma que hoje em dia a prática do voluntariado estendeu-se para além do ambiente corporativo. “Muitos colaboradores passaram a atuar nas entidades também durante fins de semana e envolveram suas famílias. Agora, posso afirmar que a prática de voluntariado se tornou um processo endêmico na Sage Brasil”, ressalta Jorge

Promover sustentabilidade social, econômica e oportunidades de empreendedorismo nas comunidades onde atua são princípios que norteiam a atuação da Sage, tanto em nível global quanto nacional.

Tags, , , , , , , ,

É preciso enxergar o futuro da experiência do cliente – Por Guilherme Porto

Trabalhar com a experiência do cliente hoje não se resume mais a atender bem, realizar uma venda ou responder às dúvidas com relação a determinado produto ou serviço. É preciso interagir e conhecer todo o histórico do cliente e aproveitar todos os dados captados para o planejamento de estratégias futuras. Mas como fazer isso? A análise preditiva pode ser uma das soluções.

É possível usar esse tipo de análise para resolver problemas que antes não eram percebidos. Ela ajuda a descobrir hábitos do passado que podem sinalizar o que está por vir e, com isso, identificar oportunidades de negócio ou até mesmo uma provável crise. A análise preditiva, que pode ser realizada por meio de ferramentas avançadas aplicadas em toda a base de interação com o cliente, será capaz de apontar padrões ocultos que o especialista humano não identifica, resultado de matemática aplicada. Ou seja, ela transforma dados comuns em informações analíticas para a tomada de decisão ou estratégia.

Se antes especialistas atuavam com base no histórico do cliente e usavam as informações coletadas somente no SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) para influenciar as operações, hoje contamos com a tecnologia para nos auxiliar na previsão de tendências e em como aprimorar a experiência do cliente nos mais diversos canais. Tudo isso tendo em vista a quantidade de dados que podemos extrair e que nem sempre temos como analisar e entender.

No modelo preditivo, várias funções matemáticas serão capazes de aprender e mapear tendências, tendo um conjunto de variáveis de entrada de dados e um objetivo como resultado desejado. Com este “treinamento” supervisionado a ferramenta otimizará o modelo, tornando possível extrair nomes de clientes que irão apresentar um comportamento que indique uma crise, uma possibilidade de churn (métrica para avaliar retenção de clientes e projetar crescimento) ou a receptividade para um cross selling (venda de produtos adicionais) ou up-selling (venda de produto superior e de maior valor).

Com essas informações conseguimos prever tendências como a necessidade de mudanças em produtos e serviços citados ou não nas redes sociais ou uma crise gerada por comentários negativos que podem tomar proporções que comprometam a marca ou o produto. Com a enorme quantidade de dados existentes que os clientes oferecem, cada vez mais será possível extrair a relevância das informações e definir estratégias de retenção, vendas e de necessidades de produtos e serviços.

Guilherme Porto, CEO da Plusoft

Tags, , ,

App permite solicitar orçamento e comprar medicamentos e cosmeticos manipulados

O mercado de Farmácias de Manipulação, em ascensão no Brasil, movimenta cerca de R$ 5 bilhões por ano e conta com mais de 7.200 estabelecimentos, segundo dados Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag), se destacando pelo “feito sob medida” e também pelo preço.

De olho no movimento do setor e, para facilitar o processo de compra e venda de manipulados, o Farmácias APP, marketplace mobile que reúne redes varejistas do segmento de saúde e beleza, lança nova funcionalidade: agora, os usuários podem enviar imagem das receitas médicas via smartphone para solicitação de orçamento e compra de medicamentos ou cosméticos manipulados.

“A nova funcionalidade do aplicativo permite às farmácias de manipulação e homeopatia aumentarem o seu leque de clientes. Além disso, facilita todo o processo de gerenciamento dos pedidos recebidos”, ressalta Robson Parzianello, diretor de tecnologia do Farmácias APP.

Enquanto as farmácias de manipulação e homeopatia ganham um novo canal de vendas, os usuários passam a ter uma gama de estabelecimentos e, consequentemente, maior oferta de para cotação de preços, de maneira rápida, simples e segura. Segundo a Anfarmag, é possível economizar de 30% a 40%, dependendo de fatores como as substâncias utilizadas e a quantidade prescrita.

“Muitas farmácias de manipulação ainda trabalham com o orçamento feito pessoalmente ou pelas ferramentas de mensagens, como o whatsapp. Agora, ficou muito mais prático para o consumidor que procura um medicamento manipulado. Reunimos, em um único local, as melhores ofertas e estabelecimentos. Basta apenas enviar a foto da receita pelo aplicativo e em até 24 horas, o cliente recebe os orçamentos dos fornecedores. Nossa solução facilita, inclusive, que pessoas de cidades menores, que não tenham muitas opções em suas regiões, possam realizar suas compras de maneira fácil e segura”, destaca Parzianello.

Atualmente, o Farmácias APP conta com 3 grandes redes de farmácias, 2 redes de cosméticos, 1 loja de produtos hospitalares e odontológicos, 2 lojas de suplementos, 1 loja de produtos para cuidados infantis, 1 loja de aparelhos de cuidados pessoais e 3 farmácias de manipulação cadastradas, que entregam em diversas regiões em todo o território nacional.

Tags, , , , ,

MicroStrategy incorpora inteligência artificial a sua plataforma analítica

A MicroStrategy® Incorporated (Nasdaq: MSTR), líder mundial no fornecimento de plataformas analíticas e software de mobilidade, anunciou o lançamento da MicroStrategy 10.8. A mais nova versão de sua plataforma analítica MicroStrategy 10™, que está disponível também no Amazon Web Services (AWS), incorpora inteligência artificial, o que permite análises mais avançadas e preditivas. O sistema estatístico open source R, embora já estivesse integrado à plataforma e fosse utilizado por grande parte dos clientes da MicroStrategy, passa agora a ser empacotado e instalado juntamente com a solução analítica, facilitando o processo de aprendizagem de máquina (machine learning).

“Unindo uma série de variáveis, inseridas dentro de um contexto maior, esse tipo de sistema permite que o algoritmo seja modificado sem nenhum tipo de intervenção humana, de acordo com os dados que são recebidos. O principal diferencial é a capacidade de aprenderem sozinhos, modificarem padrões conforme novos comportamentos são identificados e adquirir um conhecimento em cima da base de dados. Desta forma, com a incorporação do source R e da inteligência artificial, o usuário consegue, por exemplo, identificar tendências, fraudes, desvios, entre outros indicadores importantes para os negócios, com muito mais rapidez e assertividade”, ressalta Tiago Sanchez, diretor de pré-vendas América Latina da MicroStrategy .

A nova plataforma MicroStrategy 10.8 também chega ao mercado com diversos aprimoramentos em suas funções de Data Discovery, novos padrões e design mais responsivo, visando maiores usabilidade e acessibilidade. A inovadora paleta de cores, desenvolvida com base em pesquisas baseadas no mundo natural, dá aos usuários mais opções para definir as cores dos dashboards, além de torná-los visualmente muito mais atrativos, sem muitos esforços. Essa paleta está disponível tanto no MicroStrategy Web como no MicroStrategy Desktop.

Outro ponto importante da nova versão e que faz total diferença diante do advento do Big Data e da crescente necessidade das empresas de acessarem inúmeras e diferentes fontes de dados, é a nova galeria de conectores personalizados. A plataforma MicroStrategy já disponibilizava APIs para a criação desses conectores. A diferença é que com a MicroStrategy 10.8, além dessa possibilidade, o usuário pode acessar o banco público de conectores de dados – criados anteriormente por outros desenvolvedores – na Comunidade MicroStrategy, fazer download, atualizar e usá-los como julgar oportuno. Atualmente, estão disponíveis diversas amostras, como para OneDrive®, Box, Weibo®, MuleSoft® e ElasticSearch®, todos facilmente acessíveis aqui.

O MicroStrategy Mobile também traz importantes aprimoramentos no que tange maior segurança, desempenho e emparelhamento tanto com sistemas operacionais Android™, como iOS®. Além disso, o Usher plataforma de segurança móvel traz como novidade o Usher Analytics™. Esses dashboards pré-formatados permitem visualizar informações de aplicações corporativas de IoT, destacando indicadores chaves. Com ele é possível criar visualizações personalizadas e responder a perguntas de negócios sobre acesso e presença de usuários.

“O lançamento da MicroStrategy 10.8 é um marco importante e vem ao encontro da nossa missão de estar em constante evolução e ao mesmo tempo manter o comprometimento com o sucesso das aplicações de nossos clientes. Novas tecnologias e funcionalidades estão sendo sempre incorporadas em nossa plataforma. A exemplo do que fizemos com a mobilidade, BI na nuvem, análises de grandes volumes de dados, Big Data, Data Discovery e self-service BI, estamos fazendo com learning machine e IOT. A ideia é que nossos clientes tirem o máximo proveito das oportunidades de negócios facilmente detectáveis com o apoio de uma plataforma corporativa unificada”, finaliza Sanchez.

Tags, ,

Saiba como prevenir lavagem de dinheiro na empresa – Por Eduardo Tardelli

Atualmente, falar sobre lavagem de dinheiro no Brasil não é algo fácil. Porém, diversas empresas nacionais e multinacionais começaram a implantar em sua rotina de compliance o processo de PLD, um sistema de prevenção à lavagem de dinheiro.

No ano de 2012, foram criadas diversas regras que têm como principal objetivo coibir essa atividade ilícita. Com a publicação desse novo código de prevenção, empresas de qualquer porte e modalidade precisaram encontrar meios de se adaptar e melhorar seus processos.

Com o avanço de tecnologias voltadas para a análise de dados, identificar e prever riscos ligados a lavagem de dinheiro dentro de empresas se tornou um processo dinâmico. Esse problema costuma deixar um grande rastro, mas engana-se quem pensa que é fácil identificar. No Brasil, por exemplo, não existem dados estatísticos que nos mostrem quais os impactos dessa ação nos setores públicos e privados, apenas ouvimos muito sobre o tema em reportagens na TV e internet.

Para conseguir ter sucesso na otimização de processos voltados para a prevenção da lavagem de dinheiro, é necessário ter em mãos a tecnologia certa. De maneira manual, é quase impossível buscar informações em diversas bases de dados, por isso, a plataforma escolhida precisa ser boa o suficiente para colhe-las de forma automatizada.

Pensando nisso, listei abaixo cinco dicas que podem ajudar nessa hora:

1) Busque informações nos diários oficiais: poder consultar em âmbito nacional todos os processos ligados a lavagem de dinheiro relacionados a uma pessoa jurídica em específico, pode contribuir para uma análise estatística relevante. Os resultados obtidos poderão te orientar em processos de due diligence e backgrounds. Dessa forma, as decisões passam a ser tomadas com bases em dados e, principalmente, fatos;

2) Analise o quadro societário das empresas: observar o quadro societário de uma empresa é extremamente importante para a tomada de decisão, pois ajuda a compreender as mudanças que ocorreram durante um determinado período. Analisar o perfil dos sócios pode dizer muito sobre o tipo de pessoa e empresa que seu negócio está lidando;

3) Consulte o histórico de participações societárias de uma pessoa física: para te dar um insight precioso, um dos pontos mais relevantes de se fazer uma análise de participações societárias é a oportunidade de identificar empresas laranjas. Como sabemos, elas geralmente são utilizadas para lavagem de dinheiro. Se você está lidando com uma pessoa que possui participação em diversas empresas desse tipo, você provavelmente estará negociando com um criminoso;

4) Verifique sempre empresas e pessoas relacionadas ao negócio: o universo que uma empresa está inserida deve ser levado em consideração. Podemos fazer uma série de questionamentos para entendermos o quão primordial o contexto de uma entidade é relevante para o processo de prevenção da lavagem de dinheiro. Quer um exemplo interessante? Quem poderia imaginar o envolvimento do grande frigorífico com o Presidente da República? Viu como analisar pessoas e empresas relacionadas é importante e que pode otimizar seu processo de PLD?;

5) Identifique pessoas que podem ser politicamente expostas: uma pessoa politicamente exposta é um outro fator importante e ter acesso a informações de campanhas políticas, como o financiador, é completamente fundamental. Em 2003, por exemplo, o governo brasileiro criou o ENCCLA (Estratégia Nacional de Combate a Corrupção e a Lavagem de Dinheiro) para regulamentar algumas obrigações ligadas ao sistema financeiro em relação a PEPs.

Por fim, para criar um processo eficiente de prevenção da lavagem de dinheiro na sua empresa é fundamental conhecer os principais canais de acesso a informação para auxiliar na tomada de decisão. Investir em uma tecnologia robusta é o primeiro passo e um diferencial, já que vemos cada vez mais as áreas de conformidade adaptarem seus processos a análises de dados e informações relevantes.

Eduardo Tardelli é CEO da upLexis, empresa especializada em tecnologias para análise e interpretação de grandes volumes de dados (big data) extraídos da internet e de outras bases de conhecimento.

Tags, ,

Simplic dá dicas para não cair na cilada do boleto falso

As compras online são cada vez mais parte da vida do brasileiro. Seja pela conveniência de poder fazer tudo do conforto de casa ou pela facilidade de comparação de preços, marcas e lojas, o fato é que o setor não para de crescer. Após fechar 2016 com R$44,4 bilhões de faturamento, a previsão é que o varejo eletrônico cresça 12% em 2017, faturando quase R$50 bilhões, segundo estimativa da Ebit.

É preciso ficar atento para não cair em ciladas na hora de comprar pela internet, especialmente no caso dos boletos bancários, segundo meio de pagamento favorito do brasileiro, atrás apenas dos cartões de crédito, e um dos principais alvos dos criminosos. De acordo com a Febraban, os golpes em boletos somaram mais de R$380 milhões em 2016.

Neste ano, novas regras de registro dos boletos devem dificultar as fraudes, mas, como as mudanças serão graduais, abordando primeiro documentos de alto valor (acima de R$50 mil), os especialistas do Simplic, primeira plataforma de crédito 100% online do Brasil, reuniram algumas orientações para ajudar o consumidor a pagar suas contas de forma segura:

Fique atento aos números do boleto

Pagar boletos tornou-se algo corriqueiro, feito sempre com pressa. Entretanto, uma leitura atenta do documento pode prevenir muitas fraudes, já que a grande maioria contém diversos erros, inclusive nos dígitos verificadores, que ficam no topo do boleto.

Uma das formas de identificar uma fraude por meio da sequência de números é ficar atento ao código da instituição bancária emissora, que aparece à direita do logo do banco e nos primeiros três dígitos da linha digitável (imagem abaixo). Caso os dois números não sejam iguais ou o código não seja o mesmo do banco emissor, o boleto foi falsificado. Por exemplo, ao gerar um documento do Santander (código 033) e notar que os primeiros dígitos são 001 (Banco do Brasil), é possível evitar maiores prejuízos.

Outra informação presente nesse código é o valor a ser pago. Os dez últimos dígitos indicam sempre o valor do documento, sem descontos. Logo, se o valor da conta for R$350,00, os últimos dígitos serão 0000035000. Se algum desses dados não bater, não pague o boleto e procure orientação da empresa fornecedora do serviço a ser pago e do banco.

Tome cuidado com a internet

Muitos brasileiros têm seus computadores infectados por vírus sem saber. De acordo com a GAS Tecnologia, 5% de todos os PCs que acessam o Internet Banking são infectados. Isso significa que mais de 2,5 milhões de computadores fizeram download de arquivos maliciosos. Um dos principais vírus é da família Banker, que altera o código de barras dos boletos como uma forma de desviar os pagamentos. Como o golpe não altera a data e o valor do documento, costuma passar desapercebido.

Para não cair nessa cilada, é crucial estar sempre com um antivírus instalado em sua máquina, além de ter navegadores e aplicativos, como o Java e Flash, atualizados. Além disso, evite gerar boletos em computadores e redes Wi-Fi públicas, uma vez que o risco de invasão e ataque de hackers nesse ambiente é sempre muito maior.

Seja sempre desconfiado

Nos últimos tempos, tem se tornado cada vez mais comum o envio de boletos falsos pelo correio. Golpes de contas de cartão crédito, e até de IPVA, já são conhecidos do brasileiro. Mas o perigo também existe com arquivos enviados por e-mail. Ao receber mensagens com anexos, links e outros dados suspeitos, faça questão de entrar em contato com o remetente da mensagem e checar se as informações recebidas são verdadeiras.

Por último, sempre mantenha cópias dos boletos pagos, sejam eles impressos ou online. No caso de ser vítima de algum golpe, os documentos serão necessários para a abertura de boletim de ocorrência.

Tags, ,