Page

Author admin

IBM Unveils World’s First Integrated Quantum Computing System for Commercial Use

At the 2019 Consumer Electronics Show (CES), IBM (NYSE: IBM) today unveiled IBM Q System One?, the world’s first integrated universal approximate quantum computing system designed for scientific and commercial use. IBM also announced plans to open its first IBM Q Quantum Computation Center for commercial clients in Poughkeepsie, New York in 2019.

IBM Q systems are designed to one day tackle problems that are currently seen as too complex and exponential in nature for classical systems to handle. Future applications of quantum computing may include finding new ways to model financial data and isolating key global risk factors to make better investments, or finding the optimal path across global systems for ultra-efficient logistics and optimizing fleet operations for deliveries.

Designed by IBM scientists, systems engineers and industrial designers, IBM Q System One has a sophisticated, modular and compact design optimized for stability, reliability and continuous commercial use. For the first time ever, IBM Q System One enables universal approximate superconducting quantum computers to operate beyond the confines of the research lab.

Much as classical computers combine multiple components into an integrated architecture optimized to work together, IBM is applying the same approach to quantum computing with the first integrated universal quantum computing system. IBM Q System One is comprised of a number of custom components that work together to serve as the most advanced cloud-based quantum computing program available, including:

Quantum hardware designed to be stable and auto-calibrated to give repeatable and predictable high-quality qubits;

Cryogenic engineering that delivers a continuous cold and isolated quantum environment;

High precision electronics in compact form factors to tightly control large numbers of qubits;

Quantum firmware to manage the system health and enable system upgrades without downtime for users; and
Classical computation to provide secure cloud access and hybrid execution of quantum algorithms.
The IBM Q Quantum Computation Center

The IBM Q Quantum Computation Center opening later this year in Poughkeepsie, New York, will expand the IBM Q Network commercial quantum computing program, which already includes systems at the Thomas J. Watson Research Center in Yorktown, New York. This new center will house some of the world’s most advanced cloud-based quantum computing systems, which will be accessible to members of the IBM Q Network, a worldwide community of leading Fortune 500 companies, startups, academic institutions, and national research labs working with IBM to advance quantum computing and explore practical applications for business and science.

IBM Poughkeepsie’s unique history in computing stretches back to the development of IBM’s first line of production business computers in the 1950s, the IBM 700 series, and the IBM System/360 in the 1960s, which revolutionized the world by changing the way businesses thought about computer hardware. Now home to one of the world’s most-powerful classical system, the IBM mainframe, IBM Poughkeepsie is positioned to be one of the few places in the world with the technical capabilities, infrastructure and expertise to run a quantum computation center, including access to high performance computing systems and a high availability data center needed to work alongside quantum computers.

“The IBM Q System One is a major step forward in the commercialization of quantum computing,” said Arvind Krishna, senior vice president of Hybrid Cloud and director of IBM Research. “This new system is critical in expanding quantum computing beyond the walls of the research lab as we work to develop practical quantum applications for business and science.”

Designing a First: IBM Q System One

IBM assembled a world-class team of industrial designers, architects, and manufacturers to work alongside IBM Research scientists and systems engineers to design IBM Q System One, including UK industrial and interior design studios Map Project Office and Universal Design Studio, and Goppion, a Milan-based manufacturer of high-end museum display cases that protect some of the world’s most precious art including the Mona Lisa at the Louvre, and the Crown Jewels at the Tower of London.

Together these collaborators designed the first quantum system to consolidate thousands of components into a glass-enclosed, air-tight environment built specifically for business use, a milestone in the evolution of commercial quantum computers.

This integrated system aims to address one of the most challenging aspects of quantum computing: continuously maintaining the quality of qubits used to perform quantum computations. Powerful yet delicate, qubits quickly lose their special quantum properties, typically within 100 microseconds (for state-of-the-art superconducting qubits), due in part to the interconnected machinery’s ambient noise of vibrations, temperature fluctuations, and electromagnetic waves. Protection from this interference is one of many reasons why quantum computers and their components require careful engineering and isolation.

The design of IBM Q System One includes a nine-foot-tall, nine-foot-wide case of half-inch thick borosilicate glass forming a sealed, airtight enclosure that opens effortlessly using “roto-translation,” a motor-driven rotation around two displaced axes engineered to simplify the system’s maintenance and upgrade process while minimizing downtime – another innovative trait that makes the IBM Q System One suited to reliable commercial use.

A series of independent aluminum and steel frames unify, but also decouple the system’s cryostat, control electronics, and exterior casing, helping to avoid potential vibration interference that leads to “phase jitter” and qubit decoherence.

A replica of IBM Q System One will be on display at CES. For more information, visit here.

This new system marks the next evolution of IBM Q, the industry’s first effort to introduce the public to programmable universal quantum computing through the cloud-based IBM Q Experience, and the commercial IBM Q Network platform for business and science applications. The free and publicly available IBM Q Experience has been continuously operating since May of 2016 and now boasts more than 100,000 users, who have run more than 6.7 million experiments and published more than 130 third-party research papers. Developers have also downloaded Qiskit, a full-stack, open-source quantum software developm ent kit, more than 140,000 times to create and run quantum computing programs. The IBM Q Network includes the recent additions of Argonne National Laboratory, CERN, ExxonMobil, Fermilab, and Lawrence Berkeley National Laboratory.

Deputado aciona justiça para questionar licitação na Celepar

O deputado estadual Márcio Pacheco questiona, na justiça do Paraná, uma contratação milionária feita,no final de 2018, pela Celepar – Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicações do Paraná.

Trata-se do pregão eletrônico 44/2018 para contratar empresa de tecnologia para controle e fiscalização de tráfego, de trânsito, velocidade de veículos e análise de dados coletados em diversos pontos do Estado do Paraná. A vencedora foi a Velsis Tecnologia por um valor anual de 50 milhões de reais por ano, podendo o contrato se estender a cinco anos, rendendo 250 milhões de reais para a parte vencedora.

Para o deputado, estranha o fato de a licitação ter sido feita de maneira muito rápida, com a participação de apenas três empresas e com um edital que não deixaria claro, para pesquisas via internet pelos interessados, por exemplo, o objeto da contratação. A concorrência também não teria sido amplamente divulgada, impedindo a participação de mais empresas.

De acordo com pedido na ação, o Edital seria nulo porque a descrição de seu objeto não traduz o serviço, de fato, licitado. E as especificações, tratam, exclusivamente, de controle de tráfego, de velocidade de veículos, de placas de carro, etc. Mas nada disso constaria na descrição do objeto.

Uma das primeiras medidas de Ratinho Junior, governador eleito do Paraná, foi rever todos os contratos firmados nos últimos meses de mandato do governo anterior. Resta saber que destino a nova administração vai dar a esse contrato milionário acertado pela Celepar no final de 2018. A conferir.

Tags, , , ,

Bitcoin deve recuperar market share em 2019, diz A.T. Kearney

Aos dez anos de vida, a criptomoeda deve protagonizar a consolidação do mercado de criptomoedas este ano; além disso, a consultoria prevê acirramento da guerra comercial entre EUA e China, epidemia mundial de ansiedade e crise do crédito nos mercados emergentes, entre outras tendências

O ano que acaba de começar deve ver os Bitcoins ressurgirem com importante valorização e amadurecimento. Esta é uma das previsões do Conselho de Políticas de Negócios Globais (GBPC – Global Business Policy Council) da A.T. Kearney, consultoria de gestão de negócios com mais de 90 anos de trajetória global, que listou as dez tendências e eventos de destaque em 2019, para os quais as empresas precisam se preparar. “São questões que terão implicações significativas no ambiente de negócios no próximo ano, inclusive para o Brasil”, assegura François Santos, sócio da consultoria A.T. Kearney.

Em 2018, todas as criptomoedas perderam muito valor, depois da bolha especulativa em 2016 e 2017 – as dez principais perderam mais de 80%de seu valor conjunto entre janeiro e setembro. A queda se deveu em boa parte a questões ligadas a segurança. O Bitcoin, que em 2016 respondia por 90% de todo o mercado de criptomoedas, viu sua representatividade cair para 33% em fevereiro deste ano.

Aos dez anos, completados em outubro de 2018, a moeda deve retomar crescimento em 2019, à medida que as altcoins, como são conhecidas as moedas alternativas ao Bitcoin, perdem a confiança dos investidores. A isso pode-se somar uma regulação menos rígida do setor.

Além do protagonismo dos bitcoins na consolidação do mercado de criptomoedas, os eventos previstos pela A.T. Kearney incluem a guerra comercial entre Estados Unidos e China, o relacionamento Xi-Putin, a epidemia global de ansiedade e a crise de crédito dos mercados emergentes.

“As empresas precisam estar preparadas para 2019, que será um ano conturbado”, afirma Santos.

Conheça as principais previsões para 2019:

Intensificação da guerra comercial EUA x China

Ao longo de 2018, o presidente norte-americano Donald Trump impôs taifas às importações da China. Pequim retaliou com a elevação de tarifas aos produtos americanos e criou um ambienta mais restritivo na China. Mais de 50% das empresas nos EUA afirmam estar enfrentando mais burocracia e inspeções pelas autoridades chinesas. Em dezembro as administrações Trump e Xi concordaram com uma trégua temporária, mas que seguramente retomará forças em 2019. Como resultado, as empresas precisam repensar suas estruturas de suprimentos.

Inovações trazidas para amenizar a crise do lixo

Tornou-se impossível ignorar a dificuldade de lidar com o desperdício em 2018. Tanto é que, ao longo do ano, a China e outros países asiáticos impuseram limites à importação de plásticos. Apesar dos esforços, essas proibições ainda são muito pouco para resolver o desafio representado por esse material, bem como os problemas trazidos pelo imenso volume de lixo produzido em todo o mundo. Segundo o Banco Mundial, a produção global de lixo crescerá 70% entre 2016 e 2050. O desperdício de comida representará a maior parcela desse lixo, mas o crescimento do e-commerce tem gerado um aumento exponencial no descarte de papelão e outros materiais utilizados para empacotar mercadorias. Nos países emergentes, cerca de 90% do lixo é descartado ilegalmente ou queimado. O mundo está reconhecendo essa crise e vem promovendo esforços para criar a economia circular, capaz de reduzir, reutilizar e reciclar o lixo de maneira mais eficiente.

Em 2019, devemos ver uma aceleração das iniciativas de inovação para processos de gerenciamento do lixo em todo o mundo.

Regulamentações para o enxofre impactando a indústria do transporte marítimo

A Organização Marítima Internacional (IMO) trabalha em novas regulamentações ligadas ao enxofre que terão implicações significativas sobre a indústria de transporte marítimo – e em 90% do comércio global que depende dele. A partir de janeiro de 2020, por exemplo, entra em vigor uma regulamentação que proíbe o funcionamento de navios que utilizem combustível com 0,5% de enxofre ou mais em sua composição. Os navios podem fazer adaptações para reduzir emissões, mas devido ao alto custo (entre US$ 1 milhão e US$ 10 milhões por navio), atualmente menos de 3% da frota global já realizou esse investimento.

Esse cenário deve levar a um ambiente de transição em 2019, que pode trazer impactos para além da indústria de transporte marítimo. A cada dia que passa, os valores do combustível ganham volatilidade nas refinarias. As empresas de transporte já começam a alertar para a potencial falta de combustível e os gastos adicionais com combustível estimados em US$ 60 bilhões até 2020.

Epidemia global de ansiedade levará a um mercado de novos produtos

Mais de 300 mil pessoas – cerca de 5% da população mundial – sofrem de depressão ou ansiedade, custando cerca de US$ 1 trilhão à economia mundial. Segundo o Gallup 2018 Global Emotions Report, que ouve pessoas de 146 países, o nível de felicidade está em seu nível mais baixo desde que a pesquisa foi criada, em 2006. Para aliviar os efeitos desse cenário, as pessoas estão buscando soluções além de medicamentos. Em 2019, veremos uma proliferação de novos produtos destinados a combater a ansiedade e depressão nas prateleiras, movimentando um mercado multibilionário.

Crise de crédito nos mercados emergentes

Alguns mercados emergentes, como Argentina, Brasil, Paquistão, África do Sul e Rússia passaram por um sério estresse econômico e financeiro como resultado de dívidas externas e desvalorização cambial. O Fundo Monetário Internacional (FMI) tomou medidas importantes, mas a volatilidade deve continuar em 2019.

Outras previsões incluem da A.T. Kearney incluem:

• Escassez de areia para a indústria da construção
• Efeitos do relacionamento entre Rússia e China
• Uma África mais conectada do que nunca
• Materialização do “Iron Man” real em exoesqueleto

Neste link você encontra detalhes de cada uma das tendências previstas pela A.T. Kearney para o ano de 2019. Você também confere como as previsões realizadas para 2018 se tornaram realidade ao longo do ano.

Como elevar a performance de seus colaboradores

Por Rafael Carvalho, CEO da Edools

Expressar seus sentimentos e ser ouvido, principalmente no ambiente de trabalho, tornou-se escasso. Todavia, demonstrar interesse pelo que os funcionários têm a dizer gera impacto na rotina do mundo corporativo. Entre as funções exercidas por um líder, uma delas é motivar – por meio de ações e até mesmo palavras – as pessoas que estão ao seu redor. Eu costumo dizer que somos os mesmos no escritório, na faculdade, em casa e na vida, então, se não estivermos bem, isso transparecerá e influenciará de forma pejorativa em algum momento.

Incentivar a equipe e impulsionar nossos colaboradores a caminharem juntos com a empresa, é impossível se eles não se sentirem à vontade para falar o que pensam e desenvolver suas habilidades. Por isso, a cultura organizacional é um dos pilares que sustenta a performance das empresas, externalizando sua eficiência para os clientes e impactando internamente no dia a dia. É importante frisar que, muitas vezes, valores individuais se sobressaem aos funcionais e, por isso, é preciso deixar claro pontos estratégicos que devem ser seguidos e preservados pelo líder ao longo do tempo.

Na prática, a construção de uma cultura organizacional pode ser lenta, e até estar propagada no ambiente leva tempo, mas, até lá, é interessante parabenizar e premiar atitudes ou exemplos relacionados aos principais valores da organização. Já faz algumas semanas que decidi abrir um novo canal de comunicação na Edools, plataforma de ensino a distância, no qual toda segunda-feira pela manhã compartilho uma mensagem com o time. O objetivo é fazer a equipe refletir a respeito de temas simples e a iniciativa foi muito bem aceita pelo grupo.

Outra maneira de demonstrar minha abertura aos funcionários é me colocar à disposição para receber qualquer tipo de feedback. Recebo questionamentos, ideias, sugestões e críticas de qualquer um que trabalha comigo. Uma simples conversa pode tirar o peso dos ombros de uma pessoa e mudar completamente a visão de outra. A troca de informações é essencial para nos tirar da zona de conforto e evitar a famosa “cegueira coletiva”, que é um grave problema que acomete diversas corporações pelo medo de mudar. Um dos pontos fortes gerado pela cultura organizacional é criar um ambiente agradável, evitando a vulnerabilidade e estimulando a criatividade.

Os dois lados das grandes inovações da humanidade

Por Mateus Baumer, Sócio da Bluelab

São Paulo, 07 de janeiro de 2019 – O surgimento de ferramentas e soluções criadas para facilitar e melhorar a vida das pessoas, principalmente aquelas cujos impactos são realmente significativos no dia a dia de todos nós, sempre trouxe, junto consigo, as consequências do mau uso dessas inovações.

O avião, por exemplo, criado com a finalidade de reduzir o tempo de trajetos e viagens longas ou, até então, impossíveis de serem realizadas, também vieram (e vêm) a ser uma das armas mais poderosas e destruidoras utilizadas nas guerras.

Isso acontece também com duas das invenções mais transformadoras da vida em sociedade dos últimos anos: a Internet e as redes sociais. São tantas e tão obvias as vantagens da internet em nossas vidas que não vale a pena elencar.

As transformações surgiram em uma velocidade sem precedentes na história da humanidade. Mas, muitas vezes em velocidade maior, cresceu o mau uso dessas inovações por pessoas que se aproveitam das mesmas facilidades para praticar roubos ou outras infrações que costumavam realizar antes do advento da vida virtual.

Nessa nova realidade, há alguns anos, as moedas digitais como Bitcoins chegaram como uma revolução descentralizada do dinheiro, mas ainda pouco usada no cotidiano das pessoas. Mesmo assim, as criptomoedas já foram usadas de maneira prejudicial à sociedade, como pagamento de sequestros, sendo apontadas como um problema.

Acontece que todos nós sabemos que sequestros existem há milhares anos, e sequestradores exigiam bens para libertarem suas vítimas. Não foi a tecnologia que “criou” esse mecanismo na sociedade. O que aconteceu foi que o sequestrador, em um passado não muito distante, substituiu o ouro e itens de valor por dinheiro estatal e, agora em alguns casos, por bitcoins.

Da mesma forma, as redes sociais e os aplicativos de mensagens – que modificaram de maneira profunda o modo como as pessoas se comunicam e se informam – têm sido catalizadores das tão famosas Fake News e, portanto, são crucificados como responsáveis por possibilitar sua disseminação.

O assunto ganhou muito destaque após os resultados das eleições presidenciais norte-americanas, onde muito se especulou sobre a influência das redes sociais na vitória do presidente eleito, Donald Trump. E voltou com tudo agora no Brasil, no pleito que elegeu o candidato Jair Bolsonaro como presidente do país.

Não há como negar que essas ferramentas aumentam de maneira muito significativa a divulgação de notícias falsas. Mas, com a Internet, todo tipo de informação e conhecimento circulam muito mais rapidamente, e de modo infinitamente mais abrangente, do que acontecia há cerca de 15 ou 20 anos.

Podemos ir ainda mais longe. Nos séculos 15, 16 e 17 houve, na Europa, a famosa “caça às bruxas”, perseguição que acontecia devido à crença de que era necessário punir e queimar pessoas que “supostamente” praticavam rituais. Agora, voltemos para 2018. Em agosto, quatro pessoas foram queimadas vivas no México por causa de boatos espalhados por celular sobre supostos roubos de crianças. Épocas totalmente diferentes em que esse tipo de barbárie não pôde ser contido. E ainda querem colocar a culpa na Internet, redes sociais e aplicativos de mensagens?

O que seria, sem dúvidas, desastroso acontecer em relação a qualquer uma dessas inovações é a fiscalização ostensiva pelo Estado sobre a circulação de informações e até mesmo censura. Isso porque, dessa maneira, estaríamos ferindo a liberdade de expressão da grande maioria em razão do mau uso dessas ferramentas por grupos restritos de pessoas que agem de má fé. Seria o mesmo que abrir mão de todos os benefícios trazidos, punindo todos os usuários pelo erro de alguns.

Então não haveria alternativas para minimizar os impactos das fake news? Sim, e elas já existem! E vêm do mercado! Neste caso específico, temos o exemplo de alguns veículos de imprensa que criaram, durante as eleições presidenciais, canais de checagem de informações que circularam de maneiras diversas a respeito dos candidatos e de suas propostas.

E como saber qual a melhor alternativa? Seguramente uma que seja única e obrigatória por força de lei não será, que é como o Estado age. Quando aparece um problema, o processo de mercado via empreendedores surge com diversas soluções, as pessoas adotam aquelas que acham melhores e elas competem entre si. Além disso, com o passar do tempo, outras iniciativas podem surgir, de acordo com as transformações pelas quais a tecnologia e a sociedade passam e com as naturais mudanças de opiniões de cada indivíduo.

Portanto, soluções que venham do mercado são, ainda, o único caminho ético e o melhor para que qualquer tipo de inovação cumpra seu papel de melhorar a vida dos indivíduos e para a evolução da sociedade.

Seis startups são aceleradas em programa inédito de inovação para a indústria mineira

Finalistas do Programa Mind 4.0, do Sebrae Minas, desenvolvem soluções sob medida para problemas reais de logística e controle de estoques da Vallourec

Seis startups chegaram à final do Programa Mind 4.0, parceria entre a Vallourec e o Sebrae Minas. Lançado em junho do ano passado, o programa estimulou o desenvolvimento de soluções inovadoras para três desafios específicos da Vallourec, relacionados a processos logísticos, de movimentação e controle de estoques. Dentre as 26 empresas inscritas e selecionadas para participarem do programa, as que mais se aproximaram da resolução dos desafios propostos foram a Minas RFID, a Mogai, a Logmax, a M&S, a ODM e a Zara Falcão, todas atuantes no mercado de tecnologia da informação e startups.

As seis finalistas receberam mentorias e orientações para o aprimoramento das soluções propostas, ajustando os projetos às demandas da Vallourec. Os protótipos já foram apresentados à empresa e têm chances reais de serem implementados. “Há uma expectativa de que a empresa feche negócios com startups finalistas”, adianta Márcia Valéria Machado, gerente da Unidade de Indústria do Sebrae Minas.

Das 26 startups inscritas no programa, 13 foram selecionadas para o Bootcamp, momento de imersão em que os candidatos demonstram a capacidade empreendedora, estruturação da empresa no mercado, know-how e criatividade para resolução dos desafios. Das 13, seis foram selecionadas para a fase de desenvolvimento e prototipagem das soluções.

Além de incentivar a criação de soluções inovadoras para problemas reais da indústria mineira, o Mind 4.0 proporciona a inserção de micro e pequenas empresas do estado na cadeia de valor de grandes empresas. “O projeto também estimulou a interação entre esses pequenos negócios e o ecossistema nacional de startups, o que favorece parcerias para atendimento a futuras demandas da indústria nacional”, acrescenta Márcia Valéria.

O Programa Mind 4.0, criado pelo Sebrae Minas, é inspirado no conceito de Indústria 4.0 ou 4ª Revolução Industrial, uma referência ao contexto atual do setor, marcado pelos impactos da transformação digital. O objetivo do programa é estimular a inovação na indústria mineira e, ao mesmo tempo, impulsionar novos negócios para pequenas empresas de base tecnológica.

Inscrições abertas para o Shell Iniciativa Jovem 2019

Jovens empresários do município do Rio de Janeiro já podem inscrever seus projetos no programa de empreendedorismo Shell Iniciativa Jovem. Para participar da seleção, que escolherá inicialmente 80 candidatos para a turma que começa em abril deste ano, é preciso ter entre 20 e 34 anos, ensino médio completo e comprovar residência fixa na cidade. As inscrições devem ser feitas no site www.iniciativajovem.org.br/cadastro/.

Ao longo dos 19 anos de atuação no Brasil, o Shell Iniciativa Jovem já colaborou para o desenvolvimento de mais de 10 mil empreendimentos cariocas. Além disso, ajudou a formar uma Rede de Empreendimentos Sustentáveis que trabalha de forma colaborativa e hoje conta com 256 empresas.

Transformando negócios

A última edição do programa, realizada em 2018, premiou a startup Mancha Orgânica, que realiza pesquisa e desenvolvimento de tintas, pigmentos e corantes vegetais para aplicações diversas, com o objetivo de criar processos e produtos fundamentados em princípios da sustentabilidade, bem-estar e educação ambiental. O projeto, situado na Incubadora de Empresas da Coppe/UFRJ, é idealizado por Martina Pinto.

Sobre o Shell Iniciativa Jovem

O programa busca incentivar a geração de trabalho e renda e ajudar empreendedores a se desenvolverem, formarem redes colaborativas e prosperarem suas ideias, criando soluções criativas para as demandas do mercado de maneira socialmente responsável.

O programa é executado pelo CIEDS (Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável). Os empreendedores que participam desta iniciativa são engajados em atividades conjuntas, como palestras e workshops, que visam aproximá-los e propiciar o trabalho em rede.

Como interagir com milennials

por Helena Lizo, Head de Finanças & People da Revelo

Hábitos e costumes da geração Millennials (nascidos de 1980 a meados de 1990) têm um grande impacto no mundo corporativo. De acordo com um estudo da Bazaar, nos Estados Unidos, eles gastarão mais dinheiro do que qualquer outra geração no país em 2018. Já uma pesquisa da Oracle revela um número impressionante: estima-se que esse valor supere os 3 trilhões de dólares no ano.

Junte isso com a alta adesão às tecnologias e temos a incontestável conclusão de que esse é um nicho valioso para o mercado. Os canais de informação e compra são totalmente diferentes daqueles utilizados em outras épocas. De modo similar, seus padrões de consumo também apresentam mudanças drásticas.

Segundo um levantamento da Trendsity, 64% dos próprios millennials reconhecem que é a geração mais difícil de satisfazer. Pensando em ajudá-los a interagir melhor com os millennials, listo abaixo seis dicas que irão ajudar nesta reflexão.

1. Invista na imagem da marca

Segundo um estudo da Forbes, 60% dos millennials afirmam lealdade às marcas.

A grande diferença para os integrantes dessa geração está nas atitudes, valores e como a marca se relaciona com a sociedade. Nesse sentido, as impressões deixadas pela marca na mente dos consumidores é um grande diferencial. Questões éticas são consideradas no momento da compra, e não apenas o produto ou o serviço em si. A preocupação com a comunidade, os deveres com o ambiente e como a empresa trata seus funcionários são fatores que têm impacto direto na forma de atingir em cheio aos jovens.

2. Foque na qualidade do que você vende

A qualidade do que você vende deve sempre ser prioridade. Isso porque millennials são ativos na internet e certamente divulgarão opiniões acerca do que foi adquirido.

Por isso é muito importante oferecer um bom atendimento ao cliente e suporte. De preferência pelos canais digitais, onde eles se concentram durante a maior parte do tempo. Além disso, 93% geralmente consomem “reviews” sobre os produtos. Acessam o YouTube, o Reclame Aqui! ou outras redes sociais para verificar a qualidade do produto antes de clicar no botão. E 89% acreditam mais nessas recomendações do que nas mensagens de marca. Ou seja, a opinião de outros usuários é muito mais valiosa do que as informações divulgadas por meio de canais próprios, como website, e-mail marketing ou links patrocinados.

3. Crie conteúdo

Uma alternativa encontrada no marketing digital é a criação de conteúdo, estratégia nomeada como marketing de conteúdo. Nela, a empresa cria artigos, ebooks, vídeos e outros materiais para alcançar e engajar os usuários. O conteúdo é responsável por mais de 90% do tráfego na internet, uma tendência que acompanha o crescimento das informações disponíveis no ambiente da web. É necessário planejamento, estudando as principais formas de consumo e as maneiras para dialogar com a audiência segmentada.

4. Interaja

Uma tendência muito valiosa quando o objetivo é atingir os millennials é a humanização das marcas. Pois é, a sua empresa não é apenas uma logomarca bonita sem uma identidade por trás. Esse é o grande motivo pelo qual elas precisam estar nas redes sociais. A presença nestas plataformas permite a interação contínua, não apenas por meio do conteúdo valioso, mas trazendo personalidade à marca. Millennials querem fazer parte da construção da empresa, importam-se com a mensagem transmitida pela marca e sentem necessidade de enxergar uma pessoa do outro lado da tela. Isso gera relacionamento e, consequentemente, confiança e autoridade à empresa.

5. Adote a mobilidade

Essa geração usa o smartphone em casa, no trabalho ou durante os períodos de lazer. Ou seja, há a possibilidade de entrar em contato a qualquer hora do dia.

Nesse sentido, muitas empresas pecam ao não investir em design responsivo ou na utilização dos aplicativos como ferramentas de divulgação. Basicamente todas as suas estratégias digitais devem ser otimizadas para dispositivos móveis. Isso inclui páginas de conversão, conteúdo e website. Millennials têm pressa. Não são eles que precisam se adaptar ao formato fornecido, mas o contrário.

6. Utilize o Big Data

A análise de métricas é um dos mais relevantes meios para atingir a geração da mudança. Talvez a maior vantagem em utilizar a internet para negócios seja o recolhimento de dados. A partir de plataformas de mensuração, é possível ter acesso a informações geográficas, demográficas e comportamentais dos usuários.

Ao compreender como funciona o seu público, é possível personalizar as mensagens e entregar o conteúdo correto no momento mais propício.

Brasil e Israel investem R$ 7,5 mi em projetos conjuntos de pesquisa e inovação desenvolvidos por empresas de ambos os países

A Finep publicou nesta quarta-feira (2) uma chamada pública lançada em parceria com a Autoridade Nacional de Inovação Tecnológica do Estado de Israel (IIA). O objetivo é apoiar projetos conjuntos de pesquisa, desenvolvimento e inovação industrial de empresas de ambos os países. Ao todo, serão investidos até R$ 7,5 milhões nas propostas selecionadas. A iniciativa pretende fortalecer a cooperação econômica, comercial, científica e tecnológica entre Brasil e Israel.

Serão financiadas propostas cujos produtos, processos e serviços resultantes apresentem altos níveis de inovação e risco tecnológico, potencial de comercialização e complementaridade entre as empresas dos dois países. A chamada vai priorizar projetos que se enquadrem em temas como fintechs, nanotecnologia, indústria química, indústria aeroespacial, tecnologias de informação e comunicação, agrotecnologia e gestão de recursos hídricos.

A Finep vai destinar até R$ 3,7 milhões em recursos de subvenção econômica (não reembolsáveis) para as empresas brasileiras aprovadas. Os valores mínimo e máximo solicitados por cada concorrente nacional são, respectivamente, R$ 300 mil e R$ 1 milhão. Os recursos poderão ser utilizados para despesas como equipe própria, obras civis e instalações, equipamentos e softwares, matérias primas e viagens. Pelo lado israelense, a IIA vai investir até US$ 1 milhão nas empresas selecionadas nos projetos bilaterais. As propostas podem ser enviadas até o dia 18 de abril. A divulgação do resultado final está prevista para o dia 30 de agosto.

4 temas que vão liderar a experiência dos clientes em 2019

Em 2018, falou-se muito sobre como as novas tecnologias estão apoiando as empresas a promoverem uma melhor experiência do cliente. Segundo o IDC, a estimativa era de que os investimentos em inteligência artificial chegassem a US$ 24 bilhões em 2018 e a tendência é que isto só aumente. De acordo com a consultoria, os gastos com tecnologia podem triplicar e bater os US$ 77,6 bilhões em 2022.

Para Ivan Preti, arquiteto de soluções da Zendesk, em 2019, mais do que aumentar a satisfação dos consumidores, o uso das tecnologias de atendimento deve expandir para outras áreas das empresas, atendendo também aos clientes internos. “Esperamos um amadurecimento no uso de inteligência artificial para promover a experiência do cliente. A cada ano, aumenta a compreensão das empresas sobre os conceitos de customer centric”, afirma Preti.

Listamos aqui 4 tendências que vão marcar 2019 em diversos setores:

Inteligência Artificial

Cada vez mais os CMOs estão buscando tecnologias de inteligência artificial para otimizar e melhorar as áreas de atendimento ao cliente. Por meio de answer bots é possível entender e sugerir respostas rápidas para as dúvidas mais recorrentes dos clientes. Em 2019, espera-se que essa tecnologia também seja aplicada para os agentes de atendimento, que podem utilizar esse recurso para buscar informações internas. Isto diminui o tempo de espera dos clientes e, consequentemente, aumenta a satisfação do time e dos consumidores.

Autoatendimento

De acordo com um levantamento feito pela Zendesk, em parceria com Opinium, o brasileiro prefere ficar preso no trânsito a ter que falar com o serviço de atendimento ao cliente. Por isso, os clientes procuram cada vez mais resolver os seus problemas sozinhos. Neste contexto, é essencial investir em uma boa base de conteúdo. A proposta é de que seja possível disponibilizar um guia inteligente que responda as principais dúvidas dos clientes e também que seja capaz de entender o sentimento dos consumidores. Desta forma, aprender e sugerir novos conteúdos a serem criados.

Analytics e Business Intelligence

As empresas querem e precisam tomar decisões mais assertivas. A era digital tornou os consumidores mais exigentes e com desejo de terem as suas necessidades mais específicas atendidas. Sendo assim, é essencial que as empresas saibam, não apenas levantar dados, mas também analisá-los. Integrar ferramentas de B.I e Analytics às suas plataformas será imprescindível para quem quer mapear a jornada dos seus consumidores, entender seu comportamento e identificar oportunidades de melhorias.

As análises de dados, aliadas aos bots de inteligência artificial, também permitem uma maior proatividade das companhias. Para os próximos anos, sairá na frente aqueles que forem capazes de prever problemas e solucionar questões antes mesmo de que elas aconteçam. Dessa forma, é possível criar KPIs mais eficientes para medir a satisfação dos clientes, produtividade e qualidade do atendimento.

Cloud Computing

Mais do que adotar soluções de software que operem em nuvem, para 2019 a grande ruptura virá na utilização de ferramentas desenvolvidas na nuvem pública, com plataformas não proprietárias. Fala-se tanto em personalização dos serviços, em atender os clientes pelos canais que eles preferem, mas ainda existem fornecedores de SaaS trabalhando com vendor lock-in. Companhias, sejam elas pequenas ou grandes, também são clientes e querem escolher as plataformas que melhor atendem às suas necessidades.

Ter sistemas abertos de CRM internos e externos, além de reduzir o tempo e custo de implementação, dá mais autonomia às empresas, tornando-as 100% donas dos próprios dados. Além disso, empodera os desenvolvedores e rompe com os silos de plataformas proprietárias.

A batalha dos preços nos marketplaces

Por Ricardo Ramos

Na hora de montar uma estratégia de vendas no ambiente digital, o empreendedor não pode mais ignorar a força dos marketplaces. Conhecido como shopping center virtual, o conceito compreende a disponibilidade de vários vendedores em uma mesma página, competindo entre si pela atenção do consumidor.

Tendência há poucos anos atrás, o marketplace já é uma realidade incontestável para o comércio eletrônico brasileiro, tornando-se uma importante ferramenta de vendas. Segundo dados da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), esse tipo de negócio já corresponde a quase um terço das vendas realizadas por lojistas virtuais no país (31,5%). Em muitos casos, consiste na porta de entrada de empresários que desejam vender seus produtos online.

Contudo, o crescimento das vendas por meio desse modelo negócios contribuiu para a consolidação de uma nova dinâmica de preços em produtos vendidos no e-commerce. A disputa é ainda maior pelo Buybox, posição de destaque na página e. Se para o consumidor é um atrativo poder visualizar diferentes opções de aquisição para o item desejado, para o vendedor é um desafio a mais deixar sua oferta mais atrativa.

Quanto maior o número de lojistas concorrendo pelo mesmo produto, maior será a quantidade de alterações no preço. Isso porque os empreendedores monitoram os valores praticados pelos concorrentes e reagem rapidamente. Uma pesquisa realizada com base nos dados de monitoramento da Precifica, com 2864 brinquedos, entre setembro e outubro de 2018, indica que os vendedores presentes nas últimas posições brigam de forma mais acirrada pelo preço. Eles chegam a modificar o valor quase duas vezes ao dia (1,7), enquanto que os líderes da lista fazem uma alteração a cada dois dias (0,6).

Realizar essas alterações de forma manual toma tempo e, pior, é um processo arriscado que pode comprometer a rentabilidade do negócio e levar a loja virtual à falência. A boa notícia é que existem softwares específicos que realizam o monitoramento e a precificação dinâmica também nos marketplaces, fazendo com que suas ofertas sejam sempre competitivas e, principalmente, lucrativas. Ter uma ferramenta deste tipo é imprescindível em um cenário de intensa competitividade entre as empresas.

Hoje, posicionar sua loja nestes centros de compras virtuais é uma decisão estratégica importante para quem deseja aumentar as vendas. Contudo, não basta apenas inscrever seu e-commerce e começar a vender: é preciso ter um planejamento para enfrentar a concorrência e garantir que suas ofertas sejam notadas pelos consumidores. A melhor forma para isso é justamente a precificação adequada de seus produtos, com o acompanhamento constante e a identificação de oportunidades para aumentar ou abaixar o valor de acordo com a demanda e o estoque. Com preços vantajosos, sua marca sempre estará na lembrança de seu público-alvo.

Ricardo Ramos, CEO da Precifica

10 dicas para manter seu celular seguro no verão

Para muitos, o verão é o período de se desligar da rotina e do trabalho, mas, ano após ano, se desconectar de telefones celulares, tablets e notebooks ficou mais difícil. Para evitar problemas nesta época de descanso, a ESET, empresa líder em detecção proativa de ameaças, compartilha uma série de dicas para manter seu dispositivo seguro:

Faça um backup. Caso tenha um serviço de nuvem, agende o backup para uma semana antes da viagem, pois se o celular cair na água, for perdido na areia ou esquecido em um restaurante, você pode acessar suas fotos, contatos e documentos de qualquer lugar. Além disso, é importante criptografar o conteúdo, usar senhas fortes e ativar o duplo fator de autenticação.

Instale um aplicativo que localize o aparelho em caso de perda ou roubo. Alguns aplicativos, como o ESET Mobile Security, também incorporam recursos antiphishing para impedir o roubo de dados e um filtro para chamadas e mensagens, que impede que usuários indesejados o incomodem nas férias.

Embora você esteja mais exposto, tente não se conectar a redes wi-fi públicas ou inseguras, pois existe a possibilidade de que algum cibercriminoso tente tirar proveito da situação. É melhor providenciar uma conexão VPN ou contratar um modem com roteador wi-fi que forneça a internet para todos os seus dispositivos.

Da mesma forma, se for necessário se conectar ao banco para fazer uma transação ou fazer compras online, faça-o somente a partir de conexões seguras e em páginas que incorporem medidas mínimas de segurança. É possível verificar o certificado de segurança da página clicando no cadeado que aparece antes do endereço web ou verificando se ele possui o S após o “http”.

Procure baixar aplicativos para jogar, comprar ou assistir vídeos nas lojas oficiais e, assim, evite que os cibercriminosos tomem os dispositivos ou roubem informações.

Ao procurar por programas divertidos para o verão, tenha atenção redobrada em ofertas excessivamente tentadoras, já que a promoção pode ser uma farsa. É recomendável verificar a veracidade de qualquer oferta incrível que chegue pelo WhatsApp, por e-mail ou que seja descoberta clicando em um banner de um site desconhecido. É provável que seus dados pessoais e financeiros sejam compartilhados com um cibercriminoso, o que pode resultar em perda de dinheiro e planos de viagens destruídos.

Tente não publicar muitas fotos enquanto estiver longe de casa aproveitando férias, feriados e finais de semana, especialmente em perfis públicos. Isso evita que os ladrões saibam que não há ninguém em casa. E se houver certa regularidade nas publicações nas redes sociais, evite dar muita informação sobre o local onde está.

Se as crianças tiverem tablets ou celulares, certifique-se de que elas fazem uma boa utilização do dispositivo. No verão, geralmente somos mais permissivos, e é por isso que é bom instalar ferramentas de controle parental, que não apenas ajudam a controlar os locais visitados pelos mais jovens ou as horas que passam conectados, mas também se estão sendo vítimas ou cúmplices cyberbullying. Além disso, recomenda-se também aconselhar as crianças a serem cautelosas com suas publicações e as mensagens que enviam.

Mantenha todos os dispositivos em segurança quando estiverem sendo usados. Temperaturas extremas, neste caso calor ou exposição direta ao sol, podem danificar não apenas o dispositivo – especialmente o revestimento, que pode se deformar, e a bateria, que pode ser prejudicada –, mas também pode queimar o usuário. Além disso, procure manter seu celular, caso não seja à prova d’água, longe de piscinas e mar, para evitar o contato com a água, que pode dafinicar o equipamento de forma irreversível.

E como um último conselho, use o seu celular ou laptop o mínimo possível. De acordo com pesquisa da empresa internacional We Are Social, o brasileiro gasta em média 3 horas e 39 minutos conectado às redes sociais todos os dias. O comportamento de ficar com os olhos fixos no celular gera riscos para a saúde, como vermelhidão, fadiga ocular ou sintomas de olhos secos e miopia. O verão é o melhor momento para os olhos descansarem.