Page

Author admin

Startups de Ribeirão Preto participam de projetos de desenvolvimento de vacinas contra COVID-19

Projetos ainda estão em fase de testes e se, demonstrarem eficácia, podem tornar vacina mais barata e acessível no país

Três startups de Ribeirão Preto, município a 310 quilômetros da capital paulista, entraram na briga para o desenvolvimento de vacinas preventivas para COVID-19. A Farmacore, a Invent Biotecnologia e a MI4U são empresas ligadas ao Supera Parque de Inovação e Tecnologia e contam com a expertise de pesquisadores locais para contribuir com uma causa que extrapola barreiras geográficas.

Eduardo Cicconi, gerente do Supera Parque de Inovação e Tecnologia, explica que a região forma um ecossistema forte na área da saúde pela presença de universidades, cursos de pós-graduação, além de empresas e indústrias que compõe o Arranjo Produtivo Local da Saúde (APL da Saúde). “O ecossistema da cidade é bastante forte e se destaca pelas inúmeras iniciativas na área da saúde. As empresas estão utilizando todo o know how de anos de estudo e conexões de seus pesquisadores para encontrar soluções efetivas para a doença”, afirma Eduardo Cicconi, gerente do parque tecnológico Supera Parque.

Uma das iniciativas é da Farmacore Biotecnologia – especializada no desenvolvimento de produtos biotecnológicos e imunobiológicos. Ela atua em parceria com a empresa norte-americana PDS Biotechnology Corporation, desenvolvendo a vacina Versamune®-CoV-2FC.

O projeto combina a proteína recombinante do SARS-CoV-2, desenvolvida pela Farmacore, associada ao carreador Versamune®, da PDSBiotech, uma tecnologia patenteada para a ativação do sistema imunológico. De acordo com dados da empresa, os resultados pré-clínicos demonstraram potencial para induzir uma resposta imune ampla e robusta.

As pesquisas começaram em abril de 2020. Helena Faccioli, CEO da Farmcacore, destaca que a empresa participa ativamente de cada etapa do produto, seguindo diversos protocolos, sem desperdiçar tempo nem recursos. De acordo com  a CEO, o desenvolvimento local de uma vacina tem potencial de reduzir o custo dos programas de vacinação.

Vacina oral/nasal


A Invent Biotecnologia é outra startup que trabalha para o desenvolvimento de uma vacina oral contra a COVID-19. O processo está em early science e já conta com apoio da FAPESP. “Estamos ainda na etapa inicial, porém bem confiantes, já que a plataforma já funcionou para inúmeras outras doenças como diarréia bacteriana, infecções estomacais por Helicobacter, Malária, etc. Estamos adaptando para a Covid.”, explica Ebert Hanna, um dos sócios da marca.
A tecnologia desenvolvida pela empresa consiste em desenvolver uma vacina oral/nasal para a prevenção da Covid-19, em formulação estável, que pode ser armazenada em temperatura ambiente.

Química computacional e bioinformática


Já a startup MI4U trabalha em parceria com a Bioprospectum, uma empresa de base tecnológica localizada no Parque da Universidade do Porto (UPTEC) em Portugal, que identificou duas substâncias com potencial atividade antiviral e que podem neutralizar partes estruturais do SARS-CoV, através de química computacional e bioinformática. As primeiras moléculas estão sendo testadas in vitro – em cultura de células.

A Bioprospectum desenvolveu, em parceria com a startup brasilieira MI4U, a plataforma in silico, que permite, através da utilização de química computacional e bioinformática, selecionar substâncias de uma forma muito mais rápida e eficiente todas as moléculas de uma amostra, permitindo ao investigador focar-se apenas nas moléculas que podem ser úteis para o estudo. Em um dos primeiros protótipos do sistema, a tecnologia foi utilizada para selecionar moléculas que inibem o SARS-CoV-2, diante disso alguns resultados já foram identificados, sintetizados e estão na fase de teste em cultura celular na Universidade de Lisboa.

Governo Federal inicia programa para qualificar mais de 5 milhões de jovens e adultos

Escola do Trabalhador 4.0, parceria entre Ministério da Economia e Microsoft, pretende capacitar até 5.5 milhões de pessoas em habilidades digitais para reinserção no mercado de trabalho, até 2023

A Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (SEPEC/ME), em parceria com a Microsoft, deu início nesta semana, ao programa de capacitação profissional em habilidades digitais “Escola do Trabalhador 4.0”.

O projeto tem como objetivo capacitar a força de trabalho de hoje e de amanhã, promovendo a qualificação de jovens e adultos com foco no aumento da empregabilidade. O público-alvo são trabalhadores, maiores de 18 anos, em busca de emprego que queiram se reinventar e se preparar para as novas demandas do mercado de trabalho, principalmente com foco no ambiente digital. A meta é alcançar 5.5 milhões de trabalhadores até fevereiro de 2023. A plataforma é de ensino a distância, aberta para todo o território nacional e conta com 58 instrutores disponibilizados pela Microsoft para oferecer orientação personalizada para até 315 mil pessoas. Para aumentar o número de instrutores, outras parcerias com setor privado serão alavancadas.

Para o Secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos Da Costa é muito importante ser ofertado mecanismos que auxiliem os trabalhadores em sua recolocação no mercado de trabalho. Oferecendo não só o acesso à plataforma tanto pelo computador, quanto pelo celular, mas com monitores disponíveis para tirar dúvidas. “Diante da atual situação, temos que ser ainda mais assertivos nas nossas ações. Estamos trabalhando para que o Brasil se torne cada vez mais digital e esteja preparado para as novas exigências do mercado de trabalho”, ressaltou.

“Promover qualificação profissional e melhorar a descoberta de oportunidades de emprego na economia digital são os principais desafios que pretendemos endereçar com essa parceria com Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia. Por meio da plataforma Microsoft Community Training poderemos impactar até 5.5 milhões de brasileiros. Acredito que iniciativas como essa são fundamentais para apoiar a retomada econômica do País e o crescimento sustentável do Brasil”, comentou Tânia Cosentino, presidente da Microsoft Brasil.

A plataforma de ensino remoto, implementada em parceria com a Softex, oferecerá diversos cursos modulares com o intuito de capacitar trabalhadores e estudantes especialmente na área de Tecnologia da Informação. Todos esses conteúdos serão disponibilizados de forma online, gratuita e com certificado. São 11 trilhas de aprendizagem que englobam mais de 45 cursos de Tecnologia em diferentes níveis com base nas principais competências exigidas pelo mercado de trabalho – desde a alfabetização digital até módulos mais avançados de computação em nuvem, IA e ciência de dados.

Alguns dos cursos disponíveis são: Participe on-line com segurança e responsabilidade; escrever seu primeiro código C#; Criar um site simples usando HTML, CSS e JavaScript; Word; Excel; Powerpoint; Outlook; Teams; OneNote; OneDrive e Sharepoint, entre vários outros.

Os cursos estão estruturados em 4 pilares:

Table

Description automatically generated

Para acelerar a qualificação da população na área de tecnologia, principalmente nesse momento de pandemia em que as habilidades digitais se tornaram ainda mais relevante, a SEPEC decidiu antecipar o oferecimento dos cursos de Letramento Digital, que estão disponíveis desde 15/03. Eles são a base para as demais trilhas de aprendizagem da Escola do Trabalhador 4.0. O calendário será atualizado mensalmente e, já no mês de abril, estão previstas a incorporação de nove cursos de Introdução à Programação, Produtividade Pessoal e Produtividade Colaborativa. A lista completa de cursos e datas de realização podem ser encontradas no site:  gov.br/escoladotrabalhador40

TESTE DE CARREIRA

Para ajudar o trabalhador na escolha do curso mais adequado, a plataforma oferece ainda o Teste de Carreira. Respondendo algumas perguntas múltipla escolha e “sim” e “não” a plataforma será capaz de identificar quais habilidades digitais o trabalhador já possui e cruzar com seus objetivos de carreira. Baseado nos conhecimentos atuais do trabalhador e de suas aspirações profissionais a ferramenta irá indicar qual o curso mais indicado para cada indivíduo.

LICENÇAS MICROSOFT GRATUITAS PARA ALUNOS

Para reforçar os mecanismos de inclusão digital e dar ferramentas para que os alunos possam exercitar o conteúdo aprendido será disponibilizada a licença A1 da Microsoft Office 365 para todos os matriculados. A licença dá acesso a aplicativos como Word, Excel, Outlook, Teams, PowerPoint, Sway, Forms, Planner, PowerApps, Stream, entre outros e ainda espaço de 10 GB de espaço no OneDrive.

QUEM PODE SE INSCREVER

O público-alvo são trabalhadores, maiores de 18 anos, de todo o Brasil, com foco naqueles cadastrados na plataforma SINE, que estejam buscando qualificação com o intuito de melhorar as suas habilidades digitais e aumentar suas chances de recolocação profissional.

COMO PARTICIPAR

Basta acessar o site gov.br/escoladotrabalhador40 se cadastrar e pronto! Na plataforma, o aluno terá mais informações sobre os cursos disponíveis.

O pós-venda é o início da próxima compra

Por Gisele Paula

Temos visto que o cliente está cada dia mais exigente e as empresas começam a se despertar para o valor e potencial da diferenciação pelo cuidado com seu pós-vendas. Além do que, fica cada vez mais claro que ninguém gosta de comprar de alguém que o trata mal ou que não atenda as nossas expectativas, não é mesmo?

Mesmo diante disso, apenas dois terços das empresas têm declarado investir na experiência do cliente. Mas isso tem um fator histórico: desde os primórdios do capitalismo, a razão da constituição de uma empresa era criar um bom produto para ser vendido e, por muito tempo, as companhias foram sendo desenvolvidas em volta do produto que até então era o centro da atenção do negócio. Com o passar do tempo as coisas foram mudando, o mercado se transformou, o cliente mudou (e muito!) e começou a analisar outros atributos, que não apenas o produto, como seu preço e qualidade, para tomar a decisão de compra.

Em uma pesquisa da PwC, empresa de consultoria e auditoria, 84% das pessoas disseram que a experiência é tão importante quanto o produto a ser adquirido. Dito isso, empresas que até então estavam 100% empenhadas em oferecer o melhor produto, tiveram que começar a dividir sua atenção em oferecer uma jornada impactante positivamente, desde a realização da compra até o seu pós-venda.

Cada vez mais a experiência de compra vem sendo olhada detalhadamente pelas áreas de marketing e vendas como oportunidades de diferenciação na venda. Muitas tecnologias veem surgindo – como provadores virtuais, produtos “materializados” no ambiente físico por meio da realidade aumentada, integrações entre plataformas, omnicanalidade, liveshops, etc. Mas a minha provocação é: Quais iniciativas estão sendo realmente utilizadas no pós-venda?

Não é a implantação de tecnologias que nos distanciam do contato do cliente, o atendimento automático não vai garantir uma boa experiência no pós compra, pois ela é fundamentalmente humana. Essa última etapa é o momento que a marca tem para mostrar a verdade do que foi anunciado antes mesmo de iniciar o seu atendimento, onde vai ditar o quanto esse cliente está disposto a comprar novamente e recomendar o seu produto ou serviço.

Por este motivo, a diferenciação da marca do futuro está aí, na forma como a empresa realmente se mostra, por meio das suas ações e interações com seus clientes o quanto ela verdadeiramente se importa e cria conexão. É quando ela mostra a sua essência, sem rodeio e nem máscaras.

As empresas que desejam, de fato, prosperar e ir mais longe, precisam imediatamente incluir nos seus objetivos a experiência do cliente e o colocar no centro do negócio. Somente assim, será possível gerar um planejamento estratégico que seja aplicado desde as suas lideranças e, consequentemente, para toda a empresa, fazendo parte da cultura da organização.

Em outras palavras, as empresas precisam olhar para o seu público em primeiro lugar, de cima para baixo e de dentro para fora. Que se comece fazendo o básico, tratando as dores latentes de seus clientes, mas principalmente no seu pós-venda. Garanta um atendimento rápido, eficiente e humano, e se fizer isso com excelência, a empresa estará à frente de muitas que estão no mercado. É preciso gerar encantamento nos clientes e, daí em diante, ter a certeza do início de uma próxima compra ou da geração de recomendações. Fica a dica e invista no seu cliente, ele é a sua melhor propaganda!

Gisele Paula, CEO e fundadora do Instituto Cliente Feliz

Fiesp: Banco Central se precipita ao elevar a taxa de juros

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) aumentou nesta quarta-feira (17/03) a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 p.p, para o patamar de 2,75% a.a.

É uma ação precipitada. Apesar dos choques de oferta que a economia vem sofrendo, ainda paira muita incerteza sobre o horizonte econômico de médio prazo. Por isso, entendemos que a elevação da Selic não é a melhor solução neste momento.

A atividade econômica deve exibir um desempenho fraco no 1º trimestre, com risco de que esse quadro se estenda por todo o semestre. As expectativas de crescimento do PIB para o ano estão em 3,2% segundo o último boletim Focus, número insuficiente para recompor a queda de 4,1% do ano passado.

A dificuldade das famílias em manter seus níveis de renda e consumo está materializada na necessidade de se aprovar um novo auxílio emergencial para a população mais vulnerável.

Além disso, as vendas do varejo caíram em dezembro (-3,1%) e janeiro (-2,1%) e o setor de serviços perdeu velocidade na passagem de 2020 para o início deste ano.

Por todos esses fatores, entendemos que a elevação da Selic neste momento é precipitada e dificulta o cenário para a atividade econômica em 2021, que já enfrenta inúmeros desafios em razão da persistência da pandemia.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – Fiesp
Assessoria de Jornalismo Institucional


Centro das Indústrias do Estado de São Paulo – Ciesp
Assessoria de Imprensa

Magalu anuncia aquisição do Steal The Look, portal líder em conteúdo comprável de moda e beleza

Dando mais um passo para a consolidação de sua presença no mercado de moda e beleza, o Magalu anuncia a aquisição do Steal The Look (STL), plataforma de conteúdo especializado em moda, beleza, cultura e comportamento acessada por 6 milhões de usuários únicos no ano passado e acompanhada por mais 2,5 milhões de seguidores nas suas redes sociais. O portal será vitrine importante para o segmento de moda e estilo do Magalu (Época, Zattini, Netshoes) e dos sellers do marketplace.

Com a aquisição, o Magalu avança em duas vertentes elencadas como chave na estratégia para o ano: a expansão em novos mercados, com moda e estilo de vida, e a publicidade digital – com o Steal The Look potencializando o alcance do Magalu Ads. “As categorias de moda e beleza, juntas, formam um mercado extremamente pulverizado, ainda pouco digitalizado e com tamanho total de 223 bilhões de reais anuais. Seu potencial online pode chegar a 67 bilhões em um futuro próximo”, afirma Silvia Machado, diretora-executiva de Moda e Beleza do Magalu. 

A proposta do STL converge com a visão do Magalu de que a digitalização da moda e da economia criativa é uma grande frente de oportunidades. “Dessa forma, o portal torna-se parte da criação de um ecossistema facilitador para sellers e marcas, impulsionando o empreendedorismo dentro da plataforma”, diz Silvia. 

O Steal The Look vai se manter como uma plataforma separada editorialmente do Magalu, assim como aconteceu com o portal de tecnologia Canaltech, adquirido em 2020. “Ao longo dos anos, conquistamos a confiança de leitoras e anunciantes através de um conteúdo independente, sempre co-criando com nossos parceiros e clientes. Essa autonomia é fundamental e será mantida nessa nova fase do STL e do Push”, afirma Manuela Bordasch, fundadora do Steal The Look – que continuará no comando da operação do portal.

A proposta de gerar conteúdo diferenciado – indo além da indicação de looks – foi o que permitiu ao STL se destacar logo na sua criação, em 2012. O material publicado trazia consigo um link para que o produto pudesse ser adquirido pelas leitoras. Algo corriqueiro atualmente, a prática, então pouco usada, rendeu a Manuela uma posição de destaque entre as influenciadoras de redes sociais. “Além do modelo de negócios e da mentalidade digital, compartilhamos propósito e valores e isso é a base do que queremos levar para milhares de pessoas para o Brasil. Steal The Look e Push nasceram para compartilhar experiências e empoderar mulheres, e agora, junto com Magalu, vamos ampliar nosso alcance e impacto”, comenta Manuela Bordasch.

Foco estratégico


O Magalu fez a entrada no segmento de moda em 2019, com a aquisição da Netshoes e Zattini – conquistando um marketshare relevante logo de início. Com a Hubsales, adquirida em 2020, a empresa levou a digitalização a pólos industriais de moda, conectando fabricantes diretamente ao consumidor final por meio de seu marketplace. 

Além disso, a Época Cosméticos, adquirida em 2013, cresceu exponencialmente em beleza – outra frente estratégica – nos últimos anos e atingiu liderança online nas categorias de perfumes, make e skincare.

Já o Magalu Ads ganha um reforço importante para se destacar no mercado de publicidade, que movimentou 48 bilhões de reais, em 2020. A partir de agora, a plataforma terá interface simples e intuitiva, que ajudará a descomplicar a publicidade online e permitirá que milhares de sellers e fornecedores do Magalu tenham autonomia para investir e acelerar suas vendas. 

Copom eleva a taxa Selic para 2,75% a.a.

Em sua 237ª reunião, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic para 2,75% a.a.

A atualização do cenário básico do Copom pode ser descrita com as seguintes observações:

  • No cenário externo, novos estímulos fiscais em alguns países desenvolvidos, unidos ao avanço da implementação dos programas de imunização contra a Covid-19, devem promover uma recuperação mais robusta da atividade ao longo do ano. A presença de ociosidade, assim como a comunicação dos principais bancos centrais, sugere que os estímulos monetários terão longa duração. Contudo, questionamentos dos mercados a respeito de riscos inflacionários nessas economias têm produzido uma reprecificação nos ativos financeiros, o que pode tornar o ambiente desafiador para economias emergentes;
  • Em relação à atividade econômica brasileira, indicadores recentes, em particular a divulgação do PIB do quarto trimestre, continuaram indicando recuperação consistente da economia, a despeito da redução dos programas de recomposição de renda. Essas leituras, entretanto, ainda não contemplam os possíveis efeitos do recente aumento no número de casos de Covid-19. Prospectivamente, a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual, sobretudo para o primeiro e segundo trimestres deste ano;
  • A continuidade da recente elevação no preço de commodities internacionais em moeda local tem afetado a inflação corrente e causou elevação adicional das projeções para os próximos meses, especialmente através de seus efeitos sobre os preços dos combustíveis. Apesar da pressão inflacionária de curto prazo se revelar mais forte e persistente que o esperado, o Comitê mantém o diagnóstico de que os choques atuais são temporários, mas segue atento à sua evolução;
  • As diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se em níveis acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação;
  • As expectativas de inflação para 2021, 2022 e 2023 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 4,6%, 3,5% e 3,25%, respectivamente; e
  • No cenário básico, com trajetória para a taxa de juros extraída da pesquisa Focus e taxa de câmbio partindo de R$5,70/US$*, e evoluindo segundo a paridade do poder de compra (PPC), as projeções de inflação do Copom situam-se em torno de 5,0% para 2021 e 3,5% para 2022. Esse cenário supõe trajetória de juros que se eleva para 4,50% a.a. neste ano e para 5,50% a.a. em 2022. Nesse cenário, as projeções para a inflação de preços administrados são de 9,5% para 2021 e 4,4% para 2022.

O Comitê ressalta que, em seu cenário básico para a inflação, permanecem fatores de risco em ambas as direções.

Por um lado, o agravamento da pandemia pode atrasar o processo de recuperação econômica, produzindo trajetória de inflação abaixo do esperado.

Por outro lado, um prolongamento das políticas fiscais de resposta à pandemia que piore a trajetória fiscal do país, ou frustrações em relação à continuidade das reformas, podem elevar os prêmios de risco. O risco fiscal elevado segue criando uma assimetria altista no balanço de riscos, ou seja, com trajetórias para a inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária.

O Copom avalia que perseverar no processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira é essencial para permitir a recuperação sustentável da economia. O Comitê ressalta, ainda, que questionamentos sobre a continuidade das reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas podem elevar a taxa de juros estrutural da economia.

Considerando o cenário básico, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, para 2,75% a.a. O Comitê entende que essa decisão reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante, que inclui o ano-calendário de 2021 e, principalmente, o de 2022.

Os membros do Copom consideram que o cenário atual já não prescreve um grau de estímulo extraordinário. O PIB encerrou 2020 com crescimento forte na margem, recuperando a maior parte da queda observada no primeiro semestre, e as expectativas de inflação passaram a se situar acima da meta no horizonte relevante de política monetária. Adicionalmente, houve elevação das projeções de inflação para níveis próximos ao limite superior da meta em 2021.

Por conseguinte, o Copom decidiu iniciar um processo de normalização parcial, reduzindo o grau extraordinário do estímulo monetário. Por todos os fatores enumerados anteriormente, o Comitê julgou adequado um ajuste de 0,75 ponto percentual na taxa Selic. Na avaliação do Comitê, uma estratégia de ajuste mais célere do grau de estímulo tem como benefício reduzir a probabilidade de não cumprimento da meta para a inflação deste ano, assim como manter a ancoragem das expectativas para horizontes mais longos. Além disso, o amplo conjunto de informações disponíveis para o Copom sugere que essa estratégia é compatível com o cumprimento da meta em 2022, mesmo em um cenário de aumento temporário do isolamento social.

Para a próxima reunião, a menos de uma mudança significativa nas projeções de inflação ou no balanço de riscos, o Comitê antevê a continuação do processo de normalização parcial do estímulo monetário com outro ajuste da mesma magnitude. O Copom ressalta que essa visão para a próxima reunião continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, e das projeções e expectativas de inflação.

Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Roberto Oliveira Campos Neto (presidente), Bruno Serra Fernandes, Carolina de Assis Barros, Fabio Kanczuk, Fernanda Feitosa Nechio, João Manoel Pinho de Mello, Maurício Costa de Moura, Otávio Ribeiro Damaso e Paulo Sérgio Neves de Souza.

*Valor obtido pelo procedimento usual de arredondar a cotação média da taxa de câmbio R$/US$ observada nos cinco dias úteis encerrados no último dia da semana anterior à da reunião do Copom.

Fonte: Banco Central

Pix avança, mas ainda carece de mecanismos de proteção ao consumidor, sobretudo no comércio eletrônico

O Pix, sistema de pagamento instantâneo brasileiro criado pelo Banco Central, completou nesta terça-feira (16/03) quatro meses de funcionamento com mais de 73 milhões de pessoas físicas e jurídicas cadastradas. O Pix baixou radicalmente o custo de transações eletrônicas entre pessoas, mas tem objetivos mais ambiciosos: promover a inclusão financeira ampla, reduzir a sonegação, aumentar a competitividade do setor e facilitar a vida das pessoas. Só que uma das maiores vantagens do Pix – o fato dos recursos serem transferidos em segundos de uma conta para outra, sem intermediários – também pode trazer dor de cabeça para os consumidores.

Na avaliação de Daniel Oliveira, CEO da paySmart, fintech que permite que qualquer empresa se torne um banco digital, algumas questões clássicas de proteção do consumidor, como o mecanismo de contestação de compras com cartões de crédito, podem fazer falta, sobretudo no comércio eletrônico. Ao comprar um bem ou serviço pela internet com o Pix, o consumidor precisa ficar atento porque nem sempre poderá reaver os valores pagos caso o produto não seja entregue.

“Os consumidores se acostumaram ao mecanismo conhecido como contestação ou disputa. Se a geladeira não chega no prazo estipulado, o consumidor pode cancelar a compra no cartão de crédito. Mas com a versão atual do Pix, o dinheiro está na conta do vendedor, imediatamente após a compra e não há muito o que se possa fazer”, explica o CEO da paySmart. Tal característica tem sido aproveitada por lojas fraudulentas, que normalmente oferecem produtos e serviços com preços muito abaixo do mercado por e-mail, mensagens de WhatsApp ou SMS.

“Antes, o objetivo deste tipo de ataque era roubar dados do cartão de crédito. A ideia, agora, é fazer com que o consumidor conclua o pagamento via Pix e, uma vez realizada a transação, o comprador não tem muito o que fazer a não ser procurar a justiça comum”, detalha Oliveira. Mesmo para o caso de sites de e-commerce verdadeiros, explica Daniel Oliveira, caso ocorra algum problema com a entrega, com a qualidade do produto ou ainda com a realização dos serviços contratados, o consumidor pode ter dificuldades para estornar a transação e ter o dinheiro de volta.

Em 2021, o Banco Central está planejando uma série de novas funcionalidades para o Pix, dentre elas o “Pix Cobrança”, que permitirá realizar cobranças agendadas similares a um boleto; o “Pix Agendado” que permitiria agendar uma transferência para uma data pré-estabelecida; e o “Pix Garantido”, uma espécie de caução, que bloquearia os valores na conta do remetente, mas que só faria a transferência posteriormente. Essas funcionalidades, juntamente com o “Pix Offline”, que permitiria ao pagador iniciar o pagamento mesmo estando temporariamente sem internet; o “Pix Saque”, para sacar dinheiro em espécie em caixas eletrônicos; e o “Pix por aproximação”, para fazer pagamentos em maquininhas por NFC, pretendem estender o sistema e resolver alguns problemas de usabilidade atuais.

“Enquanto esses mecanismos não estiverem disponíveis, entretanto, temos uma assimetria de risco entre o lojista e o consumidor quando comparamos o Pix com o cartão de crédito. Com o Pix, todo o risco de uma transação de comércio eletrônico está com o consumidor, enquanto que, com o cartão, há um balanço entre consumidor e estabelecimento – e a possibilidade da bandeira do cartão atuar como um árbitro ou fiel da balança em uma disputa”, explica Oliveira.

Outro problema que tem acontecido com frequência é a realização de pagamentos em duplicidade. Oliveira explica que, por uma instabilidade no sistema, ou problemas na conexão internet do usuário, não é incomum haver esse tipo de desacerto. Porém, reaver o dinheiro pago depende da boa vontade do vendedor ou prestador de serviço. No caso de empresas, processos internos, fluxos de documentos e autorizações podem fazer com que a devolução leve muitos dias.

De acordo com o Banco Central, de novembro de 2020 até o dia 28 de fevereiro deste ano, o Pix foi responsável por mais de 275 milhões de transações, movimentando mais de R$ 197 bilhões de reais – cerca de quatro transações por pessoa por mês.

Empresas Siemens abrem inscrições para Programa de Desenvolvimento de Talentos 2021

São mais de 100 vagas para estudantes oferecidas em todas as áreas do conhecimento. As inscrições vão até o dia 14 de abril.

Líderes no fornecimento de soluções inteligentes para os setores de indústria, infraestrutura e energia, as empresas Siemens e Siemens Energy abriram as inscrições para o Programa de Desenvolvimento de Talentos (PDT) 2021, com mais de 100 vagas para estudantes do ensino superior de todas as áreas do conhecimento. Podem participar graduandos de todo o Brasil, com formação prevista para julho de 2022 e julho de 2023, com inglês intermediário ou superior.

O programa, que tem duração de um a dois anos, oferece bolsa-auxílio compatível com o mercado, assistências médica e odontológica, seguro de vida, redução na jornada de estágio durante o período de provas, restaurante e estacionamento no local, auxílio transporte e/ou ônibus fretado, entre outros benefícios.

Os jovens terão a oportunidade de realizar job rotation, participar de treinamentos técnicos e comportamentais específicos, desenvolver competência on the job, por meio de atividades em projetos especiais, além de receber feedback formal de desempenho.

Para participar, os estudantes devem se inscrever para a Siemens Indústria aqui ou para a Siemens Energy aqui até o dia 14 de abril. O processo de seleção, que será totalmente online, inclui avaliações de inglês, análise de perfil, dinâmicas, painéis e entrevistas com gestores.

Holding RPX lança sistema bancário para municípios e prefeituras

Os bancos digitais vêm em um constante crescimento. Apenas em 2020, a Holding RPX – que tem como objetivo servir de curadoria para todas as empresas com inovação tecnológica em setores old age – lançou mais de 40 sistemas bancários e um dos destaques vai para o ‘Cidadão Bank’, que é um dos benefícios que o Cartão Portal oferece para os municípios.

Para Rafael Pimenta, CEO da Holding, a plataforma é direcionada aos municípios de qualquer cidade, que visa – de diversas formas – aproximar o cidadão à prefeitura, dando a possibilidade da mesma gerar novas receitas de investimentos para a cidade. “Decidimos lançar esse modelo, porque identificamos um meio de incentivar a cidadania e a auto suficiência da cidade. Através da plataforma, o gestor tem a oportunidade de trazer lucro e maior benefício para o estado”, explica.

Dentre os benefícios, a empresa promete uma plataforma diferenciada e fácil de usar. “Pensamos nas pessoas que não são adeptas ao uso da tecnologia. Além disso, o banktech conta com o cartão inteligente, onde serão incluídas informações como: prontuário médico, transporte público, boletim escolar, identificação escolar e acesso a conta bancária. Tudo em tempo real, tornando o dia a dia dos usuários mais prático”, comenta o CEO.

O investimento de 700 milhões, lançado em Fevereiro de 2020, unificou todas as informações de acesso necessárias para qualquer serviço público e privado em uma única plataforma, simplificada a um cartão. “Estamos, cada vez mais, em busca de modelos que auxiliem e dêem praticidade ao nosso público. Tenho certeza de que essa é apenas mais uma de nossas soluções”, finaliza Rafael.

Para saber mais, acesse: www.cidadaobank.com.br

Fintechs receberam meio bilhão de dólares em aportes até agora em 2021

Em apenas dois meses, foram investidos mais de US$ 500 milhões em fintechs brasileiras. Esse valor já representa ¼ do total investido no setor em todo o ano passado, e um recorde para o período. Os números foram contabilizados pela edição de março do Inside Fintech Report, relatório mensal realizado pelo Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito.

Em março, até agora, destacou-se o investimento recebido pela RecargaPay, que levantou uma rodada Series C de US$ 70 milhões com fundos de investimento estrangeiros. Chamou atenção também o aporte de US$ 18,5 milhões do Banco BV na Trademaster, uma fintech de crédito para pequenas e médias empresas.

“Esse alto volume não só é um marco, como também um claro indicador da disputa acirrada e do amadurecimento que acompanhamos nesse mercado. A medida que as fintechs estão se consolidando, temos visto mais rodadas de investimento volumosas”, diz Tiago Ávila, líder do Distrito Dataminer. “E essa corrida não se restringe mais somente às fintechs, uma vez que temos acompanhado cada vez mais startups de diferentes setores querendo abocanhar uma fatia do mercado de serviços financeiros, como também corporações criando spin-offs para entrar na disputa.”

O relatório traz ainda um panorama das fintechs voltadas para meios de pagamento, que têm ganhado grande destaque, com startups de outros setores abrindo frentes de negócio nesta direção, na esteira das oportunidades abertas pelo Pix e pelo Open Banking. Hoje são ao menos 166 fintechs atuando no setor — 16,3% das mais de 1 mil fintechs brasileiras mapeadas pelo Distrito.

As fintechs mais antigas dentro da categoria são as de processamento. A subcategoria é formada por startups que começaram a ganhar espaço em 2011, muito em função do crescimento do ecommerce no Brasil. Não à toa, há uma correlação bastante forte entre o crescimento do faturamento do e-commerce com a fundação dessas fintechs, o que reforça sua importância para o setor.

Como implementar e gerir o delivery nos negócios?

Bares, restaurantes e franquias recorreram fortemente aos serviços de entrega, mas fortalecer e aprimorar as operações de delivery não é uma tarefa fácil. Com o isolamento social, a estratégia de migrar para os aplicativos de entrega ou criar um canal próprio de delivery auxiliou milhares de empreendedores no Brasil e no mundo. Mas, existem alguns desafios comuns que muitos empreendedores enfrentam ao migrar seus negócios para o ambiente digital.

Segundo Ernesto Bitran, fundador e CEO da Go2Go – startup que ajuda na gestão de pedidos de estabelecimentos comerciais, somando o serviço de consultoria para implementação de delivery, o primeiro passo é entender em qual marketplace que a empresa quer vender e, ao mesmo tempo, compreender se a marca já têm clientes para consumir no canal escolhido ou se é preciso impactar novos consumidores.

Ernesto reforça que, se a empresa já tem clientes e existe uma relação com a marca, o melhor caminho para iniciar uma operação de delivery é desenvolver um canal próprio. “As marcas não devem apostar toda a operação de entrega nos aplicativos e sim, criar maneiras para falar diretamente com os consumidores. Isso permite que as empresas se relacionem e tenham mais proximidade com seus clientes, além de entender a relação que eles têm com cada canal”, destaca o fundador da Go2Go.

Para implementação do delivery, outro processo que requer muita atenção são as entregas. “A operação do salão é completamente diferente do delivery e, muitas vezes, o serviço de entrega acaba se tornando o principal canal da marca. Por isso, da mesma forma que o empreendedor precisa pensar se a marca já tem relação com o cliente ou se ele precisa construir a relação, é necessário desenhar a cadeia logística inteira e isso parte desde a análise das comidas oferecidas no cardápio até a escolha da embalagem adequada. Além disso, é necessário avaliar como é feita a logística pelo motoboy e com qual qualidade do produto chega até o cliente”, explica Ernesto.

Orquestrar toda essa cadeia, como ter múltiplos canais, administrar a central de atendimento e organizar a vida de quem opera na logística também é um dos pontos fundamentais para essa operação. “O desafio do empreendedor é organizar a cadeia inteira da operação de delivery de A a Z de uma forma que ele não se perca. A solução da Go2Go, por exemplo, permite que as empresas tenham uma visão completa e aprofundada dos dados de performance, em cada um dos canais de venda e isso é fundamental para entender o padrão de consumo por regiões, personalizar ofertas para clientes com base em seu histórico e levar em consideração o tipo de comida, dia da semana, horário pedido e característica do clima”, comenta Bitran.

Para Ernesto, os maiores desafios para 2021 será equilibrar todos os canais de vendas, potencializar os marketplaces que são mais interessantes para cada negócio e aproveitar a omnicanalidade. “Com os estabelecimentos fechados, todos correram para se conectar com aplicativos de delivery. Agora, que o funcionamento dos restaurantes voltaram, o foco volta para a operação do salão. A deliveryzação é um processo de multicanalidade e as marcas precisam conseguir utilizar todas as portas de entrada de maneira que elas convivam entre si de forma saudável e eficiente do ponto de vista financeiro. A multicanalidade é o que vai fazer esses empreendimentos serem menos dependentes dessas oscilações comportamentais, econômicas e pandemicas”, finaliza.

Flávia Costa assume área de relações públicas e comunicação da Infobip

A Infobip, uma plataforma de comunicação global que conecta negócios a experiências de consumo inovadoras em escala, anuncia Flávia Costa como especialista em relações públicas e comunicação na América Latina. Ela vai promover a visão e as inovações de produto da Infobip, elaborar posicionamentos estratégicos, cuidar da imagem da empresa e apoiar os esforços de mídias sociais da América Latina, integrados com a estratégia de RP e vendas da região.

Graduada em Jornalismo e pós-graduada em Comunicação e Gestão de Marketing pela USP, Flávia tem 15 anos de experiência em comunicação corporativa e já trabalhou em grandes empresas e agências, como Santander, Atos, CDI, Lide e Edelman. Em seu último cargo, foi responsável pela área de RP na fintech Magnetis Investimentos. 

“Estou feliz e animada para construir, junto com o time, um trabalho sólido e estratégico, ampliando a percepção de marca da Infobip na América Latina e contribuindo com a expansão e os resultados da empresa na região”, afirma a executiva. “Este cargo será um novo desafio para a minha carreira profissional.”

Flávia carrega em seu portfólio experiências em diversas áreas da comunicação, como RP, comunicação integrada, branding, assessoria de imprensa e comunicação interna. Além disso, ela se preocupa com o desenvolvimento profissional das equipes e com a satisfação contínua dos clientes.