Page

Author admin

6 dicas de como alcançar a simplicidade no ambiente de trabalho

Por Kristen Cox

Nosso mundo está cheio de culturas organizacionais que parecem prosperar em complexidade. Muitas vezes, nos orgulhamos da dificuldade e da sofisticação de nossos sistemas. Em contraste, passei a acreditar que os volumes de dados, gráficos, novas tecnologias, modelos preditivos e relatórios produzidos pelas empresas geralmente resultam em desordem e não em clareza. Escrever um ensaio de uma página, por exemplo, pode ser muito mais difícil do que escrever um ensaio de cinco páginas, porque temos que cristalizar nosso pensamento e injetar o significado correto em cada palavra.

A complexidade pode mascarar a ignorância e nos impedir de ver a floresta através das árvores ao sermos sobrecarregados com detalhes e componentes desnecessários. Em contrapartida, a simplicidade pode trazer clareza e revelar o que é realmente importante para nós entendermos e agirmos. A litografia “El Toro” de Picasso é uma excelente ilustração do que é necessário para alcançar a simplicidade ou essência de algo.

Picasso produziu várias iterações de seu touro antes de chegar à versão final. Ele passou da litografia granular e detalhada para sua criação final: uma série de linhas simples que capturam a essência de um touro. Como você pode ver, ele deu tanta atenção ao que ele poderia excluir quanto ao que deveria incluir.

Em seu livro Getting Real, Jason Friedman, o fundador da 37Signals, reforça a necessidade de eliminar o estranho. Friedman acredita muito que menos é mais e que manter o foco no essencial é fundamental. Ele escreve: “Cuidado com a abordagem ‘tudo, exceto a pia da cozinha’ … leve em conta todas as ideias decentes que surgirem e acabe com uma versão média do seu produto …”

Atenha-se ao que é verdadeiramente essencial. Algumas boas ideias podem ser apresentadas. Concentre-se no que você acha que seu produto deveria ser e, em seguida, corte-o ao meio. Elimine as características de um sistema ou produto até que você mantenha as peças mais essenciais. Então, corte de novo e de novo.

Alcançar a essência ou o coração de sua organização ou trabalho não é necessariamente fácil, mas é possível com a mentalidade e ferramentas certas. Aqui estão algumas ideias que nos ajudarão a pensar “mais simples”:

Simples não significa necessariamente fácil. Alcançar a solução mais simples pode exigir trabalho duro e raciocínio rigoroso, mas o investimento vale a pena. Se Einstein pôde reduzir a equivalência entre energia e massa para E = mc², é possível para nós destilar nosso trabalho em conceitos mais elegantes e compreensíveis.

Seja absolutamente claro sobre o seu propósito e a missão única que você está tentando realizar: não seja preguiçoso ou tente ser tudo para todos;

Não aceite a resposta “é complicado”;

Seja implacável em encontrar o problema da raiz e evite corrigir os sintomas;

Pergunte aos seus clientes e funcionários o que eles não querem, em vez de sempre perguntar o que eles querem;

Considere o que você deixaria de fazer e quais componentes são essenciais para a missão se você tivesse metade do tempo e metade do orçamento;

Gastar muito tempo pensando sobre o que você deve parar de fazer, como você faz, o que você deve começar a fazer…

Kristen Cox, diretora executiva do Escritório de Administração e Orçamento do Governo de Utah (EUA). A autora foi eleita a melhor gestora dos Estados Unidos em 2015, por aplicar a Teoria das Restrições (TOC) na gestão pública.

Criptomoedas – prestação de informações passa a ser obrigatória

Conforme Instrução Normativa da Receita Federal Nº 1.888, de 3 de maio de 2019, quem movimentar criptoativos (criptomoedas ou moedas virtuais) deverá enviar a prestação de conta ao governo de todas as informações dessa ação. O primeiro conjunto de informações referente ao tema deve ser entregue em setembro de 2019, contendo as operações realizadas em agosto de 2019.

A partir dessa data transmissão dessa obrigação passará a ser mensal, até as 23h59min59s do último dia útil do mês-calendário subsequente àquele em que ocorreu o conjunto de operações realizadas com criptoativos. Mesmo com a declaração ainda será necessário a guarda dos documentos e manutenção dos sistemas de onde elas foram extraídas.

O envio dessa informação será obrigatório para as pessoas físicas ou jurídicas residentes ou domiciliadas no país que fizerem operações mensais superiores a R$ 30.000,00 e para exchange de criptoativos que atuam no Brasil.

“Essa nova obrigação já era esperada, acredito até mesmo que demorou para ser publicada, frente a cada vez maior busca de informações referentes as movimentações financeiras. Haviam muitas acusações até mesmo de lavagem de dinheiro por esse meio, agora com essa obrigatoriedade o cerco se fecha”, explica o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos.

Como entregar

Os dados das movimentações deverão ser prestados por meio do sistema Coleta Nacional, disponibilizado no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) da RFB, em um modelo que será definido em até 60 dias pelo Governo. O que se sabe é que será enviado de forma eletrônica devendo ser assinado digitalmente pela pessoa física, pelo representante legal da pessoa jurídica ou pelo procurador.

Definições de criptoativos

Segundo definição da Receita:

Criptoativo: a representação digital de valor denominada em sua própria unidade de conta, cujo preço pode ser expresso em moeda soberana local ou estrangeira, transacionado eletronicamente com a utilização de criptografia e de tecnologias de registros distribuídos, que pode ser utilizado como forma de investimento, instrumento de transferência de valores ou acesso a serviços, e que não constitui moeda de curso legal; e

Exchange de criptoativo: a pessoa jurídica, ainda que não financeira, que oferece serviços referentes a operações realizadas com criptoativos, inclusive intermediação, negociação ou custódia, e que pode aceitar quaisquer meios de pagamento, inclusive outros criptoativos.

“Como pode se observar é bastante amplo o campo de abrangência dessa nova obrigação, contendo desde a pessoa física, que investe nesses produtos financeiros, até as empresas que fazem a gestão e as chamadas mineradoras. Reforçando que a Receita Federal incluiu no conceito de intermediação de operações realizadas com criptoativos, ‘a disponibilização de ambientes para a realização das operações de compra e venda de criptoativo realizadas entre os próprios usuários de seus serviços’”, detalha Domingos.

As movimentações que deverão ser declaradas são: compra e venda; permuta; doação; transferência de criptoativo para a exchange; retirada de criptoativo da exchange; cessão temporária (aluguel); dação em pagamento; emissão; e outras operações que impliquem em transferência de criptoativos.

Multas pela não entrega ou erros

A não entrega desse documento nos prazos estabelecidos fará com que a pessoa física ou jurídica esteja sujeita a multas. Em caso de pessoa jurídica será de R$ 500,00 a R$ 1.500,00 por mês ou fração de mês. Já para pessoa física será deR$ 100,00 por mês ou fração.
Em caso de prestação com informações inexatas, incompletas ou incorretas ou com omissão de informação, a multa será de 3% do valor da operação a que se refere a informação, não inferior a R$ 100,00 (cem reais), no caso de pessoa jurídica. Para Pessoa física será de 1,5% do valor da operação a que se refere a informação.

Tags, , ,

O despertar da inovação no mercado atacado distribuidor

Por Luciano Almeida

Transformação Digital é a expressão do momento nas empresas. Neste ano, os termos metodologia ágil e inovação entram com muito mais força no vocabulário corporativo e explanam a capacidade de obter benefícios embutidos neste conceito. Não é à toa que até o final de 2019 os investimentos das empresas em transformação digital serão de, aproximadamente, US$ 1,7 trilhão em todo mundo. Um incremento de 42% em relação aos gastos do ano passado, segundo o IDC (Internacional Data Corporation).

A jornada digital se assemelha a uma grande viagem. Existe o planejamento, o convite para o engajamento e o agendamento para início. Logo depois, existe aquela preparação básica, como verificar trajeto, os locais de descanso e também as atrações.

Após o “go live”, deparamos com atrasos no voo, overbooking, falha na reserva do hotel e atrações em manutenção. Nos piores casos, brigas e desentendimentos afastando os integrantes da viagem.

Se olharmos mais amplamente, essa jornada pode ser equiparada às nossas vidas com muitos desafios, conquistas, derrotas, tempestades e dias lindos no caminho, que não podemos abandonar. Talvez possamos dar um tempo, mas teremos que retomar.

Ambas as analogias cabem em muitos mercados, em especial ao mercado atacadista distribuidor. Este setor, importante elo da cadeia de abastecimento, ainda manda às favas a digitalização de processos, bem como também não se deu conta do papel catalizador da inovação, de aproximar clientes e agilizar o go to market.

Muitas dessas empresas vivem, ou viveram recentemente, rotinas analógicas por uma questão cultural. Fruto de gestões anteriores, dos tempos em que a negociação era feita com papel, caneta e “olho no olho”. Alguns empresários até começam a se atentar para a importância da tecnologia nos negócios devido à chegada de jovens,sucessores que entram para a liderança.

Esta movimentação contempla o início de um despertar para a transformação digital no atacado distribuidor. Será um caminho de disrupção, nde a tecnologia dará ferramentas para entender de forma profunda quem é o cliente e todas as suas necessidades. Ou seja, haverá prerrogativas de inovação à disposição para ajudar as distribuidoras a potencializarem os seus negócios.

A transformação é só uma parte desta “jornada digital”, focada nos aspectos de trazer cada vez mais, migalhas analógicas do nosso passado para um futuro de bit e bytes. Não é modismo, é necessidade básica de sobrevivência corporativa. É a reserva no voo sem a qual você não conseguirá embarcar.

Fiquemos atentos e a bordo porque estamos apenas no começo da era da transformação.

Luciano Almeida, diretor de tecnologia da MáximaTech, companhia desenvolvedora de soluções móveis para força de vendas, e-commerce, trade e logística para o atacado distribuidor.

Tags, , , , ,

Grupo XP avança em inovação e inaugura espaço dedicado aos squads

Buscando manter um caminho de inovação não só em seus serviços como também na sua parte organizacional, o Grupo XP inaugura um andar dedicado aos squads, em sua sede, na capital paulista. A decisão de estabelecer um espaço a esses grupos multidisciplinares, que unem profissionais com diferentes habilidades e que trabalham com objetivos específicos, reafirma o compromisso da XP em buscar soluções originais, inovadoras e ágeis para seus clientes e colaboradores. O andar possui ainda o LAB, ambiente destinado a todos os funcionários da empresa, que visa promover a integração dos times e o constante estimulo à criatividade e troca entre as equipes.

Os primeiros squads da empresa foram formados no final de 2017, para iniciar a metodologia de desenvolvimento ágil que o Grupo estava implementando. Hoje, já são quase 50 times com mais de 430 colaboradores atuando nesse formato. Os pequenos grupos reúnem talentos que se complementam e atuam de forma colaborativa para otimizar as entregas e simplificar processos, além de trazer uma maior integração entre as áreas de Tecnologia e negócios. Assim, todo squad possui, por exemplo, um Product Owner, User Experience/ User Interface designers (responsáveis por criar interfaces focadas na melhor experiência e interação do usuário), time de desenvolvimento (DEV team), Tech lead, analista de testes e Agile coach.

“As alterações vieram principalmente após o Grupo XP perceber que, para acompanhar as rápidas transformações do mercado financeiro, motivadas sobretudo pelo surgimento de startups, seria necessário adaptar o ambiente da empresa para que fosse possível responder com rapidez aos estímulos de mudança. Junto disso, realizamos também uma grande transformação no mindset dos times, colocando cada vez mais o cliente no centro das decisões visando ser mais assertivo na entrega de experiências e soluções”, explica Thiago Maffra, Sócio e CTO do Grupo XP.

Além da formação dos grupos multidisciplinares, também foram implementadas as metodologias Lean e Scrum para dar mais agilidade aos processos, complementadas por investimentos em capacitações constantes, ambientação, gestão de pessoas e ações que estimulem autonomia e inovação. “Mais do que mudar a forma de trabalho, há a construção de um novo mindset. Os impactos têm sido positivos ao negócio e à cultura, que vem se transformando em toda a XP”, conclui Maffra.

Em apenas um ano, a adoção da metodologia ágil tem sido reconhecida também externamente: o Grupo XP conquistou o prêmio “Agilidade Brasil”, na categoria “Cultura Ágil”, nível Enterprise, em abril. E, ainda, está concorrendo em duas categorias, “Aplicativos de Investimentos” e “Customer Success”, do “Prêmio e-finance”, que destaca importantes projetos na área de TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação) implementados por organizações que compõem a vertical financeira no Brasil.

Com uma nova estrutura dedicada aos squads e buscando por mais inovação, o Grupo XP também está procurando atrair um novo perfil de profissionais, principalmente na área de tecnologia. Esse perfil precisa ter foco no cliente, empatia, colaboração e abertura para novos desafios. Para mais detalhes sobre as vagas abertas, veja em https://jobs.kenoby.com/grupoxp.

Grupo brasileiro cria plataforma de gestão de compliance e prevenção de práticas corruptas

O grupo formado pelas empresas Compliance Total e Contato Seguro lançou em 14 de maio, durante o 7º Congresso Internacional de Compliance, em São Paulo, a Compliance Station®, uma plataforma que oferece às empresas soluções para implementação e gestão de políticas de compliance e transparência, incluindo todas as atividades processos e ferramentas necessárias.

Segundo Wagner Giovanini, sócio-diretor da Compliance Total e Contato Seguro, o objetivo da plataforma é fornecer às empresas todos os instrumentos de um sistema de integridade para prevenir práticas ilícitas, entre elas corrupção, fraudes, questões concorrenciais. “A Compliance Station® é uma solução completa para a empresa construir seu próprio sistema de maneira fácil, rápida e profissional. Ela irá gerar as políticas de compliance, códigos de conduta e todos os materiais de comunicação e treinamento, além de propiciar a gestão da documentação, dos parceiros e fornecedores, canal de denúncia, entre outros, sem a necessidade de contratar uma consultoria especializada”, diz. “A plataforma disponibiliza mais de mil documentos e tutoriais, para facilitar a vida do gestor, que estarão à mão, à medida que uma necessidade lhe surgir à frente, seja nas atividades programadas ou em situações específicas e pontuais”, explica.

A Compliance Station® conta com 12 módulos para a implementação, incluindo a identificação de riscos, estabelecimento de códigos de conduta, introdução do canal de denúncia, comunicação, treinamentos, reuniões, entre outros. Adicionalmente, a plataforma auxilia o profissional, que não precisa ser especialista em compliance, a gerar relatórios analíticos com os resultados do seu sistema, incluindo os de auditorias internas. “O objetivo, além de apresentar uma solução completa de compliance, é capacitar os profissionais para o devido tratamento de todos os processos e atividades que visam proteger a empresa, prevenir irregularidades, detectar eventuais ilicitudes e promover as correções devidas”, completa Wagner.

O Grupo ressalta que a Compliance Station® é completa, capaz de atender aos requisitos das normas aplicáveis (ISO 37.001 e DSC 10.00o) e da Lei nº 12.846/2013, também conhecida como Lei Anticorrupção, que prevê punições pesadíssimas às empresas infratoras.

Parceria internacional

Além do lançamento da Compliance Station®, o Grupo anunciou ainda a assinatura de um contrato de parceria e cooperação com a Compliance Ecuador C.L., com o objetivo de exportar tecnologia e conhecimento para implantação de sistemas de integridade corporativa em corporações operantes em países da América Latina. Na prática, a parceira transfere o know-how brasileiro no combate à corrupção para os países latino americanos.

Contrato firmado

Como resultado imediato, as companhias fecharam dois contratos importantes no Equador. O primeiro com uma das maiores operadoras de telecomunicações atuante não somente no país, mas em outros países da América Latina, e o segundo com uma grande companhia do Equador que atua no mercado de produção e distribuição de alimentos. “Nosso objetivo é disseminar a cultura da integridade e ética no âmbito corporativo”, explica Marcelo Gomes, sócio-diretor executivo da Compliance Total e Contato Seguro.

As empresas já estão atuando em conjunto no mercado Andino, atendendo países como Equador, Colômbia e Peru. Os planos para chegar à América Central e México, bem como à região do Cone Sul, na Argentina e Chile, estão em andamento. “Vamos colocar em prática o que funcionou aqui no Brasil para o combate à corrupção e a disseminação da cultura de integridade corporativa”, ressalta Santiago Reyes Mena, sócio e CEO da Compliance Ecuador.

Tags, , ,

Indústria 4.0 impulsiona mercado de trabalho para engenheiros

Uma tendência de automatização e tomada de decisões com base em dados está tomando conta dos processos industriais em todo o mundo. É a chamada Quarta Revolução Industrial, ou Indústria 4.0. No Brasil, segundo dados da Price Waterhouse Coopers (PwC), apenas 9% das empresas estão em nível avançado de digitização — transformação dos processos nos mais automatizados e digitais possíveis. Porém, até 2020, a expectativa é que o percentual salte para 72%, o que mostra uma grande oportunidade de trabalho para engenheiros.

“Todas as áreas que podemos observar oferecem boas oportunidades para os engenheiros da computação, mas a industrial é a mais promissora. Por exemplo, em 2019 a Toyota e a Lexus estão lançando carros elétricos no Brasil. É um braço da indústria automotiva com enorme carência de engenheiros”, afirma o coordenador do curso de Engenharia da Computação no Centro Universitário Internacional Uninter, Frank Alcantara.

Outros campos em pleno crescimento são o uso da inteligência artificial para os mais diversos ramos, como o mercado financeiro, a automação de processos, a integração de máquinas a sistemas eletrônicos (Internet das Coisas) e o processamento de dados. De acordo com a pesquisa conduzida pela PwC, 97% das empresas acreditam que os dados serão essenciais para tomadas de decisão nos próximos cinco anos.

Segundo o professor, a grande demanda do mercado de trabalho não garante emprego para o recém-formado. Para se destacar entre os colegas de profissão, é preciso ter conhecimento de áreas como de Redes Neurais e Computação Quântica, que ainda não são exploradas na maioria dos cursos de graduação.

Os engenheiros eletricistas também contam com oportunidades de trabalho nessas áreas, principalmente por meio da Eletrônica Embarcada, da Microeletrônica e da Robótica. “O desenvolvimento de sistemas embarcados, por exemplo, está revolucionando a Indústria 4.0. São computadores completamente dedicados ao dispositivo que eles controlam, diferentemente dos computadores pessoais, que são generalistas. Assim, conseguimos reduzir até mesmo o custo dos projetos, além de otimizá-los”, explica o coordenador do curso de Engenharia Elétrica da Uninter, Juliano Pedroso.

O engenheiro de produção com conhecimentos da Indústria 4.0 também pode se destacar no mercado de trabalho, principalmente na Consultoria Industrial. Com sua visão ampla do processo produtivo, pode identificar onde é possível implantar automação e processamento de dados para otimizar processos e reduzir custos. “Os engenheiros de produção são profissionais com visão holística. Conseguem ver tudo o que ocorre em todos os departamentos da empresa para tomar as decisões mais assertivas possíveis”, explica o coordenador do curso na Uninter, Douglas Agostinho.

SAP Brasil fará demonstrações de tecnologias e apresentação de cases de clientes durante a Conferência Gartner Data & Analytics

A SAP Brasil fará demonstrações de novas tecnologias e compartilhará cases de sucesso com clientes na Conferência Gartner Data & Analytics. Além da participação em dois painéis executivos, a empresa fará apresentações no estande para demonstrar o potencial das soluções SAP na construção de empresas inteligentes.

Entre os destaques, estão as soluções SAP Cloud Platform (SCP), tecnologias de reconhecimento facial com SAP Leonardo, de analises preditivas com SAP HANA e as recém anunciadas soluções de análise do perfil de clientes com SAP Qualtrics.

“Participar da Conferência Gartner representa uma excelente oportunidade para posicionar todo o potencial da abrangente estratégia de dados e analytics da SAP, em um evento que reúne analistas de diversos países. Vamos reforçar o nosso compromisso para impulsionar a transformação digital, apoiada numa proposta diferenciada, “de conectar e não apenas coletar”, complementada com a recém anunciada integração de Qualtrics ao portfólio da SAP”, afirma Tonatiuh Barradas, SVP & Head da Plataforma de Inovação e Tecnologias Inteligentes da SAP América Latina.

Segundo Barradas, Qualtrics permite às organizações captar continuamente as opiniões, emoções e intenções dos clientes, colaboradores, fornecedores e parceiros, a partir da integração de dados de experiência (X-data) com dados operacionais (O-data) captados diretamente em aplicações de negócios, como os sistemas CRM, ERP ou HCM (gestão de capital humano), para realizar melhorias e ações contínuas.

A empresa também participa da conferência com as palestras de Scott Sleeper, vice-presidente de Plataformas e Tecnologias na SAP, que irá abordar a jornada das empresas inteligentes sob a perspectiva da sustentabilidade, e do Tonatiuh Barradas, líder da plataforma de inovação e inteligência tecnológica na SAP, que falará sobre o potencial dos dados para transformar a sociedade.

Agenda de palestras da SAP na Conferência Gartner:

29/05 (quarta-feira) das 11h30 às 12h15 – Scott Sleeper

Uma perspectiva sobre a sustentabilidade e a empresa inteligente – a palestra vai trazer uma discussão prática sobre como aproveitar as várias tecnologias necessárias para entregar uma empresa’ inteligente’. O objetivo é aproveitar as diferentes tecnologias para criar um recurso sustentável na construção de aplicações, passando por tópicos como dados, análises, inteligência artificial e aprendizagem de máquina e como integra-los para alcançar a próxima geração de resultados.

30/05 (quinta-feira) das 10h45 às 11h30 – Tonatiuh Barradas

Dados analíticos transformando a sociedade – a palestra abordará a utilização do poder do conhecimento na criação de uma sociedade sustentável, aplicando a tecnologia da informação para impactar a vida das pessoas e tornar o mundo melhor

Soluções e Serviços da SAP em destaque na Conferência Gartner Data & Analytics:

SAP Cloud Platform – plataforma como serviço (PaaS) empresarial, oferece recursos abrangentes de desenvolvimento de aplicativos para ajudá-lo a ampliar, integrar e desenvolver aplicações inovadoras em menos tempo – sem o esforço de manter uma infraestrutura. Use serviços para mobilidade, Big Data, machine learning, Internet das Coisas e outros para fornecer aplicativos empresariais seguros que integram e otimizam sua infraestrutura de TI, promovem agilidade e aceleram a transformação digita

Análises preditivas com SAP HANA – recursos de processamento de funções analíticas do SAP HANA para prever resultados futuros com maior precisão apoiados em soluções de Big Data e com capacidade de analisar qualquer tipo de dados – e de se integrarem perfeitamente ao Hadoop, R e SAS – as funções analíticas preditivas do banco de dados SAP HANA permitem estabelecer melhores práticas de otimização e acelerar a tomada de decisões pelas empresas.

Tecnologias de reconhecimento facial apoiadas pelo SAP Leonardo e desenvolvidas no SAP Labs, centro de pesquisa e desenvolvimento da SAP localizado em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul.

SAP Qualtrics – apenas três meses depois de concluir a aquisição da Qualtrics, a companhia acaba de anunciar 10 novas soluções que combinam dados de experiência (X-data) com dados operacionais (O-data) para medir e aprimora as quatro principais experiências de negócios — as de clientes, funcionários, produtos e marcas. A implantação desse sistema define um novo padrão para o software empresarial. As novas ofertas – quatro para experiência do cliente (CX), três para experiência do funcionário e três para pesquisa de mercado — integram X-data diretamente em aplicações de negócios, como os sistemas SAP de CRM, ERP ou HCM (gestão de capital humano), para realizar melhorias e ações contínuas.

Acontece em São Paulo 14ª Fórum de Carreiras

Organizado pelo Instituto Via de Acesso, o Fórum de Carreiras 2019 acontecerá em São Paulo, em 11 de Junho, das 9h15 às 18:30, no Hotel Maksoud Plaza (Alameda Campinas, 150, Bela Vista) e terá a presença de três importantes mulheres do meio empres arial – Luiza Trajano – Presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza; Fiamma Zarife – CEO Twitter Brasil; Deborah Wright – Conselho de Administração (Banco Santander) e Clóvis Tavares – consultor, palestrante, escritor e mágico.

O principal objetivo desta edição é mostrar a importância da Inovação para gerar Impacto Social e Ambiental nas empresas e no planeta. Para debater o tema,renomados palestrantes compartilharão suas experiências de forma prática, permitindo aos jovens e profissionais presentes aprimorarem seu desenvolvimento profissional.

“Entre 2018 a 2019, houve aumento de 20% de jovens inscritos no Programa Aprendiz e Estágios”, informa Ruy Leal, superintendente geral do Instituto. Com o mercado aquecido pela inserção profissional entre os jovens, o Fórum tornou-se um grande al iado para os 2.500 inscritos entre alunos e gestores.

O Instituto Via de Acesso preocupa-se com a sustentabilidade ambiental e com o impacto do aquecimento global. Também está conectado com o futuro visando contribuir para o aspecto comportamental dos jovens. A instituição sabe da importância de se mudar de dentro para fora visando a transformação de uma sociedade mais igualitária.

As inscrições são gratuitas e deverão ser feitas no site viadeacesso.org/

O evento conta com o patrocínio da Klabin e o apoio de empresas que já colaboram com a instituição, tais como: Metrô de São Paulo, Supermercado Dia, Seguros Unimed, Furukawa Eletric e Mapma, entre outras. Os organizadores solicitam um quilo de alimento por palestra para doação ao Banco de Alimentos de São Paulo.

Serviço:

Data: 11/06/19
Horário: 9h15 as 16h
Local : Maksoud Plaza – Al. Campinas, 150, Bela Vista – SP

Entrada : 1kg de alimento por palestra (os itens serão doados ao Banco de
Alimentos de São Paulo).

Programação:

9h15 – Deborah Wright – Conselho de Administração do Banco Santander
Tema: “Construindo sua Carreira”

11h30 – Clóvis Tavares – Consultor, Palestrante, Escritor e Mágico
Tema: “Inovar Para Transformar Desafios em Oportunidades”

14h30 – Fiamma Zarife – CEO Twitter Brasil
Tema: “O Futuro do trabalho: de que forma a tecnologia impacta o mercado e
as relações”

16h30 – Luiza Helena Trajano – Presidente do Conselho do Magazine Luiza
Tema: “Inovando para melhorar a vida do outro, da sociedade e do planeta”

* Portadores de necessidades especiais poderão contar com tradução em libras e espaço exclusivo com adaptações necessárias.

Pesquisa global da Salesforce aponta Tendências sobre atendimento aos clientes

A Quarta Revolução Industrial redefiniu as expectativas dos clientes. O lançamento e aprimoramento de tecnologias, como as mídias sociais, os smartphones e a Inteligência Artificial, impactaram significativamente o que os consumidores esperam.

Atualmente, a experiência do cliente é um dos diferenciais competitivos das companhias, e as equipes de atendimento ao cliente passam por uma elevação de seu papel nos negócios. Segundo o State of Connected Customer, 80% dos clientes consideram a experiência com uma empresa tão importante quanto os produtos que ela oferece. Entre os brasileiros, esse número bate os 89%.

Pensando nesse cenário, a Salesforce acaba de divulgar a terceira edição do relatório State of Service, que entrevistou mais de 3,5 mil agentes e tomadores de decisão em todo o mundo, para apontar tendências de atendimento aos clientes. Além disso, o estudo também mapeou os maiores desafios e prioridades das empresas, a mudança do papel dos agentes de atendimento, os impactos da inteligência artificial (IA) e o papel dos trabalhadores remotos no atendimento ao cliente conectado.

Para 80% dos tomadores de decisão, diretores e líderes da área de serviço ao consumidor entrevistados pelo State of Service 2019, as novas tecnologias estão transformando as expectativas dos clientes sobre suas empresas. Entre os líderes brasileiros, esse número representa cerca de 90% dos entrevistados.

A modernização das equipes de atendimento, a revisão dos fluxos de trabalho e o investimento em novas tecnologias, estão no topo das tendências globais para o aperfeiçoamento dos serviços aos consumidores. Para 82% dos líderes entrevistados, o atendimento ao cliente de sua companhia precisa se transformar para manter-se competitivo. Entre os participantes brasileiros da pesquisa, esse número fica em 73%.

Principais desafios no Brasil

No Brasil, 300 profissionais e líderes de atendimento ao cliente foram entrevistados. As mudanças nas expectativas dos clientes se refletem especialmente nas prioridades das equipes de atendimento. Indicadas pelos líderes da área – empatadas em primeiro e segundo lugar – estão: melhorar as habilidades da força de trabalho, capacitando os agentes para funções mais complexas e estratégicas; e o investimento em tecnologias de serviços, para municiar as equipes. Em terceiro e quarto, também empatadas, estão: integrar os serviços em toda a empresa e incrementar os processos e fluxos de trabalho.

Em contrapartida, os profissionais brasileiros se deparam com desafios como acompanhar as mudanças nas expectativas dos clientes, as restrições orçamentárias e com ferramentas e tecnologias insuficientes para o desenvolvimento de um bom trabalho. Apenas 69% dos agentes brasileiros dizem ter todas as tecnologias necessárias para realizar seu trabalho.

Para superar os desafios, 88% dos decisores dizem realizar investimentos significativos no treinamento de profissionais, e 78% indicam que melhorar as habilidades da força de trabalho é uma prioridade de suas empresas para os próximos dois anos.

Inteligência Artificial

A Inteligência Artificial (IA) é uma das principais tecnologias da quarta revolução industrial. Globalmente, mais da metade das organizações (56%) estão buscando maneiras de usar a IA como uma solução potencial para executar tarefas que normalmente exigiriam interação humana, deixando os atendentes livres para outras funções. Enquanto a adoção ainda se encontra em estágio inicial no atendimento ao cliente – apenas 24% das organizações utilizam IA –, a projeção de crescimento na área é de 143% nos próximos 18 meses.

Entre as empresas brasileiras a tecnologia tem uma estimativa de crescimento em torno dos 133%, no mesmo período. O número está um pouco abaixo da média global (143%), e atrás de países como México (300%), Alemanha (293%), Singapura (267%), França (229%), Reino Unido (177%), Estados Unidos (174%) e Canadá (153%).

Além disso, 37% já utilizam a tecnologia de IA para o atendimento aos consumidores, No Brasil. O País está em quarto lugar, atrás de Índia (46%), Países Nórdicos (36%) e o Japão (33%). Já 42% dos serviços brasileiros tem planos para o uso nos próximos 18 meses, a taxa é a terceira mais alta, atrás apenas de México (50%) e Singapura (49%).

No caso dos Chatbots com IA, 30% das empresas do País usam a ferramenta para contato com os clientes e 41% tem planos para o uso nos próximos 18 meses. A projeção de crescimento dessa tecnologia no Brasil é de 137%, alinhada com os 136% da média global.

“As empresas estão entendendo os benefícios da IA para os negócios, à medida que esta tecnologia está amadurecendo, novas possibilidades surgem e o interesse empresarial aumenta”, comenta Fabio Costa, General Manager da Salesforce para Brasil. “IA vai auxiliar as equipes de atendimento a focarem em problemas mais complexos e no relacionamento com os consumidores”.

Relacionamento digital e omnicanal

Os clientes estão cada vez mais conectados, principalmente nos canais digitais. Segundo o State of Connected Customer 2018, um consumidor usa em média 10 canais para se comunicar com as empresas e esperam que o atendimento mantenha o mesmo nível em todos eles. Os profissionais têm percebido isso e entre os brasileiros 80% observam um aumento no volume de casos por meio de canais digitais de suas empresas.

Os profissionais de atendimento ao cliente têm compartilhado metas e métricas com outras áreas das empresas, 83% dividem com os times de vendas, 76% com a equipe de e-commerce e 73% com o time de marketing. Essa tendência tem gerado novas dinâmicas de trabalho nas empresas, com maior suporte das áreas para complementar os trabalhos uns dos outros, promovendo melhores experiências durante a jornada dos clientes.

“A integração entre as áreas da empresa é um dos pontos primordiais para uma melhor experiência dos clientes. O alinhamento das estratégias e o compartilhamento de métricas e metas entre as áreas da empresa, principalmente as que têm contato com o cliente, são determinantes para entender e aprimorar a jornada dos clientes”, comenta Fabio.

Trabalhadores móveis na linha de frente das marcas

O serviço de atendimento não passou apenas para o digital, ele também foi transferido para fora dos limites do escritório. Atualmente, o serviço de atendimento remoto (realizado em campo, na casa ou no trabalho do cliente) é uma grande iniciativa para as equipes de atendimento em todos os setores, à medida que essas buscam elevar as experiências dos clientes a um novo nível.

Não à toa, 92% dos líderes brasileiros dizem que a experiência do cliente com um trabalhador remoto é reflexo de suas empresas e 85% dizem que fornecem a esses colaboradores a tecnologia e os recursos necessários para realizar um bom trabalho.

“O atendimento remoto exige investimentos em tecnologias móveis e sistemas que permitam aos atendentes acessar informações de maneira rápida e efetiva. Por estarem na linha de frente com o cliente, qualquer erro ou lentidão prejudica a experiência com a marca”, aponta Fabio. Segundo o estudo, 60% dos líderes brasileiros aumentaram o número de funcionários móveis no último ano e 84% esperam aumentar o número de trabalhadores móveis no próximo ano.

Baixe o levantamento completo em: https://www.salesforce.com/form/service-cloud/3rd-state-of-service.

CEO da Cargo X é nomeado uma das 100 pessoas mais criativas no cenário global dos negócios

A Fast Company anunciou hoje sua 10ª lista anual de Pessoas Mais Criativas nos Negócios, homenageando um grupo influente e diversificado de 100 líderes globais em diferentes setores. Federico Vega, CEO da logtech brasileira que busca reescrever o futuro do transporte de cargas no Brasil por meio da Tecnologia, Cargo X, está entre os vencedores. Este é o segundo reconhecimento da revista, em 2018 a Cargo X foi eleita empresa mais inovadora.

“Reescrever a cultura de transportes de carga no Brasil, este é o propósito da Cargo X e o meu também. Ser reconhecido por isso é algo muito gratificante. Continuaremos trabalhando para garantir, cada vez mais, resultados positivos para caminhoneiros, empresas, empreendedores frotistas e outros atores do nosso setor “, afirma Federico Vega, CEO da Cargo X.

Vega iniciou sua jornada no empreendedorismo ao fazer viagens de bicicleta por todo Brasil e observar a falta de infraestrutura disponível para os caminhoneiros e transportadores. Ao se deparar com essa realidade, ele iniciou a Cargo X, logtech totalmente dedicada a melhorar a eficiência do transporte de cargas por todo País ajudando transportadoras e caminhoneiros conseguir mais cargas e fornecendo com capital de giro, tecnologia para os transportadores.

Em termos de investimento, a Cargo X já passou por cinco rodadas de investimento e trouxe mais de 340 milhões de reais para se aplicado no País.

A lista reconhece pessoas cujo trabalho tem um impacto importante ao redor do mundo e que conquistaram algo inédito seu campo de atuação, impulsionando setores e solucionando problemas globais e sociais de maneiras inovadoras.

Para ver a lista completa, acesse: fastcompany.com/most-creative-people/2019

Pessoas que mudaram de vida com a atividade freelance

Cada vez mais, o mercado de trabalho está mudando. Há alguns anos, para um profissional se tornar seu próprio chefe sem um grande investimento, era algo impensável, assim como ser financeiramente independente sem uma carteira assinada e começar uma carreira nova depois dos 40 anos. Felizmente, com a chegada da tecnologia, modalidades de trabalho como a de freelancer se popularizaram, o que permitiu uma nova realidade no mercado

Em 2018, o número de microempreendedores individuais (MEIs) cresceu mais de 50%, de acordo com dados do Portal do Empreendedor, e com isso, a atividade freelance também aumentou: segundo um levantamento realizado pela Workana, plataforma de trabalho freelance com atuação em toda a América Latina, a modalidade cresceu 80% em 2018.

No último ano, áreas como Design e Suporte administrativo vem sendo áreas muito procuradas na plataforma, sendo a última, a área de atuação de Carla Larrossa e Janeh Ribeiro, dois exemplos de como a atividade freelance pode proporcionar tanto um estilo de vida diferente, como oportunidades que não são tão comuns em trabalhos convencionais.

Janeh é freelancer na Workana e trabalha com tradução, conteúdos e Suporte Administrativo. Nos últimos anos, mudou significativamente a sua vida e passou a viajar pelas Américas enquanto trabalha freelance. “Há dois anos e meio decidimos quebrar paradigmas e mudar radicalmente nossa vida. Deixamos empregos, vendemos casa, carro, móveis, compramos um motor home e saímos para um projeto, de um ano, rodando pelas Américas. Fomos do Brasil aos Estados Unidos e voltamos”, diz Janeh.

Já Carla Larrossa é redatora freelance e também trabalha na área de suporte administrativo. Ficou desempregada quando seus empregadores descobriram que estava grávida, por isso precisou buscar uma alternativa para continuar trabalhando. “O trabalho como freelancer proporciona tudo o que sempre desejei: possibilidade de passar mais tempo com minha filha e independência financeira”, conta Carla.

Dentro da plataforma, uma das áreas que mais geram demandas é de TI e Programação, onde atua Raul Galvão, que de freelancer passou a ser empreendedor em pouco tempo. Ele largou o seu emprego e começou a trabalhar como freelancer. Já no primeiro mês, conseguiu ganhar o dobro do que ganhava como funcionário. “Em 6 meses abri a empresa, formalizei e contratei meu primeiro funcionário. Hoje já conto com 5 funcionários internos mais equipe de parceiros freelancers”, diz Raul.

A profissão de freelancer também possibilita que profissionais que não iniciaram as suas carreiras na era digital, iniciem novas carreiras. O trabalho remoto apresentou um novo rumo para Marilia de Mello, que tendo mais de 20 anos de experiência como assistente de diretoria, não conseguia mais recolocação no mercado de trabalho devido a idade. Conheceu a Workana por meio de sua filha, e encontrou no trabalho a distância uma solução para a sua infelicidade que resultou em um infarto. “Ninguém perguntou quantos anos tinha, só viam o tamanho de minha experiência”, conta Marília. E em apenas quatro meses, ela já está vivendo da nova profissão.

Na Workana é possível contratar e oferecer serviços nas áreas de TI e programação, design e multimídia, tradução e conteúdos, marketing e vendas, suporte administrativo, jurídico, finanças e administração e engenharia e manufatura. Para encontrar, basta acessar o site www.workana.com.

Smartphones mudam hábitos de consumo dos brasileiros

Uma pesquisa da consultoria Oliver Wyman com oito mil consumidores de oito países (Brasil, Canadá, Estados Unidos, Espanha, França, Alemanha, China e Inglaterra) revela que os indivíduos estão abrindo mão de hábitos de consumo para aumentar gastos com smartphones e serviços de telefonia. No Brasil, onde o levantamento ouviu 1.021 consumidores, 63% dos indivíduos com menos 35 anos declararam estar dispostos a sacrificar um ou mais hábitos de consumo para garantir gastos com smartphones e contratos com operadoras. Entre os indíviduos com mais de 35 anos, o índice foi de 44%.

A amostra brasileira foi composta por 52% de mulheres e 48% de homens, divididos em grupos de 18 a 24 anos (15%), 25 a 44 anos (48%); 45 a 54 (21%); e 55 a 65 anos (16%).

O recorte brasileiro do estudo mostra que a maioria dos consumidores cortaria despesas com  academia (52%), alimentação fora de casa (53%) e  compra de roupas (52%) para gastar com celular e operadoras. Até mesmo as reservas para o futuro perderiam para as despesas com telefonia móvel, de acordo com 51% da amostra.

Quanto mais jovem, maior a disposição em sacrificar hábitos de consumo em favor do celular.  71% dos jovens entre 18 e 24 admitem abrir mão de comer fora de casa, 72% deixariam de comprar roupas, 67% deixariam de viajar e 69% sarificariam reservas para o futuro para sustentar gastos com celulares.

Para 43% dos indivíduos ouvidos no Brasil pelo levantamento, o celular é parte indissociável de suas vidas e usam o aparelho do momento em que acordam até a hora em que vão dormir.

Para 49%, o aparelho é uma necessidade e é usado para chamadas de voz, mensagens e necessidades básicas do dia a dia, como checar notícias e as condições do clima . Apenas 8% da amostra descrevem o aparelho como uma mera ferramenta para chamadas e mensagens.

O estudo também mostra que 42% dos entrevistados compartilham com outras pessoas as decisões de escolhas dos serviços de telefonia móvel, 41% dizem ser o único a decidir e 12% afirmam estar sempre abertas para ter uma ajuda na definição da escolha.

Outro recorte do estudo aponta que os serviços de telefonia passaram a ter prioridade no orçamento dos consumidores porque para 51% os smartphones são uma necessidade, 35% o consideram a “sua vida” e 14% dizem ser uma ferramenta essencial.  Qualidade x Preço Para 73% dos brasileiros ouvidos pelo levantamento da Oliver Wyman a qualidade dos serviços é o item mais importante em uma empresa de telecom. O custo do serviço vem em segundo lugar (14%), seguido por oferta de dispositivos (7%), oferta de aplicativos (5%) e oferta de conteúdo (2%).

Experiência com os serviços

Quando perguntados sobre quais experiências mais relevantes que estariam associadas aos serviços prestados pelas operadoras, 63% citaram a conexão com os familiares, 55% apontaram os serviços disponíveis em todos os momentos, 52% indicaram preferência por entretenimento, 46% disseram otimizar o seu tempo com as soluções digitais e 35% valorizam as experiências de controlar a sua residência à distância com dispositivos inteligentes.

Consumidor quer transparência

A pesquisa da Oliver Wyman também avaliou o que o brasileiro melhoraria em sua operadora, além do preço. A resposta mais citada diz respeito à qualidade dos serviços (cobertura e velocidade de internet), seguida por serviço de atendimento ao cliente por telefone, mais transparência nas cobranças da fatura e menos complexidade nos cálculos das tarifas e ofertas.

  Sobre empresas que fornecem serviços de tecnologias móveis ou de internet: 39%  disseram preferir adquirir serviços da Apple e Samsung, 30% citaram a atual operadora de celular e 16% comparariam de outras empresas de tecnologia como Google e Facebook.


Estar conectado é a quarta prioridade frente a outras atividades

A pesquisa também procurou identificar prioridades do dia a dia dos consumidores. Para os brasileiros, passar o tempo com amigos e familiares ocupa o topo do ranking de preferências (49%), seguida por praticar esporte (11%), viajar (12%). Estar conectado por meio de um celular é a quarta prioridade para o conjunto dos ouvidos no levantamento (9%).

 

Brasileiros preferem combos

Em relação aos modelos de contratos das operadoras, segundo o levantamento da Oliver Wyman, 50% tem preferência por pacotes de serviços. Para 33% é importante comprar todos os serviços de um único fornecedor e 18%  dizem estar dispostos a pagar um pouco mais pela conveniência de um pacote.

Confiança em armazenamento de dados 

O estudo avaliaou também a confiança em empresas que armazenam dados pessoais dos indivíduos. Neste quesito os bancos levaram a melhor. A maioria (34%) confia em seu banco em relação à proteção de seus dados pessoais. O índice cai em relação às empresas de tecnologia: apenas 16% dizem confiar na Apple, 14% no Google, 13% na operadora de telefonia móvel, 11% no Facebook e 10% na Amazon.

Personalização de serviços 

O levantamento da Oliver Wyman também avaliou como os brasileiros se sentem em relação a armazer seus dados em troca de personalização de serviços. 59% dos 1.021 entrevistados estão dispostos a fornecer dados pessoais para este fim. Quando se avalia essa tendência por faixa etária, 73% dos adultos de 25 a 34 anos aceitam compartilhar as suas informações e 71% dos jovens de 18 a 24 também concordam. Os entrevistados de 35 a 44 (59%) e 45 a 54 (50%) também estão abertos à prática. O índice cai para 43% entre os adultos de 55 e 65 anos.

 

Violação de dados preocupa brasileiros 

O levantamento analisou também a preocupação dos consumidores em relação aos seus dados pessoais. Embora elogiem as inovações, 47% se dizem um pouco assustados com possíveis violações de dados sobre saúde, 46% se preocupam com invasões aos dispositivos domésticos conectados à rede e outros 41% são receosos com as inovações da inteligência artificial.  De acordo com a Oliver Wyman, grande parte dos consumidores se diz admirada com as inovações do setor de telefonia. 61% cita as tecnologias de terceira geração, 54% a realidade virtual, 50% enfatiza a realidade aumentada e 50% os sistemas de segurança.