Page

Author admin

Google Cloud destaca o uso de tecnologias voltadas para proteger os dados das empresas

Ataques online, como ransomware (um tipo de software nocivo que restringe o acesso ao sistema infectado) e phishing (e-mails ou websites falsos que levam o usuário a revelar informações pessoais, como senhas ou cartão de crédito), têm se tornado cada vez mais comuns no mundo corporativo, trazendo risco às empresas e às suas informações estratégicas. Pensando na proteção contra esses ataques maliciosos, o Diretor de Tecnologia e Engenharia de Google Cloud para América Latina, Fernando Teixeira, destaca a importância do uso de três tecnologias que estão em alta quando o assunto é segurança da informação. A seguir estão os detalhes:

Machine Learning para detectar e-mails suspeitos

Aprendizado de máquina, ou seja, sistemas que aprendem e melhoram cada vez mais com a experiência, podem ajudar as empresas a evitarem ataques cibernéticos. Os modelos recebem um exemplo de e-mail legítimo e outro de phishing, o que permite acelerar o processo de aprendizagem, tornando-o mais eficiente. “Neste processo, quanto mais ele vê e aprende, mais protege”, explica Bolonha.

Alertas para proteger antes do clique do usuário

Tecnologias capazes de analisar bilhões de URLs por dia, em busca de sites não seguros, já é uma realidade nos navegadores. Um alerta avisa o usuário quando este acessa uma página capaz de roubar informações pessoais ou mesmo quando houver a instalação de softwares desenvolvidos para sequestrar o computador. “Todos os dias, com a ajuda da análise inteligente, descobrimos milhares de novos sites com problemas de segurança. Muitos deles são websites legítimos que foram comprometidos”, afirma Bolonha.

Chaves de segurança para aumentar a proteção

O reforço da verificação em duas etapas, por meio de chave de segurança física, permite que a identidade do usuário seja confirmada com mais precisão, evitando que invasores usem senhas roubadas. “Sem a chave é impossível entrar. Um método simples para os usuários e administradores, mas que dificulta muito a vida dos cibercriminosos”, finaliza o executivo.

VAGAS.com debate RH de alto impacto, futuro da tecnologia, propósito e modelos de negócios

A VAGAS.com, pioneira no desenvolvimento de software de recrutamento e seleção, promove em 30 de outubro, no Eataly restaurante, em São Paulo, um encontro com diretores de RH do McDonald´s, Grupo Baumgart e Falconi consultoria para debater os desafios do RH de alto impacto, as novas premissas de propósito no trabalho, novos modelos e o que faz uma empresa se tornar admirada pelo mercado.

“Hoje, ao mesmo tempo em que surgem novos cargos no mercado de trabalho, aumenta a escassez de talentos para preencher esses espaços. Cultura, propósito e feedback também estão no topo da agenda de alto impacto do RH. Queremos apresentar, em primeira mão, os resultados de pesquisas inéditas que desenvolvemos ao longo deste ano com executivos de grandes organizações”, afirma Adriana Macedo, especialista de marketing da VAGAS.com

Durante o evento também será apresentada a pesquisa: “Quais são os impactos dos novos caminhos do RH?”, produzida pela equipe da VAGAS.com junto aos profissionais de Recursos Humanos. O material contempla questões relacionadas ao nível de preparo dos brasileiros para lidar com tecnologia, metodologias de trabalho, recrutamento de talentos e cultura e propósito dentro das empresas.

“O RH é a área que irá mediar as transformações tecnológicas pelas quais o mercado de trabalho está atravessando. Em 2018, o Brasil definitivamente sentiu a onda de inovação: ciência de dados, inteligência artificial, blockchaim, enfim, nunca esses temas tiveram tanto espaço na agenda das empresas e na mente das pessoas. Aliás, o RH é certamente o departamento que mais deve se preparar para absorver as necessidades, angústias e anseios da sociedade. Nada mais humano do que o RH dentro da estrutura corporativa. Entender a tecnologia é condição básica para existir no mundo digital, desenvolver meios para implantar a inovação será obrigação, não importa o segmento, porte da empresa ou estilo de negócio “, finaliza Adriana.

Agenda do Inova RH – organização da VAGAS.com

Data: 30 de outubro
Local: Eataly Restaurante
Endereço: Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 1489 – Itaim Bibi (Brace Restaurante)
Inscrições: http://genterh.vagas.com.br/inovarh-sp

Programação
11h30: Credenciamento
12h00: RH de alto impacto: liderando mudanças para liderar mercados
12h45: Painel com Gustavo Mançanares do Grupo Baumgart, Marcelo Nóbrega da Arcos Dourados e Josué Bressani da Falconi Gente
13h45: Perguntas e respostas
14h00: Networking

CONFIRA AS PALESTRAS DO EVENTO

Ligia Sanches Hacker – Relações Humanas na VAGAS.com

Trabalhou na área de Recursos Humanos por 14 anos em 2 multinacionais. Depois do nascimento de seus filhos começou a ressignificar a relação com o trabalho e após quase 2 anos de buscas e reflexões, as novas formas das empresas se organizarem e as novas possibilidades de relações com trabalho chamaram sua atenção. E agora inicia uma nova fase com muito propósito e impacto na VAGAS, empresa 100% horizontal.

Gustavo Leme – Head de Recursos Humanos e Comunicação do Grupo Baumgart

Atua na área de RH há mais de 17 anos. Entusiasta e pesquisador em inovação, startups, tecnologia e novos modelos de negócios. Possui MBAs em Tecnologia da Informação aplicadas à negócios e Gestão de Negócios (FGV e UNISO), especializações em Educação Corporativa (FIA USP), Comunicação Empresarial (ESPM), Cultura, Inovação e Pessoas (INSEAD) e Marketing / Finanças e Inovação (KELLOGG). Hoje atua no Grupo Baumgart (Vedacit, Novotel Center Norte, Shopping Center Norte, Shopping Lar Center, Expo Center Norte e Agronegócio Baumgart), como Head de Recursos Humanos. Em 2017 e 2018 ficou entre 5 Dirigentes de RHs mais lembrados do Brasil no Prêmio Top Of Mind de RH e ganhou o prêmio “RHs mais admirados do Brasil”.

Marcelo Nóbrega – Diretor de Recursos Humanos do MC Donald’s

Especialista em coaching de executivos, gestão da mudança e desenvolvimento organizacional e de lideranças. Suas experiências profissionais mais recentes incluem projetos de transformação de estratégia e cultura corporativa em empresas nacionais e multinacionais. Possui bacharelado e mestrado em Ciência da Computação pela Universidade de Columbia, em Nova York, e doutorado em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ. É autor do livro “Você Está Contratado!”. Foi reconhecido pelo Prêmio Você RH de 2015 – Melhor RH do Ano no Setor de Varejo, em 2017 pela Gestão RH como profissional de RH mais Admirado do Brasil. Recentemente foi eleito HR Influencer da América Latina no LinkedIn e está entre os finalistas do Prêmio HR Top of Mind.

Josué Bressane Jr. – Sócio-diretor da FALCONI Gente

Formação em Psicologia pela PUCCAMP, pós-graduação pelo IAG Master da PUC-RJ, MBA no COPPEAD – UFRJ e Extensão em Advanced HR Executive Program pela Universidade de Michigan, USA e é membro atuante da SHRM – Society for Human Resources Management – USA e European HR Diretor Group. Possui mais de 25 anos de experiência na liderança e direção da área de Recursos Humanos, em empresas dos mais diversos segmentos, no Brasil e em países da Europa e América Latina. Sua atuação está concentrada em planejamento estratégico em gestão de gente, carreira e sucessão, gestão de competências, seleção e avaliação de executivos, recrutamento e seleção de especialistas, desenho de remuneração variável e desenho de estrutura organizacional.

IBM e Symrise utilizam IA para descobrir e desenvolver novas fragrâncias

Por Richard Goodwin, IBM Research

Perfumistas especializados unem arte e ciência para elaborar novas fragrâncias, um talento que leva dez anos ou mais para ser desenvolvido. Criar uma fragrância marcante é um dos componentes considerados mais importantes pelo consumidor ao avaliar produtos de uso diário, como sabão em pó, desodorante, purificadores de ar e, é claro, colônias ou perfumes. E se a Inteligência Artificial (IA) pudesse aprender com esses profissionais para potencializar o processo de desenvolvimento de novas fragrâncias, identificando caminhos criativos e acelerando o tempo de comercialização para a indústria? Com isso em mente, o time de IBM Research, juntamente com a Symrise, uma das maiores produtoras globais de sabores e fragrâncias, criou um sistema de IA que pode aprender sobre fórmulas, matérias-primas, dados históricos de sucesso e tendências do mercado.

Desenvolvido pelo recém-anunciado grupo IBM Research AI for Product Composition e também com base em estudos anteriores da IBM, que utiliza IA para comparar sabores e criar receitas, nasceu o Philyra. O sistema utiliza novos e avançados algoritmos de aprendizado de máquina para filtrar centenas de milhares de fórmulas e milhares de matérias-primas, auxiliando na identificação de padrões e novas combinações de aromas. Mais do que apenas servir de inspiração, o Philyra pode projetar fórmulas de fragrâncias totalmente novas, explorando todo o cenário de combinações possíveis para descobrir as lacunas no mercado global de fragrâncias.

O trabalho da IBM com a Symrise abrange três unidades de negócios dentro da sua Divisão de Fragrâncias: Fragrâncias Finas (Fine Fragrances), Cuidados com o Lar (Home Care) e Cuidados com Beleza (Beauty Care). Os primeiros resultados de pesquisa, porém, vieram com a divisão de Fragrâncias Finas. Criar uma fragrância fina não é só uma arte como também uma ciência que requer precisão, pois até mesmo a menor alteração na quantidade de um ingrediente pode ser o fator decisivo para o sucesso de um novo perfume. Assim, o time de pesquisa da IBM adotou uma abordagem baseada em dados, incluindo informações sobre centenas de milhares de fórmulas, famílias (frutado ou floral, por exemplo) e matérias-primas de fragrâncias, além de informações históricas que apontam quais foram os fatores de sucesso de fórmulas e perfumes desenvolvidos previamente.

Com essa riqueza de dados, o Philyra usa aprendizado de máquina para gerar novas combinações de formulações de fragrâncias que se ajustam a objetivos específicos de cada cliente como, por exemplo, criar uma fragrância exclusiva para o público jovem masculino no Brasil.

O sistema do IBM Research inclui algoritmos que aprendem e preveem:

complementos de matérias-primas alternativas e substitutos que poderiam ser usados em uma fórmula específica;
a dosagem apropriada para uma matéria-prima baseada em padrões de uso;
a resposta humana (quão agradável e adequada é a fragrância para diferentes públicos);
a originalidade do perfume em comparação a um grande conjunto de fragrâncias comercialmente disponíveis.
Quando se trata de novos designs de perfumes, a originalidade é um dos principais fatores levados em conta. Por isso, o Philyra aprende por meio de um modelo de proximidade capaz de identificar fragrâncias com aromas similares a outras já existentes. Quanto maior a distância entre uma fragrância e seus semelhantes, mais inovador será o perfume.

A Symrise utilizou o Philyra para desenvolver dois perfumes para O Boticário, uma das maiores empresas de beleza do mundo, ambos com lançamento programado para meados de 2019. Como parte do processo de desenvolvimento humano-máquina, as fórmulas iniciais sugeridas pelo sistema foram minimamente ajustadas por um mestre perfumista para enfatizar uma nota específica da fragrância e aprimorar o seu tempo de fixação na pele.

O conhecimento do Philyra em relação às preferências do consumidor permitiu que os perfumistas da Symrise não precisassem mais gastar tempo buscando novas combinações de fragrâncias, mas sim se concentrassem no processo de finalização dos perfumes. Essa colaboração com IBM Research e com a Symrise permitiu que O Boticário explorasse a Inteligência Artificial para criar um produto personalizado para um determinado grupo de consumo, com base em características demográficas e de personalidade.

O objetivo de longo prazo da Symrise é apresentar essa tecnologia aos seus principais perfumistas em todo o mundo e continuar a usar a solução para o design de fragrâncias para produtos de cuidados pessoais e domésticos. A Symrise também planeja introduzir o Philyra em sua Escola de Perfumaria para ajudar a treinar a próxima geração de perfumistas, integrando firmemente a IA na essência de criação de uma fragrância.

Baseado em aprendizado de máquina, o trabalho do time de IBM Research AI for Product Composition também pode ser estendido para outros tipos de aplicações, como design de sabores, cosméticos e itens de consumo – xampus, sabão em pó e outros –, até produtos industriais, como adesivos, lubrificantes ou materiais de construção. Embora isso ainda esteja em fase de pesquisa, a tecnologia tem o potencial de se tornar um serviço que pode ser disponibilizado para ajudar empresas a acelerar e dimensionar seu processo de design criativo.

Nossa pesquisa continua a ampliar fronteiras para possibilitar uma experiência humana cada vez mais amplificada por meio da IA, além de demonstrar como a inteligência artificial pode ajudar em domínios onde a criatividade é fundamental. A arte e ciência de projetar um perfume de sucesso é algo que os humanos vêm fazendo há centenas de anos. Agora, os perfumistas podem ter ao seu lado um aprendiz de IA que é capaz de analisar milhares de fórmulas e dados históricos para identificar padrões e prever novas combinações, ajudando a torná-los mais produtivos, acelerando o processo de design e guiando esses profissionais na direção de fórmulas nunca antes vistas.

A um mês da Black Friday, 50% dos consumidores já estão atentos às ofertas

 

A Social Miner – empresa de tecnologia que ajuda sites e e-commerces a aumentarem suas conversões por meio da exclusiva metodologia de People Marketing – junto com a MindMiners, realizou um estudo que aponta as expectativas e o perfil do consumidor na Black Friday. De acordo com o levantamento, metade (50%) dos consumidores já estão de olho nas promoções. Desde já, é importante que o varejo online esteja concentrado para ter bons resultados na data este ano, dia 23 de novembro. E segundo o Ebit a expectativa é de 15% de crescimento em comparação ao ano anterior, chegando a um faturamento de R$2,43 bilhões.

O estudo aponta que os eletrônicos são campeões na intenção de compra na data, preferidos por 54,5% dos entrevistados. Logo depois vêm informática (41,9%), eletrodomésticos e moda empatados (40,9%). Outro desejo expressivo dos consumidores é o segmento de telefonia (34,6%). De acordo com Ricardo Rodrigues, cofundador da Social Miner, esse é o momento ideal para os e-commerces começarem a comunicação com os consumidores. “Nessa reta final em que os clientes já começam a pesquisar ofertas, é importante aproveitar o tráfego que já está chegando aos e-commerces e iniciar as campanhas de engajamento que vão garantir que esse público volte no dia esperado”, aponta Rodrigues.

O relatório aponta, ainda, que 63% dos pesquisados já compraram produtos ou serviços em edições anteriores de Black Friday, e 60,2% pretendem comprar na data este ano. Apesar da pequena queda de compradores, a pesquisa detectou os principais canais de divulgação comercial e as redes sociais são os principais alvos dos consumidores para acompanhar as ofertas, 38,9% disseram atentar-se à elas, enquanto comparadores de preço ganham espaço, com 32,9% das respostas, sendo mais relevantes que comerciais na televisão (25,2%). Alertas de preço, cadastramento em sites, e-mails de notificação de lojas foram outras opções escolhidas pelos entrevistados, resultados importantes para que o varejo, principalmente online, invista em diferentes canais e maneiras para atingir com mais assertividade seu público, considerando o que for mais adequado.

A pesquisa também revelou o quanto os brasileiros esperam desembolsar na Black Friday. O resultado foi interessante para o varejo, já que 35,9% dos pesquisados disseram que o valor deve ser maior que R$500,00. Mas também tiveram aqueles que optaram pela faixa de preço de R$200,00 até R$500, sendo 21,9% dos entrevistados. Em seguida, 15,9% disseram pretender gastar entre R$ 101,00 e R$200,00. Um pouco atrás, 8% revelaram que devem gastar entre R$50 e R$100 reais. Por último, apenas 3% pretendem gastar no máximo 50 reais.

Ascenty anuncia a construção do maior data center da América Latina

A Ascenty, empresa líder no mercado de data centers com foco na América Latina, anuncia a construção de seu décimo quarto data center no município de Vinhedo, no interior de São Paulo, que será o maior da América Latina. A primeira fase do projeto conta com um aporte de R$ 500 milhões e deve estar concluída até o último trimestre de 2019.

O data center de Vinhedo integra os planos de expansão da Ascenty no Brasil, programados no início deste ano. “Estamos muito orgulhosos em anunciar a construção desse mega data center”, comenta Marcos Siqueira, diretor de serviços da Ascenty. “Além de mostrar a expansão acelerada da empresa, esse novo data center representará um marco para o País, pois apresenta a maior capacidade de energia elétrica da América Latina”, ressalta Marcos.

Com o objetivo de atender a alta demanda das empresas por infraestrutura de qualidade, a Ascenty tem realizado expressivos investimentos na construção de novos data centers no Brasil e, como próximos passos, a empresa planeja a expansão de sua atuação na América Latina.

Como os CISOs podem manter a privacidade corporativa mesmo com a adoção de tecnologias emergentes

Por Derek Manky, Estrategista de Segurança Global da Fortinet

A força de trabalho atual tem cada vez mais pessoas da geração do milênio e outras com alto conhecimento de tecnologia, acostumadas a usar a tecnologia para tudo na vida. Com o surgimento de novas tecnologias, esse grupo de funcionários espera ter uma experiência de usuário perfeita em todos os dispositivos e locais, usando aplicativos e dispositivos pessoais no trabalho e vice-versa. Porém, muitas vezes esses funcionários não levam em conta os riscos digitais que acompanham a adoção de novas tecnologias no ambiente corporativo. Com isso, os desafios de segurança se tornaram um grande problema para os CISOs (diretores de segurança da informação).

Além de proteger o perímetro de rede, monitorar a inteligência de ameaças e exercer outras responsabilidades diárias necessárias para impedir que os cibercriminosos acessem a rede por meio de ameaças de dia zero e outras vulnerabilidades, os CISOs agora também devem avaliar todas as formas utilizadas pelos cibercriminosos para explorar as ferramentas e os comportamentos dos funcionários e obter acesso à rede.

Manter a privacidade e segurança com a adoção de tecnologias emergentes

Em particular, existem cinco tecnologias, tendências e comportamentos comuns e emergentes aos quais os CISOs devem dedicar mais atenção:

1. Senhas repetidas

As pessoas geralmente têm contas em diferentes plataformas e aplicativos e muitas vezes repetem as senhas de acesso nessas contas pessoais ou corporativas. Este é um problema que precisa ser discutido. Se uma conta for invadida, os cibercriminosos podem aproveitar a senha repetida e acessar outras contas. O problema se agrava principalmente na nuvem, pois se a mesma senha for usada em todas as contas na nuvem, então, quando uma conta for invadida, todas as outras também serão.

Para combater isso, as equipes de segurança devem promover o uso de senhas diferentes, principalmente em contas corporativas, e ao mesmo tempo limitar o acesso às áreas da rede que o funcionário não precisa acessar. Isso pode ser feito com soluções de gerenciamento de identidade e acesso que utilizam autenticação de dois fatores, software de gerenciamento de senhas para que os usuários adotem senhas mais sofisticadas sem perdê-las e firewalls de segmentação interna que restringem o acesso a partes confidenciais da rede.

2. Shadow IT (TI invisível)

Quando os funcionários usam uma tecnologia não analisada pelas equipes de TI, isso pode levar a vazamentos de dados, vulnerabilidades e não conformidade, como resultado da transferência de informações corporativas confidenciais para programas e redes não aprovados. Os CISOs e as equipes de segurança devem saber, o tempo todo, quais dispositivos e aplicativos estão sendo usados na rede. O uso de proteção dos dispositivos de usuários e firewalls de aplicativos da web permite que as equipes de segurança minimizem o risco causado por esses funcionários, descobrindo quais dispositivos de usuários e aplicativos na rede e, em seguida, identificando e segmentando os que estão em risco.

3. Conexões remotas

O trabalho remoto está cada vez mais comum, com os funcionários se conectando por meio da rede residencial, de lanchonetes ou no trânsito. Embora isso possa ajudar a aumentar a produtividade e a eficiência, os CISOs devem ter certeza de que esses dispositivos estão se conectando a pontos de acesso seguros. Durante o uso de uma rede de WIFI pública, os cibercriminosos podem interceptar dados que estão sendo transferidos ou executados entre o usuário final e a empresa. Os CISOs podem minimizar esse risco, incentivando o uso de VPNs e adotando soluções de gerenciamento de rede sem fio.

4. Golpes por e-mail e phishing

Esses golpes não são novos, mas ainda são uma das formas mais comuns de ciberataques, já que quase todos usam e-mails regularmente. No caso de phishing, o usuário recebe um e-mail de uma fonte aparentemente confiável, por ex. do banco, de um colega de trabalho etc. Esse tipo de e-mail geralmente pede que o usuário envie seus dados de acesso ou pedem para clicar em um link, o que resulta em roubo de senha e/ou download de malware que infecta o dispositivo. Para minimizar as chances de um ataque de phishing causar danos na rede, os CISOs devem implementar controles, como gateway de e-mail seguro.

5. Redes sociais

As contas em redes sociais são uma forma comum utilizada pelos cibercriminosos para o envio de links maliciosos ou coleta de dados pessoais que podem ser usados para criar ataques mais direcionados. Os CISOs devem implementar uma forte política de rede social e alertar os funcionários para que não aceitem solicitações de amizade e mensagens de estranhos, principalmente se tiverem que clicar em um link enquanto conectados à rede corporativa. As equipes de segurança devem garantir a adoção de soluções de antimalware e firewall. Além disso, devem treinar os funcionários para que possam reconhecer esquemas de engenharia social que tentam roubar seus dados de acesso à rede e conta corporativa.

Os CISOs geralmente já possuem muitas das ferramentas necessárias para minimizar o risco dessas tendências, porém é importante usá-las de maneira unificada, ao invés de adotar soluções isoladas e distintas. A integração e automação entre gateways de e-mail seguros, firewalls, proteções de dispositivos de usuários, WAFs, gerenciamento de acesso e outros recursos fornecem uma visão holística da atividade em toda a rede, permitindo que as equipes detectem rapidamente comportamentos estranhos e respondam de maneira coordenada e holística.

As tecnologias adotadas pelos funcionários e trazidas para a rede corporativa estão deixando as equipes de segurança e os CISOs alertas em termos de proteção da rede. Essas tecnologias emergentes exigem a adoção de novas soluções e processos para impedir que comportamentos aparentemente inofensivos acabem comprometendo a rede com violações de dados. Para isso, é importante estar por dentro das tendências de tecnologias emergentes e implementar soluções de segurança integradas para minimizar os riscos.

Cabify lança novo recurso de segurança para passageiros

Os usuários da Cabify (www.cabify.com.br) agora podem contar com uma nova funcionalidade de segurança no aplicativo, o botão de segurança. A funcionalidade estará disponível a partir de 22 de outubro para os passageiros das nove cidades em que a Cabify atua – Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Santos, Campinas, Brasília e Canoas.

Com a nova atualização disponível nos sistemas operacionais Android e iOS, o botão de segurança está facilmente acessível durante toda a viagem no mapa da corrida, sendo exibida na lateral direita do aplicativo. Caso se encontre em uma situação de emergência, o passageiro pode entrar em contato direto com as autoridades policiais locais ao clicar no SOS. A Cabify reforça que este recurso deve ser utilizado apenas para relatar incidentes relacionados à segurança do passageiro ou do motorista parceiro.

Segundo Luis Saicali, Diretor de Operações da Cabify, a novidade ajuda a melhorar ainda mais a experiência do passageiro. “Trabalhamos para que o tempo que o usuário está em viagem com o nosso aplicativo seja momentos com qualidade e segurança. Junto com outras medidas que ajudam na excelência do serviço como o rigoroso processo de cadastramento dos motoristas parceiros e a exigência de exames toxicológicos dos mesmos, aumentamos a segurança e, por consequência, impactamos positivamente a vida dos nossos usuários”, diz o executivo. A empresa também disponibiliza de uma central de atendimento própria 24 horas nos 7 dias da semana e oferece outros recursos como a possibilidade de compartilhar a corrida manualmente por meio de link para qualquer contato.

A Cabify começou a operar no Brasil em junho de 2016, em São Paulo, e está presente em mais oito cidades do país – Campinas (SP), Santos (SP), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS) e Canoas (RS).

SoftwareONE e COMPAREX tornam-se uma empresa global

A SoftwareONE, uma empresa global com liderança em plataforma, soluções e serviços, anunciou hoje que chegou a um acordo para adquirir 100% das ações da COMPAREX, uma provedora global de serviços de TI, da Raiffeisen Informatik GmbH. Os termos da aquisição não foram divulgados.

Com esta união, a COMPAREX aprimorará as ofertas de clientes da SoftwareONE, combinando o talento, o conhecimento e os recursos com liderança no setor. Após a combinação, o SoftwareONE ajudará os clientes a otimizar e gerenciar cerca de 10 bilhões de euros em compras de software. A empresa combinada terá um alcance global expandido por 88 países, o que permitirá aos clientes receber suporte no idioma local, onde quer que atuem, de mais de 5.500 funcionários. Um portfólio abrangente de serviços e soluções, apoiado pelo investimento comprovado e contínuo em inovação, proporcionará aos clientes soluções mais avançadas, incluindo o PyraCloud da SoftwareONE, uma plataforma com liderança no setor para gerenciamento de cadeia de suprimentos de software digital.

“Como uma empresa privada, analisamos cuidadosamente as aquisições em potencial para garantir que estamos utilizando melhor o nosso capital. Juntamente com nosso investidor KKR, passamos um tempo considerável buscando incessantemente o parceiro ideal e estamos convencidos de que encontramos este parceiro com a COMPAREX. Juntas, seremos orientadas pelos valores fundamentais da SoftwareONE, enquanto continuamos a transformar o setor. Os fundadores da SoftwareONE continuarão a ser os acionistas majoritários da empresa combinada”, disse Daniel von Stockar, presidente do conselho administrativo da SoftwareONE.

Combinando décadas de experiência e fortes relações com clientes

A tecnologia da informação e o software transformaram o seu escopo de apoiar um negócio para promover negócios. A SoftwareONE tem um foco intenso em soluções de software e entrega de resultados de negócios aos seus clientes, assim como um foco claro no desenvolvimento de pessoas e na criação de um portfólio de soluções de serviços e plataformas centradas nas necessidades dos clientes.

Para os clientes, a SoftwareONE serve como uma fonte de autoridade para garantir que seus gastos com tecnologia tenham o impacto certo em seus negócios, além de conectá-los a soluções modernas orientadas a resultados, que permitem aos seus negócios serem mais ágeis e competitivos. Os parceiros da SoftwareONE confiam na expertise e experiência estratégica da empresa em desenvolver soluções de clientes em plataformas de nuvem próprias, enquanto permitem aos parceiros alcançar clientes distribuídos a nível global.

A COMPAREX, com seu profundo conhecimento técnico de mais de três décadas, evoluiu para uma das principais fornecedoras de serviços de TI do mundo. Ela se tornou uma camada de integração entre seus clientes e os principais fornecedores de plataformas de TI e de nuvem, oferecendo serviços globais gerenciados que otimizam o investimento dos clientes em tecnologia. Com uma experiência excepcional em produtividade da força de trabalho, a COMPAREX apoia os clientes durante sua jornada digital em direção à otimização da produtividade.

A COMPAREX se tornou uma parceira importante para o setor ao apoiar a transformação digital com soluções de nuvem sob medida, permitindo que os clientes se concentrem em seus principais negócios, contando com a competência de nuvem e TI da COMPAREX.

Esforços conjuntos para alcançar um objetivo comum

“O setor de software e serviços continua a sua transição para um modelo de negócios por assinatura intensificado pela transformação digital, com uma forte demanda para serviços em nuvem. A SoftwareONE sempre esteve na vanguarda quando se trata de promover a inovação do setor e oferecer soluções e serviços essenciais, que atendam às necessidades em evolução de nossos clientes”, disse Dieter Schlosser, equipe de gerenciamento executivo da SoftwareONE.

“A aquisição da COMPAREX é um passo importante nessa jornada e, juntas, teremos a dimensão, o alcance geográfico, o portfólio abrangente e os amplos recursos necessários para oferecer aos nossos clientes qualidade de serviço e estabilidade aprimoradas no mundo inteiro. Estamos ansiosos para dar as boas-vindas aos funcionários da COMPAREX em nossa empresa, enquanto continuamos a construir o futuro de nossa indústria”, disse Neil Lomax, equipe de gerenciamento executivo da SoftwareONE.

A combinação está totalmente alinhada com o objetivo da SoftwareONE no crescimento de longo prazo e no investimento na base de funcionários da empresa. A SoftwareONE tem um compromisso com o desenvolvimento pessoal e profissional de seus funcionários, que irão receber oportunidades significativas de prosperar como parte de uma empresa global com liderança no setor. Para apoiar isso, o diretor executivo da COMPAREX, Thomas Reich, e o diretor de vendas, Marc Betgem, se unirão à equipe de gerenciamento executivo da SoftwareONE.

“Nossos funcionários são nosso principal ativo e nossa prioridade número um, uma crença que a SoftwareONE compartilha e comprovou em seu comprometimento com sua força de trabalho ao longo de sua história”, disse Thomas Reich, diretor executivo da COMPAREX. “Ao reunir o conhecimento e os talentos de ambas as empresas, vamos possibilitar que nossos clientes a nível global permaneçam mais competitivos em seus setores da indústria, através das soluções e serviços globais avançados que oferecemos.”

“O foco incansável da SoftwareONE em seus clientes e o seu compromisso de inovar continuamente em seu benefício, se alinha perfeitamente à cultura da COMPAREX. Nossas taxas de crescimento foram significativas no passado e vamos acelerar esse crescimento. Seremos uma empresa com liderança no mercado e vamos oferecer cada vez mais valor aos nossos clientes. Estou ansioso para fazer parte da empresa combinada e me juntar à equipe de gerenciamento executivo da SoftwareONE, e estou animado com o que vamos realizar como uma única empresa”, disse Marc Betgem, diretor de vendas da COMPAREX.

A SoftwareONE continuará a manter sua sede em Stans, na Suíça. Juntas, a empresa terá mais de 200 locais em 88 países, com capacidade de suporte em 150 países. O campus de Leipzig da COMPAREX continuará a desempenhar um papel importante no atendimento aos clientes globais e da EMEA (Europa, Oriente Médio e África).

“A empresa combinada será desenvolvida com base na abordagem “o melhor de ambas”, reunindo a cultura empreendedora da SoftwareONE com a experiência orientada a processos da COMPAREX. Estamos ansiosos para integrar o profundo conhecimento técnico da COMPAREX, compartilhar com nossos novos colegas tudo o que a SoftwareONE tem para oferecer e receber talentos incríveis da empresa para promover nossos negócios combinados. Como uma empresa, vamos investir na mais talentosa equipe de colegas de nosso setor para promover soluções e resultados para nossos clientes, em um ritmo ainda maior”, disse Alex Alexandrov, equipe de gerenciamento executivo da SoftwareONE.

O fechamento está previsto para o primeiro semestre de 2019. A aquisição está sujeita às condições habituais de fechamento, incluindo o recebimento das aprovações regulamentares exigidas.

Qlik revela: empresas que investem em alfabetização de dados aumentam seu valor de mercado

Grandes empresas com conhecimento em alfabetização de dados corporativos têm 5% a mais de Enterprise Value (EV – em tradução livre, Valor de Mercado) do que companhias sem a cultura de uso de dados corporativos. O valor corresponde, em média, a US$ 320 e US$ 534 milhões. É o que indica o estudo Data Literacy Index da Qlik, líder em análise de dados, em parceria com a Wharton School e a IHS Markit. Para formar o índice, 604 tomadores de decisão de negócios foram entrevistados sobre o uso da informação e a alfabetização de dados.

A alfabetização de dados corporativos tem sido tema central da estratégia da Qlik nos últimos meses e é definida pela capacidade de ler, analisar, utilizar e comunicar dados em toda a organização. Além de ter uma força de trabalho com conhecimento de dados, as empresas devem garantir que essas habilidades sejam usadas para a tomada de decisões em toda a empresa para competir na quarta revolução industrial.

“Com a maior presença de automação, robótica e inteligência artificial, a quarta revolução industrial está se aproximando. Os dados serão sua linguagem universal e as empresas que os dominam receberão as recompensas”, afirma Jordan Morrow, Chefe Global de Data Literacy da Qlik.

No entanto, apesar da correlação clara entre o valor da empresa e a alfabetização de dados, há uma lacuna entre como as companhias percebem a importância e a relevância dos dados e como potencializam, de fato, a alfabetização de dados de seus colaboradores. Embora 92% dos tomadores de decisões de negócios reconheçam a importância da alfabetização de dados dos profissionais, apenas 17% incentivam os colaboradores a se tornarem mais confiantes no uso inteligente e estratégico da informação.

Outras descobertas do Data Literacy Index

Alfabetização de dados corporativos pode melhorar o desempenho financeiro – O Data Literacy Index é um modelo rigoroso que classifica as empresas de acordo com o acesso aos dados necessários e a capacidade de utilizar as informações para tomada de decisão. Quando essas duas características são relacionadas ao desempenho corporativo, as organizações que se classificam no terço superior do Data Literacy Index têm um valor corporativo 3 a 5% maior do que as outras. O aprimoramento da alfabetização de dados parece ter uma correlação positiva com outras medidas de desempenho corporativo, incluindo margem bruta e retorno sobre ativos, patrimônio e vendas.

As empresas não estão preparadas para pagar pela experiência em dados – A maioria dos tomadores de decisões de negócios considera vital que os funcionários sejam alfabetizados em dados, mas apenas 24% da força de trabalho global diz estar totalmente confiante em sua capacidade de ler, trabalhar, analisar e se comunicar com dados. Enquanto dois terços das empresas (63%) planejam contratar mais funcionários com conhecimento de dados, o ônus é do indivíduo.

Os líderes empresariais não estão dispostos a comprometer recursos para melhorar a alfabetização em dados de sua força de trabalho, com apenas 34% das empresas oferecendo atualmente treinamento em alfabetização de dados e apenas 36% dispostos a pagar salários mais altos aos funcionários alfabetizados em dados.

Quase todos os líderes de negócios reconhecem que os dados são importantes para o seu setor (93%) e como a empresa atualmente toma decisões (98%). No entanto, apenas 8% das empresas fizeram mudanças significativas na forma como os dados são usados nos últimos cinco anos.

Empresas europeias mostram a maior maturidade de dados – A Europa detém a maior pontuação de alfabetização em dados de qualquer região, com o Reino Unido, a Alemanha e a França entre os países mais maduros em alfabetização de dados corporativos. Um pouco mais baixo, as regiões dos EUA e APAC não são estatisticamente diferentes uma da outra, embora Singapura seja a nação com maior número de dados globalmente.

Essa característica revela maior reconhecimento dos tomadores de decisão de negócios na Europa com relação ao valor dos dados. 72% afirmam que é “muito importante”. Na Ásia, apenas 60% reconhece essa importância, enquanto nos EUA, este número cai para 52%.

Tomadores de decisões nos EUA foram os que mais mudaram a forma como lidam com dados, mas investem pouco em treinamento – 47% dos pesquisados afirmaram ter feito ao menos “algumas pequenas” mudanças na forma como lidam com a informação. A região é seguida da Ásia, com 40%, e Europa, com 36%. Por outro lado, nos EUA, ainda existem poucas iniciativas para equiparar o conhecimento dos colaboradores com relação ao uso de dados. A região exibe os níveis mais baixos de treinamento em alfabetização de dados (30%) e apenas 16% relatam que suas empresas “incentivam significativamente” os funcionários a se sentirem mais à vontade com os dados.

Indústrias com maior conhecimento de dados – Existem diferenças muito maiores em alfabetização de dados corporativos entre indústrias do que entre regiões. Os setores de saúde, varejo e imobiliário tiveram um desempenho inferior em alfabetização de dados (com os respectivos pontos de alfabetização de dados de 67,1, 69,2 e 70,7), enquanto os setores administrativo, técnico e financeiro apresentaram desempenho mais consistente (81,1, 80,2 e 77,4 respectivamente).

O Data Literacy Index Corporativo foi criado pela Qlik em nome do Data Literacy Project, uma nova comunidade global dedicada a estimular discussões mais ricas e desenvolver as ferramentas necessárias para moldar uma sociedade de dados informada, confiante e bem-sucedida.

O resumo dos resultados do Data Literacy Index pode ser encontrado aqui. Para obter mais informações sobre como as empresas podem iniciar sua própria revolução na alfabetização de dados, participe do Data Literacy Project em TheDataLiteracyProject.org.

Pesquisa de tomadores de decisão empresariais

A pesquisa foi conduzida pela PSB Research no período de 27 de junho a 18 de julho de 2018. Os tomadores de decisões foram selecionados entre empresas globais de capital aberto, com pelo menos 500 funcionários e representando uma ampla gama de setores, incluindo serviços bancários e financeiros, manufatura, varejo, transporte, saúde, energia, construção, serviços públicos e comunicações.

Pontuação de Data Literacy corporativo

A medida de alfabetização de dados corporativos foi estabelecida pela IHS Markit e por um professor da Wharton School. Encontra-se em um continuum baseado em (1) as habilidades de dados dos funcionários (capital humano) (2) tomada de decisão baseada em dados e (3) dispersão de habilidades de dados (quão difundido é o uso de dados em toda a organização). Uma pesquisa foi projetada para medir as três dimensões da alfabetização de dados corporativos. Para cada questão, foi desenvolvida uma escala a partir das respostas categóricas e do z-score computado para padronizar as respostas em todos os indicadores, a fim de agregá-las. A pontuação global de Data Literacy corporativo é calculada como a soma das três pontuações dos pilares. Para a amostra global, a distribuição dos pontos do CDL varia de um mínimo de 0 a um máximo de 100.

Medidas do Desempenho da Empresa

O valor corporativo pode ser interpretado como a diferença percentual no valor de empresa da organização para uma diferença de um desvio padrão na classificação de alfabetização de dados corporativos, mantendo fixo todos os outros ativos da empresa. A análise de desempenho foi concluída usando dados financeiros públicos para as empresas pesquisadas. O resultado é estatisticamente significativo nos níveis convencionais e consistente com as estimativas das regressões de desempenho usando outras variáveis de desempenho.

* Fonte: Como impulsionar a Data Literacy na empresa

Thinkseg Group está entre as 100 insurtechs mais inovadoras do mundo

O Thinkseg Group acaba de ser inserido na seleta lista InsurTech 100, produzida pela FinTech Global, empresa especialista em pesquisas e levantamento de dados, que denomina as 100 insurtechs mais inovadoras do mundo. O ranking, divulgado na última quinta-feira, dia 11 de outubro, usou como um dos principais critérios as soluções tecnológicas oferecidas pelas empresas selecionadas ao mercado de seguros e resseguros.

A lista é composta por insurtechs de diversos países do mundo, com destaque para os Estados Unidos, onde opera a maioria delas. Entre as de origem brasileira, apenas o Thinkseg Group e uma outra insurtech foram selecionados.

Fundado em 2016, o Thinkseg Group foi criado para revolucionar o mercado de seguros brasileiro ao oferecer uma experiência totalmente digital ao consumidor, com produtos construídos e precificados de forma inédita. Em parceria com as principais seguradoras, uma de suas verticais, a Thinkseg, utiliza telemetria e inteligência artificial para oferecer produtos customizados, pensando não apenas no perfil, mas também no comportamento de cada cliente.

Criado por um único investidor com modelo de partnership, o Thinkseg Group não tem participação de grandes bancos, seguradoras ou fundos de investimentos. O resultado disso é total transparência, flexibilidade e agilidade para oferecer serviços e soluções em parceria com diferentes agentes do mercado, pensando sempre no consumidor em primeiro lugar.

Na primeira operação de aquisição entre insurtechs no Brasil, em junho deste ano, o Thinkseg Group multiplicou sua carteira de clientes ao adquirir a Bidu Corretora, uma veterana no ambiente digital e uma das primeiras corretoras de seguro online do país que, hoje, é líder isolada na geração de tráfego orgânico e na consequente aquisição de clientes para diversos tipos de seguros.

De acordo com Andre Gregori, CEO e fundador do grupo, ter esse reconhecimento mostra que estão no caminho certo, ao oferecer aos clientes uma forma totalmente digital e inovadora de contratar seguros, trazendo real disrupção e melhorias para todos do mercado “O nosso principal objetivo é inovar o mercado, utilizando a tecnologia para oferecer produtos personalizados, além de desburocratizar o acesso aos seguros no Brasil. Por isso, fazer parte desta lista é um reflexo de que estamos realmente atendendo aos anseios do consumidor moderno, que está cada vez mais digitalizado e procurando por novas formas de adquirir os seus produtos”, afirma Gregori.

A pesquisa começou a ser realizada em junho deste ano, com a identificação dos principais players do mercado de seguros e resseguros. Assim, a FinTech Global iniciou um processo de seleção das melhores companhias, por meio da realização de entrevistas detalhadas, para levantamento de informações e análises de cases. Com a definição dos melhores projetos e soluções apresentadas, a startup global definiu as 100 finalistas que compõem a lista.

As empresas de destaque foram escolhidas por um painel de experts da indústria de seguros, que revisaram as análises de 637 insurtechs identificadas pela FinTech Global. As insurtechs finalistas foram reconhecidas por seus usos inovadores de tecnologia para resolver algum problema significativo do mercado, crescimento em termos de capital e potencial para gerar economias de custos ou melhorias de eficiência em toda a cadeia de valor dos seguros.

Mercado em ascensão

Segundo a FinTech Global, o setor de insurtechs é um dos mais importantes dentro do mercado de fintech. Desde 2015, mais de 7 bilhões de dólares foram investidos por essas startups em soluções de seguro e resseguro no mundo, fazendo com que os investidores percebessem o grande impacto que novos modelos de negócios digitais vêm causando na indústria. No Brasil, o mercado de insurtechs cresce continuamente, contando atualmente com 78 empresas, conforme o último levantamento do Comitê de Insurtechs da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net).

A FinTech Global identifica que há muita especulação sobre as insurtechs no mercado, porém as informações ainda são muito superficiais, incoerentes e não satisfazem às principais necessidades de dados requeridos pelos tomadores de decisões de incubadoras. Por isso, a criação da lista InsurTech 100 ajuda os líderes do mercado de seguros na identificação de negócios de sucesso, oferecendo análises aprofundadas sobre as melhores iniciativas dentro do setor de insurtechs.

OLX adota Machine Learning para aprimorar a experiência do usuário

A utilização massiva e o dinamismo da troca de informações entre usuários no mercado de compra e venda online geram um alto volume de dados. E na OLX, maior plataforma desse segmento no Brasil, com mais de 7 milhões de usuários diários e 500 mil novos anúncios todos os dias, a quantidade de informações gerada apenas no último ano foi exorbitante: apenas nos dias de semana, foi quase 1 petabyte de dados por dia – um tamanho de dados equivalente a ouvir mais de 9.000 anos de música. Com tantos insumos, a empresa aproveita tais informações e faz uso do Machine Learning para gerar valor e aprimorar ainda mais o seu negócio, lançando melhorias customizadas para o usuário.

Por dia, a OLX insere aproximadamente 4 terabytes de dados no seu Data Lake (repositório central de informações). Isso equivale a 2.000 horas de filme: daria para passar 83 dias assistindo filmes por 24 horas, sem parar, ou seria o tempo de assistir “Titanic” mais de 600 vezes. Internamente, quem lida com esse volume gigantesco de dados é o time de Big Data. Seu desafio é coletar, armazenar e disponibilizar as informações para todas as áreas da OLX. Parte de uma cultura voltada a dados, cada área consegue analisar e transformar os insumos em conhecimento útil para o dia a dia do negócio, aperfeiçoando ou elaborando novos produtos e processos.

A equipe de Big Data, composta por 30 profissionais, engloba os times de Data Engineering, Data Service & BI e Data Science. Esse último junto ao time de produto, está desenvolvendo projetos para tornar a experiência do usuário ainda melhor com o uso do Machine Learning, por meio de métodos automáticos que incluem colocar máquinas para identificar padrões e analisar grandes quantidades de dados de uma só vez.

O primeiro projeto consiste em um serviço de identificação automática do que o usuário pretende inserir em um anúncio. A ideia é que o vendedor tire uma foto do produto e a plataforma consiga reconhecer e especificar o item automaticamente, além de indicar a categoria a qual ele faz parte.

Desenvolvido em parceria com o time de Autos, o segundo projeto é um serviço de dados que dará uma estimativa de preço do veículo que o usuário está anunciando, com base nas informações que ele preencher no formulário de inserção. Além da tabela FIPE, essa estimativa levará em consideração o histórico da OLX, que concentra ¼ de todas as vendas de automóveis no Brasil e conta com uma riqueza de dados que permite calcular a média de preço na plataforma para cada modelo. A novidade é relevante tanto para o comprador, que saberá o valor médio do carro para analisar se está alto ou baixo, quanto para o vendedor, que terá acesso à faixa de preço do veículo que pretende anunciar para usar como base.

As duas inovações impactarão a experiência do usuário final com a empresa, melhorando ainda mais a qualidade dos anúncios. Elas também permitirão que o vendedor insira seu produto de forma muito mais rápida, o que tornará o processo de inserção mais suave. Assim, os usuários poderão se conectar ainda mais rápido para transformar itens sem uso em felicidade – que é o propósito da companhia.

Em linha com o mindset experimental de uso de dados presente na companhia, esses dois novos produtos estão em fase de testes para, em seguida, serem lançados no mercado. Por meio de uma plataforma de experimentação, o time de Big Data consegue testar com uma parcela dos usuários a aceitação da nova funcionalidade e quais resultados ela gera para quem usa a OLX. A previsão é que as novidades comecem a ser disponibilizadas nos canais da OLX até o fim de 2018.

EY é reconhecida como líder de serviços de consultoria em inovação

A Forrester Research, uma das mais importantes empresas de pesquisa de mercado e tecnologia no mundo, reconheceu a EY como líder em serviços de consultoria em inovação. Entre os critérios de avaliação que premiaram a EY estão os seus ecossistemas de inovação, a conexão entre inovação e negócio, aplicação de tecnologia para a inovação de negócio, entre outros.

O levantamento, The Forrester Wave ™: Provedores de Serviços de Consultoria em Inovação, apontou que entre seus diferenciais, a EY oferece aos clientes a possibilidade de aplicar inovação nos seus desafios estratégicos e entender as principais tendências de grande impacto.

Para Miguel Duarte, sócio de consultoria em Strategy & Innovation da EY, o reconhecimento reforça a dedicação da consultoria em oferecer o melhor para seus clientes. “As empresas precisam quebrar os seus paradigmas, entender as necessidades dos seus clientes atuais e futuros e encontrar espaços de mercado não atendidos para gerar inovação de negócio relevante”.

A avaliação realizada pela Forrester ajuda CIOs, empresas e líderes na seleção de fornecedores que possam colaborar no espaço da Inovação.

Total gasto por brasileiros em viagens internacionais duplica nos últimos nove anos, indica Mastercard

O Brasil está entre os 20 principais países de origem de viajantes internacionais, é o que indica o Global Destination Cities Index, levantamento anual realizado pela Mastercard. Na 19ª posição, os brasileiros realizaram cerca de 6,5 milhões de desembarques com pernoite em destinos internacionais em 2017, o que representa um aumento de 91% em comparação à 2009, quando o índice começou a ser elaborado. Os gastos dos brasileiros fora do país seguiram essa mesma tendência e praticamente dobraram em 9 anos, passando de US$3,13 bilhões em 2009 para U$6 bilhões em 2017. Estados Unidos, Itália e Chile são os destinos internacionais mais visitados por brasileiros.

Globalmente, os países que lideram o ranking de origens são Estados Unidos, China e Alemanha. Segundo Sarah Buchwitz, VP de Marketing e Comunicação da Mastercard para Brasil e Cone Sul, conhecer os destinos mais visitados dos brasileiros é de extrema importância para a Mastercard, já que a empresa ajuda as pessoas a conhecerem o mundo com conveniência e conectividade perfeitos para cada destino, além de oferecer aceitação sem preocupações em milhões de locais em todo o mundo.

“Sabemos que viagens são uma prioridade para a maioria de nossos clientes. Por isso, buscamos oferecer benefícios que simplifiquem a sua jornada e tornem a experiência ainda melhor”, afirma Sarah. Alguns dos benefícios oferecidos pela empresa em viagens são Airport Concierge – que auxilia o portador do cartão na chegada em diversos aeroportos do mundo, reembolso (cash back) automático direto na fatura para compras nos EUA, seguro viagem, sala VIP em aeroportos – incluindo sala VIP própria no Aeroporto de Guarulhos, e wi-fi gratuito por meio do Boingo.

Além disso, a plataforma Priceless Cities está presente em mais de 40 cidades em todo o mundo e oferece oportunidades para que os clientes vivenciem momentos que não têm preço em áreas como gastronomia, diversão, estadia e compras. O Rio de Janeiro e São Paulo são duas cidades brasileiras Priceless.

Sobre o Global Destination Cities Index

O levantamento classifica as cidades em termos do número total de chegadas internacionais de visitantes que pernoitam e os gastos transfronteiriços realizados por esses mesmos visitantes nas cidades em 2017, e fornece previsões internacionais de crescimento de visitantes durante 2018. São utilizados dados públicos para obter os números de chegadas de visitantes internacionais e seus gastos em cada uma das 162 cidades analisadas. As previsões baseiam-se na média ponderada das previsões de turismo a nível nacional e nos dados mensais reais de 2018 no nível de destino, que estão disponíveis para o último mês antes do lançamento. Este Índice e os relatórios que o acompanham não são baseados nos volumes da Mastercard ou nos dados transacionais.

Como transformar indicadores de performance em verdadeiros aliados no food service

Por Rodrigo Andrade Oliveira, Diretor de Ofertas Food Service na Linx S.A.

No competitivo mercado de food service, cada detalhe tem a sua importância. Um deles é a boa gestão dos indicadores de performance (KPIs). A partir deles é possível monitorar e melhorar vários processos de forma eficiente, como o custo das mercadorias vendidas, o tempo de produção dos pedidos, a fidelidade dos clientes, entre outros. E o cuidado na hora de escolher os melhores indicadores faz toda a diferença.

Além da escolha do que medir, também é essencial definir como agrupar os indicadores para que seja possível comparar a performance entre as lojas de forma adequada.
Para isso, é importante contar com ferramentas e softwares capazes de capturar e organizar os dados de forma inteligente, construindo painéis de gestão de indicadores — os chamados dashboards — que contemplem as particularidades do negócio.

Uma franquia de fast food, por exemplo, pode ter vários formatos de lojas, como restaurantes, quiosques, drive thru, delivery etc. Para se ter uma visão adequada da performance do negócio é preciso classificar os indicadores levando em conta os diferentes modelos de operação.

Um bom dashboard, nesse caso, deve levar em consideração quesitos como a localização, o porte e a fase de maturidade de cada unidade. Se o ponto é um loja na praça de alimentação, o serviço é mais rápido e tem o seu foco no fluxo de atendimento. Já se o negócio é um restaurante, o custo aumenta com a locação de um espaço maior, atendimento em mesa e com a equipe, e assim o foco deverá ser maior no giro das mesas (quantidade de vezes que a mesma mesa é ocupada por clientes diferentes), para rentabilizar melhor a operação. Para uma unidade recém-inaugurada, é recomendado ter maior atenção na captação de clientes; enquanto para uma unidade madura, ganha relevância a fidelização.

Essa classificação é um dos pilares na construção de esforços de melhoria mais assertivos para as necessidades específicas de cada ponto de venda, evoluindo os resultados do negócio de forma integrada. Isso melhora o serviço e a rentabilidade da rede como um todo. Afinal, bons indicadores apoiam boas decisões, dão mais segurança e agilizam a transformação dos negócios. E num mercado competitivo, como o de food service, ser rápido e preciso pode significar a diferença entre a expansão sustentável e a constante luta pela sobrevivência.

Banco Original lança funcionalidade de pagamento por QR Code

O Original, primeiro banco no Brasil a proporcionar abertura de conta corrente 100% digital, dispolibiliza para seus clientes, a partir de 18 de outubro, o serviço de pagamento com cartão de crédito por meio da tecnologia QR Code. Com a nova funcionalidade, o cliente Original consegue realizar pagamentos direto pelo celular, sem tirar o cartão de crédito da carteira.

Para utilizar a funcionalidade é simples: basta o cliente acessar sua conta e habilitar a funcionalidade no app e quando for efetuar um pagamento em estabelecimentos com terminais Cielo, informar que a transação será feita por QR Code. O terminal irá gerar um código, com o qual o usuário realiza a leitura por meio do aplicativo do Banco Original, com a câmera do smartphone, e o pagamento do serviço ou produto será debitado diretamente do cartão.

A nova ferramenta traz ainda mais agilidade e comodidade para os clientes do Banco Original, que são pessoas que buscam, cada vez mais, por serviços que estão na palma de suas mãos. “O uso de smartphones já faz parte de nossa rotina e com o pagamento por meio da tecnologia do QR Code permite que os nossos clientes façam suas compras sem precisar estar com o cartão de crédito em mãos. Com isso, buscamos melhorar cada vez mais a agilidade e a experiência do cliente em tarefas do cotidiano”, afirma Guilherme Oliveira, Superintendente de Produtos do Original.

A solução permite que o pagamento com celular por meio da leitura de QR Code seja feito por meio de uma transação autenticada. Isso significa que ela é confirmada pelo próprio usuário, por meio de biometria ou com a inserção da senha. “O pagamento por meio do QR Code ™ Pay é prático, ágil e seguro tanto para o varejista quanto para o consumidor. Não será mais preciso levar a carteira para almoçar, ir à academia, ou à balada, basta estar com o smartphone”, explica Danilo Caffaro, vice-presidente de Produtos, Novos Negócios, Marketing e Inovação da Cielo.

Nesse primeiro momento, a funcionalidade está disponível apenas para compras realizadas na função Crédito. A expectativa é que em breve a opção débito também esteja disponível.

Elo e Cielo promovem maratona tecnológica em Recife

Recife será a sede do próximo hackathon promovido pela Elo – bandeira 100% brasileira que tem Banco do Brasil, Bradesco e CAIXA como acionistas – e pela Cielo – empresa líder em tecnologia, serviços e soluções inovadoras para o varejo. A 1º edição do WeHack acontecerá durante o maior festival de inovação, tecnologia, e empreendedorismo da capital pernambucana, o Rec’n’Play.

Até o dia 26 de outubro, desenvolvedores, empreendedores e startups poderão fazer suas inscrições de forma gratuita preenchendo o formulário online. Ao todo, serão 50 participantes selecionados para construir soluções para o futuro dos meios de pagamento durante 48h de maratona.

A hackathon será composta por grupos de até 5 integrantes, que poderão escolher entre três desafios – O poder dos Dados, Pagamentos sem Fricção e O novo Checkout – que trabalham problemas reais de clientes da Elo e Cielo. Ao fim da maratona, devem entregar um protótipo funcional e um modelo de negócio.

“Aqui na Elo nós vemos o WeHack como uma oportunidade de nos aproximar do ecossistema de empreendedores e startups de Recife, além de trazer outras perspectivas para resolver desafios do nosso negócio e problemas reais dos nossos clientes. É assim que a Elo inova, buscando parceiros para nos ajudar a construir o futuro dos meios de pagamento”, explica Daniel Passarelli, superintendente de Inovação da Elo.

Para a Cielo, uma das empresas mais inovadoras do País, o apoio ao evento visa ao fomento do empreendedorismo no Brasil. “Inovação está no DNA da Cielo, pois nascemos com o propósito de trazer soluções que sejam capazes de ajudar nossos clientes a vender mais e a gerenciar melhor seus negócios. Trabalhamos cada vez mais de forma colaborativa, com nossos colaboradores, parceiros e clientes. Este é um movimento importante para a promoção de um ecossistema de inovação no Nordeste”, comenta Rogério Signorini, diretor de e-Commerce e Canais Digitais da Cielo. “Lançamos um desafio a startups e grupos de desenvolvedores para que repensem os meios de pagamentos e criem novas experiências. Vamos abrir nossas APIs aos participantes para que possam criar e testar protótipos”, complementa o executivo da Cielo.

As três soluções consideradas mais inovadoras serão premiadas com R$ 10 mil, R$ 6 mil e R$ 3 mil. Além disso, serão reconhecidos com a quantia de R$ 1 mil os participantes eleitos por meio do voto dos mentores e da equipe organizadora do evento, o melhor Desenvolvedor Front-end; Desenvolvedor Back-end; Designer; Analista de negócios e Melhor Pitch.

Agenda 1ª Wehack

Data: 09, 10 e 11 de novembro
Inscrições: até 23:59 do dia 26/10 pelo site www.wehack.com.br
09/11 : Início do evento;
11/11 | 12:00 : Horário limite para submissão de projetos
11/11 | 14:00 : Início das apresentações;
11/11 | 16:00 : Divulgação dos resultados;

GFT abre mais de 100 vagas para profissionais de TI

A GFT, empresa alemã referência em tecnologias exponenciais para transformação digital e projetos ágeis, conta com mais de 100 vagas em aberto para profissionais de TI. Distribuídas entre as duas unidades da companhia em São Paulo, Alphaville e Sorocaba, as oportunidades são para atuação nas áreas de desenvolvimento em iOS; .NET; Hadoop; IBM/BPM; Salesforce e Python, além de 70 vagas para profissionais JAVA júnior, pleno ou sênior.

As novas contratações buscam atender à demanda crescente da companhia em novos projetos e serviços para as instituições financeiras do país, como bancos, seguradoras e empresas de cartões, além de projetos para grandes corporações internacionais. “A GFT tem crescido muito ao longo dos últimos anos, sempre criando soluções com tecnologias exponenciais para enfrentar os desafios constantes das transformações digitais dos nossos clientes e parceiros. Com os profissionais e talentos que chegarão, iremos, certamente, acelerar o nosso próximo de expansão e reforçar a nossa posição no mercado”, afirma Marco Santos, managing director da GFT Latam.

Entre os benefícios aos novos profissionais, a companhia alemã oferece um modelo de carreira que incentiva tanto o intercâmbio profissional quanto o cultural, salários e benefícios competitivos, ambiente que inspira a inovação, horários flexíveis, programas de incentivo (certificações, treinamentos, indicações, etc.) e espaços de trabalho diferenciados, com games e área de descompressão.

Desde 2005 no país, a GFT está posicionada entre os principais soluções para o momento de transformação no mercado financeiro e conta com mais de 700 colaboradores. Os detalhes podem ser acompanhados no site da GFT.

Salesforce firma parceria para desenvolver novos talentos

A Salesforce, líder global em CRM, junto com a Everymind, parceira da empresa no Brasil, anunciam uma colaboração com a Faculdade de Informática e Administração Paulista (FIAP), para incentivar e disseminar o uso e o conhecimento da tecnologia Salesforce entre os alunos da instituição de ensino.

A parceria inclui a participação da Salesforce em um dos desafios anuais da faculdade, o Innovation Challenge, que nesta edição provocou os alunos do terceiro ano do curso de Sistemas de Informação a desenvolverem soluções inovadoras em software para as indústrias de entretenimento e esporte, utilizando a plataforma da Salesforce como base para seus projetos.

Trata-se de uma grande oportunidade para todos os envolvidos, já que, segundo uma previsão do IDC, o ecossistema formado por clientes e parceiros da Salesforce irá gerar cerca de US$ 27 bilhões em receitas e 195 mil empregos no Brasil até 2022.

Para aprofundar seus conhecimentos sobre a tecnologia e assim extrair o melhor dela, os alunos participaram de diversas palestras, mentorias e workshops com especialistas da Salesforce e da Everymind. “Todos os alunos das quatro turmas do curso de Sistemas de Informação participam do desafio. Muitos nunca tinham tido contato com a plataforma da Salesforce e se surpreenderam com a facilidade de desenvolvimento e as possibilidades oferecidas por ela”, diz Gustavo Rodrigues, diretor executivo da Everymind e professor da FIAP.

Lançado em março, o desafio chega agora à reta final. No dia 20 de outubro, durante o NEXT FIAP Festival, os mais de 200 estudantes participantes irão apresentar seus projetos para uma banca composta por representantes de empresas e professores da FIAP. O projeto faz parte da grade da faculdade e, por isso, as notas da avaliação irão contar para a graduação dos alunos.

“É importante que os estudantes de computação ganhem familiaridade com vários tipos de plataformas de desenvolvimento. Ficamos felizes de ver projetos inovadores construídos sobre a plataforma da Salesforce”, destaca Daniel Hoe, diretor de marketing da Salesforce para América Latina. “Iniciativas como a da FIAP estão totalmente alinhadas com o que a Salesforce busca para a educação, por isso é um enorme prazer para nós participar pela primeira vez do NEXT FIAP Festival”, completa o executivo.

Investindo no futuro

Outra importante iniciativa da Salesforce no campo educacional é o Trailhead, plataforma de ensino totalmente online e gratuita criada pela empresa para desenvolver os colaboradores de seus clientes e profissionais em geral interessados em ampliar seus conhecimentos em tecnologias atuais como Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Marketing Digital e muitas outras.

NEXT FIAP Festival

O NEXT FIAP Festival acontecerá no dia 20 de outubro na Casa das Caldeiras, em São Paulo. Na ocasião, mais de 2 mil alunos da universidade participarão de diversas atividades voltadas para o desenvolvimento profissional em tecnologia e inovação, além de apresentarem seus projetos como drones, robôs, conteúdos para VR devices, aplicativos mobiles etc.