Page

Author admin

Novidá é eleita startup de IoT mais atraente do país

A Novidá, startup que desenvolve soluções para produtividade de equipes operacionais via geolocalização indoor, foi escolhida pelo 100 Open Startups como a startup de Internet das Coisas mais atraente para o mercado corporativo da América Latina.

A lista foi divulgada recentemente, após a avaliação de mais de 8,6 mil negócios inovadores, contando com a opinião de 15 mil executivos. Para formar o ranking, a pesquisa levou em consideração critérios de negócio como premiações, parcerias, contratos fechados com empresas, investimentos recebidos, entre outros.

Além do ranking geral com as 100 melhores startups (com a Novidá se posicionando na 16ª colocação geral), também foram feitos rankings separados em 21 categorias: Energia, Meio Ambiente, Saúde, Indústria, Transporte e Logística, Retail, Agricultura, Construção, Serviços Financeiros, Marketplace, Big Data, Biotech, Visão Computacional, IoT, VR/AR, Produtividade, Customer Service, Recursos Humanos, Legal e Marketing.

“Foi uma grande honra sermos escolhidos como a startup que mais se destacou no ramo de IoT. A Internet das Coisas é uma das maiores inovações dos tempos atuais e pode trazer grande aumento de produtividade para empresas de diferentes setores”, avalia Fábio Rodrigues, diretor executivo da Novidá.

A startup já tem sua solução testada no mercado desde 2016. Basicamente, o sistema funciona da seguinte forma: smartphones ou crachás emissores de BLE (Bluetooth Low Energy) são distribuídos aos colaboradores de uma empresa. Sensores IoT espalhados no ambiente de negócio recebem esses sinais e, através do algoritmo desenvolvido pela Novidá, indicam a posição de cada funcionário.

Dessa forma, é possível medir tempos de execução de tarefas, visualizar um mapa de calor, definir melhores rotas para equipamentos, realocar colaboradores, localizar recursos em tempo real, avaliar desempenho, identificar possíveis gargalos e otimizar processos.

No último ano, a empresa fechou contratos com grandes players como Gerdau, Lanxess, Embraer e Sodexo, além de pequenas e médias empresas como Arotubi e Ornare, o que justifica o bom posicionamento da Novidá no ranking do 100 Open Startups.

“Temos cases de sucesso que trazem um ROI anual de mais de 200% para as empresas. Damos aos nossos clientes visibilidade de seus processos operacionais, o que é essencial para reduzir custos e aumentar a produtividade. O ponto mais interessante da nossa solução é que ela resolve um problema de empresas de todos os portes”, conclui Fábio.

As listas do 100 Open Startups podem ser acessadas no site oficial da organização.

Grupo Movile lança programas de estágio e jovens talentos com mais de 100 vagas

O Grupo Movile, líder em marketplaces móveis e holding de empresas como iFood, Sympla, Zoop e PlayKids, lança neste mês seus programas de estágio e de jovens talentos, o Mobile Dream Internship e o Mobile Dream Talent. O primeiro será voltado para contratação de pessoas que ainda estão na universidade. Já o segundo, com foco em jovens talentos, procura profissionais de tecnologia e de negócios, além de recém-formados. O objetivo é trazer para o Grupo profissionais que tenham fit com a cultura, muito potencial e vontade de se desenvolver dentro da empresa. As inscrições vão de 29 de julho a 07 de setembro.

Por se tratar de uma das principais empresas de tecnologia da América Latina, o processo de seleção contará com ajuda de robôs e Inteligência Artificial e muitas experiências marcantes. A inscrição e os testes iniciais serão feitos por meio de chatbots, que vão interagir com os candidatos, aplicar um teste de lógica e fazer perguntas sobre sua história e experiências, além de tirar dúvidas do processo.

Toda a seleção será feita às cegas: fotos e informações como idade, gênero, curso e instituição de ensino serão omitidas dos avaliadores, para evitar ao máximo possíveis enviesamentos de decisões, ainda que inconscientes. Inglês também não é pré-requisito – a empresa oferece uma bolsa de estudos do idioma aos selecionados no programa.

“Nosso objetivo é encontrar os talentos que serão lideranças do Grupo nos próximos anos, além de trazer mais diversidade para a empresa”, conta Matheus Fonseca. Analista de Employer Branding da Movile que entrou na empresa por meio de um desses programas, e hoje já é parte integrante da gestão e um dos responsáveis pela organização desta nova edição.

O Grupo Movile, que tem como sonho melhorar a vida de 1 bilhão de pessoas por meio de seus apps, busca com esta iniciativa trazer pessoas muito boas desde o início de carreira, acelerando seu desenvolvimento para criar um pipeline de profissionais qualificados e integrados ao grupo. “Os próximos líderes de time, projetos e equipes e até mesmo o CEO daqui 10 anos pode vir de um desses programas”, afirma Matheus. Com um crescimento anual médio de 60% nos últimos 8 anos, a empresa tem a tecnologia e a inovação em seu DNA, e acredita em seus avanços para criar soluções cada vez mais completas para seus usuários.

Para participar da seleção, os requisitos são: ter mais de 18 anos e estar cursando o ensino superior (para o programa de estágio) ou ter até três anos de formado (para jovens talentos). Não existe nenhum requisito de curso ou universidade. As vagas são para atuação em São Paulo (SP), Campinas (SP), São Carlos (SP), Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS) e Rio de Janeiro (RJ), na própria holding ou em empresas do grupo, como iFood, Wavy, Movile Pay, Sympla, PlayKids e Zoop. Não há um número de vagas limitado- a ideia é encontrar e contratar tantos talentos quanto possível – mas há mais de 100 posições a serem preenchidas. Para se inscrever, basta acessar: www.themobiledream.com/

Por que a transformação dos talentos é tão importante quanto a dos processos

Por Maria Augusta Orofino

Há um senso que faz parte de todas as organizações, aquele que diz respeito ao como você sente ao entrar em determinado local. É comum que ele seja descrito como cultura, ambiente de trabalho, clima organizacional, entre outros.

No entanto, como é reforçado no livro “RH de Dentro para Fora: Seis Competências para o Futuro da Área de Recursos Humanos”, não importa de qual maneira é denominado, o que deve ser considerado é que, sim, é algo real. Também é um fenômeno que impacta as diversas pontas, desde o cliente que chega para fazer negócios, como o colaborador que está imerso naquela sensação. Por isso, é que muitos profissionais de RH sabem que é preciso de capacitação por meio de educação corporativa para que se crie a atmosfera certa que conduzirá ao sucesso – ou até a transformação digital.

Agora, imagine quanto é preciso para construir a cultura organizacional em um contexto rápido e tecnológico. É, por conta disso, que a educação corporativa tem se tornando a melhor amiga da transformação digital. Pense que criar o que é certo nos negócios, a partir de perspectivas culturais, é o mesmo que encontrar quais são os valores, normas e padrões que direcionarão a organização.

Já, fazer o mesmo por meio de processos, significa identificar e melhorar os processos-chave. Se, a criação se der pela lógica de competências, serão aperfeiçoadas atividades funcionais. Por último, criar por meio de uma visão de recursos é sinônimo de encontrar quais são os recursos da empresa que entregarão valor. Todas essas abordagens podem ser sintetizadas por uma lógica de capacitação e educação que permitirá ao RH conduzir os negócios para o caminho mais adequado.

A educação corporativa permite desenvolver e alcançar a maturidade nas diferentes perspectivas citadas anteriormente, inclusive no âmbito digital. Levando em consideração que a transformação digital interfere no cenário tradicional ao adotar soluções tecnológicas e, mais do que isso, impacta e modifica o ambiente ou cultura organizacional. Mais do que tecnologia, a transformação digital permite uma série de benefícios e vantagens competitivas, como a ampliação de possibilidades e de resultados para a empresa. No entanto, a educação corporativa não possui um trabalho simples, basta analisar o quão a transformação digital exige das organizações para alcançar a maturidade digital, incluindo a preparação para quebra de paradigmas e novos conceitos de trabalho e interação com as pessoas.

Agora, como promover uma educação corporativa que permitirá todos os ganhos da transformação digital, incluindo a cultura organizacional? Não basta somente procurar por uma capacitação apenas por que é preciso aprender rápido para não ficar para trás. Certamente é um motivo mais do que válido. Porém, deve-se ir adiante e buscar na educação corporativa as capacitações que, de fato, identificarão oportunidades, o desenvolvimento de talentos e a aplicação de ambos dentro de um cenário propício para que ocorra a transformação digital.

Como unir a educação corporativa e a transformação digital?

As empresas que estão promovendo a transformação digital precisam investir corretamente na educação corporativa para garantir que os resultados sejam realmente relevantes. Mas para que isso aconteça, há algumas boas práticas que são fundamentais. Confira:

  1. Entenda qual é o foco e não desperdice energia: mais do que se dedicar a diferentes propostas de educação corporativa, o ideal é entender quais são aquelas que possuem os fatores necessários para causar o impacto desejado.

  1. O seu mestre deve ser o melhor: nada de se comparar com empresas com um desempenho baixo ou que não estão no patamar adequado para a transformação digital. Aqui, a dica é aprender com o melhor, tendo como alvo em sua educação corporativa aquelas organizações com uma alta performance dentro do maior cenário possível. Inclusive, deve-se olhar para os setores irmãos, em que as capacitações se tornaram um destaque, buscando modelos e personalizando-os.

  1. Tenha sempre um lugar reservado para a criatividade: o incentivo ao novo e ao criativo favorecem um mindset adequado para a transformação digital. Portanto, as capacitações devem permitir a criação de espaços para a experimentação, a colaboração e a inovação.

  1. Não se trata apenas de tecnologia: novamente, assim como a transformação digital alcança mais do que as soluções tecnológicas, o mesmo acontece com a educação corporativa. É, sim, essencial que os colaboradores estejam habilitados para o convívio e a manutenção das novas tecnologias, mas não é só isso. As capacitações devem, também, desenvolver competências profissionais importantes que possam contribuir com aquelas que são peças-chave na transformação digital. São exemplos de habilidades essenciais: colaboração, inovação, liderança, criatividade etc.

  1. Mais do que atividades: a educação corporativa é um conglomerado, um conjunto de atividades, não somente um ato isolado, ou uma busca única. Mais do que a ação, é imprescindível o entendimento dentro da capacidade que está sendo desenvolvida. Não são soluções prontas e sozinhas, mas o exercício de competências para determinado fim.

Maria Augusta Orofino, empresária, palestrante, consultora organizacional e facilitadora de workshops e treinamentos empresariais em todo o Brasil e no exterior, nas áreas de Inovação, Modelos de Negócios, Design Thinking e Organizações Exponenciais

Startup aposta em novo modelo de supermercado online

Você já parou para pensar quanto tempo do seu dia você gasta indo ao supermercado? Além dos gastos com deslocamento, perdemos tempo procurando produtos e, muitas vezes, acabamos gastando mais do que o necessário, pois as promoções nos atraem a cada corredor e nos fazem levar coisas que não precisamos de fato. Para ajudar os consumidores nessas tarefas, os empreendedores Bruna Vaz Negrão, de 25 anos, e Fábio Rodas Blanco, 26, criaram a Shopper.com.br, uma plataforma que auxilia os usuários a planejarem e economizarem nas compras de supermercado.

Muito mais que um supermercado online, a startup se destaca por ser um sistema de reabastecimento de itens de consumo doméstico: produtos de limpeza, higiene pessoal, alimentos não perecíveis, bebidas, pets e frutas.

A empresa trabalha com o modelo de compras planejadas. O cliente escolhe os produtos no site ou aplicativo e recebe em casa. No mês subsequente, ele é lembrado, dias antes, para que faça ajustes em itens e quantidades, e receba outra cesta. “Nosso objetivo é ajudar as pessoas a abastecerem suas casas para que não faltem itens essenciais no dia a dia”, afirma Fábio.

Na plataforma, o cliente tem a flexibilidade de fazer ajustes no pedido, suspender a entrega ou reagendar para outra data. “Nossos clientes podem alterar 100% de suas cestas entre uma entrega e outra. Diferente de outros modelos de assinatura, estamos atentos à necessidade deles e, por isso, não cobramos nenhuma taxa a mais pela mudança, nem mesmo pelo cancelamento dos serviços”, explica Bruna.

A Shopper.com.br possui um acervo com mais de 2.100 itens e atende mais de 500 bairros da Grande São Paulo, entre eles: Jardins, Higienópolis, Vila Olímpia, Vila Mariana e até a região de Alphaville. O pedido mínimo feito pela plataforma é de R$150,00 e até R$249,90 é cobrada uma taxa de R$9,90 de frete. Para as compras acima de R$250,00, o frete é gratuito.

Além de manter a despensa sempre abastecida, o modelo ajuda as pessoas a planejarem com antecedência suas compras, o que faz com que a startup consiga se organizar melhor e comprar direto dos fabricantes apenas aqueles produtos que sabe que vai vender. Esse planejamento também se traduz numa logística mais eficiente, organizada com antecedência. Somados, esses fatores possibilitam à Shopper.com.br cobrar preços baixos: em média 12% menores que os dos supermercados online tradicionais. Essa maior eficiência do modelo já gerou R$ 1,8M de economia aos milhares de clientes.

Expansão do negócio

A Shopper.com.br iniciou a operação em 2015 e já apresenta resultados bastante positivos. Com crescimento de 20 a 35% ao mês, a startup acaba de captar R$10 milhões. “Queremos manter essa curva de crescimento. A nossa intenção é expandir para mais 300 bairros até o final de 2019”, destaca o CEO da startup.

Hoje, a empresa possui 110 colaboradores e tem mais de 50 vagas abertas, em 20 posições diferentes. Com um Centro de Distribuição de 2.300m², localizado na cidade de São Paulo, a startup já tem mais de 100 mil pessoas cadastradas na plataforma.

“Nós queremos construir um país com menos desperdício, mais eficiente, no qual as pessoas possam consumir e viver de forma inteligente, sem se preocupar com a falta de produtos básicos em casa”, finaliza Fábio.

Quais as vantagens do design da informação

A linguagem visual já nos provou, há muito tempo, ser uma das mais eficazes no processo de comunicação. É uma linguagem universal que transcende qualquer fronteira desde os primórdios da civilização, com as pinturas nas cavernas que contam a história de como aquele povo vivia.

A nossa ligação com o mundo é feita através dos nossos sentidos e a maior parte da nossa aprendizagem é feita através do sentido visual. A visão destaca-se em termos de assimilação de dados, haja vista que 65% das informações transmitidas com elementos visuais são armazenadas pelo cérebro. O fenômeno acontece porque este meio de aprendizagem exige menos esforço do órgão do que os demais sentidos (como a audição).

Mas afinal, o que é design da informação? A definição de design da informação por Horn (1999) é a ciência de preparar as informações para que elas possam ser usadas por pessoas com eficiência e eficácia. Seus objetivos principais são desenvolver documentos que sejam compreensíveis, precisos e rapidamente recuperáveis, e fácil de se transformar em ações efetivas; e de projetar interações através de equipamentos que sejam naturais, fáceis e agradáveis. Isto envolve resolver os problemas do design da interface humano-computador.

Na visão de Renato Gangoni, CEO da Visual Insight e que trabalha há anos aplicando o design da informação no mercado de Treinamento & Desenvolvimento, o design da informação é o design da EXPLICAÇÃO de fatos que conduz INFORMAÇÃO à AÇÃO ORIENTADA.

Um trabalho de design de informação começa com a análise do conteúdo, ideia/mensagem ou projeto. A partir daí, são propostas e soluções em formato gráfico ou digital, que melhor atinjam o objetivo esperado. É um processo multidisciplinar, que produz materiais visuais por meio da associação de imagens e textos sintetizados e que pode ser aplicado, por exemplo, para apresentar uma empresa, levar uma mensagem, ideia ou conceito a um determinado público, vender ou divulgar um produto, facilitar materiais em treinamentos ou eventos e explicar materiais complexos ou de difícil entendimento.

Ele se manifesta no dia a dia de diversas formas como nos infográficos de revistas e sites de notícias, nos vídeos animados de produtos e serviços, nas apresentações e propostas comerciais, nos tutoriais do youtube, nos mapas de metrô, em mapas mentais, formulários, catálogos de produtos, sinalizações e, cada vez mais, em educação corporativa.

Impactos do design da informação

Já sabemos que o design de informação é uma ferramenta visual que trabalha principalmente a forma como um conteúdo, produto ou conceito é apresentado, ou seja, como uma mensagem é “dita” ao seu público, aumentando sua captação.

E por ser visual, o design da informação tende a gerar grandes impactos como comunicar melhor, aumentar o engajamento, facilitar o entendimento, hierarquizar as informações, conectar ideias e conceitos, proporcionar associação de conhecimentos e pode aumentar em até seis vezes o entendimento e assimilação.

É por isso que atualmente o design da informação aplicado em treinamentos corporativos tem um papel crucial. Uma das principais barreiras de uma solução de aprendizagem corporativa hoje em dia é tempo disponível, e o design da informação é a ferramenta que faz a diferença em explicar as informações de forma rápida e fácil de ser assimilada.

O Fluxo do Caixa Projetado x Realizado

Por Deniane Bezerra

Você tem que se virar nos 30 para poder entregar o seu produto/serviço e conciliar com o setor administrativo-financeiro de seu empreendimento?

Tem sido cada vez difícil tomar decisões financeiras sem se perder no meio das planilhas?

Perder o controle do financeiro do próprio negócio é o que tem feito vários empreendedores do Brasil fecharem as portas. Isso acontece porque ter previsibilidade nos resultados de sua empresa e saber que essa projeção se concretizou é fundamental.

Para poder ter foco no negócio, muitos empreendedores têm optado pela terceirização financeira. Afinal de contas, o fluxo de caixa é vital para que a empresa continue funcionando.

Saiba quais são os impactos do fluxo de caixa na sua empresa e porque a sua compreensão é importante para melhor o desempenho financeiro de seu empreendimento:

O que é fluxo de caixa?

O fluxo de caixa é uma ferramenta de controle financeiro importantíssimo para que os empreendedores garantam o melhor retorno possível para o capital que a empresa dispõe no momento.

A partir do controle das movimentações financeiras, é possível ter informações fundamentais para controlar o dinheiro que entra e que sai do caixa durante determinado período de tempo.

Além de controlar a entrada e saída do dinheiro, com ele também é possível controlar o recebimento e pagamento de contas.

Ao contrário do balanço financeiro, o fluxo de caixa não tem relação com lucro ou prejuízo, pois é uma ferramenta que não compreende a avaliação dos resultados.

Compreender a variação do fluxo de caixa permite que as suas finanças tenham mais previsibilidade.

Seu principal objetivo é garantir o equilíbrio das finanças em dia, o que permite que a sua empresa renda sem precisar movimentar o capital.

Naturalmente, para atingir esta previsibilidade, é preciso que os empreendedores conheçam o processo financeiro de seu próprio negócio. Por isso, é de suma importância que tenham um método de gestão eficaz e contem com o suporte de boas ferramentas (daí a importância da terceirização financeira).

O caixa de uma empresa é calculado ao somar o caixa inicial com as entradas, subtraindo o valor que saiu. Ainda é preciso adicionar as contas a receber.

O fluxo de caixa realizado se relaciona ao passado e presente de um empreendimento. Já o previsto é, como o nome diz, algo relacionado ao futuro, ou seja, é feito com base nas previsões reais de entrada e saída do caixa.

O que é fluxo de caixa projetado?

Como o nome já diz, o fluxo de caixa projetado é uma projeção das entradas e saídas financeiras de uma empresa durante certo período.

Antes de mais nada, é preciso deixar claro que o controle do fluxo de caixa é de extrema importância para que a projeção seja a mais real possível.

Em outras palavras, deve-se além de anotar as entradas e saídas do caixa, é importante que os empreendedores coletem todas as informações do setor financeiro, como pagamentos realizados e recebimentos, além das suas prioridades.

A maioria dos empreendedores do Brasil fazem esse controle com tabelas feitas no papel ou planilhas no computador, como no Excel. Entretanto, a forma mais fácil e eficaz de manter as finanças em dia, é a partir de um sistema de gestão financeira.

Benefícios do fluxo de caixa projetado

A curto prazo, projetar os resultados do caixa é importante para descobrir o valor que está sobrando no caixa, e quando está faltando recursos. O fluxo de caixa projetado pode ajudar você a escolher as melhores datas para pagar fornecedores e outros vencimentos, por exemplo.

A projeção permite que os empreendedores prevejam situações de crise, como falhas e possíveis riscos e possam tomar alguma atitude antes mesmo do problema acontecer. Com isso, a empresa cria uma “barreira” contra imprevistos.

Ademais, projetar como será o caixa no futuro é importante para que você identifique o momento exato de se fazer um novo investimento, como expandir o seu negócio ou investir no marketing.

O que é fluxo de caixa realizado?

O objetivo do fluxo de caixa realizado é mostrar o comportamento das entradas e saídas dos recursos financeiros da empresa em certo período de tempo.

Com ele, é possível que os empreendedores definam qual é a tendência de uma empresa.

Como já foi dito, é preciso ter em mãos o resultado para criar um fluxo de caixa projetado que seja preciso. Dessa forma, o fluxo realizado também serve como base para que o empreendedor faça um planejamento das projeções.

Além disso, você também poderá identificar as razões de possíveis variações (falha de projeção e/ou falha na gestão financeira).

Como controlar o fluxo de caixa

Ter o fluxo de caixa é importante para a realização de qualquer atividade dentro de uma empresa. Confira como fazer uma planilha corretamente:

•Primeira coluna: Anote todas as entradas, não se esqueça de colocar no papel os pagamentos que vai receber, os empréstimos e o dinheiro de seus sócios;

•Segunda coluna: Anote todas as saídas, inclusive os pagamentos de contas, despesas (custos fixos), pagamentos e compras realizadas;

•Terceira coluna: anote todas as movimentações realizadas ao longo de um determinado período de tempo;

•Para cada dia, é preciso que seja colocada uma coluna para o fluxo previsto e outra para o fluxo realizado;

•A coluna do fluxo realizada deverá ser preenchida apenas quando fechar o dia de trabalho da empresa.

Benefícios do fluxo de caixa

O fluxo de caixa é de suma importância para que a empresa mantenha as finanças em dia e, consequentemente, que a gestão seja eficaz.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o controle do caixa não é só para empreendedores de sucesso e de grandes empresas, mas também para micro, pequenas, e médias empresas.

Na verdade, o que separa pequenos empreendedores dos empreendedores de sucesso é, justamente, a forma com que lida com as finanças.

Hoje em dia, muitas instituições de crédito exigem que seja apresentado o fluxo de caixa para conceder empréstimos.

•Maior organização das finanças;

•Oferece um maior controle financeiro;

•Facilita a tomada de decisões dentro da empresa;

•Aumenta a eficiência da empresa;

•Faz com que o planejamento financeiro seja mais palpável, ou seja, é mais fácil verificar se é possível fazer novas aplicações, investimentos, etc.

Você precisa colocar as finanças em dia e melhorar o controle do fluxo de caixa, então agende um call agora mesmo!

Deniane Bezerra, CEO e fundadora da Vibratto, empresa especialista em terceirização financeira para startups e PMEs

Cargo X lança Cargo Force, marketplace exclusivo que oferece cargas e capital de giro para transportadoras, de forma inédita

A Cargo X, logtech brasileira fundada em 2013 com o objetivo de reescrever a cultura de transporte de cargas, ajudando ao transportador brasileiro, lança Cargo Force, marketplace que oferece fretes para transportadoras. A expectativa é oferecer dez mil fretes por mês e tecnologia para os transportadores. O novo serviço faz parte do novo posicionamento da marca que também contempla um fundo de investimento de 100 milhões de reais para transportadoras do agronegócio no formato de capital de giro para contratação e prestação de serviços. Destes, 20 milhões de reais já foram investidos.

Muitos terminais logísticos, atualmente, trabalham muito abaixo de sua capacidade. Galpões que antes recebiam cerca de 50 a 100 caminhões por dia, hoje operam recebendo não mais que 10 caminhões diariamente.

Foi olhando para essa situação que a Cargo X entendeu que havia uma grande oportunidade de ajudar as transportadoras. Antes vista como concorrência, a logtech quer ajudar as empresas para que os galpões voltem a operar na capacidade máxima, oferecendo um serviço exclusivo e operacionalizado de maneira inédita no mercado.

“Queremos beneficiar todo o setor e fomentar negócios para transportadoras de médio e pequeno porte – que compõe 95% desse mercado no Brasil; estes são os verdadeiros empreendedores que movimentam um dos mercados mais complexos mundo. Acreditamos que o único caminho para melhorar a malha logística do País é criando uma parceria com transportadores que conhecem as complexidades da indústria e dar suporte para que eles possam crescer e se tornar mais eficiente por meio de nossa tecnologia e capacidade financeira. Iniciamos o projeto com 30 transportadoras e o cadastro será só possível por convite, mas a expectativa é aumentar esse número significativamente até o final do ano a continuar para ajudar cada transportador no Brasil”, explica Federico Vega, CEO da Cargo X.

A tecnologia embarcada do marketplace é baseada em tecnologias de machine learning já utilizadas na Cargo X, com um potencial de otimizar, cada vez mais, o ‘match’ entre fretes e transportadoras.

Para ter acesso ao marketplace, a transportadora passa por um processo de cadastro e em seguida pode negociar os fretes disponíveis.

Trend Micro alerta: Brasil está entre os 10 países que mais sofrem com softwares maliciosos

O relatório “Fast Facts” da Trend Micro, que analisou o cenário de ameaças cibernéticas globais em maio, mostra que o Brasil é o 9° colocado no ranking de países com mais malwares, um avanço de duas posições em relação ao estudo realizado no primeiro trimestre deste ano. O total foi de 1.227.712 ameaças detectadas. O Japão lidera o ranking, com 8,7 milhões ameaças, seguido pelo Estados Unidos (8,5 milhões) e Itália (com 2,3 milhões).

“Como os cibercriminosos desenvolvem truques cada vez mais evasivos, é preciso tomar muito cuidado com a segurança digital. O ideal é que o usuário, principalmente as empresas, tenha soluções de segurança multicamada, que oferecem uma proteção mais completa”, comenta Franzvitor Fiorim, Diretor Técnico da Trend Micro no Brasil. “Os cibercriminosos buscam sempre dados sensíveis em que possam utilizar de forma rentável, prova disso é que o relatório da Trend Micro aponta também que o Brasil está no top 15 em quantidade de malwares bancários”, complementa.

O estudo

O relatório Trend Micro é divulgado pelo TrendLabs com atualizações mensais sobre o cenário de ameaças. Além dos sensores da SPN, os dados coletados também vieram de pesquisadores da Trend Micro, da equipe do Zero Day Initiative (ZDI), da equipe de Threat Hunting, da equipe de Serviço Móvel de Reputação de Aplicativos (MARS) e da Smart Home Network (SHN).

SAS anuncia Alexandre Sapia como Diretor Executivo de Soluções e Serviços para a América Latina

O SAS, líder global em Analytics, anuncia a chegada de Alexandre Sapia como Diretor Executivo de Soluções e Serviços para a América Latina. Ele terá como objetivo fortalecer e estreitar o relacionamento do SAS com seus clientes, além de expandir a venda de tecnologias da companhia para diferentes segmentos da indústria. O executivo também tem como missão promover uma forte integração entre as diversas áreas do SAS e de seu ecossistema.

Sapia irá liderar mais de 300 profissionais distribuídos em sete países (Brasil, Argentina, Chile, Peru, México, Colômbia e Equador).

“É um orgulho muito grande trabalhar em uma empresa que conta, sobretudo, com uma reputação e credibilidade tão fortes no segmento no qual atua. Estou muito motivado com esse novo desafio e espero auxiliar o SAS na missão de continuar encantando os clientes por meio de tecnologias ágeis e inovadoras que geram impacto em seus negócios com resultados exponenciais”, afirmou o executivo.

Alexandre Sapia conta com mais de 20 anos de experiência na área de tecnologia, atuando em grandes empresas multinacionais, como Oracle, IBM e PwC.

Telegram: autenticação dupla com uso de torpedo interativo de voz poderia ter evitado invasão

As notícias sobre a invasão de contas do Telegram dos líderes da Operação Lava a Jato e, mais recentemente de autoridades do governo e do parlamento brasileiro nas últimas semanas, movimentaram a sociedade e colocaram em xeque os mecanismos de recuperação e autenticação de códigos de acesso a serviços online, não apenas do Telegram, mas de todos os outros serviços e aplicativos existentes.

O caso ganhou novo fôlego com o anúncio da prisão de supostos “hackers” pela Polícia Federal na última semana e divulgação do método utilizado para obter o acesso a estas contas a partir de três vulnerabilidades independentes conhecidas: a simulação do número de telefone do dono do aparelho, o acesso simples a caixa postal do celular e a metodologia do Telegram para envio do código de acesso solicitado.

Neste caso dos líderes da Operação Lava a Jato, sabe-se que os invasores fizeram ao Telegram a solicitação do código de acesso optando pelo envio do código por telefone. Mantiveram as linhas móveis ocupadas” com uma sobrecarga de chamadas para que a resposta com o código de acesso caísse diretamente na caixa postal. Depois, acessaram as caixas postais por meio de ligações Voip com número simulado das linhas e obtiveram os códigos.

Para José Roberto Aragão, diretor de Tecnologia da Velip, desenvolvedora de aplicações de atendimento e comunicação com Inteligência Artificial cognitiva, comenta que a companhia que administra o Telegram – assim como qualquer outro aplicativo ou serviço online ou de operadora de telefonia – deveria usar o recurso de torpedo de voz interativo para solicitar uma informação – por meio de uma pergunta- para depois liberar o código, antes de enviar o código de acesso. “A pergunta pode ser sobre uma informação aleatória ou exclusiva, de conhecimento apenas do dono da conta. Com isso, seria possível impedir que alguém estranho ao serviço – ou um robô criado para realizar a invasão – pudesse ter acesso ao código, pois o mesmo não seria deixado na caixa postal caso esta modalidade de proteção fosse utilizada”, afirma ele.

O recurso, segundo Aragão, pode ser aplicado em quaisquer outros serviços, plataformas e aplicativos mobile e web: WhatApp, Facebook, Twitter, além de internet banking, plataformas de atendimento ao cliente entre outras. “Trata-se de autenticação dupla – ou de dois fatores – muito usada por vários serviços no mundo todo, mas que, infelizmente é negligenciado por muitas organizações públicas ou privadas. Plataformas avançadas de comunicação empresarial com o usuário oferecem esta funcionalidade e não custa muito mais caro do que a empresa já usa para se comunicar com o cliente ou para informar o código de acesso quando solicitado, como aconteceu no caso do Telegram.

Segundo o executivo, todos os serviços online devem priorizar o fortalecimento dos mecanismos de segurança para evitar acessos não autorizados. “A combinação entre vários fatores restringe a possibilidade de invasão, seja por pessoas ou máquinas criadas para esta finalidade”, assegura José Roberto Aragão.

Tags,

Dell Technologies oferece cursos gratuitos em tecnologia e negócios para pessoas com deficiência

Com o intuito de promover a inclusão social e a qualificação dos profissionais no Brasil, a Dell Technologies, por meio do seu Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (LE@D), em parceria com a Universidade Estadual do Ceará (UECE), disponibiliza gratuitamente 1000 vagas para o programa de qualificação profissional em tecnologia e negócios. Os cursos serão oferecidos na modalidade EaD (Ensino à Distância), em plataforma acessível para pessoas com deficiência, oferecendo horários de estudo flexíveis em cursos com e sem tutoria, por meio da plataforma Dell Accessible Learning.

Os cursos oferecem conhecimentos sobre soluções para o uso de softwares e aplicativos, introdução de conceitos para a programação de sistemas na linguagem Java e Java Android, bem como noções básicas para desenvolvimento do potencial empreendedor, buscando a compreensão das reais necessidades de clientes de forma inovadora e com excelência.

Serão disponibilizadas sete trilhas de cursos para atrair o público iniciante, intermediário e avançado na área de programação, assim como nas áreas de vendas e negócios. As inscrições acontecem até o dia 04/08 (domingo).

Para saber mais detalhes e fazer a inscrição, basta clicar no link:

www.leadfortaleza.com.br/selecao.

Ciberataques serão destaque no Fortinet Cibersecurity Summit 2019

A Fortinet® (NASDAQ: FTNT), líder global em soluções de cibersegurança amplas, integradas e automatizadas, realiza na quarta edição do Fortinet Cibersecurity Summit (FSC19), no Espaço das Américas, em 6 de agosto das 8h30 às 18h. O evento reunirá especialistas em segurança de rede atuantes em diversas áreas para falar sobre os principais perigos digitais da atualidade, o cenário de riscos para os próximos anos e como os profissionais e empresas podem se preparar para estes novos tipos de ataques.

Com foco em executivos e profissionais de cibersegurança, o FSC 2019 oferecerá a oportunidade de compartilhar previsões e experiências de líderes do setor, bem como lições aprendidas neste segmento em constante expansão e desenvolvimento tecnológico. Além disso, o evento também abre espaço para discutir as transformações tecnológicas do mundo e a importância da especialização e qualificação, capacitando os profissionais a acompanharem essas mudanças.

“Os investimentos em cibersegurança cresceram cerca de 12% em 2018 e o número de empresas aderindo a soluções de defesa digital mantem um expressivo crescimento, mas ainda há muito espaço para crescer. Onde há tecnologia, há vulnerabilidades e um potencial alvo de hackers e queremos que as empresas pensem assim, pois a cibersegurança está se tornando cada vez mais essencial para o desenvolvimento tecnológico”, comenta Frederico Tostes, Country Manager no Fortinet Brasil.

O evento contará com a presença de especialistas da Fortinet como Frederico Tostes, Country Manager no Brasil, Alexandre Bonatti, diretor de Engenharia no Brasil, Marcelo Mayorga, vice-presidente de Engenharia de Vendas para América Latina e Derek Manky, estrategista de Segurança Global, que participarão de apresentações técnicas e workshops sobre soluções de segurança, além de discutir o cenário regulatório brasileiro após a Lei de Proteção de Dados.

Phil Quade, CISO Global da Fortinet, trará também seu conhecimento como moderador do painel: “O papel dos CISOs e sua importância para os negócios”.

Outro destaque será o painel sobre a participação da mulher em cibersegurança que será apresentado pela gerente de soluções de Cloud da Fortinet, Vanessa Pádua, e abordará a posição da mulher neste setor e o potencial de igualdade em um mercado que está constante crescimento.

O Fortinet Cibersecurity Summit 2019 tem como principal missão reforçar o papel de destaque da cibersegurança para as empresas que estão adotando tecnologias como computação em rede, sistemas automatizados e integrados e outras soluções de IoT que estão se tornando essenciais no ambiente corporativo e até mesmo no público, mas ainda possuem inúmeras falhas de segurança e expõem os usuários e companhia a riscos de perdas consideráveis de dados.

Fortinet líder de mercado

Em 2018, a Fortinet também foi a empresa de cibersegurança número um em vendas de equipamentos de segurança em a América Latina. No Brasil, a Fortinet registrou uma ampla liderança com 50,12% da participação de mercado de equipamentos fornecidos no ano passado.

Fortinet Cibersecurity Summit

6 de agosto – das 8h30 às 18h
Local: Espaço das Américas
R. Tagipuru, 795 – Barra Funda, São Paulo

Para mais informações sobre o evento: Clique aqui