Page

Author admin

Solar Orbiter, construída pela Airbus, segue rumo ao Sol

A Solar Orbiter, emblemática missão da Agência Espacial Europeia (ESA) para estudar o Sol, concluiu todos os testes e deverá ser transportada para o Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), e está pronta para seu lançamento em fevereiro de 2020.

Construída pela Airbus em Stevenage (Inglaterra), a Solar Orbiter estudará em detalhes o Sol e seus efeitos no sistema solar. A espaçonave leva um conjunto de instrumentos complementares que medem as partículas, campos e ondas do plasma através do qual ela viajará e, ao mesmo tempo, fazem observações da superfície e da atmosfera externa do Sol, da fotosfera e da coroa.

Desde outubro de 2018, a Solar Orbiter passa por testes no centro de testes da IABG, perto de Munique, incluindo compatibilidade eletromagnética, vibração e vácuo térmico, além do acionamento de painéis solares e barras da sonda. Todos foram concluídos com sucesso.

“A Solar Orbiter foi uma das missões mais desafiadoras e emocionantes que já projetamos e construímos aqui em Stevenage. Enviá-la para tão perto do Sol significa que algumas partes da espaçonave precisam suportar temperaturas de mais de 500°C, enquanto outras estarão em sombra permanente em um frio de até -180°C. Para garantir que os instrumentos muito sensíveis possam medir os campos e partículas do Sol, a espaçonave em si precisa ser totalmente invisível para seus sensores, o que nos levou aos limites absolutos daquilo que é tecnicamente possível”, disse Eckard Settelmeyer, Diretor de Projetos Institucionais de Satélites para Observação da Terra, Navegação e Ciências da Airbus.

Em seu ponto mais próximo, a Solar Orbiter estará mais próxima do Sol do que o planeta Mercúrio, a uma distância de 0,28 Unidades Astronômicas (42 milhões de quilômetros), em uma órbita que a tira do plano eclíptico. Dali, ela pode realizar observações de longa duração da mesma região da superfície do Sol e ter visibilidade das regiões polares do Sol. Será uma das maiores aproximações do Sol já feita por qualquer espaçonave, onde a luz é treze vezes mais intensa do que para os satélites que orbitam a Terra.

A Solar Orbiter precisará sobreviver à intensa radiação térmica e proteger seu conjunto de instrumentos, permitindo que estes, ao mesmo tempo, observem o Sol. O escudo térmico e a nova tecnologia de matrizes de painéis solares para altas temperaturas são fundamentais para o sucesso da operação. Para se posicionar e elevar sua órbita acima dos polos, a Solar Orbiter fará uma série complexa de sobrevoos da Terra e de Vênus, com assistência gravitacional.

O Sol libera explosões de partículas de alta energia (Ejeção de Massa Coronal), que podem atrapalhar os sistemas de distribuição de energia elétrica, causar falhas de computadores, danificar satélites e colocar astronautas em risco. A Solar Orbiter observará o Sol a partir de uma órbita elíptica ao seu redor e fornecerá dados científicos para entender melhor os mecanismos do Sol que causam essas violentas e perturbadoras explosões.

A Solar Orbiter se baseia em missões extremamente bem-sucedidas da Airbus, como o SOHO e o Ulysses, que forneceram notáveis insights do funcionamento do Sol. Da mesma forma como para aquelas missões, esta é uma colaboração entre a ESA e a NASA.

A vida útil da missão será de quase oito anos.

Primeiro Pitch Day ANBIMA conecta startups a instituições tradicionais do mercado de capitais

A ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) realiza nesta quarta-feira, 23, a primeira edição do Pitch Day para mercado de capitais. Quinze startups e fintechs apresentarão soluções para 20 desafios das atividades de estruturação de ofertas públicas, negociação e distribuição de produtos de investimento a uma plateia composta por representantes de empresas associadas e instituições parceiras convidadas. O objetivo é aproximar o mercado financeiro tradicional à comunidade de inovação.

“Todas as indústrias do mundo estão passando por um movimento de digitalização, inovação e tecnologia. Com a de investimentos não é diferente”, afirma Zeca Doherty, superintendente-geral da ANBIMA. “Neste momento de transformação, acreditamos que as startups têm muito a contribuir. O olhar de fora sempre enriquece as discussões e tem algo a acrescentar, ainda mais quando se tratam de empresas que respiram inovação no dia a dia”, completa.

Mais de 60 empresas se inscreveram para o Pitch Day. Além da apresentação, os projetos serão disponibilizados em um e-book enviado em primeira mão aos associados da ANBIMA.

Anatel atualiza seu parque tecnológico para melhor atender suas demandas e buscar inovação

Buscando modernizar suas soluções de tecnologia e otimizar suas atividades, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), contratou, por meio de licitação, a provedora de tecnologia e parceira da Microsoft no Brasil, Brasoftware, para implementar o Office 365 e suas soluções, como o Sharepoint, Exchange e o Teams.

De acordo com Cléoben Gomes Lopes, responsável pela Coordenação de Administração de Ambiente Computacional da Anatel (GIMR1) e fiscal do contrato gerado após a licitação, o órgão público procurou por essa atualização frente à necessidade de modernizar os serviços de correio eletrônico, de comunicação instantânea e de edição colaborativa de documentos. “A Anatel buscou esse upgrade pois precisávamos de uma plataforma mais avançada e mais intuitiva que pudesse atender à demanda dos nossos usuários por uma solução de colaboração que pudesse ser acessada de qualquer lugar a fim de otimizar a execução de atividades corporativas. Ficamos muito satisfeitos de realizarmos o projeto junto a eles por causa da celeridade e do profissionalismo apresentados”, informou Lopes, que ressaltou também que, com a implementação, novas ferramentas disponíveis nas versões mais recentes do Office passaram a ser adotadas, suprindo outras demandas e aprimorando também o modelo de trabalho colaborativo e uma melhor comunicação entre os mais de 1700 usuários.

Dentre as principais vantagens da nova tecnologia, George Lacerda, Executivo de Serviços da Brasoftware, ressaltou a questão da segurança da plataforma. “Todas as soluções da Anatel foram migradas de seus servidores locais e estão sendo usadas hoje dentro de uma nuvem. Nesse ambiente, as soluções sempre estarão em sua última versão, sem a necessidade da Anatel realizar contratações para manutenção da plataforma e sem se preocupar com segurança, uma vez que o ambiente da Microsoft segue padrões internacionais de certificados e segurança, incluindo regras que serão cobradas dentro da LGPD (lei geral de Proteção de dados) ”, comentou. Outro ponto de destaque se deu pelo uso de ferramentas como o Teams e o Sharepoint, que permitem uma maior economia de tempo e de dinheiro, já que os gastos com deslocamento podem ser diminuídos com a utilização de webconferências ou troca de mensagens instantâneas, frente a reuniões, deslocamento e viagens que, às vezes, eram necessárias.

A implementação do projeto foi realizada pela equipe da Brasoftware de modo rápido e eficiente, que realizou o processo de migração das soluções de modo gradual para que todos os usuários fossem se acostumando aos poucos. Ao todo, o processo levou em torno de 40 dias para ser finalizado e atingiu quase 1700 colaboradores. “Todo o procedimento foi bem rápido e a aplicação permitiu aos funcionários da Anatel a opção de usar seus dispositivos remotamente quando fosse preciso, transformando qualquer celular ou computador em um “braço do trabalho”, complementa Lacerda.

IBM anuncia novas capacidades em nuvem pública

A IBM (NYSE: IBM) anunciou hoje que clientes em indústrias altamente reguladas, como Aegean Airlines, BNP Paribas, Elaw Tecnologia SA e Home Trust, escolheram IBM Cloud como o destino preferencial para cargas de trabalho de missão crítica.

A IBM também anunciou novas capacidades que fazem com que a sua nuvem pública seja a nuvem mais segura e aberta para os negócios, incluindo:

•A única tecnologia criptográfica de ponta para a nuvem disponível no mercado, chamada “Keep Your Own Key”. Isso permite que as empresas mantenham o controle de suas próprias chaves de criptografia – e dos módulos de segurança de hardware que as protegem – para que os clientes sejam os únicos que possam controlar o acesso aos seus dados.

•Maior largura de banda para seus servidores virtuais de última geração na nuvem, de até 80 Gbps, tornando a nuvem pública da IBM pronta para hiperescala. As empresas podem acessar os serviços de nuvem pública da IBM e dimensionar suas redes mais rápido do que nunca, tudo em um ambiente controlado e seguro, adequado para cargas de trabalho sensíveis.

•Uma expansão da presença global de data centers de nuvem da IBM, com novas regiões multizona (MZR) planejadas para Toronto, Canadá, e Osaka, Japão, que se somam ao recente anúncio da região multizona em São Paulo, Brasil. Essas regiões ajudarão os clientes a implementar rapidamente cargas de trabalho e aplicativos de missão crítica em ambientes de nuvem híbrida e obter acesso a um conjunto consistente de serviços de nuvem pública IBM – incluindo infraestrutura de nível empresarial e serviços de inteligência artificial (IA).

•A mesma tecnologia IBM Power Systems por trás dos supercomputadores mais inteligentes do mundo, Summit e Sierra, deverá estar disponível em IBM Cloud para geografias selecionadas até o final de 2019, oferecendo às organizações uma nova e poderosa opção para começar a desenvolver e treinar suas aplicações de IA.

•Novos recursos estarão disponíveis para o IBM Security Advisor detectar configurações de segurança incorretas, ajudando empresas a avaliar melhor suas posturas de segurança e tomar medidas corretivas.

A IBM informou na semana passada que seus negócios em nuvem geraram mais de US$ 20 bilhões em receita nos últimos 12 meses. As notícias de hoje complementam as ofertas existentes de IBM Cloud para ambientes privados e locais (on-premises).

“Arquiteturas abertas, baseadas em Kubernetes e contêineres, estão impulsionando a próxima onda de inovação na nuvem. É por isso que a IBM acaba de completar uma jornada de dois anos para aprimorar sua nuvem pública em uma base de software de código aberto”, comentou Arvind Krishna, vice-presidente sênior de Cloud and Cognitive Software da IBM. “Hoje, estamos dando um passo adiante, revelando novos recursos para a nuvem pública da IBM, projetados para fornecer aos clientes o mais alto nível de segurança disponível, proteção de dados e infraestrutura de nível empresarial.”

Aegean Airlines adotou IBM Cloud para transformar seus processos internos de negócio e aprimorar ainda mais a experiência do cliente.

“A IBM é o provedor estratégico que apoiará nossa determinação e vontade de inovar e alcançar a excelência organizacional e nos processos de negócio”, disse Aristeidis Kamvysis, CIO de AEGEAN Group. “Ao utilizar IBM Cloud, somos capazes de inserir IBM Watson em nossos aplicativos, a fim de obter melhores percepções de negócios, à medida que melhoramos as operações de negócios em um ambiente confiável, escalável e ágil.”

Com a experiência do consumidor como prioridade, bancos como o BNP Paribas precisam lidar com constantes mudanças em suas necessidades, além de gerenciar as diretrizes regulatórias e de segurança e uma variedade de dados e cargas de trabalho complexos.

BNP Paribas está utilizando IBM Cloud e adotando uma estratégia de nuvem híbrida para superar esses desafios e dar suporte ao seu desenvolvimento e à sua inovação dentro da crescente necessidade de segurança e conformidade. Isso inclui uma nuvem dedicada ao BNP Paribas, baseada na tecnologia de nuvem pública da IBM que oferece o melhor dos dois mundos: a segurança de uma nuvem privada, com a amplitude de catálogo e economia de uma nuvem pública. Com lançamento previsto para meados de 2020, fornecerá acesso a toda a gama de serviços IBM Cloud IaaS e PaaS, incluindo os serviços de inteligência artificial de IBM Watson, e será executado em uma região multizona dedicada ao BNP Paribas na região de Paris para oferecer alta disponibilidade e resiliência. O BNP Paribas migrará sua TI e aplicativos para essa nuvem dedicada, complementando-a com a nuvem pública da IBM nos EUA, Ásia e Europa. Juntos, BNP Paribas e IBM buscam definir e estabelecer a plataforma em nuvem para ajudar a atender aos controles regulatórios e de segurança enfrentados pelas cargas de trabalho bancárias críticas do BNP Paribas.

“Com as crescentes restrições regulatórias no setor de serviços financeiros, as instituições têm sido historicamente desafiadas a usar a nuvem, e as nuvens públicas em particular. Ao trabalhar com a IBM, somos capazes de fornecer a inovação e a agilidade que as nuvens públicas podem oferecer, combinadas com a segurança necessária para permanecer em conformidade”, disse Bernard Gavgani, CIO do Grupo BNP Paribas. “Essa abordagem nos permite inovar mais rapidamente, proporcionar uma melhor experiência ao cliente, entrar em novos modelos de negócios e explorar novas tecnologias, como a IA”.

Junto com a IBM, a Elaw Tecnologia SA, empresa especializada no desenvolvimento de soluções corporativas para gestão jurídica, criou uma nova solução cognitiva que automatiza tarefas legais complexas e de alto volume, hospedadas em IBM Cloud.

“As rígidas leis trabalhistas no Brasil geram um grande número de ações trabalhistas. Para otimizar os processos legais, trabalhamos com a IBM para desenvolver uma solução de gestão de processos jurídicos usando IA para melhorar a eficiência e a produtividade de nossos advogados”, disse Guilherme Bordon, CEO da Elaw. “A solução está hospedada em IBM Cloud para permitir que a Elaw acesse APIs de IBM Watson, automatize processos e forneça uma plataforma segura para informações confidenciais”.

Home Trust, uma empresa fiduciária com sede no Canadá, migrou recentemente sua infraestrutura de TI para a nuvem pública da IBM para transformar suas operações, mantendo a visibilidade e o gerenciamento de ponta a ponta sobre suas plataformas e aplicativos. Ao migrar para a nuvem, a Home Trust agora tem acesso a serviços de computação flexíveis e escaláveis, bem como acesso a tecnologias de maior valor, incluindo IA, para transformar digitalmente suas ofertas.

“Para muitas instituições financeiras, a atualização dos sistemas principais pode prejudicar as operações comerciais subjacentes e afetar a eficiência”, disse Victor DiRisio, CIO da Home Trust. “Ao escolher IBM Cloud, podemos modernizar nosso ambiente de TI e, ao mesmo tempo, obter os benefícios econômicos da computação em nuvem. Ele garante que novas soluções sejam imediatamente utilizáveis, implementáveis rapidamente e possam, em última análise, oferecer uma experiência superior ao cliente. ”

Para obter mais informações sobre as notícias de hoje, visite www.ibm.com/cloud/blog/announcing-new-public-cloud-capabilities

Governo Federal prepara 19 startups para missão em Xangai

Representantes das 19 startups selecionadas pelo programa StartOut Brasil para missão internacional participaram de dois dias de workshop na Escola de Negócios do Sebrae, em São Paulo. Em dezembro, estes empreendedores vão para uma imersão em Xangai, na China, onde terão a oportunidade de promover conexões com empresas chinesas. A iniciativa é realizada pelo Sebrae, Apex-Brasil, Anprotec e os Ministérios da Economia e Relações Exteriores.

O evento ocorreu nos dias 18 e 19 de outubro e promoveu a integração entre os participantes do programa, com compartilhamento de informações sobre o mercado chinês. Na oportunidade, também foi apresentado um portfólio de soluções ofertadas pelas instituições realizadoras.

Os empreendedores foram aconselhados por Rafael Wandrey, Coordenador-Geral de Inovação no Ministério da Economia, a estudarem bem o mercado a fim de estarem mais preparados para a expansão internacional. Outro ponto de atenção para a missão está na observação dos documentos necessários para a viagem, conforme orientações dadas por Leonardo Santana, do Ministério das Relações Exteriores. Outras dicas, como questões de cultura e negócios, foram abordadas por Reinaldo Ma, da Tozzini Freire Advogados e Ricardo Pelegrini.

“O StartOut é um programa estruturado para impulsionar a internacionalização destas startups. A participação no workshop que antecipa a viagem é fundamental para a preparação destes empreendedores. É a oportunidade de melhorarem seus pitches e aproveitarem para demandar agendas de negócios mais assertivas para sua estratégia de inserção internacional”, comenta Cristina Mieko, analista de inovação do Sebrae.

As startups escolhidas para o StartOut nesta edição desenvolvem soluções aderentes a este mercado. Algumas delas já são graduadas, ou seja, participaram de dois ou mais dois ciclos do programa StartOut, como é o caso da Shelfpix, plataforma de inteligência artificial, e da Rocket.Chat, desenvolvedora de colaboração e comunicação corporativa.

“Já participamos da edição Berlim e Lisboa. Nosso propósito era conhecer melhor estes dois mercados e saber onde poderíamos ter melhor atuação. Para a viagem da China, temos o mesmo objetivo. Como já iniciamos participação no mercado asiático, esta edição nos dará a oportunidade de conhecer melhor os players locais”, explica Leonardo Coletti, vice-presidente de Sales da Rocket.Chat.

Como veterana no programa, a Shelfpix compartilha da mesma visão. “Participamos de outras edições e já entendemos a dinâmica do StartOut. O conhecimento do mercado chinês que o programa proporciona nos ajuda a ter uma experiência melhor, além de mapear futuros negócios na região”, diz Hildo Rocha, CEO da startup.

Já outras selecionadas, como a Cheap2ship, que desenvolve soluções para intermediações de fretes internacionais e foi uma das finalistas do Desafio Sebrae Like a Boss em 2019, participam pela 1ª vez de um ciclo do StartOut Brasil.

Grupo HEINEKEN abre inscrições para Programa de Estágio 2020

O Grupo HEINEKEN no Brasil, segunda maior cervejaria do País, abriu essa semana as inscrições para o seu Programa de Estágio 2020. São 39 vagas nas áreas de Customer Service & Logística, Recursos Humanos, Assuntos Corporativos, Vendas em Campo, Vendas no Corporativo e Produção. Estudantes com graduação prevista entre dezembro de 2020 e dezembro de 2021 poderão se inscrever de 21 de outubro a 20 de novembro deste ano no site da 99Jobs.

“O Grupo HEINEKEN é formado por um time de estrelas que tem paixão pelo que faz e que busca fazer a diferença todos os dias. E nós queremos que os novos talentos estejam alinhados a essa cultura, sempre prontos para superar cada desafio junto conosco”, conta Renato Souza, Diretor de Recursos Humanos.

As vagas estão distribuídas em 12 cidades nas quais a companhia está presente, sendo elas: Itu (SP), São Paulo (SP), Jacareí (SP), Recife (PE), Igrejinha (RS), Alexânia (GO), Alagoinhas (BA), Benevides (PA), Caxias (MA), Rio de Janeiro (RJ), Blumenau (SC) e Ponta Grossa (PR).

Um dos pré-requisitos é que o candidato esteja alinhado aos valores da companhia, tendo paixão pelo que faz, busca incansável pela qualidade em todos os processos e entregas, trazendo a diversão para o dia a dia e atuando com protagonismo na carreira, sempre com respeito pelas pessoas e pelo planeta.

Além disso, os novos talentos devem ter conhecimento em Pacote Office, disponibilidade para estagiar por 30 horas semanais, morar na cidade da vaga ou ter mobilidade para o deslocamento diário até o local, e passar nos testes de cultura organizacional durante os processos de inscrição.

O processo de seleção terá quatro etapas após a inscrição, passando por testes online, vídeo online, dinâmica presencial para o estado de São Paulo e dinâmica online para outros estados e, por fim, a entrevista presencial individual. Os aprovados começarão a estagiar em fevereiro de 2020, podendo se manter no programa por no máximo dois anos, e contarão com benefícios como bolsa-auxílio, vale-alimentação ou restaurante no local (a depender da localidade), vale-transporte ou estacionamento (a depender da localidade), plano de saúde, seguro de vida e descontos em seus produtos. Para mais informações acesse: www.99jobs.com/heineken/jobs.

Programa de estágio HEINEKEN 2020

Inscrições: de 21/10/2019 a 20/11/2019

Áreas: Customer Service & Logística, Recursos Humanos, Assuntos Corporativos, Vendas em Campo, Vendas no Corporativo e Produção

Pré-requisitos: graduação entre dezembro de 2020 e dezembro 2021, inglês intermediário, conhecimento em Pacote Office, Morar na cidade da vaga, ou ter mobilidade para o deslocamento diário até o local do trabalho, disponibilidade estagiar 30 horas semanais

Localidades: Itu (SP), São Paulo (SP), Jacareí (SP), Recife (PE), Igrejinha (RS), Alexânia (GO), Alagoinhas (BA), Benevides (PA), Caxias (MA), Rio de Janeiro (RJ), Blumenau (SC) e Ponta Grossa (PR)

Link para inscrição: www.99jobs.com/heineken/jobs .

Relacionamento com hóspede: mais importante do que nunca

Por Cláudio Cordeiro diretor do segmento de Hospitalidade da TOTVS

O (bom) relacionamento é a chave para o sucesso de qualquer negócio. Mas para estabelecer conexões realmente sólidas e, consequentemente, de valor, hoje em dia é preciso pensar pequeno. Isso mesmo, é preciso pensar em menor escala: de modo individualista. O perfil do consumidor atual, que não é nada homogêneo, demanda que as companhias estejam preparadas para atende-lo de forma personalizada, quase como se o conhecesse.

E com a inteligência artificial, hoje já é possível, por meio de análise de dados, identificar os gostos pessoais dos viajantes. Os dados de suas viagens anteriores, somados aos costumes de clientes com perfil similar, possibilitam identificar que tipo de comida aquele hóspede prefere, assim como os alimentos que ele passa longe, quais os passeios ele vai gostar de fazer, quais serviços e necessidades especiais irá precisar, se vai para uma reunião de negócios ou se viaja com sua família. Com isso, a comunicação com o cliente passa a ser mais assertiva, possibilitando uma hospedagem diferenciada.

Segundo um estudo divulgado em 2019 pela Zendesk sobre a experiência de consumo, 81% dos clientes deixam de fazer negócios com uma marca caso a experiência não tenha sido boa o suficiente. No caso dos hotéis, essa percepção pode ser transmitida quando as informações do hóspede não são colocadas em evidência, um exemplo disso é quando ele precisa informar uma restrição alimentar em cada restaurante de um resort. Por menor que seja a situação, antecipar-se e oferecer exatamente o que o cliente deseja é um grande diferencial competitivo hoje em dia.

A melhor maneira de atender essa expectativa é a utilização de tecnologias, como o CRM (Customer Relationship Management). Esse software pode trazer resultados positivos tanto nas vendas, por identificar padrões de consumo, como na retenção de clientes, por reunir informações pessoais que contribuem para uma experiência personalizada. Hoje já existem ofertas robustas de CRM próprias para grandes redes hoteleiras, e até soluções que atendem pequenas pousadas.

Mas, para ter um melhor retorno no investimento de uma solução de CRM, esse software precisa estar aliado à uma estratégia de atendimento baseada em dados. Em outras palavras, é a capacidade humana de análise que resulta no tal atendimento personalizado, desejado pelos atuais consumidores. De nada vale contratar um ótimo sistema e ter a informação ao seu dispor, num computador ou num dispositivo móvel, se ela não for traduzida em ações práticas.

Para isso, é preciso investir também na capacitação das equipes, que irão, a partir dos dados coletados, tomar ações focadas no melhor atendimento ao cliente e extrair o máximo de aproveitamento do CRM. Em suma, a competitividade entre hotéis está cada vez mais ligada ao quão bem você conhece o seu cliente – e o que é feito sobre isso. Um estudo do Gartner revela que até 2025 o mercado nacional deva investir cerca de R$ 80 bilhões em sistemas CRM. E você, quanto pretende investir na fidelização do seu hospede?

Alta na contratação de temporários indica novo fôlego do varejo, diz ACSP

A Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem) prevê a abertura de 570 mil vagas no final deste ano em todo o país – uma expansão de 13,8% em relação ao mesmo período do ano passado (entre setembro e dezembro), quando foram disponibilizados 500 mil postos de trabalho.

Cerca de 366 mil vagas estarão em São Paulo, o estado brasileiro com maior participação na geração de vagas de trabalho temporário. O número equivale à população de Franca, no interior, ou São Vicente, no litoral, ambas cidades paulistas.
O número de contratações pouco mais elevado que nos anos anteriores reflete a expectativa de uma pequena melhora na economia em 2020, de acordo com Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

“A perspectiva de recuperação da economia brasileira no próximo ano somada ao aumento da demanda dos consumidores deve impactar positivamente as decisões contratuais das empresas, e caso se concretize, pode levar uma parcela de empresários a absorver parte dos novos admitidos. Pode ser um novo fôlego para o varejo”, diz o economista da ACSP.

As contratações que historicamente, se iniciavam em meados de agosto, neste ano, ficou mais aquecida no início de outubro, em razão das vendas para o Dia das Crianças, e se estender até as compras de final de ano para o Natal, segundo a entidade.

O levantamento da Asserttem corrobora com essa previsão. Outubro e dezembro devem ser os meses com maior volume de vagas, em comparação a 2018, com crescimento de 19,8% e 21,8%, respectivamente.

Solimeo explica que a geração de vagas formais através do trabalho temporário, no formato da Lei Federal 6019/74 se tornou uma alternativa de contratação utilizada em diversos setores e para qualquer nível de ocupação, desde o microempreendedor até as multinacionais.

“A modalidade é uma solução para muitos. As empresas que colocaram o pé no freio nas contratações e que usaram esse período para arrumar a casa e enxugar os gastos podem aproveitar o aumento nas vendas para uma retomada”.

No contrato temporário, geralmente por dois ou três meses, o trabalhador tem os mesmos direitos de um empregado fixo, só que por tempo determinado. Na modalidade de trabalho intermitente, o funcionário pode ser contratado por dia, e até por hora, dependendo da necessidade da loja.

Na sequência da região Sudeste, que tem a maior participação no número de contratações, o levantamento mostra que vem os estados do Paraná (36.899), Rio de Janeiro (34.688), Santa Catarina (26.870) e Amazonas (26.701).

Uso de inteligência artificial reduz custo de processos seletivos

A contratação de um colaborador, quando não é bem-sucedida, pode causar prejuízo financeiro para as empresas e a frustração do profissional. Um levantamento realizado pelo LinkedIn, em parceria com a Price Waterhouse Coopers, aponta que as empresas com contratações malsucedidas registram, a cada ano, chegam a US$ 19,8 bilhões, nos mercados analisados.

Segundo o estudo, melhorar este quesito poderia aumentar a produtividade em até US$ 130 bilhões. Somente no Brasil, são cerca de US$ 11 bilhões em riquezas não geradas por problemas na contratação de profissionais. A pesquisa Como Melhorar o Equilíbrio entre Talento e Oportunidade para Gerar Crescimento, de 2014, analisou companhias de 11 países.

Para tentar minimizar o desperdício e proporcionar maior harmonia entre as necessidades das empresas e os objetivos dos profissionais, cada vez mais a inteligência artificial está sendo empregada na hora da contratação.

“Um processo seletivo tradicional, incluindo todas as etapas desde a divulgação da vaga até a contratação, custa para a empresa, em média, 3 mil reais, além do salário mensal do recrutador. Já em um processo seletivo online, utilizando ferramentas tecnológicas para recrutar os candidatos e selecioná-los, o valor do investimento pode sair bem mais em conta”, avalia Du Migliano, cofundador da 99jobs.

De acordo com o especialista em recrutamento, “a tecnologia pode ajudar! Assistentes virtuais e até mesmo chatbots que conversem com os candidatos criando uma identificação costumam ser extremamente assertivos”, aponta o diretor da HRtech que desenvolve soluções tecnológicas para os processos seletivos de grandes empresas como Itaú, Natura e Danone.

Além dessas, Migliano aponta outras vantagens de inserir a tecnologia nos processos seletivos. E os benefícios ocorrem, não apenas para empresas, mas também para os candidatos:

Otimização de tempo do recrutador e do candidato – Após receber os currículos dos candidatos, a empresa tem que selecionar aqueles que atendem aos requisitos exigidos pela vaga. E, de acordo com estudo divulgado, pelo Huffington Post, é essa etapa do processo que leva mais tempo para ser concluída: 24h (que podem ser divididas ao decorrer dos dias, chegando até duas semanas para se obter um resultado) e nem sempre indica uma certeza de assertividade na contratação. Outra coisa que deve ser levada em consideração é o tempo do candidato. Na maioria dos processos seletivos tradicionais, os candidatos vão até a empresa para realizar novas etapas do processo, como dinâmicas de grupo e entrevistas. É de se levar em consideração que isso demanda tempo e dinheiro deles também.

Redução de custos – Um processo seletivo tradicional, incluindo todas as etapas desde a divulgação da vaga até a contratação, custa para a empresa, em média, 3 mil reais além do salário mensal do recrutador. Já em processo seletivo online utilizando ferramentas tecnológicas para recrutar os candidatos e selecioná-los, o valor do investimento pode sair bem mais em conta.

Assertividade – Essa é a principal questão de um processo seletivo. De nada vai adiantar investir tempo e dinheiro se não for possível encontrar um talento ou, pior, se você escolher o profissional errado que não tem tanta compatibilidade assim com a empresa. Analisar as características de cada candidato à mão é um tanto quanto burocrático, cansativo e sofre interferências de vieses inconscientes por parte do recrutador. Utilizando a inteligência artificial nesses processos é possível cruzar as características dos candidatos em segundos e traçar perfis compatíveis, totalmente compatíveis ou não compatíveis com o exigido pela empresa.

Atração do candidato para a vaga – Além dos tradicionais portais de emprego nos quais é possível divulgar a vaga, é viável chegar até o perfil do candidato que se deseja atrair com a ajuda da inteligência artificial. Os chatbots, robôs que simulam seres humanos, podem conversar com os candidatos pelo Whatsapp antes mesmo da inscrição para a vaga, por exemplo. O processo se torna até mais interessante do que pelo método tradicional e, com isso, ajuda na divulgação da vaga pelo boca a boca.

Personalização do processo de acordo com a proposta da empresa – Quer coisa mais interessante do que poder criar uma identidade para o processo seletivo? O primeiro impacto da sua comunicação, como a empresa vai se apresentar ao candidato contribui muito para uma melhor aderência de perfis e efetivamente contratações assertivas. E para isso, a tecnologia pode ajudar! Assistentes virtuais e até mesmo chatbots que conversem com os candidatos criando uma identificação costumam ser extremamente assertivos. Se a empresa está com processo seletivo aberto com foco em inclusão social ou pretende contratar candidatos mais seniores, por exemplo, personalizar o processo seletivo em ambiente virtual pode ser a mais inteligente das saídas.

Sports tech Tero anuncia aporte milionário

A Tero, plataforma digital que conecta atletas brasileiros a oportunidades de carreira, recebeu recentemente um aporte no valor de R$ 1 milhão de investidores anjo, que será destinado ao aperfeiçoamento e ampliação do número de atletas cadastrados na plataforma. Hoje, a startup conta com mais de 8 mil jovens jogadores.

A primeira rodada de captação de investimentos da Tero contou com a participação de nomes como Daniel Orlean, fundador da Biz Capital e ex-VP de marketing do Flamengo; André Barros, fundador do Desimpedidos, maior canal de futebol do YouTube do mundo, além de empreendedores e investidores anjo ligados a empresas como Volanty, QuintoAndar e Uber.

“O foco principal da Tero no momento é aumentar o número de atletas presentes na plataforma, demonstrando aos geradores de oportunidades o valor que essa base qualificada possui. Queremos atingir a marca de 500 mil cadastrados até o final de 2020”, explica Bruno Pessoa, CEO da Tero.

A plataforma busca democratizar o processo de seleção de jogadores de futebol no país, conectando jovens atletas de 13 a 23 anos a geradores de oportunidades de carreira, como clubes e universidades. Ao criar sua conta de forma gratuita, o jogador preenche suas informações, com experiências prévias, características físicas e melhores momentos.

Cada perfil é analisado digitalmente e avaliado por treinadores independentes, que classificam e destacam as particularidades dos atletas. Dessa maneira, os clubes e universidades têm acesso a uma base de talentos já avaliados, otimizando o processo de recrutamento de forma democrática e conectando-se a uma gama de opções que uma seletiva tradicional não conseguiria fornecer.

“Segundo a FIFA, são cerca de 30 milhões de praticantes do esporte e apenas 0,02% deles estão registrados ou jogando profissionalmente. São milhares de talentos perdidos devido à ineficiência do processo de seleção e é isso que Tero se propõe a mudar”, finaliza Pessoa.

Alstra recebe aporte de um dos maiores grupos de investidores do Brasil

A Alstra, startup brasileira que vem transformando a forma como especialistas e projetos se conectam, acaba de receber um aporte da Verus Group, um dos maiores investidores em startups no Brasil. O grupo investe em empresas em estágio inicial com modelos de negócios transformadores, baseados em tecnologia e que já estejam operacionais, independentemente do setor de atuação.

Os recursos serão utilizados para acelerar o desenvolvimento da inteligência artificial que suporta o processo de matching de talentos e projetos, aponta Cai Igel, CEO e fundador da Alstra. “Também vamos ampliar a captação da base de talentos e apoiar a expansão global da plataforma”, complementa o executivo.

A startup vem se destacando no mercado por hiperconectar talentos autônomos a vagas por meio da inteligência artificial unida à expertise humana — estando atenta às novas demandas dos profissionais e mercado. Por esse motivo, a Alstra foi selecionada para o programa BETA, do Websummit de Portugal, um dos maiores eventos de tecnologia e inovação do mundo. “Vamos ter a oportunidade de apresentar nossa proposta disruptiva para empresas, investidores e startups e empresas”, conta Cai.

Em um ano de mercado, a Alstra acabou de expandir suas operações para Portugal, Espanha e Chile, e já conta com mais de 8 mil especialistas autônomos cadastrados em sua base. Grandes empresas, como Itaú, Travelex, PwC, KPMG, ConectCar, entre outros, são clientes da plataforma.

A era do consumidor e da experiência personalizada

Por Guilherme Nunes

Mesmo diante de uma economia em lenta recuperação, com a confiança dos consumidores ainda abalada pelo baixo nível de emprego e o elevado endividamento das famílias, o mercado de consumo está se transformando rapidamente. O amplo, imediato e irrestrito acesso a informações estimulamudanças nos hábitos dos consumidores que buscam valor, conveniência e — acima de tudo — experiências.

Nesse contexto, a valorização e a otimização do tempo do consumidor, bem como a personalização nas ofertas e no engajamento são fatores determinantes para uma boa experiência não somente de compra (uma transação isolada), mas também de relacionamento (contínuo) com o consumidor em seus diferentes momentos de vida.

Entender o perfil de um determinado grupo de consumidores com características comuns não é mais um diferencial para atingir o consumidor de forma efetiva. É necessário entender e engajar a persona. E isso só é possível, em escala, através da tecnologia e do uso inteligente de dados.

A personalização é a próxima fronteira a ser explorada para o sucesso dos negócios, sendo que os varejistas que mais se destacam já usam dados centrados no cliente para compreenderem melhor os hábitos comportamentais individuais dos consumidores.

Mas o engajamento cria expectativas, e é crucial (e parte da experiência) o atendimento às expectativas. Isso requer uma cadeia de suprimentos direcionada pela demanda onde todos os envolvidos no processo dentro da organização estejam engajados com o mesmo objetivo (prover uma boa experiência). No entorno da organização, por sua vez, esse processo requer cooperação – nas operações e no compartilhamento de dados relevantes – entre os diversos elos da cadeia, como fornecedores, parceiros e plataformas. Todas as partes envolvidas e esforços centrados no cliente.

Frente à busca crescente e o uso incessante de dados pessoais relevantes (incluindo os hábitos), é importante um alerta aqui: a preparação das empresas para estarem em conformidade com os requerimentos da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) que entrará em vigor em breve, um esforço que não pode ser subestimado e que ainda não entrou no radar de muitas empresas.

O mercado de consumo e varejo será marcado pelas principais empresas do setor buscando formas de crescimento em meio às incertezas políticas e econômicas. Nesse cenário cada vez mais competitivo e globalizado, a antecipação de tendências e a agilidade na tomada de decisões corretas serão determinantes para o sucesso dos negócios. Na era do consumidor não há tempo a perder. As empresas que não entenderem essas tendências perderão relevância e ficarão definitivamente ultrapassadas.

Guilherme Nunes, sócio-líder de Consumo e Varejo da KPMG no Brasil.